P. 1
Estudos Disciplinares - Resumo 1

Estudos Disciplinares - Resumo 1

|Views: 41|Likes:
Publicado porAndré Cruz

More info:

Published by: André Cruz on Mar 20, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/11/2014

pdf

text

original

Estudos Disciplinares

UNIDADE I - Resumo Abordagem de diversos parâmetros relevantes e características de bons leitores e maus leitores e como isso influencia na produção científica. Identificação do Texto: Título, data de publicação, orelha ou contracapa, índice ou sumário, introdução, prefácio ou nota e bibliografia. Realizar o fichamento do texto durante a leitura. Para uma leitura proveitosa: Ter atenção, intenção, reflexão, espírito crítico, análise, síntese. Certificar-se de que o conteúdo é adequado ao que se busca. Correlacionar os dados coletados com o problema em pauta e verificar a validade das informações. Ter muito cuidado ao selecionar conteúdo para embasamento de artigos científicos. Deve ser utilizado conteúdo de reconhecimento científico; não dando prioridade a artigos publicados em revistas, jornais e publicações que não sejam respeitadas no meio acadêmico. Deve-se ter em mente que o conteúdo da pesquisa deve ser 70% original e no máximo 30% de citações e referências. O trabalho científico deve ter em mente o problema, hipótese e pesquisa. Para a análise do texto, fazer a análise textual, análise temática, análise interpretativa, problematização e síntese. Resenha crítica: Para fazer uma resenha crítica, o primeiro passo é contextualizar a obra e apresentar seu autor. Fichamento: Utilizado para melhor administrar o tempo do aluno, ajudando a escrever de uma maneira mais rápida o seu mestrado, sua pós-graduação, doutorado ou mesmo sua graduação (TCC), uma vez que não se tem um tempo muito longo para escrevê-los. Pode-se marcar os números das páginas, elementos que retomem a lógica interna do texto. Processo de escrita: Invenção, disposição e elocução (Whitaker). Estrutura interna do texto acadêmico: Utilizar sempre a dissertação (introdução, desenvolvimento e conclusão.) A metodologia científica tem seu primeiro embasamento no pensamento de Descartes e posteriormente de forma empírica pelo físico inglês Isaac Newton. Descartes propôs chegar à verdade através da dúvida sistemática e da decomposição do problema em pequenas partes. Kall Popper demonstrou que nem a verificação nem a indução serviam ao método científico. Thomas Kuhn percebeu que paradigmas são elementos essenciais do método científico. Um pressuposto filosófico que nos leva a acreditar em algo. Um paradigma é um padrão a ser seguido. Sobre a história da ciência pode-se observar a partir do Renascimento (XIV-XVI) o conflito entre o teocentrismo e o antropocentrismo. A ciência clássica busca diferenciar-se das opiniões de senso comum, pois elas não possuem explicações autossuficientes, ou seja, pretende obter a “garantia de validade” que lhe é reconhecida. Na ciência moderna, a Teoria da Complexidade desenvolvida por Edgar Morin afirma que a ciência não precisa ser construída de forma linear ou apenas por meio da razão, não tem a

é possível extrair conclusões se uma ou outra proposição é verdadeira. para tanto. análise sistemática e experimentação para os estudos dos fenômenos. Ele deve utilizar operações de “mensuração”. a maior (ou única) fonte de conhecimento.pretensão de ser absoluta. ocasionalmente modificada. assim. sendo uma totalidade que se transforma esse autorregula. meios de comunicação etc. identificação de um problema. Michel Foucault (filósofo). .. Teoria da complexidade (interdisciplinaridade) : Morin (2007) defendeu a análise do ponto de vista qualitativo e não apenas quantitativo e a vulnerabilidade da própria ciência moderna. discursiva e lógica utilizada para uma ou mais proposições. medição. Positivismo: Criado por Auguste Comte (1798-1857). O conhecimento atual é construído por redes. A razão seria. Estruturalismo: Envolveu os campos da psicanálise. aferição: testar sua explicação hipotética de “maneira cuidadosa e repetidamente”. linguística. criação de uma hipótese explanatória. organização da vida produtiva e do trabalho. filosofia. matemático e cientista Charles Sanders Peirce (18391914)“(.) a clareza de nossas ideias implica concebermos seus efeitos práticos”. Caso as hipóteses sobrevivam as explicações serão consideradas para investigação futura. Movimentos metodológicos Racionalismo: corrente filosófica que afirma ser o raciocínio (“razão pura”. lógica. sejam elas sociais. Materialismo histórico: infraestrutura: economia. Assim. educação. Marxismo e dialética (1818-1884): Análise da realidade através do viés da dialética (tese/antítese/síntese). É um sistema complexo e mutável. e superestrutura: elementos ideológicos e culturais influenciados pela base econômica: religião. ou seja. Pragmatismo: Segundo o filósofo. ciências sociais. a validade de proposição científica só era atribuída após sua verificação empírica. culturais ou informativas. Para os neopositivistas. psicologia. tentando não defini-la com valores maniqueístas e sim a partir de redes complexas que dão significados à vida social e à própria tecnologia. Discussões contemporâneas: Paradigma: representação de um padrão a ser seguido – ciência clássica. o Positivismo prega a “neutralidade nas ciências”. entre eles matemático Wittgenstein.. o uso da lógica e da matemática alicerçava o conhecimento do real e separava o que é científico do não científico. combinaram as ideias empiristas com a lógica moderna. reconhecer que toda verdade pode e deve ser posta à prova e. Ou seja. Jacques Lacan (psicólogo). física e biologia. antropologia. a verificabilidade seria o critério de significação de um enunciado. ou pelo menos. matemática. da verdade acessível ao ser humano. Neopositivismo: Vários pesquisadores. corrigida ou abandonada. arte. Com ela. entre outros. ciência. sem influência dos sentidos empíricos) uma operação mental. falsa ou provável. Destacam-se: Claude Lévi-Strauss (antropólogo). Empirismo: corrente filosófica que considera a experiência (uso dos sentidos) como critério ou norma da verdade. Defendem que a realidade é composta de estruturas. crítica literária semiótica. autorregulamentado pela empiria e teoria. O cientista não deve se deixar levar por pressupostos metafísicos ou teológicos. Caracteriza-se por negar o absolutismo da verdade.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->