Você está na página 1de 3

ARTES GRÁFICAS (9º 1 GRP3/9º 1 GRA3)

de competências técnicas, relacionais,


Tipo 3 (**) organizacionais e de gestão de carreira
Como 8º ano de escolaridade ou frequência, sem
aprovação, do 9º ano de escolaridade. relevantes para a qualificação profissional a
1200h (percurso com a duração de um ano)
adquirir, para a inserção no mundo do trabalho
9º Ano de escolaridade qualificação de nível 2.
e para a formação ao longo da vida.
6 — Os percursos de educação e formação de
nível de qualificação 2 e 3 integram uma prova
As componentes de formação sócio-cultural e de avaliação final (PAF), nos termos previstos
científica organizam-se por disciplinas ou no presente Regulamento.
domínios e visam, ainda, o desenvolvimento 7 — Sempre que a formação esteja associada à
pessoal, social e profissional numa perspectiva cláusula de formação nos contratos de
de: trabalho, as competências visadas no itinerário
a) Desenvolvimento equilibrado e harmonioso de qualificação devem ter em conta o perfil de
dos jovens em formação; actividades a desenvolver na empresa
b) Aproximação ao mundo do trabalho e da contratante.
empresa; 8 — Sem prejuízo do estabelecido no número
c) Sensibilização às questões da cidadania e do anterior, as actividades desenvolvidas durante
ambiente; o período do exercício profissional relevam
d) Aprofundamento das questões de saúde, para efeitos de posicionamento do jovem em
higiene e segurança no trabalho. pontos intermédios do percurso ou itinerário
de qualificação visado.
4 — A componente de formação tecnológica 9 — Sem prejuízo do disposto nos números
organiza-se por unidades ou módulos de anteriores, para os cursos de educação e
formação, eventualmente associados em formação desenvolvidos no âmbito do
disciplinas ou domínios, em função das Ministério da Segurança Social e do Trabalho
competências que definem a qualificação (MSST) e para os cursos desenvolvidos nas
profissional visada, podendo ter por base os escolas profissionais no âmbito do ME, a
referenciais formativos, perfis e conteúdos das componente de formação sócio-cultural em
ofertas formativas da DGFV, da DGIDC ou do situações excepcionais não integra a disciplina
Instituto do Emprego e Formação Profissional de Educação Física, sendo a respectiva carga
(IEFP), devendo ainda ter em conta a horária distribuída por esta componente.
diversidade dos públicos e contextos da Artigo 4.
Referenciais curriculares
presente oferta formativa.
1 — As tipologias, matrizes curriculares, áreas
5 — A componente de formação prática,
de competências, unidades, disciplinas ou
estruturada num plano individual de formação
domínios de formação, duração de referência,
ou roteiro de actividades a desenvolver em
níveis de certificação escolar e profissional,
contexto de trabalho, assume a forma de
bem como os perfis dos destinatários dos
estágio e visa a aquisição e o desenvolvimento

Agrupamento de Escolas do Algueirão – 2008/2008 - A Coordenação prof; Margarida


Malaquias
ARTES GRÁFICAS (9º 1 GRP3/9º 1 GRA3)
B

cursos que se inscrevem nos percursos de b) As trinta e cinco horas semanais, para os
educação e formação previstos no artigo 2.º, centros de gestão directa e participada do IEFP
são os constantes nos quadros dos anexos I e II ou outras entidades formadoras acreditadas.
do presente Regulamento e dele fazem parte 4 — Os cursos a desenvolver na rede das
integrante. escolas públicas, particulares e cooperativas e
2 — Os cursos previstos no presente escolas profissionais e demais entidades B
Regulamento inserem-se nas áreas de formadoras tuteladas pelo ME terão as
formação aprovadas pela Portaria no 316/2002, seguintes durações de referência:
de 2 de Abril. a) Mil e duzentas horas, correspondentes a 36
3 — A alteração aos referenciais curriculares, semanas, das quais 30 a desenvolver em
quando justificada, implicará uma estreita contexto escolar e as restantes 6 em contexto
articulação e a aprovação dos Ministérios da de trabalho, sob a forma de estágio, em
Educação e da Segurança Social e do Trabalho. percursos com a duração de um ano lectivo;
CAPÍTULO III b) Duas mil e duzentas horas, correspondentes
Cargas horárias a 70 semanas, das quais 64 a desenvolver em
Artigo 5 contexto escolar e as restantes 6 em contexto
Gestão da carga horária de trabalho, sob a forma de estágio, em
1 — A duração diária, semanal ou anual dos percursos com a duração de dois anos lectivos.
cursos variará em função do modelo de 5 — Sem prejuízo do disposto no número
organização e desenvolvimento da formação anterior, para as acções desenvolvidas no
adoptado, associado à rede de quadro no MSST, as durações anteriormente
estabelecimentos de ensino tutelados pelo ME estabelecidas são consideradas como cargas
ou rede de centros de gestão directa e horárias de referência.
participada do IEFP. 6 — Sem prejuízo do previsto no n.º 1 do artigo
2 — A componente de formação prática, a 4. e no n. 2 do presente artigo, quando
desenvolver em contexto de trabalho, terá uma associada à cláusula de formação nos contratos
duração de um a seis meses. de trabalho e numa gestão flexível da
3 — Com excepção do período de formação formação, a carga horária total será distribuída
prática em contexto de trabalho, no qual a por períodos com uma duração de duzentas
duração será ajustada ao horário de a trezentas horas por quadrimestre.
funcionamento em vigor para a actividade 7 — Os cursos que se desenvolvam em regime
profissional visada, a duração semanal de pós-laboral deverão ter a carga horária
referência dos cursos que se desenvolvem em ajustada a este regime de funcionamento.
regime diurno deve ter uma duração entre: Artigo 9.
a) As trinta e trinta e quatro horas semanais, Assiduidade
para a rede das escolas públicas, particulares e 1 — O regime de assiduidade deve ter em
cooperativas e escolas profissionais e demais conta as exigências da certificação e as regras
entidades formadoras tuteladas pelo ME;

Agrupamento de Escolas do Algueirão – 2008/2009 – A Coordenação Pedagógica: prof. Maria


Margarida Fernandes Malaquias
ARTES GRÁFICAS (9º 1 GRP3/9º 1 GRA3)
C

de co-financiamento, pelo que se devem Componente de formação científica:


adoptar as seguintes orientações: Matemática Aplicada . . . 45
Para efeitos da conclusão da formação em ARV . . . 21
contexto escolar com aproveitamento, deve ser Subtotal . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
considerada a assiduidade do aluno, a qual não Componente de formação tecnológica:
pode ser inferior a 90% da carga horária total Unidade(s) do itinerário de qualificação C
de cada disciplina ou domínio; associado (b) 732
b) Para efeitos da conclusão da componente de Componente de formação prática:
formação prática com aproveitamento, deve Formação em Contexto de Trabalho (c) . . 210
ser considerada a assiduidade do aluno, a qual Total de horas/curso . . . 1 200
não pode ser inferior a 95% da carga horária do
estágio. a) Carga horária global não compartimentada pelos
dois anos do ciclo de formação, a gerir pela
2 — Em situações excepcionais, quando a falta
entidade formadora, no quadro das suas
de assiduidade do aluno/formando for
competências específicas, acautelando o
devidamente justificada, as actividades equilíbrio da carga horária anual por forma a

formativas poderão ser prolongadas, a fim de optimizar a formação em contexto escolar e a


formação em contexto de trabalho.
permitir o cumprimento do número de horas
b) Unidades de formação/domínios de natureza
estabelecido ou desenvolverem-se os
tecnológica, técnica e prática estruturantes da
mecanismos de recuperação necessários, tendo qualificação profissional visada.

em vista o cumprimento dos objectivos de c) O estágio em contexto de trabalho visa a


aquisição e o desenvolvimento de competências
formação inicialmente definidos.
técnicas, relacionais e organizacionais relevantes
3 — Sempre que o aluno/formando esteja
para a qualificação profissional a adquirir.
abrangido pelo regime da escolaridade
obrigatória, deverá frequentar o percurso Legislação de Referência:

iniciado até ao final do ano, ainda que tenha  Despacho Conjunto n.º 453/2004, de 27 de
ultrapassado o limite de faltas permitido. Julho;
 Rectificação n.º 1673/2004, de 7 de Setembro;
Matriz curricular dos cursos tipo 3  Despacho Conjunto n.º 287/2005, 4 de Abril;
 Despacho Normativo n.º 19/2008, de 19 de
Componentes de formação Total de horas (a) Março
(ciclo de formação)  Despacho n.º 19117/2008 , de 17 de Julho;

Componente de formação sócio-cultural:  Lei n.º 30/2002, de 20 de Dezembro; de 18 de


Janeiro;
Língua Portuguesa . . .. 45
 Guia de Orientações e Anexos, publicados na
Língua Estrangeira . . . 45
página da Agência Nacional para a Qualificação.
Cidadania e Mundo Actual . . 21
 Referenciais de Formação para cursos de
TIC . .. 21 Educação e Formação de Jovens publicados na

HSST . .. 30 página do IEFP.

Educação Física . . 30
http://www.drelvt.min-edu.pt/emnop/cefj.asp
Subtotal . . 192
Actualização – 25-Jun-2008

Agrupamento de Escolas do Algueirão – 2008/2009 – A Coordenação Pedagógica: prof. Maria


Margarida Fernandes Malaquias