DEONTOLOGIA E PRINCÍPIOS ÉTICOS

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA ÉTICA
Qual o meu posicionamento em relação aos valores éticos e culturais? Sou capaz de reconhecer diferentes valores éticos e culturais? Como intervir em situações de conflito e de tensão cultural?

João Pinheiro

1

IMAGEM 1

João Pinheiro

2

IMAGEM 2 João Pinheiro 3 .

IMAGEM 3 João Pinheiro 4 .

IMAGEM 4 João Pinheiro 5 .

IMAGEM 5 João Pinheiro 6 .

IMAGEM 6 João Pinheiro 7 .

IMAGEM 7 João Pinheiro 8 .

Os dados do problema: Diferentes padrões de cultura Direitos Humanos Universais João Pinheiro 9 .

formados por um homem e uma mulher. No Tibete e no Nepal uma mulher podia ter mais que um marido. A ONU deveria intervir para colocar fim a esta pouca vergonha!??? João Pinheiro 10 .Poliandria Nem em todas as sociedades humanas os casamentos são monogâmicos.

pelo contrário. por exemplo. Nas sociedades europeias. esta prática não é permitida. Podemos condenar a poligamia? João Pinheiro 11 .Poligamia Em muitos países de África. os homens podem casar com mais do que uma mulher.

Quem é que está certo afinal? João Pinheiro 12 . como os antigos romanos. o infanticídio é proibido. Na nossa cultura. consideravam moralmente permissível pôr fim à vida de crianças de tenra idade.Infanticídio Os esquimós.

Os catalinos tinham como tradição comer os cadáveres dos seus Cerimónias Fúnebres familiares. Os gregos antigos cremavam os mortos em pilhas funerárias. João Pinheiro 13 . Padrões de cultura deste género tendem a provocar reacções de rejeição mútua entre os membros de cada uma das sociedades.

tira o seio ao filho que está a mamar. por brincadeira. Entre os maoris. . ou aos vizinhos. que praticam a hospitalidade conjugal. No Japão considera-se delicado julgar os homens mais velhos do que parecem e. A proibição do incesto encontra-se em todas as sociedades. o ciúme desapareceu. de resto. onde se chora à vontade. Nas ilhas Alor. como nos tchambulis. onde a mãe. (…) Entre os esquimós o casamento faz-se por compra. No Ceilão reina a poliandria fraternal: o irmão mais velho casa-se e os mais novos mantêm relações com a cunhada. (…) a morte não parece cruel. tal como na Samoa. em primeiro lugar. Para dormir. . mas não há duas que o definam da mesma maneira e lhe fixem de modo idêntico as determinações exclusivas. As crianças selvagens João Pinheiro 14 . por exemplo. os indivíduos continuam a cometer erros por excesso (. a mentira lúdica considera-se normal. os pigmeus procuram a incómoda forquilha de madeira e os japoneses deitam a cabeça em duro cepo. em que o filho ou a filha são oferecidos de boa vontade aos hóspedes da família como presentes. Nos urabima da Austrália um homem pode ter esposas secundárias que são as esposas principais de outro homem. as lágrimas correm só no regresso do viajante e não à sua partida. as falsas promessas às crianças constituem um dos divertimentos dos adultos. em sinal de amizade. O mesmo espírito encontra-se na ilha Normanby. (…) Os diferentes povos criaram e desenvolveram um estilo de vida que cada indivíduo aceita – não sem reagir. O amor e os cuidados da mãe pelos filhos desaparecem nas ilhas do estreito de Torres e nas ilhas Andaman. A sensibilidade a que chamamos masculina pode ser. a definição do bom e do mau. uma característica feminina. do confortável e do desconfortável.) O homem retira também do meio as atitudes afectivas típicas. Lucien Malson. mesmo durante os testes e de boa-fé. Deste modo os chineses preferem os ovos podres e os oceanenses o peixe em decomposição. em que na família é a mulher quem domina e assume e direcção.TEXTO O homem recebe do meio. Nos esquimós. os velhos aceitam-na como um benefício e todos se alegram por eles. decerto – como um protótipo. O homem recebe do seu meio cultural um modo de ver e de pensar.

recorreria à tortura para salvar civis inocentes? João Pinheiro 15 . Para obter mais informações do prisioneiro. Você é tenente do Exército e recebe um prisioneiro recém-capturado que grita: “Alguns de vocês morrerão às 21h35″. Suspeita-se que ele sabe de um ataque terrorista a um hospital. a tortura de prisioneiros de guerra é proibida.DILEMA – CONFLITO DE VALORES ÉTICOS E CULTURAIS No seu país.

-Os fins justificam os meios? João Pinheiro 16 .

-De boas intenções está o inferno cheio.. …e de más também! João Pinheiro 17 ..

-Porque é que o aborto é condenável? … Ou… porque é que não é condenável? João Pinheiro 18 .

-Eutanásia… … Matar? Ou o direito de morrer? João Pinheiro 19 .

Quanto maior é o bem alcançado…melhor é essa acção!? -Um bombeiro que salva uma família inteira das chamas faz mais do que aquele que apenas salva uma pessoa? -Para salvar cinco pessoas que precisam do transplante de órgãos eu mato uma tiro-lho órgãos para dar aqueles que precisam! -Mato uma mas salvo quatro! É melhor que morra apenas uma do que morrerem todas! João Pinheiro 20 .

Tendo presente todos os tópicos de discussão que foram lançados. procure responder à questão de um modo reflexivo e aprofundado: Para que é que serve a ética? João Pinheiro 21 .

João Pinheiro 22 .

Imperativo categórico “Age apenas segundo uma máxima tal que possas querer que ela se torne uma lei universal!” .Todos podem adoptar a mesma máxima e assim também eu serei roubado! .Posso desejar que todos quebram as promessas que fazem?! – Continuará a fazer sentido fazer promessas se elas podem ser facilmente ser João Pinheiro 23 violadas!? MÁXIMAS: -Podes apoderar-te dos bens do outros desde que te sejam úteis! -Posso quebrar as promessas desde que daí resulte maior benefício para mim! .