TRABALHOS CIENTÍFICOS: como elaborá-los e apresentálos

Daniel Mello1

RESUMO: RESUMO A elaboração de trabalhos científicos, em especial no 3º grau e em pós-graduação, é fundamental ao desenvolvimento da capacidade de compreensão, argüição, ordenamento de idéias, de síntese, de análise, de pesquisa e de construção de novos conhecimentos, fundamentos estes necessários à profissionais de qualquer área de conhecimento. O presente artigo serve como meio de auxílio a pesquisadores, professores e alunos, para que possam melhor conduzir seus trabalhos de pesquisa científica. Apresenta, contudo, de forma despretensiosa, algumas informações.

INTRODUÇÃO Inúmeros são os escritos sobre elaboração e apresentação de trabalhos científicos. No entanto, o assunto continua novo, dada a sua importância no meio escolar de hoje. Em outras palavras, a pesquisa não fica velha pela inquietude do homem e sua necessidade constante de buscar, procurar e questionar. Este estudo destina-se a apresentar à comunidade acadêmica, em nível de graduação, pós-graduação e pesquisa e extensão, um roteiro auxiliar para a elaboração e apresentação de trabalhos científicos, fornecendo aos estudantes e professores, através destas diretrizes metodológicas, instrumentos para dar suporte aos mesmos para que desenvolvam, a contento, trabalhos científicos e que possam aprimorar com eficiência e competência o binômio ensino-aprendizagem. Estes instrumentos, no âmbito do trabalho acadêmico, são de três ordens: técnicos, lógicos e conceituais, envolvendo ainda, três elementos: método científico (conteúdo), redação do texto (expressão) e apresentação (forma). Os pesquisadores, de modo geral, devem dominar certas técnicas de estudo que lhes permitam disciplinar seu trabalho intelectual, garantindo-lhes maior produtividade.
1 Mestre em Economia pela UFSC, especialista em Administração e Desenvolvimento de Pessoas pela UFPR, coordenador e professor do Colegiado de Ciências Contábeis da FASB.

b) partes de um trabalho científico. mas de apresentar de forma sucinta e despretensiosa. Fazer pesquisa. em especial. de pós-graduação e docência. àqueles a nível de terceiro grau. PARTES DE UM PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA Um projeto de pesquisa deverá conter. d) estrutura e apresentação gráfica. . com intuito de formarmos pesquisadores e críticos. pois pesquisa supõe processo contínuo e não produto acabado. c) noções teóricas acerca dos passos de um trabalho científico. a saber: a) partes de um projeto de pesquisa científica.Evidentemente. c) Sumário. h) Metodologia. A pesquisa ocupa hoje um lugar privilegiado na vida de todos os envolvidos no meio educacional. Ressaltamos que não se tem a pretensão de dar aprofundamento em pesquisa. se supõe capacidade e competência humanas e técnicas. por isso. que necessita de instrumentos básicos para empreender trabalhos de investigação científica. O presente estudo está dividido em quatro parte distintas e inter relacionadas. g) Fundamentação Teórica. o domínio das técnicas deve ser conseguido e vivenciado sob um rigoroso controle da lógica. o sujeito criador e transformador de sua própria realidade. no mínimo: a) Capa. na dinâmica do ato educativo que transcende a relação professor-aluno e se estende à sociedade que. d) Introdução. um meio auxiliar para ajudar os pesquisadores a pensar e a organizar o seu conhecimento. Nunca é cedo e nem tarde demais para se começar a pesquisar e desenvolver trabalhos científicos. por sua vez. porém deixemos esse sonho para outras oportunidades. se faz presente nesta relação. então. um pensamento sem apoio em processos bem determinados pode não passar de uma superficial ilusão. o conhecimento não tem limite de espaço e de tempo e o homem é o seu agente absoluto. f) Hipótese(s). j) Cronograma. tais técnicas mecanicamente aplicadas podem não levar a nada. torna-se fundamental a formação do pesquisador. por outro lado. b) Folha de rosto. Para concluir. Para isso. Ela está presente na sala de aula. l) Anexos. e) Objetivos. k) Referência Bibliográficas. O importante seria se o interesse por pesquisas científicas fosse despertado em estudantes ainda de ensino fundamental. i) Recursos. mas.

