P. 1
A Importância do Ludico no Processo Ensino Aprendizagem

A Importância do Ludico no Processo Ensino Aprendizagem

|Views: 155|Likes:

More info:

Published by: Luís Inácio Lula da Silva on Apr 08, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPTX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/25/2013

pdf

text

original

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

PROFESSORA: MARINÊS DA SILVA

O LÚDIO NA EDUCAÇÂO INFANTIL

A importância do Lúdico para o desenvolvimento e aprendizagem tem sido objeto de discussões, pois inserem as crianças no mundo da fantasia e da brincadeira, onde o Lúdico oferecerá uma essência de divertimento fundamental para o aprendizado. Segundo Murcia: “as crianças sempre usarão algum jogo para passar o tempo ou para sua diversão, onde o jogo vai expressar algo vital para o ser humano (como meio de eliminar o seu excesso de energia)” (2005, p. 46) apud Orlick (1990) afirma que: “jogar é o meio ideal para uma aprendizagem social positiva, pois é natural, ativo e muito motivador para a maior parte das crianças. As brincadeiras envolvem de modo constante as pessoas nos processos de ação, reação, sensação e experimentação”.Os conteúdos devem contemplar, portanto, atividades que evidenciem essas competências devem promover valores. Os jogos e atividades de ocupação de espaço devem ter lugar de destaque nos conteúdos, pois permitem que se ampliem às possibilidades de se posicionar melhor e de compreender os próprios deslocamentos, construindo representações mentais mais acuradas do espaço.Também nesse aspecto, a referência é o próprio corpo da criança e os desafios devem levar em conta essa característica, apresentando situações que possam ser resolvidas individualmente, mesmo em atividades em grupo. O Lúdico desempenha um papel fundamental no aprendizado. Mas, não é o único componente do jogo. Existem outras funções para o mesmo, como competição e passatempo, contudo, independentemente de isso ser bom ou ruim, o que deve ser visto no jogo são seus aspectos criadores e não os negativos. Assim, buscar-se eliminar quaisquer vestígios de vulgarização da existência, vendo no jogo a possibilidade do exercício da criatividade humana (HUIZINGA, 1971).

é que a reflexão e a busca constante por aprimoramento das aulas se tornam importantes. pois o processo de ensino e aprendizagem é muitas vezes monótono e repetitivo com teorias prontas e acabadas. .B R I N C A R – Para aprofundar o conhecimento e compreender o que nos parece confuso. No entanto. esse espaço pode dar lugar ao diálogo e à construção do conhecimento em conjunto entre professor e aluno dinamizando e buscando meios novos de compreender os assuntos serem desenvolvidos.

precisamos reservar tempo para explorar as necessidades explicitadas pelo brincar. 29). sem refletir. concentração. seja qual for a “categoria” ou o nível de atividade envolvida. o processo quanto modo: como as crianças e os adultos consideram certos objetos ou eventos indica se eles estão ou não agindo de maneira lúdica. Para Oliveira (2000) dizem também que as crianças ocupadas com uma atividade raramente conseguem participar de conversas intelectualmente desafiadoras. se refletirmos a respeito. Qualquer coisa pode ser realizada de maneira lúdica. O brincar é. Kishimoto (1994). assim como tempo para conversar sobre ele. No contexto do presente modelo. Especialmente na escola. devido a constrangimentos temporais e interpessoais. e vice versa. é improvável que as crianças consigam se expressar. (1994.O BRINCAR E A APRENDIZAGEM • • O principal problema quando tentamos discutir o brincar e a aprendizagem é que a primeira tarefa difícil. e assim por diante. qual esta sendo sua provável aprendizagem. ampliando a aprendizagem . ficar óbvio para um observador. portanto. segundo Oliveira (2000). ou não. porque sua atenção esta dirigida para a tarefa. de outra maneira. motivação aparente. conforme sugerido por Wajskop (1995) é a de distinguir entre o brincar e os comportamentos de brincar. de forma tão competente. podem. ser psicologicamente informativas sobre nós mesmos e podem sugerir uma série de questões muito interessantes sobre o significado psicológico dessas escolhas”. de lúdico para sério. consistente e aberta como fazem em casa. e é possível que adultos e crianças mudem dentro de uma mesma situação. diz sobre a análise do nosso próprio brincar: “As escolhas de oportunidade lúdicas que fazemos habitualmente. • • • . Os professores encontram outros problemas quando tentam avaliar o que a criança realmente esta aprendendo a partir do comportamento de brincar exibido. expressões faciais. como eles podem saber que ensino e aprendizagem são necessários. a partir de suas atitudes externas. Os professores precisam inferir. O mais importante é que isso pode.

e precisam ser estimuladas a usá-los de outras maneiras e para outros propósitos. pois como dizem Pourtois & Desmet (1999. em casa ou com companheiros de brincadeiras. Por meio do brincar dirigido. mais provável que seja necessário o brincar mais exploratório. A maior aprendizagem está na oportunidade oferecida à criança de aplicar algo da atividade lúdica dirigida a alguma outra situação. Quanto mais jovem a criança. as crianças provavelmente serão capazes de aumentar. e nem sempre é fácil distingui-los”.• L Ú D I C O • • • • • • por meio do brincar dirigido. mas são elas que fazem a criança avançar um estágio ou mais na aprendizagem. que tende a preceder o brincar. atitudes e respostas. livres do constrangimento do ensino ou da aprendizagem explícita. auditivos e cinestésicos. Cunha (1994) explica claramente suas idéias em relação a este aspecto quando diz que “o brincar. Por meio do brincar livre subseqüente e ampliado. Às vezes elas restringem bastante os recursos. No caso das crianças pequenas. as incidências de aprendizagem podem ser muito pequenas. podem ser verdadeiramente consideradas como brincar. p. estruturas. Elas então chegam à escola possivelmente com expectativas muito diferentes em relação ao “brincar”. Qualquer pessoa que já tenha observado ou participado do brincar infantil por certo período de tempo perceberá imediatamente que as crianças nem sempre utilizam uma variedade toa grande de materiais e atividades como freqüentemente se sugere. está constantemente gerando novas situações. Segundo o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. propriedades. Os jogos e brincadeiras no trabalho psicopedagógico muito podem contribuir na prática pedagógica. atributos visuais. Não se brinca apenas com e dentro de situações antigas”. as crianças aprendem alguma coisa sobre situações. pessoas. enriquecer e manifestar sua aprendizagem. Variando desde de brincadeiras já conhecidas da criança até a criação de novos jogos. texturas. exploratório. A oportunidade para avaliar as respostas. E são essas aprendizagens que. 52). elas têm uma outra dimensão e uma nova variedade de possibilidades estendendo-se a um relativo domínio dentro daquela área ou atividade. Por meio do brincar livre. mas isso depende do contexto geral e exploratório em suas experiências pré-escolar. compreensões e incompreensões da criança se apresenta nos momentos mais relaxados do brincar livre. atingindo diferentes faixas etárias. “a exploração tende a preceder o domínio. como uma atividade. . materiais. manipulandoos dentro de um estreito intervalo de possibilidades potenciais.

decidir. manipule materiais e interaja com seus companheiros e assim. pois quando ela brinca. pois o encanto natural das crianças de todas as idades e realidades sociais pelo brincar.. atingindo necessidades de seu aprendiz. Segundo Benjamin. construir. Segundo Araújo. “Os brinquedos são suporte para a mediação do professor que desafia o raciocínio das crianças. p. 22).+ “desenvolver habilidades importantes como a atenção. (1992. mas destes com a criança”. social e afetivo.C R I A N Ç A [. 14). . citado por Porto (2003).. descobrir. cooperar. • • • • • • A brincadeira permite pensar. tornando possível que o aprender-descobrindo aconteça dentro de um contexto”. nos fez pensar na importância dos jogos e brincadeiras como parceiros do processo de ensino-aprendizagem. a imitação. p. devemos alertar que o professor é um facilitador da aprendizagem e assim deverá criar condições para que a criança explore seus movimentos. sentir emoções. a criança assimila conhecimentos. explora e manuseia tudo aquilo que está a sua volta. não tanto da criança com os adultos. fazendo com que ela se sinta valorizada.. o aluno também amadurece a capacidade de socialização por meio da interação e da utilização e experimentação de regras e papéis sociais (1998.. contribuindo para o desenvolvimento cognitivo.] brincar é uma das atividades mais importantes para o desenvolvimento da identidade e da autonomia das crianças *. Lembrando que quando a criança cria um jogo ou o confecciona. resolva situações problemas. de forma que este seja um sujeito ativo na construção de seu conhecimento. o educador poderá alcançar um desenvolvimento globalizado. da interação professoraluno. real valor e atenção às atividades vivenciadas naquele instante. 7) Ressaltando que o êxito do ensino aprendizagem depende em grande parte. é de fundamental importância o jogo na vida da criança. E que guie seus alunos para ações participativas em tarefas e atividades que o façam se aproximar mais dos conteúdos programados. (Amae Educando. é confronto. além de *. competir. a memória e a imaginação. “o brinquedo. pois jogando e brincando..+”. a motivação é sempre maior. dando. bem como a exploração de vários materiais que são colocados a sua disposição. experimentar. principalmente as tímidas e com baixa estima. p. 1996. Nas brincadeiras as crianças ficam frente a frente com situações já vividas pelos seus pais. começa a ter sentimentos de liberdade e satisfação pelo que faz. Conhecendo o valor educativo contido nos jogos e brincadeiras. mesmo quando não é apenas miniatura de objetos que circulam no mundo dos adultos. experiências e valores. através de esforços físicos e mentais e sem se sentir coagida pelo adulto. aceitar limites. portanto.. Estes recursos possibilitam às crianças manifestarem curiosidades sobre os conhecimentos já adquiridos.

contribuindo assim para o desenvolvimento de relações interpessoais na sala de aula e fora dela. de fazer julgamentos.98) • • • • O ato de brincar. de imaginar e formular. reelaborando-os criativamente. jogar. ao mesmo tempo que podem reviver e resolver uma série de conflitos emocionais. a bicicleta e a bola. bem como alertar as instituições educacionais a investir na formação de seus profissionais para que incorpore o lúdico na proposta pedagógica. elas constroem uma nova realidade equando as crianças brincam entre si..37).” (Martins. dando assim suporte para que estas atividades possam contribuir no desenvolvimento das funções psiconeurológicas e as operações mentais envolvidas em cada uma delas. o poder de discriminar. Combinando os dados da própria experiência. ou sozinhas. Piaget acreditava que o mesmo se forma aos poucos e que são os próprios indivíduos que os constroem progressivamente no decorrer das atividades do sujeito com o meio. “O brincar é o principal meio de aprendizagem da criança [.• As crianças brincam.. de analisar e sintetizar. brincando na presença de adultos que se interessam por seus jogos. p. atreladas ao jogo espontâneo como incentivador e motivador no processo de aprendizagem. basicamente sobre conhecimento. nem é simplesmente uma forma de preencher o tempo. Em um ambiente organizado os jogos e brincadeiras auxiliam as interações.] e esta gradualmente desenvolve conceitos de relacionamentos causais. A criança que não tem oportunidades de brincar esta como um peixe fora d’água. p. criar e imitar é um meio para que as crianças se apropriem da cultura corporal na qual estão inseridas. “Brincar não constitui perda de tempo. Através de estudos. (Rischbieter. A p r e n d i z a g e m . 2005. Acreditamos que as brincadeiras de outras décadas que fizeram crianças felizes e permanecem em alguns lugares são: a pipa. 2000. É importante estimular uma mudança na postura pedagógica dos profissionais que atuam nesta modalidade de ensino. transformando os brinquedos. mas sim construindo uma série de conhecimentos e de habilidades importantíssimas. não estão “perdendo tempo”.181) Também os estudos de Piaget e Vygotsky trazem a baila o valor do brinquedo e da brincadeira para o conhecimento e desenvolvimento infantil. De acordo com Moyles ( 2002. o desenvolvimento cognitivo e a autonomia das crianças. p.

Aos poucos a integração social será o fator decisivo para o desenvolvimento do seu pensamento. os fatores biológicos superam os sociais. e estes irão mediar a relação dela com o mundo. do brincar. pois o bebê é o mais indefeso dos filhotes. Vygotsky admite que. vamos conhecer a opinião de Vygostky (1991) sobre o desenvolvimento da criança e evidenciar a importância do lúdico. A criança. Os adultos . A pessoa responsável pela criança durante esse período de dependência é de suma importância para a sobrevivência.O BRINCAR NA CONCEPÇÃO DE VYGOTSKY • • • • • • • • • • • • • • Então. enquanto bebê. no começo da vida de uma criança. na sua formação. é quem por mais tempo depende de um adulto para sobreviver. Desde que nasce a criança está em contato com os adultos.

na maioria das vezes. Auxiliam na comunicação entre os indivíduos. O uso desses recursos é específico da espécie humana. p. Vygotsky (1991) entende que a relação do homem com o mundo não é uma relação direta. por sua vez. na possibilidade de categorizar e de representar o mundo. especialmente por meio da língua e das regras compartilhadas. São exemplos de instrumentos os talheres que utilizamos para nos alimentar. MARCHESI. vale afirmar que os signos e os . REGO. que ocorrem o acolhimento. será influenciado pelos costumes da cultura daqueles que a cercam (NEVES. Os signos. por isso são convencionais e. construídos culturalmente. Os instrumentos têm a função de regular as ações dos homens sobre o mundo. PALÁCIOS. arbitrários. permitindo que este os modifique. 2004. 2004. É por meio de signos e instrumentos. a inserção. no intercâmbio social. as diferentes línguas (COLL. Assim. com certeza. O comportamento da criança. na resolução de problemas comuns. São exemplos de signos a representação gráfica (como as placas de trânsito). 13). permitem o controle e a regulação das atividades psíquicas do indivíduo e entre indivíduos. passiva e determinista. os materiais e máquinas que facilitam nossos trabalhos. o aprendizado e a possibilidade de desenvolvimento dos indivíduos.C O N C E P Ç Ã O • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • abrirão as portas da cultura para a criança. Os signos são construídos culturalmente. os sistemas numéricos. pois toda a relação é mediada por instrumentos ou signos construídos nas relações sociais e culturais. os tipos de automotores que possibilitam nossa locomoção. 1995).

. 2004. não podemos dividir o desenvolvimento infantil em estágios ou etapas. Ressaltamos.instrumentos permitem as relações entre os sujeitos e por isso são considerados elementos de mediação. a brincadeira é a porta do mundo adulto. pois a atividade humana pode modificar a natureza e a sociedade. Ele é considerado um teórico que busca compreender os processos humanos superiores. 14). porém. Ele apresenta a concepção da brincadeira como sendo um processo e uma atividade social infantil (NEVES. Vygotsky pesquisou as fases do desenvolvimento da criança. por isso. todas as relações são mediadas. e através desta a criança adquire elementos indispensáveis para a constituição de sua personalidade e para compreender a realidade da qual faz parte. que não podemos apreciar Vygotsky como um estudioso do desenvolvimento infantil. para Vygotsky (1991). p. Não esqueça que. o pesquisador orientava que se deveria observar a criança ao brincar e aprender. O autor compreende que a brincadeira é: uma atividade social da criança. Para Vygotsky (1991). Para Vygotsky (1991). para entender a criança.

Vygotsky (1991) descreve que inicia o processo imaginativo da criança. No ato de brincar. A criança. A partir dos três anos de idade. aprende a conviver com as atividades culturais. a fantasia aparece na criança. a criança pode prever os seus papéis e os seus valores futuros. Na brincadeira. surgindo a partir da ação. empregando a brincadeira ela estará estimulando o seu desenvolvimento. aprendendo as regras dos mais velhos” (VYGOTSKY. mas a partir dos três anos de idade a criança é capaz de perceber que determinadas situações só poderão ser aprendidas no futuro. p. imediatamente.A habilidade de aprender com o passado para interferir no presente não nasce com o homem. a criança cresce socialmente. “A imaginação vai ajudá-la a expandir as suas habilidades conceituais. 1991. aceita as atitudes e as habilidades importantes para conviver em seu grupo social. e outras. Só a partir dessa idade é que a imaginação.98) . O início ao mundo adulto se dá através da interação com a brincadeira. na sua função imitativa.

