P. 1
Isolamento de Fungos

Isolamento de Fungos

|Views: 126|Likes:
Publicado porLuann Karlos

More info:

Published by: Luann Karlos on Mar 28, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/15/2013

pdf

text

original

1 1. OBJETIVOS Observar os diferentes tipos de fungos existentes no ar.

Aprender técnicas de isolamento de fungos e leveduras e estudar as características macroscópicas e microscópicas dos mesmos.

2.

INTRODUÇÃO

A identificação dos fungos é baseada quase que exclusivamente em sua morfologia tanto macro como microscopicamente. Macroscopicamente os fungos podem apresentar vários tipos morfológicos com colônias filamentosas, cotonosas, pulverulentas e outras (bolores) e cremosas (leveduras) e com os mais diversos tipos de pigmentos.

A grande maioria dos fungos vive no solo fazendo parte da reciclagem dos materiais na natureza. São encontrados também nos vegetais, água, nos animais, etc. Os fungos formam diversas estruturas de dispersão, sendo a principal, os esporos, e através de dispositivos especiais, essas estruturas entram em contato com várias vias de dispersão. A principal via de dispersão é o ar atmosférico, através dos ventos. Os fungos que se dispersam pelo ar atmosférico são denominados de fungos anemófilos e tem importância em alergias no homem e como agentes deteriorantes de diversos materiais.

O isolamento de fungos pode ser feito diretamente a partir de algum substrato ou de um compartimento ambiental (ar, água, solo), utilizando vidraria (tubos de ensaio, placas de petri) e instrumentos (estiletes, pinças, agulhas) esterilizados, com a manipulação em uma zona de segurança próximo a uma chama e/ou em uma câmara de fluxo laminar. Para que ocorra o isolamento dos fungos, é necessário oferecer condições propícias para o desenvolvimento dos mesmos. O isolamento pode ser realizado a partir de câmaras úmidas (recipiente semi-fechado com fonte de umidade (ex. placas de petri forradas com papel filtro embebido com água destilada estéril) ou a partir de um meio de cultura sólido ou líquido, semi-sintético ou sintético (ex. tubos de ensaio ou placas de petri contendo meio de cultura).

Foi necessário tomar o devido cuidado na hora de transeferir parte da colônia para a placa.    Também foi realizado um isolamento de leveduras a partir de uma cultura previamente inoculada.  Lâminas para observação. foi transferido com a alça de platina. 4. Observou-se também o poder fermentativo das mesmas.2 3. . e em seguida esse material foi levado para a encubadora à temperatura ambiente. Tampou-se as placas. observou-se o crescimento das colônias de fungos nas placas e cada integrante escolheu sua colônia para isolamento e observação.  Alça de platina. contendo meio de cultura AS e identificou-se as mesmas de acordo com o ambiente a ser analisado. classe e gênero do fungo analisado. inoculando uma pequena quantidade da colônia nos tubos de ensaio com caldo glicosado. No ambiente escolhido.  Bico de bunsen. Cinco dias depois. observou-se o crescimento da colônia gigante e a partir da cultura crescida no tubo foi feita uma observação ao microscópio para determinar tipo de esporos. Também observou-se as caracteristicas macroscópicas e microscópicas das mesmas. MATERIAIS  Tubos de ensaio para fermentação com caldo glicosado (CG)  Placas de Petri contendo meio de cultura Agar Sabouraud (AS). devidamente flambada. Em seguida. PROCEDIMENTO        Selecionou-se três placas de petri. Dois dias depois. parte da colônia para um tubo e para uma placa com meio de AS.  Tubos de cultura. para evitar o excesso de esporos no meio de cultura. as placas foram abertas e deixadas expostas com o ar por um período de 10 minutos.

impossibilitando até o isolamento do mesmo. CARACTERÍSTICAS MACROSCÓPICAS A colônia escolhida era de tamanho grande. indicando a reprodução assexuada por brotamento. sem brilho característico e nem pigmento solúvel. bordas irregulares. que o fungo isolado pertence a classe Eurotiomycetes. 5. na colônia de fungos do ar. Já a colônia de levedura escolhida era de tamanho pequeno. CARACTERÍSTICAS MICROSCÓPICAS A observação microscópica foi feita a partir da cultura pura do microorganismo crescido em tubo com AS. com coloração branca. Já na colônia de leveduras. a presença de vacúolos dentro das células e também a presença de broto. principalmente na que foi exposta na sala de aula. RESULTADOS Observou-se um grande crescimento de fungos em todas as placas. 5. forma arredondada.. Foi possível observar. sem a presença de outros microorganismos (bactérias. foi possível observar sua forma arredondada. consistência aveludada.) . a presença de hifas septadas e ramificadas. além de conídeos (tipo de esporo assexuado).1. fungos. sem brilho e sem pigmento solúvel.3 5. para evitar possíveis contaminações..2. Em seguida. como foi descrito no procedimento. Constatou-se também que a cultura estava pura. foram escolhidas colônias das placas consideráveis “seguras” que foram transferidas com alça de platina para uma placa de petri e para um tubo com AS e incubou-se a temperatura ambiente para obter a colônia gigante e a cultura pura. forma arredondada. indicando assim. com coloração superior preta e fundo creme. com bordas brancas. ou seja. Foram feitas obsevações in vivo para os fungos e para as leveduras. do gênero Aspergillus.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->