possuir uma sustentação teórica. Os objetivos específicos devem começar sempre com verbos no infinitivo. coletar. objetiva e direta qual a pretensão do trabalho. demonstrar. Apresenta os motivos que levaram o autor a interessar-se pelo tema e expõe claramente a(s) justificativa(s) do trabalho e o problema(s) de pesquisa. permitindo atingir o objetivo geral. b)título do trabalho e sub-título. detalhando-o. buscar as respostas. avaliar. Deve-se iniciar com verbos em sua forma no infinitivo (verbos de ação): pesquisar. portanto não cabe presumirmos que o nosso trabalho não possa ser melhorado. e e) local. Tem função intermediária e instrumental. medir. de ação. f) Hipótese(s) Hipóteses são as respostas prévias. descrever. comentar. com citações de autores que já deram sua contribuição acerca do tema pesquisado. tais como: analisar. por meio do mesmo. se houver. e) local. por meio de perguntas. comprovar. data (modelo anexo). data (modelo anexo). pesquisar. c)Sumário O sumário deve ser em página exclusiva. avaliar etc. contendo todas as divisões e subdivisões do trabalho. se houver. g) Fundamentação Teórica São os escritos já existentes acerca do assunto estudado que servirão como norteadores da pesquisa. também. Está ligado a uma visão global e abrangente do tema do trabalho proposto. verificar. o que devem ser todos com propósito de se alcançar o objetivo geral. c) título do trabalho e sub-título. É um resumo geral.. Deve-se evitar ações do tipo: provar. e)Objetivos: Objetivos geral: deve conter de forma simples. d) Orientador e. possuindo dessa forma de três a seis objetivos específicos. bem como paginação (modelo anexo). prováveis ao problema de pesquisa. Lembre-se que a pesquisa científica nunca é um trabalho definitivo.a)Capa A capa deve conter as seguintes informações: a) nome da instituição. c) nota indicando a natureza do trabalho. ela evolui. d)Introdução A introdução deverá conter uma contextualização do problema de pesquisa. registrar. dando . Objetivos específicos: apresenta caráter mais concreto. entre outros. b)Folha de rosto A folha de rosto deve conter as seguintes informações: a) nome do autor(es). investigar. podendo ser apenas uma ou várias. d)nome do autor(es). em que o autor do trabalho pretende. desenvolver. comprovadas ou não ao término do estudo. relacionar. entre outros que dêem o sentido de ser concluída a pesquisa científica. b) nome do curso. devendo. o que se pretende construir com o estudo. porém sem entrar na parte metodológica.

fazendo inferência a cada um deles e detalhando a seguir os passos. deve-se reconhecer os recursos que serão necessários para futura implementação. Desenvolvimento da pesquisa É o detalhamento pormenorizado ou seja. laboratorial. de laboratório. Obs. b) objeto de estudo. serão buscados preceitos e conceitos para atuarem como “espinha dorsal” do estudo a ser realizado. verificará se pode contar com tudo o que se fará necessário para a execução do projeto. Método de coleta de dados Quanto ao método. Classificação da pesquisa Deve-se fazer referência ao tipo de pesquisa que será realizado: bibliográfica. os passos que serão dados na execução do trabalho. de campo. em tempo. Uma vez definida a metodologia (descritiva. d)método de coleta de dados.: Obs. além do que esta amostra deve ser significativa. h)Metodologia A metodologia deverá conter as seguintes partes: a) classificação da pesquisa. i)Recursos Recursos humanos: profissionais e especialistas que auxiliaram na concretização do projeto. bibliográfica.). deixando claro ao leitor o universo de alcance desta amostra. Esta seção será importantíssima enquanto previsão. dedutivo quando parte de enunciados gerais para o particular. Recursos financeiros: dispêndios monetários a que o autor terá para a execução do projeto. Recursos materiais: todos os instrumentos necessários para a execução do projeto. se parcial. c)população (amostragem/universo) de estudo. o pesquisador.. a pesquisa pode utilizar-se de um método dedutivo ou indutivo.suporte e credibilidade à mesma. pesquisa de campo etc. preferencialmente. partindo-se de fatos particulares para se chegar a conclusão ampla. . e) desenvolvimento da pesquisa. Objeto de estudo É fazer referência ao que se pretende estudar. Constituem contribuições de autores já consagrados sobre o tema. cujos quais. População (amostragem/universo de estudo) Há que se fazer menção ao todo ou à parte do todo que servirá de amostra para a realização do estudo. e indutivo quando a pesquisa for conduzida. e. como pretende-se conduzir os estudos para se atingir os objetivos específicos. ou seja. etc. deixando claro ao leitor o que será estudado.

. gráficos. e. 4. estatísticas. podem ser: fotos. PARTES DE UM TRABALHO CIENTÍFICO Caracterização A norma NBR 14724 da ABNT define trabalhos de conclusão de curso com um “trabalho acadêmico”. avaliação. pesquisas bibliográficas. são aqueles que antecedem ao texto. coleta e seleção de dados. codificação e tabulação.sistema de referências. digitação e apresentação final (modelo anexo). material específico elaborado pelo autor etc. k) Referências bibliográficas É o conjunto de obras utilizadas pelo autor na leitura do trabalho. análise dos dados. pesquisa de campo (aplicação de questionário ou pesquisa). portanto. 3 – elementos pós-textuais. formulários. interpretação dos recursos e conclusões. obedecer às normas de apresentação de um trabalho desta natureza. completam e sustentam o trabalho. revisão de bibliografia. devendo. 2 – elementos textuais.j) Cronograma Estágios da execução e duração total – Em ordem de ocorrência (mês e ano) item por item: tema. Anexos Materiais que reforçam. digitação. estruturação da equipe. Estrutura técnica O trabalho monográfico tem sua estrutura técnica dividida em 04 (quatro) elementos básicos. questionários. implementação. quais sejam: 1 – elementos pré-textuais. redação do relatório. em consonância à NBR 6023 e em ordem alfabética. planejamento. ilustrações. que deverá ser disposta ao final do trabalho. porém que não podem ser alocados no corpo do mesmo por praticidade para não interromper raciocínio ou seqüência lógica do trabalho ou ainda por estética. podendo ser obrigatórios e facultativos. Elementos Pré-textuais Como o próprio nome indica. Devem ser apresentados na seguinte ordem: .

d) Páginas preliminares São todas facultativas. c) nota indicando a natureza do trabalho. e) local.5 – Lista de Quadros Devem constar. em caso de opção da utilização das mesmas.6 – Lista de Anexos Trata-se de descrição dos anexos que fazem parte do trabalho. podendo ou não fazer parte do trabalho. b) título do trabalho e subtítulo. o autor faz os agradecimentos que julgar pertinentes. centralizada. podem ser: d. d. Porém. data (modelo anexo). se houver. bem como paginação (modelo anexo). contendo todas as divisões e subdivisões do trabalho. a critério do autor. à direita da mesma e sem título. com seus títulos. e. data (modelo anexo). c) nota indicando a natureza do trabalho. d) orientador. a pessoas ou empresas que contribuíram para a realização do trabalho. todos os quadros contidos no trabalho. sendo que ao alto da página deverá conter a palavra AGRADECIMENTOS. c) título do trabalho e subtítulo. e. com seus títulos. em ordem cronológica de sua posição no trabalho.4 – Lista de Figuras Devem constar. . neste item. Deverá ficar localizada ao pé da página. devidamente enumerados e com as respectivas páginas em que os mesmos encontram-se no corpo do trabalho. e)local. o autor deverá fazê-lo dentro das normas técnicas para tanto. d. d. d. neste item. 1 – Dedicatórias Homenagem que o autor queira prestar a algum ente querido. b) Folha de rosto A folha de rosto deve conter as seguintes informações:a) nome do autor(es).3– Lista de Tabelas Devem constar. d) orientador. devidamente enumeradas e com as respectivas páginas em que encontram-se no corpo do trabalho. se houver. devidamente enumeradas e com as respectivas páginas em que elas encontram-se no corpo do trabalho. d. c) Sumário O sumário deve ser em página exclusiva. todas as tabelas contidas no trabalho.a) Capa A capa deve conter as seguintes informações: a) nome da instituição. b) nome do curso. com seus títulos. neste item. maiúscula e negritada.2 – Agradecimentos Neste espaço (página). todas as figuras contidas no trabalho.

devem constar desta lista com suas respectivas identificações. a própria essência do trabalho. c)Metodologia do Trabalho Descrição resumida da metodologia adotada para a realização do trabalho. Em regra. incluindo-se. Constituem contribuições de autores já consagrados sobre o tema. dando suporte e credibilidade à mesma. que por ventura haja necessidade de se fazer constar do trabalho. cada objetivo específico do seu trabalho será convertido em .9 – Abstract Trata-se de uma tradução do resumo para outra língua ( em geral. b) Fundamentação Teórica São os escritos já existentes acerca do assunto estudado que servirão como norteadores da pesquisa. amparado por referencial bibliográfico e citações de autores que já deram sua contribuição acerca do tema pesquisado. deve ser dividido em capítulos.língua inglesa) d. d) Desenvolvimento É o trabalho propriamente dito. cujas quais o trabalho pretende buscar as respostas. neste item. Apresenta os motivos que levaram o autor a interessar-se pelo tema e expõe claramente a(s) justificativas do trabalho e o(s) problema(s) de pesquisas por meio de perguntas. d. a(s) hipótese(s) e a explicação detalhada das divisões do trabalho. que aborde sobre tema relacionado ao assunto do trabalho. com a devida indicação da autoria. É um resumo geral. Deverá ficar localizada ao pé da página. o conteúdo. de forma sucinta. à direita da mesma e sem título.7 – Lista de Abreviaturas/Siglas As siglas e abreviaturas oficiais. os objetivos (geral e específico).8 – Resumo Deve-se. Trata-se da parte mais importante do trabalho. a) Introdução A introdução deverá conter a contextualização do problema de pesquisa. Ex.d. Elementos textuais São os elementos que compõem o núcleo. Em virtude de sua extensão.10 – Epigrafe Trata-se de uma citação literal de um texto. por assim dizer. em que serão buscados preceitos e conceitos para atuarem como “espinha dorsal” do estudo a ser realizado. porém sem entrar na parte metodológica. devendo conter concatenação entre as idéias e construção lógica da estrutura da redação.: IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. ainda. descrever. d.

como propósito de melhor detalhar o assunto e facilitar a compreensão do leitor. clareza e concatenação das idéias são fundamentais neste ponto do trabalho. Qualquer questão que dá margem à hesitação ou perplexidade. completam e sustentam o trabalho. para não interromper raciocínio ou seqüência lógica do trabalho ou ainda por estética. . – Conflito afetivo que impede ou afeta o equilíbrio psicológico do indivíduo. Trata-se do juízo do autor acerca dos estudos realizados. formulários. porém não podem ser colocados no seu corpo por praticidade. O termo é envolvido por diferentes acepções. o que torna a tarefa de conceituar o termo difícil O dicionário Aurélio atribui diversos significados ao termo problema. gráficos. b) Anexos Materiais que reforçam. Proposta duvidosa que pode ter diversas soluções. e)Conclusão É o fechamento do trabalho em si. ilustrações. deverá conter: Revisão de literatura e Resultados. Podem ser: referências bibliográficas (obrigatórias) e anexos (opcionais). Elementos Pós-textuais São os elementos que estão localizados após o texto do trabalho. por difícil de explicar ou resolver. em consonância à NBR 6023 e em ordem alfabética. em qualquer domínio do conhecimento.um capítulo de desenvolvimento. No seu desenvolvimento. Questão não solvida e que é objeto de discussão. a) Referências bibliográficas São o conjunto de obras utilizadas pelo autor na realização do trabalho em que deverá ser disposta ao final do trabalho. pergunta ou indagação. Podemos perceber facilmente que nem todos os problemas são passíveis de tratamento científico. Raciocínio lógico. material específico elaborado pelo autor etc. estatísticas. Podem ser: fotos. senão vejamos: – – – – Questão matemática proposta para que se dê solução. questionários. É neste ponto do trabalho que são colocados os argumentos que irão sustentar e dar força e cunho científico ao trabalho proposto. e. Noções teóricas acerca de trabalhos científicos Como formular um problema de pesquisa O que é mesmo um problema? Pesquisas científicas são iniciadas a partir de um problema. pode-se afirmar que seja a interpretação verbalizada dos resultados aos quais o trabalho conduzido pelo autor chegou.

