Você está na página 1de 38

unidade

unidade Fazer e acontecer
unidade Fazer e acontecer

Fazer e acontecer

2

Gêneros: recomendações de segurança e instruções de montagem. Esfera de circulação: cotidiano. Reflexão sobre a língua: tempos do modo subjuntivo: conjugação e emprego; modo imperativo (revisão e aprofundamento). Temas transversais: saúde, ética e cidadania. Temas associados: regras de comportamento e convívio social, segurança e cidadania.

Provocando o olhar

1. Observe a cena retratada na imagem. Ao escurecer ao máximo o fundo da

foto, qual o efeito criado pelo autor? A valorização do colorido da pipa e seu movimento.

2. Onde você acha que ocorre essa cena? Você acha que essa foto foi tirada de

improviso ou o garoto posou para o fotógrafo?

Resposta pessoal. Professor: Ouça os alunos. A foto foi tirada no Aterro do

Flamengo, parque urbano, em frente à praia, na cidade do Rio de Janeiro, e, segundo seu autor, foi feita de improviso.

3. Você acha que esse é o melhor lugar para o menino fazer o que faz? Por quê?

4. Algum dia você já praticou a brincadeira retratada na imagem? Onde foi? Conte aos colegas e ao professor sua experiência. Resposta pessoal.

Professor: Verifique se os alunos percebem que se trata de um local aberto, adequado para soltar pipa, se não houver fiação elé- trica perto. Verifique se têm a consciência de que soltar pipas na rua pode gerar aci- dentes por causa do fluxo de carros e da fiação elétrica.

5. Soltar pipa é uma brincadeira agradável, mas mesmo para brincadeiras exis-

tem regras. Que tipo de regras ou instruções seriam necessárias para soltar

pipas?

Professor: Verifique as experiências prévias dos alunos e encaminhe a discussão para a questão da segurança: espaços livres, longe da rede elétrica etc.

Você vai aprender nesta unidade

• características dos gêneros recomendações de segurança e instruções de montagem

• comandos na linguagem não verbal

• conjugação e emprego dos tempos dos modos subjuntivo e imperativo

• acentuação dos monossílabos tônicos

Leitura 1 Resposta pessoal. Professor: Ajude os alunos a recordar comandos, ordens, proibições, instruções de

Leitura 1

Resposta pessoal. Professor: Ajude os alunos a recordar comandos, ordens, proibições, instruções de uso e instruções de montagem e a levantar hipóteses sobre uma das principais marcas desse gênero: o uso do imperativo (afirmativo ou negativo) ou do infinitivo.

antes de ler

1. Você já fez alguma leitura para obter instruções ou para sa- ber como proceder em uma situação? Conte para os colegas.

2. Em que momentos do cotidiano deparamos com reco-

mendações, regras e instruções a serem seguidas?

Resposta

pessoal.

Empinar pipa é uma forma de lazer muito popular, mas que oferece alguns riscos. O que fazer para que essa prática se torne segura? Conheça algumas recomendações de segurança.

Os dez mandamentos do pipeiro

Os dez mandamentos do pipeiro

Os dez mandamentos do pipeiro

Elas são bonitas e fazem a alegria da criançada. Mas as pipas exigem espaço para serem empinadas com segurança e alguns cuidados devem ser tomados, principalmente em relação à rede elétrica.

 

Seguindo os dez mandamentos do bom pipeiro sua alegria estará sempre lá em cima. Afinal, brincadeira de

criança tem que ser com segurança.

 
 

Rede elétrica: conjunto de dispositivos elétricos que permite a transmissão e distribuição de eletricidade a longa distância.

1. Solte pipas longe da rede elétrica, de preferência em espaços abertos. Além de evitar o risco de aciden-

tes, você terá mais liberdade para mostrar suas habilidades sem perder a pipa. [ ]

 

2. Aprenda a fazer e soltar pipas sem rabiolas. As pipas agarram nos fios quase sempre por causa de

rabiolas. [

]

Curto-circuito: contato entre fios de um mesmo circuito, com produção de calor, que pode causar incêndio.

 

3. Outra furada: utilizar papel laminado na pipa. Se ela tocar nos fios da Light vai provocar um curto-circuito

que poderá atingi-lo, além de deixar um bairro inteiro sem luz.

 

4. Linhas metálicas no lugar da linha comum nem pensar, pois elas podem causar choques elétricos.

5. Se a pipa agarrou no fio [

],

deixe para lá e é melhor fazer outra. [

]

Jamais tente removê-la, muito

menos utilizando canos, vergalhões e bambus. [ ]

Vergalhão: barra de metal comprida e sólida.

 

6. Atenção: Como o assunto é eletricidade, aos primeiros sinais de tempestade recolha sua pipa. Ela funcio-

na como para-raios, conduzindo energia.

7. Fique atento para que a li- nha da pipa não atravesse no caminho de ciclistas e mo- tociclistas. Muitos acidentes acontecem porque as linhas não podem ser vistas, e lem- bre-se: nunca use cerol. Ele é proibido por lei.

8. Em vez de correr atrás de pipa voada, faça outra. Correr atrás de pipa é correr risco de ser atropelado.

Cerol: mistura de vidro moído e cola que se passa na linha da pipa, para, no ar, cortar a linha de outra pipa.

Cerol: mistura de vidro moído e cola que se passa na linha da pipa, para, no

9. [ ]

Não solte pipas nas lajes

das casas. Qualquer distração pode resultar em choques e quedas.

10. Não se esqueça de chamar a Light imediatamente, caso você veja algum fio solto ou partido. O telefone é 0800 210 196. A ligação é gratuita.

 

Disponível em: <http://www.light.com.br/web/institucional/seguranca/campanhas/pipas/mandamentos/temandamentos.asp?mid=#>. Acesso em: 6 abr. 2011.

Professor: Explore previamente o sentido da palavra mandamento. Chame a atenção dos alunos para o objetivo desta leitura: conhecer recomendações de 56 segurança e a estrutura desse gênero textual. Se necessário, explicar aos alunos que a Light é uma companhia de fornecimento de energia elétrica.

exPLoração do texto

Nas linhas do texto

Antes de iniciar o estudo do texto, tente descobrir o sentido das palavras desconhecidas pelo
Antes de iniciar o estudo do texto, tente
descobrir o sentido das palavras
desconhecidas pelo contexto em
que elas aparecem. Se for preciso,
consulte o dicionário.

1. O texto enumera os principais perigos de soltar pipa perto da rede

elétrica. Quais são eles?

A rabiola da pipa pode enroscar nos fios da rede; pipas com papel lami-

nado podem provocar um curto-circuito e linhas metálicas podem causar choque elétrico.

2. O texto alerta ainda para outros perigos de soltar pipas em lugares não apropriados. Quais são esses locais e que riscos oferecem?

3. A maioria dos dez mandamentos diz respeito à segurança do próprio

pipeiro.

a)

b)

Professor: Antes de iniciar as atividades, verifique se a palavra mandamento, no título, foi associada pelos alunos a regras, instruções, recomendações etc.

O 7 o mandamento.

Qual deles faz referência à segurança de outras pessoas?

O que é recomendado?

Prestar atenção para que a linha não atravesse o caminho de ciclistas e motociclistas e não usar cerol.

4. Um dos mandamentos é dirigido à população em geral.

a)

b)

c)

Que mandamento é esse? Mandamento 10.

Que ação se espera das pessoas?

O texto dá as informações necessárias para que a população possa

seguir essa recomendação?

Que liguem para a Light se observarem algum fio solto ou partido.

Sim, o texto informa um número de telefone com prefixo 0800.

Professor: Comente que o prefixo 0800 permite, sem nenhum custo, entrar em contato com uma empresa para obter informa- ções, fazer reclamações, dar sugestões etc. Usar esse canal para relatar problemas na rede elétrica é uma atitude de cidadania.

Nas entrelinhas do texto

1. Leia o verbete a seguir.

mandar 1. exigir como autoridade superior que se cumpra (algo); dar ordens; determinar, ordenar, prescrever 2. fazer ver, mostrar como desejado, aconse- lhável; recomendar, sugerir.

a) Qual é a relação entre o título “Os dez mandamentos do pipeiro”, o conteúdo do texto e a informação acima?

b) verbete dá dois sentidos para a palavra mandar. No texto lido,

O

o

que se entende por mandamentos: exigências feitas por uma

autoridade e que devem ser cumpridas ou indicações de compor-

tamentos desejados? Justifique.

2. Esse texto foi publicado no site de uma empresa distribuidora de ener-

Indicações de comportamentos desejados; não há exigên- cias ou ordens nem ameaça de punição para quem não cumprir o que se pede.

gia elétrica.

a)

b)

a) Professor: É provável que os alunos respondam que o público são as crianças que soltam

pipas. Chame a atenção delas para o fato de que a segurança das crianças é assunto que diz

respeito também aos adultos responsáveis por elas. Além disso, o texto foi publicado em um site destinado à população em geral.

A quem ele é destinado?

Quem foi o responsável pela publicação do texto?

A companhia de energia elétrica Light.

Em sua opinião, com a escolha do título e a apresentação dos dez mandamentos, o que a empresa Light espera do leitor do texto?

3. Ao apresentar as dez recomendações de segurança, o texto dá a en- tender que prevenir acidentes envolvendo a rede elétrica é papel da empresa, do pipeiro ou de ambos? Explique.

4. Releia os dois parágrafos iniciais do texto. Eles contêm recomenda- ções? Qual o objetivo deles?

c)

Não contêm recomendações; são uma introdução e, ao mesmo tempo, justificam os mandamentos.

5. O fato de uma empresa distribuidora de energia elétrica divulgar um texto como esse em seu site permite deduzir que acidentes com pipa

são frequentes ou raros?

Permite deduzir que são frequentes.

3. De ambos; cabe à empresa dar informações às pessoas para que elas conheçam os riscos que o aparato elétrico oferece; cabe à população evitar expor-se e expor os demais aos riscos.

2. As ruas e as lajes de casas; se a pessoa

corre atrás da pipa na rua, corre o risco de

ser atropelada; se o fizer sobre lajes, corre

risco de choque e quedas.

1. a) Mandamentos são ordens, regras,

regulamentos, algo que se espera ver cumprido, ou que deve ser seguido. No

caso do texto da Light, trata-se de reco- mendações de segurança que a empresa

faz às pessoas que soltam pipas.

Professor: Comente com os alunos que o fato de serem dez mandamentos é, ao que parece, uma referência aos dez man- damentos da tradição judaico-cristã.

2. c) Espera que as pessoas se cons-

cientizem da necessidade de tomar alguns cuidados para evitar acidentes com pipas (envolvendo não apenas a rede elétrica, mas também atropela- mento, queda, ferimentos por cerol). Habilidade em foco: identificar a fina- lidade principal de um texto com base em sua compreensão global. Professor:

Leia mais sobre o texto injuntivo no Ma- nual do Professor.

3. Professor: Comente que um convívio

social pacífico e equilibrado pressupõe

o respeito aos direitos e deveres de

todos; o pipeiro tem o direito de soltar pipas, mas tem o dever de garantir a sua segurança e a de outros cidadãos, prevenindo acidentes.

2. Habilidade em foco: identificar o provável público-alvo do texto.

a de outros cidadãos, prevenindo acidentes. 2. Habilidade em foco: identificar o provável público-alvo do texto

57

Além das linhas do texto

1. Observe a imagem ao lado, utilizada em uma campa- nha de prevenção de acidentes com pipa.

a) A quais dos mandamentos ela está diretamente

associada? Aos mandamentos 1 e 2.

b) Que elemento da imagem deixa claro que se faz uma recomendação de segurança?

Em sua opinião, por que algumas pessoas empi- nam pipa em lugares onde há risco de sofrer e pro- vocar acidentes?

A palavra perigo formada nos fios da rede elétrica.

c)

d) De que forma isso poderia ser mudado?

Resposta pessoal.

2. O mandamento 7 relembra ao leitor que o uso do ce- rol é proibido por lei.

a) Você já viu uma linha de pipa preparada com ce-

lei. a) Você já viu uma linha de pipa preparada com ce- Campanha Nacional de Segurança

Campanha Nacional de Segurança com Energia Elétrica da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee).

rol? Se viu, conte aos colegas

como é. Resposta pessoal.

1. c) Possibilidades de resposta: Por ignorar o perigo que correm; por não terem sido devidamente orientadas; porque não têm outras opções de lazer.

Professor: Uma das formas de promo- ver essa mudança de comportamento

é informando as pessoas do perigo que

algumas práticas representam. Isso pode ser feito por meio de campanhas públi- cas, campanhas nas escolas, nas empre- sas, orientação às famílias etc.

Professor: A linha da pipa é revestida de uma pasta cortante de vidro moído e cola.

b) Em sua opinião, o fato de existir uma lei que proíbe o uso do ce- rol é suficiente para eliminar os problemas acarretados por esse

uso? Por quê?

Resposta pessoal. Professor: Converse com os alunos sobre a questão. Comente que acidentes com cerol podem ser fatais, com muitas vítimas, principalmente motociclistas, e é importante existir uma lei proibindo o cerol, mas que o problema só deixará de existir quando houver uma conscientização dos pipeiros a respeito dos riscos que isso representa.

Como o texto se organiza

1. O texto que estamos analisando é estruturado em dois parágrafos iniciais e dez mandamentos. Em cada mandamento se observa um comando, um trecho que contém a recomendação, ou seja, aquilo que se diz ao leitor que faça. Observe.

"1.

" 1.
Solte pipas longe da rede elétrica, de preferência em espaços abertos . Além de evitar
Solte pipas longe da rede elétrica, de

Solte pipas longe da rede elétrica, de

Solte pipas longe da rede elétrica, de preferência em espaços abertos . Além de evitar o
Solte pipas longe da rede elétrica, de preferência em espaços abertos . Além de evitar o
Solte pipas longe da rede elétrica, de preferência em espaços abertos . Além de evitar o

preferência em espaços abertos

. Além

preferência em espaços abertos . Além de evitar o risco de acidentes, você terá mais liberdade
preferência em espaços abertos . Além de evitar o risco de acidentes, você terá mais liberdade

de evitar o risco de acidentes, você terá mais liberdade para mostrar suas habi- lidades sem perder a pipa. [ ]"

de evitar o risco de acidentes, você terá mais liberdade para mostrar suas habi- lidades sem

Identifique o comando neste mandamento.

"2. Aprenda a fazer e soltar pipas sem ra- biolas. As pipas agarram nos fios quase sempre por causa de rabiolas. [ ]"

Aprenda a fazer e soltar pipas sem rabiolas.

[ ]" Aprenda a fazer e soltar pipas sem rabiolas. comando 2. A maioria dos mandamentos

comando

2. A maioria dos mandamentos contém, além da recomendação, uma jus- tificativa, isto é, uma razão para o leitor fazer o que se aconselha. Volte ao texto e copie no caderno um trecho que contenha uma justificativa.

Em textos de recomendações, de instruções, de normas ou regras, aparecem comandos, trechos que exprimem ações a serem seguidas para atingir determi- nado objetivo.

"Muitos acidentes acontecem porque as linhas não podem ser vistas, e lem- bre-se: nunca use cerol. Ele é proibido por lei." / "Correr atrás de pipa é correr risco de ser atropelado." Professor: Nestas atividades, o foco é o trabalho com a sequência injuntiva, que

é a predominante, embora sequências

expositivas e argumentativas também estejam presentes.

58

3. Releia estes trechos e complete no caderno a frase a seguir.

"4. Linhas metálicas no lugar da linha comum nem

pensar, pois elas podem causar choques elétricos.

5. Se a pipa agarrou no fio [

]

deixe para lá e é melhor

Jamais tente removê-la, muito menos

],

fazer outra. [

utilizando canos, vergalhões e bambus. [ ]"

outra. [ utilizando canos, vergalhões e bambus. [ ]" Meninos soltando pipa (1943), do pintor brasileiro

Meninos soltando pipa (1943), do pintor brasileiro Candido Portinari.

A organização em frases curtas e nu- meradas facilita a leitura: o leitor toma conhecimento dos comandos, ordens ou recomendações a serem seguidos rapidamente.

Textos como esse pretendem levar o leitor a:

a) obedecer a eles, pois são prescritos por lei.

b) levá-los em consideração, sem a necessidade de obedecer a eles.

c) levá-los em consideração e obedecer a eles.

d) obedecer a eles, para sua própria segurança.

Resposta: c e d.

4. Em sua opinião, a organização do texto “Os dez mandamentos do pipeiro” em itens curtos e numerados facilita ou dificulta a leitura? Por quê?

e numerados facilita ou dificulta a leitura? Por quê? Soltar pipa com cerol é tão perigoso

Soltar pipa com cerol é tão perigoso que existem campanhas nacionais para acabar com esse costume.

5. Os mandamentos estão numerados de 1 a 10.

a) Alterar essa ordem comprometeria o entendimento do texto?

Por quê?

Não, pois não há hierarquia entre os mandamentos, não há etapas a serem seguidas, em que uma ação dependa da ação anterior.

b) A receita de um bolo e o manual de instruções de montagem de uma bicicleta, por exemplo, também poderiam ser organizados em itens numerados. No caso desses dois textos, seria possível mudar

a ordem dos itens? Explique.

Não seria possível, pois a receita apresenta passos a serem segui- dos um após o outro, isto é, há interdependência entre as ações.

A ordem dos comandos não pode ser mudada, sob pena de se obter um resultado insatisfatório.

6. O texto “Os dez mandamentos do pipeiro” pertence ao gênero reco- mendações de segurança. Com base no que estudou até aqui, anote no caderno as afirmações que se aplicam a esse gênero.

a) Tem como finalidade principal relatar acidentes que acontecem com os pipeiros e outros cidadãos.

b) Apresenta uma sequência de frases geralmente curtas, indicando procedimentos a serem observados.

c) Apresenta um problema e faz reclamações a respeito dele.

d) Tem como objetivo levar o leitor a agir de determinada forma.

e) Apresenta frases descritivas relacionadas ao espaço e ao tempo em que os fatos acontecem.

Resposta: b e d. Professor: A respeito do gênero, veja o Manual do Professor.

NÃO DEIXE DE LER • Mãe da rua, de Ettore Bottini, editora Cosac Naify Nesse
NÃO DEIXE DE LER
Mãe da rua, de Ettore Bottini,
editora Cosac Naify
Nesse livro, o artista gráfico
Ettore Bottini, além de
apresentar memórias de
sua infância, vivida entre os
anos 1950 e 1960, ensina a
construção, passo a passo,
dos “jogos e armas” da
época – mesa de botão,
pipa, pião, carrinho de
rolimã e muitos outros.

59

Recursos linguísticos

1. Observe os verbos destacados nestes mandamentos do pipeiro.

NÃO DEIXE DE LER • Como fazer pipas, papagaios e pandorgas, de Arnaldo Belmiro, editora
NÃO DEIXE DE LER
Como fazer pipas, papagaios
e pandorgas, de Arnaldo
Belmiro, editora Ediouro
Dos modelos mais simples
aos mais complexos, o autor
mostra através de textos e
figuras como montar diversos
modelos de pipas.

"Solte pipas longe da rede elétrica, de preferência em espaços abertos. Fique atento para que a linha da pipa não atravesse no caminho de ciclistas e motociclistas."

a) Eles estão no modo indicativo, no subjuntivo ou no imperativo?

No imperativo.

b) A quem o autor se dirige ao empregar essas formas verbais?

Dirige-se ao leitor.

ao empregar essas formas verbais? Dirige-se ao leitor. Menino com pipa , de Aldemir Martins. 2.

Menino com pipa, de Aldemir Martins.

2. Releia.

Solte pipas longe da rede elétrica, de preferência em espaços abertos.”

da rede elétrica, de preferência em espaços abertos.” verbo no modo imperativo Agora observe esta outra

verbo no modo imperativo

Agora observe esta outra forma de fazer a mesma recomendação.

Soltar pipas longe da rede elétrica, de preferência em espaços abertos.

da rede elétrica, de preferência em espaços abertos. verbo no modo infinitivo Compare o efeito criado

verbo no modo infinitivo

Compare o efeito criado pelo imperativo com o produzido pelo infi- nitivo. Em sua opinião, qual dos modos torna a recomendação mais enfática, ou seja, torna o tom da recomendação mais próximo do

tom de uma ordem? Resposta pessoal.

Professor: Ajude os alunos a perceber que o imperativo atinge mais diretamente o leitor, pois o uso da segun- da pessoa estabelece interação entre locutor e interlocutor (só é possível dar ordens ou fazer recomendações àqueles a quem se dirige a palavra). Com o infinitivo, a recomendação fica destinada às pessoas em geral, ou seja, o interlocutor fica menos identificado, menos nítido.

3. Releia e compare.

Com advérbio de negação

Sem advérbio de negação

“Se a pipa agarrou no fio da Light, deixe pra lá. […] Jamais tente removê-la [ ]”

“Aprenda a fazer e soltar pipas sem rabiolas.”

“[

]

nunca use cerol.”

“[…] aos primeiros sinais de tempestade recolha sua pipa.”

60

As frases com advérbio de negação referem-se aos dois maiores perigos associados às pipas: choque elétrico e ferimento por cerol.

a) Em sua opinião, por que esses advérbios foram empregados justa-

mente nesses comandos?

Resposta pessoal. Professor: Ouça os alunos. Comente que os advérbios de nega- ção jamais e nunca enfatizam o caráter de proibição desses dois mandamentos.

b) Compare estas duas maneiras de fazer uma recomendação.

“Aprenda a fazer e soltar pipas sem rabiolas.” Nunca faça nem solte pipas com rabiola.

De que forma o comando tem mais força, isto é, fica mais enfático:

com ou sem o advérbio de negação? Por quê?

Professor: Espera-se que os alunos obser- vem que o advérbio dá força à recomen-

dação. Aproveite a oportunidade para verificar os conhecimentos dos alunos sobre advérbios, assunto abordado no livro do 6 o ano.

4. Em muitos textos organizados em comandos, são utilizadas expres- sões que indicam conselho ou advertência, como é importante, é

obrigatório etc. Encontre no texto “Os dez mandamentos do pipeiro”.

uma expressão com essa função.

5. Releia.

“Fique atento para que a linha da pipa não atravesse no cami- nho de ciclistas e motociclistas.”

"3. Outra furada: usar papel laminado na pipa."

 

a)

O que se recomenda nesse mandamento? Recomenda-se não usar papel laminado.

b)

A expressão furada, nesse mandamento, foi empregada como gí-

ria. O que ela significa? Uma furada é algo que não dá certo, que frustra ou provoca aborrecimento.

6.

O

quinto mandamento diz o seguinte.

 

"Se a pipa agarrou no fio da Light, deixe para lá e é melhor fazer outra."

A

expressão destacada é própria da linguagem informal. O que ela

7.

quer dizer?

“Deixar algo para lá” é parar de se importar ou de se preocupar com isso.

O uso de gíria e de expressões próprias da linguagem informal é ade-

quado ao público que o texto “Os dez mandamentos do pipeiro” pre-

tende atingir? Justifique.

mandamentos do pipeiro” pre- tende atingir? Justifique. Professor: Ajude os alunos a perceber que é adequado,

Professor: Ajude os alunos a perceber que é adequado, pois o texto se dirige explicitamente às crianças, por isso o emprego de uma linguagem próxima desse público. (As crianças são o interlocutor identificado no texto, ainda que ele se destine, por seu conteúdo e pelo portador, à população em geral.)

Para lembrar

 
 

Intenção principal

Intenção principal

levar o leitor a agir de forma a evitar acidentes

Leitores

Leitores

Recomendações

 

pessoas que, em determinada situação, estarão sujeitas a provocar ou a sofrer algum tipo de acidente

de segurança

Organização

em comandos, geralmente numerados e acompanhados de uma justificativa

em comandos, geralmente numerados e acompanhados de uma justificativa

Linguagem

Uso de verbos no modo imperativo Mais ou menos formal, de acordo com o público-alvo

61

divirta-se

dePois da Leitura

Habilidade em foco: reconhecer a importância das linguagens e dos sistemas de comunicação nos ambientes sociais e de trabalho.