sociais e psicológicos possibilite o acontecimento de modificações qualitativas. é nessa relação que a criança começa a aprender. o que proporciona mudanças em seu desenvolvimento. Lembrando que esse aprender inicia muito antes da criança começar a fase de escolarização. No processo de desenvolvimento da criança pressupõe-se que a influência entre os fatores biológicos. A criança recebe os estímulos necessários para a sua atividade a partir do meio e pertence a um grupo social no qual interage com outras pessoas. Segundo Vygotsky (1991). .APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO • • • • • • • • • Aprendizagem e desenvolvimento são questões relevantes que devemos estudar.

Referimo-nos aqui a três conceitos muito relacionados: maturação. mediante a qual . Os conceitos de ser humano histórico e de totalidade estão diretamente voltados ao materialismo. o ser humano contesta os assuntos eficazes lembrados pela sociedade. pois ele só se define como humano ou se completa como humano através do social. Assim. que é entendida tanto em relação à sociedade. de maturação do sistema nervoso central. sociais e cognitivas. desenvolvimento e aprendizagem. Wallon (1978) percebe o sujeito como uma totalidade. como um indivíduo histórico. necessitamos elucidar alguns conceitos.Vygostky (1991) afirma que o ser humano encontra-se subordinado a uma dupla modificação em sua evolução. as quais se baseiam na mudança da estrutura e da função das células. em que o indivíduo está inserido. a totalidade do indivíduo em suas dimensões afetivas. Para poder avançar na explicação de uma determinada maneira de perceber o desenvolvimento. seja ela de fatores biológicos ou de fatores sociais. motoras. estamos nos referindo às modificações que acontecem ao longo da evolução dos indivíduos. podemos falar. por exemplo. ou seja. Assim. Quando falamos de maturação. como em relação ao seu próprio ser.

menos possibilidades de respostas) para um de maior capacidade (mais autonomia. com as pessoas com quem nos relacionamos. atenção. do contato menos planificado. físicos. memória. estima). referimo-nos explicitamente à formação progressiva das funções propriamente humanas (linguagem. Mediante os processos de aprendizagem. não tão direto. mais capacidade de criar). planejaram e organizaram. de maneiras de responder. queremos destacar as características do conceito de aprendizagem.são criadas as condições para que haja mais e melhores conexões nervosas que permitam uma resposta mais adaptada às necessidades crescentes do sujeito. valores e habilidades que são próprias da cultura e da sociedade em que vivemos. Finalmente. da nossa sociedade. que produz uma série de saltos qualitativos que levam de um estado de menos capacidade (mais dependência de outras pessoas. raciocínio. portanto. evolutivos das pessoas. de maneiras de agir. ou melhor. podemos descrever que a maturação está estritamente atrelada ao crescimento (que corresponderia basicamente às mudanças quantitativas: alongamento dos ossos e aumento de peso corporal) e. Ponderamos que é uma ação inacabável. As aprendizagens que incorporamos fazemnos mudar de condutas. Trata-se do processo mediante o qual se põem em andamento as potencialidades dos seres humanos. ou seja. incorporamos novos conhecimentos. . mais possibilidades de resolução de problemas de diferentes tipos. Quando falamos de desenvolvimento. São produto da educação que outros indivíduos. aos aspectos biológicos.

e por isso desconhece a noção de futuro. Ela se envolve com o mundo da ilusão. com suas motivações e também de acordo com o seu desenvolvimento. A criança satisfaz algumas de suas necessidades usando o brinquedo. em determinados momentos. no desenvolvimento infantil. Esse mundo é o brinquedo. Entretanto. a criança quer saciar seus desejos e não possui ainda o sentido da temporalidade. na inocência do mundo infantil. no final. As ações que realiza estão diretamente relacionadas com suas necessidades. pois o ato de ganhar ou perder. nem todos os desejos e necessidades da criança podem ser totalmente atingidos usando os brinquedos. quando já está recebendo na escola a educação infantil. deve ser sempre proporcionado de forma prazerosa. pode ser muito desagradável para elas. Posteriormente. . Na inocência do mundo.AS REGRAS DO BRINCAR • • • • • • • • • • • • • • • • • Para Vygostky (1991). o que acaba desagradando a criança. do imaginário . isso não seria possível. ou o imaginário. Porém. com suas motivações e também de acordo com o seu desenvolvimento. e se não fossem os brinquedos. isso não acontece. ela descobre que existem muitas necessidades a serem satisfeitas. o brincar.

No desenvolvimento da criança. essa mudança é gradual. FIGURA 1 FONTE: Disponível em: <http://www. 2012.corbisimages. É importante observar que a criança modifica as regras em desejos através do brinquedo. Acesso em: 16 jul.com>. .

com>. . 2012. Acesso em: 16 jul.IMITAÇÃO FIGURA 2 FONTE: Disponível em: <http://www.corbisimages.

corbisimages. Acesso em: 16 jul. Por exemplo. situações já vivenciadas. ou seja. ela reproduz seu cotidiano. FIGURA 3 FONTE: Disponível em: <http://www. 2012. Assim.Através da brincadeira.com>. Já com o brinquedo podemos observar que a criança recorda situações concretas. podemos definir a imitação como um feitio da criança em poder relembrar. ao brincar de papai e mamãe. a criança pode reproduzir a realidade. .

FIGURA 4 FONTE: Disponível em: <http://www.com>. . 2012. Acesso em: 16 jul.corbisimages.

ao mesmo tempo que evoca aspectos da realidade vivida pela • criança. FIGURA 5 FONTE: Disponível em: <http://www. estimula a representação.FAZ DE CONTA • O símbolo se alicerça na construção do real. a expressão • de imagens. entendido • como suporte material da brincadeira. 2012. O brinquedo. . Acesso em: 16 jul. • Brincar de faz de conta é substituir o real.com>. pois representar significa colocar no presente situações do passado.corbisimages.

por exemplo. 2012.com>. ganhar. . Podemos constatar isso quando ela adentra em uma disputa e não alcança o resultado esperado. Assim. o esforço efetivado pode ainda fazer com que ela sinta sensações que não lhe tragam o prazer. ou seja. quando as regras adquirem ação principal no jogo.O desprazer pode acontecer na forma como a criança vivencia esse brincar.corbisimages. FIGURA 6 FONTE: Disponível em: <http://www. vemos que a tensão aumenta sensivelmente na brincadeira. a derrota passa a ser um procedimento doloroso. Além da derrota. Acesso em: 16 jul.

Loyola: São Paulo. O jogo e a criança.1996. Psicologia e trabalho pedagógico. 1998. 1998. FRIEDMANN.com/articles/2985/1/Porque-Trabalhar-O-Ludico-Na-EducacaoInfantil/pagina1. Paulo Nunes de. Séries Iniciais do Ensino Fundamental 2º Período. Porto Alegre: Artmed Editora. São Paulo: Summus. Jogos para a estimulação das inteligências múltiplas. _____ Desde pequeno… aprendendo com brinquedos. Jogo. crescer e aprender – o resgate do jogo infantil. 1987. p.html#ixzz1YsfQ1zPS ALMEIDA. 6-11. técnicas e jogos pedagógicos. Brincar. 1998. Rio de Janeiro: Cortez. CRUZ. CHÂTEAU.REFERÊNCIAS • • • • • • • • • • http://www. KISHIMOTO. Educação lúdica. São Paulo: Atual. Loyola: São Paulo. Roseli. ANTUNES. Mari. 1999. MOYLES. técnicas e jogos pedagógicos. São Paulo: Cortez. FONTANA. Nazaré. Celso. Educação lúdica. Janet R. ARAÚJO. Calderari. Vânia Carvalho de. nov. São Paulo: Editora Moderna. Rio de Janeiro: Vozes. Paulo Nunes de. brinquedo e educação. ALMEIDA.webartigos. n 264. Adriana. O jogo no contexto da educação psicomotora. 2006 • • • • . Intervenção psicopedagógica na escola Apostila NORMAL SUPERIOR. 1998. 2002. Jean. Tizuko M. Amae Educando. 1997. Só brincar? O papel do brincar na educação infantil. OLIVEIRA. São Paulo. 1992. Ângela.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->