A BRUXA DA RUA MUFETAR Autor: Pierre Gripari Extraído: Contos da Rua Brocá Livraria Martins Fontes Editora Ltda;

1988 Era uma vez uma bruxa velha que morava em Paris, no bairro dos Gobelins. Era uma bruxa muito velha mesmo, e muito feia, mas o maior desejo dela era se transformar na moça mais linda do mundo. Um belo dia, ela viu um anúncio no Jornal das Bruxas: MINHA SENHORA! Se a senhora é VELHA e FEIA Pode tornar-se JOVEM e BONITA! É só COMER UMA MENINA Com molho de tomate!

E, mais embaixo, com letras menores: Atenção! É indispensável que o nome da menina comece com a letra N! Ora, naquele bairro havia uma menina que se chamava Nádia. Era a filha mais velha do seu Said, o dono da mercearia da rua Brocá. “Tenho que comer a Nádia”, pensou a bruxa. Certo dia, a Nádia estava indo até a padaria, quando uma velhinha começou a puxar conversa com ela: - Bom dia, Nádia! - Bom dia, minha senhora! - Pode me fazer um favor? - Que favor? - Queria que você me trouxesse uma lata de molho de tomate da mercearia do seu pai. Assim, não preciso ir até lá. Ando tão cansada...

Ah. . Ele disse que é para a senhora mesmo ir buscar.. . esfregando as mãos: . Nádia. ..Nada disso – disse o seu Said. Chegando em casa com o pão. . . quando ela saiu para fazer compras.Bom dia.Puxa.Eu queria a Nádia. a velhinha chamou de novo: . onde é que você vai? . seu Said.Desculpe – disse Nádia. .Como é Nádia! E meu molho de tomate? . – A Nádia mesmo vai trazer o molho de tomate para eu pôr em cima dela. ela que venha buscar. Nádia pegou na prateleira uma lata de molho de tomate. não insistiu. que tinha um coração muito bom.Nádia. a bruxa – pois a velhinha era a bruxa – começou a rir. corando -. Mas no dia seguinte. naquele mesmo dia ela foi à mercearia.Bom dia. . De fato. – Se a tal velhinha estiver precisando de alguma coisa.Uma velhinha me pediu para eu levar uma lata de tomate à casa dela. desculpe .. minha senhora. mas o meu pai não deixou.. Assim que a menina virou as costas. Quer dizer.Ei. Uma lata de molho de tomate. concordou na hora. que era muito obediente.Está bem – disse a velha . é para pôr na Nádia. como sou esperta! – ela dizia. O que deseja? .Eu vou.Grande.Pois não! Grande ou pequena? . e já ia saindo quando o pai chamou: .Hein? .

não.Então. minha senhora.. .Não é nada disso..Bom dia.. é só deixá-la aqui! . disfarçada de vendedora.. eu quis dizer que é para pôr no macarrão. . já tenho a Nádia... Até logo. E a Nádia tem mais o que fazer. mas em vez de ir embora ficou parada com a lata na mão: . Aqui está seu molho de tomate. E a bruxa foi-se embora. levando a lata de molho de tomate. minha senhora.O quê? . também tenho macarrão.Até logo. .. . não fazemos entrega à domicílio.Não. eu quis dizer que já tenho macarrão em casa. Quando a Nádia for fazer compras. tudo bem! Se quiser. Se a lata é pesada demais para a senhora. Será que não daria para o senhor.. lá estava a bruxa disfarçada de açougueira. eu a pego.Mandar a Nádia levar para mim? Mas o seu Said já estava meio desconfiado. .Tudo bem – disse a bruxa. Chegando em casa. seu Said. – Pode deixar que eu levo.Como? .Não precisa..Ah. . . A velha pegou o molho de tomate e pagou. paciência. ela pensou: “Tenho uma idéia.O quê? ... quando a Nádia chegou..Hum! É meio pesado. Vai levar carne? .Desculpe.. menina. Amanhã de manhã vou até a rua Mufetar... .” No dia seguinte.