Comandos na linguagem não verbal

A linguagem não verbal está muito presente em nosso dia a dia. Reco- mendações, instruções, ordens, proibições, regras de convivência podem nos chegar por meio dela.

1. Observe as imagens.

podem nos chegar por meio dela. 1. Observe as imagens. a) Traduza em um comando a
podem nos chegar por meio dela. 1. Observe as imagens. a) Traduza em um comando a
podem nos chegar por meio dela. 1. Observe as imagens. a) Traduza em um comando a
podem nos chegar por meio dela. 1. Observe as imagens. a) Traduza em um comando a

a) Traduza em um comando a recomendação ou ordem dada em cada imagem. Use verbos no modo imperativo, com ou sem advérbio de

negação. Não use o celular/Não fume/Não buzine/Jogue o lixo no lixo.

b) O que torna possível entender qual é o comando em cada imagem?

c) O que indica o traço diagonal vermelho em algumas delas?

Proibição.

d) Quais das imagens indicam proibição e quais são recomendações?

A primeira, a segunda e a terceira imagens exprimem proibição; a quarta, recomendação.

1. b) Professor: Espera-se que os alu- nos percebam que é fácil entender os comandos porque os desenhos são esquemáticos e representam objetos e situações conhecidos. Além disso, a linguagem das placas de trânsito (con- torno vermelho com ou sem um traço diagonal) é compreendida pela maioria das pessoas.

2. Entre as imagens da atividade 1, escolha uma que expresse recomen- dação e outra que expresse proibição. Em que locais elas poderiam

ser afixadas?

Possibilidades de resposta: Proibições: É proibido o uso de celular: postos de gaso- lina, salas de aula, bancos etc.; É proibido

fumar: bibliotecas, escolas, restaurantes, ônibus etc.; É proibido buzinar: entorno de hospitais, garagens etc. Recomendações: Jogue o lixo no lixo: ruas, praças, restaurantes, escolas, shoppings, etc.

3. Em sua opinião, por que em tantas situações se prefere a linguagem

não verbal à linguagem verbal? Resposta pessoal.

verbal? R e s p o s t a p e s s o a l

Professor: Ouça as hipóteses dos alunos. Comente que a linguagem não verbal é de comunicação mais rápida do que a verbal e pode atingir a maioria das pessoas, inclusive as não alfabetizadas. No caso dessas imagens, os símbolos são universais, o que garante também que uma pessoa que não fale a língua local possa entender seu sentido.

que não fale a língua local possa entender seu sentido. Mauricio de Sousa. Disponível em:

Mauricio de Sousa. Disponível em: <http://www.monica.com.br/comics/tirinhas/tira185.htm>. Acesso em: 30 ago. 2011.

62

do texto para o cotidiano

Professor: Divida a classe em duplas ou trios; faça uma avaliação coletiva, ouvindo a posição de um grupo e comparando-a com as dos demais grupos se houver diferença de opinião. Faça uma síntese oral da discussão para concluir a atividade.

Regras a serem cumpridas, procedimentos a seguir, instruções a ob-

servar, ordens a obedecer

nosso cotidiano, em casa, na escola, na rua, na biblioteca.

Sente-se com um colega. Leia com ele os textos a seguir e conversem sobre as questões. Preparem-se para compartilhar oralmente suas opi- niões com os colegas e o professor.

Vivemos às voltas com essas situações em

Viver em sociedade não é nada fácil, muito menos quando precisamos nos portar de forma diferente daquela a que estamos acostumados. É co- mum que em casa tenhamos atitudes mais descontraídas, despreocupadas com as regras de etiqueta, o que é normal, mas não podemos nos portar da mesma forma em todos os lugares. [ ] [ ] Melhor seria se todos aprendessem a conviver com as regras básicas de etiqueta desde criança, pois, dessa forma, as atitudes se tornariam mais espontâneas, comuns na vida das pessoas, facilitando as formas de se com- portar no meio social.

Disponível em: <http://www.brasilescola.com/sociologia/regras-etiqueta.htm>. Acesso em: 6 jul. 2010.

A dificuldade de perceber e respeitar o outro acaba de ser medida por

uma pesquisa da Ipsos Brasil em nove capitais brasileiras com estudantes

de escolas privadas. O resultado é estarrecedor. Entre os entrevistados, 59% disseram que “fazem o que querem e não se preocupam com os outros”.

É um enfrentamento das regras de convivência. [ ]

Gilberto Dimenstein. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/dimenstein/ gilberto/index.htm>. Acesso em: 6 jul. 2010.

Os dois trechos falam em regras de convivência.

1. Vocês acham que regras são importantes para que as pessoas possam

conviver sem problemas? Expliquem sua resposta.

Resposta pessoal. Professor: Espera-se que o aluno perceba que as regras be- neficiam a comunidade, embora, em alguns casos, possam limitar a liberdade individual em prol do bem comum.

2. Quais regras de convivência vocês conhecem e costumam seguir? Ci-

tem duas. Resposta pessoal.

3. De acordo com a pesquisa Ipsos Brasil, 59% dos entrevistados disse- ram que “fazem o que querem e não se preocupam com os outros”. Quais consequências para a convivência em comunidade isso pode

Professor: Ressaltar aos alunos que viver em sociedade é uma tarefa que exige em- penho de cada indivíduo, para que todos possam ter seus direitos respeitados.

4. Cada país ou comunidade possui suas próprias regras de convi- vência. Você acha que é possível conviver com essas diferenças ou todos deveriam seguir as mesmas regras? Por quê? Comente com

acarretar? Resposta pessoal.

seus colegas. Resposta pessoal.

Professor: Ao tomar conhecimento da possibilidade e existência de diferentes formas de organização social, referentes a grupos culturais distintos, espera-se que o aluno compreenda que elas são fruto dos valores e crenças praticados nesses grupos, merecendo respeito desde que não ofendam a dignidade humana e não prejudiquem o próximo.

63

reFLexão sobre a LÍnGua

Modo subjuntivo

1. Leia.

Seria bom se todos aprendessem as regras básicas de convivência.

a) Todos aprenderem as regras de convivência é algo que vai aconte-

1 Uso dos modos subjuntivo e imperativo Para o assunto Modo subjuntivo, acesse e explore
1
Uso dos modos
subjuntivo e imperativo
Para o assunto Modo
subjuntivo, acesse e explore
este recurso digital.

cer com certeza ou algo que se deseja que aconteça?

Algo que se deseja que aconteça.

b) Portanto, a forma verbal aprendessem indica certeza ou possibi-

lidade? Possibilidade.

2. Leia esta notícia.

Festival de Pipas acontece domingo no Parque 24 de Maio

Neste domingo, acontece em Botucatu [cidade do Estado de São Paulo] o Festival de Pipas e Papagaios de

Durante o festival os competidores serão di-

vididos em três categorias: originalidade e beleza (a mais trabalhada, detalhada e bonita); menor tamanho contendo toda a estrutura (papel, cabresto, vareta, linha etc.) e com no máximo 10 cm de comprimento e maior tamanho [ ] Será desclassificada a pipa que não voar; o concorrente que “caçar” a pipa de outro; quem usar cerol, linha me- tálica ou outro material cortante; não recolher a pipa no tempo previsto e empinar a pipa fora do horário e local de apresentação de sua categoria.

Botucatu. [

]

e local de apresentação de sua categoria. Botucatu. [ ] Disponível em:

Disponível em: <http://www.prf-8.com.br/noticia.php?id=217-Festival-de-Pipas-acontece-domingo-no-Parque-24-de-Maio>. Acesso em: 1º- abr. 2011.

a) Quais foram as categorias estabelecidas para a avaliação das pipas

no festival? Originalidade, beleza e tamanho.

b) As formas verbais destacadas no trecho indicam fatos que certa-

mente acontecerão ou que podem vir a acontecer?

Que podem vir a acontecer.

c) No caderno, copie a frase cujo conteúdo equivale ao desta:

As pipas que não voarem bem como os concorrentes que caçarem a pipa de outros serão desclassificados.

I. A pipa que não voou e o concorrente que caçou a pipa de outro foram desclassificados. II. Se a pipa não voar e se o concorrente caçar a pipa de outro, ha- verá desclassificação. Resposta: II.

Professor: O modo subjuntivo foi introduzido no livro do 6 o ano e aprofundado na unidade 1 deste volume.

Ao usar um verbo no modo subjuntivo, o falante:

exprime incerteza ou dúvida, ainda que haja a possibilidade de a ação ou o estado expressos pelo verbo virem a acontecer.

exprime o desejo de que a ação ou o estado expressos pelo verbo se cumpram.

64

Tempos do modo subjuntivo Presente 1. Leia este trecho de um poema. O pão de

Tempos do modo subjuntivo

Presente

1. Leia este trecho de um poema.

O pão de cada dia

Que o pão encontre na boca o abraço da canção construída no trabalho. Não a fome fatigada

Em vão: inutilmente. Fatigado: cansado. Saber a: ter o sabor de; lembrar. Travo: impressão desagradável, doloro- sa; amargor.

de um suor que corre em vão. Que o pão do dia não chegue sabendo a travo de luta e a troféu de humilhação. [ ]

Thiago de Mello. Fa z escuro mas eu canto. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

a) O que significa a expressão o pão de cada dia?

b) Nos três primeiros versos, o eu poético exprime um desejo. Na sua

O sustento diário, os meios de subsistência obtidos pelo trabalho.

interpretação, qual é esse desejo?

Possibilidade de resposta: O eu poético espera que se consiga ganhar o pão de cada dia, o sustento, por meio de um trabalho que traga satisfação (“abraço da canção construída no trabalho”).

c) Para expressar esse desejo do eu poético, o verbo encontrar foi empregado no presente do subjuntivo (“que o pão encontre”). Co- pie no caderno outro verso em que tenha sido empregado esse

Professor: Aceite outras respostas, desde que embasadas em elementos do texto.

tempo do subjuntivo.

“Que o pão do dia não chegue”

2. As formas verbais destacadas nestes trechos de notícias também es- tão no presente do subjuntivo. O que elas expressam em cada trecho:

possibilidade ou pedido?

a)

Talvez um dos principais

fatores causadores dessa crise

seja a falta de motivação da classe de professores, em virtu-

de dos baixos salários.

] [

possibilidade

Diário do Nordeste. Disponível em: <http:// www.jornaisdehoje.com.br/jornais_ estados.htm>. Acesso em: 9 fev. 2011.

3. Leia o quadro.

b)

A senadora e ex-ministra do Meio Ambiente Ma- rina Silva pediu nesta quinta-feira (17) que os diri- gentes mundiais não deixem a 15ª- Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15) sem o compromisso necessário para salvar o planeta

pedido.

Portal Amazônia.com. Disponível em: <http://portalamazonia. globo.com/pscript/noticias/noticias.php?idN=97525>. Acesso em:

9 fev. 2011.

Expressões que exigem verbo no subjuntivo

Verbo no subjuntivo

“[…] é provável que

tenhamos […]”

“Talvez

um dos principais fatores […] seja […]”

“Esperamos que

o público abrace […]”

“[…] pediu que

os dirigentes não deixem

Escreva no carderno outras expressões como essas, que exigem o ver- bo no modo subjuntivo.

Possibilidades de resposta: é necessário que, desejo que, pode ser que, é possível que. Habilidade em foco: reconhecer o efei-

to de sentido decorrente da exploração de recursos morfossintáticos fato versus hi- pótese e o emprego dos tempos verbais.

4. Observe a diferença entre um fato (algo cuja existência não se discute) e uma hipótese (algo que pode ou não acontecer).

Ele só fala mentiras.

(algo que pode ou não acontecer). Ele só fala mentiras. fato > afirmação, declaração, certeza verbo

fato > afirmação, declaração, certeza

mentiras. fato > afirmação, declaração, certeza verbo no presente do indicativo Desconfio que ele só fale

verbo no presente do indicativo

Desconfio que ele só fale mentiras.

do indicativo Desconfio que ele só fale mentiras. hipótese > suposição, dúvida, incerteza verbo no

hipótese > suposição, dúvida, incerteza

Desconfio que ele só fale mentiras. hipótese > suposição, dúvida, incerteza verbo no presente do subjuntivo

verbo no presente do subjuntivo

65

Transforme as afirmações a seguir em hipóteses, subs-

tituindo o presente do indicativo pelo presente do sub- juntivo. Você pode iniciar as frases com uma destas

suponho

expressões: desconfio que

,

acredito que

,

que

a) A aula de xadrez começa às 18h.

,

duvido que

,

talvez

Talvez a aula de xadrez comece às 18h.

b) Jovens gostam de música pop.

Acredito que jovens gostem de música pop.
c)

d) Ela sai da escola às 17h.

Duvido que ela saia da escola às 17h.

Poucas pessoas leem jornal todos os dias.

Suponho que poucas pessoas leiam jornal

todos os dias.

e) A escola fecha aos sábados. Desconfio que a escola feche aos sábados.

Professor: Há outras possibilidades de resposta.

sábados. Professor: Há outras possibilidades de resposta. 4. d) Professor: Os verbos desconfiar e duvidar são

4. d) Professor: Os verbos desconfiar e

duvidar são transitivos indiretos, mas an- tes de objeto indireto representado por oração a preposição de com frequência

é omitida.

5. Observe os verbos destacados nas frases, depois responda no cader- no.

I. É importante que você pense em todas as informações de que vai precisar antes de começar a pesquisa.

II. Solicitamos que ninguém coma neste local.

III. Sugiro que comece a estudar já.

Recomendação. Possibilidades: professor para aluno; pai ou mãe para filho.

I V. Solicitamos que desliguem o computador e apaguem as luzes.

a) O que o presente do subjuntivo indica em cada frase: uma reco- mendação, um pedido ou uma ordem?

b) Em que situação de comunicação essas frases poderiam ser ditas? Quem as diria, onde e para quem?

5.

Habilidade em foco: reconhecer

o

efeito de sentido decorrente da ex-

ploração de recursos ortográficos e/ou morfossintáticos.

5. I. Recomendação. Possibilidades: pro- fessor para aluno; chefe para funcionário; bibliotecário para estudante etc.

5. II. Pedido ou ordem (conforme a

entonação e/ou a situação de comuni- cação). Possibilidades: cartaz na biblio- teca ou na sala de informática dirigido aos usuários ou alunos; inspetor para candidatos durante uma prova ou teste para emprego.

6. Que palavra precede a forma verbal no presente do subjuntivo nes- tas frases? que

Peço que desliguem o computador. Solicitamos que apaguem as luzes. Sugiro que comece a estudar já.

5. IV. Pedido ou ordem (conforme a

entonação e/ou a situação de comunica- ção). Possibilidade: responsável por sala de informática para usuários. Professor:

Aceite outras respostas, desde que coe- rentes.

O presente do subjuntivo pode expressar desejo, possibilidade, pedido, sugestão, recomendação ou ordem. A forma verbal nesse tempo pode ser precedida da palavra que. Exemplo:

Esperamos que vocês venham para cá nas férias.

Conjugação do presente do subjuntivo

Verbos regulares

Veja no quadro abaixo a conjugação de três verbos regulares (um de cada conjugação) no presente do subjuntivo.

 

acabar

comer

abrir

(1 a conjugação)

(2 a conjugação)

(3 a conjugação)

 

acabe

coma

abra

acabes

comas

abras

Presente

acabem

coma

abra

acabemos

comamos

abramos

acabeis

comais

abrais

 

acabem

comam

abram

66

Verbos irregulares

Leia agora a conjugação de alguns verbos irregulares no presente do subjuntivo.

 

Presente

dar

dê, dês, dê, demos, deis, deem

ter

tenha, tenhas, tenha, tenhamos, tenhais, tenham

vir

venha, venhas, venha, venhamos, venhais, venham

Pretérito imperfeito

1. Leia a tira para responder às questões.

imperfeito 1. Leia a tira para responder às questões. Bill Watterson. Calvin e Haroldo . Rio

Bill Watterson. Calvin e Haroldo. Rio de Janeiro: Cedibra, 1987.

a) Qual é o problema de Calvin? Seu tigre de estimação desapareceu.

b) Ele pensa em algo que poderia ajudá-lo a resolver esse problema.

O que é? Pedir a sua amiga Susie que fique de olho, caso o tigre apareça.

As formas verbais ficasse e aparecesse estão no pretérito imperfeito do subjuntivo e indicam que Calvin pensou na hipótese de Susie ajudá- -lo, caso Haroldo aparecesse por lá.

2. Leia.

Seria bom se todos aprendessem as regras básicas de convivência.

Veja como essa frase poderia ser dividida.

Seria bom / se todos aprendessem as regras básicas de convivência.

/ se todos aprendessem as regras básicas de convivência. ser bom ou não é algo incerto

ser bom ou não é algo incerto que depende de uma condição (todos aprenderem)

a)

A

forma verbal aprendessem está no pretérito imperfeito do sub-

juntivo. Em que tempo e modo está a forma verbal destacada na

primeira parte da frase? Futuro do pretérito do indicativo.

b)

O pretérito imperfeito do subjuntivo aparece nestas outras

construções. Futuro do pretérito do indicativo.

Professor: Comente que o pretérito imperfeito do subjuntivo geralmente apa- rece junto com o futuro do pretérito quando se quer expressar uma condição.

O convívio social se tornaria mais pacífico, se agíssemos com polidez. Caso as regras fossem respeitadas, os times sairiam ganhando.

Em que tempo e modo estão as formas verbais tornaria e sairiam?

67

c) Complete a frase a seguir no caderno, dando sua opinião. Empre- gue um verbo no pretérito imperfeito do subjuntivo.

O convívio social seria mais pacífico, se n. Resposta pessoal.

Professor: O conteúdo das respostas é pessoal, mas espera-se que os alunos empreguem o pretérito imperfeito do subjuntivo correlacionado com o futuro do pretérito do indicativo.

d) Qual destas palavras poderia substituir o se na frase que você aca-

bou de escrever: mas, enquanto, caso, porque ou portanto?

A palavra caso.

O pretérito imperfeito do subjuntivo expressa um fato incerto que depende de uma condição ou possibili- dade. Muitas vezes, a forma verbal nesse tempo é precedida das palavras se ou caso. Exemplo:

Se vocês não dissessem nada, o problema se agravaria.

Conjugação do pretérito imperfeito do subjuntivo

Verbos regulares

Veja no quadro abaixo a conjugação de três verbos regulares (um de cada conjugação) no pretérito imperfeito do subjuntivo.

 

acabar

comer

abrir

(1 a conjugação)

(2 a conjugação)

(3 a conjugação)

Pretérito imperfeito

acabasse

comesse

abrisse

acabasses

comesses

abrisses

acabasse

comesse

abrisse

acabássemos

comêssemos

abríssemos

acabásseis

comêsseis

abrísseis

acabassem

comessem

abrissem

Verbos irregulares

Observe agora a conjugação de alguns verbos irregulares no pretérito imperfeito do subjuntivo.

 

Pretérito imperfeito

dar

desse, desses, desse, déssemos, désseis, dessem

ter

tivesse, tivesses, tivesse, tivéssemos, tivésseis, tivessem

vir

viesse, viesses, viesse, viéssemos, viésseis, viessem

Futuro

Facebook: rede social virtual por meio da qual pessoas que se conhecem podem se conectar. No Facebook, é possível trocar mensagens em tempo real, publicar textos, fotos e vídeos.

1. Leia este trecho de uma entrevista com um dos criadores da rede social Facebook.

O que tanto atrai o Facebook ao Brasil?

Zuckerberg – O que estamos fazendo é mostrar que todos podem com-

partilhar informações com amigos e família, não importa onde eles estejam. É

Todos querem estar conectados com seus amigos e

família. Se conseguirmos construir um produto que torne isso muito fácil, será ele que as pessoas irão adotar.

Revista Galileu. Disponível em: <http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0, ,EMI111284- 17770,00-O+QUE+O+FACEBOOK+ESPERA+DO+BRASIL.html>. Acesso em: 10 fev. 2011.

nossa missão global. [

]

Acesso em: 10 fev. 2011. nossa missão global. [ ] O norte-americano Mark Zuckerberg, nascido em

O norte-americano Mark Zuckerberg, nascido em 1984, um dos criadores do Facebook.

68

a) De acordo com o entrevistado, qual é a missão do Facebook?

Proporcionar o compartilhamento de informações entre amigos e familiares.

b) Há no texto duas formas verbais no presente do subjuntivo. Copie-as no caderno. estejam, torne

c) Releia.

"Se conseguirmos construir um produto que torne isso muito fácil, será ele que as pessoas irão adotar."

Ao empregar a forma verbal conseguirmos, o criador do Facebook

deixa implícito que vê a possibilidade de algo se realizar no pre- sente ou no futuro? No futuro.

d) Além dessa forma verbal, há o uso de uma conjunção que reforça

a ideia de possibilidade ou hipótese. Qual é? A conjunção se.

2. Leia esta tira do cartunista Quino.

A conjunção se . 2 . Leia esta tira do cartunista Quino. Quino. Mafalda 9. São

Quino. Mafalda 9. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

a)

Releia a pergunta de Miguelito no terceiro balão. Suponha que fos- sem dadas estas respostas.

 

I. Eu o acendo e queimo o dedo.

 

II. Se eu o acendesse, queimaria o dedo.

Em qual das duas frases há certeza da consequência de acender

o

fósforo? Na primeira, com os verbos no presente do indicativo.

b)

Veja mais esta frase.

 

Se eu o acender, queimarei meu dedo.

 

O verbo destacado foi empregado no futuro do subjuntivo. Essa frase indica:

 

I. que se prevê a possibilidade de Miguelito queimar o dedo se fizer o que está querendo.

 

II. que Miguelito certamente queimará o dedo se fizer o que está querendo.

III. que se espera certamente que se acenda e que se queime o dedo.

d)

Volte à tirinha e releia o quinto quadrinho. O que acontece quando

Idiossincrasia:

comportamento peculiar (próprio) de uma pessoa ou de um grupo de pessoas.

Resposta: I.

é Miguelito quem acende o fósforo? Como você concluiu isso?

Quando Miguelito acende o fósforo, ele se queima. O curativo no dedo e a justificativa que ele dá a Mafalda revelam isso.

69

3. O futuro do subjuntivo é geralmente precedido das palavras quan- do ou se.

Quando Miguelito riscar o fósforo, vai queimar o dedo.

Se Miguelito riscar o fósforo, vai queimar o dedo.

Explique a diferença de sentido entre as frases.

Na primeira, estabelece-se o momento em que o menino vai queimar o dedo: no instante em que riscar o fósforo; a segunda tem o sentido de uma condição: Migue- lito só vai queimar o dedo se riscar o fósforo.

O futuro do subjuntivo expressa a possibilidade de algo vir a realizar-se ou uma condição para algo que se realizará no futuro. Muitas vezes, esse tempo verbal é precedido das palavras quando ou se. Exemplo:

Quando você o vir, dê meu recado.

Conjugação do futuro do subjuntivo

Verbos regulares

Veja no quadro a conjugação de três verbos regulares (um de cada conjugação) no futuro do subjuntivo.

 

acabar (1 a conjugação)

comer

abrir

(2 a conjugação)

(3 a conjugação)

 

acabar

comer

abrir

acabares

comeres

abrires

Futuro

acabar

comer

abrir

acabarmos

comermos

abrirmos

 

acabardes

comerdes

abrirdes

acabarem

comerem

abrirem

Verbos irregulares

Leia agora a conjugação de alguns verbos irregulares no futuro do subjuntivo.