tais como: imersão sistemática no objeto. d) suscetível de solução. verificar se o problema se enquadra na categoria de científico. pois questionam se algo é bom ou ruim. Tais como: “Como funciona a mente?” “O que acontece no Sol?” “O que determina a natureza humana?” etc. este deve ser: a) formulado como pergunta. desejável ou indesejável. Podemos reformular um problema de forma que ele possa ser solucionável (respondível): de “”Como funciona a mente?” para “Que mecanismos psicológicos podem ser identificados no processo de memorização?” c) O problema deve ser empírico Foi visto que os problemas cientifico não devem referir-se a valores (melhor ou pior. a) O problema deve ser formulado como pergunta Esta é a maneira mais fácil e direta de formular um problema. dizemos que um problema é de natureza científica quando envolve variáveis que podem ser testadas: “Em que medida a escolaridade determina a preferência político-partidária? “A desnutrição determina o rebaixamento intelectual?” “Técnicas de dinâmicas de grupo facilitam a interação entre os alunos?” Todos esse problemas envolvem variáveis suscetíveis de observação e de manipulação. certo ou errado entre outros). Para alguns. Existem algumas condições que facilitam essa tarefa. A ciência pode sugerir acerca do problema. podemos dar: “Como fazer para melhorar os transportes urbanos?” “O que pode ser feito para melhorar a distribuição de renda?” “Como aumentar a produtividade no trabalho?” Estes problemas são problemas de “Engenharia”. o que é melhor ou pior. Como exemplo. certa ou errada. Estes problemas não podem ser propostos. pois referem-se como fazer algo eficientemente. c) empírico. Não são passíveis de verificação empírica.1967 p. 30). Estes problemas. é necessário. facilitando sua identificação por parte de quem consulta o projeto ou o relatório de pesquisa. subjetivas invalidando os propósitos da investigação científica. se é um problema científico. Regras práticas para a formulação de um problema. em geral. Para sabermos se um problema pode receber tratamento científico. conduzem a julgamentos morais e. b) claro e preciso. porém não respondê-lo diretamente. devemos antes considerar aquilo que não é. b) O problema deve ser claro e preciso Um problema não pode ser solucionado se não for apresentado de maneira clara e precisa. bom ou mau.Assim. Também não são problemas científicos os seguintes: “Qual a melhor técnica psicoterápica?” “É bom adotar jogos esimulações como técnicas didáticas?” “Os pais devem dar palmadas nos filhos?”Estes são problemas de valor. Formular um problema científico não constitui tarefa fácil. desejável ou indesejável. estudo da literatura existente e discussão com pessoas que acumulam muita experiência prática no campo de estudo (Selltiz. Problemas desestruturados e formulados de maneira vaga. para depois determinar em que medida essas variáveis estão relacionadas entre si. antes de iniciar uma pesquisa científica. isto implica mesmo o exercício de certa capacidade que não é muito comum nos seres humanos. não são possíveis de serem resolvidos. A partir destas considerações. bem como o seu nível de escolaridade. e e) delimitado para uma dimensão viável. a considerações subjetivas. ou ainda se algo deveria ou não ser feito. conseqüentemente. . É perfeitamente possível verificar a preferência político-partidária de determinado grupo. porque não está claro a que se referem.

Para Weber. Os valores.que tem a objetividade como uma das mais importantes características. é necessário ter domínio da tecnologia adequada à sua solução. afirmam que um objeto. Por exemplo. Há hipóteses que se referem a algo que ocorre em determinado caso. d) O problema deve ser suscetível de solução Um problema pode ser claro. Hipóteses casuísticas são muito freqüentes na pesquisa histórica. valores. a de que o Pe. pode-se formular a hipótese de que Moisés era egípcio e não judeu. é que fundou a cidade de São Paulo. que seguem práticas autoritárias . um tema fazendo referência a “Maus professores”. passíveis de estudo pelas ciências sociais. devem ser estudados de forma objetiva.” Como podem ser classificadas as hipóteses? a) Algumas hipóteses podem ser casuísticas. segundo orientação de Durkheim. É necessário delimitar a população dos jovens a serem estudados – por faixa etária. Ou. as visões serão sentidas auditivamente?” Para formular-se problemas. então. Como ilustração. consideremos o seguinte problema de pesquisa: “Quem se interessa por parapsicologia?” A hipótese pode ser a seguinte: “As pessoas preocupadas com a vida além-túmulo tendem a manifestar interesse por parapsicologia. Manuel da Nóbrega e não o Pe. mas o pesquisador pode estar interessado em pesquisar professores transformar as visões iniciais em outras que se refiram a fatos empíricos e não a percepções pessoais. deve ser reformulado. melhor proceder investigação acerca das técnicas e pesquisas necessárias. do ponto de vista da realização de um trabalho científico. por raça e assim por diante. . como fatos ou como “coisas”. Por exemplo: “Ligando-se o nervo ótico às áreas auditivas do cérebro. Caso contrário. sem comprometer os objetivos propostos. Anchieta. por região. e) O problema deve ser delimitado a uma dimensão viável Os problemas de pesquisa devem ser delimitados para que seja viável sua execução. porém não se tem idéia de como seria possível coletar dados necessários à sua resolução. Deve-se Como constituir hipóteses O que são hipóteses? São as proposições testáveis que podem vir a ser a solução do problema. dado sua amplitude. preciso e referir-se a conceitos empíricos. a realidade inclui percepção. Por exemplo: o problema “Em que pensam os jovens?” Este problema. A delimitação do problema tem estreita relação com os meios disponíveis de investigação. estereótipos. uma pessoa ou um fato específico tem determinada característica. Trata-se de valor. repertório sócio-cultural. Por exemplo. mas não preparam as datas ou adotam critérios arbitrários de avaliação. onde os fatos são tidos como únicos.

Variável – tudo aquilo que pode assumir diferentes valores ou diferentes aspectos. Variáveis: estado civil e índice de suicídio. qual é a questão a ser respondida. Na maioria das vezes enunciam um tema.b) Algumas hipóteses referem-se à freqüência de acontecimentos. Hipóteses deste tipo são muito freqüentes na pesquisa social. Classe social também é uma variável. porém abrange categorias diversas. como: alta. Planejamento da pesquisa O que há de mais importante numa pesquisa é a existência de um problema. estabelece-se uma relação de dependência entre as variáveis. quase entram em pânico se lhes propomos que escrevam o enunciado de algum problema. Essa dificuldade em tratar com problemas tem sua origem ainda nas escolas de 1º e 2º graus e muitas . peso. Classe social (independente).” Neste caso. Nossos alunos. Variáveis: curso e conservadorismo. mesmo de caráter didático se não se tem claro qual é o problema. Países economicamente desenvolvidos apresentam baixos índices de analfabetismo. um assunto qualquer. mas que um exerce influência sobre o outro. d) Algumas hipóteses estabelecem relação de dependência entre duas ou mais variáveis. As hipóteses deste grupo estabelecem que uma variável interfere na outra. As relações assistemáticas indicam que os fenômenos não são interdependentes entre si ( relações simétricas) e não se relacionam mutuamente (relações recíprocas). antecipam que determinada característica ocorre como maior ou menor freqüência em determinado grupo. média e baixa. estatura. Ex: “A classe social da mãe influencia no tempo de amamentação dos filhos. etc. Ex: Idade. c) Algumas hipóteses estabelecem relação de associação entre variáveis. segundo os casos particulares ou as circunstâncias. Tempo de amamentação (dependente). De modo geral. Pode-se formular a hipótese de que é grande o número de acadêmicos que tocam algum tipo de instrumento musical ou que é muito difundida a crença em horóscopo entre jovens de determinada região. não pode assumir valor numérico. De pouco adianta querer pesquisar ou precisar elaborar um trabalho de avaliação ( uma monografia). mas quase nunca uma questão propriamente dita. sociedade ou cultura. tanto de graduação quanto de cursos de pós graduação. Hipóteses como associação entre variáveis: Alunos do curso de contábeis são mais conservadores que os de administração. O que geralmente busca o pesquisador é o estabelecimento de relações assistemáticas entre as variáveis. temperatura. O índice de suicídio é maior entre os solteiros que os casados. Variáveis: desenvolvimento econômico e índice de analfabetismo.

utilizada também para classificação da pesquisa. Mas a pesquisa de campo requer ainda um ou mais instrumentos de coleta de dados: entrevista. b) Pesquisa de campo – não dispensa um boa e completa bibliografia. atua-se sobre a variável independente.vezes agrava-se na universidade e na pós-graduação. bibliográfica. A pesquisa científica A pesquisa científica visa contribuir para a construção do conhecimento humano em todos os setores. Numa pesquisa. nas pesquisas de opinião acerca das eleições. importância. para serem considerados pesquisas científicas. da matemática ou da agricultura. capaz de representá-lo. ou dela derivar ou acompanhar seu modelo de tratamento. ao testar a lei experimental. divide-se em formal e factual. Os trabalhos de graduação e pós-graduação. pois é onde se busca fundamentação teórica e até mesmo prática para a discussão do problema. da ciência pura ou aplicada. . A classificação tipologia das ciências. Assim. formulário. E os critérios de sua escolha devem ser: originalidade. a variável independente é o aquecimento e a dependente é a dilatação. Por exemplo. artigos de jornal e/ou revista. manuscritos. os institutos de pesquisa revelam o número de pessoas entrevistadas ou submetidas a um formulário. monografias. c) Pesquisa de laboratório – é aquela em que ocorre experimentação. o assunto de que trataremos. de campo ou de laboratório (experimental). visando observar a reação que ela provoca na variável dependente. dissertações. etc. Em nossa pesquisa convém que o título expresse realmente o conteúdo. questionário. da tecnologia ou da literatura. Tipos de pesquisa Uma pesquisa pode ser. Nela. etc. a) Bibliográfica – trabalha com textos: livros. toda vez que um metal for aquecido. Determinação e seleção da amostra Amostra é a parte do todo (universo). pode-se aproveitar uma parte representativa desse universo e trabalhar com ela no lugar do todo. ele se dilata. Tema do assunto Nem sempre o título da obra nos remete ao assunto do qual ela trata. devem produzir ciência. Isso é amostra utilizada. teses. viabilidade e conhecimento do assunto.

