Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades

George Duarte Ribeiro

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Rondônia Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades

George Duarte Ribeiro

Embrapa Rondônia Porto Velho - Rondônia Fevereiro/2010

cpafro. Série. Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades / George Duarte Ribeiro. I. Planta medicinal.085  Embrapa – 2010 . Fax: (69) 3222-0409 www. 3225-9387. 2. CEP 76815-800.2 cm x 25. Título.5.Porto Velho. II.embrapa. constitui violação dos direitos autorais (Lei nº 9. Catalogação-na-publicação. 179 p.. -. Embrapa Rondônia Ribeiro. RO Telefones: (69) 3901-2510. A reprodução não autorizada desta publicação.br Comitê de Publicações Presidente: Cléberson de Freitas Fernandes Secretária: Marly de Souza Medeiros Membros: Abadio Hermes Vieira André Rostand Ramalho Luciana Gatto Brito Michelliny de Matos Bentes Gama Vânia Beatriz Vasconcelos de Oliveira Normalização: Daniela Maciel Editoração eletrônica e layout: Marly de Souza Medeiros Revisão gramatical: Wilma Inês de França Araújo Desenhos da capa: Itacy Duarte Silveira Layout da capa: Marly de Souza Medeiros 1ª edição 1ª impressão (2010): 100 exemplares Todos os direitos reservados.Embrapa Rondônia BR 364 km 5. 18. CDD 636. no todo ou em parte. Espécies frutíferas.610). Porto Velho. George Duarte. RO: Embrapa Rondônia. Caixa Postal 406. 2010.7 cm. ISBN: 978-85-98654-06-5 1. CIP-Brasil.

em Fitotecnia. RO.com.br . georgeduarte@brturbo. M. Porto Velho. ex-pesquisador da Embrapa Rondônia.Autor George Duarte Ribeiro Engenheiro Agrônomo.Sc.

.

. referência de organização de pequenos produtores rurais na Amazônia. que com seus sonhos e suas lutas por uma vida melhor e um mundo mais justo. sua sensibilidade. com sabedoria e paciência extremadas. parceiros em trabalho sobre as palmeiras. que foi operário rural da Embrapa Rondônia e um exemplo de companheirismo e dedicação ao trabalho de cultivo das plantas. a minha mãe. se constitui num grande estímulo à produção intelectual. e. aos companheiros. criativo micro-empresário agrícola da Cidade Hortifrutigranjeira de Porto Velho. e. amizade. fundador-presidente da Ação Ecológica Guaporé . distrito de Porto Velho. bibliotecária da Embrapa Rondônia. reunido em material bibliográfico que é a base para uma futura publicação. Joaquim. na caminhada. amorosidade. à estagiária Juliana Ferreira da Silva. Sidnei Monteiro da Silva. pequeno produtor rural padrão de Porto Velho. sempre a pessoa mais importante. aos meus filhos que me dão a oportunidade de me completar como ser humano. de onde foram retiradas as informações presentes no tópico relativo a esta família. ex-presidente da OSR – Organização dos Seringueiros de Rondônia –. ensinou-me os rudimentos práticos da arte da Horticultura.Agradecimentos Primeiramente ao Grande Deus. Nilson do Nascimento. in memorian. uma grande motivação para prosseguir na luta. aos amigos João Alberto Ribeiro. operário e mestre rural da UFRRJ. RO. e competência profissional. Zedequias Alves. a todos os agricultores familiares do Brasil. especialmente. Depois. aluna do oitavo período do Curso de Agronomia da Universidade Federal de Rondônia – UNIR. que me dá forças para seguir buscando produzir algo mais e melhor. no Campus de Rolim de Moura RO. que. e aos senhores Alvadir Stephanes (Didi) – viveirista de Porto Velho.ECOPORÉ e José Maria dos Santos. RO. a Daniela Maciel. que me motivou a trazer a lume esta publicação. nas famílias que compõem o Projeto RECA – Reflorestamento Econômico Consorciado e Adensado – em Nova Califórnia. in memorian. a fonte de inspiração maior da minha vida. Criador e Pai Bondoso. que com sua integridade moral. são sempre um grande alento.

.

por ordem alfabética dos nomes científicos das plantas. quando exerço as funções de pesquisador da Embrapa Rondônia. estando em contacto com alguns alunos dos cursos de Agronomia e Engenharia Florestal. anotações e apontamentos.200 espécies aqui relacionadas. nestas. Peço desculpas por estas limitações e espero que façam bom proveito deste meu esforço por oferecer esta contribuição para uma vida mais em harmonia com a Mãe Natureza. senti a necessidade de repassar-lhes este material. contendo comentários sobre as atribuições e características próprias de cada uma das cerca de quase 1. em ordem alfabética de nome popular de plantas. procurando aproveitar melhor os tantos recursos que ela nos oferece para que alcancemos nossa felicidade. com ênfase para fruteiras da Amazônia. agrupadas em cerca de 180 famílias. que remete à segunda parte. estes seres que tanto podem nos ajudar na viabilização dos nossos sonhos. produtores rurais.). desenhos. com indicações de suas propriedades. e.Apresentação Buscando deixar mais alguma contribuição ao povo brasileiro (que custeou meus estudos na escola pública). inclusive com imagens (fotos. pormenorizadas.UFRRJ até hoje. dispostas. na realização de nossos desejos. organizada por ordem alfabética de famílias. etc. técnicos agrícolas e amantes da natureza. que seria o ideal para uma melhor identificação das plantas. Recentemente. desde os meus tempos de acadêmico do curso de Agronomia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro . Dado as características e limitações da publicação em foco. Esta iniciativa tem o intuito de disponibilizar mais informações aos estudantes. e seria de se esperar. de Rondônia. é com muita satisfação que trago a lume estas informações. ou de maior interesse para o homem. que precisam e gostam de ampliar seus conhecimentos sobre as plantas. numa primeira parte. Assim. no sentido de ajudar-lhes na familiarização que precisam ter com a matéria-prima básica com que vão lidar no desenvolvimento da vida profissional. de nossas vidas. é certo que muitas vezes o leitor poderá ressentir-se de informações mais abalizadas. resolvi passar a limpo. contendo informações sobre algumas plantas úteis. George Duarte Ribeiro Engenheiro Agrônomo – Pesquisador da Embrapa Rondônia . atuando na área de Fruticultura Tropical. reunidas ao longo de três décadas. como gostaria de encontrar.

.

...................................................Sumário Primeira parte Relação de plantas organizadas por ordem alfabética de nomes vulgares.... objeto da segunda parte deste trabalho................... 55 Referências ................. com detalhamento de utilidades das espécies citadas.................... que remete à relação de famílias.... 175 .............15 Segunda parte Relação de plantas reunidas em famílias........................... organizadas por ordem alfabética de nomes científicos .... onde se detalha cada uma das espécies .

.

excêntrica. alienígena FARM – Farmacêutica. utilizada na indústria FIB – Fibrosa FOR – Forrageira FRU – Fruteira. multipropose (em inglês) NA . Alimento Natural NCC – Nativa.Nativa NAM – Nativa na Amazônia ou que ocorre com abundância na região NAT – Naturismo. tempero CR – Crescimento Rápido CV – Cerca Viva DA – Defensivo Agrícola EP – Epífita ES – Especial. essência florestal MED – Medicinal MEL – Melífera ML – Madeira-de-lei MULT – Multiuso. estrangeira. frutífera FUN – Funcional. planta ARTE– Artesanato. curiosa ESS – Essência. planta de uso múltiplo. esquisita. alimento usado em MAD – Madeira. extraordinária. original. ou comum no Nordeste brasileiro . óleo essencial EXO – Exótica. alimento GÊN – Gênero holotípico (que dá nome à família) HOR – Hortaliça IA – Invasora aquática IND – Industrial INV – Invasora MAC – Macrobiótica. esdrúxula. Comum no Cerrado NMA – Nativa na Mata Atlântica NNE – Nativa no Nordeste. Alimento Humano COND – Condimento. própria para AV – Adubação Verde CHA – Chá. própria para CO – Comestível.Legendas AL ou CO – Alimento Humano ou Comestível AMB – Planta que caracteriza determinado ambiente AO – Árvore Ornamental AQUA – Aquática. extravagante.

Trepadeira UR – Utilização Rural .OL – Oleaginosa ORN – Ornamental. indicada para paisagismo PAR .Sistema Agroflorestal SOMBRA – Planta que se desenvolve bem na sombra.Parasita REF – Reflorestamento RS – Recuperadora de Solos SAC – Sacarina SAF . umbrófila TA – Tóxica Alucinógena TOX – Tóxica TRE .

Primeira parte .

.

AQUA – MED Abóbora-d’anta. ORN Acácia-do-nilo. AO – CR – MAD – UR – RS – ES Acácia-mangium – leguminosae mimosoideae. objeto da segunda parte deste trabalho. NAM – FRU – MED – IND – UR – FUN Acalifa – euforbiaceae. FRU – MED – IND Abeto – pinaceae ou coniferae. abricó-do-pará – clusiaceae. NAM – MAD – UR Acelga – quenopodiaceae. NAM – MAD Acariquara. árvore-da-goma-arábica – leguminosa mimosoideae. NAM – ES Açaí.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 15 Relação de plantas organizadas por ordem alfabética de nomes vulgares. FRU – EXO – MAD – UR – MED – DA – CR – MULT Abricó-de-macaco – lecitidaceae. TRE – MED Abricó. NAM – CO – MAD – UR – MED – ES – ARTE Absinto – compositae. ORN – CV – ES Acantus – acanthaceae. MED – TOX – EXO – ES Abutilon – malvaceae. FRU – EXO – MED – IND – FUN . EXO – ARTE – ES Abiu – sapotaceae. EXO – REF – MAD – AO – ARTE – CR – RS – ES – IND – MULT Acácia-preta – leguminosae mimosoideae. que remete à relação de famílias. acapu-de-igapó – leguminosae mimosoideae. acari – olacaceae. cereja-das-antilhas – malpighiaceae. HOR – MED Acerola. HOR – MED – ES – FOR – GÊN Abóbora-d’água – cucurbitaceae. angelim-de-folha-larga – leguminosa mimosoideae. onde se detalha cada uma das espécies Abacate – lauraceae. taiuiá – cucurbitaceae. NAM – CO – ES Açaí-do-amazonas. Aquariquara. FRU – NAM Abóbora – cucurbitaceae. açaí solteiro – palmaceae. AO – NAM – MAD Abricó-do-mato – sapotaceae. ORN – GÊN Acapu. MAD – IND Abacaxi – bromeliaceae. NAM – MAD – UR Acapurana. açaí-do-pará – palmaceae. EXO – FRU – OL – IND – MED – REF – ES – MULT Abacateiro-do-mato – lauraceae. EXO – REF – MAD – ES Acácia-negra – leguminosae mimosoideae. FRU – NAM – SAF – MED – IND – UR – OL – ORN – ARTE – MULT Açaí-chumbinho – palmae. EXO – IND –ES Acácia-esponjinha – leguminosae mimosoideae.

HOR – NAT – MED Alisma – alismaceae ou alismataceae. ORN Aloé – liliaceae. lírio-de-são-josé. FOR – MED Alfavaca – labiada. ORN Agoniada – apocinaceae. hemerocalis – liliaceae. AQUA – IND – INV – ES Aipo – umbeliferae. AO – FOR – UR Algodão – malvaceae.IND Alcachofra – compositae. ESS – FARM Alfinete – valerianaceae. EXO – MAD . ORN Aeshinomene – leguminosae faboideae. HOR – ES Alface-d’água – araceae.16 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Açucena – amarilidaceae. ORN Algaroba – leguminosae mimosoideae. EXO – MAD Alamanda – apocinaceae. GÊN Almeirão – compositae. ORN Agapanto – liliaceae. colônia – zingiberaceae. AV – INV Afelandra – acantaceae. AQUA – ORN Alfafa – leguminosae faboideae. COND – CHA – MED Alfavaca-de-cheiro – labiatae. ESS – ORN Alface – compositae. ORN Agave – agavaceae. ORN – IND – FIB – ES Aglaonema – araceae. HOR – MED Ajillo – caryocaraceae. gigoga. ORN – TOX Álamo – salicaceae. AO – ES Alho – liliaceae. HOR – MED – AQUA Aguapé. MED – FAR Alpínia. HOR – COND Alocasia – araceae . lírio-amarelo. MED Agrião – cruciferae. MED – COND Alfazema – labiada. ORN – ESS . INV Alho poró – liliaceae. IND – OL – FIB – MED Algodão-da-praia – malvaceae. HOR – MED – FARM Alecrim – labiatae. ORN Açucena-amarela. baronesa. jacinto-d’água – pontederiaceae. HOR – MED – UR – DA Alho bravo – liliaceae. ESS – MED – FARM – COND Alecrim-do-oriente – labiatae.

FRU – NAM Apuí. AO – FRU – ES Amendoeira-européia. badiana. NAM – MAD Amarílis – amarilidaceae. castanheira. GÊN – ORN Amburana. MAD – CR – UR Angico-vermelho – leguminosa mimosoideae. castanhola. ORN Amora. amora-negra – moraceae. NAM Anis ou anis-estrelado. sete-copas – combretaceae. ORN – TRE Amor-do-campo – tiliaceae. ML – NAM – ES Ameixa. GÊN – UR – CO Amarelona. muirapiranga – moraceae. NAM – MAD – OL – MED – UR – MULT Anemone – ranunculaceae. EXO – FRU – OL – IND Amendoim – leguminosae faboideae. INV – MED Andiroba – meliaceae. Angelim-pedra. AL – MAD Antúrio – araceae. amêndoa. faveira-ferro – leguminosa mimosoideae. NAM – MAD – UR Angico-branco – leguminosa mimosoideae. MAD – CR – UR Angico-roxo – leguminosa mimosoideae. CO – IND – OL Amor-agarradinho – poligonaceae. cerejeira – leguminosae faboideae. conduru-de-sangue.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 17 Alpiste – graminae. MAD Anileira – leguminosa faboideae. ORN Angélica – apiaceae ou umbeliferae. FRU – IND – FOR Amora. MED Amor-perfeito – violaceae. MED – NAT – COND Anis-verdadeiro – umbeliferae. NAM – MAD – MED – UR Amapá-doce. amarillón – combretaceae. ORN – SOMBRA Apuruí. ESS – COND – MED – CHA Anonillo – anonaceae. amora-branca – moraceae. cipó-estrangulador – moraceae. EP – TRE – ES . MAD Angico-verdadeiro – leguminosa mimosoideae. NAM – MAD – UR – ES Amaranto – amarantaceae. EXO – FRU – MED Amendoeira. Angelim-vermelho. MED – IND – ES Aninga – araceae. amêndoa-doce – rosaceae. mata-pau. aniz-da-sibéria – magnoliaceae. puruí – rubiaceae. MED Angelim. EXO – FRU – IND – FOR Andaca – commelinaceae. ameixeira – rosaceae. FOR Amapá – apocinaceae.

MED – MEL – CHA – INV – ES – UR Astrapéa – srerculiaceae. ML Aroeira-da-praia – anacardiaceae. aroeira-mansa – anacardiaceae. pinheiro-de-norfolk – pinaceae ou coniferae. pau-de-gasolina – lauraceae. FRU – INV Araçá-boi – mirtaceae. bananeira-de-leque – musaceae. urtiga-mansa – urticaceae. FRU – NAM – SAF – IND – ES Araçá-pêra – mirtaceae. jabillo – euphorbiaceae. FRU – NAM – ES Arachis – leguminosae faboideae. ORN – SOMBRA Areca-triandra – palmaceae. MAD – MED – UR Aroeira-do-campo. AL – IND – ES – FOR Arruda – rutaceae. aroeira-do-sertão – anacardiaceae. MED – NAT – CHA – MAC Arumã – marantaceae. ORN – UR – AV – FOR Araribá. MED – MEL – CHA – INV Assa-peixe – compositae. joá-bravo. NAM – UR – ARTE Árvore-de-Natal. louro-inamuí. aroeira-mole – anacardiaceae. MEL – ES – ORN Aveia – graminae. folha-de-santana. AL – ES – MED – GÊN Araticum – anonaceae. MED – UR – ES Arrebenta-cavalo. joá-ti. MED – ES Artemísia – compositae. ORN – ES Árvore-do-viajante. ORN – ES Árvore-do-querosene. HOR – MED Aspargo-ornamental – liliaceae. MED Aroeira-vermelha. MED – FARM Arnica-do-campo – compositae.18 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Araçá – mirtaceae. MED – FARM – CHA Aroeira. NAM – MED – TOX – ES – UR Assapeixe. ariribá – leguminosa faboideae. araribá-amarelo. gonçalo-alves – anacardiaceae. FRU – UR Areca-bambu – palmaceae. milhomens. AO – MAD – UR – ES – CR Araruta – marantaceae. MED – FAR – CHA – EXO Arnica-brasileira – compositae. MED – ESS – ES – UR Aroeira-salsa. EXO – ORN – SOMBRA Aristolóquia. ORN – TRE – ES – MED – GÊN Arnica – compositae. INV – TOX – MED – GÊN Arroz – graminae. melancia-da-praia – solanaceae. papo-de-peru – aristolochiaceae. NAM – UR – ES – IND Aspargo – liliaceae. AL – FOR . ORN – ES Assacu.

MED – IND – FARM – ES Bambu – graminae. CO – MAC – NAT – MED – RS Barriguda – bombacaceae. NAM – OL – UR – IND – ES Babosa – liliaceae. NAM – CO – OL – UR – ARTE Bacaba-de-leque – palmae. verbasco – scrofulariaceae. ORN – ES Axínea – melastomaceae. FRU – NAM – ES Bagaceira. ORN – ES Bananeira-de-leque. INV – MED Barbasso – compositae. NAM – CR – SAF – MAD – IND – UR – ES – MULT Baobá – bombacaceae. garrote – moraceae. INV – ORN – HOR – MED – GÊN Azevinho – aquifoliaceae. árvore-do-viajante – musaceae. bacaba-verdadeira – palmaceae. bacaba-mirim – palmae. balateira. NAM – ORN – UR Bacabi. ORN – TRE Banana – musaceae. aveloz – euphorbiaceae. tatajuba. ORN – ES Bandarra. ORN Azaléa – ericaceae – ORN – ES Azedinha – oxalidaceae. EXO – AO – ES Barba-de-velho – bromeliaceae. FRU – NAM – ES Bacuripari – clusiaceae. strelítzia – musaceae. bacabão. ORN – UR – CV – CO – ARTE Bambu-balde – graminae. MED – ES Azolla – azollaceae / pteridophyta. UR – CV – HOR Bambu-chinês – graminae. baicuru – sapotaceae. paricá – leguminosae cesalpinioideae. MED Bardana – compositae. bacabinha. NAM – MAD – IND Bálsamo-do-peru – leguminosae faboideae. NAM – CO – ORN Bacuri – clusiaceae. bacabaçu. MED – ESS – FARM – UR Bacaba. ORN – UR – ARTE Bambuzinho-melindre – liliaceae. AQUA – ES – UR – GÊN Babaçu – palmaceae. CO – OL Avelós. ORN – EPT Barbasco. guapuruvu. ORN – CV – UR Bambuzinho – gramineae. faveira-camuzé – leguminosae mimosoideae. ORN – CV – MED Avenca – polipodiaceae / pteridophyta. AO – ES . NAM – UR – MAD – FRU – ES Balata. INV – MED Barbatimão.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 19 Avelã – betulaceae. EXO – FRU – IND – ORN – UR – SAF – FUN Bananeira-de-jardim.

maria-sem-vergonha – balsaminaceae. EXO – COND – TRE – ESS – MED – IND Baunilha-ornamental – orchidaceae. INV – HOR Belosperone – acanthaceae.20 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Barrilheira – quenopodiaceae. ORN – TOX – INV Boca-de-leão – scrofulariaceae. ORN Bengo. MED – UR – ES Boldo-baiano – compositae ou asteraceae. CO – HOR Beterraba – quenopodiaceae ou salsolaceae. CO – MED Boa-noite – apocinaceae. boldo-da-terra – labiatae. AL – HOR – SAC Baunilha – orchidaceae. NAM – MAD – ES Bignonia – bignoniaceae. MED – UR Boldo-do-chile – monimiaceae. jasmim-azul – plumbaginaceae. FRU – NAM Biribá-de-pernambuco. ORN – ES Bela-emília. FRU – ESS – IND Berinjela – solanaceae. batata-inglesa. AL – HOR – FOR Batatinha. ORN – ES – TOX Bicuíba. MED – FARM Beldroega. MED – FARM Batata-doce – convolvulaceae. ORN Begônia – begoniaceae. gengibre-tocha. capim-angola – gramineae. ORN Beladona – solanaceae. MED – FARM – COND Bastão-do-imperador. EXO – MED – FARM – ESS – IND . ORN – ES Beijo. CO – HOR – MED Bertalha – baselaceae. CO – HOR – SAC – IND Bétula – betulaceae. IND – EXO Basilicão – labiatae. batata inglesa – solanaceae. ORN Begônia-rex – begoniaceae. AO – EXO – GÊN Bico-de-papagaio. INV – FOR Berberis – berberidaceae. EXO – ORN – ES Batata-de-purga – convolvulaceae. verdoega – portulacaceae. ORN Boldo. NA – TRE – ORN – ESS – IND Baunilha-da-praia – orchidaceae. flor-da-redenção – zingiberaceae. ORN – EXO – ES Beijo-impatiens – balsaminaceae. FRU Biribá – anonaceae. EXO – MED Bergamota – rutaceae. GÊN – TRE Bilimbi – oxalidaceae. beijo-de-frade. jaca-de-pobre – anonaceae. poinsétia – euforbiaceae. bocuva – miristicaceae.

cabelo-de-anjo. AMB – ES Cacto-rosa – cactaceae. bororô – rubiaceae. rhipsalis – cactaceae. buritizinho. NAM – CO – IND – SAF – UR – MED – SOMBRA Cacau-azul – sterculiaceae. NAM – IND – ESS – UR – ES Brilhantina – urticaceae. NA – IND – UR Cabaça. TRE – INV – UR – ES Buganvília. ES Bussu – palmaceae. ORN – UR – ARTE Caeté-mirim – cannaceae. bananeirinha-do-mato – marantaceae.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 21 Bonina – nyctaginaceae. canaí. FRU – ES Cacauí – sterculiaceae. AMB Buriti – palmaceae. ORN – GÊN – UR Bucha – cucurbitaceae. ES – UR – ARTE – GÊN Cabelo-de-anjo. rhipsalis – cactaceae. caranã. ORN – UR – CO – FOR . ORN Cacto-ornamental – cactaceae. primavera – nyctaginaceae. uliá – palmae. cuia. ORN Cactus-monstruoso – cactaceae. cabacinha-amargosa – cucurbitaceae. ORN – ES Cacto-piliforme. bouganvílea. fúchsia – onagraceae. ORN Cactus-monstruoso-minor – cacataceae. FRU – EXO Borragem – boraginaceae. INV – ORN Brinco-de-princesa. ORN – MED Borojoa. carandaí. MED – GÊN Bracatinga – leguminosae mimosoideae. ORN – ES – EP Cactus-três-quinas – cactaceae. três-marias. NAM – CO – ORN Cacau-do-peru – sterculiaceae. ORN – TRE – CV – MULT Bugi-leguminosae faboideae. MAD – REF – MEL – UR – CR – MULT Braúna – leguminosae cesalpinioideae. NA – ES Cactozinho – cactaceae. NAM – AO – ES – CO – UR Cacto-da-restinga – cactaceae. ES – ORN – EP Cacau – sterculiaceae. INV Breu-branco – burseraceae. ORN Brócolis – cruciferae. buritirana. HOR – FUN – ES Bromélia – bromeliaceae. buriti-bravo. carandaizinho. ML – NMA – AO – ES Bredo-da-praia – goodeniaceae. NA – CO – IND – UR Burra-leiteira – euforbiaceae. ORN Caeté. NA – CO – ORN – UR – IND Buriti-mirim.

TRE – ORN – ES Camomila – compositae. FRU – ES Calabura – tiliaceae. FRU – ES Calapogônio – leguminosae faboideae. FRU – NCC – ME – ES Caixeta – bignoniaceae. ORN Caliandra – leguminosae mimosoideae. cajarana. ORN Camarão – acantaceae. FRU Cajá-mirim. lantana – verbenaceae. camuzé – leguminosae mimosoideae. EXO – CO – IND – MED – FUN – SAF Café robusta. EXO – CO – IND – MED Caferana – gentianaceae. FRU – MED – UR – NA – GÊN Cambuí-amarelo – mirtaceae. MAD – UR – NA – NAM Cajá-açu. NA – FRU – MED Camélia – teaceae. vick. FRU – ES – NCC Cajueiro-gigante. taperebá – anacardiaceae. ORN – ES Calceolaria – escrofulariaceae. EXO – ORN – ES – ARTE Camoensia – leguminosae faboideae. ORN Calatéa makoyana – marantaceae. taperebá-açu – anacardiaceae. Cambuí-roxo – mirtaceae. AV – FOR Calatéa. FRU – IND – NNE – AO Cajueiro – anacardiaceae. taperebá-do-sertão – anacardiaceae. FRU – NA – AO – IND Cambuí – mirtaceae. bengué – rubiaceae. ORN – ES Calatéa-zebrina – marantaceae. cajuí. FRU – NA Cambuci – mirtaceae. café-bravo. FRU – MED – IND – UR – NNE Cajueiro-do-campo. INV – ORN – MEL – MED – TOX Cambucá – mirtaceae. MED Cafezinho. NA – FRU Cajá-manga. ORN – ES Calatéa-ornata – marantaceae. ORN Cambarazinho. CHA – MED – ES – FARM Camomila-romana – compositae. CHA – MED Camunzé. caju-açu – anacardiaceae. NA – FOR – MAD Camu-camu – mirtaceae. erva-de-rato.22 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Café – rubiaceae. ORN – CV Camaerato – acanthaceae. cajueiro-anão – anacardiaceae. SAC – IND – CO – FOR – FUN . FRU – NAM – FUN – FARM Cana-de-açúcar – graminae. jacundá – marantaceae. INV – TOX Cagaita – myrtaceae. FRU – NA Cambuí-verdadeiro. café conilon – rubiaceae.

ORN – ES – GÊN Canela. capim-napiê. NCC – ES – UR – ARTE Capim-estrela – gramineae. canela-da-índia. COD – ESS – MED – CHA – MAD – MULT Canela-amarela – lauraceae. canela-verdadeira. FOR . caapeba. ORN Cana indica – cannaceae. EXO – FOR Capim-elefante. GÊN Capeba. FOR – UR Capim-flecha – gramineae. MAD – NMA Canela-baraúna. EXO – FRU – ES Canola – cruciferae.ES Capim-angola – gramineae. cinamomo.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 23 Cana-do-brejo. FOR . ORN – ARTE – GÊN Canafístula-de-boi. braquiária – gramineae. capim-búfalo – gramineae. ES – NCC Capim-brachiária. FOR – NNE Capim-colonião – gramineae. EXO – FOR – ES Capim-dourado – eriocaulaceae. NA – UR – ES – MAD – MEL – MED – MULT Candelabro – euforbiaceae. angolo – leguminosae mimosoideae. ORN – MED – ES Cana-dos-pampas – graminae. ML – NMA Canela-sassafrás. pariparoba – piperaceae. MED Capeba-do-norte – piperaceae. NMA – MAD – UR – ES – ESS – MED – MULT Cânfora – lauraceae. FOR – ES Capim-barba-de-bode – gramineae. cambará-branco – compositae. ML Canela-preta – lauraceae. baraúna – lauraceae. EXO – FOR – ES Capim-buffel. sassafrás – lauraceae. EXO – FOR Capim-andropogon – graminae. DA – ES Cânhamo – canabaceae. FOR – ORN Capim-gordura – gramineae. FOR – ES Capim-brizantão – gramineae. gramafante – gramineae. FOR – NA Candeia. FOR – UR Capim-guatemala – gramineae. canela-do-ceilão – lauraceae. costus – costeaceae ou zingiberaceae. capim-napier. MED Capim-afozo – gramineae. EXO – FIB – IND – TA – MED – ES – GÊN Canistel – sapotaceae. FOR – NNE – ES Canarana – graminae. EXO – CO – IND – OL Caparis – caparidaceae.

CO – TRE Caraguatá – bromeliaceae. palmeira rabo-de-peixe – palmaceae. MED Carajuru. chica. NAM . caraná-do-mato. FOR Capim-panasco – gramineae.ES Carandá – palmaceae. NAM – MED – ES Cardamomo – zingiberaceae. FOR Capim-jaraguá – gramineae. ORN Carité. ORN – UR – ES Carapanaúba – apocinaceae. FOR Capim-pé-de-galinha – gramineae. INV – FOR Capim-quicuio. karité. INV – ES Capim-setária – gramineae. FOR – ES Capim-roseta – gramineae. FOR Caqui – ebenaceae. FIB – IND . FOR – UR Capim-guiné – gramineae. contra-erva – moraceae. capim-cidrão – gramineae. capim-kikuio – gramineae. curauá – bromeliaceae. MED – NAM – ES Caraluma – asclepiadaceae. CO – MAC Cará-trepador. FOR Capim-pasto-negro – gramineae. grama-midícola – gramineae. crajiru.24 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Capim-guaçu – gramineae. ORN – ES Carambola – oxalidaceae. MED – ESS – CHA – MAC – FARM – MUL Capim-marmelada – gramineae. FOR Capim-mombaça – gramineae. FOR – EXO Capim-vassoura – gramineae. FOR Capim-quicuio-da-amazônia. NAM – ES – UR Caranaí. FOR Capim-limão. karitê – sapotaceae. FRU – MED – ES Caraná. FRU – EXO – ES Cará – dioscoriaceae. buritirana – palmae. capim-santo. NNE – IND – ORN Caroá. FOR Capim-murubu – gramineae. MED – NAM Carapiá – moraceae. EXO – ORN – FIB – ES Carnaúba – palmaceae. miritirana – palmae. COND – MED Cariota. MED – NCC Carauta. piranga – bignoniaceae. FOR Capim-mimoso – gramineae. EXO – OL – IND – FARM Carludovica – cyclantaceae. cará-moela – dioscoriaceae.

NAM – AO – CO – ES – CR Castanheiro-europeu. macáçar. cow-pea. arapitanga – meliaceae. MED Castanha-do-maranhão. ORN – CO Caucho – moraceae. INV – ES Carrapicho-de-carneiro – compositae. CO – AV – FOR – MULT Caviúna.leguminosae cesalpinioideae. EXO – AO – ES – RS Castanha-do-brasil. INV – ES – MED Caruru. munguba – bombacaceae. INV – CO – FOR – MED Caruru-bravo. AO Cássia-siamea . MAD – EXO – ES Casca-d’anta – winteraceae. pau-cigarra. feijão-fradinho. bacaris – compositae. pau-doce – sapotaceae. jacarandá-caviúna – leguminosae faboideae. figueira-do-mato – moraceae. MED – ES Casca-doce. cedro-cheiroso. AO – ES Cássia-javânica . CO – EXO – ES Casuarina – coniferae ou casuarinaceae. catulé – palmaceae. canudeiro – leguminosae cesalpinioideae. cássia-multijuga. MED – MAD Carobinha – bignoniaceae. NAM – MAD – UR – ES Cebola – liliaceae. AO – MAD . canafístula.leguminosae cesalpinioideae. MED – MAD – NA Caroba-amarela – bignoniaceae. ML – NA Caxinguba. INV Carvalho – fagaceae. capim-carrapicho – gramineae. NAM – CO – FUN – OL – MAD – ARTE – SAF – MULT Castanha-da-índia – hippocastanaceae. MED – ES – ORN Catolé. AO – MAD – ES – MED Carrapicho. ORN – EP Catuaba – bignoniaceae. HOR – COND – ES Cedro. castanha-portuguesa – fagaceae. AO – ES – CR Cássia-chuva-de-ouro – leguminosae cesalpinioideae. cedro-mogno. trapiá – caparidaceae. castanheiro-do-maranhão.NAM – CO – MED Cássia-aleluia. ervilha-de-vaca – Leguminosa faboideae. HOR – MED – ES Cebolinha – liliaceae. MED – NCC Carqueja. NAM – UR – IND Caupi. cabiúna. bredo – amarantaceae. AO – EXO – MAD – ES – CV – GÊN Catauari. NAM – ML – REF – ES – SAF – MULT .Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 25 Caroba. parapará – bignoniaceae. NAM – MED Catléia – orquidiaceae. MED – CHA – MAC Carrapeta – meliaceae. caruru-de-espinho – amarantaceae. castanha-do-pará – lecitidaceae.

MED Cipó-caboclo – dilleniaceae. cica-revoluta – cycadaceae. FRU – UR Cinamomo. rainha. imburana-de-cheiro. corações emaranhados – asclepediaceae. ORN Cicuta – umbeliferae. AV – FOR Cerejeira. NAM – TA – UR Chapéu-de-couro – alismataceae. TOX – UR – ES . ORN Cica. bombacopsis – bombacaceae. EXO – ORN – ES Ciclame – primulaceae. EXO – ORN Cica sul-africana – cycadaceae. mescla – rubiaceae. para-raios – meliaceae. HOR – UR Chuchu – cucurbitaceae. ML – REF – MED – ES Cedro-doce. cereja-doce. AL – EXO . cumbaru-das-caatingas – leguminosae faboideae. chicasquil – euphorbiaceae. cerejeira-européia. MAD – NAM – ES – REF – CR Cenoura – umbeliferae. chá verde – teaceae. NAM – ART – UR – MED – ES Cipó-azougue – cucurbitaceae. NAM – TA – UR – ES Cipó-milhomens – aristolochiaceae. ORN – ES Cipó-timbó – sapindaceae. cereja-silvestre – rosaceae. EXO – CHA – IND – ES – UR Chacrona. TOX – MED Cidra – rutaceae. PAR – MED Cipó-mariri – malpighiaceae.ES Chicha-do-nordeste. cuscuta – convolvulaceae. CO – IND – FOR Chá. AO – FRU – MAD – EXO – FUN Ceropegia. cerejeira. jetirana – leguminosae faboideae. HOR – MED – ES Centeio – graminae. GÊN Chicória – compositae. FOR – UR – CO Cherimólia – anonaceae. amburana. FRU – EXO – UR Chia – labiatae. stercúlia – sterculiaceae. AO – MAD – REF – ES – CR – MULT Cinco-folhas – bignoniaceae. ORN – TRE – ES Cevada – graminae. HOR – ES Cianotis – commelinaceae. MED – ES Cipó-chumbo. MED – NA Chaya. EXO – MAD – DA – ES Cedro-batata – meliaceae.26 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Cedro-australiano – meliaceae. NAM – ML – ES – SAF – MULT Cereja. CO – IND Centrosema. MED Cipó-ambé – araceae.

macaúba. ORN – ES Cordiline – liliaceae. coirana – solanaceae. teju-açu. CO – UR – OL – MED – ES – MED – MULT Cóculos – menispermaceae. ORN – ES . lágrimas-de-cristo – verbenaceae. NAM – UR – ES – MED Cipreste – coniferae. NAM – OL – MED – MAD – ES – MULT Copo-de-leite – apocynaceae. MED – FOR – TOX Congonha-do-campo – rubiaceae. FOR – OL Comigo-ninguém-pode – araceae. MED Coentro – umbeliferae. ORN – ES Ciriguela. ORN Clúsia – clusiaceae. coqueiro-da-bahia – palmaceae. UR – ES – MED – TOX Cola – sterculiaceae. AL Confrey. tiú. mucajá – palmácea. ORN – TOX Coração-de-negro – leguminosae mimosoideae. NA – MED Contra-erva. confrei – boraginaceae. FRU – ES – NNE Círio-de. pau d’óleo – leguminosae cesalpinioideae. ORN Columnea – gesneriaceae. AO – MAD – CR – ES Coração-magoado – amaranthaceae. ORN – TER Clorofito. talipot – palmaceae. fruta-da-condessa – anonaceae. haemanthus – amaryllidaceae.nossa -senhora – liliaceae. caminho-de-jesus – liliaceae. ORN – ES – TOX – SOMBRA Cominho – umbeliferae. ORN – SOMBRA Corifa. COND Condessa. HOR – COND – UR Coerana. liga-osso. NA – MED Convolvulus – convolvulaceae. ORN – EXO – ES Coroa-de-cristo – euphorbiaceae. coroa-de-moçambique. EXO – MED – IND Coleus – labiatae. ORN – GÊN – AMB Coca – erythroxylaceae. ORN – CV – TOX Coroa-de-frade – cactaceae. ORN Coroa-imperial. TA – FARM – UR – ES Coco-da-bahia. caapiá-açu – moraceae.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 27 Cipó-titica – araceae. FRU – ORN – OL – IND – SAF – MULT Coco-de-catarro. ORN Colza – cruciferae. ORN Clorodendro. GÊN Copaíba. siriguela – anacardiaceae.

NAM – FRU – MED – FARM – IND Cuité – bignoniaceae. caiaué. MED – ORN Dinheiro-em-penca – urticariaceae. NAM – FRU – IND – ES – SAF – SOMBRA – MULT Curare – loganiaceae. ORN – UR Cumaru. cocona – solanaceae. NAM – CR – MAD – ES Cupuaçu – sterculiaceae. corozo – palmae. carajiru. ORN Cravo – cariofilaceae. HOR – MAC – MED Couve-flor – cruciferae. moeda. ORN – ES Dion edule – cicadaceae. UR – ES Cuscuta. ORN Dólar. dendezeiro – palmaceae. HOR – MAC – FUN Crajiru. esponjinha – leguminosae mimosoideae. cumbaru. ORN – MED – ES Couve – cruciferae. piranga – bignoniaceae. ORN – DA Crista-de-galo – amaranthaceae. AV – DA – MEL Cubiu. chica. NAM – MAD – FARM – MED Cupiúva. AV – FOR – UR Digitalis – scrofulariaceae. EXO – CO – OL – IND Dendê-do-pará. FRU – EXO – MED Dendê. boleira – euphorbiaceae. ORN – ES Dormideira. ORN Cravo-de-defunto – compositae. maná-da-amazônia. andá-açu. cana-do-brejo – zingiberaceae ou costeaceae. ORN – ES Crotalária – leguminosae faboideae. cupiúba. MED – PAR Cutieira. NAM – OL – FOR – IND Desmodium – leguminosae faboideae. hera sueca – labiatae.28 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Costela-de-adão – araceae. cipó-chumbo – convolvulaceae. INV – ES – MED – ORN . ORN Dama-da-noite – cactaceae. ORN – GÊN Cravina – cariofilaceae. sensitiva. ORN – SOMBRA Costus. ORN – ES Cravo-de-amor – cariofilaceae. ORN Damasco – rosaceae. cupiúna – celastraceae. ORN Cróton – euphorbiaceae. HOR – MED Couve-de-bruxelas – cruciferae. imburana-de-cheiro – leguminosae faboideae. MED – NAM – ES – UR – TRE Crassula – crassularaceae. NAM – MAD – MED – UR Dália – compositae.

MED – ES Embaúba. ML – EXO Echevéria. IND – CHA – UR – ES Erva-moura. MED Erva-de-bugre. MED – UR Erva-de-passarinho – lorantaceae.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 29 Dorstênia. umbaúba. melissa – labiatae. MED – INV Erva-canudo – convolvulaceae. poró – leguminosae faboideae. MED Erva-mate – aquifoliaceae. MAD Ébano-da-austrália. TOX – INV Erva-de-santa-bárbara – solanaceae. tiú – moraceae.terrestre. ORN Drosera – droseraceae. suinã. mastruz – quenopodiaceae. MED – NA – ES – CO – INV – IND – GÊN Embaúba-prateada. CR – SAF – ES Erva-andorinha. cecrópia – cecropiaceae. ORN Elixir-paregórico – piperaceae. COND – FOR – CHA – MED – ESS – UR – EXO – FAR – MULT Erva-macaé – labiatae. ORN Erantemo – acanthaceae. erva-de-santa-luzia – euphorbiaceae. MED Erva-de-são-joão – hyperaceae. figueir. MED – FARM – UR – ES – TOX – GÊN Erva-de-santana – compositae. café-bravo. ORN Dracaena-rosada – liliaceae. rosa-crassula – crassularaceae. MED – ES Dracena – liliaceae. mulungu. embaúba-da-folha-branca – cecropiaceae. ORN – ES Douradinha-do-campo – sterculiaceae. EXO – MED – ES – GÊN Erva-doce. caiapiá. PAR – MED – ES Erva-de-rato. MAD – EXO Ébano-da-índia – ebenaceae. FOR – CV – ES Eritrina-gigante – leguminosae faboideae. ébano-australiano – leguminosae mimosoideae. imbaúba. vick. GÊN – ES Epíscia – gesneriaceae. MED – CHA – MAC – UR – ES – IND – FARM – MEL Erva-de-bicho – poligonaceae. MED Erva-de-santa-maria. MEL – INV Erva-cidreira. GÊN – ES Ébano – meliaceae. guaçatonga – flacourtiaceae. ORN Eritrina. contra-erva. maria-preta – solanaceae. funcho. ORN – UR – CV – FOR – CR – SAF – MULT Eritrina-anã – leguminosae faboideae. bengué – rubiaceae. MED – INV . anis-doce – umbeliferae. cafezinho.

30 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Erva-picão. NAM – MAD – UR Faveira-preta – Leguminosa mimosoideae. EXO – CO – ES Feijão-arroz – leguminosae faboideae. ORN Espada-de-são-jorge – liliaceae. ORN – ES Extremosa. cancerosa. CO – MAC – ES . minerva-dos-jardins. strelítzia. CO – ES Feijão azuki. matapasto. HOR – IND Escobo – combretaceae. EXO – MAD Espada-de-ogum – liliaceae. angelim-pedra. feijão-adzuki – leguminosae faboideae. FRU – EXO Fava – leguminosae faboideae. EXO – MAD – GÊN Falso-camarão – acanthaceae. HOR – FOR – ES Faveira – leguminosae cesalpinioideae. ORN – ES Estragão – compositae. ORN Espada-cilíndrica – liliaceae. ORN Falso-mangostão – clusiaceae. picão – compositae. MED – INV Feijão – leguminosae faboideae. NAM – MAD Fedegoso. ORN – TOX – DA Estapelia – asclepiadaceae. angelim. ORN – ES – GÊN Eufórbia-grandicornis – euphorbiaceae. angelim-vermelho. HOR – MED – ES Espinheira-santa. AO – EXO Espinafre – quenopodiaceae. MED – INV Erva-tostão – nictaginaceae. ORN – TOX – ES – SOMBRA Espatodéa. EXO – COND – MED Estrelítzia. bananeira-de-jardim – musaceae. – leguminosae mimosoideae. angelim-verdadeiro. ORN – ES Eucalipto – mirtaceae. espatodéia. tulipa-da-áfrica – bignoniaceae. MAD Faveira-benguê – leguminosae mimosoideae. MED Ervilha – leguminosae faboideae. maiteno – celastraceae. CO – MED – ES – FUN Feijã. MED – ES Espirradeira – apocinaceae. ORN Esterázia – scrofulariaceae. fedegoso-verdadeiro. spatodéa. manjerioba – leguminosae cesalpinioideae. EXO – MAD – MEL – ES Eufórbia-afila – euphorbiaceae. espinheira-divina. ORN Faia – fagaceae. resedá – lithraceae. EXO – REF – MAD – CR – MEL – UR – MED – ESS – FARM – MULT Eucalipto-da-folha-grande – myrtaceae.alado – leguminosae faboideae. NAM – MAD – UR Faveira-ferro.

macaçar – leguminosae faboideae. feijão-da-índia – leguminosae faboideae. louro. EXO – ORN Feto – hymenophylaceae/pteridophyta. Fícus-roxburghii – moraceae. AO – EXO – CV – ES Fícus-italiano. AV – ES Feijão-da-praia. cow-pea. AV – FOR – CO Feijão-mungo. ORN – ES Flor-de-seda – cactaceae. maçã-de-elefante. NAM – MAD . feijão-lima – leguminosae faboideae. AO – ES Fícus-mata-pau. filodendro-jibóia – araceae. NA – AO – ES Figueira-do-amazonas – cecropiaceae. laurel – boraginaceae. ML – REF – EXO – RS – UR – MEL – SAF – MULT Freijó. ES Fícus-benjamim – moraceae. ES Figueira-terrestre – moraceae. AO Fícus. figueira-dos-pagodes – moraceae. gameleira-branca. seringueira-de-jardim – moraceae. AO Figo – moraceae. freijó-goeldiana. ORN – TRE – ES – SOMBRA Fitônia – acanthaceae. apuí. ML – REF – NAM – RS – MEL – SAF – MULT – CR Fruta-de-cedro – anacardiaceae. boa-tarde – convolvulaceae. palmeira-robelini – palmae. mata-pau. EXO – FRU – ES Figueira-branca. Freijó-cinza. corama – crassulareceae. NMA – ES Filodendro. folha-da-fortuna. ervilha-de-vaca. CO Fênix. ORN Flor-de-maio – cactaceae. ORN Flamboyant – leguminosae faboideae. ORN Fortuna. bolsa-de-pastor. ORN – MED – ES Framboesa – rosaceae. pirarucu – crassularaceae. freijó-louro. feijão-fradinho. árvore-do-dinheiro. SAF – RS – ES Flor-de-abril. AV – FOR – INV – ES – CO Feijão-de-lima. ORN – TRE – ES – INV Flor-de-cera – asclepiadaceae. frei-jorge – boraginaceae. FRU Freijó. CO Feijão-tepari – leguminosae faboideae. ORN – MED – ES Fortuna-de-folha-de-borda-rajada. quamoclit. caupi. feijão-de-corda. EP – TRE – ES Fícus-populeaster – moraceae. CO Feijão-de-porco – leguminosae faboideae.religiosa. EXO – AO – ES Flemingia – leguminosae faboideae.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 31 Feijão-bravo-do-ceará – leguminosae faboideae. fícus-gameleira – moraceae. dilênia – dileniaceae. cipó-estrangulador – moraceae. AO – ES – MAD – CO – GÊN Flor-de-cardeal.

grama-barbante. FOR . ORN – FOR Grama-inglesa. ORN Grama-japonesa. pinha. grama-de-jardim – graminae. ORN – GÊN Gerbera – compositae. grama-forquilha – graminae. MED Gibata. ML – UR – NA Gomeira. AO – NA – ES Garapeira. grama-coreana – graminae. CO – OL – MAC – IND – MED – UR – MULT Gervão roxo – verbenaceae. HOR – MED – ES – UR – MAC Gentiana – gentianaceae. ORN – FOR – ES Grama-estrela-africana – graminae. EXO – ORN – TRE – ES Gliricídia – leguminosae faboideae. GÊN Georgina – compositae. grama-imperial. goiabeira – mirtaceae. ORN Grama-italiana. pau-de-goma – vochisiaceae. pau-gonçalo. ORN Gmelina – verbenaceae. fícus-gameleira – moraceae. NAM – INV – TOX Girassol – compositae. sésamo – pedaliaceae. FOR – CR – CV – UR – SAF – MULT Gloxínia – gesneraceae. garapa. ata – anonaceae. amarelon – tiliaceae. grápia. grama-preta – liliaceae.32 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Fruta-do-conde. EXO – MED – FARM – ES Gladíolo – iridaceae. MED Gergelim. bermuda-grass. ORN Gameleira. NAM – MAD – ES Gardênia. brinco-de-princesa – onagraceae. erva-doce – umbeliferae. ORN Gerânio – geraniaceae. ORN – ESS Gengibre – zingiberaceae. jasmim-do-cabo – rubiaceae. xibata – bignoniaceae. grama-de-seda – graminae. ORN – FOR – ES Grama-bermuda. COND – FOR – CHA – MED – ESS – UR – EXO – FAR – MULT Furcrea – agavaceae. FRU – EXO – ES Fúchsia. fúcsia. grama-santo-agostinho. ORN – ES Funcho. FRU – NNE – ES Fruta-pão – moraceae. OL – IND – MAC – MED – UR – ORN – MULT Ginseng – umbeliferae ou apiaceae. aroeira-do-campo – anacardiaceae. ORN Glicínia – leguminosae faboideae. FRU – NA – MED – UR – ES – FUN Gonçalo-alves. EXO – IND – UR – CR Goiaba. grama-mato-grosso. ORN – ES Gramalote – gramínea. NCC – ES Grama-batatais. grama-de-burro.

amapola. ibirapuitá. ORN – CV – FOR – MULT . tipi. bandarra – leguminosae cesalpinioideae. EXO – FRU – IND Grumixama – mirtaceae. pomelo – rutaceae. FRU – NA – ES Guaco – compositae. hera-miúda – moraceae. CO – FOR – RS – ES – NA – SAF Guapuruvu. NA – CO – ORN Guarucaia. vassourinha – malvaceae. FRU – NAM – MED – FARM – IND – UR – MULT Guarantã – rutaceae. tipuana – fitolaceae ou fitolacaceae. gabiroba. CO – MAC – FOR Grapefruit. FRU – NMA Guabiroba. pipi. EXO – ES Guajiru – crysobalanaceae. palmito-amargoso – palmaceae. EXO – AO Groselha – glossulariaceae. ES – UR Guavira. EXO – MAD – ES Guariroba. gueiroba. ORN Hera. EXO – ES Guiné – rubiaceae. gabiroba – myrtaceae. MED – NA Guiné. guanxuma. INV – UR – MED Guetarda – rubiaceae. EXO – ES Guandú. FRU – GÊN – ES Guanacaste – leguminosae mimosoideae. AO – MAD – UR Guatambu.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 33 Grama-são-carlos. EP – ORN – ES Graviola – anonaceae. FRU – ES – NCC Guaxuma. FRU – EXO – ES Grevílea – proteaceae. CR – REF – AO – MAD – UR – SAF – IND – MULT Guaraná – sapindaceae. andu – leguminosae faboideae. EXO – FRU – IND – UR Gravatá – bromeliaceae. ORN Helicônia – musaceae. ORN – ES Heliotropo – boraginaceae. ORN Grão-de-bico – leguminosae faboideae. ORN – ESS Hemerocalis – liliaceae. gandu. cancença – leguminosae cesalpinioideae. MAD – CR – UR Guarea – meliaceae. bacurubu. guandu. guabiroba. ORN Hedera-variegada – araliaceae. guando. ficheiro. guavira – mirtacae. ORN – TRE – ES Hibisco. MED – ES – TOX Hawórtia – liliaceae. MED – ES Guacimo-colorado – tiliaceae. guatambu-do-cerrado – apocynaceae. papoula-tropical – malvaceae. ORN Hedera – araliaceae. grama-curitibana – graminae.

ipê-una. emburana. pau-d’arco-amarelo – bignoniaceae. NAM – AO – ES – GÊN Imbu. ORN – ES Inchi. torem – cecropiaceae. EXO – UR – ES – CV Ingá – leguminosae mimosoideae. FRU – FOR – SAF – CR – AO – ES – MULT Inhame – dioscoriaceae. ML – MED – GÊN Impatiens – balsaminaceae. hortelã-pimenta. AO – MAD – NCC – ES Ipê-rosa. inajá. embu. hortelã-do-brasil – labiatae. paracari – labiatae. ipê-tabaco – bignoniaceae. ORN Himenófilo – hymenophyllaceae/pteridophyta. anajá – palmae ou palmaceae. guarucaia. pau-d’arco – bignoniaceae. AO – MAD – NA – UR – SAF – MULT Ipeca. NAM – MED – FARM – ES – SOMBRA . metohuacho. ipecacuanha. tamboril-bravo – leguminosae cesalpinioideae. EXO – OL – IND Imbaúba. AO – MAD – UR Illipê – dipterocarpaceae. ipê-preto.34 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Hibiscus-de-flor-branca – malvaceae. CO – FOR – ORN – UR – ES Indigofera – leguminosae faboideae. GÊN Hortelã. menta – labiatae. ORN – ES – GÊN Huérnia – asclepiadaceae. ingá-de-metro. cacay. AO – MAD – NA – UR – SAF – MULT Ipê-amarelo-do-cerrado. imburana-de-cambão – burseraceae. GÊN – ES Hipérico – hyperaceae. CO – FOR – NA – MED – GÊN Ipadu. poaia – rubiaceae. TA – NAM Ipê-amarelo. epadu – eritroxilaceae. MED – ES Hortênsia – hidrangeaceae. HOR – MED – ESS – COND – ES Hortelã-do-mato. ORN – ES Ibirapuitá. ingá-rabo-de-mico. FRU – NNE – ES – IND Imbuia – lauraceae. MED – ESS – FARM – UR – ES Hortelã-da-folha-miúda. umburana. pau-d’arco-roxo – bignoniaceae. árvore-da-preguiça. ipê-roxo. mani-de-árbol. ML – ES Imburana. MED – ES Hipocratea – hippocrateaceae. NA – AO – MED – MAD Ipê-roxo. embaúba. metohuayo. umbu – anacardiaceae. guaba – leguminosae mimosoideae. AV – FOR Índio-pelado – burseraceae. palo-de-nuez – euphorbiaceae. FRU Ingá-cipó. EXO – OL – CO – MED – SAF Indaiá. NA – CO – MED – ES – IND Imbiruçu – bombacaceae.

cipó-mariri. jambolão – mirtaceae. ML – NCC Jacarandá-da-bahia – leguminosae faboideae. ORN – ES Jasmim-vermelho. MAD – MED – ES – NA Jaci – palmae. pão-de-ló-de-mico – leguminosae cesalpinioideae. FRU – NA – UR – IND – ES Jabuticaba-branca – mirtaceae. FRU – AO – CR – ES Jará-açu – palmae. jabuticaba – myrtaceae. ML – NAM – UR Jaborandi – rutaceae. coração-magoado – amaranthaceae. NAM – OL – UR Jacinto – liliaceae. louro-itaúba – lauraceae. ML – NA – ES Jacarandá mimoso – bignoniaceae. NAM – MAD Jarina – palmaceae. ORN – ESS Jasmim-estrela – apocynaceae. ORN – CO – FOR – CV – MULT Ixora. ORN Jasmim-manga – apocynaceae. gardênia – rubiaceae. maquério. EXO – FRU – AO – CR – UR – MULT Jambo branco – mirtaceae. FRU – EXO Jacarandá-do-campo. caapi – malpighiaceae. ORN Jasmim-do-cabo. NAM – HOR – CO – COND – UR Jamelão. NAM – UR – ES Jaracatiá – caricaceae. guanandi. orelha-de-macaco. ORN – ES – CV Jataí. jambo-vermelho – mirtaceae. cedro-do-pântano. batata-da-praia – convolvulaceae. ixora – rubiaceae. ORN – ES Iresine-de-restinga – amaranthaceae. salsa-da-praia. cedro-maria – clusiaceae.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 35 Ipomea-pé-de-cabra. cabiúna – leguminosae faboideae. NAM – TA – UR – ES Jambo. AO Jambo rosa – mirtaceae. ORN – CV – ES Itaúba. jutaí. NAM – UR – ARTE – IND – MULT Jasmim-azul – plumbaginaceae. EXO – FRU – MAD Jambu – compositae. ES – CO – MAD – UR . ORN Jagube. NAM – MED – FAR Jaboticaba. FRU – NA – UR Jarana – lecythidaceae. Jatobá. ORN – GÊN Iuca. jasmim-vermelho – rubiaceae. ES – AMB Íris – iridaceae. círio-de-nossa-senhora – liliaceae. jetaí. ORN – ES – NA – AMB Iresine. FRU Jaca – moraceae. AO – ES Jacareúba. machério.

INV – TOX – MED – GÊN João-da-costa – polygalaceae. FIB – EXO – ES – UR – IND – AQUA Kalanchoe – crassularaceae.36 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Jatobá. jutaí. Kiwano – cucurbitaceae. arrebenta-cavalo. INV – AV Jibóia – araceae. jataí. jatobá-do-campo – leguminosae cesalpinioideae. pau-ferro – leguminosae cesalpinioideae. NAM – ES – MED – OL – ORN Jurema – leguminosae mimosoideae. HOR – ES – FOR Joá-da-praia. ML – NAM Jerivá. quivi – actinidiaceae. ORN – ES Kenaf. INV – ES Jojoba – simondsiaceae. tauari-cachimbo – lecitidaceae. FRU – MED – ES Junco agreste. melancia-da-praia – solanaceae. palmito-jussara – palmae. NMA – CO – ES – ORN Jujuba – ramnaceae ou rhamnaceae. FIB – EXO – ES Kino. MED – MAD – ES Jurema-branca – leguminosae mimosoideae. ML – MED Jequitibá. NCC – CO – UR Jauari – palmaceae. cumandatiá. junco-da-praia. CO – UR Jenipapo – rubiaceae. NA – ES – CO – MAD – UR – IND – MED Jatobá-mirim. INV – MED – UR Juta – tiliaceae. FRU – IND – CO – NA – MAD Jequitibá-branco – lecitidaceae. COD – MAD – EXO – MED – ES – IND Jupati – palmae. ORN – ARTE Junípero – cupressaceae ou coniferae. ORN – ARTE – GÊN Junco-manso – cyperaceae. baba-de-boi – palmaceae. mangalô-da-costa-da-áfrica – leguminosae faboideae. FRU – EXO – ES – GÊN Lab-lab. vinheiro – leguminosae cesalpinioideae. EXO – OL – IND – FARM Juazeiro – ramnaceae. FRU – EXO Kiwi. NAM – ORN – FOR – UR – ARTE – ESS – IND – GÊN Junco-do-banhado – juncaceae. jetaí. ORN – ES Jiló – solanaceae. UR – ES – FOR – AO – MED – IND – FARM – MULT Jucá. NNE – ES – MED Jurubeba – solanaceae. Jequitibá-rosa. ML – MED – NA Juçara. ORN – CR – CO – ES Jetirana – leguminosae faboideae. papoula-de-são-francisco – malvaceae. juá-ravo. EXO – FOR – AV – CO . MED Joio – graminae. priprioca – cyperaceae. junco bravo. NNE – MED Jurema-preta – leguminosae mimosoideae.

FRU – MED Lindera – lauraceae. laranja-azêda – rutaceae. ORN – ES Lichia – sapindaceae. clerodendro – verbenaceae. CO – IND Lentilha-d’água – lemnaceae. ML – NAM – MEL – REF – RS – UR – SAF – MULT Louro-inamuí.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 37 Lacre – clusiaceae. MED – UR – ES Laranjinha-da-china – solanaceae. FRU – ES – MED Limão – rutaceae. lírio-dos-poetas – liliaceae. ORN – ESS Lírio-branco. EXO – FRU – ES Licopódio – lycopodiaceae/pteridophyta.AL Linho-da-nova-zelândia – liliaceae. EXO – FIB – IND Lírio – liliaceae. ORN Losna – compositae. FRU – ESS – IND Laranja-da-terra. ORN – TRE – ES Lantana. FOR – AV – RS Libertia – iridaceae. inamuí. CO – INV – AQUA – MAC Louro – lauraceae. FRU – ESS – IND – FUN Laranja-azêda. UR – ES – MED Laranja cravo – rutaceae. pau-de-gasolina. lírio-dos-finados – liliaceae. NAM – ES Lágrima-de-cristo. COND – MAD – GÊN – MED Louro-freijó. ORN Lírio-do-brejo – liliaceae. ORN – MEL – GÊN Lírio-japonês. ORN – ES – MEL – MED – TOX Lanterna-chinesa – solanaceae. FIB – EXO – ES – IND . freijó – boraginaceae. MAD – ES – UR – NAM . cambarazinho – verbenaceae. lírio-trombeta. ES – ORN – GÊN Lima-da-pérsia – rutaceae. MED Lótus – ninfeaceae ou nynpheaceae. ORN – ESS Lentilha – leguminosae faboideae. laranja-da-terra – rutaceae. ORN Laranja – rutaceae. AQUA – INV – GÊN Leucena – leguminosae faboideae. linhaça – linaceae. árvore-do-querosene – lauraceae. ORN – ES Lírio-do-campo – alstroemeriaceae. FRU – ESS – MED – IND – FARM Limão-cravo – rutaceae. ESS – FARM Linho. FRU – ESS – UR Limão-galego – rutaceae. ORN – ES Lanterneira – malpighiaceae. ORN – FRU Lavanda – labiatae.

NA – CO – UR – FOR – IND Mandioqueira – vochisiaceae. macela-do-campo. mucajá. EXO Magnólia – magnoliaceae. cânhamo. EXO – CHA Maconha. nogueira-da-austrália – proteaceae. mamica-de-porca – rutaceae. MED – ES Mamona – euforbiaceae. clavelon – malvaceae. AO – ES – NA Manacá – solanaceae. AO – ES – RS – CR Mandacaru. maçaranduba-de-leite. NAM – MAD . FRU – MED – IND – FUN – GÊN – FARM Mamaey – sapotaceae. macieira – rosaceae. TA – IND – FIB – MED – ES – EXO – GÊN Madressilva – caprifoliaceae. NAM – IND – ESS Lúpulo – moraceae. FRU – OL – IND – ES Macambira – bromeliaceae. FOR – ORN – ES – AMB Mandioca – euforbiaceae. MED Malva rosa – malvaceae. EXO – ND – TRE – ES Maçã.38 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Louro-rosa – lauraceae. MED – ES – UR – NA Macieira mansa – rosaceae. MED – ESS – FARM – GÊN Malvaísco-de-folha-de-cânhamo – malvaceae. MED – ORN Malva-silvestre – malvaceae. abricó-do-mato – sapotaceae. jamacaru. FRU – MAD – NAM Maçaranduba-verdadeira. macelinha. ORN – ESS – ES – NA Manacá-da-serra. CO – FO – ES Macacaúba – leguminosae faboideae. ORN – GÊN Mal-me-quer-dos-campos – compositae. vigna – leguminosae faboideae. NAM – CO – ES – MED Macaúba. TRE – ORN – ES Madroño – ericaceae. ORN – CV – FOR – ES Mamão – caricaceae. GÊN – ORN – ESS Mal-me-quer. feijão-fradinho. natalzeiro – melastomaceae. paraju – sapotaceae. moças-e-velhas – compositae. ORN Malvavisco. OL – IND – MED – FARM – NA – UR – ES – TOX Mamorana-grande – bombacaceae. marcela. flor-da-quaresma. EXO – FRU – MED – FUN – IND – MAC – ES Macaçar. ML – NAM Macadâmia. EXO – FRU – ES Mamica-de-cadela. CO – UR – OL – IND – ES – MED Macela. caupi. camomila-nacional – compositae. cardeiro – cactaceae. jacatirão. FIB – GÊN – UR Maçaranduba. haxixe – cannabaceae. coquinho-babão – palmaceae.

fedegoso-verdadeiro. MEL – ES Maricá. fruta-de-sabiá – solanaceae. HOR – EXO – ES Mangostão – clusiaceae. mangueira – anacardiaceae. marupaí – iridaceae. MED – COND Manjerona – labiatae. NAM – MAD Maracujá-açu – passifloraceae. quenopódio – chenopodiaceae. muiracatiara – anacardiaceae. NAM – MED Mastruço – cruciferae. cipó-estrangulador – moraceae. EP – TRE – ES Mate – aquifoliaceae ou ilicineae. NAM – MAD – MED – CR – GÊN Marupá-piranga. NNE – IND Manjericão-cheiroso – labiatae. MED – NA Mapati. erva-de-santa-maria. MED – FARM Mata-pau. marupaíba. FRU – IND Marupá. mata-pasto – leguminosae faboideae. NAM – CO – ES Maranta – marantaceae. ORN – TRE . ORN – EXO – ES Marianeira. ORN – GÊN – ES Marapuama. NAM – FRU – MED – ES Maracujá – passifloraceae. MED – DA Manjerioba. MED Maurândia – scrofularioaceae. imbaúba mansa – cecropiaceae. ORN – INV Maria-sem-vergonha. ficus-mata-pau. apuí. curura. menstruz. espinheiro – leguminosae mimosoideae. papariúba. MED – FARM – UR – ES – TOX – GÊN Matapasto – compositae. FRU – EXO – ES Maniçoba – euforbiaceae. ORN – ES Margarida-amarela – compositae. unha-de-gato. beijo – balsaminaceae. paraíba – simaroubaceae. MED – ES – NA Margarida – compositae. MED – UR Mastruz. FRU – IND – ES – NNE – NCC Mangana – araceae. FRU – NAM – ES Maracatiara. IND – CHA – UR – ES Matricária – compositae. FRU – EXO – IND – ES Mangaba – apocinaceae. MED – UR – CV – MEL Marmelada-de-cavalo – leguminosae faboideae.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 39 Manga. FOR – NNE Marmeleiro – rosaceae. COND – MED – ES – UR Manjericão – labiatae. ORN Margaridinha – compositae. uva-da-amazônia. FRU – NA – TRE – IND – MED – FARM – ORN Marajá – palmae. uva-do-mato. muirapuama – olacaceae.

ORN Mirindiba – litraceae. cedroí – meliaceae. CO – FOR – IND – MED – UR Mini-tradescantia – commelinaceae. ORN Morango – rosaceae. caoba. figueira-branca. INV – TOX – MED – GÊN Melancia-do-deserto – cucurbitaceae. zínia – compositae. MAD Moças-e-velhas. ORN – ES Mogno. MAD – NA Mirueira. FRU – ES Melão-de-são-caetano – cucurbitaceae. HOR – CO – FOR Melancia – cucurbitaceae. gonçalo-alves – anarcadiaceae. NAM – IND – ES Muiratinga-verdadeira – moraceaae. ML – NAM – SAF – ES – UR – MULT Mogno-africano – meliaceae. NAM – UR – IND Mulateiro. macaúba. EXO – ES – CO – FOR – OL – IND – CR – GÊN – MULT Morototó – araliaceae. EXO – ML – ES – CR – SAF – MULT Mogno-honduras – meliaceae. araputanga. erva-cidreira – labiatae. MAD – EXO Monsenhor – compositae. INV – TRE – MED Melissa. NCC – ES Milho – graminae. fícus-gameleira. coco-de-catarro – palmaceae. aguano. HOR – IND – COND – EXO Mostarda-preta – cruciferae. escorrega-macaco – leguminosae caesalpinioideae. NA – MAD Mulhembá. MAD Mirindiba-rosa. acaju. CO – UR – OL – ES – MED – IND – ORN Mucuna – leguminosae faboideae. HOR – IND – COND – EXO Mucajá. CO – AV – UR – ES Muiratinga – moraceae. EXO – ES Melão – cucurbitaceae. MED Mercúrio-do-campo – erytroxiliaceae. AV – FOR – UR – ES Mucuna-nescau – leguminosae faboideae. gameleira-branca – moraceae. mirindiba-bagre – lythraceae. NAM – MAD – ES Mostarda – cruciferae. joá-bravo – solanaceae.40 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Maxixe – cucurbitaceae. ORN Miosótis – boraginaceae. ORN Monstera – araceae. macaíba. MED – CHA – MAC – UR – ES – IND – FARM Mentrastro – labiatae. arrebenta-cavalo. FRU – FOR – ES Melancia-da-praia. FRU – ES Moringa – moringaceae. NA – ORN – ES .

orégão – labiatae. ORN Nenúfar. NAM – AO . ORN – INV – MED – TOX – GÊN Oiti – crisobalanaceae.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 41 Mulungu. COND Orelha-de-negro. ORN – CO – CV – ES Orégano. murici-da-praia – malpighiaceae. ORN – ES Noz-moscada. IA – ORN – GÊN – ES Nogueira – juglandaceae. monguba. IA – ORN – GÊN – ES Neoregelia – bromeliaceae. ORN – ES Pacova-de-macaco – leguminosae cesalpinioideae. NAM – CO – OL – IND – UR – ES Musendra. AO – NA – MAD – CR – UR – ES – MULT Orelha-de-onça – melastomaceae. FRU – NA – IND – UR Murumuru. bicuíba – myristicaceae. FRU Nim. HOR – ES – MED – MAC Narciso – amaryllidaceae. murmuru – palmaceae. OL – UR – MAD – IND – AO – MULT Ojoche – moraceae. suinã. ORN – ES Ora-pro-nobis. AMB Orquídea-da-praia – orquideaceae. moscadeira – myristicaceae. ORN – EXO – ES Murta – mirtaceae. AO – CR – OL – CO – MAD – NA – ES – MULT Oiticica – crisobalanaceae. mata-velho – cactaceae. EXO – MED – ES – IND – FARM Notocactus – cactaceae. nim-indiano – meliaceae. EXO – ES Nêspera. tamboril. mamorana. EXO – CO – OL – IND Onze-horas – portulacaceae. nenúfar – ninfeaceae. falso cacau – bombacaceae. mussaenda – rubiaceae. NAM – AO – ES – CR – CO Murici. paquira. pau-de-sabão – leguminosae mimosoideae. NAM – ORN – ES Nertera – rubiaceae. nespera – rosaceae. mussaendra. NAM – MED Oficial-de-sala – asclepiadaceae. EXO – COND – ESS Noz-moscada-do-brasil. AO – UR – FOR – SAF – MULT – ES Munguba. EXO – CR – MED – UR – MAD – DA – SAF – MULT Ninféia. castanheiro-do-maranhão. GÊN Noni – rubiaceae. MED – NA – IND – FARM Nabo – cruciferae. ninféia – ninfeaceae. OL – IND – ES – MED – MAD – CO – AO Nogueira-das-américas – juglanadaceae. eritrina – leguminosae faboideae. musaendra. ORN – GÊN – EXO Mutamba – sterculiaceae. noz-moscada-do-pará. EXO – MAD – CO – FOR – ES Oliveira – oleraceae.

NAM – AO – MAD – UR – CR – IND – SAF – MULT Pariparoba. palmeira-coca-cola – palmae. ORN Palma-de-são-josé – liliaceae. guararema – fitolacaceae. ORN Palmatória – cactaceae. MAD – ES . NAM – CO – OL – UR – ES Patchuli. FOR Patauá. – bombacaceae. EXO – ORN – ES Palmeira-real-australiana – palmae. palmeira-imperial – palmaceae. maçaranduba – sapotaceae.42 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Pacová-sororoca. paina – bombacaceae. AO – CR – ES Palma. NA – CR – MAD – UR – ES – MED – MULT Paratudo – amarantaceae. ORN – TRE – ES Papoula – papaveraceae. AO – NAM – CR – CO Paraju. AO – UR – CR – MAD – CO – MULT Painço – gramineae. EXO – ORN – ES Palmeira-rabo-de-peixe. palmeira-de-saia-da-califórnia – palmaceae. MED Paricá. pinho-cuiabano. EXO – ORN Pameira-imperial-de-cuba. cachimbo-de-turco – aristoloquiaceae. ORN – NNE – FOR – ES Palma-de-santa-rita – iridaceae. NAM – SAF – CR – MAD Paricá-grande. EXO – ES – IND – CO Papo-de-peru. caroba – bignoniaceae. mamorana. MED Pariri – sapotaceae. FRU – NAM Paliteiro. ORN – IND – ESP Pandanus – pandanaceae. FOR Pajurá – crysobalanaceae. sombreiro – leguminosae cesalpinioideae. ORN Palmeira-real. pinho-cuiabano. patujú. platanilho – musaceae. patchouli – labiatae. faveira-branca – Leguminosae caesalpinioideae. parkia – leguminosae mimosoideae. NAM – MAD – FRU Parapará. castanheiro-do-maranhão. EXO – ORN – ES – IND – FARM – TA – GÊN Paquira. ESS – FARM – ES Pau-brasil. MED – CO Paineira. batauá. palheteira. capeba – piperaceae. bandarra. ORN – GÊN Papil – leguminosae faboideae. FRU – NAM Pasto negro – gramineae. ibirapitanga – leguminosae cesalpinioideae. castanheiro-da-guiana. cariota – palmaceae. palma-forrageira – cactaceae. guapuruvu-da-amazônia. FOR – NNE – ORN Palmeira-de-leque. paliteira. ML – ES – NA – GÊN Pau-d’alho. patoá – palmaceae ou palmae. AMB Papiro – ciperaceae.

peroba rosa – apocinaceae. guetônia – rutaceae.ES Pecã – juglandaceae. jucá – leguminosae cesalpinioideae. AO – MAD – NA – UR – SAF – MULT Pau-d’arco-branco. pau-pereira-do-campo – apocynaceae. NAM – FRU – MAD – AO – MED Pau-ferro. ORN Pepino – cucurbitaceae. pau rosa – lauraceae. NAM – ESS – ES Pau-santo – clusiaceae. NA – MAD – MED Pau-d’arco-roxo. ORN Peroba. MAD – ES – UR Pau-de-marfim. MAD Peroba-do-campo. NAM – ORN – UR – ES Paxiubão. casca-doce – sapotaceae. TA – EXO – ES Pellionia – urticaceae. HOR – MED Pequi. ORN Peônia – ranunculaceae. MAD – UR Pêra – rosaceae. MAD – CO – NCC – ES – COND – GÊN Pequiá. palmeira-barriguda – palmae. NMA – MAD – UR – CR – IND Pau-rosa. copaíba – leguminosae cesalpinioideae. ipê-branco – bignoniaceae. piperômia – piperaceae. MAD . peroba tigrina. MAD – NCC Peroba-do-campo. paratudo. CO – OL – EXO Peiote – cactaceae. NMA – MAD – UR Pérola-verde – compositae. piquiá – cariocaraceae. NAM – MAD – ES – UR Pau-de-jangada – tiliaceae. MED – ES – NCC Pau-violeta – leguminosae faboideae. MED – OL – NAM – MAD – MULT Pau-de-balsa – bombacaceae. ML – NAM – MED Pau-pereira. FRU – EXO Pereira – leguminosae faboideae. ipê-amarelo – bignoniaceae. escorrega-macaco – rubiaceae. MED – ES – IND – FARM Pau-rei. MAD Pau-doce. ORN Peperômia. ML – ES Peroba-branca – apocynaceae.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 43 Pau-d’arco amarelo. ML – NNE Paxiúba. NAM – ORN – UR . pau-marfim – opiliaceae. castiça – palmae. acariquara-branca – apocinaceae. castanheta – sterculiaceae. ES – UR – CR – RS Pau-mulato. maperoá. AO – NA – MED Pau-d’óleo. pau-marfim. peroba-manchada – bignoniaceae. piqui – cariocaraceae. ipê-roxo – bignoniaceae. ML – NA – MED – ES – GÊN Pau-jacaré – leguminosae mimosoideae. NAM – MAD – FRU Pequiá-marfim.

IND – ES – UR Pitaia – cactaceae. ORN Piqui. piteira – agavaceae. paratudo. HOR Pincel – compositae. COND – ES Pimenta-dedo-de-moça – solanaceae. CO – EXO – ES Pita. FRU – EXO – ES Pitanga – mirtaceae. NAM – CO – UR – IND – OR Picão. piassava – palmaceae. NAM – MAD Pistache – anacardiaceae. NA – UR – OL Pingo-de-ouro – acanthaceae. FRU – ES – NNE Pinhão-branco. ORN – UR – ES Pinha. COND Pimenta-do-reino – piperaceae. EXO – MAD – ORN Piperômia.44 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Pêssego – rosaceae. FRU – NA – ES Poa. olho-de-boi – sapindaceae. fruta-do-conde – anonaceae. parkia. erva-picão – compositae. paricá-grande – leguminosae mimosoideae. COND – ES – IND Pimentão – solanaceae. ORN Pindoba – palmaceae. ORN – ES – CV Pfafia. ipecacuanha – rubiaceae. FRU – MAD – NAM Piquiá-marfim-roxo – apocynaceae. purgueira – euphorbiaceae. FRU – EXO Petúnia – solanaceae. carango. pequi – cariocaraceae. MED – NAM – FARM – ES – SOMBRA . peperômia – piperaceae. camapú. ou pinus-eliott – pinaceae ou coniferae. NAM – ESS – ES Pimenta-malagueta – solanaceae. enche-prato – amarantaceae. pinhão-manso. INV – MED Pimenta-de-cheiro – solanaceae. EXO – COND – TRE – ES Pimenta-longa – piperaceae. mata-fome – solanaceae. canapum. ata. NAM – FRU – MED – ES Piaçava. MED – ES Physalis. MAD – AO – UR – CR – IND – SAF – MULT Pinho-eliot. ORN – GÊN Poaia. piaçaba. faveira. NA – CO – MAD – IND – ES – MULT Pinho-cuiabano. bucho-de-rã. FRU – MED – UR Pitomba. MAD – CO – NCC – COND – ES – GÊN Piquiá. MAD – AO – IND – REF Pinus-caribea – coniferae ou pinaceae. pequiá – cariocaraceae. grama-azul – graminae. MED – UR – NA – OL – ES Pinheiro-do-paraná – pinaceae ou coniferae.

bouganvílea. ORN – TRE – CV – MULT Prímula – primulaceae. EXO – MAD – ES Quiri.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 45 Podocarpus. HOR Quicuio-da-amazônia. bungavílea. três-marias – nictaginaceae. kiri – boraginaceae. GÊN – ES Quina – rubiaceae. quariúba. NAM – MAD – UR Primavera. erva-pombinha – euphorbiaceae. FRU – NAM Quamoclit. MED – INV – ES Quesnélia – bromeliaceae. NAM – MAD – GÊN Quaruba-branca – voquisiaceae. junco-da-praia – cyperaceae. pinheirinho. NCC – MED Quinoa. ORN – GÊN Poncirus trifoliata. capim-kikuio – gramineae. cedrorana – voquisiaceae. apuruí – rubiaceae. ORN – NA Podostemo – podostemaceae. UR – ES Pontederia – pontederiaceae. grama-midícola. junco-bravo. ORN – ES – UR Quaruba. NA – CO – MED – MAD Rabanete – cruciferae – HOR – UR – ES – MAC . NAM – MED – FARM Quina-do-campo – loganiaceae. GÊN Preciosa – lauraceae. pinheiro-bravo. NAM – MAD Quebra-pedra. quaresmeira – melastomaceae. FOR – AV – UR – ES Pupunha – palmaceae. coariúba. GÊN Poejo – labiatae. NAM – MAD – IND Quaruba-vermelha – voquisiaceae. trifoliata – rutaceae. INV – ORN – TRE – ES Quaresma. NAM – MAD – GÊN Quaruba-de-flor-pequena – voquisiaceae. ORN Priprioca. FOR – ES Quiina – quiinaceae. NAM – CO – OL – MED – UR – SAF – MULT – ARTE – ORN Puruí. MED – ES Polygala – polygalaceae. pinheiro-do-mato – coniferae ou podocarpaceae. ES Quiabo – malvaceae. cocobola – lauraceae. quinua – chenopodiaceae. boa-tarde – convolvulaceae. GÊN Potamogeton – potamogetonaceae. AL – EXO – ES – FUN – GÊN Quira. MAD – REF – IND Quixabeira – sapotaceae. NAM – IND – ESS – UR – FOR – GÊN Psidium italiano – mirtaceae. kudzu tropical – leguminosae faboideae. FRU – ES Puerária. flor-de-cardeal.

encino – fagaceae.46 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Rábano – cruciferae. HOR Rabo-de-gato. EXO – ORN – ES Rabo-de-peixe-de-touceira – palmae. cariota – palmae. GÊN Sálvia – labiatae. GÊN – ES – AQUA Sabiá. EXO – ORN – GÊN – ES Saguzeiro ou sagüeiro – palmae ou palmaceae ou arecaceae. jundu – convolvulaceae. ipomea-pé-de-cabra. FRU – EXO – ES Rami – urticaceae. NAM – MED – ES Sagu – cycadaceae. MED – UR – FARM – ES Rambutan – sapindaceae. NAM – MAD – UR Rubia – rubiaceae. sansão-do-campo – leguminosae mimosoideae. rápis – palmaceae. rabo-de-macaco – euphorbiaceae. ORN – ESS – GÊN Roble. EXO – ORN – ES Ráfia. ORN Raiz-de-cobra – leguminosae faboideae. TOX – DA – UR – ES Roxinho – leguminosae cesalpinioideae. FRU – MED – ORN Roseira – rosaceae. batata-da-praia. MED Sacaca – euphorbiaceae. HOR – ES – MAC Salsaparrilha – liliaceae. ORN – ES – ESS – UR – GÊN Rotenona – leguminosae faboideae. rabo-de-raposa. NNE – CV – UR – CR – ES – MULT Sabugueiro – caprifoliaceae. EXO – MAD Romã – punicaceae. MED Rupia-marítima – ruppiaceae ou potamogetomaceae. NA – AMB – ORN – ES Salvinia – azzolaceae ou salviniaceae. MED – GÊN Repolho – cruciferae. MED – UR – ES – CO Salgueiro – salicaceae. HOR – MED – ES Resedá – resedaceae. ORN – ARTE Salsa – umbeliferae. roble -negro. MED Salsa-da-praia. ORN Ruibarbo – poligonaceae. EXO – ORN – CO – ES Saião – crassularaceae. GÊN Ruelia. EXO – ORN – ES – SOMBRA Rainha-dracaena – liliaceae. ORN – MED . ORN – ES Rabo-de-peixe. falsa-petúnia – acanthaceae. FOR – FIB – IND – ES – UR Ranunculus – ranunculaceae.

sirigoela – anacardiaceae. INV – MED Sibipiruna – leguminosae cesalpinioideae. ORN Scheflera – araliaceae. ORN – SOMBRA – ES Scrofularia – scrofulariaceae. EXO – FRU – ES – IND Sapucaia. OR Sapé. xaxim – diksoniaceae/pteridophyta. INV – HOR Sésamo. esponjinha – leguminosa mimosoideae. dragoeiro – dracaenaceae. esponjinha-gigante – leguminosae mimosoideae. canela-sassafrás – lauraceae. AO – CR – UR – ES Sicupira. dois-amores – euphorbiaceae. EXO – ES Seringueira – euphorbiaceae. ES – NA – AMB . MED – ESS Serralha – compositae. INV – UR – MED Sapota. ORN – ES Samambaiaçu. FRU – NAM – ES Sapoti – sapotaceae. ORN – ES Sete-sangrias – rubiaceae. EXO – MED – ES – GÊN Sapatinho-de-judeu. NAM – IND – UR – ES Seringueira-de-jardim. cumbuca-de-macaco – lecythidaceae. ESS – MED – ES – GÊN Sangue-de-dragão. gergelim – pedaliaceae.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 47 Samambaia-chorona – polypodiaceae/pteridophyta. INV – ORN – MED – ES Sequóia – coniferae ou taxodiaceae. sucupira – leguminosae faboideae. FRU – NNE Siriúba – verbenaceae. AO – NA – MAD – UR – DA – MED – REF Siratro – leguminosae faboideae. MAD – FRU – NA – AO Sapucaia-paraense – lecythidaceae. sapê. capim-sapé – graminae. EXO – FRU – ES Saxifraga – saxifragaceae. NMA – ORN – UR – ES – GÊN Samanea. fícus-italiano – moraceae. CO – OL – IND – MED – UR – MAC – MULT Sesbania – leguminosae faboideae. ciriguela. ORN Sândalo – santalaceae. dormideira. NMA – MAD – UR – ES – ESS – MED – MULT Satsuma – rutaceae. GÊN Sensitiva. EXO – UR – RS Setcrezea-púrpura – commelinaceae. NAM – IND – UR – ES – SAF – MULT Seringueira-chicote – euphorbiaceae. GÊN – ES Sassafrás. AO – ES Serpol – labiatae. sapota-do-solimões – bombacaceae.ES Sanchezia – acanthaceae. sapatinho-de-nossa-senhora. AV – FOR Siriguela. AO .

MAD – NAM Tapeinóculo. ORN . surán. MED Sumaúma. NAM – FRU – CO – IND – UR – MAD – MULT Sorvetão – zingiberaceae. EXO – IND – ES Soja – leguminosae faboideae. FRU – IND – NNE – AO . UR Tanimbuca – combretaceae.ES Sorvinha – apocinácea. samaúma – bombacaceae. espatodea – bignoniaceae. EX – CO – ORN – ES Tamarindo. FOR Strelítzia. bananeira-de-jardim – musaceae. MAD – NAM – ES – UR Surá. MAD – NA – CR – SAF Sobreiro – fagaceae. janaúba. cipó-suma – violaceae. ORN . EXO Tabaco – solanaceae. EXO – CO – IND – OL – FOR – ES Soja-perene – leguminosae faboideae. MAD – CR – UR – NA – ES Sucuúba. ORN – ES Sucupira. AO – NA – UR – CV – FOR – CR – SAF – MULT Suma roxa. tapeinóquilo – zingiberaceae. FRU – AO Tamboril. paliteiro. cajá-mirim – anacardiaceae. tayuyá. estilosante – leguminosae faboideae. AO – EXO Stévia – compositae. FIB – IND Sobrasil – rhamnaceae. tamarindeiro. palheteira – leguminosae faboideae. agoniada – apocynaceae.48 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Sisal – agavaceae. tajujá. AO – MAD – CR Sorgo – graminae. estrelítzia. AO – NA – MAD – UR – DA – MED – REF Sucupira-amarela – leguminosae mimosoideae. CO – ES – NAT – MAC – IND Stilosante. orelha-de-negro. FRU – UR Spatodea. pau-de-sabão – leguminosae mimosoideae. abóbora d’anta – cucurbitaceae. eritrina – leguminosas faboideae. TRE – MED Tâmara. MED – NAM – ES Suinã. tamarindeira – leguminosae cesalpinioideae. guayabon – combretaceae. FRU – IND – MED – ESS Tangerina-cleópatra – rutaceae. HOR – NA – FOR Taiuiá. tamareira – palmaceae. FOR – AV Sombreiro. IND – TOX Taboa – ciperaceae ou typhaceae. IA – IND – UR – MED – CO Taioba – araceae. AO – NA – MAD – CR – UR – ES – MULT Tangerina – rutaceae.ES Taperebá. CO – FOR – ES Sorva – apocinaceae. mulungu. sicupira – leguminosae faboideae.

ORN – ES . ML – EXO– AO Tef – gramineae. NA – MAD – TOX – ES Timbó-verdadeiro. AV – ES Teixo – taxaceae ou coniferae. cipó-timbó – sapindaceae. EXO – ES Tostado – leguminosae caesalpinioideae.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 49 Taperebá-açu. NAM – MAD – ES – UR Taxi branco – leguminosae cesalpinioideae. ORN – TOX – ES Tomilho – labiatae. tauari-poqueca – lecitidaceae. NAM – TOX – TRE – DA – ES Timbó-arbóreo – leguminosae faboideae. NA – UR Tipuana. NAM – MAD Teca – verbenaceae. NA – UR – ES Tarumã – verbenaceae. EXO – ORN Tilandsia – bromeliaceae. EXO – COND – MED – MEL – ESS – ES – MULT Tongkat ali – simaroubaceae. NAM – MAD – FRU – UR – ES Tapiriri – anacardiaceae. ORN – CV – ES Tomate – solanaceae. EXO – TOX – MED Tento. jacarandá-tipuana – leguminosae faboideae. AO – UR – NA Taquara – gramineae. EXO – MAD – CR Thuya. NAM – TOX – DA – ES Timborana – leguminosae mimosoideae. EXO – MAD – ES Terminalia-africana – combretaceae. ORN Tília – tiliaceae. EXO – AO – ARTE – UR Tento-grande – leguminosae cesalpinioideae. bagaceira. laranjinha-de-jardim – solanaceae. HOR – MED – ES Tomate-de-jardim. timbó-vermelho – leguminosae faboideae. EXO – ES Tradescantia – commelinaceae. ORN – TOX Tinteira – melastomaceae. INV – ES Tith – euphorbiaceae. FRU – NA Tatajuba. CO – EXO – ES Tefrosia – leguminosae faboideae. ORN – CR Tiririca – ciperaceae. thuia – coniferae. NAM – MAD Tinhorão – araceae. UR – ARTE – CV Tauari. cajá-açu – anacardiaceae. garrote – moraceae. tento-da-carolina – leguminosae cesalpinioideae. EXO – MED – ES Toranja – rutaceae. MED – ES – GÊN Timbó. AO – ARTE – UR Terminalia – combretaceae.

ORN – TRE – CV – MULT Trevo-branco – leguminosae faboideae. CO – RS Tremoço-branco – leguminosae faboideae. cina-cina. ML – MED – GÊN Unha-de-gato – rubiaceae. CO – RS Três-marias. espinheira-russa. UR – ES Trigo – graminae. andaca. olho-de-santa-luzia – commelinaceae. NAM – FRU – AO – ES Umbaúba – cecropiaceae. poncirus-trifoliata – rutaceae. virola. ORN – TRE – ES Tungue – euphorbiaceae. girassol-batateiro – compositae. emburana. NA – MED – CO – ES – IND Umbu. AL – IND – ES – MAC Trigo-sarraceno – polygonaceae. FRU – NA – MED Ubi. AO – CV – ES Tuturubá – sapotaceae. EXO – ORN Tumbergia – acanthaceae.50 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Tradescantia-diurética. NAM – FRU – MAD Uba – graminae. ucuúba-branca – miristicaceae. NAM – CO – ES Tulipa – liliaceae. FRU – NAM Umarirana. CO – EXO – ES – MAC Triplaris – polygonaceae. marianinha – commelinaceae. MED – ORN – ES Urera – umbeliferae. NAM – MAD – ES – CR – OL Ucuúba-vermelha – miristicaceae. imbú – anacardiaceae.mirtaceae. chila. primavera – nictaginaceae. AO Tucum – palmaceae. ubim – palmaceae. tucumã-solteiro – palmaceae. UR – MED – ES Unha-de-vaca ou pata-de-vaca – leguminosae faboideae. MED – ES Trapoeraba. NAM – UR – OL – FIB Tucumã – palmaceae. FRU – ES – NNE – IND Umburana. CO – MED Turco. espinho-de-jerusalém – leguminosae cesalpinioideae. imburana. tricantera – acanthaceae. ES Ubaia. MED Tricântera. NAM – UR – ORN Ucuúba. imburana-de-cambão – burseraceae. NAM – MAD – ES – CR – OL Umari – icacinaceae. tucumã-açu. marianinha. IND Tupinambo. uvaia . ORN – MEL – UR – FOR – ES Trifoliata. marirana – crysobalanaceae. bungavília. INV – MED – GÊN Tremoço-amarelo – leguminosae faboideae. MED . NAM – CO – OL – UR – IND – ART – MULT Tucumã-do-amazonas.

INV – UR – MED Velame-do-campo – euphorbiaceae. MED Verbena – verbenaceae. zambujeiro. guanxuma – malvaceae. EXO – FRU Uxi – humiriaceae ou rosaceae. EXO – ES – OL Zâmia – cycadaceae. NMA – ORN – UR – ES – GÊN Xique-xique – cactaceae. ORN Visgueiro – leguminosae mimosoideae. NAM – FRU Uxipuçu.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 51 Uricuri. uxi. ORN – EXO . FRU – NAM – ES Uvito – cecropiaceae. guaxuma. NAM – FRU – ES Uxicuruá. ORN – ES – NAM Vriesia – bromeliaceae. FRU – NAM Valeriana – valerianaceae. oliveira-da-rocha – oleaceae. INV – ES Urtiga-mansa. ouricuri. samambaiaçu – diksoniaceae/pteridophyta. azedinha – malvaceae. NMA – ML – ES Violeta – violaceae. assapeixe – urticaceae. ORN – ES Viburno – caprifoliaceae. GÊN – ES Uva – vitaceae. NAM – COND – IND – UR – ES – DA Utricularia – lentibulariaceae ou utriculariaceae. vinhático-rajado – leguminosae mimosoideae. ORN Xaxim. uxi-amarelo – humiriaceae. INV – HOR Verônica – leguminosae faboideae. mapati. uva-do-mato – moraceae/cecropiaceae. NAM – CO – UR Urtiga – urticaceae. uxi-coroa – humiriaceae. FRU – IND – ES Uva-da-amazônia. AL – MED – ORN Vinhático. aricuri – palmaceae. MED – FARM – GÊN Vassourinha. AO – UR – NA Vismia – clusiaceae. azambuzeiro. ORN Violeta-africana – gesneraniaceae. ORN – GÊN Verdoega. FOR – MED – NNE – ES – ORN – AMB Zambuzeiro. NA – MED – FOR Verônica – scrofulariaceae. oliveira brava. MED – MEL – CHA – INV Urucu. beldroega – portulacaceae. urucuzeiro. EXO – ORN Vimeiro – salicaceae. EXO – MAD Vitória-régia – ninfeaceae. urucum. ARTE – IND – ES Vinagreira. colorau – bixaceae. vinhático-do-mato. quiabo-de-angola.

canela-de-velho – compositae. moças-e-velhas.52 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Zamioculcas – araceae. MED – ES Zigocactos – cactaceae. EXO – FRU – ES Zebrina – commelinaceae. ORN – EXO – SOMBRA Zapote – sapotaceae. ORN – ES Zedoária – zingiberaceae. FOR . ORN Zínia. ORN – ES Zornia – leguminosae.

Segunda parte .

.

Planta ornamental herbácea de flores rosadas e vistosas. . – tricantera. muito usada em jardinagem e paisagismo. também usada como forrageira alternativa em alguns países centro-americanos. por exemplo. • Thumbergia grandiflorum – tumbergia. • Acanthus spinosus – acantus. Planta herbácea de pequeno porte e ornamental de rara beleza. e exemplo de uma das poucas árvores existentes nesta família. • Ruellia sp. • Trichantera sp.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 55 Relação de plantas reunidas em famílias. com detalhamento de utilidades das espécies citadas. de flores amarelas. Planta ornamental de coloração violácea (cor de vinho) muito usada em paisagismo. apresentam nervuras amarelas. Planta herbáceo-arbustiva apropriada para fazer bordadura. • Fittonia verschaffeltti – fitônia. Planta ornamental. raramente de árvores. constituída quase que só de ervas e arbustos (muito ornamentais). falsa-petúnia. largamente utilizada em projetos paisagísticos. Planta ornamental de folhas com nervuras esbranquiçadas. ocorre nos jardins da sede da Embrapa Rondônia. Planta ornamental cujo gênero caracteriza (dá nome) à família. • Eranthemum sp. organizadas por ordem alfabética de nomes científicos Acanthaceae (acantáceas) Família da ordem das tubifloras. bastante usada em paisagismo. Planta herbácea muito ornamental. nativa na Amazônia. Planta ornamental trepadeira. varandas e ambientes interiores. cercas vivas e escrever nomes em jardins (por tolerar bem os diversos tipos de poda). Planta herbácea ornamental. própria para decoração de jardins de fundo de quintal. invasora. Planta melífera. Reúne 250 gêneros e 2 mil espécies espalhadas pelas regiões tropicais de todo o mundo. de tamanho considerável. Planta herbácea ornamental cujas folhas. na cidade de Porto Velho. • Thumbergia alata – tumbergia-alada. originária dos Andes bolivianos. • Sanchezia nobilis – sanchezia. – ruelia. • Pachystachys lutea – falso-camarão. Planta ornamental trepadeira de flores azuis. como. – camarão. • Penistrophe angustifolia – pingo-de-ouro. • Aphelandra squamosa – afelandra. • Chamaeratum venosum – camaerato. • Belosperone sp. – erantemo. de flor amarela e tubo da corola azulado.

• Fourcroya gigantea – pita. De folhagem ampla. • Alisma sp. cujas folhas grossas. . como o caruru. quivi. com suas folhas rígidas e compridas em forma de espátulas com espinhos nas pontas. principalmente com efeito diurético. O nome do gênero é holotípico da família. Grande erva rosulada de origem mexicana. Agaveae ou Agavaceae (agaváceas) • Agave americano ou A. • Agrave rigida – sisal. Suas folhas fornecedoras de fibras são usadas na confecção de cordas. weberi – agave. erva-dobrejo. de rara beleza. produzem boa fibra. longas e aceradas. Também é planta ornamental. Planta ornamental. Planta largamente utilizada na indústria têxtil. Planta originária da Oceania. com as folhas de bordas amarelas. attenuata ou A. mas já subespontânea no Brasil. flores abundantes e coloridas e frutos de uma só semente. piteira. • Fourcroya selloa – furcrea. • Echinodorus macrophyllum – chapéu-de-couro. A inflorescência é uma enorme panícula de vários metros que produz bulbilhos que servem à propagação vegetativa. – alisma. que produz frutos saborosos e muito ricos em vitaminas (principalmente a C) e sais minerais. entre os quais o magnésio. Prefere ambiente com bastante umidade e é muito cultivado no Estado do Amazonas. Alismaceae ou Alismataceae (alismáceas ou alismatáceas) Família que reúne espécies próprias de ambiente ricos em água. e industrial. As flores são tidas como medicinais. Erva ereta de folhas grandes que vive em terrenos pantanosos. cujo gênero dá nome (é holotípico) à família. barbantes. tapetes. O nome do gênero é holotípico da família. Alstroemeriaceae ou Alstroemerieae (alstroemeriáceas) • Alstroemeria cunea – lírio-do-campo. Planta ornamental semelhante a Agave americana marginata. Algumas espécies apresentam o caule herbáceo de cor violácea.56 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Actinidiaceae (actinidiáceas) • Actinidia deliciosa – kiwi. Planta ornamental e melífera. e no preparo de pasta celulósica para fabricar papel. Amaranthaceae ou Amarantaceae (amarantáceas) Família de plantas herbáceas ou arbustivas de flores pequenas reunidas em glomérulos. chá-de-campanha. Planta cujo gênero dá nome à família.

com parte do caule desta mesma cor. que muitas vezes tem “cebola” ou bulbo como caule. como o seu próprio nome vulgar indica. Vegetação característica de restinga. caruru-de-espinho. Planta medicinal indicada para tratamento de diversas moléstias. viridis – carurubravo. carango. da ordem das lilifloras. Planta invasora ruderal (que se desenvolve espetacularmente em monturos de dejetos urbanos). • Iresine herbstii – iresine. Encerra em torno de mil espécies e é própria de climas temperados. . • Iresine portulacoides – iresine-de-restinga. providas de grandes e belas flores coloridas. brêdo. • Narcisus poeticus – narciso. O nome do gênero é holotípico da família. • Haemanthus katharinae – coroa-imperial. e disseminando seu plantio no meio rural brasileiro. paratudo. Planta ruderal de folhas que podem ser comestíveis quando refogadas em óleo ou azeite. ginseng-docerrado. • Hippeastrum amaryllis – açucena. Planta ornamental que além de produzir flores bonitas tem nome científico por demais sugestivo. Planta medicinal que é considerado o “ginseng brasileiro”. • Amaranthus spinosus ou A. Amaryllidaceae (amarilidáceas) Família idêntica à liliácea. orelha-de-macaco. da família das apiáceas (umbelíferas). sendo espécie muito comum em jardins de fundos de quintais e varandas de habitações populares. principalmente da variedade melhorada Brs Alegria (A. Planta herbácea cujas sementes. • Pfaffia paniculata – pfafia. enche-prato. por exemplo. Planta ornamental de folhas e caule cor de sangue. cruentus ou A. cruentus). Planta ornamental cujo nome do gênero caracteriza (dá nome) a família. Ocorre praticamente em todo o Brasil. Planta ornamental. • Amaryllis sp. • Gomphrena macrocephala – paratudo-herbáceo. hypocondriacus – amaranto. são aproveitadas como grãos na alimentação humana e de animais. Planta herbácea rústica de flores vermelhorosadas.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 57 • Amaranthus caudatus ou A. caruru-amarelo. Planta herbácea ornamental. composta de plantas herbáceas. coroa-de-moçambique. coração-magoado. hybridus ou A. • Amaranthus flavus – caruru. delicadas. A Embrapa vem introduzindo variedades trazidas do México desta espécie. – amarílis. – angélica-ornamental. sendo considerado em alguns casos até de propriedades medicinais superiores ao verdadeiro ginseng asiático (Panax ginseng). • Celosia cristata – crista-de-galo. • Polianthes sp. Planta medicinal indicada para tratamento de males do fígado. retoflexus ou A. perpétua. Planta herbácea ornamental. de rico teor alimentício. amaranto-de-grãos-comestíveis.

A Embrapa Agroindústria Tropical. por exemplo. boa para cabos de ferramentas e diversos outros empregos. cujos frutos apresentam cálices que funcionam como paraquedas. Espécies têm condutos resiníferos cujos conteúdos lhes imprimem aroma peculiar. Bourbon. cajuí. no bosque do CATIE. Apresenta algumas espécies (ou subespécies) nativas na região Norte do Brasil (Roraima). tem produzido. de muitas variedades. giganteum – cajueiro-gigante. fraxinifolium – gonçalo-alves. • Astronium graveolens ou A. principalmente na Região Nordeste onde a indústria de beneficiamento da castanha (o fruto verdadeiro do cajueiro) é bastante desenvolvida. Espada. sendo que para essa finalidade são mais convenientes os métodos de enxertia de garfagem de topo e borbulhia de placa ou escudo. aroeira-do-campo. • Anacardium pumilum ou A. Tommy Atkins. e apresenta porte reduzido. sendo quase todas as variedades imensamente saborosas e nutritivas. de madeira bela e durável. • Mangifera indica – mangueira. situada na cidade de Pacajus. Árvore que ocorre nas matas secas. tornando seu cultivo altamente rentável. pau-gonçalo. que entra em produção rapidamente (1-2 anos). Grande árvore da floresta pluvial. cerrados e caatingas do Brasil. no Ceará. Fornece excelente madeira apropriada para marcenaria. utilizando-se inclusive técnicas mais modernas para aprimorar a produção. Também é planta medicinal. Comum no Nordeste brasileiro. nativa no cerrado brasileiro que produz frutos como o cajueiro comum. cajueiroanão. Trata-se de fruteira excelentemente bem adaptada no Brasil. Fornece madeira dura. Árvore que produz importantíssimos frutos. empregada em movelaria de luxo. Costa Rica. e na Amazônia brasileira. Árvore nativa na Amazônia. muiracatiara. Árvore que fornece excelente madeira utilizada para finalidades diversas. Árvore frutífera tropical originária da Índia. em Turrialba. bastante usada em marcenaria. • Anacardium excelsum ou A. gonçalo-alves. sendo os pedúnculos (seus pseudofrutos) rica fonte de vitamina C. e que ocorre praticamente em toda América Tropical. nanum – cajueiro-do-campo. caju-açu. Seus frutos são pequenas drupas que com cálices formando uma espécie de paraquedas. onde se encontra cultivada em quase todo o território nacional. • Anacardium occidentale – cajueiro. através de enxertia. algumas de extraordinário sabor. Planta arbustiva. Árvore de porte monumental. Fornece madeira semelhante ao gonçalo-alves. • Astronium lecointei – maracatiara. . Recomenda-se fazer plantio com mudas enxertadas. O nome do gênero é holotípico da família. • Astronium macrocalyx – mirueira. que tem feito muito sucesso na renovação e expansão da cultura do cajueiro no Nordeste brasileiro. carpintaria e construção em geral. Rosa. estando presente. • Astronium urundeuva – aroeira-do-sertão.58 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Anacardiaceae (anacardiáceas) Família que reúne umas 500 espécies entre árvores e arbustos de países tropicais e temperados. como Haden. com DAP (Diâmetro à Altura do Peito) que alcança 2 metros. uma variedade de cajueiro anão precoce.

hilos duros. em segundo e terceiro lugar respectivamente. de três a cinco pernadas. • Poupartia amazonica – fruta-de-cedro. Planta arbustiva originária do Mediterraneo. Árvore de porte médio (3 m a 8 m) cujos frutos são nozes muito apreciadas no comércio internacional. levando de sete a dez anos para estabelecer produção comercial. de semente única grande. que acumulam água. que fornece boa madeira. taperebá. lentisco.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 59 • Pistacia lentiscum ou P. • Schinus molle – aroeira-salsa. As flores são brancas. Árvore de pequeno porte utilizada em arborização urbana pela conveniência de suas características morfológicas e a beleza dos seus frutinhos vermelhos. de bolas (xilopódios). • Spondias lutea – cajá-mirim. por exemplo. deixando. sendo suas cascas usadas para debelar problemas do trato urinário. cajarana. Trata-se de planta de período juvenil extenso. impressionante com seus frutinhos saborosos e suas raízes dilatadas em forma de batatas. lentiscus – aroeira-da-praia. eriçados. embu.Instituto Agronômico de Campinas está capacitado a fornecer todas as orientações necessárias para o sucesso do cultivo desta espécie frutífera. característica de regiões quentes que apresentam determinada época mais fria. Planta medicinal. respondendo por mais da metade da produção mundial. É planta decídua. O IAC . • Spondias dulcis – cajá-manga. para completar as exigências climáticas da planta. aroeiramansa. • Schinus terebenthyfolium ou terebenthyfolius – aroeira-vermelha. que em . que contém como extensão. que deve ser cultivada a partir de mudas enxertadas e conduzidas com poda de formação. onde é oferecido torrado e salgado na própria casca. taperebá-açu. aroeira-mole. • Spondias tuberosa – umbu. seguido dos EUA e da Turquia. • Spondias macrocarpa – cajá-açu. • Pistacia vera – pistache. como regiões semiáridas. pelo excelente sabor de sua polpa. o que faz com que a planta permaneça sempre verde na seca. e serve. que devem ser conduzidas em forma de taça. taperebá-do-sertão. e a planta tem propriedades medicinais. O Irã é o maior produtor desta iguaria. Árvore nativa da Amazônia. onde a polpa dos seus frutos tem boa aceitação popular e é bastante aproveitada no complexo agroindustrial de frutas da região. para matar a sede do vaqueiro. do sertanejo. Árvore frutífera (que na Costa Rica é chamada de jocote) cujos frutos são muito apreciados para serem consumidos in natura ou na forma de sucos. Ocorre bastante na região Amazônica. A colheita é feita com a derrubada dos frutos ao chão por meio de vibração da árvore. Árvore que produz frutos de tamanho considerável e saborosos. a partir de uns 80 cm de altura. eventualmente. dióica. O espaçamento médio no plantio deve ficar em torno de 6 m x 6 m. Árvore frutífera sempre verde do sertão nordestino. devendo o solo embaixo da árvore nesta ocasião estar recoberto por lona para facilitar a operação e manter a boa qualidade do produto. semelhante ao cedro. imbu. que produz resina usada no preparo de vernizes e cimentos dentários. Árvore frutífera própria da Mata Atlântica brasileira.

com a qual se tem procurado cruzar para dar lugar a atemóia. que reúne aproximadamente 800 espécies. Pequena árvore que produz frutos muito saborosos parecidos com a pinha ou ata (Annona squamosa). coração-de-negro. • Anona muricata – graviola. A semente tem baixo poder germinativo carecendo de estímulos físicos para quebrar sua dormência. como a graviola. • Spondias sp. por exemplo. sendo o araticum tolerante à broca-do-tronco. na viabilização do cultivo de espécies parentes mais nobres da família. Arvoreta que produz saborosíssimos frutos. Embora seja fruteira exótica (estrangeira). cherimóia. Árvore pequena de frutos grandes e sem um sabor especial. Está sendo bastante cultivada na região dos cerrados brasileiros. fruta-do-conde. originária da América Central. Ocorre em todo o Brasil. cremes e sorvetes. por causa da incidência de diversos tipos de brocas (do caule. • Anona squamosa – pinha. trissépalas e tripétalas. por causa de sua rusticidade. Pequena árvore que produz frutos grandes e saborosos muito apreciados para consumo na forma de sucos. • Tapirira guianensis ou obtusa – tapiriri. comum no Nordeste brasileiro. dos frutos. Também é cultivada em algumas partes da região Norte (Pará e Acre). guanábana. Árvore de porte médio que produz frutos doces muito apreciados pelos pássaros. flores grandes e belas. com o intento de reunir as vantagens específicas de cada uma destas duas fruteiras nobres. refrescos. Árvore de pequenos frutos vermelhos e amarelados muito saborosos. sendo no Brasil a região Nordeste. que é um dos fatores limitantes do cultivo da graviola. O nome do gênero é holotípico da família. Os frutinhos podem enriquecer complexo agroindustrial de produção de polpa e derivados (doces. das sementes) que lhes atacam e que encontram na região clima propício para ocorrerem drasticamente. é muito cultivada no Nordeste brasileiro. Anonaceae (anonáceas) Família da ordem magnoliales constituída de árvores e arbustos de folhas simples. própria dos países intertropicais. muitas das quais brasileiras. ata.) de fruteiras regionais.60 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades seus apuros sorvem a seiva potável concentrada como reserva nas batatas desta planta providencial na região inóspita. demandando vultosos investimentos financeiros e ecologicamente incorretos para o seu controle. que tem clima muito apropriado para esta cultura. onde o clima lhe é mais favorável. etc. No interior de Minas Gerais a planta também é aproveitada para produção de lenha. sucos. mas é muito apropriada para ser usada como cavalo (portaenxerto). sua maior produtora. • Anona cherimolia – cherimólia. Reproduz-se facilmente por meio de estacas (galhos que são postos a enraizar). • Anona glabra – araticum. . pelo clima da região lhe ser muito propício e pelos bons preços que seus frutos alcançam no mercado regional. – ciriguela. na qual sua cultura ainda não é mais incrementada. peito-de-pomba.

A forte pressão antrópica que sofreu e a entrada em cena de outras espécies com boas características a serem exploradas com finalidades similares. quase sempre leitosas. de pétalas aproximadas formando um conjunto quase esférico. arbustos. muito apreciados pelas populações da Região Norte do Brasil.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 61 • Duguetia lanceolata ou Rollinia mucosa – biribá. ervas e trepadeiras. Árvore comum na Costa Rica. Planta nativa no Cerrado que fornece boa madeira apropriada para ser usada como cabo de ferramentas agrícolas. jaca-de-pobre. que envolve sementes grandes e arredondadas. das quais o Brasil é bastante rico. quase uma espécie legendária em extinção. aromática. de polpa creme. flores ornamentais de corola hipocrateriforme. Foi uma das mais bem reputadas madeiras para uso em movelaria. • Allamanda cathartica – alamanda. . • Aspidosperma polyneuron – peroba. anti-inflamatórias. cujas cascas amargosas são utilizadas em medicina popular por terem propriedades hepáticas. • Duguetia marcgraviana – biribá-de-pernambuco. A resina leitosa. • Rollinia ptieri – anonillo. fruto sincarpo subgloboso amarelo creme com as aréolas bem acentuadas. cicatrizantes e anticoncepcionais. peroba-rosa. biribaverdadeiro. • Aspidosperma obscurinervium – piquiá-marfim-roxo. como acontece com o jacarandá-da-bahia. • Rollinia deliciosa ou Annona reticulata – condessa. Apiaceae (apiáceas) – (ver família umbeliferae) Apocynaceae (apocináceas) Família constituída de árvores. Planta herbácea ornamental por suas flores vistosas. • Aspidosperma nitidum – carapanaúba. fruta-da-condessa. que escorre das partes da planta quando ferida é reputada como tóxica. Árvore relativamente pequena (em torno de 8 – 10 m de altura) que produz frutos grandes suculentos e saborosos. nativa na Amazônia. bastante utilizada em projetos paisagísticos e jardins domésticos. doce. Árvore que produz frutos comestíveis e também de uso medicinal. copo-de-leite. fazem da peroba. onde é cultivado com maior freqüência. porém existe variedade de flores de coloração lilás extremamente belas. reunindo umas mil espécies tropicais. Árvore de grande porte. As flores mais tradicionais são de coloração amarela. Árvore que fornece madeirade-lei e ocorre em quase todo o Brasil. sucosa. de folhas opostas. Árvore madeirável da Amazônia. Fornece madeira e seus frutos também são comestíveis. dedal-de-dama. Árvore pequena de flores concrescentes e pubescentes (revestidas de pelos brancos e curtos). saborosa. spruceanum – guatambu-do-cerrado. • Aspidosperma macrocarpa ou A.

bronquite. Obs: existe outra espécie com este primeiro nome popular. Os frutos são bagas moles. bom para tratamento de asma. sífilis. cuja casca amarga exsuda látex medicinal. • Couma utilis – sorvinha. que produz látex usado como alimento (leite que se toma inclusive com café ou diluído em água) e também para calafetar embarcações. • Geissospermum sericeum – pau-pereira. contém um leite pegajoso que incomoda a quem as consome nestas condições. guianensis – sorva. deve-se ter alguma cautela em seu cultivo. (de vez). • Parahancornia amapa – amapá. de grande poder fitoterápico. sendo indicada para tratamento de problemas de próstata. estando verdoengas. Fornece boa madeira. resultando em beberagem apreciada por quem valoriza aperitivos. Planta herbácea ornamental de flores azuis muito usada em paisagismo. sorva-grande. Vegeta bem em terras pobres e arenosas. porém. Árvore da floresta fluvial de folhas pequeninas cuja característica mais notável é a casca amarela extraordinariamente amarga. Planta herbácea muito comum nos pequenos jardins domésticos. Árvore madereira que ocorre no interior de Minas Gerais. Arbusto comum nas caatingas do Nordeste brasileiro e nas regiões de cerrado. peroba-do-campo (Paratecoma peroba). Também é explorada para a produção de látex. Planta frutífera. • Catharanthus roseus ou Lochnera rosea ou Vinca rosea – boa-noite. na família bignoniaceae. atuando como anti-inflamatório natural. Planta ornamental arbustiva que produz floração rósea ou branca. de flores róseas ou brancas muito vistosas. gumífera. aquariquara-branca. Árvore nativa na Amazônia. ambas muito vistosas e bonitas. principalmente em casos de ter crianças. pau-pereira-do-campo. e mesmo ruderal. problemas estomacais. • Aspidosperma tomentosum – peroba-do-campo. Árvore comum no cerrado. que precisam estar bem madurinhos para serem degustados em todo o seu esplendor. além de ser cicatrizante. traumatismo. que fornece madeira útil. além de ser empregado na indústria de goma de mascar. Árvore nativa na Amazônia. tônico e resolutivo de doenças graves. agoniada. aloendro. Também tem uso medicinal. Árvore nativa na Amazônia. pois de contrário. doces e agradáveis ao paladar. contendo alcalóides e acentuadas propriedades hipotensoras. tuberculose. A madeira é empregada em marcenaria. Pedaços de sua casca são postos a envelhecer em cachaça.62 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Aspidosperma ramiflorum – peroba-branca. sucuba. ao que parece. . pois reúne propriedades tóxicas. • Nerium oleander – espirradeira. janaúba. encerrando. substância tóxica. Suas sementes apresentam difícil germinação. Também é planta ornamental. • Himathantus sucuuba – sucuúba. • Couma macrocarpa ou C. • Hancornia speciosa – mangaba. • Jasminum gracillium – jasmim estrela. que apresenta frutos latescentes extremamente saborosos. nativa na Amazônia.

vindo a rebrotar posteriormente quando a praga atravessa a fase de metamorfose (pupa) para se transformar em borboleta (lepidóptero). Planta ornamental. do qual se distingue por ter abertura junto ao pedúnculo. Planta herbácea de folhas grandes parecidas com as do inhame. geralmente muito coloridas e bonitas.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 63 • Plumeria lancifolia – agoniada. algumas de folhas muito grandes. além do próprio refresco. enquanto o inhame se apresenta com esta parte da folha soldada. abrigar graúdas lagartas. Pequena árvore reputada pelo povo como verdadeira panacéia em termos de planta medicinal. que deixam a planta desfolhada. e variedades de cores diversas: brancas. Árvore de até 10 m de altura de cujas folhas preparam-se bebidas (em forma de chás e refrescos) muito saborosas e tradicionais no Brasil. princeps ou A. servindo para tratar uma série enorme de enfermidades. entre as diversas classes sociais indistintamente. apreciada pelas populações rurais. Planta arbustiva de grande efeito ornamental. • Aglaonema pseudobracteanum – aglaonema. como o chimarrão (no sul) e o tererê (no centro-oeste). • Plumeria tricolor – jasmim-manga. com suas flores vistosas. apresentando marcante efeito analgésico. mas reunidas em espigas simples. sendo espécie que se adapta bem em ambientes interiores (mais sombreados). Planta herbácea rústica de folhas grandes. ou chá. sendo muito comum encontrá-la enfeitando espaços das residências mais humildes por todo o Brasil a fora. Aquifoliaceae ou Ilicineae (aquifoliáceas) • Ilex aquifolium – azevinho. sanderiana – alocasia. Os rizomas tuberosos também são comestíveis. • Anthurium andraeanum – antúrio. envolvidas por vastas brácteas coloridas de grande efeito ornamental. de flores insignificantes. A folha da taioba refogada ao azeite se constitui em iguaria muito saborosa e nutritiva. propriamente em todo canto do Brasil. Planta herbácea de folhas grandes e brácteas vistosas muito ornamentais. cultivadas com esmero e carinho. • Alocasia macrorriza ou A. Araceae (aráceas) Família que reúne plantas herbáceas. • Colocasia antiquorum – taioba. que habita as matas sombrias e úmidas. popularmente chamado de “mate”. É relacionada como planta que contém propriedades tóxicas. rosadas. em seu convívio. Planta medicinal usada para curar enfermidades do estômago e intestinos. vermelhas. vários deles comestíveis. Planta herbácea ornamental. É planta usada como forrageira. embora não raro de grande porte. Tem o inconveniente de. que é cultivada por todas as camadas da população brasileira. . • Ilex paraguariensis – erva-mate. mate. Quase sempre tem rizomas tuberosos. • Caladium bicolor – tinhorão.

de folhas grandes. onde tradicionalmente são cultivados por sua rusticidade e adaptabilidade. cheflera. Planta herbácea ornamental. Todavia. bares. que se desenvolve bem em ambientes úmidos. – cipó-ambé. de forma a justificar seu nome popular. Planta nativa na Amazônia. como botequins. em suas múltiplas variedades. que forma umbrela. • Montrichardia arborescias – aninga. • Scindapsus aureus – jibóia. • Pistia stratiotes – alface-d’água. • Monstera deliciosa – costela-de-adão. Planta herbácea ornamental com enormes folhas íntegras. Por sua exploração desenfreada está tornando-se rara em seu habitat natural. filodendro-jibóia. Araliaceae (araliáceas) Família da ordem umbeliflora. raramente trepadeiras. sendo também medicinal. sendo as flores e os frutos insignificantes. com folhas variegadas (com matiz amarelado). deve-se ter cautela em seu cultivo. • Philodendron domesticum. Planta que ocorre na Amazônia.. lojas. imperialis – filodendro. Planta ornamental originária da Tanzânia (África). Planta herbácea trepadeira ornamental. • Dieffenbachia sp. Trata-se de belíssima planta herbácea ornamental de folhas recortadas. • Zamioculcas zamiifolia – zamioculcas. • Brassaia actinophylla ou Schefflera actinophylla – scheflera. – comigo-ninguém-pode. Aceita bem vegetar em ambientes sombreados. • Phylodendron sp. com a característica muito interessante de tolerar ambientes sombreados. pois encerra substância tóxica. restaurantes. digitadas. • Heteropsis flexuosa ou H. etc. . de folhas grandes. P. estando presente na ornamentação de uma infinidade de ambientes de comércio populares. monstera integrifolia. com perfurações arredondadas. Planta nativa na Amazônia.64 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Colocasia sculenta – mangana. com indicações até para minimizar problemas de picadas de cobra. • Monstera perfusa – monstera. açougues. muitas vezes recortadas. A família é mal representada no Brasil. Planta ornamental trepadeira. onde é muito utilizada na confecção de artesanato e utensílios domésticos. matizadas de pontos brancos. Compreende umas 200 espécies que habitam os países tropicais. compostas. Planta herbácea muito cultivada e apreciada em Cuba como alimento. Sobrevive bem em ambientes aquáticos. muito presente em jardinagem doméstica popular. Plantinha ornamental aquática usada em aquários. spruceana – cipó-titica. Planta herbácea de folhas vistosas. providas de folhas alternas. pelo qual muito se presta para decoração de interiores. muito em uso para decorações de ambientes interiores. constituída por árvores e arbustos. com bons predicados para uso em medicina popular que também oferece matéria-prima (fibra) muito propícia para elaborar trabalhos de artesanato e movelaria.

Planta ornamental.). Aristolochiaceae (aristoloquiáceas) Família de plantas trepadeiras. movelaria de luxo. laminação. de flores exuberantes em tamanho. Ocorre na Amazônia (Pará) e sua madeira. com propriedades medicinais e tóxicas. Gênero desta planta caracteriza (dá nome) a família. verrucosa ou S. Planta trepadeira singela e muito bonita. • Hoya carnosa – flor-de-cera. que só ramifica no ápice. esperanza – aristolóquia. • Hedera helix – hedera. Planta trepadeira (cipó). muito bonitas e coloridas.700 espécies nos trópicos. papo-de-peru. • Hedera canariensis – hedera-variegada. tendendo ao encarnado. estampadas e sedosas. cega-olho. Planta herbácea ornamental bastante presente em decorações de ambientes interiores. Há cerca de 1. • Stapelia nobilis ou S. cujas tranças pendentes nos vasos vão se enrolando com o bater do vento. cipó-milhomens. Planta ornamental. atraindo moscas. etc. Asclepiadaceae (asclepiadáceas) Família de plantas trepadeiras ou eretas. o que faz atrair moscas. de flores de cheiro fétido. indústria de fósforos. chamados polínios. falsa-ervade-rato. paina-de-sapo. que não é de primeira qualidade. Erva ornamental invasora. embora algumas sejam mal cheirosas. cujas flores e frutos. • Asclepias curassavica – oficial-de-sala. milhomem. • Ceropegia woodii – ceropegia. cores e beleza extraordinárias. com folhas digitadas. • Huernia zebrina – huérnia. Árvore alta. pode ser aproveitada para muitos fins menos nobres (caixotaria. por exemplo. O nome do gênero é holotípico da família. que na planta fazem postura. cachimbo-de-turco. de flores em forma de estrelas. leitosas. . Obs. Planta ornamental com alguma semelhança com cactos. marupá. gigantea – estapélia.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 65 • Didymopanax morototoni ou Schefflera morototoni – morototó. de flores grandes muito vistosas e ornamentais. e frutos cujos folículos contêm paina. O Brasil é rico em espécies do gênero Aristolochia. dispõem-se em amplas panículas terminais. com flores caracterizadas pelos grãos de pólen reunidos em massa. marupaúba-falso. • Caralluma nebrownii – caraluma. pau-caixote.: uso nobre seria. hirsuta ou S. Planta herbácea ornamental de folhas variegadas (com matiz esbranquiçado). ambos inconspícuos. Esta planta também é reputada como de propriedades medicinais. corações-emaranhados. de pequeno porte. Planta ornamental que tem alguma semelhança com cactus. • Aristolochia brasiliensis ou A.

balsamina – beijo. Só existem poucas espécies no Brasil cultivadas em jardins ou disseminadas em passeios públicos. Basellaceae (baseláceas) Família de plantas trepadeiras. Nome do gênero é holotípico da família. Tem também a variedade de flor “dobrada” que é muito bonita. • Begonia fuscomaculata – begônia. • Salvinia sp. Planta ornamental. Nome do gênero é holotípico da família. Nome do gênero é holotípico da família. Planta herbácea ornamental. largamente cultivadas em suas inúmeras variedades. Planta cujo gênero dá um dos nomes da família. • Basella rubra – bertalha. • Impatiens walleriana ou I. Usada também como planta medicinal. muitas vezes carnosas e providas de tubérculos. • Begonia decandra – begônia. de flores e frutos insignificantes. Balsaminaceae (balsamináceas) Família de plantas herbáceas de flores coloridas e ornamentais de cinco pétalas e cálice calcarado (com espora em forma de calcanhar). ruderal. Planta herbácea ornamental. maria-semvergonha. – salvinia. donde resulta um de seus nomes populares. cujas folhas se constituem em verdura alimentícia quando refogada em azeite. Planta herbácea trepadeira.66 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Asteraceae (ver Compositae) Azollaceae ou Salviniaceae/Pteridophyta (azoláceas/pteridófitas) • Azolla filiculoides ou Azolla pinnata – azolla. . Planta herbácea ornamental. Há cerca de 20 espécies. e por isso são utilizadas como biofertilizante na África em plantios de arroz como adubação azotada (nitrogênio). de folhas com estrias brancas. Planta herbácea ornamental. Begoniaceae (begoniáceas) • Begonia cleopatra – begônia. com folhas coloridas e vistosas. • Impatiens marinae – beijo impatiens. com flores vistosas e facilidade em se disseminar por todo lado. Planta herbácea ornamental. a maioria americana. • Impatiens repens – impatiens. parecendo uma rosa ou uma camélia. • Begonia coralina – begônia. Planta ornamental que se cultiva pendente como o “dinheiro-em-penca” e que se reproduz facilmente por via vegetativa. beijo-de-frade. Planta aquática que faz simbiose com cianobactérias filamentosas que absorvem nitrogênio da atmosfera.

e folhas sésseis. • Arrabidaea bilabiata – gibata. carajuru. Planta que produz frutos nozes secas oleaginosas de sabor agradável. • Arrabidaea chica – crajirú. que é dissolvido em óleo de andiroba. etc. usadas em “garrafadas” reputadas como fonte de manutenção da boa saúde e do vigor físico. • Anemopaegna glaucum – catuaba. Planta herbácea ornamental com folhas coloridas e vistosas. piranga. gamopétalas. Nome do gênero é holotípico da família. glabras. campanuladas. chica. contra cólica intestinal. tetrâmeras acompanhadas de estaminóide. Betulaceae (betuláceas) • Betula pendula – bétula. Berberidaceae ou Berberideae (berberidáceas) • Berberis sp. frutos capsulares. – berberis. Árvore européia cujo nome do gênero dá o nome (é holotípico) da família. • Begonia mariana – begônia. ferimentos superficiais da pele. Bignoniaceae (bignoniáceas) Família que engloba árvores e trepadeiras de flores grandes. . • Cibistax antisyphillitica – cinco-folhas. Planta tóxica que ocorre nas pastagens da Amazônia e é responsável por grande parte dos casos de morte do gado por intoxicação. Esta espécie tem as folhas recortadas. flores róseas ou violáceas. ovado-lanceolada. crajuru. Planta herbácea ornamental. Trepadeira de galhos cilíndricos quando novos e tetrágonos quando maduros. tonificante. Reúne 120 gêneros e 500 espécies em todo o mundo. onde é usada como planta medicinal. etc. sendo numerosas no Brasil. coriáceas que ganham tonalidade rubra quando secas. pariri. Arbusto ornamental e medicinal (afrodisíaco. Planta medicinal abundante nos EUA e na China. coloridas. • Begonia rex – begônia-rex. chibata. • Bignonia radicans – bignonia. Os índios preparam corante vermelho com as folhas desta planta. diarréia sanguinolenta. Nativa da Amazônia. Planta trepadeira cujo nome do gênero dá nome à família.) de flores amarelas. Esta espécie é parecida com a begônia-rex. frutos capsulares. folha peciolada composta. • Corylus avellana – aveleira (avelã). Planta medicinal.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 67 • Begonia leracleifolia – begônia. Planta herbácea ornamental. fruto capsular. bastante requisitadas no mercado consumidor de todo o mundo.

com o qual pode compor ambientes de inusitada beleza. ipê-branco. todavia. cheias de líquido. Planta arbustiva que apresenta enormes frutos secos dos quais se fazem cuias usadas como utensílios diversos. Ocorre praticamente em todo o Brasil. Ótima para ser usada em reflorestamento pelo valor de sua madeira. • Tabebuia caraiba – pau-d’arco-branco. Árvore madeirável e espetacularmente ornamental. Fornece madeira de segunda categoria que encontra muitas aplicações para fins menos nobres (caixotaria. Apresenta subepiderme esverdeada que é evidenciada quando se faz ligeiro corte com canivete. • Jacaranda copaia – parapará. o inconveniente de perder as folhas no período de estiagem (caducas). característica também do morototó. impetigiosa ou Tecoma ipe – ipê-roxo. paratudo. Árvore nativa da Amazônia de crescimento rápido e porte parecido ao jacarandá mimoso. • Paratecoma peroba – peroba-do-campo. embelezamento e decoração ambiental de parques e habitações particulares. Leva quatro a cinco anos para lançar primeira floração. Árvore muito ornamental com sua florada exuberante com as mesmas características apregoadas para o ipê roxo. inclusive recipientes para saborear o famoso e tradicional tacacá na região Norte. Planta medicinal nativa no Cerrado. com a queda das folhas. Obs: existe outra planta conhecida popularmente como peroba-do-campo (Aspidosperma tomentosum) da família das apocináceas. ao que parece. Esta variedade tem a característica de apresentar porte mais baixo (em torno de 8 m) em relação ao outro ipê amarelo da mata. para fazer postes e moirões. amazonica – cuité. peroba-tigrina. É espécie pioneira em áreas degradadas em regeneração ou encapoeiradas. Na Amazônia também é muito usado para fazer tabuinhas que funcionam como telhas na cobertura das habitações rurais. etc. usada em movelaria de luxo e na área rural. Já para reflorestamento sofre restrições por fornecer madeira sem valor comercial e. laminação. . Árvore muito ornamental com suas folhas compostas e bonita floração de cor azul. o que a torna muito ornamental. pela grande resistência que tem ao permanecer em contacto com o solo.68 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Crescentia cujete ou C. • Jacaranda mimosaefolia – jacarandá -mimoso. ipê-rosa. Árvore por excelência ornamental com fantástica floração rosada que. • Jacaranda decurrens – carobinha. spatodéa. pau-d’arco. Tem aplicação como fitoterápico. assume aspecto divinal. serratifolia ou Tecoma longiflora – ipê-amarelo. peroba-manchada. • Tabebuia avellanedae ou T. • Tabebuia longiflora ou T. paud’arco amarelo. tendo. salsa-caroba. Árvore originária da África que apresenta grandes e bonitas flores vermelhas com botões florais como se fossem bisnagas. paisagismo. ser nociva às abelhas. que fornece boa madeira e tem propriedades medicinais. Árvore madeireira. No Peru é chamado de tauari. tornando-a muitíssimo requisitada para ser usada em arborização.). • Spathodea campanulata – espatodéa. ipê-tabaco. Árvore nativa. • Tabebuia chysotricha – ipê-amarelo-do-cerrado. servindo bem ao propósito de recuperação destas áreas. caroba.

(ver ipê amarelo) • Tecoma speciosa – ipêuva. Árvore madeirável e de propriedades medicinais. Também é usado como repelente de insetos. colorau. ipeúva. Nicarágua). urucum. pinturas do corpo. e muitas vezes elaboradas e criativas. fácil de trabalhar. ceibacolorada (Venezuela). instrumentos musicais. corticeira. que funcionam como telhas na cobertura de casas. palitos de fósforo. assim como os frutos do jenipapo (que fornece tinta preta). Árvore muito interessante para reflorestamento por ser de crescimento rápido e fornecer boa madeira. pra fazer as diversas. Em Rondônia é muito utilizada para fazer tabuinhas. ipê-amarelo. falsocacau. o colorau. mormente à noite. urucuzeiro. ceiba-tolúa (Colombia). muito usado para dar cor e melhorar o aspecto visual de diversos tipos de comidas. Apresenta o tronco recoberto de acúleos. cedroespinoso (Peru. malacaxeta. pochote. utilizada na fabricação de lápis. e formato parecido com o fruto do . • Bombax munguba ou Pseudobombax munguba ou Pachira aquatica – munguba. Bombacaceae ou Bombaceae (bombacáceas) Família da ordem das malvales que reúne 18 gêneros e aproximadamente 100 espécies no Brasil (28 gêneros no mundo). Árvore nativa na Amazônia. brinquedos. • Tecoma stans – caroba amarela. tamancos. • Bombax malabaricum – imbiruçu. flores grandes e vistosas. Árvore madeirável.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 69 • Tabebuia cassinoides – caixeta. Arbusto nativo na Amazônia de cujos frutos (uma baga seca com aspecto espinhento por fora) se retiram as sementes vermelhas para produção de tempero. de coloração marrom. mamorana. Fornece madeira leve. • Tecoma heptaphylla – pau-d’arco-amarelo. caixotaria em geral. Honduras. Imponente árvore das regiões semi-áridas africanas que chama atenção pelo gigantesco porte do tronco que atinge até 10 m de diâmetro. cedro-macho (na Costa Rica). pau-de-tamanco. Árvore nativa na Amazônia de vistosas flores caulifloras e cujo nome do gênero dá nome à família. quinata ou Bombax quinatum – cedro-doce. monguba. castanheiro-do-maranhão. onde armazena água (até 120 mil litros). bem agradável. de folhas palminervadas (de sete folíolos). como uma linda esponja de longos estames branco-amarelados pela base e as pontas tendendo ao grená. Os indígenas utilizam muito as sementes desta planta. • Adansonia digitata – baobá. Bixaceae (bixáceas) • Bixa orellana – urucu. paquira. os frutos são grandes e secos. Árvore que ocorre ao longo de quase toda a Mata Atlântica e também na Amazônia (Rondônia). que apresenta perfume suave. bombacopsis (no Brasil). • Bombacopsis quinatum ou B. O nome do gênero é holotípico da família.

tendo ainda outras utilidades. pyramidale – pau-de-balsa. Com a madeira leve fabricam-se caixotes. tempos atrás. Esta espécie foi muito usada. Com a paina se faz enchimento de almofadas. • Cordia alliodora – freijó. borragine. lagopus ou O. em arborização de muitos lugares (cidades) do Brasil (Rio de Janeiro. • Pachira aquatica – paquira.000 espécies. que se faz presente. • Ceiba speciosa ou Chorizia speciosa – paineira. Árvore exótica que fornece madeira especial muito bonita. sumaúma. Árvore pioneira que ocorre na Amazônia e também por toda América tropical. de madeira leve que serve muito bem para a finalidade que seu nome indica. vistosas e fasciculadas e frutos capsulares cheios de paina. inclusive. Árvore ornamental de porte exótico. Árvore gigantesca originária do Brasil. que pode ser usado em indústria de goma de mascar. sofrer o ataque de uma broca no . construções de balsas. O mesmo que munguba (ver maiores detalhes acima em Bombax munguba). Árvore que apresenta infrutescência aproximada ao algodão. Gigantesca árvore da Amazônia que produz frutos como flocos cotonosos e apresenta tronco imenso que se origina de raízes tabulares. sapota-do-solimões. brinquedos e jangadas. Apresenta a limitação de. paina. travesseiros e colchões. na ilha de Paquetá no Rio de Janeiro. embiratanha. onde houve um movimento de ambientalistas por rejeitá-la. por exemplo. Árvore frutífera da Amazônia de folhas grandes arredondadas. • Quararibea cordata ou Matisia cordata – sapota. • Ceiba pentandra – samaúma. • Borago oficinallis – borragem. Boraginaceae ou Cordiaceae (boragináceas ou cordiáceas) Família que reúne 100 gêneros e 2. Há quem consuma suas grandes castanhas assadas. laurel (esta última denominação na Costa Rica). por exemplo. laminados. folhas de cinco a sete folíolos. ou seja. travesseiros e colchões. • Cavanillesia arborea – barriguda. Planta medicinal indicada para combater uma série enorme de enfermidades e cujo nome do gênero dá nome à família. como substituir a cortiça. como na América Central. como aconteceu em Ouro Preto d’Oeste-RO. que alcança bons preços no mercado interno e externo. que produz frutos saborosos. ou do cupuaçu da variedade mamorana. castanheiro-do-maranhão. com produção de paina que se utiliza para enchimento de almofadas. freijó-louro. flores alvas. No interior de Minas geraisé costume comer as folhas jovens cozidas. que em alguns lugares. castanheiro-da-guiana. recebem boa reputação como alimento. mamorana. • Bombax spruceanum – mamorana-grande. • Ochroma logopus ou O. por ser de outra região). pelo seu crescimento rápido. e da qual se extrai também látex. em alguns lugares onde é cultivado. louro-freijó.70 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades cacau.

Fornece madeira apropriada para construção naval e movelaria de luxo. na evolução do distúrbio. quando solteiro. como . Demora em torno de 20-25 anos para alcançar porte adequado à exploração. Também é indicada como recuperadora de solos (RS) pelas características de ter as raízes penetrando em camadas profundas do solo para retirada de nutrientes e depois deixar uma densa camada de folhas depositada na superfície. ao se decompor. também é vitimada por uma doença que afetando o tronco o deixa com severos cancros que. que é castanha com listras escuras quando adulta. Do Sudeste para cima dá bem praticamente em todas as outras regiões do Brasil. – quiri. Apresenta nas áreas desmatadas próximas aos plantios desta espécie. com as sementes disseminando-se e germinando em larga escala ao encontrar as condições propícias para desenvolvimento. • Cordia sp. ao ter cortada a casca. Ocorre nativa na Amazônia. intensa regeneração natural. daí um de seus nomes populares. por exemplo. em cobertura. Uma grande vantagem da Smoth Cayene é não ter espinhos nas folhas (com as margens serrilhadas. em espaçamento de 3 m x 2 m. kiri. Reúne 46 genêros e 1. Árvore muito indicada para reflorestamento em Sistemas Agroflorestais (SAF’S). devendo ser cultivado de início. Planta ornamental de flores azuis de rara beleza. para depois ir fazendo desbaste. ocorrendo principalmente na zona tropical. que inviabiliza o seu cultivo. Com sua intensa floração se constitui em espécie de grande interesse apícola. pois não tolera competição de copa por luz. todas americanas. A madeira. como ocorreu em plantio de um pequeno produtor rural em Ariquemes-RO. Planta ornamental de onde se extrai essência. freijó-cinza. Propaga-se por perfilhos. confrei. sativa – abacaxi. A variedade pérola. Árvore de madeira leve que é utilizada em reflorestamentos para ser aproveitada na indústria de papel. • Ananas comosus ou A. libera pó semelhante à cinza de cigarro. é de melhor sabor em relação à variedade Smoth cayene. que tem a polpa mais amarelada. que protege o solo e.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 71 ápice caulinar. frei-jorge. O Estado da Paraíba é grande produtor desta fruta. tóxica e forrageira. • Heliotropium peruvianum – heliotropo. conquanto mais ácida. • Symphitum officinalis – confrey. levando ao aniquilamento da planta. leva a planta à morte. • Cordia goeldiana – freijó. mais doce e um pouco enjoativa. melhora a fertilidade deste. ao paralisar o desenvolvimento. Especialíssima fruta tropical que vegeta bem em solos pobres e tem o Brasil como centro de origem. • Misotis aiprestis – miosótis. de polpa mais branca. A pérola é bastante produzida em Pernambuco. Bromeliaceae (bromeliáceas) Família de plantas pertencente à ordem Bromeliales de família única.700 espécies. Planta herbácea medicinal. até alcançar espaçamento aproximado de 6 m x 8 m.

ou Ananas erectifolius – caroá. Espécie muito ornamental com suas múltiplas variedades e cujo nome do gênero caracteriza (dá nome) a família. . em acidente de carro. por exemplo. Linda bromélia indentificada e detalhada em aquarela pela pintora inglesa Margaret Mee. – bromélia. publicado em 1989. – tilandsia. • Tillandsia sp. diversas outras aplicações devido a sua característica de ser comburente. bem ácida. • Protium palidum – breu-branco. que estão sendo difundidas no Nordeste. Planta ornamental. • Tillandsia usneoides – barba-de-velho. Planta de propriedades medicinais. • Bromelia katatas – caraguatá. Árvore nativa da Amazônia. por sua resistência mecânica e leveza. consultar a Embrapa-CNPMF em Cruz das Almas-BA. • Bromelia laciniosa – macambira. da qual se extrai uma resina que por seu odor agradável. Planta ornamental. Burseraceae (burseráceas) • Bursera leptophloeos – imburana. em Belém. mas. • Bursera simaruba – índio-pelado (em Costa Rica). desenvolve projeto de produção de mudas de caroá em larga escala com a utilização dos recursos da Biotecnologia. há uma variedade de abacaxi. por aceitar bem podas de formação e condução. que lá recebe o nome de ananás. Ocorrem ainda outras variedades como a perolera (polpa amarela) e primavera (polpa branca). cujo nome do gênero caracteriza (dá nome) a família. um ano após a sua morte. no Acre. Planta herbácea que fornece fibra usada em substituição à fibra de vidro. umburana. • Vriesia sp – vriesia. imburana-de-cambão. de frutos muito grandes. • Neoregelia margaretae – neoregelia. curauá. tendo também. • Bromelia sp. com sua coleção de pinturas sobre a mesma. Há também na cidade de Guajará Mirim-RO. • Neoglaziovia sp. vindo. emburana. a escrever o belo livro “Em Busca das Flores da Floresta Amazônica”. Planta epífita ornamental. Na região Norte. numa de suas inúmeras expedições pela floresta amazônica. pela qual era apaixonada. Planta epífita ornamental. Planta que fornece fibra de muitas utilidades no Nordeste brasileiro. bem adocicados. sendo esta última de características aproximadas para a pérola. de folhas espinhentas em roseta. está sendo aproveitada na indústria de perfumes. • Quesnelia arvensis – quesnélia. uma variedade de frutos bem pequenos. Nome do gênero caracteriza (dá nome) a família. Para maiores detalhes e informações. empregada como reforço ao plástico na indústria automobilística. Comum na restinga.72 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades tem as demais variedades). • Cryptantus zonatus – gravatá. A Embrapa-CPATU. em Londres. Árvore com propriedades medicinais. aos 79 anos de idade. Árvore usada para reflorestamento e apropriada para cerca viva.

Espécie de cacto muito comum no sertão do Nordeste brasileiro. que se faz com os pequenos cactos ornamentais. Cacto ornamental em formato de bola. Planta ornamental. onde é usada também na alimentação animal.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 73 Cactaceae (cactáceas) Família da ordem cactales (que é de família única). • Melocactus bahiensis – coroa-de-frade. • Cereus undatus ou Hylocereus undatus ou Hylocereus guatemalensis – pitaia. apresenta folhas de 8 cm de comprimento por . • Hatiora sp. – peiote. doces. • Analonium sp. Planta ornamental semelhante a uma árvore em miniatura. • Pereskia grandifolia – cacto-rosa. • Cereus pernambucensis – cacto-da-restinga. Reúne espécies que apresentam folhas alternas e carnosas com espinhos axilares. epifilo. • Epiphyllum hibrid – dama-da-noite. • Pelocereus gounelli – xique-xique. • Hylocereus undatus – cacto-de-três-quinas. Série de pequenos cactos ornamentais muito difundidos no comércio de mudas das grandes cidades. – cacto-ornamental. – palma. Planta ornamental. Planta muito comum no Nordeste brasileiro. • Epiphyllum oxipetalum – flor-de-seda. Planta ornamental. boa para fazer sucos. Reúne 170 gêneros de distribuição quase restrita às Américas. mata-velho. cardeiro. é utilizado como alternativa de alimentação para o gado. Planta que caracteriza o ambiente. • Opuntia elata ou vulgaris – palmatória. • Notocactus sp. • Pereskia aculeata – ora-pro-nobis. Planta ornamental. Muito usada no sertão nordestino em épocas de secas extremas onde consegue ser um dos poucos alimentos remanescentes disponíveis para o gado. geléias. flor-da-noite. vinhos. Cactácea exótica frutífera. • Nopalea sp. onde. O fruto é comestível sendo muito nutritivo. – notocactus. principalmente nas zonas semi-áridas. refrescos. • Cereus jamacaru – mandacaru. e que também tem propriedades medicinais. possibilitando verdadeiras obras de arte. Usado como portaenxerto nos vários arranjos. jamacaru. • Cereus peruvianus – cacto-monstruoso. A planta também é usada como cerca-viva. Planta nativa no Brasil que diferentemente da maioria das espécies da família. palma-forrageira. Muitas das espécies usadas como cavaleiro nos enxertos que criam verdadeiras obras de arte. • Cereus peruvianus minor – cacto-monstruso-menor. onde caracteriza o ambiente e também é usada como forrageira. Planta ornamental nativa no Nordeste. além de caracterizar com forte identidade a paisagem. Nativa do México onde é utilizada como planta alucinógena. • Mamillaria sp. – cactosinho.

com suas fibras sendo usadas na fabricação de tecidos e outros produtos. sendo suas flores usadas em infusão para uso como diurético. Planta bastante usada em artesanato. . • Rhypsalidopsis sp. emoliente e sudorípara. originária da Ásia. Cannaceae (canáceas) • Canna generalis – cana-indica. • Crataeva benthami ou tapia – catauari. São como barbantes que se hospedam nas grandes árvores. haxixe. Árvore nativa na Amazônia de pequeno porte. – flor-de-maio. O caule é repleto de grupos de grandes espinhos pontiagudos. são usadas como droga. cujas folhas tóxicas. cabelo-de-anjo. Planta cujo gênero dá nome à família. e as fibras são usadas na confecção de tecidos. Planta ornamental. – caparis. rhipsalis. Exemplar do Jardim Botânico do Rio de Janeiro apresenta 5 m de altura. – cacto-piliforme. Cannabaceae (canabáceas) • Cannabis indica – cânhamo. onde permanecem colgados. Planta herbáceo-arbustiva. Planta herbáceo-arbustiva. Caprifoliaceae (caprifoliáceas) • Lonicera caprifolium – madressilva. apresentando flores com pétalas lanceoladas e frutos globosos com semente dura. • Sambucus nigra – sabugueiro. Planta trepadeira ornamental de delicado aroma. Reúne espécies muito afins da flor-demaio acima citada nesta família. Seu cultivo é caracterizado como crime e proibido no Brasil. Planta medicinal. ou Schumbergera sp. O gênero é holotípico da família. Também é planta medicinal e industrial. • Cannabis sativa – maconha. Caparidaceae ou Capparideae (caparidáceas) • Capparis sp. principalmente por populações de jovens e nativos em várias partes do mundo. que tem aproveitamento industrial. Planta ornamental com flores rosadas e muito vistosas. secas e curtidas. e de propriedades medicinais. cujo gênero é holotípico da família. trapiá. sendo planta ramificada. • Viburnum dentatum – viburno. originária da Ásia. Planta ornamental européia. • Zigocactus truncatus – zigocactos.74 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 4 cm de largura. • Canna warszewiczii – caeté-mirim. • Rhypsalis sp. oferecendo princípios ativos aproveitados na elaboração de remédios. principalmente anestésicos.

preço acessível. em poucas gerações já podem estar degeneradas. Também é planta industrial. mamão-da-amazônia. O gênero é holotípico da família. que faz parte do hábito alimentar da população local e é comercializada em bancas e tabuleiros disseminados amplamente no comércio popular pelas calçadas da cidade. A variedade “Formosa”. Mamão bravo. • Jaracatia dodecaphylla – jaracatiá. O gênero é holotípico da família. Planta ornamental. porque sendo de polinização cruzada. a obtenção das sementes da “Sunrise solo”. Cariofilaceae (cariofiláceas) • Dianthus cayophillus – cravo. Caryocaraceae ou Rhizoboleae (cariocaráceas) • Caryocar brasiliensis ou brasiliense – pequi. sendo muito apreciado no Brasil Central. como os cruzamentos controlados. de polpa de coloração firme e acentuada. Nos plantios comerciais. mamão papaia. aromáticos. também encontra muito boa aceitação pela população. se não forem adotadas algumas práticas de preservação. a saber: mamão hawaí.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 75 Caricaceae (caricáceas) • Carica papaya – mamão. para compor as diversas refeições do dia-a-dia da população brasileira e para exportação. . • Gypsophila paniculata – cravo-de-amor. com frutos bem doces e compridos (maiores que o “Sunrise-solo”). Muitas são as variedades de mamão. Planta herbácea de flores famosas reputadas como das mais bonitas dentre todas do reino vegetal. é usada na indústria farmacêutica. muito usados como condimento. É considerada também planta medicinal. facilidade e rapidez de produção. sendo o consumo dos frutos recomendado para o bom funcionamento dos intestinos. Árvore comum nos cerrados. o que pode levar o produtor a ter que estar sempre adquirindo sementes de boa qualidade da variedade no mercado. Fornece madeira amarela de grande utilização. Planta ornamental. que eventualmente pode servir de cavalo em enxertia com o mamão domesticado. enzima proteolítica extraída de seus frutos. Nas ruas de Brasília recende o cheiro da fruta cozida. pois a papaína. por sua boa qualidade. mamão-dachina. É uma das frutas mais consumidas pela população brasileira. • Dianthus plumarius – cravina. sendo muito indicada pelo seu pequeno tamanho e sabor superior. de flores grandes e vistosas e frutos oleaginosos. conhecida popularmente por diversos nomes. além de ser usada na fabricação de queijos. além de seus brotos e sementes serem indicados como vermífugos. embora seja menos interessante do que o “papaia”. mas uma das mais comerciais é a “sunrise solo”. como cicatrizante e serve para amolecer carnes. pode se c0onstituir num problema. piqui. pelos frutos maiores.

– figueira-do-amazonas. . e seus frutos são muito apreciados por preguiças e pássaros. que foi desmembrada (em Moraceae. Podese aproveitá-la na indústria de celulose. manu. cucura. em simbiose. chamadas “aztecas”. Gênero reúne espécies cecropiáceas de folhas inteiras. e em contrapartida. embaúba-de-folha-branca. Árvore frutífera da Amazônia. produz frutos muito doces e comestíveis. que saem do interior da folha. Costa Rica. Planta cujo gênero é holotípico família.76 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Caryocar costaricense – ajillo. Turrialba. apresentando o detalhe interessante de que o que parece folha na verdade é um ramo com diversas pequeninas folhas (segmentos). oferecem proteção contra insetos e outros organismos nocivos à planta. fornece boa madeira e também é ornamental. se constituindo estes últimos em importantes agentes de disseminação da espécie. onde faz parte da vegetação que se estabelece inicialmente por muitas regiões tropicais. uva-do-mato. • Pourouma cecropiaefolia – mapati. Árvore frutífera da Amazônia. árvore-dapreguiça. Também é reputada como planta medicinal. • Cecropia hololeuca – embaúba-prateada. passaram a formar família independente. O gênero é holotípico da família. que vão à busca da substância açucarada expelida por glândulas localizadas no pecíolo das folhas da embaúba. • Coussapoa sp. Pela função natural que cumpre. e. o que as diferencia. em oposição às folhas da embaúba. Urticaceae). algumas espécies de formigas pequenas e pretas de picada dolorida. • Cecropia palmata – embaúba. torém. imbaúba. Importante espécie pioneira na regeneração natural de áreas degradadas. é árvore efêmera dando lugar às espécies perenes da ocupação secundária da mata. imbaúba mansa. que tem aproveitamento similar ao parente nobre. uva-da-amazônia. de semelhança com a embaúba. • Pourouma bicolor – uvito. Casuarinaceae (casuarináceas) • Casuarina equisetifolia – casuarina. O gênero é holotípico da família. Cecropiaceae. As folhas apresentam pecíolos peltados que saem dos bordos. Árvore originária da Austrália. Planta que ocorre no CATIE. ambaúba. guarumo. ajo. recentemente. diferente do pequi por ter os folíolos menores e sésseis. árvore-da-formiga. sendo uma variante de nosso mapati. pequiá. sendo indicada para casos de afecções das vias respiratórias. Indicada para cerca viva. Também é chamada de árvore-daformiga porque nela vivem. umbaúba. Árvore que se faz presente na flora da Costa Rica • Caryocar villosum – piquiá. yarumo (estes dois últimos nomes em países centroamericanos e sul-americanos). Cecropiaceae (cecropiáceas) Família cujos gêneros e espécies eram relacionadas (classificadas) na família Urticineae.

No Brasil. espinheira-divina. Apresenta casca cinzenta com manchas alvas. indicado como expectorante e vermífugo. Portugal e Espanha. que não devem ser desperdiçadas. Marrocos. onde temos a cana para suprir esta necessidade. substância destinada ao fabrico de vidros e sabões. • Beta sp. e flores dispostas nas axilas das folhas. Chenopodiaceae ou Quenopodiaceae ou Salsoláceas (chenopodiáceas ou quenopodiáceas ou salsoláceas) • Beta vulgaris – beterraba. • Chenopodium quinoa – quinoa. Planta herbácea cujas folhas são usadas como preciosa verdura. sendo seu sumo que deve ser consumido ao leite. maiteno. É rica em cálcio e ferro. Planta freqüente na Ilha da Madeira.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 77 Celastraceae ou Celastrineae (celastráceas) • Goupia glabra – cupiúva. cozidas ou cruas. • Spinacia oleracea – espinafre. • Chenopodium ambrosioides – mastruz. • Salsola kali – barrilheira. . • Maytenus ilicifolia – espinheira-santa. de grande valor nutritivo. e que tem também propriedades medicinais. que estão presentes também nas folhas. Tem que ser usado com parcimônia. que precisam de fontes importantes para suprir as carências e necessidades funcionais do organismo. Planta medicinal indicada para uso como antisséptico. Pseudocereal originário dos Andes. frutos do tipo baga e madeira amarela que quando cortada exala cheiro forte. Bem apropriado para quem faz regimes vegetarianos. sendo abortiva. prejudicando ainda a absorção destes elementos provenientes de outras fontes. Planta muito bem conceituada como medicinal. além dos carboidratos. de diversas formas. por possuir alto teor de vitaminas e sais minerais (preponderantemente ferro). contendo proteínas. quenopódio. que é fonte de vitaminas e sais minerais necessários para o bom funcionamento do organismo humano. cupiúba. Preciosa planta herbácea cujas raízes são exploradas na indústria açucareira da Europa (a beterraba branca). quinua. enriquecendo muito estes pratos. muitas vezes os tornam indisponíveis ao organismo humano. – acelga. refogados ou enriquecendo sopas. São consumidos os grãos. erva-de-santa-maria. O nome do gênero é holotípico da família. cancerosa. O gênero é holotípico da família. é usada apenas a variedade vermelha como legume em saladas. menstruz. pois por sua alta potencialidade é planta tóxica. cicatrizante (contem substância antimicrobiana). Suas folhas maceradas são usadas também em cataplasmas para curar contusões. podendo ser aproveitadas em forma de saladas. mas é interessante observar que as formas em que se apresentam esses minerais no espinafre (ácidos oxálicos). podendo ainda toda planta ser aproveitada em diferentes formulações no preparo de alimentos. sendo utilizada há séculos para extração de carbamato de sódio (barrilha). Planta herbácea cujas folhas são usadas como verduras na forma de saladas e refogados. sais minerais e vitaminas importantes. Árvore da Amazônia de crescimento rápido que fornece madeira para construção civil. cupiúna.

e fornece madeira-de-lei parecida com a madeira do mogno e do cedro. que produz frutos considerados como dos mais saborosos do mundo. Produz frutos grandes. são próprios para consumo in natura. • Kielmeyera coriacea – pau-santo. de até 2 kg. Quando plantada de pé-franco (a partir de sementes) esta fruteira demora muito a entrar em produção (aproximadamente dez anos). mariae – jacareúba. em outras partes do Brasil e na América Central. Essa praga (abelha- . comestíveis in natura e usados para fazer doce. propícia para elaboração de sucos. uma vez que se forem destinados ao preparo de sucos. de sabor ácido. oxidam e perdem a sua principal característica que é o seu extraordinário sabor. que são ricos em vitamina C e potássio. • Garcinia mangostana – mangostão. onde leva até dez anos para iniciar produção. diminuta pulga de regiões tropicais). com a vantagem de que nesta planta não ocorre a temível broca-dos-ponteiros que afeta aquelas meliáceas famosas. Tem látex amarelo na casca que é reputado como medicinal. produz frutos sem que haja fecundação. Fruteira tropical originária da Ásia.78 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Ciclantaceae (ver Cyclanthaceae) Ciperaceae (ver Cyperaceae) Clusiaceae – ex-Guttiferae (clusiáceas – ex-gutíferas) • Calophyllum brasiliensis ou C. “a rainha das frutas”. • Clusia sp. e muito procurada pelas abelhas-cachorro que perfuram o tronco rendilhando-o a procura desta substancia que. cedro-do-pântano. hemorróidas e próstata. Planta comum no cerrado. de cujo nome do gênero deriva o novo nome da família. indicada como antidepressivo. característica de mangue. coriáceas. O tronco exsuda uma resina amarela inseticida eficaz contra o bicho-de-pé (Tunga penetrans. brasiliense ou C. Fruteira arbórea de origem asiática que apresenta frutos grandes de casca e polpa amarela. onde encontra condições propícias ao seu cultivo. abricó-do-pará. cedro-maria (este último nome na Costa Rica). Árvore que ocorre nativa na Amazônia. • Garcinia cochinchinensis – Falso-mangostão. mousses e sorvetes. provavelmente. sendo indicado para tratamento de úlceras. com propriedades medicinais. alcançando o Brasil. utilizam na impermeabilização ou sanitarização do seu ninho. Foi a primeira madeira-de-lei brasileira a ter uma lei protegendo-a (decreto de 1835). guanandi. A espécie apresenta característica de apomixia. Os frutos. – clúsia. que introduzida na América Central se adaptou muito bem e se espalhou pela região. É também planta medicinal com suas folhas febrífugas e sementes anti-helmínticas. e por isso não há variabilidade e variedades. ou seja. mangostín (esta última denominação nos EUA). Planta frutífera originária da Malásia. • Mammea americana – abricó. Planta ornamental de folhas arredondadas. grossas. antillanum ou C. mangostãozeiro. Adapta-se muito bem às condições climáticas da Amazônia onde produz até mais rápido (em sete a oito anos) do que outros lugares tradicionais de cultivo.

As sementes demoram muito para germinar (até um ano). desenvolve trabalho de pesquisa no sentido de produzir frutos de sementes menores ou sem sementes. Toda a planta exsuda látex amarelado. fruto bacáceo com pequenas sementes. que as atrai para serem eliminadas. o que se constitui numa inconveniência. As flores submetidas à destilação dão lugar à bebida refrigerante e inebriante. • Rheedia macrophylla – bacuripari. que na Ásia é considerada “a rainha das frutas”. A madeira é dura e boa para carpintaria.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 79 cachorro) controla-se com iscas contendo melado. doces e saborosos. Esta fruteira é muito apropriada para ser cultivada em toda a Amazônia. A Embrapa Amazônia Oriental. espalhadas pela área de plantio. através de pedaços de raiz que são destacados e se diferenciam emitindo estruturas aéreas que dão lugar à nova planta. • Vismia cayenensis – lacre. acuminadas. uma vez que as sementes muito grandes nesta espécie ocupam a maior parte do fruto. amarillón. rublo-coral (estes dois últimos nomes em Costa Rica). flores avermelhadas dotadas de glândulas negras. Árvore frutífera nativa na Amazônia que produz frutos menores e mais ácidos do que o bacuri. • Platonia insignis – bacuri. achyotillo. Combretaceae (combretáceas) • Terminalia amazonica – amarelona. Tem a característica de poder ser arrancada já grande. que também virá a produzir precocemente (em torno dos cinco anos de idade) em relação aos bacurizeiros propagados por sementes. onde apresenta desenvolvimento exuberante. Árvore que produz madeira de boa qualidade. A fermentação dos brotos do abricoteiro produz bebida inebriante. Ocorre das Antilhas ao Alto Amazonas. Esta antecipação pode ser conseguida também através da efetivação da prática da enxertia das mudas de bacuri. mas este problema pode ser contornado com a reprodução vegetativa da planta. tendo inclusive uma espécie que produz frutos de qualidade aproximada ao mangostão. fazer-se poda e o toco enraizar bem. cremes e sorvetes. agravada pelo fato das cascas dos frutos também serem bastante espêssas. que deve ser através do método de garfagem de topo. o que o torna mais apropriado para consumo na forma de sucos e refrescos. Árvore de porte mediano que ocorre na Costa Rica. Árvore de folhas oblongas. • Vismia macrophyla – vismia. guayabón negro (denominações em Costa Rica). deixando pouco espaço para a polpa. Árvore madeireira . que levam em torno de dez anos para começar a produzir. • Terminalia bucidioides – escobo. Árvore frutífera nativa da Amazônia que produz frutos grandes e muito apreciados no mercado regional para elaboração de sucos. pela extraordinária excelência de seus frutos. Há algumas outras espécies do gênero Rheedia que produzem frutos pequenos.

oferece belo efeito visual. tem quem os aprecie para consumo in natura. • Tradescantia diuretica – tradescantia-diurética. . Também é de muito fácil propagação. chapéu-de-sol. com suas fezes arroxeadas. Enfeita por demais os ambientes onde é utilizada na composição de arranjos paisagísticos. castanhola. olhode-santa-luzia. com seus ramos enraizando com extrema facilidade. Seus frutos embora não sejam de sabor especial. amendoeira-da-índia. Planta herbácea toda de cor lilás ou roxa (estolões e folhas). Planta ornamental. marianinha. marianinha. onde é muito usada em arborização de cidades. • Terminalia chiriquensis – terminalia. • Setcreazea purpurea – setcrezea-púrpura. • Commelina deficiens – trapoeraba. Interessante e bonita planta ornamental colgante. por sua rusticidade e bom desenvolvimento em condições urbanas.80 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Terminalia catappa – amendoeira. guayabón. o que a torna muito requisitada na elaboração de projetos paisagísticos de jardins domésticos. • Tradescantia albiflora – tradescantia. • Cyanotis somaliensis – cianotis. • Terminalia oblonga – surá. • Terminalia taninbouca ou Buchenavia oxycarpa – tanimbuca. que se reproduz vegetativamente com facilidade. no contraste de cores. ornamental e medicinal (diurética). e de muito fácil propagação. Árvore nativa em Costa Rica onde é bem conceituada por fornecer madeira que alcança bom valor no mercado. onde. A mais comum das tradescantias. • Terminalia ivorensis – terminalia-africana. Nativa no continente americano. o que a torna muito interessante para composição de arranjos em jardins. causam dano ao mobiliário urbano. invasora. Árvore originária da Malásia. Grande árvore madeireira nativa da Amazônia. enfeitando varandas e quintais. Commelinaceae (comelináceas) • Callisia repens – mini-tradescantia. Planta de flores azuis. que em 1992 fez um decreto proibindo o plantio desta espécie nas ruas do município. e por isso muito se faz presente em habitações populares. surán. andaca. cujo nome do gênero dá nome à família. sete-copas. pois consegue vegetar em terrenos salgados e arenosos. sendo espécie de crescimento rápido. ao que parece por ser atrativa de morcegos frugívoros que depois. • Tradescantia zebrina ou Zebrina pendula – zebrina. Árvore originária da África e introduzida na Costa Rica onde sua madeira alcança valorização igual à de outras terminalias nativas. Plantinha medicinal. o que acaba tornando-a quase como uma praga. castanheira. inclusive em ambientes praianos. muito bem aclimatada no Brasil. além de resistir bem aos efeitos dos ventos. com a propriedade que seu nome científico está a indicar. Planta herbácea de folhas listradas em verde e branco. apresenta folhas listradas de verde e prata com o dorso de coloração lilás ou roxa. Trata-se de uma das dez espécies mais presentes na arborização da cidade do Rio de Janeiro.

• Artemisia vulgaris – artemísia. • Bidens pilosus – picão. Existe outra planta com o nome de arnica-brasileira (Lychonophora ericoides). indicada para tratar problemas do fígado. • Artemisia absinthium – absinto. Existe outra camomila nativa. desta mesma família. macela-do-campo. • Arnica montana – arnica. que tem largo uso popular. Excelente planta medicinal muito indicada principalmente para aliviar dores provocadas por contusões e na cicatrização de feridas. sendo suas folhas utilizadas na forma de chás. • Artemisia dracunculus – estragão. • Baccharis genintelloides ou genistelloides – carqueja. afecções da bexiga. bacaris. Nesta grande família está concentrado um enorme número de plantas medicinais e apícolas. Planta medicinal arbustiva. contém substâncias tóxicas que podem causar transtornos ao usuário. carrapichinho-de-agulha. sendo indicada. Erva exótica (que ocorre na Europa e América do Norte) muito utilizada como condimento e que também tem propriedades medicinais. fabricava-se uma bebida (aperitivo) requintada e famosa há alguns anos (licor de absinto). desde tinturas a pomadas. Planta ornamental. Planta medicinal e tóxica exigindo cautela para o seu uso. Planta medicinal indicada no tratamento de vários problemas de saúde como reumatismo. para aliviar cólicas menstruais e como antisséptico. macelinha. erva-picão. • Anthemis nobilis – camomila-romana. Planta medicinal de excelentes propriedades como eficaz auxiliar (na forma de chás) para uma digestão saudável. inclusive para controlar cólicas de bebês. marcela. cujo gênero dá um dos nomes da família (Asteraceae). pois apesar de ser indicada como coadjuvante no tratamento de uma série de problemas de saúde. losna. que tambem é reputada como excelente planta medicinal com indicações similares às desta arnica de origem européia. camomila-nacional. • Aster sinensis – mal-me-quer. Tem a característica principal de apresentar as flores em capítulos. muito utilizada em medicina popular. A partir de substâncias desta planta.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 81 Compositae ou Asteraceae (compostas ou asteráceas) Família que reúne 900 gêneros e 14. Planta medicinal de uso popular. por exemplo. comercializados nas farmácias e casa de produtos naturais. Planta medicinal da qual se retira flavonóide empregado na indústria farmacêutica. Usada na alimentação do tipo macrobiótica de origem japonesa. • Achyrocline satureoides – macela. Uma das plantas medicinais de que se tem maior comprovação científica de seus efeitos positivos. benéficos para a preservação da saúde. Planta medicinal. como o girassol. já havendo vários produtos. por exemplo. pedra na vesícula e nos rins. desta mesma família.000 espécies espalhadas pelo mundo. • Alomia fastigiata – matapasto. .

• Kuhnia arguta – erva-de-santana. georgina. Rica em vitaminas do complexo B e sais minerais. Planta ornamental que produz uma das mais belas flores dentre todas existentes na Natureza. Planta alimentícia (batatas) e medicinal. de diferentes matizes. mas todas encerrando rara beleza. Planta ornamental de flores vistosas. • Careopsis grandiflora – margarida. É planta rústica. pela grande durabilidade. • Cynara scolimus – alcachofra. girassol-batateiro. • Gerbera sp. • Chrysanthemum coronarium – margarida-amarela. Planta ornamental que produz linda flor escamada (como se fosse uma alcachofra). • Chrysanthemum sp. alcachofra-de-jerusalém. • Dalia variabilis – dália. . Árvore multiuso que ocorre nas regiões de mata Atlântica e de Cerrados brasileiros. incanus – candeia. Planta herbácea ornamental que apresenta flores de rara beleza. com o incremento do biodiesel. Planta medicinal. – gerbera. passa a ser uma das espécies do programa nacional de oleaginosas a ter o cultivo incentivado. Planta herbácea que fornece folhas que são saborosas quando usadas como verdura em saladas. Planta muito interessante por suas sementes oleaginosas que fornece óleo comestível de ótima qualidade. pelas quais é aproveitada na indústria farmacêutica. pouco exigente em fertilidade do solo. Produz também óleo de excelentes propriedades medicinais. Planta medicinal. Planta ornamental. Planta herbácea cujas folhas são usadas como verdura em saladas e como tempero no preparo de carnes. • Hellianthus tuberosus – tupinambo. Planta ornamental. e por isso ideal para ser cultivada em regiões de solos pobres. • Chinolaena ou Chionolaena latifolia – arnica-do-campo. As sementes também são muito usadas na alimentação de pássaros. • Chicorium endivia – chicória. Hortaliça nobre e planta medicinal indicada no tratamento do fígado. sendo sua madeira. Agora. largamente aproveitadas para produção de moirões. • Eremanthus erythropapus ou E. Existem diversas variedades umas de flores maiores. Com os resíduos da fabricação de óleo se produz torta usada como adubo orgânico. São Roque (SP) é o principal centro de produção desta planta no Brasil. Forma inflorescências enormes de rara e magnífica beleza. Planta medicinal. • Emilia sonchifolia – pincel. sendo indicada para contornar uma série de problemas de saúde. • Chicorium intybus – almeirão. • Hellianthus annuus – girassol. outras menores. Planta medicinal que tem as mesmas propriedades da Arnica montana e da arnica brasileira (Lychnophora ericoides) (ver detalhes destas outras duas plantas que pertencem a esta família). – monsenhor. Come-se a sua inflorescência imatura. • Chrysanthemum parthenium – matricária.82 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Calendula arvensis – mal-me-quer-dos-campos. cambará-branco.

juntamente com os camarões secos.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 83 • Lactuca sativa – alface. erva-depinguço. a esta fina iguaria das populações amazônidas. compondo saladas nas mesas dos brasileiros de norte a sul do país. Planta invasora de caule tomentoso. • Mikania glomerata – guaco. – bardana. que podem funcionar também na melhoria da fertilidade do solo. • Lychnophora ericoides – arnica-brasileira. carrapicho-de-carneiro. com acentuadas propriedades curativas em casos de traumatismos. ocorre a transposição e disponibilização na superfície. o que a torna recomendável para ser administrado para alguns recém-nascidos com renitentes problemas de cólicas. Planta usada como hortaliça. pela grande demanda que recebe do mercado consumidor. De fácil cultivo e sem maiores problemas fitossanitários se constitui para os olericultores em interessante opção de trabalho. • Matricaria chamomilla – camomila. reputada como de propriedades curativas de problemas estomacais e digestivos. por fazer parte no preparo de pratos regionais. enjoativo. Planta herbácea muito interessante para uso na alimentação humana. picante. Planta medicinal que é uma das mais usadas para fins terapêuticos. inclusive cobra. suas profundas. • Spilanthes oleraceae – jambu. onde suas folhas são servidas mergulhadas na goma e no molho de tucupi. sendo indicada como calmante e muito propícia para controlar problema de gases. Planta ornamental. alfinete-domato. muito cultivada na Amazônia. porque de suas folhas elabora-se um potente adoçante natural saudável e não calórico. malva-santa. macela-nobre. • Vernonia condensata – boldo-baiano. Usada em medicina popular. de elementos nutrientes disponíveis em camadas mais profundas do solo. Plantinha ruderal cujas folhas podem ser usadas como verdura em opção de alimentação alternativa. atuando como antiinflamatório. . • Tagetes erecta ou T. por suas propriedades reguladoras do bom funcionamento do organismo. Planta medicinal de uso inclusive na indústria farmacêutica. • Sonchus oleraceus – serralha. Planta ruderal que apresenta flores vistosas. dando um toque especial (de ardência. para curar ferimentos e até para tratar picadas de animais peçonhentos. São usadas na alimentação do tipo macrobiótica. Planta medicinal utilizada para combater problemas do aparelho respiratório. falso-boldo. principalmente o famoso tacacá. camomila-dos-alemães. • Lappa tomentosa ou Arctium sp. que também é recomendada como planta medicinal diurética. Planta muito importante em naturalismo (alimentação natural). erva-fedorenta. conquanto de cheiro forte. minuta – cravo-de-defunto. que também é usada como defensivo agrícola natural para repelir nematóides (espécie de pequeninos vermes que causam danos às plantas). • Senecio rowleyanus – pérola-verde. quando na decomposição da parte aérea. de dormência na língua). grossas e macias raízes. • Pterocaulon virgatum – barbasso. Planta que fornece a folhagem mais usada como verdura. alado. • Stevia rebaudiana – stévia.

os pinhões. A espécie também tem propriedades medicinais. • Araucaria heterophilla – árvore-de-natal. Cupressaceae. sendo a planta também reputada como de excelentes propriedades medicinais. espalhada por várias partes do mundo cristão. apresentam as sementes nuas). apresenta o detalhe da sua proliferação se dar por meio do hábito da gralha azul (um pássaro) em seu aprovisionamento enterrar as sementes. – junípero. . carrapichode. polianthes – assa-peixe. • Casuarina equisetifolia – casuarina. Árvore originária da Austrália. de rara beleza com sua forma piramidal. Planta muito tradicional. Planta originária da China. • Xanthium orientale ou Acanthospermum hispidum – carrapicho. moças-e-velhas. que eram subfamílias e passaram a ser famílias (ver também estas novas famílias citadas). • Cupressus sp. • Zinnia elegans – zínia. Planta de grande efeito ornamental com sua forma cônica e suas folhas rendilhadas. Singela planta ornamental que. Recentemente foi desmembrada. e seus gêneros foram classificados nas famílias Araucaraceae. e sua madeira também já foi muito usada na região onde ocorre naturalmente. Pinaceae. acabando assim por efetuar uma eficiente dispersão da espécie. • Wedelia paludosa – margaridinha. Coniferae (coníferas) Grande família de Gmnospermas (que por não ter frutos ou ter frutos abertos. Planta invasora cujos frutilhos com espínulas costumam se fixar na pele ou na roupa de eventuais transeuntes que inadvertidamente circulam ao seu redor. melhorada geneticamente. Suas sementes. • Araucaria angustifolia – pinheiro-do-paraná. cupressus.84 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Vernonia poliantes ou V. principalmente sob forma de chás e xaropes no combate a afecções do aparelho respiratório. Planta arbustiva invasora com extraordinário potencial melífero dado a sua intensa floração ser muito procurada pelas abelhas. Este gênero reúne mais de uma centena de espécies. Taxodiaceae. – cipreste. Ver mais detalhes na família cupressaceae. fornece boa madeira e também é ornamental.carneiro. vitaminas e sais minerais. Uma lástima que ocorre é que por causa das intervenções no meio ambiente a gralha azul está em perigo de extinção junto com a árvore que já ocorreu em grande abundância na região Sul do Brasil. canela-de-velho. pinheiro-de-norfolk. Podocarpaceae. com seus mosaicos causando efeito muito bonito e decorativo onde é cultivada em arranjos paisagísticos. são excelente alimento rico em carboidratos. Taxaceae. Árvore característica das matas do Sul brasileiro. Ver mais detalhes na família casuarinaceae. Planta ornamental ruderal de flores muito vistosas. muito utilizada em projetos paisagísticos. onde integra as comemorações do nascimento de Jesus Cristo. Casuarinaceae. oferece flores com um sem número de cores. • Juniperus sp. rígidas e miúdas.

pinheiro-bravo. racemosa – cipó-chumbo. taeda ou P. fornece boa madeira. • Podocarpus lambertii – podocarpus. cuscuta. Comem-se também as folhas novas refogadas (após cozimento). • Sequoia sempervirens – sequóia.0 m x 0. Planta parasita que tem utilização em medicina popular. O espaçamento indicado para a cultura deve ser de 1. Cem quilos de raízes fornecem ramas para plantar 1 hectare. É interessante fazer viveiro em espaçamento de 1.600 espécies gamopétalas. A praga principal é a broca-da-batata.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 85 • Picea jungens – abeto. Raiz de excelentes propriedades alimentícias. A colheita se dá quando a parte aérea da planta murcha (aproximadamente 110 dias após plantio). E depois mais duas vezes com intervalo de 60 dias. • Cuscuta umbellata ou C. pinheiro-domato. Planta ornamental de porte médio que ocorre nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. Planta ornamental de grande beleza com sua forma cônica e suas folhas rendilhadas. Da batata pode-se obter também farinha de boa qualidade.5 m x 0. heterophylla – pinus-eliotti ou pinho-eliott. Reproduz-se por meio de estaquia dando-se preferência às pontas como material propagativo. sendo espécie indicada para reflorestamento. Árvore que além de ser muito ornamental com seu brilho intenso. Cada batata plantada dá em media 20 ramas. de preferência na lua cheia. • Pinus caribea – pinus caribea. sendo comum nas Montanhas Rochosas dos EUA. Grande pinheiro que atinge até 30 metros de altura e vive em torno de 500 anos. pinheirinho. • Ipomoea fistulosa – erva-canudo. • Ipomoea batatas – batata-doce. No plantio. • Convolvulus mauritanicus – convolvulus. Imensa árvore da família das taxodiáceas que alcança porte monumental. • Taxus bacatta – teixo. • Pinus eliotti ou P. como bem reza a cultura popular. Árvore que fornece boa madeira e também é muito ornamental com suas espiculadas folhas lustrosas. . enterrando-se poucos entrenós (um ou dois) se produz batatas grandes e poucas. tem propriedades tóxicas (envenena animais no pasto) e contém substâncias usadas na fabricação de remédio (Taxotere) indicado para tratar câncer de próstata (e outros). • Thuya occidentalis ou Biota occidentalis – thuya.3 m. Convolvulaceae (convolvuláceas) Família da ordem das tubifloras que reúne 51 gêneros e 1. Planta invasora melífera. Enterrando mais entrenós (três ou quatro).5 m a partir de batatas que em aproximadamente 100 dias depois estarão em condições de fornecer as ramas. se produz muitas batatas pequenas. Planta cujo nome do gênero caracteriza (dá nome) a família. Planta de origem européia. larva de besouro que torna a batata imprópria para consumo (com gosto muito desagradável). e dela também se explora comercialmente uma resina de muito boa qualidade. que se planta.

. bastante ornamental. e também usada como comestível em saladas. flor-de-cardeal. jundu. Planta ornamental cujo gênero dá nome à família. Ocorre em quase todas as praias do litoral brasileiro. Vegetação de restinga. • Bryophyllum sp. Planta herbácea rústica. • Echeveria cornicolor ou Graptopetalum paraguayensis – echeveria. • Costus spicatus ou C. Também é planta medicinal. folha-da-fortuna. delicadas. salsa-da-praia. boa-tarde. e muito útil como fixadora de dunas. corama. algumas de rara beleza. Planta trepadeira invasora muito ornamental com suas flores vermelhas tendendo ao grená. Usa-se também suas folhas maceradas em cataplasma para aliviar dores e inchaços causados por contusões. Planta ornamental de fácil propagação. de folhas grandes que apresentam a interessante propriedade de emitir inúmeros perfilhos. cana-d’água. considerada extraordinária em casos de afecções pulmonares. cana-de-macaco. Crassularaceae ou Crassulaceae (crassularáceas ou crassuláceas) Família que reúne algumas das chamadas “plantas suculentas”. principalmente diurética. cana-do-brejo-roxa. Costeaceae (costeáceas) Família cujos gêneros eram relacionados como subfamília das Zingiberáceas. – batata-de-purga. Planta ornamental. cana-do-mato. • Kalanchoe fedtschenkoi – kalanchoe. Cipó lenhoso com propriedade • Quamoclit quamoclit – quamoclit. batata-da-praia. Suas ramas exsudam látex. o que é raro na família. ornamental com inflorescências excêntricas em forma de bastão e suas flores vistosas. em sua bem característica e original reprodução vegetativa. sendo consumido geralmente o sumo extraído de suas folhas batidas com leite no liquidificador. • Kalanchoe marmorata – fortuna-de-folha-de-borda-rajada. em geral propagam-se magnificamente bem por via vegetativa. cana-do-brejo. ou Kalanchoe brasiliensis – saião. • Operculia alaba medicinal. • Crassula arborescens – crassula. Planta medicinal. Planta ornamental parecida com o saião. • Bryophyllum calycinum ou Kalanchoe pinnata – fortuna. tem folhas com bordos dentilhados e arroxeados. com suas flores rosadas. spiralis – costus. cujas espécies. Apresentam corolas tubulosas e longos estames brancos. Planta ornamental. pirarucu. rosa crassula. usada para diversas finalidades.86 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Ipomoea pescaprae – ipomea pé-de-cabra.

Apresenta alguns problemas de pragas (lagartas) em seu cultivo. • Brassica hirta ou Sinapis alba – mostarda. sendo interessante alternativa de produção agrícola para pequenos produtores hortifrutigranjeiros. Umas das verduras de maior uso pela população brasileira. . Possuem vitaminas e sais minerais. onde antagonistas e predadores são produzidos para controlar a incidência de problemas fitossanitários. Planta exótica. Excelente verdura rica em vitaminas e sais minerais. que.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 87 Cruciferae ou Brassicaceae (crucíferas ou brassicáceas) Família de plantas cujas flores têm as pétalas em forma de cruz. e reputada como possuidora de elementos interessantes para prevenir câncer de próstata. e de cujas sementes se extraem o óleo. Planta que apresenta tubérculos brancos. • Brassica oleracea var. • Brassica oleracea var. Também tem propriedades medicinais. que pode ser consumida refogada ou em saladas. muito tem a contribuir para o bom funcionamento do organismo humano. o couve-flor é reputado como alimento funcional preventivo de câncer. • Barrica nigra – mostarda preta. Por ser muito rica em cálcio. Erva muito utilizada na indústria de condimentos. suas folhas também podem ser consumidas cruas. • Brassica oleracea – couve. para enriquecer as refeições da família. • Brassica campestris – colza. que são comestíveis na forma de saladas e sopas. • Brassica napus – nabo. Usado em alimentação macrobiótica. por sua facilidade de cultivo e o relativo bom preço que alcança no mercado. sendo riquíssima em vitaminas e sais minerais. fósforo e ferro. As folhas também podem ser aproveitadas em sopas. melhorada no Canadá. italica – brócolis. além da possibilidade de atualmente já se poder contar com os avanços que vêm sendo perpetrados na área do controle biológico. Outra verdura importante do grupo das couves. sendo seu xarope recomendado para uso em caso de afecções pulmonares. atuando algumas delas como alimentos funcionais que são usados na prevenção de diversos problemas de saúde. por exemplo. • Brassica rapa – canola. refogadas ou cozidas em sopas. compridos. capitata – repolho. • Brassica oleracea var. mas que são plenamente contornáveis em cultura conduzida com as técnicas e cuidados que se fazem necessários. essenciais no balanceamento da boa dieta humana. Variedade de couve que no inverno serve de forragem. e apresenta algumas das espécies mais usadas na alimentação humana. Rica em sais minerais. Variedade de couve de cabeças miúdas com boas propriedades como alimento funcional. botrytis – couve-flor. Espécie com características semelhantes à mostarda ou mostarda branca. • Brassica oleracea var. apreciada em todos os quadrantes do rincão brasileiro e também em muitas outras plagas pelo mundo à fora. que ganhou expressão mundial pela excelência do óleo comestível que dela se produz. para quem faz uso constante dele. na classe de verduras e legumes. gemmifera – couve-de-bruxelas. Excelente verdura que fornece como alimento sua saborosíssima e extraordinária flor.

assim como todas as verduras e legumes de um modo geral.88 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Nasturtium officinale – agrião. • Senebiera pinnatifida – mastruço. • Crysobalanus ou Chrysobalanus icaco – guajiru. Árvore frutífera da Amazônia. objetivando um bom desempenho de toda família em seus diversos afazeres cotidianos. marirana. Árvore frutífera nativa na Amazônia. Planta cujo gênero caracteriza (dá nome) a família. e parecidos com uma goiaba grande. para se ter sempre à mão uma riquíssima fonte de sais minerais e vitaminas. Outra planta de tubérculos apropriados para consumo em forma de saladas e sopas. Também o xarope feito com esta plantinha tem propriedades medicinais. Crysobalanaceae ou Chrysobalanaceae (crisobalalanáceas) Família cujos gêneros são relacionados em subfamília das rosáceas. amazonica – umarirana. Deve-se ter cuidados especiais em seu consumo. • Couepia subcodata ou C. Planta aquática muito apropriada para ser consumida como verdura em saladas que são por demais enriquecidas com sua presença. e também é usada para arborização urbana. cor também da polpa. Majestosa árvore de copa frondosa parecida com o oiti. Há variedades também apropriadas para cultivo em terra firme. livres de possíveis microorganismos patogênicos. dos quais se extrai óleo especial de alto poder secativo. o que o recomenda para ser cultivado em hortas caseiras. para que estejam bem limpas. em até um mês depois de semeado ou transplantado para o canteiro definitivo. bracteosa – pajurá. . • Couepia brasiliensis ou C. que são consumidas in natura. como isopor. o que torna recomendável sua utilização em casos de anemia. porém sem oferecer maiores atrativos por ser um tanto insípida e ressequida. sendo habitualmente consumido misturado ao leite. de largo uso pelas populações rurais. • Roripa armoracia – rábano. empregado em trabalhos de artes plásticas e outros para secar tintas e vernizes. Os frutos quando maduros são externamente amarelos. Produz frutos amarelos oleaginosos. Planta herbácea usada como hortaliça na alimentação humana. também usada na arborização de rua por não ser de porte muito grande em altura e ter larga copa que promove sombra muito adequada. o fato de produzir muito rápido. Arbusto que produz frutinhos rosados de tamanho geralmente menor que um limão e que tem polpa branca comestível. sendo calmante de tosses e outros problemas das vias respiratórias. maçãzinha-da-praia. Planta medicinal. • Raphanus sativus – rabanete. recebendo uma série de recomendações para tratamento de diversos problemas de saúde. pelos relevantes teores de sais minerais que encerra principalmente ferro. nocivos à saúde humana. • Licania rigida – oiticica. sanitizadas. Tem como principal característica de grande interesse. que fornece boa madeira para fabricar pilão e carro de boi.

Planta trepadeira herbácea de folhas partidas. possuidoras de gavinhas para fixação. com propriedades medicinais. que são apreciadas por europeus e americanos do norte. fruto baga. – melancia-do-deserto. numa das principais avenidas do centro da cidade. de plantas geralmente rastejantes. sendo as mais indicadas para cultivo a Fairfax e Charleston Gray (compridas) e a Omaru Yamato e Crimson Sweet (redondas). • Cucumis anguria – maxixe. preferindo os terrenos arenosos. de propriedades medicinais. A deposição dos frutos também não traz maiores riscos e inconveniências. tajujá. • Apodanthera smilacifolia – cipó-azougue. estando muito presente inclusive. não apresentar queda de folhas. quando encontram suporte. de efeito purgativo acentuado. taiuiá. além de não oferecer maiores riscos de tombamentos. muito utilizada em arborização urbana. de flores pequenas. por suas raízes não serem muito superficiais. flores amarelas. para onde se destina grande parte da produção desta fruta. como a Sugar Baby. que ganhou incremento extraordinário nos últimos anos com a . Excelente fruta. limita o emprego de espécies para esta finalidade. É bem adequada para este fim. sendo uma das espécies que prevalecem nas ruas da cidade do Rio de Janeiro. o que acarreta não arrebentar as calçadas. • Coloccynthis sp. onde é um dos principais componentes da pauta de exportação de frutas da região. adaptando-se a diversos tipos de clima. Árvore grande. Planta encontrada no deserto do Saara. de muitas variedades. Planta invasora aquática. povos de maior poder aquisitivo. muito doces. uma vez que são de pequeno tamanho e sem maiores atrativos para consumo humano. e trepadeiras. • Citrullus vulgaris ou C. lanatus – melancia.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 89 • Licania tomentosa ou Moquilea tomentosa – oiti. Planta herbácea cujos frutos se constitui em apreciado legume. Existem muitas variedades comerciais de tamanho grande. Trabalhos de melhoramento com a espécie já conseguem disponibilizar no mercado variedades de melancias pequenas. característica esta que uma vez presente. • Citrullus sp. – abóbora-d’água. • Cayaponia tayuya – abóbora-d’anta. a Presidente Vargas. com boas possibilidades de sucesso. onde é componente comum da culinária regional. cultivados em várias partes do mundo. por funcionar mal na promoção de sombra. Habita os brejos. Planta herbácea rastejante que produz frutos muito saborosos. Planta medicinal. ou seja. enramadeiras. Cucurbitaceae (cucurbitáceas) Família de plantas da ordem cucurbitales de família única. • Cucumis melo – melão. principalmente no Nordeste brasileiro. entre as quais algumas estão sendo muito cultivadas no Nordeste brasileiro. Também variedades de frutos de polpa amarela e variedades sem sementes estão sendo lançadas no mercado. e por não ser “caduca”.

• Cucumis sativa – pepino. Fruta exótica que externamente se parece com fruto de cacto e internamente com kiwi. até os de cultivo em maior escala. • Sechium edule – chuchu. com sua fantástica rede de fibras entrelaçadas em seu interior. (provavelmente por sua origem exótica). • Momordica charantia – melão-de-são-caetano. por exemplo. apanhar água. casca amarela e polpa branca. requisitados na culinária de muitos povos e regimes alimentares diversos. sendo. cuieira. respectivamente. principalmente como vermífugo. O gênero é holotípico da família.90 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades disponibilização e adoção da prática de irrigação. saladas. • Cucurbita lagenaria ou Lagenaria sp. Também são usadas na confecção de artesanato. servindo como esfregaço para tomar banho e para limpeza de utensílios domésticos (neste último aspecto funcionando como palha de aço). principalmente no Nordeste brasileiro. de casca verde e polpa alaranjada. etc. muito embora sua característica de ser um tanto insípido não exerça maiores atrativos para algumas pessoas. Planta herbácea rastejante cujos grandes frutos se constituem em extraordinário legume muito apreciado na culinária brasileira. desde algumas de cultivo mais sofisticado em estufas. • Cucurbita maxima – abóbora. etc. cozidos. É considerada também planta medicinal. de excelente qualidade e sabor. Planta herbácea trepadeira cujos frutos muito originais e característicos. como por exemplo. sendo indicada no tratamento de uma série de problemas de saúde no meio rural. que produzem frutos de tamanho menor. os japoneses e a macrobiótica. de casca verde escura. Existem muitas variedades comerciais. Planta herbácea trepadeira cujos frutos se constituem em apreciado legume. malgrado compor pratos tradicionais da culinária brasileira. em sopas. como o amarelo CAC de formato redondo. tendo melhor aceitação na forma de suco. Planta herbácea trepadeira cujos frutos se constitui em apreciado legume usado em forma de saladas. • Cucumis metuliferus – kino. – cabaça. Planta de grande utilidade rural. etc. portanto desaconselhável para consumo in natura. como o famoso “camarão com chuchu”. Hokkaido. pois suas sementes torradas atuam como vermífugo e o consumo do fruto atua na regularização do funcionamento do intestino. .. Espécie trepadeira invasora que encontra aplicação como planta medicinal. porém bastante amarga e. para guardar alimentos. Este gênero dá nome à família. O melão amarelo CAC é proveniente do Valenciano amarelo. Há variedades chamadas de Kabutia. pois de seus frutos grandes e de casca dura se faz a cuia e as cabaças usadas como utensílio doméstico em vastas regiões da zona rural. como New Prince. kiwano. decantado até em versos famosos da música popular brasileira. utilizado de diversas formas: refogados. e o de casca rajada. e o New Prince é de origem européia. • Luffa cylindrica – bucha. cabacinha-amargosa. arredondados. são de grande utilidade no meio rural. de origem africana.

originária da América Tropical. Planta que habita lugares úmidos. e ainda é utilizada na indústria do gin (bebida alcoólica). Sua forma leva a confundi-la com uma palmeira-de-leque. zimbro. medicinal. propiciando belo efeito ornamental. ou seja. • Juniperus chinensis ou J. junco-da-praia. muito propícia para compor projetos paisagísticos de jardinagem. Planta ornamental de rara beleza. muito utilizada em projetos paisagísticos. apresenta colmos cilíndricos septados e raiz tuberosa. • Dion edule – Dion-edule. inúmeras . Planta ornamental de folhas menores e mais largas do que a cica revoluta mais tradicional. Cyclanthaceae (ciclantáceas) Família de plantas que difere das palmeiras por apresentar flores tetrâmeras e frutos polispérmicos (de muitas sementes) • Carludovica palmata – carludovica. São plantas de desenvolvimento lento. • Zamia otoni – zamia. Das folhas novas se obtêm fibra usada para fazer chapéus e outros tipos de artesanato. – cipreste. não encerradas em ovário) que reúne espécies muito ornamentais. ocorrendo na Amazônia e na Bahia. Cyperaceae (ciperáceas) • Cyperus articulatus – priprioca. para dar gosto a esta tradicional bebida. que apresenta as folhas palmadas. de odor agradável que é aproveitada na indústria de perfumaria. Planta exótica ornamental. cupressus. e cuja madeira tem utilizações diversas: serve para guardar alimentos. de rara beleza com sua forma piramidal. Cycadaceae (cicadáceas) Família de plantas gimnosperma (produzem sementes nuas. communis – junípero. • Cycas cincinalis ou C. cica-revoluta. sagu-da-jamaica. Árvore de pequeno porte originária da Ásia. • Encephalartos altesteinii – cica-sul-africana. • Cycas revoluta – cica. algumas muito parecidas com as palmeiras. além disso. de caule subterrâneo quando jovem. rígidas e miúdas. Planta de grande efeito ornamental com sua forma cônica e suas folhas rendilhadas. e cujo nome do gênero é holotípico da família. como condimento. circinalis – sagú. muito difundida na Europa. junco-agreste. por sua rara beleza e rusticidade. junco-bravo. Planta originária do Japão e da Indonésia.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 91 Cupressaceae (cupressáceas) • Cupressus sp. tendo. de longos pecíolos que brotam diretamente do solo. Planta exótica ornamental cujo gênero dá nome à família. Bela planta ornamental parecida com as palmeiras.

com a própria prática de amanhar a terra contribuindo para sua proliferação ao seccionar os bulbilhos que assim se tornam em eficientes propágulos. e foi muito usada no tempo da escravatura para amarrar negro no toco. Em algumas regiões aproveitam-se os frutos para fazer doces. Planta invasora de extraordinário poder de reprodução (via sementes e bulbilhos). caracteriza) a família. Planta comum em locais brejosos. com a proibição da exploração do . sendo suas inflorescências (painas) usadas como alternativa para preenchimento de travesseiros e colchões. O nome do gênero dá nome à família. Dilleniaceae (dileniáceas) • Dillenia indica – flor-de-abril. As raízes serviam de combustível e os brotos tenros. como por exemplo. Rondônia. Árvore ornamental de folhas grandes. • Heleocharis ou Eleocharis flavescens – junco-manso. árvore-do-dinheiro. • Typha dominguensis – taboa. • Doliocarpus dentatus – cipó-caboclo. corrugadas. xaxim. presentes em larga escala em jardinagem em todo o Brasil. usado para escrever. Infesta área de cultivos onde se torna de difícil controle. Suas compridas folhas fornecem hastes das quais se obtinha o papiro. e do rizoma faz-se polvilho que se utiliza em culinária (para confecção de bolos. Obs.5 cm). O pólem é medicinal. • Cyperus papirus – papiro. de muita utilidade rural. sendo inclusive muito boa para construção naval e para lenha. dilênia. O gênero é holotípico (dá nome.92 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades aplicações rurais. Samambaia arborescente grande que ocorre na Mata Atlântica. mingaus. Serve também como forrageira. Comum nas margens do Nilo. as folhas fibrosas muito propícias para aplicação em artesanato rural (esteiras. pela desenfreada exploração predatória de que foi vítima. na África. maçã-de-elefante.: atualmente (em 2009). bolsa-de-pastor. e que se encontra quase em extinção. sementes pequenas (menores que 0. de alimentos. para extração do seu caule que é usado para fazer os famosos vasos de xaxim. cestos e cordas. utilizada para fins diversos. Obs. etc). Planta medicinal que ocorre no interior de Minas Gerais. Diksoniaceae/Pteridophyta (diksoniáceas/pteridófitas) • Diksonia sellowiana – samambaiaçu. etc). e frutos também grandes de casca dura (como coco) e imbricadas (como repolho). Presta-se também para fazer embarcações leves. por seus eficientes mecanismos de sobrevivência. O nome do gênero dá o nome à família (é holotípico). As folhas são empregadas no fabrico de esteiras. onde é reputada como planta medicinal. em várias partes do mundo. cestos. Fornece madeira dura de boa qualidade. deixar a roupa perfumada.: existe exemplar desta espécie no jardim em frente do hotel Vila Rica em Porto Velho. • Cyperus rotundus – tiririca. Planta ornamental e utilizada em artesanato.

de origem asiática. sendo algumas mais apropriadas para serem . que produz excelentes frutos muito doces e saborosos próprios para serem consumidos in natura. Planta de origem asiática da qual se extrai manteiga usada na indústria de cosméticos para fazer shampoo. como a casca de coco. fechando-se sobre eles. por exemplo. condicionador. Ebenaceae (ebenáceas) • Diospyrus ebanum – ébano-da-índia. mas alcançando tamanho muitas vezes maior. o Estado de S. Planta alimentícia com propriedades semelhantes ao inhame. Droseraceae (droseráceas) • Drosera sp. Chamada planta carnívora cujas flores se abrem ao contacto com o inseto. O nome do gênero dá nome (caracteriza) à família. tem-se procurado utilizar materiais alternativos. cará-moela. e cujo nome do gênero dá nome (caracteriza) à família. que exige clima mais ameno para produzir bem.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 93 xaxim (resolução do CONAMA em 2001). Dracaenaceae (dracaenáceas) • Dracaena drago – sangue-de-dragão. etc. Dioscoriaceae ou Dioscoreae (dioscoriáceas) Atinge a mais de uma centena as espécies do gênero Dioscorea encontradas no Brasil. Dipterocarpaceae (dipterocarpáceas) • Shorea stenoptera – illipê. Planta exótica reputada como medicinal sendo indicada para problemas estomacais. Nome do gênero dá nome à família. kaki – caqui. • Dioscorea brasiliensis – inhame. • Diospyrus lotus ou D. – drosera. para confecção de vasos. Planta trepadeira que fornece bulbilhos comestíveis apreciados pelas populações rurais. que venham suprir a grande demanda que existe para este tipo de recipiente. principalmente no cultivo de orquídeas. dragoeiro. • Dioscorea dodecaneura – cará. Planta cujos rizomas se constituem em excelente legume reputado até como medicinal por seu efeito depurativo do sangue. máscara hidratante. Árvore frutífera de pequeno porte. Árvore exótica que produz boa madeira. Existem umas tantas variedades sendo cultivadas entre nós. Paulo (região de Mogi das Cruzes) é onde se produz mais caqui. caquizeiro. • Dioscorea bulbifera – cará-trepador. No Brasil.

que as mascam com o intuito de sedar a fome e melhor se adequarem ao convívio em lugares de elevadas altitudes. complexa e multiforme família que engloba árvores. Arbusto de folhas oblongas pequenas. flores pequenas e frutos cápsulas tricoca. por apresentar maiores dificuldades no transporte. sendo exigente em adubações com matéria orgânica. Reúne aproximadamente 7. • Erythroxylum suberosum – mercúrio-do-campo. Árvore de pequeno porte. e que é muito usado pelas populações locais em artesanato. quase que durante todo o ano. como maturação em estufas. Planta ornamental arbustiva que apresenta floração de rara beleza. que tem na cocaína um dos principais ítens desta atividade criminosa. Por seu conteúdo toxicológico passou a ser explorada em larga escala para abastecer o negócio do tráfico mundial de drogas. Planta estimulante muito cultivada nos Andes bolivianos e peruanos. com folhas alternas e estipuladas. Atacada por vassoura-de-bruxa. Tem as mesmas propriedades da coca. no estado do Tocantins. Eriocaulaceae (eriocauláceas) • Syngonanthus nitens – capim-dourado. sendo o Brasil . arbustos e ervas frequentemente lactíferas. sendo suas folhas usadas habitualmente pelas populações locais. Erythroxylaceae (eritroxiláceas) • Erythroxylum cataractum – epadu. • Rhododendron indicum – azaléa. Planta que ocorre em todo o cerrado brasileiro. Chocolate e Fuyu. sofre restrições na comercialização. Planta comum no cerrado. pela extraordinária beleza de sua cor de ouro.200 espécies. o que neste último caso. • Erythroxylum coca – coca. embora por demais saborosas. Ericaceae (ericáceas) • Arbutus unedo – madroño.94 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades consumidas com a polpa mais rígida (vars. e outras bem moles (variedade Rama Forte). por exemplo). que tem que ser criterioso (em condições especiais. flores pequeninas e frutos drupáceos rubros. comum na Costa Rica. Escrofulariaceae (ver Scrofulariaceae) Esterculiaceae (ver Sterculiaceae) Euphorbiaceae (euforbiáceas) Grande. sendo cultivado pelos índios do alto Amazonas. ipadu. por exemplo) e muito rápido. principalmente na região do Jalapão. servindo excelentemente para compor arranjos paisagísticos e delimitar aléas e alamedas em áreas de jardins e sub-bosques.

erva-de-santa-luzia. chamada popularmente de candelabro. Árvore originária da América equatorial. asclepiadácea. • Euphorbia brasiliensis ou E. • Cnidoscolus aconitifolius – Chaya.: apresenta uma série de espécies semelhantes a cactos ornamentais. Planta ornamental arbustiva de interessante efeito decorativo com sua variedade de formas e cores. que produz frutos com sementes oleaginosas. em forma de bolinhas. cacay (Colombia). Faz-se muito presente em jardins domésticos populares e em projetos paisagísticos. A árvore é cultivada também em SAF’S para sombreamento do café. entre herbácea e arbustiva. • Euphorbia grandicornis – eufórbia grandicornis. onde é usada como forrageira. que além de espécies desta família. Planta muito ornamental parecida com cacto. Planta herbácea-arbustiva que contém de 30% a 40% de proteína e ocorre na América Central. metohuacho. sendo indicado como antidiarréico e antimalárico entre outras utilidades que tem como planta medicinal.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 95 particularmente rico em representantes da família. e cujo gênero dá nome à família. Arvoreta da floresta úmida que apresenta propriedades medicinais. de caule retorcido. • Aleurites fordii – tungue. Obs. • Euphorbia aphylla – eufórbia afila. principalmente no gênero Euphorbia. Planta ornamental. Planta ornamental entre herbácea e arbustiva de folhas coloridas tendendo ao grená. • Codiaeum variegatum – cróton. Sua casca aromática é usada em saquinhos para livrar roupa guardada da proliferação de seres indesejáveis (fungos e insetos). piluliferae ou E. metohuayo (Peru). e que apresenta longos espinhos. rabo-de-raposa. muito utilizada em decorações de jardins. • Acalypha wilkesiana – acalifa. algumas classificadas entre as “plantas suculentas”. apresentando folhas variegadas. desta mesma família. rabo-de-macaco. Os brotos tenros são aproveitados na alimentação humana. chicasquil. . • Croton campestris – velame-do-campo. no mais das vezes. Planta ornamental que se apresenta sem folhas com estruturas caulinares em forma de dedos. reúne outras espécies das famílias aizoácea. • Caryodendron orinocence – inchi. prostata – erva-andorinha. Planta que produz óleo apropriado para tintas e calafetação de barcos. Planta ruderal que apresenta pequeninas saliências nas folhas. mais largo que os da espécie. Planta ornamental semelhante a um cacto. Planta medicinal. coecorum ou E. palo de nuez (Venezuela). maní de árbol (Equador). • Acalypha hispida – rabo-de-gato. com algumas variedades tendendo para coloração lilás. muito decorativa e de largo uso em projetos paisagísticos e jardins domésticos. • Euphorbia antiquorum – candelabro. cujo óleo é usado em culinária e medicinal. crassularácea e liliácea. hirta ou E. • Croton cajucara – sacaca. cactácea. Apresenta inflorescência de cor vermelha em forma de rabo-de-gato. É reputada popularmente como de propiedades medicinais.

que são produzidas e guardadas para serem ministradas ao gado no período de entressafra das pastagens. dependendo da dosagem. permanecendo endurecidas quando submetidas ao processo de cozimento. são tóxicas. Planta ornamental herbácea muito usada como cerca-viva. Planta herbácea ornamental com flores vermelhas e ramos espinhentos. Ocorre na Amazônia e também em Costa Rica. O látex exsudado por seus galhos tem propriedades curativas. também não oferecem maiores riscos de intoxicação. certamente. As folhas da . • Hevea brasiliensis – seringueira. deve ser usado com cautela por causa dos seus efeitos tóxicos. o número de 40 na região Amazônica. Sua casca é usada para fazer canoas. da qual se extrai látex medicinal purgativo. uma vez que as substancias tóxicas são inativadas no processo que as raspas recebem de secagem ao sol ou em secadores artificiais. Apresenta crescimento rápido (com idade em torno de 10 anos já atinge 30 cm de DAP – diâmetro à altura do peito). andá-açu. • Euphorbia tirucalli – avelós. uma vez que também não cozinham bem. • Jatropa curcas – pinhão-branco. aipim. na primeira década dos anos 2000. fruta-de-arara. • Hevea benthamiana – seringueira-de-chicote. Muito usada em cerca-viva por sua agressividade. • Manihot esculenta ou M. desde as mansas até as bravas. purgueira. que. • Joanesia princeps – cutieira.96 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Euphorbia pulcherrima – bico-de-papagaio. Produz látex usado como poderoso antihelmíntico. • Euphorbia splendens – coroa-de-cristo. Produz madeira. sendo esta substância leitosa considerada tóxica. e neste caso. A árvore da borracha. Todavia estas mandiocas bravas servem para fazer farinha. que as torna tóxicas e impróprias para consumo humano e animal. poinsétia. Árvore grande da Amazônia. Planta da máxima importância na alimentação de todo o povo brasileiro. palmata – mandioca. com alto teor de ácido cianídrico. onde a atividade extrativista ainda hoje produz grande quantidade de borracha natural. • Hura crepitans – assacu. pinhão-manso. Apresenta látex cáustico e tóxico que é reputado como curativo até em casos de câncer de pele. Existem variedades diversas. que junto com as áreas de reservas estaduais já alcançam. que funciona bem na delimitação de ambientes diversos. Espécie de seringueira mais rústica com a qual o Serviço de Pesquisa Agropecuária procura cruzar a Hevea brasiliensis visando alcançar híbridos resistentes ao mal-das-folhas (Microcyclus ulei) e que sejam bem produtivos. pois o calor neutraliza a substância tóxica nelas presente em excesso. Como características específicas. As raspas de mandioca. Planta medicinal com indicações para tratamento de estômago e cicatrizante. macaxeira. purga-de-gentio. Com grande potencial industrial por produzir óleo que pode substituir o diesel. estas. jabillo (em Costa Rica). mormente nas Reservas Extrativistas (Resex’s) instituídas pelo governo federal. Grande árvore com propriedades medicinais. boleira. Também é lactescente como muitas outras espécies da família. Arbusto de grande efeito ornamental com suas folhas mais novas avermelhadas. apresenta acúleos. que foi fator preponderante na economia da região Amazônica. seiva incolor urticante e nectários na base dos folíolos.

• Manihot glaziovii – maniçoba. Do processo de extração do óleo sobra a torta que é empregada como adubo orgânico pelos bons teores de nutrientes que encerra. Ainda com as folhas. sendo produzido de suas sementes óleo de fina qualidade (baixa viscosidade) empregado até como combustível de avião. Planta ornamental rústica que pode ser usada como cerca viva em formação de renque. principalmente no que concerne à dissolução de cálculos renais. O óleo também é medicinal. Toda parte aérea da planta é empregada como ração animal. • Fagus sylvatica ou silvatica – faia. inativar suas substâncias tóxicas expondo a planta à secagem. como seu próprio nome popular indica. Planta exótica madeireira cujo gênero dá nome à família. dois-amores. adicionando-se em seguida basicamente os ingredientes da feijoada. principalmente no Norte do Brasil. fechando os vãos entre os fios de arame. resultando em um excelente prato regional chamado de “maniçoba”. • Pedilanthus retusum – sapatinho-de-judeu. Árvore exótica cujos frutos são muito consumidos no mundo ocidental. bastando para isso que se tenha o cuidado de. se prepara. com largo emprego na indústria farmacêutica como purgativo. sativa – castanheiro-europeu. quando as folhas moídas são deixadas cozinhando durante três a quatro dias. Planta ornamental de flores singelas. em que se comemora o nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. como se faz com a mandioca brava. depois de passar por desintegradores e acondicionadas para serem processadas em silagem ou fenação. Planta arbustiva ruderal que vem tendo seu cultivo incentivado devido a sua importância industrial. principalmente nitrogênio. Planta nativa na caatinga que também pode ser usada como forrageira. uma comida de excelente sabor. ao sol ou artificial. erva-pombinha. • Ricinus communis – mamona. . principalmente pela época do Natal. Planta medicinal ruderal reputada como das mais eficientes para tratar problemas do aparelho urinário. • Pedilanthus tith ou tithymaloides – tith. onde. • Phyllanthus niruri – quebra-pedra. • Sapium sceleratum – burra-leiteira. sapatinho-de-nossa-senhora. Presta-se também à extração de borracha. na busca por recuperá-las para uma condição mais saudável de boa alimentação. castanha-portuguesa. Arbusto de folhas de pecíolos purpúreos que exsuda látex cáustico. • Castanea vesca ou C.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 97 mandioca são ricas em proteína e recentemente passaram a compor farinhas “multimisturas” que estão sendo servidas para populações de crianças subnutridas. junto com o vinho e diversas outras iguarias finas é uma referência na ceia de natal. Fagaceae (fagáceas) Família que reúne espécies européias.

da qual se extrai a casca para ser utilizada na fabricação de cortiça. Árvore comum na América Central. • Quercus suber – sobreiro. curtição. • Tachia guianensis – caferana. encino. tipuana. muito cultivada em Portugal e na Espanha. e da qual se aproveita a madeira. que valoriza sobremaneira esta bebida que desde os tempos da Antigüidade é considerada como o “elixir dos deuses”. Erva medicinal. que lhe dá o segundo termo de um dos nomes científico. roble negro. Geraniaceae (geraniáceas) • Geranium sp. pipi. muito usada para vedação de recipientes e controle térmico e. Planta herbácea ornamental com vistosas flores. principalmente por populações nativas. – gentiana.98 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Quercus brenesi ou Q. Planta indicadora de terras férteis. mormente na Costa Rica. Planta cujo gênero caracteriza (dá nome) à família. guaçatonga. Árvore européia. tipi. Fitolacaceae ou Phytolaccaceae ou Fitolaceae (fitolacáceas. mas que deve ser usada com parcimônia e cautela por ser muito tóxica. ou Pelargonium grandiflorum ou P. onde sua madeira é muito empregada para construção de recipientes para guardar vinho. • Petiveria tetranda – guiné. • Casearia silvestris – erva-de-bugre. como tampa para garrafas de vinho. no processo de envelhecimento. . Planta medicinal com propriedades tônicas. Árvore gigantesca cujo caule ao ser cortado recende o cheiro de alho. de largo uso no meio rural. zonale – gerânio. Erva medicinal de aplicações diversas. guararema. Flacourtiaceae (flacourtiáceas) Família que foi desmembrada da família Bixaceae. costaricencis – roble. antifebril e vermífuga. fitoláceas) • Gallezia gorazema ou Crateava gorazema ou gorarema ou integrifolia – pau d’alho. Gentianaceae (gentianáceas) • Gentiana sp. cujo nome do gênero caracteriza (dá nome) a família. principamente. • Quercus pedunculata – carvalho. Árvore tradicional na Europa.

Espécie que se constitui numa boa opção de capim para introdução em Rondônia. • Axonopus sp. Planta forrageira. sem pelos. Glossulariaceae (glossulariáceaes) • Ribes nigrum – groselha. ornamental com folhas rajadas fosforescentes. grandes e coloridas flores. Goodeniaceae ou Goodenoghiaceae (goodeniáceas ou goodenogiáceas) • Scaevola plumieri – bredo-da-praia. – gramalote. Gramineae ou Poaceae (gramíneas ou poáceas) Família que reúne 700 gêneros e umas 8.000 espécies. • Sinningia speciosa – gloxínia. • Axonopus purpusi – capim-mimoso. estepes na Europa e Ásia. • Aristida pallens – capim barba-de-bode. Planta invasora. savanas na África. e pequenas flores vermelhas. lisas. Importante cereal usado na alimentação humana e animal em todo o mundo. • Andropogon gayanus – capim andropogon. Existem associações de revestimento vegetal características. • Saintpaulia ionantha – violeta-africana. formadas essencialmente por gramíneas em todos os grandes continentes. grama-curitibana. Grama bastante ornamental com folhas de verde intenso. Gramínea comum nos cerrados. por ser resistente à seca e tolerante a solos de baixa fertilidade. Planta ornamental com vistosas. Planta pendente. Tem o hábito de crescimento em touceiras • Avena sativa – aveia. Planta ornamental com exuberante ramificação pendente. prairie na América do Norte. que recebem denominações especiais diversas. • Columnea sp. além de resistente à cigarrinha-daspastagens. . caule sempre colmo e o fruto cariopse – seco indeiscente que contém uma única semente soldada às paredes do mesmo. do qual procuram fazem imitações grosseiras. mangue-de-praia. Planta exótica de cujos frutos se extai xarope muito afamado.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 99 Gesneriaceae ou gesneraceae (gesneriáceas) • Episcia cupreata – episcia. • Axonopus afinnis ou A. largas. que apresentam flores em espigas. – columnéa. tais como: pampas e campos na América do Sul. Planta ornamental com folhas espessas e flores azuis de lindo matiz. compressus – grama-são-carlos. Forrageira indicada para ser cultivada nas condições ambientais de Rondônia.

• Dendrocalamus giganteus – bambu-balde. Planta parecida com o bambu. • Bambusa sp. – taquara. • Brachiaria humidicola – quicuio-da-amazônia. Grama do Maracanã. • Cynodon nlenfuensis – capim-estrela. boa para cerca viva. grama-barbante. a esta principal praga das pastagens brasileiras. • Brachiaria plantaginea – capim-marmelada. • Bambusa vulgaris – bambu. tendo os colmos mais delgados. bermuda-grass. Planta de origem asiática de mil e uma utilidades. etc. Planta medicinal cujo chá é reputado como calmante e auxiliar para uma boa digestão. • Echinochloa polystachia ou polystachya – canarana-lisa. bengo. grama-midícola. que entre outros aproveitamentos é muito usada em artesanato de palha com as tiras destacadas do seu caule. mas que por ser muito sensível à cigarrinha foi paulatinamente sendo substituído por outros capins menos afetados por esta praga.100 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Bambusa multiplex – bambu-chinês. • Cynodon dactylon – grama-bermuda. marandu. Capim bastante apropriado para formação de pastagens na Amazônia por ser resistente à seca e tolerante à cigarrinha. de menor porte que o bambu. bambu-gigante. embora produza menos massa verde. tem as folhas sem pêlos. citratus – capim-limão. etc. passando por artesanato. Planta ornamental muito boa para formar compactas cercas vivas. Boa para áreas sujeitas a inundações. Gramínea bem adaptada às condições climáticas do Nordeste brasileiro. Planta forrageira. mobiliário. Boa para campos de futebol. Capim que foi muito difundido na Amazônia. como brejos. grama-de-seda. Muito boa forrageira que ocorre quase sempre em áreas de bastante umidade. • Echinochloa pyramidalis – canarana-peluda. Foi introduzido na década de 70 em Rondônia. no início da expansão da fronteira agrícola por volta dos anos 60. onde passou a ser adotado com tal intensidade. • Distichlis scoparia – capim-vassoura. etc. • Cymbopogon citriodorus ou C. Dele também se extrai óleo essencial utilizado na indústria farmacêutica (perfumaria). Aceita bem locais semi-sombreados. capim-cidrão. carrapicho. Planta de utilização rural. Capim originário da África que é resistente à cigarrinha. pântanos. • Cenchrus echinatus – capim-carrapicho. cujos frutilhos espinhentos costumam se fixar na roupa dos inadvertidos transeuntes que circulam ao seu redor. desde a alimentação humana (brotos tenros) até as construções rurais. que se alastrou endemicamente na região. midícola. Planta invasora muito comum na maior parte do Brasil. • Brachiaria mutica – capim-angola. capim-santo. grama-de-burro. . Gramínea forrageira e ornamental. capim-roseta. Planta forrageira. braquiária. cerca vivas. que hoje já se tornou susceptível. e também de brotos comestíveis. • Brachiaria brizantha – capim-brizantão. capimcidreira. capim-búfalo. brachiarão. • Brachiaria decumbens – capim brachiária. • Cenchrus ciliares – capim-buffel. serviços de drenagens rústicas.

Planta nativa nas áreas alagáveis. • Eragrostis tef – tef. brejosas. Um dos principais alimentos da humanidade. – uba. todavia o despreza logo que fica mais maduro. boas produtividades. quando utilizadas as variedades mais adequadas para cada situação. também é outra prática recomendável para extirpar o sapê da área agricultável. • Lolium temulentum – joio. inclusive na alimentação animal. • Hyparrhenia rufa – capim-jaraguá. aproximando-o para a condição de alcalinidade. Gramínea que se constitui em boa opção como forrageira. ensejando com isso parábolas. • Melinis minutiflora – capim-gordura. • Oryza sativa – arroz.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 101 • Echinochloa spectabilis – canarana. apesar de mais recentemente estar sendo substituída por outras pastagens mais produtivas. Gramínea rústica que em algumas regiões prolifera com tamanha abundância que chega a tornar-se uma praga. Ornamental e de utilidade rural para artesanato e outros fins diversos. Também é utilizado na indústria de alimentos. reduzindo-o apenas à fonte de carboidratos (amido). antes do beneficiamento tradicional. cultivada principalmente no Sudeste do Brasil (MG. Cereal largamente utilizado na indústria de cerveja e para outros fins como alimento. que ensinam sobre a necessidade de separar o joio do trigo. Capim que é uma planta invasora de outras culturas como o trigo. É indicativo também de solos ácidos. • Olyra polypodioides – bambusinho. onde é uma das pastagens predominantes. Os índios utilizam os eixos principais das inflorescências desta planta para fazer suas flechas. como as de Jesus. Planta invasora e forrageira. com cujas sementes têm as suas misturadas. A mobilização do solo em repetidas e conseqüentes mecanizações. Planta forrageira e ornamental. onde estimula. como o arroz e o trigo. por exemplo. com sua exuberância vegetativa. que pode ser aproveitada como forrageira. ou utilizado como cobertura morta revestindo o solo. Seus brotos chegam a ser apreciados pelo gado que. • Gynerium sp. mas que todavia o empobrece sobremaneira. • Imperata brasiliensis – sapê. sapé. as vacas a produzirem mais leite. bastando para neutralizá-lo mudar o pH do solo. ES). • Hordeum vulgare – cevada. RJ. onde dá origem a . Planta ornamental com plumas de rara beleza. O Brasil é auto-suficiente na produção de arroz. • Gynerium argenteum – cana-dos-pampas. • Eleusine indica – capim pé-de-galinha. Boa forrageira. Cereal exótico (originário da Etiópia). principalmente na Ásia. proteínas e sais minerais quando consumido em sua forma integral. da Amazônia. apresentando ambos. • Echinolaena inflexa – capim-flexa. Alimento muito rico em vitaminas. havendo os tipos de cultivo em campos alagados (como no Sul do país) e os de sequeiro (comum nas regiões Norte. quando cortado e posto em composteiras. podendo ser aproveitada como fonte de matéria orgânica. Nordeste e Centro-oeste). se fazendo presente na dieta de inúmeros povos. por exemplo. que pode ser cultivado em regiões tropicais para substituir alguns dos cereais mais tradicionais. ambientes de sua preferência. que visa torná-lo mais atraente.

Dentre as muitas variedades que apresenta. capim-napier. e ser resistente à cigarrinha-das-pastagens. Gramínea exótica forrageira indicada para alimentação de pássaros. palatabilidade e a boa resistência às inclemências do clima e às pragas mais tradicionais. • Saccharum officinarum – cana-de-açúcar. e seus produtos. • Paspalum notatum – grama-batatais. Gramínea forrageira comum nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. capim-navalha. por se adaptar aos solos pobres e ácidos. Presente em pastagens do deserto do Saara. • Poa sp. capim alpiste. capim-sempre-verde. já foi . gramafante. com inúmeras variedades. • Panicum maximum – capim-colonião. algumas melhoradas e introduzidas como excelentes pastagens. • Panicum turgidum – capim-afozo. que foram sustentáculo da economia brasileira por muito tempo (séculos XVII e XVIII). • Paspalum sp. capimtobiatã. onde se tornou uma das principais culturas. • Panicum milhaceumm – painço. que o recomenda inclusive para formação de capineiras. que trazida pelos portugueses nas primeiras expedições colonizadoras (1530). capimmombaça. desde farinhas (féculas) até o óleo extraído de suas sementes. grama-mato-grosso. que estão sendo também bastante difundidos na recomendação de melhores pastagens. como a cigarrinha-das-pastagens. por exemplo. Gramínea cujas sementes são muito usadas na alimentação de pássaros. O Município de Campos – RJ. produtividade. • Pennisetum purpureum – capim-elefante. capim-tanzânia.102 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades diversos produtos. Extraordinária gramínea originária do Oriente. O resíduo do beneficiamento. – capim guaçu. fornece material para cobertura de ranchos. Gramínea muito rústica que prevalece por muitas localidades deste imenso Brasil. Grama que se constitui em forrageira adequada às condições de Rondônia. Gosta muito de sol e suas folhas apresentam alguns pelos. agora revigorados pelo Proálcool. o chamado farelo. • Pennisetum clandestinum – capim-quicuio. programa do governo brasileiro que incentiva a produção do álcool como biocombustível. Uma das mais importantes forrageiras por sua alta produtividade e rusticidade. cameroon. capim-guiné. capim-napiê. continuam ainda hoje com grande importância na pauta de exportações brasileiras (açúcar e álcool). visando possibilitar a alimentação do gado no período de entressafra das pastagens. Além de ser forrageira. Gramínea muito boa para formação de gramados de campo de futebol por sua rusticidade e capacidade de expansão. muito rico em elementos nutritivos. Por sua impressionante massa verde é recomendado também para produção de silagem e fenação. Planta cujo gênero dá um dos nomes da família. existem o capim elefante anão e o roxo. kikuio. é usado na alimentação animal. – poa. se expandiu magnificamente no Brasil. • Paspalum plicatulum ou plicatum – pasto-negro. dada sua rusticidade. capim-murubu. grama-azul. • Phalaris canariensis – alpiste.

que envolve milhões de pessoas em todo o mundo. • Stenotaphrum secundatum – grama-inglesa. tiveram o milho como sustentáculo de sua sobrevivência. continuando a ter muita importância econômica também no Nordeste. desde ornamentação de alamedas até blocos isolados de plantas ornamentais. com tecnologia mais sofisticada que enseja maior produtividade. • Triticum vulgare – trigo. grama-imperial. grama-coreana. • Tripsacum fasciculatum – capim-guatemala. Planta ornamental herbácea de flores em grandes cachos azuis muito lindos. porém. biscoitos. se não se lhe exerce maior controle e manejo. grama-de-santo-agostinho. só ficando atrás do trigo e do arroz. Espécie que se constitui em uma boa opção de pastagem. O cereal mais cultivado em todo o planeta Terra e um dos pilares da alimentação da humanidade. arranjos paisagísticos. que compõem extraordinariamente bem. setária. Terceiro cereal mais cultivado no mundo. onde alguns de seus subprodutos fazem parte da dieta básica da população e estão presentes em importantes traços culturais da região. • Zea mays – milho. • Setaria sphacelata – capim-setária. • Sorghum vulgare – sorgo. etc. • Zoysia matrella – grama-japonesa. O milho além de fazer parte de forma vultosa da alimentação humana é à base da alimentação animal em todo o mundo. como os indígenas das Américas. gramade-jardim. • Setaria sp. pães. por exemplo. tendo que importar boa parte do que consome de países como a Argentina. O Brasil ainda não é autosuficiente na produção deste cereal. Guttiferae ou Gutiferaceae ou Clusiaceae (gutíferas ou gutiferáceas ou clusiáceas) – (ver Clusiaceae que é o novo none desta família) Hidrangeaceae (hidrangeáceas) • Hidrangea macrophylla – hortênsia. kazungula. A farinha de trigo é a base de intensa atividade na indústria de alimentos (macarrão. Forrageira exótica usada na alimentação de pássaros. .). nandi. Civilizações antigas. Capim exótico com boas perpectivas para introdução em Rondônia. Gramínea ornamental propícia para embelezar jardins. – painço-português. dele se fazendo rações para a maioria das espécies de animais domésticos que o homem explora economicamente. Cereal de origem africana que é um dos mais cultivados no mundo e tem aplicações diversas na alimentação humana e animal. O gênero desta espécie dá nome à família.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 103 um dos maiores produtores de cana. • Secale cereale – centeio. Tradicional cereal presente nos hábitos alimentares dos povos de diversas partes do mundo. onde se expande vigorosamente formando um tapete verde que de tão rústico pode acabar se tornando praga. Gramínea das mais usadas em jardinagem. cultura que mais recentemente teve sua maior produção deslocada para o interior do Estado de São Paulo.

• Trichomanes speciosum – feto. insônia. boa para fazer sorvetes ou comer in natura com farinha. Hippocrateaceae (hipocrateáceas) • Hippocratea sp. como é o hábito dos povos autóctones da região onde ocorre. sendo indicada como antidepressivo. ansiedade. pacas. de frutos de formato aproximado para o taperebá. Árvore frutífera da Amazônia. – himenófilo. e. oleosa. Humiriaceae (humiriáceas) • Sacoglottis uchi ou Endopleura uchi – uxi. Planta cujo gênero dá nome à família. Planta exótica (originária dos Bálcãs) de porte arbustivo ou herbáceo. Icacinaceae ou Icacineae (icacináceas) • Poraqueiba paraensis – umari. com propriedades medicinais. e para melhorar a astenia (cansaço). aromática e saborosa. estudada desde a antiguidade por suas propriedades terapêuticas. uxipuçu. tendo ação vaso constrictora. como antihemorrágico. . Planta herbácea medicinal reputada como de efeitos antidepressivos e indicada para tratamento das mesmas inúmeras afecções para as quais a erva-de-são-joão é recomendada. Muito apreciado também por animais silvestres (veados. etc. – hipocratea. e cujo nome do gênero dá nome à família. e como estimulante da libido. Árvore frutífera da Amazônia. Planta cujo nome do gênero dá nome à família. cotias.). Planta herbácea medicinal de origem européia. Hyperaceae (hiperáceaes) • Hypericum perforatum – erva-de-são-joão. Hymenophyllaceae ou Hymenophylleae/Pteridophyta (himenofiláceas) • Hymenophyllum sp. indicadas principalmente em situações de problemas circulatórios. • Hypericum brasiliense – hipérico. mari. uxi-amarelo.104 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Hippocastanaceae (hipocastanáceas) • Aesculus hippocastanum ou hippocastrum – castanha-da-índia. mas de polpa massenta. Planta pteridófita de ambientes úmidos.

• Eleutherina plicata – marupaí. marupá-piranga. marupaizinho. fino. Juglandaceae (juglandáceas) • Carya illinoensis – pecã. Planta que produz frutos comestíveis e óleo utilizado em pintura. palma-de-santa-rita. oblongo-lanceoladas. • Iris sp. • Libertia formosa – libertia. nogueira-americana. redondo. palmeirinha. que é uma panícula emergente. simples. terminando por uma bráctea foliácea. que caracteriza a família. contemplando diversas plantas ditas medicinais (usadas em medicina popular e como matéria prima na manipulação de fármacos) e produtoras de óleos essenciais. O primeiro e mais antigo nome da família deriva do fato das flores das espécies agrupadas sob essa classificação apresentarem as pétalas como se fossem lábios. cujo nome do gênero dá nome (caracteriza) a nova família cujas espécies eram classificadas (faziam parte) nas ciperáceas. Planta ornamental e de utilização em artesanato. – gladíolo. Bulbo purpúreo. e o novo nome deriva do gênero holotípico Lamium (mais comum na Europa e na Ásia). Labiatae ou Lamiaceae (labiadas ou lamiáceas) Família que reúne aproximadamente 200 gêneros e 3200 espécies em todo o mundo. Juncaceae (juncáceas) • Juncus mycrocephalus ou microcephalus – junco-do-banhado. próprio das monocotiledôneas) de aproximadamente 30 cm. Frutífera exótica cultivada no sul do Brasil. • Juglans regia – nogueira-comum. • Coleus sp. membranáceas. acuminadas. noz-pecã.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 105 Iridaceae ou Irideae (iridáceas) Família de plantas com características aproximadas às Liliáceas. Planta ornamental. É também planta medicinal indicada para tratamento de disenteria e amebíase. . outras cosmopolitas. Planta aproximada ao lírio com aspecto da árvore-do-viajante. com dobras verde-escuro. folhas radicais de 30 cm a 60 cm de comprimento por 3 cm a 8 cm de largura. que se caracteriza também por diversas espécies apresentarem o caule quadrangular (com quinas). cujo nome do gênero dá nome à família. Planta nativa na Amazônia. Planta ornamental cujo gênero dá nome à família. • Gladiolo sp. – coleus. vermelho e branco). – íris. que apresenta escapo (ramo portador de flores que se origina do rizoma ou bulbo. boa parte delas ocorrendo no Brasil. coquinho. Planta herbácea ornamental com intensa coloração matizada em tons tricolores (verde.

óleo essencial. boldo-da-terra. • Leonorus silviricus ou L. dentrifícios. • Ocimum basilicum anisatum – alfavaca. melissa. orégão. • Origanum vulgare ou vulgaris – orégano. e que também se reveste de muitas propriedades medicinais. manjericão-da-folha-larga. • Lavandula angustifolia – lavanda. menta. resultando daí seu nome científico. Planta medicinal indicada para casos de distúrbios gástricos e como estimulante. . Plectranthus barbatus – boldo. • Lavandula officinalis – alfazema. Usada também para perfumar roupas e afugentar insetos. Outro tipo de alfavaca usada também como medicinal e tempêro. Planta medicinal. • Ocimum fluminense – alfavaca-de-cheiro. Planta medicinal e tempêro. Planta medicinal já com muita utilização em medicina popular. sendo reputada como de propriedades carminativas. licores. Erva medicinal e de uso farmacêutico usada também como tempero. Também é planta melífera. • Peltodon radicans ou Clinopodium repens – hortelã-do-mato. • Ocimum basilicum – basilicão. Planta com comprovadas propriedades medicinais sendo indicada como excelente calmante. estomáquicas e digestivas. etc. • Mentha suaveolens – mentrastro. Plantinha medicinal indicada inclusive para chás calmantes das cólicas de bebês.106 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Coleus barbatus. hortelã-dobrasil. que tem as flores de coloração arroxeada ou amarelo-esverdeadas. erva-depinguço. • Mentha piperita – hortelã. malva-santa. mentrasto. Planta medicinal usada como antiespasmódico e tônico. • Mentha pulegium – poejo. Usada para banho de recém-nascidos. Planta ornamental que também é muito usada na indústria farmacêutica para produção de óleo essencial na área de cosméticos. hortelã-pimenta. Também é usado como tempero. Planta usada em culinária como condimento. heterophyllus – erva-macaé. bombons. • Melissa officinalis – erva-cidreira. As sementes pretinhas são comestíveis. atroverã. • Ocimum gratissimum – manjericão-cheiroso. • Origanum majoranum – manjerona. Erva muito cultivada em fundo de quintal. Planta que produz óleo essencial usado na indústria farmacêutica. Planta medicinal. Planta medicinal também usada como tempêro. usada em medicina popular. Planta medicinal que exsuda látex empregado como antídoto para veneno de cobras e escorpiões. apiastro. • Mentha sp. Planta medicinal usada também como tempero. – hortelã-da-folha-miúda. usando-se misturá-las à massa de pães e para obtenção de bebidas refrigerantes. quer seja na forma de xarope. • Ocimum basilicum minimum – manjericão.

) e também muito ricas em proteínas (20%) e ômega-3. constituindo-se ainda como boa fonte de produção de óleo essencial. cujas folhas são usadas como condimento. empregado em perfumaria. ferro. Árvore nativa na Amazônia da qual se extrai essência utilizada na indústria de perfumes. pau rosa. sendo também medicinal e melífera. por ser incorruptível quando fincada ao solo. hera-sueca. para já irem enraizando e se desenvolvendo. Planta arbustiva exótica. Bonita plantinha ornamental colgante. • Aniba parviflora – louro-rosa. potássio. patchouli. muito indicadas pra alimentação humana e de animais. onde recebe ótima reputação como água-de-cheiro. A essência extraída desta planta entra na composição de um dos perfumes mais famosos e caros do mundo. cuja reprodução vegetativa se dá com muita facilidade. – patchuli. • Rosmarinus sp. propícia para cultivos em climas tropicais e subtropicais. • Salvia hispanica – chia. Planta ornamental de flores singelas muito bonitas e perfumadas. moeda. bastando para isso seus raminhos quadrangulares entrarem em contacto com a terra. o pau-rosa está em vias de extinção. apropriada e indicada para cultivo em jardins populares. Lauraceae (lauráceas) • Aniba canelilla – preciosa. e pela exploração desenfreada e predatória de que tem sido vítima (pois derruba-se a árvore para extrair a essência da madeira). – alecrim-do-oriente. cujas sementes são muito ricas em sais minerais (cácio. o linalol. originando novos indivíduos. Planta ornamental e medicinal de folhas largas e flores de cachos vermelhos. Planta ornamental e medicinal. • Pogostemum sp. • Thymus serpyllum – serpol. por isso e pelo seu bom sabor. Planta de que se extrai óleo essencial de largo uso em perfumaria.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 107 • Plectranthus australis – dólar. brasiliensis – erva-de-chumbo. • Thymus vulgaris – tomilho. que é preciosa fonte de óleo essencial. Planta medicinal de onde se extrai óleo essencial. • Rosmarinus officinallis – alecrim. Necessita-se de 1 tonelada de madeira. muito usada também como condimento e da qual se extrai óleo essencial. louro rosa. rosmaninho. os quais debilitam com seu modus vivendi predatório. o Chanel 5. sendo a extração feita através de destilação com vapor d’água (arraste a vapor). Árvore nativa na Amazônia. etc. Planta de origem mexicana. • Cassytha americana ou C. filiformis ou C. que fornece madeira propícia para ser usada como moirões na construção de cercas da propriedade rural. Árvore nativa na Amazônia. Planta parasita que cresce sobre hospedeiros. • Salvia officinallis – sálvia. para obtenção de 10 litros de óleo essencial. principalmente no Pará. • Aniba rosaedora – pau-rosa. . feito na França.

utilizada em marcenaria de luxo e outros fins nobres. • Ocotea cymbarum – inamuí. Fornece madeira boa para carpintaria e construção de um modo geral. Árvore nativa na Amazônia. flores insignificantes. sendo por esta característica árvore muito explorada extrativamente. caneleira-da-índia. • Ocotea catharinensis – canela-preta. . Árvore que fornece excelente madeira parda.) • Laurus sp. • Cinamomum zeylanicum ou C. e por isso muito utilizada em situações em que há necessidade de ter parte da madeira enterrada no solo (como no caso de postes e moirões de cerca). e que também fornece madeira de boa qualidade. como a pimenta longa (planta herbácea que ocorre na Amazônia). obovado-oblonga. Árvore nativa na Mata Atlântica que fornece excelente madeira. e desta planta se faz o rapé. • Ocotea porosa ou Phoebe porosa – imbuia. Árvore da qual se utilizam as folhas como condimento. levar uma pitadinha ao nariz e provocar longa série de espirros. ceylanicum – canela. Planta que tem efeito antisséptico e por isso é utilizada para resguardar ambientes de organismos indesejáveis (fungos. – cânfora. que agora tem que ser buscado em outras fontes. mollis – canela-amarela. – louro. canela-da-índia. • Lindera benzoin – lindera. A madeira amarelada é de alta resistência. pau-de-gasolina. Costa Rica. • Cinamomum camphora. para. Nome do gênero caracteriza (dá nome) a família. que tem a característica interessante de apresentar líquido combustível que pode ser utilizado em substituição ao querosene. Poveda do CATIE. • Mezilaurus itauba – itaúba. o que ameaça o futuro da espécie. por sua boa resistência em contacto com o solo. louro inamuí. cocobola. árvore-doquerosene. Madeira boa para carpintaria e marcenaria em geral. em Turrialba. louro-itaúba. Sua madeira também é aproveitada para construção de casas e móveis. Árvore descrita pelo prof. Espécie da qual se extrai o benjoim (essência). de alta resistência à umidade. É árvore de tronco grosso e curto. odorifera – sassafrás. substancia (pó) que os antigos costumavam guardar em pequeninos recipientes (latinhas) de bolso. Árvore aromática. além de possuírem propriedades medicinais. • Nectandra myriantha ou N. canela sassafrás. etc. canela-verdadeira. pela quase extinção a que levou a exploração predatória perpetrada contra esta preciosa riqueza da Mata Atlântica. sendo uma das espécies voltadas à exportação. Árvore nativa na Mata Atlântica que fornece excelente madeira. canela-do-ceilão. Árvore de folhas espessas. Árvore pequena (aproximadamente 10 metros de altura) que fornece madeira-de-lei e cuja casca é muitíssimo usada em todo o mundo como condimento. Fornece madeira de boa qualidade apropriada para construção e utilização rural. Madeira-de-lei que ocorre na Amazônia. rica em desenhos. de flores insignificantes e frutos bagas com pequena cápsula basal. de vez em quando. • Ocotea pretiosa ou O. insetos. cissiflora ou N. da qual se extrai safrol (óleo essencial usado na indústria como fixador).108 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Caryodaphnopsis burgeri – quira. frutos bagas negras. por exemplo.

Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades

109

• Ocotea spectabilis – baraúna, canela-baraúna. Árvore nativa que fornece madeira dura. • Persea gratissima ou Persea americana ou Laurus persea – abacate, abacateiro. Excelente árvore frutífera originária da América Central, que fornece frutos grandes e muito saborosos apreciados em muitas partes do mundo, quer seja adicionando açúcar (costume comum no Brasil) ou sal (costume corrente nos países hispano-americanos, onde é muito consumido na forma de salada). É utilizado também na indústria farmacêutica e em medicina popular, sendo o chá de suas folhas muito bem reputado como diurético. Dos frutos pode se obter óleo de excelentes propriedades alimentícias que concorre na faixa do óleo de milho e do azeite de oliva. Produção média de frutos por hectare: 10 toneladas. Teor de óleo: de 85% a 16%. • Persea pyrifolia – abacateiro-do-mato. Árvore que ocorre no interior de MG, cuja madeira tem emprego na indústria de móveis. • Phoebe porosa ou Ocotea porosa – (ver Ocotea porosa).

Lecythidaceae (lecitidáceas)
Família relacionada na ordem Ericales, que não consta do livro Flora Brasiliensis, aparecendo seus gêneros relacionados em subfamília da família Myrtaceae. • Bertholetia excelsa – castanha-do-brasil, castanha-do-pará, castanheira. Enorme árvore frutífera que sobressai imponente na floresta amazônica, da qual é um verdadeiro símbolo. As sementes são muito nutritivas e umas poucas delas já equivalem a um bife ou um ovo em teor de proteínas. Também pode produzir óleo comestível de excelente qualidade, se constituindo ainda em importante base para a exploração sustentável que se quer implementar na Amazônia através das Reservas Extrativistas, às quais as castanheiras muito enriquecem com sua elevada freqüência. A semente é rica fonte de selênio, mineral reputado como de ação preventiva contra o câncer. Com os resíduos da produção de leite e óleo de castanha, faz-se farinha muito nutritiva que pode enriquecer biscoitos, pães, etc. Para acelerar a germinação das castanhas, na produção de mudas, usa-se descascá-las com pequenas prensas domésticas e imergi-las em solução de soda cáustica a 5% para quebra da dormência. Quando se semeia as amêndoas, faz-se tratamento com acetato fenilmercúrio em imersão por uns 90 minutos. A madeira da castanheira também tem uso em construção civil, servindo principalmente para se fazer tábuas para fechamento de paredes em casas de madeira, muito comuns na Amazônia, mas sua utilização com esta finalidade (produção de madeira) está proibida por causa da exploração desenfreada de que foi vítima esta espécie. Os povos da floresta costumam colocar as cascas de uma banana no tacho de óleo de castanha para não rancificar. • Cariniana estrellensis – jequitibá, jequitibá-rosa, jequitibá-vermelho, tauaricachimbo. Madeira-de-lei nativa na Amazônia. Árvore de tronco muito grosso, de folhas coriáceas, oblongas e acuminadas, flores alvas e paniculadas, cujos frutos são cápsulas que se abrem por fenda circular e tem sementes aladas. Madeira róseo-acastanhada muito usada em carpintaria. Ocorre em todo Brasil.

110

Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades

• Cariniana legallis ou Couratari legallis – jequitibá-branco. aproximadamente idêntica ao jequitibá vermelho.

Árvore

• Cariniana sp. – tauari, tauari-poqueca. Árvore grande parecida com a castanheira, cujas amêndoas são consumidas pelos índios, que também utilizam o ouriço (coco que encerra as amêndoas) para proteger o pênis, quando caminham pela mata. São muito parecidos com o tauari cachimbo, sendo que este tem o ouriço mais arredondado, parecendo cachimbo. • Couropita surinamensis ou C. guianensis – abricó-de-macaco, castanha-demacaco. Árvore muito ornamental com suas grandes e vistosas flores de coloração branco-avermelhadas e imensos frutos marrons arredondados como uma grande bola (do tamanho do coco-da-bahia), que embora muito bonitos, assustam à primeira vista, quando as árvores são usadas na arborização de vias urbanas, com a projeção de protagonizar acidentes em sua queda. Produz boa madeira. • Helopyxidium jarana – jarana. Árvore comum na Amazônia, de folhas lanceoladas e coriáceas, flores alvas, fruta cápsula circuncisa. Fornece madeira dura e resistente. • Lechythis paraensis – sapucaia-paraense (variedade paraense), cujo nome do gênero dá nome à família, e que quer dizer vaso em grego, em alusão à forma dos frutos. • Lechythis usitata ou L. pisonis – sapucaia, cumbuca-de-macaco. Gigantesca árvore brasileira de tronco estriado, cujos frutos são enormes cápsulas parecidas com coco, que se pode usar inclusive como vaso para cultivar plantinhas ornamentais. As amêndoas são comestíveis e saborosas. Fornece madeira boa para obras externas.

Leguminosae ou fabaceae (leguminosas ou fabáceas)
Família que reúne 600 gêneros e 12.000 espécies compreendidas em três subfamílias agora promovidas a famílias: Cesalpinioideae (cesalpiniáceas), Faboideae (faseoláceas ou papilionáceas), Mimosoideae (mimosáceas). Subfamília Caesalpinioideae (cesalpiniáceas) – Reúne uns 150 gêneros cujas espécies geralmente apresentam folhas compostas ou recompostas. Cassia ferruginea ou C. fistula – cássia-chuva-de-ouro, cássia-imperial, cássia-brasiliana, cássia-fístula, canafístula-de-besouro, cacho-de-ouro. Árvore de porte médio, extremamente ornamental com imensos cachos de flores amarelas, que, praticamente na época da floração, com a perda das folhas, compõe o visual aéreo da planta. Em termos de beleza é difícil se encontrar outra espécie que concorra com ela para efeito de decoração de parques, ruas e jardins. Também é planta medicinal com propriedades tônicas, laxativas e antibacterianas. Cassia javanica – cássia-javânica, cássia-javanesa, cássia-de-java. Árvore frondosa de grande beleza com a inflorescência em forma de vistoso pendão rosado.

Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades

111

Cassia multijuga ou Senna multijuga – cássia-aleluia, cássia-multijuga, canafístula, pau-cigarra, canudeiro. Árvore ornamental bastante usada na arborização da cidade de Porto Velho, capital de Rondônia. As flores amarelas são dispostas em bonitos cachos eretos no ápice da planta. De madeira fraca, acontece de quebrar os galhos maiores e mais pesados. Cassia occidentalis ou Senna occidentalis – manjerioba, fedegoso, fedegoso-verdadeiro, maioba, mata-pasto. Arbusto de caule herbáceo atingindo mais ou menos 1 metro de altura. Apresenta folhas de folíolos ovais e agudos, flores amarelas, frutos vagens de aproximadamente 10 cm de comprimento com numerosas e pequeninas sementes ovóides. Planta medicinal usada para debelar anemias, impaludismo, doenças hepáticas, desarranjos menstruais, sendo também abortivo. Usa-se em decocto, suco de folhas, pó, vinho, xarope. Cassia siamea – cássia siamea. Árvore de origem asiática de bonitas flores amarelas, indicada para arborização e enriquecimento do solo, tolerando ambientes semi-áridos. Caesalpinia brasiliensis ou C. echinata – pau-brasil, ibirapitanga (que na língua indígena significa árvore vermelha). Árvore de madeira nobre, hoje já bem rara no seu habitat natural (Mata Atlântica brasileira), que originou o nome do nosso país. Tem as mais diversas aplicações, como por exemplo, por sua extraordinária elasticidade, ser o melhor material para fazer arco de violino. Echinata quer dizer com espinhos, o que caracteriza bem a planta por causa dos acúleos que apresenta no tronco, principalmente quando jovem. As flores são muito vistosas e perfumosas, de cor amarela intensa apresentando uma pétala avermelhada. O nome do gênero dá nome (caracteriza a subfamília). Caesalpinia ferrea – pau-ferro, jucá. Imensa árvore ornamental de tronco liso cinzento com manchas esbranquiçadas, folhas bipinadas, folíolos oblongos, frutos levemente falcados. Fornece madeira de boa qualidade e tambem é usada em medicina popular. Caesalpinia pelthophoroides – sibipiruna. Árvore ornamental muito usada em arborização urbana, por apresentar características bastante indicadas para esta finalidade, como, entre outras, ser de crescimento rápido, oferecer boa sombra, não provocar sujeira excessiva e não apresentar raízes superficiais, que danificam as calçadas. Fornece boa lenha. Tem folhas bipinadas e vistosas flores amarelas. Árvore parecida com o pau-brasil, não apresentando, todavia, os acúleos característicos no tronco, como a árvore que dá nome à nossa querida pátria mãe. Clitoria racemosa – sombreiro, paliteiro, palheteira. Árvore de crescimento rápido, pouco exigente, aceitando bem podas drásticas, indicada para arborização. Por vezes é muito atacada por insetos, sendo comum encontrar suas folhas repletas de pulgões e cochonilhas do grupo das ortesias (farinhentas), às vezes associada à fumagina (fungo que ocorre como um pó negro). Também pode ser atacada por lagartas que a deixam praticamente desfolhadas. Adapta-se bem a climas diversos. Em arborização urbana apresenta o inconveniente de

Apresenta folhas com dois folíolos coriáceos. Dimorphandra parviflora – faveira. Fornece lenha de qualidade regular.112 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades apresentar exuberantes e vigorosas raízes superficiais. que se prestam muito bem para confecção de artesanato. sendo saborosa a massa doce que envolve as sementes. pau-d’óleo. stilbocarpa – jatobá. arrebentando calçadas e danificando tubulações de serviços públicos. e esgoto. Arvoreta muito disseminada nas restingas arenosas do litoral brasileiro. (malinche. como o fornecimento de água. flores amarelas vistosas e fruto comestível. farinheira. Arvoreta abundante nos cerrados. jutaí. Hymenaea courbaril ou H. de folhas com dois folíolos amplos e espessos. folíolos alternos. e por isso deve-se ter muita cautela em sua recomendação para esta finalidade. pesada. Disseminada por todo o Brasil. mas que já está quase em extinção no seu habitat natural. Árvore que fornece madeira dura muito usada na construção civil. Árvore originária de Madagascar (África). O tronco fornece resina igual à fabricada à base de verniz. As flores compõem bonitos cachos amarelos. situada na Baía de Guanabara. bastante ornamental. mais caracterizada e lembrada por produzir pequenas e duras sementes vermelhas com manchas pretas em um dos lados. está bastante presente na arborização da ilha de Paquetá. Delonix regia – flamboyant. bosques e jardins particulares mais espaçosos. na cidade do Rio de Janeiro. . jutaí-açu. sendo indicada para arborização de logradouros públicos. jetaí. pau-deóleo. de frutos comestíveis. Árvore da Mata Atlântica que fornece boa madeira. principalmente pulseiras e colares. sendo o fruto grossa vagem arredondada que contém arilo farináceo comestível. Árvore frondosa e majestosa. tosse e disenteria. Ormosia arborea – tento-grande. multijuga – copaíba. cujo tronco perfurado com trado fornece “vinho” usado como tonificante e depurativo do sangue. também empregado para tratar sífilis. jatobá-mirim. luz. braúna-preta. jataí. e em Minas Gerais costuma-se utilizá-la na construção de carro-de-boi. em Costa Rica). Árvore de folhas compostas. nativa na Amazônia. usado como cicatrizante natural e em tratamentos de úlceras de pele. O óleo da copaíba é retirado através de punções que se faz no caule com instrumento apropriado semelhante ao trado. A madeira é dura. flores branco-rosadas. vinheiro. Árvore característica de solos pobres. e que tem alguma utilização em mobiliários. rosada. flores amarelas vistosas. pelo que também pode ser recomendada para uso em paisagismo. resistente quando é usada no solo. Com mel é utilizada para acabar com irritação da garganta. que se estendem até por 15 metros de distância. que fornece óleo de excelentes propriedades medicinais. Copaifera langsdorffii ou C. Melanoxylon brauna – braúna. braúna-verdadeira. dura. com vistosas flores vermelhas. Hymenaea stigonocarpa – jatobá-do-campo. A madeira apresenta-se com casca escura e fendas longitudinais.

porque são um tanto ácidos. Árvore que ocorre na Amazônia e fornece madeira dura e resistente. mas muito aproveitada para fins diversos. Poveda. Árvore ornamental que fornece madeira usada para vários fins como construção civil. Peltogyne paniculata – mulateiro. vogelianum – ibirapuitá. amazonicum – paricá. da subfamília mimosoideae. chila. assoalhos. o que lhe faz famosa no verso “morres pra terra. amendoim. portas. laminaria. nasces pro mar”. o que acaba por criar confusão com esta espécie. de cor arroxeada. muito embora. Schizolobium parahybum ou S. Espécie está em perigo de extinção em seu habitat natural. na cidade do Rio de Janeiro. Sclerolobium costarricence – tostado (ocorre na Costa Rica. do poeta Amaro Costa. Tamarindus indicus – tamarindo. naval. (galináceo ou gavilán na Costa Rica). Sclerolobium Amazônia. ficheiro. bacurubu. guarucaia.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 113 Parkinsonia aculeata – turco. ao se destacar com sua exuberate floração amarela. espinhode-jerusalém. sendo muito indicada para compor sistemas agroflorestais por ser de desenvolvimento muito rápido. que fornece madeira dura. também é chamada de pinho cuibano. canafístula. . Fornece madeira de qualidade inferior. Indicada também para cerca viva por causa de seus espinhos que funcionam bem na contenção dos animais. parahyba – guapuruvu. na forma de sucos e refrescos. apresentem uma contextura de polpa de cor castanha. faveira-branca. faveiro. do CATIE. quando bem maduros. melhor ainda. Peltogyne cenfertiflora – roxinho. Árvore que ocorre na Amazônia. que envolve as sementes negras. Árvore madeirável da Swartzia langsdorffii – pacova-de-macaco. Árvore ornamental nativa na Amazônia. onde o garapuvu é a árvore símbolo. especialista em Botânica). escorrega-macaco. muito agradável. tamboril-bravo. que ocorre na região. Schizolobium excelsum ou S. Outra planta desta família. confecção de dormentes. que fornece madeira de qualidade inferior. muito usada em marcenaria e carpintaria para fins diversos. cina-cina. Árvore nativa da Amazônia. janelas. pinho cuiabano. como para confecção de “canoa de um pau só”. espinheira-russa. mas que tem boa utilização para fins menos nobres como caixotaria. sobrasil. imbira-preta. que apresenta frutos (vagem marrom) muito apreciados para consumo in natura e. etc. Árvore de arquitetura marcante. paniculatum – taxi branco. garapuvu. tendo sido descrita pelo prof. farinha-seca. Árvore comum na Mata Atlantica brasileira. bandarra. de Florianópolis-SC. Existem exemplares desta árvore na área que circunda o MAM – Museu de Arte Mordena. etc. Peltophorum dubium ou P. guapuruvu-da-amazônia. cambuí-pitanga. de grande porte e de crescimento rápido. Árvore ornamental de folhas reduzidas e caducas e vistosas flores amarelas. a Parkia multijuga.

Arachis pintoi – arachis. flores alvas. Planta aromática. cujas espécies geralmente têm folhas trifoliadas. com os sucessivos desbastes que vão sendo efetuados. A madeira é de cor beje amarelada com listras longitudinais escuras. Planta invasora considerada como adubo verde e forrageira. até a década de 1980. Planta herbácea de características originais. imburana-de-cheiro. . poroso e bem arejado. Amburana cearensis ou A. Arachis hipogaea – amendoim. selecionando então. a pata de vaca. amburana. além de ser tóxica para os animais nos pastos. que vai se soltando. sendo a maior das subfamílias. Também é planta medicinal. acreana ou Torresia cearensis ou T. que apresenta tronco pardacento e de bom cheiro. cumbaru-das-caatingas. Planta muito apropriada para revestir o solo em ambientes de parques e jardins. indicada para tratar afecções pulmonares. sem excesso de umidade. As podas vão contribuindo para conduzir as plantas com a formação adequada. Usada também como adubação verde e forrageira. Reúne 400 gêneros. as plantas de melhor desenvolvimento para estabelecer o stand final a ser cultivado. Aeshynomene selloi – aeshinomene. apresentando a planta propriedades tóxicas que são usadas para embebedar peixes. Planta arbustiva medicinal e ornamental com vistosas flores branco-rosadas e folhas cujo formato lembra a unha. Ateleia glaziouveana – timbó arbóreo. com fina película ferrugínea. sendo espécie característica de mata secundária. muito ornamental comsuas pequeninas flores formando fantásticos tapetes amarelos. que era em Rondônia.114 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Subfamília Faboideae (faseoláceas ou papilionáceas) – sendo esta primeira denominação popular derivada do gênero Phaseolus. acreana – cerejeira. cobertura-de-jardim. Seus frutos se desenvolvem dentro do solo. e por isso recomenda-se plantá-la em grupos adensados para forçar as plantas mais centrais a se desenvolverem em altura com caule reto. e a segunda porque a corola lembra uma borboleta do grupo das papilionidas. mencionou que a cerejeira quando plantada em capoeira tende a esgalhar (não apresenta fuste reto). à procura de vencer a competição por luz. cumaru-decheiro. Árvore nativa na Amazônia. Bauhinia variegata – unha-de-vaca. Árvore nativa das regiões Sul e Sudeste do Brasil. Produz madeira muito valiosa na Amazônia. agudas no ápice. O professor Jean Dubois. onde produz madeira de qualidade inferior. da Rede Brasileira Agroflorestal (Rebraf). sendo usadas as cascas e sementes em chás. O maní ou cacahuate dos povos latinoamericanos de língua espanhola é uma preciosa fonte de proteínas e óleo nas zonas tropicais e intertropicais do mundo. a segunda de maior importância em valor comercial. cerejeira-rajada. folhas lanceolado-ovais. de até uns 15 metros de altura e uns 50 cm de DAP (diâmetro à altura do peito). que deve ser leve (arenoso).

Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades

115

Bowdichia virgiloides – sucupira, sicupira, sucupira-preta, macanaíba, pelede-sapo. Árvore comum na Mata Atlântica e no Cerrado. Fornece boa madeira usada em construção de casas, móveis e carro-de-boi. Também é planta medicinal com propriedades adstringentes, cicatrizantes, antireumáticas, antidiabéticas. Cajanus flavus – guandu, guando, guandú, andú. Planta arbustiva bastante rústica que fornece grãos muito nutritivos e saborosos, sendo também, toda planta, utilizada na alimentação animal. Além de se constituir em excelente adubo verde, funciona, devido às suas profundas raízes, na recuperação da fertilidade do solo, ao transportar nutrientes de camadas mais profundas e disponibilizá-los na superfície, quando da decomposição de sua parte aérea (folhas e ramagens), enriquecendo a área cultivada. Calapogonium mucunoides – calapogônio. Planta herbácea que é forrageira e adubo verde. Camoensia máxima – camoensia. Planta trepadeira ornamental com vistosas flores brancas e perfumadas. Canavalia brasiliensis – feijão-bravo-do-ceará. Ótima planta para ser usada como adubo verde, devido à exuberante produção de massa verde. Canavalia ensiformis – feijão-de-porco. Planta que é excelente forrageira e também muito propícia para ser usada como adubação verde, pela exuberante massa verde que produz. Neste caso, há conveniência de que seja incorporada à terra (ou deixada sobre o solo como cobertura morta) na época da floração, que é quando a parte aérea da planta mais concentra nutrientes (principalmente nitrogênio). Deve ser cultivada de preferência no período das águas, para não concorrer com a cultura principal por este precioso fator de produção na época em que ele é mais escasso, e para ajudar, uma vez incorporada ou disponibilizada na superfície, a proteger o solo dos rigores do clima, resguardando a umidade, essencial à biota do solo, que a este imprime fertilidade. Alguns povos africanos utilizam seus grandes caroços brancos como alimento humano. Neste caso, devem ser deixados de molho e tomadas outras precauções que neutralizem as substâncias tóxicas nele contidas. Canavalia obtusofolia – papil. Vegetação de restinga. Centrolobium robustum – araribá, araribá-amarelo, araribá-rosa, ararauva, iriribá. Árvore alta de até 18 m, ramos novos pubescentes, folhas imparipinadas, flores dispostas em panícula tomentosa, fruto vagem alada. Fornece madeira muito boa para lenha (produz pouca fumaça). Da madeira fazem-se também excelentes móveis, sendo boa ainda para moirões, cabo de ferramentas, etc.. É espécie de crescimento rápido e regenera-se por estacas. Ocorre na Mata Atlântica. Centrosema acutifolium – centrosema. Planta herbácea forrageira de folhas mais compridas que as outras centrosemas aqui relacionadas, sendo também menos exigente em fertilidade do solo. Centrosema brasiliensis – centrosema. Planta herbácea forrageira de folhas de tamanho intermediário em relação às outras centrosemas aqui relacionadas, sendo espécie mais exigente em fertilidade do solo.

116

Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades

Centrosema macrocarpum – centrosema. Planta herbácea de utilidade como forrageira e adubação verde, de folhas maiores que as outras centrosemas aqui relacionadas, de tamanho como a puerária (Pueraria phaseoloides), a quem se assemelha no hábito de crescimento e por desenvolver-se bem em solos fracos. É uma das leguminosas forrageiras mais palatáveis. Centrosema pubescens – centrosema, jetirana. Excelente planta para ser utilizada como forrageira, adubação verde e controle de invasoras. Não se desenvolve bem em solos ácidos. As folhas são menores do que as de C. macrocarpum e pilosas. É espécie mais exigente em fertilidade do solo. Cicer arietum – grão-de-bico. Excelente alimento, apreciável pelo exótico sabor de seus grãos amiláceos, da cor de mel. Muito usado em regime de alimentação macrobiótica e, ao que parece, também na cozinha árabe. Forrageiro. Crotalaria juncea ou C. spectabilis – crotalária. Planta herbácea muito usada como adubação verde pela boa quantidade de massa verde que produz, e cujo nome se refere ao som de chocalho emitido por suas vagens secas, que lembra o chocalho da cascavel (Crotalus sp). É planta melífera e controladora de nematóides no solo. Dalbergia cearensis – pau-violeta. Árvore das caatingas nordestinas. Dalbergia hecastophyllum ou ecastophyllum – bugi. Vegetação de restinga. Dalbergia laterifolia – caviúna, cabiúna, jacarandá-cabiúna. Árvore nativa que fornece madeira indicada para fabricação de móveis. Dalbergia nigra – jacarandá-da-bahia, jacarandá-preto. A mais nobre madeira brasileira. Alcançava os mais elevados preços no mercado, sendo hoje espécie em extinção no seu habitat natural (Mata Atlântica) pela exploração desenfreada. Dalbergia subcymosa – verônica. Planta medicinal e com potencial forrageiro. Derris urucu – timbó, timbó-vermelho, timbó-verdadeiro. Planta arbustiva nativa na Amazônia, cujas partes são usadas em pescarias como veneno para matar peixes. Usada também como planta inseticida (bioinseticida). Desmodium discolor ou D. canum ou D. adscendens ou Meiboma discolor – marmelada-de-cavalo, pega-pega. Planta forrageira da caatinga nordestina. Desmodium ovalifolium ou D. intortum – desmodium. Planta herbácea muito usada em adubação verde, que quando bem cuidada pode ensejar um tapete verde de proteção e enriquecimento do solo. Além disso é forrageira, mas sem que os animais a procurem com muita avidez. Dipteryx odorata ou Coumarouma odorata – cumaru, cumbaru, imburana-de-cheiro. Árvore nativa na Amazônia, que fornece madeira dura, de boa qualidade e da qual se extrai a cumarina, alcalóide usado na indústria farmacêutica e de perfumes. Dolichos lab lab – lab-lab, cumandatiá, mangalô. Planta herbácea originária da África, usada como adubo verde e também como forrageira e na alimentação humana.

Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades

117

Erythrina berteroana – eritrina-anã. Árvore de porte médio, chamada de poró enano, na Costa Rica, onde entre outras modalidades é plantada adensada em linha para formar cerca viva. Também muito oferecida como forrageira ao gado (caprino, bovino, etc.). Erythrina poppigiana – eritrina-gigante. Árvore de crescimento rápido indicada para uso em Sistemas Agroflorestais onde cria ambiente propício ao bom desenvolvimento de espécies companheiras e contribui para melhorar a fertilidade do solo. Erythrina suberifera ou E. speciosa ou E. glauca ou E. verna ou E. mulungu – eritrina, mulungu, suinã, poró (este último nome na Costa Rica). Arbusto de flores vermelhas, caducas, de desenvolvimento rápido, indicada para consórcios em Sistemas Agroflorestais (SAFs). O caule contém acúleos e se reproduz por estacas. As folhas também podem ser usadas na alimentação animal. Flemingia congesta – flemingia. Planta arbustiva indicada para consórcio com guaraná e outros cultivos. As folhas que caem em abundância servem para cobrir o solo, acumulando matéria orgânica que vai melhorar as condições de fertilidade do solo, também por captar bastante nitrogênio da atmosfera que torna disponível às culturas consortes. Gliricidia sepium – gliricídia, mata-pasto, madero-negro (este último termo na Costa Rica). Árvore de pequeno porte muito usada em toda a América Central enriquecendo Sistemas Agroflorestais (SAFs) e para fazer cerca viva. Também é planta forrageira. Reproduz-se por estaca. Glycine javanica – soja-perene. Planta recomendada para se fazer adubação verde. Glycine max – soja, feijão-soja. Espécie de grande importância econômica mundial, por sua riqueza em proteína e ácidos graxos, que a tornam atraente cultura para exportação, recebendo grande demanda por seus aproveitamentos diversos, desde óleo vegetal à farinhas largamente utilizadas na indústria de alimentos e na composição de ração animal. Harbalyce brasiliana – raiz-de-cobra, cabeça-de-negro. Planta com indicação para tratamento de picada de cobra (o antigo remédio popular “específico pessoa”, que ainda se vende nas farmácias para esta finalidade, é feito à base desta planta). Indigofera endecaphylla ou E. hirsuta – indigofera. Planta usada como adubo verde e forrageira. Indigofera suffruticosa – anileira. Planta da qual é retirado um corante usado para lavar roupa e que também tem propriedades medicinais com efeitos tônicos, diuréticos e purgativos. Lens esculenta – lentilha. Excelente alimento de grande valor nutritivo. Leucaena leucocephala – leucena. Planta arbustiva utilizada em reflorestamento como recondicionadora do solo, sendo indicada também para adubação verde e como forrageira.

tem como maior produtor o Estado do Paraná. Carioca. Phaseolus vulgaris – feijão. Os índios também usam suas raízes para atordoar os peixes. feijão-vermelho. Phaseolus radiatum – feijão-azuki.118 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Lonchocarpus nicou ou L. facilitando sua captura. tendo que em algumas ocasiões importar do México. Principalmente no Brasil é um dos alimentos prediletos de toda a população em suas múltiplas variedades e cores. Planta que fornece grãos alimentícios e é usada para recuperação de solos. Planta herbácea indicada como adubo verde e forrageira. . Árvore da qual se extrai a rotenona. Medicago sativa – alfafa. No Nordeste brasileiro a preferência recai sobre outro tipo de feijão do gênero Vigna. Planta medicinal cujo princípio ativo (que também é produzido sinteticamente) é aproveitado na indústria farmacêutica para produção de parasiticidas como o Benzoato de benzila por exemplo. Lupinus lateus – tremoço-amarelo. moiashi. Phaseolus mungo ou Vigna radiata – feijão-mungo. etc. Planta que produz sementes que podem ser usadas na alimentação humana. Também tem propriedades medicinais. Phaseolus lunatus – feijão-de-lima. feijão-adzuki. Planta cujas sementes torradas e piladas têm gosto aproximado para o Nescau. Excelente alimento de requintado sabor e de muito boa digestão. Alimento extremamente rico utilizado para melhorar produção do gado leiteiro. utilis – rotenona. do Chile. Rosado. Com as sementes desta espécie prepara-se o broto de feijão. Planta que fornece grãos alimentícios e é usada para recuperação de solos. Muito utilizado nas cozinhas árabe e japonesa. Com ele se prepara também um doce muito saboroso. Machaerium scleroxylum – maquério. Importante forrageira de regiões temperadas. Planta que se usa também como alimento humano. O feijão preto. Lupinus albus – tremoço-branco. Mucuna pruriens – mucuna nescau. muito apreciado pelo carioca. Por causa de políticas agrícolas mal formuladas. peruiferum – bálsamo-do-peru. Nos outros estados de um modo geral a preferência é pelos feijões mulatinhos (Rosinha.). substância tóxica empregada como inseticida. Myroxolon balsamum ou M. Phaseolus acutifolium – feijão-tepari. da Argentina. para regularizar o abastecimento. feijão-da-china. por sua riqueza alimentícia. feijão-lima. o Brasil não é totalmente auto-suficiente em sua produção. que privilegiam a agricultura de exportação. jacarandá-do-campo. é muito bem conceituado na alimentação do tipo macrobiótica. se constituindo num “achado” para o carente povo brasileiro. feijãojaponês. jacarandá ferro. vitaminas e sais minerais. Árvore nativa do Cerrado que fornece boa madeira. Macroptilium atropurpureum – siratro. que tem o nome de moiashi em japonês. principalmente como fonte de proteínas.

agati. agressivo e rústico. kudzu-tropical. Sesbania grandiflora – sesbania. no início do processo de incremento da colonização do estado. ao utilizá-las como suporte em sua expansão aeroespacial. Pueraria phaseoloides – puerária. caranguejo. apetitoso e nutritivo. onde na forma de conserva simples. feijão-decorda. às quais pode sufocar com seu crescimento agressivo. manteiga derretida. caupi. podendo ser ingerido com farinha... Planta herbácea cujas sementes se constitui em esplêndido alimento. de estupendo sabor também quando usado ainda verde. Por problemas de clima.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 119 conhecido como feijão fradinho. que contém 40% de proteína. Planta herbácea. é oferecido como “petit pois”. propícia para adubação verde com a abundante massa vegetal que produz. etc. galinha. . Platymiscium ulei – macacaúba. estilosante. que além de ser muito saboroso. Pisum sativum – ervilha. por causa do seu crescimento intenso. que cobre toda área onde é cultivada. Platycyamus regnellii – pereira. Stizolobium deeringianum – mucuna. etc. frutas. Psophocarpus tetragonolubus ou tetragonolobus – feijão-alado. Árvore nativa na Amazônia que fornece madeira nobre. Árvore que na Indonésia funciona como planta adubadora por causa da constante queda de suas folhas. Ocorre também no sul da Bahia. feijão macáçar. No interior de Minas Gerais costuma-se usá-la para fazer carro-de-boi. tendo apenas que ser manejada com cuidado. para que não venha trazer prejuízos às culturas com que se consorcia. aproveitado também na indústria de alimentos. de coloração que vai do pardo avermelhado ao vermelho-escuro. É espécie muito difundida em Rondônia. a produtividade do feijão no Brasil alcança cifra muito baixa. Árvore madeireira da Mata Atlantica. o famoso “feijão verde” do povo nordestino. Planta herbácea forrageira que se desenvolve bem nas condições ambientais da Amazônia. produzindo abundante massa verde. apenas em salmoura. muito interessante para revestimento do solo em cultivos de plantas perenes. Tem copa rala e por isso se presta para consórcios com lavoura branca. de hábito rastejante ou trepador quando encontra suporte. situando-se em média na faixa de 600 kg/ha. pois era recomendada nos projetos de plantio de seringueira nos anos 1970. requisitada inclusive para exportação. Stylosanthes guianensis – stilosante. Excelente planta herbácea usada para adubação verde. feijão-da-praia. pragas e doenças. Espécie cultivada na Índia. Por sua rusticidade é considerada o zebu vegetal. cow-pea. é também muito digestivo. sendo bem procurada pelos animais domésticos de um modo geral por sua elevada palatabilidade. para que não venha a sufocar as plantas consortes. e tecnologia rudimentar em seu sistema de produção. Serve também para consórcios com gramíneas na formação de pastagens. mucuna-anã. tendo que ser bem manejada em sistemas agroflorestais. extremamente saudável.

cow-pea. W. Planta leguminosa forrageira. do Instituto Biodinâmico. recomendada como planta para sombreamento. trevo-rasteiro. (Ver Phaseolus mungo). Árvore ornamental de crescimento rápido. Tipuana speciosa ou T. Árvore de origem asiática. de flores amarelas dispostas em inflorescências terminais e madeira de ilimitada duração. Vigna radiata – feijão-mungo. floribunda. Planta medicinal com propriedades analgésicas. Árvore que atinge até 20 m de altura. Espécie de feijão muito apreciado no Nordeste brasileiro. por não fornecer madeira de primeira qualidade. apropriada para reflorestamento em regiões tropicais. feijão-de-praia. Ver detalhes sobre esta espécie na parte final do texto sobre Phaseolus vulgaris (feijão). feijão macáçar. – tefrósia. cearensis – cerejeira. utilizada para fabricação de móveis finos. W. de Botucatu. cearensis ou Amburana acreana ou A. macrostachia – glicínia. pelo que é usada também como defensivo agrícola natural. e da Fazenda Escola Fundamar. amburana. Acacia mearnsii ou A. feijão-vermelho. Variedade de feijão de grãos pequeninos com semelhança para o feijão azuki. Árvore de origem australiana. Planta exótica de origem chinesa. feijão fradinho. trepadeira de rara beleza. como excelente adubo verde. e por isto apreciada para enfeitar jardins em diversa partes do mundo. Algumas variedades apresentam sabor fortemente amargoso. em Paraguaçu. ervilha-de-vaca. SP. Planta reputada e indicada pelo prof. multijuga. acácia-australiana. W. Acacia mangium – acácia-mangium. Fornece madeira útil e bom exsudato do tipo . feijão de corda. Vigna repens ou sinensis – caupi. As que não têm esse problema são muito gostosas e nutritivas. Trifolium repens – trevo-branco. chicote.120 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Tephrosia sp. MG. Zornia diphylla – zornia. adaptável a solos ácidos e de baixa fertilidade. Wisteria sinensis. Vouacapoua americana – acapu. Torresia acreana ou T. Franz Leher. jacarandá-tipuana. decurrens – acácia-negra. Subfamília mimosoideae (mimosáceas) – Apresenta uns 40 gêneros com espécies geralmente de folhas recompostas (bipinadas) e inflorescência em glomérulos (como esponjinhas). este muito utilizado na culinária macrobiótica. Ao que parece tem algum componente tóxico. cumbaru-das-caatingas (ver Amburana cearensis). Vigna umbellata – feijão-arroz. Apresenta folhas simples e coriáceas. muito cultivada no Sul do nosso país em reflorestamento e recuperação de áreas degradadas. ou feijão japonês. Fornece madeira boa para polpa de celulose e outras finalidades menos nobres. expectorantes e tônicas. tipu – tipuana. trevo-amargo. por seu crescimento rápido. comum na Amazônia e nas Guianas. Vigna faba – fava.

angelim-vermelho. Enterolobium contortisiliquum – orelha-de-negro. Contém na casca 30% a 40% de tanino. Árvore ornamental muito apreciada por suas flores (glomérulos) amarelas e perfumadas. acapu-de-igapó. por aceitar bem diversos tipos de podas. serve para fixar cores em pinturas e tinturarias). angelimpedra. Árvore nativa na Amazônia. Enterolobium schomburkii – sucupira-amarela. Grandiosa árvore nativa na Amazônia.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 121 goma arábica. Caliandra selloi – caliandra. o que o faz até ser usado no meio rural como substituto do sabão. Dinizia excelsa – angelim. Campsiandra laurifolia – acapurana. de flores róseas. As sementes devem ser deixadas durante um dia dentro d’água para melhorar o índice de germinação. por seu crescimento rápido. – acácia-do-nilo. Árvore que apresenta frutos comestíveis. essa substância dá coloração azulada com sais de ferro para indústria de papel e diversos usos menos nobres. Gigantesca árvore ornamental. Inga virescens – ingá. rosadas). pesada. Albizia lebbeck – coração-de-negro. Acacia melanoxylon – ébano-australiano. pulseiras. Árvore que ocorre na Amazônia de frutos com formato bem original. marcenaria. de madeira dura. Acacia cultriformis – acácia-esponjinha. Enterolobium cyclocarpum – guanacaste.). faveira-ferro. etc. que também dá nome à uma província ao norte deste simpático país da América Central. Acacia sp. pesada e interessante para reflorestamento. . que por serem muito duras e vistosas são usadas na confecção de bijuterias (colares. Árvore exótica madeireira. Árvore que fornece boa madeira. frutos grandes e madeira durável própria para construção. etc. árvore-da-goma-arábica. Planta que tem aproveitamento industrial por suas características e propriedades peculiares. Enterolobium saman ou Pithecellobium saman ou Samanea saman – samanea. tamboril. que contém saponina. muito apropriado para compor cercas-vivas. As sementes são globo-discóides de cor sanguínea. Árvore exótica ornamental bastante usada em arborização por aceitar bem podas drásticas. substância adstringente usada no curtimento de couro. que ocupa o dossel superior da floresta. Adenanthera pavonina – tento-da-carolina. Árvore símbolo da Costa Rica. que é também indicada para recuperação de áreas degradadas. angelim-verdadeiro. Arbusto lenhoso ramificado. esponjinha-gigante. Fornece boa lenha. de flores vistosas (esponjinhas de estames brancos com pontas avermelhadas. Fornece madeira de boa qualidade. Tem também propriedade mordente (combinada com corante. muito usada em carpintaria e marcenaria. incorruptível em contacto com o solo. Árvore ornamental de crescimento rápido que fornece boa madeira e apresenta frutos secos.

As sementes apresentam dormência que precisa ser quebrada com imersão em água quente por 1 minuto. Planta ruderal de flores rosadas de extrema beleza que tem a característica marcante de apresentar movimento de fechar os folíolos ao serem tocados. Árvore multiuso nativa do Nordeste brasileiro. Mimosa pudica – dormideira. e outros cultivos aéreos. faveira. tutores em plantios de uva. . tendo aplicação também em medicina popular. sendo por suas potencialidades. indicada para ser cultivada nos solos ácidos dos trópicos. Árvore lindíssima com uma grande copa de aspecto tabular. unha-de-gato. Parkia multijuga – paricá-grande. tendo crescimento rápido e produzindo lenha de primeira qualidade. dor de cabeça. ingá rabo-de-mico. guabachilillo (estas últimas denominações na Costa Rica). Planta disseminada amplamente na caatinga do Nordeste brasileiro. vinhático-do-mato. Gigantesca árvore nativa na Mata Atlântica. sansão-do-campo. etc. Também é planta medicinal sendo indicada para tratamento de reumatismo. Árvore frutífera de porte médio e crescimento rápido. faveira-bolota. problemas intestinais. cabos de ferramentas. ingá-de-metro. guaba. mas há variedade sem espinhos.122 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Inga edulis – ingá-cipó. A árvore é cultivada também para controle de erosão e é melífera. apropriada também para uso em cerca viva. Parkia pendula – visgueiro. Árvore de usos múltiplos (multiuso) muito cultivada no Sul do Brasil. A árvore é excelente para ser usada como cerca-viva e multiplica-se também por estacas. que produz madeira-de-lei de especial qualidade para fabricação de móveis e outros usos nobres. que fornece boa madeira para moirão.. Platymenia reticulata – vinhático. Produz resina usada para pegar pássaros. espinheiro. além de ser planta melífera. vinhático-rajado. Mimosa sepiaria ou M. parkia. sensitiva. etc. Parkia platycephala – faveira-preta. Árvore que ocorre na Amazônia e produz madeira usada em construção. Gigantesca e muito bonita árvore nativa na Amazônia que fornece madeira aproveitada para finalidades diversas. Planta arbustiva melífera que fornece boa madeira para lenha e carvão. que apresenta legumes revestidos de pêlos e é indicada para controle de erosão. Mimosa hostilis – jurema-preta. utilizada em rituais de religiões africanas. pinho-cuiabano. bimucronata – maricá. Os galhos mais novos apresentam muitos espinhos. esponjinha. sendo boa também para lenha e carvão. Também tem propriedades medicinais. Mimosa caesalpiniaefolia – sabiá. os quais fertiliza com sua abundante matéria orgânica e sua capacidade (propriedade) de captar nitrogênio do ar através dos rizóbios. sendo. Árvore que ocorre na Amazônia. Piptadenia cebil – angico-roxo. Árvore que fornece boa madeira. Mimosa bracatinga – bracatinga. maracujá. Parkia opositifolia – faveira-benguê. de porte médio e crescimento rápido. portanto apropriada para sistemas agrossilvipastoris que envolvam apicultura.

que pode ser plantada por estacas. Lentibulariaceae ou utriculariaceae (lentibulariaceae ou utriculariaceae) • Utricularia sp – utricularia. faveira-camuzé. hipotensora e tônica. cicatrizante. tornando-se herbácea com freqüentes cortes. casca avermelhada. Arvoreta armada de espinhos de ramos muito duros em forma de ziguezague e também é planta medicinal. Notável árvore forrageira. Fornece boa lenha e carvão. antibacteriana. sendo adstringente. Planta forrageira do Nordeste brasileiro. Gênero de plantas carnívoras que dá um dos nomes da família. Piptadenia suaveolens – timborana. Árvore que fornece boa madeira. cujo nome do gênero dá nome à família. Piptadenia rigida – angico-verdadeiro. Prosopis juliflora – algaroba. Árvore madeirável que ocorre na Amazônia. pulcherrimum ou S. antiséptica. coagulante sanguínea. anti-hemorrágica. escamosa e espessa. Produz madeira de utilização rural. Árvore de porte médio de ramagens com espinhos axilares. Árvore muito grande que ocorre na Amazônia. Árvore de crescimento rápido. Os frutos são recurvados como alças do intestino. onde se constitui em alternativa para alimentação do gado e fornece boa madeira. Stryphnodendron barbatimao ou S. guianensis – barbatimão. Pithecolobium saman – acácia-preta. Pithecolobium multiflorum – canafístula-de-boi. Árvore cujas folhas são dotadas de excelentes propriedades medicinais. pastinha. Pithecolobium diversifolium – jurema-branca. Árvore grande de crescimento rápido que fornece madeira apreciada em construção e boa para lenha e carvão. comum no Nordeste. . Planta aquática que recobre a superfície da água em tanques e lagos. que é planta forrageira de muita importância no Nordeste. Planta de uso medicinal. indicada para regeneração de áreas degradadas. Piptadenia colubrina – angico-branco. Lemnaceae (lemnáceas) • Lemna minor – lentilha-d’água. Árvore grande que fornece madeira apreciada em construção e boa para lenha e carvão. Pithecolobium tortum – jurema. angolo. Pithecolobium policephalum ou Albizia polycephala – camunzé.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 123 Piptadenia communis – pau jacaré. muito comum no Nordeste brasileiro Pithecolobium gummiferum – angico-vermelho. fava-folha-fina.

trata-se de planta ornamental de largo uso em jardins populares. Planta ornamental que tolera ambientes umbrosos. . Hortaliça de largo uso na culinária. • Asparagus sp. de gosto forte e de propriedades antissépticas interessantes para ajudar a manter a boa saúde do corpo.124 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Liliaceae (liliáceas) Família que reúne algumas das plantas chamadas “suculentas”. • Aloe vera – babosa. Planta ornamental de extrema beleza. Planta ornamental de folhas lanceoladas de margem branca. Planta ornamental trepadeira. • Allium porrum – alho-poró. inclusive sendo seu sumo indicado para o fortalecimento e regeneração dos cabelos. Planta ornamental com folhas compridas verdes com listras amarelas. Muitas das espécies apresentam caule do tipo bulboso. Planta ornamental. que junto com outros gêneros como Asparagus. • Haworthia attenuatta ou H. – aspargo-ornamental. entre outros benefícios que seu uso enseja. • Allium fistulosum – cebolinha. aos quais enriquece que seu sabor picante. melindre. também são classificadas como sendo das famílias Asphodelaceae. • Chlorofytum comosum – clorofito. Hortaliça. Hortaliça de largo uso como tempero se fazendo presente em quase todos os pratos. Planta ornamental muito bonita com folhas rígidas matizadas de pontos brancos. etc. • Dracaena goeldiana – rainha-dracena. • Allium cepa – cebola. que se constituem numa fora de propagação. Planta medicinal de largo uso para combater uma série enorme de enfermidades. Haworthia. • Asparagus setaceus – bambuzinho. • Cordyline terminalis – cordiline. a qual se usa os bulbos e as folhas cozidas para enriquecer pratos diversos.. principalmente no gênero Aloe. tendo ainda propriedades que a recomendam como tônico para o coração. • Allium sativum – alho. • Aloe sp – aloé. caminho-de-jesus. Como o próprio nome vulgar diz. subfasciata – hawortia. Atraente variedade de hortaliça de muitas propriedades medicinais. Sanseveriaceae. Tem muitas propriedades medicinais. Planta medicinal usada na indústria farmacêutica. da qual se usa os talos com as flores como apreciado legume. Planta ornamental de folhas verdes e bordos rosados. • Dracaena marginata – dracena rosada. que compõem divisão mais atual desta família principal (liliaceae) e mais tradicional. • Agapanto africanus – agapanto. • Asparagus oficinallis – aspargo. • Dracaena fragans – dracena. Hortaliça cujos bulbos têm muito vasto aproveitamento em culinária. Dracaenaceae. Alliaceae. Aloaceae. que emite muitos estolões. Tolera ambiente sombreado e pode alcançar grande tamanho em altura.

• Lillium candidum – lírio-branco. Planta ornamental de expressiva beleza. de flores perfumadas e bonitas. Planta ornamental. Planta invasora. lírio-trombeta. – alho-bravo. • Lillium longiflorum – lírio-japonês. • Hemerocalis fulva – hemerocalis-vermelho. • Hyacinthus orientalis – jacinto. • Sansevieria stukyi – espada-cilíndrica. devendose ter cuidados em seu cultivo. gloriosa – iuca. principalmente onde tem crianças. – lírio. Arbusto exótico que tem propriedade medicinal. Planta ornamental de flores reunidas em pendão branco muito lindo. Tolera bem ambientes sombreados. como acontece na América Central. Pequena planta ornamental rústica de grande beleza. círio-de-nossa-senhora. grama preta. – tulipa. Planta ornamental com lindas flores. lírio-amarelo. por suas excelentes propriedades nutritivas. Planta ornamental de grande uso nas residências populares de um modo geral e também presente em vasos em bares e botequins. • Hemerocalis flava – açucena-amarela. característica dos Países Baixos. – linho-de-nova-zelândia. onde também é planta muito presente como cerca viva. Linaceae ou lineae (lináceas) • Linum usitatissimum – linho. algumas de importância muito grande por sua beleza e utilidade. Planta ornamental. • Nothoscordum sp. • Smilax aspera – salsaparrilha. • Sansevieria hahnii – espada-de-ogum. onde é a flor símbolo. comum em ambientes de excessiva umidade. sendo indicada como diurética • Smilax sp. • Phormium sp. sendo rica fonte de proteínas. Planta herbácea usada desde a Antiguidade pelos povos do Oriente para fazer tecidos. Planta ornamental higrófila. • Yucca filamentosa ou Y. sais minerais e ômega-3 . Planta ornamental. Planta exótica que fornece importante fibra têxtil. Planta ornamental. hemerocalis-amarelo. lírio-dos-finados. Planta ornamental usada em jardins. • Lillium sp. • Sansevieria zeylanica – espada-de-são-jorge. pois é planta tóxica. que podem ser usadas também como alimento. lírio-dos-poetas. Planta ornamental. Nome genérico de várias espécies do gênero Lillium. lírio-de-são-josé. praga de jardim.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 125 • Hedychium coronarium – lírio-do-brejo. e que hoje em dia tem suas sementes (a linhaça) muito utilizadas na alimentação humana. • Ophiogon japonicus – grama italiana. por ser reputada como boa pra espantar mau olhado.

126

Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades

Lithraceae (ver Lythraceae) Loganiaceae (loganiáceas)
• Strychnos pseudoquina – quina-do-campo, quina-do-mato. Planta nativa do cerrado, que tem propriedade medicinal. • Strychnos toxifera – curare. Planta que os índios utilizam para tirar o veneno que usam em suas flechas na caça de animais.

Loranthaceae (lorantáceas)
• Struthanthus marginatus ou S. flexicaulis – erva-de-passarinho. Planta parasita herbácea, extremamente agressiva que se hospeda sobre os mais diversos tipos de árvores, onde se propaga ao ter suas sementes depositadas nos galhos por passarinhos, que ingerem seus frutinhos e expelem nas fezes as sementes viáveis, as quais, germinando, grassam como praga de difícil controle, por se localizarem às vezes em galhos muito altos de grandes árvores, às quais injuria, causando-lhes sérios prejuízos, que podem levá-las à morte, na evolução da indesejável e funesta associação.

Lycopodiaceae/Pteridophyta (licopodiáceas)
• Lycopodiella cernua – licopódio. Pequena planta de ambientes úmidos cujo nome do gênero caracteriza (dá nome) à família.

Lythraceae ou Lithraceae (litráceas)
• Largerstroemia indica – extremosa, minerva-dos-jardins, resedá. Planta ornamental que apresenta linda inflorescência nas variedades de cores brancas, rosadas, vermelhas e roxas. Ver também resedá odorata (Reseda odorata), da família resedaceae. • Lafoensia replicata – mirindiba. Árvore madeireira. • Lafoensia glyptocarpa – mirindiba-rosa, mirindiba-bagre. Árvore madeirável da Mata Atlântica.

Magnoliaceae (magnoliáceas)
• Illicium anisatum – aniz-estrelado, badiana, aniz-da-sibéria. Planta medicinal, também usada como condimento. • Magnolia grandiflora – magnólia. Árvore ornamental que apresenta flores brancas bonitas e muito perfumadas e cujo nome do gênero dá nome à família.

Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades

127

Malpighiaceae (malpigiáceas)
• Banisteriopsis caapi – cipó mariri, yagé, jagube, caapi. Cipó nativo na Amazônia, de propriedades alucinógenas, que se junta com as folhas de outra planta também com propriedade estupefaciente, a chacrona (Psicotropia spruce), para dar lugar à bebida ayhuasca, usada por indígenas e caboclos em rituais religiosos, onde, hipoteticamente, entram em contacto com divindades, ou seres superiores, por meio da “miração”, que os levam a ter, segundo os adeptos, maior compreensão do processo vital. O cipó mariri encerra o alcalóide harmina e é reputado como planta mágica, telepática, hipnótica, eufórica, psicodélica, e tranqüilizante. • Byrsonima crassifolia – murici, murici-da-praia. Árvore de frutos pequenos, amarelos, de gosto agradável, embora muito ácido, indicados para compor sucos, mousses, e também fazer vinho. • Lophantera lactescens – lanterneira. Árvore ornamental muito bonita. • Malpighia punicifolia ou M. glabra – acerola, ginja, cereja-das-antilhas. Arbusto originário das Antilhas que produz pequenos frutos, de coloração avermelhada, reputados como uma das maiores fontes naturais de vitamina C (até 300 mg/100 g de suco, enquanto a laranja e o limão, por exemplo, ficam na faixa de 50 mg/100 g de suco). A Empresa Pernambucana de Pesquisa Agropecuária (IPA), de Pernambuco, produz e fornece sementes de variedades melhoradas. A aceroleira começa a produzir em torno dos três anos de idade. O nome do gênero desta planta dá nome à família.

Malvaceae (malváceas)
Família da ordem malvales, que reúne 31 gêneros e umas 500 espécies no Brasil, enquanto são conhecidas nos países tropicais umas 900 espécies. • Abutilon sp. – abutilon. Planta ornamental. • Althaea cannabina – malvaísco-de-folha-de-cânhamo. Planta ornamental. • Althaea rosea – malva rosa. Planta ornamental e medicinal. • Gossypium herbaceum ou G. hirsutum – algodão. Planta herbácea ou arbustiva que se constitui em excelente atividade de produção agrícola com a exploração de seus frutos (capuchos) para produção de fibras de largo uso na indústria têxtil em todo o mundo, e as sementes para produção de óleo comestível de refinada qualidade. Também é planta medicinal. • Hibiscus acetosella – hibiscus-de-flor-branca. Planta ornamental. • Hibiscus cannabinus – kenaf, papoula-de-são-francisco. Planta asiática (Índia, Tailândia, etc.) da qual se aproveitam as fibras para confecção de tecidos. • Hibiscus esculentus – quiabo. Planta cujos frutos são muito usados em culinária, compondo pratos diversos, ou ensopado como legume.

128

Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades

• Hibiscus rosasinensis – hibisco, mimo-de-vênus, papoula-vermelha. Planta ornamental muito usada como cerca viva em jardins e que na Costa Rica, onde é chamada de amapola, é usada como forrageira (as folhas apresentam 10% de proteína e 65% de digestibilidade). • Hibiscus sabdariffa – vinagreira, quiabo-de-angola, azedinha. Planta medicinal que também se usa como tempero e em saladas e que tem altos teores de vitamina A, B1 e C. Também é planta ornamental cultivada em quintais de residências populares. • Hibiscus tiliaceus – algodão-da-praia, guaxima-dos-mangues. Árvore ornamental de porte médio e de flores amarelas muito bonitas, que se adapta bem em condições de solos arenosos das orlas marinhas. • Malva silvestris – malva-silvestre. Planta cujo nome do gênero dá nome à família, e que é medicinal e farmacêutica. • Malvaviscus arboreus – malvavisco, graxa-de-estudante, clavelon (na América Central). Planta ornamental de flores singelas vermelhas, de rara beleza e muito usada em jardinagem popular por sua rusticidade e facilidade de cultivo. • Sida rhombifolia – vassourinha, guaxuma, guanxuma. Planta invasora que também é medicinal. Tem emprego para confecção de vassouras rústicas, de uso no meio rural, donde deriva seu nome popular.

Marantaceae (marantáceas)
• Calathea insignis – calatéa. Planta ornamental herbácea de folhas grandes com pintas arredondadas escuras. • Calathea makoyana – calatéa-makoyana. Planta ornamental muito bonita com folhas largas e pintas escuras. • Calathea ornata – calatéa-ornata (variedade “róseo lineata”). Planta ornamental cujas folhas apresentam linhas rosadas. • Calathea zebrina – calatéa-zebrina. Planta ornamental de folhas largas com listras escuras um tanto aveludadas. • Ischnosiphon popyphyllus – arumã. Planta que cresce nos terrenos úmidos ou alagados da Amazônia e cujos talos são aproveitados pelos índios (baniwa) para confecção de cestos. Tem a propriedade de rebrotar após o corte. • Maranta arundinacea – araruta. Planta herbácea de cujos rizomas extrai-se polvilho ou fécula de fina qualidade, ideal para o preparo de mingaus e biscoitos, por sua alta digestibilidade, sendo também planta medicinal, indicada para os casos de convalescença e debilidade orgânica. O nome do gênero caracteriza a família. • Maranta leuconeura ou M. kerkoviana – maranta. Planta ornamental herbácea de folhas grandes com pintas escuras, que reveste o chão de inúmeros bosques e jardins por todo o mundo (está presente no Campo de Santana, uma área verde no centro da cidade do Rio de Janeiro). Do nome do gênero deriva o nome da família.

de cujo rizoma se obtém fécula semelhante à araruta e de folhas comestíveis para o homem e forrageira para cavalo. Também é indicada para recuperação de áreas degradadas por sua rusticidade e crescimento rápido. Linda arvoreta ornamental com flores roxas. jacatirão. e assim a sua eficácia seria limitada. Vegetação de restinga. Belmiro. • Axinea sp. Vegeta bem em lugares úmidos. arumarana. o nim não controla os ovos. da Embrapa CNPAF. Árvore exótica de crescimento rápido que tem propriedades medicinais aproveitadas para inúmeras finalidades. batidas no liqüidificador. como crescimento rápido e produção de boa madeira. principalmente em seu país de origem. caité. muito usadas em paisagismo urbano. e deixadas de molho por 48 horas. no início da década de 90. quaresma. Melastomaceae ou Melastomataceae (melastomáceas ou melastomatáceas) Família de plantas que apresentam folhas simples opostas com nervuras bem características. Planta que nos frutos possui substância de se fazer tintura. que foi um dos introdutores do nim no Brasil. trazido do Caribe. Outras formulações para uso dos produtos do Nim podem ser obtidas nas publicações do pesquisador Dr. Um produtor de Conceição do Almeida (BA) usa 135 g de folhas de nim/litro d’água. • Tibouchina holosericea – orelha-de-onça. Planta ornamental. natalzeiro. • Miconia regelli – tinteira. a Índia. • Tibouchina granulosa ou T. • Tibouchina mutabilis ou pulchra – manacá-da-serra. Meliaceae (meliáceas) Família de plantas que apresentam folhas compostas e luzidias. é muito indicada para recuperação de áreas degradadas. • Azadiractha indica – nim.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 129 • Thalia geniculata – caeté. para depois coar a solução e diluir em outro litro d’água. Árvore ornamental de pequeno porte indicada para arborização urbana por esta característica citada quanto à estatura e pela beleza de suas flores (pulchra quer dizer bela em latim). por exemplo. Planta útil para a indústria de papel. flor-da-quaresma. bananeirinha-do-mato. stenocarpa – quaresmeira. No interior de Minas Gerais também a aproveitam para lenha. onde é usada para preparar inseticidas naturais com o objetivo de controlar pragas que ocorrem nas atividades de produção agropecuária (sendo muito usado inclusive como carrapaticida). no controle de carrapato e tambem como inseticida. . usando então. Por sua rusticidade e outras características desejáveis que encerra. – axínea. nim-indiano. margosa. Outras experiências têm mostrado que embora seja eficaz no controle de carrapatos adultos.

também fornece óleo essencial usado em perfumaria e com propriedades de afugentar insetos. o ataque da broca Hypsipyla grandella (lepidóptero). araputanga.130 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Carapa guianensis – andiroba. reputado como de boas propriedades antiinflamatórias. Também os frutos são muito requisitados por roedores (cotia. existem alguns exemplares gigantescos de mogno africano. só ficando atrás do mogno. Árvore que produz boa madeira. Árvore que ocorre em muitos lugares do Brasil. vermífugo. • Cedrela fissilis – cedro-rosa. arapitanga. o mogno sofre no ápice caulinar. a terceira em importância econômica na Amazônia. de cor castanho-clara. já com algumas décadas de idade. cedro-mogno. cedro-macho (estes dois últimos nomes usados na Costa Rica e América Central). correndo risco de extinção em seu habitat natural. • Guarea rhopalocarpa – guarea. guidonia – carrapeta. que fornece madeira de boa qualidade utilizada em marcenaria. • Cedrela odorata – cedro. cedrão. por meio da disseminação das sementes. Árvore que produz madeira muito bonita. De cheiro agradável. cedro-bateo. jasmim-de-soldado. Poveda. • Khaya ivorensis – mogno-africano. e por isso também a mais cara e mais explorada. leve. que segundo o prof. Também é planta medicinal. inviabilizando-a. Árvore nativa da Amazônia. na Costa Rica. Quando cultivada em plantios em áreas abertas. • Guarea trichilioides ou G. e cuja casca tem propriedades medicinais. e. entre outras indicações que recebe em medicina popular ou em Fitoterapia. mas o seu cultivo sofre limitações também pelo ataque da broca Hypsipylla grandella (lepidóptero) que ataca o ápice da planta. espécie esta que . caoba (esta última denominação na América Central). mogno-brasileiro. Árvore madeireira. Árvore imensa nativa na Amazônia. botânico do CATIE. que paralisa seu crescimento e impõe limitação. de grande valor comercial.). PA. em suas primeiras fases de desenvolvimento (até por volta dos seis anos de idade). praga que ataca o ápice do mogno brasileiro prejudicando ou inviabilizando o cultivo da nossa mais preciosa espécie madeireira. é a única planta no mundo que apresenta crescimento nos meristemas laterais. aguano. antipirético e abortivo. esta já de menor ocorrência na região. que produz excelente madeira e foi introduzida na região Amazônica por não ser afetada pela broca Hypsipylla grandella. em Belém. pára-raio. de madeira parda avermelhada considerada a melhor de todas que ocorrem na região. santa-bárbara. cedrorana. cedroí. • Melia azedarach – cinamomo. capivara. paca. até o presente momento incontornável. etc. Árvore bem indicada para reflorestamento por ser de crescimento muito rápido. camboatá. para expansão da espécie pela região Amazônica. • Swietenia macrophyla – mogno. Já se tentou inclusive desenvolver um projeto consorciando esta valiosa espécie com o cedro australiano (Toona ciliata). e da maceração de seus frutos faz-se solução inseticida. Na sede da Embrapa-CPATU. sendo usado como purgativo. cedro-cheiroso. talvez. e cujas sementes grandes são usadas para obtenção de óleo medicinal. Reproduz-se também por estaquia. Árvore exótica de grande porte. que têm servido. acaju. cedro-batata. da cerejeira.

Moraceae (moráceas) (ex-Urticineae) Família da ordem urticales. . O cedro australiano atua como isca. arbustos. pelas incorruptíveis e extraordinárias qualidades de sua madeira. calumba.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 131 sofre o ataque da broca. – ébano. ser potencializadas com a adição de goma (cola) apropriada. PA. que são todas infrutescências complexas. como por exemplo. em plantios de reflorestamento em consórcios com o mogno. que engloba árvores (algumas gigantescas). até internacional. que em sua fase jovem sofre o ataque de uma broca. principalmente com indicação para normalizar função do fígado. cecropiaceae. Ocorre na América Central. Árvore exótica que fornece madeira de boa qualidade e que está sendo introduzida na Amazônia. Os frutos. • Toona ciliata – cedro-australiano. por conter substâncias tóxicas inseticidas. a saber: moraceae. em Belém. a Hypsipyla grandella (lepidóptero). que podem. dotadas de látex e de flores insignificantes reunidas em glomérulos. a infrutescência. mas não deixa que a praga complete o seu ciclo. urticaceae. Planta herbáceo-arbustiva com propriedades medicinais. entre as quais muitas no Brasil. trepadeiras. cipós. pequeninos em muitos casos. Mirtaceae (mirtáceas) – (Ver Myrtaceae) Monimiaceae (monimiáceas) • Peumus boldus – boldo-de-chile. estão no interior dos receptáculos. espigas e receptáculos variados. Reúne cerca de 1000 espécies. A antiga família Urticineae reunia espécies que foram desmembradas em umas tantas outras famílias. que recebe grande assédio. • Swietenia sp. como por exemplo. • Swietenia mahogoni ou mahogani ou mahogany – mogno-honduras. para viabilizar o bom desenvolvimento desta nossa mais nobre árvore madereira. mas não permite que ela complete o seu ciclo. Utilizada na indústria farmacêutica. Árvore que fornece madeira dura utilizada em movelaria. o figo. por conter substâncias tóxicas inseticidas. que inviabiliza o seu cultivo ao paralisar o crescimento apical e estimular brotações laterais que depreciam a madeira. a extrema maleabilidae e facilidade de trabalho na construção de móveis. no preparo de tinturas apropriadas para debelar pequenos problemas digestivos. Menispermaceae (menispermáceas) • Cocculus palmatus – cóculus. segundo estudos desenvolvidos na Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA). a jaca. porque é atacado pela broca. boldo-verdadeiro. Planta medicinal. a fruta-pão. e com isto tentar controlar a incidência deste fator limitante no cultivo de nossa principal espécie madeireira. Árvore que ocorre na América Central e que fornece madeira de grande valor e que é uma variedade do mogno brasileiro.

de flores masculinas e femininas. amaparana.R. principalmente anestésicos. que não produz sementes. folhas cordiformes e frutos comestíveis do tamanho de uma laranja. • Cannabis sativa – cânhamo. • Brosimum alicastrum ou B. são usadas como droga alucinógena. • Dorstenia amazonica – carauta. Sem esquecer também que foi sob a sombra de uma velha jaqueira que. de alburno cinzento e cerne vermelho com máculas amarelas. muirapiranga. é apropriada para construção de canoas. o agravante de que no caso do caucho se derrubava a árvore para se extrair sua preciosa matéria-prima. proveniente da Ásia e muito bem adaptada no Brasil. maconha.E. de porte elevado. Esta variedade apresenta frutos grandes e amiláceos que. ojoche-lechoso. Planta herbácea comum na Amazônia. communis – fruta-pão. também se explorava látex de qualidade inferior ao da seringueira. o que se usa para comer são justamente as sementes. • Bagassa guianensis – tatajuba. também são comestíveis. que cita esta característica em prosa e verso em uma de suas canções de maior sucesso. altilis ou A. A madeira dura. embora não sendo tão saborosas como as da fruta-pão de sementes. cozidas ou assadas. Árvore nativa na Amazônia. tendo. Árvore grande nativa na Amazônia. Árvore frutífera de grande porte. Árvore frutífera de grande porte. cujas folhas têm propriedades tóxicas. de origem asiática. nasceu a G. Também é planta medicinal e industrial. além de ser usada no combate à malária e outras efermidades. oferecendo princípios ativos aproveitados na elaboração de remédios. Árvore que ocorre na Costa Rica e tem frutos comestíveis e madeira nobre. cozidas ou assadas. uma vez curtidas e secas. • Brosimum paraense – amapá-doce. foi criada a família independente das cannabaceae que atualmente o acomoda (ver também citação desta espécie nesta nova família mencionada). por apresentar pequena contração na secagem.132 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Artocarpus incisa ou A. no meio rural. apresentam um brilho tão intenso e bonito que não escaparam à sensibilidade extraordinária do nosso grande compositor.S. costarricencis – ojoche. lá pelos idos dos anos 30. proveniente da Ásia. . principalmente por populações de jovens e nativos em várias partes do mundo. falsopau-brasil. Da outra variedade que apresenta sementes e que é muito freqüente na Amazônia. conduru. haxixe. • Artocarpus integrifolia – jaca. contra-erva. • Castilloa ulei – caucho. e. músico e maestro Tom Jobim. Portela. Árvore enorme que ocorre na Amazônia. que apresenta uma variedade estéril. consumido com café. que produz frutos muito grandes e saborosos (na verdade grandes infrutescências que reúnem inúmeros frutos). sendo suas fibras usadas na confecção de tecidos. se usa bastante pela manhã. bagaceira. As sementes. da qual. As folhas. própria para marcenaria. que se reproduz por estacas e tem propriedades medicinais até antiofídicas. uma das mais tradicionais escolas de samba do Rio de Janeiro. jaqueira. e a reprodução se faz por brotos originados das raízes. além de ser forrageira. no desjejum. ramon. Obs: Por este gênero apresentar características das famílias moraceae e urticaceae. de coloração verde-escuro. Planta herbáceo-arbustiva. porém. nos tempos áureos do “Ciclo da Borracha”. muito saborosas. garrote.

Arbusto exótico cultivado em várias partes do mundo.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 133 • Dorstenia arifolia – figueira-terrestre. . tiú. muito pujantes. formando “cabeleiras” de rara beleza. cevada e levedo na fabricação de cerveja. mata-pau. • Ficus religiosa – fícus-religioso. • Humulus lupulus – lúpulo. Gigantesca árvore da qual existe exemplar no Jardim Botânico no Rio de Janeiro. da qual se aproveita a madeira. Gigantesca árvore ornamental de grande beleza da qual há exemplares marcantes no Campo de Santana. • Ficus populeaster – fícus-populeaster. • Ficus doliaria – figueira-branca. Para arborização de ruas apresenta o inconveniente de suas raízes. teju-açu. originária do Himalaia. caapiá-açu. • Dorstenia brasiliensis – carapiá. Árvore de folhas grandes (parecidas com as folhas de couve). • Dorstenia asaroides – contra-erva. que produz frutos muito apreciados. Árvore ornamental muito utilizada em arborização urbana por sua rusticidade e capacidade de aceitar bem os mais diversos tipos de poda sem aparentemente se ressentir. Planta comum na pedra da Gávea. se desenvolvendo. na UFRRJ e no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. • Ficus retusa – fícus-benjamim. Reproduz-se também por estacas. Planta ornamental de grande efeito estético ao se fixar nos muros e paredes de habitações de alvenaria. • Dorstenia opifera – dorstenia. • Ficus pumila – hera. Árvore nativa na Amazônia. Planta trepadeira cultivada em regiões subtropicais e temperadas e que entra como constituinte juntamente com malte. de folhas grandes e coriáceas. Propaga-se por estacas. arrebentarem as calçadas e tubulações de serviços públicos. figueira-do-mato. Uma das poucas plantas desta família. liga-osso. • Ficus insipida – caxinguba. de porte herbáceo. acabando por levá-lo à morte. com exemplares no MAM. no Rio de Janeiro. Planta medicinal que ocorre em quase todo Brasil. • Ficus roxburghii – fícus-roxburghii. Planta medicinal comum no cerrado brasileiro. no centro da cidade do Rio de Janeiro. hera-miúda. pois logo retoma o desenvolvimento exuberante. Árvore ornamental nativa que tem fase de epifitia. Árvore ornamental de proporções avantajadas. gameleira-branca. Cipó estrangulador. • Ficus elastica – fícus-italiano. Muito utilizado também como cerca viva para delimitar espaços de jardins. • Ficus sp. • Ficus carica – figo. que cresce. fícus-gameleira. asfixiando-o. – fícus-mata-pau. apuí. e finas raízes adventícias penduradas em seus galhos mais baixos. seringueira-de-jardim. ou mulhembá. quando então é chamada de mulemba. sobre o hospedeiro.

tecido de rara beleza. Árvore da Amazônia. nas cores verde. Também é muito boa planta forrageira. e flores reunidas em amentos compactos. latescente. contendo suas folhas. que já é pouco encontrada devido ao grande interesse para exportação. anos atrás. Árvore proveniente do Oriente Médio que produz fruto muito apetitoso. Musaceae (musáceas) • Heliconia sp. • Morus nigra – amora. que se espalhou por várias partes do mundo. com 44% de digestibilidade. rica em vitamina A (boa para os olhos) pode ser usada no enriquecimento de sopas e mingaus. visando a exportação para países de climas mais amenos da América do Norte. Para serraria tem o inconveniente de apresentar elevado teor de sílica. – helicônia.134 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Morus alba – amora. de acordo com análises levadas a efeito pela Embrapa Tabuleiros Costeiros. que apresenta longas e pendentes inflorescências de rara beleza. podendo por isso até substituir concentrados. existindo produção organizada em países tropicais. sendo atualmente disseminada no Nordeste brasileiro para purificação da água (coagulante natural) através de suas sementes moídas. ricos em proteínas (27%) e óleo (26%). Produz frutos apetitosos. na indústria de cosméticos e como combustível de lamparinas. da Europa e o Japão. • Olmedia maxima – muiratinga-verdadeira. em Aracaju. principalmente para a Espanha. Planta herbácea de flores ornamentais que são requisitadas para composição de arranjos florais. elevado teor de proteína (20%) de elevada digestibilidade (80%). tendo crescimento rápido (já no primeiro ano de campo pode alcançar 3 m de altura). A espécie Heliconia rostrata. Propaga-se por meio das sementes e por estacas. Árvore da floresta úmida de folhas membranáceas. amora-negra. Os frutos. inseto lepidóptero que produz os fios que são utilizados para confeccionar a seda. é uma das que mais sobressai dentre as bananeiras ornamentais. Suas folhas. Bem manejada chega a produzir 30 t de MS/ha/ano. bananeira-do-mato. também são comestíveis (consumidos cozidos como ervilha. podendo o óleo ser usado no preparo de alimentos. Fornece látex mediante lesão. vermelha e amarela. . Moringaceae (moringáceas) – Família de gênero único • Moringa oleifera – moringa. Folhas são usadas como alimento pelo bicho-da-seda (Bombyx mori). com gosto aproximado para o aspargo) e a torta que sobra da extração do óleo pode ser usada como ração animal e adubo orgânico. xaropes e geléias muito saborosos. Árvore nativa na Índia. amora branca. Indicada para cultivo também em regiões semiáridas. É muito boa para laminados. que além de consumido in natura pode dar lugar ao preparo de vinhos. SE. amplas e estipuladas. morera (este último nome na Costa Rica). Em Rondônia ocorre na região do Rio Machado. • Noyera mollis ou Olmedia mollis ou Perebea mollis – muiratinga.

chamada na América Central de plátano. sendo uma das plantas preferidas dos paisagistas. Originária do Oriente a bananeira se constitui na fruteira mais cultivada por todo o Brasil. patujú. para serem consumidos in natura ou industrializados. Àrvore nativa na Amazônia que fornece madeira e tem propriedades medicinais. pela grande organização que empreenderam na produção desta nobre fruteira tropical. são grandes exportadores. Usa-se a seiva para tratamento hepático. países pequenos como os centro-americanos. que se faz presente em muitos destes países para melhor incrementar o agronegócio da banana. platanilho (na Colômbia). desde as nanicas. por falta de uma melhor organização da produção. Da banana verde. noz-moscada-do-pará. bicuíba. Da bananeira podem-se aproveitar quase tudo. como a Chiquita United Fruit Company (americana). como a prata e a maçã (esta também chamada de banana branca). sendo nosso país o maior produtor mundial e o maior consumidor. Planta herbácea muito ornamental de flores extremamente belas e de grande durabilidade. O serviço de pesquisa agrícola tem tentado introduzir variedades melhoradas que sejam tolerantes às principais doenças e que tenham qualidade aproximada para as variedades mais tradicionais. • Phenakospermum guianensis – pacová-sororoca. contando inclusive em seus territórios com a presença de grandes empresas multinacionais que atuam no mercado internacional da banana. motivo pelo qual vem tendo seu cultivo incrementado para aproveitamento na composição de arranjos florísticos ornamentais. strelítzia. Enquanto isso. até as mais nobres. até a parte aérea (o pseudocaule e as folhas) que são usados como ração animal. . • Ravenala madagascariensis – bananeira-de-leque. Existem diversas variedades de banana.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 135 • Musa paradisiaca – banana. • Strelitzia reginae – estrelítzia. é tolerante às principais doenças que afetam a cultura. se produz farinha amilácea muito rica em nutrientes e indicada para o preparo de mingaus. Planta medicinal e comestível. que são as mais cultivadas para exportação. Myristicaceae (miristicáceas) • Myristica bicuiba – noz-moscada-do-brasil. A variedade de banana comprida. desde os frutos. em alguns países como os da América Central. Planta extremamente ornamental com seu formato original. com casca e tudo. mais procuradas e também mais problemáticas no que tange à susceptibilidade à ocorrência de doenças. onde se constitui em ítem importante da pauta de exportação. de fritar ou cozinhar. que é utilizada pelos viajantes. árvore-do-viajante. e muito cultivada na Amazônia. bananeira-do-viajante. o Equador e a Colômbia. embora não seja o maior exportador. bananeira-de-jardim. Os nomes populares se devem ao formato da planta e ao fato de reter água no interior da bainha das folhas. onde é comum encontrá-la vegetando até em muitos fundos de quintais domésticos e terrenos baldios. Com o “coração” da banana (na verdade sua inflorescência) os indianos preparam saborosas sopas e guisados.

Existem exemplares no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. interessante opção de capitalização para o pequeno produtor. E. por ser usada em uma porção de finalidades na indústria madeireira e derivados. apresentando folhas alternas. moscadeira. de folhas grandes. opostas. etc. sendo. tradicionais em medicina popular. inclusive para exportação. ucuúba branca. diferindo pelas grandes folhas que se apresentam de coloração ferrugínea na face inferior e pela madeira que se torna parda avermelhada quando exposta ao ar. cujos frutos contêm sementes oleaginosas. onde desponta promissoramente. • Myristica sebifera ou Virola sebifera – ucuúba. Árvore amazônica de crescimento rápido que ocorre nas várzeas da região e é muito explorada. com pontos translúcidos. Algumas espécies exóticas. como o eucalipto. • Eugenia aquea – jambo-branco. O fruto é uma cápsula que contém uma semente grande com 60% a 70% de gordura combustível. sem estípulas. como produção de pasta de celulose e fabricação de papel. árvore-desebo. compensados. jambeiro-de-fruto-branco. caixotaria. virola. Árvore de folhas lanceoladas. pubescens – guabiroba. Também dos frutos é produzido óleo essencial. Além da madeira também é muito interessante para produção de mel por produzir bastante pólen já aos dois anos de idade. coriáceas. ucuúba paude-sebo. Myrtaceae ou Mirtaceae (mirtáceas) Família de plantas de folhas simples. As folhas são usadas para preparar chás e xaropes muito aromáticos. ucuúba verdadeira. torelliana. É recomendável para reflorestamento e recuperação de áreas degradadas porque tem crescimento rápido e sua madeira tem boa aceitação no mercado. Este gênero reúne umas 600 espécies. funcionando para manter ambientes livres de insetos nocivos e outros patógenos. Árvore ornamental de frutos muito bonitos. Árvore amazônica semelhante a ucuúba. gabiroba.500 espécies. guavira. . flores insignificantes. • Eucaliptus torelliana – eucalipto-de-folha-grande. são exceções. são indicadas para plantio na região Norte do Brasil. Por se adaptar bem às nossas condições tropicais foi introduzido como alternativa de cultivo no sul da Bahia. • Virola oleifera – bicuíba. Esta espécie juntamente com E.136 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Myristica fragans – noz-moscada. é muito usada também na farmacopéia para extração de óleo essencial. bocuva. • Virola surinamensis – virola. • Eucaliptus citriodora – eucalipto. Árvore exótica (originária da Indonésia) cujo fruto é um dos condimentos mais requisitados e apreciados em todo o mundo. ucuúba vermelha. A espécie em questão. reputado como medicinal e antisséptico. recomendados como coadjuvantes no bom funcionamento das vias respiratórias. camaldulensis. e de ovário ínfero. Árvore madeireira nativa da Amazônia. pelita e E. • Campomanesia reitziana ou C. além de produzir madeira de largo uso industrial. Espécie extremamente bela. originário da Austrália. Reúne umas 2. Árvore frutífera de porte médio que ocorre na mata Atlântica e nos Cerrados. portanto. laminados.

ou então. Arbusto que produz frutos de cor vermelho-alaranjada. como ser rústica. que mesmo escondida (ocorre na parte interna da copa) ao fim apresenta-se no chão. • Eugenia michelii ou E. uniflora – pitanga. apreciados pela petizada. de suas folhas grandes e luzidias. Árvore ornamental que produz frutos pequenos arredondados. jambolão.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 137 • Eugenia brasiliensis – grumixama. Originário da Índia o jambeiro é arvore muito usada em arborização urbana por todo o Brasil tropical (não tolera geada). ácidos. Os frutos são comestíveis. embaixo da copa. pela excessiva acidez que os caracteriza. frutos comestíveis. Fornece boa madeira. • Eugenia crenata – cambuí. composto por seus estames decíduos. e de sua floração. como o seu próprio nome menciona. • Eugenia malaccensis ou Syzygium malaccensis – jambo-vermelho. embora de gosto pouco pronunciado. etc. refrescos e sorvetes. que produz frutos grandes (do tamanho de uma laranja) de cor amarelo canário. cremes. tendo. de sementes pequenas e uma simples película como casca. Planta arbustiva frutífera e reputada também como de propriedades medicinais. uma primeira dificuldade no seu aproveitamento como alternativa de produção frutífera comercial. de crescimento rápido. de cor preta por fora e arroxeados por dentro. • Eugenia pyriformis ou E. mas impróprios para consumo in natura. propícios para consumo na forma de sucos. como um tapete rosa. quando maduros. ubaia. • Eugenia dysenterica – cagaita. Este gênero encerra umas 800 espécies. Fruteira comum na região do cerrado brasileiro. sorvetes. produzir boa sombra (folhas não são caducas) e suas raízes não serem muito superficiais (não arrebenta as calçadas). • Eugenia stipitata – araçá-boi. jambo-defruto-vermelho. • Eugenia jambo ou Syzygium jambus – jambo-rosa. portanto. No interior de Minas Gerais apoveita-se também sua madeira para fazer cabo de ferramentas. Árvore frutífera que ocorre na mata Atlântica. que compõe quase a totalidade do fruto. que tem aplicação em medicina popular (natural) em casos de desarranjos intestinais. reunidas em agroindústrias cooperativadas que tenha condições de colocar o exótico sabor das frutas amazônicas a mercê dos mais amplos . originário da Amazônia peruana. além da extrema beleza da forma de sua copa (cônica.. advindo daí. uvalha – uvaia. Árvore nativa de folhas opostas. azeitonapreta-da-terra. flores alvas em racimos. que serem colhidos “de vez” e colocados o mais rapidamente possível no mercado. manzana-de-água (este último termo usado em Costa Rica). Árvore ornamental de origem indiana que fornece frutos comestíveis e boa madeira. • Eugenia jambolana ou Syzygium jambolana – jamelão. piramidal). que sejam beneficiados rapidamente para obtenção de polpa. de cheiro intenso e muito agradável quando maduros. propícios para preparo de refrescos. São frutos muito perecíveis quando maduros. cuja madeira se usa para produção de carvão e moirões. por possuir algumas características muito recomendáveis para esta finalidade. O araçá-boi pode muito bem compor um complexo de fruteiras amazônicas a ser explorado para produção de polpas de frutas regionais. Arbusto de 3 m ou 4 m de altura.

de forma arquitetônica muito irregular. caçari. Árvore de frutos amarelados. sorvetes. sendo suas partes usadas como anti-séptico bucal. viabilizar alternativas de produção agrícola rentável aos pequenos produtores rurais da região Amazônica. como os das grandes capitais brasileiras. Árvore frutífera de pequeno porte. propícios para fabricação de geléias. • Myrciaria cauliflora – jabuticaba. sendo por isso muito cultivada em quase todo o Brasil. araçá-amarelo. sucos. Ocorre nativo nas várzeas e margens dos rios. mas pouco cultivada. Arvoreta frutífera tropical cauliflora que produz frutos imensamente saborosos. fazendo-se presente mais em fundo de quintais. Planta ornamental cujo nome do gênero caracteriza (dá nome) à família. etc. • Myrtus rubra – cambuí-verdadeiro. e que por ser bonita e de porte baixo também é indicada para arborização de ruas. sucos e sorvetes. e assim. doces. Arbusto frutífero rústico que ocorre de Minas Gerias ao Rio Grande do Sul. • Gomidesia reticulata ou Myrciaria aureana – jabuticaba-branca. jabuticabeirapeluda. igapós e igarapés da região Amazônica. Planta arbustiva frutífera cauliflora. • Myrciaria dubia – camu-camu. mas este aspecto foi contornado pela pesquisa agropecuária que conseguiu oferecer variedades precoces que produzem. jabuticaba-de-fruto-verde. • Psidium catleyanum – araçá. • Myrtus sp. • Paivaea langsdorfii ou Campomanesia phaea – cambuci. araçá-do-campo. propício para o preparo de geléias. Árvore nativa frutífera e também medicinal. • Marlieira edulis ou Plinia edulis – cambucá. muito . cujos frutos são muito apreciados para consumo in natura ou para confecção de doces e geléias. compatibilizando-se bem com a rede elétrica. vinhos e licores. – murta. ainda com porte bem pequeno. e cujo nome do gênero dá nome à família. • Myrciaria tenella ou Myrcia multiflora – cambuí-amarelo. Planta arbustiva que produz frutos grandes (do tamanho de uma laranja) muito ácidos e de cheiro agradabilíssimo. mantendo as mesmas características nobres. geléias. guayabo (na Costa Rica). mas muito ácidos e riquíssimos em Vitamina C. • Psidium guajava – goiaba. talvez porque demore muito a produzir. por isso cultivada para aproveitamento na elaboração de vitamina C natural. Seus frutos podem fazer parte de um complexo agroindustrial onde se produza doces. araçá-do-mato.138 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades mercados. • Psidium acutangulum – araçá-pera. Árvore frutífera. jaboticaba. cambuí-roxo. Árvore frutífera cauliflora de frutos saborosos. de sabor das variedades pioneiras. Árvore frutífera que se faz presente nas beiras de rios da região Sudeste brasileira. Ocorre na Amazônia. Esta espécie apresentava a inconveniência de demorar considerável tempo para produzir. pela excelência dos seus frutos. agridoces. que eram plantas altas e que demoravam a entrar em produção. e até mesmo de outras partes do exterior. que produz frutos parecidos com os da jabuticabeira. onde serve de alimento para os peixes. que se constitui em uma das mais interessantes espécies para exploração frutícola (fruticultura).

e têm difundido variedades mais apropriadas para as diversas condições ambientais de nosso país. • Mirabilis jalapa – bonina. • Bougainvillea spectabilis – bungavília. Nynpheaceae ou Nymphaeaceae (ninfeáceas) . Planta trepadeira ornamental que apresenta flores insignificantes que. no entanto. espécie a que se dedica muito trabalho de pesquisa agrícola visando oferecer variedades mais adequadas à exploração em escala comercial. primavera. três-marias. Chinesa originária de espécie trazida de Taiwan. de folhas imensas que bóiam na superfície d’água formando belas e gigantescas bandejas aonde até os pássaros costumam pousar à cata de algum alimento. todas estas originárias das variedades Comum. Linda planta aquática com vistosas flores coloridas que emergem das folhas dispostas na superfície. da Flórida. sorvetes. Planta aquática difundida em todo mundo. Sassaoka. antigo Instituto de Pesquisa Agropecuária (IPA). sorvetes. A Empresa Pernambucana de Pesquisa Agropecuária. cujas raízes ricas em minerais são comestíveis e utilizadas em regimes alimentares alternativos como a Macrobiótica.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 139 apreciados para consumo in natura ou no preparo de doces. constituindo-se numa das principais fruteiras que movimentam complexos agroindustriais por todo o Brasil. e por isso. etc. que eram mais cultivadas no Brasil. Planta medicinal. – psidium-italiano. Rica e Século XXI. sucos. sucos. etc. e por fim temos a var. como sucedâneo de fármacos usados para este fim. uapé. Nictaginaceae ou Nyctagineae (nictagináceas) • Boerhaavia hirsuta – erva-tostão. originadas das variedades Ruby e Supreme. de Pernambuco. Majestosa planta aquática que ocorre na Amazônia. revestidas por vistosas brácteas (folhas modificadas) de cores diversas (lilás. • Victoria amazonica – vitória-régia. As variedades mais cultivadas são Ogawa 3 Vermelha (no Rio de Janeiro). boungavílea. alaranjadas.Família de plantas aquáticas • Nelumbo nucifera – lótus. . vermelhas. e Kumagai (branca e vermelha). brancas). • Psidium sp. e o IAC são duas das instituições mais abalizadas nos estudos e trabalhos envolvendo a cultura da goiaba no Brasil. Depois foram criadas as variedades Paluma. • Nynphaea alba – ninféia. O chá dos brotos das folhas da goiaba é utilizado em casos de disenteria. O gênero dá nome à família. Frutífera que produz frutos muito ácidos e de cheiro agradável indicada para o preparo de geléias. enfeitando sobremaneira os ensolarados jardins por quase todos os cantos do Brasil. Cascuda de ParigueraAçu (São Paulo). formam conjuntos de rara beleza. Australiana e Ceará. Pedro Sato.. nenúfar. com as raízes fixadas no fundo dos espelhos d’água onde ocorre. maravilha. Planta medicinal. geléias.

zambuzeiro. • Vanilla sp. Onagraceae (onagráceas) • Fuchsia sp. • Ptychopetalum olacoides ou P. • Vanilla pompons – baunilha-ornamental. Planta medicinal usada como tônico e reputada como muito afrodisíaca. que tem seus frutos utilizados também como remédio para pressão alta. Oxalidaceae ou Oxalideae (oxalidáceas) • Averrhoa carambola – carambola. muirapuama. usada como poste em redes elétricas. acari. vigas em construções e como estacas e moirões na construção de cercas. acariquara. Planta ornamental • Vanilla planifolia – baunilha. – fúcsia. Opiliaceae (opiliáceas) • Agonandra brasiliensis – pau-marfim. trepadeira. Oleraceae ou Oleaceae (oleráceas ou oleáceas) • Olea europaea – oliveira. e por isso se constitui em espécie de muita importância na economia dos países europeus que a cultivam. Árvore amazônica de madeira incorruptível. • Averrhoa bilimbi – bilimbi. Árvore de pequeno porte oriunda da Ilha da Madeira. Planta frutífera. uncinatum – marapuama. Planta ornamental. da qual também se extrai essência. Planta ornamental com belas e coloridas flores pendentes.140 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Olacaceae ou olacineae (olacáceas) • Minquartia guianensis – aquariquara. • Epidendrum mosenii – orquídea-de-praia. Árvore madeirável. Árvore frutífera muito produtiva. zambujeiro. acanalados (apresentando também plantas sem esta característica. pau-de-marfim. azambuzeiro. Orchidiaceae (orquidiáceas ou orquidáceas) • Cattleya sp – catléia. Planta nativa ornamental. • Olea maderensis – oliveira-brava. Planta exótica trepadeira de onde se produz essência muito usada em culinária. de cujos frutos se extrai óleo. Também tem propriedades medicinais. que apresenta os troncos fenestrados. Árvore exótica que produz a azeitona e o azeite de oliva. – baunilha-da-praia. . Planta epífita ornamental que apresenta flores de rara beleza. brinco-de-princesa. que no meio rural se conhece por acari).

prática desaconselhável. medicinal e culinário. bebida vinosa cuja decocção produz excelente mel. que podem ser tóxicos. devido às suas características de precocidade. mas infelizmente. espessas. As sementes germinam em aproximadamente 40 dias e 440 delas pesam 1quilo. • Areca triandra – areca-triandra. Apresentam caules retos (estipes) desprovidos de câmbio. Palmeira solitária (de estipe único. portanto. são plantas muito especiais. Como as sementes demoram a germinar. Também contém propriedades medicinais. Palmeira multicaule originária da Índia e da Malásia. das folhas. Do caule obtém-se seiva doce que fermentada resulta na “chicha”. mucajá.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 141 • Oxalis sp. coquinho-babão. e. Da mesma forma que o coqueiro-da-bahia. Um quilo de sementes tem aproximadamente 50 unidades que demoram até mais de um ano para germinar. incapazes de ramificar. Dos frutos obtém-se óleo de mucajá. Palmeira de espinhos em anéis. que pelo porte. Frutifica na segunda metade do ano. tucumãaçu. • Archontophoenix alexandrae ou A. utilizado como alimento pelas populações rurais. verdoega. continuando a vegetar em áreas que habitualmente são limpas com fogo. rusticidade e boa qualidade desta iguaria. • Astrocaryum aculeatum ou A. sendo apreciados por algumas espécies de peixes como a jatuarana. que ocorre em solos pobres e degradados. das sementes. tem um tipo de associação com um inseto chamado “gongo”. beldroega. Reúne algumas espécies magnificamente oleaginosas e outras de largo uso pelas populações autóctones. É palmeira que resiste bem às queimadas. Tem as mesmas utilizações do tucumã-do-pará. pois contém oxalatos. beleza e utilidade. chiclete-de-baiano. Seus coquinhos (frutos) também são usados como isca pelos pescadores da Amazônia. macaíba. por exemplo. óleo comestível de excelente qualidade. cunningamii – palmeira-real-australiana. De estipe único era usada como planta ornamental. sendo que para consumo in natura é até mais procurado por seus frutos serem menos fibrosos. tenras e suculentas. Frutifica de fevereiro a maio. Planta invasora ruderal de folhas miúdas. Por não tolerar sol direto é muito apropriada para ser cultivada em ambientes interiores. mas ultimamente vem sendo cultivada também para ser aproveitada na produção de palmito. • Acrocomia sclerocarpa ou A. costuma-se abrir o endocarpo para retirada do endosperma que assim posto a germinar tem abreviado em muito sua . Pode ser aproveitada em paisagismo. – azedinha. aculeata – macaúba. comendo-se refogada. preferentemente em regiões de terra firme. que é aproveitada no meio rural como verdura. Palmaceae ou Palmae ou Arecaceae (palmáceas. podendo a produção se estender pelos meses seguintes em função de variações climáticas. muito usada no Brasil. tucumã-solteiro. que não perfilha) e de espinhos. fibras têxteis boas para rede e linha de pescar. Em parques é cultivada sob árvores. Ocorre praticamente em todo o Brasil. tucuma – tucumã-do-amazonas. mas sua utilização deve ser feita com parcimônia. de estipe único. arecáceas) Família única da ordem Arecales que compeende as palmeiras.

• Attalea maripa ou Maximiliana regia ou M. Palmeira nativa no Brasil. principalmente roedores. de folhas de uns 3 metros de cumprimento. Espécie de crescimento lento. Atualmente sua manteiga está sendo aproveitada na indústria de cosméticos finos (Natura) para produção de uma linha natural orgânica de produtos de toucador. Palmeira que tem hábito de crescimento em touceira (multicaule). • Astrocaryum murumuru – murumuru.142 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades germinação. e como são ornamentais. ambos comestíveis. Seus frutos são idênticos aos do tucumã. A maceração das folhas em água fornece boa fibra. Já foi bastante usado pelas populações amazônicas para produção de óleo comestível e próprio para fabricação de sabonetes. e brácteas persistentes com muitos espinhos. Fornecem excelente óleo • Attalea oleifera – pindoba. martiniana – anajá. As cascas das sementes são utilizadas em artesanato e na defumação da borracha. podem ser usadas com sucesso em projetos paisagísticos. sendo espécie de porte parecido ao de babaçu com algumas características do dendezeiro e fornece ótimo palmito. e das amêndoas extrai-se em torno de 30% de óleo branco. Palmeira característica de mata de várzea baixa. de utilização rural e oleaginosa. . Seus frutos são nozes piriformes de 5 cm a 6 cm e possuem elevado teor de gordura branca que pode ser utilizada na alimentação humana. e são usados pelos seringueiros como isca para pescar jatuarana. tucumã-do-pará. maripa ou M. • Astrocaryum vulgare – tucumã. murmuru. pacu. Tem espinhos no caule e folhas. sendo juntamente com o buriti. Tem a mesma área de dispersão que o uricuri (Attalea excelsa) e é espécie de crescimento lento. piau. Fornece palmito saboroso e as sementes são muito propícias para artesanato. A folha ao cair deixa parte do pecíolo no caule. fornecedora de fibra especial. de estipes altos e com muitos espinhos. etc. Aproximadamente 50 sementes pesam 1 quilo. indaiá. naja. come-se in natura seus saborosos frutos e também deles faz-se vinho. Os frutos são riquíssimos em pro-vitamina A (caroteno). Os frutos. perinã. Também fornece palmito de primeira qualidade. as maiores fontes desta provitamina. Palmeira comum na Bacia Amazônica apresenta caule com espinhos e folhas de cor esbranquiçada na página inferior. inajá. As mudas desenvolvem-se lentamente. delgados e elegantes. tendo também interessante teor de vitamina B e C. A polpa do fruto fornece 37% de óleo amarelo. Um quilo de sementes contém em torno de 22 sementes. As folhas são usadas em construções rurais. Safra no início do ano (primeiro semestre). são usados na alimentação de porcos e também são procurados por animais silvestres. Palmeira que ocorre nativa em Rondônia. matrinchã. que são produzidos no primeiro semestre. Usada na confecção de redes e cordas. As sementes demoram até meio ano para germinar e 150 delas pesam 1 quilo. • Astrocaryum jauari – jauari. Palmeira multicaule nativa da Amazônia. Os frutos são colhidos no chão após queda natural.

tem associação com o inseto “gongo” apreciado como alimento pelos povos indígenas. onde seringueiros a têm como indicadora de terras férteis e usam seus caroços na defumação de borracha. de variedades: Pará. Tembe. óleo. etc. pupunheira. São encontradas pupunheiras com diferentes tipos de frutos. Obs: 1) A variedade Solimões do grupo mesocarpa. apresentam inconvenientes para manejo e colheita. Huber (1909) cita que onde se encontra a seringueira (Hevea brasiliensis) encontra-se também o ouricuri ou uricuri. Um quilo de sementes contém aproximadamente 500 sementes que levam de dois a três meses para germinar. . uma bebida fermentada. Inirida (Colômbia). e difundida em toda a Amazônia. após cozimento. ocupando a mata de várzea alta. 2) Há interesse em propagar a variedade sem espinhos (oriunda de Yurimáguas – Peru) para produção de palmitos. Macrocarpa – de frutos grandes (mais amilosas): Putumayo (Alto Solimões). 3) Safras em setembro/outubro e fevereiro/março de acordo com as “raças”. • Bactris gasipaes ou Guilielma speciosa – pupunha. com pequenas variações em função das diferenças climáticas que ocorrem na Amazônia. Ocorre nativa em Rondônia. Os frutos são muitos apreciados para consumo in natura após o cozimento. Muito conveniente para exploração de palmito em plantios adensados (2. Raças microcarpas em fevereiro/março. além de farinha. Raças macrocarpas produzem principalmente em setembro/outubro. que são grandes (40 por quilo). aricuri. que também dela usam o caule na confecção de arcos. podem demorar muito para germinar e por isso devem ser abertas para retirada do endosperma. Palmeira parecida com o dendê. acelerando assim o processo de formação de mudas. bacuri. Uaupés (Alto Rio Negro). Pastaza (Equador). com o caule recoberto por resíduos de pecíolos. lanças. que é posto a germinar sem a casca. aguardente e ração. Os frutos são comestíveis. que ocorre ao longo do rio Solimões. licuri. Solimões (Amazonas). flechas. onde é a palmeira mais cultivada por índios e ribeirinhos. É palmeira largamente usada para diversos fins: dos frutos também se faz “chicha”. Mesocarpa – de frutos de tamanho médio: Pampa Hermosa (Peru). Palmeira multicaule de 10 m a 20 m de altura. Juruá). os espinhos sendo intensos e agressivos nesta espécie (em quase todas as raças). As folhas são usadas na cobertura de casas no meio rural.0 m x 1.0 m) pelo seu rápido desenvolvimento e qualidade superior do produto (aos dois anos já pode ser explorada para palmito). Produz palmito de boa qualidade. ouricuri. Originária provavelmente da Amazônia ou da América Central. é uma das mais apreciadas para consumo in natura.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 143 • Attalea phalerata ou Scheelea phalerata ou Attalea excelsa – uricuri. o que origina a classificação em raças ou grupos populacionais seguintes: Microcarpa – (mais oleosa) – de frutos pequenos (Ex. Ao que parece. Iinicia a frutificação por volta de três a quatro anos de idade. As sementes. nicuri. Os frutos são muito procurados pela fauna silvestre.

Dela comem-se as amêndoas.144 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 4) As raízes possuem propriedades vermicidas. . respectivamente. • Bactris sp. redes. – ubi. residências e prédios públicos da cidade de Porto Velho-RO. • Copernicia alba – carandá. Palmeira nativa do Nordeste do Brasil. Palmeira nativa da Amazônia. cujas folhas também são aproveitadas no artesanato regional. • Copernicia prunifera – carnaúba. usada em construções rurais. A cultura do coco predomina no Nordeste brasileiro. As sementes contêm aproximadamente 50% de óleo comestível. Os frutos contêm caroteno (pro-vitamina A). • Caryota mitis – rabo-de-peixe-de-touceira. coqueiro-da-bahia. Das folhas extrai-se cera igual a da carnaúba. óleos. Palmeira de bom potencial para ser aproveitada em paisagismo. 5) Muito ornamental. As sementes germinam aproximadamente em dois meses. • Caryota urens – rabo-de-peixe. carnaubeira. Muito ornamental. Há duas variedades principais: coqueiro gigante e coqueiro anão. cariota. ou seja. o tronco que apresenta resíduos dos pecíolos. As sementes germinam entre um a cinco meses. ubim. que são muito saborosas. Do seu estipe resistente e durável se fazem postes. ornamental. A folha fornece fibra forte e útil. aparece com boa freqüência em praças. Originária da Ásia se constitui em palmeira ornamental com enormes cachos pendentes e folhas recortadas. jardins. Apresenta grande potencial ornamental. caibros. Começa a produzir com 3-5 anos de idade e produz praticamente o ano todo. Recentemente a pesquisa lançou com sucesso a variedade híbrida que procura reunir as vantagens produtivas do gigante e do anão. Certamente uma das palmeiras de maior importância econômica no Brasil e no mundo pela excelência de seus frutos. As folhas têm aproveitamentos diversos (inclusive cera) e os frutos são muito apreciados pela fauna silvestre. – marajá. mas. resinas. nobre produto desta espécie. – tucum. pipas e barretes. presta-se para projetos paisagísticos. Palmeira de tronco simples de até 20 m de altura. Uma característica interessante desta espécie é que além de se desenvolver em ambientes úmidos. em touceira. Usado largamente no preparo das mais diversas iguarias nos países tropicais. nativa no Pantanal mato-grossense e no chaco boliviano e paraguaio. Originária da Índia e da Malásia é palmeira muito ornamental e muito utilizada em paisagismo. Nativa na Amazônia. cujas folhas se usa na cobertura de habitações rurais. Espécie bem adaptada na Amazônia. com espinhos. etc. • Bactris setosa.). se constitui em espécie de muita importância no meio rural onde ocorre. polpa e água. Também de seus frutos produz-se uma série imensa de produtos industriais (sabões. As sementes germinam aproximadamente em 80 dias. no Pará há grandes plantios industriais. • Bactris sp ou Geonona sp. que integra significativamente a economia local. fornece madeira resistente até dentro d’água. usada pelos índios para fazer bolsas. com a exploração da cera. etc. • Cocos nucifera – coco-da-bahia. Palmeira de porte baixo. a pupunheira pode também ser usada em projetos paisagísticos.

Esta espécie já produz matéria prima de largo uso na indústria de alimentos e de outros produtos diversos. ao contrário do dendê africano que alcança até 20 m de altura. Orenoco e Branco. Espécie ornamental embeleza inúmeras residências em toda a Amazônia. Começa a produzir por volta dos quatro anos. Nativa na mata Atlântica. Produz óleo culinário de boa qualidade. • Dypsis lutescens ou Chrysalidocarpus lutescens – areca-bambu. • Elaeis oleifera – dendê-do-pará. Palmeira originária da África.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 145 • Coripha umbraculifera ou umbraculyphera – corifa. Em Belém. Os frutos também produzem dois tipos de óleo: da polpa (amarelo) e das amêndoas (branco). As sementes germinam em aproximadamente 80 dias. O palmito desta espécie goza da reputação de ser o número um. alcançando seu ápice de produção aos oito anos de idade. assim como a do dendê africano. desenvolveu pesquisa (coordenada pela saudosa pesquisadora Marilene Bovi) para criar um híbrido com o açaí-dopará (que é do mesmo gênero). pelo elevado teor de óleo que produz. já que sobrevive bem em lugares de pouca luz. • Euterpe edulis – juçara. caiaué. Esta pesquisa já foi concluída com sucesso e seu produto está . que tem exemplares no Atêrro do Flamengo (em frente ao MAM) na cidade do Rio de Janeiro. Dá estipe único. nativa na Amazônia. e em Manaus a EmbrapaCPAA tem uma vasta coleção de germoplasma desta palmeira. PA já existem grandes plantios em escala industrial. Palmeira originária da Índia e do Sri Lanka. Frutifica em torno dos três a quatro anos de idade. Presente nas bacias dos rios Negro. talipot. Um quilo contém aproximadamente 180 sementes que levam em torno de nove meses para germinar. Inicia produção entre quatro e cinco anos de idade. que mantenha a qualidade do juçara e que perfilhe. A torta dos frutos. corozo. que dura cerca de um ano até a frutificação. • Elaeis guineensis – dendê. Planta de porte baixo. Palmeira multicaule originária de Madagascar. quando produz grande pendão floral (de até 6 m) extremamente vistoso no ápice da planta. • Euterpe catinga – açaí-chumbinho. palmito jussara. O azeite de sua polpa é famoso por sua aplicação na culinária baiana de origem africana. Espécie de estipe único. após semeadas. dendezeiro. entre os apreciadores deste alimento. Produz palmito e “vinho” como as outras espécies do gênero. como o seu próprio nome científico indica. Palmeira de estipe único (não perfilha). quando então a planta começa a morrer. de porte imenso (30 a 40 m) quando completamente adulta. dos seus frutos obtêm-se dois tipos de óleo de excelente qualidade culinária e industrial: da polpa (óleo amarelo) e das amêndoas (óleo branco). e o óleo também é aproveitado na indústria de cosméticos. De estipe único. principalmente na decoração de interiores. Por isso o Instituto Agronômico de Campinas (IAC). e no Brasil. As sementes germinam em um mês. e com o incentivo para a produção de biodiesel a partir de plantas oleaginosas. desponta como um dos carros-chefes da exploração para este fim. e as mudas têm crescimento rápido. é utilizada na formulação de rações animais. e também no Jardim Botânico desta mesma cidade. apresentando a particularidade marcante de florescer de 40 em 40 anos ou até de 60 em 60 anos.

podem ser usadas como fonte de matéria orgânica para cobertura morta. mais conhecida como açaí-do-pará. e também no Acre e no Amazonas. se comparada com algumas outras palmeiras presentes na Amazônia. sendo indicada para paisagismo. • Euterpe precatoria – açaí-do-amazonas. que têm propriedades medicinais. e as raízes são usadas como vermífugos pelos povos da floresta. Tende a ser preservada com o incentivo do plantio racional (cultivo) de outras espécies do gênero. principalmente no segundo semestre. como a pupunha. que nesta fase apresenta quatro ou mais folíolos. Um quilo contém aproximadamente 700 sementes. e embora reúnam condições de serem aproveitadas para alimentação animal (depois de . • Euterpe oleracea – açaí. levam em torno de um mês para germinar. tem um Banco de Germoplasma de açaí que conta com 140 acessos. Recentemente (2007) o CPATU lançou a variedade BRS Pará. em coroamento de árvores e fruteiras. que produz de quatro a cinco vezes mais do que o açaí comum. diferenciando-se do açaí-solteiro. sendo possível sua aplicação em bonitas peças de ornamentação e enfeite femininos. açaí-de-touceira. O auge da produção se dá de março a junho. As folhas e estipes do açaizeiro são usados em construções rurais. açaí-solteiro. Existe uma variedade chamada açaí-açu. As folhas de mudas novas desta espécie apresentam-se bífidas (como se tivessem dois folíolos). dos frutos extrai-se o “vinho” (do mesocarpo) e o óleo (do endocarpo). que o tem como alimento básico. A Embrapa Amazônia Oriental (ex . indicada para cultivo em terra firme e que ostenta menor porte em altura. ocorre nativa em Rondônia. em coroamento de árvores e fruteiras. Fe e Vitaminas A e B1. Espécie de estipe único (não perfilha). P. açaí-solitário. A espécie quando bem manejada em seu cultivo começa a produzir em torno dos cinco anos de idade. devido ao avantajado tamanho dos cachos. Por sua rara beleza é também planta muito ornamental. açaí-de-terra-firme. e é muito usado na alimentação do amazônida. principalmente pela população paraense. Na exploração de palmito há conveniência de fazer plantios ligeiramente sombreados.146 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades disponível aos possíveis interessados. Todavia. onde já foi bastante explorada no extrativismo para palmito. se constitui em uma das mais importantes palmeiras da região. Produz “vinho” de muito boa qualidade e suas sementes. é mais oleaginosa. devido às grandes distâncias que têm que ser percorridas para alcançar os locais de maior concentração da espécie. Palmeira de desenvolvimento inicial mais lento. as sementes além da possibilidade de produzir óleo. A variedade que perfilha. sendo também de produção precoce. podem ser aproveitadas como adubo orgânico. açaí-da-mata. Palmeira abundante nas várzeas da Amazônia Oriental. que ocorre no interior do Estado do Pará (Igarapé-Açu). Não tolera insolação direta nos primeiros anos de vida. Ao estar fortemente presente nos hábitos do amazônida. As sementes também são bastante usadas em artesanato. tolera ambientes úmidos e ligeiramente sombreados. O açaizeiro produz durante todo o ano. cada vez torna-se mais difícil sua coleta. Do seu caule aproveita-se o palmito de ótima qualidade.CPATU) situada em Belém-PA. Por sua rara beleza também pode ser empregada com propósitos paisagísticos. O “vinho” tem bons teores de Ca. que após semeadas. e como cobertura morta. Um quilo contém 750 sementes que levam mais de três meses para germinar. por exemplo. quando envelhecidas e decompostas. açaí-do-pará.

nativa na Amazônia (na bacia do Rio Negro). Muito usada para fazer pisos nas casas dos seringueiros (os troncos depois de batidos chegam até a 1 m de largura). O estipe. Palmeira solitária. que são aproveitadas para a fabricação de vassouras. Praticamente todas as partes da planta são aproveitadas em artesanatos. castiça. vinho e . não devem ser usadas com essa finalidade.“vinho” . Mede 10 m a 15 m de altura. Também apresenta bom potencial paisagístico. batauá. que vai até 30 m de altura. martiana – buçu. cordas. • Leopoldinia major – jará-açu.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 147 moídas).e para extrair óleo de finíssima qualidade (semelhante ao azeite de oliva). tem amplo uso na construção de habitações rurais onde entra no fechamento de paredes e pisos. do estipe e da espádice (inflorescência) se fabrica o vinho de buriti. que nesta planta apresenta-se sustentado por um pedestal de raízes aéreas. bussu. palmeira-dosbrejos. Apresenta longas fibras na bainha da folha. inerme. Os frutos. O óleo também é usado no cabelo das mulheres seringueiras e demais povos da Floresta Amazônica. carandá-guaçu. grande dilatação. que são relativamente grandes. • Manicaria saccifera ou M. cujos frutos são utilizados para fazer beberagem . ubuçu. germinam a partir de um mês após semeadas e são muito apropriadas para uso em artesanato. Dos frutos se prepara uma bebida (xiqui-xiqui). muito embora. pela grande quantidade de fibras que contêm. Prefere terras baixas e úmidas. buriti-do-brejo. Palmeira solitária. A safra se dá entre outubro e março. Ocorre em quase todo o Brasil. • Iriartea exorrhiza ou Socratea exorrhiza – paxiúba. deltoide – paxiubão. Palmeira de belo porte. que leva muito tempo para começar a produzir frutos (em torno 10 a 15 anos). apreciado na culinária regional e que já foi muito usado pelas populações tradicionais da região Amazônica. Nativa na Amazônia onde é habitante de igapós. Nativa da Amazônia. • Iriartea ventricosa ou I. geruá. As sementes. As drupas fervidas fornecem aproximadamente 10% de óleo. • Jessenia bataua ou Oenocarpus bataua – patauá. Palmeira multicaule. Palmeira nativa na Amazônia. Um quilo de sementes contém aproximadamente 150 unidades. Palmeira de caule único de aproximadamente 5 m de altura. piaçaba. Planta de desenvolvimento lento. se desenvolva bem em terra firme. invariavelmente em áreas brejosas ou úmidas. Seus troncos são utilizados na construção de habitações rurais. O açaizeiro começa a produzir em torno dos cinco anos de idade. A espata é usada em artesanato. patoá. que alcança uns 15 m de altura. piassava. quando cultivado. Dos frutos se extrai óleo de muito boa qualidade. escovas. demorando de um a três meses para germinar. Os frutos são comestíveis e apreciados pela fauna silvestre. nativa na Amazônia (bacia do Rio Negro). recebem forte assédio da fauna silvestre. Uma das palmeiras que ocupa maior área de ocorrência na Amazônia. em torno de 700/kg. palmeira barriguda. • Mauritia flexuosa – buriti. • Leopoldinia piassaba – piaçava. apresentando em torno da metade desta extensão. Os frutos queimados fornecem sal utilizado pelos indígenas. cujas folhas íntegras são usadas na cobertura de casas. miriti.

Fornece vinho igualmente às outras bacabas. Espécie muito ornamental.148 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades também se obtém excelentes doces. discolor – bacaba-de-leque. nativa na Amazônia. caranã. É também planta bastante ornamental com seus ráquis e cachos róseos. de maneira mais acentuada folhas fazem-se chapéus. Palmeira multicaule nativa na Amazônia que ocorre também em quase todo o Brasil. Palmeira multicaule nativa na Amazônia (na Bacia do Rio Negro). onde vegeta preferentemente em terras firmes. se aproveita praticamente tudo. As flores exalam intenso aroma. muito propícia para paisagismo por sua extraordinária beleza. bacaba-verdadeira. • Mauritiella armata – buriti-mirim. mui. bacabamirim. Nativa na Amazônia. buritirana. A produção se dá (principalmente) no primeiro semestre. Um quilo de sementes contém aproximadamente 300 unidades que germinam em dois a três meses após semeadas. canaí. Dá bom palmito. caraná-do-mato. apresenta frutos escamosos comestíveis e folhas ornamentais. esteiras. • Oenocarpus bataua – patauá. Um quilo de sementes contém 400 unidades que germinam em dois a três meses. Frutos. Tem tronco solitário e sem espinho que dá bom palmito. desta imponente palmeira. apresentam polpa amarela. multicaule – bacabi. miritirana. A polpa fornece “vinho” e as sementes. Bacaba de porte pequeno de hábito de crescimento em touceira. esteiras). Nativa na Amazônia (no Estado do Amazonas). Alcança até 20 m de comprimento. Lenho usado para ripas e pontas de flechas. muito saboroso. As folhas são usadas em construções rurais. Palmeira de estipe único de 5 m a 10 m de altura. revestidos de escamas. Dá bom palmito. carandaí. • Mauritiella aculeata – caranaí. A estipe apresenta acúleos cônicos. • Metroxonylon sp. Um quilo de sementes contém aproximadamente 600 unidades que germinam em dois a três meses. e do pecíolo. Dos frutos obtém-se beberagem (vinho) cor de chocolate. buritizinho. uliá. • Oenocarpus distichus ou O. Sua polpa juntamente com a do tucumã são as mais expressivas fontes naturais de vitamina A que se conhece. bacabão. O. Palmeira de origem africana de cujo espique se extrai produto amiláceo usado na culinária de diversas partes do mundo no preparo de sopas e mingaus. alternando com a do açaí. rolhas e artesanatos. tianmalu. como se vê. . • Mauritia carana – caraná. Um quilo de sementes contém em torno de 400 unidades que levam até um ano para germinar. buritirana. óleo comestível. Ver Jessenia bataua. Frutifica por volta de fevereiro. Os frutos são comestíveis. • Oenocarpus minor. carandaizinho. bacabinha. batauá. buriti-bravo. de onde se extrai boa bebida. O. • Oenocarpus bacaba – bacaba. Frutifica praticamente o ano inteiro. Apresenta fibras na inserção das folhas no caule. ou Miserabiles condutae – saguzeiro ou sagüeiro. Flores em espádice pêndula. que ocorre na região norte do Maranhão a Rondônia. mapora. As folhas são usadas para cobrir choupanas e também são têxteis (fazem-se redes chapéus. bacabaçu. patoá. As folhas são usadas para artesanato indígena. De caule solitário.

• Phoenix roebelinii – fênix. tamareira. As folhas apresentam fibras marrons nas margens. onde as mulheres (as chamadas quebradeiras de coco) trabalham no seu beneficiamento primário. Sendo palmeira muito ornamental. . Palmeira de porte pequeno (em torno de 2 m a 3 m de altura) cujas folhas são usadas na cobertura de casas. • Phytellephas marcrocarpa – jarina. As sementes são de difícil germinação. Sendo espécie muito ornamental é bastante utilizada em paisagismo na arborização de praças e avenidas. e se diz que do babaçu “não se perde nem a sombra”. originári a da China. multicaule. palmeira-robelini. O leite retirado de suas amêndoas verdes tem composição semelhante ao leite materno. João VI quando chegou ao Brasil. speciosa ou Attalea speciosa – babaçu. Palmeira exótica originária do Oriente Médio onde seus frutos são tradicionais na alimentação dos povos da região.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 149 • Orbignya martiniana ou O. • Roystonea borinquena – palmeira-imperial-de-cuba. • Roystonea oleracea – palmeira-real.200 unidades e levam em torno de 50 dias para germinar. na parte ocidental do Amazonas. Ocorre nativa no Acre. Originária de Porto Rico. a Palma Mater. O cacho é utilizado em arranjos ornamentais. é também usado como combustível e para defumação de borracha. As folhas também são muito usadas para cobertura de casas no meio rural do Maranhão. Um quilo de sementes contém aproximadamente 40 unidades que levam até um ano para germinar. Produz de agosto a janeiro. que deve ser cultivada em ambiente de meia-sombra. Ocorre no Pará. Palmeira exótica. ornamental. e nas Amazônias peruana e boliviana. Originária da Índia é palmeira solitária muito usada em projetos paisagísticos praticamente em todo o mundo. Por ser planta de extrema beleza e tolerar bem o pleno sol é muito indicada para paisagismo. Um quilo de sementes contém aproximadamente 1. Palmeira solitária que alcança 10 m a 20 m de altura. foi plantada por D. vem a ser bastante utilizada em paisagismo. cuja primeira. • Phoenix dactylifera – tâmara. • Raphis excelsa – rápis. Atinge altura de 12 m a 18 m (não cresce tanto como a palmeira real). ráfia. • Raphia taedigera – jupati. O óleo além de ser empregado na culinária. palmeira-coca-cola. chapéus. As cascas dos frutos servem como comburente para fornos e fogões e a torta residual da produção de óleo utiliza-se na alimentação animal e como adubo orgânico. Frutifica em torno dos sete anos de idade. Palmeira multicaule de porte baixo. que apresenta raízes expostas na base da touceira. As sementes duríssimas – o marfim vegetal – são usadas na confecção de botões e peças de adorno. palmeira-imperial. Seu caule apresenta característica de dilatação na região mediana. De sementes oleaginosas e comestíveis. Da polpa dos frutos de cor vermelha pode ser extraído óleo medicinal (anti-reumático) e industrial (produção de sabão). podendo levar até quatro anos na consumação deste processo. Originária da América Central e Caribe. No Jardim Botânico do Rio de Janeiro existe uma alameda com exemplares seculares desta palmeira. Das folhas se fabricam cestos. Abundante no Nordeste (MA) e na Amazônia (RO). Planta de grande vigor rebrota intensamente em áreas de mata onde se fazem derrubadas e queimadas. esteiras.

Ocorre nos estados das regiões Sul. guariroba. Sudeste e Centro-Oeste do Brasil e nos países do Rio da Prata (Mercosul). Papaveraceae (papaveráceas) • Papaver somniferum – papoula. palmeira-de-saia-da-califórnia. Sementes germinam em um mês. • Syagrus oleracea – gueiroba. com a diferença de apresentar o pecíolo avermelhado. Planta trepadeira frutífera das mais requisitadas na indústria de sucos e que tem propriedades medicinais. • Syagrus romanzofiana – jerivá. • Syagrus sp – catolé. Palmeira de estipe único. . coco-de-catarro. além de ser ornamental com flores que lembram a cruz da paixão. Alcança em torno de 30 a 40 metros de altura e um quilo de sementes tem aproximadamente 4. sendo todas as demais descendentes desta que foi chamada por isso de Palma Mater (que morreu fulmidada por um raio em 1972). Um quilo de sementes contém aproximadamente 150 unidades que levam em torno de três a seis meses para germinar. Planta exótica ornamental. apresenta um forte apelo ornamental para decoração de jardins e residências. que embora um tanto amargoso é apreciado pelas populações locais onde ocorre. de onde se origina o seu nome. cujo nome do gênero caracteriza (dá nome) à família. que empresta um toque de raridade e grande imponência àquele horto. Pandanaceae (pandanáceas) • Pandanus odoratissimus ou tectorius – pandanus. palmito-amargoso. e que fornece palmito. com propriedades tóxicas e da qual se extrai o ópio. As folhas também são usadas em cobertura de casas e os frutos produzem óleo. de largo uso como entorpecente e na indústria farmacêutica. Nativa da Amazônia é palmeira de estipe único muito parecida com o babaçu. Planta ornamental de frutinhos comestíveis. baba-de-boi. Sendo espécie de rara beleza. ou Attalea sp. catulé. recebendo então a denominação de palmeira imperial. sendo uma das palmeiras mais cultivadas com esta finalidade. Bastante ornamental e de crescimento rápido reúne bons predicados para ser usada em paisagismo. coco-catolé. Passifloraceae (passifloráceas) • Passiflora edulis – maracujá. mesmo quando adulta. Planta ornamental. – jaci. sendo indicada como calmante.000 unidades.150 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades em 1808. Sudeste e Centro-Oeste brasileiro. • Washingtonia filifera – palmeira-de-leque. • Scheelea sp. originária dos EUA e do México. Resiste bem às geadas e ao transplante. O nome do gênero desta espécie caracteriza (dá nome) a família. Palmeira de estipe único que ocorre nativa no Sul.

• Picea jungens – abeto. que apresenta o detalhe da sua proliferação se dar por meio do hábito da gralha azul – um pássaro – em seu aprovisionamento enterrar as sementes. Espécie de maracujá nativo na Amazônia. . sésamo. • Sequoia sempervirens – sequóia.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 151 • Passiflora quadrangularis – maracujá-açu. piperômia. Pedaliaceae (pedaliáceas) • Sesamum indicum – gergelim. • Araucaria heterophilla – árvore-de-natal. • Araucaria angustifolia – pinheiro-do-paraná. A planta também apresenta propriedades medicinais. Imensa árvore da família das taxodiáceas que alcança porte monumental. de frutos grandes (de até 3 kg). largamente empregadas na culinária de várias partes do mundo. Uma lástima que ocorre é que por causa das intervenções no meio ambiente a gralha está em perigo de extinção junto com a árvore que já ocorreu em grande abundância na região Sul do Brasil. fornece boa madeira. espalhada por várias partes do mundo cristão. Árvore que além de ser muito ornamental com seu brilho intenso. • Pinus eliotti ou taeda ou heterophylla – pinus eliotti. Planta ornamental de folhas coriáceas e rústicas. acabando assim por efetuar uma eficiente dispersão da espécie. Phytolacaceae ou Fitolacaceae (fitolacáceas) . • Pinus caribea – pinus-caribea. Árvore que fornece boa madeira e que também é ornamental. Planta herbácea que apresenta pequenas sementes oleaginosas. Árvore característica das matas do Sul brasileiro. sendo comum nas Montanhas Rochosas dos EUA. com propriedades medicinais e que também é comestível. e dela também se exploram comercialmente uma resina de muito boa qualidade. sucos. Planta muito ornamental de grande beleza com sua forma cônica e folhas rendilhadas. aproveitando-se para o preparo de doces. pinheiro-de-norfolk. mousses e sorvetes. Grande pinheiro que atinge até 30 metros de altura e vive em torno de 500 anos. onde integra as comemorações do nascimento do Cristo Jesus. tuia. Planta muito tradicional. por seu agradável sabor e qualidade nutritiva. ou pinho eliott. Piperaceae (piperáceas) • Peperomia obtusifolia – peperômia. • Thuya occidentalis ou Biota orientalis – thuya.(ver Fitolacaceae) Pinaceae (pináceas) Família que até há pouco tempo era subfamília da Grande Família Coniferae e agora passou a ser uma das famílias independentes que surgiram com o desmembramento daquela grande família. o Salvador.

Planta cujo nome do gênero define (dá nome) a família.152 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Piper callosum – elixir-paregórico. do fígado e do baço. pinheirinho. hispidinervium. • Piper marginatum – caapeba. produtos de limpeza e inseticidas) que possui. Planta exótica herbácea trepadeira de utilização mundial como condimento. muito usada como chá e tintura para acalmar dores no aparelho digestivo. • Piper nigrum – pimenta-do-reino. Vivem sobre rochas mergulhadas na água corrente. . Planta medicinal que é uma erva arbustiva de até 1 m de altura. Planta de folhas pecioladas. estomáquicas. folhas dísticas ordenadas em duas séries. flores insignificantes envolvidas em espatela. peltadas. malvaisco. ventre livre. Planta medicinal com propriedades digestivas. flores dispostas em amentilhos eretos. Podostemonaceae ou Podostemaceae (podostemonáceas) Família de plantas cujas espécies são taliformes. diuréticas. capeba. de ambas as faces glabras. Piper aduncum. os frutos são pequenas bagas. porém num mesmo plano. reputada como medicinal. caapeba-cheirosa. ápice acuminado. pecíolo caloso. folhas elípticas. caá-peba. conhecida como pimenta-demacaco. espigas curtas. Podocarpaceae (podocarpáceas) • Podocarpus lambertii – podocarpus. membranosas híspidonervadas na página inferior. • Piper peltatum ou Potormophe peltata – capeba-do-norte. Planta ornamental de porte médio que ocorre nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. Planta ornamental muito atraente com bonitas flores azuis. que produz menos óleo do que a P. óleo elétrico. • Piper hispidinervium – pimenta-longa. sendo empregada no tratamento de afecções urinárias. • Podostemum ceratophillum – podostemo. tônicas e também em casos de picadas de cobras e insetos. fruto capsular. jasmim-azul. flores com brácteas subpeltadas. Há outra espécie de pimenta longa. flor-de-soldado. sendo tempero de excelência no preparo dos mais diversos pratos. Planta herbácea nativa da Amazônia que está sendo explorada comercialmente pela grande quantidade de safrol (óleo essencial usado na indústria como fixador em cosméticos. caá-purá. pinheirodo-mato. achatados ou laminar. Plumbaginaceae ou Plumbagineae (plumbagináceas) • Plumbago capensis – bela-emília. pimenta-dos-índios. pariparoba. pinheiro-bravo. O safrol era explorado da planta canelasassafrás (lauraceae) que ocorre no Sul do Brasil e que está em extinção. arredondadas. pimenta-do-mato.

• Pontederia sp. Ponterderiaceae (pontederiáceas) • Eicchornia crassipes – aguapé. Planta invasora aquática que prolifera drasticamente em ambientes de águas poluídas ricas em resíduos orgânicos. Planta ornamental muito bonita e sensível. • Triplaris surinamensis – triplaris. • Polygonum sp. baronesa. com a qual se faz o macarrão soba. jacinto d’água. tachi. • Polypodium subauriculatum – samambaia-chorona. – ruibarbo. Polygonaceae (poligonáceas) • Antigonum leptopus – amor-agarradinho. tênues. que reúne diferentes plantas. da folha miúda. Planta ornamental cujo gênero dá nome à família. • Fagopyrum sp. muito usado pelos japoneses. etc. Planta medicinal e comestível. em gêneros diversos. Uma das mais bonitas espécies de samambaias. apreciando ambientes úmidos e não tolerando ventos e exposição direta ao sol. gigoga. Planta aproveitada como alimento. Há muitos tipos de avencas. • Polygala campestris – polygala. Polypodiaceae/Pteridophyta (polipodiáceas/pteridófitas) • Adiantum sp. Planta cujo gênero dá nome à família. Ultimamente tem se constituído em grave problema ambiental nas praias da cidade do Rio de Janeiro ao transbordarem das lagoas de Marapendi e Jacarepaguá nas enchentes e invadirem aqueles balneários famosos da Cidade Maravilhosa. Planta medicinal. • Rheum tanguticum sp. – trigo-sarraceno. .Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 153 Polygalaceae ou Poligaleae (poligaláceas) • Bredemeyera laurifolia – joão-da-costa. reunidas também em outros gêneros. Este gênero dá nome à família. que enfeitam inúmeros jardins populares por todo o Brasil. – avenca. – erva-de-bicho. algumas de grande e rara beleza. Planta medicinal que ocorre em Minas Gerais. – pontederia. mais consistentes. Árvore de folhas grandes (aproximadas para as folhas da amendoeira) que vem sendo utilizada na arborização de ruas da cidade do Rio de Janeiro. Planta trepadeira muito ornamental com seus bonitos cachos de pequenas flores rosadas. da folha grande.

Planta ruderal invasora que pode ser usada como hortaliça. Punicaceae (punicáceas) • Punica granatum – romã. Planta florífera ornamental. Planta ruderal de folhas miúdas e espessas. Planta cujo gênero dá nome à família. e muito enfeitam jardins e vasos de habitações populares onde é cultivada. Planta originária da Austrália. indicada para tratamento de afecções da garganta entre outras. • Primula obconica – prímula. Compõem divisão de plantas vasculares coordenada com as briófitas e as espermatófitas e coextensivas com as filicíneas e as pteróppsidas . Árvore exótica frutífera. de dois tipos: a anã e a robusta.que compreende as avencas e samambaias. A anã é ornamental e a robusta é madeira de primeira qualidade. avelaneira-daaustrália. Potamogetonaceae ou Ruppiaceae (potamogetonáceas ou rupiáceas) • Potamogeton sp. Planta aquática de folhas filiformes de grande beleza cujo gênero dá nome à família. (Ver famílias Azollaceae. Dicksoniaceae. Planta frutífera e medicinal com propriedades anti-inflamatórias. Proteaceae (proteáceas) • Grevillea fosterii – grevílea. • Ruppia maritima – rupia-marítima. • Portulaca oleraceae – beldroega. • Macadamia ternifolia – macadâmia. – potamogeton. Pteridophyta (pteridófitas) Grupo de plantas primitivas que não têm flores (criptogâmicas) e que apresentam esporângios nas folhas. nogueira-da-austrália. . de largo aproveitamento em várias partes do mundo pela excelente qualidade de suas sementes oleaginosas. verdoega. No livro Flora Brasiliensis este gênero aparece na família Myrtaceae. Hymenophyllacea. Lycopodiaceae e Polypodiaceae).154 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Portulacaceae (portulacáceas) • Portulaca grandiflora – onze-horas. Primulaceae (primuláceas) • Cyclamen persicum – ciclame. Planta florífera ornamental. que produz pequenas flores vistosas e coloridas.

Pequena árvore frutífera cujos frutos e parte aérea têm propriedades medicinais. erva-ciática. Planta medicinal cujo gênero reúne inúmeras espécies com princípios ativos aproveitados na indústria farmacêutica. Árvore madereira da mata Atlântica de crescimento rápido indicada para compor SAF’S. Sua beleza e preciosidade inspiraram até a denominação de um dos primeiros blocos de rancho da cidade do Rio de Janeiro. onde ocorre espontânea. de porte cônico (como jambo). que reunia também os gêneros da família Crysobalanaceae ou Chrysobalanaceae. • Peonia virens – peônia. • Ranunculus sp. Ranunculaceae (ranunculáceas) • Anemone sp. É também forrageira sendo apreciada pelos animais como um das últimas fontes de alimentação que resta nos períodos de grandes secas. que mais recentemente passaram a constituir família própria. • Zizyphus jujuba – jujuba. e resiste espetacularmente à seca permanecendo verde quando quase toda a vegetação se encontra ressecada. • Zizyphus joazeiro – juazeiro. – quiina. Planta ornamental de flor bonita. É utilizada na indústria de medicamentos e cosméticos. Ademais muito embeleza e enriquece a paisagem no sertão nordestino. Ramnaceae ou Rhamnaceae ou Rhamneae (ramnáceas) • Colubrina rufa ou Colubrina glandulosa – sobrasil. Resedaceae (resedáceas) • Reseda odorata – resedá. sendo indicada para controle de distúrbios digestivos. o Ameno Resedá.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 155 Quenopodiaceae (quenopodiáceas) . Planta ornamental de flor bonita e perfumada cujo gênero dá nome à família. cujo gênero dá nome à família. – anemone. Tendo propriedades medicinais (tônicas e expectorantes) é utilizada no meio rural até como dentrifício pela espuma abundante que as raspas da sua entrecasca proporciona. . Planta medicinal com propriedades anti-inflamatórias. – ranunculus. Planta arbórea de porte mediano de grande utilidade no Nordeste brasileiro. no início do século XX. o que faz também com que seja aproveitada em serviços de limpeza e para tratamento de cabelo. Planta ornamental de lindas multicoloridas flores.(ver Chenopodiaceae) Quiinaceae (quináceas) • Quiina sp. Rosaceae (rosáceas) Família da ordem rosales.

de que são portadoras. Planta arbustiva que produz flores consideradas as mais belas do reino vegetal. domestica – maçã. Planta herbácea rastejante. Uma pena que em seu cultivo. sucos. ameixa-amarela. cereja-da-europa. • Prunus armeniaca ou Armeniaca vulgaris – damasco. na estação do inverno. Planta que prefere climas amenos e produz frutos saborosos parecidos com amora. amêndoa-doce. • Pyrus communis – pêra. ameixeira-preta. por ser portador de antocianina. • Prunus avium – cerejeira-européia. “a rainha das flores”. especiais para consumo in natura e também para confecção de sorvetes. • Prunus persica ou Amygdalus persica – pêssego. seja utilizado tantos agrotóxicos para controle dos diversos problemas fitossanitários (doenças e pragas) que lhe acomete. cerejasilvestre. rosa. Árvore que além de frutos muito saborosos produz madeira nobre que não deve ser utilizada em ambientes externos. Árvore exótica frutífera de clima temperado. secos ou industrializados na forma de sucos. • Fragaria vesca – morango. cereja-doce. doces. um antiinflamatório natural. Além do mais é considerada medicinal e um alimento funcional. em larga escala. produzem óleo medicinal. • Rosa centifolia – roseira. pela beleza. macieira. Árvore exótica que produz saborosos frutos e que tem propriedades medicinais. • Prunus amygdalus ou Amygdalus communnis – amêndoa. a suavidade. Verdadeiramente uma das rainhas das frutas. a fragância. muito cultivada em todo o mundo. além do que o nome do seu gênero dá nome à família. • Malus silvestris – macieira-mansa. almendro. • Rubus occidentallis ou R. quando há a deposição de suas folhas chamadas caducas. ameixeira. Frutífera de clima temperado. etc. Árvore exótica frutífera que produz frutos muito apreciados para consumo in natura. amendoeira-da-europa. Planta exótica que. mas é excelente para marcenaria de luxo e instrumentos musicais. . • Pyrus malus ou Malus communis ou M. Planta frutífera que tem aproveitamento industrial na elaboração de doces (marmeladas) e geléias. • Pyrus eydonia – marmeleiro.156 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Eriobotrya japonica ou Mespilus germanica – nêspera. cultivada em todo mundo. idaeus – framboesa. Árvore própria de clima temperado (ocorre na Ásia e Europa) cujas sementes além de próprias para consumo. pelo excelente paladar de seus frutos. rosa-amélia. • Prunus domestica – ameixa. albricoque. que por suas propriedades nutritivas especiais é fonte de renda em muitas propriedades rurais nas várias partes do mundo de clima temperado. apricot. sêca se usa para chás em regimes alimentares. quando se desfaz das folhas. pelas excelentes qualidades organolépticas e funcionais de seus frutos. Árvore exótica frutífera de clima temperado. Também é árvore extraordinariamente ornamental com a intensa e espetacuar floração branco-rosada que recobre a planta após o período de repouso. de dormência.

• Alibertia edulis – apuruí. geralmente países tropicais do terceiro mundo. flores brancas. pó. • Borreria verticillata – sete-sangrias. onde é encontrado no estrato inferior da mata. Planta medicinal que produz o alcalóide quinina usado no tratamento da malária e problemas cardíacos e estomacais. • Cephaelis ipecacuanha – ipeca. Também é indicada no tratamento da leishmaniose e anti. canephora. Árvore frutífera da Amazônia. • Calycophylum spruceanum – pau-mulato. com estípulas e ovário ínfero. recomendada para combater afecções pulmonares. só ramificando (formando copa) no ápice. muito aproveitado na produção de café solúvel e formação de blends. raiz rastejante repetidamente nodulosa. Espécie de café mais apropriado para climas tropicais que produz um tipo de café diferente do C. de origem árabe. originária da Colômbia. um hormônio que regula a função das células. de folhas simples. mais apropriada para climas quentes. portanto. características que lhe são propiciadas por conter o alcalóide cafeína. como é o caso deste estado da Amazônia brasileira. é policaule. abastecendo todo o mundo. e alógama (de polinização cruzada). arabica. que o têm como um dos principais itens na pauta de exportações e. . e da África. cujos grãos produzem uma bebida das mais apreciadas e consumidas em todo o mundo. • Cinchona succirubra – quina. Os estados do Espírito Santo e Rondônia são os principais produtores deste café. por ser estimulante. Árvore nativa na Amazônia de caule linheiro e liso de casca bronzeada. arabica. Planta ruderal e invasora muito comum nas áreas de plantações por todo o Brasil. Trata-se de um arbusto de flores opostas.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 157 Rubiaceae (rubiáceas) Grande família que reúne 500 gêneros e 7000 espécies. ao lado da pecuária e da exploração madereira. Arbusto de aproximadamente 3 m de altura. que atua inibindo. bororô. e muito utilizada pelas populações locais. Suas raízes contêm vários alcalóides. de porte mais alto que esta espécie tradicional. etc. da qual se aproveita a madeira. intestinais e vomitiva (emética). café-conilon. e que tem uso em medicina popular. excitante e inspirativa. entre os quais a emetina. puruí. vinho. bloqueando. Árvore frutífera da Amazônia. opostas. frutos escuros. poaia. Usa-se xarope. A planta de C. A cultura do café se constitui em esteio da economia de alguns países da América do Sul e Central. • Coffea arabica – café. além de ter propriedades medicinais. diferentemente de C. • Borojoa duckei – borojoa. vassourinha-de-botão. sendo. escorrega-macaco. ipecacunha. sendo quase toda a totalidade do café produzido em Rondônia (quarto ou quinto maior produtor de café do Brasil) desta espécie. • Coffea canephora – café-robusta. gera divisas para os países produtores.hemorrágico. onde o café conilon vem a ser a principal cultura agrícola e uma das mais importantes fontes de riqueza. Arbusto medicinal nativo na Amazônia. ovais lanceoladas. os receptores da adenosina. mulateiro. planta de sombra.

com suas substâncias tóxicas que paralisa o sistema nervoso dos animais. vermelha.). • Palicourea marcgravii – cafezinho. • Morinda citrifolia – noni. • Genipa americana – jenipapo. das quais se produz óleo essencial. erva-de-rato. Ao que parece se desenvolve bem em regiões de climas tropicais. brancas. musaendra. • Mussaendra alicia ou M. salmão. Planta muito tóxica que ocorre como invasora nas pastagens. vasos. e que foi descrita pelo prof. Poveda. etc. quintais. As folhas quando esfregadas recendem um forte cheiro da pomada conhecida como bengué. Costa Rica. a meio caminho do alto dos Andes (entre a floresta tropical e o ápice da cordilheira). • Palicourea coriacea – congonha-do-campo. que dão intensa beleza ao ambiente onde se encontra. pequenas bagas arredondadas. mas tendo variedades de flores róseas. Árvore que ocorre no CATIE em Turrialba. quer seja. Arbusto pequeno de flores alvas bastante perfumadas. também formam cachinhos muito bonitos. reputado como de excelentes propriedades medicinais.158 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Gardenia grandiflora ou G. . Árvore asiática (Tailândia. malpighiaceae) pra fazer a ayahuasca. que se mistura com o cipó mariri (Banisteriopsis caapi. comercializado em várias partes do mundo. etc. Arbusto baixo de frutinhos vermelhos encontrado nas encostas dos Andes. branca) envolvendo flores diminutas. indicado como coadjuvante no tratamento de uma série enorme de enfermidades. • Nertera granadensis – nertera. e então. Esta planta se reproduz por pequenas estacas que são postas a enraizar. de rara beleza com seus cachos de enormes sépalas coloridas (rosa. Arbusto pequeno. daquele simpático país centroamericano. mescla. rainha. pelas extraordinárias substâncias curativas que contém e que confere grande imunidade ao organismo humano. gardênia. União do Vegetal. nas florestas de nuvens. • Psychotria viridis – chacrona. Os frutinhos. etc. Polinésia Francesa. amarelas e salmão. começa-se a disseminar seu cultivo por alguns lugares do Brasil como no Amazonas e em Rondônia. alamedas. De seus frutos se produz um licor reputado como um dos melhores entre todos. e acaba causando muitas mortes do gado. Planta arbustiva de origem asiática. bengué. reunidas em cachos de disposição geométrica muito bonita. prestando-se inclusive para compor cercas vivas e divisões internas de bosques e jardins por aceitar bem os mais diversos tipos de poda. mais comumente de flores vermelhas. vick. Taiti. parques. jasmim-vermelho. • Guetarda turrialbena – guetarda. jardins. Planta alucinógena da Amazônia. É árvore de desenvolvimento lento. emérito botânico daquela instituição de pesquisa e ensino. erytrophylla – musendra.) de cujos frutos está sendo industrializado um suco. varandas. café-bravo. Planta medicinal que ocorre na região Sudeste do Brasil. o que a torna muito ornamental e requisitada para compor jardins e projetos paisagísticos por todo o Brasil. mussaendra. parecidos com os frutos do café. Árvore frutífera que ocorre em quase todo o Brasil e na América latina. • Ixora coccinea – ixora. augusta – jasmim-do-cabo. chá usado pelos povos da floresta em seus cultos religiosos (Santo Daime.

eureca). Tipo de citrus do grupo dos pomelos ou grapefruits. • Uncaria tomentosa – unha-de-gato. guatambu. como por exemplo. e que tem propriedades medicinais. galego. latifolia – limões (tahiti. comuns nos EUA. que fornece madeira pardo-amarelada. a tangerina cleópatra. limonum – limão-cravo. como é o caso do limão cravo e do limão volkameriano. recentemente. laranjinha-da-china. Planta arbustiva trepadeira medicinal que tem a característica ou a propriedade de elevar o sistema imunológico de animais diversos. para reduzir problema de crescimento da próstata e para tratamento de uma infinidade de outras enfermidades. É planta disseminada pela Amazônia. • Rubia sp. Árvore de mata úmida e capoeira. na necessária prática agrícola da enxertia. laranja-da-terra. Está sendo testado para combater a Aids. limon ou C. Excelente fruto em suas múltiplas variedades. e outras muito apreciadas na culinária. • Citrus grandis – toranja. – rubia. • Citrus medica – cidra. siciliano.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 159 • Psychotria sp. sendo a planta medicinal mais popular no Peru. • Citrus aurantium – laranja-azeda. pesada e boa para marcenaria e cabos de ferramentas. • Citrus mitis – laranjinha-de-jardim. “tahiti” (sem sementes) e do limão casca fina. que se faz no cultivo de frutas cítricas. cravo. algumas vezes com excessivo amargor. Pioneiro no uso como porta-enxerto. Interessante e gostosa frutinha de pequena dimensão (menor que um limão da variedade casca fina). . sendo usada também como antiinflamatória. como o Poncirus trifoliata. de folhas trifoliadas. que se costuma consumir com casca e tudo. Planta cujo nome do gênero dá nome (caracteriza) à família. apesar deste detalhe. o limão volkameriano. Rutaceae (rutáceas) • Balfourodendron riedelianum ou Esembeckia riedeliana – pau-marfim. limonium ou C. – guiné. Planta medicinal que ocorre no interior de Minas Gerais. por ser susceptível à Tristeza dos Citros (doença virótica). • Citrus limonia ou C. rico em vitamina C. casca fina. próprio para preparo de inúmeras iguarias e bebidas. calamondim. mas saborosa. • Citrus aurantifolia ou C. quando se encontrou formas de se controlar a Tristeza dos Citrus). a laranja azeda (que voltou a ser usada. • Citrus limetta ou C. o limão. ungaio (na Costa Rica). dura. a qual é usada para fazer doce em calda. mas que depois foi relegada a um segundo plano. Fruta de casca fina. volkameriano. mas. Variedade que já foi muito usada como porta enxerto (a partir de 1930). Fruta de pouco caldo e de casca grossa. frutos lenhosos. Algumas variedades são usadas em larga escala como porta-enxertos na citricultura. perdeu terreno para outras espécies com características mais interessantes e apropriadas para esta técnica na citricultura. ou lima ácida. chegando a ser a espécie usada quase 100 % para este fim. sendo também planta ornamental. limettioides – lima-da-pérsia. onde é utilizada como uma panacéia para os mais diversos problemas de saúde.

• Poncirus trifoliata – poncirus-trifoliata. contém o alcalóide pilocarpina. naranjillo – mamica-de-porca. doença-de-chagas. de coloração intensa e fáceis de descascar. • Citrus unshiu – satsuma. sangüínea. etc. Também é reputada como insetífuga. barão. • Citrus reticulata – tangerinas (mexerica. valência. pêra rio. • Citrus reshni – tangerina-cleópatra. Planta com propriedades tônicas para o cabelo. Mato Grosso e Goiás.). para tal usufruto. descascando-as mesmo com os dedos (com exceção da murcote por sua condição de híbrido). para a indústria de sucos. mandarina. trifoliata. médias e tardias. • Zanthoxyllum hyenale ou Z. bahia. laranja cravo. as quais muito se beneficiam com seu uso. natal. por apresentar a característica de ter a folha trifoliada. sendo apreciada por pessoas de todas as idades e de todas as classes. Variedade que é muito usada como porta-enxerto. reticulata. chamado Tangelo Orlando que é usado como porta-enxerto. Junto com a banana se constitui na dupla de frutas mais popular e consumida no Brasil. onde é apreciada e também aproveitada na agroindústria. • Pilocarpus pinnatifolius – jaborandi. folha murcha. De cerne amarelo-limão quando recém cortada evoluindo para o amarelo-dourado com o passar do tempo. um híbrido de C. Plantinha de cheiro muito forte de largo uso em crendice popular como boa para espantar mau olhado. por sua rusticidade e vigor e propícia também para alguns tipos de testes com citros. sendo a laranja lima. que deve incomodar até aos insetos.) e o mercado em que a laranja vai ser colocada. por não ser ácida nem indigesta. guarataia. ponkan. de modo a ter frutos durante um maior período do ano. sinensis). lima. esta última. Árvore abundante em S. • Ruta graveolens – arruda. mamica-de-cadela. é conhecida como Tarocco Moro Sanguinello.160 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Citrus paradisi – pomelo. Variedade de tangerina muito explorada no Japão. Tipo de laranja ácida de polpa vermelha muito comum nos EUA. Na Itália. Usada para moirão. lima d’água. • Citrus sinensis – laranjas doces (variedades pêra. paradisii x C. provavelmente por seu cheiro forte. pela riqueza de nutrientes que possui. seleta. baianinha. bergamota. piralima. Paulo. não necessitando nem o uso de faca para tal benefício. Excelente fruta para ser consumida in natura ou industrializada. etc. Há um híbrido de C. atentando ainda para o detalhe da época de produção. Planta medicinal indicada para tratamento de várias doenças graves como vitiligo. grapefruit. Há conveniência de selecionar as variedades mais apropriadas para a finalidade da exploração desejada (de mesa. reticulata x C. indicada para ser consumida até por recém-nascidos. rhoifolium ou Z. onde também é muito comum. cabos de ferramentas. dancy. Excelente espécie para servir de cavalo em enxertias de citros. buscando conciliar o plantio de variedades precoces. murcote ou tangor. hanlin. por exemplo. • Esembeckia leiocarpa – guarantã. quase todas muito saborosas. . subserratum ou Z. com suas múltiplas variedades. etc.

Árvore asiática de cuja madeira se extrai óleo medicinal aromático e com efeitos afrodisíacos. quando entra em produção. sendo Maués. – vimeiro. rambutam. de casca rosada e polpa translúcida. que se dá de novembro a março. sorbilis – guaraná. Planta cujo gênero dá nome à família. que começam a aparecer em maior escala no mercado das grandes capitais brasileiras. uma alternativa de manejo mais adequada seria aos 3 – 4 anos de idade. Representa cultura de importância na região. muito saborosos. Árvore frutífera de origem asiática.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 161 Salicaceae ou Salicineae (salicáceas) Família da ordem malpighiales. . de largo uso no fabrico de móveis rústicos. que cresce em terrenos úmidos. deriva do nome científico do salgueiro (Salix). por exemplo. Árvore de origem chinesa. Árvore exótica de madeira leve que é utilizada para produção de palitos de fósforo. Americana e Brewster. apresentando crescimento com ramos tombados para baixo (chorões). Santalaceae (santaláceas) • Santalum album – sândalo. Sapindaceae (sapindáceas) • Litchi chinensis – lichia. chorão. Da casca pode ser produzida a aspirina. rambutão. não sendo interessante contar no pomar com estas últimas que são improdutivas. Como ao se plantar não dá para saber qual vai ser o sexo da planta. decepar as plantas macho. Apresenta plantas hermafroditas. fêmeas e machos. • Paulinia cupana ou P. o acetilsalicílico. considerada uma das rainhas das frutas. Planta nativa da Amazônia. chrysocoma – salgueiro. bem produtivas. o principal pólo de produção. • Salix sp. parecidos externamente com os frutos do urucuzeiro. Fornece matéria prima para trabalhos de artesanato. e proceder a enxertia nas brotações que advirão em seguida. de belo efeito ornamental. embora de formação da parte aérea bastante irregular. salgueiro-chorão. onde as variedades Bengal. Planta que fornece o vime. tendo a Cia. são indicadas para cultivo. • Populus sp. numa poda drástica. cestaria e artesanato. – álamo. colocando como cavaleiro material proveniente de matrizes reconhecidamente superiores. com pequenos frutos (do tamanho de um limão “casca fina”) muito saborosos. Recentemente passou a ser produzida no Estado de São Paulo. Reproduz-se assexuadamente. • Salix babylonica ou S. mas quando cultivada a pleno sol se aproxima para arbusto. que na mata é quase como um cipó. no Estado do Amazonas. • Nephellium lappaceum – rambutan. Planta de porte médio originário da Ásia. que produz pequenos frutos. Fiat Lux grande plantio desta espécie em Santa Catarina. arredondados. cujo nome do princípio ativo. com polpa translúcida um tanto cristalizada.

Os frutos são comestíveis. balata. • Mimusopis bidentata – balata. Árvore que produz deliciosos e dulcíssimos frutos. • Brumelia sertorum – quixabeira. • Serjania curassavica – cipó-timbó. de casca rígida e fina. apresentando apenas pequena quantidade de saborosa polpa translúcida envolvendo a semente. karitê. Árvore comum no Nordeste brasileiro que fornece madeira boa para construção civil e marcenaria. • Butyrospermum parkii ou B. ocupando quase todo o fruto. Desta planta de origem africana se extrai uma manteiga especial que é usada na indústria de cosméticos em produtos para cabelos. que ficam ávidas por consumi-los em quantidade. o chamado “entupimento”. como é voz corrente no meio rural. para casos de hemorróidas e infecções genitais femininas. pelo que são chamadas de timbó. rompe-gibão. algumas espécies da família leguminosa-faboideae (Derris urucu. . • Glycoxylon praealtum ou G. Também produz goma (látex) que é aproveitada na indústria de chiclete. de frutinhos deliciosos. como. nativa na Amazônia. amapá-doce. casca-doce. Planta tóxica que é usada nos rios da Amazônia pelos povos da floresta para atordoar os peixes facilitando sua captura. A raiz avermelhada batida na água tonteia (“tinguiza”) os peixes grandes e mata os pequenos. os frutinhos atraem as crianças. Árvore madeireira. Sapotaceae ou Sapoteae (sapotáceas) • Achras sapota – sapoti. Árvore frutífera que ocorre na América Central onde seus frutos são muito apreciados para consumo in natura. o timbó vermelho ou timbó verdadeiro). sendo indicado. o que costuma ocasionar problemas de prisão-de-ventre. tendo a ponta dos galhos pendentes e espinhosos. Embora exótica é cultivada em quase todo o Brasil. paradoxum – carité. huberi – pau-doce.162 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Sapindus esculentus ou Talisia esculenta – pitomba. que tem a inconveniência de ter o caroço (semente) grande. um pouco mais espessa que casca de ovo. por exemplo. paraju. por exemplo. É considerada planta medicinal com efeitos tônico e antidiabético. Existem ainda outras espécies de plantas na Amazônia que são usadas também com esta finalidade. • Calocarpum sapota – mamey. Árvore frutífera nativa da Amazônia. • Mimusopis huberi ou Manilkara huberi – maçaranduba-verdadeira. Árvore frutífera nativa da Amazônia. deglutindo inclusive os caroços. frutífera. Árvore madeireira e frutífera nativa na Amazônia. • Manilkara amazonica ou Mimusops amazonica – paraju. cuja casca (córtex) se utiliza em medicina popular por seus efeitos antiinflamatórios. Árvore latescente de porte médio. que produz boa madeira além de goma lactífera. abricó-do-mato. karité. timbó. balateira. e plantada de pé franco (por semente) demora bastante (em torno de dez anos) para começar a produzir. apreciados para consumo in natura. Sendo muito saborosos. armada de fortes espinhos. O nome do gênero da pitomba dá nome à família. Árvore nativa da Amazônia que produz boa madeira e látex usado para fins diversos. maçaranduba. maçaranduba-de-leite.

Trepadeira de lindas flores cor de rosa. Árvore frutífera comum na América Central e Cuba. – boca-de-leão. além de problemas das vias respiratórias. – tuturubá. Produz a digitalina. alcalóide empregado em medicina com efeitos cardiológicos servindo para regular o ciclo do coração. • Pouteria sp. Planta ornamental. Saxifragaceae (saxifragáceas) • Saxifraga sp. freqüente nos campos. – maurandia. • Verbascum thapsus – barbasco. cujo fruto possui uma polpa comestível saborosa de cor amarela e consistência como gema de ovo. • Veronica peregrina – verônica. • Maurandia sp. propícia para se degustar in natura. quase do tamanho de um coco. Planta ornamental de flores vistosas. • Pouteria campechiana – canistel. onde no alto Solimões há uma variedade que tem frutos muito grandes. Usada na indústria farmacêutica. Planta ornamental cujo nome do gênero dá nome (caracteriza) à família. Árvore frutífera que ocorre na América Central. que chega a pesar até 1 kg.000 espécies. • Digitalis sp. Planta ruderal medicinal. Árvore frutífera que ocorre na Amazônia. verbasco. • Calceolaria herbohybrida – calceolaria. • Scrophularia sp. de polpa muito saborosa. Planta que ocorre subespontânea em Campos de Jordão. • Pouteria sapota – zapote. • Esterhazya sp. • Antirrhinum sp. Árvore frutífera da Amazônia que também fornece madeira. – scrofulária. Em medicina popular é usado para combater hemorróida e furúnculos. . Planta ornamental com excêntricas flores quase fechadas. – esterázia. gordolobo. Planta cujo nome do gênero dá nome à família. As populações da Amazônia têm o hábito de comer o abiu pondo ele dentro d’água para diminuir a incidência do leite na casca. • Pouteria pariry – pariri. – saxifraga.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 163 • Pouteria caimito ou Lucuma caimito – abiu. Árvore frutífera da Amazônia. Scrofulariaceae ou Escrofulariaceae ou Scrofularinae (scrofulariáceas ou escrofulariáceas) Família de plantas que reúne aproximadamente 200 gêneros e 3. Planta ornamental com belas flores cor-delaranja. – digitália.

alimentícias e ornamentais. todavia. Solanaceae (solanáceas) Família da ordem das tubifloras (tubiflorae) – a ordem com maior número de Famílias (26) . e para outras finalidades diversas. e cujas cascas amargas são tidas como medicinais. causando dor e outros incômodos. Planta com propriedades medicinais que também é melífera e tem seus frutinhos muito apreciados pelos pássaros. . • Acnitus arborescens ou Aureliana lucida – marianeira. Simondsiaceae (simondsiáceas) • Simondsia chinensis – jojoba. produzindo madeira branca e leve. por conter substância própria de algumas solanáceas. hombre-grande (este último termo na Costa Rica). Arbusto que produz flores muito bonitas e cheirosas. pelas quais passou a ser produto de exportação destes países. aproveitada em marcenaria. e usada até para tratamento de malária. as quais o uso do pimentão na alimentação faz dilatar. fruta-de-sabiá. Planta nativa na Malásia. de cujas sementes se produzem um óleo ou cera muito utilizado na indústria de cosméticos.que reúne em torno de 2000 espécies de plantas herbáceas e arbustivas de folhas alternas e regulares. Planta nativa da Amazônia e América Central. • Simarouba ou Simaruba amara – marupá. • Quassia amara – quina. que vão evoluindo da cor roxa para a branca e para a marron quando caem. usada pelas populações locais como tônica e com excelentes propriedades afrodisíacas. marupaúba. usado como antiespasmódico. • Atropha beladona – beladona. com propriedades medicinais. Árvore que ocorre na Amazônia. • Brunfelsia hospeana ou B. • Capsicum anuum – pimentão. é inconveniente para quem tem problemas de hemorróidas. Planta arbustiva de clima árido originária do México e oeste dos EUA. Planta medicinal que produz o alcalóide atropina. e que também é usada como inseticida. uniflora – manacá. inclusive a malária. Nome do gênero dá nome à família. Indonésia e Tailândia. tóxicas. Planta herbácea muito cultivada para aproveitamento de seus frutos como excelente tempero.164 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Simaroubaceae ou Simarubaceae (simaroubáceas) Família da ordem sapindales • Eurycoma longifolia – tongkat ali. Singapura. de grande interesse medicinal indicada para tratamento de uma série enorme de doenças. paraíba.

pimenta-chifre-de-veado. Planta herbácea muito cultivada por seus frutos possuirem característica de intenso ardor. por exemplo. As folhas são tóxicas ao gado causando timpanismo. dominguinha. para abrir o apetite e temperar. sendo matéria-prima para a fabricação de cigarros e charutos. servindo também na formação de renques divisórios dos espaços nos arranjos destes ambientes. flores axilares e frutos bagas ovóides de aproximadamente 1 cm. onde é grande fonte de divisas. juntamente com Metternichia. Planta medicinal e tóxica para o gado. arrebenta-cavalo. O nome do gênero a que pertence esta espécie caracteriza (dá nome) a família. • Cestrum laevigatum – coerana. Brasil e EUA. Planta herbácea das mais cultivadas em todo o mundo. sendo responsável por muitos casos de morte de animais no Rio de Janeiro. . Planta herbáceo-arbustiva. coirana. No livro Flora Brasiliensis este gênero. melancia-de-praia. camapú. peruviana – physalis. Planta herbácea que se constitui em importante cultura em alguns países. coerana-branca. por exemplo. e que agora estão sendo muito disponibilizados nas grandes capitais brasileiras. • Physalis alkekenji – lanterna-chinesa. revestidos por cápsula membranosa. • Lycopersicum esculentum – tomate. ao aceitar os mais diversos tipos de podas. dar gosto aos mais diversos pratos. Seus frutos se constituem em alimento rico como fonte de nutrientes essenciais para o bom funcionamento do organismo humano. joá-da-praia. • Solanum aculeatissimum – juá-bravo. Planta que produz frutos utilizados como tempero em culinária. além de conterem alcalóides e princípios ativos importantes na manutenção da defesa e da imunidade do organismo. • Physalis angulata ou P. indicados como tônicos. diuréticos. aos quais enfeita com suas flores azuladas. canapum. como forma de controlar os diversos problemas fitossanitários que incide sobre a planta e possibilitar sua exploração em escala comercial. de cor alaranjada. mata-fome. etc.. • Petunia violacea – petúnia. Planta invasora herbácea que também é usada como planta medicinal indicada em banhos para combater moléstias cutâneas. Planta herbácea de cheiro intenso e agradável. • Nicotiana tabacum – tabaco. própria para cultivo em jardins. Um aspecto desabonador ou controverso da cultura do tomate no Brasil consiste em ser atualmente uma das culturas que demanda maior uso de agrotóxicos. • Capsicum sinensis – pimenta-de-cheiro. fumo. por exemplo. Planta ornamental com frutinhos de rara beleza envolvidos por cápsula envoltória. de folhas alternas membranáceas. como Cuba. tendo a característica de não serem ardosas. • Capsicum frutescens – pimenta-malagueta. Planta herbácea. medicinais. cujos frutos são aproveitados para dar gosto aos mais diversos pratos. nativa da Amazônia.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 165 • Capsicum baccatum – pimenta-dedo-de-moça. é classificado na família Cestrineae. É apreciada em pequenas doses. como o caroteno. bucho-derã. muito saborosos. É um arbusto de aproximadamente 2 m de altura. de frutinhos pequenos redondos. reputado como de grande eficiência na prevenção de diversos tipos de câncer.

Planta ruderal que tem propriedades medicinais e estimulantes. o que é compensado pela grande força econômica em que se constitui na agricultura mundial. Planta medicinal indicada no tratamento de afecções do estômago e diurética • Solanum gilo – jiló. • Solanum pseudocapsicum – tomate-de-jardim. alcançando sua produção hoje em dia algo em torno de 300 milhões de toneladas/ano. Interessante na história desta planta é que ela. batatinha. bem como na indústria de cosméticos para elaboração de creme para pele. aos quais é servido cru nas gaiolas. Planta herbácea cujos tubérculos se constituem num dos mais importantes alimentos do mundo. onde é dos alimentos mais requisitados. • Solanum paniculatum – jurubeba. maria-preta. por sua riqueza em carboidratos. De cultivo simples. Planta herbácea que produz frutos muito amargos. em diversas ocasiões e passou a ser cultivada em todo mundo. cortados em bandas. requer condições especiais para seu cultivo. sendo consumida como aperitivo ao ser curtida em cachaça. Obs: A madeira subjacente à casca das plantas desta família é de oxidação rápida. muito apreciados como legumes. cocona (este último termo no Peru). sendo largamente consumida em toda a Europa. por exemplo. que são apreciados para consumo como legume cozido. Planta invasora de frutinhos negros que também é reputada como medicinal e dependendo do lugar em que vegeta pode ser tóxica por concentrar grandes quantidades do alcalóide solanina. Sterculiaceae ou Esterculiaceae (sterculiáceas ou esterculiáceas) Família da ordem malvales. mas melindroso. • Solanum melongena – berinjela. • Solanum tuberosum – batata inglesa. . assim como em outras regiões do restante do mundo. Tem efeito medicinal no tratamento de uma série de enfermidades. é originária dos Andes. maná-da-amazônia. • Solanum sessiliflorum – cubiu. • Solanum nigrum – erva-moura.166 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Solanum argenteum – erva-de-santa-bárbara. conforme se pode demonstrar fazendo ligeiro corte com canivete. Planta herbácea ornamental com seus bonitos frutinhos vermelhos que também são tóxicos. de períodos de intenso frio. laranjinha-de-jardim. grandes. apesar do nome. Planta herbácea cultivada pela excelência de seus frutos negros. originária da região Amazônica. de frutos comestíveis podendo ser aproveitados para compor complexo agroindustrial de polpas de frutas tropicais. onde as populações indígenas contam com mais de 600 variedades de batata. e acabou sendo a salvação alimentícia de inúmeras populações deste continente. como o grande uso de defensivos químicos empregados na sua cultura. Também é muito apreciado por passarinhos que vivem em cativeiro. Planta herbáceo-arbustiva anual. cozidos ou fritos. mas foi levada pelos colonizadores para a Europa. fonte de energia importante na alimentação dos povos daquela região.

chichá. faz-se manteiga de cacau e chocolate. castanheta. torradas. misturadas ao leite e açúcar e levadas ao fogo. ou industrial quando produzido em larga escala e com tecnologia apropriada. Árvore frutífera cuja cultura vem se expandindo nas últimas décadas na Amazônia. As sementes também são aproveitadas para produção de manteiga de cupuaçu (que passou a ser requisitada pela indústria de cosméticos) e o cupulate. etc. xixá. Arvoreta peculiar na floresta tropical úmida. Sendo planta rústica e umbrófila (amiga da sombra). quando é plantado em larga escala e sem observar as . o cupuaçuzeiro adapta-se bem às condições de terras ácidas e pobres que predominam na Amazônia. com sementes que se constituem em importante commodity (produto que pode ser estocado por certo tempo sem perda sensível de sua qualidade) da pauta de exportação brasileira. – cola. Das sementes. a condição mais recomendável e propícia para exploração agrícola na região. Todavia. e por isso chamada de astrapéa rosa. etc. Gênero de espécies africanas com propriedades medicinais. pois. Arbusto que é uma das culturas perenes de maior expressão na agricultura brasileira. e até do exterior. cupu. • Theobroma grandiflorum – cupuaçu. onde é nativa. • Theobroma bicolor – cacau-do-peru. Existe também a espécie Dombeya wallichii. Nativa da Mata Atlântica. cremes. fabricação de caixotes.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 167 • Basiloxylon brasiliensis ou Pterygota brasiliensis – pau-rei. Árvore de grandes flores brancas melíferas. Pelas folhas grandes e as flores muito vistosas se constitui em planta ornamental. de flores rosadas. Árvore cujo gênero dá nome à família. que começa a ser produzido com a disponibilização de máquinas apropriadas para o processamento (beneficiamento) das sementes de cupuaçu (antes só haviam máquinas apropriadas para o processamento de sementes de cacau). em processo caseiro artesanal. vinhos. Aproveita-se também a polpa dos frutos para fazer sucos. Árvore nativa da qual se extrai essência para fabricação de essências capilares. que é muito indicada para cultivo em áreas onde se desenvolve atividades de apicultura. • Sterculia chicha – pau-de-cortiça. muito indicado para compor sistemas agroflorestais (SAF’s). sorvetes. deve-se ter alguma cautela em seu cultivo. o principal subproduto.. etc. sendo. refrescos. chichá-do-nordeste. que tem as mesmas propriedades da astrapéa branca. de casca grossa. • Theobroma cacao – cacau. As sementes podem substituir o cacau verdadeiro na fabricação de chocolate. • Cola sp. depois das sementes serem fermentadas. refrescos. portanto. aromática. • Dombeya natalensis – astrapéa-branca. • Guazuma ulmifolia – mutamba. e polpa doce. iogurtes. Fornece madeira utilizada na indústria de papel. de frutos grandes. que desperta o interesse de outras regiões brasileiras. maperoá. por essas suas características inatas. produto em tudo igual ao chocolate. doces. e pesquisas estão sendo desenvolvidas também com esta espécie por ser resistente à vassoura-de-bruxa. em função da excelência da polpa de seus frutos. farinha-seca. para ser consumida na forma de sucos. este. doces. moídas.

Arvoreta. Das sementes também pode ser produzido chocolate de boa qualidade. PA. mas por outro lado. Há uma variedade de cupuaçu sem sementes. e se organizam em cachos acoplados nos troncos. Os frutos. e não se tendo ainda uma forma de beneficiamento rústico mínimo. Planta medicinal indicada no tratamento de afecções dos rins e da bexiga. se o pequeno produtor rural está isolado. Mas. há que se considerar que para isso o pequeno produtor rural necessita de uma estrutura mínima de agroindústria. são pequenos. descapitalizado. proveniente de uma mutação natural detectada em Cametá. etc. já seria um avanço muito interessante no trabalho de melhoramento da espécie. pardo-avermelhadas. que. esse fator é altamente limitante na exploração da cultura. comestível. para onde foram mandadas mudas destas variedades para serem cultivadas e observadas. pois. alternativa interessante e viável na diversificação da produção agrícola da região. que vegeta na floresta úmida. Arvoreta. de flores pequenas. em fins da primeira metade do século XX. com polpa doce. revestidos de pêlos. por não carecer do trabalho de despolpar. sendo os frutos do cupuaçuzeiro muito perecíveis.. • Theobroma spruceanum – cacau-azul. o que pode ser vantajoso ou desvantajoso.. que desprendem odor de limão. principalmente a vassoura-de-bruxa e a broca-dos-frutos. Esta variedade sem sementes também apresenta a polpa ligeiramente menos ácida do que as outras variedades tradicionais (comprido. que precisam ser removidos. cooperativa. pode se viabilizar se ele estiver organizado em alguma forma de associação. de forma sustentável. para que a polpa apresente um aspecto otimizado na hora em que for ser consumida. respectivamente. PA. na forma de farinha. pode ficar vulnerável à ocorrência de doenças e pragas. . se faz necessário que sejam processados logo após a colheita. que podem inviabilizar o seu cultivo racionalizado. visando tornar seu cultivo. e a polpa conservada em condições adequadas para comercialização (congelada em frezeers ou câmaras frias). elipsóides. que é uma tarefa trabalhosa no aproveitamento da fruta. de flores vermelhas muito bonitas. de cor amarela. para conservação adequada da polpa. em seu local de produção. característica esta que se confirmada nos diversos locais da Amazônia onde a Embrapa se faz presente. dependendo da finalidade em que vai ser aproveitada. que são muito apreciados por macacos. Entretanto. de Belém. Os frutos têm a casca de coloração verde-azulada. em 2004 lançou quatro variedades de cupuaçuzeiros tolerantes à vassoura-de-bruxa. Outra dificuldade que se coloca para a exploração agrícola econômica desta fruteira amazônica é a falta de organização dos pequenos produtores rurais. • Waltheria douradinha – douradinha-do-campo. que vive no interior da floresta úmida. etc. além dos frutos desta variedade sem sementes conterem uns poucos resquícios de semente (“como se quisesse ter semente e acabou não tendo”). polpa desidratada. para as finalidades já mencionadas. localizadas sobre os ramos menores. por ser um procsso caro. redondo. sem maiores recursos de infraestrutura. A Embrapa-CPATU.168 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades recomendações técnicas adequadas. se suprime a possibilidade de aproveitamento das sementes. mamorana). e são de polpa doce e comestível. que se torna interessante na exploração de polpa. • Theobroma speciosum – cacauí.

As flores mantidas na decoração do interior de casas conservam-se por vários dias. fruto cápsula pentivalvar (cinco valvas). pente-de-macaco. garapeira. onde é item de importância na economia local. sendo suas fibras. vários grupos distintos de estames concrescidos pela base (adelfos). e também são muito usadas nas ikebanas – a arte japonesa de fazer arranjos florísticos. . de folhas com o verso de coloração ferruginosa. aproveitadas na indústria de cordas e sacarias. e hoje. branca ou vermelha. característica pela qual é cultivado com muito esmero em jardins de todo o mundo. Tiliaceae (tiliáceas) Família da ordem Malvales que reúne 13 gêneros e 55 espécies apresentando flores com estames polidelfos. muito resistentes. macerado em água libera as fibras. mas com a rarefação das madeiras de maior valor na região e pela significativa freqüência em que ocorre. dado a beleza de sua madeira. Planta de origem européia que tem propriedades tóxicas (envenena animais no pasto) e contém substâncias usadas na fabricação de remédio (Taxotere) indicado para tratar câncer de próstata. Erva sublenhosa originária da Índia e muito cultivada na Amazônia. Gigantesca árvore comum na Amazônia. que chega a atingir 5 m. utilizada por isso pelos nativos para fazer pequenas embarcações.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 169 Taxaceae (taxáceas) • Taxus bacatta – teixo. • Luehea seemannii – guacimo-colorado. acuminadas. Árvore que ocorre nas Antilhas e nas Américas do Sul e Central. grápia-amarelão. pequenas e cimosas. que uma vez tocadas começam a ficar com manchas escurecidas. Arbusto ornamental originário da Ásia. que produz flores espetacularmente bonitas de cor rosada. isto é. • Apeiba tibourbou – pau-de-jangada. • Corchorus capsularis – juta. flores lúteas. desde que não se toque em suas pétalas. • Apeiba molaris – garapa. • Camellia japonica – camélia. Árvore grande comum na Costa Rica. • Camellia sinensis – chá. Apresenta folhas serreadas. que sobressai pelo seu tronco amarelo e produz boa madeira que até pouco tempo não tinha muito valor comercial. de madeira leve. é espécie de proa neste tipo de atividade econômica visando à fabricação de móveis finos. O caule. passou a ser explorada comercialmente. aos quais dá um toque de imenso glamour e romantismo. Theaceae (theáceas) Família da ordem das ericales. Planta originária da China cujas folhas são usadas no preparo de um dos mais requintados e tradicionais chás de todo o mundo. chá verde.

Erva que se constitui em excelente tempero usado no preparo dos mais diversos tipos de peixes e carnes. principalmente doces. cujas sementes são usadas como tempero de diversas iguarias. usada para dar sabor a sopas. e também no preparo de chá muito saboroso e reputado como um santo remédio para amenizar problema de cólicas em recém-nascidos. etc. porque sendo altamente tóxica pode levar à morte. sedo indicada para tratamento de problemas urinários e reumatismo. • Daucus carota – cenoura. de excepcionais qualidades. • Tília cordata – tília. . e também estimulante sexual. além de conter traços dos mais diversos minerais. Planta medicinal indicada para tratamento de afecções urinárias. Planta herbácea cujas raízes se constituem num dos mais apreciados e requisitados legumes de todo o mundo. anis-doce. cujas folhas são usadas em tratamentos de enfermidades respiratórias e como tônico geral. embora tenha a inconveniência de atrair morcegos frutívoros. Erva de aroma forte. especiaria.170 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades • Muntiga calabura – calabura. • Cuminum cyminum – cominho. • Apium graveolens – aipo. de sabor picante e amargo. o que mantém de forma integral todos os seus nutrientes. • Conium maculatum – cicuta. sendo rico em vitaminas. Planta medicinal indicada para uso diverso como antiinflamatório. entre as quais a asma. Arbusto frutífero. Também provoca morte de animais por intoxicação. • Foeniculum vulgare – funcho. Planta medicinal indicada para tratamento de próstata e afecções pulmonares. diurético. de incidência muito comum na gentinha miúda. principalmente a do tipo A. • Coriandrum sativum – coentro. • Archangelica oficinallis ou Angelica archangelica – angélica. Tem também propriedades medicinais. • Triumfetta semitriloba – amor-do-campo. tendo-se o cuidado de usá-la na dosagem certa. boa para os olhos. sendo também planta medicinal. Erva cujas sementes. cicuta-verdadeira. se constituem em especiaria usada para enriquecer os mais diversos pratos na culinária de todo o mundo. digestivo. podendo também ser ingerida crua. com suas sementes sendo utilizadas em medicina caseira. por seu sabor muito agradável e suas extraordinárias propriedades alimentícias e terapêuticas. antioxidante que retarda o envelhecimento e melhora a utilização das proteínas. Umbeliferae ou Apiaceae (umbelíferas ou apiáceas) Família da ordem apiales. As raízes também são comestíveis. Árvore que tem algumas variedades com aspecto piramidal. sendo cultivado apenas pra enriquecer a diversidade em pomares de fundos de quintais. Nome do gênero desta espécie dá nome à família. funchoselvagem. cicuta-maior. aos quais enriquece com seu sabor e cheiro fortes e característicos. e beta caroteno. de frutinhos insignificantes sem maior valor comercial. salsão. erva-doce. cozidos e carnes de um modo geral. Erva.

Planta arbustiva medicinal indicada para tratar reumatismo. Planta asiática cujas raízes são utilizadas quase que como uma panacéia. canteirinhos e outras áreas de varandas. chicória. utilizado como calmante. ramos pendentes. Suas folhas desidratadas são usadas para fazer farinha que entra na composição de rações animais. • Pellionia daveauana – peliônia. para se ter sempre a mão. etc. Planta herbácea invasora aproveitada na indústria têxtil por ter fibras muito duráveis e resistentes. Cecropiaceae e Urticaceae. sendo indicada para tratamento de diversos males de saúde em várias partes do mundo. indicadora de terras férteis. a qual no Brasil recebe a denominação popular de “cheiro verde”. Excelente como ráfia para amarrio.. Planta rastejante de folhas grossas muito usadas em paisagismo. características que a recomenda também para a indústria de papel. extremamente ornamentais. • Urera baccifera – urera.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 171 • Panax ginseng – ginseng. Muito fácil de cultivar a salsa pode ser plantada em vasos. revestidas de pêlos. • Pilea macrophylla – brilhantina. folha-de-santana. quintais e terraços. • Pimpinela anisum – anis-verdadeiro. da qual se extrai óleo essencial. enriquecedora do paladar das mais diversas iguarias. carnes. Erva medicinal de gosto exótico e agradável. como interiores. Urticaceae (urticáceas) Família cujos gêneros eram relacionados na Família Urticineae que foi desmembrada em Moraceae. sendo usado também como condimento e para fazer chás. madrepérola. • Boehmeria nivea – rami. . Planta invasora herbácea ou arbustiva. sendo muito famosa sua parceria com a cebolinha (Allium fistulosum). Por ser rica em proteínas e de boa digestibilidade é aproveitada como planta forrageira. reputada como excelente planta melífera. Plantinha rastejante de belo efeito ornamental muito usada em paisagismo. para o preparo de sopas. e margens denteadas. junto com outras verduras como a cebolinha. Também é planta medicinal indicada para tratamento de uma série de enfermidades. esta preciosa fonte de saúde. planta-alumínio. • Pilea nummulariifolia – dinheiro-em-penca.. além de ser medicinal. uma planta milagrosa. etc. de folhas lanceoladas. flores vermelhas ou quase brancas. Planta invasora de pelos urticantes que deixa a pele irritada ao contato. própria para ser cultivada tanto em jardins externos ao ar livre. diurético e estimulante gastrointestinal. • Urtica urens – urtiga. Erva que se constitui num dos temperos mais usados na culinária de diversas partes do mundo. peixes. ásperas. indicada para tratamento de afecções pulmonares. urtiga-mansa. • Boehmeria caudata – assapeixe. de frutos pequenos. • Petroselinum sativum – salsa. Plantinha herbácea de folhas redondas e miúdas. sendo muito indicada na alimentação de coelhos. cicatrizante.

• Lantana camara – cambarazinho. • Tectona grandis – teca. de folhas largas. de belas flores multicoloridas. de flores extremamente bonitas. delgadas. lágrima-de-cristo. melífera. cujo nome do gênero dá nome à família. uma vez plantados no lugar definitivo. Planta herbácea invasora. • Avicenia nitida ou A. A produção de mudas apresenta o detalhe de que podem ser produzidas em canteiros e comercializadas de “tocos nus”. ornamental. flores pequenas. Planta herbácea medicinal indicada como sedativo e tranqüilizante. • Clerodendron thomsonae – clerodendro. Árvore de grande porte. Verbenaceae (verbenáceas) Família que reúne 100 gêneros e aproximadamente 700 espécies distribuídas pelas regiões tropicais de todo o mundo. para sombrear plantios de cacau na Amazônia. cujo gênero dá nome à família . aos quais muito enriquece com sua forma singela e fascinante. fruto drupa mole e achatada. Planta medicinal indicada para tratamentos de distúrbios gastrointestinais e afecções urinárias. muito usadas em projetos paisagísticos. Planta ornamental. • Valerianoides cayennensis ou Stachytarpheta cayennensis – gervão-roxo. pelo seu crescimento rápido. Planta herbácea ornamental e medicinal. de propriedades medicinais e tóxicas. • Valeriana officinalis – valeriana. de madeira dura. Planta herbácea ornamental. que têm a possibilidade de regeneração. possuindo a interessante característica de crescimento rápido em relação a outras árvores que produzem madeira-de-lei nas regiões tropicais do planeta. trepadeira volúvel. que fornece madeira muito bem reputada entre as principais (mais valorizadas) de todo o mundo. lantana. o que barateia em muito. tomentosa – siriúba. – verbena. • Gmelina arborea – gmelina. com cores alvi-rubras. e também muito presente em jardins populares. e que foi muito indicada pela CEPLAC. o custo de produção de mudas e facilita o transporte das mesmas a grandes distâncias. flores pequenas. redondas e membranosas. siriúba-dos-mangues. que se cultiva visando à produção de celulose. clorodendro. tendo por isso seu cultivo ganhado interesse e se espalhado pelos trópicos. originária da Índia. Árvore originária da Ásia.172 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Utriculariaceae ou Lentibulariaceae (utriculariáceas ou lentibulariáceas) – (ver Lentibulariaceae) Valerianaceae (valerianáceas) • Centranthus ruber – alfinete. • Verbena sp. Árvore característica da vegetação de mangue (apresenta pneumatóforos).

que produz madeira de boa qualidade. sendo por isso muito apreciada para cultivo em vasos. Planta medicinal. sendo cultivada desde os primórdios da humanidade. Existem inúmeras variedades de uvas adaptadas a diferentes condições de clima e propícias para as diversas finalidades da exploração. Árvore comum no Cerrado que apresenta a característica especial de produzir goma (resina). visando à decoração interior. Árvore madereira da Amazônia.Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades 173 • Vitex orinocencis ou Vitex megapotamica ou Vitex montevidensis – tarumã. • Vochysia grandis – quaruba. • Vitex polygama – marianeira. suma-roxa. Árvore grande da Amazônia de madeira de cerne vermelho. • Viola tricolor – amor-perfeito. Planta ornamental muito bonita com suas coloridas flores provenientes de melhoramento que fixaram variedades híbridas de flores extraordinariamente vistosas e de belo efeito ornamental. • Vochisia obscura – quaruba-de-flor-pequena. Violaceae (violáceas) • Anchietea salutaris – cipó-suma. . bastante resistente. cataia. Plantinha ornamental de rara beleza com folhas espêssas arredondadas e flores azuis. Árvore da Amazônia de madeira de boa qualidade empregada em fins diversos. • Viola odorata – violeta. Árvore que ocorre no Sul do Brasil. Winteraceae (winteráceas) • Drimys brasiliensis – casca-d’anta. usada em carpintaria e cujo nome do gênero dá nome (caracteriza) à família. • Vochisia vismiaefolia – quaruba-vermelha. Árvore de propriedades medicinas. Planta trepadeira frutífera que é uma das mais tradicionais de todo o mundo. cedrorana. Árvore nativa da Amazônia. e que é utilizada para fins diversos (multiuso). donde sobressai o vinho. coariúba. pau-de-goma. já que tolera ambientes sombreados. • Vochisia guianensis ou melinoni – quaruba-branca. Planta medicinal. Árvore madereira da Amazônia • Vochysia thyrsoidea – gomeira. oferecendo seus deliciosos frutos para serem consumidos in natura ou através dos seus produtos. Vochysiaceae (vochisiáceas) • Qualea paraensis – mandioqueira. Vitaceae ou Ampelideae (vitáceas) • Vitis vinifera – uva. uma das bebidas mais requintadas e apreciadas em todo o mundo.

tapeinóculo. têm propriedades medicinais (principalmente para tratar afecções pulmonares). • Curcuma zedoaria – zedoária. inclusive pedra nos rins. que está sendo muito cultivada no Brasil no segmento de flores tropicais. Planta ornamental de flores de extrema beleza. pelo que passou a ser largamente cultivada como planta ornamental. parecendo um abacaxi. de cheiro muito intenso e agradável. comprida e muito ornamental. de rara beleza. • Costus spiralis ou C. originária da Indonésia. • Tapeinochilus ananassae – tapeinóquilo. cana-d’água. muito bonitas e vistosas. é muito cultivada como planta ornamental. flor-da-redenção. colônia. cana-de-macaco. cana-do-brejo-roxa. Planta utilizada como condimento na culinária de diversas partes do mundo. costus. que por este aspecto marcante. • Eletteria cardamomum – cardamomo. Planta ornamental de flores em cachos brancos. inclusive com propriedade para aliviar ou curar mau hálito. Planta herbácea medicinal e ornamental indicada para tratamento de problemas das vias urinárias. Planta medicinal cujos rizomas são utilizados para tratar uma série muito grande de enfermidades. Planta herbácea cujas raízes. spicatus – cana-do-brejo. que pela larga durabilidade ocupa lugar de destaque no ramo de negócio de arranjos de flores tropicais. além de ser usada como condimento (tempero) na culinária de diversas partes do mundo. Planta ornamental que apresenta pequenas flores saídas de uma estrutura grande. Há também uma variedade de flores de cor vermelha. as quais se aproveita para elaboração de essência (perfume). de flores excêntricas em forma de bastão.174 Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades Zingiberaceae (zingiberáceas) • Alpinia nutans – alpínia. que são muito requisitadas para compor arranjos de flores tropicais. • Zingiber spectabilis – sorvetão. • Etlingera elation – bastão-do-imperador. . cana-do-mato. Planta ornamental de flores de rara beleza. com gosto forte e picante. gengibre-tocha. • Zingiber officinale ou officinalis – gengibre.

Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades

175

Referências

BUDOWSKI, G. Los sistemas agroforestales en América Central. In: AGROFORESTERIA. Turrialba: de CATIE, 1981 p. 15-24. (Série Técnica. Boletim Técnico,14). CALZAVARA, B. B. G.; MULLER, C. H.; KAHWAGE, O. de N. da C. Fruticultura tropical: o copuaçuzeiro; cultivo, beneficiamento e utilização do fruto. Belém, PA: Embrapa-CPATU, 1984. 101 p. (Embrapa-CPATU. Documentos, 32). CALZAVARA, B. B. G. Fruticultura tropical: o açaizeiro. Belém, 1986. 8 p. Apostila. CARVALHO, P.E.R. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo: Embrapa-CNPF; Brasília, DF: Embrapa-SPI, 1994. CAVALCANTE, P. B. Frutas comestíveis da Amazônia. 5. ed. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 1991. 279 p. il. (Coleção Adolpho Ducke). CLAY, J. W.; CLEMENT, C. R.; SAMPAIO, P. de T. B. (Ed.). Biodiversidade amazônica: exemplos e estratégias de utilização. Manaus: SEBRAE: INPA, 1999. 409 p. CORREA, M.P.; PENA, L. de A. Dicionário das plantas úteis do Brasil e das exóticas cultivadas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional: Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal, 19261978. 6 v. il. 646 p. DONÁDIO, L. C.; NACHTIGAL, J. C.; SACRAMENTO, C. K. do. Frutas exóticas. Jaboticabal: Funep, 1998. 279 p. DUBOIS, J. C. L.; VIANA, V. M.; ANDERSON, A. B. Manual agroflorestal para a Amazônia. Rio de Janeiro: REBRAF: Fundação Ford, 1996. 228 p. DUCKE, A. As leguminosas da Amazônia brasileira. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura. Serviço de Publicidade Agrícola, 1939. 170 p. ENCICLOPÉDIA Delta Larousse. Rio de Janeiro: Delta, 1972. ENCICLOPÉDIA BRITANNICA. 15. ed. São Paulo: Britannica do Brasil, [1994]. 28 v. FERREIRA, A.B.de H. Novo Aurélio século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999. 2128 p. FLORA Brasiliensis. Disponível em: <http://florabrasiliensis.cria.org.br>. Acesso em: 10 ago. 2008. GEILFUS, F. El arbol al servicio del agricultor: manual de agroforesteria para el desarrollo rural. v.2: guia de espécies. Santo Domingo: Enda-Caribe: CATIE, 1989. 778 p. GOMES, R. P. Fruticultura brasileira. 7. ed. São Paulo: NOBEL, 1981. 446 p. GOOGLE. Disponível em: < http://www.google.com.br>. Acesso em: 10 ago. 2008. HENDERSON, A. Palms of the Amazon. New York: Oxford University Press, 1994. 362 p. HOLDRIDGE, L.R.; POVEDA A., L.J. Arboles de Costa Rica: v.1 palmas, otras monocotiledoneas arboreas y arboles con hojas compuestas o lobuladas. San Jose: Centro Cientifico Tropical, 1975. 546 p.

176

Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades

HUBER, J. Matas e madeiras amazônicas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, História Natural e Etnografia, Belém, v. 6, p. 91-225, 1910. LE COINTE, P. Árvores e plantas úteis: (indígenas e aclimadas). 2. ed. São Paulo: Nacional, 1947. 506 p. il. (Brasiliana. Biblioteca pedagógica brasileira, v. 251). LOCATELLI, M.; SOUZA, V.F. de. Castanha-do-brasil: características agronômicas, produção de mudas e propagação vegetativa. Porto Velho: Embrapa-UEPAE Porto Velho, 1990. 11p. (Embrapa-UEPAE Porto Velho. Circular Técnica, 17). LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil, v.1. Nova Odessa: Plantarum, 1992. 352 p. LORENZI, H.; SOUZA, H. M. de. Plantas ornamentais no Brasil: arbustivas, herbaceas e trepadeiras. Nova Odessa: Plantarum, 1995. 720 p. LORENZI, H. (Coord.). Palmeiras no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa: Plantarum, 1996. 303 p. LOUREIRO, A. A.; SILVA, M. F. DA; ALENCAR, J. DA C. Essências Madeireiras da Amazônia. Manaus: INPA, 1979. v. 1, 245 p. MARTIUS, C.F.P. Flora brasiliensis: enumeratio plantarum in Brasilia hactenus detectarum: quas suis aliorumque botanicorum studiis descriptas et methodo naturali digestas partium icone illustratas. Lipsiae: Frid. Fleischer, 1878-1885. 16 v. MICHAELIS moderno dicionário da língua portuguesa. Sao Paulo: Melhoramentos, 1998. 2259 p. MITSCHEIN, T.; MAGAVE, J.; JUNQUEIRO, R. Amazônia: alianças nas defesas da vida. Belém: UPPa : Poema, 1994. 236 p. (Série Poema, 1). MONTAGNINI, F. Sistemas agroforestales: principios y aplicaciones en los tropicos. 2. ed. rev. aum. San Jose: Organizacion para Estudios Tropicales, 1992. 622 p. NOGUEIRA, O. L.; CONTO, A.J. de; CALZAVARA, B.B.G.; TEIXEIRA, L.B.; KATO, O.R.; OLIVEIRA, R.F. de. Recomendações para o cultivo de espécies perenes em sistemas consorciados. Belém: Embrapa-CPATU, 1991. 61 p. (Embrapa-CPATU. Documentos, 56). NOGUEIRA, O. L.; CARVALHO, C. J. R. de; MULLER, C. H.; GALVÃO, E. U. P.; SILVA, H. M. e; RODRIGUES, J. E. L. F.; OLIVEIRA, M. do S. P. de; CARVALHO, J. E. U. de; ROCHA NETO, O. G. da; NASCIMENTO, W. M. O. do; CALZAVARA, B. B. G. A cultura do açaí. Brasília, DF: Embrapa-SPI; Belém, PA: Embrapa-CPATU, 1995. 49 p. (Coleção plantar, 26; Série vermelha. Fruteiras). OLIVEIRA, M. do S. P. de; MOTA, M. G. da C.; CARVALHO, J. E. U. de. Caracterização e avaliação de pataua e bacaba (complexo Oenocarpus/Jessenia). Belém: Embrapa-CPATU, 1982. 5 p. (Embrapa-CPATU. Pesquisa em Andamento, 161). QUEIRÓZ, J. A. L. de; MOCHIUTTI, S. Plantio de açaizeiros. Macapá: Embrapa Amapá, 2001. 8 p. (Embrapa Amapá. Comunicado Técnico, 55). RIBEIRO, G. D. Fruticultura: uma alternativa para a agricultura de Rondônia. Porto Velho: Embrapa Rondônia, 2000. 7 p. (Embrapa Rondônia. Recomendações Técnicas, 20). RIBEIRO, G.D. A cultura do cupuacuzeiro em Rondônia. Porto Velho: Embrapa-CPAF Rondônia, 1992. 32 p. (Embrapa-CPAF Rondônia. Documentos, 27). RIZZINI, C.T. Plantas do Brasil: árvores e madeiras úteis do Brasil: manual de dendrologia brasileira. Sao Paulo: E. Blucher, 1971. 294 p.

Algumas espécies de plantas reunidas por famílias e suas propriedades

177

SHANLEY, P.; MEDINA, G. (Ed.). Frutíferas e plantas úteis na vida amazônica. Belém, PA: CIFOR: Embrapa Amazônia Oriental: IMAZON, 2005. 304 p. SIMAO, S. Manual de fruticultura. Sao Paulo: Agronômica Ceres, 1971. 530 p. il. (Biblioteca Agronomica Ceres, 7). SILVA, M.F. da; LISBOA, P.L.B.; LISBOA, R.C.L. Nomes vulgares de plantas amazônicas. Manaus: INPA, 1977. 222 p. SIQUEIRA, G. C. L.; VIEIRA, E.; SOUZA, J. M. A. de; MENEZES, M. Açaí: opções de investimento no Acre com produtos florestais não-madeireiros. Rio Branco, AC: Sebrae, 1995. 29 p. (Sebrae. Produtos Potenciais da Amazônia). Portifolio. SOUZA, A. das G. C. de; SOUSA, N. R.; SILVA, S. E. L. da; NUNES, C. D. M.; CANTO, A. do C.; CRUZ, L. A. de A. Fruteiras da Amazônia. Brasília, DF: Embrapa-SPI; Manaus: EmbrapaCPAA, 1996. 204 p., il. (Biblioteca Botânica Brasileira, 1). UMA nova era para a mangueira e abacateiro. Informe Agropecuário, Belo Horizonte: EPAMIG, v. 8, n. 86, [199?]. VENTURIERI, G.A.; RONCHI-TELES, B.; FERRAZ, I.D.K.; LOURDE, M.; HAMADA, N. Cupuaçu: a espécie, sua cultura, usos e processamento. Belém: Clube do cupu, 1993. 108 p. VILLACHICA, H.; CARVALHO, J. E. U. de; MULLER, C. H.; DIAZ S., C.; ALMANZA, M. Frutales y hortalizas promisorios de la Amazonia. Lima: Tratado de Cooperacion Amazonica, Secretaria Pro-Tempore, 1996. 367 p. (TCA-SPT. Publicaciones, 44). YARED, J.A.G.; BRIENZA JUNIOR, S.; MARQUES, L.C.T. Potencialidades da agrossilvicultura para a Amazonia brasileira. Belem: Embrapa-CPATU, 1992. 16 p. WIKIPÉDIA: Enciclopédia livre on line. Disponível em: <http://pt.wikipédia.org/wiki>. Acesso em: 10 ago. 2008.

.

................Índice de famílias Acanthaceae............................................................................................................................ 55 Actinidiaceae ................... 67 Bixaceae (bixáceas) ......... 69 Boraginaceae ou Cordiaceae (boragináceas ou cordiáceas) .................................................................................................................................................................. 69 Bombacaceae ou Bombaceae (bombacáceas) ....................................................................................... 65 Asclepiadaceae (asclepiadáceas) ............................................................................................. 60 Apiaceae (apiáceas) ............................................................. 70 Bromeliaceae (bromeliáceas) .................................................... 65 Asteraceae ................................................................................................ 66 Balsaminaceae (balsamináceas) ............................................................ 67 Betulaceae (betuláceas) ........................ 66 Azollaceae ou Salviniaceae/Pteridophyta (azoláceas/pteridófitas) ........................................................................... 56 Amaranthaceae ou Amarantaceae (amarantáceas) .................................. 73 Cannabaceae (canabáceas)............................................................................................ 56 Agaveae ou Agavaceae................................................................ 67 Bignoniaceae (bignoniáceas) ...... 66 Basellaceae (baseláceas)................................................... 57 Anacardiaceae (anacardiáceas)........................................ 61 Apocynaceae (apocináceas).................. 74 Cannaceae (canáceas) ...................................................................................... 72 Cactaceae (cactáceas) .................................................................... 74 Caprifoliaceae (caprifoliáceas) ................... 66 Begoniaceae (begoniáceas) ......... 56 Alismaceae ou Alismataceae........... 74 Caricaceae (caricáceas) ........................................................................................................................................ 71 Burseraceae (burseráceas) ................................................................................ 58 Anonaceae (anonáceas) ........................................................................ 63 Araceae (aráceas) ............................................................ 75 ............................................................................................................................................................................................................................... 64 Aristolochiaceae (aristoloquiáceas)........................... 66 Berberidaceae ou Berberideae (berberidáceas) ........................................................................................... 74 Caparidaceae ou Capparideae (caparidáceas) ...................................... 61 Aquifoliaceae ou Ilicineae (aquifoliáceas) ............................................................................................................................. 56 Amaryllidaceae (amarilidáceas).................................... 56 Alstroemeriaceae ou Alstroemerieae .................................................................................................................................................... 63 Araliaceae (araliáceas) ..........................................................................................................................................

........... 91 Dilleniaceae (dileniáceas) ............................................ 104 ........................................ 99 Guttiferae ou Gutiferaceae ou Clusiaceae (gutíferas ou gutiferáceas ou clusiáceas)......... 93 Droseraceae (droseráceas) .................................................................................. 78 Clusiaceae – ex-Guttiferae (clusiáceas – ex-gutíferas) ....................................................................................................................................................................................... 86 Cruciferae ou Brassicaceae (crucíferas ou brassicáceas) ................................................................................................................................................................................................................................................. 79 Commelinaceae (comelináceas)................................................... 80 Compositae ou Asteraceae (compostas ou asteráceas) .......................................................................................................................... 92 Diksoniaceae/Pteridophyta (diksoniáceas/pteridófitas) .................... 99 Goodeniaceae ou Goodenoghiaceae (goodeniáceas ou goodenogiáceas) ...................... 99 Graminae ou Poaceae (gramíneas ou poáceas) ................................................................................................................ 93 Ebenaceae (ebenáceas) ................................................................................................................. 77 Chenopodiaceae ou Quenopodiaceae ou Salsoláceas (chenopodiáceas ou quenopodiáceas ou salsoláceas) ......... 97 Fitolacaceae ou Phytolaccaceae ou Fitolaceae (fitolacáceas....................... 93 Dracaenaceae (dracaenáceas) ....................................... 94 Fagaceae (fagáceas) ..................... 75 Casuarinaceae (casuarináceas) ........................................................... 93 Ericaceae (ericáceas) .......................................................................... 98 Gesneriaceae ou gesneraceae (gesneriáceas) ................................................................................................. 76 Cecropiaceae (cecropiáceas) .................................... 91 Cyperaceae (ciperáceas) ........................................................................................... 88 Cucurbitaceae (cucurbitáceas)....... 84 Convolvulaceae (convolvuláceas) ............................................................................................................ 98 Geraniaceae (geraniáceas) ........................................ 94 Erythroxylaceae (eritroxiláceas) ............................................................. 77 Ciclantaceae .......................... 85 Costeaceae (costeáceas) .......................... 104 Hippocrateaceae (hipocrateáceas).............................. 87 Crysobalanaceae ou Chrysobalanaceae (crisobalalanáceas)......................... 91 Cycadaceae (cicadáceas).................... 76 Celastraceae ou Celastrineae (celastráceas) .......... 92 Dioscoriaceae ou Dioscoreae (dioscoriáceas)................................................................................................................................................................ 99 Glossulariaceae (glossulariáceas) .. 93 Dipterocarpaceae (dipterocarpáceas)................................................................................................................................................ 94 Eriocaulaceae (eriocauláceas) ............................................................................................................ 81 Coniferae (coníferas) ............................................................... 94 Euphorbiaceae (euforbiáceas) ................................................................................................................................................................................................................. 91 Cyclantaceae (ciclantáceas) .................... 78 Ciperaceae (ciperáceas) ......................... 86 Crassularaceae ou Crassulaceae (crassularáceas ou crassuláceas) ... 103 Hippocastanaceae (hipocastanáceas) .................................................................................................... 94 Esterculiaceae .......... 75 Caryocaraceae ou Rhizoboleae (cariocaráceas) ......................................................................................................................................................................... 94 Escrofulariaceae ..................................... 89 Cupressaceae (cupressáceas)........................................... 98 Flacourtiaceae (flacourtiáceas) .....................103 Hidrangeaceae (hidrangeáceas) .......................................... 98 Gentianaceae (gentianáceas)............................................................................................... fitoláceas) ..................................... 78 Combretaceae (combretáceas) ................................Cariofilaceae (cariofiláceas) .........

...................................................... 126 Loganiaceae (loganiáceas) .................................................................. 110 Subfamília Caesalpinioideae (cesalpiniáceas) ......... 105 Labiatae ou Lamiaceae (labiadas ou lamiáceas)................................................................................... 110 Subfamília Faboideae . 131 Mirtaceae (mirtáceas) ............................................................................................................. 105 Juglandaceae (juglandáceas) ....................................................... 104 Hyperaceae (hiperáceas) .................................................. 129 Menispermaceae (menispermáceas) ........... 126 Loranthaceae (lorantáceas) ................................................................................................................................................... 127 Malvaceae (malváceas) ........................................................................................................................................... 135 Myrtaceae ou Mirtaceae (mirtáceas) ............................................................................................................ 140 Oleraceae ou Oleaceae (oleráceas ou oleáceas) ..................................................... 124 Linaceae ou lineae (lináceas) ............................................................................................................................................................... 139 Olacaceae ou olacineae (olacáceas) .............. 139 Nynpheaceae ou Nymphaeaceae (ninfeáceas)............................................................................................................................................................................................. 105 Lauraceae (lauráceas) ............................................................. arecáceas) ................................................................................ 126 Lythraceae ou Lithraceae (litráceas) .......................... 134 Musaceae (musáceas) ........................ 140 Orchidiaceae (orquidiáceas ou orquidáceas) ...................................................................... 141 Pandanaceae (pandanáceas) .... 104 Hymenophyllaceae ou Hymenophylleae/Pteridophyta (himenofiláceas) ....................................... 104 Iridaceae ou Irideae (iridáceas) ......... 129 Meliaceae (meliáceas) . 131 Moraceae (moráceas) ............................ 123 Lentibulariaceae ou utriculariaceae (lentibulariaceae ou utriculariaceae) .......................................................................................... 107 Lecythidaceae (lecitidáceas) .......... 126 Malpighiaceae (malpigiáceas).............................................................................................. 120 Lemnaceae (lemnáceas) ..................................................... 150 ............................................... 131 Monimiaceae (monimiáceas) ................ 150 Papaveraceae (papaveráceas) .................................................... 140 Palmaceae ou Palmae ou Arecaceae (palmáceas...................... 123 Lilliaceae (liliáceas) . 109 Leguminosae ou fabaceae (leguminosas ou fabáceas) ................................................................... 140 Onagraceae (onagráceas) ........................... 105 Juncaceae (juncáceas) ................................ 114 Subfamília mimosoideae (mimosáceas) .................... 104 Icacinaceae ou Icacineae (icacináceas) ............................................................................... 126 Magnoliaceae (magnoliáceas) ..... 140 Oxalidaceae ou Oxalideae (oxalidáceas) ....................................................................................................................................................... 128 Melastomaceae ou Melastomataceae (melastomáceas ou melastomatáceas) ................................................ 131 Moringaceae (moringáceas) ................ 126 Lycopodiaceae/Pteridophyta (licopodiáceas) ... 134 Myristicaceae (miristicáceas) ........................................................... 136 Nictaginaceae ou Nyctagineae (nyctagináceas)........................... 125 Lithraceae (litráceas) ......................................... 140 Opiliaceae (opiliáceas) ......................... 127 Marantaceae (marantáceas) ...................Humiriaceae (humiriáceas) ......................

............ 157 Rutaceae (rutáceas) .................................................................................Passifloraceae (passifloráceaas) ...................................................... 164 Simondsiaceae (simondsiáceas) .............................................................................................................................................. 171 Utriculariaceae ou Lentibulariaceae (utriculariáceas ou lentibulariáceas) ................................................. 173 Vochysiaceae (vochisiáceas) .... 166 Taxaceae (taxáceas) ....................... 154 Potamogetonaceae ou Ruppiaceae (potamogetonáceas ou rupiáceas) ................. 159 Salicaceae ou Salicineae (salicáceas) ........................................... 172 Valerianaceae (valerianáceas) ..................................................................................................................................................................................... 170 Urticaceae (urticáceas) .......................................... 173 Winteraceae (winteráceas) . 151 Piperaceae (piperáceas) .......................... 163 Simaroubaceae ou Simarubaceae (simaroubáceas) .......................................................................................... 164 Solanaceae (solanáceas) .............. 153 Polygonaceae (poligonáceas) ..................................... 154 Primulaceae (primuláceas) ............................................................................................................................................................................................ 150 Pedaliaceae (pedaliáceas) ............................................................... 153 Pontederiaceae (pontederiáceas) ........................................................... 155 Ranunculaceae (ranunculáceas) . 161 Santalacaceae (santalacaceae)...... 154 Pteridophyta (pteridófitas)...................................................... 152 Podocarpaceae (podocarpáceas) ............................................................................................................. 155 Quiinaceae (quiináceas) ......................................... 154 Proteaceae (proteáceas) ... 155 Rosaceae (rosáceas) .................. 161 Sapindaceae (sapindáceas).................................. 151 Pinaceae (pináceas) . 155 Resedaceae (resedáceas) .................................................................................................. 174 ......................................................................................... 152 Polygalaceae ou Poligaleae (poligaláceas) .......................... 155 Ramnaceae ou Rhamnaceae ou Rhamneae (ramnáceas) ....................................................................... 173 Vitaceae ou Ampelideae (vitáceas) ..................................................................... 155 Rubiaceae (rubiáceas) ........................................ 169 Tiliaceae (tiliáceas) ............. 163 Scrofulariaceae ou Escrofulariaceae ou Scrofularinae (scrofulariáceas ou escrofulariáceas) .............................................................................. 169 Theaceae (teáceas) ................................................. 161 Sapotaceae ou Sapoteae (sapotáceas) ................... 154 Quenopodiaceae (quenopodiáceas) ........................................................... 172 Violaceae (violáceas).......................................................................................................................................................................................... 153 Portulacaceae (portulacáceas) .......................... 169 Umbeliferae ou Apiaceae (umbelíferas ou apiáceas) ...................... 162 Saxifragaceae (saxifragáceas). 153 Polypodiaceae/Pteridophyta (polipodiáceas/pteridófitas) ........................... 152 Podostemonaceae ou Podostemaceae (podostemonáceas) ........................................ 154 Punicaceae (punicáceas) ....................................................................................................... 151 Phytolacaceae ou Fitolacaceae (fitolacáceas) ............................................................................................................................ 151 Plumbaginaceae ou Plumbagineae (plumbagináceas) ............................................................................................ 164 Sterculiaceae ou Esterculiaceae (sterculiáceas ou esterculiáceas) ............................................................................. 173 Zingiberaceae (zingiberáceas) ....................................... 172 Verbenaceae (verbenáceas) .........

.

Rondônia .