 

Futuro

dar

der, deres, der, dermos, derdes, derem

ter

tiver, tiveres, tiver, tivermos, tiverdes, tiverem

vir

vier, vieres, vier, viermos, vierdes, vierem

Para lembrar

São três os tempos do modo subjuntivo:

presente: ame, venda, parta;

pretérito imperfeito: amasse, vendesse, partisse;

futuro: amar, vender, partir.

Tempos do modo subjuntivo

Presente (Espero que tudo certo.)

Pretérito imperfeito (Seria bom se tudo desse certo.)

Futuro (Quando tudo der certo, ficaremos aliviados.)

70

ATIVIDADES

1. Leia esta pergunta, publicada em uma revista.

E se

falasse a mesma língua?

o mundo

em uma revista. E se falasse a mesma língua? o mundo Você poderia tomar um avião

Você poderia tomar um avião no Brasil, des- cer no Japão e se enten- der com todo mundo.

Disponível em: <http://super.

abril.com.br/cultura/se-mundo-

-falasse-mesma-lingua-443082.

shtml>. Acesso em: 14 fev. 2011.

shtml>. Acesso em: 14 fev. 2011. a) O que você acha que aconteceria se o mundo

a) O que você acha que aconteceria se o mundo inteiro falasse a mesma língua? Resposta pessoal.

b) De acordo com o texto, qual seria o resultado se a ação expressa pela forma verbal falasse

acontecesse? Um brasileiro desceria no Japão e seria entendido por todos os japoneses.

c) Em que tempo e modo estão conjugadas as formas verbais falasse e poderia?

falasse: pretérito imperfeito do subjuntivo; poderia: futuro do pretérito do indicativo.

2. Os trechos a seguir foram tirados de outros números da mesma revista.

a) Complete-os no caderno com os verbos entre parênteses, conjugando-os nos mesmos tempos de falasse e poderia.

E se nós não n (sonhar)? sonhássemos

Caso o homem não n (ter) a capacidade de sonhar, você não n (estar) lendo esta re- vista, pois provavelmente [nós] ainda n (estar) na Pré-História – na melhor das hipóteses.

tivesse, estaria, estaríamos

Disponível em: <http://super.abril.com.br/ciencia/se-nao-sonhassemos-446672.shtml>. Acesso em: 14 fev. 2011. Adaptado.

E se a Lua não n (existir)? existisse

Sem a Lua, as mulheres se n (livrar) da tensão pré-menstrual e todos nós n (viver) dentro da água, como na mítica Atlântida. livrariam, viveríamos

Disponível em: <http://super.abril.com.br/tecnologia/se-lua-nao-existisse-441531.shtml>. Acesso em: 14 fev. 2011.

E se n (reviver) pessoas congeladas? revivêssemos

[ ] O que n (acontecer) se fosse descoberta uma resposta para isso? aconteceria

Disponível em: <http://super.abril.com.br/superarquivo/2003/conteudo_270383.shtml>. Acesso em: 14 fev. 2011.

b) Todos esses trechos tratam de assuntos relacionados a uma área do conhecimento humano. Qual é ela? Copie a resposta certa no caderno.

Arte

Ciência

Filosofia

Medicina

Ciência

71

ATIVIDADES

3. No uso cotidiano da língua, é comum empregarmos tempos verbais diferentes dos que são re- comendados pela norma-padrão. Leia seis das perguntas de um teste para pré-adolescentes.

Qual é o seu pique? 2. 1. Que tipo de curso você gostaria mais de
Qual é o seu pique?
2.
1.
Que tipo de curso você gostaria mais
de fazer?
Se está hospedado numa casa que fica
a quatro quarteirões da praia, você:
natação ou outro esporte e tam-
bém um curso de desenho ou de
música.
pede a seus pais que o levem de
carro, porque o sol está forte.
futebol ou outro esporte, todos
os dias.
não leva muitos brinquedos para a
praia, pois é chato carregar muita
coisa por um caminho tão longo.
inglês ou outro idioma.
vai correndo e leva sua bola para
brincar.
4. O que seria mais divertido fazer em
um feriado?
5. Quando chega da escola, você:
Brincar com os amigos ao ar livre
e depois ver TV.
dorme e depois vê um pouco
de televisão.
Apostar corrida, jogar futebol e
inventar coisas novas com seus
amigos.
brinca fora de casa um pouco
e logo vai jogar video game.
pratica esportes e se diverte
com a turma.
Jogar no computador.
Resultado
Se marcou mais
3. Se morasse perto da escola, na hora de ir à aula, você: convenceria seus
3.
Se morasse perto da escola, na hora
de ir à aula, você:
convenceria seus pais a levá-lo
de carro, pois chegaria atrasado
se tivesse de caminhar.
iria de bicicleta ou a pé nos dias
em que estivesse mais animado.
curtiria ir a pé todos os dias.
6. Se vai brincar com um amigo que
mora dois andares acima do seu,
você:
sobe pelas escadas.
diz para ele descer.
vai de elevador.

Ops! Parece que a preguiça está tomando conta de você. Isso não é nada legal! Todo mundo pre- cisa de movimento para ter uma vida saudável. E você pode se divertir mais se conseguir deixar a TV de lado e curtir atividades mais agitadas com a turma.

Se marcou mais

curtir atividades mais agitadas com a turma. Se marcou mais Em alguns momentos, você está no

Em alguns momentos, você está no maior pique e curte brincadeiras agitadas e passeios ao ar livre. Mas, em outros, prefere ficar mais quieto, curtir jogos, navegar na internet. Todo mundo precisa de descanso, só não vale ficar preguiçoso.

Se marcou mais

de descanso, só não vale ficar preguiçoso. Se marcou mais Uau, que pique! Você é agitado,

Uau, que pique! Você é agitado, gosta de esportes e de brincadeiras ao ar livre. Isso é muito legal! Aproveite esse ânimo e tente convidar outros amigos para participar de brincadeiras com você. Principalmente aqueles que são mais parados. Eles vão descobrir como é gostoso brincar ao ar livre.

Revista Recreio. São Paulo: Abril, 26 fev. 2008.

72

a) Crianças e pré-adolescentes.

b) Copie a(s) resposta(s) no caderno. Percebemos o uso de uma linguagem mais informal em:

I. “[…] você não leva muitos brinquedos para a praia, pois é chato carregar muita coisa por um caminho tão longo.”

II. “Se morasse perto da escola, na hora de ir à aula, você iria de bicicleta ou a pé nos dias em que estivesse mais animado.”

Observe de onde foi tirado esse texto. Quem seriam os leitores dessa publicação?

III. “Se morasse perto da escola, na hora de ir à aula, você curtiria ir a pé todos os dias.”

IV. “Quando chega da escola, você pratica esportes e se diverte com a turma.” Resposta: I, III e IV.

c) Em sua opinião, por que, nesse texto, optou-se por uma linguagem mais informal?

Para se aproximar da linguagem do público leitor, para o leitor se identificar com a publicação etc.

d) Observe que na questão 3 do teste há a ocorrência de verbos no futuro do pretérito (chega-

ria, iria) e no pretérito imperfeito do subjuntivo (morasse, tivesse). Por que nesse contexto

foram usados esses tempos verbais?

e) Responda ao teste, anotando as respostas no caderno. Será que você tem pique?

Porque a pergunta propõe uma hipótese, uma possibilidade a respeito de um fato que poderia vir a acontecer.

a respeito de um fato que poderia vir a acontecer. 4. Leia este poema. Se o

4. Leia este poema.

Se o poeta falar num gato

Se o poeta falar num gato, numa flor, num vento que anda por descampados e desvios

e nunca chegou à cidade

se falar numa esquina mal e mal iluminada

numa antiga sacada

se falar naqueles obedientes soldadinhos de chumbo que morriam de verdade

num jogo de dominó

se falar na mão decepada no meio de uma escada de caracol Se não falar em nada

e disser simplesmente tralalá

Todos os poemas são de amor!

Que importa?

Mário Quintana. Quintana de bolso. Porto Alegre: L&PM, 2010.

a) Segundo o eu poético, sobre o que um poeta pode falar? Sobre qualquer coisa; pode até não falar em nada.

b) Para o eu poético, o assunto do poema tem importância? Por quê? Copie o(s) verso(s) que

justifique(m) sua resposta.

Para o eu poético, não importa o assunto, pois no fundo todos os poemas são de amor. “Se não

falar em nada/e disser simplesmente tralalá

Que importa?/Todos os poemas são de amor!”

c) Nos trechos em que se apresentam as várias possibilidades de assunto de um poema, que

tempo do subjuntivo foi usado? Copie no caderno os versos em que aparecem formas verbais

nesse tempo.

Futuro do subjuntivo. “Se o poeta falar num gato, numa flor”, “se falar numa esquina mal e mal ilumina-

da

decepada no meio de uma escada”, “Se não falar em nada/e disser simplesmente tralalá

Que importa?”

falar na mão

”,

“se falar naqueles obedientes soldadinhos de chumbo que morriam de verdade

/se

d) Em sua opinião, ao falar dessas possibilidades, o eu poético faz seu poema ou só menciona

a possibilidade de fazê-lo? Explique. Resposta pessoal.

Professor: Comente que, ao enumerar as possibilidades de temas e assun- tos, o eu poético compõe o poema, justamente demonstrando que um poema não precisa de um assunto específico; faz-se da própria poesia.

e) Que sinal de pontuação foi utilizado para mostrar que há mais possibilidades de assunto, além das mencionadas? Reticências.

73

Leitura 2 antes de ler Resposta pessoal. Professor: Incentive os alunos a expressarem-se. Neste momento,

Leitura 2

antes de ler

Resposta pessoal. Professor: Incentive os alunos a expressarem-se. Neste momento, espera-se apenas que levantem hipóteses com base em seus conhecimentos prévios e no sentido da palavra sustentar, “manter”. No final da Exploração do texto esse assunto será retomado.

O lixo não destinado à reciclagem pode ter três destinos: lixão (terreno

onde o lixo é depositado sem nenhum cuidado ambiental), incine- ração (queima do lixo a altas temperaturas, método de alto custo e

que envolve o risco de liberação de gases tóxicos) ou aterro sanitário (área preparada para o confinamento de lixo a fim de evitar danos

ao ambiente).

Resposta pessoal. Professor: Ajude os alunos a se lembrarem de recei- tas, manuais de uso, regras de jogo, instruções de montagem etc. em que comandos têm a finalidade de orientar uma ação ordenada para obter um determinado resultado.

Você leu, nesta unidade, “Os dez mandamentos do pipeiro”, que traz recomendações para que pipeiros pos- sam brincar sem o risco de acidentes. O que o texto a seguir pode ter em comum com um texto de recomenda- ções de segurança? Vamos descobrir?

1. Leia o título do te xto a seguir. As palavras sustentável e sus- tentabilidade têm aparecido muito na mídia (jornais, revis- tas, sites etc.). O que você entende por vida sustentável?

2. V ocê sabe o que acontece com as embalagens vazias de re - frigerantes, doces, ovos, sucos, leite etc. depois que elas são jogadas no lixo?

3. Em nosso dia a dia tomamos contato com textos dos mais variados gêneros e com as mais diversas finalidades. Você conhece textos cuja finalidade seja orientar a executar algo ou dar instruções de uso? Cite alguns.

Vida sustentável Saiba como fazer uma horta caseira reutilizando garrafa PET Postado em 19/1/2011 às
Vida sustentável
Saiba como fazer uma horta caseira reutilizando garrafa PET
Postado em 19/1/2011 às 11h50
Com a facilidade das compras em supermercados e feiras livres, deixou-se de cultivar hortaliças e tempe-
ros dentro de casa. Para voltar às origens e descobrir o prazer que esse hobby pode nos proporcionar, o [ site ]
CicloVivo [
]
dá a dica de como se construir uma horta caseira suspensa, reutilizando garrafas PET.
A ideia é reaproveitar materiais que iriam para o lixo para cultivar suas próprias hortaliças. Além disso, a
horta caseira é decorativa e deixa um aroma agradável no ambiente. O espaço pode ser pequeno, mas precisa
ser ensolarado. Você pode aproveitar pequenos espaços em casa, como quintais ou varandas. É importante
escolher as espécies certas para o espaço disponível em sua casa.