Felizmente Nádia tinha um irmãozinho chamado Bachir. amanhã de manhã vou me transformar em TODAS as vendedoras da rua Mufetar!” De fato. No terceiro dia. hoje estou vendendo de tudo: carne de vaca. ela estava vendendo carne e frango. garota. Nádia. Bachir? . parou na quitanda para comprar legumes. Quando foi chegando. vou comprar frango.Onde você está indo. de carneiro. . obrigada.Pois é. pensou a bruxa. Como a irmã mais velha estava demorando para voltar para casa. . obrigada.. pensou a bruxa. as 267 vendedoras (que eram a bruxa) começaram a gritar: . sem desconfiar de nada.Bom dia.. preciso ir atrás dela”.“Droga. . Bachir pensou: “Decerto a bruxa pegou minha irmã.. droga. coelho. droga!”. quando foi pagar. frango. bom dia! O que você vai levar? Veja só. pensando.“Droga!”.Não. Comprou umas ervilhas e. até que teve outra idéia: “Tudo bem. Como sempre. . hoje vou levar carne. droga!” A bruxa voltou para casa e ficou pensando. já que é assim. Nádia chegou e. no dia seguinte todas as vendedoras da rua Mufetar eram a bruxa (267 vendedoras). a vendedora a agarrou pelo pulso e clac! Trancou-a na gaveta da caixa. .Não. outra vez disfarçada. quer comprar um frango? .Bom dia. mas hoje eu quero peixe! . O menino passou a mão no violão e lá se foi para a rua Mufetar. No dia seguinte ela se disfarçou de vendedora de frangos.“Droga.

onde está você? Nádia. onde está você? De repente. – Desse jeito você vai arrebentar nossos ouvidos! Mas Bachir continuou a cantar: Nádia. onde está você? Nádia. onde está você? Nádia.Então cante bem baixinho! .Não. .Quero cantar uma canção que se chama Nádia. cante outra! . vou cantar baixinho! E Bachir começou a cantar bem alto: Nádia.Bachir fechou os olhos e respondeu: .Tudo bem.Mas eu só sei essa! . . onde está você? Responda que eu escuto! Nádia.Que canção? – perguntaram as vendedoras. onde está você? Há tanto tempo não a vejo.Mais baixo! Mais baixo! – gritaram as 267 vendedoras. uma vozinha respondeu: . onde está você? . essa não. queria cantar uma canção para ganhar uns trocados! .Sou um pobre ceguinho.

venha me soltar Senão a bruxa vai me matar! Ouvindo essas palavras. gritando: .Bachir. Bachir percebeu e. Então Bachir foi entrando em todas as lojas. Bachir entrou na loja.. venha me soltar Senão a bruxa vai me matar! Dessa vez não havia dúvida: a voz vinha da quitanda. Felizmente. enquanto Nádia continuava a cantar: Bachir. onde está você? Mais uma vez. com uma pancada de violão bem dada. Bachir abriu os olhos. Ela caiu dura. e as 267 vendedoras pularam em cima dele. Nádia cantava e o irmão tentava . pulou por cima do balcão. bem na hora em que a vendedora estava acordando do desmaio e abriu um olho. Bachir. e enquanto isso as 267 vendedoras acordaram de novo. ele tentou abrir a gaveta da caixa. venha me soltar Senão a bruxa vai me matar! Mas a gaveta estava emperrada e Bachir não conseguia abri-la.. onde está você? Nádia. e ao mesmo tempo as outras 266 também caíram. levantou seu violãozinho e deu com ele na cabeça da vendedora que estava mais perto. Bachir. Ao mesmo tempo.É um cego falso! É um cego falso! Mas Bachir. sempre cantando: Nádia. as outras 266 também abriram um olho. fez todas desmaiarem por mais alguns minutos. uma por uma. a vozinha respondeu: Bachir. que era muito corajoso. Bachir. Então. Mas dessa vez elas não abriram os olhos! Ficaram .

agarrou o pé dele e começou a guinchar: . que vinha descendo a rua. bandido.Você fica com o dinheiro e eu fico com a minha irmã. agradeceu.Que favor? . . e os dois voltaram para a casa dos pais. quer me fazer um favor? . peguei você! Bachir perdeu o equilíbrio e largou a caixa. .Bom dia. e bem morta.Combinado! Bachir levantou a caixa e já ia passá-la para o marinheiro quando a vendedora de legumes. para cercar o Bachir. de ombros largos. jovem. marinheiro. que tinha se aproximado devagarinho. Com isso. O menino estava exausto e não sabia mais o que fazer.Levar essa caixa até nossa casa. Então ele viu um marinheiro alto.E o que é que eu ganho em troca? . Minha irmã está presa dentro dela.Ah. a gaveta da caixa abriu e a Nádia saiu. caiu bem em cima da cabeça da vendedora.com os olhos fechados e foram todas se arrastando devagarinho até a quitanda. A caixa. Mas não foi só isso. Ela beijou o irmãozinho. as 267 vendedoras caíram com a cabeça esmagada. Dessa vez a bruxa morreu. enquanto o marinheiro catava o dinheiro da bruxa. . . que era muito pesada. Com a pancada.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful