Você está na página 1de 26

ÉTICA PRÁTICA

Peter Singer
São Paulo - 1994
Filosofia e Bioética
Prof.º Jorge Machado

Ana Claudia L. da Silva


Serviço Social/PUCRS

Porto Alegre, 25 de Março de 2009.


“Pressupostos básicos para a
abordagem bioética, ou seja, a
ética prática e sua aplicação.”
• Uma série de proibições ligadas ao
sexo. (Ex. Fatores econômicos).
• Um sistema ideal de grande nobreza na
teoria, mas improvável na prática.
• Inteligível somente no contexto da
religião.
• Relativa ou subjetiva.
I - Uma série de proibições
ligadas ao sexo.

Sem desprezar o contexto moral, mas a ética no remete a uma


análise mais ampla de uma sociedade.

Exemplo:
A escandalosa situação que se encontra a saúde pública no
Brasil.
“Países Latinos Americanos, a simples existência da alta tecnologia
e de centros avançados de cuidado biomédico levantam questões
sobre a discriminação e a injustiça na assistência publica de saúde.
Interrogações giram em torno não de como se usam as novas
tecnologias, mas de quem tem acesso a elas (...) na América Latina,
a bioética tem um encontro obrigatório com a pobreza e com a
exclusão social (SILVA, Reinaldo pereira, 2002 pág.164).”
IV - Relativa ou subjetiva.
Exemplo:

“ ...se cada um sabe de si, então você não poderia


considerar injusto se outra pessoa lhe escravizasse ou
o roubasse, já que, para seu agressor, seria ético tudo
aquilo que ele decida ser ético” nem sempre o justo
coincide com o que a maioria pensa”.
E,
“Do ponto de vista moral, nenhuma ação que
prejudique outro individuo (humano ou não humano é
mera matéria de escolha pessoal ou cultural.
Crueldade e escravidão são imorais por si mesmos.
Determinados atos são errados porque afetam
negativamente a vida daqueles que o sofrem tornando
suas vidas piores de serem vividas”(NACONECY,
Carlos M.; 2004 pág. 79).
Uma concepção que se utiliza da razão e
de uma justificativa para distinguir o que é
um agir correto ou errado.
Ética como Ciência.

SISTEMÁTICA

COERENTE

COMPROVADA
“Assim, a razão exerce um
papel fundamental para
colocar a ética Prática em
bases sólidas.”

“A filosofia e a teologia concordam


em que cabe a razão discernir a
validade de normas e valores”
(ZILLES, Urbano; 2006 pág. 4).
Jesus Cristo, no evangelho nos dá um
exemplo de solução de um problema
moral prático.

 Ao que lhes respondeu: Qual dentre vós será o homem que, tendo uma
ovelha, e, num sábado, esta cair numa cova, não fará todo o esforço,
tirando-a dali? Ora, quanto mais vale um homem que uma ovelha? Logo, é
lícito, nos sábados, fazer o bem. (Mateus 12/11-12)

OBS.:
Para Jesus o uso da lei divina da forma correta não viola as regras
estabelecidas, mas elege a vida em suas circunstancias como
primazia.

Razão + Justificativas + Universalidade = Válidas


“Leis e consensos
morais”

São fundamentais, para sinalizar e possibilitar


a convivência em sociedade.Funcionam
como balizas que indicam o melhor caminho
para seguir, mas a prioridade é a vida.
• Deontologistas: orientam-se na determinação (normas)
da vontade, independentemente do que a ação realizada
em si, alcança de fato; ética um sistemas de normas
complexas e especificas .

• Teleológica: a certeza moral das ações é julgada pelas


conseqüências. “O estudo dos propósitos ou metas de
todas as coisas.(RACHELS,James;2006 pág. 279).

• Utilitarismo: teoria mais conhecida como


conseqüêncialismo.
Utilitarismo

“Teoria ética..., que sustenta que os atos


certos são aqueles que produzem a maior
quantidade de felicidade para a maior
quantidade de pessoas afetadas.”
(RACHELS,James;2006 pág. 280).
 Os fins justificam os meios?
Kant é contrario ao utilitarismo: meios bons, para se
alcançar bons fins.

JUSTIÇA REALIDADE

BONS
RESULTADOS
Singer defende uma concepção utilitarista diferente do
clássico (que possui um sentido mais amplo), parte de
uma concepção coerente deste, para se lidar com um
determinado número de questões polêmicas, mas
alerta que esta não será a única posição ética digna de
ser levada em consideração, existem outros ideais
éticos como:

 Direitos individuais;
 O caráter sagrado da vida;
Da justiça;
Da pureza...
Idéia Kantiana: “Aja somente segundo a máxima através
da qual você possa, ao mesmo tempo, desejar que ela
se transforme em uma lei universal.”
R.M. Hare: vê a universalidade como
características lógicas de juízos morais.
Hutecheson, Hume e Adam Smith:
invocaram um “expectador imparcial”
imaginário como critério de avaliação de um
juízo moral.
Jeremy Betham a J.J.C. Smart: fundadores ingleses da
teoria ética utilitarista clássica do século XIX, estes
possuem uma visão mais ampla, “trabalham com o bem
comum como decisivo, postulando o prazer de um maior
numero de pessoas... Adversários dizem que tal meta
rebaixa o homem ao nível do porco...”
(ZILLES,Urbano;2006, pág.18).
John Rawls: critico contemporâneo
utilitarista ( eqüidade).

Filosofia que mais condiz com as perspectivas previstas


pelo código de ética e com o Projeto Ético Politico da
Profissão do Assistente Social. “Segundo Rawls, o
homem, como sujeito moral, é capaz de agir de acordo
com princípios racionais, dispões de senso de justiça
para pensar em categorias de solidariedade e de
cooperação mútua.”(ZILLES,Urbano;2006, pág.21).
Equidade

Equidade: Senso comum de justiça que faz com


que se reconheça o direito de cada um ,
representado pelas situações individuais com seus
aspectos humanos e segundo os princípios do
direito natural , e não pelas exigências da lei escrita.
( VIEIRA, Pedro José Meirelles “ Glossário de
Serviço Social” Rio de Janeiro , 1981 pág. 56)
Jean-Paul Sartre e Jurgen Habermas:
existencialistas, concordam que em certo
sentido a ética é universal.
Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos
outros; assim como eu vos amei, que também vos
ameis uns aos outros (João 13/34).
O amor não pratica o mal contra o próximo; de sorte
que o cumprimento da lei é o amor (Romanos 13/10).
Reinaldo Pereira Silva
“A condição pessoal do homem, o eu, tem
um volver-se intrínseco à convivência, ao
nós. Para sermos plenamente nós mesmos é
em direção ao outro que temos de avançar
(SILVA, Reinaldo P.; 2002 pág. 104)."
A proposta de Peter Singer

“...articula-se como se sabe, em torno do mandamento


ético “Não Matarás”. Numa perspectiva
conseqüencialista, Singer fundamenta sua ética num
principio de igualdade de respeito aos interesses dos
seres sencientes, humanos e não-
humanos...posiciona-se para uma ética da
responsabilidade, para as possibilidades reais e
realizáveis, mesmo com recursos finitos”( VALLS,
Álvaro L.M.;2004 pág.108 e1200).
Bibliografia:
• SINGER, Peter. “Ética Prática” Editora: Martins Fontes – SP;
1994.

Leituras previas e utilizadas:


• ZILLES,Urbano .“O que é ética.” Série Pensar 8, Edições EST –
Porto Alegre; 2006.
• NACONECY,Carlos. “Ética e Animais” Porto Alegre, RS -2006.
• VALLS, Álvaro L. M. “ Da Ética à Bioética”; Editora Vozes – RJ;
2004.
• SILVA, Reinaldo P. “Introdução ao Biodireito” Editora LTr – São
Paulo; 2002.
• RACHELS, James “Os elementos da Filosofia da Moral”. 4º
Edição; Editora Manole ; São Paulo – 2006.
• VIEIRA, Pedro José Meirelles; 1981 “Glossário de Serviço
Social” Rio de Janeiro/1981 , pág. 56)
• www.bibliaonline.com.br; Tradução em português Revista e
atualizada no Brasil.

E-mail: claududia2@yahoo.com.br