Você está na página 1de 11

Escola Secundária Artística António Arroio

A CORRIDA À PORTUGUESA

Disciplina: Língua Portuguesa

Professora Eli

Trabalho Realizado Por:


- Chantelle Portugal Nº9-10ºF

Ano Lectivo 2008/2009


ÍNDICE
- Introdução

- A História da Tourada

- Os intervenientes

- Em que consiste

- Curiosidades

.As Praças de touros

. Musical

. Outras

- Conclusão

- Bibliografia
INTRODUÇÃO

O presente trabalho foi elaborado no âmbito da


disciplina de Língua Portuguesa. O tema é “A
Corrida À Portuguesa” e tem como objectivo
estudar/definir as várias áreas da mesma. A
metodologia de elaboração do trabalho iniciou-se
com a pesquisa e recolha de informações.
Seguindo-se a elaboração do resumo e
esquematização dos dados. O trabalho encontra-se
organizado por títulos de forma a garantir ao leitor
uma boa percepção do assunto estudado.

A História Da Tourada

Portugal, país cheio de tradições e culturas, a arte


de tourear é mais antiga que a própria
nacionalidade, por este motivo o touro, esse
enigmático, misterioso e sedutor animal, está
infinitamente relacionado connosco, portugueses.
A tourada é um espectáculo tradicional de
Portugal, Espanha, França e ainda de alguns países
da América latina como o México, Colômbia, Peru,
Venezuela e Guatemala.
Embora a tourada seja um tema controverso, que
divide opiniões entre um espectáculo popular de
tumulto e violência e um espectáculo de grande
nobreza e entretenimento aristocrático, já remonta
aos tempos antigos.
Os primeiros registos de touradas datam do 815,
ano em que em determinada ocasião política da
actual Espanha foram mortos touros em
homenagem ao evento.
Ao longo dos séculos as touradas passaram a
fazer parte do domínio público. Durante o século
XVIII, tornaram-se efectivamente um espectáculo
para as massas e os toureiros combatiam um toiro a
pé.
Em Espanha, no reinado de Carlos VII chegou-se a
proibir as touradas, mas a subida ao trono de
Fernando VII trouxe de novo os espectáculos que
atingiram grande popularidade.
Em 1830, foi fundada a primeira escola de toureio
em Sevilha, a Escola Real de Tauromaquia.
A lide do toiro varia de país para país, em
Portugal tem duas fases: a chamada lide a cavalo e,
ou menos corrente, a lide a pé e posteriormente a
pega, a primeira é levada a cabo por um cavaleiro,
lidando o touro.
A lide consiste na colocação de ferros de
tamanhos variáveis no “morrilho” do touro. A
colocação de cada ferro costuma ser seguida por
uma série de passos em volta do toiro, o que dá um
certo embelezamento à lide. Chama-se a isso
rematar o ferro.
Em Portugal as chamadas touradas de morte
foram proibidas no tempo de marquês de Pombal, a
mando do rei, após uma trágica corrida em que
faleceu uma grande figura nobiliárquica estimada
pelo monarca.

Os Intervenientes

Em todo o tipo de corrida tem que haver a


organização do espectáculo tauromáquico, dos
cavaleiros, dos toiros, etc.
Numa corrida de toiros os intervenientes do
espectáculo (festa brava) são:
- Cavaleiros (este é o mais importante
elemento, é o que enfrenta a “besta”)
- Cavalo (animal utilizado pelo cavaleiro)
- Toiro (animal utilizado para lidar)
- Bandarilheiros (usam uma capota de um lado
amarela e do outro vermelha/rosa escuro)
- Arneiros (conjunto de pessoas que ajudam a
limpar a arena, a abrir as portas)
- Forcados (conjunto de 8 pessoas que faz a
pega, é constituído por um cabo, um caras, um
rabejador e os ajudas)
- Director de corrida (é o que decide tudo em
relação à lide do cavaleiro)
- Empresário de praça (é quem contrata os
cavaleiros; os ganadeiros; etc.)
- Apoderado (é o empresário “privado” do
cavaleiro)
- Moço de espadas (o rapaz que transporta, e
que, por vezes, faz/elabora as farpas/bandarilhas e
que, depois, na praça as entrega ao cavaleiro
durante a lide)
- Tratadores dos Cavalos (como o nome indica, é
o conjunto de pessoas que toma conta, dá água,
aparelha, etc., o conjunto de cavalos do seu
cavaleiro)
- Ganadeiro (é o homem que faz a selecção dos
toiros para cada cavaleiro e mesmo para a própria
corrida)
- Campinos (grupo de pessoas com vestes
camponesas que ajudam o toiro, no fim de cada
lide, a ir para o curro)
- Embalador (pessoa que mete os emboles
(protecções dos cornos do toiro))
- Banda (associações filarmónicas que tocam
músicas típicas da tourada)
- Corneteiro (toca o cornetim para dar início e
fim a cada lide)
- Polícia (por norma existe pelo menos um
polícia ao pé do Director de Corrida)
- Bombeiros (estão sempre ao pé da arena para
socorrer alguém).

Procedimento
Neste caso específico, a lide a cavalo tem uma
ordem de acontecimento, consiste em:
- Cortesias (entrada para a arena dos cavaleiros a
cavalo, bandarilheiros, arneiros, forcados e
campinos)
- O primeiro cavaleiro
- O toiro
- No fim da lide, os forcados vão fazer a pega
(Oito homens entram na arena, sendo o primeiro o
forcado da cara, seguindo-se os chamados ajudas,
primeiro e segundo ajudas (os mais determinantes)
e demais forcados que também ajudam na pega,
terminando no rabejador que segura no rabo do
touro, procurando deter o avanço do animal e fixá-
lo num determinado local para quando os seus
ajudantes o largarem este não invistir sobre eles. A
pega é consumada quando o forcado da cara se
mantém seguro nos cornos do touro e este está
detido e imobilizado pelos seus companheiros. Nas
touradas em que os touros são lidados a pé não
existe pega.)
- Os cabrestos e os campinos entram na arena
para recolher o toiro para o curro
- No final, há a volta à praça, onde o cavaleiro e o
forcado dão pelo menos uma volta completa à
arena, podendo o cavaleiro e o forcado escolher se
a mesma é merecida ou não consoante a sua
prestação.
- No final de cada corrida é tocado o Hino
Nacional.

Curiosidades

As Praças de Touros: A maior praça de toiros de


Portugal é a de Santarém (Celestino Graça) e a
seguir temos a de Lisboa (Campo Pequeno).
Algumas das praças possuem capelas onde os
intervenientes poderão fazer as suas preces.
Musical:

O que aqui vamos falar

Bem podem acreditar

Pois quem fala assim não mente

O sentimento é geral

Acontece em Portugal

Entre a nossa boa gente

São toureiros e forcados

Cavalos e aficionados
A festa está na praça
Tudo limpo e preparado

Nervosismo exagerado

Aí vêm os touros de raça


Outras: A última pega (quando todas as outras
tentativas não correm bem) chama-se uma
cernelha.
Os cabrestos são maioritariamente da raça
Martelenga, são bois capados.

CONCLUSÃO

Com este trabalho pretendi dar a conhecer o que


está por detrás de uma corrida de toiros, para que
se possa perceber melhor tudo o que aí acontece.
Espero ter sido explicita e, assim, ter alcançado o
meu objectivo pois uma boa corrida à portuguesa
tem que se saber apreciar.
Até à próxima corrida.
Sites consultados:
http://www.accaoanimal.com/site/content/view/236/104/

http://pt.wikipedia.org/wiki/Tourada

http://infantina.no.sapo.pt/tourada.htm