74

Material

Material

Hortaliça: qualquer planta comestível cultivada em horta. Saliência: parte em relevo numa superfície lisa, proeminência. Substrato: camada de rocha ou terra sob o solo superficial. Diâmetro: segmento de reta que tem extremidades em dois pon- tos distintos de uma circunferência e passa pelo centro dela. Gargalo: a parte da garrafa que é constituída por um colo alonga- do e uma abertura estreita.

•  tesoura; 

•  alicate; 

•  arame;

•  garrafa PET;

•  isopor; 

• 

manta de drenagem

;

•  terra preparada; 

•  hortaliças.

Métodos Com auxílio da tesoura, faça furos grandes em cada uma das saliências do fundo

Métodos Com auxílio da tesoura, faça furos grandes em cada uma das saliências do fundo da garrafa. Em seguida, corte uma janela na lateral do recipiente na par- te intermediária. Para preparar o substrato que fica no fundo, vários materiais

argila expandida e pedra britada
argila expandida
e
pedra britada

podem ser utilizados como, por exemplo,

, mas,

como a sugestão é um vaso suspenso, a escolha do material é importante. Neste caso usaremos isopor para ficar mais leve. Cubra o fundo da garrafa com pedaços de isopor; em seguida corte em círculo 

a

manta de drenagem e coloque sobre o isopor cobrindo-o totalmente. O círculo deve ter o diâmetro um pouco maior que o diâmetro da garrafa. Em um recipiente separado, prepare a terra. Para esse tipo de plantio, ela deve ser composta por 50% de terra comum e 50% de terra preta. Preencha a garrafa PET até a metade com o preparado. Coloque sua hortaliça e ajeite bem,

a

seguir, adicione mais um

 

pouco. Para que o solo fi- que firme, dê uma leve ba- tidinha sobre a mesa; este  movimento fará a terra se assentar. Complete com mais um punhado até ficar um dedo abaixo da altura da “janela”. Esse espaço é importante para que a água não transborde quan- do a hortaliça for regada. Para finalizar, faça um gan- cho com o arame e amarre- -o no gargalo da garrafa.

quan- do a hortaliça for regada. Para finalizar, faça um gan- cho com o arame e
 

Vaso com tempero cultivado em um horta caseira feita com PET.

 

Disponível em: <http://ciclovivo.com.br/noticia.php/1860/saiba_como_fazer_uma_horta_ caseira_reutilizando_garrafa_pet/>. Acesso em: 11 maio 2011.

Manta de drenagem:

espécie de tapete de poliéster ou outro material que, em vasos e floreiras, serve para melhorar o escoamento da água, evitando a asfixia das raízes.

Argila expandida:

material em forma de pequenas bolinhas de cerâmica, leves e

arredondadas.

Pedra britada: pedra quebrada, manual ou mecanicamente, em pequenos fragmentos de tamanhos variados.

75

exploração do texto

1. Qual a finalidade do texto e quem podem ser seus leitores?

Antes de iniciar o estudo do texto, tente descobrir o sentido das palavras desconhecidas pelo
Antes de iniciar o estudo do texto, tente
descobrir o sentido das palavras
desconhecidas pelo contexto em
que elas aparecem. Se for preciso,
consulte o dicionário.

2. Os dois parágrafos iniciais fazem uma introdução às instruções de

montagem da horta caseira. Releia-os.

Qual a importância dessa introdução para o leitor?

2. Ela informa ao leitor o que vai ser feito, apresenta razões para montar a horta caseira, e já adianta algu-

mas orientações (o local precisa ser ensolarado, devem-se esco-

lher as espécies certas para o espaço disponível).

3. Após essa introdução, o texto é dividido em duas partes.

a) Quais são elas? Material e Métodos.

b) O que a primeira parte contém? Uma relação do material a ser usado.

c) O que a segunda parte contém?

4. A parte “Métodos” é formada por diversos comandos, ou seja, trechos em que são dadas as instruções.

Alguns dos comandos são acompanhados por uma justificativa ou uma explicação.

a) Identifique neste trecho os comandos e as justificativas.

1. Ensinar a fazer uma horta caseira com

material reciclável. Pode-se supor que os leitores sejam pessoas (internautas) que se preocupam com a natureza e desejam levar uma vida saudável ou que preten- dem fazer uma pequena economia culti- vando alimentos em casa.

3. c) As instruções para a montagem da

horta. Professor: Pergunte aos alunos o que quer dizer a palavra método: proce- dimento, técnica ou meio de fazer alguma coisa; qualquer procedimento técnico. 4. a) Comandos: “dê uma leve bati- dinha sobre a mesa”, “Complete com mais um punhado até ficar um dedo abaixo da altura da ‘janela’”. Justificati- vas: “este movimento fará a terra se as- sentar”, “Esse espaço é importante para que a água não transborde quando a hortaliça for regada”.

“[…] dê uma leve batidinha sobre a mesa; este movimento fará a terra se assentar. Complete com mais um punhado até ficar um dedo abaixo da altura da ‘janela’. Esse espaço é im- portante para que a água não transborde quando a hortaliça for regada.”

4. b) “Com auxílio da tesoura, faça furos

grandes em cada uma das saliências do fundo da garrafa”, “Em seguida, corte uma janela na lateral do recipiente na parte intermediária”, “Cubra o fundo da garrafa com pedaços de isopor; em se- guida corte em círculo a manta de drena- gem e coloque sobre o isopor cobrindo- -o totalmente” etc.

4. e) O imperativo é o modo empregado

para exprimir ordem, pedido, conselho etc., portanto é adequado em um gênero que contém instruções.

b) Volte ao texto e identifique nele pelo menos mais dois comandos.

c) Em que modo estão os verbos nos trechos abaixo?

c) Em que modo estão os verbos nos trechos abaixo? • • “[ do fundo da

“[

do fundo da garrafa[

“[

parte intermediária[

]

]

faça furos grandes em cada uma das saliências

]”

corte uma janela na lateral do recipiente na

]”

“Cubra o fundo da garrafa com pedaços de isopor;

[…] coloque sobre o isopor [

“[

“Preencha a garrafa PET.”

]

prepare a terra [

]”

]”

No modo imperativo (faça, corte, cubra, coloque, prepare, preencha).

d) Identifique no texto outros verbos nesse modo.

Coloque, ajeite, adicione, etc.

e) Qual é a relação entre o predomínio desse modo verbal e o gênero do tex- to (instruções de montagem)?

76

5. No texto, há vários advérbios e locuções adverbiais. Veja alguns deles, destacados nos trechos a seguir.

I. “[

]

coloque sobre o isopor cobrindo-o totalmente [

]

II. “[

]

corte uma janela na lateral do recipiente [

]

III. “Em um recipiente separado, prepare a terra.”

IV. “Coloque sua hortaliça e ajeite bem.”

a) Entre os advérbios e locuções adverbiais acima, quais indicam

modo e quais indicam lugar?

Modo: totalmente, bem; lugar: na lateral do recipiente; em um recipiente separado.

b) Qual é a função de advérbios e locuções adverbiais de modo e lugar no texto de instruções de montagem da horta?

Eles indicam ao leitor o modo de executar aquilo que deve ser feito e o local correto de fazê-lo.

6. Releia.

“Cubra o fundo da garrafa com pedaços de isopor.”

“Em um recipiente separado, prepare a terra.”

“Preencha a garrafa PET até a metade com o preparado.”

“Coloque sua hortaliça e ajeite bem.”

“[

]

faça furos grandes em cada uma das saliências do fundo da garrafa.”

“[

]

faça um gancho com o arame e amarre-o no gargalo da garrafa.”

a) Nesses trechos, há uma sequência de instruções. Se essa sequên- cia fosse mudada, o leitor ainda conseguiria fazer a horta? Por quê?

b) Volte ao texto e identifique locuções adverbiais que ajudam a mar- car a sequência de ações necessária para montar a horta.

7. Releia o texto e responda.

Em seguida, a seguir.

a) Você conhecia todas as palavras e expressões usadas no texto?

Resposta pessoal.

b) Que palavras ou expressões empregadas estão relacionadas à hor- ticultura (arte ou técnica de cultivar hortas e jardins)?

c) Se o leitor não tiver nenhum conhecimento sobre horticultura, ele entenderá perfeitamente todas as instruções dadas?

d) Pelo assunto e pela linguagem do texto, você diria que ele foi escri- to para crianças, jovens ou adultos?

que ele foi escri- to para crianças, jovens ou adultos? Garrafas demais As chamadas garrafas PET

Garrafas demais As chamadas garrafas PET são feitas de um plástico resistente e leve, o politereftalato de etileno. Esse material começou a ser desenvolvido em 1941 e, nos anos 1970, passou a ser utiliza- do em embalagens; a partir de 1993, o PET firmou-se como o material mais usado nas em- balagens de refrigerante. Apesar de práticas, as garrafas PET representam um proble- ma, por não serem biodegra- dáveis. Elas permanecem no ambiente durante até 400 anos, poluindo solo, rios e ma- res. A redução no consumo, a reutilização das garrafas e a re- ciclagem são possíveis solu- ções para o problema.

a reutilização das garrafas e a re- ciclagem são possíveis solu- ções para o problema. Flores

Flores de garrafas PET.

6. a) Não poderia, porque cada ins-

trução pretende levar a uma ação do leitor, e existe uma sequência de ações que é necessário seguir para se chegar ao resultado pretendido (a montagem da horta caseira). Professor: Converse com os alunos sobre essa questão, mostrando que cada ação é pré-requisito para a próxima ação, por isso não se podem alterar as etapas.

7. b ) Hortaliça, espécies, terra prepara -

da, manta de drenagem, substrato, ar- gila expandida, pedra britada, plantio, terra comum, terra preta.

7. c ) Não entenderá, a menos que pes -

quise o sentido dos termos próprios da horticultura.

7. d ) Professor: Ouça as hipóteses dos

alunos e converse com eles sobre a questão. Ajude-os a observar que o texto se dirige ao público adulto, pois são eles que tomam, em uma casa, as decisões relacionadas à alimentação e às despe- sas. Além disso, o texto não tem gírias nem expressões próprias da linguagem oral informal e não busca criar uma in- timidade com o leitor, recursos comuns

nos textos paras crianças e jovens.

77

8. Releia o título e o subtítulo do texto: “Vida sustentável – Saiba como fazer uma horta caseira reutilizando garrafa PET”. Por que fazer uma horta caseira é parte de uma vida sustentável?

Para lembrar

 
 

Intenção principal

  Intenção principal instruir o leitor sobre como montar algo (uma horta, um brinquedo, uma bicicleta,

instruir o leitor sobre como montar algo (uma horta, um brinquedo, uma bicicleta, um aparelho elétrico etc.)

Leitores

pessoas interessadas em montar algo

pessoas interessadas em montar algo

Instruções de

   

organizadas em comandos frases curtas em sequência ordenada predomínio de verbos no modo imperativo presença de advérbios que detalham as instruções

montagem

Organização

Linguagem empregada

Linguagem empregada depende do público-alvo e da situação de comunicação

depende do público-alvo e da situação de comunicação

ATIVIDADE DE ESCUTA

ATIVIDADE DE ESCUTA

 

Vamos jogar o jogo do sim ou não?

Você conhece bem as regras de algum jogo? Então forme um gru- po com alguns colegas e apresentem, juntos, essas regras às demais equipes, sem dizer o nome do jogo. Os colegas, depois de ouvi-los com atenção, terão de deduzir de que jogo se trata.

 

Sigam as orientações do professor. E lembrem-se:

quando desejarem falar, organizem sua fala antes de pedir a palavra;

levantem a mão para pedir a palavra;

ouçam o professor e os colegas sem interrompê-los;

usem linguagem adequada à situação de sala de aula e evitem gírias, pois elas podem não ser compreendidas por todos.

usem linguagem adequada à situação de sala de aula e evitem gírias, pois elas podem não

78

8. Porque a horta é feita com garrafas

PET, que, não reutilizadas, seriam des- tinadas ao lixo (tornando-se poluido- ras); porque é mais econômico cultivar hortaliças em casa do que comprá-las. Professor: Mencione também o fato de

a horta caseira dispensar agrotóxicos, o que representa um ganho para a saúde

e para o meio ambiente.

