P. 1
CÓRTEX CEREBRAL

CÓRTEX CEREBRAL

|Views: 152|Likes:

More info:

Published by: Janyne Sacha Menezes on Mar 20, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/13/2013

pdf

text

original

CÓRTEX CEREBRAL É uma fina camada de substância cinzenta que reveste o centro branco medular do cérebro.

No córtex chegam impulsos provenientes de todas as vias da sensibilidade que aí se tornam conscientes e são interpretadas. Do córtex saem os impulsos nervosos que iniciam e comandam os movimentos voluntários e com ele estão relacionados os fenômenos psíquicos. CITOARQUITETURA DO CÓRTEX No córtex existem neurônios, células e neurogliais e fibras. As células da neuroglia cortical não têm nenhuma característica especial. Os neurônios e as fibras distribuem-se de vários modos, em várias camadas, sendo a estrutura do córtex cerebral muito complexa e heterogênea. Quanto à sua estrutura distinguem-se dois tipos de córtex: isocórtex e alocórtex. No isocórtex existem seis camadas, já no alocórtex não. As seis camadas são as seguintes: 1- Camada molecular 2- C amada granular externa 3- Camada piramidal externa 4- Camada granular interna 5- Camada piramidal interna ( ou ganglionar) 6- Camada de células fusiformes ( ou multiformes) A camada molecular situada na superfície do córtex, é rica em fibras de direção horizontal e contém poucos neurônios, destacando-se as chamadas células horizontais (de Cajal). Os diversos tipos de neurônios corticais são classificados de acordo com o tamanho e direção de seu axônio. a) Células granulares: também chamadas células estreladas, possuem dendritos que se ramificam próximo ao corpo celular e um axônio que pode estabelecer conexões com células das camadas vizinhas. É o principal interneurônio cortical, ou seja, estabelece conexão entre os demais neurônios e fibras do córtex. Admite-se que a maioria das fibras que chegam ao córtex estabelece sinapse com as células granulares, que são as principais células receptoras do córtex cerebral. As células granulares existem em todas as camadas, mas predominam nas camadas granular interna e externa. b) Células piramidais ou pirâmides: tem o nome devido à forma piramidal do corpo celular. Podem ser pequenas, médias, grandes ou gigantes. As células piramidais gigantes são denominadas células de Betz e ocorrem no giro pré-central (área motora). As células piramidais possuem 2 tipos d denditros, apicais ou basais. Denditro apical: destaca-se do ápice da pirâmide, dirige-se às camadas mais superficiais, onde termina. Denditro basal: é curto, distribui-se próximo corpo celular. O axônio das células piramidais tem direção descendente e, em geral, ganha a substância branca como fibra eferente do córtex, por exemplo, as fibras que constituem o tracto cortiço-espinhal. As células piramidais existem em todas as camadas, mais predominam nas camadas piramidal externa e interna, e são consideradas predominantemente efetuadoras. c) Células fusiformes: possuem um axônio descendente que penetra no centro branco-medular, sendo célula efetuadora. Predomina na VI camada. d) Células de Martinotti: possuem denditros que ramificam nas proximidades do corpo celular e, um axônio de direção ascendente que se ramifica nas camadas mais superficiais.

