P. 1
5-As 12 Maneiras de Se Fazer Propaganda

5-As 12 Maneiras de Se Fazer Propaganda

|Views: 16.650|Likes:
Publicado porMGTT
Algumas estratégias de abordagem conceitual. Verifique.
Algumas estratégias de abordagem conceitual. Verifique.

More info:

Categories:Types, School Work
Published by: MGTT on Mar 23, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/10/2014

pdf

text

original

As 12 maneiras de se fazer propaganda - CHMKT

Foi publicado em 2007 na revista Slate um artigo bem interessante sobre os 12 formatos/tipos que regem a criação publicitária, O texto tem como base a classificação de Donald Gunn, autor do Gunn Report, de 1978. Segundo o autor da matéria, Seth Stevenson, os formatos não estão obsoletos e são atemporais. Ele argumenta, inclusive, que mesmo projetos de “cross media”, virais e de geração de conteúdo bebem dessas fontes. É um material excelente para direcionar o trabalho de planners, profissionais de marketing, criativos e estudantes.

Cada formato apresentado abaixo é ilustrado com um comercial veiculado no exterior, em inglês, mas com uma boa busca no Youtube fica fácil encontrar peças nacionais que ilustrem os tipos apresentados. É importante ressaltar que diversos anúncios podem ser englobados em mais de uma categoria, sendo alguns formatos complementares a outros em algumas situações.

1 – Demo: É a demonstração (visual) das funcionalidades e capacidades do produto/serviço. Tendemos a associar este formato a apelos racionais e sem muita criatividade. No entanto, existem grandes exemplos - como o abaixo - com abordagens mais emocionais e criativas.

2 - Exposição do problema ou da necessidade de consumo: Primeiro você expõe uma carência existente na vida do target e logo apresenta a solução (produto ou serviço em questão).

3 - Exagero e analogias para a dramatização da necessidade do produto (problema): É uma variação do tópico anterior, só que o problema é exposto através de uma analogia exagerada, que resulta quase sempre em uma situação inusitada.

4 – Comparação: Aqui a proposta é simplesmente mostrar que seu produto é melhor que o do concorrente. É pouco utilizado na publicidade brasileira.

5 - Narrativa em forma de estória que ilustra benefício do produto: É a criação de situações nas quais o consumidor utiliza o produto e fica satisfeito com isso.

6 - Benefício cria a estória (formato de trás pra frente): O anúncio traz uma narrativa que mostra uma série de eventos desencadeados pelo uso do produto. É um dos formatos menos utilizados atualmente, pois requer um certo esforço por parte do target para entender a mensagem.

7 – Testemunhal: Consiste em uma pessoa testemunhando sobre o produto/serviço anunciado. Pode ser um cliente, consumidor ou usuário, ou mesmo um apresentador contratado – neste caso, alguém que entende, reconhecidamente, sobre o assunto.

8 - Uso de personagens e celebridades: Tem o objetivo de associar a marca anunciada à imagem da celebridade ou personagem contratado. O grande desafio é assegurar que a marca anunciante ganhe crédito pela mensagem. Em muitos casos, o público acaba se lembrando da marca da celebridade ou personagem e esquece o dono da peça. Para reduzir riscos, o recomendável e manter consistência na utilização dessas figuras, trabalhando várias peças dentro de uma mesma campanha, e não somente algo isolado.

9 - Exagero e analogias para dramatização dos benefícios do produto (solução): É a utilização de símbolos, analogias e figuras exageradas para demonstrar o benefício (valor percebido) de um produto/serviço. Vale lembrar que o formato apresentado no item 4 trabalha uma técnica semelhantes, no entanto enfoca o problema resolvido pela marca anunciada. Ou seja, apresenta os males de não se utilizar o produto, enquanto o formato abordado aqui mostra o lado bom de ser consumidor da marca.

10 - Identificação através de perfil de usuário: É a projeção de valores aspiracionais e atributos de personalidade através da imagem de pessoas “normais” (público-alvo) utilizando o produto. Podem ser figuras engraçadas, elegantes, bonitas, mas também desajeitadas ou feias – dependendo das características do target.

11 - Unique Personality Property: A comunicação tem como apelo principal algum atributo singular e proprietário da marca em termos de personalidade - uma releitura atitudinal do “Unique Selling Proposition”. Pode ser o país de origem da marca (um carro esportivo se gabando da engenharia alemã), o significado do nome do produto, o fundador da empresa (como no exemplo abaixo), um valor emocional ou funcional exclusivo, e qualquer outro elemento que torne única a marca anunciante.

12 - Paródia: São citações e referências a outros filmes ou elementos da cultura pop pela publicidade, geralmente de forma cômica. É um apelo muito comum atualmente, principalmente nos chamados vídeos virais que circulam pela internet. Mal feito, pode parecer um jeito preguiçoso e oportunista para criar situações de humor. Bem feito, entretanto, o formato pode criar situações hilárias e memoráveis.

Postado por Carlos Henrique Vilela

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->