Professor: Cada grupo escolhe um jogo e apresenta suas regras às demais equipes, que com base nelas terão de

descobrir de que jogo se trata. As regras devem ser apresentadas de forma a oferecer alguma dificuldade; por exem- plo, o grupo pode dizer objeto em vez de bola ou dado. Caso seja necessário, as equipes poderão formular pergun- tas ao grupo, sem nomear o jogo (por exemplo: “Esse jogo é para mais de duas pessoas?”, “É com bola?”, “Ele pode ser jogado em uma sala?” etc.). Nesse caso,

o grupo só pode responder sim ou não.

Vence a equipe que descobrir primeiro

a resposta.

Habilidades em foco: adotar o papel

de ouvinte atento e formular perguntas

a respeito do que ouve.

reflexão sobre a língua

Modo imperativo

1. Chamada é o resumo de uma notícia, na capa ou no sumário de um caderno de jornal ou revista (impressos ou on-line), indicando a lo- calização da respectiva matéria. Leia estas chamadas do sumário de uma revista on-line.

1 Uso dos modos subjuntivo e imperativo Para o assunto Modo imperativo, acesse e explore
1
Uso dos modos
subjuntivo e imperativo
Para o assunto Modo
imperativo, acesse e explore
este recurso digital.
5 anos de Twitter Veja a história do mundo contada em 140 caracteres
5 anos de Twitter
Veja a história do mundo contada em 140 caracteres
Jogo da memória Una os heróis e vilões das séries de TV
Jogo da memória
Una os heróis e vilões das séries de TV
O segredo de ser você Faça o teste de personalidade e descubra quem é você
O segredo de ser você
Faça o teste de personalidade e descubra quem é você
Teste do amor Conheça seu perfil e saiba qual é seu par ideal
Teste do amor
Conheça seu perfil e saiba qual é seu par ideal

a) Qual é a função das chamadas? Despertar o interesse do leitor para a leitura das matérias.

b) Nas chamadas acima, há diversas formas verbais no imperativo. Veja.

veja

verbo ver ver

descubra

descubra

verbo descobrir

una

verbo unir unir

conheça

conheça

verbo conhecer

faça

verbo fazer fazer

saiba

saiba verbo saber

verbo saber

Essas chamadas são dirigidas a quem? Ao leitor.

c) Qual a forma de tratamento empregada nas chamadas? você

d) Qual foi, provavelmente, a intenção da revista ao usar o impe-

rativo nessas chamadas? Levar (convidar) o leitor a ler as matérias indicadas.

e) A forma de tratamento usada nas chamadas é adequada à situa-

ção? Explique por quê. A forma de tratamento é usada para buscar proximidade com o leitor.

f) No contexto dessas chamadas, o modo imperativo exprime ordem, pedido, recomendação ou convite? Convite.

NÃO DEIXE DE LER • Arte & manias para garotas criativas – Mais de 50
NÃO DEIXE DE LER
Arte & manias para garotas
criativas – Mais de 50 ativida-
des para fazer com as amigas,
de Colonel Moutade, editora
Vergara & Riba
Mais de 50 atividades
relacionadas a moda,
artesanato, culinária e
jardinagem, explicadas
passo a passo.

79

2. Releia.

"Faça o teste de personalidade e descubra quem é você."

Essa chamada poderia ser redigida de outra forma.

Queremos que você faça o teste da personalidade e que descubra quem é você.

a) Os verbos fazer e descobrir estão conjugados no mesmo modo nas

duas frases? Explique. Não; na primeira estão no imperativo; na segunda, no subjuntivo.

b) Se a revista usasse a segunda frase em vez da primeira, o efeito, para o leitor, seria o mesmo? Explique.

3. Leia a tira.

2. a) Professor: Espera-se que percebam

que essas formas verbais são iguais na forma, mas diferentes no uso. Além disso, na segunda frase estão acompa- nhadas da partícula que, característica do presente do subjuntivo.

2.

b) O efeito seria diferente, porque

o

imperativo se dirige diretamente ao

leitor, por isso, nesse caso, tem mais

força que o subjuntivo. Professor: Ajude

os

alunos a perceber que, geralmente,

o

imperativo atinge com mais força o

leitor, compelindo-o, exortando-o ou convidando-o diretamente a executar determinada ação. O subjuntivo atenua a exortação, tornando-a mais suave.

O subjuntivo atenua a exortação, tornando-a mais suave. Jim Davis. Garfield – O rei da preguiça

Jim Davis. Garfield – O rei da preguiça. Porto Alegre: L&PM, 2010.

a) Garfield fechou sua “consciência” em uma garrafa para não ouvir mais seus conselhos. Apesar disso, o que a consciência ainda lhe diz?

b) Quando a “consciência” diz a Garfield “vá em frente” e “não ligue para mim”, ela quer realmente que o gato vá embora e não ligue para ela? Explique.

c) Que formas verbais empregadas na tira estão no imperativo?

d) Qual dessas formas no imperativo está no afirmativo mas tem va- lor de imperativo negativo? E qual delas está no negativo mas tem o valor de imperativo afirmativo?

vá, ligue

3. a) “Tudo bem, vá em frente e não

ligue para mim. Eu vou ficar aqui no es-

curo

3. b) Não, ela deseja o contrário: que

Garfield fique e lhe dê atenção. Profes- sor: Mostre aos alunos que a consciência faz o que se costuma chamar de chanta- gem emocional: fala algo com segundas intenções, tentando atingir Garfield emo- cionalmente para alcançar o que deseja.

sozinha”

3.

d) : imperativo afirmativo com valor

de

negação; não ligue: imperativo nega-

tivo com valor de afirmação.

O modo imperativo pode ser afirmativo ou negativo. Exemplos:

Se quer ser um bom juiz, ouça o que cada um diz. Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje.

Formação do imperativo

1. Releia estas falas da “consciência” de Garfield.

Releia estas falas da “consciência” de Garfield. vá imperativo afirmativo não ligue imperativo negativo Agora

imperativo afirmativo

não ligue

de Garfield. vá imperativo afirmativo não ligue imperativo negativo Agora observe a conjugação de ir e

imperativo negativo

Agora observe a conjugação de ir e ligar no presente do subjuntivo.

Presente do subjuntivo

Verbo ir

Verbo ligar

(que) eu vá (que) tu vás (que) ele vá (que) nós vamos (que) vós vades (que) eles vão

(que) eu ligue (que) tu ligues (que) ele ligue (que) nós liguemos (que) vós ligueis (que) eles liguem

80

As formas do imperativo e ligue coincidem com quais pessoas do

presente do subjuntivo? Com a primeira e a terceira pessoas do singular.

Essa coincidência acontece porque o imperativo é formado com base no presente do subjuntivo e no presente do indicativo. Veja.

Conjugação verbal 2 Para o assunto Formação do imperativo, acesse e explore este recurso digital.
Conjugação verbal
2
Para o assunto Formação do
imperativo, acesse e explore
este recurso digital.

Presente do

Imperativo

Presente do

Imperativo

indicativo

 

afirmativo

subjuntivo

negativo

eu ligo

que eu ligue que tu ligues

 

tu ligas

 

liga (tu)

 
tu ligas   liga (tu)   não ligues (tu) não ligue (você) não liguemos (nós) não

não ligues (tu) não ligue (você) não liguemos (nós) não ligueis (vós) não liguem (vocês)

 

ele liga

ligue (você)

 

que ele ligue

 
 
 

nós ligamos

liguemos (nós)

nós ligamos liguemos (nós) que nós liguemos que vós ligueis

que nós liguemos que vós ligueis

que nós liguemos que vós ligueis
que nós liguemos que vós ligueis

vós ligais

 

ligai (vós)

eles ligam

 

liguem (vocês)

eles ligam   liguem (vocês) que eles liguem

que eles liguem

que eles liguem

Presente do

Imperativo

Presente do

Imperativo

indicativo

afirmativo

subjuntivo

negativo

eu vou

que eu vá que tu vás

 

tu vais

tu vais

vai (tu)

tu vais vai (tu) não vás (tu) não vá (você) não vamos (nós) não vades (vós)

não vás (tu) não vá (você) não vamos (nós) não vades (vós) não vão (vocês)

ele vai

vá (você)

ele vai vá (você) que ele vá

que ele vá

ele vai vá (você) que ele vá

nós vamos

vós ides

nós vamos vós ides

vamos (nós)

ide (vós)

vamos (nós) ide (vós)

que nós vamos que vós vades

que nós vamos que vós vades
que nós vamos que vós vades

eles vão

vão (vocês)

vão (vocês)

que eles vão

que eles vão

2. Responda no caderno.

a) Como se formam a segunda pessoa do singular e a segunda pessoa do plural do imperativo afirmativo?

b) Como se formam as outras pessoas do imperativo afirmativo?

c) Como é formado o imperativo negativo?

2. a) Fomam-se com base na segunda

pessoa do singular e do plural do pre- sente do indicativo, menos a letra s final.

2. b) Formam-se do presente do subjun-

tivo, sem nenhuma alteração.

2. c) Ele é todo baseado no presente do

subjuntivo.

3. No imperativo, não temos a forma correspondente à primeira pessoa

(eu). Por quê? Só se pode dar uma ordem, fazer um pedido etc. a outra pessoa, não a si mesmo.

Professor: Leia com os alunos a quadrinha em voz alta, mostrando a eles o ritmo estabelecido pela métrica (todos os

versos têm sete sílabas poéticas) e pela rima (vinho/passarinho).

sete sílabas poéticas) e pela rima ( vinho / passarinho ). 81 1 4. Leia a

81 1

4. Leia a quadrinha.

Menina, toma esta uva Da uva faça seu vinho Seus braços serão gaiola Eu serei seu passarinho

a)

Agora observe a conjugação, no imperativo mperativo afirmativo, de tomar e fazer.

toma (tu)

faz (tu)

tome (você)

faça (você)

tomemos (nós)

façamos (nós)

tomai (vós)

fazei (vós)

tomem (vocês)

façam (vocês)

A que pessoa corresponde a forma verbal verbal toma? toma? E E faça? faça?

toma: segunda pessoa do singular; faça: terceira pessoa do singular

b) Esses verbos estão conjugados na mesma pessoa? Não.

c) Os pronomes possessivos seu e seus referem-se a qual pessoa: se- gunda ou terceira? À terceira pessoa.

d) Como ficaria a quadrinha se os verbos no imperativo estivessem na mesma pessoa que dos pronomes possessivos?

De acordo com a norma-padrão, ao empregar o imperativo, temos de buscar a uniformidade: se decidimos usar a segunda pessoa para nos dirigirmos a nosso interlocutor, devemos mantê-la em todo o enunciado; se optamos pela terceira pessoa, continuamos com ela. Exemplos:

4. d) “Menina, tome esta uva/Da uva

faça seu vinho/Seus braços serão gaiola/ Eu serei seu passarinho”

O pronome de tratamento você, apesar de referir-se à se- gunda pessoa (aquela com quem se fala), leva o verbo para a terceira pessoa.

Professor: Mostre aos alunos que é preciso, na norma-padrão, uniformizar também os pronomes. Neste exemplo, contigo e teus, para a segunda pessoa; você e seus, se fosse a terceira.

verbos na 3 a pessoa

e seus , se fosse a terceira. verbos na 3 a pessoa Jim Davis. Garfield, 2002.
e seus , se fosse a terceira. verbos na 3 a pessoa Jim Davis. Garfield, 2002.

Jim Davis. Garfield, 2002.

verbos na 2 a pessoa

Ei, estou falando contigo: pega os teus livros e sai!
Ei, estou falando contigo: pega os teus livros e sai!

Entretanto, no português do Brasil, principalmente na linguagem in- formal, é comum no mesmo enunciado aparecerem a segunda e a tercei- ra pessoas do imperativo.