recebe o nome especial de estria de Gennari. variando com o tipo de fibra e com a área cortical. influenciando assim o seu funcionamento. modificam as características eletrofisiológicas das células corticais. especialmente na camada molecular. destacando-se as seguintes fibras: 1. São células intracorticais de associação.Fibras córtico-espinhais 2. a estria de Baillarger externa é muito desenvolvida e pode ser vista a olho nu e.Fibras córtico-estriadas 5.e) Células Horizontais (de Cajal): tem forma fusiforme.Fibras córtico-pontinas 4. A grande maioria das fibras de projeção aferentes do isocórtex origina-se do no tálamo. também possui uma organização colunar cortical. estas fibras terminam nas camadas corticais. No entanto existem conexões horizontais entre células de colunas vizinhas.Fibras córtico-reticulares 6. As áreas corticais formadas por fibras perpendiculares à superfície delimitam colunas verticais formadas principalmente por células e que atingem toda a espessura do córtex. como parte do sistema ativador reticular ascendente (SARA). . pelo centro branco-medular. Distribuem-se a todo o córtex cerebral. As fibras de projeção eferentes do córtex estabelecem conexões com vários centros subcorticais. esta camada é muito desenvolvida nas áreas sensitivas do córtex. Esta camada é muito desenvolvida nas áreas motoras do córtex. associa-se a uma completa deterioração das funções corticais. o córtex além de possuir uma organização laminar horizontal. Admite-se a existência de conexões aferentes diretas com a formação reticular. As de projeção ligam o córtex a centros subcorticais.Fibras córtico-nucleares 3. mas seu modo de terminação não é uniforme.Fibras córtico-rúbricas 7. podendo ser aferentes ou eferentes. As radiações talâmicas originadas nos núcleos específicos terminam na camada IV (granular interna). Existe a estria de Baillarger externa e interna. Não exerce uma ação generalizada de excitação ou inibição do córtex. ou seja. possui denditro e axônio de direção horizontal. As fibras de projeção aferentes do córtex cerebral podem ter origem talâmica ou extralâmica. ou seja. Está na camada molecular. situada no sulco calcarino. As fibras aferentes oriundas dos núcleos talâmicos inespecíficos também se distribuem a todo o córtex. Na área visual. como ocorre na doença de Alzheimer. Em síntese a camada IV é a camada receptora de projeção e a camada V é a efetuadora de projeção.Fibras córtico-talâmicas A grande maioria origina-se na V camada. Existe mais semelhança entre os neurônios situados dentro de uma coluna que entre os neurônios situados dentro de uma coluna que entre colunas vizinhas. As fibras de associação ligam diferentes áreas do córtex cerebral. FIBRAS E CIRCUITOS CORTICAIS As fibras que saem ou entram no córtex cerebral passam. sobre o qual exercem ação ativadora. mas provavelmente aumentam ou diminuem a atividade em regiões corticais específicas durante determinadas etapas do processamento da informação. necessariamente. A degeneração dessas fibras. no mesmo hemisfério ou no hemisfério oposto (fibras comissurais). As demais são predominantemente de associação. Fibras extralâmicas são monoaminérgicas originadas na formação reticular ou fibras colinérgicas oriundas do núcleo basal de Meynert. Atua como moduladora.

há uma enorme quantidade de células granulares que invadem. inclusive. As áreas funcionais do córtex foram inicialmente classificadas em dois grandes grupos: áreas de projeção e áreas de associação. que invadem as camadas II e IV. Área de Broca está relacionada com a linguagem falada. . Lesões nas áreas de projeção podem causar paralisias ou alterações na sensibilidade. Já no isocórtex heterotípico agranular. Lesões dessas áreas. CLASSIFICAÇÃO ANATÔMICA DO CÓRTEX Baseia-se na divisão do cérebro em sulcos. em fase alguma de seu desenvolvimento. encontrada na vida fetal. o que pode ser feito com critérios anatômicos. Já no isocórtex heterotípico as seis acamadas não podem ser claramente individualizadas no adulto. fazendo parte do rinencéfalo e do sistema límbico.CLASSIFICAÇÃO DAS ÁREAS CORTICAIS O córtex não é homogêneo em toda sua extensão. No isocórtex heterotípico granular. No isocórtex homotípico as seis camadas corticais são sempre individualizadas com facilidade. se liga aos órgãos visuais. Áreas de projeção são as que recebem ou dão origem a fibras relacionadas diretamente com a sensibilidade e com a motricidade. as camadas piramidais (III e V). de modo geral. característico das áreas sensitivas. Em um mesmo lobo temos áreas corticais de funções e estrutura muito diferentes. havendo vários mapas de divisão. o paleocórtex ocupa o úncus e parte do giro para-hipocampal. As diversas áreas corticais podem ser classificadas em grupos maiores de acordo com suas características comuns. O arquicórtex está localizado no hipocampo. estão relacionadas a funções psíquicas complexas. com exceção o córtex do lobo occipital. Arquicórtex e Paleocórtex ocupam áreas corticais antigas ligadas à olfação e ao comportamento emocional. que. estruturais e funcionais. CLASSIFICAÇÃO ESTRUTURAL DO CÓRTEX O córtex cerebral pode ser dividido em numerosas áreas citoarquiteturais. tem seis camadas. podem causar alterações psíquicas. entretanto. giros e lobos. CLASSIFICAÇÃO FILOGENÉTICA DO CÓRTEX Pode-se dividir o córtex cerebral em arquicórtex. é mascarada pela grande quantidade de células granulares ou piramidais. está situado no lobo frontal inferior esquerdo. paleocórtex e neocórtex. CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL DO CÓRTEX As áreas corticais não são homogêneas. Todo o resto do córtex classifica-se como neocórtex. Somatotopia: correspondência entre determinadas áreas corticais e certas partes do corpo. Isocórtex é o córtex que tem seis camadas nítidas. Temos córtex do lobo frontal. direta ou indiretamente. filogenéticos. Alocórtex é o córtex que nunca. ao menos durante o período embrionário. temporal e etc. que invadem as camadas II e IV. há considerável diminuição de células granulares e uma quantidade enorme de células piramidais. As demais áreas consideradas de associação e. permitindo a individualização de várias áreas. uma vez que a estrutura laminar típica. característico das áreas motoras. o que não acontece nas áreas de associação.

ÁREAS DE PROJEÇÃO (ÁREAS PRIMÁRIAS) Relacionam-se diretamente com a sensibilidade ou com a motricidade. das áreas da perna. Mais abaixo vem a área da mão. todas pequenas. As áreas de associação são podem ser divididas em secundárias e terciárias. A área 3 localiza-se no fundo do sulco central. o que permite a fácil individualização das seis camadas corticais. pressão. pois estão relacionadas. As áreas ligadas diretamente com à sensibilidade e à motricidade. As primeiras são também chamadas de áreas unimodais. localiza-se a área dos órgãos genitais e do pé.2.As áreas de projeção podem ser divididas em dois grandes grupos. As áreas terciárias são supramodais. tronco e do braço. Existe uma só área primária motora. que predominam nesse tipo de córtex. tato e propriocepção consciente da metade oposta do corpo. que corresponde as áreas 3. memória. os processos simbológicos e o pensamento abstrato. por exemplo. pois. pode-se tomar potenciais evocados nas partes correspondentes da área somestésica. A divisão do homúnculo sensitivo (giro pós-central) é a seguinte: na porção superior e parte medial do hemisfério. Nas áreas de associação do neocórtex. não há grande predomínio de células granulares ou piramidais. porém mal definidas. e várias áreas primárias sensitivas nos demais lobos. são consideradas áreas primárias. ÁREAS SENSITIVAS PRIMÁRIAS Área Somestésica Está localizada no giro pós-central. ou seja. o indivíduo tem manifestações sensitivas em certas partes do corpo. Próxima ao sulco lateral. mas estão envolvidas com atividades psíquicas superiores como. seguida. Exemplo: quando se estimula eletricamente a área somestésica. com uma determinada modalidade sensorial ou com a motricidade. Nas áreas motoras existe isocórtex heterotípico agranular. já na parte súpero-lateral do hemisfério. Lesões da área somestésica podem ocorrer como conseqüência de acidentes vasculares cerebrais que comprometem as ARTÉRIAS CEREBRAL MÉDIA OU . dor. que é grande. Aí chegam radiações talâmicas que se originam nos núcleos ventral póstero-lateral e ventral póstero-medial do tálamo e trazem impulsos nervosos relacionados com temperatura. as áreas de projeção. são estimulados receptores exteroceptivos ou se são feitos movimentos em determinadas articulações. existe isocórtex homotípico. de função e estruturas diferentes: áreas sensitivas e áreas motoras. e sua lesão causa alterações psíquicas sem qualquer conotação motora ou sensitiva. embora indiretamente. Se. As conexões de uma determinada área de associação unimodal se fazem predominantemente com a área primária da mesma função. Nas áreas sensitivas do neocórtex existe isocórtex heterotípico do tipo granular. a área da língua e da faringe. seguida da cabeça. Mantêm conexões com várias áreas unimodais ou com outras áreas supramodais. ativando receptores proprioceptivos. onde a face e a boca também são grandes. como formigamento e ou dormência. não sendo elas nem sensitivas nem motoras.1 do mapa de Brodmann. situada no lobo frontal. o que está de acordo coma função primordialmente efetuadora das células piramidais. o que está de acordo com a função primordialmente receptora das células granulares. não se ocupam do processamento motor ou sensitivo. ou seja. enquanto as áreas 1 e 2 aparecem na superfície do giro pós-central.

Cada cóclea representa-se no córtex dos dois hemisférios. corresponde a área 4 de Brodmann. em decorrência disso o paciente perde a estereognosia. É um isocórtex heterotípico agranular. A ablação bilateral da área 17 causa cegueira completa na espécie humana. são chamadas de crises uncinadas. nas quais o indivíduo vê alucinações brilhantes. Fibras originadas do corpo geniculado lateral (são as fibras do tracto geniculado calcarino) chegam a este local. A estimulação elétrica nesta área determina . causam alucinações auditivas. ÁREA VISUAL Localiza-se nos lábios do sulco calcarino e corresponde à área 17 de Brodmann. ÁREA MOTORA PRIMÁRIA Ocupa a parte posterior do giro pré-central. pois a via auditiva não é totalmente cruzada. A área vestibular está mais relacionada com a área de projeção da sensibilidade proprioceptiva do que coma a auditiva. Estimulações elétricas nesta área causam alucinações visuais. ÁREA GUSTATIVA Corresponde á área 43. como zumbidos. peso e textura dos objetos tocados. se projeta na parte posterior do sulco. e se localiza na porção inferior do giro pós-central. então ocorre perda de sensibilidade discriminativa do lado oposto à lesão. caracterizado pela presença de das células piramidais gigantes ou células de Betz. ÁREA AUDITIVA Está situada no giro temporal transverso anterior e corresponde as áreas 41 e 42 de Brodmann. como tato não discriminativo e sensibilidade térmica e dolorosa são preservados. em um indivíduo acordado. em uma pequena região próxima á área somestésica correspondente a face. Estimulações elétricas nesta área.CEREBRAL ANTERIOR. no lábio inferior deste sulco. a capacidade de reconhecer os objetos colocados em sua mão. A metade superior da retina projeta-se no lábio superior do sulco calcarino e a metade inferior. Lesões bilaterais causam surdez completa. enquanto a parte anterior. chegam a esta área. Certos casos de epilepsia local do úncus causam alucinações olfatórias. Os receptores do vestíbulo são classificados como proprioceptores especiais. que na realidade não existem. ÁREA VESTIBULAR Localiza-se no lobo parietal. sons de determinada freqüência projetam-se em partes específicas desta área. se projeta na parte anterior do sulco calcarino. ou seja. é incapaz de localizar a parte do corpo tocada ou distinguir graus de temperatura. As modalidade mais grosseiras de sensibilidade (sensibilidade protopática). ÁREA OLFATIVA Ocupa uma parte situada na parte anterior do úncus e do giro para-hipocampal. causa déficit pequenos. Lesões nesta área provocam uma diminuição da gustação na metade oposta da língua. A parte posterior da retina. Na área auditiva existe tonotopia. Fibras da radiação auditiva originadas no corpo geniculado medial. nunca objetos bem definidos. ou seja. pois informam sobre a posição e o movimento da cabeça. Estimulações elétricas ou crises epiléticas cujo foco se inicia nesta região causam alucinações gustativas. que geralmente são desagradáveis. próxima a ínsula. Lesões unilaterais. o que implica uma correspondência dessas partes com a cóclea.

ou seja. o que não ocorre nas lesões das áreas secundárias. As principais conexões aferentes da área motora são com o tálamo -. Identificação de um objeto-> se faz em duas etapas: uma de sensação outra de interpretação. corresponde as áreas 5 e parte da área 7 de Brodmann. logo atrás da área somestésica primária. A lesão das ares primárias causa deficiências sensoriais. A existência de duas áreas diferentes envolvidas na identificação de objetos torna possível que elas sejam lesadas separadamente. Focos epiléticos situados nesta área causam movimentos de grupos musculares isolados. sua forma. cÁrea auditiva secundária: situa-se no lobo temporal. são às vezes denominadas áreas gnósicas. ainda que indiretamente com alguma modalidade de sensação ou com a motricidade. já a etapa de interpretação. dureza. As áreas secundárias recebem aferências principalmente das áreas primárias correspondentes e repassam as informações recebidas às outras áreas do córtex. apesar de as vias sensitivas e das áreas de projeção cortical estarem perfeitamente . em especial às áreas supramodais. Durante muito tempo foram denominadas áreas silenciosas do córtex. com a área somestésica e com as áreas prémotora e motora suplementar. tais características sensoriais são “comparadas” com o conceito do objeto existente na memória do indivíduo. envolve processos psíquicos muito mais complexos. circundando a área auditiva primária. estando geralmente justapostas às áreas primárias correspondentes. nos quais há perda da capacidade de reconhecer objetos. entretanto. e corresponde à área 22 de Brodmann. A extensão da representação cortical de uma parte do corpo na área 4 é proporcional não a seu tamanho. ou gnosia. podendo se estender progressivamente a outros grupos. ÁREAS DE ASSOCIAÇÃO DO CÓRTEX Aquela que não se relacionam diretamente com a motricidade ou com a sensibilidade. à medida que o estímulo se propaga. bÁrea visual secundária: situa-se nas áreas 18 e 19 de Brodmann no lobo occipital. em conseqüência disso. 21 e 37 de Brodmann. Na etapa de interpretação. ÁREA DE ASSOCIAÇÃO SECUNDÁRIA São áreas unimodais. ocorrem os quadros clínicos denominados agnosias. relacionam-se. Na etapa de sensação toma-se consciência das características sensoriais do objeto. cor. ou área primária. Podem ser sensitivas ou motoras. As principais fibras responsáveis pela motricidade voluntária são as fibras dos tractos cortiço-espinhal e corticonuclear. como cegueira e surdez. que dependem da integridade das áreas de associação secundárias e. estende-se ao lobo temporal onde ocupa as áreas 20. tamanho etc. o que permite sua identificação.movimentos de grupos musculares do lado oposto. ÁREAS DE ASSOCIAÇÃO SECUNDÁRIAS SENSITIVAS São três: aÁrea somestésica secundária: situa-se no lobo parietal superior.através do qual recebe informações do cerebelo --. mais à delicadeza dos movimentos realizados pelos grupos musculares aí localizados. ou gnosia. A etapa de sensação faz-se em uma área sensitiva de projeção.

leva a uma dificuldade de compreensão de sons de linguagem. O tracto retículo-espinhal é o principal responsável pelo controle motor da musculatura axial proximal dos membros no homem. ou seja. São supramodais. AMUSIA: lesão da área secundária auditiva no hemisfério direito. ÁREAS DE ASSOCIAÇÃO TERCIÁRIAS Ocupam o topo da hierarquia funcional no córtex cerebral. que são quadros clínicos correspondentes as agnosias. no homem ocupa cerca de ¼ da superfície do córtex cerebral. sem que exista qualquer déficit motor que. Tipos especiais de agnosia visual e auditiva são os efeitos de linguagem denominados. Nas lesões da área pré-motora esses músculos (do tronco ou da base dos membros e outros) têm sua função diminuída (paresia). Suas principais conexões são com o corpo estriado. neste caso a lesão está nas áreas corticais de associação relacionadas com o planejamento dos atos voluntários. São responsáveis também pela elaboração das diversas estratégias comportamentais. adiante da área motora primária. respectivamente. Lesões da mesma área resultam em sintomatologia diferente conforme o lado lesado. auditivas e somestésicas. São consideradas áreas motoras secundárias ou de associação: área motora suplementar.normal. e ocupa toda a extensão da área 6. corresponde à área 44 e parte da 45 de Brodmann. Lesões nesta área resultam em déficits de linguagem denominados afasias. ÁREA PRÉ-FRONTAL Compreende a parte anterior não-motora do lobo frontal. nos quais os indivíduos perdem total ou parcialmente a capacidade de reconhecer os símbolos visuais ou sonoros que constituem a linguagem escrita ou falada. há incapacidade de executar determinados atos voluntários. estas últimas geralmente táteis. leva a uma dificuldade de compreensão de sons musicais. Esta área é ativada sozinha quando a pessoa é solicitada a repetir mentalmente a seqüencia dos movimentos sem entretanto executá-los. Distinguem-se agnosias visuais. ÁREA DE BROCA Situada nas partes opercular e triangular do giro frontal inferior esquerdo. área pré-motora e área de Broca. Relaciona-se coma concepção ou planejamento de seqüencias complexas de movimentos. AFASIA: lesão da área auditiva secundária no hemisfério esquerdo. Através dos fascículos de associação do córtex ela . ÁREA MOTORA SUPLEMENTAR: Ocupa parte mais alta da área 6. o que impede o paciente de elevar completamente o braço ou a perna. na face medial do giro frontal superior. responsável pela programação da atividade motora relacionada com a expressão da linguagem. Lesões dessas áreas ou de suas ( suplementar e pré-motora) causam apraxias. situada na face lateral do hemisfério. não se relacionam isoladamente com nenhuma modalidade. ÁREAS DE ASSOCIAÇÃO SECUNDÁRIA MOTORAS São adjacentes as áreas motoras primárias. via tálamo e com a área motora primária. cegueira verbal e surdez verbal. ÁREA PRÉ-MOTORA Localiza-se no lobo frontal.

ambas de associação.escolha das opções estratégicas comportamentais. de se barbear ou calçar os sapatos do lado esquerdo. área 39. ligando-se ainda ao sistema límbico. Lesões dessas áreas dão origem a distúrbios de linguagem denominados afasias que.controle do comportamento emocional. É importante para a percepção espacial. funcionando como centro que integra informações recebidas dessas três áreas. assim ele deixa de se lavar.manutenção da atenção (a capacidade de seguir seqüencias ordenadas de pensamentos. sensitiva ou de percepção. informações relevantes para a correta expressão da linguagem passam da área de Wernicke para a área de Broca. ÁREAS LÍMBICAS Compreendem o giro do cíngulo. O paciente passa a agir como se o lado esquerdo dele e do mundo não existisse. No primeiro caso. falando ou escrevendo). área 40. que se manifesta nas lesões no lado direito. não porquê não possa fazê-lo. mais porque para ele o lado esquerdo não lhe pertence. O quadro clínico mais característico das lesões da área temporoparietal em especial de sua parte parietal é a chamada síndrome de negligência ou síndrome de inatenção. mais adequada as situações. só lê a metade direita das sentenças e só como os alimentos colocados do lado direito do prato. estendendo-se às margens do sulco temporal superior e parte do lobo parietal superior. ou seja. por isso quando escreve em uma folha. Distinguem-se dois tipos báricos de afasias: motora ou de expressão. não podem ser atribuídas a lesões das vias sensitivas ou motoras envolvidas na fonação. conhecida como área de Wernicke. ÁREA TEMPOROPARIETAL Compreende o lobo parietal inferior. pois permite que se tenha imagem das partes do próprio corpo. função exercida juntamente com o hipotálamo e o sistema límbico. A área anterior da linguagem corresponde à área de Broca e está relacionada com a expressão da linguagem. mais apenas lesão das áreas corticais de associação responsáveis pela linguagem. . em que a lesão ocorre na área de Wernicke (a compreensão . Admite-se a existência de apenas 2 áreas corticais para a linguagem: uma anterior e uma posterior.recebe fibras de todas as demais áreas de associação do córtex. A área posterior da linguagem situa-se na junção entre os lóbulos temporal e parietal e corresponde à área 22 de Brodmann. ele só escreve do lado direito dela. deixa de perceber a metade esquerda do corpo. relacionada com a percepção da linguagem. O neurologista só pode abordar este paciente pelo lado direito. Quando se tem quadros clínicos um dos sintomas pode ser uma desorientação espacial generalizada. os giros supramarginal. Esta área está envolvida com as seguintes funções: . o paciente perde a noção do seu esquema corporal. . através do qual. Também é uma área de esquema corporal. Essas duas áreas estão ligadas pelo fascículo longitudinal superior ou fascículo arqueado. ÁREAS RELACIONADAS COM A LINGUAGEM AFASIAS A linguagem verbal é um fenômeno complicado do qual participam áreas corticais e subcorticais. visual e somestésica. Situa-se entre as áreas secundárias auditiva. no hemisfério mais relacionado com os processos visuo-espaciais. dependem fundamentalmente da área pré-frontal). São áreas relacionadas principalmente com a memória e o comportamento emocional. em que a lesão ocorre na área de Broca (o indivíduo é capaz de compreender a linguagem falada ou escrita. ou seja. o giro para-hipocampal e o hipocampo. e angular. mais tem dificuldade de expressar adequadamente.

uma vez que o perfeito funcionamento da área de Broca depende da informação da área de Wernicke). em que a compreensão da linguagem é normal. Nos casos raros em que o fascículo arqueado é lesado temos afasia de condução. ASSIMETRIA DAS FUNÇÕES CORTICAIS Do ponto de vista funcional. mais existe déficit de expressão. com algum déficit na expressão. os hemisférios cerebrais não são simétricos e que na maioria dos indivíduos as áreas da linguagem estão localizadas apenas no lado esquerdo. .da linguagem tanto falada quanto escrita é deficiente.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->