Factual – cuida dos objetos factuais. academias. não devemos ficar obcecados em demonstrar erudição e cultura gramatical.23) São consideradas publicações científicas: Artigo científico Trata de problemas científicos. Apresenta resultado de estudos e pesquisa. As ciências naturais são: Biologia. são exemplo as pesquisas mercadológicas e de opinião. Outra classificação da pesquisa considera seus objetos. sociedades científicas. Economia. História. registro e interpretação dos fatos do mundo físico em a interferência do pesquisador. analisa-os. produzir resposta. Sociologia. análise. Quanto ao objeto de estudo. dividindo-a em: Exploratória – estabelece critérios. Quanto ao método. Física. de extensão relativamente pequena. É o inverso do dedutivo: parte de fatos singulares para chegar a uma conclusão ampla. poderá adotar: Método dedutivo – parte de enunciados gerais dispostos em ordem. tornar comum e persuadir.” (BLIKSTEIN. isto é. de modo eficaz. . Psicologia individual. Em tais encontros. Política. reuniões. Descritiva – estudo. de laboratório – quase sempre experimental. Comunicação escrita A comunicação científica define-se como a informação que se apresenta em congressos. Ao escrever. em geral. as ciências culturais são: Psicologia social. subdividindo-se em naturais e culturais.Formal – ocupa-se da lógica ou da matemática. Química. Explicativa – pesquisa que registra fatos. 1985 p. simpósios. Publicações científicas “O conhecimento da gramática é apenas um dos meios para chegarmos a uma comunicação correta. a pequisa pode ser : de campo – ciências sociais. métodos e técnicas para a elaboração de uma pesquisa e visa oferecer informações sobre o objeto da pesquisa e orientar a formulação de hipóteses. Se quisermos escrever bem. e bibliográfica – utilização de textos para pesquisa. interpreta-os e identifica suas causas. Método indutivo – parte dos fatos particulares para conclusões genéricas. mas não é um fim em si mesmo. são expostos os resultados realizados. como premissas de um raciocínio para chegar a uma conclusão particular. devemos dirigir a nossa preocupação para as três funções básicas [da comunicação].

Trata-se de um estudo sobre um tema específico ou particular. É um trabalho mais de natureza reflexiva. bem como os títulos da cada capítulo do trabalho deverão ser em fonte 14 e em caixa alta. a folha de rosto e a página do sumário. a partir da introdução (3) até. Dissertação A dissertação de mestrado ou científica. Entre eles. Monografia É um trabalho que trata de um assunto particular. Tese É o relato de pesquisa exigido para obtenção do grau de doutor. assim. inclusive as referências bibliográficas.” Paper Entende-se por paper uma síntese de pensamentos aplicados a um tema específico. com suficiente valor representativo e que obedece a rigorosa metodologia. . é um texto realizado segundo o molde da tese. Paginação Enumerar as páginas em algarismos arábicos. Em português. também. mas este nome não encontrou acolhida entre pesquisadores. Esta síntese deverá ser original e reconhecer a fonte do material utilizado. em geral. Por meio dela. No caso da capa e da folha de rosto.Trabalhos científicos A expressão trabalho científico compreende vários tipos de textos elaborados segundo estruturas e norma préestabelecidas. as páginas preliminares dos elementos pré-textuais. Essa é sua característica essencial. o informe científico. caso existam. podem ser citados: a resenha. o artigo científico. são contadas para fins de paginação. o paper. no canto superior direito da página. propriamente de descobertas ou de idéias originais. a palavra corresponde a ensaio. ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO GRÁFICA Tamanho e tipo do papel A fonte a ser utilizada deve ser Times New Roman tamanho 12 (doze). de forma sistemática e completa. contudo não são contadas nem numeradas. monografia. embora deva ser pessoal e não mera transição de textos alheios. seu autor “deve demonstrar capacidade de fazer avançar a área de estudo a que se dedica. a página da introdução começa a ser numerada como sendo página 3 (três). A capa não é numerada nem tão pouco conta-se para fins de paginação.

Modelos: Modelo de Capa .5 (um e meio).Espaçamento O espaçamento entre as linhas deve ser em espaço 1.

Modelo de Folha de Rosto .

. BERVIAN. 1995. A. P. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil. 144 p. 1999. CERVO. L. S.A. Elaboração e apresentação de trabalhos de pesquisa. 3.L. Metodologia científica em ciências sociais. Blumenau: Acadêmica. DEMO.ed. Metodologia científica: para uso dos estudantes universitários. P. 1978.REFERÊNCIAS BILBIOGRÁFICAS BECKER. 2. et al. 293 p . . São Paulo: Atlas.ed.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful