Você está na página 1de 1

1

CARTA AO LEITOR 3

Um olhar diferente
0
ZERO seguiu o conselho de Platão e não sabe ler ou escrever, e a reprovação nas
saiu da caverna para conhecer algumas escolas públicas está acima dos 10% do total
comunidades da cidade. São lugares de alunos matriculados.
próximos, que estão logo ali. Este encarte es- Florianópolis possui, em um pequeno
pecial buscou um novo olhar sobre questões espaço, uma enorme variedade de ambien-
de urbanização vividas em qualquer centro tes naturais que compõem os seus vários
urbano. Uma experiência nova que não se ba- ecossistemas. Originalmente, as suas encos-
seou apenas em números e dados, mas que, a tas eram cobertas por mata densa, e suas
partir deles, contou histórias de gente, como a planícies por vegetação de restingas, man-
de Dilson Manger que vive numa casa feita de guezais e florestas. Atualmente essas áreas
palafita, mas com vista para o mar, e como a são reconhecidas por lei como lugares de
de Dona Uda, que por 45 anos dirigiu a escola preservação permanente. No entanto, devido
de uma pequena comunidade e depois de en- ao grande crescimento demográfico – que é
viuvar, inclusive, casou-se com ela. de 30% ao ano de acordo com dados do
2 Pessoas contaram como convivem com a IBGE – essas áreas estão sendo ocupadas 4

falta de condições básicas em seis comunida- inadequadamente, o que traz não só proble-
des da capital – três localizadas no continente mas ambientais, mas também, de segurança
e outras três, na ilha. Na grande Florianópolis, e de saúde.
111.144 fa­mílias vivem em imóveis irregulares Políticas públicas e organizações não go-
e sem infra-estrutura na região que engloba, vernamentais auxiliam com recursos e servi-
além da capital, os municípios de Biguaçu, ços as comunidades da capital, mas o déficit
Palhoça e São José – o que repre­senta 15% em infra-estrutura, saúde e educação ainda é
da população da Grande Florianópolis. São grande. Moradores desses lugares se viram
propriedades sem re­gistro oficial, onde a maior como podem, são engenheiros, médicos e
parte dos moradores não paga IPTU. professores sem terem formação superior. O
Mesmo considerada livre do analfabetismo improviso, característico do povo brasileiro,
– de acordo com o selo distribuído pelo gover- existe porque a população não tem acesso às
no federal às cidades com menos de 4% de condições mínimas a que tem direito - como
analfabetos – 3,56% da população da capital eletricidade, saneamen­to e coleta de lixo.

Fotos: 1 - Dael Limaco; 2 - Laura Daudén; 3 - Thiago Bora; 4 - Daniela Cucolicchioss