5. Se fosse empregada a norma-padrão na quadrinha da atividade 4, o sentido dela seria alterado? Explique.

5. Não, pois essa questão gramatical não

interfere no sentido geral da quadrinha.

6. Nessa quadrinha, o imperativo expressa ordem, recomendação ou convite? Convite.

Para lembrar

O modo imperativo pode expressar recomendação, ordem, pedido, convite, proibição.

O imperativo afirmativo é formado com base no presente do indicativo (as formas da segunda pessoa do singular e do plural, sem o -s final) e do presente do subjuntivo (as demais formas).

O imperativo negativo é formado com base no presente do subjuntivo (todas as formas).

82

ATIVIDADES

1. Leia a tira.

ATIVIDADES 1. Leia a tira. Fernando Gonsales. Disponível em:
ATIVIDADES 1. Leia a tira. Fernando Gonsales. Disponível em:

Fernando Gonsales. Disponível em: <http://www2.uol.com.br/niquel/seletas_mundocao.shtml>. Acesso em: 16 fev. 2011.

1. b) Professor: Para entender o humor da tirinha, os alunos precisam saber que

a raiva causa no animal aumento da salivação, que se acumula no exterior da boca.

a) Por que as pessoas estão correndo?

Estão com medo de um cão que elas supõem que esteja raivoso.

b) Qual o significado de raivoso nesse contexto?

Atacado de raiva (hidrofobia), doença que acomete cães, gatos, lobos e pode ser transmitida ao ser humano.

c) O medo das pessoas é justificado? Por quê?

Não, porque o cão está apenas escovando os dentes; a espuma é da pasta.

d) Em que modo está o verbo usado no primeiro quadrinho? Imperativo.

e) Como você chegou a essa conclusão? Resposta pessoal.

Professor: Espera-se que os alunos observem que a forma verbal fujam é uma exortação, uma recomendação, e que o modo que exprime exortações, recomendações, pedidos ou ordens é o imperativo.

2. Leia este poema e as informações do quadro ao lado.

1. c) Professor: Comente com os alunos que a graça dessa tirinha se baseia em dois pontos: primeiro, o cão não está doente, e sim apenas es- covando os dentes; segundo, o cão está escovando os pró- prios dentes, como se fosse corriqueiro os cães terem esse cuidado de higiene, manusea- rem uma escova de dentes etc.

A rosa de Hiroshima

Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas oh não se esqueçam

nas feridas Como rosas cálidas Mas oh não se esqueçam Da rosa da rosa Da rosa

Da rosa da rosa Da rosa de Hiroshima

A rosa hereditária

A rosa radioativa

Estúpida e inválida

A rosa com cirrose

A antirrosa atômica

Sem cor sem perfume Sem rosa sem nada.

A antirrosa atômica Sem cor sem perfume Sem rosa sem nada. Vinicius de Moraes. Nova antologia
A antirrosa atômica Sem cor sem perfume Sem rosa sem nada. Vinicius de Moraes. Nova antologia

Vinicius de Moraes. Nova antologia poética. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

A primeira bomba atômica Em 1945, no final da Segunda Guerra Mundial, a cidade japo-
A primeira bomba
atômica
Em 1945, no final da Segunda
Guerra Mundial, a cidade japo-
nesa de Hiroshima foi destruí-
da por uma bomba atômica
lançada pelos Estados Unidos.
A bomba causou cerca de 100
mil mortes e deixou 35 mil feri-
dos. A radioatividade contami-
nou os sobreviventes, provo-
cando morte e doenças até a
terceira geração.
A nuvem em forma de cogumelo
deixada pela explosão da bomba
atômica norte-americana.

83

a) Com que adjetivos e locuções adjetivas é caracterizada a rosa de Hiroshima?

b) Sabendo da tragédia vivida pelos japoneses em 1945, responda: a que o eu poético se refere

quando fala da rosa de Hiroshima?

2. a) hereditária, radiotiva, estúpida, invá-

lida, com cirrose, sem cor, sem perfume, sem rosa, sem nada

c) Releia.

2. b) À explosão da bomba atômica lançada pelos norte-americanos sobre a cidade de Hiroshima em 1945.

2. d) “Pensem nas crianças”, “Pensem

nas meninas”, “Pensem nas mulheres”, “Pensem nas feridas”. Possibilidade de resposta: A repetição reforça o apelo fei- to às pessoas para que não se esqueçam da tragédia ocorrida e das consequências nefastas do lançamento da bomba atô- mica, para que ela não volte a acontecer. Professor: Aceite outras respostas, desde que embasadas no texto.

d) Copie no caderno os versos iniciados pela forma verbal pensem. Para você, que efeito a repetição desse verbo cria no leitor?

Pensem nas crianças Mudas telepáticas […] Mas oh não se esqueçam Da rosa da rosa Da rosa de Hiroshima […]

Em que modo estão os verbos pensar e esquecer? Modo imperativo.

3. Leia esta piada.

A o garçom:
A
o garçom:

família toda reunida janta, e, depois de pagar a conta, o pai fala para

– Embrulhe essa carne que sobrou que vamos levar para o cachorro.

– Oba! – gritam em coro as crianças. – Papai vai comprar um cachorro pra gente!

Paulo Tadeu. Proibido para maiores: as melhores piadas para crianças. São Paulo: Matrix, 2007.

a) Por que o pai diz ao garçom que embrulhe as sobras do jantar para o cachorro se a família

não tem um?

Provavelmente porque tem vergonha de dizer que as sobras são para a família mesmo.

b) Na fala do pai, foi empregado o imperativo. Essa frase expressa ordem ou pedido? Pedido.

c) O que produz o humor da piada?

A fala das crianças, que, ingenuamente, desmentem o pai. Professor: Pergunte aos alunos

como o pai poderia ter feito esse pedido de uma forma mais polida. Por exemplo: “Por favor,

embrulhe essa carne

”,

ou “Você poderia embrulhar essa carne

”.

84

REVISORES DO COTIDIANO Leia a letra deste jingle , produzido para a Caixa Econômica Federal.
REVISORES DO COTIDIANO
Leia a letra deste
jingle
, produzido para a Caixa Econômica Federal. Ele se tornou muito conhe-
cido, mas sofreu algumas críticas por empregar o verbo vir em desacordo com a norma-padrão.
Vem pra Caixa e tudo bem
Vem pra Caixa você também
Vem!
1. Por que o verbo está em desacordo com
a norma-padrão?
1. Porque o pronome de tratamento você pede
o verbo na terceira pessoa do singular, e a ter-
ceira pessoa do singular do imperativo afirma-
tivo de vir é venha, e não vem. Professor: Caso
necessário, oriente os alunos a consultarem o
quadro de conjugações no final do livro.
2. Professor: Ajude os alunos a observar que,
nas variedades linguísticas mais informais, o
uso de você/vocês com a segunda pessoa do
imperativo não é considerado um problema.
2. A propaganda em que esse jingle era tocado tinha um público-
-alvo bem amplo: pessoas adultas de diversas idades, níveis de
escolaridade e regiões do Brasil. Qual a relação entre esse pú-
blico e o emprego do verbo dessa forma, e não de acordo com a
Jingles são mensagens
publicitárias em forma
de música, veiculadas
em comerciais de
rádio ou televisão e em
campanhas políticas.
norma-padrão?Resposta pessoal.
3. Se você fosse o autor desse jingle, empregaria o verbo como está (vem) ou mudaria a forma
verbal? Por quê? Resposta pessoal.
Professor: Comente que vem rima com bem e também. Caso se optasse por venha, essas
palavras certamente seriam substituídas, alterando o ritmo dos versos.

Fique atentoseriam substituídas, alterando o ritmo dos versos. à acentuação dos monossílabos tônicos Vamos recordar?

à acentuação dos

monossílabos tônicos

Vamos recordar? De acordo com a posição da sílaba tônica, as palavras são classificadas em oxítonas, paroxítonas ou proparoxítonas, e existem regras que determinam se devem receber acento gráfico. Isso vale para as palavras que têm mais de uma sílaba. As palavras formadas por uma síla- ba são chamadas de monossílabas , e elas podem ser tônicas ou átonas .

1. Releia em voz alta este trecho e observe como você pronuncia os mo- nossílabos destacados.

"Faça o teste de personalidade e descubra quem é você"

a) De que maneira você pronunciou, por exemplo, o trecho “faça o teste”? E o trecho “personalidade e descubra”?

b) Levante uma hipótese: por que a leitura acontece dessa forma?

c) E o monossílabo é, como você o pronunciou? A pronúncia dele foi apoiada em uma das palavras vizinhas (quem ou você)?

d) Por que a pronúncia do é acontece dessa forma?

Os monossílabos átonos são pronunciados sem intensidade, ou seja, não têm acento tônico próprio, e se unem, na fala, à palavra que vem antes ou depois deles. Exemplos: o, me, lhe, e, nem, mas etc. Os monossílabos tônicos são pronunciados com intensidade e não se unem, na fala, às palavras vizinhas. Exemplos: , , , tu etc.

1. a) Professor: Mostre aos alunos que,

ao falar “faça o teste”, emendamos o monossílabo o à ultima vogal da palavra faça: faça+o+teste. Apesar de serem três palavras, na pronúncia só se percebem dois acentos tônicos: fa/ça/o/tes/te. O mesmo vale para “personalidade e des- cubra”: são três palavras e só duas sílabas tônicas; o e é pronunciado como uma sí- laba átona de uma das outras palavras:

per/so/na/li/da/de/e/des/cu/bra.

1. b) Professor: Ajude os alunos a per-

ceber que os monossílabos pronuncia- dos fracamente apoiam-se nas palavras a seu lado. Eles são pronunciados como se fossem sílabas átonas das palavras vi- zinhas. Por causa disso, são classificados como monossílabos átonos.

1. c) Não, o som não emenda com o das palavras ao lado.

1. d) Professor: Ajude os alunos a per-

ceber que se trata de um monossílabo com tonicidade própria, que não precisa de apoio das palavras ao lado.

85

2. Leia estes ditos populares.

2. Leia estes ditos populares. Tome lá , me dê cá . Dá a teu filho

Tome , me dê cá. a teu filho bom nome e bom ofício. Faça o bem sem olhar a quem. Papagaio larga do estando seguro pelo bico. Casa onde não entra sol entra o médico.

a) Veja que os monossílabos destacados são tônicos. Todos eles são acentuados? Não.

b) Quais deles são acentuados? lá, dê, cá, dá, só, pé

c) Com que vogal terminam os monossílabos tônicos acentuados? a, e, o

d) Você conhece outros monossílabos tônicos acentuados terminados com essas vogais? Escreva-os.

Possibilidades de resposta: pá, dá, já, má, vá, bê, dê, lê, vê, dó, pó, nó.

3. Passe para o plural estes monossílabos tônicos acentuados.

sós, pás, pés, más, nós

a) O acento gráfico permanece quando esses monossílabos recebem

a terminação -s do plural? Sim.

b) Existem monossílabos tônicos acentuados que, mesmo não es- tando no plural, terminam em vogal seguida de -s. Descubra dois deles lendo as frases abaixo. Escreva-os no caderno.

I. Vem depois do dois. três

II. Indica cada divisão do ano. mês

c) Escreva no caderno outros monossílabos tônicos acentuados que terminam em -s estando no singular.

Possibilidades de resposta: gás, ás, vás, pós, rés, rês, vês, cós, zás.

4. Copie estes ditos populares no caderno, acentuando os monossílabos tônicos destacados quando necessário. Depois justifique a acentua- ção de cada um deles.

a) Tres e a conta que Deus fez. três , é ; monossílabos tônicos terminados em - e(s)
b) ; monossílabo tôni-

O

macaco ve o rabo da cutia e não ve o seu.

co terminado em -e

c) Contra a força, não ha resistência.

; monossílabo tônico terminado em -a

d) Antes so do que mal acompanhado.

; monossílabo tônico terminado em -o

5. As definições a seguir correspondem a monossílabos tônicos acentua- dos. Descubra quais são eles e escreva-os no caderno.

<

a)

Bebida quente ou fria preparada com a infusão de folhas. chá

b)

O