Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010

PERFIL Socioeconômico

CAMPO GRANDE 2010

PERFIL SOCIOECONÔMICO DE CAMPO GRANDE Mato Grosso do Sul

17ª edição revista

junho/2010

Prefeito Nelson Trad Filho Secretário Municipal de Governo e Relações Institucionais Rodrigo de Paula Aquino Secretária Municipal de Administração Aurenice Rodrigues Pinheiro Pilatti Secretário Municipal da Receita José César de Oliveira Estoduto Secretário Municipal de Planejamento, Finanças e Controle Paulo Sérgio Nahas Secretária Municipal de Políticas e Ações Sociais e Cidadania Berenice Maria Jacob Domingues Secretária Municipal de Educação Maria Cecília Amendola da Motta Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico, de Ciência e Tecnologia e do Agronegócio Natal Baglioni Meira Barros Secretário Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano Marcos Antônio Moura Cristaldo Secretário Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação João Antônio De Marco Secretário Municipal de Saúde Pública Leandro Mazina Martins Procurador-Geral do Município Ernesto Borges Neto

Diretor-Presidente da Agência Municipal de Habitação de Campo Grande Paulo Cesar de Matos Oliveira Diretora-Presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano Marta Lúcia da Silva Martinez Diretor-Presidente da Agência Municipal de Prestação de Serviços à Saúde Leandro Mazina Martins Diretor-Presidente da Agência Municipal de Transporte e Trânsito Rudel Espindola Trindade Junior Diretor-Presidente da Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Campo Grande Marcelo Luiz Bomfim do Amaral Diretor-Presidente da Fundação Municipal de Cultura Roberto Figueiredo Diretor-Presidente da Fundação Municipal de Esporte Carlos Alberto de Assis Diretor-Presidente do Instituto Municipal de Previdência de Campo Grande Cezar Luiz Galhardo Diretora-Presidente da Fundação Social do Trabalho de Campo Grande Luiza Ribeiro Gonçalves Diretor-Presidente do Instituto Municipal de Tecnologia da Informação João Mitumaça Yamaura Presidente de Honra do Fundo de Apoio à Comunidade Denise Mandarano Castro

APRESENTAÇÃO
Esta é a 17ª edição do Perfil Socioeconômico de Campo Grande. Temos a satisfação de ter em nossa cidade um documento desse porte que atende os mais diversos pesquisadores como fonte de pesquisa.

Trata-se de um trabalho elaborado pelo PLANURB – Instituto de Municipal de Planejamento Urbano, sendo resultado da colaboração de profissionais de muitos órgãos municipais, estaduais, federais e de entidades do município. Ano a ano, essa parceria contribui para tornar essa publicação mais completa e aprimorada.

O Perfil Socioeconômico de Campo Grande sintetiza informações importantes da cidade, demonstrando o crescimento do município nos mais variados setores, abrangendo aspectos culturais, educacionais, de saúde, de seus atrativos turísticos, de sua infraestrutura, entre outros. Esse documento traz importantes informações que despertam no seu leitor o desejo de conhecer cada vez mais essa Cidade Morena.

Nelson Trad Filho Prefeito Municipal

INSTITUTO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO – PLANURB Diretora-Presidente Marta Lúcia da Silva Martinez Diretora de Planejamento Físico-Territorial Janaina Simonelli Esteves Barbosa Diretora de Estudo. Campo Grande (MS) I.050-020 – Campo Grande – MS FAX: (67) 3314-5175 – e-mail: planurb@planurb.capital. 2010. 17 ed. 279 – Jd.Titulo.gov.PLANURB Perfil Socioeconômico de Campo Grande/Instituto Municipal de Planejamento Urbano . Instituto Municipal de Planejamento Urbano – PLANURB Rua Hélio de Castro Maia. 1.br . rev.PLANURB. Campo Grande. Paulista – 79. Pesquisa e Informação Rita de Cássia Belleza Michelini Divisão de Monitoramento do Uso e da Ocupação do Solo Christina Chicol Manvailer Gonçalves Divisão de Planejamento para a Preservação do Patrimônio Ana Cláudia Gimenez Mesquita Divisão de Geoprocessamento Juares Rodrigues Echeverria Divisão de Estatística Fábio Nogueira da Silva Divisão de Documentação Maria Magali Araújo Divisão de Assuntos Estratégicos Ana Maria Pinto Benites Gerência Administrativa e Financeira Mara Márcia Fernandes de Moraes Coordenação Rita de Cássia Belleza Michelini Equipe Elisângela Alves Lijerón – Economista Elivelton Ferreira de Alcantara – Mirim Eunice Pacheco Lino Pedroso – Assistente Administrativo Fábio Nogueira da Silva – Economista Janaina Simonelli Esteves Barbosa – Arquiteta e Urbanista Juares Rodrigues Echeverria – Economista Kelly Cacemiro Ferreira – Economista Luciana de Figueiredo – Analista de Sistemas Luciano Albuquerque – Assistente Administrativo Rita de Cássia Belleza Michelini – Bibliotecária Colaboração Superintendência de Comunicação Social/SEGOV (Fotografias) C198 Instituto Municipal de Planejamento Urbano .ms.

Afonso Pena .OS NÚMEROS DE CAMPO GRANDE Campo Grande – Mato Grosso do Sul Área do Município: 8.27hab/Km² (Estimativa da População 2009) Av.33% Densidade Demográfica: 93.107 (Estimativa da População 2009) Taxa de Urbanização: 98.302.66% Taxa Média Geométrica de Crescimento Anual da População: 2000/2007: 1.096 km² Área Urbana: 35.82 ha População: 755.

2 Condição do produtor 5.2 Temperaturas 2.2 Características gerais da população 4.3 Parques e outras Unidades de Conservação 2.3 Migração 4.1 Pluviometria 2.3 O uso do solo urbano 3.2 Área urbana 3.Sumário 1 HISTÓRIA 2 ASPECTOS FÍSICOS E BIOLÓGICOS 2.4 Carta Geotécnica 2.3 Ventos 3 ASPECTOS FÍSICOS E TERRITORIAIS 3.1 Geologia 2.5.4.6 Nupcialidade 4.2 Setor Primário 5.3.1 Evolução da população 31 31 31 32 32 33 33 33 35 39 41 41 43 45 45 45 45 49 51 52 58 61 Lago do Amor 4.2.5.3 Solos 2.2.4 Pecuária leiteira 63 69 69 70 70 71 77 78 79 79 81 83 .1 Hidrografia 2.1 Estrutura fundiária 5.1 A malha urbana e sua ocupação 3.3 Meio Biológico 2.7 Comparativo entre as capitais brasileiras 5 ASPECTOS ECONÔMICOS 5.4.3 Rebanhos 5.5 Climatologia 2.1 Localização 2.3.2 Meio Físico 2.4 Famílias 4.4 Recursos Hídricos 2.1 Alvarás e Habite-se concedidos 4 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 4.1 Vegetação 2.5 Fecundidade 4.2.2 Geomorfologia 2.3.2 Unidades Municipais de Conservação da Natureza 2.1 Empresas 5.2.2.3.2.2 Carta de Drenagem 2.5.2.2.

2.8 Frota de moto-entregador 6.4.8 Hortifruticultura 5.4 Incubadoras Municipais 5.3.8 Produto Interno Bruto Total e Per Capita 6 INFRAESTRUTURA URBANA E SERVIÇOS 6.1 Rodovias 6.2.6.3 Setor secundário 5.5.12 Transporte ferroviário 6.3 Esgotamento sanitário de Campo Grande 6.5 Terminal Intermodal de Cargas de Campo Grande 5.3.7.3 Núcleo Industrial Indubrasil 5.7 Armazenagem 5.7.11 Transporte rodoviário 6.2 Feiras livres 5.5 Abastecimento alimentar 5.3.7.6.2 Manutenção e roçada 6.6 Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços 5.10 Transporte aéreo 6.1 Varrição 6.5 Produtos de origem animal 5.4.1.2 Varejo 5.2 Serviços postais 6.6 Transporte e trânsito 6.1 Energia elétrica 6.6.3.6 Produção agrícola municipal 5.6.3 Rádio e televisão 6.1 Educação infantil.6 Indústrias por atividades 5.1.6.3 Frota de veículos 6.3.3.7.4 Setor terciário 5.1 Educação 7.3 Saneamento básico 6.7 Frota de moto-táxis 6.2 Serviços 5.1 Comércio 5.1 Programa de Incentivos para o Desenvolvimento Econômico e Social de Campo Grande .5.4 Pavimentação 6.1.3. especial e de .3. médio.6.2 Sistema de abastecimento de água 6.4 Jornais e revistas 6.2 Pólos Empresariais da Prefeitura Municipal de Campo Grande 5.5.2 Gás Natural 6.7.1 Mercado Municipal 5.7 Comunicações 6.5.4 Condutores com Carteira Nacional de Habilitação 6. ensino fundamental.5 Limpeza pública 6.2 Sistema viário 6.2.6.5.6.3 Coleta de lixo 6.6.4.4.1 Atacado 5.9 Transporte coletivo 6.2.6.1 Histórico 83 84 84 84 85 86 88 92 93 96 97 98 98 99 99 100 101 101 102 104 105 108 111 114 114 114 6.7 Renda 5.6 Frota de táxis 6.5.PRODES 5.3.6.6.5 Acidentes de trânsito 6.5 Sites de notícias de Campo Grande 115 124 127 127 127 129 130 133 133 136 137 138 138 138 139 139 139 141 142 143 144 144 144 144 145 145 7 ASPECTOS SOCIAIS 149 7.1 Serviços de telefonia fixa e móvel 6.

2.3 Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – Departamento Regional de Mato Grosso do Sul – SENAI/DR/MS 7.2.2.9 Faculdade UNIGRAN Capital – UNIGRAN 7.2 Saúde 7.2.1.7 Índice de Desenvolvimento Humano Municipal – IDH-M 7.2.jovens e adultos 7.2.1.5 Habitação 7.3.3.1.1.4 Serviço Social do Comércio – SESC 7.4 Trabalho 7.1.3.5 Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande – FESCG 7.3 Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal – UNIDERP 7.2.1.1.1.8 Faculdade Mato Grosso do Sul – FACSUL 7.2.2.8 Justiça 7.3.11 Faculdade de Tecnologia SENAI Campo Grande – FATEC 7.3.2.2 Indicadores de saúde 7.3 Assistência Social 7.1.10 Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – UEMS 7.1 Assistência médico-hospitalar 7.5 Unidades de saúde 7.4.2 Serviço Social da Indústria – SESI/DR/MS 7.3.4 Centro Universitário Anhanguera de Campo Grande 7.6 Eleitores 7.1.1.6 Instituto de Ensino Superior da FUNLEC – IESF 7.3.1 Fundação Social do Trabalho – FUNSAT 7.5 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de MS – SEBRAE/MS 7.1.1.2.2 Instituto Mirim de Campo Grande – IMCG 7.7 Faculdade Campo Grande – FCG 149 164 164 166 167 169 170 171 171 7.1 Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – Senac 7.9 Segurança Pública 172 172 173 173 173 173 174 174 175 176 176 177 178 180 181 181 184 188 194 195 196 197 202 209 209 211 212 .1 Fundo de Apoio à Comunidade – FAC 7.2.1.6 Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – SENAR-AR/MS 7.3.2.3 Cobertura vacinal 7.2 Ensino Superior 7.2.2 Universidade Católica Dom Bosco – UCDB 7.3 Ensino Profissionalizante 7.4 Mortalidade 7.1.1.1.1.1.2.1 Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS 7.2.

1 Espaços culturais 8.2 Esporte 8.1.1 Bibliotecas 8.4.1.4.2 Espaços esportivos fechados 8.1 Espaços esportivos alternativos 8.3 Projetos esportivos e de lazer 8.1.4.4.5 Projetos culturais 8.4. LAZER E TURISMO 8. anfiteatros e teatros 8.4 Roteiros culturais 8.3 Roteiro arquitetônico 8.6 Roteiro de lazer e entretenimento 8.5 Roteiro de compras de artesanato 8.4 Turismo 8.4.1.1 Sistema Municipal de Planejamento – SMP 10.4.2. ESPORTE.7 Bibliotecas e salas de leitura 8.7.8 CULTURA.1.1.1 Infraestrutura turística 8.1.7 City Tour oficial de Campo Grande 8.5 Principais eventos 8.1 Conselho Municipal de Desenvolvimento e Urbanização – CMDU 10.4 Roteiro para realização de grandes eventos 8.3 Galerias de arte 8.1.7.2.2 Salas de leitura 9 FINANÇAS PÚBLICAS 217 218 219 222 223 223 224 224 226 226 227 227 227 228 231 232 232 233 234 234 234 235 235 236 237 10 GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PLANEJAMENTO MUNICIPAL 10.3 Turismo rural 8.2 Atrativos turísticos 8.3 Rede Viva e Programa Comunidade Viva 11 PREFEITOS E INTENDENTES 248 249 250 251 253 .1 Cultura 8.2 Auditórios.6 Salões de exposições temporárias 8.2 Conselhos Regionais 10.2.

por estado civil.1970/2007 16 População residente em Campo Grande. no Município de Campo Grande e no Estado de Mato Grosso do Sul .(%) 26 Razão de sexo . por condição na família.2000 22 Pessoas de 10 anos ou mais de idade. segundo as capitais brasileiras .1996/2009 3 Temperaturas máximas.1989-2009 6 Loteamentos Aprovados .2008 .2000-2009 25 Taxa Média Geométrica de Crescimento Anual da população segundo as capitais brasileiras . e taxa de urbanização . no Município de Campo Grande e no Estado de Mato Grosso do Sul .(%) 28 Idade Média da população residente nas capitais brasileiras .2000/2007 .2009 CAPÍTULO 3 . total e que tiveram filhos.ASPECTOS FÍSICOS E TERRITORIAIS 5 Evolução dos Loteamentos Aprovados .2000/2007 . no Município. no Município de Campo Grande e no Estado de Mato Grosso do Sul .(%) 27 Razão de Dependência Demográfica(¹). por tipo de deficiência.1970/2007 11 Evolução dos grandes grupos de idade do Município de Campo Grande .1999-2009 30 Estabelecimentos relacionados na RAIS por Setor de Atividade Econômica .1960/2007 .(°C) 2005/2009 4 Velocidade dos Ventos (m/s) .1999-2009 9 Total de Inscrições no Cadastro Imobiliário.2007 17 Indicadores e variáveis selecionadas. segundo os distritos e a situação do domicílio . no Município de Campo Grande . no Município de Campo Grande e no Estado de Mato Grosso do Sul . Regiões Urbanas e Distritos de Campo Grande . por uso do imóvel .2000 19 Pessoas não naturais da Unidade da Federação .ASPECTOS ECONÔMICOS 29 Empresas constituídas. por grupos de idade.1940/2007 14 População do Município de Campo Grande .1960/2007 13 Participação Relativa da População do Município de Campo Grande em relação ao Estado de MS .2000 24 População residente segundo as capitais brasileiras . médias e mínimas em Campo Grande .2000/2007 21 Mulheres de 10 anos ou mais de idade.Município de Campo Grande .ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 10 População total urbana e rural.1991-2007 .Lista de Tabelas CAPÍTULO 2 . por grupos de idade e sexo no Município de Campo Grande .ASPECTOS FÍSICOS E BIOLÓGICOS 1 Área das Zonas Ambientais na APA do Guariroba 2 Precipitação acumulada (mm) em Campo Grande . segundo as capitais brasileiras .1991-2009 15 População residente.2000 23 Pessoas de 10 anos ou mais de idade que viviam em união conjugal. por tipo de união.2007 18 População residente.2000 20 Famílias e pessoas residentes em domicílios particulares.(%) 12 Taxa Média Geométrica de Crescimento Anual da população residente no Município de Campo Grande .2008 31 Estabelecimentos relacionados na RAIS por Natureza Jurídica .2008-2009 CAPÍTULO 4 . extintas e falidas em Campo Grande .1999-2009 8 Habite-se concedidos por unidade e m² .2000/2007 (1) 37 45 45 45 55 56 58 58 58 62 62 62 62 62 63 66 68 69 69 69 70 70 70 71 72 72 73 73 77 77 77 CAPÍTULO 5 . por número de filhos tidos nascidos vivos.2002-2009 7 Alvarás concedidos por unidade e m² . mulheres de 10 anos ou mais de idade que tiveram filhos nascidos vivos.

32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 Número de estabelecimentos e área.2008 Quantidade produzida da lavoura permanente em Campo Grande/MS . na arrecadação de ICMS (100%) .1995-2008 Trânsito egresso de bovinos e bubalinos no município de Campo Grande . por dias da semana com indicações de seus endereços .2007-2009 Estabelecimentos bancários em Campo Grande .2006 Estabelecimentos agropecuários .1999-2009 (R$) Participação percentual por atividade econômica no Município.2004-2010 Origem e volume comercializado na CEASA por grupo e subgrupo em Campo Grande e MS . segundo a condição do produtor .1996/2006 Efetivo de cabeças no Município de Campo Grande . por ramo de atividade em Campo Grande .2010 Empreendimentos na Incubadora Municipal Francisco Giordano Neto Empreendimentos na Incubadora Municipal Mário Covas Empreendimentos na Incubadora Municipal Norman Edward Hanson Empreendimentos na Incubadora Municipal Zé Pereira Estabelecimentos segundo os segmentos industriais .1975/2006 Estrutura Fundiária em Campo Grande .2009 Demonstrativo da quantidade em kg e procedência dos produtos comercializados na CEASA/MS .1996-2009 Empresas Aprovadas pelo PRODES .Áreas Próprias .1999-2009 79 80 80 80 80 81 82 83 83 83 84 84 84 84 85 87 88 88 89 89 90 91 91 91 92 93 93 94 94 97 97 97 98 99 99 100 100 101 102 104 104 .2009 Arrecadação de ICMS por setores de atividades econômicas em Campo Grande e Mato Grosso do Sul .Campo Grande .2001-2009 Produção de leite no município de Campo Grande e em Mato Grosso do Sul .2001-2008 Capacidade estática de armazenagem por modalidade em Campo Grande .1998-2009 Número de estabelecimentos comerciais varejistas por ramo de atividade em Campo Grande .1994-2009 Número de estabelecimentos comerciais atacadistas.2010 Participação de Campo Grande sobre o total de estabelecimentos industriais em Mato Grosso do Sul .Pólo Empresarial Conselheiro Nelson Benedito Netto Pólo Empresarial Conselheiro Nelson Benedito Netto Situação Atual .CAE .2006 Utilização das terras no Município de Campo Grande .1975/1996 Estrutura Fundiária em Campo Grande .1990-2008 Produção de leite sob Inspeção Federal em Campo Grande .1996-2008 Produtos de origem animal por tipo de produto em Campo Grande/MS .2004-2010 Feiras livres.Pólo Empresarial Miguel Letteriello Pólo Empresarial Miguel Letteriello Situação Atual .1997-2006 Estabelecimentos de serviços por ramos de atividades .2009 Número de Indústrias em Mato Grosso do Sul e Campo Grande .Pólo Empresarial Paulo Coelho Machado Pólo Empresarial Paulo Coelho Machado Pólo Empresarial de Empresas de Reciclagem (em instalação) Estabelecimentos instalados no Núcleo Industrial de Campo Grande .2008-2009 Total de estabelecimentos comerciais .CNAE .2001 a dezembro/2009 Empresas no Anel Rodoviário Situação Atual .2000-2008 Produção agrícola municipal (lavoura temporária) .1998-2009 Estabelecimentos de serviços por ramos de atividades .

2000 Pessoas de 10 anos ou mais de idade.1998-2009 102 Domicílios rurais em que há alguma destinação para o lixo em Campo Grande . no município de Campo Grande .2002-2007 Cinco primeiros municípios de MS classificados em valores do PIB . em Campo Grande e Mato Grosso do Sul .2003-2009 106 Frota de veículos em Campo Grande.2009 .2003-2009 112 112 113 113 116 117 119 120 122 123 124 125 127 132 132 133 134 136 137 137 137 137 138 138 .1997-2009 89 Evolução do consumo de energia elétrica no município de Campo Grande .1997-2009 88 Extensão da rede elétrica no município de Campo Grande . por condição de atividade na semana de referência e sexo.2009 . valor do rendimento nominal médio mensal e valor do rendimento nominal mediano mensal dos domicílios particulares permanentes.2009 92 Capacidade de reservação . com rendimento do trabalho principal. por sexo em MS e Campo Grande .2000 Percentual das pessoas responsáveis pelos domicílios com rendimento nominal mensal de até 1 salário mínimo.2004-2009 110 Acidentes de trânsito ocorridos em Campo Grande . segundo as capitais brasileiras .2008 Pessoas de 10 anos ou mais de idade.1997-2009 91 Sistema de abastecimento de água de Campo Grande .2000 Percentual de domicílios por faixas de renda da pessoa responsável.1997-2009 99 Pavimentação executada .2003-2009 107 Frota de veículos em Campo Grande.(km) 98 Informações básicas operacionais de esgoto .1997-2009 90 Evolução do número de consumidores no município de Campo Grande . total e com rendimento domiciliar.Campo Grande .2002/2007 104 105 105 105 106 106 106 106 106 107 108 108 108 108 CAPÍTULO 6 . em Campo Grande .(km) 94 Informações básicas operacionais .2005-2009 96 Informações básicas operacionais .2000 Pessoas de 10 anos ou mais de idade.2002-2007 Composição setorial do Produto Interno Bruto.2003-2009 93 Total de extensão da rede de água .2005-2009 95 Informações básicas operacionais .2003-2009 108 Frota de veículos em Campo Grande cadastrados na base DETRAN/MS. em Campo Grande/MS.2000 Rendimento nominal médio mensal dos responsáveis pelos domicílios particulares permanentes.2000 Renda per capita dos municípios de Mato Grosso do Sul .2000 103 Distâncias de Campo Grande aos municípios de MS 104 Distâncias rodoviárias entre Campo Grande e outras capitais 105 Evolução da frota de veículos no município de Campo Grande .1999-2009 Trabalhadores relacionados na RAIS por faixa de rendimento médio . cadastrados na base DETRAN/MS. total e com rendimento domiciliar.2005-2009 97 Extensão da rede de esgoto .2002-2007 Produto Interno Bruto a preços correntes e Produto Interno Bruto Per Capita segundo as Grandes Regiões. segundo as capitais brasileiras . cadastrados na base DETRAN/MS por tipo de combustível .73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 Participação percentual do Município na arrecadação de ICMS (100%) em relação ao Estado . Campo Grande . ocupadas na semana de referência.1998-2009 101 Coleta de lixo hospitalar (t) . Campo Grande .1991/2000 Produto Interno Bruto Total e Per Capita. ocupadas na semana de referência.INFRAESTRUTURA URBANA E SERVIÇOS 87 Rede de energia elétrica no município de Campo Grande . no Município de Campo Grande e no Estado de Mato Grosso do Sul .2005-2009 100 Quantidade de lixo domiciliar coletado em Campo Grande (t) . por setor de atividade econômica (%) .Rochedinho . Unidades da Federação e Municípios .anterior a 2005-2009 109 Total de condutores com Carteira Nacional de Habilitação. por ano de fabricação .2000 Domicílios particulares permanentes. por classes de rendimento nominal mensal de todos os trabalhos. por tipo .Anhanduí .

ASPECTOS SOCIAIS 121 Número de estabelecimentos de ensino em Campo Grande na área urbana e rural .2010 (2) Transporte ferroviário em Campo Grande .2008-2010 138 Cursos oferecidos pela FACSUL .1998-2009 125 Número de salas de aula existentes em Campo Grande na área urbana e rural .2009 128 Escolas municipais urbanas .2007-2010 139 Cursos oferecidos pela UNIGRAN .Ensino Superior.pólos Brasil.2000-2010 134 Cursos oferecidos pelo Centro Universitário Anhanguera de Campo Grande .2001-2009 Informações gerais sobre transporte coletivo por ônibus em Campo Grande .2000-2010 135 Cursos oferecidos pela Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande .1999-2010 137 Cursos oferecidos pela FCG .2006-2008 Transporte ferroviário em Campo Grande .2006-2008 Telefonia fixa e móvel .2003-2010 136 Cursos oferecidos pelo IESF/FUNLEC . carga aérea e correios no Aeroporto Internacional de Campo Grande . aplicados na saúde .2009-2010 141 Cursos de Pós-Graduação oferecidos pela UNIGRAN . Campo Grande/MS .1999-2009 148 Leitos por hospitais credenciados no SUS. em linhas interestaduais e intermunicipais .2003-2009 146 Atendimento médico na rede própria em Campo Grande .1998-2009 122 Matrícula inicial em Campo Grande na área urbana e rural .Ensino à Distância .1993-2009 Movimento de passageiros no terminal rodoviário de Campo Grande em linhas interestaduais e intermunicipais .1998-2009 124 Número de pessoal docente por nível de atuação em Campo Grande na área urbana e rural .2009 131 Cursos oferecidos pela UFMS .2010 143 Cursos de Pós-Graduação oferecidos pela UEMS .2010 145 Recursos próprios do Município de Campo Grande/MS.1998-2009 Movimento de aeronaves.1994-jan 2010 (1) Movimento de passageiros no Terminal Rodoviário de Campo Grande Senador Antônio Mendes Canale.2009-2010 140 Cursos EAD oferecidos pela UNIGRAN .2010 142 Cursos oferecidos pela UEMS .2009 130 Escolas municipais e estaduais .1999-2009 149 150 151 152 153 153 154 157 159 162 165 166 167 169 170 171 171 172 172 172 172 173 173 173 178 178 179 180 180 .1980-2009 Linhas de ônibus existentes em Campo Grande .DR/MS .Origem/Destino .2000-2009 149 Indicadores de saúde selecionados para Campo Grande/MS . Japão e Europa .111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 Frota de táxis .FESCG .2010 144 Curso oferecido pela FATEC .2009 129 Escolas estaduais urbanas .área rural e distritos .1998-2009 123 Número de turmas em Campo Grande na área urbana e rural .2007-2010 132 Cursos de graduação oferecidos pela UCDB .2003-2009 138 140 140 141 142 142 143 143 144 144 CAPÍTULO 7 .1998-2009 126 Salas de aula utilizadas em Campo Grande na área urbana e rural . passageiros.1998-2009 127 Centros de Educação Infantil . e total de internações no município .1999-2009 147 Internações hospitalares de residentes (1) em Campo Grande/MS.CEINF's e CEI's .Julho/2009 Rede de Atendimento dos Correios .2000-2010 133 Cursos oferecidos pela UNIDERP .Campo Grande .

2000 Domicílios recenseados. segundo a situação do domicílio .2009 Evolução do atendimento à criança e ao adolescente .2009 Indicadores de intermediação de mão de obra . segundo o sexo da pessoa responsável pelo domicílio .2000 Anos de estudo e sexo do responsável pelo domicílio na área rural de Campo Grande . segundo o Município e Distritos de Campo Grande .2007 Domicílios particulares permanentes.2008 Estabelecimentos por número de funcionários .2009 Linhas do CREDIGENTE . população recenseada nos domicílios particulares permanentes e média de moradores em domicílios particulares permanentes. 2005-2009 (%) Mortalidade por grupos de causas (1) mais frequentes em Campo Grande/MS .2009 Ações de assistência ao crédito .2007 Moradores.1997-2009 Unidades de Proteção Social Básica Unidades de Proteção Social Especial de Média Complexidade Unidades Proteção Social Especial de Alta Complexidade Atendimentos realizados pelo IMCG . domicílios e média de moradores por domicílio. serviços de referência e outros serviços da rede de saúde na zona urbana e rural .2008 Qualificação profissional discriminada por ações .2000 Domicílios particulares permanentes rurais com abastecimento de água por número de moradores por dormitório em Campo Grande .2000 181 182 183 183 184 189 189 191 194 194 195 196 196 196 196 196 198 198 199 199 199 199 199 201 202 202 202 202 202 203 203 204 204 204 205 205 205 . no município de Campo Grande e no Estado de Mato Grosso do Sul .2005-2009 Unidades de saúde. Campo Grande/MS.2008 Trabalhadores relacionados na RAIS por gênero .2007-2009 Empreendedores financiados .2000 Moradores em domicílios particulares permanentes.2008 Trabalhadores relacionados na RAIS por faixa etária .1999-2009 Casos confirmados e incidência das doenças de notificação compulsória*.2007 Domicílios particulares permanentes.Campo Grande e Mato Grosso do Sul .2009 Evolução do emprego por setor de atividade econômica em Campo Grande/MS .2009 Trabalhadores relacionados na RAIS por Setor de Atividade Econômica .1999-2009 Mortalidade proporcional por faixa etária. por densidade de moradores por cômodo e por densidade de moradores por dormitório.2007 Domicílios particulares ocupados. segundo a situação do domicílio .Campo Grande/MS .Campo Grande e Mato Grosso do Sul .2001-2009 População residente em domicílios particulares permanentes e percentuais segundo o tipo de domicílio em Campo Grande . por sexo da pessoa responsável pelo domicílio. por alguns serviços e bens duráveis existentes nos domicílios.2008-2009 Indicadores . no município de Campo Grande e no Estado de Mato Grosso do Sul .2008-2009 Resultados da intermediação de mão de obra . Campo Grande/MS .2000 Domicílios particulares permanentes.2009 Rede Socioassistencial . em Campo Grande e Mato Grosso do Sul . população recenseada nos domicílios particulares permanentes e média de moradores em domicílios particulares permanentes. Campo Grande/MS .2000 Domicílios rurais por tipo e número de banheiros em Campo Grande .2008 Trabalhadores relacionados na RAIS por grau de instrução .1980-2007 Condição de ocupação dos domicílios segundo o Município e Regiões Urbanas de Campo Grande .Campo Grande e Mato Grosso do Sul .150 151 152 153 154 155 156 157 158 159 160 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 171 172 173 174 175 176 177 178 179 180 181 182 183 184 185 186 Cobertura vacinal em menores de 1 ano.2000 Moradores em domicílios particulares permanentes rurais por condição de ocupação em Campo Grande . por espécie.

2009 Coleta urbana de lixo .2009 Rede Física de Assistência Social .2009 Rede física de educação .Hidrografia .19982009 212 Demonstrativo de arrecadação de ICMS (100%) por atividade econômica no município de Campo Grande .2009 Rede física de saúde .2009 Centro de Educação Infantil .CULTURA.2009 Rede física de educação .2000 188 Programa de Arrendamento Residencial .2000 Feiras Livres . 141/2009 Evolução dos loteamentos aprovados .1991/2000 194 Classificação das capitais brasileiras segundo o IDH-M .2009 196 Endereços varas dos Juizados Especiais 197 Número de Delegacias de Polícia Civil em Campo Grande/MS .2005-Abril/2010 189 Programa Casa da Gente .Localização das APAS . LAZER E TURISMO 201 Auditórios.FINANÇAS PÚBLICAS 209 Demonstrativo da receita total arrecadada no município de Campo Grande .2009 População residente .Lei Complementar n.1998-2010 198 Boletins de Ocorrência em Campo Grande .PAR .Rodovias .19982009 210 Receitas Correntes e de Capital arrecadadas no município de Campo Grande .2009 Município de Campo Grande .2000 195 Movimento forense por vara em Campo Grande/MS . ESPORTE.junho/2010 Rede de esgoto .2009 205 Atrativo .1996/2010 193 Índice de Desenvolvimento Humano.2009 Rede física de saúde .2009 Localização das nascentes dos córregos no perímetro urbano de Campo Grande Rede Hidrográfica .2006-2009 199 Endereços das unidades de Polícia Civil em Campo Grande .área rural e distritos .2008 Zoneamento Ambiental da APA do Guariroba Localização dos parques Município de Campo Grande . Anfiteatros e Teatros em Campo Grande . Campo Grande .2009 202 Espaços esportivos alternativos por Bairro e Região Urbana 203 Espaços esportivos fechados 204 Eventos esportivos e de lazer .2005-Abril/2010 190 Programa Mudando para Melhor .Turismo Rural .GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PLANEJAMENTO MUNICIPAL 213 Conselhos.2009 Abastecimento de água .CCA .19982009 211 Despesas Correntes e de Capital realizadas no município de Campo Grande .2009 206 Roteiros culturais 207 Bibliotecas em Campo Grande 208 Salas de leitura comunitária em Campo Grande CAPÍTULO 9 .2005-Abril/2010 192 Eleitorado em Campo Grande .2009 206 206 207 208 208 209 209 210 211 212 212 213 213 214 Lista de Mapas 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 Cobertura vegetal no Município de Campo Grande Município de Campo Grande .1998-2009 CAPÍTULO 10 . comissões e comitês em atividade .área rural e distritos .2007 Taxa Média Geométrica de Crescimento Anual da População 1996-2000 Rendimento nominal médio mensal dos responsáveis pelos domicílios .2010 214 Sessões realizadas pelos Conselhos Regionais .2009 34 35 38 41 42 43 44 53 54 57 64 65 67 103 121 126 128 131 139 156 161 163 186 187 192 219 224 226 226 232 232 235 236 239 240 240 241 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 246 251 .2009 CAPÍTULO 8 .2005-Abril/2010 191 Programa Carta de Crédito Associativo .junho/2010 Pavimentação asfáltica .2009 Bairros Zoneamento .187 Moradores em domicílios rurais segundo a densidade por dormitório e condição de ocupação .2010 200 Endereços das unidades de Polícia Militar em Campo Grande .

Quadro de Adilson Schieffer 1 História .

isto é. O povoado apresenta elementos típicos observados em cidades com indicadores de crescimento incorporando-se. só nas últimas décadas os campo-grandenses passaram a resgatar e valorizar a memória da sua cidade pois. vindos em carros de boi. resgatado em seu patrimônio. sedimentaram ligações com as atividades agrícola e pecuária. nesta época. Conjugados. a partir dali. iniciam a formação do povoado construindo ranchos de palha e sapé na confluência dos córregos Prosa e Segredo. para melhor conhecer e compreender o seu meio. remete aos idos de 1872 quando os desbravadores. retratada no Monumento aos Pioneiros. regida por administração pública. em área do atual Parque Florestal Antonio de Albuquerque. . insere-se na tendência de uma nova forma de urbanismo que atinge as cidades por todo o país. ao comércio de gado regional. homem e natureza passaram a escrever a história da cidade refletindo as ações recebidas. patrimônio conta a história e testemunha a transformação de Campo Grande* Justificando seu nome. por meio de seus bens materiais e manifestações culturais. as primeiras pensões e a Igreja construída pelo fundador da cidade. Na concepção desse modelo foi inicialmente assentada em uma única rua. um pequeno comércio. atual Rua 26 de Agosto e Rua Barão de Melgaço onde.De Vila a Capital. Na época. denominada Rua Velha. numa trajetória hoje considerada de contemporaneidade. Os pioneiros estabeleceram-se na confluência dos córregos Prosa e Segredo formando o Arraial de Santo Antônio de Campo Grande e. na região central do Estado. nas imediações do divisor de águas das bacias dos rios Paraná e Paraguai. situavam-se as residências dos primeiros moradores. Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Capítulo 1 História 21 Convivendo com o desenvolvimento sob esse prisma. de uma cidade que sempre atuou no presente. Campo Grande ocupa um espaço geográfico privilegiado. Casa Esplanada da Ferrovia . Em 1899 passa a constituir a Vila de Campo Grande sendo enquadrada na categoria de município. tornou-se imprescindível buscar informações no seu passado. onde os elementos básicos da natureza tornam-se fatores imprescindíveis para a fixação do homem. Definindo sua vocação de entreposto comercial.Gabinete Especial do Prefeito A imagem da chegada dos primeiros moradores. conhecido como Horto Florestal. nas suas imediações.

diferente do que ocorreu na maioria das antigas cidades onde os agrupamentos situavam-se ao redor da igreja e das prefeituras que se tornavam os embriões dos núcleos populacionais. Prevalecendo os sentimentos de religiosidade.. Ressalte-se que a então capelinha dos primórdios da cidade deu lugar. da ex-escrava. em época remota” ¹ . em referencia as vastas campinas visinhas. Campo Grande contava com cerca de 600 habitantes e. o aforamento. hoje a atual Catedral de Nossa Senhora da Abadia.. porem. construída de taipa e coberta de palmas. em 13 de maio de 1919. propriedade de Antônio Luiz Pereira. ou contrato de domínio. Eva Maria de Jesus Vida. “. A exemplo da primeira igreja. A festa do padroeiro. O Primeiro Código de Posturas. que se instala em área próxima ao atual Bairro São Francisco. a lendária Tia Eva. ergue a Igrejinha São Benedito. emquanto a não vio coberta de telhas de barro. de terrenos municipais. referência patrimonial recomposta. Essas normas são reforçadas na primeira planta da cidade.o alinhamento dos ranchos tomou a feição de rua. celebrada por seus descendentes. Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul ocasionada pela vinda de novos moradores que se intensifica com o passar dos anos. O local. a edificação de prédios e reparos. por força da modernidade. doado à municipalidade. na década de vinte. bem como o tosco e alto cruzeiro que ainda se ostenta no adro. define entre outras medidas. Não descançou. das ruinas de um templo centenario alli erigido pelos jesuítas. está incorporada ao calendário cultural da cidade. Entre esses destaca-se a chegada. passou por obras de recuperação ambiental para restauração de suas características originais. corria o anno de 1879 e era chegada a vez de José Antonio Pereira cumprir o seu voto. à uma igreja inserida no contexto urbano. congregando grande parte da comunidade negra. um dos filhos do fundador. Capítulo 1 História 22 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . distante trinta e cinco legoas. o Museu José Antônio Pereira é outro importante marco histórico dos primórdios da cidade tendo sido sede da Fazenda Bálsamo. em 1905. No Arraial de Campo Grande a construção da capela ocorre anos depois. já na condição de vila. teve prescritas as primeiras normas para sua expansão. Em pagamento a uma promessa. também Igreja de Santo Antônio. No final do século XIX. por volta de 1880. Preparados os esteios de rígida aroeira. indo elle mesmo buscalas ao abandonado Camapuam. levantou-se em breve a capella. e sob a invocação de Santo Antonio de Campo Grande. por volta de 1905. evidenciando hábitos e costumes da época da ocupação do local.

É estruturado o Conjunto dos Ferroviários. em estilo neoclássico. sua importância tem respaldo no tombamento do chamado Sítio Histórico que. construída na década de 20. Símbolos de uma época de prosperidade. a Casa do Artesão. tornando-se conhecido por longo tempo como Pensão Pimentel. dimensionava as diretrizes de crescimento futuro da cidade entre três córregos. para residência da família de Bernardo Franco Baís e ocupado posteriormente para outras finalidades. o Colégio Oswaldo Cruz. O local foi sede da agência do Banco do Brasil e abrigou a Exatoria de Rendas do Estado destinando-se atualmente à exposição e venda de produtos típicos regionais. dos Ferroviários. Nas proximidades desse estabelecimento situa-se outro valioso bem patrimonial da cidade. Ferreira. No traçado urbano estava prevista uma área institucional onde localiza-se a atual Praça Ary Coelho. Por ser um plano de expansão. como destacam alguns pesquisadores. vila residencial e área anexa com suas ruas revestidas em paralelepípedos. Travessa Dr. A chegada da ferrovia e a instalação do Comando Militar em Campo Grande são fatores decisivos no processo de evolução urbana. formado pela Estação Ferroviária. por volta de 1918. além de estrutura sólida. “Com o advento da Capítulo 1 Morada dos Baís Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 História 23 . destinando-se também áreas para a Praça da República. em torno de 1913. e Praça da Concórdia. Tendo sua expansão inicial baseada em atividades estritamente ligadas à pecuária. localizado na Vila Noroeste abrange além da Estação alguns trechos das ruas 14 de Julho. tombada pelo patrimônio histórico da cidade. Após o período de reformas foi possível restaurar no local afrescos da artista plástica Lídia Baís. A tendência de incorporar novas propostas urbanísticas prevalece em Campo Grande com a elaboração da planta da cidade adotando ideias burguesas. A recuperação da técnica de pintura sobre o revestimento ainda úmido das paredes tornou-se um dos pontos principais de atração da atual Morada dos Bais. hoje Praça do Rádio Clube. o córrego Prosa. ao norte o córrego Maracaju (atualmente canalizado) e. A leste. é construído um dos primeiros sobrados em alvenaria. atual Praça Aquidauana. Também é desta época. um novo e importante impulso motiva o desenvolvimento local com a chegada dos trilhos e a consequente vinda de migrantes. ao sul. filha do patriarca. A partir do plano a expansão citadina atende às determinações estipuladas e.aprovada em 1909 como Plano de Alinhamento de Ruas e Praças. Temístocles e Rua Dr. o córrego Prosa. uma das únicas edificações que ainda mantém em fachada as características do projeto arquitetônico original.

gradativamente são incorporados espaços culturais. em área próxima à atual Praça do Rádio Clube. o aumento do fluxo de tráfego e o progresso tornam-se pretextos para sua demolição. onde. sociais e de lazer. na Avenida Mato Grosso. os cines Santa Helena e Alhambra e o Rádio Clube. em anexo ao prédio antigo. na Avenida Calógeras. A Rua João Pessoa (atual Rua 14 de Julho).” ³ Estruturando-se como uma cidade moderna. no início da Rua Calógeras. Capítulo 1 História 24 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Cerca de trinta anos depois. Esta capela origina mais tarde a Igreja de São José. torna-se o mais alto da época com seus três pavimentos. E mais. por três meses. “Em 1927 é construído o novo oratório e anexo a ele uma capela que se torna conhecida ao longo do tempo pelo nome de Capelinha. no canteiro da Avenida Afonso Pena. Após períodos de reformas o local funciona agora em moderno e amplo complexo de atendimento médico-hospitalar. em 1970. na esquina das ruas 14 de Julho com Cândido Mariano. uma delimitação da área urbana. na Avenida Afonso Pena. passa a ser o caminho mais freqüente entre a movimentada Estação e a Rua Velha e logo os comerciantes passam a se estabelecer nesta via. instala-se a sede do governo do Estado de Maracaju. A obra foi implantada em agosto de 1933. nesse bairro. inaugurada em 1914. A região militar determina. o Hotel Americano.” ² No início dos anos 20 a municipalidade cede ao Ministério da Guerra áreas para a instalação de unidades militares. Nesta mesma época ocorre a chegada dos padres salesianos que constroem o Oratório como primeiro instrumento de sua ação religiosa e educativa. tornando a Rua João Pessoa o principal eixo da cidade. Em 1937 é construído na Avenida Calógeras o prédio da agência dos Correios e Telégrafos. a Estação Ferroviária é instalada a cerca de um quilômetro da Rua Velha (atual 26 de Agosto) em direção norte. assume a Intendência também o compromisso de favorecer a construção. tal como se conhece hoje. posteriormente. Na confluência da Avenida Afonso Pena com a Rua 14 de Julho é instalado o Relógio que se torna ponto de encontro e referência da área central. hospital e vila residencial. esquina com a Rua José Antonio. o primeiro em estilo art-déco e. Dois anos depois os salesianos compram o Instituto Pestalozzi. Ainda na década de 1930 algumas iniciativas de registro da história foram concretizadas resultando em monumentos que passaram a ser símbolos. com a Revolução Constitucionalista de 1932. de um hotel para facilitar a habitação dos oficiais. É o caso do Obelisco. que se compõe no Colégio Dom Bosco. onde está inserido medalhão com a figura do fundador da cidade. na Avenida Afonso Pena. fica estabelecida a cedência de um lote de quarenta metros de frente por setenta metros de fundo para a construção do Quartel General. atuando diretamente na formação educacional de crianças e jovens da cidade. O apelo popular e o apoio do Rotary Club motivaram a recuperação do monumento e sua reinstalação.” ³ Com a articulação e o empenho de lideranças e moradores é inaugurado em 1928 o Hospital de Caridade. compondo-se num belo templo que ostenta uma torre bem imponente. “No mesmo compromisso assumido pela municipalidade. Em 1924 é implantada a Loja Maçônica.construção da estrada de Ferro Noroeste do Brasil. atual Sociedade Beneficente de Campo Grande. e uma capela anexa. Por volta dos anos 30 a cidade passa a contar com importantes espaços sócioculturais destacando-se o Teatro Trianon. tendo Campo Grande como Capital. em 1939. por ocasião das comemorações do centenário de emancipação política da cidade.

Lei aprovada em 1960 amplia a área estabelecida para o comércio. a atual Escola Estadual Maria Constança Barros Machado mantém as características modernas e arrojadas do projeto arquitetônico de Oscar Niemeyer. Um escritório de engenharia é contratado para elaborar a planta da cidade que se torna o primeiro mapeamento a conter traçado e locação das construções. de modo que passam atingir outras vias que extrapolam o centro comercial original” ². superando inclusive a Capital. É deste período a implantação de Destacamento da Base Aérea na área militar que atualmente sedia importantes esquadrões da Força Aérea Brasileira. Na área educacional prevalecia a iniciativa particular na cidade quando. Afonso Pena foi inaugurado na Rua Y Juca Pirama. borboletas e animais em exímio trabalho de taxidermia. Preciosas coleções de peças indígenas fazem parte do acervo do Museu Dom Bosco. A gradativa incorporação de novas coleções com destaque para espécies de conchas. em 1964. “Quando se aproxima a década de 60 alguns bairros já desenvolvem os primeiros focos de serviços e comércio locais. sendo ponto de referência no ensino campograndense. instalado em 1951 sob a administração da Missão Salesiana de Mato Grosso. em 1962. A verticalização nas edificações ocorre nos anos de 1940 com os prédios Nakao. “A expressão de Campo Grande. Olinda e Korndorfer destacando-se no centro da cidade. além da efetivação de uma política para o uso do solo. fazem do museu pioneiro uma atração para estudiosos e turistas. sobretudo nas principais avenidas e ruas de acesso. Funcionando inicialmente como ponto de comercialização de Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Capítulo 1 História 25 . em agosto de 1954. era tal que já se convertera na maior cidade de Mato Grosso. o Colégio Estadual Av.No final da década de 30 o município tem proposta para expandir o serviço de água e implementar a rede de esgotos. na metade do século. É desta época. ocupando ruas próximas à Avenida Mato Grosso. a instalação da Feira Central. dos primeiros cursos de Farmácia e Odontologia que deram origem à Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Cuiabá” 4. Após períodos de reforma. O censo da época revela que cerca de 25% da população campo-grandense era composta por migrantes vindos principalmente do sul do país atraídos pelas possibilidades de trabalho e em busca de terras agricultáveis. O local foi sede provisória. o que motivou sua antiga denominação de Museu do Índio.

Gabinete Especial do Prefeito História 26 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . em meio à reserva de cerrado nas cercanias da cidade. A sua inclusão no Programa de Cidades de Porte Médio. Na década de 1980 surgem loteamentos e conjuntos habitacionais. sem sombra de dúvida. humanas e sociais e com isso fixa o jovem ao seu meio e à sua realidade. Praça das Araras (Praça da União) e a Praça do Rádio Clube (Praça da República). a reestrutura do sistema viário e de transporte coletivo. Com a instalação do Governo do Estado são construídos edifícios para sediar órgãos da administração pública no Parque dos Poderes. de Campo Grande. no início dos anos 70. Um planejamento é elaborado em 1978 tendo como proposta a lei do uso do solo. cogitada pelo governo central. “A década de 1970 é.produtos hortifrutigranjeiros. No moderno complexo de edificações a instituição passa gradativamente a oferecer cursos superiores nas áreas de ciências biológicas. permite a rápida expansão urbana” . concretizando antiga aspiração de sua população. além da reformulação de áreas públicas. A implantação do campus da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. atualmente apresenta uma diversidade de mercadorias tendo como atração barracas com comidas típicas. de modo a dotá-la dos equipamentos e serviços indispensáveis para torná-la Capital. construído na entrada. por meio do qual se obtém financiamentos para a abertura do anel viário e canalização dos córregos Maracaju e Segredo. sede da rádio e TV Educativa são pontos de atração por suas propostas arquitetônicas contrastando com a preservada vegetação Capítulo 1 Casa da Esplanada da Ferrovia . destacando-se a remodelação de logradouros como a Praça Oshiro Takimori (Praça do Mercado). torna-se fator decisivo para o desenvolvimento regional. mantido pelo Ministério do Interior. um momento particularmente privilegiado para o desenvolvimento da cidade quando. a criação do Estado de Mato Grosso do Sul em 1977 torna-se marco definitivo na vida da cidade. a busca de alternativas para o lazer motiva a implantação de novos equipamentos urbanos. Ainda nos anos 60. impulsiona a modernidade e enfatiza a urbanização. particularmente. Numa época caracterizada pela grande expansão urbana e crescimento populacional. O símbolo da UFMS. a divisão do Estado de Mato Grosso passa a receber maciços investimentos em infra-estrutura. apresenta um conjunto de 24 colunas em concreto representando os anseios da juventude sul-mato-grossense. O antigo Arraial de Santo Antônio de Campo Grande assume a condição de Capital. de tecnologias. O Palácio Popular da Cultura e o Palácio das Comunicações. O fluxo migratório é intensificado.

*Publicado originalmente na Revista ARCA. 1919. os pioneiros traziam lembranças. instalado em 1989. sonhos e esperanças. 1999. Capítulo 1 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 História 27 . contadas em prosa. Referências: (1) O Município de Campo Grande: Publicação Official. o mais aprazível logradouro da cidade que abriga em seu meio a nascente do córrego Prosa. Cleonice. 8. A natureza do lugar ensinou que o Prosa somado ao Segredo resulta num Anhanduí. guardadas em segredo. águas da nossa memória. (4) Campo Grande – 100 anos de construção. (3) Gardin. patrimônio que pereniza a flora regional. Quando aqui se instalaram. (2) Ebner. florescendo nossos ipês. UFMS. nos altos da Avenida Afonso Pena localiza-se o Parque das Nações Indígenas. Algumas.circundante. A urbanização da área torna as avenidas Mato Grosso e Afonso Pena vias de acesso ao Shopping Campo Grande. Campo Grande entre o sagrado e o profano. A cidade e seus vazios. n. Íris de Almeida Rezende. UFMS. Matriz Editora. 1999. 2002. Em reserva ecológica de 120 hectares. Outras. 1999. Águas da nossa história.

2 Aspectos Físicos e Biológicos .

26% da área total do Estado. onde os contrafortes da Serra Preta (norte do estado) adentra o Estado de Mato Grosso.2. com 8. ocupando 2. Dois distritos fazem parte do Município: Anhanduí e Rochedinho. A sede do município localiza-se nas imediações do divisor de águas das Bacias do Paraná e Paraguai. sugerindo uma origem eólica e às vezes subaquosas são evidenciados com uma certa frequência ao longo das faixas de domínio do Capítulo 2 Av. está localizado geograficamente na porção central de Mato Grosso do Sul. Especialmente chama-nos atenção as faixas lineares que se estendem no sentido NW-SE do município. e sua altitude varia entre as cotas 500 e 675 metros.2 Meio Físico 2. definida pelas coordenadas geográficas 20°26'34” latitude Sul e 54°38'47” longitude Oeste. 94. Tem como municípios limítrofes: Jaraguari. Essa faixa contínua abrange uma pequena parcela de terras do município de Campo Grande no extremo norte de seu território. acompanhando.1 Geologia Em termos geológicos o território do município de Campo Grande é abrangido pelas Formações Serra Geral e Botucatu do Grupo São Bento e Caiuá do Grupo Bauru. estes distritos são considerados como Regiões Urbanas para fins de planejamento. município de Bela Vista . A Formação Botucatu estende-se a partir do Sudoeste do Estado – divisa com Paraguai. A Formação Serra Geral. Sidrolândia e Terenos. 2.em faixa contínua num sentido aproximado de SW-NE. Esta Formação constitui-se na segunda maior área de abrangência do município de Campo Grande ocupando uma faixa delgada ao norte do território exprimida entre as formações Caiuá e Botucatu. Ribas do Rio Pardo. parte superior do Grupo São Bento. até confrontar-se com o Chapadão do Taquari. aparece a partir do extremo sul do Estado. de 6 de outubro de 2006. limite com o Estado de Mato Grosso.1 Localização O Município de Campo Grande. Rochedo.2. A presença de arenitos intertrapeanos.096 km². Conforme a Lei Complementar n. paralelamente o curso do Rio Anhanduizinho. Nova Alvorada do Sul. Afonso Pena Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Físicos e Biológicos 31 . que institui o Plano Diretor de Campo Grande. além de aparecer em outros locais do município.

erosão. na confluência dos rios Anhanduizinho e Anhanduí. apresentam textura arenosa. Ocorre de maneira expressiva no Capítulo 2 32 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . passando pela região central até o extremo norte (Costa Rica e Chapadão do Sul). esta se estende desde o extremo sul do Estado. Planalto de Dourados. Mais informações sobre as características físicas de cada unidade geomorfológica poderão ser obtidas no Atlas Multirreferencial. Divisores Tabulares dos rios Verde e Pardo e Rampas Arenosas dos Planaltos Interiores. A Formação Caiuá mostra uma expressiva área de ocorrência no território do município de Campo Grande tendo como característica a uniformidade litológica e constituindo-se na mais representativa em relação as duas anteriores. Entre os solos. estende-se por quatro unidades geomorfológicas. Areias Quartzosas além da presença em pequena extensão de Solos Litólicos.2. A classe de solo dominante no município de Campo Grande é o Latossolo Vermelho-Escuro. 2. pouco desenvolvidos e excessivamente drenados. Paralelamente é acompanhada por uma ampla faixa de Areias Quartzosas que desce no mesmo sentido acompanhando a margem esquerda do rio Anhanduizinho. 2. Estende-se desde a parte superior do município de Campo Grande até o limite de seu território com os municípios Ribas do Rio Pardo e Rio Brilhante.2 Geomorfologia Aspectos Físicos e Biológicos O município de Campo Grande situa-se na região geomorfólogica denominada “Região dos Planaltos Arenítico-Basálticos Interiores” e por possuir um território com formato alongado no sentido NW-SE.2. os que abrangem o território do município de Campo Grande estão: Latossolo Vermelho-Escuro.3 Solos No Estado de Mato Grosso do Sul existem 25 classes de solos que estão identificados e caracterizados no Atlas Multirreferencial (1990).basalto pertencente a Formação Serra Geral. Latossolo Roxo. profundos. sendo elas: Patamares da Serra do Aporé. 1990. Quanto a Formação Caiuá. estendendo-se paralelamente ao Rio Paraná até a altura do município de Brasilândia. As Areias Quartzosas são solos minerais. o qual se apresenta normalmente com textura média e com o caráter álico. Esses solos apresentam variações na fertilidade natural face as diferentes condições de relevo. drenagem e vegetação em que se encontram.

Geralmente caracteriza-se por fanerófitas de porte reduzido. com apoio técnico do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT. Lago do Parque das Nações Indígenas de formas de vegetação que apresenta-se segundo um gradiente de biomassa. 2. Divide o território urbano de Campo Grande em cinco unidades homogêneas sintetizando suas características de solos e rochas. caracaterizados por apresentarem horizonte B latossólico (BL) com teores de óxido de ferro superiores a 18%. Independentemente do material originário. isoladas ou agrupadas sobre um revestimento graminóide hemicriptofítico. São bastante intemperizados.3. Campo Sujo.4 Carta Geotécnica A Carta Geotécnica de Campo Grande foi elaborada em 1991 pela Prefeitura Municipal de Campo Grande. além da presença da Floresta Aluvial (mata ciliar) e áreas de Tensão Ecológica representadas pelo contato Cerrado/Floresta Estacional Semidecidual e áreas das formações antrópicas utilizadas para agropecuária. Latossolo Roxo são solos minerais. sem impedimento ao desenvolvimento das raízes e manejo.2. Cerrado. diretamente relacionado à fertilidade do solo. com fisionomia diversificada. sendo suas principais fisionomias: Campo Limpo.município de Campo Grande ocupando a segunda maior porção do seu território.1 Vegetação O Município de Campo Grande localiza-se na zona neotropical pertencente aos domínios da região fitogeográfica do Cerrado. a qual está entre as mais ricas do mundo em número de espécies de plantas vasculares por unidade de área. Ocorrem em menor extensão se comparado com os mencionados anteriormente e estão sempre em contato com os cursos d'água dominando as áreas de fundo de vale. por meio do PLANURB. O Cerrado é caracterizado por uma flora antiga e rica em endemismos. apresenta boas propriedades físicas. O Cerrado encontrado no município pode ser abordado como sendo uma vegetação xeromórfica. constituindo-se em um conjunto Capítulo 2 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Físicos e Biológicos 33 . Cerradão. não hidromórficos. profundos e acentuadamente drenados com baixa susceptibilidade à erosão.3 Meio Biológico 2. 2. Desta forma possibilita a tomada de decisões e a adoção de diretrizes distintas para cada unidade visando prevenir possíveis problemas com o uso e a ocupação criteriosa do solo.

Apresenta vegetação lenhosa. essa fisionomia vem mudando gradativamente em função da introdução do cultivo da soja e milho na porção Oeste e eucalipto na porção Leste. ainda podemos encontrar nas matas ciliares espécies características das Florestas Aluviais. porém. Sua composição florística é bastante heterogênea devido à presença das várias fisionomias do Cerrado. com órgãos de reserva subterrâneos.113 hectares dos 810. A cobertura vegetal remanescente identificada para o ano de 2007 somou 168. com influência do Cerradão. correspondendo a 20. As pastagens introduzidas predominam na paisagem e ocupam grandes extensões das terras do município. porém. Os remanescentes existentes encontram-se invariavelmente degradados e fragmentados.Cobertura vegetal no Município de Campo Grande Capítulo 2 Fonte: SEMADUR Aspectos Físicos e Biológicos 34 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .7% de sua área. composta de brotos foliares bem protegidos. comumente profundos (xilopódios) além de folhas desenvolvidas com os estômatos normalmente abertos. Fonte: SEMADUR Mapa 1 . de casca grossa e rugosa.000 ha do território municipal.

Mapa 2 Capítulo 2 Fonte: SEMADUR Fonte: SEMADUR Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Físicos e Biológicos 35 . de 18 de julho de 2000. detentores de diversidade e de recursos naturais cuja proteção e preservação se torna fundamental para a manutenção e melhoria da qualidade de vida da população local e cuja solução dos problemas ainda se coloca como um desafio para os governos locais. possibilitando o manejo ecológico de espécies e ecossistemas importantes. 9. Sua criação.APA do Ceroula.985.2 Unidades Municipais de Conservação da Natureza As Unidades de Conservação são espaços territoriais especialmente protegidos. São elas: Área de Proteção Ambiental dos Mananciais do Córrego Lajeado .3. As Áreas de Proteção Ambiental – APA's. pertencentes ao Grupo de Unidades de Uso Sustentável. que criou o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC.APA do Guariroba.2. Área de Proteção Ambiental dos Mananciais do Córrego Guariroba . No município de Campo Grande existem três Unidades de Conservação da Natureza instituídas legalmente pelo Poder Público Municipal. implantação e implementação está regulamentada pela Lei n. destinados à proteção da fauna. constituem-se em um instrumento viável de gestão ambiental a ser aplicado em situações em que há uma pressão da expansão urbana sobre espaços importantes.APA do Lajeado. flora e à preservação da diversidade do patrimônio genético e dos processos ecológicos essenciais. e Área de Proteção Ambiental da Bacia do Córrego Ceroula .

e . Corresponde à parte das folhas Jaraguari – SF.178 de 22 de março de 2001.2. A maioria das propriedades rurais existentes na Aspectos Físicos e Biológicos APA (bacia do Córrego Guariroba) são destinadas à criação de bovinos de corte. cria e recria.promover o constante monitoramento da qualidade ambiental do manancial e a implementação de projetos específicos que possam contribuir com a sua conservação. afluente do Córrego Guariroba. 7. escala 1:100.183.3. realizou-se um estudo das potencialidades e o diagnóstico ambiental que culminou na criação do Plano de Manejo da APA e o Zoneamento das atividades desenvolvidas na área. O Plano de manejo da área de proteção ambiental dos mananciais do córrego Guariroba foi aprovado por meio da Resolução n. Em função da relevância dos cursos d'água que formam a área da APA do Guariroba. Esta área de proteção ambiental possui uma extensão de aproximadamente 40. de 21 de setembro de 1995 e teve seu Conselho Gestor criado por meio do Decreto n.1 Área de Proteção Ambiental dos Mananciais do Córrego Guariroba A APA do Guariroba foi criada pelo Decreto n. situada entre os paralelos 20º 29` 30`` (N).proteger o ecossistema. de forma extensiva. 21-X-B-VI.000 ha. Está localizada na grande unidade denominada Bacia Sedimentar do Paraná e encontra-se inserida na sub-bacia do Rio Pardo. 21-X-B-III e Lagoa Rica – SF. .000.Tem por finalidades: . as várzeas e os fundos de vale. Fonte: SEMADUR Capítulo 2 36 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .003 de 1º de fevereiro de 2010. da qual faz parte a sub-bacia do Córrego Guariroba.recuperar e conservar os mananciais de abastecimento público formados pela bacia do Córrego Guariroba. de modo a assegurar a sustentabilidade em quantidade e qualidade dos recursos hídricos. As águas do caudal principal são utilizadas para o abastecimento público da cidade de Campo Grande-MS.2. 8. as espécies raras e ameaçadas de extinção da região. do Ministério do Exército/1971. com a altitude variando de 480 m em sua foz e 620 m na nascente do Córrego Saltinho. 20º 46` 5`` (S) e entre os meridianos 54º 19` 39`` (L) e 54º 28` 30`` (O). da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano.

265. Cerrado Denso e Cerradão. Campo Úmido.1. cujo objetivo é assegurar a sustentabilidade em quantidade e qualidade dos recursos hídricos utilizados no abastecimento público da cidade de Campo Grande.88 4.757.3. Buritizal.29 1.Captação Superficial Capítulo 2 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Físicos e Biológicos 37 . bem como os problemas e eventuais conflitos e pressões identificadas.75 11. recuperação e de uso controlado.2.2.1 Fisionomia Vegetal Tabela 1 Área das Zonas Ambientais na APA do Guariroba Utilizando o sistema proposto por Ribeiro & Walter (1998) que apresenta uma chave de identificação das fisionomias associadas ao cerrado e a comparação com outros mapas.216. Mata Ciliar.3.65 29.719. o qual possibilitou a identificação das fisionomias descritas a seguir: Vereda.2 Zoneamento Ambiental da APA do Guariroba Dentre os instrumentos utilizados para o ordenamento territorial e gestão de APAs está o Zoneamento Ambiental.75 (%) 6.51 10. Foto: Águas Guariroba .1. Cerrado.26 4. Mata de Galeria Inundável.814. estabeleceu-se um paralelo para a classificação da vegetação com o sistema fisionômico-ecológico do IBGE (1992).86 42. como segue na tabela com as respectivas áreas e o percentual de cada zona no contexto da APA.99 1.61 2. Fonte: SEMADUR Zonas Ambientais Zona I: Proteção Integral e Equilíbrio Hidrológico Zona II: Recuperação e Conservação Dirigida Zona III: Conservação Especial Zona IV: Uso Controlado I Zona V: Uso Controlado II Zona VI: Uso Controlado III Fonte: SEMADUR/Plano de Manejo Área em (ha) 2.2. Mata de Galeria.420.33 15. O zoneamento define as zonas de proteção e conservação.06 4. bióticos e sociais. Tendo por base as características dos componentes físicos. o Zoneamento constitui ainda uma estratégia de recuperação e preservação dos recursos naturais da APA do Guariroba.

21-X-B-II e Sidrolândia – SF.693. 8.recuperar. de 27 de julho de áreas ocupadas por propriedades rurais. o solo. postos de combustíveis.Zoneamento Ambiental da APA do Guariroba formados pela bacia do Córrego Lajeado. da qual faz parte a sub-bacia do córrego Lajeado. usina de concreto. .promover programas. do Ministério do Exército/1971. assim como as várzeas e demais atributos naturais que possam ser considerados relevantes para a melhoria e conservação da qualidade ambiental da bacia. Esta APA possui uma área aproximada de 3. situada entre os paralelos 54º (N) e 55º (S) e entre os meridianos 20º (L) e 21º (O). as espécies raras e ameaçadas de extinção. de modo a que seus recursos hídricos tenham asseguradas.265. a sua quantidade e qualidade.2 Área de Proteção Ambiental dos Mananciais do Córrego Lajeado áreas urbanizadas pertencentes à cidade de Campo Grande e A APA do Lajeado foi criada pelo Decreto Municipal n.Mapa 3 . e. Dentro de seus limites encontramos diversas atividades em desenvolvimento. Aspectos Físicos e Biológicos Fonte: SEMADUR Capítulo 2 A área da APA do Lajeado é formada pela porção superior da bacia do Córrego Lajeado a qual encontra-se ocupada por 2. Tem por finalidade: as urbanas (oficinas mecânicas. predominando as 2001. de 5 de junho últimas. 8.555 ha. Corresponde à parte das folhas Campo Grande – SF. dentre as quais destacamos de 2003. proteger e conservar os mananciais de abastecimento público aeroporto. . loteamentos. e seu Conselho Gestor criado por meio do Decreto n. Está localizada na grande unidade denominada Bacia Sedimentar do Paraná e encontra-se inserida na sub-bacia do Rio Pardo. de forma sustentável. escala 1:100.3.000. . 21-X-B-V.2.proteger seus ecossistemas. projetos e ações de gestão e manejo da área que contribuam com a sustentabilidade econômica e social de atividades e empreendimentos compatíveis com as finalidades citadas . estação de 38 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .

. Apresenta predominantemente áreas ocupadas por propriedades rurais. os Parques Municipais do Prosa. Na região Central está o Parque Florestal Antônio Albuquerque. horticultura e piscicultura. .3. de 27 de julho de 2001. o Parque Estadual do Prosa.proteger os ecossistemas locais. proteger e conservar os cursos d'água que compõem a bacia do Córrego Ceroula. motéis etc. e. piscicultura. Fonte: SEMADUR pecuária. Na região do Prosa estão o Parque das Nações Indígenas. 8. da qual faz parte a sub-bacia do Córrego Ceroula. suinocultura.resguardar e valorizar aspectos culturais e históricos associados às comunidades locais e região. .3. horticultura. Quanto às atividades desenvolvidas destacam-se a 2.264. além das atividades de extração mineral. e teve seu Conselho Gestor criado pelo Decreto Municipal n. 8.tratamento de água.promover programas. A área da APA do Ceroula é formada pela parte superior da bacia do Córrego Ceroula que na sua porção Sul/Sudeste delimita-se com o perímetro urbano da cidade de Campo Grande. de 26 de dezembro de 2001. sendo formada pela área da bacia de drenagem do Córrego Ceroula existente no território do município de Campo Grande. Está localizada na Bacia do Alto Paraguai – BAP e encontra-se inserida na subbacia do Rio Aquidauana.365. Cônsul Assaf Trad e o Parque Ecológico do Sóter. projetos e ações de gestão e manejo da área que contribuam com a sustentabilidade econômica e social de atividades e empreendimentos compatíveis com as finalidades citadas. suas paisagens notáveis.3 Área de Proteção Ambiental da Bacia do Córrego Ceroula A APA do Ceroula foi criada pelo Decreto n.) e rurais (pecuária. o solo e demais atributos naturais que possam ser considerados relevantes.2.Parque das Nações Indígenas Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Físicos e Biológicos 39 . usina de asfalto e curtume/salgadeira etc. fabricação de artefatos em fibra de vidro.recuperar.3 Parques e outras Unidades de Conservação Em Campo Grande existem outras unidades de conservação que são objeto de interesse do poder público e estão distribuídas nas regiões urbanas do município. situada na porção norte do município de Campo Grande. Esta APA possui uma área aproximada de 66. Na região do Segredo está o Parque Estadual das Matas do Segredo e o Parque Capítulo 2 Monumento Índio Guaicuru . extração mineral etc. Tem como finalidade: .).954 ha. Fonte: SEMADUR 2.

Municipal Água Limpa. Na região do Anhanduizinho está o Parque Ecológico do Anhanduí e a Reserva Particular do Patrimônio Natural da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS. Na região do Bandeira está a Estação Ecológica do Dhama.

Evolução em ha e % em relação ao período anterior das Áreas Protegidas e Unidades de Conservação localizadas dentro do perímetro urbano entre 1912 e 2008

Capítulo 2
´Fonte: SEMADUR

Aspectos Físicos e Biológicos
40 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010

Mapa 4 - Localização dos Parques

Projeto Córrego Limpo - Córrego Sóter

Fonte: SEMADUR

2.4 Recursos Hídricos 2.4.1 Hidrografia O município de Campo Grande encontra-se localizado predominantemente na Bacia Hidrográfica do Rio Paraná, com exceção de uma pequena porção Noroeste de seu território que se situa na Bacia Hidrográfica do Rio Paraguai, na qual encontram-se os córregos Mateira, Ceroula e Angico. O Rio Anhanduí é o principal curso d'água do município, tendo como seus afluentes a maioria dos corpos d'água destacando-se o rio Anhanduizinho,

Ribeirão da Lontra e os córregos Cachoeira, Três Barras, Anhanduí, Lajeado, Lajeadinho, Imbirussu, Pouso Alegre, Do Engano, Mangue, Lagoa, Lagoinha, Estiva, Limpo, Da Areia, Arame e Fortaleza, além dos córregos Guariroba, Água Turva, Estaca e Ribeirão das Botas os quais são tributários da sub-bacia do rio Pardo, que por sua vez é afluente do rio Paraná. Os córregos Lajeado e Guariroba estão destinados ao fornecimento de água potável à população campo-grandense e contribuem com aproximadamente 80% de toda água consumida. Com relação às águas subterrâneas, o município de Campo Grande apresenta basicamente três unidades fontes, associadas a três formações geológicas diferentes. A primeira, mais superficial, localizada na região oeste do Município está relacionada aos arenitos do Grupo Bauru. A segunda encontra-se associada às rochas da Formação Serra Geral, em zonas de fraturamentos, a qual encontra-se parcialmente sobreposta pela formação anterior. Por fim,
Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010

Capítulo 2

Aspectos Físicos e Biológicos
41

Mapa 5

MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE - HIDROGRAFIA - 2009
ROCHEDO
COR. ANGICO

CO R
COR. RETIRO

.M

AT EIR

A

DISTRITO DE ROCHEDINHO

CO R.

CE RO UL A

COR A TAC . ES

. COR AS B OT

JARAGUARI

TERENOS
CO O .B R

CAMPO GRANDE - SEDE -

R CO
O IR R UA BA

.B

A OT

S

LEGENDA
Rio, Ribeirão e Córrego Limite Intermunicipal Rio, Ribeirão e Córrego Limite Intermunicipal Perímetro Urbano

COR

RIVÁ . GE

S TA

CO

.G R

Aspectos Físicos e Biológicos

LA G

O

IN H

CO R.

HO

EIR

A

CO R. Á G

CO

A

R.

CA C

COR. MANGU E

R.

CO

CO R. PO US O ALEGRE

ESPERANÇA

CO

R.

CO R.

A P IN C AM

C OR .P

O NT E NOVA

EN GA NO

CO R.

DO

RIB .L IMP

O

ND UÍ RIO ANHA

AS

BA

Ê TR

S

UA T

UR VA

RR

BA RI S O D

A DI AN OL DR SI

IO R

RI O AN ND HA

R PA

A TR ON .L RIB

RI O

COR .

DO

DA

DISTRITO DE ANHANDUÍ

AN HA ND UÍ

P ED RA

IN UZ HO

VA NO DA RA VO AL
O RI Í DU AN H AN

O RI UZ ND HA AN HO IN

. RI B RA NT LO

Sem Escala

DO

L SU

R. CO DA A EI AR

Capítulo 2
Fonte: SEMADUR

RIO

A NH

AND UÍ

42

Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010

Através de mapeamento da rede hidrográfica do município foram identificadas 28 nascentes no perímetro urbano. 2.4.2 Carta de Drenagem A Carta de Drenagem subdivide a rede hidrográfica de Campo Grande em 10 micro-bacias, sendo elas: Bandeira, Prosa, Anhanduí, Lajeado, Gameleira, Bálsamo, Imbirussu, Coqueiro, Segredo e Lagoa.

Fonte: SEMADUR

Capítulo 2

Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010

Aspectos Físicos e Biológicos
43

num nível mais profundo, encontram-se as rochas da Formação Botucatu, que d e v i d o à s s u a s c a ra c t e r í s t i c a s petrográficas e abrangência em termos de área, contém o maior aquífero subterrâneo da América do Sul, denominado de Aquífero Guarani. Assim, devido a estas peculiaridades, Campo Grande pode ser considerado um município bem servido de águas subterrâneas para as mais diversas finalidades, desde o abastecimento doméstico até para industriais.

Mapa 6 - Localização das nascentes dos córregos no perímetro urbano de Campo Grande

2009 Có r reg o Bot a s SEGREDO Có C go órre Córrego Soter PROSA Aspectos Físicos e Biológicos Córrego S erradinho IMBIRUSSU Córrego Segredo CENTRO Córre ju araca go M Córre osa go Pr C ór rego Ven da s us sú rre go Lag oa oA Có Ri rre go BANDEIRA handuí Rio An ANHANDUIZINHO Có rre g mo lsa á oB LEGENDA LEITO NATURAL CANALIZAÇÃO ABERTA CANALIZAÇÃO FECHADA Córrego Lageado Sem Escala Capítulo 2 Fonte: PLANURB 44 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Có rre go La ge ad o LAGOA rre Có Có da sC ab aç as bir Im go nh an du í Cór r a deir Ban o eg Córrego biru Im o g rre ss ú o cud Cas Pedregulh o q o Co reg Cór ue iro .Mapa 7 REDE HIDROGRÁFICA .

7 .4 16.1 31.0 NNE Dez. Média Min.0 30. 37.8 179.6 NE Abr.2 NW Fev.5 102..1 28.5.4 354.5 1.7 15.7 113.0 171. 17.8 25. 17.6 266. .0 32.6 1.4 85. 2008* 2009* 261.2 17.3 54.7 14.8 Junho 2.6 252..1 309. 12.0 62.6 20.9 140.0 5. 18.7 1.0 16.0 46.2 17.443.9 96.9 32.4 22.4 170.6 2.6 23.8 93. 17.9 Maio 144.7 Fev.4 152.8 75.1 22.2 77.1 39.5 125.2 .6 30.0 23.3 2. 32.4 29.3 30.7 20.5 14.0 139..4 146.7 168.9 70.2 114.7 24.8 31.4 17.8 31.7 90.4 189.5 171.8 32. 11.6 27.8 .8 11. .6 26.1 100.0 24.5 27.2 23.8 106.9 78.9 28..1 30.3 29...6 17.7 1.4 30.. segundo a classificação de Koppen.2 163.8 32.1 196.5.4 ENE Out. . 17. 31.0 37.6 214..5 Set.0 1. 30.9 18.7 18. situa-se na faixa de transição entre o sub-tipo (Cfa) mesotérmico úmido sem estiagem e o subtipo (Aw) tropical úmido.646.1 Pluviometria 2.7 14. 14.7 107.7 21.5 159.568.5 19.6 32.6 Outubro 162.3 21.1 241.9 25.4 Novembro 64.0 48.0 176.423.5 217.6 16. 30.3 33.4 20.0 21.6 Abril 40. 35.3 24. 25.6 Abr.5 2..8 149.2 13.7 ENE Set..3 134.6 96.. .5 NW Fonte:Uniderp/Anhanguera Tabela 2 Precipitação acumulada (mm) em Campo Grande – 1996/2009 Precipitação anual (mm) Mês 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 Janeiro 271.0 Maio 29.5 18.4 182..9 Setembro 116.0 7.1 30.657.2 E Nov.0 20.3 131.6 1.4 Dez. 16.1 21. Média Min.7 25..0 2. 30.1 24.8 24.9 2.4 Jul.4 22.4 54.4 220.3 96.1 21.4 2.2 105.3 ..0 29.1 30.4 181.5 35.7 Julho 6.9 89.9 83.072.8 33.3 20.3 78.4 22. 34.7 154.7 26.5 20.6 1. 28.8 1.6 2006 149. 2.6 Mar. 30.7 1.3 66..4 0.5 .0 101.9 Fonte: Embrapa Gado de Corte * Uniderp/Anhanguera 2.4 12.2009 Ano/Meses 2009 Max.3 Ventos Tabela 4 Velocidade dos ventos (m/s) .3 2. 31.1 ENE Jul.1 31. 37.4 63..4 192.2.6 24.5...2 92..9 19.2 128.5 43.8 1.1 2.0 Fevereiro 147.9 132.5 117. .5 Climatologia O clima de Campo Grande. Média Direção dominante Jan.670. 33.1 38.8 12. 15.6 17. . 27.2 127.6 1.3 17.0 91.5 Agosto 4.2 40.9 ENE Jun. .8 31.3 21. com estação chuvosa no verão e seca no inverno..9 57..6 115.0 40..7 115. Consideração análoga aplica-se à temperatura mínima.0 49.5 2006 (1) 2008*(2) 2009*(2) Min.4 236. .9 249.5 39.972.. Museu José Antônio Pereira Fonte: Embrapa Gado de Corte * Uniderp/Anhanguera Nota: (1) Os valores de temperatura máxima correspondem à média dos valores máximos diários ocorridos no mês.9 20.8 8.3 22.0 232.9 302.0 29.0 7.2 118.8 177.4 221..1 166.3 17.0 0.5 Jun..7 Ago.1 24.1 148. .1 113.8 NNE Mar. Max.1 ENE Ago..2 Temperaturas Tabela 3 Temperaturas máximas..6 97.7 24. Média Min.087.7 122.4 275.6 298.0 1.4 20.8 15.1 0.2 25. médias e mínimas em Campo Grande (°C) – 2005/2009 Ano/Meses Max.3 178.5 20.0 1.0 23.1 25.9 103.7 19.2 188.2 Out.1 114.7 18..3 24.2 83.505.9 21..2 19.5 55.6 28.9 Total 1.2 21.8 198.4 31.8 Março 149.3 6.3 1.8 18.3 21.8 1.1 203.. 30.217. 2005(1) Média Jan.6 19..6 68.8 75.5 24.8 21.2 .8 E Maio 20.2 14.8 19.0 244. 30.4 134.4 93.3 18.0 160. 22.5 .4 128.4 0.0 64.3 44.0 96. .2 29. (2) Os valores de temperatura máxima e mínima correspondem à valores absolutos Capítulo 2 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Físicos e Biológicos 45 .. Max.9 20.277.2 334.1 271.6 1. .0 23.1 19..8 Nov.7 52.7 131.7 156.4 170.8 14.4 23.4 26.2 237.4 20..0 0. Max.5 Dezembro 168.9 15.3 203.2 31.1 41.3 24.2 24.5 196.6 27.8 24..6 64..

3 Aspectos Físicos e Territoriais .

Córrego Parcelamentos até 1950 LEGENDA Perímetro Urbano . Córrego Parcelamentos até 1970 LEGENDA Perímetro Urbano .2005 Ferrovia Rio. Córrego Parcelamentos até 1980 Sem Escala Fonte: PLANURB Sem Escala Fonte: PLANURB Sem Escala Fonte: PLANURB LEGENDA Perímetro Urbano .2005 Ferrovia Rio. Córrego Parcelamentos até 2000 LEGENDA Perímetro Urbano . Córrego Parcelamentos até 2009 . Córrego Parcelamentos até 1960 LEGENDA Perímetro Urbano .2005 Ferrovia Rio.2005 Ferrovia Rio.2005 Ferrovia Rio. Córrego Parcelamentos até 1990 LEGENDA Perímetro Urbano .2005 Ferrovia Rio.Sem Escala Sem Escala Fonte: PLANURB Sem Escala Fonte: PLANURB Sem Escala Fonte: PLANURB Fonte: PLANURB LEGENDA Perímetro Urbano .2005 Ferrovia Rio.

Historicamente. com suaves ondulações e baixa declividade. Dissertação (Mestrado em Estruturas Ambientais e Urbanas) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo. O acesso a esses bairros se dava praticamente através de uma rua ou avenida. as barreiras físicas foram vencidas no sentido oeste. permitindo seu crescimento em todas as direções geográficas. 217p.Ministério do Exército. áreas loteadas foram surgindo entremeadas de glebas não loteadas e desligadas da trama urbana. São Paulo. Cidade Universitária . Praça Poliesportiva Belmar Fidalgo Capítulo 3 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Físicos e Territoriais 49 . assim como pelo leito dos Córregos Prosa e Segredo (hoje canalizados). as próprias saídas ou rodovias desempenhavam este papel de eixo entre centro e bairros. com a construção da ferrovia. A expansão urbana foi condicionada à existência de bloqueios representados por grandes áreas institucionais . destinados. tendo em vista suas características praticamente planas. que no início se constituíram em obstáculos para o crescimento da cidade na direção sul e oeste. a ocupação da malha urbana se deu entre as margens dos córregos Prosa e Segredo. 1997. Aeroporto Internacional. Consolidou-se assim uma configuração urbana radial onde praticamente todos os acessos convergem para o centro. A expansão da malha urbana da cidade não se deu em grande parte de forma contínua. A verdadeira explosão do tecido urbano aconteceu na década de 60. a abrigar a população de baixa renda que se dirigia em fluxos cadavez maiores para a cidade. que seccionava a trama viária da cidade em vários pontos. com a instalação dos quartéis nessa área da cidade. cuja ocupação se efetivou na década de 30. Vazios Urbanos: uma abordagem do ambiente construído. reforçando a centralidade comercial e de serviços que caracterizam a cidade de Campo Grande desde a década de 60. Normalmente. na sua maioria. pois foi o grande facilitador da ocupação espraiada. A estrutura viária acompanha os principais corredores de expansão urbana. Instituto Municipal de Planejamento Urbano – Planurb em que surgiram os grandes loteamentos afastados do centro comercial.e pelo traçado sinuoso dos trilhos da Rede Ferroviária Federal – antiga Noroeste do Brasil. Base Aérea de Campo Grande. I.1 A malha urbana e sua ocupação (1) O sítio natural onde surgiu Campo Grande mostra sua grande influência na configuração atual da cidade. momento (¹) EBNER. A partir de 1914. Assim. os fluxos urbanos se dão no sentido bairro-centro-bairro e com pouca acessibilidade direta entre as regiões urbanas.3. pelo contrário. A R.

746. sendo sete na sede e duas nos Distritos de Rochedinho e Anhanduí. Para fins de planejamento. 68. a criação de um Sistema de Planejamento e a gestão democrática da Cidade. de 30 de julho de 1990. Lei Complementar n. que se diferenciam pela infraestrutura exigida. de 22 de dezembro de 2000. de Pedestres e Ciclovias. lazer e cultural (UL) e especial (UE). intensificando o trânsito e o uso destas avenidas. Lei n. tendo como foco principal o cumprimento da função social da cidade e da propriedade. 25. de 10 de agosto de 2004. como acesso aos novos bairros periféricos. Lei n.567 sofreu alterações através das seguintes leis: Lei n. 1. Em 13 de dezembro de 1996. 2.567.747/78. reforçou a tendência de fluxo e comércio nas avenidas. 54. L3 e L4. de 02 de julho de 1999. Lei Complementar n.054. Arteriais. comercial atacadista (UA). A Lei de Uso do Solo n. comercial varejista (UV). de 20 de dezembro de 1994. Lei Complementar n. 35. serviço (US). através da criação das vias Perimetrais. 33. industrial (UI). A Lei Complementar n. e prevista a criação dos Conselhos Regionais com a atribuição principal de acompanhar a aplicação das diretrizes do Plano Diretor e a discussão do Orçamento Anual. Lei Complementar n. de recreação. 05 instituindo o Plano Diretor da Cidade de Campo Grande. compatibiliza a Zona aos usos permitidos . de 11 de setembro de 2000. A Lei n. Lei Complementar n. 3.360 instituiu a Hierarquização do Sistema Viário da Cidade de Campo Grande como elemento ordenador do trânsito e do transporte a ser considerado no gerenciamento do espaço urbano. o Decreto n. desencadeando um processo de atividades comerciais e de serviços nesses locais.Av. Principais. 2. Em 8 de dezembro de 1988 foi aprovada a Lei de Ordenamento do Uso e da Ocupação do Solo. Em 22 de novembro de 1995 foi editada a Lei Complementar n. de 13 de dezembro de 1999. o território urbano de Campo Grande foi subdividido em nove regiões urbanas.107. Capítulo 3 Aspectos Físicos e Territoriais Obelisco . Campo Grande teve seu Plano Diretor instituído. L2. Locais. Lei n.residencial (UR). de 16 de junho de 1994. 26. Lei Complementar n.L5 e o Loteamento Fechado em Área Rural – L6. que trata do parcelamento do solo urbano definindo padrões de loteamento: L1. Lei Complementar n.720. 3. de 21 de maio de 1990. sacramentou o aproveitamento das saídas da cidade. de 12 de agosto de 1999. 2. Após quatorze anos como Capital do Estado de Mato Grosso do Sul. de 1º de julho de 2003. Lei n. Afonso Pena 50 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . 31.com poucas vias estruturais e acessos básicos se interligando através do minianel de circulação. 7. estabelece índices urbanísticos para cada zona e institui áreas de Regime Urbanístico Específico – RESP e a Guia de Diretrizes Urbanísticas (GDU). 2. 54 ampliou os gêneros de loteamento criando o Loteamento Fechado .

94.567.6535 ha a área urbana da sede do município. o perímetro urbano sofreu as seguintes ampliações: Anexação do Núcleo Industrial – através do Decreto n. Capítulo 3 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Físicos e Territoriais 51 . Zona Especial de Interesse Urbanístico – ZEIU. a transferência do direito de construir.316. 7. a área urbana da cidade de Campo Grande foi fixada em 26. que instituiu a Política de Desenvolvimento e o Plano Diretor de Campo Grande. de 08 de dezembro de 1988. 31. Zona Especial de Interesse Cultural – ZEIC.A Lei Complementar n. de 06 de junho de 1969. Zona Especial de Interesse Ambiental – SEIA. a área urbana passou a ter 28. Av. Afonso Pena Em 2006. estabeleceu em 34.5746 m². Anexação de área para a construção do Conjunto Habitacional Moreninha III (Programa PROMORAR) – através da Lei n.661.5 m². Os instrumentos urbanísticos previstos no Estatuto da Cidade foram também recepcionados. e instituiu a nova hierarquização do sistema viário. bem como o Decreto n. Macrozona de Adensamento Restrito – MZ3. enquadrando as vias em: via de trânsito rápido. manteve as nove regiões urbanas existentes e criou na área urbana de Campo Grande as macrozonas e as zonas especiais.209. o direito de superfície e o direito de preempção. de 20 de dezembro de 1994. via coletora.0746 m². 4 1 9 h a + 7.223 ha. 74/2005 revogou a Lei n. Introdução de áreas para a construção de conjuntos habitacionais – de acordo com a Lei n.360/1996. além de incorporar em seu texto as zonas e corredores previstos na Lei de Ordenamento do Uso e da Ocupação do Solo.107. 2. tais como: a operação urbana consorciada. via local e ciclovia.115. Essa nova versão atualizou o antigo Plano Diretor em relação à legislação urbanística vigente e. de 23 de março de 1976. de 27 de maio de 1980.891.452. a outorga onerosa do direito de construir. e através da Lei n.2 Área urbana Através do Decreto n. para efeito de ordenamento territorial. de 13 de dezembro de 1999. A Lei Complementar n. Escola de Governo .Prefeitura Municipal de Campo Grande 3. foi acrescida em 15 ha + 9. via arterial. a área urbana de Campo Grande foi definida em 33.403 ha + 8. 2. de 1º de julho de 1982. 3. após dez anos de vigência e de um amplo processo de discussão democrática a respeito da revisão do Plano Diretor. atingindo um t o ta l d e 3 3 .003. 3. 2. foi aprovada a Lei Complementar n. Posteriormente. Macrozona de Adensamento Secundário – MZ2. 4. 1. Em função destes acréscimos. de 06 de outubro de 2006. Zona Especial de Interesse Social – ZEIS.052.567/88 e suas alterações. perfazendo um crescimento da ordem de 7% num período de 6 anos. Através da Lei n. tais como: Macrozona de Adensamento Prioritário – MZ1.500 ha.

inciso XVI. e) Zona de Serviços 1.2 . n. Em meados de 1977. ao sistema viário e ao transporte coletivo. foi elaborado o trabalho "Cidade de Campo Grande Estrutura Urbana". de 21/10/83. então. 1.3 .28 m e área total intraperimetral de 55.SEMUR. a nova Lei de Ordenamento do Uso e da Ocupação do Solo. da Lei Orgânica de Campo Grande.747. de 04 de abril de 1990.896. Esta Lei também estabelece o perímetro total de 13. d) Zona de Baixa Densidade 2.29 ha para o distrito de Anhanduí. f) Zona de Serviços 2. 2. de 29 de janeiro de 1973. da aplicação da Lei n. Ceará das suas alterações através da Lei n. procedeu levantamento de uso do solo urbano. elaborado pela Hidroservice . Aspectos Físicos e Territoriais Capítulo 3 De acordo com o artigo 22. pelo escritório do arquiteto Jaime Lerner. e Av. proposta em 1970 pelo Plano de Desenvolvimento Integrado (PDI). 2.835 m e área total intraperimetral de 35.A Lei Complementar n.747 de 1978. de 08/10/82 e Lei n. b) Zona Comercial (ZC). estabeleceu o perímetro total de 90.Engenharia de Projetos Ltda.028. 3. zoneou a cidade em: a) Zona de Alta Densidade. Em 1987.PLANURB. Lei n. 74. de 29 de maio de 1978. g) Zona Verde. h) Zona Especial.58 ha. implantação e manutenção de sistemas de informação voltados ao planejamento e à gestão do desenvolvimento municipal e elaboração de projetos urbanísticos.1 .668. que estabeleceu o seguinte zoneamento: a) ZR. c) Zona Industrial Atacadista (ZIA). Esta lei. e criou 74 bairros visando servir de base para composição dos Conselhos Regionais. principalmente. 1. compete à Câmara Municipal. 2.156. b) Zona de Média Densidade. com a sanção do prefeito. que zoneava a cidade em: a) Zona Central (C). disciplinando e orientando o crescimento da cidade. alterada inúmeras vezes desde a sua promulgação. através da definição das diretrizes da estrutura urbana associadas ao uso do solo.Zona Residencial Exclusiva. c) Zona de Baixa Densidade 1.567.3 O uso do solo urbano O uso do solo urbano em Campo Grande até 1978 era regido pela Lei Municipal n.42 m. de 10/07/80. juntamente com a Secretaria Municipal do Controle Urbanístico . e área total intraperimetral de 723. visando identificar a real ocupação e o zoneamento na cidade a partir.Zona Residencial de Uso Diversificado.429. d) Zona Residencial (ZR) e e) Zona Especial de Recreação (ZER). para o distrito de Rochedinho o perímetro total de 4. dispor sobre a delimitação do perímetro urbano. 1. c) ZR.095.302. Elaborou-se.Zona Residencial Predominante. 1. de 6 de setembro de 2005. a Unidade de Planejamento Urbano de Campo Grande . b) ZR.82 ha para a sede do município de Campo Grande. que deu origem à Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 52 . de 08 de dezembro de 1988. Lei n.

Córrego ANEXO II PLANTA 02 MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE TARUMÃ LAGEADO CENTRO OESTE LOS ANGELES MORENINHA ÁREA URBANA DA SEDE BAIRROS Sem Escala .Mapa 8 BAIRROS NOVA LIMA MATA DO SEGREDO NOVOS ESTADOS NASSER JOSÉ ABRÃO SEMINÁRIO MONTE CASTELO MATA DO JACINTO ESTRELA DALVA CORONEL ANTONINO SANTO AMARO PANAMA SÃO FRANCISCO SOBRINHO CABREÚVA SANTO ANTONIO PLANALTO CENTRO TAVEIRÓPOLIS AMAMBAÍ NOVA CAMPO GRANDE MARGARIDA CARANDÁ CHÁCARA DOS PODERES AUTONOMISTA CRUZEIRO POPULAR VERANEIO SANTA FÉ JARDIM DOS ESTADOS CHÁCARA CACHOEIRA NOROESTE UNIÃO ITANHANGÁ BELA VISTA SÃO BENTO CARVALHO BANDEIRANTES SÃO LOURENÇO MONTE LÍBANO TAQUARUSSÚ GLÓRIA CAIÇARA JACY AMÉRICA TV MORENA JOCKEY CLUB JARDIM PAULISTA CARLOTA PIRATININGA GUANANDI DR ALBUQUERQUE RITA VIEIRA PARATI PIONEIROS AERO RANCHO TIRADENTES VILASBOAS MARIA APARECIDA PEDROSSIAN NÚCLEO INDUSTRIAL SÃO CONRADO LEBLON TIJUCA CAIOBA UNIVERSITÁRIO BATISTÃO ALVES PEREIRA COOPHAVILA II CENTENÁRIO LEI COMPLEMENTAR n. LEGENDA Bairro Linha Férrea Rio. DE 6 DE SETEMBRO DE 2005. 74.

LEI COMPLEMENTAR n. Córrego Malha Urbana Z7 LEI COMPLEMENTAR n.Mapa 9 ZONEAMENTO . 141/2009 Z2 ANEXO II PLANTA 03 Z6 MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE ÁREA URBANA DA SEDE Z2 Z6 ZONEAMENTO Escala Gráfica 900 0 900 1800 2700 m . 141/2009 Z1 Z5 Z1 Z6 Z7 Z1 Z9 Z3 Z13 Z5 Z12 Z11 Z10 Z8 Z10 Z4 Z6 Z4 Z2 Z3 Z5 Z6 LEGENDA Z1 Z2 Z3 Z4 Z5 Z6 Z7 Z8 Z9 Z10 Z11 Z12 Z13 C1 C2 C3 C4 C5 C6 Linha Férrea Rio.

051.097 3.022. 4.50 996.634.80 Áreas com Outras Destinações (m²) 137.499.64 1995 6.80 Área de Lazer (m²) 47.038.76 22.670.69 220.315.076.187 2.579 k) Z11 – Zona 11.788. 1.Zona Comercial e de Serviços Central.54 1.20 Capítulo 3 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Físicos e Territoriais 55 d) ZR.709.823. n) C3 – Corredor Viário 3.32 446.033. r) CM.63 528.00 88.Zona Comercial e de Serviços Mista.85 871.380.2 .695. que criou a Z13.181. o) CM.02 110.829.781.2 .587.Zona de Transição de Uso Comercial e Industrial Vinculado.918.801.009.067 3.90 601.32 776.568.307.32 335.200.21 285.59 186. p) C5 – Corredor viário 5.226.20 286.66 22.38 216.54 5.45 3.05 153.266.232. o) C4 – Corredor Viário 4.141.429.4 .13 629.611.571. 1.477.36 35. 371.967 14 1. i) ZI.947.1 .940 73.77 192.14 1.11 546.923.21 1.01 442.426 2002 9 E os Corredores Viários: l) C1 – Corredor Viário 1.575.033.884 1999 10 2.83 Área Pública (m²) 18.503 1990 9 e) Z5 – Zona 5.699.128.405.77 9.578.503. Área Total Área de Lotes Área de Ruas Nº de Nº de Ano c) Z3 – Zona 3.98 479.95 30.17 1.Zona Institucional de Áreas Organizadas.32 40.56 13 2000 4.01 165.062.52 119. 74/2005 estabeleceu as seguintes zonas: Tabela 5 Evolução dos Loteamentos Aprovados – 1989-2009 a) Z1 – Zona 1. 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 TOTAL Fonte: SEMADUR.989.743.3 .531.14 1991 16 4. g) ZC. 1.894.72 2. 1. p) CM.23 206.158. 6 14 8 12 14 7 14 224 2.793.23 2001 6 2.815.68 270.76 160.745.921.598.876.03 140.505.782.181.944 j) Z10 – Zona 10. A Lei Complementar n.18 931.019.802.17 622.Corredor de Uso Múltiplo 2 .464 1.669.528.83 1993 3.261.56 269.009.368.95 63.52 1.19 4.1 .62 147. h )ZI.392.07 313.162.Zona Industrial Exclusiva.933.87 1996 6 588 h) Z8 – Zona 8. .923.28 824.70 23 8.18 1.786. transformou parte da Z11 em Z12.04 2. m) ZT.18 403. de 21 de dezembro de 2007 e da Lei Complementar n.802.052.00 1989 552 1 2.597.19 36.76 57.60 181.36 2.75 85.853.689 14 371.30 13.184.655. Sendo incluídos posteriormente: q) CM. e) ZC.712. q) C6 – Corredor viário 6. b) Z2 – Zona 2.301.481.208 977.831.631.885.52 10.48 1994 8 2.128.615.30 193. de 19 de agosto de 2009. Houve alterações na legislação através da Lei Complementar n.22 3.524.820.298.395 1997 1.857.1 .288.82 1992 8 1.46 3.516.436 3. 107.Corredor de Uso Múltiplo 3.504.744 g) Z7 – Zona 7.000.Zona Institucional do Aeroporto Internacional de Campo Grande.271. k) ZN.993 1998 12 i) Z9 – Zona 9.36 23.565.03 907.241.58 384.14 2.206.50 4.A Lei Complementar n.083.316.2 .Corredor de Uso Múltiplo 1.Corredor de Uso Múltiplo 4.Zona Residencial Mista.686.83 992.01 1.395.53 612.248.28 523.131.579.582.149.627.637.92 792.43 117. n) ZT.93 981.896.1 .548.228.176. 141.579.45 638.31 80.741.687.00 125.367.686.2 . 3.693. de 14 de dezembro de 2006. m) C2 – Corredor Viário 2.48 561. j) ZN.000.44 1.564. f) ZC.Zona de Transição de Uso Misto Vinculado.3 .33 46.432. Loteada (m²) (m²) (m²) Loteamentos Lotes d) Z4 – Zona 4.2 .94 1.24 12. 2.44 85.761.43 2. l) ZT.54 49.101.549.Zona Comercial e de Serviços Sub-Central.832.17 Área Reservada (m²) 46. também alterou o uso do corredor C3.80 216.3 .300.57 167.252. delimitou seu polígono e criou índices urbanísticos.54 466.936.88 4.Zona de Transição de Uso Rural Vinculado.264 4.87 239.64 2.543.240.682.1 .126.118.331. instituindo mais uma zona na área urbana.217.69 420.012.18 438.400.870 f) Z6 – Zona 6.4 .393.30 551.659.48 257.62 244.619 900.552.17 170.336.473.573.Zona Industrial Predominante.60 370.59 267.699.703.81 1.28 847.200.156. 96.009.977.

666.365.63 55.72 43.92 905.565.801.549.603.392.631.369.65 11.67 479.000.14 20.615.000.03 17.438.457.I.22 6.00 35.52 122.187 428 12 187 67 178 232 1.869.61 133.809.219.612.832.95 9.559. 74 de 06/09/2005.498.534.66 62.87 Aspectos Físicos e Territoriais Jardim Nova Capital Jardim Paulo Coelho Machado Jardim Gramado Loteamento Sóter 2002 Jar dim Monterey Jardim das Virtudes Parque Novo Século Getúlia Barbosa Jardim Arco-Íris Total Residencial Joana D'Arc Parque Residencial dos Girassóis Tarsíla do Amaral 2003 Residencial Ilhéus Jardim Villa Lobos Jardim Radialista Total Bosque da Esperança Jardim Nova Jerusalém Lot.00 4.508.00 96.45 1.363.896.58 6.110.313.76 16.76 220.00 96.358.21 931.I.102.53² 117.30 23.33 53.50 1.99 33.42 49.17 15.597.93 16.851.31 4.41 96.402.00 95.000.32 Área de lotes 94. Capítulo 3 56 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 * A área do empreendimento de Domínio Público Municipal.047.01 2.000.63 42.029.28 24.786.10 4.) Conforme art.18 19.92 15.70 1.37 8.005.58 931.88 85.36 35.659.59 4.000. foi permutada por outra área (adjacente) do mesmo proprietário de igual valor.082.446.342.847.350.73 7.110.00 301.22 327.23 16.274.044.36 22.35 91.55 124.77 Área pública 61.01 7.952.047.952.23 267.000.21 2.R.01 27.572.R.30 244.132.059.705.762.52 218.675.200.38 1.26 9.313.565.10 20.529. foi doado conforme Lei Complementar n.945.88 64.69 7.25 11.68 187.745.364.00 245.157.28 981.893.451.41 15.45 * * 39.35 57.74 9.436 237 23 295 65 69 131 642 677 376 487 387 49 463 39 3.93 931.098.070. .838.750.66 7.39 1.193.20 25.61 30.696.047.90 70.383.29 37.281.67 221.920.436 3.673.179.041.34 77.46 78.839.332 2.479.00 8.50 15.98 551.53 22.564.393.38 203.469.412.54 9.07 89.07 375.983.19 78.54 239.800. conforme solicitação do proprietário na Guia de Diretrizes Urbanísticas – GDU.99 63.21 15.097.04 1.252.80 13.083.28 Área pública 33.565. inciso V da Lei Complementar 74/2005.94 94.103.000.669.33 448.045.500 71 113 151 248 634 137 131 3.00 2.00 83.00 79.00 10.00 22.99 14.024.20 20.000.578.543.11 221.101.090.406.58 11.26 143.62 40.200.56 31.649.25 35.786.23 132.12 132.266.025.009.54 21.92 * 8.23 71.15 15.565.44 37.00 210.560.44 2.006.063.623.170.67 45.582.029.17 131.885.54 291.743.637.33 275.49 523.44 330.615.00 59.708.97 7.06 77.927.363.000.025.97 2.246.012.03 16.74 64.509.14 50.637.34 23.181.15 94.44 7.94 67.136.12 1.319.231.00 517.97 138.252.54 370.549.679.03 907.103.654.67 45.04 370.56 27.015.747.55 2.665.06 15. 5º Inciso VII.92 6.05 49.744.957.40 8.380.779.98 12.069.114.581.147.80 2.655.38 29.00 17. inciso V da Lei Complementar 74/2005.670.49 57.783.35 10.362.95 40.698.79 871.19 Tabela 6 Loteamentos Aprovados 2002-2009 Ano Nome do Loteamento Nº de lotes 441 1.00 124.50 20.03 622.45 2.82 85.27 116.332.531.64 24.85 20.33 8.744.719.346.80 25.32 6.846.110.473.00 106.606. 3 Cancelado 4 Loteamento Setvillage I doou área 8A (mat.00 166.14 824.16 52.64 38.000.128.31 73.669.69 Área total 305.68 1.353.766.22 977.049.77 792.493.834.584.326.56 72.69 13.887.45 89.642.122.10 2.473.640.27 6.61 54.14 66.21 824.773.82 23.194. da Cruz José Tavares do Couto Garcia Edson Brito Coriolando da Silva Correa I Coriolando da Silva Correa II Jardim Colorado 2006 Colinas de Campo Grande 2006 Jardim das Princesas I Jardim das Princesas II Serraville³ Alphaville Praia da Urca Total Recanto Pantaneiro Terras do Golfe Hugo Rodrigues Villas Park Residence Serraville Residencial Gama Villa Ravenna 2007 Residencial Aquarius I 2007 Residencial Aquarius II Residencial Porto Remanso Residencial Porto Esperança Vila Nathália Loteamento Vitta Bella Vila Fernanda Total Água Limpa Park Quintas do Rio Vermeho Setvillage I 4 Vila Ravenna II 2008 Setvillage II5 Residencial Carajás Riviera Park Total Porto Galo Vila Áurea João Amorim Cidade Nova Geraldo Correa Gabura Iguatemi 2009 North Park Terra Morena Rancho Alegre I Rancho Alegre III Lot.81 4.693.847.102.20 89.04 90.72 931.50¹ 2.85 140.24 313.00 12. 54 de 01/07/2003.99 125.67 65.321.634. 2 A área do empreendimento de Domínio Público Municipal.91 453.499.36 1.03 10.14 213.668.112.932.66 2.746.855.00 4.53 18. conforme Lei Complementar n.89 31.28 18.882.508.155.436 4.66 122.832.426 44 1.00 * 21.597.26 54.95 2.945.75 8.706.216.258.508.107.43 72.000.977.478.42 39.782.964.95 8.483.Ano Nome do Loteamento Nº de lotes 433 572 138 56 45 683 18 14 14 506 495 290 2.81 10.948.88 137.867.88 39.949.717.656.627.98 20.438.666.615.198.426.965.973.579.40 451.437. destinada a equipamentos comunitários.81 Área de lotes 181.217.14 30.43 451.477.710.62 3.781.96 70.922.927.128.54 210.84 17.22 337.176.616.02 2. 1 A área do empreendimento de Domínio Público Municipal.492.24 4.79 190.00 105.088.617.938.26 27.51 6.504.002.30 420.00 20.663.15 11.511.00 210.61 26.00 70.65 7.29 8.65 458.141.54 269.023 599 69 92 240 2.648.676. Fechado Via Park Total Jardim Barcelona José Prates Parque Residencial Damha II Morada do Sossego II Jardim Mathilde Residencial Vila Olímpica Altos da Afonso Pena Beirute Residence Park Total 2005 Oscar Salazar M.55 370.05 6.910.307.18 193.17 * 51.55 19.52 313.030.13 3.11 46.345.19 119.21 7.473.46 4.63 11.628.387.50 186.53 62.60 70.607.184.36 Área de ruas 52.980.00 5.010.263.66 40.03 21.117.87 5.097 m² Área de ruas 91.171. artigos 48 e 51.30 528.587.661.04 2.080.45 466.103.067 210 750 211 41 273 197 631 184 72 37 12 578 228 40 3.615.88 86.04 56.000.606.326.77 196.553.523.780.058.280.90 53.802.00 174.398.36 47.60 31.508.807.733.073.033.42 179.764.750.161.433.940 m² Área total 209.58 313.40 21.66 32.00¹ 8. art.782 – 3ª C.24 128.91 142.40 52.783 – 3ª C.076.068.86 109.22 19.29 51.584.318.35 72.102.779.552.24 543.66 25.61 17.119.540.21 49.) Conforme art.382.95 2.139.29 23.772.001.00 1.300.724.473.60 45.501.033.886.226. 34.252.30 355.639.038.994.01 99.32 532.847.742.88 1.37 5.977.693.78 13.13 10.655.271.291.006.825.336.531.840.417.00 4.71 18.201.574.26 18.97 733.865.455.918.73 65.002.264 99 374 85 100 506 236 178 287 410 21 26 886 19 960 2.00 1.20 5. Residencial Cedrinho Major Juarez Pólo Empresarial Oeste Morada do Sossego 2004 Vida Nova III Dona Dedé Jardim Villa Lobos II Jardim Agulhas Negras Papa João Paulo II Parque Residencial Damha Loteamento Costa Verde Lot.487.291.79 3.04 1.90 242.923.67 224.172.73 269.955.312.86 122.750.26 182.91 8.50 27.440.22 67.94 1.514.015.99 4.487.92 31.033.40 65.240.96 22.912.991.77 34.39 107.20 337.50 25.Alto Leblon Rancho Alegre IV Colinas de Campo Grande Total Fonte: SEMADUR.093.83 55.253.576.587.458.783.432.56 3.34 563.967.29 79.97 12.88 2.24 37.804.711.380.90 135.97 1.00 80.655. 48.102.950.47 1.813.18 170. 5 Loteamento Setvillage II doou área 8B (mat.276.038.00 14.241.87 666.597.015.798.435.241.79 333.21 71.79 5.458.72 453.00 10.288.55 8.986.511.00 31. 48.150.35 1.64 30.46 58.464 51 76 463 61 70 62 147 167 1.79 5.46 169.07 20.010.00 1.204.911.78 29.687.184.604.30 32.81 114.666.679.80 102.635.06 460.293.083.784. 34.42 185.145.58 132.81 26.80 32.803.

.

31 1. M² Unid.83 2.3.77 93 18.314.51 18 2.345.031.11 105.22 94 25.416.88 38 2.03 6 35. 58 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .00 1.59 85 22. M² Unid.202 339.3.336.502 463.812.966.345.868 583.378.97 2.198.832.144 464.821.243.01 2.54 158 72. M² Unid.551.462.319.618.638.805.682 402.35 12 5.716.673 464.450.011.29 1.476.820. M² Unid.616.25 168 110.226.864.528.18 154 108.27 2.860.57 60 11.710.85 28 157. M² Unid.081.52 101 28. por uso do imóvel – 2008-2009 Uso do Imóvel Comercial Industrial Misto Outros Público Religioso Residencial Serviços Territorial 2008 13.00 181 81.696.51 34 2.656.807.501.151 437.04 1. M² Unid.12 46 3.246.513.00 2 2.99 119 76.338.340.110.383.67 57 3. M² Residencial Comercial 1.978.54 14 10.43 138 80.535.807 444.521 494.403 292.306.319.078.35 38 2.10 1.593.717.729.00 1.25 20 5.293 477.77 100 6.577.50 10 13.437 237. M² Unid.98 Industrial 11 6.81 8 12.729.343 343.192.56 Total 2.44 138 47. 54 12.572 511.00 2 2.006.575.948.209.06 22 5.870 324 3.74 146 106. 51 10.715 338.524 322.422.423 119.274 323.35 21 1.543.883 548.05 140 71.40 6 297.60 Industrial 7 9.018 337.504 799 157 1.67 Com/Res.96 2.697 510.32 178 126.210.556 120.179 331 3.652.490 877 163 1.25 36 7.62 1 1.561.28 150 29.027 210 565.96 Planta Gratuita 54 3.69 2.893.12 33 2.137.59 14 35.90 1.829.98 173 45.743 335. M² Unid.70 1.451.76 2.774.303 921.00 118 25.25 1.849.600.728.98 Aspectos Físicos e Territoriais 2005 2006 2007 2008 2009 2.29 1.385.000.33 2.030 389.75 1.958.18 129 71.93 25 1.626.17 25 2.53 27 239.689.03 Outros 138 94.611.858.76 Fonte: SEMADUR.1 Alvarás e Habite-se concedidos Tabela 7 Alvarás concedidos por unidade e m² – 1999-2009 Ano/Categoria 1999 2000 2001 2002 2003 2004 Unid.120.30 1.132.789.856.559.00 17 989.78 119 25.228 320.714.60 1.327.838. M² Unid.038.64 4 83.21 164 62.00 92 20.11 111 35.215.521.150 687.19 22 8.92 28 8. M² Residencial Comercial 2.64 187 160.97 1.861.121.394 290.862.469.551 2009 14.682.285.61 53 3.329.93 7 13. M² Unid.82 16 3.657.62 27 3.131.00 144 78. M² Unid. M² Unid.000.60 12 2.306 348.40 1.146.614.988.399.79 11 1.04 24 1.144.907.225.92 8 11.713.527.309.24 1.00 34 2.774.559.84 Tabela 8 Habite-se concedidos por unidade e m² – 1999-2009 Ano/Categoria 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Unid.26 198 431.845.489 381.345.89 1.03 1.90 1 617.259 322.69 2.486 467.00 1.97 115 72. M² Unid.64 1.584.973 14.49 6 4.576.18 155 107.260.700.00 31 8.32 18 3.003.592.830.96 120 49.80 19 4.50 2.00 24 7.74 79 18. M² Unid.57 91 31.753 409.585.229 212.25 3.52 7 11.47 Com/Res.21 1. M² Unid. M² Unid.658 399.317 361.254.499 390.543.493.966.79 24 2.35 Planta Gratuita 60 3.00 1.00 51 11.21 150 33.565.771.94 Outros 133 70.08 Total 2.07 26 1.147.36 1.83 1.575.52 1.266.029 14.22 24 12.56 23 4.214.716.187 1.556.220 349.463 479.750 309.037.200.446 402.464.558.99 110 34.768 513.927 367.033 317. M² Unid.184 207.781 Capítulo 3 Conjunto Habitacional Tarsíla do Amaral Total Fonte: SEMADUR. M² Unid.258. Tabela 9 Total de Inscrições no Cadastro Imobiliário.808. M² Unid.96 9 24.306 485.49 5 15.635.520.569.58 164 82.93 15 27.33 42 9.459 419.905.58 1. Fonte: SEMADUR.196.528.91 40 10.67 4 5.323.99 1.36 1.37 94 43.629.257.75 125 29.20 62 4. M² Unid.723.11 165 64.707.047.73 19 4.784 557.640.166.33 91 32.66 122 26.82 2 3.38 21 9.25 4 890.

Praça Ary Coelho 4 Aspectos Demográficos .

seguiu uma trajetória ascendente (4. em função da acentuada redução dos níveis de fecundidade e da diminuição do fluxo migratório. Capítulo 4 Festa de Santo Antônio .903 pessoas.33%.45%.61%. resultado da longa trajetória de altos níveis da fecundidade. a mais baixa desde o Censo de 1960. para 24.34% em 2007. tendo em vista que a população foi multiplicada por mais cinco vezes entre 1970 e 2007. Campo Grande é o 23º (vigésimo terceiro) município em volume populacional. em 2000. no total da população declinou de 28. No contexto nacional. A participação da população do município em relação à do Estado de Mato Grosso do Sul ainda é elevada. em 2007. o crescimento vem declinando. Da mesma forma. Até o início dos anos 80. 7. ao passo que o grupo de idosos de 65 anos e mais.055 mulheres em relação ao número total de homens.11%. Entre 2000 e 2007 a taxa média geométrica de crescimento anual foi de 1. para cada 100 habitantes do estado. em 2007). a estrutura etária da população campo-grandense ainda mostrava traços bem marcados de uma população predominantemente jovem.82%. cerca de 32 residem em Campo Grande.524 pessoas em 2007. Desde então a taxa de crescimento demográfico vem se desacelerando.700 pessoas no período 2000/2007 contra 15. Contudo. Este resultado dá continuidade a série histórica do município com relação à predominância da população feminina na composição por sexo. No período de 1970 a 1980. O incremento médio anual foi de 8. sendo que em 2007 chegou a 32%.1 Evolução da população A população campo-grandense. onde a população urbana representava 98. em 2000. Ou seja. elevou-se a participação do contingente em idade potencialmente ativa (grupo de 15 a 64 anos de idade). O grupo de crianças de 0 a 14 anos de idade.80 homens.4.Parque de Exposições Laucídio Coelho Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Demográficos 61 . Mesmo assim o crescimento absoluto foi de 60. De acordo com a Contagem Populacional de 2007. como resultado de um excedente de 23. atingiu um total de 724.277 no período 1991/2000.66% e a rural 1. segundo contagem do IBGE. no mesmo período. Durante as últimas décadas o município experimentou um importante crescimento populacional. contra 6%. Observa-se o alto grau de urbanização. observou-se a maior taxa média geométrica de crescimento anual. para cada 100 mulheres havia em Campo Grande 93.

281 2001¹ 692.Ministério das Cidades.0 Aspectos Demográficos Tabela 10 População total urbana e rural.70 56.2 21. a relação é 43.81 30.549 2002¹ 705.64 1.2 Censo Demográfico .71 7.126 1991² 547.069 1996³ 618.13 69.095 93.73 4.668 714.621 2000² 679.20 24.(%) Grandes Grupos de Idade 0-4 0 .76 60.86 1980 13. Censos Demográficos de 1980. Tabela 12 Taxa Média Geométrica de Crescimento Anual da população residente no Município de Campo Grande – 1960/2007 Período 1960/1970 1970/1980 1980/1991 1991/2000 2000/2007 TMGCA (%) 6.90 62. PLANURB Tabela 13 Participação Relativa da População do Município de Campo Grande em relação ao Estado de MS – 1940/2007 Ano 1940 1950 1960 1970 1980 1991 1996 2000 2007 Participação (%) 20. A relação entre a população do grupo de 0 a 14 anos e 65 anos e mais de idade e o contingente entre 15 a 64 anos de idade permite calcular o indicador "Razão de Dependência" que expressa.59% 2000 663.734 98.60 1996 9. estas pessoas correspondiam a 66. 1991 e 2000 e Contagens da População de 1996 e 2007.14 15 .524 348.777 144.73% da população total.36 36.84% 2007 724.50 3.138 9.61 5. em princípio.107 2009¹ Estádio Morenão Fonte: IBGE 1 Estimativa da População .613 371. Sistema Nacional de Indicadores Urbanos .189 2008¹ 755. para o município de Campo Grande em 2000.51 2000 8.661 1995¹ 600.975 2003¹ 734.51 2.5 31.09 1991 11.124 97. Assim.51% 1980 291.3 Contagem da População Fonte: IBGE Contagem da População 2007.247 2006¹ 724.73 2.3 29.687 7. estaria exercendo alguma atividade produtiva.703 340.22% População/ Taxa de urbanização População total Masculina Feminina Urbana Rural Taxa de urbanização 1991 526.508 1997¹ 634.Em 2000.790 9.69 4.233 69.918 655.33 Fonte: IBGE.439 98.785 1993¹ 584.85 crianças e idosos para cada grupo de 100 pessoas em idade ativa.57 1970 13.55 crianças e idosos para cada grupo de 100 pessoas em idade ativa. o peso das crianças e dos idosos sobre o segmento que.768 2005¹ 765.593 1999¹ 663.837 131.15 3.82 2007 7.19 33.1960/2007.984 1992¹ 565. principal fator responsável pela diminuição da “Razão de Dependência” no Município de Campo Grande.707 98.621 322. e taxa de urbanização Município de Campo Grande – 1970/2007 1970 140. PLANURB 62 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .164 2004¹ 749.45 66. Em 1991.94%. acesso em janeiro/2004. em 2007. esta mesma relação era de 60%. PLANURB Tabela 11 Evolução dos grandes grupos de idade do Município de Campo Grande .1 31.031 1998¹ 649.697 268.95 28.8 14.8 18.648 283. Censos Demográficos de 1960 a 2000 e Contagens da População de 1996 e 2007. PLANURB Nota: 1940/1950 – população presente 1960/1980 – população recenseada 1991/2000 – população residente Tabela 14 População do Município de Campo Grande – 1991-2009 População Ano 526.027 1994¹ 601.80 64.24 6. A partir destes resultados pode-se constatar o impacto do estreitamento na base da pirâmide etária. Censos Demográficos de 1960 a 2000 e Contagens da População de 1996 e 2007. chegou-se a uma relação de 49.653 8.396 70.64 65 e mais 1960 40.524 2007³ 747.129 147.429 518. em linhas gerais.47 40. passando a representar 68.02 Capítulo 4 Fonte: IBGE.66% Fonte: IBGE. Em 2007.914 7.4 12.126 257.9 32.08 57.06 2.

984 28.306 2.391 10.536 7.554 2.882 8.332 8.518 2.650 6.668 Total (¹) 52.54 55 .922 15.2 Características gerais da população Tabela 15 População residente.944 23.772 18.627 62.276 17.117 11.333 35.025 3.479 6.744 54.340 21.556 27.406 6.144 16.478 1.826 3.829 27.042 8.784 29.069 Homem 30.461 25.839 6.847 29.465 6.299 52.619 3.987 37.64 65 .582 8.787 27.910 8.885 6.550 5.498 27.673 51.828 53.256 257.945 9.491 10.904 1.513 4.232 9.291 35.829 6.528 1.129 1980 Mulher 19.057 19.489 5.079 24.782 29.385 44.596 966 559 738 151 140.779 10.250 751 459 68 144.335 18.178 29.230 57.131 2.658 9.474 51.430 3.233 Homem 19.918 Total 59.319 2.524 27.947 5.637 1.057 36.385 32.567 21.097 9.901 32.413 20.322 13.829 59.998 17.812 11.484 4.447 4.894 526.826 Total 58.142 5.984 31.690 5.713 25.026 1.429 Total 58.477 3.607 1.485 20.554 8.703 2000 Mulher 29.741 4.984 1.027 20.502 1.584 16.364 13.469 7.544 1.59 60 . Censos Demográficos de 1970.260 4.29 30 .320 32.511 65.891 61.799 29.773 9.927 1.551 5.284 5.163 31.682 1.681 16.836 19.431 28. por grupos de idade e sexo no Município de Campo Grande – 1970/2007 Grupo de Idade Homem 0-4 5-9 10 .719 7.547 1.622 6.093 10.250 52. 1980.606 4.123 14.418 12.438 7.830 663.629 58.296 2.867 31.977 33.19 20 .34 35 .396 27.792 64.250 34.462 44.632 17.491 1.761 26.781 7.215 33.349 18.476 1.041 8.250 3.057 3.779 20.828 16.14 15 .207 32.202 168 724.870 28.011 123 291.518 34.563 5.673 5.606 23.791 14.459 30.965 57.003 21.475 34.760 26.024 29.567 44.051 16.172 13.866 6.356 14.79 80 e mais Idade ignorada Total 9.446 322.243 1996 Mulher 29.590 7.246 57.457 1.176 1.694 31.757 20.594 26.070 69.000 17.983 34.360 2.974 10.638 19.003 3.697 1991 Mulher 28.816 1.935 2.225 7.308 35.571 65.833 18.519 17.098 3.471 2.313 2.635 66.558 3.145 3.244 2.384 340.24 25 .013 4.495 2.179 33.49 50 .842 2.834 37.621 Homem 26.074 1.646 6.707 17.792 11.857 52.4.254 9.642 23.890 19.120 5.370 63.128 600.304 64.561 11.123 12.256 32.339 27.450 31. 1991 e 2000 e Contagens da População de 1996 e 2007.638 268.282 54.736 14.307 8.310 825 502 285 347 59 69.316 10.068 13.508 4.409 3.841 Total 18.777 Homem 30.900 8.229 12.648 Total 38.126 Homem 29.445 26.69 70 .74 75 .772 7.259 3.994 5.595 35.518 21.707 6.723 17.392 1970 Mulher 9.921 14.119 306.536 32.474 11.117 30.724 4.721 3.536 9.733 13.722 8.888 2.976 7.273 2.330 25.843 95 371.593 2.292 8.032 4.009 293.169 8.743 25.608 53.206 28.973 16.39 40 .859 28.44 45 .412 26.901 60.573 28.061 33.583 5.444 4.585 13.533 4.613 2007 Mulher 25.435 3. (1) Inclusive a população estimada nos domicílios fechados Capítulo 4 Projeto Viver Legal Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Demográficos 63 .956 3.322 4.726 30.035 24.639 28.494 2.950 7.356 32.082 23.997 5.283 16.226 777 552 55 147.782 67.851 69.192 771 464 274 391 92 70.417 29.110 15.524 Fonte: IBGE.044 24.603 33. adaptado por PLANURB.359 73 348.482 3.370 28.645 44.571 14.

2007 NOVA LIMA MATA DO SEGREDO SEGREDO NASSER JOSÉ ABRÃO SEMINÁRIO MONTE CASTELO CORONEL ANTONINO NOVOS ESTADOS MATA DO JACINTO ESTRELA DALVA CHÁCARA DOS PODERES SANTO AMARO PANAMA SÃO FRANCISCO POPULAR SOBRINHO CABREÚVA SANTO ANTONIO PLANALTO MARGARIDA CARANDÁ AUTONOMISTA CRUZEIRO VERANEIO SANTA FÉ PROSA IMBIRUSSU NOVA CAMPO GRANDE CENTRO CENTRO JARDIM DOS ESTADOS NOROESTE CHÁCARA CACHOEIRA TAVEIRÓPOLIS AMAMBAÍ GLÓRIA ITANHANGÁ BELA SÃO VISTA SÃO MONTE BENTO LOURENÇO LÍBANO BA ND EI RA NT ES CARVALHO MARIA APARECIDA PEDROSSIAN TIRADENTES UNIÃO CAIÇARA NÚCLEO INDUSTRIAL SÃO CONRADO LEBLON TAQUARUSSÚ JACY JOCKEY CLUB TV MORENA JARDIM PAULISTA ICA ÉR AM VILASBOAS CARLOTA PIRATININGA GUANANDI DR ALBUQUERQUE RITA VIEIRA LAGOA TIJUCA PARATI PIONEIROS AERO RANCHO BANDEIRA CAIOBA BATISTÃO UNIVERSITÁRIO ANHANDUIZINHO ALVES PEREIRA CENTENÁRIO COOPHAVILA II LEGENDA Mais de 15 000 10 001 a 15 000 5 001 a 10 000 2 000 a 5 000 Menos de 2 000 TARUMÃ CENTRO OESTE LAGEADO LOS ANGELES MORENINHA Sem Escala Fonte: PLANURB. IBGE .Mapa 11 POPULAÇÃO RESIDENTE .

00 Menor ou igual a zero Cálculo não aplicável COOPHAVILA II LOS ANGELE S CENTRO OE STE MORENINHA Sem Escala Fonte: PLANURB. DOS NO CORONEL ANTONINO VOS ESTAD OS JOSÉ ABRÃO SEMINÁRIO MATA DO JAC MONTE CA STELO INTO SANTO AMA PANAMÁ RO RLO MONTE CA VERANEIO SÃO FRANCISCO SOBRINHO CARANDÁ BOSQUE PROSA S PODERE S CRUZEIRO CABREÚVA PLANALTO PARQUE DO POPULAR IMÁ SANTA FÉ CENTRO VILA MILITAR CENTRO IMBIRUSSU GRA NOVA CAMPO NDE JARDIM DO ESTADOS S CHÁCARA CACHOEIRA DESBARRA NCADO NOROESTE INTERNACIONA AEROPORTO NDE DE CAMPO GRA L VILA MILITAR AMAMBAI PARK ITA NHANGÁ BELA VISTA TAVEIROPOLIS ÃO PARQUE UNI ANAHY JACY TES BANDEIRAN SSÚ TAQUARU CARVALHO O SÃO BENT ANO MONTE LÍB TIRADENTES PQ.00 5. IBGE .00 0. PEDROS SIAN NÚCLEO IND USTRIAL AMÉRICA JOCKEY CLUB TV MOREN A VILASBOAS PROGRESS O LAGOA SÃO CONRAD O LEBLON PIRATININ GA UFMS CARLOTA GUANANDI DR ALBUQ UERQUE RITA VIEIRA TIJUCA COLONIAL BANDEIRA UNIVERSITÁ RIO BATISTÃO AERO RANCHO IZINHO ANHANDU ALVES PE REIRA LEGENDA Taxas (em %) Mais de 10.MARIA AP.Mapa 12 TAXA MÉDIA GEOMÉTRICA DE CRESCIMENTO ANUAL DA POPULAÇÃO 1996-2000 GR MATA DO SE EDO NOVA LIMA SEGREDO NASSER PQ.01 a 5.01 a 10.00 2.01 a 2.

.. .524 pessoas (número que inclui a população estimada nos domicílios fechados)...... . . ... PLANURB Capítulo 4 66 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 ..730 66.726 63. no entanto..311 58..886 Anhanduí Rural 195 209 181 153 147 226 203 140 113 88 90 65 28 30 17 9 7 0 1....903 54..278 56.547 52.374 Aspectos Demográficos Fonte: IBGE.697 37. . .997 69.165 66. .. . .. ..003 53.. ....036 928 900 952 900 785 805 700 648 508 386 317 221 105 85 1 11.848 8. . e b) o IBGE optou pela restrição de informações como forma de proteção dos dados dos informantes da Contagem da População 2007. como 717...200 20. .741 7......694 66.887 15..440 11..552 Rural 919 1. .048 160 706...748 64..266 27. Contagem da População 2007. . Assim.189 44..: O total de residentes em Campo Grande corresponde a 724.708 20. .. .997 36.901 Total 335 382 366 317 301 342 328 262 258 195 195 156 118 109 70 32 21 0 3.....770 Urbana 140 173 185 164 154 116 125 122 145 107 105 91 90 79 53 23 14 0 1.197 57.057 Demais Áreas Rurais Urbana ..618 27... Obs. .384 43.. . .359 58.. .069 68.022 1........ por grupos de idade.. .757 11.374 Total 528 564 56 6 533 529 533 507 442 468 417 363 285 221 175 127 63 53 0 6. ... . . 0 Rural 528 564 566 533 529 533 507 442 468 417 363 285 221 175 127 63 53 0 6.. . .770 pessoas na estratificação por grupo de idade.501 15.133 161 717.Tabela 16 População residente em Campo Grande. .265 65. . .. ..... .787 Urbana .332 53.. segundo os distritos e a situação do domicílio – 2007 Grupos de Idade 0-4 5-9 10-14 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 50-54 55-59 60-64 65-69 70-74 75-79 80e mais Idade ignorada Total Campo Grande Urbana 51. ..218 Total 52.. 0 Rochedinho Rural 56 76 104 78 70 77 65 81 79 88 90 67 47 33 24 10 11 1 1... acredita-se que tal resultado ocorreu devido a dois fatores: a) a não utilização de 'pessoas estimadas' para a população por idade e sexo.520 7.. ..057 Total 56 76 104 78 70 77 65 81 79 88 90 67 47 33 24 10 11 1 1..743 8... está sendo apresentado um total inferior para o município.

00 1. DOS NO CORONEL ANTONINO VOS ESTAD OS SEMINÁRIO MATA DO JAC MONTE CA STELO INTO SANTO AMARO PANAMÁ VERANEIO RLO MONTE CA SÃO FRANCISCO SOBRINHO POPULAR IMÁ CARANDÁ BOSQUE PROSA S PODERE S CRUZEIRO CABREÚVA PLANALTO PARQUE DO SANTA FÉ CENTRO VILA MILITAR IMBIRUSSU NOVA CAMPO GRANDE CENTRO JARDIM DO ESTADOS S CHÁCARA CACHOEIRA DESBARRA NCADO NOROESTE AL INTERNACION AEROPORTO ANDE DE CAMPO GR VILA MILITAR AMAMBAI GLÓRIA TAVEIROPOLIS ÃO PARQUE UNI ANAHY JACY TES BANDEIRAN SSÚ TAQUARU PARK ITA NHANGÁ BELA VISTA CARVALHO O SÃO BENT ANO MONTE LÍB TIRADENTE S PQ.000.MARIA AP.2000 GR MATA DO SE EDO NOVA LIMA SEGREDO NASSER JOSÉ ABRÃO PQ.00 501.00 Mais de 3.Mapa 13 RENDIMENTO NOMINAL MÉDIO MENSAL DOS RESPONSÁVEIS PELOS DOMICÍLIOS .00 a 1.000.500.001.00 Cálculo não aplicável COOPHAVILA II LOS ANGELE S CENTRO OE STE MORENINHA Sem Escala Fonte: PLANURB. PEDROS SIAN NÚCLEO IND USTRIAL AMÉRICA JOCKEY CLUB TV MORENA PROGRESS O VILASBOAS LAGOA SÃO CONRA DO LEBLON CARLOTA PIRATININ GUANANDI GA UFMS DR ALBUQ UERQUE RITA VIEIRA TIJUCA BANDEIRA COLONIAL UNIVERSITÁ AERO RANCHO BATISTÃO RIO IZINHO ANHANDU ALVES PE REIRA LEGENDA Faixa de Rendimentos em Reais Até 500.00 2. IBGE .00 a 3.00 a 2.000.00 1.001.501.00 a 1.000.

51 28.54 27.524 348.97 20.716 94.37 29.81 1.89 215.46 35.77 Segredo 93.401 2.798 87.296 2.966 81.67 27.332 49.540 94.298 418 114.869 7.89 28.864 4.99 28.689 45.749 63.109 93. 68 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .53 34.76 5.135 11.05 18.21 Bandeira 104.19 Regiões Urbanas Anhanduizinho 169.178 2.30 25.197 174. Este indicador expressa o número de pessoas em idades potencialmente inativas para cada grupo de 100 pessoas economicamente ativas (4) Expressa o número de idosos (65 anos e mais de idade) para cada grupo de 100 crianças (0 a 14 anos de idade) .38 2.229 1.50 48.01 20.618 371.79 46.97 26.125 8.969 93.20 41.675 499.29 1.06 .700 23.02 346 3.69 29.81 22.28 Anhanduí 4.122 34.24 2 Centro 74.949 335 1.25 Prosa 69.516 93.014 3.205 13.103 50.05 237 236.457 239.89 43.99 29.495 24.973 528 1.38 22.71 1.01 26.683 3.26 36.862 46..32 33.28 Lagoa 105.97 16.41 30.083 2.17 27.78 31.87 0. (5) Sob a ótica demográfica as mulheres em idade fértil são aquelas com idade de 15 a 49 anos (6) É o número de crianças menores de 5 anos de idade por mil mulheres de 15 a 49 anos de idade de uma população.260 3.473 47.677 3. Contagem da População 2007.16 26.69 32.09 27.95 4.165 7.80 47.04 26.124 3.029 47.610 327.78 1.25 53.30 Imbirussu 95. (3) Mede o peso da população em idade potencialmente inativa (0 a 14 anos e 65 anos ou mais) sobre a população potencialmente ativa (15 a 64 anos de idade).50 20.455 43.094 50.13 44.663 52.886 39.124 66.49 hab/km 223.428 6.02 31.528 98.530 25.2000/2007 Densidade demográfica (hab/ha) Domicílios particulares permanentes Média de moradores por domicílio Campo Grande 724.08 Aspectos Demográficos Capítulo 4 Fonte: IBGE.23 22.64 42.682 231.13 16.057 612 445 56 236 742 78 137.138 53.54 27.10 . (2) É a idade que divide o total da população em dois blocos numericamente iguais .942 26. 2.771 5.046 72.55 35.80 30.46 0.92 31.375 6.56 43.42 948 353.99 22.044 54.627 54.429 3.547 114.172 3.68 24.432 5.37 1.894 8.91 20.39 36.14 19.06 27.46 2.388 3.541 34.675 3.80 29.787 16.. Notas: (1) Expressa o número de homens para cada grupo de 100 mulheres.31 30.02 35.45 51.479 93. Regiões Urbanas e Distritos de Campo Grande – 2007 Indicadores e Variáveis Selecionadas População total População masculina População feminina População com idade de 0 a 4 anos População com idade de 0 a 14 anos População com idade de 15 a 64 anos População com idade de 65 anos e mais Razão de sexo (%) (1) Idade média Idade mediana (2) Razão de dependência demográfica (%) (3) (4) Índice de envelhecimento (%) Proporção de mulheres em idade fértil (%) (5) Razão de crianças/mulheres (‰) (6) Taxa média geométrica de crescimento anual (%) .544 3.14 Rochedinho 1.373 33.67 1.858 3.42 28.87 75.Tabela 17 Indicadores e variáveis selecionadas.381 271.286 236.01 Demais Áreas Rurais 6. quando não se dispõe de dados detalhados sobre nascimentos.091 242.70 50.200 7.385 3.159 72.965 45.472 232 114.33 89.334 253.40 30.377 140.0.05 30.78 19.10 42.658 4. Esta medida é utilizada como indicador aproximado da fecundidade. no Município.78 28.84 30.63 12.373 85.20 21.799 4.779 269.21 1.

paraplegia ou hemiplegia permanente .948 83. Nota: as pessoas incluídas em mais de um tipo de deficiência foram contadas apenas uma vez.747 Fonte: IBGE.872 25.032 Total 661.Falta de membro ou de parte dele (1) Incapaz.189 48.168 19. com alguma ou grande dificuldade permanente de ouvir Incapaz.024 6 a 9 anos 19. Ano Sem parentesco 4.657 6.541 14.966 271.358 64.018 Campo Grande 84. mãe ou Pessoa Outro parente Responsável companheiro(a) enteado(a) sogro(a) Bisneto(a) 133.737 2007 268.Tetraplegia. por condição na família. Censo Demográfico 2000 – Primeiros Resultados da Amostra. com alguma ou grande dificuldade permanente de caminhar ou subir escadas Nenhuma destas deficiências (2) Fonte: IBGE.628 7.298 198.473 8.854 56.403 4.4 Famílias Tabela 20 Famílias e pessoas residentes em domicílios particulares.171 Fonte: IBGE.826 176. pé ou dedo polegar. por tipo de deficiência.241 139.492 Campo Grande 3 a 5 anos 1 a 2 anos 15. Censo Demográfico 2000 – Primeiros Resultados da Amostra e Contagem da População 2007.876 Famílias residentes em domicílios particulares 199.776.308 20. Mato Grosso do Sul 285.3 Migração Tabela 19 Pessoas não naturais da Unidade da Federação – 2000 Pessoas não naturais da Unidade da Federação que tinham menos de 10 anos ininterruptos de residência na Unidade da Federação Tempo ininterrupto de residência na Unidade da Federação Mato Grosso do Sul Total 6 a 9 anos 3 a 5 anos 1 a 2 anos Menos de 1 ano 52.Tabela 18 População residente. com alguma ou grande dificuldade permanente de enxergar Incapaz.605 222.704 1. braço. (2) Inclusive a população sem qualquer tipo de deficiência. no Município de Campo Grande e no Estado de Mato Grosso do Sul – 2000 Tipo de Deficiência Pelo menos uma das deficiências enumeradas Deficiência mental permanente Deficiência física .833 Total 57.802 1.054 18.296 222. Menos de 1 ano 4.120 11.339 704. no Município de Campo Grande – 2000/2007 Pessoas residentes em domicílios particulares Condição na família Cônjuge ou Filho(a) ou Neto(a) ou Pai.381 2000 199.983 19.034 3.605 18. Censo Demográfico 2000 .077 31.982 575.215 32. (1) Falta de perna.174 55.Primeiros Resultados da Amostra.043 15. mão.747 Capítulo 4 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Demográficos 69 .783 4.186 9.

425 18.588 Mato Grosso do Sul Campo Grande 1. no Município de Campo Grande e no Estado de Mato Grosso do Sul – 2000 Pessoas de 10 anos ou mais de idade Estado civil Desquitado(a) separado(a) ou Divorciado(a) judicialmente 39.215 Estado e Município Total Casado(a) 592.4.018 94.221 35.725 Solteiro(a) 924.079 297.662 Mato Grosso do Sul Campo Grande 269.278 Fonte: IBGE.573 Total 539.529 52.103 177.807 Dois 147. Censo Demográfico 2000 .2000 Mulheres de 10 anos ou mais de idade Total 831 918 280 399 Tiveram filhos 540. no Município de Campo Grande e no Estado de Mato Grosso do Sul . 70 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Censo Demográfico 2000 – Primeiros Resultados da Amostra.Primeiros Resultados da Amostra.479 Três 116.012 16.235 38.047 Mulheres de 10 anos ou mais de idade quetiveram filhos nascidos vivos Número de filhos tidos nascidos vivos Um 109.814 Seis ou mais 78. 4.5 Fecundidade Tabela 21 Mulheres de 10 anos ou mais de idade.924 Cinco 32. mulheres de 10 anos ou mais de idade que tiveram filhos nascidos vivos.680 Viúvo(a) 67. por número de filhos tidos nascidos vivos.571 117.974 União consensual 306.782 540. no Município de Campo Grande e no Estado de Mato Grosso do Sul .873 16.125 Quatro 55.2000 Pessoas de 10 anos ou mais de idade que viviam em união conjugal Estado e Município Total Casamento civil e religioso Tipo de união Só casamento civil 161.452 41.601 Capítulo 4 863. por estado civil.684 177.6 Nupcialidade Aspectos Demográficos Tabela 22 Pessoas de 10 anos ou mais de idade.168 189.572 369.918 51.909 Só casamento religioso 26. por tipo de união. Censo Demográfico 2000 .086 Fonte: IBGE.Primeiros Resultados da Amostra. total e que tiveram filhos.898 Estado e Município Mato Grosso do Sul Campo Grande Fonte: IBGE. Tabela 23 Pessoas de 10 anos ou mais de idade que viviam em união conjugal.658.061 9.431 22.883 14.364 4.

871 1.186.399.098 936.319 187.830(3) 520.056 2.455.541 161. (2) Estimativa da População – IBGE.092 1.592.261 740.485 2.430.710 2.667 (2) 1. Av.892.258.430 208.428.812 2.219.416.102 353.468 2.917 313.920 2.040 749.549 619.621 João Pessoa 597.526 849.975 628.264 296.861 505.189 693.108 1.429 2.639 (3) 249.831 2.143 793.144 679.673.051.601 347.461.451.671.896 765.308 Rio Branco 253.652 2.065 747.282.085 368.898 386.016 734.158 1.789 1.059 Boa Vista 200.965(3) 779.244.915 798.534 Florianópolis 342.097.482 1.179 208. Afonso Pena Capitais 2001(2) 10.049 1.060 5.838 508.305.612 2.085 1.600 1.367 314.037.123 1.230 (3) 724.768 660.562 544.934 483.620.315 Porto Velho 334.161 382.093.958 1.437.526 Fortaleza 2.661 292.164 649.441 492.614 Belém 1.954 266.375.944 2.898 261.505.416.355 Fonte: IBGE.008 1.106 923.567 833.633 318.454 1.082 236.284.800 498.081 542.971 789.835 Porto Alegre 1.314 802.408(2) 1.778 373.189.129 817.568 Palmas 137.828.345(3) 314.556.281.329 2.081 2.797.527.734 751.047 2.137 2003 (2) 10.844 299.762(3) 526.939 1.552 2.767 369.646.805 1.839 1.889 2007 10.428.360.265.930 184.619 396.408 305.438 959.304.518(2) 6.961 302.127 249.458 801.838.817 359.564 2.602 (3) 1.688.894 468.399 2.385 922.709.111.398 260.733 2.937.042(2) 344.974 317.374.485.303 (3) 396.886.135 1.434.360 Natal 712.412 998.181.373.714.617 2.304 Vitória Macapá 283.557.857 2.012 295.443.798 533.322.975 997.657 2.677.408.587.564 380.472(2) 2.202 1.093.183.794 705.853(3) 178.837 2.297 352.394 986.220 1.412.524(3) 674.737 536.333.904 2.452.580(2) 1.028 São Luís 797.317 Campo Grande 663.394.484 305.702 2.703 6.593 6.314 1.346 379.555 221.885 1.010 1.515(3) 896.761 274.644.985 6.249 6.903 (2) 1.020 301.901 188.606.165 2006 (2) 11.642 2.405.016.773 778.332.980 1.141.386.507 326.190 1.881 722.463 788.515.129.826 924.386 (3) 2008(2) 10.440.346 Cuiabá Aracaju 461.410 524.286 406.829 320.124 884.422.560 2.905 Recife Manaus 1.625 (2) 2.689 1.913 380.991 360.342.559 1.897.659 1.488.740 214.505 692.738.974.884 2002 (2) 10.280.281 607.723(2) 369.600.007 Goiânia 870.288 473.757.561.161.081 734.219 1.990.402 2.039 408.645 Capítulo 4 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Demográficos 71 .006 978.027 172.884 309.124 1.238.253 2.136.696 1.357 306.431.383.631.851.133 5.424.401 342.145.186 317.313 1.107 Salvador Belo Horizonte 2.948.590 1.549.759 Maceió Teresina 715.504 2.350.233 2.501.937(2) 2.146 Brasília 1. (3) Contagem da População 2007.094.514 150.052 1.784 1.927.321 1.731 242.683 1.499.622 889.447 1.156 366.415(2) 2.274 906.420.477 766.473.614 2.201.153(3) 290.464 744.7 Comparativo entre as capitais brasileiras Tabela 24 População residente segundo as capitais brasileiras – 2000 – 2009 2000 (1) 10.146.998.436.183 2. PLANURB (1) Censo Demográfico 2000/IBGE.555 1.904 1.847(2) 1.220.405.049 500.583 267.788.314 1.383.827 903.156 479.857.444 728.051.524 1.019 5.520.010 1.176 2004(2) 10.639 População 2005(2) 10.010 2009 (2) 11.363 1.320 775.252 São Paulo Rio de Janeiro 5.486.533.785 402.107 702.437.537 806.645(2) 957.727.449.018 2.466 286.939 (3) 774.4.641 1.315 Curitiba 1.312 355.082 544.256.368 1.666 491.655 220.644.434.690 1.581 6.235 550.215 1.247 672.203 755.194 1.600 1.920 2.

81 21.73 94..17 1. 93..07 92. Contagem da População/2007 e PLANURB/PMCG. Aspectos Demográficos Fonte: IBGE.08 Tabela 26 Razão de sexo(1).76 1..79 89.15 88. Contagem da População 2007.00 0.. Capítulo 4 72 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .44 1.. segundo as capitais brasileiras – 2000/2007 – (%) Capitais Aracaju Belém Belo Horizonte Boa Vista Brasília Campo Grande Cuiabá Curitiba Florianópolis Fortaleza Goiânia João Pessoa Macapá Maceió Manaus Natal Palmas Porto Alegre Porto Velho Recife Rio Branco Rio de Janeiro Salvador São Luís São Paulo Teresina Vitória 2000 87.88 2...66 91.17 87. . 88.40 1.83 1. 87.04 .41 95..37 88.98 91. Estimativas da População 2007 e PLANURB/PMCG Fonte: Censo Demográfico 2000/IBGE.74 1.65 1..83 0.81 87..29 86.36 2007 87.80 94.09 88.88 ..26 4.92 2.23 2.66 95.33 1.75 1.97 87.24 1.57 1...13 3. .81 1.61 95..08 5.45 0. 97.85 2.13 2.73 99.95 88.96 1.13 3.47 89..76 96.30 .42 0.34 2..72 1.06 93.30 1.70 3..92 1.49 1.03 2..88 2..64 2.16 3.20 89.55 0.97 1..87 .46 100. Nota: (1) expressa o número de homens para cada grupo de 100 mulheres.32 1.64 1.66 97.82 2..31 . ..77 2.01 1.18 .77 2.04 88.89 90.10 87..93 94. .59 2. 98. Dado numérico não disponível.64 .97 . é dada pela fórmula = (população masculina/população feminina)*100.07 2.30 1.75 96...38 2000/2007 1.01 91.35 2. 87. 95..53 0.50 100.05 88. . .Tabela 25 Taxa Média Geométrica de Crescimento Anual da população segundo as capitais brasileiras – 1991-2007 – (%) Capitais Aracaju Belém Belo Horizonte Boa Vista Brasília Campo Grande Cuiabá Curitiba Florianópolis Fortaleza Goiânia João Pessoa Macapá Maceió Manaus Natal Palmas Porto Alegre Porto Velho Recife Rio Branco Rio de Janeiro Salvador São Luís São Paulo Teresina Vitória 1991/2000 1.83 2.10 0...

8 52. Contagem da População/2007 e PLANURB/PMCG. .87 .1 42.21 ..17 29...55 39. 53..01 30. Dado numérico não disponível (2) Contagem da População 2007 Capítulo 4 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Demográficos 73 2000 (1) 28. (1) Censo Demográfico 2000 (2) Contagem da População 2007 .85 2007(2) 29. 55....93 30.0 46.7 57..01 32.9 48..10 28.26 .0 46..86 24...09 50.3 49.48 . 28.58 .... ..59 26.7 2007 (2) 41.79 ...0 52.67 28. 29..81 27...86 30.. (1) é dada pela fórmula = ((pop 0 a 14 anos + pop 65 anos) / ( pop 15 a 64 anos)) * 100 A interpretação deste indicador se traduz no número de jovens e idosos que estariam na dependência de 100 pessoas potencialmente ativas..06 23. 28... 43.10 ..03 30. .33 27. . .42 29.65 46.18 .6 43. 42... .9 48.7 44..74 .34 58..8 43..6 45. 26. 24. .. 30.8 59.69 25...5 49.61 . 42..43 25.90 43..42 30..81 .40 30.59 27.3 52..49 28.9 63..0 52.. .14 33.. 43.16 . Dados numéricos não disponíveis 26.2 49...5 63.Tabela 27 Razão de Dependência Demográfica(¹)..45 30.8 66..39 44.. . . Fonte: Censo Demográfico 2000/IBGE...73 28.......20 .78 . .87 24.4 51. segundo as capitais brasileiras – 2000/2007 – (%) Capitais Aracaju Belém Belo Horizonte Boa Vista Brasília Campo Grande Cuiabá Curitiba Florianópolis Fortaleza Goiânia João Pessoa Macapá Maceió Manaus Natal Palmas Porto Alegre Porto Velho Recife Rio Branco Rio de Janeiro Salvador São Luis São Paulo Teresina Vitória 2000 48.83 23.7 43.1 45.22 28..99 27. .91 25.44 .25 25.4 44. 47. Tabela 28 Idade Média da população residente nas capitais brasileiras – 2000/2007 Capitais Aracaju Belém Belo Horizonte Boa Vista Brasília Campo Grande Cuiabá Curitiba Florianópolis Fortaleza Goiânia João Pessoa Macapá Maceió Manaus Natal Palmas Porto Alegre Porto Velho Recife Rio Branco Rio de Janeiro Salvador São Luís São Paulo Teresina Vitória Fonte: IBGE e PLANURB/PMCG.5 52.62 27.65 .05 29..12 24.

Feira Central .Monumento em homenagem ao Sobá 5 Aspectos Econômicos .

Fonte: Relação Anual de Informações Sociais .023 Serviços 0.764 Indústria de transformação 39. As informações captadas sobre o mercado de trabalho formal referem-se aos empregados celetistas. com declaração anual e obrigatória para todos os estabelecimentos existentes no território nacional.900/75. dentre outros.Relação Anual de Informações Sociais é um Registro Administrativo criado pelo Decreto n. Fonte: SEDESC Agência Municipal de Empregos Tabela 30 Estabelecimentos relacionados na RAIS por Setor de Atividade Econômica – 2008 Estabelecimentos % Setor Administração pública 0.214 3. temporários.70 8.83 0 100 Fonte: Junta Comercial do Estado de MS. atendendo as demandas locais. Capítulo 5 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Econômicos 77 . avulsos. caça e pesca 5. estatutários.481 2.081 100 Fonte: RAIS . legal Outros/Ignorados Total Estabelecimentos 41 43 16 87 11. As informações captadas sobre o mercado de trabalho formal referem-se aos empregados celetistas. estatutários.081 % 0. a inovação tecnológica com o apoio de parcerias com as universidades.45 1.21 32 Comércio Construção civil 5.498 2.11 0.27 0.494 2. dentre outros. assim como aos estabelecimentos relativos à atividade econômica.963 1.09 14 Agropecuária extr.32 7. institutos de pesquisas e grandes empresas para agregar novos valores garantindo a qualidade do setor produtivo.212 Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Empresas Extintas 206 356 313 521 449 444 376 545 662 702 630 Falidas 26 49 32 11 26 38 54 8 8 2 2 Tabela 31 Estabelecimentos relacionados na RAIS por Natureza Jurídica – 2008 Natureza Jurídica Setor Público Federal Setor Público Estadual Setor Público Municipal Entidades empresariais estatais Entidades empresariais privadas Entidades sem fins lucrativos Pessoas físicas e outras formas de org. 76.95 897 38. com declaração anual e obrigatória para todos os estabelecimentos existentes no território nacional. vegetal.Ministério do Trabalho e Emprego Elaboração: Observatório do Mercado de Trabalho de Campo Grande – FUNSAT Nota: RAIS .705 3.147 1.1 Empresas Tabela 29 Empresas constituídas.94 6.22 Extrativa mineral 5.5 ASPECTOS ECONÔMICOS A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico.29 0. Busca a execução de convênios com o objetivo de melhorar o desenvolvimento econômico de todas as áreas de sua competência. de Ciência e Tecnologia e do Agronegócio .900/75.676 2.60 0.832 2. com foco na geração de emprego e sustentabilidade dos projetos e do meio ambiente e promover a integração social do município.Relação Anual de Informações Sociais é um Registro Administrativo criado pelo Decreto n.SEDESC para realização de suas funções criou uma Superintendência de Ciência Tecnologia e Turismo que promove.428 2.415 2.Ministério do Trabalho e Emprego Elaboração: Observatório do Mercado de Trabalho de Campo Grande – FUNSAT Nota: RAIS .58 79. extintas e falidas em Campo Grande – 1999-2009 Constituídas 2. 5. assim como aos estabelecimentos relativos à atividade econômica.686 2.44 66 Serviços industriais de utilidade pública 9. 76.425 Outros/Ignorados 0 0 Total 15.784 0 15. com a ajuda do Departamento de Ciência e Tecnologia.61 11. temporários. avulsos.

São 124 Projetos PAIS – Produção Agroecológica Integrada e Sustentável. Fomento à Produção de Leite nos assentamentos Conquista e São Luiz / Universal. As seguintes entidades também apóiam o setor primário do município. por meio dos programas de fomento e desenvolvimento das cadeias produtivas da carne. leite. peixe. com 350 produtores cadastrados e 94 instituições beneficentes atendidas. UFMS. Universal com 20 famílias e Três Corações com 164 famílias. apicultura. que executam serviço de preparo de solo. tais como: Ministério da Agricultura. horticultura. programa CDLAF – Compra Direta Local da Agricultura Familiar. Associação dos Produtores do Santa Maria.CMDRS. No Município de Campo Grande existem vários assentamentos rurais implantados. Fonte : SEDESC Capítulo 5 Produção de hortifrutigranjeiros Aspectos Econômicos 78 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Conquista com 67 famílias. totalizando aproximadamente 500 produtores. INCRA. Associação dos Produtores do Anhanduí. COOPGRANDE. UNIDERP. ACRISSUL. FAMASUL. tais como: Nova Era com 30 famílias. Banco do Brasil. 10 Patrulhas Mecanizadas. SEBRAE. Terra Boa com 30 famílias. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Associação dos Produtores do Três Barras. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. Associação dos Produtores do Rochedinho. Sindicato Rural de Campo Grande. São Luiz com 20 famílias. silvicultura e outros. Só Alegria com 20 famílias. IAGRO. com 100 famílias. Sucuri. e o Projeto de Assistência Técnica e Extensão Rural. Existem também as associações de produtores rurais não vinculadas a assentamentos da reforma agrária: Associação dos Produtores do Aguão. CEASA. Pecuária e Abastecimento. de Ciência e Tecnologia e do Agronegócio. Hoje o município é assistido por vários programas voltados ao agronegócio. que é levado permanentemente a todos os produtores da agricultura familiar na área do Município.2 Setor Primário A estrutura do sistema produtivo econômico municipal tem o apoio do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável . FETAGRI. EMBRAPA. e outros segmentos do agronegócio. ASSAFI com 20 famílias. Associação dos Produtores do Indubrasil. ovinocultura. Pantanal com 20 famílias. UCDB. AGRAER. SEPROTUR. SENAR. e é executada pela SEDESC – Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico.5. Associação dos Produtores da Gameleira e o Quilombola Sítio Buriti.

572 655. Rio Negro.044 2.395 8.537 549. segundo a condição do produtor – 1975/2006 Condição do Produtor Estado Ano 1975 1980 1985 1996 2006 1975 1980 1985 1996 2006 1975 1980 1985 1996 2006 1975 1980 1985 1996 2006 2006 1975 1980 1985 1996 2006 Estab. Campo Grande.941 11.663 estabelecimentos agropecuários no município 5.312.047 6.900 2.268 29.686 4. 766 643 867 1.943 54.942.5.904 3.180 656 1. Sidrolândia e Terenos.010 572 312 268 950 147 154 27 921 220 335 172 186.967 424.728 5.415 1.309.307 18.2.176 119.485 41.043 4.171 1.905 132.108.512 2.277 3.718 171.584 30.783 7.262 830 1. 4.017 55.298.508 593.404 28.211 128.762 29.675 4.150 470.510 564.712 752 1.076 2.770 2.903 31.109.834 8.631 49.630 4.832 14.814 30. 32.423 28.424.574 17.219 1.021 1.102 22.117 4.511 2.633.743. Corguinho.354 609.920 1.092.874 5.814 586.745 458 10.692.663 Área(ha) 562.694 129. Nota: dados elaborados pelo Banco de Dados do Estado .2.276 33.185 33.178 3.404 1.989.A Microrregião Geográfica Campo Grande é formada pelos seguintes municípios: Bandeirantes.178.166 Município Estab.114 2.375 140 101 142 99 123 298 50 116 11 6 58 36 46 48 38 121 1.Censo Agropecuário 1 .890 4.002. Capítulo 5 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Econômicos 79 Proprietário .882 1.967.246.188 Microrregião Geográfica¹ Área(ha) Estab.459 685.2 Condição do produtor Tabela 32 Número de estabelecimentos e área.433 2.259. Jaraguari.147 38.431 697.430 25.992 Fonte dos dados brutos: IBGE .387 3.590 90.227 1.1 Estrutura fundiária O Censo Agropecuário de 2006 indicou um total de 1. Rochedo.520 4.963 576.701 4.853 47.448 199.719 6.737 31.052 78.074 4.179 1.401 5.SEMAC/MS.033.572 20.975 Arrendatário Parceiro Ocupante Outros Total 57.985 1.963 6.696 Área (ha) 26.798 258.595.835 14.945 5.702 732.611.

117 105.740 27.193 Com área de matas e florestas Agropecuários com tratores 667 1.62 361 37.908 14.606 75.461 1996 Estabelecimento % Nº 13.262 100 Área ha 1.091 479.1 505 19.Tabela 33 Estrutura Fundiária em Campo Grande – 1975/1996 Grupo de Área Menos de 10 10 a menos de 100 100 a menos de 1000 1000 a menos de 10000 10000 a mais Sem declaração TOTAL 1975 Estabelecimento % Nº 29.7 374 40.825 106.33 440 17.500 2.171 100 Área ha 1.704 91. Tabela 36 Utilização das terras no Município de Campo Grande – 1996/2006 Ano 1996 2006(2) (1) Área Total (ha) 685.663 Área ha 2.5 286 17.0 158 28.651 177.702 644.98 212 0.056 467.360 Capítulo 5 Fonte: IBGE . Tabela 35 Estabelecimentos agropecuários – 2006 Estabelecimentos N.000 a menos de 2.17 2 1.6.250 593.104 196.000 1.35 367 13.523 (ha) Pastagens naturais e artificiais 523.000 586.142 132.2010> Aspectos Econômicos Tabela 34 Estrutura Fundiária em Campo Grande – 2006 Grupo de Área Menos de 10 10 a menos de 100 100 a menos de 1.634 10.503 213.500 a mais Sem declaração TOTAL 2006 Estabelecimento % Nº 14.5 6 3 1.019 Matas naturais e plantadas 117.199 Com bovinos Com bubalinos 2 Com caprinos 25 257 Com ovinos 409 Com suínos 536 Com aves Com produção de leite de vaca 549 Com produção de leite de búfala Com produção de leite de cabra Com produção de lã Com produção de ovos de galinha 199 Total 1. 80 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .217 732.9 240 34.08 1 0.4 3 100 830 Área ha 664 7.6 247 10.141 Com área de pastagens naturais 235 1.950 181.975 Fonte: IBGE – SIDRA – Sistema IBGE de Recuperação Automática. Houve arredondamento nos dados desta tabela.703 Fonte dos dados brutos: IBGE.352 1980 Estabelecimento % Nº 19.ibge.73 62 0 100.43 240 28.40 157 0.Censo Agropecuário 1996 e 2006 Nota: (1) Para o ano de 1996.269 13.2010>.28 378 31. www.0 1.80 267 32.773 94.209 609. (2) Dados preliminares.032 15.179 100 Área ha 708 13.6.br <acesso em 16.85 64 3.320 685.809 1985 Estabelecimento % Nº 22.1 127 0.br <acesso em 16. Com área de lavouras 1.59 7 1.412 Lavouras permanentes e temporárias 26.SEMAC/MS.30 454 3.40 158 30. sujeitos a alterações quando da divulgação definitiva do Censo Agropecuário.gov.2 143 0.373 380.338 400. www.439 364. Nota: dados elaborados pelo Banco de Dados do Estado.gov.663 Fonte: Censo Agropecuário 2006.ibge.120 306. a área de lavouras temporárias inclui a área de lavouras temporárias em descanso e a área de terras produtivas não utilizadas.92 481 27.

990 34.749 633.442 8.050 444 10.587 5.947 27.522 862 10.977 870 14.085 360 1.784 Suínos Fonte: IBGE.968 41.234 48. frangos e pintos 1995 59 561.br.230 264.122 880 9.677 47.325 347 1.259 392 10.500 8.285 48.716 2005 91 669. galinhas estão com galos e frangos(as).281 40.524 334.465 341 1.300 4.334 117.3 Rebanhos Tabela 37 Efetivo de cabeças no Município de Campo Grande – 1995-2008 Espécie Asininos Bovinos Bubalinos Caprinos Codornas Coelhos Eqüinos Galinhas Galos.465 7.109 361 1.268 598.830 2008 89 587.663 5.775 8.830 4.519 27. frangas.866 363 1.219 343.ibge.159 651.930 2004 92 679.773 48.572 44.093 43.925 1997 74 548.790 45. Os dados de 1996 referem-se ao Censo Agropecuário 1995/1996.626 1996 70 550.305 330 1.486 860 10.705 8.404 371 9.259 649.980 835 14.981 Ovinos 23.740 653.800 300 8.2.872 2003 91 685.023 27.595 420 10.306 575.789 616.Pesquisa Pecuária Municipal http://www.180 420 10.883 13.795 5.236 1999 86 562.850 5.483 390 9.702 5.413 8.308 37.597 2007 90 576.624 46.500 144 1.956 269.754 5.369 75.045 42.070 30.180 Capítulo 5 Assentamento Sucuri Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Econômicos 81 Muares 307 793 760 804 830 815 3. .678 5.983 844 9.037 9.683 645.229 822 14. Fonte: IBGE .629 37.427 2002 90 600.200 388 410 10.206 37.576 2006 92 633.gov.520 37.759 39. Nota : Em 1996.274 357 1.542 350 1.227 354 1.103 609.516 5.sidra.813 5.268 1998 78 559.500 46.640 146 1.900 48.783 4.375 239 503 2.000 440 10.5.567 5.689 28.832 844 9.639 37.698 255.947 341 346 1.700 Número de cabeças 2000 2001 89 91 588.000 400 10.678 1.280 350 9.920 445 10.

251 54. leilão e serviço Capítulo 5 82 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .108 77.513 47.323 4.542 14.164 198.663 163.672 9.127 85.942 40.877 65.835 98.919 20.679 25.897 17.384 147.195 22.010 22.421 89.529 8.759 30.009 9.514 59.205 46.797 4.731 19.009 19.917 33.324 9.960 70.034 20. exposição.490 42.704 52.344 19.881 3.728 13.103 16.026 100.803 147.277 92.074 71.789 18.267 4.481 52.625 235.018 9.526 5.601 30.580 15.820 48.421 94.758 82.316 57.397 18.326 77.223 182.969 14.309 37.597 30 6. 2 Inclui as finalidades esporte.153 920 Estados GO 0 0 16 7 0 17 63 0 0 2 17 121 0 0 21 22 0 8 272 7 0 0 18 5 0 0 64 6 0 0 18 15 0 0 65 6 RO 0 0 25 0 0 0 57 129 0 0 28 0 0 4 27 69 0 0 4 2 0 0 0 0 0 0 10 0 0 0 0 20 0 0 0 25 PR 36 0 9 225 0 2 108 137 1 1 114 222 0 4 48 235 0 11 105 438 0 3 92 475 0 0 93 455 0 25 1.516 17 1.790 177.135 34.266 155.171 22.753 31.773 110.414 38.108 17.582 24.292 13.171 MG 0 8 94 10 0 2 102 37 0 18 150 69 0 3 305 348 0 12 52 426 0 18 76 136 0 11 64 128 0 92 10 143 0 15 12 34 MT 0 0 600 60 0 5 112 51 0 0 74 488 0 0 58 853 0 8 183 144 0 32 225 111 0 34 365 87 0 114 271 543 0 1 54 148 SP 6.371 268.344 24.612 13.586 96 442 1.068 168 0 0 634 90 RS 0 0 11 0 0 0 8 0 0 0 0 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Outros 0 0 86 24 0 0 77 46 0 0 102 405 0 3 429 123 0 5 42 45 0 0 188 70 0 0 57 0 0 0 7 167 0 62 1 138 2002 2003 2004¹ Aspectos Econômicos 2005 2006 2007 2008 2009 Fonte: IAGRO.400 86.916 42.265 17.302 3.800 180.609 10.290 118.109 67.384 29 221 2.497 17.248 116.504 15.663 43.256 98.850 80.625 18.663 29.458 110. 1 Informações até outubro de 2004.344 17.793 49.Tabela 38 Trânsito egresso de bovinos e bubalinos no município de Campo Grande – 2001-2009 Ano 2001 Finalidade Abate Aglomeração Cria e Reprodução Cria e Engorda Abate Aglomeração Cria e Reprodução Cria e Engorda Abate Aglomeração Cria e Reprodução Cria e Engorda Abate Aglomeração Cria e Reprodução Cria e Engorda Abate Aglomeração Cria e Reprodução Cria e Engorda Abate Aglomeração Cria e Reprodução Cria e Engorda Abate Aglomeração² Cria e Reprodução Cria e Engorda Abate Aglomeração² Engorda Reprodução Abate Aglomeração² Engorda Reprodução Campo Grande Machos 44.982 57.443 427.865 11.679 22.529 352.219 107.750 Fêmeas 39.839 8 409 2.336 16.349 7.333 9.358 79.380 55.253 303.788 4 361 3.311 64.387 54.411 13.782 MS 77.118 23 257 4.669 51.669 76.277 30.624 23 22 2.576 115 4.837 179.287 11.203 1.008 86.728 177.046 40.945 22.

038 2004 3.64 5.155 23. (1) Leite entregue pelo produtor em estabelecimento industrial.098 498.544.000 103 313 2007 7.2.099 948.888 1.733 26.791. – Pesquisa Pecuária Municipal.ibge.805 2000 1.95 3.941 20.198 17.689 2002 2003 3.4 Pecuária leiteira Tabela 39 Produção de leite no município de Campo Grande e em Mato Grosso do Sul – 1990-2008 Ano 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Mato Grosso do Sul 398.633.550 19.988 19. (2) Leite refrigerado entregue a granel em posto de refrigeração ou estabelecimento industrial.968.898 545.179 472.08 6.743 407.693 446.14 3.424.009 19.045 Produção (mil litros) Campo Grande 27.534 2007 2008 990.22 4.982 17.434 1998 1999 1.99 4.609 491.647 21.526 19.470 1996 8.94 4.10 3.99 4. http://www.727 4.08 Tabela 40 Produção de leite sob Inspeção Federal em Campo Grande – 1996-2008 Cru In Natura Refrigerado Cru In Natura tipo tipo C (litros) (2) C (litros) (1) 8.gov.352.SEMAC/MS.363 27.156. Capítulo 5 Escola Agrícola Arnaldo Estevão de Figueiredo Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Econômicos 83 .92 3.058 2005 2006 724. http://www.217 Participação % 6.ibge.350.200 101 291 2004 5.10 4.728 420.451 17.223 Ovos de Codorna (mil dúzias) 100 Ovos de Galinha (mil dúzias) 271 2001 5.261 445.674 454.409 18.396 Mel de Abelha (quilograma) 14.443 14.5 Produtos de origem animal Tabela 41 Produtos de origem animal por tipo de produto em Campo Grande/MS – 2000-2008 Tipo de Produto 2000 Lã (quilograma) 5.492 103 279 2002 5.044 1.200 94 314 2008 7.438 14.968 2001 1.93 3.797 17.208 481.950 434.295 19.283 490.sidra.br.301 17.667 490.685.980 3.2.069 425.837 18.93 3.166 467.17 4.655 17.5.069 496.186 20.524 427.81 5.480 23.929 23.418 433.br 5.450 101 348 Fonte: IBGE – Pesquisa Pecuária Municipal.781 Fonte: Superintendência Federal de Agricultura/MAPA Nota: dados elaborados pelo Banco de Dados do Estado.gov.99 5.021 104 284 2003 5. Ano Fonte: IBGE.731 1997 6.714 28.792.560 102 309 2006 7.07 4.982 308.37 4.142.sidra.200 101 306 2005 5.546 19.222 18.593.

285.184 251.380 57.995 9.331.230 474.208 283. Aspectos Econômicos Fruta Banana Côco-da-Baia Laranja Limão Mamão Manga Maracujá Tangerina Uva Café Un.(www.138 Tabela 43 Quantidade produzida da lavoura permanente em Campo Grande/MS 2001-2008 5.CONAB.8 Hortifruticultura Em 2009.055 57.54 Campo Grande Mato Grosso do Sul Fonte: Boletim Anual 2009 da Ceasa .000 1.920 Graneleiro 60.gov.50 3.616 88.680 83.208 299.000 18.150 60.br.008.00 1.055 Silo Total 429.09 4. base de dados Sidra Tabela 45 Origem e volume comercializado na CEASA por grupo e subgrupo em Campo Grande e MS – 2009 Hortaliças Origem Flor.215 8. e Terenos com 1.360.446 830 600 156 Rend.666 2.924 283.60 6.434.98%.835.78%.901.182.515. Médio (kg/ha) 27.200 5.7 Armazenagem Tabela 44 Capacidade estática de armazenagem por modalidade em Campo Grande 2004-2010 2004 2005 2006 83.ibge.874.920 318.066.72%.870 91.5.40 Frutas nacionais 1.380 64.700 760 760 10 10 130 130 Fonte: IBGE . folha.048. tubérculo rizoma 854.br) em 18/03/2010 (1) – Frutos por hectare Culturas Abacaxi Arroz (em casca) Aveia (em grão) Cana-de-açúcar Feijão (em grão) Mandioca Melancia Milho Soja (em grão) Sorgo (em grão) Tomate Trigo Produção (ton) 324(1) 195 230 3.560 474. Jaraguari com 4.580 60. Dois Irmãos do Buriti com 2.700 83.000 20. bulbo.357.2.170 2009 84.092 60. os 05 (cinco) municípios do Estado de Mato Grosso do Sul que tiveram uma expressiva participação na comercialização de produtos na CEASA/MS foram: Campo Grande com 6.00 191.595 432.2.008. Sidrolândia com 3. Tonelada mil frutos Tonelada Tonelada Tonelada Tonelada Tonelada Tonelada Tonelada Tonelada 2001 128 525 60 180 200 40 40 120 - 2002 104 6 240 59 180 240 17 38 120 - 2003 104 27 120 88 120 180 27 36 120 - 2004 104 27 120 91 230 195 17 48 120 - 2005 360 27 120 84 216 158 17 45 40 - 2006 360 27 120 84 216 17 45 20 - 2007 360 27 120 91 80 180 42 48 - 2008 360 27 91 84 76 150 80 36 207 9 Fonte: IBGE – www.000 3.449.304 2010 91.250 1.478.80 8.568.170 Fonte: Companhia Nacional de Abastecimento .000 1.975.791 87.MS Capítulo 5 84 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .ibge.688.770 424.000 120 2. Modalidade Capacidade estática (t) 2008 2007 87.924 283.67%.2.sidra.6 Produção agrícola municipal Tabela 42 Produção agrícola municipal (lavoura temporária) – 2008 Área (ha) Área Colhida (ha) 12 12 60 60 200 200 50 50 120 120 150 150 24 24 7.066.99 22.00 Total 5.97%.34 Frutos 1.700 500 25.gov.750.00 Diversos 22.035 6.440 419.870 Convencional 283.649 22.40 Raiz.40 Ovos 191.580 1.833 3.348 432. haste 1.264.

00 85.62 15.00 76.818. se destaca a parceria com outros órgãos da Prefeitura Municipal de Campo Grande.609.922.955.00 1996 5.610.068.05 93.154.326. Horta da Escola Municipal Prof.743.00 77.916.00 88.950.00 56.00 49.620.331.689.704.926.927.70 14. sindicatos e universidades.00 69. de 1° de janeiro de 2009.25 2007 5.60 15.960.089.00 14.691.875.340.55 Outros Estados 46.092.785. informação e orientação nos procedimentos legais. estabelecendo vantagens competitivas para produtos e serviços da Capital e do Estado de Mato Grosso do Sul.SEDESC com a missão de planejar.260.286.875.89 16.027. relocalizarem ou ampliarem seus negócios na Capital.00 64. proporcionando condições para o estabelecimento e consolidação de meios de produção com elevado valor agregado e capital intelectual.00 1999 5.334.751.Viabilização de plataforma logística intermodal de transportes e distribuição.527. por meio da Lei n. na articulação.523.548.702.00 76.357.569.951. processos e serviços.603.17 2006 5.305.00 2002 5.00 14.00 2000 6.134. visando alcançar os seguintes objetivos: .240.309.494.481.418.991. induzir e intensificar as ações voltadas ao desenvolvimento econômico e social de Campo Grande.979.940.00 13.609.394. de Ciência e Tecnologia e do Agronegócio . de maneira a agilizar o atendimento aos investidores interessados a se instalarem.718.486.643.294.3 Setor secundário Com a finalidade de cuidar da política de desenvolvimento econômico do Município de Campo Grande. Entre as principais ações desenvolvidas.79 5.328.904.00 1998 4.843.505. visando o apoio do Município para a concessão de incentivos fiscais previstos no PRODES Programa de Incentivos para o Desenvolvimento Econômico e Social de Campo Grande.00 14.402.511.472. com agregação de valor e inovação.00 100.211.688.00 1997 5.426.788.00 51.606.00 68.559.292.06 110.475.843.00 83.698.805.874. .381.337.00 2001 5.565.031.507.340.51 137.722.251.136.331.974. gerando inovação em produtos.320.92 113.281.25 Total 65.568.00 66.335.89 2005 5. .90 115.00 58.00 54.374.00 13.Implantação de Pólo Tecnológico.170.529.00 74.00 2003 5.00 82.781.527. Procedência Outras Localidades / MS 13. locais ou não.00 2004 5.19 90.51 80.554.72 2008 5.00 102.99 2009 Fonte: Ceasa – MS. federações.862. foi criada a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico. 4.801.00 17.00 12. Fauze Scaff Gattass Filho Capítulo 5 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Econômicos 85 .661.289.668.507.956.Desenvolvimento econômico e social por meio da implantação e consolidação de empreendimentos locais e oriundos de outras localidades.252.052.149.222.Tabela 46 Demonstrativo da quantidade em kg e procedência dos produtos comercializados na CEASA/MS – 1996-2009 Campo Grande Ano 5.893. entidades de classe. para elevação de produtividade.190.280.976.00 15.060.952.433.934. tendo como diretriz atuar proativamente como agente facilitador e de apoio a empreendedores.00 13.

de Ciência e Tecnologia e do Agronegócio . que receberam incentivos do PRODES. .PRODES O Programa de Incentivos para o Desenvolvimento Econômico e Social de Campo Grande . apoio institucional e moderna infraestrutura. e aqueles decorrentes de incentivo ao turismo receptivo . . pela Lei Complementar n. As principais modalidades de incentivos oferecidas pelo Município de Campo Grande são: . condições de desenvolvimento e expansão de suas atividades. 29.3.SEDESC. social. . O Programa tem propiciado ótimas oportunidades de negócios para os investidores. . de empresas de outras regiões do território nacional ou do exterior. de 22 de fevereiro de 2005. abre-se o processo administrativo que posteriormente será enviado para a apreciação do CODECON. ou isenção dos encargos tributários.Doação de terreno para a construção das obras necessárias ao funcionamento das empresas.1.Promover o desenvolvimento econômico.CODECON. . Capítulo 5 86 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .166. Fonte SEDESC Aspectos Econômicos 5.PRODES foi implantado em 25 de outubro de 1999. fora dos Pólos Empresariais do Município. encontros e jornadas de âmbito regional.Viabilizar condições de instalação no Município.Oferecer às empresas já instaladas. . turístico e tecnológico do Município.Proporcionar condições para a criação e ampliação de estabelecimentos mercantis de micro e pequenas empresas. . simpósios.Capacitação e qualificação profissional para atendimento à demanda por mão de obra qualificada pelas empresas instaladas e em fase de instalação na Capital. nacional ou internacional. cultural. Atualmente este Programa está regulamentado pelo Decreto n.1 Empresas Aprovadas pelo PRODES . seminários.1 Programa de Incentivos para o Desenvolvimento Econômico e Social de Campo Grande . Para o investidor são muitos os incentivos oferecidos pelo Município: áreas estrategicamente localizadas em pólos empresariais. contribuindo para a geração de milhares de empregos para a população. Os principais objetivos do PRODES são: . feiras.Estimular a transformação industrial de produtos primários e recursos naturais existentes em Campo Grande e região. 5.Redução e/ou isenção de tributos municipais. Após análise prévia da equipe técnica da SEDESC.Execução de serviços de infraestrutura necessários à edificação de obras civis e das vias de acesso.3.. incidentes sobre obras de construção ou ampliação de edificações. convenções. entregando-a na Secretaria de Desenvolvimento Econômico.Qualificação de mão de obra. Na área do ISSQN (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) a Prefeitura Municipal de Campo Grande oferece redução. tais como: isenção e/ou redução de tributos (ISSQN e IPTU).organização em Campo Grande de congressos. Para ter acesso ao Programa os empreendedores interessados deverão encaminhar Carta Consulta ao Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico .Áreas Próprias Empresas localizadas em imóveis próprios. 9. devidamente instruída com os documentos constitutivos da empresa e/ou dos sócios.

Hannah Eng. Alfamed Distribuidora de Medicamentos Ltda Anhanguera Educacional S/A.Centro de Diagnóstico Cardiovascular S/S. Três Américas Transportes Ltda. de chips snack (batatas fritas e derivados de milho) Comércio varejista de lustres. metalúrgicos Educação infantil e ensino fundamental Loja comercial de automóveis. plásticos PVC em geral Shopping Center Iguatemi Clínica de diagnóstico cardiovascular Educação Especializado em massas Pátio Central Comércio varejista de materiais e artigos cirúrgicos Prestação de serviços médicos Loteamento em condomínio fechado Distribuidora de medicamento Comércio e distribuição de produtos farmacêuticos Distribuidora de materiais de construção Fundição. Bumer Ind. Agil . Damha Empreendimentos Imobiliários Ltda.Terminais Intermodais Ltda. Infantil Fundamental Ltda. Soma Equipamentos Rodoviários Ltda. Telemont Engenharia de Telecomunicações S/A. ferramentas e prod. Distribuidora Brasil de Medicamentos Ltda. plaina e solda Escola Derivados de cana Comércio varejista de produtos farmacêuticos Supermercado e conveniência Shopping Center Norte Sul Plaza Hiper Center Brilhante Serviço hospitalar Indústria e com. Múltipla Gestão de Pessoas Ltda. Indústria e Comércio Laticínios Anhanduí Ltda. I. Osório Ltda. Edyp Usinagem e Solda Ltda. Nilma Ribeiro Cardoso. Administração de Shopping Cidade Morena Ltda. Soldamaq Com. União da Ass.ME. Auto Posto Aliança Ltda. (Cond .EPP. Imobiliários Ltda. (UNAES) Antonio’s Náutica Ltda. LM Vidros e Cristais Temperados Ltda. Rodrigues & Chilante Ltda. Botas Empreendimentos Imobiliários Ltda. Solletrando Escola de Educ. de beneficiamento de vidros Viveiro de mudas de eucalipto Avicultura Comércio varejista de móveis Prestação de serviços Crematório. (Crematório Campo Grande) Nova Geração Melhoramento Genético Animal Ltda. Fonte: SEDESC Atividade Serviços de buffet e organização de eventos Comércio varejista de utilidades domésticas Centro de convenções e eventos Hotel Ypê Ind. Edyp Indústria e Comércio de Máquinas Ltda. fresa. Araçá Ind. Atividade Serviço de telefonia móvel pessoal Fábrica de rações e suplemento Shopping Center Cidade Morena Prestação de serviços de armazenamento e transbordo de etanol Salão de eventos Golden Class Serviços médicos e ultrassonografia Centro de distribuição Ensino superior Ensino superior Comércio varejista de artigos de caça e pesca Fábrica de carrocerias metálicas Comércio e varejo de combustíveis Recauchutagem Pousada Beneficiamento. Sul-Matogrossense . Ferramentas Ltda. Beirute) Onil . Tobelli Comércio de Calçados Ltda. e exp. Geny Marques Coury & Filhos Ltda. Bralar Comércio de Alimentos Ltda. de couros e peles Urbanização e paisagismo (loteamento Alphaville) Comércio varejista de bebidas Call center Indústria de confecções Indústria e comércio de mat. Comércio Vestuário Ltda. imp.. DMM Lopes & Filhos Ltda. CDC . Shahin & Terra Ltda.EPP. Educ. Agir Participações e Investimentos S/A.Mart Brasil Ltda. prestação de serviços p/ equipamentos rodoviários Indústria alimentícia (leite tipo C e queijos) Hotelaria e locação de salas (Hotel Águas) Indústria e comércio de argamassas Revenda e montagem de motos Ind. com. J. BMZ Couros Ltda. Ltda. Imob. Estância Maracahy Derivados de Cana Ltda. Sorali Comercial Exportadora Ltda. Repr. cremação de seres humanos Laboratório para melhoramento genético e reprodução animal Compra e venda de imóveis e demais atividades imobiliárias Indústria gráfica fabr.Com.Line Com. ICCAP Implementos Rodoviários Ltda. Terras de Bonito Empreend. Cirumed Comércio Ltda. (Hiper Center Brilhante) Hospital Geral El Kadri Ltda. Ponto Certo Ltda. de formulário contínuo Fabricação de materiais isolantes térmicos Empresas Incentivadas Paulo de Oliveira Eventos . Werner Henrique Busse (Hotel Brumado) WMS Supermercado do Brasil Ltda. Ltda. peças e acessórios Indústria de produtos veterinários (soro fetal bovino) Call center Condomínio Terras do Golfe Comércio varejista de calçados Transporte rodoviário de cargas em geral Educação superior Comércio varejista de alimentos. Burille & Zortea Ltda. Clínica de Cirurgia Plástica Pedro Pegolo S/S. e Constr. Dimebel Com. Semalo Ind. Calila Administração e Comércio S/A. Banzai Caminhões Ltda. luminárias e arandelas Prestação de serviço na área de ensino Distribuidora de petróleo Comércio varejista de ferragens. SPE 03 Ltda. Owens Corning Fiberglas As Ltda. Kimoto Ltda. Luiz da Costa Vieira Neto Maria Cleonice Pereira Rodrigues Modular Design Ltda. e Constr. Novo Destino Empr. utilitários. industrialização de peças de ferro e aço Prestação de serviços de tornearia. Farmácia Vide Vida Ltda. Alfa Care Medical S/S. Empreendimentos Hoteleiros Ltda. Carrocerias Ltda. pizzaria e restaurante Hipermercado Hotelaria Hipermercado Empresa incentivada pelo Prodes Capítulo 5 Continua Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Econômicos 87 . Adames Indústria Comércio. Gen. (Antonio João Rezek) Progemix Programas Gerais de Engenharia e Construção Ltda. Sistema Educacional Avant Gard Ltda. Wal. de Alimentos. (CESUP) Anhanguera Educacional S/A. Representações Ltda. Small Distribuidora de Derivados de Petróleo Ltda. Brasil Telecom S/A. Ltda. Benjamim Chaia. (Norte Sul Plaza) Hannah Eng. Jaspe Argamassas Ltda.Tabela 47 Empresas Aprovadas pelo PRODES – Áreas Próprias – 2001 a dezembro/2009 Continuação Empresas Incentivadas 14 Brasil Telecom Celular S/A. de Med.UNAES VP Comércio de Pizzas e Alimentos Ltda. e Adm de Imóveis Ltda. e Com. Centro de Ensino Superior de Campo Grande Centro de Gastronomia Via Park CGC . Escola de Ensino Fund.

Fabricação de estruturas pré moldadas de concreto SIPAV Sinalização e Recuperação de Pavimentos Ltda. centros de saúde. instalados no anel rodoviário e outras áreas pertencentes ao Município de Campo Grande. Centro logístico de cargas Indústria e comércio fertilizantes orgânicos Organoeste Campo Grande Ind.2 Pólos Empresariais da Prefeitura Municipal de Campo Grande 5. energia elétrica e linhas de ônibus). Curtume Bertin Ltda. IBEMDS – Indústria. e rede de esgotamento sanitário. com acesso ao centro da Capital por avenidas. Fergusul Siderurgia Ltda. Ltda. compra e venda de veículos Bertin S/A. Situa-se na confluência da BR 163 com o anel rodoviário. UNINGA – Unidade de Ensino Superior Ingá Ltda.1.1 Pólo Empresarial Miguel Letteriello (Pólo Empresarial Norte) Implantado em 2001 e localizado na Região Urbana do Prosa.2 Anel Rodoviário e Outras Áreas do Município Empreendimentos incentivados pelo PRODES. manutenção. Siderurgia para produção de ferro gusa Fonte: SEDESC Tabela 49 Situação Atual – Pólo Empresarial Miguel Letteriello Área Total Número de lotes Empresas instaladas Lotes ocupados Empresas em instalação Empresas com projetos aprovados cumprindo exigências Lotes disponíveis Fonte: SEDESC Capítulo 5 Pólo Empresarial Miguel Leteriello Aspectos Econômicos 50 hectares 46 33 34 5 7 0 88 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Fábrica de biodiesel Indústria frigorífica Bertin S/A. Comércio varejista de veículos KM Transportes Rodoviários de Cargas Ltda. Transportadora. rede de água. Bertin Ltda. Fabricação de telas e artefatos de concreto COMTELAS Comércio de Telas Ltda. CEINFs. Tabela 48 Empresas no Anel Rodoviário Empresas Incentivadas Atividade Indústria e comércio de equipamentos rodoviários Araçá Indústria de Carrocerias Metálicas Ltda.5. 5. Comércio & Logística Ltda.3.3. e Com.2. Indústria comércio importação e exportação Soprano Administração e Participações S/A. Centro universitário de ensino superior Vetorial Siderurgia Ltda. Limita-se com áreas urbanizadas que contam com serviços públicos (escolas. Kampai Motors Ltda. Possui 50 hectares com 46 lotes e infraestrutura: revestimento primário e drenagem pluvial em todas as vias. de Adubos e Fertil. Fabricação de ferro gusa Comércio atacadista e varejista e viveiro de mudas Floreste Suprimento Florestal Ltda.3.Indústria e Comércio Ltda. Indústria comércio e transporte de bebidas Abatedouro de animais de pequeno porte JS Ovinos .

Plásticos Reciclados Ltda. Agr. Importação e Exportação de Sementes Ltda. Ltda. Montanha Com. Lotes com infraestrutura básica: revestimento primário em todas as vias. Eco Máquinas Ind. Futura Transportes Ltda. Adir Alexandre Volpi (Volpi Decorações) Allimenta Nutrição Animal Ltda. Área total Número de lotes Empresas instaladas Lotes ocupados Empresas em instalação Empresas com projetos aprovados cumprindo exigências Lotes disponíveis Fonte: SEDESC 234 hectares 273 15 126 6 18 108 Fonte: SEDESC Capítulo 5 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Econômicos 89 Tabela 51 Situação Atual – Pólo Empresarial Conselheiro Nelson Benedito Netto . de Peças e Equipamentos Rodoviários Ltda. Thiene Engenharia e Comércio Ltda. Indústria de Materiais Plásticos Santa Maria Ltda. bolinhos de camarão e siri) Revenda de caminhões e carretas rodoviárias Comércio varejista de veículos. de Pães e Biscoitos Ltda. próximo ao Indubrasil. PLASTISUL. Ltda.ME. painéis. Mov Flex . Palmares Serviços Técnicos Industriais Ltda.kani. e Com.5. Imp. Transporte de cargas Transporte rodoviário de cargas em geral Indústria alimentícia (charques e embutidos) Implementos rodoviários Prestação de serviços de transporte rodoviário Indústria e comércio de equipamentos hidráulicos Fabricação de artefatos em gesso Indústria de embalage Indústria alimentícia (pães congelados e biscoitos) Química fina e biodiesel Indústria de móveis comerciais Indústria de nutrição animal Atividade agropecuária.ME. varejista e exportação de cereais e sementes beneficiadas Produção e beneficiamento de sementes Fabricação de micro-nutrientes p/ adubos Indústria de confecções e tecelagem Equipamentos industriais Comércio de máquinas Comércio atacadista de produtos alimentícios para animais Localizado na Região Urbana do Imbirussu. Kriativa Expositores Ltda. Campo Doce Distribuidora de Produtos Alimentícios Ltda. de peças plásticas. e Pec. Comércio. MGS Foods Indústria e Comércio Ltda. de Equip. energia e gás. pisos etc.2 Pólo Empresarial Conselheiro Nelson Benedito Netto (Pólo Empresarial Oeste) Tabela 50 Pólo Empresarial Miguel Letteriello Empresas Incentivadas 7M Alimentos Ltda. blocos. de Peças e Máquinas Ltda. Zootécnica Agrária Atividade Indústria alimentícia (alimentos naturais) Indústria e comércio de móveis Sal mineral e ração balanceada Fabricação de ração Comércio atacadista de doces Embalagens de papelão Fabricação de máquinas para tijolos. da rede ferroviária e do anel rodoviário. Com. Sementes Boi Gordo Ltda. Líquida Suplementos Minerais Ltda. Paulo Roberto Latine. e Com. Kardol Indústria Química Ltda. dividido em 273 lotes de 5. Estrela Transportes e Tornearia Ltda. Selofort Plásticos e Espumas Injetadas Ltda.3. INPAN Ind. Expresso Flecha de Prata Ltda. Tortuga Cia. SPR Indústria de Confecção e Tecelagem Ltda. acessórios Indústria de móveis Indústria e comércio de móveis Indústria de confecções Indústria de confecções Serviços de limpeza técnica Torrefação e moagem de café Indústria de reciclagem de plásticos Ind. Hidraul. drenagem pluvial e área para serviços públicos. Solutech . Monza Distribuidora de Veículos Ltda. em área de 243 hectares. Ltda. (@ Zero) Nilcatex Têxtil Ltda. Facchini S/A. de Móveis Ltda.2. Sementes Safrasul Ltda. Fábio Cortez Martins. Tork Sul Com. produção reembalagem e comércio atacadista de sementes de pastagens Fábrica de ração Indústria alimentícia (kani . Multiflex Ind.000 m². Cartonagem São José Ltda. Império do Gesso Forro e Decorações Ltda. Mylly Confecções Ltda– EPP. Com. da termoelétrica. Marlei Vilas Boas . Exp. injetadas e expandidas Comércio atacadista. peças. Está estrategicamente localizado próximo ao Aeroporto Internacional de Campo Grande.Indústria de Móveis e Comércio Ltda. Manejo Indústria. Com. Apresenta vantagens no que se refere à transporte. BZB Nutrição Animal Ltda.Soluções Tec. Hidraumega Ind.FI.

de Embalagens Ltda. embalagens de ráfia fitas. Refrigel Assistência Técnica Ltda. Manutesul Manutenção de Bombas de Gasolina Ltda.Ltda. (Gabriela Calçados) Carandá Indústria e Comércio de Óleos Ltda. J. perfumaria e cosméticos Indústria química Fabricação de produtos de limpeza Ampliação do centro de distribuição e assistência técnica Centro de distribuição Indústria de confecções Centro de distribuição Tratamento e destinação final de resíduos de serviços de saúde Indústria de bebidas (refrigerantes) Comércio atacadista e varejista de combustíveis e biocombustíveis Ampliação da indústria de confecção infantil e implantação de uma indústria têxtil Indústria de confecções Fabricação de produtos de limpeza Indústria de confecções Usina de asfalto Indústria de confecções Indústria de produtos para alimentação animal Aspectos Econômicos Capítulo 5 Fonte: SEDESC 90 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Calcenter Calçados Centro Oeste Ltda. Fábrica Química Petróleo e Derivados Ltda. e com. Imp. Tex Barreds Moda Ltda. High End Confecção de Vestuário Ltda.Sulmatogrossense de Refrigerantes TAG Distribuidora de Combustíveis S/A. Sulmar . animais Comércio varejista Indústria de confecções Comércio atacadista de máquinas e equipamentos Prestação serviços de concretagem Produção de mudas Reciclagem de material plástico Fábrica de massas Fábrica de óleos lubrificantes automotivos em geral Fábrica de produtos em fibra de vidro Comércio atacadista de combustíveis e derivados Indústria de luminárias Indústria de confecções Indústria de confecções Artefatos de cimento Indústria de confecções Indústria metalúrgica Indústria de telhas de concreto Ind. THY Comércio. Atividade Ind. Com. TDB Têxtil S/A. Shoulder Indústria e Comércio de Confecções Ltda. Dias & Idalgo Ltda. Kepler Weber Industrial S/A. Vitachemie Administradora de Bens Ltda.EPP. Concreto Três Lagoas Ltda. Distr. Posco Indústria. Casas Bahia Comercial Ltda. Usina de Asfalto Santa Edwirges Ltda.ME. Lindomar da Paixão Neto Manforth Indústria e Comércio Ltda.Tabela 52 Pólo Empresarial Conselheiro Nelson Benedito Netto Empresas Incentivadas Brasráfia Ind. Spielmann & Spielmann Ltda. Exp. Fábrica de Massas Albassi Ltda. Fibracampo Produtos em Fibra Ltda. MBP Isoblock Sistemas Termoisolantes S/A. e Com. de tintas automotivas e imobiliárias Reforma de bombas e tanques de combustível Produção e comercialização de câmaras frigoríficas Transportadora de cargas Beneficiamento e comercialização de arroz e outros cereais Ind. Sertão Comercial de Equipamentos Ltda. Nova Farma Ind. minerais. Centro-Oeste Comércio de Lubrificantes Ltda. com. Cativa MS Têxtil Ltda. NC Transportes Ltda – ME. Universo Íntimo Indústria e Comércio Vestuário Ltda. e com. de Cosméticos e Com. de produtos de higiene pessoal. Cruz Engenharia Ltda. Importação e Exportação Ltda. Ltda. Prest. NGS Comércio de Cereais Ltda. IMB Têxtil Ltda. Soubhia & Cia Ltda. Ecoflake Indústria de Reciclagem Ltda. Francisco Giobbi Usina Sonora Hexa Eficiência Energética Ind. Comércio. Petroplus Sul Com. Serv. de tecidos. fios e resinas termoplásticas Centro de distribuição Recuperação de óleos vegetais. Kabriolli Indústria e Comércio de Roupas Ltda. Valdac Ltda. Exterior S/A. Importação e Exportação Ltda.

com a finalidade de atender empreendimentos industriais incentivados pelo PRODES. E Com. Fonte: SEDESC Atividade Reciclagem de vidro e outros materiais Reciclagem de pneus para produção de granulados Reciclagem e prestação de serviços especializados Fabricação de pré-moldados e tubos de concreto Reciclagem de material de construção Tabela 54 Pólo Empresarial Paulo Coelho Machado Empresas Incentivadas Campofer Ltda. dotado de infraestrutura e com aproveitamento dos equipamentos e serviços urbanos do bairro.ME.3.2. 4.3. Matias Flores . localizada na Região Urbana do Segredo. adquirida pela Prefeitura Municipal. Dividida em 8 lotes. PAV . Gelattus Sorvetes Ltda. MS Ind.5. no Jardim Canguru. Barros. Poli Massas Ltda – ME. de produtos de limpeza. Comercial Pires de Alimentos Ltda. É destinado às micro e pequenas empresas. Situa-se na confluência da BR 163 com o anel rodoviário. de Móveis Ltda . Silvana Pereira dos Santos Corrêa (Extim Camisaria) Vó Erminia Alimentos Ltda .ME.469 m².5 Pólo Empresarial Sul (em fase de instalação) Está sendo implantado em uma área com 52 hectares.2. detergente Indústria de confecções Indústria alimentícia (alimentos em conserva) 5. L. na Região das Moreninhas.Reciclagem de Pneus Ltda. de 23 de dezembro de 2009.2. água sanitária. 5. Ecosupply Ltda. C. sabonete. Situa-se no Anel Rodoviário. parte da confluência com a Estrada das Três Barras e se destinará à instalação de empreendimentos produtivos dos setores do comércio. Capítulo 5 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Econômicos 91 .000 m² 42 5 40 3 6 0 Tabela 55 Pólo Empresarial de Empresas de Reciclagem (em instalação) Empresas Incentivadas Denise Cafure Melgarejo (Revidro Reciclagens) Ecopneu.ME.Tubo Indústria e Comércio Ltda. Tabela 53 Situação Atual – Pólo Empresarial Paulo Coelho Machado Área Total Número de lotes Empresas instaladas Lotes ocupados Empresas em instalação Empresas com projetos aprovados cumprindo exigências Lotes disponíveis Fonte: SEDESC 21. Ramos e Cominetti Ltda. indústria e serviços. pó. com 42 lotes de 500 m². Progemix Resilix Reciclagem do Brasil Ltda.4 Pólo Empresarial para Pequenas Empresas Recicladoras Está sendo implantado em uma área com 12 hectares e 6. próximo à Incubadora Mário Covas.ME. Fonte: SEDESC Atividade Comércio varejista de produtos siderúrgicos Comércio (supermercado) Indústria alimentícia (fábrica de sorvetes) Indústria metalúrgica Indústria alimentícia (massas congeladas e pizzas) Indústria e comércio de móveis Fabricação de adesivos plásticos (massa plástica p/ pintura automotiva e mármore) Ind. sabão em pedra.ME.800.3.3 Pólo Empresarial Paulo Coelho Machado Localizado na Região Urbana do Anhanduizinho. parte integrante do Plano de Operação Urbana Consorciada do Pólo Sul criado pela Lei n.

com acesso pela BR-262 e pelo Anel Rodoviário que contorna praticamente toda a malha urbana. posição em 15 de março 2010. linha de ônibus. responsável por sua administração. Tabela 56 Estabelecimentos instalados no Núcleo Industrial de Campo Grande – 2010 Estabelecimentos Adm do Brasil Ltda Adubos Guano Ltda ME BMZ Couros Ltda Couros Wet Leather Ltda Diplomata S/A Industrial e Comercial Edyp Ind. Ltda Pauli Indústria Metalúrgica e Comércio Ltda Qually Peles Ltda Química Central do Brasil Ltda Reatores Brasil Ltda– EPP Sipav Sinalização e Recuperação de Pavimentos Ltda Soprano Eletrometalurgica e Hidráulica Ltda Tramasul . bronze. aço. Fundição e Usinagem Ltda ME Macrofertil Ind. que estão loteados em pequenas. O Núcleo Industrial conta com 80 lotes. C. 122 são de área útil.3. médias e grandes áreas. P. e Com. estação telefônica. Está localizado a sudoeste do perímetro urbano.3 Núcleo Industrial Indubrasil O Núcleo Industrial de Campo Grande foi implantado em 1977 pela Prefeitura Municipal. Fertilizantes Ltda Matesferro Comércio e Indústria de Fix Ferro. sendo que as empresas instaladas no local contam com a seguinte infraestrutura: pavimentação e drenagem pluvial na avenida principal. sendo posteriormente transferido ao Governo do Estado. Leste 262 (Três Lagoas-São Paulo) e Sudoeste BR-060 (Sidrolândia). Dos 200 hectares existentes. trevo de interligação e acesso às BR-262 e 163 asfaltado. revestimento primário nas vias secundárias. e Com. unidade assistencial do SESI. Elaboração: SFIEMS DGE ASECON Capítulo 5 92 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . de Bebidas Funada Ltda Jbs Couros Ltda L. rede e estação rebaixadora de energia elétrica. e Com.Tratamento de Madeiras Ltda Tratar Indústria e Comércio Atacadista de Madeiras Ltda ME Produto Principal Óleos vegetais Fertilizantes Curtimento Mantas Abate aves Tampões para esgoto Sal mineral / suplementos minerais Peixes Aparelhos elétricos Alimentos preparados Reciclagem de sucata não metálica Cereais Refrigerantes Curtimento Fundição de Ferro Fertilizantes Estruturas metálicas Aparelhos de refrigeração Calcário Espelho Rações Estruturas metálicas Curtimento Refino de óleo lubrificante Transformadores Ornamentos de cimento Artefatos de metal (ferro. de Máquinas Ltda Fazendeiro Nutrição Animal Ltda Frigorifico Linares Ltda Fullop Serviços e Representações Ltda Gran Sapore Br Brasil S/A Helker Marcel Macedo Trindade ME Hugo Stein ME Industria e Com. alumínio etc) Esquadrias de madeira Tacos Aspectos Econômicos Fonte: FIEMS / IEL . ligando a saída Norte BR-163 (Cuiabá).5.Cadastro Industrial. Ltda Mbp Isoblock Sistemas Termoisolantes S/A Mineração Carandazal Ltda Owens Corning Fiberglas A S Ltda Pajoara Ind. ramal de gás natural. com o objetivo de atender às empresas de todos os portes.

Estabelecer uma cultura empreendedora. conjunto completo de berço e manta para bebê Produtos e lã de carneiro para montaria Camisas masculinas Confecções de roupas femininas. . botinas. administrativo e de serviço. a formação de empreendedores sintonizados com as exigências de competitividade em uma economia globalizada. masculinas e uniformes Serviços de serigrafia em roupas com várias estampas Atividade Confecção de roupas infantis até 13 anos. rabo do boi para indústria de vassoura e pincel Luvas de raspa do couro e vaqueta.4. Consequentemente o Programa possibilita a introdução de novas indústrias no contexto socioeconômico local.Apoiar a introdução de novos produtos. por eletricistas e cortadores de cana. Rua Salinas da Silva. Bairro Estrela Dalva I.5. . contendo seis módulos individuais. Tabela 57 Empreendimentos na Incubadora Municipal Francisco Giordano Neto Empreendimentos Botinas Rancharia MS Crinas Protege Fonte: SEDESC Atividade Botas.3.4.Promover a inovação tecnológica através do intercâmbio com universidades.3. contendo seis módulos individuais Tabela 58 Empreendimentos na Incubadora Municipal Mário Covas Empreendimentos Stravagansa Camisaria Stravagansa Serigrafia Incubação à Distância Empreendimentos Yori Comércio e Confecções Souza Costa & Costa Neto Stim Camisaria Tina Confecções Fonte: SEDESC Atividade Confecção de camisas femininas. . processos e serviços no mercado. 5. com 960 m² de área construída. . Bairro Mário Covas. masculinas e uniformes Capítulo 5 Empresa instalada em incubadora municipal Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Econômicos 93 . Rua Marquês de Leão.4 Incubadoras Municipais O Programa Incubadoras Municipais presta assistência temporária a empresas industriais nascentes. tendo como princípios: . institutos de pesquisa e grandes empresas. apoio técnico. 1214.1 Incubadora Municipal Francisco Giordano Neto Área de atuação: Artefatos de couro Localizada na Região Urbana do Prosa. avental de raspa . o fortalecimento da economia local.Gerar emprego e renda.Promover a interação entre empreendimentos apoiados e instituições que desenvolvam atividades tecnológicas. .Capacitar empreendedores na área de gestão empresarial e produção com preparação de mão de obra.3. . Funciona mediante cessão de infraestrutura. Localizada na Região Urbana do Anhanduizinho. masculina e feminina. 668. utilizados por soldadores 5. cintos e chapéus Produtos preparados com crina de cavalo. utilizados no segmento de construção civil.2 Incubadora Municipal Mário Covas Área de atuação: Confecções. . a geração de novos empregos.Reduzir a taxa de mortalidade de novas micros e pequenas empresas. com 960 m² de área construída.Promover a agregação de conhecimento e a incorporação de tecnologias.

alho granulado. Av. Gal. cebola.3.4. colchas com linha. um para empresa que trabalhe com madeira e um para empresa que trabalhe com argila. balas de côco recheadas nos sabores brigadeiro. Contendo sete módulos para incubação de empresas artesãs. temperos (alho em pasta. etc). porta-moedas e mantas Atividade Produtos feitos de reciclagem de papel. ovo de codorna. bala de côco gelada Hortifruti (preparação de kits de verduras e legumes e kit yakissoba). churrascos e aves Capítulo 5 94 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . de copos. cebola. brincos. canela. pulseiras. orégano. mandioca in natura resfriada e embalada a vácuo. beijinho. Tabela 60 Empreendimentos na Incubadora Municipal Zé Pereira Empreendimentos Fibra Morena Puro Osso Tecelagem e Companhia Atividade Produtos feitos com fibras retiradas de taboa. mesas e bancos feitos de madeira e fibra traçada. folha de bananeira. jogo americano com taboa e o bambu. mandalas. 594. pulseiras e botões) utilizando osso e chifre de boi Produtos no tear manual. palha de milho. Palha de milho e sementes Aspectos Econômicos Empreendimentos Incubados à Distância Feito à mão Fonte: SEDESC Tabela 59 Empreendimentos na Incubadora Municipal Norman Edward Hanson Empreendimentos DJE Comércio de Alimentos LTDA Docelli Doces Finos Estância Colussi São Francisco Indústria LTDA Vó Ermínia Alimentos LTDA Doces MORIAH Fonte: SEDESC Atividade Mandioca in natura descascada. com 960 m² de área construída. resfriada e congelada Balas de côco tradicional. tais como: suporte de panela. buriti. 5. porta marinex e porta-moedas Confecções de peças decorativas e acessórios femininos (colares. Alberto Carlos Mendonça Lima. produtos no azeite (tomate seco. coloral. limão. prestígio e castanha. café. Porta pen drive. Rua Eugênio Perón. bagaço de cana. tapetes. bananeira. temperos prontos para peixe. jurubeba e pimentas).4. mandioca in natura na água Mandioca chips.3 Incubadora Municipal Norman Edward Hanson Área de atuação: Alimentos Localizada na Região Urbana da Lagoa. champignon). jogo americano. banana chips e amendoim Alimentos em conserva (cogumelos. tais como: almofadas. maracujá. Bairro Zé Pereira. contendo nove módulos.5.4 Incubadora Municipal Zé Pereira Área de atuação: Artesanato Localizada na Região Urbana do Imbirussu. Com 960 m² de área construída. luminárias. tapete em tecelagem e malha. berinjela. chinelos.3. 2251 – Bairro Santa Emília.

3.5 Localização dos pólos empresariais e incubadoras municipais Capítulo 5 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Econômicos 95 .5.4.

entre as BRs-163 (que demanda à São Paulo) e 060 (Sidrolândia).2 km 5. .Diminui prejuízos causados pelo tráfego de caminhões na cidade.3.3 km . uma vez que as bases de combustíveis se localizarão em áreas mais adequadas.5.3.Libera áreas mais centrais hoje ocupadas pelos depósitos e terminais de empresas.Melhora o uso da estrutura de transportes existentes.449. O Terminal é servido também pelo contorno ferroviário e se situa próximo ao gasoduto Brasil-Bolívia. . .537 m²) .Ramal Ferroviário: 2. e com a hidrovia Tietê-Paraná.Captação.5.5 km . armazenagem e rede de distribuição de água potável: 2.72 m²) .2 Principais benefícios do Terminal Intermodal de Cargas de Campo Grande .1 Infraestrutura do Terminal Intermodal de Cargas de Campo Grande Aspectos Econômicos Capítulo 5 . em Corumbá. em Três Lagoas.5 km .Rede coletora de esgoto: 5.5 Terminal Intermodal de Cargas de Campo Grande Com a construção do Terminal de Cargas de Campo Grande. localizada às margens do anel rodoviário.Reduz o tempo de espera para carregamento e descarregamento.3. Fonte: SEDESC 96 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . 5.Reduz o risco de acidentes. . com transferência de cargas da rodovia para a ferrovia e vice-versa.Estacionamento: 290 vagas (60.Drenagem (galerias): 700 m . .A logística de transportes do Terminal de Campo Grande permite a conexão com a hidrovia Paraná-Paraguai.Diminui custos operacionais .Encurta o percurso dos veículos rodoviários que demandam ao centro. O Terminal Intermodal de Cargas se apresenta como um dos mais importantes instrumentos de logística no Centro Oeste.Pavimentação: 6.Rede de energia elétrica e iluminação pública: 2.5 km (88. . a Prefeitura de Campo Grande oferece aos empresários mais um incentivo estratégico para investimento e negócios na Capital do Estado de Mato Grosso do Sul.Racionaliza os serviços de coleta e entrega de mercadorias. O Terminal de Campo Grande será construído numa área de 65 hectares. .5. -Reduz percursos vazios à procura de carga de retorno.

043 34 Fonte: FIEMS / IEL . papelão.043 Fonte: FIEMS / IEL .Cadastro Industrial. produtos farmacêuticos.731 421 24 Indústria metalúrgica.Cadastro Industrial.2009 Ano 2008 2009 Fonte: FIEMS / IEL Mato Grosso do Sul 8.066 Campo Grande 2.6 Indústrias por atividades Tabela 61 Estabelecimentos segundo os segmentos industriais – Campo Grande – 2010 Segmentos Industriais Total Construção civil 807 Indústria de produtos alimentícios. produtos farmacêuticos.184 Indústria do papel. veterinários e perfumaria 18 Indústria de calçados 10 Serviços industriais de utilidade pública 7 Indústria de produtos minerais não metálicos 6 Extrativa mineral 4 Demais atividades industriais ou de apoio à Indústria 847 Total 3. de C.066 3. papelão.043 Participação CG/MS (%) 34 34 Capítulo 5 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Econômicos 97 . editorial e gráfica 223 189 Indústria têxtil do vestuário e artefatos de tecido Indústria da madeira e do mobiliário 121 Indústria química. veterinários e perfumaria 18 44 41 Serviços Industriais de utilidade pública 29 7 24 Demais atividades industriais ou de apoio à indústria 33 847 2.778 807 Indústria de produtos alimentícios.691 9. posição em 15 de março 2010.3. bebidas e álcool etílico 1. mecânica e de material elétrico 390 33 1. Elaboração: SFIEMS DGE ASECON Segmentos Industriais Tabela 63 Número de Indústrias em Mato Grosso do Sul e Campo Grande 2008 . Gde Campo Grande (%) do Sul Construção civil 45 1. posição em 15 de março 2010. Elaboração: SFIEMS DGE ASECON Indústria de calçados Tabela 62 Participação de Campo Grande sobre o total de estabelecimentos industriais em Mato Grosso do Sul – 2009 Mato Grosso Part. editorial e gráfica 544 223 41 538 Indústria da madeira e do mobiliário 121 22 189 46 Indústria têxtil do vestuário e artefatos de tecido 411 Indústria de produtos minerais não metálicos 146 6 4 Extrativa mineral 7 56 4 Indústria de calçados 48 10 21 Indústria química.5.560 Total 9. bebidas e álcool etílico 421 Indústria metalúrgica.939 3. mecânica e de material elétrico 390 Indústria do papel.

o Município já se destacava.74 34.5.124 20.563 23.92 33.870 27.612 24.1 Comércio Antes mesmo da criação do Estado de Mato Grosso do Sul.3% do total das empresas comerciais do Estado.4 Setor terciário 5.422 9.635 7.35 34.549 8.60 35.393 25.02 35.957 22.4.221 21.505 8.39 34. Tabela 64 Total de estabelecimentos comerciais – 1994-2009 Ano Mato Grosso do Sul 26.74 33.31 33.060 9. Capítulo 5 98 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .954 7.68 32.31 33.675 8. Em 2009 esta participação passou a ser de 34. Campo Grande despontava como pólo de desenvolvimento.012 24.703 24.85 34.18 34. uma vez que concentrava 16.09 35.265 24.710 6.128 25. Em 1950.601 23.459 Campo Grande 8.38%.641 27.15 33.034 23.864 22.90 34.542 7.441 % CG/MS 32.705 8. Nota: dados elaborados pelo Banco de Dados do Estado – SEMAC/MS.38 Aspectos Econômicos 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Fonte dos dados brutos: SEFAZ.920 7.850 7.439 9.441 8.286 7.

296 201 97 551 584 415 260 510 880 1.526 9.. peças e acessórios Vestuário. equip.351 219 108 447 784 784 605 326 546 1. equip. químicos Veículos.576 8.115 239 115 354 780 618 501 299 496 866 1. cosméticos e prod. carvão. ferragens.4.360 7.719 2005 1..4. escritório. químicos Tecidos. 5.336 7. metalúrgicos Máquinas.048 2004 2.454 8.439 2003 2.151 6.819 2009 2.266 187 112 594 574 412 235 480 902 1.180 6.2 Varejo Tabela 66 Número de estabelecimentos comerciais varejistas por ramo de atividade em Campo Grande – 1998-2009 Atividade Alimentação Livraria e papelaria. peças e acessórios Total 1998 17 55 58 23 8 35 12 11 21 8 198 11 44 33 3 537 1999 27 82 8 69 32 36 11 10 9 14 241 1 17 49 7 22 635 2000 23 72 7 65 30 27 7 7 9 11 223 1 13 50 5 25 575 2001 27 86 6 61 31 29 9 8 8 13 231 1 14 61 7 30 622 2002 30 81 7 65 33 31 8 6 9 14 220 2 15 60 7 33 621 2003 27 88 8 64 31 32 8 11 10 12 241 3 15 64 6 37 657 2004 17 76 7 42 28 32 10 6 11 8 205 3 9 65 5 43 567 2005 13 77 8 31 34 31 12 7 5 5 192 3 8 59 3 42 530 2006 17 80 10 33 33 33 12 8 5 5 206 2 11 61 3 46 565 2007 17 73 15 24 34 34 12 10 7 5 206 1 12 68 4 48 570 2008 12 86 14 27 36 35 16 10 10 3 208 1 13 77 5 50 603 2009 23 102 15 26 33 39 19 11 10 5 217 3 16 93 8 56 676 Fonte dos dados brutos: SEFAZ Nota: dados elaborados pelo Banco de Dados do Estado – SEMAC/MS. jornal. artigos de colchoaria e tapeçaria Livraria e papelaria. comunicação e informática Móveis.000 2000 2. para indústria.765 Capítulo 5 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Econômicos 99 . usados para recuperação industrial Bebidas e fumo Combustíveis e lubrificantes de orig. cosméticos e prod. prod. obj. mineral e veg. informática e telefonia Materiais para construção em geral Mobiliário. e artigos para usos diversos Produtos para lavoura e pecuária Farmacêuticos.1.974 2001 2. 1998 2.417 1999 2. e agricultura Material elétrico. Material de constr. com. jornal.238 7.5.012 2006 1.830 200 92 390 669 630 499 260 452 861 1. prod.1 Atacado Tabela 65 Número de estabelecimentos comerciais atacadistas. artefatos e fios têxteis Veículos.596 254 127 269 786 671 505 323 610 844 1.269 7.039 204 95 415 715 712 533 296 495 955 1. por ramo de atividade em Campo Grande – 1998-2009 Especificação Artigos de vestuário. extrativos de origem vegetal Farmacêuticos.105 2008 2.1.SEMAC/MS. revista e disco Artigos para esporte e lazer Combustíveis.817 2002 2.222 7. lubrificantes e GLP Máq. acessório e artigos uso doméstico Total Fonte dos dados brutos: SEFAZ Nota: Dados elaborados pelo Banco de Dados do Estado .084 156 90 508 525 382 211 495 815 1. apar. revista e disco Produtos alimentícios em geral Produtos extrativos de origem mineral Madeira. armarinho e calçados Artigos diversos Sucatas.285 2007 1.273 7.788 215 104 378 670 586 479 215 432 836 1.754 279 136 303 862 712 575 342 628 931 1.474 236 115 257 675 631 470 297 570 800 1.019 1.292 7..899 217 98 388 679 629 501 269 467 865 1..

386 1998 88 278 240 210 20 13 167 46 57 16 1.425 31 396 290 1.212 Número de Estabelecimentos 2001 2002 2003 2004 2005 66 68 67 50 46 123 107 118 66 47 261 150 116 227 247 213 215 215 96 71 15 18 8 17 12 25 26 16 24 17 131 125 48 117 41 38 319 191 1.4.420 2009 22 2 19 10 10 6 2 1 10 2 77 13 21 73 42 562 12 1 51 19 23 7 5 8 44 558 1. a Prefeitura Municipal de Campo Grande terceirizou a administração do Centro Comercial à Associação dos Vendedores Ambulantes – AVA. Em 2005 o andar superior foi transformado em espaço de mostra e criação de arte.333 33 358 219 1.083 2006 43 44 110 75 6 17 38 13 323 465 1.4. com 470 bancas. Em 2004 foi realizada uma reforma e atualmente o Centro Comercial possui área coberta de aproximadamente 5.328 Número de Estabelecimentos 2008 20 3 18 10 8 5 2 1 9 2 70 16 14 63 38 494 12 1 39 21 20 6 5 6 40 497 1. 477 bancas ativas.2. máquinas e equipamentos Saúde Transporte Não especificado Total 1997 70 77 247 266 19 25 136 42 360 144 1.135 1999 67 85 236 223 12 24 131 42 281 150 1.2.1 Estabelecimentos de serviços por ramos de atividades Tabela 67 Estabelecimentos de serviços por ramos de atividades – CAE – 1997-2006 Atividades Armazenagem Comunicação e diversão Construção civil Diversos Editorial e gráfica Higiene e estética Manutenção inst. Através de convênio. Centro.119 16 329 392 1.600 Fonte dos dados brutos: SEFAZ.134 Fonte: Junta Comercial do Estado de MS. testes e análises técnicas Serviços de saúde Serviços especializados para construção Telefonia móvel celular Televisão aberta Transmissão de energia elétrica Transporte rodoviário coletivo de passageiros Transporte rodoviário de carga Total Capítulo 5 Mercado Municipal e Centro Comercial Popular Marcelo Barbosa da Fonseca 2007 19 3 16 9 7 5 2 1 7 2 63 16 14 54 32 466 11 1 35 20 18 5 5 5 38 474 1.5. etc) Operadoras de televisão por assinatura por cabo Outros serviços de comunicação – estabelecimentos Outros serviços de transporte Reparação e manutenção de equipamentos e máquinas Serviços – Diversos Serviços – Leiloeiros Serviços – Outros Alojamentos Serviços de arquitetura e engenharia.1 Centro Comercial Popular “Marcelo Barbosa da Fonseca” Em dezembro de 1998 a Prefeitura Municipal de Campo Grande inaugurou o Centro Comercial Popular “Marcelo Barbosa da Fonseca”. e 9 espaços destinados a produtos típicos da região. 100 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . situado na Rua Anhanduí. Nota: Dados elaborados pelo Banco de Dados do Estado – SEMAC/MS.251 2000 66 98 219 201 11 22 130 41 264 160 1. Fonte: SEMADUR.2 Serviços 5.1.542 20 376 285 1.4.000m². 5. Tabela 68 Estabelecimentos de serviços por ramos de atividades – CNAE – 2007-2009 Aspectos Econômicos Atividades Agências de Viagens e Turismo Água e Esgoto Alojamento – Hotéis Alojamento – Motéis Armazenamento e atividades auxiliares dos transportes Ativida des de rádio Correio nacional Distribuição de energia elétrica Estética e tratamento de beleza Geração de energia elétrica Informática e serviços na web (provedores.

5 Abastecimento alimentar 5. Paulo Renato. Marcelo. 1999. FUNCESP. 5. que comercializam carnes. Campo Grande: UCDB. hortifrutigranjeiros e produtos alimentícios. a Prefeitura Municipal de Campo Grande terceirizou a administração do Mercado Municipal à Associação dos Mercadistas – ASSOCIMEC. silvestres e exóticos.1 Mercado Municipal O Mercado Municipal Antônio Valente iniciou as atividades em 26 de agosto de 1958.5. Campo Grande: imagens de um século.A Mercantil do Brasil S/A Rural S/A Safra Santander S/A Triângulo Unibanco S/A Cooperativas de Crédito Sicredi Campo Grande Unicred Campo Grande Financeiras BV Financeira Aymoré Financeira Fonte: Sindicato dos Bancários. .2. em local de fácil acesso e ampla área de estacionamento. Situado na área central de Campo Grande. com 2. MARINHO. COELHO NETO. pescados. 2004 12 12 1 11 17 8 1 1 1 1 1 4 4 2 1 2005 12 12 1 11 17 8 1 1 1 1 1 4 4 2 1 2006 12 12 1 13 11 8 1 1 1 1 1 4 4 2 1 1 Agências 2008 2007 15 11 1 15 11 1 9 1 1 1 1 1 5 4 2 1 1 16 11 1 16 11 1 11 1 1 1 1 1 4 5 2 1 1 2009 17 11 1 17 11 1 11 1 1 1 1 1 4 5 2 1 1 2010 20 11 18 11 1 11 1 1 1 12 1 6 6 1 1 3 Mercado Municipal Fonte: SEMADUR.4.2 Bancos Tabela 69 Estabelecimentos bancários em Campo Grande – 2004-2010 Bancos Federais Banco do Brasil S/A Caixa Econômica Federal Nossa Caixa Nosso Banco Privados Bradesco S/A HSBC S/A Indusval Multistock S/A Itaú S.051 m² de área construída onde estão distribuídos 81 boxes e 152 bancas. Mercado Municipal Capítulo 5 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Econômicos 101 Através de convênio.5. na mesma área onde antes funcionava uma feira livre.

Franklin Espindola Av. Bernardo F Bais e r. Quanto à infraestrutura. Senhor do Bonfim R. Roberto de Medeiros entre r. Soares e r.12. David C. Oliveira R. A. Joaquim Manoel de Carvalho entre r.2004. Carneiro de Campos R. Peruíbe R.5 mil m² cobertos. Prediliano Rosa Pires R. Querobina G. Sergipe com r. Tupiniquins e r. Otávio Managabeira entre r. 3301 R.Rafael Hardi e r. Waldemar Writh entre a v. Neto R. Assunção entre r. 3301 R. Anacá e r. Miranda R. Agripino Grieco entre r. artesanatos e importados. Domingo terça-feira Aspectos Econômicos quarta-feira quinta-feira Sexta-feira 47 54 56 Feira Central Continua Capítulo 5 102 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Raquel de Queiroz R. iluminação e espaço para eventos. Antonio Abdo e r. Antonio Abdo e r. Yokoama e r. Rio Galheiros e r. 14 de Julho. A menor barraca tem 5m² e a maior 231 m². 3301 R. Bom Sucesso R. Friburgo e r. Aeroporto Número no Mapa 14 29 30 31 32 44 49 50 1 2 3 4 5 37 51 52 7 8 9 10 11 12 34 39 57 6 13 14 15 16 17 33 38 45 53 18 19 20 35 40 42 46 Localização R. R. Leite e r. do Ouvidor entre r. 14 de Julho. das Camélias e av. dos Ciclames R. Assaré entre r. Edvaldo Paulo Delgado e r. Ouro Verde e r. Amélio Carvalho Baís entre r. Noroeste R. Vilalobos R. Marinha Av. Marinha R. Brigadeiro Thiago entre r. Wanderley Pavão entre r. dos Guaranis e r. Pedrossian Iracy Coelho Alves Pereira Taveirópolis Tiradentes Novo São Paulo Central Coophatrabalho Guanandi II Jd. Boaventura da Silva entre r. Agostinho Bacha R. Gaudiley Brum R. Continuação Vila Palmira Caiçara Coophasul Monte Carlo Conjunto Buriti Vila Jacy Tijuca II Piratininga Carvalho Jardim das Perdizes Estrela Dalva Central Jardim Bálsamo 21 22 23 24 25 26 27 28 36 41 43 48 55 R . 14 de Julho.5. Ana Luíza de Souza R. Alberto Risoldim e r. 3301 R. Norberto de Souza entre r. dos Crisântemos e r. Carlos de Carvalho R. armarinhos. Damasceno entre av. Carajás entre av. Paris entre r.5. Leolina Dias Martins e r. Marquês de Leão e r. Esmeralda entre r. * Desde 18. Uirapuru entre r. Nogueira R. do Dracma entre r. Murilo Rolim Jr. Nantes e r. Spipe Calarge e r. Sagarana e r. 9 de Julho entre r. Jerônimo de Albuquerque R. das Orquídeas entre r. Armando Holanda com r. F. Tupi R. com a mudança os feirantes e visitantes contaram com melhor estrutura sanitária. Jaime Costa entre r. Benedito M. Vital Brasil e r. Edimir P. Paraisópolis R. Itapecerica Paralela à r. . Souto Maior com R .2 Feiras livres As feiras livres oficializadas. 14 de Julho. de Souza. da Lira R. Jaguariúna entre r. Serafim Leite R. Francisco A. do Cisne R. das Ciências R. Brilhante R. dos Narcisos entre av. em número de 57. Orlando Darós e r. Guaicurus e r. José Sá Carvalho e r. Heitor Vieira de Almeida R Horário 7 às 12h 7 às 12h 7 às 12h 7 às 12h 7 às 12h 12 às 24h 7 às 12h 7 às 12h 16 às 22h 16 às 22h 16 às 22h 16 às 22h 16 às 22h 7 às 12h 16 às 22h 7 às 12h 7 às 12h 16 às 22h 16 às 22h 16 às 22h 16 às 22h 20 às 24h 16 às 22h 16 às 22h 16 às 22h 7 às 12h 16 às 22h 16 às 22h 16 às 22h 16 às 22h 7 às 12h 16 às 22h 16 às 22h 16 às 22h 16 às 22h 16 às 22h 16 às 22h 7 às 12h 16 às 22h 16 às 22h 20 às 24h 7 às 12h 16 às 22h 16 às 22h Fonte: SEMADUR. entre r. por dias da semana com indicações de seus endereços – 2009 Dia Feira Livre Guanandy Universitário Botafogo Moreninha Zé Pereira Central Nova Lima Vila Pioneira Coopharrádio Cidade Morena Lar do Trabalhador Ana Maria do Couto Mata do Jacinto Taveirópolis Coophavila II Vila Jockey Club Vila Planalto Vila Carlota Aero Rancho IV José Abrão Bonança Central Recanto dos Roxinois Panamá Cohab (Universitária II) Jardim Ipanema Conjunto União Jardim Petrópolis Vila Célia Roselândia Coophavila II Cabreúva Imperial Santo Eugênio Maria Ap. Maria Luiza Spengler e r. por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano – SEMADUR. Barnabé de Mesquita R. Dona Otília Barbosa R. Francisco José Abrão e r. R. Triângulo Mineiro 16 às 22h 7 às 12h 7 às 12h 16 às 22h 16 às 22h 16 às 22h 16 às 22h 16 às 22h 7 às 12h 16 às 22h 16 às 21h 12 às 24h 16 às 22h Sábado Tabela 70 Feiras livres. sendo 8. Paulo L. Vargas entre r. Francisco F. O local abriga 351 barracas de alimentação. Estevão Alves Ribeiro e r. Alberto Pires e r. Ana Luiza de Souza e r. Cristal R. Pimenta R. São Bernardo entre r. Ezequiel Ferreira Lima . Arnaldo S. a Feira Central de Campo Grande ocupa uma área de 13 mil metros quadrados. Pimenta e r. Lino Vilachá e r. Ministro José Linhares entre r. Goiatuba Av. Caiçara R. redes de água e esgoto. Bacaba entre r. Europa e r. Duas Vilas entre r. Cisalpina Costa Monteiro Av. Pacheco Sampaio R. Luiz de Alburquerque entre trav. Navirai e r. são administradas pela Prefeitura Municipal de Campo Grande. hortifrutigranjeiros. Joana D’Arc . Amazonas R. dos Andradas e r. Antônio de Castilho entre r. Batavi e r. Elesbão Murtinho e r. Otacílio de Souza R. Minerva R. Casa Paraguaia entre r. das Mansões Av. Silva esquina r. Franklin Espíndola R. Barra Mansa entre r. Fco. Arapoti com r. Caramuru e r. Pimenteira e r. Patrocínio entre r. Benjamim Constant R. Zacarias P. Barra do Mendes e r. Laudelino Barcelos entre av. Barreiras entre r. Maracatins R. Kalil Naban Av. Valdeck Maia entre r. Edmundo de Almeida R. Figueira Av. João F. Boaventura da Silva entre r. Rouxinol Av. Umbelina P.

Mapa 14 FEIRAS LIVRES . Córrego Feira 19 ANHANDUIZINHO 6 55 3 Sem Escala 32 Fonte: SEMADUR .2009 50 SEGREDO 11 23 45 37 42 43 44 56 6 21 47 24 PROSA 57 16 15 4 13 8 38 34-46-48-49 CENTRO IMBIRUSSU 35-51 14 36 40 18 22 26 7 28 2 54 25 12 29 LAGOA 9 1 31 17 20 30 BANDEIRA 27 53 10 41 39 33-52 LEGENDA Região Urbana Bairro Malha Urbana Rio.

5.6 Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços Em 2009 a arrecadação de ICMS de Campo Grande foi de R$ 1.135.254.236,43 correspondendo a 38,43% dos R$ 2.954.124.812,14 arrecadados pelo Estado.

Tabela 72 Participação percentual por atividade econômica no Município,
na arrecadação de ICMS (100%) – 1999-2009
Especificação 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 44,75 37,36 37,86 41,73 42,13 42,86 45,29 Comércio 4,31 3,45 2,98 3,04 2,79 4,10 4,91 Indústria 4,54 2,81 3,84 3,97 3,42 4,28 3,00 Pecuária Agricultura 11,01 9,08 6,54 8,18 9,67 6,48 6,88 Serviços 43,56 44,68 43,39 41,68 39,11 37,95 39,54 0,95 1,09 0,82 1,00 2,15 1,90 0,92 Eventuais Total 100 100 100 100 100 100 100 Fonte dos dados brutos: SEFAZ. Nota: Dados elaborados pelo Banco de Dados do Estado - SEMAC/MS. 2006 42,34 4,11 2,41 5,55 45,15 0,44 100 2007 41,43 4,07 2,88 5,95 45,28 0,39 100 2008 44,17 5,62 3,40 8,11 38,07 0,62 100 2009 47,58 5,91 3,92 4,20 37,82 0,57 100

Tabela 71 Arrecadação de ICMS por setores de atividades econômicas em
Campo Grande e Mato Grosso do Sul – 1999-2009 (R$)
Ano 1999 CG/MS MS CG %CG/MS MS CG %CG/MS MS CG %CG/MS MS CG %CG/MS MS CG %CG/MS MS CG %CG/MS MS CG %CG/MS MS CG %CG/MS MS CG %CG/MS MS CG %CG/MS MS CG %CG/MS Primário 188.130.569,79 46.112.413,68 24,51 187.173.245,84 80.710.704,52 43,12 225.721.082,33 43.935.367,72 19,46 250.648.947,36 47.545.103,68 18,97 302.734.470,93 57.233.565,95 18,91 383.192.349,17 56.507.412,84 14,75 436.822.477,04 67.496.747,85 15,45 437.802.507,04 66.541.200,83 15,20 589.952.575,20 91.323.822,62 15,48 530.227.920,97 125.295.357,82 23,63 679.071.242,98 92.165.048,08 13,57 Secundário 29.456.240,27 14.379.290,49 48,82 34.838.796,55 12.657.753,47 36,33 35.879.069,58 11.828.674,87 32,97 44.792.450,59 11.911.579,02 26,59 46.851.252,22 12.174.530,58 25,99 74.294.472,32 21.530.654,02 28,98 98.216.238,02 33.566.447,00 34,18 121.442.740,86 34.333.096,86 28,27 156.155.162,42 42.123.572,06 26,98 212.196.791,09 61.191.619,99 28,84 245.582.924,08 67.041.471,15 27,30 Terciário 356.316.027,61 270.089.469,41 75,80 462.362.029,75 302.839.001,50 65,49 583.699.620,50 337.390.241,09 57,80 601.324.460,24 327.799.907,49 54,51 743.174.698,10 358.328.370,07 48,22 895.224.290,34 437.196.903,06 48,83 1.166.119.189,32 576.056.619,15 49,40 1.499.563.276,43 730.907.105,82 48,74 1.732.591.533,88 896.622.184,17 51,75 2.144.437.321,93 895.060.222,99 41,74 2.006.381.752,28 969.524.580,76 48,32 Eventuais 15.678.408,35 3.166.859,74 20,20 15.539.864,55 4.011.293,84 25,81 25.995.636,87 3.216.260,94 12,37 38.834.314,78 3.928.963,09 10,12 50.729.094,53 9.390.555,45 18,51 55.949.632,56 9.985.172,89 17,85 33.808.322,71 6.267.237,50 18,54 23.459.165,35 3.639.370,93 15,51 20.246.101,24 4.074.936,26 20,13 24.000.185,48 6.796.690,61 28,32 23.088.892,80 6.523.136,44 28,25 Total 589.581.246,02 333.748.033,32 56,61 699.913.936,69 366.910.165,39 52,42 871.295.409,28 396.370.544,62 45,49 935.600.172,97 391.185.553,28 41,81 1.143.489.515,78 437.127.322,05 38,22 1.408.660.744,39 525.220.142,81 37,28 1.734.966.227,09 683.387.051,50 39,39 2.082.267.689,68 835.420.774,44 40,12 2.498.945.372,74 1.034.144.515,11 41,38 3.060.999.709,69 1.088.343.891,41 35,56 2.954.124.812,14 1.135.254.236,43 38,43

2000

2001

2002

Aspectos Econômicos

2003

2004

2005

2006

2007

2008

Tabela 73 Participação percentual do Município na arrecadação
de ICMS (100%) em relação ao Estado – 1999-2009
Especificação Comércio Indústria Pecuária Agricultura Serviços Eventuais 1999 61,87 48,82 10,57 36,91 93,95 20,20 2000 48,24 36,33 15,71 34,16 93,98 25,81 2001 42,47 32,97 12,18 33,24 88,54 12,37 2002 43,45 26,57 9,43 37,21 73,39 10,12 2003 39,84 25,98 9,10 30,49 62,65 18,51 2004 39,94 28,98 10,55 20,00 66,52 17,84 2005 39,47 34,18 8,52 23,92 69,07 18,54 2006 35,24 28,27 8,47 23,22 76,08 15,51 2007 37,14 26,98 10,13 20,80 80,84 20,13 2008 29,75 28,84 11,63 24,37 78,41 28,32 2009 37,40 27,30 12,84 14,34 76,39 28,25

2009

Fonte dos dados brutos: SEFAZ Notas: 1 Dados elaborados pelo Banco de Dados do Estado - SEMAC/MS. 2 Não estão incluídos outros valores provenientes da substituição tributária com outros Estados.

Capítulo 5

Fonte dos dados brutos: SEFAZ. Nota: Dados elaborados pelo Banco de Dados do Estado - SEMAC/MS.

104

Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010

5.7 Renda

Tabela 74 Trabalhadores relacionados na RAIS
por faixa de rendimento médio – 2008
Salário Mínimo Até 0,5 De 0,51 a 1 De 1,01 a 1,50 De 1,51 a 2 De 2,01 a 3 De 3,01 a 4 De 4,01 a 5 De 5,01 a 7 De 7,01 a 10 De 10,01 a 15 De 15,01 a 20 Mais de 20 Ignorado Total Trabalhadores 481 5.583 67.093 40.151 36.430 20.606 14.056 15.585 11.010 6.276 3.237 4.682 2.900 228.090 % 0,21 2,45 29,42 17,6 15,97 9,03 6,16 6,83 4,83 2,75 1,42 2,05 1,27 100

Tabela 76 Rendimento nominal médio mensal dos responsáveis pelos
domicílios particulares permanentes, segundo as capitais brasileiras – 2000
Capitais Florianópolis Vitória Porto Alegre Brasília São Paulo Curitiba Rio de Janeiro Belo Horizonte Goiânia Cuiabá Recife Campo Grande Aracaju Natal Salvador Palmas João Pessoa Porto Velho Belém Fortaleza Maceió Manaus Boa Vista Macapá São Luís Rio Branco Teresina Fonte: Censo Demográfico 2000/IBGE. Salário Médio (R$) 1.618,11 1.588,51 1.499,61 1.498,71 1.479,69 1.430,96 1.354,31 1.315,86 1.125,71 1.100,05 1.024,96 970,62 946,80 919,10 893,89 891,49 890,25 862,95 859,89 846,68 820,03 806,97 792,66 791,70 726,10 679,79 672,39

Fonte: RAIS - Ministério do Trabalho e Emprego Elaboração: Observatório do Mercado de Trabalho de Campo Grande – FUNSAT Nota: RAIS - Relação Anual de Informações Sociais é um Registro Administrativo criado pelo Decreto nº 76.900/75, com declaração anual e obrigatória para todos os estabelecimentos existentes no território nacional. As informações captadas sobre o mercado de trabalho formal referem-se aos empregados celetistas, estatutários, avulsos, temporários, dentre outros, assim como aos estabelecimentos relativos à atividade econômica.

Tabela 75 Pessoas de 10 anos ou mais de idade, ocupadas na semana de referência, com
Setores Primário Agricultura, pecuária, silvicultura e exploração florestal Pesca Total Secundário Indústria extrativa Indústria de transformação Total Terciário Produção e distribuição de eletricidade, gás e água Construção Comércio, reparação de veículos automotores, objetos pessoais e domésticos Alojamento e alimentação Transporte, armazenagem e comunicação Intermediação financeira Atividades imobiliárias, aluguéis e serviços prestados às empresas Administração pública, defesa e seguridade social Educação Saúde e serviços sociais Outros serviços coletivos, sociais e pessoais Serviços domésticos Organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais Atividades mal especificadas Total Total Geral Fonte: IBGE - Censo Demográfico 2000. 0,08 8,62 8,70 0,62 8,99 20,88 5,11 5,83 1,69 7,94 9,09 6,31 4,34 5,22 10,09 1,7 87,81 100

rendimento do trabalho principal, em Campo Grande/MS, por setor de atividade econômica (%) – 2000
3,44 0,05 3,49

Capítulo 5

Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010

105

Aspectos Econômicos

Tabela 77 Percentual das pessoas responsáveis pelos domicílios com rendimento nominal
mensal de até 1 salário mínimo, segundo as capitais brasileiras – 2000
Capitais Teresina São Luís Maceió Fortaleza Recife Rio Branco Aracaju João Pessoa Natal Belém Salvador Macapá Manaus Boa Vista Porto Velho Palmas Campo Grande Goiânia Cuiabá Belo Horizonte Vitória Brasília Rio de Janeiro Porto Alegre Curitiba São Paulo Florianópolis Fonte: Censo Demográfico 2000/IBGE. Rendimento até 1 salário mínimo (%) 32,09 26,37 23,41 22,78 22,71 22,23 21,63 20,81 20,36 19,91 19,11 17,94 16,41 14,78 13,94 13,68 13,67 12,47 12,33 11,44 9,94 9,87 9,24 8,05 6,54 6,41 5,91

Tabela 79 Pessoas de 10 anos ou mais de idade, ocupadas na semana de referência,
por classes de rendimento nominal mensal de todos os trabalhos, em Campo Grande – 2000
Total 284.048 Classes de rendimento nominal mensal de todos os trabalhos (salário mínimo) (1) Mais de Mais de Mais de Mais de Mais de Mais Sem rendimento(2) 2a3 3a5 5 a 10 10 a 20 de 20 1a2 Até 1 87.325 39.320 37.619 16.637 45.667 40.981 10.048 6.451

Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 – resultados da amostra. (1) Salário mínimo utilizado: R$ 151,00; (2) Inclusive as pessoas que receberam somente em benefícios.

Tabela 80 Pessoas de 10 anos ou mais de idade, por condição de atividade

na semana de referência e sexo, em Campo Grande e Mato Grosso do Sul – 2000
Total 1.658.783 540.680 Pessoas de 10 anos ou mais de idade Condição de atividade na semana de referência e sexo Economicamente ativas Não economicamente ativas Homens Mulheres Total Homens Mulheres Total Homens mulheres 831.918 978.222 607.202 371.020 680.560 219.662 826.865 460.898 280.399 333.597 189.202 144.396 207.083 136.003 260.281 71.079

Aspectos Econômicos

Estado e Município Mato Grosso do Sul Campo Grande

Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000. Resultados da Amostra.

Tabela 78 rendimento nominal médio mensal e valor do rendimento nominal mediano

Domicílios particulares permanentes, total e com rendimento domiciliar, valor do mensal dos domicílios particulares permanentes, total e com rendimento domiciliar, no Município de Campo Grande e no Estado de Mato Grosso do Sul - 2000

Tabela 81 Percentual de domicílios por faixas de renda da pessoa
responsável, no município de Campo Grande – 2000
Maior que 15 SM Inferior a 1 SM 01 e 05 SM 05 e 10 SM 10 e 15 SM Sem rendimentos 1,78 61,56 15,75 4,67 8,33 7,92 Fonte: IBGE – SIDRA – Sistema IBGE de Recuperação Automática. www.ibge.gov.br <acesso em 21.6.2010>. Nota: SM Salário mínimo

Estado e Município Mato Grosso do Sul Campo Grande

Domicílios particulares permanentes Com rendimento Total domiciliar (1) 543.349 562.769 185.559 180.469

Valor do rendimento nominal dos domicílios particulares permanentes (R$)

Médio mensal Com rendimento Total domiciliar 1.052,87 1.090,50 1.398,28 1.437,71

Mediano mensal Com rendimento Total domiciliar 500,00 502,00 675,00 700,00

Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000. (1) Exclusive o rendimento dos moradores cuja condição no domicilio era de pensionista, empregado(a) ou parente do empregado(a) doméstico(a).

Capítulo 5

106

Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010

Tabela 82 Renda per capita dos municípios de
Mato Grosso do Sul – 1991/2000
1991 159,98 238,83 177,02 112,60 147,93 120,45 118,92 184,87 170,22 146,69 187,58 166,48 131,96 197,03 117,59 167,02 151,83 174,44 212,11 323,10 108,63 271,96 357,40 131,70 118,77 188,33 164,17 153,07 126,00 105,57 164,75 222,26 139,07 188,84 135,15 123,66 167,88 257,82 155,31 108,58 131,92 75,59 145,80 193,48 99,36 105,10 128,87 Continuação 2000 250,69 192,47 229,54 165,71 183,74 160,18 142,26 224,05 244,08 148,64 190,66 215,06 146,53 223,19 167,48 231,92 266,36 169,18 220,08 394,71 148,37 241,58 451,52 170,12 153,57 226,18 346,15 299,93 178,56 132,22 187,94 308,07 164,03 217,51 205,09 240,00 200,71 272,09 188,73 138,07 199,19 88,74 174,68 292,02 159,68 152,03 219,67 Continua Municípios Laguna Carapã Maracaju Miranda Mundo Novo Naviraí Nioaque Nova Alvorada do Sul Nova Andradina Novo Horizonte do Sul Paranaíba Paranhos Pedro Gomes Ponta Porã Porto Murtinho Ribas do Rio Pardo Rio Brilhante Rio Negro Rio Verde de Mato Grosso Rochedo Santa Rita do Pardo São Gabriel do Oeste Selvíria Sete Quedas Sidrolândia Sonora Tacuru Taquarussu Terenos Três Lagoas Vicentina 1991 135,10 221,30 132,10 169,91 192,39 117,02 185,07 172,61 81,64 238,92 142,51 146,25 253,37 103,54 188,26 244,70 115,73 146,70 122,65 128,41 275,35 166,84 144,58 179,92 196,38 114,62 131,48 147,11 208,44 108,18 2000 235,34 246,65 248,19 222,30 224,17 142,82 235,89 256,34 123,74 286,92 113,77 179,60 248,97 166,25 204,21 233,84 170,33 211,07 177,96 174,18 425,19 190,49 224,33 226,10 264,30 118,41 154,62 183,08 290,05 193,38 Municípios Água Clara Alcinópolis Amambaí Anastácio Anaurilândia Angélica Antônio João Aparecida do Taboado Aquidauana Aral Moreira Bandeirantes Bataguassu Batayporã Bela Vista Bodoquena Bonito Brasilândia Caarapó Camapuã Campo Grande Caracol Cassilândia Chapadão do Sul Corguinho Coronel Sapucaia Corumbá Costa Rica Coxim Deodápolis Dois Irmãos do Buriti Douradina Dourados Eldorado Fátima do Sul Figueirão Glória de Dourados Guia Lopes da Laguna Iguatemi Inocência Itaporã Itaquiraí Ivinhema Japorã Jaraguari Jardim Jateí Juti Ladário

Fonte: www.ipeadata.gov.br <acesso em 18.03.2010>. Elaboração: PLANURB. Nota: Renda per capita – R$ de 2000

A renda per capita é a razão entre o somatório da renda de todos os indivíduos e o número total dos mesmos, isto é, representa a renda média dos indivíduos residentes em determinada localidade. Assim, verifica-se que em Campo Grande a renda per capita passou de R$ 323,10 em 1991 para R$ 394,71 em 2000, ou seja, nesse período (1991-2000) a renda per capita do município aumentou 22,16% (taxa de variação), o que deduz um ritmo médio de crescimento em 2,25% ao ano.

Capítulo 5

Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010

Aspectos Econômicos
107

PIB Municipal/MS.605.178 15.540.104 13.817 8.687.845. Campo Grande – 2002-2007 Anos 2002 2003 2004 2005 2006 2007 Agropecuária (%) 1.41 1.052.940 8.687 5.891.00) 6.945 7.366.80 77.283.00 Fonte: SEMAC .00 Municípios Campo Grande Dourados Corumbá Três Lagoas Maracaju 2007 Valor 8.043.228.808 7.08 17.417 659.62 1.476.PIB Municipal/MS Tabela 84 Composição setorial do Produto Interno Bruto.985 15. Unidades da Federação e Municípios – 2002-2007 Centro-Oeste Preços Per Capita Correntes (R$ milhão) (R$) 10.73 190.787 5.24 18.41 7.51 79.687 1.787.945.364.062 2.006.274 9.34 54.12 21.503 6.565.575 600.59 8.215 12.105 9.839 6.5.26 129.964 Produto Interno Bruto Mato Grosso do Sul Preços Per Capita Correntes (R$ milhão) (R$) 7.008.74 206.265.96 2.346 Tabela 86 Cinco primeiros municípios de MS classificados em valores do PIB – 2002/2007 Ranking 1º 2º 3º 4º 5º Total Total Estado Municípios Campo Grande Dourados Corumbá Três Lagoas Ponta Porã 2002 Valor 4.965 15.304.468 Participação % 31.669 9.817.58 3.592.215 12.264 10.251 438.772.8 Produto Interno Bruto Total e Per Capita Tabela 83 Produto Interno Bruto Total e Per Capita.46 235.561.687.895.154 8.791.33 19.341 12.488 Participação % 31.24 18.649 12.651 10.121 Preços Correntes (R$ milhão) 4.58 1.00) 4.004.571. Unidades da Federação e Municípios 2002 2003 2004 2005 2006 2007 Campo Grande Per Capita (R$) 6.945 Grandes Regiões.121.503.304.89 52.090 28.153.461.18 Indústria (%) 20.59 21.544.22 21.15 1.18 28.364 6.81 8.912 8.540 845.637 7.586.878 1.72 Aspectos Econômicos Tabela 85 Produto Interno Bruto a preços correntes e Produto Interno Bruto Per Capita segundo as Grandes Regiões.748 2.24 15.811 14.944.658 8.658 8.30 4.284 17.769 6.77 81.264 10.97 100.801.354.01 153. Fonte: SEMAC . Campo Grande – 2002-2007 Produto Interno Bruto (R$ 1.10 Comércio e Serviços (%) 78.669 9.69 176.29 1.748 Ano 2002 2003 2004 2005 2006 2007 Produto Interno Bruto per Capita (R$ 1.44 24.94 5.658.808 7.545.944.43 100.026.787.420.364.18 80.346 Capítulo 5 Fonte: SEMAC – PIB Municipal/MS 108 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .008.411.34 79.40 19.844.57 2.

6 Infraestrutura Urbana e Serviços Terminal Rodoviário Senador Antonio Mendes Canale .

.

trocou sua participação na Usina Hidrelétrica Luís Eduardo Magalhães – Lajeado.A. Sua área de concessão abrange 73 dos 78 municípios do Estado e foi definida por meio da Portaria n.SE José Abrão (CGJ). através da Espírito Santo Centrais Elétricas – ESCELSA. Em dezembro de 2009.Uma usina térmica e gás..SE Lajeado (CGL). 84. . São nove as subestações da ENERSUL e uma transmissão da ELETROSUL.Uma linha de transmissão em 138 kV.124. de 138 kV. . .SE Almoxarifado (CGA).SE Imbirussu. de 29 de outubro de 1979. pertencente à portuguesa EDP. composta de cinco unidades geradoras de 40 MW.SE CGR ELETROSUL. . atendendo a 277. Na Usina de Mimoso recebem um reforço de até 29. 1. do Ministério das Minas e Energia (MME). O suprimento de energia elétrica em Campo Grande é realizado através dos seguintes meios: . por um consórcio formado pela IVEN (EDP – Eletricidade de Portugal e bancos privados) e GTD (grupo de fundos de pensão). Em 19 de novembro de 1997. O sistema elétrico que atende a cidade de Campo Grande e região se encontra hoje incorporado ao "Sistema Interligado Sul/Sudeste/Centro-Oeste" do País. no Tocantins. provenientes da Usina de Jupiá. que interliga as subestações hoje em operação para o atendimento local. foi ampliado o seu objeto social e alterada a sua denominação para Empresa Energética de Mato Grosso do Sul S. . Centro-Oeste e Norte do País.422 km de rede de energia elétrica..370. . proveniente de Porto Primavera/SP.5 MW. geração e comercialização de energia nas regiões Sudeste. a ENERSUL passou a ser controlada pela Rede Energia S. passando o controle acionário para a Magistra Participações S.A.SE Centro (CGC). . 130. .A. controlada. de 5 de fevereiro de 1980.SE Assis Scaffa (CGS).Uma linha de transmissão em circuito duplo 138 kV. o município contava com 7. . proveniente de Aquidauana.Duas linhas de transmissão em circuito duplo. com capacidade de 97 MVA proveniente de Dourados.Uma linha de transmissão em 230 kV. .1 Energia elétrica A Empresa de Energia Elétrica de Mato Grosso do Sul S.SE Cuiabá (CGB).6. antes controlada pela EDP Energias do Brasil S.A – ENERSUL. com capacidade de 669 MVA. Nos termos da Lei Estadual n. cada linha com capacidade de transporte de 186 MVA. . a Empresa foi privatizada. . empresa que atua na distribuição.129 postes.552 ligações.A. com capacidade de 194 MVA. Capítulo 6 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Infraestrutura Urbana e Serviços 111 . por 100% das ações da ENERSUL.SE Industrial (CGD). A Capital conta com um anel na tensão de 138 kV.A. . e teve seu funcionamento autorizado pelo Decreto Federal n. Em setembro de 2008. – ENERSUL foi criada com a divisão do Estado de Mato Grosso. . de 13 de maio de 1993. com 130.SE Miguel Couto (CGM). A Rede Energia S.

883 1999 2000 2.62 36.349 3.401 70.619 1.491 117.718 1998 2.918 130.59 42.872 4.385 1.017.0 640.704 % 32.5 471.737.Praça do Rádio Tabela 88 Extensão da rede elétrica no município de Campo Grande – 1997-2009 Urbano Ano 1997 2.804 1.612 2.043 123.41 57.268 4.767 71.812.21 67.968 5.520 2008 4.334 82.549 83.135 79.129 Alimentadores 39 39 45 49 49 62 62 62 65 65 65 71 72 KVA 427.346 4.245 Infraestrutura Urbana e Serviços Fonte: ENERSUL.132 7.161 80.385.120 2001 3.0 500.337 5.57 Quilômetros de rede Rural 1.79 32.304 7.5 524.786 2.81 36.297 127.43 Total 4.59 32.379 2004 3.49 67.6 680.145 4.Tabela 87 Rede de energia elétrica no município de Campo Grande – 1997-2009 Ano 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Postes 74.274.602.85 63. % 67.482 2.66 63.953 2.519.0 615.21 67.027 4.38 63.44 31.087 105.964 3.183 5.144 73.51 32.0 701.0 Lâmpadas 61.382 1.79 32.889 7.588 1. Concha Acústica Família Espíndola .403 124.042.654 2.41 67.818.26 67.639 4.418 70.0 746.521 94.052 76.718 Fonte: ENERSUL.0 722.920.5 672.422 % 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 Capítulo 6 112 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .797.407 2006 2007 4.670.141 87.519 1.41 65.384 2005 3.59 34.19 63.270 61.950 66.397.126 82.650 2009 4.977 88.284 2002 2003 3.822 98.34 36.569 61.5 578.5 609.638 77.74 32.56 68.15 36.309 1.359 1.

550 18.307 - 2001 377.633 15.728 963.233 1.783 1. * nº de consumidores em dezembro.032 913.506 3.662 3.062 2007 400.462 84.009 10.433 231.146 1.726 89.761 45.156 60.488 18.654 167.113 69.972 251.071.656 232.764 84.137.023 1.521 16.175 73.261 219.545 43.393 60.860 1.107 104.933 220.895 1. Capítulo 6 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Infraestrutura Urbana e Serviços 113 1997 394.896 180.095 3.357 - 2003 375.096 2009 452.736 1.984 69.032 90.393 1.817 1.271 62.557 209.830 64.935 103.283 - 2005 390.029 55.219 1.954 79.529 95.024 229.074 1.621 84.773 984.536 71.190 1.775 299.687 184.357 3.039 233.482 4.093 1.844 3.936 85.219 990.834 20.047 174.144 74.653 83.544 302.954 2.908 75.484 15.191 - 2004 397.106 42.891 247.311 1.525 951.490 Iluminação Pública 12 12 5 5 4 4 4 29 220 234 355 369 396 Serviço Público 142 148 143 138 150 154 144 155 161 162 168 200 203 Consumo Próprio 18 13 10 17 20 20 21 23 23 23 22 21 23 Total 174. Tabela 90 Evolução do número de consumidores no município de Campo Grande – 1997-2009 Ano 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005* 2006* 2007* 2008* 2009* Residencial 154.561 4.844 112.079 87.927 - 1998 399.894 21.584 1.172 1.636 999.563 190.214 63.643 272.499 72.979 - Consumo (MW/h) 2002 379.861 15.079 1.977 1.054 70.619 13.207 Poder Público 965 1.016.219 20.349 246.236 .096 64.918 331.590 22.813 194.908 50.207 59.890 1.728 1.199 189.747 207.969 277.389 1.317 12.142 1.884 81.627 1.325 215.054.831 15.121 75.060.934 299.203 1.487 2008 408.041 39.323 316.643 40.296 43.700 245.627 47.577 1.011 224.228 107.094 308.297 4.366 1.515 66.805 17.589 20.246 260.647 62.977 267.953 359.412 1.546 1.908 3.643 109.463 1.617 13.968 269.742 86.713 107.467 973.159 84.658 37.684 20.121 158.170 109.854 - 2000 433.296 87.953 2006 394.472 - 1999 409.233 12.120 21.Tabela 89 Evolução do consumo de energia elétrica no município de Campo Grande – 1997-2009 Classe Residencial Industrial Comercial Rural Poder Público Iluminação Pública Serviço Público Consumo Próprio Total Clientes livres Fonte: ENERSUL.480 203.086 950.805 1.678 23.247 43.551 85.518 89.005 970 989 983 1.334 111.770 266.199 40.292 1.027 21.009 2.150 3.198 67.140 1.564 131.694 197.016 1.887 3.208 94.527 1.963 13.661 Industrial 1.834 Rural 1.801 3.829 13.552 Clientes Livres 3 3 4 4 6 Fonte: ENERSUL.962 2.738 Comercial 16.343 20.

que congregava todas as unidades sediadas no Estado de Mato Grosso. automotivo. na posse do intendente Arnaldo Estevão de Figueiredo. sendo que nesta época a cidade não dispunha deste serviço. construído na cabeceira do Córrego Jacinto.3. Estes ramais estão implantados em diversas ruas da área central de Campo Grande com uma derivação até ao Núcleo Industrial de Indubrasil. e a Petrobras S/A – GASPETRO.000 m³/dia. iniciando no ano de 1920.3 Saneamento básico 6. descrevemos a evolução do sistema de abastecimento de água de Campo Grande. Coube ao Exército a tarefa de implantar o primeiro sistema de captação superficial da cidade. abastecida pelo Reservatório Mariquinhas e que atendia 179 ligações.350. Em 2003. transferiu de Corumbá para Campo Grande o Comando da Circunscrição Militar. . a MSGÁS fornece gás natural em Campo Grande para os segmentos: comercial. a população passou a acreditar na possibilidade de ver implantado esse benefício.6. com 49%. sendo 42. Campo Grande conta com 79. 6.8 km de rede implantada.Em 1924. é uma sociedade de economia mista. A térmica possui 190 MW de potência instalada e um potencial de consumo de gás natural de 1. através do Hospital Regional.385 metros. É concessionária do serviço de distribuição de gás natural em todo o Estado. podendo atuar na área de serviços de transmissão de dados. . residencial.1 Histórico O sistema de abastecimento de água possui uma complexidade diretamente proporcional ao tamanho da cidade a que ele atende. pois na campanha eleitoral seu slogan era “Custe o que custar. na região oeste em relação à área hoje ocupada pelo Centro. originando a construção dos quartéis no bairro Amambaí.Em 1937 o prefeito Eduardo Olímpio Machado contratou o Escritório Técnico Infraestrutura Urbana e Serviços Capítulo 6 A MSGÁS iniciou sua atividade comercial em Campo Grande em junho de 2001 com a operação de rede de distribuição de gás natural que atendeu a Termelétrica Willian Arjona – Tractebel Energia. em 2008 para o segmento cogeração e em 2010 para o segmento GNC (Gás Natural Comprimido). obtendo anuência para aproveitamento da sobra da captação do Córrego Jacinto. . Para mostrar como chegamos ao nível de atendimento atual. industrial. faremos o abastecimento de água de Campo Grande”. cogeração e GNC. pois o sistema até então utilizado. de poços e regos d´água. por meio de uma rede de telecomunicações paralela à rede de gás natural. com 51%.Em 1921 o então Ministro da Guerra João Pandiá Calógeras. criada em 21 de maio de 1998. em 1923. iniciou o fornecimento ao segmento residencial.2 Gás Natural A Companhia de Gás do Estado de Mato Grosso do Sul – MSGÁS. imagens e informações. Em 2005. contratando Cyríaco Maymone para implantar a rede de distribuição com 12. o que gerou a necessidade de abastecimento de água. tendo como sócio majoritário o Estado de Mato Grosso do Sul. iniciou o fornecimento de gás natural ao segmento comercial. O gás natural veicular (GNV) está disponível na cidade para consumo desde novembro de 2002. em 2006 ao segmento industrial.8 km em AC (Aço Carbono) e 37 km em PEAD (Polietileno Extrudado) de Alta Densidade. para uso próprio. O intendente recémeleito empenhou-se junto às autoridades militares. quando a cidade já apresentava algum desenvolvimento e houve necessidade de um avanço em saneamento. Atualmente. Fonte: MSGÁS 114 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . não era suficiente.

Em 1969 entram em funcionamento as obras da primeira etapa do Lageado e. com a divisão do Estado.500 para uma extensão de rede de 71. a concessão é transferida para a SANESUL – Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul. Em 1957 o prefeito Marcílio de Oliveira Lima estende a rede de água para o bairro Amambaí. classificando em primeiro lugar o Consórcio Guariroba. Em 1998 foi criado um grupo técnico vinculado ao PLANURB para estudar o retorno dos serviços de saneamento para o município e em outubro de 1998 foi criada a Companhia de Saneamento Águas de Campo Grande. Em 27 de dezembro de 1998 a Águas de Campo Grande assume os serviços - - - - 6. e em 18 de outubro de 2000 é assinado o contrato entre a Prefeitura Municipal de Campo Grande e a nova empresa. com a anuência da Prefeitura Municipal de Campo Grande. Em março de 2006 a Águas Guariroba lançou o programa Sanear Morena duplicando a rede coletora de esgotos.2 Sistema de abastecimento de água O sistema de abastecimento de água de Campo Grande atende atualmente Capítulo 6 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Infraestrutura Urbana e Serviços 115 de água e esgoto de Campo Grande. O consórcio vencedor cria a empresa Águas Guariroba S. se inicia a segunda etapa. O processo de licitação iniciou-se em 20 de dezembro de 1999 e em 21 de junho de 2000 a comissão especial de licitação publica o resultado. constituído pelos córregos Desbarrancado e Joaquim Português. para os Grupos Bertin e Equipav. que assume os serviços de água e esgoto no dia 23 de outubro de 2000. pois não havia consumo para toda a água produzida. através da Lei n.Águas de Barcelona (espanhola). Em 1961 o Escritório Técnico Saturnino de Brito estuda a possibilidade de adução de águas pelo córrego Lageado. contudo não conseguiu fazer sua implantação devido a problemas financeiros.000 habitantes. Em 1979. Cobel Construtora Ltda.3. que assumiram a operação dos serviços de água e esgoto através da CIBE Participações e Empreendimentos S/A. 955 foi criado o Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Campo Grande (SAAE).20 % em dezembro de 2008.A.- - Saturnino de Brito para a elaboração de um projeto de sistema de abastecimento de água e de esgoto para a cidade. Em 1964 o DNOS – 11º Distrito foi encarregado de realizar as obras mais urgentes para o suprimento de água e o esgoto da cidade. Em 1939 foi implantado o sistema Desbarrancado. Quando foi criada. com pequena capacidade. Em 13 de setembro de 1999.05% da população. Em 1995 o contrato de concessão entre a Prefeitura Municipal de Campo Grande e a SANESUL é prorrogado por 40 meses. a Águas Guariroba tinha como acionistas as empresas AGBAR . possibilitando a elevação do índice de cobertura para 58. Em 1977 a concessão dos serviços públicos de água e esgoto é transferida para a SANEMAT – Empresa de Saneamento do Estado de Mato Grosso. a Prefeitura Municipal de Campo Grande e o Governo do Estado assinaram um Termo de Acordo em que o município se obrigou a licitar os serviços de saneamento de Campo Grande para um período de 30 anos. Em novembro de 2005 o controle acionário foi repassado. disponibilizando a coleta e tratamento de esgotos para mais de 200. . devido ao crescimento da cidade. em dezembro de 2009 a disponibilidade de rede coletora de esgoto já atingia 61.935 metros. Em 1966. e Sanesul – Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul. Em 1985 o Sistema Guariroba entra em operação funcionando em torno de 5 horas por dia. Em 1970 o número de ligações era de 9. Em 1944 entra em funcionamento a nova rede de distribuição feita conforme conveniências locais ou pessoais sem nenhum planejamento.

04 1. decantação.3 Reservação A capacidade de reservação do sistema está em 87.974.286.53 Entrada em operação 1985 1969 - Infraestrutura Urbana e Serviços Captação Superficial Captação Subterrânea Fonte: Águas Guariroba S.600 milhões de litros. atendendo a Portaria 518/2004.ETA Guariroba e. . filtração. implantado na ETA Guariroba. Todo o processo de tratamento é rigorosamente controlado por um laboratório de controle de qualidade.56 1.Centro de Reservação Capítulo 6 116 . em que o Governo Federal estabelece os procedimentos e responsabilidade relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade.2 milhões de metros cúbicos para um consumo medido de 3. distribuída em reservatórios apoiados e elevados espalhados por toda a malha urbana do município. Tabela 91 Sistema de abastecimento de água de Campo Grande – 2009 Manancial Sistema produtor Guariroba Lageado Poços Poços Especiais Contribuição para o sistema 48% 17% 19% 16% Contribuição total 65% 35% Volume produção m³/h 3. o qual assegura um excelente padrão de potabilidade da água distribuída. 6.cerca de 99% da população e tem uma produção média mensal de 6.2.1 milhões de metros A água obtida por captação subterrânea (poços) é desinfectada por adição de cloro e fluoretada.A.577. 6.3.11 1.440.2 Tratamento Toda a água proveniente dos mananciais superficiais é tratada em duas Estações de Tratamento de Água (ETAs): . desinfecção por cloro e fluoretação). do Ministério da Saúde. O tratamento é feito com sistema convencional (floculação. Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Foto: Águas Guariroba .2.3.ETA Lageado.

500 1.550 1.000 500 3.000 12.500 1.000 12.530 100 1.500 700 8.000 3.000 9.000 1.000 12.500 1.550 1.000 1.500 1.000 3.000 3.500 700 8.550 1.500 700 8.500 1.530 100 1.670 82.000 1.300 500 75 1.000 1.000 1.500 1.000 16.500 1.000 1.500 1.000 1.000 3.000 12.000 16.000 1.000 16. 2003 12.050 12.000 1.500 500 500 100 75 87.000 9.500 1.670 1.000 3.605 86.500 500 500 100 75 87.135 1.000 1.000 1.530 100 1.500 700 8.500 650 20.500 1.000 1. Bahia) Noroeste Novos Estados Nova Lima Moreninha Dom Antônio Barbosa Carandá Bosque Reservatórios Sistemas Mistos Zé Pereira Caiobá Paulo Coelho Universitário Vila Nasser Noroeste Indubrasil Volume total Fonte: Águas Guariroba S.255 2004 12.000 3.050 2008 12.530 100 1.050 Ano/Capacidade (m³) 2005 2006 12.050 2007 12.000 12.A.000 9.000 12.420 Apoiado Apoiado Apoiado Apoiado Apoiado Apoiado Elevado Apoiado Apoiado Apoiado Elevado Apoiado Apoiado Elevado Apoiado Apoiado Apoiado Apoiado Elevado Elevado Capítulo 6 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Infraestrutura Urbana e Serviços 117 Taveirópolis .530 1.000 16.000 9.000 16.550 1.Tabela 92 Capacidade de reservação – 2003-2009 Localização do Centro de Reservação ETA Guariroba ETA Lageado Coronel Antonino Cophasul Tipo de reservatório Apoiado Apoiado Apoiado Apoiado Elevado Apoiado Elevado Pioneiros Centro (Pátio R.000 16.300 500 75 1.500 1.000 1.670 82.000 1.000 9.000 3.000 9.500 1.000 1.500 1.000 12.500 700 8.500 1.000 16.000 12.500 1.670 82.000 1.000 12.000 9.550 1.500 700 8.000 500 12.000 12.600 2009 12.500 1.000 12.000 12.500 1.670 82.500 1.

do início da década de 80. podem ter seu fornecimento de água por Sistemas Mistos ou ainda por Sistemas Isolados. A setorização das áreas de atendimentos dos reservatórios e poços. que situados em regiões estratégicas podem atender a grandes áreas através de distribuição de água por gravidade. Os Centros de Reservação do Sistema Integrado são: . alguns destes reservatórios recebem também contribuição da produção de alguns poços. Nestes casos o abastecimento é feito por bombeamento. tendo como base de sua estruturação um projeto da Hidroservice.2. Observa-se que em algumas regiões.Tratamento de Água particulares. por encontrarem-se em áreas distantes dos centros de reservação. a partir de um centro de reservação o sistema integrado de abastecimento atende uma determinada área (setor operacional). que foi gerado a partir de um amplo estudo das condições topográficas da área urbana.3. Eles controlam a melhoria na distribuição de água e as perdas. Atualmente os setores de abastecimento de água são divididos em micro-setores. é objeto de constantes estudos. A partir deste estudo foram definidas áreas para implantação de grandes centros de reservação.RE – ETA Lajeado 118 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . . localizadas nas proximidades dos centros de reservação e nas mesmas altitudes (cotas) dos reservatórios. Em síntese.Sistemas Integrados – O abastecimento a estes sistemas é feito principalmente por água captada em mananciais superficiais e tem todos os reservatórios interligados com adutoras por gravidade. Alguns sistemas. a distribuição por gravidade não é viável.4 Estruturação do abastecimento O sistema de abastecimento de água em Campo Grande possui uma estrutura que integra os sistemas de produção superficial e subterrânea no atendimento da demanda do município.6. chamados Setores de Fornecimento.RG – Noroeste .RI2 – ETA Guariroba . Existem 51 Setores de Fornecimento. ou por terem sido projetados com soluções de abastecimento Capítulo 6 Infraestrutura Urbana e Serviços Foto Águas Guariroba . aproveitando ao máximo as condições de topografia dos terrenos.

253.129.068920 3.910359 3.512400 3.RD – Centro .266100 3.Centro Oeste .101.100.5 Informações básicas operacionais – Campo Grande A extensão da rede de água em dezembro de 2009 atingiu um total de 3.355.402250 mar.RF2 – Cel. 255.Dom Antonio .594350 jul. 252.756589 dez. 252.668.266100 3.Captação Guariroba Tabela 93 Total de extensão da rede de água – 2009 – (km) Rede Alta Baixa Total jan.Sistemas Mistos – São os sistemas que possuem fonte de suprimento própria. 254.047340 3.489950 maio 252.110.608900 3.353..Moreninhas .118.2.103.80 metros.698820 set.363. 253. .512400 3.629900 3.353.716850 3.977550 3.512400 3.354.490489 3.402699 3.116950 3.354. 252.RA – Pioneiros . 258.3. Foto Águas Guariroba .387.889850 3.512400 3.609550 3.381.629900 3. Antonino . recebendo reforço de outros sistemas.100.371259 nov.677240 ago. contudo essa fonte não supre totalmente a demanda da região.112.104.081950 3.114.512400 3.365.123.Nova Lima .369. 252.Novos Estados .374.387.668799 Fonte: Águas Guariroba. 252.356.460900 3. 258. 6.RF1 – Coophasul .512400 3.Sistemas Isolados – São os sistemas que possuem fonte de suprimento própria e não estão interligados.229250 fev. Capítulo 6 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Infraestrutura Urbana e Serviços 119 .863420 3.121950 abr.629350 jun.RBTC – Taveirópolis .472320 out.101.

270 nov. 3.660 2.663 2.839 5.429 5.208 6.919 5.615 192.326 2.911 3.639 mar.697 5.166 4.553 205.365 6.729 211. (2)Economias reais de água = total de imóveis abastecidos.481 2.199 5.684 2.726 3.707 2.840 4.001 6.596 3.953 4.221 6.172 4.402 3.203 3.274 5.234 186.149 203.860 out.248 maio 3.268 205.013 3.742 207.342 2.197 5.176 4.206 3.686 5.349 6.783 5.601 194.825 205.471 3.710 188.363 5.025 95 95 82 92 111 5.275 6.322 3.234 4.674 jul.990 209.234 3.233 2.481 199.882 204.350 203.320 2. 3. 120 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .034 3 3 3 2 2 171.966 2.013 3 3 3 2 2 179.134 2.979 196.734 6.063 192.919 6.884 2.997 3.335 95 95 88 93 111 5.547 204.266 3.118 188.905 3.937 5.836 211.965 2.974 3.135 2.399 4.044 206.636 6.345 3.530 5.953 2.329 3.041 176.899 187.664 2.826 5.235 3. 3.140 5.364 6.581 5.333 2.286 dez.313 2.289 4.474 191.289 3.151 191.950 3 3 3 2 2 175.509 193.401 6.851 3 3 3 2 2 176.495 209.234 3. 3. Nota: (1)Economias reais de água residenciais = n.230 4.332 2.077 199.098 6.083 1.358 190.814 197.926 4.101 3 3 3 2 2 181.210 2.050 3.020 2.209 3.930 200.756 209.014 2.520 195.113 3.624 202.775 188.203 4.301 3.656 5.037 206.097 210.100 204.792 4.051 6.658 194.185 4.032 206.896 202.249 2.245 3.477 5.455 2.965 3.169 3.109 4.818 3.661 192.048 217.908 6.335 2.282 2.963 6.268 2.496 2.327 3.118 3.437 193.619 193. 3.049 210.157 3.977 3.636 5.981 3.126 5.919 183.401 214.549 3.917 5.005 90 96 84 90 108 5.785 5.197 5.473 190.376 4.998 3.716 3.585 206.Tabela 94 Informações básicas operacionais – Campo Grande – 2005-2009 Informações básicas Volume explorado na captação subterrânea (m3 /h) Ano 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 jan.113 3 3 3 2 2 181.350 2.999 202.195 4.180 187.208 192.344 2.332 3.785 3 3 3 2 2 180.335 4.478 3.237 3.177 94 96 88 88 109 5.348 2. 3.247 3.688 205.282 3.584 2.552 2.594 212.301 190.021 3.635 3.295 3.919 2.490 190.253 4.269 3.079 2.074 189. 3.287 3.235 3.251 189.412 187.671 3 3 3 2 2 181.836 3.318 5.971 196.581 3.921 3 3 3 2 2 178.173 186.120 2.039 set.743 2.634 3.842 3.035 5.890 204.545 207.055 96 95 80 89 105 5.012 185.046 189.973 192.205 4.994 4.319 207.970 4.301 2.317 3.581 5.127 2.804 197.985 204.345 220.279 6.747 200.553 207.296 3.147 3.352 3.018 3.358 3.155 5.966 6. de imóveis residenciais abastecidos.315 6.147 187.192 2.823 212.129 6.889 3.132 2.070 6.333 5.662 3.249 3.911 2.293 182.466 6.119 jun.771 190.145 204.029 1.694 204.180 4.669 3.767 208. 3.830 4. 3.210 1.119 2.934 5.017 1.184 4.232 2.129 3.286 3.875 213.106 199.696 5.934 193.172 5.163 4.600 216.896 210.358 3.552 193.564 2.612 3.421 6.189 206.133 fev.626 208. 3.206 5.376 205.594 3.006 221.837 3.332 6.990 3 3 3 2 2 179.526 2.236 3.041 3 3 3 2 2 181.303 3.418 6.560 3.198 4.357 1.323 2.984 187.235 95 95 90 93 111 5.208 4.240 3.306 3.955 2.975 3.440 6.823 3.349 219.685 4.496 3.255 95 87 88 94 110 5.156 abr.223 6.002 3.012 204.783 4.653 2.579 2.260 3.793 6.333 3.353 3.190 205.048 5.122 3.652 4.872 4.595 5.804 200.814 3.075 3.771 2.231 2.847 2.107 Números de poços explorados (un) Infraestrutura Urbana e Serviços Capítulo 6 Volume explorado na captação superficial (m3/mês x 10³) Captações superficiais (un) Economias reais de água residenciais(1) Economias reais de água(2) Rede de água Extensão (km) Volume consumido (1000 m3) Volume produzido (1000m³) Fonte: Águas Guariroba.248 3.915 2.246 3.775 4.362 2.077 5.955 3 3 3 3 2 177.207 92 96 84 90 106 5.107 2.424 207.416 3.287 3.901 3.286 2.130 217.253 4.010 3.911 2.001 4.075 94 95 89 93 111 5.331 3.246 3.155 5.707 4.675 221.028 2.991 95 95 82 91 106 5.874 3.717 95 95 83 89 102 5.003 93 95 82 90 106 5.831 4.953 4.044 6.074 192.503 6.981 ago.248 3.228 4.274 192.117 6.568 3.848 193.039 3.612 2.928 3.293 3.265 198.857 192.791 6.098 192.067 188.833 3.971 191.010 6.766 5.401 5.608 3.234 3.010 1.157 197.192 188.029 190.075 3. 3.923 3.334 2.138 4.611 2.

Mapa 15 ABASTECIMENTO DE ÁGUA . Córrego Abastecimento de Água Sem Escala Fonte: Águas Guariroba .JUNHO/2010 SEGREDO PROSA CENTRO IMBIRUSSU LAGOA BANDEIRA ANHANDUIZINHO LEGENDA Região Urbana Bairro Malha Urbana Rio.

3 42. 42.16 30.17 5.3 1 1 1 1 1 507 507 622 669 724 535 535 628 697 752 13.3 42. 42.16 30.47 31.3 42.52 5.3 42. de imóveis residenciais abastecidos.05 5.47 31.95 7.16 30.3 42. 122 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .14 5.06 26.3 42.47 31.17 5.3 1 1 1 1 1 510 510 640 672 730 538 536 633 700 760 13.3.00 abr.3 42.3 42.46 30.99 7.00 18.3 42.9 14.3 42.05 5.16 30.3 42. com um reservatório elevado.96 5. a reservação é de 50 m³.3 1 1 1 1 1 507 507 605 632 719 535 535 604 660 747 13.16 30.9 18.47 31.9 13.92 28.75 5.80 18.9 13.3 42.3 42.17 5.3 42.95 6.2.92 5.3 1 1 1 1 1 507 507 605 632 695 535 535 604 660 723 13.92 5.19 29.17 6.47 30.52 5.15 Infraestrutura Urbana e Serviços Capítulo 6 Número de poços explorados (un) Economias reais de água residenciais (un) (1) Economias reais de água (un)(2) Rede de água Extensão (km) Volume consumido (1000 m³) Volume produzido (1000 m³) Fonte: Águas Guariroba.3 42.3 42.00 fev.9 16.52 5.00 jun.52 18.3 42.87 31.83 30.52 18.92 27.37 30.15 dez.52 18.3 1 1 1 1 1 504 504 518 624 686 532 532 539 653 714 13.3 42.47 31.46 30.99 5.52 21.98 5.92 27.11 31.3 42. 42.92 27.3 42.9 13.92 27.9 13.05 5.46 32.3 42.3 1 1 1 1 1 506 506 605 632 692 534 534 604 660 720 13.62 31.01 mar.73 4.3 42.20 maio 42.16 30.73 7.47 31.47 31.9 16.98 jul.19 29.47 32.92 5.52 22.16 30.6 Informações básicas operacionais – Anhanduí Em Anhanduí o sistema produtor de água é de captação subterrânea.46 30.98 5.06 26.16 30. 42.52 5.52 18.3 42.92 29. O tratamento da água se dá por desinfecção por aplicação de cloro. 42.80 18. 42.9 13.52 21.95 6.72 5.3 1 1 1 1 1 506 506 605 632 689 534 534 604 660 717 13.3 42.35 27.23 30.92 5.80 18.9 18.3 42.47 31.92 7.9 13.9 13.3 42.3 42. 42.75 5.9 13.25 nov.52 5.73 4.3 42.3 42.3 42.47 31.00 18.47 31.21 30.72 5.00 ago.52 18.75 6. 42.99 5.3 42.06 26.47 31.00 18.9 13. 42.52 18.52 6 6 6 6 7.75 5. (2)Economias reais de água = total de imóveis abastecidos.99 5.52 18.3 42.9 14.05 8.3 42.80 18.16 30.9 14.3 42.3 42.52 18.9 14.16 30.14 4.9 18. 42.3 42.9 13.9 16.52 6.3 42.52 7 7 7 7 7.72 5. 42.98 5.52 18.52 18.15 Set.3 1 1 1 1 1 502 502 510 621 686 530 530 538 650 714 13.3 42.47 31.3 42.9 13.96 31.3 1 1 1 1 1 506 506 533 628 686 534 534 541 655 714 13.3 42.52 18.3 42.92 27. Tabela 95 Informações básicas operacionais – Anhanduí – 2005–2009 Informações básicas Volume explorado captação subterrânea (m³/h) Ano 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 jan.47 30.3 42.9 13. Nota: (1)Economias reais de água residenciais = n.92 5.3 42.3 42.92 5.73 4.12 26.19 29.9 14.72 6.52 5.19 29.3 1 1 1 1 1 508 508 640 671 725 536 536 632 699 753 13.06 30.9 13.47 31.3 42.98 6.61 27.92 27.16 30.00 out.53 29. sendo que o poço produz em média 42.16 30.80 18.6.95 6.3 m³/h.3 1 1 1 1 1 506 506 546 628 688 534 534 541 655 716 13.3 42.3 42.9 14.3 42.80 18.92 5.3 1 1 1 1 1 510 510 640 671 725 538 536 632 699 754 13.

94 0. Tabela 96 Informações básicas operacionais – Rochedinho – 2005–2009 Informações básicas Volume explorado na captação subterrânea (m³/h) Ano 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 2005 2006 2007 2008 2009 jan. 11 11 11 11 11 1 1 1 1 1 76 76 75 75 76 82 82 81 81 82 2.02 1.98 2.98 3.82 6. 11 11 11 11 11 1 1 1 1 1 75 75 75 75 76 81 81 81 81 82 2.02 3.98 3.2.8 0.17 0.02 3.98 2. 11 11 11 11 11 1 1 1 1 1 75 75 75 75 76 81 81 81 81 82 2.02 0.02 0.14 6.07 0.02 3. de imóveis residenciais abastecidos.48 6.85 0.02 3.14 6. 11 11 11 11 11 1 1 1 1 1 75 75 75 75 76 81 81 81 81 82 2.14 6.65 nov.74 0.94 5.02 3.8 0.27 6.82 0.94 0.48 6.05 0.82 0.6.05 0.02 3.02 0.02 1.83 0.98 2.02 3. (2)Economias reais de água = total de imóveis abastecidos.14 6.94 6.02 0. Nota: (1)Economias reais de água residenciais = n.14 6. 11 11 11 11 11 1 1 1 1 1 75 75 75 75 76 81 81 81 81 82 2.98 2.14 6.98 2.83 0.75 mar.02 3. o tratamento da água se dá por desinfecção por aplicação de cloro.83 0.82 6.7 Informações básicas operacionais – Rochedinho Em Rochedinho o sistema produtor de água é de captação subterrânea e o poço produz em média 11 m³/h.94 5.54 5.02 3.14 6.82 0.6 6.02 0.82 jun.82 6.75 maio 11 11 11 11 11 1 1 1 1 1 75 75 75 75 76 81 81 81 81 82 2.98 2.82 6.02 0.14 6.54 5.14 6.27 6.98 3.8 0.02 0.76 0.6 6. 11 11 11 11 11 1 1 1 1 1 75 75 75 75 76 81 81 81 81 82 2.54 6.85 6. Capítulo 6 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Infraestrutura Urbana e Serviços 123 .14 6.98 2.82 6.02 6.02 3.27 6.02 0.94 5.64 dez.98 2. 11 11 11 11 11 1 1 1 1 1 75 75 75 75 76 81 81 81 81 82 2.02 3.3.98 2.98 2.27 6.72 abr.83 0.02 3.74 0.54 5.48 6.05 0.76 0.6 6.02 0.05 6.83 0.74 0.98 2.98 2.02 3.02 3. 11 11 11 11 11 1 1 1 1 1 75 75 75 75 76 81 81 81 81 82 2.98 3. 11 11 11 11 11 1 1 1 1 1 75 75 75 75 76 81 81 81 81 82 2.6 6.98 2.07 0.17 0.98 3.25 out.17 0.82 6.27 6.85 0.82 6.27 6.65 Número de poços explorados (un) Economias reais de água residenciais (un)(1) Economias reais de água (un)(2) Rede de água Extensão (km) Volume consumido (1000 m³) Volume produzido (1000 m³) Fonte: Águas Guariroba.94 0.02 1.02 0. A reservação é de 50 m³.32 fev.74 5. 11 11 11 11 11 1 1 1 1 1 75 75 75 75 76 81 81 81 81 82 2.85 0.07 0.02 3.98 3.98 3.83 0. com reservatório elevado.8 6.14 6.76 6.74 0.27 6.98 3.02 1.17 0.98 2.17 6.98 3.76 0.75 ago.82 jul. 11 11 11 11 11 1 1 1 1 1 75 75 75 75 76 81 81 81 81 82 2.45 set.05 0.02 3.82 6.82 6.02 3.14 6.83 0.76 0.83 6.83 6.94 5.02 3.82 6.98 2.98 2.82 6.48 6.82 6.02 1.82 6.98 3.27 6.98 3.85 0.83 0.02 0.8 0.98 3.07 6.02 3.07 0.82 0.94 0.98 2.

413.92455 ago.3. 1.15198 83.6.54493 83.410.327.04288 maio 1.75851 83.50 km de rede de esgoto.411.327.411.22218 83.85948 Foto Águas Guariroba .ETE Sayonara (1 módulo) – capacidade de 5 l/s.330.411. Atualmente existem três Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) em operação.63730 1.78928 abr. 1. 1.328. 1.90100 1.427.32965 83. 1. O sistema de esgotamento sanitário de Campo Grande com coleta e tratamento já está disponível para 61. 1.63730 1.28725 83.65925 nov.63730 1.74228 mar.346.capacidade de 12 l/s. em dezembro de 2009.05% da população.410.ETE Los Angeles (8 módulos) – capacidade de 720 l/s em ampliação(900 l/s) Infraestrutura Urbana e Serviços Tabela 97 Extensão da rede de esgoto – 2009 – (km) Rede Esgoto Coletora Total jan.343.63730 1. 1.15688 jun.334.63730 1.417.63730 1.63730 1.430.410.76360 1. 1.340. 1.93100 1.424.ETE Coophatrabalho (1 módulo) . .68951 dez.337.3 Esgotamento sanitário de Campo Grande Campo Grande possuía.75825 83. 1.93100 1.51958 83. .326.60848 fev.63730 1. 1.50002 Capítulo 6 124 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . 1.430.56902 83.97118 83.96695 set. .327.421.327.Sistema de Esgotamento Sanitário jul.40558 83.10498 83.30853 out.

834 34.282 80.995 40.568 73.74 735.762 44. Capítulo 6 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Infraestrutura Urbana e Serviços 125 .544 64.090 41.296 42.87 738.681 83. 32.681 83.412 jul.160 366 366 369 397 436 450 498 520.926 41.514 108.244 84.115 42.355 40.599 111.785 54.318 39.905 55.411 1.878 70.805 41.664 85.613 34.127 42.618 366 366 368 395 397 437 457 509. 32.080 35.418 set.36 1.295 40.153 40.280 47.238 125.421 out.199 52.838 40.244 73.391 1.58 789.419 89.272 41.402 34.934 52.652 109.310 41.878 70.225 38.381 40.347 62.371 49.652 97.898 33.142 34.828 64. 32.189 55.642 366 366 368 396 434 437 469 513.704 48.573 33.79 730.99 592.337 40.414 ago.995 43.611 51.449 42.037 44.242 83.529 78.425 129.191 40.647 62.02 715.665 84.481 33.390 43.375 1.501 34.537 42.810 33.370 48.554 33. 32.048 99.136 81.918 62.877 366 366 368 396 435 445 491 518.831 55.07 633.570 69.683 83.606 35.147 107.978 41.62 1.57 654.703 50.782 50.540 51.201 50. 32.826 42.213 39.624 34.673 111.851 49.794 33.711 34.570 69.328 40.95 650.813 33.401 1.69 604.527 33.90 624.535 74.870 42.179 45.185 45.120 33.192 35.75 621.15 788.366 33.236 40.690 55.299 37.905 366 366 368 396 434 440 470 513.242 72.69 745.393 42.458 40.533 122.364 53.963 41.725 101.844 57.445 42. 32.57 1.437 40.025 33.137 33.492 34.302 42.367 114.80 1.683 83.411 abr.568 85.260 40.462 46.994 101.871 33.69 600.173 36.122 33.827 41.257 73.337 32.64 537.120 41.131 34.828 64.411 mar.421 34.113 33.451 55.321 40.510 63.941 41.886 77.175 42.124 42.165 41.630 40.955 41. 32.482 49.198 62.322 1.416 35.08 1. 32.08 827.441 49.622 33.647 366 366 368 396 435 446 491 518.24 637.753 114.937 40.125 33.338 40.561 68.53 688.431 Economas Reais de Esgoto Residenciais (un)(1) Economias reais de esgoto (un)(2) Rede de esgoto Extensão (km) Fonte: Águas de Campo Grande.825 51.136 81.445 34.771 366 366 368 396 397 437 469 513.461 87.338 40.453 32.695 111.004 105.934 41.50 677.750 41.04 628.78 617.576 44.99 789.129 112.383 1.358 41.203 41.805 41.886 33. 32.419 78.886 77.141 57.131 40.455 33.368 35.400 35.409 42.13 1.145 41.622 34.490 50.723 41.22 831.014 35.257 41. 32.515 113.322 42.386 46.782 54.806 40.411 maio 32.796 122.004 93.421 48.911 33.178 39.277 41.465 49.472 61.409 1.715 61.561 68.754 41.158 366 366 368 397 436 447 494 519.113 33.95 551.537 34.345 1.272 40.201 35.603 34.40 1.246 39.572 43.639 72.18 716.282 91.142 40.206 34.884 113.217 55.960 41.830 34. Águas Guariroba.Tabela 98 Informações básicas operacionais de esgoto – 1997–2009 Informações básicas Ano 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 jan.937 33.845 41.285 37.484 34.424 42.006 114.257 84.832 58.276 39.525 34.665 73.633 43.138 56.867 33.498 41.450 56.184 33.626 34.801 366 366 368 396 435 444 487 514.907 33.428 dez.038 55.104 34.425 nov.146 40.175 108.894 33.365 40.850 33.461 76.406 1.965 33.411 jun.519 366 366 368 396 435 440 470 514. 32.914 33.530 34.535 74.631 55.342 107.211 35.333 1.411 fev.706 366 366 368 395 397 437 469 509.742 34.57 776.935 34.342 95.858 41.112 33.398 1.203 41.252 55.322 48.868 128.65 638.56 1.241 42.679 63.529 78.604 35.361 1.004 40.599 33.712 41.449 100.392 33.933 40.750 34.639 72.709 34.611 58.592 35.70 796.594 33.544 64.632 34.997 36.40 713.839 55.88 1.020 40.000 34.28 1.963 34.942 41.796 41.647 34.193 41.99 565.62 1.70 813.60 730.280 55.99 581.60 776.833 42.664 97.599 126.218 42.591 99.54 642.406 366 366 368 396 435 444 474 514.969 55.49 1.699 41.167 40.786 34.325 34.406 40.323 121.808 33.392 48.372 48.

Córrego Rede de Esgoto Sem Escala Fonte: Águas Guariroba .JUNHO/2010 SEGREDO PROSA CENTRO IMBIRUSSU LAGOA BANDEIRA ANHANDUIZINHO LEGENDA Região Urbana Bairro Malha Urbana Rio.Mapa 16 REDE DE ESGOTO .

58 1. rua Brilhante. Manoel da Costa Lima. Orla Morena . executadas em 1927.00 559. Eduardo Elias Zahran. Costa e Silva.da rua Ceará ao Parque dos Poderes. av. Calógeras (em frente a estação da antiga NOB) foram as primeiras a receberem paralelepípedos como pavimentação. av. av. Mato Grosso . av. Rua Rui Barbosa e Rua 15 de Novembro. Em 1945. Afonso Pena) e grande parte do comércio.144. av. av.96 6. a Av.Pavimentação O total de vias na área urbana atingiu. Av.5 Limpeza pública A limpeza pública da área urbana de Campo Grande está dividida em três partes: varrição. Em 1947. 6. Mato Grosso. Tamandaré. aproximadamente 61% estão pavimentados.316.5. av. Júlio de Castilho. a única área pavimentada de Campo Grande se restringia a apenas duas quadras na Rua 14 de Julho. av.676. av. 3. toda a área do quadrilátero compreendido entre a Rua 14 de Julho. sendo que destes.4 Pavimentação Por muito tempo. além das transversais até a Av. por ser uma via importante da cidade e porque nela se localizavam a Prefeitura.361. receberam pavimentação asfáltica. Afonso Pena .00 409. av. av. Calógeras foi pavimentada. a Câmara Municipal (esquina com Av.00 372.57 km. Bandeirantes. além de ser a ligação entre o centro e a estação ferroviária. a Rua Marechal Rondon (antiga Y Juca Pirama) e Av. Mascarenhas de Moraes. av.850. Duque de Caxias.Calógeras.231.da rua Ceará ao Parque dos Poderes. av. Capibaribe.114.6. manutenção e coleta de lixo. em 2009. em 1949.1 Varrição É efetuada varrição manual nos principais corredores de tráfego e vias da zona central. Tabela 99 Pavimentação executada – 2005-2009 Ano 2005 2006 2007 2008 2009 Fonte: SEINTRHA m² 242. av. Marechal Deodoro. Coronel Antonino. das Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Capítulo 6 Infraestrutura Urbana e Serviços 127 . Dois anos depois.

2009 SEGREDO PROSA CENTRO IMBIRUSSU LAGOA BANDEIRA ANHANDUIZINHO LEGENDA Região Urbana Bairro Rio. Córrego Sem pavimentação Com pavimentação Sem Escala Fonte: SEINTRHA. PLANURB .Mapa 17 PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA .

Albuquerque. Vila Monte Carlo. av. Lagoa. Vila Coopharádio. av. Jardim Alegre. r. Garimpo. Tiradentes. Núcleo Habitacional Moreninha I. Jardim Ibirapuera. Bairro Universitário. Mato Grosso. Jardim São Lourenço.Manutanção de canteiro central Infraestrutura Urbana e Serviços 129 . Jardim Mansur. Vila Progresso. Vila Concórdia. Vila Miguel Couto. Vitor Meirelles. Conj. Vila Cidade Morena. Vila Vilasboas. Jardim Estrela Dalva. nas seguintes áreas: I – Região Urbana do Prosa: Novos Estados. através de empresa contratada. rua Trindade e rua Japão. rua Spipe Calarge. Jardim Autonomista.2 Manutenção e roçada Os serviços de capina manual dos logradouros públicos e pintura de meio-fio da área compreendida pelo perímetro do mini-anel são realizados por empresa contratada pela Prefeitura. Jardim Giocondo Orsi. Capítulo 6 Av. Mata do Jacinto.Bandeiras. É executada varrição manual com freqüência semanal. Anhanduizinho. Spipe Calarge. Bairro Regina. BR-163 saída para São Paulo. av. da Capital. Nas Regiões Urbanas do Imbirussu. av. Costa e Silva. Vila Zoé. Vila Ieda. Vila Margarida. Res. Tamandaré. Vila Olinda. Chácara Cachoeira II. Av. av. Carandá Bosque I e II. 6. Vila Dr. Chácara Cachoeira. com frequência mensal. por empresa contratada pela Prefeitura. Jardim Umuarama e Bairro Cidade Jardim. Salgado Filho. Afonso Pena. Euler de Azevedo. Parque Residencial Arnaldo Estevão de Figueiredo. II – Região Urbana do Bandeira: Parque Residencial Maria Aparecida Pedrossian. II.5. av. Guaicurus (lado de cima). Vila Portinho Frederico Pache. Eduardo Elias Zahran. com frequência variando entre uma e três vezes por semana na área compreendida pelo perímetro: av. Camocim. r. Vila Santo Eugênio. av. rua Vitório Zeola. r. av. nos mutirões. Afonso Pena . Bairro Tiradentes. Conjunto Residencial Recanto dos Rouxinóis. r. Pontalina. Vivendas do Bosque. Mascarenhas de Moraes. Três Barras. Anhanduizinho. Também é executada varrição manual. Na área central da cidade é executada a varrição manual diariamente. Lagoa e Segredo a varrição é executada junto com a capina manual. av. Vila Carlota. Salgado Filho. Bairro Santa Fé. III e r. Jardim Flamboyant. Vila Rica. rua Dr. av. Imbirussu) de maneira a atender uma região a cada 90 dias. av. Paraisópolis. Jardim TV Morena. A capina manual e pintura de meio-fio dos bairros e conjuntos habitacionais compreendidos fora do perímetro do mini-anel são realizados por Região Urbana (Segredo. Coronel Antonino e rua Ceará. av.

Fonte: SEINTRHA Infraestrutura Urbana e Serviços Capítulo 6 Obras aterro sanitário 130 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Na área central a coleta é feita diariamente no período noturno e na periferia. (ver Mapa 18) O destino final do lixo é o aterro sanitário. que não solicitaram o serviço de coleta de lixo domiciliar.3 Coleta de lixo O serviço de coleta de lixo domiciliar é executado em 98% da área urbana. Para um melhor atendimento da população em relação à coleta de lixo. Ceasa e Santa Casa. Estação Rodoviária. a cidade foi dividida em 5 grandes regiões com 72 setores. montados sobre rodízios de borracha. com exceção dos loteamentos e assentamentos clandestinos. Vinte e dois veículos são utilizados para a coleta de lixo domiciliar. A coleta é feita durante os períodos noturno e diurno e um caminhão executa a coleta de lixo hospitalar.14 m³ de lixo. Utilizam-se veículos equipados com coletor compactador SITA 6.000. também são utilizados 11 caminhões trucados com capacidade de 24 m³. estão colocados nos seguintes locais: Mercado Municipal. Esses containers. O compactador permite a utilização de containers basculáveis. que representa um volume de lixo compactado de 15 m³ (45 m³ de volume de lixo solto).6.5. no próprio veículo. possuindo tampa metálica. com capacidade de acondicionar 1. em número suficiente para acondicionar os detritos produzidos. Paço Municipal. localizado na saída para Sidrolândia. refeitório da Cidade Universitária. Hospital Universitário. recolhendo em média 678 toneladas por dia. 3 vezes por semana. com capacidade de 8 toneladas de carga.

2009 SEGREDO PROSA CENTRO IMBIRUSSU LAGOA BANDEIRA ANHANDUIZINHO LEGENDA Região Urbana Bairro Malha Urbana Rio.Mapa 18 COLETA URBANA DE LIXO . Córrego Diário Seg Qua Sex Ter Qui Sab Seg Qua Sex Ter Qui Sab Noturno Noturno Noturno Diurno Diurno Sem Escala Fonte: SEINTRHA .

52 209.227.87 16.39 2000 166.086.71 132.457.79 11.12 264.627.53 157.204.811.39 12.24 19.752.28 230.65 265.032.094.42 14.446.827.98 15.85 229.41 199.692.92 218.940.18 135.Tabela 100 Quantidade de lixo domiciliar coletado em Campo Grande (t) – 1998-2009 Mês Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Tonelada/mês Fonte: SEINTRHA 1998 11.398.72 12.73 14.58 13.17 203.70 1999 144.86 243.224.90 10.81 267.87 133.26 12.50 218.110.88 222.14 188.38 2001 15.17 232.63 209.50 182.53 12.07 11.545.65 14.081.670.86 11.20 13.28 249.11 17.25 16.63 169.08 2004 15.66 13.05 233.555.911.36 17.292.10 222.248.08 174.60 18.00 245.84 149.704.435.177.08 243.27 15.74 221.07 186.728.708.844.34 11.48 166.88 233.124.91 219.83 11.90 12.66 218.49 10.749.035.14 163.95 189.331.78 226.40 238.100.67 192.25 237.67 167.43 242.089.02 160.16 119.572.52 205.16 147.68 13.37 206.598.580.279.65 240.84 14.05 2009 235.771.48 11.040.08 16.77 121.912.512.57 15.42 16.699.72 151.49 16.959.34 11.42 12.976.18 218.77 15.126.37 11.256.707.228.72 2.73 1.77 260.52 2008 19.36 163.448.68 159.907.88 246.041.583.055.95 140.360.554.36 2002 148.366.49 241.08 235.99 12.10 14.699.61 248.93 9.34 10.60 12.705.87 225.263.67 164.89 209.47 14.706.402.79 167.58 13.91 245.089.02 14.358.51 12.52 17.403.30 19.53 12.753.83 18.984.409.391.270.47 13.619.70 258.85 14.41 234.37 2.653.952.259.77 175.006.653.36 219.528.40 147.62 173.67 229.13 12.40 15.607.352.51 13.738.55 14.009.97 17.89 132.66 12.65 14.15 160.825.573.63 12.119.58 174.78 14.68 244.02 14.730.99 Infraestrutura Urbana e Serviços Tabela 101 Coleta de lixo hospitalar (t) – 1998-2009 Mês Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Tonelada/mês Fonte: SEINTRHA 1998 146.551.128.221.35 139.34 11.68 254.27 13.52 2002 14.13 16.40 12.37 13.22 237.28 262.07 223.589.16 228.22 19.670.391.68 2004 231.00 14.167.83 224.668.19 13.19 12.68 10.490.23 14.20 235.03 248.25 175.431.99 2.86 231.06 2009 18.97 11.33 220.88 243.682.58 11.42 17.946.090.92 245.36 149.74 191.90 16.13 13.185.44 2006 231.326.938.63 15.98 2.164.117.32 1999 12.98 23.47 14.79 2005 17.18 16.27 1.77 229.003.73 12.249.56 183.85 18.23 278.96 12.63 12.70 11.148.56 12.87 224.99 12.837.989.36 11.35 202.17 16.28 14.910.815.841.89 2008 246.712.191.866.814.042.915.92 15.39 224.60 174.83 13.918.89 12.381.405.544.84 16.176.019.36 182.10 259.82 2.93 182.504.598.11 16.65 2.18 13.67 12.854.994.671.255.74 224.087.96 14.536.891.44 234.72 12.09 259.71 10.74 224.00 258.083.909.034.298.59 293.82 14.44 2.800.549.474.589.41 19.892.42 10.36 196.77 16.672.25 18.45 208.275.07 15.05 221.199.63 9.217.010.989.83 16.68 171.75 273.141.69 2007 19.06 13.36 179.94 247.277.80 228.462.51 13.15 2003 14.164.35 246.98 2005 215.85 228.95 13.47 13.974.79 14.23 217.479.68 116.56 134.028.28 181.22 113.47 Capítulo 6 132 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .89 270.74 14.032.67 160.379.73 224.89 230.40 160.468.04 12.262.14 16.22 170.46 16.58 242.51 2001 182.39 21.034.94 12.79 13.90 231.20 3.693.920.29 225.61 2003 212.73 214.47 297.278.79 13.88 200.734.633.14 221.91 13.68 11.27 16.95 263.16 243.57 167.55 255.48 10.21 16.93 10.386.97 2000 12.319.48 124.144.487.12 13.10 219.47 2.782.40 2.67 182.18 13.71 13.75 13.566.25 231.45 189.54 177.83 253.958.85 15.25 178.07 210.50 2006 18.06 15.64 166.488.24 15.64 234.43 13.59 2007 233.32 15.295.16 18.88 10.79 240.477.733.993.489.36 169.43 258.42 216.260.83 177.64 16.83 11.749.39 131.34 16.46 12.

250 e Porto XV (BR-267). na BR-060. nas margens do Rio Pardo. sendo que a principal se destinava a Porto XV. Campo Grande e Corumbá (BR-262). a Campo Grande e Cuiabá (BR-163). Casas rurais 99 3 1. Três Lagoas (BR-262) e Cuiabá (BR163). com Bolicho Seco. Por volta de 1940.MS-463 – antiga BR-463 . Em 1995 o segundo trecho foi concluído. Em 1914. .567 363 49 5 163 2.Tabela 102 Domicílios rurais em que há alguma destinação para o lixo em Campo Grande . foram iniciados os trabalhos de abertura de rodovias federais. que liga Campo Grande a Três Lagoas. e em 1999 foi inaugurado o terceiro trecho. Fazenda Alavanca.Censo Demográfico de 2000.MS-060 . ligando as saídas de Sidrolândia e Aquidauana (BR-262). surgiu a ferrovia que ligava Bauru a Campo Grande. antiga MT-060.2000 Categoria Lixo coletado por serviço de limpeza Lixo coletado em caçamba de serviço de limpeza Lixo queimado na propriedade Lixo enterrado na propriedade Lixo jogado em terreno baldio ou logradouro Lixo jogado em rio. sem contudo caracterizar uma estrada. dando acesso ao Distrito Federal. Campo Grande a Rochedo (MS-080). No sistema de transportes rodoviários podem ser destacadas as rodovias: . no Estado de São Paulo. com a entrega ao tráfego das BR-163 e parte da BR-262. ligando as saídas de São Paulo (BR-163). Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 6.6.215 Cômodos rurais 1 23 5 1 5 35 Quantidade 100 3 1. divisa com o estado de São Paulo. outra opção foi utilizada. ligando as saídas de São Paulo (BR-163) e Sidrolândia (BR-060). denominada estrada Manoel da Costa Lima. via estrada boiadeira.BR-060 . Somente em 1900.BR-267 – ligação leste-oeste – divisa São Paulo (Porto XV Novembro) ao Paraguai (Porto Murtinho). Nova Alvorada Capítulo 6 Infraestrutura Urbana e Serviços 133 . .Ligação de Campo Grande com divisa de Goiás.ligação do centro-oeste com o Paraguai via Dourados – Ponta Porã. . Na década de 80 foi concluído o primeiro trecho do macro-anel rodoviário. com o surgimento da ligação Campo Grande. cortando o Estado em toda sua extensão neste sentido. surgiram as estradas boiadeiras. Em 1965 surgiram os primeiros 15 km de asfalto.1 Rodovias A ocupação do local que mais tarde se chamou Campo Grande ocorreu às margens dos córregos Prosa e Segredo por volta de 1872 com acesso que adentrava a mata.BR-262 – grande eixo de ligação do Porto de Vitória à Bolívia. dos quais 668 km são de rodovia implantada e 119 km leito natural.BR-163 – de integração nacional ligando o norte ao sul do país. Campo Grande tem uma malha rodoviária municipal de 807 km. A complementação da rodovia federal BR-262. executados pelo Estado. ligando Campo Grande a Bela Vista (fronteira com Paraguai). foi em 1972 que as grandes obras de pavimentação foram concluídas. lago Outro destino Total Fonte: IBGE . Em 1953.6 Transporte e trânsito 6. Mas. começando pelas ligações de Nova Alvorada (antiga Fazenda Alavanca Município de Rio Brilhante). próximo à divisa com o Estado de São Paulo. estadualizada pela MP 082/2002 .Importante eixo de ligação do Centro-Oeste ao Paraguai. . . partindo da sede do Município em direção ao Sul do Mato Grosso. passando por Três Lagoas (divisa SP). somente ocorreu em 1960. até Porto Alegre.MS-080 – Importante eixo turístico que liga Campo Grande ao Pantanal de Rio Negro. foi aberta a estrada em leito natural que ligava Campo Grande ao Porto Alegre (último porto do Rio Pardo) e daí ao Porto XV. .544 358 48 5 158 2. Após a ampliação do lugarejo. Campo Grande e Corumbá (divisa Bolívia). acelerando sobremaneira o desenvolvimento da região.

Km 43 238 248 302 410 295 157 195 458 350 177 107 288 303 398 456 317 326 443 84 150 160 201 83 140 258 402 452 64 366 407 318 23 313 241 Capítulo 6 Obras Terminal Internacional de Cargas 134 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Nota: Quilometragem calculada pelo trajeto pavimentado ou melhor alternativa quando não pavimentado.Continuação Tabela 103 Distâncias de Campo Grande aos municípios de MS Municípios Água Clara Alcinópolis Amambaí Anastácio Anaurilândia Angélica Antonio João Aparecida do Taboado Aquidauana Aral Moreira Bandeirantes Bataguassu Bataiporã Bela Vista Bodoquena Bonito ( via Km 21 ) Brasilândia Caarapó Camapuã Caracol Cassilândia Chapadão do Sul Corguinho Coronel Sapucaia Corumbá Costa Rica Coxim Deodápolis Dois Irmãos do Buriti Douradina Dourados Eldorado Fátima do Sul Figueirão Glória de Dourados Guia Lopes da Laguna Iguatemi Inocência Itaporã Itaquiraí Ivinhema Japorã Km 179 372 332 128 367 243 301 448 131 373 71 330 302 322 253 297 374 264 145 382 437 333 100 377 415 338 257 245 98 185 214 435 232 264 263 233 451 312 231 395 282 470 Continua Infraestrutura Urbana e Serviços Municípios Jaraguari Jardim Jateí Juti Ladário Laguna Carapã Maracaju Miranda Mundo Novo Naviraí Nioaque Nova Alvorada do Sul Nova Andradina Novo Horizonte do Sul Paranaíba Paranhos Pedro Gomes Ponta Porá Porto Murtinho Ribas do Rio Pardo Rio Brilhante Rio Negro Rio Verde de Mato Grosso Rochedo São Gabriel do Oeste Santa Rita do Pardo Selviria Sete Quedas Sidrolândia Sonora Tacuru Taquarussu Terenos Três Lagoas Vicentina Fonte: SEOP.

2009 ROCHEDO CG -22 2 2 -16 CG CG -21 6 MS -08 0 DISTRITO DE ROCHEDINHO 10 MS-0 JARAGUARI BR -16 3 TERENOS MS-080 40 -0 CG CAMPO GRANDE . PLANURB 4 .31 5 CG-020 CG-3 24 Limite Intermunicipal Perímetro Urbano Rodovia Municipal Rodovia Federal / Estadual -2 CG 64 06 0 020 CG- BR - 6 BR-1 3 4 -26 CG BA RI CG-030 8 CG-48 CG - S 48 6 O D 24 CG -4 9 CG -3 0 CG -11 2 A DI AN OL DR SI IO R CG -0 3 0 R PA CG -3 DO 24 .48 CG 6 C G DISTRITO DE ANHANDUÍ -26 4 CG -3 24 CG 2 -49 C G 2 .12 CG -2 64 CG 4 32 VA NO DA RA VO AL DO L SU 2 -3 CG 4 2 -3 CG Sem Escala Fonte: SEMADUR.SEDE 2 -46 CG BR-262 LEGENDA CG -1 40 CG .Mapa 19 MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE .RODOVIAS .

dificultando o acesso entre os bairros e provocando a Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Capítulo 6 136 . e a definição das linhas troncais. instituindo o zoneamento e a obrigatoriedade da manutenção da continuidade da malha viária nos processos de loteamento e parcelamento do solo. Fonte: AGETRAN.357 3.040 3.2 Sistema viário A estrutura viária de Campo Grande na área central é formada por vias com traçado ortogonal. os caminhos são mais curtos pelas rodovias asfaltadas. Fonte : www1.765 2. Estas vias coincidem na maior parte com as saídas da cidade. e as ruas Rui Barbosa. criando imensos vazios. O crescimento desordenado.567 – Lei de Ordenamento do Uso e da Ocupação do Solo . para que os novos corredores viários sejam aprovados é necessário obedecer ao Código de Trânsito Brasileiro e a Lei Complementar n.537 1.407 935 3.6. de 23 de setembro de 1997. com a entrada em vigor da Lei n.979 1. Mato Grosso e Calógeras.453 3. e conforme a Hierarquia do Sistema Viário foram denominadas da seguinte forma: .Via Coletora – largura 18m .518 2. Infraestrutura Urbana e Serviços Nota: a distância entre as cidades é medida de centro a centro.051 3. 6.Via Local – largura 13m Sendo assim. com a implantação do SIT – Sistema Integrado de Transportes.942 1. de ligação entre as zonas Norte e Sul. As avenidas Afonso Pena.150 3.iniciou-se um processo de planejamento urbano.br/rodovias/distancias/distancias.836 1.dnit. convencionais. que se estruturam de forma radial convergindo para o centro.892 descontinuidade da malha viária. alimentadoras. Com a aprovação do Código de Trânsito Brasileiro – Lei n.684 1. as vias tiveram que se adaptar a ele.134 694 991 1.Tabela 104 Distâncias rodoviárias entre Campo Grande e outras capitais Cidade Aracajú Belém Belo Horizonte Boa Vista Brasília Cuiabá Curitiba Florianópolis Fortaleza Goiânia João Pessoa Maceió Manaus Natal Palmas Porto Alegre Porto Velho Recife Rio Branco Rio de Janeiro Salvador São Luís São Paulo Teresina Vitória Distância – km 2. interbairros e executiva. são as principais vias do sistema de circulação. iniciou-se uma ordenação do sistema viário para atender ao transporte coletivo. 9503. Em 1991.gov.247 2. a qual se consolidou em 1995 com a Hierarquização do Sistema Viário de Campo Grande. 2. 74 de 6 de setembro de 2005.asp < acesso em 31/03/2009>.Via Arterial – VA – largura 23m .785 1.298 3.444 2.Via de Trânsito Rápido – VTR – largura 33m . Ceará e Bahia. sendo as primeiras vias de ligação entre as zonas Leste e Oeste. e as outras.911 1.014 2.568 2. Em 1988. sobretudo a partir da década de 70 e a ausência de diretrizes de planejamento fizeram com que até 1988 o adensamento urbano em Campo Grande se concentrasse nas saídas da cidade. originando um tabuleiro de xadrez de onde partem as vias de acesso aos bairros.

301 568 1.524 12.Av.359 257.010 580 1. Total 221.490 34.547 217 4.285 4 210.919 0 28.406 249.942 26.011 26.633 2005 20.923 20.242 32.291 20.887 0 40.296 37.331 5.114 190.075 35.440 30. cadastrados na base DETRAN/MS.992 2003 131.969 277.869 6.675 239.653 13.384 5.315 1.342 41.277 26.691 17.detran.805 569 1.777 2007 19.179 257.675 2004 137.361 48.098 2009 19.347 6.493 180.399 55.368 23.183 4.229 15.482 459 46 345.799 6 219.761 0 61. por tipo – 2003-2009 Tipo Automóvel Caminhão Caminhonete Camioneta Microonibus Ônibus Motocicleta/ Motociclos Outros Total Fonte: DETRAN/MS Tabela 108 Frota de veículos em Campo Grande cadastrados na base DETRAN/MS.959 11.771 355.818 12.920 25.552 212 217.529 24.gov.285 355.306 867 169.185 11.167 302.826 355.910 2006 152.676 29.510 27.992 Tabela 107 Frota de veículos em Campo Grande.773 677 1.182 11.407 2004 20.167 2007 162.348 329.208 1 199.966 27.951 302.ms.682 7.860 631 1.910 277.494 218 4.666 351 38 293.569 82. Capítulo 6 Rotatória .291 191 41 268.6.992 Tabela 106 Frota de veículos em Campo Grande.826 7. Mato Grosso e Via Parque Infraestrutura Urbana e Serviços 137 .212 30.438 65.359 2005 144.116 31.024 2.659 0 16.br Veículos 224. por ano de fabricação – anterior a 2005-2009 Ano Anterior a 2005 2005 2006 2007 2008 2009 Total Fonte: Detran/MS.100 4.469 5 226.645 562 1.827 2008 171.109 204 4.109 219 4.116 530 1.040 22.801 224.3 Frota de veículos Tabela 105 Evolução da frota de veículos no município de Campo Grande – 2003-2009 Ano 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Fonte: AGETRAN e www.113 22.895 2006 20.484 11.507 74.397 2008 19.806 29.470 25.839 239.801 26.741 30.827 329.073 28.153 4.285 2009 185.859 231.6. cadastrados na base DETRAN/MS por tipo de combustível – 2003-2009 Combustível Álcool Diesel GNV Gasolina Álcool/GNV Gasolina/GNV Diesel/GNV Álcool/Gasolina Álcool/Gasolina/GNV Outros Total 2003 21.761 451 42 319.228 Fonte: Detran/MS.

818 3.355 186.976 2.919 Masculino 188.508 2006 Feminino 81.6.597 Masculino 164.097 2005 Feminino 75.114 3.306 7.387 2008 Feminino 93.454 200.943 5.6.470 2.4 Condutores com Carteira Nacional de Habilitação Tabela 109 Total de condutores com Carteira Nacional de Habilitação.754 159.382 Masculino 180.148 546.278 6. Tabela 111 Frota de táxis – Campo Grande – 1980-2009 Ano 1980/1990 1991/1992 1993/1997 1998/2005 2005/2006 2006/2007 2007/2008 2008/2009 Táxis 320 322 406 438 438 438 438 438 Capítulo 6 Rua 14 de Julho Fonte: AGETRAN.528 218.948 266.996 295.888 2007 Feminino 86.027 105.512 467. o serviço é disciplinado pelo Decreto 3631/72.5 Acidentes de trânsito Infraestrutura Urbana e Serviços Tabela 110 Acidentes de trânsito ocorridos em Campo Grande – 2003-2009 Acidentes Com vítima fatal Com feridos Com danos materiais Total Fonte: Detran/MS.163 2005 79 4.235 6.654 6.494 Masculino 171.565 Feminino 70.843 88. por sexo em MS e Campo Grande – 2004-2009 Condutores Campo Grande Outros Municípios de MS Total Fonte: Detran/MS.483 7.864 489.024 309.6.123 125.290 2. distribuídos em 71 pontos.818 2007 76 4.6.614 352.762 2.509 2006 70 4.535 2008 88 4.735 145.120 7.373 327. 2004 Masculino 156.840 172.465 114.000 2009 58 5.762 2009 Feminino 101.014 515.654 96.604 2.500 247.595 2004 58 2.6 Frota de táxis A frota de táxis de Campo Grande opera com 438 veículos.651 Masculino 194.215 281.287 6. 138 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .617 423.882 446. 2003 48 2.316 7.

e que através da Lei n. atendendo região com demanda de 20 mil usuários nos dias úteis. Güinter Hans (próximo ao Hospital Regional). situado no cruzamento da avenida Júlio de Castilho e a rua Sagarana. inaugurado em 16 de março de 2000 e situado na av. num total de 70 pontos (de acordo com a Lei n.323. .7 Frota de moto-táxis Na área urbana de Campo Grande opera uma frota de 447 moto-táxis. inaugurado em março de 1992. 3.6. de 03 de novembro de 1999. Com este sistema o usuário pode utilizar outra linha.228 de 26. Em 2006 iniciaram-se os estudos para o reordenamento Sistema Integrado de Transportes – SIT – com a consultoria da LOGITRANS de Curitiba-PR.1995 passa a denominar-se Terminal Rodoviário Urbano Paulo Pereira de Sousa. Capítulo 6 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Infraestrutura Urbana e Serviços 139 . 6. Em 18 de junho de 2007 foi desativado o terminal de integração das linhas convencionais localizado no Terminal Rodoviário de Campo Grande. reduzindo o tempo de ciclo (viagem) .12.Terminal Bandeirantes. 3. situado no cruzamento das avenidas Marechal Deodoro e Bandeirantes.853 de 25 de abril de 2001. o qual não fazia parte do SIT. inaugurado em agosto de 1991. 3.9 Transporte coletivo O Sistema Integrado de Transportes .SIT começou a ser implantado em 1991 e conta com 8 (oito) terminais de transbordo com integração física e 01 (um) terminal aberto que realiza integração eletrônica (cartão).6. 8.Terminal Nova Bahia. situado no cruzamento das avenidas Coronel Antonino e Mascarenhas de Moraes. Cônsul Assaf Trad (ao lado do Posto de Saúde Nova Bahia). regulamentada em 27/11/01). inaugurado em agosto de 1991.395. Em janeiro de 2007 inicia-se a integração temporal. inaugurado em 15 de março de 2000 e situado na av.Terminal General Osório.1995 passa a denominar-se Terminal Rodoviário Urbano Nicanor Paes de Almeida.Terminal Guaicurus. passa a denominar-se Reni Taveira Delmondes. Os terminais de transbordo são os seguintes: .985.229 de 26. Em novembro de 2006 inicia-se o reordenamento proposto pela consultoria. 3. . de acordo com a Lei n.possibilitaram diminuir o tempo de espera dos usuários nos terminais envolvidos. de 18/10/2001. que além de seccionar itinerários das linhas troncais. sem pagar nova passagem no período de 60 minutos. 3. regulamentada pelo Decreto n. de 02/05/97.Terminal Aero Rancho. . Guri Marques (em frente a SEINTRHA). denominado Sebastião Rosa Pires. sendo incrementados no sistema de transporte 15 (quinze) ônibus. inaugurado em 17 de março de 2000 e situado na av.Terminal Morenão. através do uso de cartão eletrônico.6. denominado Avedis Balabanian.Terminal Júlio de Castilho. operando com uma frota de 16 motocicletas.6. . . de 25/02/2002).8 Frota de moto-entregador Serviço criado para transporte de pequenas cargas (de acordo com a Lei n.12. . inaugurado em março de 1992 e situado na venida Costa e Silva. 6. e que pela Lei n. e que pela Lei n. 3.672. Em agosto de 2009 foi inaugurado o Ponto de Integração PI – Hércules Maymone.

203 passageiros/dia.510 100.039 481 2. e que passa a denominar-se arquiteto Jurandir Santana Nogueira. 4. denominado Engenheiro Adevis Balabanian. 2001 67 33 34 6 4 2 56 3 13 1 0 3 4 5 11 150 2002 66 32 34 6 4 2 57 3 15 1 0 3 6 5 10 151 Quantidade de linhas 2003 2004 67 65 33 32 34 33 6 6 6 8 2 2 57 65 4 4 15 15 1 1 0 0 3 3 6 6 5 5 11 11 154 160 2005 66 32 34 6 8 2 65 4 15 1 0 3 6 5 10 160 2006 65 34 31 6 8 2 70 5 15 1 0 2 5 5 10 156 2007 46 0 46 6 1 0 74 6 14 1 0 3 5 5 10 156 2008 49 0 49 9 1 0 74 6 14 1 0 4 4 5 10 163 2009 46 0 46 9 1 0 78 6 15 1 1 4 4 5 10 166 Tabela 113 Informações gerais sobre transporte coletivo por ônibus em Campo Grande – 1998-2009 Médias de passageiros e Frota Total Frota total Média de passageiros/dia transportados Média de quilômetros rodados/dia Média de passageiros/ônibus (Operacional) Passageiros/km (bruto) Fonte: AGETRAN.019 91.Ponto de Integração Hércules Maymone.530 91.569 433 2.850 427 2.548 93.041 454 2.10 2006 497 194. Barreiras. situado na av. Infraestrutura Urbana e Serviços Tabela 112 Linhas de ônibus existentes em Campo Grande – 2001-2009 Tipo Convencional .203 100.26 2002 480 210.992 549 2. .01 2007 532 198.663 471 2.15 2005 505 197. situado na rua Joaquim Murtinho (em frente da Escola Estadual Hércules Maymone).48 2001 474 215.24 Capítulo 6 140 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .971 639 2.651 de 9 de julho de 2008.666 607 2. através da Lei n.03 2008 535 229.644 91. inaugurado em 24 de agosto de 2009. Nota: Usuários pagantes e usuários gratuitos.376 94.822 94. através da Lei n.23 2003 483 200.16 2004 511 197. 1998 448 255.578 96.. totalizando 166 linhas e transportando uma média de 225. Atualmente o transporte coletivo é operado por cinco empresas particulares em regime de concessão.84 1999 452 242.877 454 2.Terminal das Moreninhas.263 493 2.725 95.total Integradas no Terminal Central Não integradas noturno shopping expresso Alimentadora (azul) Interbairro (verde) Troncal (vermelha) – total Terminal/centro/terminal Bairro/centro/bairro Expresso Terminal/terminal Shopping Executivo (micro-ônibus) Total Fonte: AGETRAN.775 97. 3.662 89.351 517 2.852 de 25 de abril de 2001.29 2009 541 225.65 2000 481 228.071 482 2. inaugurado em 08 de junho de 2001.

Fonte: INFRAERO.077 embarque 170.892 262.084 1. Área remota interligada ao pátio de estadia que juntos respondem por um total de 30.095 253.027 706.288 1.709.231 1.106.246.6.217 184.600 x 45 concreto PCN 48/F/B/X/T com pista auxiliar 06/24 (Taxi Charlie “C”).953 1.471. Área total do pátio de manobras com 36.278 12.483 422.623 2.804.307.697.561 1.002 1.653 791.196.819 2007 11.492.083 373.423 187.083 8.031 1.122 1.10 Transporte aéreo O Aeroporto Internacional de Campo Grande.372 516.857 1.753 384.796 353.810 11.469 Passageiros desembarque 170.121 245.290 1. operando com 8 boxes para aeronaves de grande porte.302 526.288.481 2008 12.075 Fonte: INFRAERO Aeronaves decolagens 8.220 1.130 2.6.610 8.613 2001 2002 11.076 537.321 511.080m².380 141.089 554.939 910.897 Carga Aérea desembarque 1.5km de distância do centro da cidade.704 647.723.414 412.127 1.203.823 925.968 10.146 1.365 1.438 Correios (mala postal) (kg) embarque desembarque 1.176 573.605 1997 8.828 1.603 717.611m².273 381.336 910.093 9.016.196 522.039.803 811.259 954.682 2003 12.791 670.361 693.895 232.645 747.541 126.568 9.803 536.079 1994 9.968 327.512.926 trânsito 1.796 10.688 359.915 1.037 1. nos quais estão disponibilizadas 43 posições para estacionamento de aeronaves de pequeno e médio porte.996 140.296 595.495 2.403 754.080 1.946 127.285.247 11.175.dos Tuiuius em frente ao Aeroporto Internacional de Campo Grande Tabela 114 Movimento de aeronaves.067. Pista 06/24.932 1.827 2005 10.292 1999 10.373.165 923.088 1.335 594.043.134 656.029.712.359 1.033.916 184.610 2. Monumento Pantanal Sul . passageiros.332 111.562.483 12.166 2004 12.073 203.035 950.313 695.881 2.128.541 10.171.426.993 422.109 125.326.090 2.770 221.359 902.344 10.632 1.306 865.553 427.526 324.620. carga aérea e correios no Aeroporto Internacional de Campo Grande – 1993-2009 pousos Ano 1993 8.550 283.695 1.627.870 475.462 359.929 2. 2.750 1.838 506.524. 2500 x 23 asfalto PCN 43/F/B/X/T.918 188. totalizando 6.248 10.300.758 463.279 2000 9.327 881.205 Capítulo 6 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Infraestrutura Urbana e Serviços 141 .300 2.092.833.082m².123.544 2009 14. funciona 24 horas por dia.000m².658 2.981 537.796 2006 10.683.422 1.521.704 125.933 194.014 262. localizado a 7.174 embarque 258. Estacionamento com capacidade de 260 vagas.973 11.855 804.531 14.292 989.536.751 13.737 195.058 370.964 1998 11.207.535.610 1. opera em nível nacional e internacional e oferece a seus usuários: Terminal de passageiros domésticos com 5.812.795 272.246.281 1.407 1.979 1996 8.284.129.755 112.195 1.000m² e terminal internacional com 1.762 1.405 1.632 1.002 12.611 1995 8.

950 59.762 2010 88.400 48.503 48.600 77.490 Fonte: Administração da Estação Rodoviária Heitor Eduardo Laburu.000 52. Jun.320 713.676 57.200 59.400 59.275 45.130 62.500 2007 62.200 742.000 58.400 77.000 39.218 67.910 75.400 44.300 791.750 69.355 840.550 65.700 72.515 48.260 798.900 49.165 66.800 52. 113.454 49.790 67.163 41.483 77. Out.106 Capítulo 6 Fonte: Concessionária do Terminal Rodoviário de Campo Grande Ltda. em linhas interestaduais e intermunicipais – 2010(¹) Movimento de Passageiros Jan.400 787. (1) Movimentação estimada pelo faturamento médio mensal com Taxa de Embarque.895 59.600 50.413 1. 142 Terminal Rodoviário Senador Antonio Mendes Canale .400 46.460 62.133 57.136 2004 85.613 58.000 72. Serviço encerrado em 31/01/2010.440 54.400 86.567 75.201 45.944 78.325 61.729 85.600 52.11 Transporte rodoviário Terminal Rodoviário Senador Antonio Mendes Canale Tabela 115 Movimento de passageiros no terminal rodoviário de Campo Grande em linhas interestaduais e intermunicipais – 1994-jan 2010 (¹) Infraestrutura Urbana e Serviços Movimento de Passageiros Ago.800 82.109 73.620 55.945 40.263 63.523 69.600 108.110 65.801 114.821 924.485 92.504 55. Jul.800 85.382 2009 60.000 61.300 74.144 84.700 98.000 46.244 73.600 38.250 77.757 62.440 86. com a desativação dos serviços da Estação Rodoviária Heitor Eduardo Laburu.266 65.470 64.782 64.332 53.400 2001 79.571 71.920 48.320 65.359 103.636 40.200 42.073. Tabela 116 Ano 2010 Movimento de passageiros no Terminal Rodoviário de Campo Grande Senador Antônio Mendes Canale. Serviço assumido em 01/02/2010.015 64.483 97.900 76.548 65.200 62.200 61.300 63.300 63. Ano Fev.422 79.939 1995 108.941 60.320 38.231 43.500 46.632 1998 58. Maio Nov.820 77.600 67.100 594.743 2005 95.825 50.100 39.977 90.000 61.965 47.710 63.186 775.100 57.857 49.364 54.600 44.350 2006 89.837 56.400 42.100 47.646 43.225 70.508 2008 87.700 56. Abr.400 46.000 48.411 60.700 683.300 2002 61.442 62. Total Set.700 48.889 55.300 39.415 54.000 669.695 62.850 54. Fev.900 55.454 67.700 599.400 42.6.291 55.700 64.440 51.720 56.500 57.337 110.900 77.360 53.763 68.420 58.666 66.525 41.600 62.381 90.6.900 54.663 48.115 46.800 2003 88.142 80.743 1996 88.825 55.254 67.043 1994 86.198 70.886 46.683 61.800 46.100 44.416 65.900 51. (¹) Movimentação estratificada do Relatório Partidas Realizadas – CTRCG / Fevereiro de 2010.358 63.725 67.280 145.719 68. Jan.701 84.523 1999 66.745 67.231 73.075 71.570 77.200 76.778 50.452 57.130 53.717 82.442 66.000 60.196 56. Mar.000 49.226 66.414 855.710 53.909 44.925 45.755 48.400 2000 71.010 815.000 61.058 69.259 619. 103.502 1997 67. com a ativação dos serviços Terminal Rodoviário de Campo Grande Senador Antônio Mendes Canale pela CTRCG Ltda.491 59.900 49. Dez.800 49.044 56.243 72.

725 315 10.00 2. Maria Coelho) Corumbá Corumbá Total Destino MS– Corumbá MS – Jupiá SP – Conceiçãozinha SP – Mairinque SP – Perequê SP – Replan Campo Grande Campo Grande Campo Grande – Indubrasil Campo Grande – Manoel Brandão Campo Grande Campo Grande – Posto Km 903 Corumbá (Ant.00 2007 Quantidade Participação (%) (Toneladas Úteis Carga) 20.278 7.12 Transporte ferroviário Tabela 117 Transporte ferroviário em Campo Grande – Origem/Destino – 2006-2008 Origem Campo Grande Campo Grande .975.806 3.155 930 557 73.595 Fonte: NOVOESTE S/A Nota: Dados elaborados pelo Banco de Dados do Estado de Mato Grosso do Sul /SEMAC-MS.131 106.24 85.580 263.Manoel Brandão Campo Grande .Corumbá MS .551.Cubatão SP .681 2.76 100.430 425 2.Replan Campo Grande Campo Grande Campo Grande (Indubrasil) Campo Grande (km 903) Corumbá (Ant.694 162. PLANURB Tabela 118 Transporte ferroviário em Campo Grande – 2006-2008 2006 Origem Campo Grande Demais Localidades de MS Total do Estado Quantidade (Toneladas Úteis Carga) 654.360 52.520 4.587 100.098 654.737 2.22 519.6.57 74.Urucum MS -Urucum SP .842 2.Manoel Brandão Campo Grande – Posto KM 903 MS .78 2.Manoel Brandão Campo Grande .691 213.Manoel Brandão Campo Grande .455 Participação (%) 14.595 79.569.Replan SP .312 19.654 234.842 50.882 Participação (%) 19.00 Fonte: NOVOESTE S/A Nota: Dados elaborados pelo Banco de Dados do Estado de Mato Grosso do Sul /SEMAC-MS Capítulo 6 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Infraestrutura Urbana e Serviços 143 89 - 300 1.049.853 36.774 2.601 1.181 2008 Quantidade (Toneladas Úteis Carga) 423. Maria Coelho) Corumbá (Inocêncio) Ribas do Rio Pardo Bauru Campo Grande Campo Grande – Manoel Brandão Campo Grande Quantidade (Toneladas Úteis Carga) 2008 2006 2007 83 120 2.037 46.346.6.507.93 100.953 519.240 - .035 600 290.240 417.705 3.895 - 3.

5 mHz Rádio UCDB 94.7 mHz Rádio Regional 105.9 mHz Rádio Cidade 102. (1) março 2007 n.7 mHz Rádio Mega 94 95.7 mHz Rádio Uniderp 104.3 mHz Rádio Nova Fonte: Coordenadoria Geral de Comunicação Social/SEGOV/PMCG Tabela 119 Telefonia fixa e móvel – Julho/2009 Tipo Terminais Instalados Terminais de serviços Telefonia móvel(1) Fonte: Anatel Nota: dados elaborados pelo Banco de Dados do EstadoSEMAC/MS.3 Rádio e televisão Emissoras de Rádio AM 580 kHz Rádio Imaculada Conceição 630 kHz Rádio Novo Tempo 680 kHz Rádio Cultura de Campo Grande 930 kHz Rádio Capital 1120 kHz Rádio Concórdia 1180 kHz Rádio Ativa 1240 kHz Rádio Difusora Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Palácio das Comunicações Capítulo 6 144 .7.1 mHz Rádio Gospel 91.6.247 Infraestrutura Urbana e Serviços 6.7.7.574 158.1) próprias Agência de Correios Satélites (ACS) Postos de Vendas de Produtos (PVP) Total Fonte: ECT.2 Serviços postais Tabela 120 Rede de Atendimento dos Correios – DR/MS – 2003-2009 Agências de Correios e Postos de Vendas de Produtos Agência de Correios Própria (AC) Agência de Correios Franqueadas (ACF) Agência de Correios Comercial (ACC) Agência Filatélica (AF) Agência de Correios Comerciais Tipo I (ACC .1) permissionárias Agência de Correios Comerciais Tipo I (ACC .1 Serviços de telefonia fixa e móvel FM 90. 218.8 mHz Rádio Transamérica 106.7 Comunicações 6. Emissoras de televisão 2007 8 9 1 5 4 1 14 42 2008 8 9 1 5 7 1 16 47 2009 18 9 3 1 16 47 2003 8 9 1 10 1 1 44 74 2004 8 9 1 8 3 1 52 82 2005 8 9 1 6 4 1 37 66 2006 8 9 1 6 4 45 73 TV Campo Grande – Rede Centro Oeste de Rádio e Televisão TV Brasil Pantanal/TVE – MS/ TV Regional TV Guanandi – Sociedade Campo Grande de Televisão Ltda TV Morena – Rede Matogrossense de Televisão TV Record – Rede MS Integração de Rádio e Televisão Fonte: Coordenadoria Geral de Comunicação Social/SEGOV/PMCG 6.469 765.7 mHz Rádio Blink 103.9 mHz Rádio Capital 97.

com.br/agencia/noticias http://www.detran.com.cgnoticias.com.noticias.midiamax.org.5 Sites de notícias de Campo Grande http://www.capitalnews.br http://www.radioweb.br http://www.fiems.7.aguasguariroba.br http://www.camaraonline.7.msnoticias.tce.4 Jornais e revistas Jornais Diários Correio do Estado Diário do Pantanal Folha do Povo O Estado de Mato Grosso do Sul Jornais Semanários A Tribuna do Estado Boca do Povo Cidadão Evangélico Entrevista Folha de Campo Grande Jornal A Crítica Jornal de Domingo Jornal Leitura do Povo O Clarim O Repórter Fonte: Coordenadoria Geral de Comunicação Social/SEGOV/PMCG 6.br http://www.ms.tvmorena.com http://www.pmcg.br http://www.gov.gov.gov.carlosvoges.br http://www.fes.unifolha.br http://www.com.ms.br http://www.gov.br http://www.gov.ms.br http://www.ms.ms.br Fonte: Superintendência Geral de Comunicação Social/SEGOV/PMCG Revistas Revista A Gente Vip Revista Destaque Revista Impacto Revista If News Revista Ímpar Revista Livre Revista Saúde Fonte: Coordenadoria Geral de Comunicação Social/SEGOV/PMCG Capítulo 6 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Infraestrutura Urbana e Serviços 145 .terrams.com.gov.girassolidario.br http://www.br http://www.com.com.campograndenews.br http://www.org.br http://www.6.ms.br http://www.br http://www.com.com.

Carro de Boi 7 Aspectos Sociais .Monumento aos Imigrantes .

1 Educação 7. Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 149 Aspectos Sociais Centro de Educação de Jovens e Adultos . ensino fundamental. especial e de jovens e adultos Tabela 121 Número de estabelecimentos de ensino em Campo Grande na área urbana e rural – 1998-2009 Estabelecimentos Escolas no Ensino Regular Dependência Administrativa Federal Estadual Municipal Particular Federal Estadual Municipal Particular Federal Estadual Municipal Particular Federal Estadual Municipal Particular Federal Estadual Municipal Particular Federal Estadual Municipal Particular 1998 U 1 79 69 156 2 4 1 12 22 1 104 69 172 R 13 13 U 1 79 72 150 3 3 1 12 30 45 18 1 113 117 183 1999 R 9 9 2000 U R 1 79 73 8 159 2 4 1 12 32 42 20 1 114 115 195 8 2001 U R 1 79 75 8 146 1 1 12 1 32 44 43 1 111 119 203 8 2002 U R 1 80 76 8 148 1 2 1 11 1 5 31 43 47 1 114 119 213 8 2003 U R 1 80 77 8 140 1 4 1 12 1 6 31 47 40 1 114 124 202 8 2004 U R 1 81 77 8 141 1 6 1 12 1 3 32 51 35 1 116 128 197 8 2005 U R 1 82 81 8 136 1 5 1 12 2 6 32 54 33 1 118 135 192 8 2006 U R 1 81 77 8 131 1 3 1 12 2 7 33 54 37 1 118 131 190 8 2007 U R 1 82 80 7 130 1 3 1 11 2 4 4 86 34 1 90 166 182 7 2008 U R 1 80 1 79 8 123 2 5 1 10 2 5 3 89 44 1 88 168 187 1 8 2009 U R 1 79 1 82 9 123 2 5 1 10 1 7 3 93 37 1 86 175 182 1 9 - Educação Exclusivamente Especial Educação Profissional Número Exclusivo de Centros.1 Educação infantil.7. Unidades de Educação Infantil e Creche Total Geral Fonte: Estatística/COPRAE/SUPAE/SED e SEMED.1. médio.

950 83.620 67.124 72.147 4.992 269 1.744 250 30 1.584 93.959 91.661 1.538 1.423 577 60.925 64.224 550 54.483 18.988 219 82 112 87 40 331 2.490 72.629 441 26.312 44.409 43.403 20.286 84.506 66.743 237 36 1.090 1.136 281 1.738 930 92.723 9.019 7.007 495 54.922 2006 R 26 1.404 162 1.954 7.628 39.679 552 36.883 5.551 137 9.451 39.716 326 961 87.108 6.616 Municipal 3.688 15.900 9. 682 11.423 9.591 1.570 Particular 21.688 U 3.327 156 1.278 494 44.598 5.946 67.576 62.695 2003 R 19 1.728 3.329 997 1.712 100 840 281 1.442 6.370 9.585 1.828 2000 R 21 1.911 14.190 436 31.840 63.595 69.943 2.063 1.143 40.436 44.404 111 1.588 9.415 58 1.116 1.285 1.261 Fonte: Estatística/COPRAE/SUPAE/SED e SEMED.679 225 1.707 493 55.179 1.048 3.954 13.494 U 3.806 466 25.694 68.753 13.116 9.660 1.457 458 30.965 8.001 43.456 9.752 13.612 1.712 450 30.917 16.068 20.537 581 1.040 2007 R 30 1.943 8.579 3.351 8.421 1.001 60.130 527 40. 682 281 1.650 978 82.732 88.610 U 3.218 17.382 U 3.830 2008 R 41 2.148 264 38 1.821 13.573 1.324 Federal 326 Ensino Estadual 20.034 78.006 19.400 467 1.294 9.716 8.516 81.696 245 13 1.374 897 2.633 977 88.170 951 92.218 17 .632 U 3.466 582 31.239 - Capítulo 7 Aspectos Sociais 150 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .406 993 88.431 562 2.271 496 25.093 12.674 561 34.752 U 440 19.044 18.892 9.814 20.361 8.725 2005 R 29 1.755 978 92.060 69.678 32 16 1.858 43.328 Municipal Fundamental 51.265 84 8.351 426 28.603 79 Adultos Particular 3.343 19.182 8.224 19.484 1.620 R 17 1.783 Municipal Médio 1.341 24 1.278 Jovens e Municipal 2.346 742 1.008 73.316 U 346 18.707 443 23.Escola Municipal Iracema Maria Vicente Tabela 122 Matrícula inicial em Campo Grande na área urbana e rural – 1998-2009 Dependência 1988 U Administrativa R Federal Educação Estadual 1.100 220 83 146 65 27 366 2.128 8.000 2.495 74. 584 Particular 9.242 18.449 Federal 511 Ensino Estadual 64.046 Federal Educação Estadual Municipal Profissional Particular Federal 837 Estadual 92.641 U 3.923 69.218 40.536 1.777 72.565 10.827 U 338 16.809 8.882 77.012 593 32.781 2.737 43.602 U 3.434 1.705 419 28.355 2004 R 28 1.515 628 29.223 39 Infantil Particular 6.253 1.516 615 1.688 Particular 42.331 Total Geral Municipal 58. Modalidade 1999 U 2.040 1.003 3.164 3.044 4.698 2001 R 29 1.037 Federal Educação de Estadual 5.726 55.107 41.466 854 2.985 7.793 2002 R 47 1.373 980 82.359 20.765 9.280 426 25.689 61 47 1.991 2009 R 42 1.335 762 8.661 3.074 5.405 Federal Educação Estadual 326 Municipal Especial Particular 2.360 13.071 1.423 401 23.

750 2.755 2.101 15 722 4 251 50 3 16 36 175 30 2.241 2.898 2.264 1.315 2.043 2.890 2.099 14 890 230 357 71 74 28 172 30 2.174 2009 R 2 106 10 3 5 9 15 120 Ensino Fundamental Ensino Médio Educação de Jovens e Adultos Educação Especial Total Geral Fonte: Estatística/COPRAE/SUPAE/SED e SEMED.237 2006 R 1 91 1 2 95 U 33 767 719 17 1.248 2004 R 1 78 79 U 178 530 697 17 1.074 14 648 3 240 140 144 101 37 181 30 2.356 2.758 2.536 3.349 1.941 1.268 1.294 2007 R 1 95 2 6 104 U 25 658 652 17 1.455 1.091 13 777 2 197 418 183 80 33 1 166 30 2.211 2. Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 151 .150 1.847 1.249 3.853 2.894 1.989 2008 R 2 77 9 3 5 7 14 89 U 25 767 665 17 1.097 14 775 195 384 159 88 22 1 129 31 2.885 2.799 1.511 2.302 2003 R 1 76 77 U 167 490 673 16 1.404 2.711 1.061 13 834 222 382 43 76 38 2 181 30 2.215 1999 R 1 67 1 69 U 155 363 670 16 1. 872 2.140 15 800 249 32 19 49 30 187 30 2.Tabela 123 Número de turmas em Campo Grande na área urbana e rural – 1998-2009 Modalidade Educação Infantil Dependência Administrativa Federal Estadual Municipal Particular Federal Estadual Municipal Particular Federal Estadual Municipal Particular Federal Estadual Municipal Particular Federal Estadual Municipal Particular Federal Estadual Municipal Particular 1998 U 70 134 497 17 1.163 2 .424 1.825 2.159 2.058 13 871 218 370 68 82 115 2 172 30 2.858 1.227 2005 R 1 82 83 U 189 544 697 17 1.644 2.779 2.215 2.081 R 2 85 4 91 U 148 365 622 18 1.852 1.412 3.057 11 503 47 241 112 95 108 51 178 28 2.382 2.366 2002 R 2 78 80 U 170 455 701 16 1.266 2000 R 1 68 2 71 U 165 387 704 15 1.022 1.083 1.935 2.948 1.677 1.247 2001 R 1 69 70 U 170 389 741 15 1.853 1.064 12 586 22 235 126 113 141 37 153 30 2.430 2. 614 1.532 2.121 14 848 235 364 55 59 42 186 30 2.364 2.091 13 844 2 33 405 45 79 39 2 172 30 2.

255 3.852 3.559 3.960 2.: O mesmo professor pode atuar em mais de uma etapa/modalidade de ensino.617 1.483 58 1.524 2.321 2003 R 1 84 1 86 U 170 659 612 38 2.225 37 1.891 3.555 4.169 2.399 52 1.985 2008 R 2 146 19 7 12 14 31 169 U 53 753 589 49 1.418 2 .644 713 579 82 160 100 35 177 181 178 85 4.421 Federal 35 39 44 Ensino Estadual 935 825 1.449 2005 R 4 101 2 107 U 182 766 625 53 2.190 Municipal 109 60 9 Médio Particular 675 694 710 Federal Educação de Estadual 301 195 186 Jovens e Municipal 107 86 4 1 111 Adultos Particular 182 284 196 Federal Educação Estadual 79 85 94 Municipal Especial 7 10 2 Particular 203 178 181 Federal Educação Estadual Municipal Profissional Particular Federal 82 87 82 Estadual 3.123 Fonte: Estatística/COPRAE/SUPAE/SED e SEMED.973 1.897 3.096 84 2.064 3.523 2.004 2.466 43 1.478 59 1.364 2.970 3.983 1.060 3.715 618 832 329 100 43 132 64 126 106 4.006 2009 R 8 152 16 18 11 15 27 193 - Capítulo 7 Aspectos Sociais 152 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Obs.378 1.783 2007 R 4 111 14 8 137 U 47 658 577 50 1.515 725 577 94 158 113 44 174 69 297 106 4.440 46 1.416 2.344 Total Geral Municipal 77 94 2.646 Municipal 75 Fundamental 2.Escola Municipal Prof.362 3.728 3.816 3.081 R 3 83 86 U 164 444 669 52 2.548 4.927 2.121 Particular 1.543 2.005 2.621 3.539 62 1.162 1.311 3.366 503 688 71 127 49 3 140 61 197 75 3.131 3.186 2. Luiz Cavallon Tabela 124 Número de pessoal docente por nível de atuação em Campo Grande na área urbana e rural – 1998-2009 Dependência 1998 1999 2000 U U U Administrativa R R Federal Educação Estadual 113 92 104 Municipal 399 381 229 6 Infantil 1 Particular 484 584 621 Federal 43 43 47 Estadual Ensino 2.432 56 1.395 775 560 66 126 91 31 168 181 130 85 4.368 2004 R 4 97 1 102 U 167 731 612 48 2.343 2006 R 4 115 11 2 2 134 U 60 784 591 38 1.263 831 85 26 79 95 23 166 181 137 114 4.476 1.140 1.421 2002 R 2 85 87 U 163 523 656 42 2.742 1.528 47 1.860 3.845 1.638 1.446 3.746 2.141 8 761 120 3 45 102 19 165 31 88 4.415 1.908 3.186 3.673 Particular 2.685 4.566 751 717 69 132 133 89 175 27 182 112 4. Modalidade 2001 R 3 83 2 88 U 117 385 639 42 2.609 4.475 2.744 632 830 331 123 34 9 118 71 145 101 4.

807 4.419 1.084 1.114 1.457 1.465 1.286 1.255 1.037 R 47 47 2002 U 38 1.277 1.053 R 46 46 2001 U 38 1.800 4.032 726 1.925 4.973 R 30 30 U 38 1.208 R 11 52 63 2009 U 40 1.208 1.688 4.331 1.069 4.798 4.209 1.892 2.762 1.375 1.992 1999 R 52 52 U 38 1.155 755 1.329 R 49 49 2003 U 30 1.086 1.265 1.300 1.060 1.646 4.987 2009 R 1 72 73 U 40 1.913 R 53 53 2008 U 38 1.815 R 50 50 2000 U 38 1.921 4.352 48 1.614 3.569 4.673 4. 224 R 13 74 87 Fonte: Estatística/COPRAE/SUPAE/SED e SEMED Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 153 .585 2002 R 52 52 U 38 1.623 R 64 64 2008 U 38 1.939 4.794 2.210 953 1.179 2.072 5.453 R 59 59 1999 U 38 1.658 R 57 57 2005 U 38 1.314 1.490 1.105 1.187 1.958 4.980 4.233 978 1.395 1.290 1.064 R 1 74 75 Fonte: Estatística/COPRAE/SUPAE/SED e SEMED.246 2.004 4.086 1.297 1.747 R 55 55 2006 U 38 1.765 4.735 4.223 1. Centro de Educação Infantil Estrela Dalva Tabela 126 Salas de aula utilizadas em Campo Grande na área urbana e rural – 1998-2009 Dependência Administrativa Federal Estadual Municipal Particular Total Geral 1998 U 36 1.327 R 50 50 2006 U 30 1.283 2000 R 48 48 U 38 1.Tabela 125 Número de salas de aula existentes em Campo Grande na área urbana e rural – 1998-2009 Dependência Administrativa Federal Estadual Municipal Particular Total Geral 1998 U 36 1.044 1.133 1.507 3.209 1.243 1.760 1.741 R 57 57 2007 U 38 1.743 3.145 R 49 49 2 004 U R 30 1.645 4 .098 1.581 2003 R 54 54 2004 U 38 1.194 48 2005 U 30 1.195 2001 R 50 50 U 38 1.817 4.292 1.254 1.088 1.341 R 57 57 2007 U 30 1.286 1.669 4.

188 – Residencial Oliveira II Rua Dolor de Andrade. 2827 – Jardim Santa Emilia Rua Urubupungá. 71 – Rec. 751 – Condomínio Vale do Sol . 1. 1000 – Jardim São Conrado Rua Laucídio Coelho. 2141 – Coronel Antonino Rua Armando Holanda.Novos Estados Rua Pedro de Toledo. 56 – Indubrasil Rua 9 de Julho. 886 – Jardim Jockey Club Rua Ji Paraná. Florestal. Projetada. Valdemir Correa de Rezende . 805 – Jd Itamaracá Rua Nerisca. Dario Anhaia Filho – Loteamento Parque do Sol Rua Florão. 971 – Jardim Tarumã Av. 583 – Estrela Dalva II Rua Tecília de Mello. 7. 228 – Comunidade Tia Eva Rua Piratininga. Imá Conjunto União – Conjunto União Coração de Maria Cordeirinho de Jesus Cristo é Vida DETRAM – MS Dom Antonio Barbosa – Aero Rancho III Eng.Jardim Aeroporto Rua Elvis Presley. s/n – Jd Imá Rua Fídelo Mariana de Almeida. Camélia Lageado Lar de Sheila Laura de Vicunã Lili Fernandes da Cunha – Jd. 1163 . 330 – Moreninha II Rua Cataguases. 722 – Conj.Santa Emília Aero Rancho (CAIC) Aloina de Oliveira Soares – Santo Antônio Antonio Mario Gonçalves da Silva – Conj. Arnaldo Estevão de Figueiredo Athenas Sá Carvalho – Jardim Imperial Base Aérea Bem-Te-Vi Botafogo Campo Verde Carlos Nei Silva Cláudio Marcos Mancini Clebe Brasil Ferreira – Jd. esq. 403 – Jardim das Meninas Av. Itamaracá Cleomar Baptista dos Santos – Alves Pereira Clotilde Chaia – Jd. Moema – CRAS Lúcia Ângela de Castro Costa – Monte Castelo Luiz Carlos Sobral Pettengil – Pacaembu Marco Antônio Santullo Marcos Roberto Maria Aparecida Pedrossian Maria Carlota Tibau de Vasconcelos – Paulo Coelho Machado Endereço Av Gal. s/n Capacidade 250 210 80 85 145 60 150 130 60 240 130 230 180 240 150 110 115 130 170 335 50 225 240 245 140 120 120 95 195 240 220 85 250 250 190 130 240 240 220 135 130 155 170 220 245 70 140 240 Identificação no Mapa 20 15 24 35 79 44 34 102 28 45 88 23 42 37 64 19 100 82 95 121 75 63 85 84 61 103 72 32 117 33 16 27 53 39 49 65 13 122 76 69 112 22 86 90 73 43 51 14 31 83 116 Continua Capítulo 7 Aspectos Sociais 154 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 CEINF Carlos Nei Silva . 550 – Jardim Botafogo Rua Sebastião Pereira Borges. esq.Monte Castelo Rua Manoel Dias Pimentel Júnior. Res. 219 – Vila Marcos Roberto Rua João Francisco Damasceno. 240 – Maria Aparecida Pedrossian Rua Catigua. Canguru Eva Maria de Jesus – Comunidade Tia Eva Eleodes Estevan Felipe Sáfadi Alves Nogueira – Aeroporto Floria Britez de Eugenio – Moreninha II Hércules Mandetta – Novo Pernambuco – CRAS Iber Gomes de Sá – Jockey Club Indubrasil Ipiranga Irmã Judith Bandeira – São Conrado Ivone Calarge Zahran – Jardim das Meninas Jardim Carioca Jardim das Perdizes Jasmim Ibrahim Bacha . 82 – Jardim dos Estados Rua Lago Azul. Arnaldo Estevão de Figueiredo Rua Santa Catarina. 39 – Alves Pereira Rua Jaguaribe. 100 – Jardim Campo Verde Rua Getulinia esq. 25 – Aero Rancho V Rua Barão de Mauá. 620 – Jd. 558 – São Jorge da Lagoa Rua Aracy Pereira de Matos. s/n – Jardim Aeroporto Rua Barueri. Canguru Rua Ciro Nantes da Silveira. 241 – Jardim Batistão Rua do Ébano. Novo Pernambuco . s/n – B.Jd.Tabela 127 Centros de Educação Infantil – CEINF's e CEI's– 2009 CEINF / CEI Alba Lúcia Splengler dos Santos Pereira . 2248 – Nova Lima Rua Evelina Selingardi. dos Rouxinóis – Universitário Rua 14 de Julho. 245 . 51 – Jardim Campina Verde Rua Sudão. com rua Fenícia – Jardim Arco-Íris Rua Tupi.Nova Lima Joana Mendes dos Santos – Parque do Sol João Garcia Carvalho Filho – Tarumã José Eduardo Martins Jallad – ZEDU José Moreschi José Ramão Cantero – Jardim Futurista Lafayete Câmara de Oliveira – Sta. 262 – Núcleo Habitacional Aero Rancho V Rua Palmeirais. 565 – Vila Popular Rodovia MS 80 KM 10 – Zona Rural Rua João Oliveira Machado. s/n – Núcleo Habitacional José Abrão Rua Antônio Sobreira. 934 – Jardim Samambaia Rua Jerônimo de Albuquerque. 624 – Vila Jussara Rua Padre Musa Tuma. 477 – Santo Antônio Rua Economista s/n – Conj. com rua Santa Clara – Santa Camélia Rua Leopoldina de Queiroz Maia. 439 –Parque do Lageado Av. Alberto Carlos Mendonça Lima. 210 – Aero Rancho III Rua Catiguá. 2000 – Base Aérea Rua Heitor Vieira de Almeida.Jardim Imperial Rua Hotel. com r. 2060 – Vila Ipiranga Rua Major Juarez Lucas de Jesus.546 – Jardim Carioca Rua Itacuruçu. s/n – Parque dos Poderes – Bairro Veraneio Rua Charlote. Coophatrabalho Rua Rio Dourado.

Jardim Marabá Rua Carlos Ferreira Viana. Portal Caiobá Rua Marco Aurélio Beier. 3000 . 775 – Parque Rita Vieira Capacidade 190 110 250 230 240 160 210 130 190 120 180 245 180 130 90 140 250 140 105 250 190 250 125 95 160 160 240 240 240 240 240 150 175 130 75 150 110 165 230 160 120 185 260 105 205 Identificação no Mapa 20 17 21 18 104 114 87 48 81 50 93 40 25 4 80 92 105 68 46 89 52 47 54 94 30 28 71 115 119 113 118 120 77 78 99 107 96 91 20 67 97 98 26 66 38 41 Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 155 Aspectos Sociais . 482 – Jardim Campo Belo Rua Camilo Neres. Zélia Berti de Souza – Jd. Portal Caiobá Santa Bárbara Santa Edwirges Santa Terezinha São Conrado – CRAS São Francisco de Assis São José Serradinho Sonia Helena Baldo Bernardo dos Santos – Jardim Panorama Triângulo Azul Tupinambás Vera Alba Congro Bastos – Uirapuru Vila Nasser Vó Fina – Santo Eugênio Zacarias Vieira de Andrade – Rita Vieira Fonte: SAS. 823 – Jardim Uirapuru Rua Januário Barbosa. 1090 – Pioneiros Rua Antônio Vieira de Melo. s/n – Estrela do Sul Rua Itaporanga. com rua Benedito Maria Figueiredo Rua Zulmira Borba – B. 1. 686 – Coophavilla II Rua Marié. 48 – Jardim Sayonara Rua Jaime Costa. com rua Emiliana Arruda de Araújo Rua Ana Luiza de Souza. Manoel da Costa Lima. 530 – Jardim Colúmbia Rua Edson Lima. 48 – Residencial Novo Minas Gerais Rua Naviraí. 276 – Bairro Vila Piratininga Rua Dracena. esq. s/n – Nova Esperança Rua Hamlet. 92 – Vila Nhanhá Rua Inocência Moreira dos Santos. 862 – Núcleo Habitacional Aero Rancho IV Rua Evelina Selingard esq. Botafogo Ramza Bedoglin Domingos – Dom Antônio Barbosa Regina Vitorazzi Sebben Sandra Mara Gobbo – Jd. Buriti Rua Indianópolis c/ rua Panamá – Jardim Noroeste Rua Barieri esq. 494 – Tiradentes Rua Mar Mediterrâneo. com rua Aracati Rua dos Amigos. 107 – Zé Pereira Rua Lourenço Veiga. 76 – Vila Afonso Pena Rua Globo de Ouro. 68 – Aero Rancho VI Rua Jardim Santo Inácio.Bairro Guanandy Rua Ana Luiza de Souza. s/n – Lar do Trabalhador Rua Antônio de Castilho. s/n – Núcleo Hab.115 – Tijuca II Rua José Palhano. 185 – Nascente do Segredo Rua Mandacaru. Botafogo Rua Lucia dos Santos. Osvaldo Maciel de Oliveira – Taquarussú Profa. s/n – Aero Rancho VII Rua Cosme e Damião.Paulo VI Pedacinho do Céu Piratininga Prof. 583 – Estrela Dalva II Rua dos Recifes. s/n – Tarsila do Amaral Rua Palmeiras. 366 – Vila Nasser Rua Paraisópolis. s/n – Vila Progresso Rua Livíno de Godoy. s/n – Panorama Rua Firminópolis.Moreninha Marta Guarani Mary Sadalla Saad – Estrela Dalva Menino Jesus de Praga Michel Scaff – Jardim Colúmbia Nascente do Segredo Neida Gordin Freire – Moreninha III Nhanhá Nossa Senhora Auxiliadora Nossa Senhora de Fátima Nova Esperança O Bom Pastor Odete Trindade Benites – Zé Pereira Olinda Toshimi Nishio Nassu – Campo Belo Paraíso Infantil Pascoala Vera Rios – Iracy Coelho Paulino Romeiro Pare – Novo Minas Gerais Paulo Siufi . com r. 2414 – Jd. 140 – Núcleo Habitacional Moreninha III Rua dos Andes. Adevair da Costa Lolli Guetti – Aero Rancho Profa. SEMED e SED Endereço Rua Piassaguaba. 253 – Parque Residencial Iracy Coelho Netto Rua Tabaúna. 777 – São Conrado Av. Ayd Camargo Cezar – Parque do Sol Professor Edison da Silva – Jd. 41 – Vila Serradinho Rua Três Poderes. s/n – Bairro Universitário Rua Coroados. s/n – Bonança Av. Oscar Salazar Rua Francisco Antonio de Souza esq.Continuação CEINF / CEI Maria Cristina Ocáriz de Barros – Tijuca II Maria de Lourdes Vieira Castoldi – Sayonara Maria Edwiges de Albuquerque Borges – Buriti Maria Dulce Prata Cançado – Jardim Noroeste Maria Oliveira Lima . s/n – Cidade Morena Rua José Vieira Nogueira. 445 – Vila Santo Eugênio Rua Olinda Alves. 137 . s/n – Aero Rancho IV Rua Pedro Soares de Souza. Manoel da Costa Lima.

2009 87 50 118 49 46 45 93 66 121 82 105 44 72 47 48 69 43 100 54 122 21 64 35 88 112 68 102 61 95 89 86 85 20 84 104 53 34 117 19 29 16 107 15 31 18 80 23 30 96 25 92 32 33 41 24 120 14 77 90 81 13 22 65 Região Urbana Córrego Malha Urbana CEINF CEI 115 26 113 27 116 97 40 103 78 71 52 63 17 75 4 119 28 73 37 37 94 39 38 51 99 79 83 67 98 42 76 Sem Escala 114 Fonte: SAS. SED .Mapa 20 CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL .

Tabuão da Serra. 662 R. s/n R. Hab. 701 R. 245 R. Monte Castelo Vila Castelo Amambaí Vila Planalto Vila Carvalho Vila Cidade Vila Nova Alvorada Vila Corumbá Bairro Pioneiros Pioneiros Centro Oeste Centenário Guanandi Aero Rancho Taquarussu Alves Pereira Piratininga Jockey Club Lageado Pioneiros Guanandi Aero Rancho Piratininga Centro Oeste Centro Oeste Jacy Alves Pereira Alves Pereira Centro Oeste Aero Rancho Guanandi Aero Rancho Centro Oeste Rita Vieira Rita Vieira Moreninha Moreninha Carlota Dr. do Cruzeiro. 378 R. das Galeras. s/n R. Francisco Serra. Goiás. s/n R. s/n R. Cônsul Assaf Trad. 436 R.Tumune Kalivono Criança do Futuro EM Bernardo Franco Baís EM Etalívio Pereira Martins EM Geraldo Castelo EM José Rodrigues Benfica EM Padre José de Anchieta EM Professor Alcídio Pimentel EM Professor Arlindo Lima EM Professor Luiz Antonio de Sá Carvalho EM Professor Nelson de Souza Pinheiro Endereço R. 327 R. 293 R. Rômulo Cappi. 2001 R. Catiguá. Calógeras. Aero Rancho B. Guanandi Conj. Dom Antonio Barbosa Resid.Tabela 128 Escolas municipais urbanas – 2009 Região Urbana Unidade EM Abel Freire de Aragão EM Domingos Gonçalves Gomes EM Dr. 13 R. 1201 R. Guanandi Nucleo Hab. 1362 R. 355 R. Manoel Garcia de Souza. s/n R. Barão do Rio Branco. 305 R. 599 R. Pinus. dos Barbosas. Ana Luiza de Souza. 479 R. 538 R. Pirituba. Barra Mansa. Albuquerque B. Charlote. Airton Bachi de Araújo. 382 R. s/n R. 262 Av. Urubupungá. 2469 R. Álvaro Silveira. s/n R. Brigadeiro Machado. 53 R. Dom Pedro II. Albuquerque Tiradentes Universitário Tiradentes Carvalho Cruzeiro Glória Amambaí Planalto Carvalho Centro Cruzeiro Planalto Anhanduizinho Identificação no Mapa 21 19 20 16 128 28 129 37 21 31 33 12 18 27 14 30 163 34 32 23 22 17 13 26 24 15 Bandeira 47 41 40 50 48 52 43 63 44 38 39 42 45 46 59 Continua Centro Capítulo 7 Escola Municipal Iracema Maria Vicente Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 157 49 162 250 . 25 R. Correa EM Professora Lenita de Sena Nachif EM Professora Maria Lucia Passarelli EM Professora Marina Couto Fortes EM Rafaela Abrão EM Valdete Rosa da Silva EM Antônio José Paniago EM Iracema Maria Vicente EM José Mauro Messias da Silva . s/n R. s/n R. 239 R. 1271 R. Brilhante. 2414 R. Três Barras. dos Peixes. Ana Luiza de Souza. Indígena Marçal de Souza Vila Santa Luiza Resid. Tiradentes 2ª secção Jardim Campina Verde Lot. Iemanjá. 405 R. Jd. Brigadeiro Tobias. Tokuei Nakao. das Violetas. São Leopoldo. 55 R. s/n R. 210 R. 319 Parcelamento Vila Santa Branca Jardim Colonial Jardim das Macaúbas Jardim Pênfigo B. Ramalho Ortigão. das Hortências I Vila Taquarussu Vila Alves Pereira Jardim Nhanhá Vila Jardim Jockey Club Lot. Dona Carlota. s/n Av. Aero Rancho V Lot. Anisio de Barros. s/n R. Guanandi Lot. Barão de Limeira. Terena. Lucia dos Santos. Aero Rancho III Jardim Piratininga Jardim Paulo Coelho Machado Jardim Canguru Jardim Jacy Jardim Monumento Vila Antunes Jardim Centro Oeste Lot. 218 R. Antônio Moisés de Farias. Enchova. Padre João Crippa. Enzo Ciantelli. 718 R. 94 R. Botafogo B. Belmira Pereira de Souza. Plínio Barbosa Martins EM Elízio Ramirez Vieira EM Governador Harry Amorim Costa EM Irene Szukala EM João Nepomuceno EM José Dorileo de Pina EM Padre Heitor Castoldi EM Padre José Valentim EM Padre Tomaz Ghirardelli EM Professor Luiz Cavallon EM Professor Plínio Mendes dos Santos EM Professor Wilson Taveira Rosalino EM Professora Adair de Oliveira EM Professora Ana Lúcia de Oliveira Batista EM Professora Arlene Marques Almeida EM Professora Brígida Ferraz Fóss EM Professora Iracema de Souza Mendonça EM Professora Leire Pimentel de C."Poeta das Moreninhas" EM Professor Aldo de Queiroz EM Professor Múcio Teixeira Junior EM Professora Flora Guimarães Rosa Pires EM Professora Oliva Enciso EM Professora Oneida Ramos EM Sulivan Silvestre Oliveira . Municipal Brandão Jardim Itamaracá Parque Rita Vieira Loteamento Moreninha IV Vila Cidade Morena Vila Carlota Vila Dr. Ivo Osman Miranda.

de Castro. 452 R. 1273 R. Dois Irmãos. s/n R. E-03 – Base Aérea R. Adauto Barbosa.11 Vila Coutinho Vila Almeida 1ª secção B. 437 R. Cristiano Machado. Alberto Araújo Arruda. São Vicente de Paula. 340 Trav. Dr. Santo Antônio Vila Eliane Nova Campo Grande bl 08 Jardim Petrópolis B. Guaianás. Caliandra. 1823 R. Jardim Santa Emília Jardim Estrela Dalva Conj. Res. 225 R. 42 R. 451 Parcelamento Jardim Aeroporto Vila Serradinho Jardim do Zé Pereira Nova Campo Grande bl. Murilo Rolim Junior. do Leão. Mata do Jacinto Vila Manoel da Costa Lima Conj. Cibele. Borneu. Nova Yorque. Terlita Garcia. Jair Garcia. s/n R. Paranapebas. Celina Baís Martins. 260 R. s/n R. Alfredo A. 410 R. Dr. s/n R. Marau. Itaporanga. Antonio de Moraes Ribeiro. 179 R. 1401 R.Continuação Região Urbana Unidade EM Carlos Vilhalva Cristaldo EM Coronel Sebastião Lima EM Desembargador Carlos Garcia de Queiroz EM Frederico Soares EM Irmã Irma Zorzi EM João Evangelista Vieira de Almeida EM Prefeito Manoel Inácio de Souza EM Professor Ernesto Garcia de Araújo EM Professor Fauze Scaff Gattass Filho EM Professor Nagib Raslan EM Professora Eulália Neto Lessa EM Santos Dumont EM Dr. Tertuliana Ghersel Cataneo. s/n R. Municipal Pereira Borges Vila Nasser 2ª secção Vila Cox Bairro Popular Nova Campo Grande Panamá Popular Santo Antônio Santo Amaro Santo Antônio Nova Campo Grande Nova Campo Grande Santo Antônio Santo Amaro Santo Amaro Coophavila II Caiçara Batistão Taveirópolis Tijuca Batistão União Tarumã São Conrado Estrela Dalva Mata do Jacinto Chácara Cachoeira Novos Estados Mata do Jacinto Noroeste Santa Fé Noroeste Coronel Antonino Nova Lima Monte Castelo Mata do Segredo Mata do Segredo Nova Lima Nova Lima Nova Lima Nova Lima Nasser Nasser Imbirussu Lagoa Prosa Segredo Identificação no Mapa 21 7 9 55 6 54 57 36 10 5 11 58 56 3 29 4 35 25 1 160 2 8 70 68 161 71 67 251 51 53 64 72 62 65 66 74 159 69 73 61 60 Capítulo 7 Aspectos Sociais 158 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . s/n Rua Dois Irmãos s/n R. s/n Av. Jardim Noroeste B. s/n R. Coronel Antonino Jardim Colúmbia Resid. 14 de Julho. Radio Maia. João de Farias. Res. Manoel Taveira Vila Santo Amaro Jardim Ouro Verde 2ª secção Vila Jardim Anahy Jardim Batistão Base Aérea B. 5100 R. s/n Av. Eduardo Olimpio Machado EM Dr. 287 R. 199 R. 147 R. São Gregório. Tertuliano Meireles EM Imaculada Conceição EM Major Aviador Yjuca Pirama de Almeida EM Nagen Jorge Saad EM Professor Antônio Lopes Lins EM Professor José de Souza EM Professora Gonçalina Faustina de Oliveira EM Professora Maria Tereza Rodrigues EM Consulesa Margarida Maksoud Trad EM Elpídio Reis EM Professor Arassuay Gomes de Castro EM Professor Vanderlei Rosa de Oliveira EM Professor Virgílio Alves de Campos EM Senador Rachid Saldanha Derzi EM Professora Danda Nunes EM Professora Ione Catarina Gianotti Igydio EM Coronel Antonino EM Irmã Edith Coelho Netto EM João de Paula Ribeiro EM Kamé Adania EM Maestro João Correa Ribeiro EM Nazira Anache EM Nerone Maiolino EM Professor Hércules Maymone EM Professor João Candido de Souza EM Professor Licurgo de Oliveira Bastos EM Professora Elizabel Maria Gomes Salles Endereço R. Fox. 1056 R. 861 R. s/n Av. 748 Av. Delamare. Vale do Sol III Jardim Nascente do Segredo Jardim Campo Novo Jardim Anache Jardim Vida Nova II B. s/n R. Barão do Grajaú. s/n R. Meirelles. das Camélias. Aniceto da Costa Rondon. Dr. Nova Lima Lot. Lucia Martins Coelho. Tarumã B. Oliveira III Resid. Ponta Porã. Pádua Gazal. Cel. Abrão Anache. s/n R. 31 Av. 2. Panambiverá. 793 R. Afrânio Peixoto. s/n R. 215 R. s/n R. Novo Maranhão Mata do Jacinto Jardim Noroeste Vivendas do Bosque B. Hanna Anache. São Pedro Portal Caiobá Resid. 350 R.

55 Av. Estevão Alves de Figueiredo. Comandente Elias Ferreira. Treze de Maio.512 R. 454 Av. Aracy Pereira de Mattos. Dr. Noroeste.Tabela 129 Escolas estaduais urbanas – 2009 Região Urbana Nome Unidade EE Amando de Oliveira EE Dona Consuelo Muller EE Maestro Heitor Villa Lobos EE Marçal de Souza Tupã Y EE Padre Mário Blandino EE Professor Silvio Oliveira dos Santos EE Professora Flavina Maria da Silva EE Professora Neyder Suelly Costa Vieira EE Professora Thereza Noronha de Carvalho EE Professora Zélia Quevedo Chaves EE Teotônio Vilela Escola Técnica do SUS Professora Ena de Araújo Galvão EE Arlindo de Sampaio Jorge EE Dolor Ferreira de Andrade EE Elvira Mathias de Oliveira EE João Carlos Flores EE José Barbosa Rodrigues EE Orcírio Thiago de Oliveira EE Professor Carlos Henrique Schrader EE Professor Emygdio Campos Widal EE Professora Célia Maria Naglis EE Professora Izaura Higa EE Professora Maria de Lourdes Toledo Areias EE Professora Maria de Lourdes Widal Roma EE Waldemir Barros da Silva C. Marechal Rondon. s/n Av. 159 R. Pedro Soares de Souza. 1435 R. Palmácia. s/n R. Est. Joaquim Murtinho. s/n R. Anibal de Toledo. Recanto dos Rouxinóis Núcleo Hab. Amando de Oliveira. 100 Av. 770 R. Luis de Vasconcelos. s/n R. 595 R. Santo Antônio Bairro Piratininga Jacy Aero Rancho Los Angeles Aero Rancho Aero Rancho Pioneiros Aero Rancho Los Angeles Aero Rancho Alves Pereira Parati Moreninha Maria Aparecida Pedrossian Universitário Rita Vieira Universitário Jardim Paulista Tiradentes Vilasboas Moreninha Moreninha Universitário Moreninha Moreninha Bela Vista Bela Vista São Francisco Glória Amambaí Bela Vista Centro Jd. Assunção. 847 Av. Pedrossian Vila Santo Eugênio Parque Rita Vieira Bairro Universitário secção B Vila Progresso 2ª secção Residencial Jardim Flamboyant Vila Vilasboas Núcleo Hab. s/n R. 1516 R. 200 R. Plínio Mendes dos Santos. Moreninha I Vila Miguel Couto Vila Miguel Couto Vila Esplanada Vila Santa Dorothea Bairro Amambaí Vila Miguel Couto Vila Cidade Vila Perseverança Vila Cidade Vila Rosa Vila Rosa Vila Feliciana Carolina Jardim Brasil Vila Glória Vila Olga Vila Alba Coophatrabalho Vila Sobrinho Jardim Aeroporto Res. 355 R. 70 R. 28 R. Inconfidente. 360 R. Principal. João Sellingard. Afonso Pena. Res. Dr. 2445 R. Gaudiley Brum. Constantinopla. 91 R. Baguari. Regina Lúcia Anffe Nunes Betine EE Professor Severino de Queiroz EE Riachuelo EE São Francisco EE São José EE Vespasiano Martins EE Zamenhof EE Adventor Divino de Almeida EE Amélio de Carvalho Baís EE Arlindo de Andrade Gomes EE José Ferreira Barbosa EE José Mamede de Aquino EE Professor Otaviano G. Elesbão Murtinho. 460 R. Res. 5128 R. 2612 Av. s/n Av. 420 R. 1. 11 de Outubro. Murilo Rolim Júnior. Dr. Iracy Coelho Neto Núcleo Hab. 222 Parcelamento Jardim Piratininga Jardim Jacy Conj. Parque dos Flamingos Vila Manoel Secco Thomé Jardim Panamá Jardim Petrópolis Coophatrabalho B. Heitor Vieira de Almeida. 1762 R. Agronômica. Rui Barbosa. Filinto Muller. 348 R. 287 Av. Dom Aquino.480 R. Tito Madi. 40 R. 116 Av. s/n R. Centro Oeste. Bahia. de Educ. Anacá 780 R. Universitária Núcleo Hab. Moreninha III Vila Cidade Morena Conj. 154 R. Moreninha III Núcleo Hab. Orlando Darós. Sen. Julio de Castilho. Pariris. Bom Pastor. Dr. Antonio da Silva Vendas. 4580 R. 856 R. Maria A. 38 R. da Audiocomunicação EE 26 de Agosto EE Coração de Maria EE General Malan EE Hércules Maymone EE Joaquim Murtinho EE Lúcia Martins Coelho EE Maria Constança Barros Machado EE Nicolau Fragelli EE Pólo Profa. Euler de Azevedo. João Thomaz. Euler de Azevedo. dos Estados Amambaí São Francisco Amambaí Cruzeiro Cruzeiro Cabreúva São Francisco Cruzeiro Glória Amambaí Sobrinho Santo Amaro Sobrinho Popular Popular Sobrinho Núcleo Industrial Panamá Popular Santo Amaro Santo Antônio Identificação No Mapa 21 188 183 187 184 180 169 186 178 177 179 185 248 214 239 211 212 210 209 236 213 217 207 218 215 216 244 204 221 208 200 229 220 226 203 206 246 247 227 222 205 223 219 201 199 197 194 174 175 195 164 189 243 196 191 Anhanduizinho Bandeira Centro Imbirussu Capítulo 7 Continua Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 159 Aspectos Sociais . Equador. 220 R. Jardim Parati Jardim Los Angeles Loteamento Res. 28 R. Res. 250 Av. São Paulo. Manoel da Costa Lima. Athur Jorge. Marco Aurélio Bier. 115 R. 451 R. 200 R. 506 Av. s/n R. Ponce. Pernambuco. Mangabeira. 1103 R. Sen. Antonio da Silva Vendas. Atend. ao Defic. da Silveira Jr. Profissional Ezequiel Ferreira Lima C. 1360 R. 392 Av. Florestal. Julio de Castilho. 1. s/n Av. 500 R. Aero Rancho II Residencial Aero Rancho I Jardim Botafogo Residencial Aero Rancho I Parque do Lageado Parque Res. 143 R. Evanilda Maria Neres Cavassa EE Pólo Profa. Moreninha II Pq. EE Professor Ulisses Serra EE Professora Alice Nunes Zampiere EE Professora Clarinda Mendes de Aquino EE Professora Hilda de Souza Ferreira EE Rui Barbosa Endereço Av. Souza Lima. Crisântemos.

Continuação
Região Urbana Nome Unidade EE 11 de Outubro EE Aracy Eudociak EE Blanche dos Santos Pereira EE Guia Lopes EE José Antonio Pereira EE Luisa Vidal Borges Daniel EE Manoel Bonifácio Nunes da Cunha EE Olinda Conceição Teixeira Bacha EE Padre José Scampini EE Profa. Maria Rita de Cássia Pontes Teixeira EE Professora Brasilina Ferraz Mantero EE Professora Delmira Ramos dos Santos EE Professora Élia França Cardoso CEEJA – Profa. Ignês de Lamônica Guimarães EE José Maria Hugo Rodrigues EE Maria Eliza Bocayuva C. da Costa EE Professor Henrique Ciryllo Corrêa EE Advogado Demosthenes Martins EE Antônio Delfino Pereira C. Cult. Ed. Tia Eva EE de Educ. Básica e Educ. Profis. Pe. João Greiner EE Dr. Arthur de Vasconcellos Dias EE Lino Villacha EE Maestro Frederico Liebermann EE Padre Franco Delpiano EE Professora Ada Teixeira dos Santos Pereira EE Professora Fausta Garcia Bueno EE Professora Joelina de Almeida Xavier EE Sebastião Santana de Oliveira Centro Estadual de Formação de Professores Indígenas de MS Endereço R. Porto Batista, 29 R. Maracantins, 696 R. Tabira, 911 Av. Tiradentes, 20 R. Antonio Pinto, 257 R. das Ameixas, s/n R. Itaoca, 196 R. das Camelias, 1446 R. do Porto, 220 R. Osvaldino Mendes Rocha, 560 R. Tamoio, 260 R. dos Recifes, 371 R. Sgt. Jonas S. de Oliveira, 297 R. Elvira Coelho Machado, 544 R. Hugo Pereira do Vale, 468 R Comandante Cyro Araújo França, 412 Av. Capital, 611 R. Ariramba, 215 R. Ciro Nantes da Silveira, 228 R. Macunaíma, 199 R. Dr. Jivago, 744 R. Haroldo Pereira, 887 Av. Monte Castelo, 50 Av. Lino Vilachá, 1250 - Hosp. São Julião R. Lourenço da Veiga, s/n R. Carlos Scardini, 138 R. Cariris, 54 R. Armando Holanda, 318 R. Armando Holanda, 226 Parcelamento Núcleo Hab. Bonança Jardim Tijuca II Jardim Tijuca Vila Belo Horizonte Loteamento Bonjardim Jardim Tarumã Núcleo Hab. Buriti Coophavila Parque Residencial União Jardim Leblon Coophavila B. Jardim São Conrado Vila Miguel Couto 3ª secção Conj. Res. Mata do Jacinto Vila Margarida Res. Otávio Pécora Conj. Res. Estrela do Sul Conj. Res. Estrela do Sul Bairro Nova Lima B. Monte Castelo Setor 1a Jardim Campo Belo Coophasul B. Guanabara Núcleo Hab. José Abrão Núcleo Hab. José Abrão Bairro Leblon Tijuca Tijuca Taveirópolis Taveirópolis Leblon Coophavila II Leblon Coophavila II União Leblon Coophavila II São Conrado Chácara Cachoeira Mata do Jacinto Margarida Autonomista Monte Castelo Seminário Coronel Antonino Coronel Antonino Nova Lima Monte Castelo Nova Lima Mata do Segredo Nasser Coronel Antonino Jose Abrão José Abrão Identificação No Mapa 21 181 168 172 198 192 173 166 171 167 176 182 165 170 230 240 232 231 225 228 234 233 241 224 242 237 202 235 190 249

Lagoa

Prosa

Segredo

Capítulo 7
Escola Municipal Maria Constança Barros Machado

Aspectos Sociais
160 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010

Mapa 21

REDE FÍSICA DE EDUCAÇÃO - 2009

73 159 241 74

242 72

SEGREDO
60 190 249 202 58 55 175 7 6 174 10 9 189 54 11 243 196 57 56 195 191 36 198 192 37 183 32 33 182 28 27 26 172 25 24 14 180 178 169 13 129 18 165 167 3 186 19 30 31 188 248 187 20 23 22 21 40 42 43 194 199 39 203 201 38 59 62 205 206 221 222 223 224 63 64 228 65 225

66

237 69

61

234 233

235

71 67 240 68 70

197

232 231

PROSA

227 247

46

51

251

CENTRO
246 78 220 45 219

IMBIRUSSU
5

226 230 229 204 213 41 161 244 50 236 52 239

53

200

35 164

44

176 29 160 173 171 170 8 181

208

209

162 212

LAGOA

BANDEIRA
210 211 218 48

49

168 1 4

ANHANDUIZINHO
179 185 34 177 16 15 17

LEGENDA
Região Urbana Bairro Malha Urbana Rio, Córrego Escola Municipal Escola Estadual

166 2 12 184

128

163

47 207 214

216 217 215 250

Sem Escala

Fonte: SEMED, SED

Tabela 130 Escolas municipais e estaduais – área rural e distritos – 2009
Unidade EE Pólo Francisco Cândido de Rezende EM Agrícola Gov Arnaldo Estevão de Figueiredo EM Barão do Rio Branco - Extensão Olavo Bilac EM Barão do Rio Branco - Extensão Comunidade Santa Cruz EM Barão do Rio Branco - Pólo EM Darthesy Novaes Caminha EM Isauro Bento Nogueira EM José do Patrocínio - Pólo EM José do Patrocínio - Extensão Rancho Alegre EM Manoel Gonçalves Martins - Pólo EM Manoel Gonçalves Martins - Extensão Chácara Arapongas EM Manoel Gonçalves Martins - Extensão Cerro Porã EM Leovegildo de Melo - Extensão Fazenda Santa Terezinha EM Leovegildo de Melo - Pólo EM Oito de Dezembro - Extensão Fazenda Carnaúba EM Oito de Dezembro - Extensão Profª Onira Santos Rosa EM Oito de Dezembro - Pólo EM Orlandina de Oliveira Lima - Pólo EM Orlandina de Oliveira Lima - Extensão Pedro Ramalho Endereço R. Guimarães Rosa, 2.056 Rodovia MS 040, km 10 - Região Três Barras Fazenda Rincão - Saída para Rochedinho Comunidade Santa Cruz - Granja Jóia Rua Guia Lopes, s/n R dos Mascotes, s/n - Chácara das Mansões R Mariporã, s/n BR 163 MS/SP, km 444 - Cachoeirinha BR 163 – km 14 BR 060 - km 25 – Sítio Itaim Saída para Sidrolândia - Estrada p/ Gameleira BR 060 - Estação Guavira Fazenda Santa Terezinha Fazenda São Miguel Fazenda Carnaúba - km 75 Fazenda Camboura - km 55 Fazenda Girassol - Anhanduí Aguão - BR-080 - km 35 - Saída para Rochedo Assentamento Conquista Identificação no Mapa 22 245 141 144 143 140 137 136 138 145 153 152 155 151 150 149 156 154 139 142

Escola Municipal Agrícola Governador Arnaldo Estevão de Figueiredo

Capítulo 7
Escola Municipal Agrícola Governador Arnaldo Estevão de Figueiredo Escola Municipal Agrícola Governador Arnaldo Estevão de Figueiredo

Aspectos Sociais
162 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010

Mapa 22

REDE FÍSICA DE EDUCAÇÃO - ÁREA RURAL E DISTRITOS - 2009
ROCHEDO DISTRITO DE ROCHEDINHO

139 142

140
JARAGUARI

143

TERENOS

CAMPO GRANDE SEDE

144
BR-262

150

153 155 141 137 152 138
BR-163
RIBAS DO RIO PARDO

145

SIDROLÂNDIA

DISTRITO DE ANHANDUÍ

151

136

245

149

LEGENDA
Limite de Município Perímetro Urbano Estrada Vicinal Escola Municipal Escola Estadual

154 156
Sem Escala

NOVA ALVORADA DO SUL

Fonte: SEMED, SED

(CCHS) Centro de Ciências Humanas e Sociais. (FAODO) Faculdade de Odontologia. Na Cidade Universitária. Corumbá. Bonito. (CCET) Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. ensino presencial. em Campo Grande/MS. Editora e Gráfica. Complexo Poliesportivo: Quadras de esporte e piscina. Clínicas Odontológicas. Teatro Glauce Rocha. Biblioteca Central e Setoriais. com a criação da Faculdade de Farmácia e Odontologia de Campo Grande. pesquisa e extensão: Agência de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia. estão distribuídos em 8 unidades: (CCBS) Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. instalada na Capital e em dez cidades do interior do Estado de Mato Grosso do Sul: Aquidauana. A UFMS conta com um complexo de unidades para apoio às atividades de ensino.1. com a federalização da Universidade Estadual de Mato Grosso (UEMT). de 05. Ponta Porã e Três Lagoas. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Capítulo 7 Aspectos Sociais 164 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Naviraí.674.2 Ensino Superior 7. Base de Estudos do Pantanal.1. Clínica de Psicologia. Anfiteatros. Estádio de Futebol Pedro Pedrossian (Morenão).2. Concha Acústica e TV Universitária.07. Laboratórios Experimentais. 6. os cursos de graduação. Núcleo de Informática.1979. Ginásio de Esportes Eric Tinoco (Moreninho). (FAMED) Faculdade Medicina.7. porém tem a sua origem no ano de 1962. Coxim. Nova Andradina. Museu de Arqueologia. Chapadão do Sul. (FAMEZ) Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. Hospital Universitário. A UFMS é uma universidade multicampus.1 Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS A Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) foi criada pela Lei Federal n. Paranaíba. (FADIR) Faculdade de Direito e (FACOM) Faculdade de Computação. Hospital Veterinário. Fazenda Escola.

515 2010 60 60 70 40 30 30 60 40 30 60 50 45 60 60 40 50 40 50 50 50 60 25 25 40 60 30 30 50 60 40 30 40 40 40 25 35 70 50 60 70 40 1.Tabela 131 Cursos oferecidos pela UFMS – Ensino Superior – 2007–2010 Cursos Administração (diurno) Administração (noturno) Análise de Sistemas Arquitetura e Urbanismo Artes Visuais – Bacharelado Artes Visuais – Licenciatura Ciência da Computação Ciências Biológicas – Bacharelado Ciências Biológicas – Licenciatura Ciências Econômicas Ciências Sociais Comunicação Social – Habilitação em Jornalismo Direito (diurno) Direito (noturno) Educação Física – Licenciatura Enfermagem Engenharia Ambiental Engenharia Civil Engenharia Elétrica Farmácia Filosofia Física – Bacharelado Física – Licenciatura Fisioterapia História – Licenciatura Letras – Licenciatura – Português/Espanhol Letras – Licenciatura – Português/Inglês Matemática – Licenciatura Medicina Medicina Veterinária Música –Licenciatura –Educação Musical Odontologia Pedagogia – Licenciatura Psicologia – Formação de Psicólogo Química – Bacharelado em Química Tecnológica Química – Licenciatura Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Eletrotécnica Industrial Tecnologia em Processos Gerenciais Tecnologia em Redes de Computadores Zootecnia Total de vagas em Campo Grande/MS Fonte: UFMS 2007 50 50 50 40 30 30 50 50 50 50 45 60 60 40 50 40 50 50 50 25 20 50 30 30 50 60 40 30 40 30 40 25 35 40 1.480 25 20 40 60 30 30 50 60 40 30 40 30 40 25 35 40 1.895 Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 165 .440 Número de vagas 2008 2009 55 50 55 50 50 60 40 40 30 30 30 30 50 60 50 25 25 55 50 50 50 45 45 60 60 60 60 40 40 50 50 40 40 50 50 50 50 40 40 25 20 40 60 30 30 50 60 40 30 40 30 40 25 35 40 1.

1547. foi reconhecida pela Portaria Ministerial n. em 27 de outubro de 1993. anteriormente FUCMT.2. Tabela 132 Cursos de graduação oferecidos pela UCDB – 2000-2010 Cursos Administração Agronomia Biologia Ciências Contábeis Comunicação Social: Jornalismo Comunicação Social: Publicidade e Propaganda Comunicação Social: Radialismo (Rádio e TV) Design Direito Educação Física Engenharia Sanitária e Ambiental Engenharia de Computação Engenharia Mecânica Engenharia Mecatrônica Enfermagem Farmácia Filosofia Fisioterapia Fonoaudiologia Geografia História Letras Medicina Veterinária Nutrição Pedagogia Psicologia Serviço Social Sistemas de Informação Zootecnia Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Redes de Computadores Fonte: UCDB 2000 80 70 80 80 60 60 60 300 80 70 80 140 80 80 80 80 80 80 80 80 80 70 2001 70 70 70 70 60 60 60 300 140 70 70 120 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 2002 70 70 70 70 60 60 60 300 140 70 80 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 2003 70 70 70 70 60 60 60 70 300 140 70 80 80 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 2004 70 70 70 70 60 60 60 70 300 140 70 80 80 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 60 Número de Vagas 2005 70 70 70 70 60 60 60 70 360 140 70 80 80 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 60 2006 70 70 70 70 60 60 60 360 140 70 80 80 80 140 70 70 70 70 70 70 70 70 140 70 70 70 60 2007 210 70 70 70 70 70 70 70 480 210 70 80 80 80 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 140 70 70 70 2008 210 70 70 70 70 70 480 140 70 80 80 80 70 70 70 70 70 70 70 70 140 70 70 70 70 2009 210 70 70 70 70 70 70 480 140 70 80 80 80 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 70 140 70 70 70 70 2010 210 70 70 70 70 70 70 480 140 70 80 80 80 70 40 70 70 70 70 70 70 70 140 70 70 70 70 Capítulo 7 Aspectos Sociais 166 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .1.7.2 Universidade Católica Dom Bosco – UCDB A Universidade Católica Dom Bosco é mantida pela Missão Salesiana de Mato Grosso.

7.Licenciatura Plena em Português/Inglês . oferece os seguintes cursos: Tabela 133 Cursos oferecidos pela UNIDERP – 2000-2010 Cursos Administração (Campus I) Agronomia (Campus III) Arquitetura e Urbanismo (Campus I) Ciência da Computação (Campus I) Ciências Biológicas (Campus III) Ciências Contábeis (Campus I) Comunicação Social (Campus I) . com ênfase em tradutor e intérprete em inglês Matemática Licenciatura (Campus I) Medicina (Campus I) Medicina Veterinária (Campus III) Nutrição (Campus III) Odontologia (Campus III) Pedagogia (Campus I) Número de vagas 2000 370 80 120 80 60 120 240 60 60 60 60 100 80 60 60 100 80 2001 490 80 120 80 60 120 360 60 60 60 60 60 100 160 60 60 100 80 80 2002 490 80 120 80 60 120 360 100 60 60 60 60 60 100 160 60 60 100 80 80 2003 490 80 120 80 60 180 360 100 60 60 60 60 60 100 160 60 60 160 80 80 2004/1 370 80 120 80 60 120 360 80 80 60 60 60 60 100 80 60 60 100 80 80 80 2004/2 60 120 180 60 60 60 60 60 60 2005/1 420 90 140 90 70 140 670 90 90 70 70 70 70 120 90 70 80 120 90 90 90 2005/2 140 140 210 70 70 70 70 70 2006/1 420 90 140 90 70 140 140 670 90 90 70 70 70 70 120 90 70 80 120 90 90 90 2006/2 140 210 70 2007/1 420 90 140 90 70 140 140 670 180 90 70 70 70 70 240 90 70 80 120 90 90 90 2007/2 130 65 65 65 260 65 65 65 65 2008/1 450 90 180 180 90 90 140 140 670 90 90 90 90 90 70 90 90 90 180 90 90 90 80 180 90 90 90 2008/2 270 90 90 90 360 90 90 90 90 2009/1 450 90 180 180 90 90 80 80 670 180 180 90 70 90 90 90 90 90 90 90 90 90 90 90 80 180 90 90 90 2009/2* 270 90 180 90 90 90 70 70 270 180 180 90 70 90 90 90 90 90 90 90 90 90 90 90 90 90 2010/1* 267 74 148 74 64 74 64 74 294 148 148 92 74 74 148 74 74 74 64 74 64 64 74 92 64 74 64 Continua Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 167 .Bach.habilitação em Jornalismo .1.habilitação em Publicidade e Propaganda Direito (Campus I) Educação Física Bacharelado (Campus III) Educação Física Licenciatura (Campus III) Educação Física Bacharelado (Campus I) Educação Física Licenciatura (Campus I) Enfermagem (Campus III) Engenharia da Computação (Campus I) Engenharia de Produção (Campus I) Engenharia Civil (Campus I) Engenharia Elétrica (Campus I) Engenharia Mecânica (Campus I) Engenharia Mecatrônica (Campus I) Farmácia (Campus III) Fisioterapia (Campus I) Fisioterapia (Campus III) Letras (Campus I) Letras Licenciatura Plena em Português e Espanhol (Campus I) Letras (Campus I) .2. anteriormente CESUP.3 Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal – UNIDERP A Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal.

*Os dados referentes à 2009/2 foram extraídos do Anexo ao Edital Nº. Bach. 006/RTR/UNIDERP. Facial 140 140 e Capilar (CampusI) Tecnologia em Produção Multimídia (Campus I) 60 70 70 70 90 Tecnologia em Produção Sucroalcooleira (Campus I) Turismo (Campus I) 90 Turismo. de 27 de abril de 2009. do Anexo ao Edital Nº. Cursos Número de vagas 2008/2 90 90 90 2009/1 70 90 90 90 90 90 90 90 90 90 2009/2 * 90 180 90 180 90 90 2010/1* 74 64 138 64 64 74 128 - 90 90 90 90 90 90 90 - 64 64 - Capítulo 7 168 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . com ênfase em Turismo Ambiental e Hotelaria (Campus I) Tecnologia em Redes de Computadores 60 60 70 70 70 70 90 (Campus I) Tecnologia em Secretariado (Campus I) Fonte: UNIDERP. e os de 2010/1. 012/RTR/Universidade Anhanguera-Uniderp/2009.Continuação Aspectos Sociais 2000 2001 2002 2003 2004/1 2004/2 2005/1 2005/2 2006/1 2006/2 2007/1 2007/2 2008/1 Psicologia (Campus I) 80 Psicologia (Campus III) 60 60 60 60 60 70 70 70 Serviço Social (Campus I) 80 65 90 Superior Tecnologia em Estética e Cosmética 90 Tecnologia em Gestão Ambiental (Campus I) Superior de Tecnologia em Gestão de 90 Recursos Humanos (Campus I) Superior de Tecnologia em Gestão 90 Hospitalar (Campus I) Superior de Tecnologia em Logística 90 (Campus I) Superior de Tecnologia em Marketing 70 70 90 (Campus I) Tecnologia em Análise e 140 140 90 Desenvolvimento de Sistemas (Campus I) Tecnologia em Design de Moda (Campus I) 90 Tecnologia em Estética Corporal.

090 2010 180 100 140 140 310 350 140 140 140 140 - 2.7.4 Centro Universitário Anhanguera de Campo Grande Tabela 134 Cursos oferecidos pelo Centro Universitário Anhanguera de Campo Grande – 2000-2010 Cursos Administração Ciências da Computação Ciências Contábeis Comunicação Social Habitação em Publicidade e Propaganda Design de Moda Direito Enfermagem Engenharia Mecânica Engenharia de Produção Engenharia de Controle e Automação (Mecatrônica) Fisioterapia Hotelaria Pedagogia Relações Internacionais Tecnologia em Design de Interiores Tecnologia em Logística Tecnologia em Produção Sucroalcooleira Tecnologia em Redes de Computadores Tecnologia em Sistema para Internet Total de vagas Fonte: Centro Universitário Anhanguera de Campo Grande.1.100 2006 280 100 100 100 200 100 100 120 100 100 1.430 2009 280 100 140 140 100 310 420 140 140 140 140 100 140 140 140 140 140 140 100 3.620 Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 169 Aspectos Sociais 140 140 140 140 140 140 - . 2000 180 100 100 100 80 560 2001 180 100 100 100 80 560 2002 180 100 100 200 80 100 760 2003 180 100 100 200 100 100 780 Número de vagas 2004 2005 180 180 100 100 100 100 100 200 100 100 100 880 200 100 120 100 100 1.140 2008 280 100 140 140 100 310 420 140 140 100 140 140 140 140 2.2.300 2007 280 100 100 140 100 200 420 100 140 100 120 100 140 100 2.

415 Administração Administração com Habilitação em Marketing Análise e Desenvolvimento de Sistemas Ciências Contábeis Direito Eventos Farmácia Fisioterapia Gestão Ambiental Gestão da Tecnologia da Informação Gestão de Recursos Humanos Jornalismo Aspectos Sociais Marketing Pedagogia Publicidade e Propaganda Segurança do Trabalho Sistemas de Informações Tecnologia em Processamento de Dados Turismo Total Fonte: FESCG. 2 – segundo semestre.7.5 Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande – FESCG Tabela 135 Cursos oferecidos pela Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande – FESCG – 2003-2010 Curso/ Habilitação Período Matutino Noturno EAD Noturno EAD Noturno EAD Noturno Noturno Integral Integral Noturno EAD EAD Matutino Noturno EAD EAD Matutino Noturno Noturno EAD Matutino Noturno Matutino Noturno 2003¹ 25 50 75 50 50 50 50 30 30 30 30 25 50 25 50 620 2003² 50 50 100 50 50 50 25 30 30 30 30 25 50 25 50 645 2004¹ 25 50 50 50 50 50 50 30 30 30 30 25 50 25 50 595 2004² 25 50 50 50 50 50 25 30 30 30 30 25 50 25 50 570 2005¹ 25 50 50 50 50 50 50 30 30 30 30 25 50 25 50 595 Número de vagas 2005² 2006¹ 25 75 50 50 50 50 50 25 30 30 30 30 75 25 50 570 50 50 50 50 60 60 75 75 545 2006² 75 50 50 50 25 60 60 75 75 520 2007¹ 75 50 50 50 50 60 60 75 75 545 2007² 75 50 50 50 25 60 60 75 75 520 2008¹ 75 50 50 50 50 60 60 75 75 545 2009 75 100 50 100 50 40 50 100 50 100 100 50 50 50 965 2010 75 100 100 50 100 50 50 40 50 50 100 100 50 100 100 50 50 100 50 50 1.2.1. Nota: 1 – primeiro semestre. EAD – Ensino à Distância Capítulo 7 170 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .

Publicidade e Propaganda Direito Eventos¹ Fisioterapia Gerenciamento de Rede de Computadores¹ Gestão de Empreendimentos Esportivos¹ Gestão de Marketing¹ Gestão de Recursos Humanos¹ Gestão de Sistemas de Informação¹ Gestão Empreendedora¹ Gestão Hospitalar¹ Gestão Mercadológica¹ Multimídia¹ Pedagogia Produção Gráfica Digital¹ Turismo Turismo Receptivo¹ Total Fonte: ICGES/FCG. como Instituto Campo Grande de Ensino Superior – ICG.7 Faculdade Campo Grande – FCG Instituição criada em maio de 2002. passando a Faculdade de Campo Grande.6 Instituto de Ensino Superior da FUNLEC – IESF Criado em 12 de fevereiro de 1998. oferece os seguintes cursos: Tabela 136 Cursos oferecidos pelo IESF/FUNLEC – 1999-2010 Cursos Artes Visuais Biblioteconomia Educação Física Normal Superior Pedagogia Secretariado Executivo Bilíngue Turismo Total Fonte: IESF/FUNLEC.2.900 Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 171 . 1 – superiores de menor duração. 2008 600 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 2.900 2010 600 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 2.1.2.7.900 Número de Vagas 2009 600 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 2. Cursos Administração de Empresas Ciência da Computação Ciências Contábeis Comércio Exterior¹ (Comércio) Comunicação Empresarial¹ Comunicação e Ilustração Digital¹ Comunicação para Web¹ Comunicação Social – Hab. Número de vagas 1999 80 80 160 2000 80 80 160 2001 60 50 80 80 270 2002 60 50 80 80 270 2003 60 50 80 80 50 320 2004 90 75 80 120 75 440 2005 90 75 80 120 75 440 2006 90 75 100 80 120 75 540 2007 80 90 75 80 120 75 520 2008 80 90 75 80 120 75 520 2009 80 90 75 80 120 75 520 2010 80 90 75 80 120 445 Tabela 137 Cursos oferecidos pela FCG – 2008-2010 7.1.

Tabela 140 Cursos EAD oferecidos pela UNIGRAN – Número de Vagas 2008 2009 500 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 1.9 Faculdade UNIGRAN Capital – UNIGRAN A Faculdade UNIGRAN Capital. mantida pela Sociedade Civil de Educação da Grande Dourados. Aspectos Sociais 7. oferece os seguintes cursos: Tabela 139 Cursos oferecidos pela UNIGRAN – 2009-2010 Curso/Habilitação Educação Física Enfermagem Tecnologia em Estética e Cosmética Total Fonte: UNIGRAN Capítulo 7 Número de vagas 2010 Período 2009 Noturno 100 100 Noturno 100 100 Noturno 80 80 280 280 172 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .900 Curso/Habilitação Administração Ciências Contábeis Letras Pedagogia Serviço Social Tecnologia em Agronegócios Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Negócios Imobiliários Tecnologia em Produção Publicitária Teologia Total Fonte: UNIGRAN.1.2. 1 – superiores de menor duração.700 2010 500 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 1. Ensino à Distância – pólos Brasil. Japão e Europa – 2009-2010 Número de vagas 2009 2010 500 500 500 500 500 500 500 500 500 500 500 500 500 500 500 500 500 500 500 500 5.2. Saúde e Segurança)¹ Marketing (Gestão e Negócios)¹ Matemática Pedagogia Processos Gerenciais (Gestão e Negócios)¹ Turismo Total Fonte: FACSUL.500 500 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 1.7.000 5.8 Faculdade Mato Grosso do Sul – FACSUL Tabela 138 Cursos oferecidos pela FACSUL – 2007-2010 Cursos Administração com habilitação em Comércio Exterior Administração com habilitação em Gestão de Sistema de Informação Administração com habilitação em Marketing Administração com habilitação em Recursos Humanos Administração de Empresas Comércio Exterior¹ Comunicação Social – Publicidade e Propaganda Direito Educação Física Gestão Comercial¹ Gestão da Tecnologia da Informação¹ Gestão de Recursos Humanos (Comércio e Negócios)¹ Gestão em Turismo¹ Gestão Hospitalar (Ambiente.1.000 2007 100 100 100 100 100 100 100 100 100 900 Tabela 141 Cursos de Pós-Graduação oferecidos pela UNIGRAN – 2010 Curso À Distância Educação a Distância Estudos da Linguagem Gestão Ambiental Gestão Empreendedora de Negócios Metodologia do Ensino Superior Psicopedagogia Sistemas de Informação Presencial Administração Estratégica de Recursos Humanos Comunicação em Marketing Dermato e Estética Educação Infantil com Ênfase no Atendimento de Crianças de 0 a 4 Anos Fundamentos Teóricos e Metodológicos da Educação Física Escolar Saúde Pública com Ênfase na Estratégica de Saúde da Família Fonte: UNIGRAN.

10 Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – UEMS A Unidade Universitária de Campo Grande oferece os seguintes cursos: 7. Gastronomia. Pró-Jovem e nas ações de educação profissional nos municípios do Estado. Foco do Cliente. Colaboradores e Responsabilidade Social.7. Educação Superior (pós–graduação a distância) e ações extensivas à Educação Profissional. 25 mil alunos ano.3. serviços e turismo. por meio do Decreto-Lei 8. Informática. em programações de Formação Inicial e Continuada dos Trabalhadores. Tecnologia Educacional.1 Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – Senac O Senac foi criado em janeiro de 1946.681. Gestão. Inovação. Turismo e Hotelaria. Saúde. A estrutura do Senac/MS compreende a administração regional.1. O Senac/MS atende. Dourados e Três Lagoas.3 Ensino Profissionalizante 7.1. Imagem Pessoal (Moda e Beleza).2. Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Tabela 142 Cursos oferecidos pela UEMS – 2010 Curso/Habilitação Artes Cênicas – Teatro e Dança Geografia Letras – Habilitação em Português e Espanhol Letras – Habilitação em Português e Inglês Pedagogia Total Fonte: UEMS Número de vagas 50 50 50 50 50 250 Tabela 143 Cursos de Pós-Graduação oferecidos pela UEMS – 2010 Curso Número de vagas Educação Especial 40 Ciências da Linguagem – Ênfase em Literatura 40 Ciências da Linguagem – Ênfase em Linguística 40 Total 120 Fonte: UEMS 7. Aquidauana. aproximadamente. o modelo de gestão do Senac foi certificado com a ISO 9001:2008. Corumbá.11 Faculdade de Tecnologia SENAI Campo Grande – FATEC A Faculdade FATEC Senai Campo Grande oferece o seguinte curso: Tabela 144 Curso oferecido pela FATEC – 2010 Curso/Habilitação Tecnologia em Processos Gerenciais Total Fonte: FATEC Número de vagas 40 40 Capítulo 7 Aspectos Sociais 173 . Com a criação do Estado e da Federação do Comércio em Mato Grosso do Sul.1. isso focado em seus princípios e valores. Conservação e Zeladoria e Artes. Soldado Cidadão. Educação Profissional de Nível Médio. Aprendizagem e Conhecimento. Com esse conjunto de ações e com foco em sua missão. A Instituição contribui para o desenvolvimento do cidadão sul-mato-grossense educando-o para o trabalho em atividades de comércio de bens. que são: Integridade. Unidades de Educação Profissional em Campo Grande. nas áreas de Comércio. Excelência. o Senac instalou-se como Regional em 31 de março de 1980.2.1. O Senac/MS apóia também as políticas públicas contribuindo no desenvolvimento dos Projetos. Outros municípios são atendidos com o Senac Móvel e na modalidade de Educação a Distância.

e estimular a gestão socialmente responsável da empresa industrial. de 25 de junho de 1946.SENAI é uma entidade de direito privado.602 matrículas em Aprendizagem Industrial e 5. atua em várias modalidades de ensino destacando-se a Aprendizagem Industrial. Serviços Técnicos Especializados.1. tendo como missão: promover a qualidade de vida do trabalhador e de seus dependentes.502 em Formação Inicial. Assessoria Técnica e Tecnológica (concentra as ações de captação. gerencial).363 em Formação Continuada.9. 4. Neste contexto totalizou 4. Informação Tecnológica). Rege-se pelo Decreto n.949 em Serviços Técnicos Especializados. em vias de credenciamento e acreditação pelo INMETRO. Corumbá e Três Lagoas. Dourados. Fonte: Senac. Fonte: SESI-DR/MS Qualificação Profissional básica e técnica. 7.403.900 em Qualificação Profissional Básica. 3. e 52 atendimentos em Informação Tecnológica. como resultado dos investimentos e esforços na consolidação da Rede LabSENAI de Serviços Laboratoriais. assim distribuídas: 7.494.122 atendimentos em 2009. com 18. e entrou em funcionamento em Mato Grosso do Sul no dia 1º de fevereiro de 1949. Senac Gastronomia e o Senac Beleza e Moda. a Habilitação Profissional (cursos técnicos). Assessoria Técnica e Tecnológica. totalizou 18.1.723 em Educação Profissional Técnica de Nível Médio. serviços de inspeção e serviços operacionais). 3. econômica. Fonte: SENAI Aspectos Sociais Capítulo 7 7.143 horas técnicas realizadas.STT. Na linha de negócio de prestação de Serviços Técnicos e Tecnológicos . o SENAI-DR/MS atua nas seguintes áreas: Serviços Técnicos e Tecnológicos (concentra os programas relacionados a Desenvolvimento Tecnológico. de 10 de janeiro de 1962. 108 em Assessoria Técnica e Tecnológica.2 Serviço Social da Indústria – SESI/DR/MS O SESI foi criado por meio do Decreto-Lei n. tratamento e disseminação de todo tipo de conhecimento de produto relativo à natureza técnica. e a Formação de Tecnólogos e cursos de pós-graduação. Serviços Técnicos Especializados (compreendem serviços laboratoriais. assim distribuídos: 13 atendimentos em Pesquisa. 4. organizada e administrada pela Confederação Nacional da Indústria em âmbito nacional e pelas Federações de Indústrias em âmbito estadual. o Senac Campo Grande.3.3. oferecidos pela sua Faculdade. o Aperfeiçoamento Profissional. saúde e lazer. Desenvolvimento e Inovação. com foco em educação. a Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 174 . mercadológica. das quais 1. Do total de atendimentos. Na linha de negócio de Educação Profissional. Nas linhas de negócio do SENAI se encontram a educação profissional e os Serviços Técnicos e Tecnológicos.797 foram Serviços Laboratoriais. Sua área de abrangência é o território do Estado de Mato Grosso do Sul por meio de suas unidades instaladas nos municípios de Campo Grande.Campo Grande possui como sede a Administração Regional do Senac e suas Unidades Operativas: Senac Educação a Distância.3 Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – Departamento Regional de Mato Grosso do Sul – SENAI/DR/MS O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial . Na linha de educação.216 matrículas em 2009. e 41 matrículas em Educação Superior.

educação de jovens e adultos.3. criado pelo Decreto-Lei n. Sua ação abrange também. criada e mantida pelo empresariado do comércio. SESC Dourados. no entanto. nos seus diversos campos de atuação. educação fundamental. contribuindo para o bem-estar e melhoria da qualidade de vida do trabalhador. instituições filantrópicas. o SESC elegeu campos prioritários de atuação: 1) Educação . é uma entidade de direito privado. em 1977. e Turismo Social.836. estabelecimentos de ensino municipais. à difusão e à preservação do conhecimento . no lar. O SESC tem como clientela preferencial o trabalhador do comércio de bens. serviços. SESC Três Lagoas. de 13 de setembro de 1946 e regulamentado pelo Decreto n.4 Serviço Social do Comércio – SESC O Serviço Social do Comércio – SESC.853. o Programa Mesa Brasil. o Conselho Regional do SESC-MS foi instalado em 31 de março de 1980 e implantada a Administração Regional na cidade de Campo Grande em 1º de abril desse ano.9. o meio ambiente que condiciona a vida do comerciário e sua família. combate à fome e ao desperdício. SESC Camillo Boni. estaduais e particulares.61. proporcionados pelas atividades da biblioteca e apresentações artísticas.através do incentivo à cultura e das artes em geral.desenvolve atividades e serviços nas modalidades de educação formal. e duas Unidades Móveis – OdontoSESC e BiblioSESC. voltado para a inclusão social. como destaque. turismo e seus dependentes sem. Recreação. 5) O Programa Assistência – traz em sua programação. SESC Almirante Barroso. de 5 de dezembro de 1967. que contribuam para o enriquecimento intelectual dos indivíduos. a realização de pesquisas socioeconômicas visando à oferta de ações educativas. 2) A Saúde – através da nutrição. o incentivo à atividade produtiva. tem como objetivos: a valorização do comerciário e o favorecimento de oportunidades de assistência à sua família. Em decorrência de sua finalidade. que tem como objetivo coletar e distribuir alimentos excedentes próprios para o consumo e que não serão comercializados. odontologia. . a defesa do salário real. O SESC Mato Grosso do Sul conta com sete unidades de serviços fixos: SESC Administração Regional. SESC Horto. Com a divisão do estado de Mato Grosso. educação complementar e cursos de valorização social.7. Também desenvolve projetos através das atividades Trabalho com Grupos e Ação Comunitária. SESC Ginásio de Esportes – Jardim dos Estados. excluir a possibilidade de atendimento eventual a outras categorias. desde que este procedimento não implique em prejuízo do público alvo. 4) O Programa Lazer – contempla as Atividades Desenvolvimento Físico Esportivo. educação infantil. além de ações comunitárias em parceria com associações de moradores. Fonte: SESC-DR/MS Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 175 Como contribuição de melhoria de padrão de vida de sua clientela. 3) O Programa Cultura – com propostas voltadas ao desenvolvimento. educação em saúde e assistência médica. no local de trabalho e na sociedade por meio de programas específicos e de entrosamento com órgãos e instituições da comunidade.1.

acesso ao crédito. de produtos e serviços. além de 632. em Brasília. 28 mil atendimentos e 10 mil capacitações. Criado em 1990. que através da participação nos treinamentos e programas especiais desenvolvem e/ou aprimoram as habilidades de liderança. para gerar negócios lucrativos e sustentáveis em Mato Grosso do Sul.1. a informação e o conhecimento em Agronegócio à comunidade rural de Mato Grosso do Sul. 100 expositores. 7. soluções empresariais.5 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de MS – SEBRAE/MS O SEBRAE tem como missão contribuir com o desenvolvimento de Mato Grosso do Sul através do fomento ao empreendedorismo. A cada dois anos. com objetivo de garantir o alinhamento da entidade às políticas nacionais e estaduais de desenvolvimento. Tem a missão de promover a educação. com cobertura nos 78 municípios do Estado. empreendedorismo e gestão. para tanto.1. conforme os objetivos pretendidos. o SEBRAE/MS realiza a Feira do Empreendedor. o SEBRAE/MS oferece. que tem como missão criar oportunidades e aproximar as pessoas do conhecimento. além dos negócios informais e os candidatos ao empreendedorismo. A Feira do Empreendedor de 2008 contou com aproximadamente 21 mil visitantes.092 pessoas que participaram de eventos apoiados pelo Sebrae/MS e dos 353. tecnologia. serviços e agropecuária. Representantes da sociedade civil deliberam por um conselho. Capítulo 7 Aspectos Sociais 176 . As diretrizes para a realização das atividades pautam na transferência de conhecimento aos produtores rurais. promovendo sua competitividade e sustentabilidade. como: assessoria e capacitação em gestão. da sustentabilidade e da competitividade dos pequenos negócios.7. são disponibilizadas. acesso a mercado.3. promoção da cultura da cooperação e fortalecimento das lideranças. DF. O objetivo é reduzir as taxas de mortalidade. até o acompanhamento por dois anos desse empreendimento. Em 2009 foram realizados 140. da Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 inovação.3. Para os interessados em abrir um negócio. eventos de negócios. é o órgão responsável pela profissionalização do trabalhador rural e pela promoção social da família rural. Destacam-se ainda as parcerias realizadas com órgãos dos governos federal. Fonte: SEBRAE/MS. o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – SEBRAE – é um serviço social autônomo. criado em 6 de abril de 1993. através do projeto Nascer Bem. desde o planejamento para decisão sobre a atividade. toda a orientação necessária. como montar. disponível em todas as unidades da federação.881 atendimentos. Atende micro e pequenas empresas dos segmentos da indústria.6 Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – SENAR-AR/MS O SENAR-AR/MS – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – Administração Regional em Mato Grosso do Sul. comércio. com inovação e competência contribuindo para o desenvolvimento socioeconômico do Estado. que são mais concentradas nesse período. sob a forma de entidade associativa de direito privado sem fins lucrativos. vinculado ao SENAR – Administração Central. como também para os trabalhadores rurais aos quais se disponibilizam eventos de profissionalização. Os projetos desenvolvidos visam transformar a realidade dos pequenos negócios.296 acessos ao Portal de Atendimento on line.

. o repasse financeiro e a cessão de bens móveis e imóveis. pecuária. Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 177 Em agosto de 1989 foi firmado o convênio n. sediadas na capital de Mato Grosso do Sul.939 trabalhadores e produtores rurais nas mais diferentes atividades educacionais. Alves Pereira. em cursos que vão desde a aplicação de medicamentos em bovinos até a gestão da propriedade rural.1/90.2 Saúde O município de Campo Grande é gestor pleno desde 1996. o Estado de MS transferiu ao Município o pessoal lotado nos postos de saúde que haviam sido municipalizados: SIRPHA e nos bairros Tiradentes. desenvolvido em parceria com a Confederação Nacional de Agricultura – CNA e que está implantando salas de informática em diversos Através do convênio n. através da transferência de unidades de abrangência local.26/89 entre a Secretaria Estadual de Saúde de MS e a Prefeitura Municipal de Campo Grande. Promoção Social – higiene e saúde. aquicultura. com o objetivo de capacitar o público rural em conhecimentos básicos de informática. que leva atendimento odontológico às famílias rurais através de um consultório montado em um ônibus e beneficiou quase 4. Paralelamente foram desenvolvidos outros 15 projetos que contaram com 17. e o Projeto Inclusão Digital Rural.Ônibus utilizado para aulas Em 2009 o SENAR AR/MS capacitou 29. Em dezembro de 1990 foi criado o Conselho Municipal de Saúde pela Lei n. nutrição e educação.estadual e municipal. Dentre as áreas de atuação o SENAR-AR/MS prioriza para a Formação Profissional Rural – agricultura. destacando-se o Projeto Pingo D´água. Guanandi e Pró-Sol (hoje extinto). Bonança. assim. os mecanismos iniciais de implantação do SUS.093 participantes. alimentação. além de uma sala móvel montada sobre um ônibus. silvicultura. Gerencia todas as suas unidades (próprias) e as credenciadas com o SUS – Sistema Único de Saúde. sindicatos rurais do interior do Estado. Foto Senar . Estabeleciam-se. agroindústria. Fonte: SENAR-AR/MS 7. que respaldam as ações educativas além do fortalecimento institucional. visando a implantação do SUDS na Capital.000 pessoas. com o regime de co-gestão no município. atividade agrossilvopastoril e atividades relativas à prestação de serviços.

000 89. Aspectos Sociais Tabela 146 Atendimento médico na rede própria em Campo Grande – 1999-2009 Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Fonte: SESAU.2.260.br<acesso em 8.1 Assistência médico-hospitalar Um dos maiores impactos do SUS “Sistema Único de Saúde” em Campo Grande foi a expansão da cobertura de consultas médicas básicas.310 % 21.784.571 1. Desde 1998 a Prefeitura Municipal de Campo Grande vem disponibilizando recursos acima de 15% de seu orçamento global para a saúde.datasus.596.2.47 7. a partir de 2004.811/91 e em 1991 foi criado o Fundo Municipal de Saúde pela Lei n. a qual estabelece.794.31 23.537.693. 2.105 1.257. Tabela 145 Recursos próprios do Município de Campo Grande/MS. aplicados na saúde – 2003-2009 Ano 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Fonte: www.144 1.588. alterada posteriormente pela Lei n.297.58 24.432 2.0 consultas/habitante/ano em 2009.019 Capítulo 7 178 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Em 2009 foram gastos 23.gov.878 2.000 120.24 26.587. atingindo 3.036 1.272. Número de atendimentos 1.706.153.868 147. o mínimo de 15% de participação do orçamento dos municípios nos recursos destinados à saúde.286.276 170.79 27.162 1.555 1.6.47% do orçamento da Prefeitura.287.841 1.2010> (1) em reais.306 163.212 2.537.49 24. 2.281.953. Valor(1) 72.277.000 116.29. cumprindo o estabelecido pela Emenda Constitucional n.72 24.404.

457 59.605 50.899 43.309 57.894 49.709 58.865 Total de internações 46.298 55. e total de internações no município – 1999-2009 Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Total de residentes 40.838 52. Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 179 .271 43.268 52.572 57.586 45.071 47.373 53.578 57.953 50.Tabela 147 Campo Grande/MS.295 49.336 46.216 46.056 Internações hospitalares de residentes (1) em Hospital Regional de Mato Grosso do Sul Fonte: Ministério da Saúde – (SIH) Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde (SUS). (1) residência declarada.347 58.

474 2008 548 160 160 103 224 321 30 16 .657 2003 540 150 160 221 298 237 25 20 .69 5.19 15.19 13.264 2001 540 144 160 221 298 193 21 20 7 12 1.51 16.77 17..586 2007 497 150 160 131 194 287 23 20 .53 9..23 13.83 2003 5.06 2002 5.84 2000 5.81 16.19 72. 12 1.80 38.07 10.43 2006 5.2. Leitos 2000 433 106 160 214 284 31 17 7 12 1.69 4.17 62.33 7.05 12..05 5.30 8.663 2004 540 150 160 221 157 286 25 20 .81 16.28 8.73 5.73 12.89 31. 12 1..66 2004 5.85 7.621 7.65 8.46 15.24 18.26 2007* 5.89 19.73 2008* 5.33 9...72 25.15 40. 12 1.15 70.93 16.55 73.39 Capítulo 7 180 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .64 40. 12 1.19 8..32 13.81 2001 5.21 13..73 8.69 48.42 4.57 9. 12 1.75 19.78 56.571 2006 550 160 160 139 213 307 25 20 .574 2009 548 170 160 103 256 321 30 21 .50 68.83 8.36 6.68 5..2 Indicadores de saúde Aspectos Sociais Tabela 149 Indicadores de saúde selecionados para Campo Grande/MS – 1999-2009 Indicadores de saúde Mortalidade geral Mortalidade infantil Mortalidade neonatal precoce Mortalidade neonatal Mortalidade pós-neonatal Mortalidade fetal Mortalidade materna Mortalidade proporcional por 50 e mais anos Natalidade Fonte: CGVS-SESAU.. 1 credenciamento não renovado.04 64.616 2002 540 144 160 221 298 237 25 20 .43 13. 12 1.69 9.59 10.25 32.116 2009* 5..04 3.68 32.51 69.68 5.67 4. 1999 5.11 2005 5.36 5..56 6.35 4. 2 não cadastrado no SIH. 12 1.18 5.. 12 1.72 70.99 5.49 69.58 17.22 16.98 6.571 2005 540 150 160 221 157 286 25 20 .91 3.90 32..28 8.76 68.40 7.72 4.Tabela 148 Leitos por hospitais credenciados no SUS.56 10. * dados sujeitos a alterações. Campo Grande/MS – 2000-2009 Hospitais Sociedade Beneficiente de Campo Grande Associação de Amparo à Maternidade e a Infância Hospital Nosso Lar Hospital São Julião Hospital Universitário da UFMS Hospital Regional de Mato Grosso do Sul Hospital do Câncer Hospital Dia – CEDIP Hospital Geral de Campo Grande (exército)¹ Hospital da Mulher ² Total Fonte: CCA/SESAU/PMCG.41 17.77 6...29 14.22 12.16 10.08 65.09 7.58 71.60 12.69 8.37 11.36 17.36 14.12 10.

7.50 100 94. Campo Grande/MS.3 Cobertura vacinal Tabela 150 Cobertura vacinal em menores de 1 ano.65 95 94.87 90 98.14 100 91.2.82 95 107.56 95 2009 103.2.67 95 95.49 100 99.75 95 2007 96.05 95 86. 2005-2009 (%) Vacinas Antipólio BGC Febre Amarela Hepatite B Rotavirus Tetravalente Tríplice viral Fonte: CGVS/SESAU.09 95 99.99 100 94.34 95 100.59 100 92.64 95 81. Todas são consideradas evitáveis em graus variados.75 95 94.61 95 84.09 95 91.88 95 91.51 95 2006 92.74 100 92.13 100 101.96 100 87.21 90 99.88 100 87.21 100 92.92 95 2008 91. Cobertura vacinal Atingida Meta Atingida Meta Atingida Meta Atingida Meta Atingida Meta Atingida Meta Atingida Meta 2005 99.13 95 7. Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 181 .64 95 105. os tumores e as chamadas causas externas (mortes por acidentes ou violência).61 95 106.56 95 99.4 Mortalidade Os três primeiros grupos de causas mais frequentes são as doenças do aparelho circulatório.14 90 93.45 100 104.82 95 86. inclusive os tumores que a exemplo do câncer de pulmão poderia ser prevenido com a redução ou supressão do tabagismo.

68 15.18 4.58 100.81 10.16 0.76 15.23 4.46 5.23 2.01 0.148 364 173 12 10 70 7 90 % 4.61 0.28 1.50 1.0 Fonte: Sistema de Informações sobre Mortalidade.63 4.00 32.03 59 1.0 32 553 3.83 18.00 29.63 0.30 100.33 0.70 0.22 3. deformidades e anomalias cromossômicas Sintomas.10 0.37 2.08 0.14 0.626 5.43 0.36 0. órgãos hematológicos e transtornos imunitários Doenças endócrinas nutricionais e metabólicas Transtornos mentais e comportamentais Doenças do sistema nervoso Doenças do ouvido e da apófise mastóide Doenças do aparelho circulatório Doenças do aparelho respiratório Doenças do aparelho digestivo Doenças da pele e do tecido subcutâneo Doenças do sistema osteomuscular e tecido conjuntivo Doenças do aparelho geniturinário Gravidez.00 29.78 0.38 11.66 17.05 29.91 15.13 2.53 0.97 0.52 2.45 100.13 Nº 159 730 18 209 29 94 0 1.62 0.58 1.609 2.34 0.17 0.54 0.0 26 583 3.31 100.45 1.183 0.00 30.19 2.0 59 509 3.81 2.00 30.00 30.18 46 1.60 2.59 1. parto e puerpério Algumas afecções originadas no período perinatal Malformações congênitas.62 56 1.00 30.69 5.45 0.84 2.33 100.57 14.26 0.22 0.63 16.82 10.70 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007* 2008* 2009* Aspectos Sociais 46 1.0 75 538 3.91 0.03 0.17 2.32 10.48 1.14 3.059 0.13 2.40 5.94 0.08 0.52 2.230 0.08 4.36 4.77 10.67 100.09 4.70 9.20 2.93 14.267 528 199 10 20 100 9 72 % 3.0 20 572 4.85 14.54 0.40 0.053 371 178 9 9 89 8 135 % 4. CID 10) Algumas doenças infecciosas e parasitárias Neoplasias (tumores) Doenças do sangue.88 1.29 Nº 158 687 7 157 32 88 0 1.463 2.33 0.923 0.63 2.21 2.10 42 1.58 5.96 13.61 0.99 4. CEPI.970 0.67 14.84 0.86 0.59 4.94 0.04 10.53 1. SESAU (1) capítulo da 10ª Classificação Internacional de Doenças (CID 10).59 45 1.13 0.10 42 1.15 18.49 Nº 175 667 26 193 25 86 0 1.07 47 1.56 0.51 19.72 Nº 170 541 16 178 20 56 0 1. 190 419 225 14 21 99 4 96 % 4.255 379 185 10 24 86 8 81 % 4.25 2.72 15.Tabela 151 Mortalidade por grupos de causas(1) mais frequentes em Campo Grande/MS – 1999-2009 1999 Grupos de causas (cap.52 Nº 176 725 23 203 26 94 0 1.0 37 579 3.39 202 532 3.35 0.34 0.0 30 640 4.809 0.26 0.27 56 1.98 0.21 0.00 31. Capítulo 7 182 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .31 0.19 0.07 0.76 0.36 5.57 5.59 0.73 100.60 0.60 5.95 9.0 92 531 3.80 3.20 42 1.67 2.74 2.21 1.08 14. sinais e achados anormais em exames clínicos e laboratoriais Causas externas de morbidade e mortalidade Total Nº 168 593 23 148 18 44 0 1.66 15.11 16.04 0.05 18.26 0.25 0.79 0.62 0.91 100.95 12.523 1.00 31.02 0.03 0.209 431 180 5 19 70 9 99 % 4.43 18.0 39 567 4.53 Nº 183 779 24 201 33 121 2 1.79 3.79 10.52 100.37 Nº 162 785 27 238 34 128 0 1.04 100.75 Nº 153 642 14 185 31 54 0 1.10 2.755 0.47 13.99 0.69 0.48 4. * Dados sujeitos a alterações.34 18.64 5.11 0.262 400 196 5 18 79 5 95 % 4.0 30 590 3.24 0.26 0.46 5. CGVS.40 10.24 4.95 4.65 2.37 0.47 2.11 0.14 0.44 0.00 31.063 320 172 6 18 88 5 130 % 4.12 0.97 100.92 Nº 169 616 23 190 19 58 0 1.179 397 189 6 22 69 5 86 % 4.32 5.271 475 210 18 25 84 7 106 % 4.64 5.39 Nº 172 674 25 238 33 129 0 1.25 45 1.25 0.29 0.13 0.95 0.084 365 162 12 13 74 7 103 % 4.68 17.

90 23.80 0.609 2002 % 4.00 0.76 Conf.0 Nº 173 37 130 850 2.27 1.059 2008* % 4.482 4 3.97 8.87 21.626 % 6.00 100.11 100.32 71.18 1.19 0.110.43 4.13 49.00 1.16 3.15 0.54 0.00 37.13 321.00 0.939 6 4.39 34.000 nascidos vivos e a Hanseníase que é por 10.81 Incid.06 100.60 11.10 100.² 6 79 0 0 6 149 85 178 28 14 158 4 36 1 0 31 315 1 336 Conf.73 21.26 3.01 3.52 42.36 0.0 Fonte: Sistema de informações sobre mortalidade.14 0.08 22.523 2001 % 5.01 0.0 Nº 170 29 116 799 2.14 25.00 Fonte: SINAN/SVE/CEPI/CGVS/SESAU/Prefeitura Municipal de Campo Grande-MS.384 2 3.78 1.81 0.85 2.00 0.14 28.45 17.39 254.778 1 3.0 Nº 167 40 122 815 2.96 22.03 100.61 21.38 0.¹ 1 2.949 0 0 6 147 104 150 30 17 141 2 30 0 0 39 195 3 266 2006 Conf.809 2004 % 4.99 11.463 2000 % 6.80 20.122 2 4.78 14.53 4.81 1.54 0.26 1.00 2.24 0.² 2.59 0.000 habitantes a exceção da Sífilis Congênita que é por 1.41 0.60 2.98 70.87 14.30 100.93 0.67 13.58 68.50 0.00 0.13 0.11 20.22 15.00 0.46 0.86 2. Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 183 . Campo Grande/MS – 2005-2009 2005 Doença Coqueluche Dengue Difteria Doença de Chagas (casos agudos) Doença Meningocócica/outras Meningites Hanseníase Hepatite B Hepatite C Infecção pelo HIV (gestantes/criança) Leishmaniose Tegumentar Americana ³ Leishmaniose Visceral Leptospirose Malária (em área não endêmica) ³ Rubéola Sarampo Sífilis congênita Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Tétano acidental Tuberculose Incid.68 2.¹ 16 214 0 0 2 140 108 132 32 12 157 2 16 4 0 28 222 1 370 2008 Incid.1943/GM/MS de 18/10/2001.27 2.05 100.14 0.86 19.78 0.87 73.0 1.Tabela 152 Mortalidade proporcional por faixa etária.79 2.52 Conf.¹ 19 32.80 1.89 0.21 20.¹ 0.80 10.425 0 0 6 167 157 181 22 17 126 2 23 0 0 42 240 1 370 2009 Incid.0 Nº 164 38 120 822 2.92 13.95 22.11 20.83 4.74 10.77 70.00 0. CEPI/CGVS/SESAU.00 3.35 2. 3 Importado.923 2005 % 4.² 0.642 0 3.0 Nº 170 31 107 815 2.02 2.03 100.404 2 3. 1 Confirmado clínica e/ou laboratorialmente. * Dados sujeitos a alterações.22 18.13 49.00 3.81 18.48 1.19 29.00 0.02 3.95 65.15 100.755 2003 % 4.² 2.75 0.51 0.77 0.79 2.69 0.000 habitantes.¹ 0.34 0. Campo Grande/MS – 1999-2009 Faixa Etária < 1 ano 1 – 4 anos 5 – 19 anos 20 – 49 anos 50 e + Ignorado Total 1999 Nº 230 30 148 832 2.41 Conf.89 69.0 Nº 153 36 119 798 3.92 1.0 Nº 214 40 135 823 2.71 0.96 20.01 0.71 0.0 Nº 193 36 104 784 2. *Doenças relacionadas na Portaria n.087 0 0 2 139 111 118 21 16 147 0 15 13 0 24 160 0 292 2007 Incid.07 0. Tabela 153 Casos confirmados e incidência das doenças de notificação compulsória*.06 100.54 0.43 0.25 68.79 23.0 Nº 173 26 142 826 2.20 21.989 4 4.00 0.00 0.69 69.81 0.230 2009* % 3.05 0.59 19.247 4 3.05 18.12 100.² 3 1.183 2007* % 4.00 0.88 3.00 0.00 2.816 12 3.77 64.610 1 3.26 1.13 44.62 0. 2 Incidência por 100.970 2006 % 4.64 0.00 0.48 0.26 3.68 3.38 1.34 23.92 0.68 72.69 0.12 7.39 31.67 0.37 1.25 16.71 2.83 0.0 Nº 174 24 111 833 2.

2116 R. 71 Tv. 25 Av. s/n R. Vicente Fragelli UBSF Dr. Raquel de Queiroz. Ponce. Edson Quintino Mendes UBSF Maria Aparecida Pedrossian CAPS Pós Trauma – CAPPT Centro de Atenção Psicossocial . Astrogildo Carmona UBS Dr.HM UBS Dr. 366 Tv. s/n R. 44 Tv. Antônio Pereira . Francisco Chaves. Marquês de Olinda. Sebastião Lima. João Pereira da Rosa Distrito Sanitário Sul Policlínica Odontológica CAIC Policlínica Odontológica Kalil Rahe Serviço de Atendimento Móvel de Urgências . s/n R. Celso Lacerda de Azevedo UBS Dr. José Nogueira Vieira.CAPS AD Centro de Atenção Psicossocial .5 Unidades de saúde Tabela 154 Unidades de saúde. Walfrido Azambuja UBSF Dra. s/n R. Sen. 284 R. Filomena Segundo Nascimento. Guia Lopes.CAPS II Centro de Atenção Psicossocial Infantil .Aero Rancho UBS Dr. Germano Barros de Souza . Olímpio Cavalheiro . s/n R.CEON Centro Especializado Municipal Pres.2. s/n R. São Cosme e Damião. 322 R. s/n R. Antônio Pereira .CAPS III Centro de Controle de Zoonozes Dra.SVO UBS Dona Neta . s/n R. Benjamim Asato UBSF Dr. Wagner Jorge Bortotto Garcia .Vó Honória Martins Pereira . Enio Cunha CRS Dr.Dra. Guaicurus. dos Cafezais. 812 Av.CEAM Centro de Atendimento Básico em Oncologia . Cora.Tiradentes UBS Dr.Guanandi UBS Dr. Germano Barros de Souza UBS Dr. s/n R.Moreninha III Distrito Sanitário Leste Hospital da Mulher . Santa Quitéria. Sôni Lydia Souza Wolf UBSF Los Angeles UBSF Mauro Rogério de Barros Vanderley UBSF Paulo Coelho Machado CEO II . s/n R. Marcílio de Oliveira Lima . Evelina Selingardi. 568 R. 1323 R.Moreninha III UBS Dr. Jânio da Silva Quadros . 71 Tv. Filinto Müller. Guia Lopes. 71 Tv. do Hipódromo. José Nogueira Vieira. Guia Lopes. Anacá.Mário Covas UBSF Dr.7. Guarabu da Serra. 1530 R. Casa Paraguaia.CEM Centro Ortopédico Municipal . Ana Luiza de Souza. 71 R. s/n R. Manoel da Costa Lima. 1601 Av. s/n R. Raquel de Queiroz. Filinto Müller. Monte Pascoal. s/n R.SAMU Serviço de Verificação de Óbito . 280 Identificação nos Mapas 23 e 24 Bairro Aero Rancho 112 Pioneiros 27 40 Guanandi Aero Rancho 39 Pioneiros 98 Aero Rancho 79 Centro Oeste 111 Pioneiros 99 Parati 80 Guanandi 72 Pioneiros 16 Aero Rancho 73 Piratininga 8 Piratininga 95 Lageado 65 Alves Pereira 7 87 Centro Oeste Alves Pereira 15 36 Centro Oeste Los Angeles 86 109 Centenário 85 Centro Oeste Moreninha 34 Tiradentes 44 Universitário 42 Moreninha 43 Jardim Paulista 101 Moreninha 31 Tiradentes 78 Jardim Paulista 17 77 Universitário Moreninha 76 Moreninha 14 89 Universitário Maria Aparecida Pedrossian 22 107 São Bento Bela Vista 105 Planalto 108 Jardim dos Estados 100 28 São Francisco 30 São Francisco 13 São Francisco 26 São Francisco 104 São Francisco Jardim dos Estados 113 Continua Anhanduizinho Aspectos Sociais Bandeira Centro Capítulo 7 184 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Guarabu da Serra. David Correia Leite. Sen. Urubupunga. s/n R. Maria de Lourdes Massaco Minei CRS Dr. 3272 R. Marquês de Olinda. 1601 R. Guia Lopes. 383 R. 71 Tv.Universitário CRS Dr. serviços de referência e outros serviços da rede de saúde na zona urbana e rural – Campo Grande/MS – 2009 Região Urbana Unidade Centro de Atenção Psicossocial . João Pereira da Rosa .Cohab UBSF Dr. Manoel Padial. Bahia. Jorge David Nasser UBS Nova Esperança UBSF Dr. Leandro da Silva Salina. Sen.CENORT Disk AIDS Disk Saúde Endereço R. 2697 R. Sen. s/n Av. 100 R. s/n Av.CCZ CRS Dr.Tiradentes CRS Dr. Jaguariúna. Rita de Cássia Salmazo . Raquel de Queiroz. s/n R. s/n Av. Joaquim Murtinho. 685 R. Anhumas. 1786 R.Samuel Chaia Jacob Centro de Atendimento à Mulher . dos Cafezais. Filinto Müller. Fraiburgo. s/n R. Judson Tadeu Ribas . Guia Lopes. Ana Vani. Catiguá. 543 Av. s/n Av.

Tordesilhas. Marechal Hermes. s/n Av. s/n R. Vicente Pinzon. Ilha de Marajó. Alberto Jinsun Minei . Gal.CAPS II Centro de Atendimento ao Escolar Dr. Apiacás. Mariano Chiad UBS Coronel Antonino UBS Dr.km 35 -Saída p/ Rochedo Bairro Centro Jardim dos Estados São Francisco Planalto Panamá Santo Amaro Sobrinho Santo Antonio Santo Amaro Núcleo Industrial Popular Santo Antônio Sobrinho Nova Campo Grande Popular Panamá Coophavila II São Conrado Caiçara Coophavilla II Leblon Leblon Caiobá São Conrado Tarumã Autonomista Autonomista Autonomista Novos Estados Novos Estados Novos Estados Noroeste Autonomista Novos Estados Mata do Jacinto Estrela Dalva Margarida Monte Castelo Coronel Antonino Coronel Antonino Nasser Coronel Antonino Nova Lima José Abrão Nova Lima Seminário Nasser Seminário Coronel Antonino Distrito de Rochedinho Distrito de Anhanduí Zona Rural Zona Rural Identificação nos Mapas 23 e 24 12 114 18 88 116 41 97 93 103 67 2 4 10 3 96 91 38 35 6 75 5 1 74 90 92 115 20 19 24 46 102 83 29 70 23 110 32 33 37 71 11 21 25 9 82 106 84 94 45 63 64 66 68 Centro Imbirussu Lagoa Segredo Rochedinho Anhanduí Rural Fonte: SESAU. 183 Av. Márcia de Sá Earp . Guinter Hans . s/n R. Tordesilhas. 1 R. Nosso Senhor do Bonfim. Bento Assis Machado Centro de Saúde de Três Barras Centro de Saúde Aguão Endereço Av. s/n R. Milton Kojo Chinen UBS Dr.Zé Pereira CRS Dr.Coophavila II Policlínica Odontológica Dr. William Macksoud UBS São Francisco UBSF Dr. Rudá Azambuja Santos UBS Dr. Roger A. Ministro José Linhares. Principal. do Seminário. Pampulha. Marly Anna Tatton Berg Gonçalves Pereira Policlínica Odontológica Dr. s/n Av. Amélio Carvalho Baís. Wilson Mangini Marques.SESAU UBS 26 de Agosto Dr.UCDB R. Nuremberg. Nosso Senhor do Bonfim.Vila Almeida Distrito Sanitário Oeste Policlínica Odontológica Prof. Tamandaré. Fanorte s/n R. João Miguel Basmage UBSF Dra. José Soares de Araújo. Mestre Valentin.Saída p/ SP BR 080 . Ademar Guedes de Souza UBSF Dr. s/n Av. da Península. s/n R. 440 R. Dr.SEFAR UBS Nova Bahia UBSF Dr. s/n R. s/n R. s/n R. Armando Holanda. Jardim Santo Ignácio. Rui Barbosa. s/n R. s/n R. Naviraí. Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 185 Prosa . dos Narcisos. 14 de Julho. Eng. 2939 R. s/n R. Rio Galheiros. Dr. dos Coqueiros. s/n R. dos Narcisos. Alfredo Neder . s/n R. Panamá. 660 R. 51 Rodovia MS 040 . Dom Sebastião Leme. Mário Gonçalves da Costa Lima UBS Dr. 459 R. Nosso Senhor do Bonfim.1 lt. s/n R. s/n R. s/n Travessa Guia Lopes. 728 Av. s/n R. Terlita Garcia. s/n R. Dr. Alessandro Martins – Vila Almeida S Dr. Torquato Neto. s/n R. Waldeck Fletner de Castro Maia . s/n q. Jair Garcia de Freitas UBSF Corumbá UPA Dr. Calógeras. Alberto Carlos de Mendonça Lima. s/n R. Hélio Yashiacki Ikeziri Policlínica Odontológica Dr. Albino Coimbra Filho UBS Dr. Itambé. Dalila Siqueira. 427 R. 859 R.Nova Bahia Distrito Sanitário Norte UBSF Jardim Noroeste Serviço de Farmácia da SESAU . Hamlet. 19 R. Ivan Hidelbrand da Costa UBSF Maria de Lourdes dos Santos . Buainain UBS Dr. 280 R. Sumie Ikeda Rodrigues UBSF Herberto Calado Rebelo UBSF Jurandir de Castro Coimbra . s/n R.Nova Lima UBSF Mestre José Alberto Veronese UBSF Nossa Senhora das Graças UBSF São Benedito UPA Coronel Antonino UBS Dr. José Gilberto Abuhassan . 660 Av. 6000 . s/n R. Hirose Adania UBS Dr. Jaime Ferreira de Vasconcelos.Continuação Região Urbana Unidade Laboratório Central Municipal Dr. Vespasiano Barbosa Martins UBS Dra. Elias Nasser Neto (Lilito) UBSF Dra. s/n R. Antonio de Morais Ribeiro.CAE Centro de Doenças Infecto-Parasitárias . Dr. Manoel Secco Tomé UBS Dr.LABCEM Secretaria Municipal de Saúde . Ida Bais. Eleonora Moura Quevedo Gomes UBS Nicolau Fragelli UBSF Dra. s/n R.Coophavila II UBS Dr.19 R. Vital Brasil. Nosso Senhor do Bonfim.km 10 . 28 R. Meireles. s/n R. Meireles. dos Recifes. s/n R.CEDIP CRS Dr. s/n Av. Delmiro Gouveia. s/n R. Bahia. 4670 R. s/n Av.Portal Caiobá UBSF São Conrado UBSF Tarumã Almoxarifado da SESAU Centro de Atenção Psicossocial . 736 R. Naviraí. Alberto Neder UBS Dr. Antonio José Paniago . 41 R.

Córrego Distrito Sanitário CRS.2009 25 SEGREDO 106 82 70 102 46 24 9 11 21 37 94 91 116 96 2 3 4 93 103 84 45 33 41 88 97 10 108 28 26 104 18 13 30 23 71 29 19 20 115 32 110 PROSA CENTRO 12 100 105 113 114 6 1 5 90 35 40 72 95 79 8 17 101 22 107 78 44 83 IMBIRUSSU 67 LAGOA 80 98 27 99 16 BANDEIRA 77 42 15 89 74 112 39 73 109 ANHANDUIZINHO LEGENDA Região Urbana Bairro Malha Urbana Rio. UPA . Policlínica e Centro de Saúde Unidade de Referência 38 75 92 65 86 7 87 36 111 85 34 14 31 43 76 Sem Escala Fonte: SESAU .Mapa 23 REDE FÍSICA DE SAÚDE . UBSF.24 horas UBS.

2009 ROCHEDO DISTRITO DE ROCHEDINHO 68 63 JARAGUARI TERENOS CAMPO GRANDE SEDE BR-262 66 RIBAS DO RIO PARDO BR-163 SIDROLÂNDIA DISTRITO DE ANHANDUÍ 64 LEGENDA Limite de Município Perímetro Urbano Estrada Vicinal UBS .Mapa 24 REDE FÍSICA DE SAÚDE .Unidade Básica de Saúde Centro de Saúde NOVA ALVORADA DO SUL Sem Escala Fonte: SESAU .ÁREA RURAL E DISTRITOS .

7.3 Assistência Social A Secretaria Municipal de Políticas e Ações Sociais e Cidadania – SAS, órgão de atuação programática, criado através da Lei n. 4.722 de 1º de janeiro de 2009, tem por finalidade, no âmbito do Poder Executivo Municipal, a gestão plena da Política de Assistência Social, em cumprimento com suas responsabilidades organiza o Sistema Municipal de Assistência Social, previsto na Constituição Federal de 1988 e na Lei n.8.742/93 - Lei Orgânica da Assistência Social – LOAS, se estruturando conforme estabelece a Política Nacional de Assistência Social e a Norma Operacional Básica NOB/SUAS, de 2005. A Assistência Social ganha status de política pública, como parte integrante da Seguridade Social. A Política de Assistência Social objetiva:

- Prover serviços, programas, projetos e benefícios de proteção social para famílias, indivíduos e grupos que dele necessitem; - Contribuir com a inclusão e a equidade dos usuários e grupos específicos, ampliando o acesso aos bens e serviços socioassistenciais básicos e especiais, em áreas urbana e rural; - Assegurar que as ações no âmbito da assistência social tenham centralidade na família, e que garantam a convivência familiar e comunitária. A principal função da Política de Assistência Social é garantir os direitos de Proteção Social Básica e Especial a grupos da população em situação de vulnerabilidade pela pobreza e pela exclusão, ofertados por meio de conjuntos articulados de ações públicas e privadas de forma integrada com as demais políticas públicas.

Capítulo 7
CEINF Carlos Nei Silva

Aspectos Sociais
188 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010

Tabela 155 Rede Socioassistencial – 2009
Tipificação de serviços Quant Serviços de Proteção Social Básica Serviço de Proteção e Atendim ento Integral à Família - PAIF Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Serviços de Proteção Social Especial de Média Complexidade Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos – PAEFI Serviço Especializado em Abordagem Social Serviço de Proteção Social a Adolescentes em Cumprimento de Medida Socioeducativa de Liberdade Assistida - LA, e de Prestação de Serviços à Comunidade –PSC Serviço de Proteção Social Especial para Pessoas com Deficiência, Idosos(as) e suas Famílias Serviço Especializado para Pessoas em Situação de Rua Serviços de Proteção Social Especial de Alta Complexidade Serviço de Acolhimento Institucional, na modalidade abrigo institucional Serviço de Acolhimento Institucional, na modalidade casa lar Serviço de Acolhimento Institucional, na modalidadecasa de passagem Serviço de Acolhimento Institucional, na modalidade residência inclusiva Serviço de Proteção em Situações de Calamidades Públicas e de Emergências Fonte: SAS. Nota: Ind – indeterminado. 63 7 25 1 14 1 5 1 ONG Cap. 12.410 Ind 4.888 Ind 794 90 310 8 Prefeitura Municipal Cap. Quant. 19 51 2 2 3 1 1 1 1 19.000 10.493 Ind Ind Ind Ind 20 100 Ind Serviços Governo Estadual Cap. Quant. 4 2 1 2 3 295 Ind 37 31 10 Total Quant. 19 118 11 2 3 26 2 17 1 6 4 1 Cap. 19.000 23.198 Ind Ind Ind 4.925 Ind 845 90 410 18 Ind

Tabela 156 Evolução do atendimento à criança e ao adolescente – 1997-2009
Ano 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Assistência à criança e ao adolescente de 6 a 15 anos 1.810 2.060 2.450 2.690 2.885 3.475 3.450 4.210 4.580 3.900 3.900 3.900 4.200 Protagonismo juvenil 150 750 1.470 1.470 1.020 1.120 1.120 bolsistas 580 ouvintes 1.120 bolsistas 580 ouvintes 1.325 bolsistas 53 grupos 1.253 adolescentes Erradicação do Trabalho Infantil – PETI Zona Urbana Zona Rural 315 472 1.794 2.076 2.376 2.376 2.326 2.326 1.755 1.329 1.143 413 20 20 20 25 25 25 25 25 8 8 8 -

Fonte: SAS.

Capítulo 7

Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010

189

Aspectos Sociais

A Proteção Social Básica (PSB) tem como público referenciado famílias e indivíduos em situação de vulnerabilidade social, decorrente de: - pobreza; - privação ou ausência de renda; - acesso precário ou nulo aos serviços públicos; - vínculos afetivo-relacionais e de pertencimento social fragilizados e - situações de discriminação etária, étnica, de gênero ou por deficiências, entre outros. Os Serviços de Proteção Social Básica tem por objetivo prevenir situações de risco, por meio do desenvolvimento de potencialidades e aquisições e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários. Estão organizados nos seguintes serviços: Proteção e Atendimento Integral à Família – PAIF (acolhida, atendimento social e/ou acompanhamento familiar, encaminhamentos, visitas domiciliares e concessão de benefícios), Convivência e Fortalecimento de Vínculo (por faixa etária, intergeracional ou situações de interesse), Inclusão Produtiva e Digital, em: 19 (dezenove) Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), 4 (quatro) Unidades Descentralizadas de Assistência Social – UNIDAS, 1 (um) Centro Público de Atendimento a Criança e ao Adolescente, 1 (um) Banco de Alimentos/Central de Processamento de Alimentos/CPA, 1 (um) Centro de Capacitação e Formação Profissional/CECAPRO, 4 (quatro) Centros de Convivência de Idoso/CCI's e 21 (vinte e um) Grupos de Convivência de Idosos.

Capítulo 7
Centro de Convivência do Idoso Vovó Ziza

Aspectos Sociais
190

Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010

Tabela 157 Unidades de Proteção Social Básica
Região Urbana Unidades CRAS – Fauze Duailibi Amizo – Canguru CRAS – Lili Fernandes da Cunha - Jardim Moema CRAS – Prof. Mida Barbosa Marques – Guanandi CRAS – Profª. Adevair da Costa Lolli Guetti - Aero Rancho CRAS – Rosa Adri - Dom Antônio Barbosa CRAS – Los Angeles UNIDAS - Leila Jallad Dias – Botafogo Centro de Qualificação Profissional – CECAPRO CCI Edmundo Sheuneman Centro de Convivência do Idoso – CCI Jacques da Luz Serviço de Convivência para Idosos Guaicurus Serviço de Convivência para Idosos Jardim América Serviço de Convivência para Idosos Alves Pereira Serviço de Convivência para Idosos Nhanhá Serviço de Convivência para Idosos Cidade Morena Serviço de Convivência para Idosos Jockey Clube Serviço de Convivência para Idosos Marcos Roberto Serviço de Convivência para Idosos Jardim Botafogo CRAS – Alair Barbosa de Rezende - Moreninha II CRAS – Margarida Simões Correa Neder - Jardim Estrela Dalva CRAS - Teófilo Knapik – Tiradentes Centro Público de Atendimento a Criança e ao Adolescente / Bairro Itamaracá Centro de Múltiplas Referência e Convivência do Idoso – Adalgisa de Paula Ferreira – CCI Vovó Ziza Serviço de Convivência para Idosos Vila Carlota Serviço de Convivência para Idosos UBS 26 de Agosto Serviço de Convivência para Idosos Monte Carlo CRAS - Albino Coimbra Filho - Jardim Aeroporto CRAS - Severino Emperador Palazuelos - Zé Pereira CRAS - Valéria Lopes da Silva – Popular CRAS – Indubrasil Serviço de Convivência para Idosos Vila Almeida CRAS - Henedina Hugo Rodrigues - Vida Nova CRAS – Hercules Mandeta - Novos Estados CRAS – Carlinda Pereira Contar - Nossa Senhora Aparecida UNIDAS - Jardim Noroeste Banco de Alimentos/CPA/Central de Processamento de Alimentos Serviço de Convivência para Idosos Parque do Sóter Serviço de Convivência para Idosos Vila Margarida Serviço de Convivência para Idosos São Caetano CRAS – São Conrado CRAS - Vila Gaúcha UNIDAS - Tijuca II Serviço de Convivência para Idosos Bom Jardim Serviço de Convivência para Idosos Caiçara CRAS - Vila Nasser UNIDAS - Vila Marly Centro de Convivência do Idoso – CCI Elias Lahdo Serviço de Convivência para Idosos São Benedito Serviço de Convivência para Idosos José Abrão Serviço de Convivência para Idosos Estrela do Sul Endereço Rua dos Topógrafos, 1175 – Jardim Canguru Rua Aracy Pereira Matos, 17 – Jardim Moema Rua Itaguassu, 7 – Guanandi Rua Globo de Ouro, 862 – Núcleo Habitacional Aero Rancho IV Rua Lúcia dos Santos, 460 – Dom Antônio Barbosa Rua Artur Pires, 885 – Jardim Los Angeles Rua Elvis Presley, 500 – Jardim Botafogo Rua Evelina Sellingardi, 1440 – Parque do Sol Av. Manoel da Costa Lima, 1.200 – Vila Piratininga Rua Barreira, esq. com r. Copaíba – Moreninha II Complexo Parque Jacques da Luz Rua Elesbão Murtinho, 645 (Assoc. Moradores) Rua Fernando Augusto Corrêa da Costa, 159 Rua Agostinho Bacha, s/n (Igreja São Vicente de Palotti) Rua Montevidéu, 86 (Assoc. Papiloscopistas) Rua Firminópolis esq. com r. Minas Novas (Centro Comunitário) Rua Ouro Verde, 1153 (Centro Comunitário) Rua Ceres, 208 (Igreja Santa Terezinha) Rua Canabras, s/n Rua Pariris, 330 – Vila Moreninha II Rua Palmeiras s/n. – Estrela Dalva Rua João Casemiro, 466 – Tiradentes Rua Deocleciano D. Bagagem esq. c/ r. Georgina Pereira Barbosa – Jd Itamaracá Rua Joaquim Murtinho, 1.560 – Tiradentes Rua da Coroa, 239 (Centro Comunitário) Rua Rui Barbosa, 4670 – Bairro São Francisco Rua Minas Gerais (Igreja São Sebastião) Rua Rio Galheiro, 470 – Jd. Aeroporto Rua Itaporanga, 107 – Zé Pereira Rua Marçal de Souza, 25 Bl. 11 – Vila Popular Rua Galo Campina, 134 – Vila Manoel Seco Thomé RuaPresidente Rodrigues Alves, 815 Rua Jacy Maria de Azevedo Moro, 164 – Vida Nova I Rua Cataguases, 722 – Novo Pernambuco Rua Kamie Simabuco, 8 – Nossa Senhora Aparecida Rua Uruapes, 142 – Jardim Noroeste Rua Kamiei Shimabuco, 8 – Nossa Senhora Aparecida Parque do Sóter Rua Sóter Araújo França, 70 RuaTeobaldo Casser, s/n Rua Livino Godoy, 777 – São Conrado Rua Beira Mar, 1186 – Vila Gaúcha Rua Piassaguaba, 11 80 – Tijuca II Rua Carnaúba, s/n (Igreja Sagrada Família de Nazaré) Rua Califórnia, s/n (Igreja Cosme e Damião) Rua Januário Barbosa, 366 – Vila Nasser Rua Sabino José Costa, 890 – Vila Marly Av. Monte Castelo, s/n. – Monte Castelo Comunidade São Benedito (Igreja Nossa Senhora do Rosário) Rua Antonio Lopes, s/n (Clube de Mães) Rua Dr. Givago, 840 (Centro Comunitário) Identificação no Mapa 25 56 57 74 3 2 109 5 59 101 125 132 133 134 135 136 137 138 139 7 62 8 128 110 140 141 142 108 121 122 123 143 60 11 9 127 55 145 144 146 58 124 1 147 148 36 6 106 151 150 149

Anhanduizinho

Bandeira

Centro

Imbirussu

Prosa

Lagoa

Segredo

Capítulo 7

Fonte: SAS.

Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010

Aspectos Sociais
191

2009 60 146 6 150 36 149 151 106 121 143 108 122 126 12 110 10 127 9 144 111 141 142 55 145 62 11 123 8 138 133 148 147 58 135 74 101 137 140 1 70 132 5 139 134 57 128 Região Urbana Córrego Malha Urbana CCI. Abrigo CRAS UNIDAS Centro Público de Atendimento a Criança e ao Adolescente CPA. SCI.Mapa 25 REDE FÍSICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL . UNELA. CMRCI CREAS. CECAPRO 124 3 56 Sem Escala 109 2 59 7 125 136 Fonte: SAS .

outras. de abandono. . situação de rua. referenciada ao CREAS. em: Média Complexidade . com serviços de: Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos – PAEFI.destinado as famílias e indivíduos com direitos violados cujos vínculos familiares e comunitários ainda não foram rompidos. com as demais políticas públicas e com o Sistema de Garantia de Direitos. locais de referência e contra-referência com a rede de serviços Socioassistenciais.De contingência. necessitando de cuidados especializados em decorrência de deficiência ou processo de envelhecimento. necessitando de assistência integral institucional. por ocorrência.A Proteção Social Especial (PSE) tem como objetivo prestar atendimento especializado a famílias e indivíduos que se encontrem em situação: . Alta Complexidade . violência física ou psicológica. .LA. abuso ou exploração sexual. conforme grau de complexidade. cumprimento de medidas socioeducativas. trabalho infantil. Abordagem Social. Idosos(as) e suas Famílias. Esses serviços estão subdivididos. As unidades para o atendimento são 1 (um) Centro de Triagem e Encaminhamento do Migrante e População de Rua (CETREMI) e 1 (um) SOS Abrigo. Os serviços são realizados nos 2 (dois) Centros de Referência Especializados em Assistência Social – CREAS e 1 (uma) Unidade de Liberdade Assistida (UNELA). e de Prestação de Serviços à Comunidade – PSC. Especializado para Pessoas em Situação de Rua.proteção integral a pessoas que se encontram sem referência e/ou com laços familiares rompidos. Proteção Social Especial para Pessoas com Deficiência.De risco pessoal e social ou violação de direitos. Destaca-se a importância das parcerias com Organizações Não-Governamentais – ONG's que possibilitam aquisições de serviços para o abrigamento de crianças e idosos. Proteção Social a Adolescentes em Cumprimento de Medidas Socioeducativas de Liberdade Assistida .

Atendimentos emergenciais com kits de vestuário.Veraneio 7.1 Fundo de Apoio à Comunidade – FAC O Fundo de Apoio à Comunidade realiza ações visando o atendimento à população carente de Campo Grande. eletrodomésticos entre outros. roupas. s/n. .Bazar de Natal. buscando assim reduzir a situação de vulnerabilidade de diversas famílias. 49 .UNELA Endereço Rua Arquiteto VilanovaArtigas. r. para famílias em situação de vulnerabilidade.Aero Rancho Rua São João Bosco.Cetremi Endereço Rua 114.Tabela 158 Unidades de Proteção Social Especial de Média Complexidade Região Urbana Anhanduizinho Segredo Centro Fonte: SAS Unidade CREAS Nelly Baís Martins – Aero Rancho CREAS Luiza Paurá Peres – Monte Castelo Unidade de Liberdade Assistida .esq.V. . . recebidos em doação.Nova Campo Grande Rua Desbarrancados. 140 . calçados.distribuição de brinquedos.Campanha do Natal . Planalto Tabela 159 Unidades Proteção Social Especial de Alta Complexidade Região Urbana mbirussu I Bandeira Fonte: SAS Unidade SOS Abrigo Centro de Triagem e Encaminhamento do Migrante e População de Rua . 283 . . Aspectos Sociais Capítulo 7 Das ações realizadas em 2009 destacam-se: . Carlos Drumond de Andrade . Fonte: FAC Inauguração Instituto Mirim de Campo Grande 194 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .Arrastão da sociedade em parceria com a Águas Guarirobas e sociedade – Peças de vestuários.Monte Castelo Rua Antonio Maria Coelho. .Campanha do Agasalho – Distribuição de cobertores. – Parque dos Poderes – B.11ª Feijoada do FAC.3. . utensílios e móveis. Nessas ações conta com o apoio da comunidade e de parceiros que ajudam com doações alimentos.

000 Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 195 .2 Instituto Mirim de Campo Grande – IMCG O Instituto Mirim de Campo Grande (IMCG) é uma organização não governamental (ONG). Trabalha no sentido de preparar o jovem para a participação e responsabilidade social.3. desenvolve um trabalho com os adolescentes e suas famílias no sentido de assumir uma postura ética e de valores em todas as atividades desenvolvidas. Junto à preparação para o trabalho. com adolescentes do IMCG Atividades Realizadas Semana da Saúde – uma por semestre Semana do trabalho – uma por semestre Gincana Cultural – uma por semestre 6º e 7º Encontro de Doação de Sangue – um por semestre Homenagem aos mirins trabalhadores com excelente desempenho e chefias II Ação Mirim Direito a Cidadania e Inclusão Digital . transformando-o em agente e sujeito do fortalecimento dos movimentos sociais.907 2. visando sua inserção no mercado de trabalho.Atendimento aos Jovens do Curso de Formação do Instituto Iakimori Oshiri Campeonatos e Concursos IV Torneio de Intervalo masculino / feminino I Copa Mirim / Trabalhadores Processo Seletivo para 2010 Candidatos Dentro dos critérios Selecionados Fonte: IMCG. Visitas e Atendimentos Realizados Encontros realizados com pais dos alunos (número de encontros) Visitas domiciliares às famílias dos adolescentes realizadas pelo Serviço Social Atendimento/Acompanhamento aos adolescentes e/ou responsável legal realizado pelo Serviço Social Atendimentos realizados em grupo pelo Setor de Psicologia Atendimentos realizados pelo setor de Psicologia em Grupo de ADM (Acompanhamento de Desempenho Mensal) aos adolescentes trabalhadores Atendimentos individuais realizados pelo Setor de Psicologia. bem como auxiliar no seu processo educativo. Motiva os adolescentes a desenvolver a consciência e atuar como protagonistas de mudança social. buscando soluções e alternativas aos problemas existentes. o aprimoramento do pensamento crítico.CAZ Curso de Informática Inscritos no curso Concluíram o curso Fanfarra Fanfarra Simples Marcial Juvenil Curso de Música Dados do Mercado de Trabalho Empresas contratantes Mirins inseridos no mercado de trabalho Captação de novas vagas Reuniões. Fonte: IMCG Tabela 160 Atendimentos realizados pelo IMCG – 2009 Atendimentos Curso de Preparação Básica para a Prestação de Serviços Alunos matriculados no curso Desistentes e excluídos Aluno que concluíram o curso Programa de Aprendizagem Jovens preparados Sociedade Pestalozzi Atendimento a alunos especiais da Sociedade Pestalozzi de Campo Grande inscritos no curso CAZ Atendimento a alunos do Centro de Capacitação de Profissionais da Educação e de Atendimento as Pessoas com Surdez . começando por sua própria postura diante da vida. Participantes 648 32 616 47 21 1 172 127 100 60 177 956 113 14 616 6. objetivando o controle público não estatal do Estado.066 848 122 1.7. que tem por finalidade contribuir com a preparação socioprofissional do adolescente oriundo de família de baixa renda. Além disso.179 1. oportuniza aos adolescentes a participação em diversas outras atividades com o propósito de reforçar o interesse dos mesmos pelos estudos e.275 620 620 850 580 400 850 25 200 120 3. consequentemente. Norteia suas ações pelo rígido cumprimento do Estatuto da Criança e do Adolescente e da Consolidação das Leis do Trabalho e tem como objetivo principal preparar adolescentes para o primeiro emprego.

081 % 11.49 0.58 7.94 7.090 Faixa etária Até 17 anos 18 a 24 anos 25 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 64 anos 65 ou mais Ignorado Total % 1.76 31. estatutários.76.39 1. dentre outros. vegetal. temporários. avulsos.54 3.Ministério do Trabalho e Emprego Elaboração: Observatório do Mercado de Trabalho de Campo Grande – FUNSAT Nota: RAIS .66 13.900/75.185 1.99 0 100 Fonte: RAIS . estatutários.4 Trabalho Tabela 163 Trabalhadores relacionados na RAIS por gênero – 2008 Gênero Masculino Feminino Total Trabalhadores 127. assim como aos estabelecimentos relativos à atividade econômica.95 16.674 30.198 51.177 17.090 % 0.56 18. Tabela 164 Estabelecimentos por número de funcionários – 2008 Número de funcionários Nenhum Até 4 De 5 a 9 De 10 a 19 De 20 a 49 De 50 a 99 De 100 a 249 De 250 a 499 De 500 a 999 1. assim como aos estabelecimentos relativos à atividade econômica.46 0. As informações captadas sobre o mercado de trabalho formal referem-se aos empregados celetistas.33 53. extr. dentre outros. avulsos.348 1 228.18 2.43 9.645 77.40 0. dentre outros.900/75.774 228.476 813 224 147 46 27 25 0 15.783 66. com declaração anual e obrigatória para todos os estabelecimentos existentes no território nacional.654 39.560 1.26 33.Relação Anual de Informações Sociais é um Registro Administrativo criado pelo Decreto n.900/75.63 17.7.Ministério do Trabalho e Emprego Elaboração: Observatório do Mercado de Trabalho de Campo Grande – FUNSAT Nota: RAIS .729 27.05 24. As informações captadas sobre o mercado de trabalho formal referem-se aos empregados celetistas.136 2.038 325 0 228. temporários.97 0.090 % 55. com declaração anual e obrigatória para todos os estabelecimentos existentes no território nacional. As informações captadas sobre o mercado de trabalho formal referem-se aos empregados celetistas.26 15. com declaração anual e obrigatória para todos os estabelecimentos existentes no território nacional.478 1.14 8. avulsos. As informações captadas sobre o mercado de trabalho formal referem-se aos empregados celetistas.25 35.812 81. assim como aos estabelecimentos relativos à atividade econômica.900/75.Relação Anual de Informações Sociais é um Registro Administrativo criado pelo Decreto nº 76.76.000 ou mais Outros / Ignorados Total Estabelecimentos 1.Relação Anual de Informações Sociais é um Registro Administrativo criado pelo Decreto n.69 5.17 0 100 Fonte: RAIS .76. avulsos.316 100. Tabela 165 Trabalhadores relacionados na RAIS por faixa etária – 2008 Trabalhadores 2.79 5.509 55. Tabela 162 Trabalhadores relacionados na RAIS por grau de instrução – 2008 Aspectos Sociais Grau de instrução Analfabeto Até o 5ª ano Incompleto do Ensino Fundamental 5ª ano Completo do Ensino Fundamental Do 6ª ao 9ª ano Incompleto do Ensino Fundamental Ensino Fundamental Completo Ensino Médio Incompleto Ensino Médio Completo Educação Superior Incompleta Educação Superior Completa Mestrado Completo Doutorado Completo Outros/Ignorados Total Trabalhadores 416 5.31 0.04 6. dentre outros.Ministério do Trabalho e Emprego Elaboração: Observatório do Mercado de Trabalho de Campo Grande – FUNSAT Nota: RAIS .495 2.709 8. Capítulo 7 Fonte: RAIS .Relação Anual de Informações Sociais é um Registro Administrativo criado pelo Decreto n. avulsos. dentre outros.02 22. 196 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .44 29.090 % 0. As informações captadas sobre o mercado de trabalho formal referem-se aos empregados celetistas.013 70. assim como aos estabelecimentos relativos à atividade econômica.900/75. com declaração anual e obrigatória para todos os estabelecimentos existentes no território nacional.145 17. temporários. estatutários. estatutários.35 0.77 12.237 41.59 0 100 Fonte: RAIS .Relação Anual de Informações Sociais é um Registro Administrativo criado pelo Decreto n.Ministério do Trabalho e Emprego Elaboração: Observatório do Mercado de Trabalho de Campo Grande – FUNSAT Nota: RAIS .924 4.19 0. temporários.82 44. com declaração anual e obrigatória para todos os estabelecimentos existentes no território nacional.76.701 18. temporários.09 1.796 8.18 100 Tabela 161 Trabalhadores relacionados na RAIS por Setor de Atividade Econômica – 2008 Setor Administração pública Agropecuar. assim como aos estabelecimentos relativos à atividade econômica.402 11.872 35.540 0 228.Ministério do Trabalho e Emprego Elaboração: Observatório do Mercado de Trabalho de Campo Grande – FUNSAT Nota: RAIS . caça e pesca Comércio Construção civil Extrativa mineral Indústria de transformação Serviço indústria de utilidade pública Serviços Outros/Ignorados Total Trabalhadores 91 14.14 0 100 Fonte: RAIS .18 0. estatutários.

Também visa a ampliação de conhecimentos das pessoas empregadas.4. que se instalaram no Município e estão gerando novas oportunidades de trabalho.Qualificação de trabalhadores do sistema público de emprego e economia solidária. por meio do Programa de Microcrédito Produtivo e Solidário – CREDIGENTE. . atendendo as demandas reais das empresas/indústrias. . emprego e renda das pessoas. com vistas à geração de trabalho e renda.1.1 Qualificação profissional As ações de qualificação social e profissional desenvolvidas por meio do Departamento de Educação Profissional tem como foco de atuação: .Qualificação de trabalhadores – inclusão social. Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 197 . Dentro do primeiro foco as ações são direcionadas para o atendimento às demandas do mercado de trabalho local.Qualificação de trabalhadores ocupados /autoemprego.7. bem como daquelas beneficiadas pelo Programa de Desenvolvimento Econômico e Social – PRODES.1 Fundação Social do Trabalho – FUNSAT A FUNSAT realiza as suas atividades buscando aumentar as oportunidades de trabalho. proporcionando a qualificação social e profissional aos trabalhadores desocupados. 7. No segundo foco a ação de qualificação é voltada para atender as pessoas com iniciativas empreendedoras. intermediação de mão de obra e apoio às atividades empreendedoras da população. tendo como objetivos o primeiro emprego para jovens e a possibilidade de geração de renda às pessoas com poucas perspectivas de trabalho e emprego. visando a implementação e organização de pequenos negócios individuais ou coletivos. Para isso desenvolve programas de capacitação. com objetivo de manutenção de empregos.4. O terceiro foco destaca-se pela inclusão social de trabalhadores pertencentes a famílias de baixa renda e de alta vulnerabilidade social.

2.1.1 Ações de qualificação profissional 7. destinadas aos beneficiários do programa. Aspectos Sociais Tabela 167 Linhas do CREDIGENTE – 2009 Linha de Crédito Empresa instalada em Incubadora Créditos Concedidos Investimento misto (investimento fixo+capital de giro) 56 1 0 7 0 2 1 CREDIGENTE Convencional Incubadora Especial Morena Empreendedora Digital Social Aval Solidário Fonte: FUNSAT/PLANURB Capítulo 7 Destinada ao público em geral.4. constituindo-se numa poderosa ferramenta para garantir a sustentabilidade e a competitividade dos empreendimentos financiados. assim.1.4. com renda familiar de até três salários mínimos. com empreendimentos no Centro Comercial Popular. garantindo.1 Ações de assistência ao crédito Ações complementares ao crédito como a qualificação. prioritariamente aos egressos dos programas sociais do Município Destinada aos empreendedores ativos nas incubadoras da Prefeitura Destinada a pessoas físicas do setor informal da economia. o aconselhamento.2 Programa Microcrédito Produtivo e Solidário – CREDIGENTE O Programa de Microcrédito Produtivo e Solidário – CREDIGENTE foi criado em junho de 2003 com o objetivo de aumentar as oportunidades de trabalho. Tabela 166 Qualificação profissional discriminada por ações – 2009 Ação Qualificação de trabalhadores do sistema público de emprego e economia solidária Qualificação de trabalhadores ocupados /autoemprego Qualificação de trabalhadores – inclusão social Total Fonte: FUNSAT Trabalhador atendido 1.4.340 5.7. não sendo necessário a comprovação de renda Crédito 109 2 40 69 0 6 1 Capital de giro 41 1 40 62 0 4 0 Investimento fixo 12 0 0 0 0 0 0 198 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .sendo liberado o crédito em nome de um dos membros e figurando os demais como avalistas. feira central e moto-taxistas Destinada a mulheres atendidas pela Coordenadoria Municipal de Políticas para as Mulheres Destinada a aquisição de equipamentos de informática. preferencialmente as inseridas em programas sociais Destinada a grupos de produção com no mínimo 5 pessoas.1. tecnológica e de gestão. o acesso ao crédito à população até então excluída (inclusão social) e promovendo o desenvolvimento do Município de Campo Grande. a orientação técnica. emprego e renda dos trabalhadores que participaram das iniciativas comunitárias ou individuais.1.255 7. para modernização de gestão de empreendimentos de pessoas físicas e jurídicas Destinada a pessoas físicas com atividade produtiva.585 330 3.

43 190.28 23.357 4.00 875.51 Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 199 Aspectos Sociais .7 12.568 Encaminhados/ Inscritos 140.000.187 1.169.071.477.03 3.2 0.087.6 0. foi A cada 1 emprego mantido.549.4 100 2009 Valor (R$) 481.4 17.Tabela 168 Ações de assistência ao crédito – 2007-2009 Ações Consultoria pós-crédito Visita técnica Total Fonte: FUNSAT/PLANURB 7.902.6 30.3 100 Valor(R$) 544.00 6.60 1.70 156.2 100 Tabela 172 Indicadores de intermediação de mão de obra – 2009 Variáveis Inscritos Vagas 21.6 2.741 67.242.05% Indicadores Vagas/ Encaminhados/ Colocados/ Vagas Inscritos Inscritos 17.1.14% Fonte: FUNSAT/PLANURB Tabela 170 Indicadores – 2008-2009 Variáveis Atendimentos Emprego mantido Emprego gerado Proporção de emprego gerado/mantido Média de empréstimo concedido por cliente Valor total liberado pelo programa CREDIGENTE Valor total da carteira ativa Crescimento da carteira Crescimento de clientes ativos Fonte: FUNSAT/PLANURB Unidade Atendimento Unidade Unidade Unidade R$ R$ R$ % % Indicador 2008 2009 5.568 3.45 200.962 394 356 75 32 A cada 1 emprego mantido.3 Intermediação de mão de obra 2009 102 283 385 2007 219 261 480 2008 291 337 628 Tabela 171 Resultados da intermediação de mão de obra – 2009 Especificação Realização de novas inscrições Captação de vagas Candidatos encaminhados Colocação do trabalhador Apoio e orientação psicológica do trabalhador Atendimento ao trabalhador desempregado/empregado Emissão de Carteira de Trabalho Habilitação Seguro .09 novo emprego direto 3.00 10.34 3.721.0 2.547.52 1.15% Colocados/ Encaminhados 12.003.287.4.24% Colocados/ Vagas 30.376.7 22.349 316 Tabela 169 Empreendedores financiados – 2008-2009 2008 Linha Convencional Incubadora Camelódromo – Especial Gestão Digital Social Feira Central .09 novo emprego direto gerado 0.0 0.44) 0.00 3.3 44.855.0 17.01% 56.42% 248.70 7.000.5 0.43 % 55.8 0.911 29.30 (5.7 100 Quantidade 109 2 40 6 69 1 227 % 48.8 0.00 1.3 3.Desemprego Frente Emergencial – SEINTHRA Fonte: Fonte: FUNSAT Total 21.080.69 4.113 11.10 1.780 2.Especial Morena Empreendedora Moto taxista – Especial Aval Solidário Total Quantidade 120 2 1 10 138 38 309 % 38.73 % 50.753.911 Fonte: FUNSAT Encaminhados Colocados 3.839. foi gerado 0.591 12.113.113 11.6 30.591 29.83 19.892.000.23 43.9 1.105.8 0.709.000.7 0.421.9 17.00 321.

012 8 3.000 0 -2.439 1.000 12. 200 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .113 11.4.7.576 8.052 1. Segundo dados do CAGED.000 10.683 7. teria um saldo de 2.994 1.000 8.481 8.2006 . em 2006 o município teve um saldo de 1.278 7 2. O saldo em 2007.319 empregos públicos.630 empregos.759 9.059 empregos.668 488 1.886 empregos.816 2.630 1.904 9. em 2008 com saldo de 9.059 5.091 -756 101 Capítulo 7 2006 Fonte: MTE.485 4.247 10 5. e 2009 com saldo de 5.4 Realização de pesquisas sobre o mercado de trabalho O mercado de trabalho no município de Campo Grande passa por um ciclo de crescimento.115 -547 898 3 1.560 1.000 4.311 50 1.396 9 4.006 9.000 1 2009 2008 2007 2 290 3.886 1. foi 54% maior que o saldo de 2007.1.268 4.255 5 1.922 896 1.000 2.311 empregos.230 1. Fonte: FUNSAT Evolução do saldo acumulado .426 11.844 6. não fosse por isso.75% menor que o saldo de 2008.2009 14.260 5.904 2. Caged.430 6 2.000 Aspectos Sociais 6. foi 44.592 12 5. já contabilizada uma perda de 1. 5.672 6. foi 349% maior que o saldo de 2006.468 2.679 -79 771 4 1.006 empregos.805 11 6.

38 6.847 392 17.1.016 426 255 0 7.741 270 7.931 251 17.989 20.09 14. % .78 Total Admis.403 357 10.886 Variação Empr.003 1. 23 4.25 Saldo 27 638 -170 .70 -7.caged.453 11.50 3.044 Variação Empr. Transformação Serv. % 4.21 .03 3.504 Saldo 12 1.0.634 Variação Empr.57 2.197 Saldo 46 639 60 56 3.888 12 54.154 0 47.720 3.056 573 8.69 0. Pública Agropecuária Total Total Admis.776 28. Construção Civil Comércio Serviços Admin.149 451 10.653 1.64 1.00 2.972 14.278 19.210 21.31 5.0.80 0.68 .540 35.br <acesso em 07/03/2009> Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 201 .113 97.78 5. % 23.43 .857 65.476 664 2.164 2.18 14.gov.54 10. 98 6. Pública Agropecuária Total Total Admis.5.065 3 .75 2005 Atividade Econômica Extrativa Mineral Ind.884 0 50.71 6.81 13.097 318 8.1.023 179 2.087 Total Deslig.929 16 50.240 492 2.261 16.325 0 52.009 315 9.126 4.267 2. Pública Agropecuária Outros Total Total Admis.68 .2.243 2008 Saldo .64 2. 151 8.692 25 5.48 5.213 1.61 15.051 71.840 Variação Empr.831 2004 Total Deslig.25 12.16 2. 41 5.01 0.93 Total Admis.88 4.394 Total Deslig.973 1.87 .86 5.340 18.509 21.42 7.066 16.928 0 53.368 247 2.79 3.663 20.480 1.100 1.70 6.92 5.26.53 0.21 6.58 10.311 Variação Empr.53 3.854 2007 Saldo 53 1. 35 4.3.891 427 11.186 2002 Saldo 12 615 27 . Pub.66 2.141 138 1.826 1. Ind.694 403 8. Transformação Serv.998 -107 .742 12.686 154 2. Util. 97 11.841 367 9. Ind.037 24.48 .751 157 2.173 1.1. 58 5. % 4.973 37.76 .496 1.568 1.684 2009 Atividade Econômica Extrativa Mineral Ind. % 17.64 1.655 .869 2.180 Variação Empr.608 904 1.016 1.136 3.226 340 9. % 51.026 65.112 200 41 4 4.194 13.490 463 2.645 31.580 0 59.44 Total Admis. 44 14.50 Fonte: MTE – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – Lei 4923/65 http://estatistica.933 672 399 0 4.73 3. Transformação Serv.1.20.66 0.98 4.083 2006 Saldo .517 .028 18.32 4.Tabela 173 Evolução do emprego por setor de atividade econômica em Campo Grande/MS – 2001-2009 2001 Atividade Econômica Extrativa Mineral Ind.09 21.071 2.494 25.93 9. Construção Civil Comércio Serviços Admin.155 2.258 22.13 6.80 9.36 0.957 64.50 4.09 3.924 20.87 1.059 Variação Empr.52 0.627 35.37 Total Admis.83 2.86 .553 0 52.137 22.27 1.740 Total Deslig.006 Variação Empr.107 Total Deslig.915 26.383 1.226 22.864 Total Deslig.24.266 Total Deslig.125 23.319 .748 21.486 58. 31 3.56 3.808 490 13.348 13. 40 4.19 .746 94 274 1.468 285 19.289 93.360 62.98 1. Construção Civil Comércio Serviços Admin.084 .206 88.736 378 9. Pub. Util.6.83 63 1.26 4.26 .775 379 8.081 Saldo .323 226 17. 29 4.592 841 2.145 59 1. 109 4.56 .426 2003 Saldo 9 224 65 155 1.79 5.26 -1. Util.36 2.43.396 23.435 421 915 .361 17.034 109 606 1.03 4. 73 5.22 . 31 5.826 16. 45 11.433 1.25 3.302 Total Deslig.608 1.368 88.28 .66 4.921 Variação Empr.347 38.84 12. % 5.02 Total Admis.040 26.96 3.294 13.280 18. Pub.36 Total Admis.70 26.761 45 576 44 0 2.483 507 1. Ind.2.474 557 2.349 14.14 2. 63 4.49 4. % .785 250 9.55 0. 61 9.47 3.20 6. % .23 2. 94 5.548 Total Deslig.159 1.89 7.271 2.608 1.

494 675.164 Fonte: IBGE.769 1.723 72.5 Habitação Tabela 174 População residente em domicílios particulares permanentes e População residente em domicílios particulares permanentes População residente em domicílios particulares permanentes – casa População residente em domicílios particulares permanentes – apartamento População residente em domicílios particulares permanentes – cômodo Total Fonte: Sistema Nacional de Indicadores Urbanos – Ministério das Cidades.837 719.88 0.7. Contagem da População 2007. segundo o sexo da pessoa responsável pelo domicílio – Campo Grande e Mato Grosso do Sul – 2007 Estado e Município Mato Grosso do Sul Campo Grande Homens Mulheres Domicílios particulares permanentes 674.971 2.32 3.490 129.608 38.22 3. por sexo da pessoa responsável pelo domicílio Sexo da pessoa responsável pelo domicílio Estado e Município Total (1) 680.269 25. por espécie Particulares Não-ocupados Vago Total Fechado Uso ocasional 4.70 5.237.520 5.22 3.609 Mulheres 250.11 Capítulo 7 Fonte: IBGE. população recenseada nos domicílios particulares permanentes e média de moradores Tabela 176 em domicílios particulares permanentes.189 9.947 255.274 92. Nota: Nos totais municipais.095 População recenseada nos domicílios particulares permanentes 2.062 93.32 3.237.837 719. foram incluídos os domicílios fechados e a estimativa de suas populações.30 3. Domicílios particulares permanentes.708 255.645 289.871 223. (1) Inclusive os domicílios fechados com população estimada.724 32.127 % 93.737 659.22 3. Contagem da População 2007.677 129.924 População recenseada nos domicílios particulares permanentes 2. Contagem da População 2007. 202 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Loteamento Nova Jerusalém .351 Média de moradores em domicílios particulares permanentes 3. população recenseada nos domicílios particulares permanentes e média de moradores em Tabela 177 domicílios particulares permanentes. segundo a situação do domicílio – Campo Grande e Mato Grosso do Sul – 2007 Aspectos Sociais Estado e Município Mato Grosso do Sul Campo Grande Urbana Rural Domicílios particulares permanentes 674. Contagem da População 2007.239 710.786 29.218 93.854 Total 1.050 Média de moradores em domicílios particulares permanentes 3.210 Rural 3. por sexo da pessoa Tabela 178 responsável pelo domicílio. Domicílios particulares permanentes.723 551 percentuais segundo o tipo de domicílio em Campo Grande – 2000 Quantidade 617. Nota: Inclusive os domicílios fechados e a estimativa de suas populações.753 2.42 100 Tabela 175 Domicílios recenseados.871 223. segundo a situação do domicílio – Campo Grande e Mato Grosso do Sul – 2007 Domicílios particulares ocupados.374 Urbana 221.980 Estado e Município Mato Grosso do Sul Campo Grande Total 783. Homens 425.580 126.782 2.846 Total Ocupados 782. Domicílios particulares ocupados.677 220. em Campo Grande e Mato Grosso do Sul – 2007 Domicílios recenseados. por espécie.453 223 Coletivos Com morador Sem morador 748 705 126 97 Fonte: IBGE.339 106.623 222.431 Mato Grosso do Sul Campo Grande 224.239 425.10 Fonte: IBGE.

331 591.919 32.021 266 Fonte: Censos demográficos de 1980.486 18.109 4.482 887 Média mor/dom 3. Contagem da População de 1996/ IBGE e Contagem da população 2007.01 Fonte: Censos demográficos de 1980.20 3.469 2.77 3.000 4.172 346 Média mor/dom 4. Loteamento Tarsila do Amaral Tabela 180 Condição de ocupação dos domicílios segundo o Categorias Domicílios com a condição de ocupação própria já quitado Domicílios com a condição de ocupação própria em aquisição Domicílios com a condição de ocupação alugado Domicílios com a condição de ocupação cedido Domicílios com outra forma de ocupação Campo Grande 99.00 4. domicílios e média de moradores por domicílio. Contagem da População de 1996/ IBGE e Contagem da população 2007.677 220.846 3.951 2.201 Município e Regiões Urbanas de Campo Grande – 2000 Centro 12.55 3.78 3.040 Média mor/dom 3.963 4.240 1.381 251 Prosa 8.865 2.108 378 Regiões Urbanas Bandeira Anhanduizinho 15.347 4.145 1.59 Município e Distritos Município de Campo Grande Distrito de Campo Grande Distrito de Anhanduí Distrito de Rochedinho Moradores 596.520 854 1991 Domicílios 130.24 3.256 4.007 3.65 3.62 Moradores 659.104 32.899 4.635 4.00 4.693 831 238 2000 Domicílios 185. Nota: foram considerados apenas os domicílios particulares permanentes. Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 203 Aspectos Sociais .427 3. segundo o Município e Distritos de Campo Grande – 1980-2007 Município e Distritos Município de Campo Grande Distrito de Campo Grande Distrito de Anhanduí Distrito de Rochedinho Moradores 286.762 129.14 3.55 3.127 655.575 184.565 7.077 3.869 132 Segredo 13.974 156.032 3.135 5.681 1.178 2.Tabela 179 Moradores. bem como os seus respectivos residentes.21 Município e Distritos Município de Campo Grande Distrito de Campo Grande Distrito de Anhanduí Distrito de Rochedinho Moradores 714.365 969 241 Média mor/dom 4.990 1980 Domicílios 62.801 518. 1991 e 2000.776 953 245 2007 Domicílios 223. 1991 e 2000. Nota: foram considerados apenas os domicílios particulares permanentes.962 3.996 704.172 2.465 9.45 3.346 774 Média mor/dom 3.908 1996 Domicílios 157.20 3.591 230 672 Lagoa 15.605 1.391 4.56 Moradores 522.305 21. bem como os seus respectivos residentes.715 238 Imbirussu 12.629 1.827 2.

canalizada só na propriedade ou terreno Por outra forma.250 Capítulo 7 Fonte: IBGE .Censo Demográfico de 2000.167 524 85 7.Tabela 181 Moradores em domicílios particulares permanentes rurais por condição de ocupação em Campo Grande – 2000 Quantidade 1.336 21 123 5.161 77 1.238 437 11 28 476 120 12 132 Categoria Por rede geral Por rede geral.256 Categoria Próprio já quitado Próprio em aquisição Alugado Cedido por empregador Cedido de outra forma Outra forma Total Fonte: IBGE .722 2 198 198 Nº de banheiros 3 47 47 4 14 14 5 ou mais 14 14 Total 2.701 21 1.060 11 186 2. Tabela 182 Domicílios particulares permanentes rurais com abastecimento de água por número de moradores por dormitório em Campo Grande – 2000 Até 1 342 69 411 Quantidade de moradores por dormitório 2a3 Mais de 3 Mais de 1 a 2 1. canalizada só na propriedade ou terreno Por outra forma. Total Aspectos Sociais 2. canalizada em pelo menos um cômodo Por outra forma. não canalizada Total Fonte: IBGE . 204 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . canalizada em pelo menos um cômodo Por rede geral.Censo Demográfico de 2000.215 35 2.Censo Demográfico de 2000.257 Tabela 183 Domicílios rurais por tipo e número de banheiros em Campo Grande – 2000 Tipo Casas rurais Cômodos rurais Total 0 241 14 255 1 1.

312 197. por densidade de moradores por cômodo e Moradores em domicílios particulares permanentes Densidade de moradores por cômodo Densidade de moradores por dormitório Estado e Município Até 0. no município de Campo Grande e no Estado de Mato Grosso do Sul – 2000 Domicílios particulares permanentes 562.282 380.009 269.897 180.189 450. .417 171.525 Mato Grosso do Sul Campo Grande 659.815 164.613 107.613 36.165 85 2.931 1.506 185.239 378.924 128. por alguns serviços e bens duráveis existentes nos domicílios.716 22.661 Videocassete 140.137 175.699 Televisão 488.690 Micro computador 40. no município de Campo Grande e no Estado de Mato Grosso do Sul – 2000 Moradores em domicílios particulares permanentes.184 58.618 70. Censo Demográfico 2000 – Primeiros Resultados da Amostra.467 173.5 Total Mais de 0.551 81.740 Automóvel para uso particular 182.128.829 Fonte: IBGE.752 24.084 66.250 Capítulo 7 Fonte: IBGE .385 13.Tabela 184 por densidade de moradores por dormitório.051 1.627 133.126 Domicílios particulares permanentes Serviços e bens duráveis existentes nos domicílios Máquina Aparelho de ar de lavar Geladeira roupa condicionado ou freezer 492.001 Forno de microondas 66.5 a 1 Mais de 2 Mais de 2 a 3 Mais de 3 Mais de 1 a 2 Mais de 1 a 2 1 532.376 Estado e Município Mato Grosso do Sul Campo Grande Coleta de lixo 453.892 198.036.946 Rádio 480.532 76.Censo Demográfico de 2000.049 Fonte: IBGE.150 Iluminação elétrica 538.559 Linha telefônica instalada 250. Censo Demográfico 2000 – Primeiros Resultados da Amostra.783 340.983 75. Tabela 186 Anos de estudo e sexo do responsável pelo domicílio na área rural de Campo Grande – 2000 Anos de estudo Sexo do responsável pelo domicílio Homem Mulher Total Não possui instrução ou tem menos de 1 376 21 397 1 157 4 161 2 215 4 219 3 242 8 250 4 453 13 466 5 239 6 245 6 85 2 87 Possui instrução 7 8 67 124 5 4 129 71 9 20 20 10 21 1 22 11 97 8 105 12 1 1 13 8 2 10 14 12 1 13 15 19 4 23 16 21 2 23 17 8 8 Total 2.046.769 185. Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 205 Aspectos Sociais Tabela 185 Domicílios particulares permanentes.155 96.432 2.

etc. Meu Sonho Minha Casa.229 36 7. Meu Sonho Minha Casa. etc. insere-se nesta categoria: 1) O domicílio cedido por empregador: quando era cedido por empregador (particular ou público) de qualquer um dos moradores.180 509 621 6.). Meu Sonho Minha Casa. gás. neste caso.752 624 3. 2) Cedido de outra forma: quando era cedido gratuitamente por pessoa que não era moradora ou por instituição que não era empregadora de algum dos moradores. II. Meu Sonho Minha Casa. o domicílio cujo aluguel era pago diretamente pelo empregador de um dos moradores do domicílio.059 1.376 4. Aspectos Sociais Tabela 188 Programa de Arrendamento Residencial – PAR – 2005–Abril/2010 Loteamento Jardim Radialista Residencial Cedrinho Residencial Chopin Residencial Silvestre Enseada dos Pássaros Sitiocas I. III e IV Tijuca Oiti I a IX Sargento Hércules Total Fonte: EMHA. luz. Meu Sonho Minha Casa. Inclui-se. Meu Sonho Minha Casa.Censo Demográfico de 2000 *Segundo o IBGE. Fonte de Recurso Federal PAR PAR PAR PAR PAR PAR PAR PAR PAR Projeto Emha Minha Casa. ainda que mediante a uma taxa de ocupação ou conservação (condomínio.324 Fonte: IBGE . Casas 231 200 127 551 119 438 156 898 204 2. Meu Sonho Região Urbana Anhanduizinho Anhanduizinho Bandeira Segredo Anhanduizinho Bandeira Lagoa Bandeira Segredo N. o domicílio cujo aluguel era pago.) ou de conservação.924 Pessoas Beneficiadas 924 800 508 2. diretamente ou indiretamente.592 816 11. Meu Sonho Minha Casa. neste caso. Inclui-se. condomínio. ainda que mediante a uma taxa de ocupação (imposto.Tabela 187 Moradores em domicílios rurais segundo a densidade por dormitório e condição de ocupação – 2000 Categoria Próprio já quitado Próprio em aquisição Alugado Cedido* Outra condição Total Até 1 96 358 10 464 Quantidade de moradores por dormitório Quantidade 2 a 3 Mais de 3 Mais de 1 a 2 683 158 59 996 53 63 10 3. por pessoa não-moradora ou por instituição nãoempregadora de algum morador.204 476 1.696 Ano de Entrega 2005 2005 2006 2006 2006/2007 2006/2007 2006/2007 2009 Em andamento Capítulo 7 206 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Meu Sonho Minha Casa.986 26 2.

632 28 128 536 1.Jd.696 Ano da Entrega 2006 2007 2005 2006/2007 2006/2007 2006/2007 2006/2007 2006/2007 2007 2007 2007 2007 2008 2009 Em andamento Em andamento Em andamento Em andamento Em andamento Em andamento Em andamento Em andamento Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 207 Aspectos Sociais .440 1. Meu Sonho Minha Casa.200 2.924 Pessoas Beneficiadas 356 68 432 256 1. Meu Sonho Minha Casa.036 1. Noroeste II e III Indubrasil Anhanduí Inápolis Iguatemi Jd. Meu Sonho Minha Casa.Jd.412 2. Meu Sonho Minha Casa. Noroeste I Leon D. Meu Sonho Minha Casa. Meu Sonho Minha Casa. Noroeste Terra Morena I Terra Morena II Fernanda João Alberto Amorim dos Santos Total Fonte: EMHA. Conte .Serraville II Raimundo Nonato – Anhanduí Coriolando C. Meu Sonho Minha Casa. Meu Sonho Minha Casa. Meu Sonho Minha Casa. Meu Sonho Região Urbana Anhanduizinho Anhanduizinho Bandeira Bandeira Segredo Segredo Bandeira Prosa Prosa Distrito Anhanduí Segredo Prosa Prosa Imbirussu Distrito Anhanduí Imbirussu Segredo Prosa Anhanduizinho Bandeira Lagoa Lagoa N. Casas 89 17 108 64 35 3 537 138 408 7 32 134 300 707 26 32 32 139 196 759 296 860 292 2.Serraville I Fauze Duailibi Amizo . da Silva I e II Leon D.148 552 1.Loteamento Sebastião Vieira D´Ávila Tabela 189 Programa Casa da Gente – 2005–Abril/2010 Loteamento Parque Novo Século I Parque Novo Século II Nova Jerusalém I Nova Jerusalém II Oscar Salazar Moura da Cruz José Tavares do Couto Edson Brito Garcia Fauze Duailibi Amizo . Meu Sonho Minha Casa. Meu Sonho Minha Casa. Conte . Meu Sonho Minha Casa. Meu Sonho Minha Casa.168 11. Meu Sonho Minha Casa.828 104 128 128 556 784 3. Meu Sonho Moradia Digna Minha Casa. Meu Sonho Minha Casa.184 3. Meu Sonho Minha Casa. Meu Sonho Minha Casa.Programa Minha Casa. Meu Sonho Minha Casa. Meu Sonho Minha Casa. Nota: PMCG – Recurso exclusivo do Município de Campo Grande PMCMV . Minha Vida PSH – Programa de Subsídio à Habitação de Interesse Social Fonte de Recurso Federal PMCG PMCG PMCG PSH PSH PSH PSH PSH PMCG PMCG PMCG PSH PSH PSH PSH PSH PSH PSH PMCMV PMCMV PMCMV PMCMV Projeto Emha Minha Casa.

400 392 688 80 60 280 612 244 184 156 480 200 244 544 600 24 24 924 312 212 10. Fonte de Recurso Federal CCA CCA Projeto Emha Minha Casa.Tabela 190 Programa Mudando para Melhor – 2005–Abril/2010 Loteamento Jardim das Nações Alto da Boa Vista Parati II Jardim Aeroporto Darcy Ribeiro . Casas 54 14 42 850 98 172 20 15 70 153 61 46 39 120 50 61 136 150 6 6 231 78 53 2. Meu Sonho Minha Casa.100 Ano da Entrega 2006 2006 2006 2007 2007 2007 2008 2008 2008 2009 2009 Em andamento 2009 Em andamento Em andamento 2009 2009 Em andamento 2009 2009 Em andamento Em andamento Em andamento Aspectos Sociais Fonte: EMHA. Casas 210 10 220 Pessoas Beneficiadas 840 40 880 Ano da Entrega 2005 2006 Capítulo 7 208 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .525 Pessoas Beneficiadas 216 56 168 3. Machado Residencial Cacildo de Souza Total Fonte: EMHA.Programa de Aceleração do Crescimento PMCG – Recurso exclusivo do Município de Campo Grande PSH – Programa de Subsídio à Habitação de Interesse Social Tabela 191 Programa Carta de Crédito Associativo – CCA – 2005–Abril/2010 Loteamento Residencial Vitória – Paulo C.2ª Aldeia Urbana Tayaná Jardim Seminário II Recanto Pantaneiro Tarsila do Amaral I Tarsila do Amaral II e III Gabura I Gabura II Arnaldino da Silva I Arnaldino da Silva II Geraldo Correa da Silva Sebastião Vieira D’Ávila Francisco José Marques Helney Imbirussu Campo Nobre II Canguru II Dom Antônio Barbosa I Dom Antônio Barbosa II Dom Antônio Barbosa III Total Fonte de Recurso Federal PMCG PMCG PMCG HBB FNHIS FNHIS PAC PAC PAC PAC PAC PAC PAC PAC PAC PMCG FNHIS FONPLATA FUNAF FUNAF FNHIS PSH PSH Projeto Emha Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna M oradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Moradia Digna Região Urbana Anhanduizinho Anhanduizinho Anhanduizinho Imbirussu Prosa Prosa Segredo Segredo Segredo Segredo Segredo Segredo Segredo Segredo Anhanduizinho Prosa Anhanduizinho Imbirussu Anhanduizinho Anhnaduizinho Anhanduizinho Anhanduizinho Anhanduizinho N. Nota: FNHIS – Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social FONPLATA – Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata FUNAF – Fundo de Urbanização de Áreas Faveladas HBB – Habitar Brasil BID PAC . Meu Sonho Região Urbana Anhanduizinho Segredo N.

177 91. (3) levantamento em 26/10/00.(13) levantamento em 22/03/10.Renda.Educação. Cadastro Nacional de Eleitores (1) levantamento em 21/11/96.503 445.gov.7. (9) levantamento em 30/11/06. Campo Grande – 1991/2000 IDH . (11) levantamento em 20/10/08.6 Eleitores Tabela 192 Eleitorado em Campo Grande – 1996/2010 Zona 8ª 35ª 36ª 44ª 53ª 54ª Total 1996(1) 116. (4) levantamento em 03/12/01.Educação. 7.866 97.023 85.841 93.248 476.923 66.689 100.483 525.702 468.051 509.534 2005(8) 76.625 1998(2) 131.791 519.630 Fonte: TRE/MS.654 492. Afonso Pena Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 209 Aspectos Sociais . (5) levantamento em 13/12/02.657 71.915 0.900 80.800 95.859 452.162 76. (6) levantamento em 19/12/03.168 75. (7) levantamento em 08/11/04.Longevidade. (8) levantamento em 06/12/05.990 90.7 Índice de Desenvolvimento Humano Municipal – IDH-M Tabela 193 Índice de Desenvolvimento Humano.967 92.857 IDH Longevidade.262 80.698 65.540 78.676 80.342 345.928 403.757 95. Índice de Desenvolvimento 2000 2000 2000 Humano.265 97.737 IDH .880 66.537 62.991 2003 (6) 71. IDH .926 78.900 80. 1991 0.595 63.694 102.204 101.321 382.180 64.670 68.971 89.025 75. 1991 0.ipea.421 104. 2000 0.485 87.522 2010(13) 86.Av.809 2007(10) 79. acesso em outubro de 2003.097 71.937 79.964 88.br.509 97.210 67.607 84. IDH .054 64.814 0.608 494.612 2001(4) 146.717 Fonte: www.578 96.102 89.474 77. (2) levantamento em 10/11/98.766 86. 1991 0.748 2006 (9) 79.364 79. (12) levantamento em 14/12/09.598 2000(3) 140.692 80.510 419.479 2008(11) 83.770 IDH .164 76.150 2002(5) 157.072 73.150 87. (10) levantamento em 21/11/07.771 0.757 Índice de Desenvolvimento Humano.880 2004(7) 74.620 93.505 74.Renda.000 94. 1991 0.910 2009(12) 85.261 102.528 88.689 92.296 98. Capítulo 7 Área Central .

Seus valores variam de 0 (nenhum desenvolvimento humano) a 1 (desenvolvimento humano total).500 (baixo desenvolvimento).500 a < 0. Campo Grande registrou um IDH .0.737. .753 0.O IDH foi criado para avaliar as condições de vida das pessoas nos países.717 para 0.842 0.786 0.821 0. longevidade (expectativa de vida ao nascer) e renda (PIB per capita).757.800 a 1.650 a < 0. .800 (médio superior).845 0. . bem como nos municípios (IDH-M) a partir de indicadores de educação (alfabetização e taxa de matrícula).800 0. Assim.797 0. ocupando a 11ª posição no ranking entre as capitais brasileiras.779 0.000 (alto desenvolvimento).739 Capítulo 7 Aspectos Sociais 210 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .915 (alto desenvolvimento).772 0. respectivamente.0. sendo que: . Quanto ao IDH Educação. houve um aumento significativo de 0. Tabela 194 Classificação das capitais brasileiras segundo o IDH-M – 2000 Ranking Capitais Florianópolis (SC) 1º Porto Alegre (RS) 2º Vitória (ES) 3º Curitiba (PR) 4º Brasília (DF) 5º Rio de Janeiro (RJ) 6º São Paulo (SP) 7º Belo Horizonte (MG) 8º Goiânia (GO) 9º Cuiabá (MT) 10º Campo Grande (MS) 11º Belém (PA) 12º Salvador (BA) 13º Palmas (TO) 14º Recife (PE) 15º Aracaju (SE) 16º Natal (RN) 17º Fortaleza (CE) 18º João Pessoa (PB) 19º Boa Vista (RR) 20º São Luís (MA) 21º Manaus (AM) 22º Macapá (AP) 23º Teresina (PI) 24º Porto Velho (RO) 25º Rio Branco (AC) 26º Maceió (AL) 27º Fonte: PNUD. IDH-M 0. nos anos de 1991 e 2000.0.794 0.650 (médio).832 0. Elaboração: PLANURB. para 0.841 0.767 0.Renda de 0.814) no ano de 2000.814 0.763 0.787 0.856 0.0.774 0.856 0. Nestes mesmos anos.300 (baixo inferior).300 a < 0.806 0.770) passando para o nível de alto desenvolvimento (0. .839 0. sendo que em 2000 o mesmo pouco se elevou.783 0.771 (médio superior).0.Longevidade passou de 0.000 a < 0.857 para 0.778 0.865 0. em 1991 o IDH de Campo Grande esteve no patamar médio superior (0.881 0. o IDH . Situação em 1991 e 2000 Em 1991.805 0.

318 73 874 15 7. 854 1.047 15.834 12.710 Arquivados Def.376 2.072 41.213 28 182 16 18 29 11 25 2.618 16 7 Suspensos 16 69 724 86 1 1 5 902 Evol/ Correção de Classe 6 5 114 2 127 Evol/ Correção de classe 115 12 172 Evol/ Correção de Classe 916 1.514 1.265 13.615 6.406 1.341 Suspensos/ Vindos do TJ ou Vindos mês Desarquivados Reativados Iniciados anterior¹ outro Juízo 310.043 485 1.921 Arquivados Def.772 6.464 .463 2.480 1.050 13.590 4.044 And.624 50.264 30.783 Remessa a outro Juízo ou Tribunal 3 59 507 8.028 134 38 79 200 Suspensos 900 2 10 And.524 2.111 4.591 1.834 3.835 Remessa a outro Juízo ou Tribunal 11.226 144 99 57 104 84 72 2.634 Suspensos/ Reativados 3.620 2.177 Total Geral dos Juizados Total de Feitos Cíveis Total de Feitos Criminais Total de Precatórias Cíveis Total de Precatórias Criminais TCO's Vara Comum Total Geral Total de Feitos Cíveis Total de Feitos Criminais Total de Precatórias Cíveis Total de Precatórias Criminais Inquéritos Iniciados 29.167 2.271 8.191 1.744 8.321 64.632 88 0 0 4. p/mês seguinte² 409 1.630 1.777 231 693 733 8.008 33 1.488 3.480 11.537 2.403 2.484 1. 2 processos do ano de 2009 que iniciaram em 2010. 771 1.121 28.184 Desarquivados 12.205 3 1 1 8 3.76 625 7.911 6.152 6.698 2.162 Suspensos/ Reativados 12 66 338 3.059 13.591 237 756 555 563 562 642 1.352 3.694 1.Cível/Criminal (Sistema Estatístico) 1 processos do ano anterior.7.438 8.195 12.920 72 And.720 Iniciados 601 1.144 Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul – Secretaria de Planejamento e Gestão Estratégica – Coordenadoria de Estatística Planilha .029 435 561 238 6.510 1. 91.431 17.433 277 94 137 8.525 10.766 5.502 2.088 Arquivados Def.Moreninha 5ª Vara do Juizado Especial Cível e Criminal – UCDB 7ª Vara do Juizado Especial Cível do Consumidor 8ª Vara do Juizado Especial Cível .604 Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 211 28.514 Vindos mês anterior¹ 41.8 Justiça Tabela 195 Movimento forense por vara em Campo Grande/MS – 2009 Juizados 4ª Vara do Juizado Especial Cível e Criminal .342 910 134 109 111 87 736 1.511 1.305 1.Justiça Itinerante 9ª Vara do Juizado Especial Cível –Trânsito 1ª Vara do Juizado Especial Central 2ª Vara do Juizado Especial Central 3ª Vara do Juizado Especial Central 6ª Vara do Juizado Especial Central 10ª Vara do Juizado Especial Central 11ª Vara do Juizado Especial Central Total Vindos mês anterior¹ 570 916 22.211 303 464 338 6.739 18. 50.008 Desarquivados 98 1.467 357 9.956 102 7. p/mês seguinte² 290. 476 15. p/mês seguinte² 28.720 Vindos do TJ ou outro Juízo 4.789 46 540 775 309 Remessa a outro juízo ou Tribunal 14.418 2.935 81 117 2.055 1.424 2. Suspensos 8.520 Vindos do TJ ou outro Juízo 7 80 2.

28 – Itanhangá Park Rua Antônio de Oliveira Lima. 930 .9 Segurança Pública Tabela 197 Número de Delegacias de Polícia Civil em Campo Grande/MS – 1998-2010 DPE (1) 10 10 10 10 10 10 10 10 10 15 14 14 15 DPC (2) 11 12 12 11 12 12 13 14 15* 15* 15* 15* 15* Aspectos Sociais Ano 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Fonte: Diretoria Geral da Polícia Civil / Assessoria de Telemática da DGPC/MS Notas: (1) DPE – Departamento de Polícia Especializada. 28 – Itanhangá Park Rua 13 de Junho. Barreiras. 28 – Itanhangá Park R. Tamandaré.Centro Rua Antônio Correa. 28 – Itanhangá Park Rua Antônio de Oliveira Lima.Tabela 196 Endereços varas dos Juizados Especiais Nome 1ª Vara de Juizado Especial Central 2ª Vara de Juizado Especial Central 3ª Vara de Juizado Especial Central 4ª Vara de Juizado Especial Cível e Criminal 5ª Vara de Juizado Especial Cível e Criminal 6ª Vara de Juizado Especial Central 7ª Vara de Juizado Especial Consumidor 8ª Vara de Juizado Especial Justiça Itinerante 9ª Vara de Juizado Especial Cível – Trânsito 10ª Vara de Juizado Especial Central 11ª Vara de Juizado Especial Central Endereço Rua Antônio de Oliveira Lima. 28 – Itanhangá Park Rua Antônio de Oliveira Lima. 85 – Vila Glória Rua Antônio de Oliveira Lima. 718 – Vila Moreninha II Av. (2) DPC – Departamento de Polícia da Capital * 8 delegacias na Capital e 7 metropolitanas (entorno de Campo Grande) Capítulo 7 Desfile 7 de Setembro . 28 – Itanhangá Park Fonte: Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul – Secretaria de Planejamento e Gestão Estratégica – Coordenadoria de Estatística 7.1º andar . Seminário – UCDB Rua Antônio de Oliveira Lima. 85 – Vila Glória Rua Antônio Correa. 6000 – Jd.Rua 14 de Julho 212 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .

338 FONTE: Diretoria Geral da Polícia Civil / Sistema Integrado de Gestão Operacional . Arlindo de Andrade. Senador Filinto Müller. 2146 – Jardim Autonomista Rua Ceará. 4681 . Souto Maior. Hiroshima. 705 – V. 930 – Centro Rua Ceará. João Crippa. 149 .405 57. 1313 – Itanhangá Parque Rua 13 de Junho.SIGO Guarda Municipal Tabela 199 Endereços das unidades de Polícia Civil em Campo Grande – 2010 Sigla da Unidade 1ªDP 2ªDP 3ªDP 4ªDP 5ªDP 6ªDP 7ªDP CEPOL DEAIJ DEAM DECAT DECO DECON DEDFAZ DEFURV DEH DENAR DEOPS DEPAC DEPCA DERF GARRAS POLINTER DEVIR Nome da Unidade Delegacia de Polícia Delegacia de Polícia Delegacia de Polícia Delegacia de Polícia Delegacia de Polícia Delegacia de Polícia Delegacia de Polícia Centro de Polícia Especializada da Capital Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e a Juventude 1ªDelegacia Especializada de Atendimento à Mulher Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Ambientais e Atendimento ao Turista Delegacia Especial de Combate ao Crime Organizado Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes contra as Relações de Consumo Delegacia Especializada em Repressão a Defraudações.Bairro Universitário Rua Ceará.Tabela 198 Boletins de Ocorrência em Ano 2006 2007 2008 2009 Campo Grande – 2006-2009 Total de Boletins de Ocorrência 63. 679 .810 66. 1590 . Veraneio Fonte: Diretoria Geral da Policia Civil – Secretaria de Estado da Justiça e Segurança Pública / MS Capítulo 7 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Aspectos Sociais 213 . 2146 – Jardim Autonomista Rua Dr. Fazendários. 1581 . Monte Castelo Av. Piratininga Av. Afonso Pena. Falimentares e Crimes Fazendários Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Furtos e Roubos de Veículos Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídios Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico Delegacia Especializada de Ordem Política e Social Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Roubos e Furtos Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Bancos e Resgate a Assaltos e Sequestros Delegacia Especializada de Polinter e Capturas Delegacia Virtual Endereço Rua Pe. 2146 – Jardim Autonomista Rua Estrela do Sul. 27 – Vila Sobrinho Av.Vila Moreninha II Rua 9 de Julho. 2146 – Jardim Autonomista Rua Joaquim Murtinho. 369 – Jardim Imá Rua Ceará. 12303 – Jd.Centro Av. 748 .078 66.Centro Rua Ceará. 2146 – Jardim Autonomista Av. Falsificações. João Crippa. Mascarenhas de Moraes. 2146 . 2146 – Jardim Autonomista Rua Pe. Tijuca II Rua Fortaleza. Aero Rancho – Setor IV Rua Américo Marques. 464 – B.Vilasboas Rua Ceará.B.Centro Rua Ceará. 1695 – Carandá Bosque II Rua Barreira.Jardim Autonomista Rua Desembargador Leão Neto do Carmo. 1554 . 1581 – Centro Rua Arquiteto Vilanova Artigas – Conj.

506 – São Bento Rua Marques de Olinda. s/n. 1203 – Parque dos Poderes Rua Ricardo Franco. 378 – Vila Vilasboas Av. 2093 – Centro Rua Moussa Hanna Tannous. s/n. – Jd. s/n. – Coophasul Rua Jerônimo de Albuquerque. 240 – Resid. Barão do Rio Branco – Centro Rua Dom Aquino. – Jardim Noroeste Rua Rodolfo José Pinho. 539 – Jockey Club Rua Luiz de Vasconcelos. Gury Marques.Tabela 200 Endereços das unidades de Polícia Militar em Campo Grande – 2009 Sigla da Unidade Comando Geral da PMMS 1º BPM 1º PEL/1ª CIA/1º BPM 2º PEL/1ª CIA/1º BPM 3º PEL/1ª CIA/1º BPM 2ª CIA/1º BPM 1º PEL/2ª CIA/1º BPM 2º PEL/2ª CIA/1º BPM 2º PEL/3ª CIA/1º BPM 3º PEL/3ª CIA/1º BPM 1º PEL/3ª CIA/1º BPM 9º BPM 3º PEL/2ª CIA/9º BPM 4º PEL/2ª CIA/9º BPM 1º GPM/4º PEL/2ª CIA/9º BPM 3ª CIA/9º BPM 5º PEL/3ª CIA/9º BPM 6º PEL/3ª CIA/9º BPM 10º BPM 1° PEL/1ª CIA/Força Tática 1º PEL/2ª CIA/10º BPM 2º PEL/2ª CIA/10º BPM 3º PEL/2ª CIA/10º BPM 1º PEL/3ª CIA/10º BPM 2º PEL/3ª CIA/10º BPM 3º PEL/3ª CIA/10º BPM 3º PEL/4ª CIA/10º BPM Corregedoria PM CIGCOE CFAP – Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças CIPMGdaE Policlínica da PMMS 14ª BPM Rodoviária 15ª BPM Ambiental CIPMTRAN 1° Esquadrão Independente de Polícia Militar Montada – 1° EIPM Mont Equoterapia Fonte: Comando de Policiamento Metropolino da Policia Militar / Secretaria de Segurança Pública/ MS Endereço Rua Desembargador Leão Neto do Carmo. s/n. 2619 – Anhandui Rua Antonio Maria Coelho. 7760 – Chácara Cachoeira Rua Marina Luiza Spengler. Mato Grosso. s/n. Residencial União Av. 286 – Aero Rancho Rua das Violetas. s/n. 3002 – Jardim dos Estados Av. Ana Maria do Couto Rua Indianápolis. s/n. Principal 1. – Vila Moreninha II Rua Arapoti. – Tiradentes Av. 692 – Vila Margarida Av. Los Angeles Av. Marinha. 2760 – Centro Rua Hiroshima. 515 – Vila Sobrinho Av. s/n. 1538 – Vila Concórdia Av. 1215 Rodoviária Senador Antônio Mendes Canale Rua João Cassimiro. s/n. – Nova Lima Rua Lourenço da Veiga. Afonso Pena. – Parque dos Poderes Capítulo 7 Aspectos Sociais 214 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . 847 – Coophatrabalho Rua Domingos Aparecido Bissoli – Vila Popular Av. 141 – Jardim Campo Belo Av. 15 de Novembro. Mascarenhas de Moraes. – Monte Castelo Rua Naviraí. Florestal. s/n. – Parque das Nações Indígenas Rua Barão do Rio Branco. s/n. Hiroshima – Carandá Bosque Rua Anacá. Bom Pastor. – Parque dos Poderes Rua Hiroshima. 1445 – Bairro Tijuca II Rua Osvaldino Mendes Rocha – Pq. – Núcleo Industrial Rua Souto Maior. s/n – Parque Ayrton Senna Rua Carlos Drumond de Andrade. 725 – Coophavila II Rua Joaquim Nabuco (antiga rodoviaria Rodoviária) – Bairro Amambaí Rua Sete de Setembro (Mercado Municipal) – Centro Rua Aquidauana/r. 1.

Parque das Nações Indígenas 8 Cultura.Cidade do Natal . Lazer e Turismo .Campo Grande . Esporte.

também conhecida como Cidade Morena. em seus primeiros tempos. conquistou muito no campo cultural nas últimas décadas e tem visto e incentivado o crescimento das artes em geral. Realizações culturais como o Carnaval da Capital. incluindo aí o artesanato.1 Cultura Campo Grande chega aos 111 anos de emancipação política e administrativa como um importante pólo de desenvolvimento da Região Centro-Oeste. Um calendário expressivo que disciplina a realização de atividades durante todo o ano permitindo que os grandes eventos não se choquem. lazer e Turismo 217 .8. dentre outros. o Estado e a Capital ultrapassaram este patamar mais primitivo e hoje Campo Grande emerge com a força de uma cultura que tem traços de latinidade. foi um ganho Quadro de Ana Cavali Bertotto de particular importância para os produtores culturais. os olhos para essa região que detém considerável extensão do cerrado brasileiro. árabes. econômica. um dos maiores rebanhos de gado bovino do país. Reveillon da Capital. o cinema e a cultura popular. Campo Grande se consolida a cada dia como um centro adequado à realização de eventos e tende a crescer muito nesta direção. a dança. nacional e até internacional. as artes plásticas. além de estar se notabilizando pelo encontro de soluções criativas e eficientes nas áreas social. serviços de qualidade para oferecer à sua população e visitantes. É inevitável que o Brasil e o mundo dirijam. a segunda maior população indígena nacional. para o trade turístico e para a economia formal e informal que gira em torno das ações culturais na cidade. como os que acontecem durante a programação relativa ao aniversário de Campo Grande. Com características fortes da denominada cultura bovina que privilegiava apenas a vida e as lides do campo. Noite da Seresta e shows de grande porte. inserem a cidade no roteiro cultural dos grandes eventos da Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Capítulo 8 Cultura. Arraial de Santo Antônio de Campo Grande. a maior área do Pantanal. cada vez mais. principalmente. japoneses. e dos imigrantes italianos. nordestinos. cores metropolitanas interligadas à essência regional que mistura as vivências campestres e indígenas às influências dos migrantes mineiros. O teatro. cultural e educacional. A pujante capital. agroindústria e o ecoturismo em franca expansão. a música. paulistas e gaúchos. Com uma oferta de estrutura razoável para a realização de eventos de expressão local. a literatura. alemães. e outras manifestações se fortalecem de forma vigorosa. paraguaios e bolivianos. Esporte.

Cidade do Natal . Espaços fechados Armazém Cultural Fonte: FUNDAC. lazer e Turismo Praça Jardim Morada Verde Praça Jardim Oracília Praça Jardim Tarumã Praça Jockey Club Praça Leblon Praça Monte Castelo Praça Nilton Cavalcante Praça Nova Bandeirantes Praça Nova Ipanema Praça Oshiro Takimori Praça Otávio Pécora Praça Palmira Praça Piratininga Praça Portal das Laranjeiras Praça Recanto dos Pássaros Praça Residencial do Lago Praça Santo Amaro Praça São Bento Praça Senador Salgado Filho Praça Sol Nascente Praça Tenente Monteiro Praça TV Morena Praça Vila Carlota Praça Vila Carvalho Praça Vila Jaci Praça Vila Moreninha Praça Vilasboas Praça Zumbi dos Palmares Fonte: FUNDAC. Capítulo 8 218 .1.Região Centro-Oeste e do país. Fonte: FUNDAC 8.1 Espaços culturais Espaços abertos de lazer Concha Acústica Família Espíndola Parque Ayrton Senna Parque Jacques da Luz Parque das Nações Indígenas Parque Florestal Antônio de Albuquerque (Horto Florestal) Parque Itanhangá Praça 1º de Maio Praça Afrânio Fialho Figueiredo Praça Ananlis Praça Ary Coelho Praça Autonomista Praça Autonomista II Praça Begônia Praça Brigadeiro Faria Lima Praça Cabreúva Praça Cidade Jardim Praça Cidade Morena Praça Cohafama Praça Cohab Praça Conjunto Nova Bahia Praça Conjunto Novo Minas Gerais Praça Coophamat Praça Coophasul Praça Coophatrabalho Praça Cuiabá Praça Flamboyant Praça Jardim Colonial Campo Grande . Esporte.Parque das Nações Indígenas Praça Jardim Imá Praça Jardim Ipiranga Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Cultura.

800 Av. Senador Fi linto Müller – Campus da UFMS Av. 321 – Carandá Bosque II Rua Barão do Rio Branco. Ceará.1271 – Centro Rua Venâncio Borges do Nascimento. Ana Rosa Castilho O´Campos – 1455.Chácara São Vicente Rua 26 de Agosto.049 1. Ermani Bayer Campus III – UNIDERP Auditório Germano Barros de Souza Auditório da FAMASUL Capacidade 1. 6000 – Chácara São Vicente Av. Maria Constança Barros Machado Auditório da UCDB Bloco “A” Teatro Aracy Balabanian Anfiteatro do Colégio Militar Auditório da Secretaria Municipal de Educação . lazer e Turismo .SEMED Auditório Plínio Mendes dos Santos – UNIDERP Auditório da UCDB Bloco “B” Auditório do Novotel Auditório ADEPOL – Associação dos Delegados de Polícia MS Auditório do Hotel Jandaia Auditório da Faculdade Estácio de Sá Teatro Prosa – SESC Horto Auditório do Hospital São Julião Auditório AMAMSUL – Escola Superior de Magistratura de MS Anfiteatro da UFMS – Lac (Laboratório de Análises Clínicas) Auditório da Anoreg – Associação dos Notários e Registradores de MS Auditório Dr. Duque de Caxias.UNIDERP Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Federação da Agricultura de Mato Grosso do Sul Continua Capítulo 8 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 219 Cultura. Tamandaré. 451 Av. 1.000 752 696 450 420 400 390 380 360 333 305 300 300 300 280 270 250 250 238 236 225 222 220 220 200 196 193 Endereço Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camillo Rua Dom Aquino. Fernando Corrêa da Costa. anfiteatros e teatros Tabela 201 Auditórios.8. 401 Entidade Mantenedora Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Clube Libanês Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Missão Salesiana de Mato Grosso/Colégio Dom Bosco Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Universidade Católica Dom Bosco União da Associação Educacional Sul-Mato-Grossense Centro Universitário UNAES Moderna Associação Campo-Grandense de Ensino Mace Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Universidade Católica Dom Bosco Secretaria de Cultura/Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Colégio Militar Prefeitura Municipal de Campo Grande Universidade para Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal Universidade Católica Dom Bosco Novotel Associação dos Delegados de Polícia MS Hotel Jandaia Faculdade Estácio de Sá Serviço Social do Comércio – SESC/MS Hospital São Julião Associação dos Magistrados/Tribunal de Justiça UFMS Associação dos Notários e Registradores de MS Universidade para Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal .1.Miguel Couto Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camillo Rua Marciano Santos. Ceará. Esporte. Fernando Corrêa da Costa.Chácara São Vicente Av. 1 . 1628 Rua Oniceto Severo Monteiro. 6000 . 453 – Centro Av.800 Rua 26 de Agosto. 5555 Rua Robson. 1879 – Centro Av.2 Auditórios. E. 200 – Centro Rua Lino Vilachá. 63 Rua Marechal Cândido Rondon. anfiteatros e teatros em Campo Grande – 2009 Nome Teatro Manoel de Barros Auditório do Clube Libanês Teatro Glauce Rocha Teatro Dom Bosco Teatro de Arena Auditório da UCDB Bloco “C” Auditório da UNAES Teatro da UNAES – Almir Sater Anfiteatro da Mace Anfiteatro da E. 333 . Mato Grosso. 50 Av. 1250 Av. 333 . Tamandaré. Mato Grosso. 460 Av. Tamandaré. 6000 . 377 – Jardim TV Morena Rua Anhanduí. 421 Parque das Nações Indígenas Av.Miguel Couto Av. Jardim Montevidéu Campus Universitário Rua Mar dos Caraíbas.

da Ciência e Tecnologia 150 144 144 140 139 135 130 130 Rua Raul Pires Barbosa. Afonso Pena. Ceará. Tamandaré.Miguel Couto Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camillo Rua Itajaí. 1624 . 116 Rua Flávio de Matos. 1755 – B. Ernesto Geisel.Continuação Nome Anfiteatro Pe. 835 Entidade Mantenedora Missão Salesiana de Mato Grosso/Colégio Dom Bosco Instituto Mirim de Campo Grande Federação das Indústrias de MS SENAI Federação dos Trabalhadores em Educação de MS Hotel Concord Sebrae/MS Universidade para Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal . 739 Rua 7 de Setembro. 355 Av. 1260 . 1752 Av. 4009 Rua dos Barbosas.Jardim Tarumã Av. 6000 . Afonso Pena. lazer e Turismo Auditório do Brumado Hotel Auditório da ACP – Associação CampoGrandense de Professores Auditório da Biblioteca .UNIDERP Governo do Estado de Mato Grosso do Sul ASSOMASUL Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Continua Capítulo 8 220 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Esporte. Ceará. 1661 Av.Centro Av. João Duroure – Dom Bosco Anfiteatro do Instituto Mirim de Campo Grande Auditório da Federação das Indústrias de MS Auditório da Casa da Indústria Senai Auditório da FETEMS . do Planejamento. 1260 Av.M.UNIDERP Brumado Hotel Associação Campo-Grandense de Professores Universidade Católica Dom Bosco Prefeitura Municipal de Campo Grande Prefeitura Municipal de Campo Grande Hospital do Pênfigo Hotel Vale Verde Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Cultura. Günter Hans. s/n. 106 Rua 26 de Agosto.Federação dos Trabalhadores em Educação de MS Auditório do Hotel Concord Auditório do Sebrae Auditório Campus I – Uniderp Capacidade 192 190 190 180 180 180 176 171 160 150 150 150 150 150 150 150 Endereço Av. 2860 . 294 Av. 405 Av.Antônio Vendas Rua Turvo. Calóge ras.Miguel Couto Av. Mato Grosso.Parque dos Poderes Serviço Social do Transporte Prefeitura Municipal de Campo Grande Associação do Sindicato Associação dos Defensores Públicos Universidade para Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal . 421 Rua Anhanduí. 333 . 333 . 2296 Av. 5885 . Dr. Bernardo Franco Baís Auditório do Hospital do Pênfigo (Capela) Auditório do Hotel Vale Verde Auditório do SENAC Auditório do SEST/SENAT Auditório do Centro de Capacitação de Recursos HumanosCECAP Auditório do Sindicato Rural Auditório da Associação dos Defensores Públicos Auditório das Engenharias Campus I – UNIDERP Auditório Pedro de Medeiros Auditório da ASSOMASUL Auditório da SEMAC – Secretaria de Estado de Meio Ambiente. Afonso Pena. Afonso Pena. 693 Av.UCDB Auditório da E. . Monte Líbano Av. José Rodrigues Benfica Auditório da E. Calógeras. Mato Grosso.Chácara São Vicente Rua dos Barbosa.Centro Rua 26 de Agosto. Pres. M.

877 Av. 52 – Bairro Amambaí SESC – Serviço Social do Comércio . 354 . Afonso Pena.Chácara São Vicente Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Universidade Católica Dom Bosco Exceler Plaza Hotel Missão Salesiana de Mato Grosso/Colégio Dom Bosco Universidade Católica Dom Bosco Universidade Católica Dom Bosco 80 70 68 Rua 26 de Agosto. E.Parque das Nações Indígenas Av. Esporte.5º andar Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Indaiá Park Hotel Governo do Estado de Mato Grosso do Sul 67 Prefeitura Municipal de Campo Grande Capítulo 8 60 Federação das Indústrias de MS Continua Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Cultura.Cidade Jardim Av.Multimídia Bloco “A” Auditório da UCDB . Afonso Pena.Multimídia Bloco “A” Auditório Sala Rubens Corrêa – Centro Cultural José Octávio Guizzo Auditório do Indaiá Park Hotel Auditório Ueze Zahran – TV Educativa (com estúdio) Auditório do PLANURB – Instituto Municipal de Planejamento Urbano Auditório da Federação das Indústrias de MS Capacidade 120 120 120 120 110 Endereço Av. Mato Grosso.Continuação Nome Auditório ACRISSUL Auditório da E. lazer e Turismo 221 108 Rua Almirante Barroso. 6000 .Estrela do Sul Rua Euclides da Cunha. Tamandaré.Chácara São Vicente Av. Af onso Pena. Desembargador Leão Neto do Carmo Rua Hélio de Castro Maia. Afonso Pena. 444 Av. Tamandaré. 421 Av. 6000 . 279 – Jardim Paulista Av. João Greiner Auditório do Centro de Educação Integrada Auditório do Exceler Plaza Hotel Diamante Anfiteatro da UFMS Marçal de Souza Tupã Y Auditório do SESC Almirante Barroso – Osvaldo Reilzer da Rocha Auditório Tertuliano Amarilha . 7000 . 6000 . 444 Unidade 2 .Campus Universitário Entidade Mantenedora Associação dos Criadores de MS Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Centro de Educação Integrada Exceler Plaza Hotel Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 108 105 100 100 90 80 80 Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camillo Rua Antônio Maria Coelho. 453 Av. Afonso Pena. 320 – Jardim América Rua Macunaíma.Bairro Amambaí Av.Sala 2 . Américo Carlos da Costa. 199 . Pe.Centro de Convenções Auditório Marco – Museu de Arte Contemporânea Auditório do Museu das Culturas – Dom Bosco Auditório Golden Exceler Plaza Hotel Auditório Dom Bosco Auditório da UCDB – Sala 1 . 1206 .

Afonso Pena. Tamandaré.3 Roteiro arquitetônico Aldeia Indígena Marçal de Souza Armazém Cultural Casa da Memória Arnaldo Estevão de Figueiredo Casa do Artesão Clube do Círculo Militar Colégio Maria Constança Barros Machado Colégio Osvaldo Cruz Complexo arquitetônico dos quartéis Correios Esplanada da Ferrovia – Gabinete Especial do Prefeito Capítulo 8 222 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Morada dos Baís . 379 Av. 6000 . 1376 Av.Campus Universitário Brumado Hotel Entidade Mantenedora Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Universidade Católica Dom Bosco Universidade Católica Dom Bosco Auditório Exceler Plaza Hotel Serviço Social da Indústria – SESI Hotel Iguaçu Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Cultura. 1013 Rua Dom Aquino. Presidente Castelo Branco.Biblioteca Auditório Exceler Plaza Hotel Auditório do SESI Auditório do Hotel Iguaçu Teatro de Bolso Capacidade 60 60 50 50 50 50 45 40 32 Endereço Av. SEDESC 30 30 24 20 Rua José Antônio. Prefeitura Municipal de Campo Grande 8. Afonso Pena. Esporte.Chácara São Vicente Av. 6000 .Biblioteca Auditório da UCDB Sala 2 . 700 Av. 444 Av.Safira Teatro de Arena do Horto Florestal Fonte: FUNDAC.Continuação Nome Auditório do Brumado Hotel Teatro de Arena Helena Meirelles (TV Educativa) Auditório da Secretaria de Estado de Segurança Pública Auditório da UCDB Sala 1 . Afonso Pena. Exceler Plaza Hotel FUNDAC . Tamandaré. 1117 – Centro Av. Afonso Pena. Afonso Pena.Fundação Municipal de Cultura. s/n Av. 444 Rua Arthur Jorge.Chácara São Vicente Av. Desembargador Leão Neto do Carmo. lazer e Turismo Auditório do Bahamas Apart Hotel (Sala de Reuniões) Auditório do Exceler Plaza Hotel Ametista Auditório da Junta Comercial Auditório Exceler Plaza Hotel .1. 444 Rua Anhanduí – Horto Florestal Bahamas Apart Hotel Exceler Plaza Hotel Junta Comercial de Campo Grande. 761 – Centro Unidade 2 .

2º domingo do mês Educação Patrimonial Encontro de Corais Evangélicos Eu Sou História Exposições temporárias na Morada dos Baís Feira do Bem-Estar Feira Itinerante de Artesanato Feira Permanente de Artesanato Festa Junina do Arraial de Santo Antônio de Campo Grande Livro Série Campo Grande: Personalidades Noite da Poesia Oficina de Dança de Salão Oficina de Yoga Oficinação de Contação de História Oficinação de Criação e Produção Poética . Afonso Pena Rádio Clube Cidade Vila dos Ferroviários – Sítio histórico da Vila dos Ferroviários 8. Esporte. 8.5 Projetos culturais Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo Arte Campo Grande Arte Sim Violência Não Carnaval e Reveillon na Av.1. Fernando Corrêa da Costa Concurso de Fantasias Carnavalescas Concurso Nacional de Bandas e Fanfarras Cantata Natalina Conversa com o Escritor Cultura Movimenta Campo Grande Desfile das Escolas de Samba – Via Morena Domingo Cultural na Praça da Bolívia . Capítulo 8 Museu José Antônio Pereira Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 223 Cultura.Fonte: FUNDAC/ SEDESC. lazer e Turismo Estação Ferroviária Igreja da Tia Eva Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro Igreja São Francisco Igreja São José Loja Maçônica Oriente Maracaju Morada dos Baís Museu José Antônio Pereira Palácio das Comunicações – TVE Quartel General na Av.4 Roteiro para realização de grandes eventos Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo Parque de Exposições Laucídio Coelho Pavilhão Albano Franco Fonte: FUNDAC.1.

Dança. Violão e Tai-Chi-Chuan Oficinas de Poesia Projeto Arte na Praça Projeto Canto da Primavera Projeto Circulando Arte nas Escolas Projeto Dança Campo Grande Projeto Noite da Seresta Retreta de Agosto Revista “ARCA” Sábado Bom Salão de Arte Infantil Salas de Leitura Seresta de Bairros Show da Cidade Só Rock no Horto Fonte: FUNDAC.2 Esporte 8.2. Esporte.Cultura. lazer e Turismo Oficinação de Interpretação Poética Oficinas de Capoeira. 8.1 Espaços esportivos alternativos Tabela 202 Espaços esportivos alternativos por Bairro e Região Urbana Região Urbana Anhanduí Rochedinho Espaço Campo de Futebol do Distrito de Anhanduí Campo de Futebol do Distrito de Rochedinho Campo de Futebol do Aero Rancho III Campo de Futebol do Aero Rancho IV Campo de Futebol do Aero Rancho VI Parque Ayrton Senna Campo de Futebol do Núcleo Habitacional Universitária Praça do Núcleo Habitacional Universitária – Cohab Campo de Futebol do Jardim Centenário Quadra Poliesportiva e Campo de Futebol do Clube 5 de Maio Campo de Futebol do Jardim Campo Nobre Campo de Futebol do Jardim Canguru Campo de Futebol do Jardim das Meninas Campo de Futebol do Jardim Marajoara Campo de Futebol do Bairro Guanandi Praça do Bairro Guanandi Praça da Vila Nova Bandeirantes Campo de Futebol da Vila Jardim Jockey Club Praça do Jockey Club Campo de Futebol do Loteamento Dom Antônio Barbosa Campo de Futebol do Parque do Lageado Campo de Futebol do Loteamento Vespasiano Martins Campo de Futebol do Conjunto Habitacional Jardim Anápolis Estádio Pedro Pedrossian – Morenão Pista de atletismo da UFMS Praça do Jardim Colonial Praça da Vila Ipiranga Campo de Futebol da Vila Taquarussu Praça da Cohafama Campo de Futebol da Vila Progresso/Jardim Paulista Campo de Futebol do Parque Residencial Maria Aparecida Pedrossian Campo de Futebol do Núcleo Habitacional Moreninha I e II Campo de Futebol do Núcleo Habitacional Moreninha III Estádio das Moreninhas Parque Jacques da Luz Campo de Futebol do Jardim Itamaracá Campo de Futebol do Jardim Lagoa Dourada Campo de Futebol do Bairro Tiradentes Campo de Futebol do Dalva de Oliveira Praça Conjunto Residencial Arnaldo Estevão de Figueiredo Praça do Residencial Jardim Flamboyant Quadra Poliesportiva do Conjunto Residencial Arnaldo Estevão de Figueiredo Campo de Futebol do Jardim Anápolis Campo de Futebol do Bairro Universitário Campo de Futebol do Jardim Campo Alto Campo de Futebol do Jardim Pacaembu Quadra Poliesportiva e Campo de Futebol da Associação dos Engenheiros Bairro Distrito de Anhandui Distrito de Rochedinho Aero Rancho Aero Rancho Aero Rancho Aero Rancho Alves Pereira Alves Pereira Centenário Centenário Centro Oeste Centro Oeste Centro Oeste Centro Oeste Guanandi Guanandi Jacy Jockey Club Jockey Club Lageado Lageado Los Angeles Pioneiros Pioneiros Pioneiros Pioneiros Piratininga Taquarussu Taquarussu Jardim Paulista Maria Aparecida Pedrossian Moreninha Moreninha Moreninha Moreninha Rita Vieira Rita Vieira Tiradentes Tiradentes Tiradentes Tiradentes Tiradentes Anhanduizinho Bandeira Capítulo 8 Festa Junina .Arraial de Santo Antônio Universitário Universitário Universitário Universitário Vilasboas Continua 224 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Teatro.

Afonso Pena Praça do Bairro Cidade Jardim Campo de Futebol do Jardim Estrela Dalva Campo de Futebol do Residencial Taquaral Bosque Campo de Futebol do Conjunto Residencial Mata do Jacinto Parque do Sóter “Francisco Anselmo Gomes de Barros” Campo de Futebol do Conjunto Residencial Novo Minas Gerais Campo de Futebol do Conjunto Residencial Novo Paraná Campo de Futebol do Conjunto Residencial Novo São Paulo Praça da Vila Nova Ipanema Praça de esportes da Coophafé Parque das Nações Indígenas Amambaí Cabreúva Cabreúva Carvalho Centro Centro Centro Itanhangá Planalto Panamá Núcleo Industrial Núcleo Industrial Panamá Panamá Panamá Popular Popular Santo Amaro Santo Amaro Santo Amaro Santo Amaro Santo Amaro Santo Antonio Santo Antonio Santo Antonio Nova Lima Caiçara Centenário Coophavilla II Leblon Leblon Leblon São Conrado São Conrado São Conrado São Conrado Tarumã Tarumã Taveiropólis Taveirópolis União União Autonomista Autonomista Autonomista Chácara Cachoeira Chácara Cachoeira Estrela Dalva Estrela Dalva Mata do Jacinto Mata do Jacinto Novos Estados Novos Estados Novos Estados Santa Fé Santa Fé Veraneio Continua Segredo Zona Rural Fonte: FUNESP Espaço Campo de Futebol do Conjunto Residencial Estrela do Sul Praça do Bairro Morada Verde Campo de Futebol do Núcleo Habitacional José Abrão Quadra Poliesportiva do Tênis Clube Campo de Futebol do Jardim Nascente do Segredo Praça do Bairro Monte Castelo Campo de Futebol da Vila Nasser Campo de Futebol do Bairro Santa Luzia Praça da Coophasul Campo de Futebol Jardim Anache (r. Esporte. Jair Garcia Campo de Futebol da Vila Oeste Praça da Coophatrabalho Campo de Futebol do Bairro Santo Antonio Praça Begônia Praça do Jardim Imá Parque Tarsila do Amaral Praça do Jardim Anahy Campo de Futebol do Jardim Pênfigo Campo de Futebol da Coophavila II Campo de Futebol do Jardim Leblon Campo de Futebol do Núcleo Habitacional Buriti Praça do Jardim Leblon Campo de Futebol do Bairro Jardim Santa Emília Campo de Futebol do Bairro Jardim São Conrado Campo de Futebol do Loteamento Municipal Inter-Praia Quadra Poliesportiva do Jardim São Conrado Campo de Futebol do Jardim Tarumã Praça do Jardim Tarumã Praça de Esportes Elias Gadia Praça Nilton Cavalcante Campo de Futebol do Conjunto União Campo de Futebol do Residencial Oliveira III Praça do Jardim Autonomista Praça do Jardim Autonomista II Quadra Poliesportiva e Campo de Futebol do Clube Estoril Pista de caminhada Ana Janice Piovezan – Av. lazer e Turismo . Dallas com r.Vila Popular Campo de Futebol do Jardim Aeroporto Campo de Futebol da Coophatrabalho Campo de Futebol da Vila Almeida Campo de Futebol da Vila Dr.Horto Parque Florestal Antônio de Albuquerque – Horto Florestal Praça Oshiro Takimori Parque Itanhangá Praça da Vila Corumbá Quadra Poliesportiva Ana Maria do Couto II Campo de Futebol da Vila Manoel Secco Thomé Campo de Futebol do Núcleo Industrial Campo de Futebol do Jardim do Zé Pereira Campo de Futebol do Residencial Búzios Quadra Poliesportiva do Jardim Panamá Campo de Futebol da Nova Campo Grande Bloco 11 .Continuação Continuação Região Urbana Espaço Bairro Região Urbana Centro Imbirussu Lagoa Prosa Praça Cuiabá Campo de Futebol do Complexo Ferroviário Praça do Cabreúva Praça 1º de Maio Parque Aquático do SESC . Abrão Anache) Campo de Futebol do Bairro Nova Lima Campo de Futebol do Jardim Colúmbia Campo de Futebol do Jardim Vida Nova Praça do Jardim Oracília Quadra Poliesportiva e Campo de Futebol da Colônia de Férias Bairro Coronel Antonino Coronel Antonino José Abrão José Abrão Mata do Segredo Monte Castelo Nasser Nasser Nasser Nova Lima Nova Lima Nova Lima Nova Lima Seminário Zona rural Copa nos Bairros Capítulo 8 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 225 Cultura.

Prova Pedestre Corrida do Verde – 10 Km Corrida Night Run VO 2 – 10 Km Corrida Pedestre da APECEF / MS – somente para funcionários da Caixa Curso – "Projeto Esporte e Lazer na Cidade“ PELC Domingo na Avenida (esporte.2 Espaços esportivos fechados 8. Corrida de Rua Corrida de Rua – 5 Km Corrida de Rua Cidade de Campo Grande Corrida de Rua da Associação Desportiva Clube Rios – 5 Km Corrida do Facho .Atleta do Futuro Festival de Futsal – Atleta do Futuro Festival de Ginástica Artística – Atleta do Futuro Festival de Handebol . lazer. cultura e saúde) Domingo nos Parques Esporte na Rua (futsal.2009 Evento Amigo da Paz Atleta Sangue Bom (dia nacional do doador de sangue) Belmar Fitness Campeonato Cidade Morena de Orientação 1ª e 2ª etapas Local Praça Elias Gadia Praça Esportiva Belmar Fidalgo Praça Esportiva Belmar Fidalgo Bairro Moreninha Praça Elias Gadia Vila Nasser Jardim Vida Nova Estrela do Sul Bairro Tiradentes Avenida Afonso Pena Praça Esportiva Belmar Fidalgo Vila Nasser Praça Elias Gadia Rádio Clube Via Parque Avenida Afonso Pena Bairro Moreninha Vila Nasser Grêmio Enersul Estrela do Sul Vila Nasser Vila Coophatrabalho Parque do Sóter Praça Esportiva Belmar Fidalgo Jardim Vida Nova Conjunto Residencial Mata do Jacinto Bairro Dom Antônio Barbosa Praça Elias Gadia Bairro Moreninha Parque do Sóter Bairro Coophavila II Bairro Moreninha Conjunto Residencial Mata do Jacinto Bairro Coophavila II Vila Coophatrabalho Ruas e avenidas de Campo Grande Bairro Moreninha Rua 14 de Julho Uniderp / Mace Parque dos Poderes Ruas e avenidas de Campo Grande Parque Ayrton Senna Avenida Afonso Pena Parque Ayrton Senna Parque Jacques da Luz Vila Nasser Conjunto Residencial Tarsila do Amaral Avenida Afonso Pena Bairro José Abrão. recreação e lazer) Fonte: FUNESP/PLANURB.Camilo Boni Ginásio do Sindicato dos Bancários Ginásio do Instituto de Educação Harmonia Ginásio Poliesportivo de Indubrasil Quadra Coberta Manduzão Ginásio Poliesportivo Jardim Aeroporto II Ginásio do Colégio Nova Geração Ginásio do Colégio Alexander Fleming Ginásio Poliesportivo da FUNLEC Ginásio Poliesportivo da UNIDERP Ginásio de esportes Leonor Barreto Franco – Clube do Trabalhador do SESI Ginásio Poliesportivo do Clube Campestre Ypê Ginásio Dom Bosco Ginásio Poliesportivo do Jardim Vida Nova I Ginásio Poliesportivo da UCDB Bairro Lageado Pioneiros Taquarussu Jardim Paulista Jardim Paulista Rita Vieira Tiradentes Amambaí Amambaí Carvalho Centro Centro Centro Jardim dos Estados Jardim dos Estados Jardim dos Estados Jardim dos Estados São Bento Núcleo Industrial Panamá Popular Bandeirantes Autonomista Chácara Cachoeira Veraneio José Abrão José Abrão Monte Castelo Nova Lima Seminário Tabela 204 Eventos esportivos e de lazer . tae kwon do e greco romana Capítulo 8 Jogos Paradesportivos de Campo Grande 226 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Continua . handebol e vôlei de praia) Circuito Caixa de Corrida Pedestre Circuito Nacional de Corrida de Rua do Carteiro – 10 Km Copa Cidade de Campo Grande de Futebol Amador Centro Cultura.2.3 Projetos esportivos e de lazer Tabela 203 Espaços esportivos fechados Região Urbana Anhanduizinho Espaço Ginásio Poliesportivo do Loteamento Dom Antonio Barbosa Ginásio de Esportes Coronel Eric Tinoco Marques – Moreninho Ginásio Poliesportivo Avelino dos Reis . Esporte.Atleta do Futuro Festival de Judô – Atleta do Futuro Festival de Lutas Olímpicas – judô. Estrela do Sul.Guanandizão Ginásio da Escola ABC Ginásio do SEALP Ginásio Poliesportivo do Rádio Clube Campo Ginásio da Associação Esportiva e Cultural Nipo-Brasileira Ginásio da União Beneficente dos Subtenentes e Sargentos das Forças Armadas Ginásio do Círculo Militar Centro de treinamento esportivo da FUNESP Ginásio da Mace Ginásio do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora Quadra Coberta da Associação Atlética Pelezinho Ginásio da Escola Lúcia Martins Coelho Ginásio do Colégio Avant Gard Ginásio do SESC . voleibol. Ervê Demétrio Calhao Silva Festival de Basquetebol . badminton e hóquei) Esporte na Rua (trinca. basquetebol. futvôlei. lazer e Turismo Imbirussu Lagoa Prosa Copa Interbairros de Campo Grande e I Copa Interbairros de Sub-16 de Futebol Society Segredo Copa Maçônica Copa nos Bairros . Moreninha. basquetebol e vôlei 4 x 4) Esporte nos Bairros (competições desenvolvidas pela comunidade) Festival Atletismo – Atleta do Futuro Festival de Atletismo Prof.(esporte. karatê.8.2. Aero Rancho e Bairro Santo Amaro Diversos bairros de Campo Grande Vila Nasser Vila Nasser Praça Elias Gadia Sest / Senat Horto Florestal Escola Municipal Santos Dumont Instituto Mirim Sesc Bandeira Circuito de Corrida e Caminhada de Rua – 4 e 5 Km Circuito de Jogos de Areia (beach soccer. handebol.

lança e voleibol Maratoninha da Caixa Mini-Maratona 10 km Núcleo Paradesportivo Municipal Passeio Ciclístico Dia do Trabalhador Projeto 2º Tempo – diversas modalidades esportivas (50 Núcleos) Projeto Atleta do Futuro / AABB Comunidade Projeto Atleta do Futuro / CEFAT – Ginástica Artística e Rítmica Projeto Atleta do Futuro / CIESP – Atletismo Projeto Atleta do Futuro / CIESP / CEFAT . natação. judô. natação. quadras. dominó. tênis de mesa e voleibol Ginásios. escolas e ginásios Parque Ayrton Senna Parque Jacques da Luz Parque Tarsila do Amaral Ruas e avenidas de Campo Grande Bairro Aero Rancho Ginásios. natação. futsal. lanchonetes e casas noturnas Box de Informações Turísticas/Aeroporto Internacional de Campo Grande Casas de câmbio Centro de Atendimento ao Turista/Camelódromo Centro de Atendimento ao Turista/Feira Central Centro de Atendimento ao Turista/Shopping Campo Grande Centro de Atendimento ao Turista/Terminal Rodoviário Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Diversos bairros de Campo Grande Centro Olímpico Ruy Jorge – Vila Nasser. voleibol e xadrez .4. dominó.1 Infraestrutura turística Aeroporto Internacional Agências de viagens Bares. Ginásio Guanandizão e Ayrton Senna Ruas e avenidas de Campo Grande CRAS. Rubens Gil de Camillo Fonte: SEDESC/FUNDAC. quadras. pistas e piscinas 8.atletismo. futsal. basquetebol. dança. judô. Parque Ayrton Senna e Parque Jacques da Luz Clube Campestre Ypê Diversos bairros de Campo Grande Parques. judô. malha. natação. 96 e 97) – atletismo. basquetebol. ginástica artística. truco ponto acima e voleibol Jogos da População Negra de Campo Grande – futsal. judô. quadras. Parque Jacques da Luz. caiaque pólo. futsal. futsal. pistas e piscinas Rádio Clube Clube Estoril Praça Elias Gadia Sesc Camilo Boni e Centro Olímpico Ruy Jorge – Vila Nasser Parque do Sóter Parque Ayrton Senna SESC – Avenida Afonso Pena Vila Nasser. basquetebol. natação. ginástica artística. futsal. lazer e Turismo Jogos do Servidor Público de Campo Grande – bozó. voleibol e xadrez Jogos Escolares Mirins de Campo Grande (ano base 95. tênis de mesa e voleibol Jogos Abertos Universitários de Campo Grande – atletismo. tênis de mesa. handebol. voleibol e xadrez Jogos Campo-Grandenses da Melhor Idade – bocha.Vila Nasser Avenida Afonso Pena e Parque dos Poderes Praça Esportiva Belmar Fidalgo Parque Tarsila do Amaral Parque Jacques da Luz Coophavila II SETRAMICO e Praça do Serradinho Projeto Esporte e Lazer na Cidade – PELC (Parceria com o Ministério do Esporte) Projeto Vida Ativa Campo Grande Projeto Núcleo Paradesportivo Municipal (Parceria com o Ministério do Esporte) Prova Pedestre Feminina – 5 km Trinca de Basquetebol Vida Saudável (Parceria com o Ministério do Esporte) Capítulo 8 Fonte: FUNESP. 93 e 94) – atletismo. ginástica artística.atletismo. clubes. kung fu. truco. basquetebol. sinuca. Esporte.Continuação Evento Festival de Natação – Atleta do Futuro / Água Neles Festival de Pipa / Concurso de Pipa Festival de Voleibol – Atleta do Futuro Festival Fraldinha e Pré-Mirim de Futebol – Atleta do Futuro Festival Projeto Atleta do Futuro Gincana Cultural Esportiva GP Cidade de Campo Grande de Corrida Pedestre – 10 Km GP MS de Corrida Pedestre – 10 Km Jogos Abertos de Campo Grande . beisebol. futsal. truco ponto acima. bozó e truco ponto acima Local Sest / Senat Vila Nasser.Parque dos Poderes CEFAT . ginástica artística. corrida. handebol.Avenida Calógeras Centro Olímpico Ruy Jorge – Vila Nasser 8. judô. 227 Cultura. tênis e voleibol Jogos Paradesportivos de Campo Grande Jogos Urbanos Indígenas de Campo Grande – arco e flecha. futebol. ginástica rítmica. handebol. bozó. tae kwon do. Clube Nipo-Brasileiro e SETRAMICO (Serradinho) Praça Esportiva Belmar Fidalgo Praça Esportiva Elias Gadia Praça do Papa Centro Olímpico Ruy Jorge – Vila Nasser Parque do Sóter Ginásio Guanandizão Parque Ayrton Senna Centro Olímpico Ruy Jorge . dama.3 Galerias de arte Amor e Arte Armazém Cultural Art Galeria Mara Dolzan Atelier Cleuza Vasconcellos Ayoub Gallery Espaço de Arte “Criação e Mostra” – Camelódromo Espaço UNIMED – sala de exposições Exposições Temporárias – Morada dos Baís Galeria de Arte Isaac de Oliveira Galeria do Banco do Brasil . sinuca. voleibol e xadrez Jogos Interclubes de Campo Grande – futebol society. futsal. escolas e associações AABB . futebol society. futebol society. Centro de Convivência de Idoso – Vovó Ziza Parque Ayrton Senna Praça Esportiva Belmar Fidalgo Ginásio Guanandizão UBSSFA Ginásios.4 Turismo 8. tênis de mesa. tênis de mesa. basquetebol. futebol society. pistas e piscinas Jogos Escolares Campo-Grandenses (ano base 92. ginástica rítmica. handebol. handebol. sinuca.Agência Pantanal Galeria do Sesc Horto Gallery Wega Nery – Centro Cultural José Otávio Guizzo Leonor Lage Nhanduti Sala de Exposições Projeto Território Ocupado – Memorial da Cultura Apolônio de Carvalho Sala Loyd Bonfin – Centro de Convenções Arq.

Cultura.4.1.4. teatro de arena. Esporte.4.5 hectares.2.1 Roteiros ecológicos 8. localizado na Região Urbana do Centro.7. após ampla reurbanização.1. 9. nacional e regional Rodoviária SEDESC / Departamento de Turismo SEBRAE/MS SENAC/MS SEST/SENAT SESC SEPROTUR/Fundação de Turismo Taxistas qualificados Fonte: SEDESC 8. sua história tem início em 1912 quando o Intendente José Santiago reservou a área com vegetação característica e dois braços de córregos que ali se juntavam para formar o rio Anhanduí. o horto é parte integrante do setor histórico da cidade tendo em suas imediações importantes referências do patrimônio da cidade. lazer e Turismo Centro de Informações Turísticas e Culturais/Morada dos Baís Centro de Atendimento ao Turista/ “José Maria Tortorelli” – saída para Três Lagoas CGPCVB/MS (Campo Grande Pantanal Convention & Visitors Bureau) City Tour Oficial de Campo Grande Day Use – Turismo rural Guias de turismo Locadoras de automóveis Operadora de turismo receptivo Pousadas rurais – Turismo rural Profissionais qualificados/Turismólogos Rede hoteleira com hotéis de categoria luxo a econômico Restaurantes/Comida internacional. Fonte: Revista ARCA n. 8.082. Com área atual de 4. espelho d'água e área de lazer. Em 1995.2 Atrativos turísticos 8.2. de 26 de fevereiro de 1993 e Capítulo 8 228 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . 2003.1 Parque Florestal Antônio de Albuquerque Também conhecido como Horto Florestal. canchas e pistas esportivas. o Parque Florestal Antônio de Albuquerque passa a contar com dependências para administração e biblioteca.4.2 Parque das Nações Indígenas Criado pelo Decreto Estadual n.2. orquidário. além de espaço para oficinas de arte.

Sua vegetação encontra-se em processo de regeneração bastante avançado.gov.br acesso em fevereiro/04 Parque das Nações Indígenas denominado Parque das Nações Indígenas pelo Decreto Estadual n. Fonte: SEDESC 8.6773 m². quando ocorreu a divisão do Estado.4. o Parque representa um dos últimos fragmentos remanescente do bioma cerrado dentro do perímetro urbano de Campo Grande.2.7. 9. Fonte: www. Tem como objetivos de sua criação.985. porém suas instalações só foram Capítulo 8 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 229 Cultura.4 Parque Estadual do Prosa Criado pelo Decreto Estadual n. a área sofreu intervenções agropecuárias no passado. Esporte. sanitários. lanchonetes. ao se confluírem. educação e interpretação ambiental. Além das particularidades de vegetação. Predomina a formação da vegetação de cerrado e matas de galeria. enquanto Unidade de Conservação.000 metros de pista para caminhada. Possui uma área de 119 ha e 4. Em maio de 2002 houve a reclassificação para Parque Estadual do Prosa. é um complexo construído com o objetivo de preservar uma reserva ecológica de lazer contemplativo. aliadas à localização urbana facilitam a sua utilização para atividades de pesquisa científica. O conjunto apresenta também prédios destinados a cultura como o Centro de Convenções de MS.sema. Palácio das Comunicações – TV Educativa. iniciam o Córrego Prosa. flora e as belezas naturais do local.2.4. com 4. Na reserva também esta localizado o Centro de Reabilitação de Animais Silvestres. situa-se no planalto da serra de Maracaju pertencente à Bacia do rio Paraná. sub-bacia do Rio Anhanduí. que tem por objetivo contribuir para a conservação da fauna sul-mato-grossense. policiamento. resguardar a fauna. córrego que atravessa o parque formando um lago e local destinado a shows e apresentações. Foi implantado respeitando a vegetação nativa do cerrado.1. afluente do Rio Pardo.ms. ano em que o governo se instalou definitivamente. como Reserva Ecológica do Parque dos Poderes. 1229/81. atendendo as recomendações da Lei n. Suas características físicas e biológicas.810. O Parque das Nações Indígenas. maior parque urbano de lazer da cidade. Fonte: SEDESC 8.354.ocupadas em 1979. No interior do Parque são encontradas as nascentes dos córregos: Desbarrancado e Joaquim Português que. de 18 de junho de 2000 (SNUC – Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza). com uma área aproximada de 135 hectares e altimetria em torno de 600 m. Seu planejamento teve inicio em 1977. está localizado na Região Urbana do Prosa.3 Parque dos Poderes Centro político-administrativo do Poder Estadual. de 17 de agosto de 1993. lazer e Turismo .1.

e foi submetida a um projeto de recuperação ambiental e urbanização do seu entorno.6 Parque Doutor Anísio de Barros .1. Região Urbana do Bandeira em Campo Grande.1.4. a fauna é tida como bastante variada.4.4. também.2.7 Parque Ecológico do Anhanduí Criado pela Lei n. a área foi classificada como parque ecológico. com 177. É um ambiente característico. a manutenção de bacias hidrográficas e valorização do patrimônio paisagístico e cultural de Campo Grande.ms.2. pássaros pretos. Considerando-se os ciclos anuais. bagre.2. 8. 9 e Parque Estadual Matas do Segredo: plano de manejo. com estratificações típicas dos lagos que apresentam vegetação herbácea arraigada ao longo da margem e sua água dominada pelo plâncton e gramíneas encontradas principalmente nas zonas interiores. muçum e traíras.58 hectares abrange área urbana de Campo Grande e está localizado na Região Urbana do Segredo. A criação do Parque Lagoa do Itatiaia Capítulo 8 230 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Ernesto Geisel. visando qualificá-la para o uso da comunidade local. objetivando sua utilização para fins de pesquisa científica. Fonte: PLANURB Cultura. A lagoa serve. de 5 de junho de 2000. espécies de flora e fauna.4. A diversidade existente nesta lagoa. marrecos. A lagoa e seu entorno ocupam uma área de aproximadamente 10 ha. de pouso para aves migratórias como garças. resumo executivo(2008) 8.1.935. onde aves de várias espécies surgem eventualmente em busca de alimento.108/2003 recebeu o nome de Parque Doutor Anísio de Barros.Lagoa do Itatiaia A lagoa do Jardim Itatiaia é um afloramento d'água natural que se intensifica nas épocas em que os índices pluviométricos são mais elevados.br acesso em fevereiro/04. Por apresentar características físicas e biológicas diversificadas.8. Esporte. o parque está localizado no prolongamento da av. pela Lei n. entre outras. lazer e Turismo Fonte: Site www.5 Parque Estadual Matas do Segredo Criado pelo Decreto n.3 ha. de 19 de junho de 2000. Revista Arca n. Abriga um dos principais mananciais de água de Campo Grande. nas proximidades dos córregos Bandeira e Anhanduí. 3.gov. com o objetivo de preservar amostras de cerrado e matas nela associados. educação ambiental.sema. numa área de 18. conta também com espécies de peixes como lambaris. 9. no centro do loteamento Jardim Itatiaia.762. cará. de relevante interesse ambiental. recreação e turismo em contato com a natureza.

com área de 22 ha e 8. Aero Rancho.Ecológico possibilita a preservação de ecossistemas naturais de relevância para o município. tem sob seus domínios uma área de 23 ha com vegetação típica do cerrado. pesquepagues.1. Esporte. Jacy e Taquarussu. estações de alongamento. além de conhecer rapidamente a história e cultura campo-grandense. o Parque Ecológico do Sóter. Hermínia Grize e Salsa Parrilha.1. através da recuperação ambiental da microbacia do Córrego Sóter. que qualificou os espaços livres existentes atendendo a demanda da população por locais de lazer. possibilitando um acréscimo de área verde urbana. Antônio Rahe. . vários trabalhos já foram realizados e apresentados em reuniões da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC Jovem. proporcionando novas alternativas de lazer aos moradores de alguns dos mais populosos bairros da cidade. 9 população de Campo Grande. o visitante também encontra as guloseimas típicas do campo e artesanatos rurais. largo dos encontros.3 Turismo rural 8. como Guanandi. lazer e Turismo 231 Quem opta por escapar da vida agitada da cidade. Fonte: Revista ARCA n. Cristóvão. 9 8. entre outras atrações. No Parque foram identificadas e catalogadas 120 espécies de uma coleção botânica.652 m². situados nas imediações. foi inaugurado em 20 de novembro de 2004.4. pista de multiuso.9 Parque Ecológico do Sóter “Francisco Anselmo Gomes de Barros” Com o objetivo de recuperar e conservar a nascente do Córrego Sóter e seu entorno. criando condições para promover a educação e interpretação ambiental em contato com a natureza. quiosques com churrasqueiras. motivando a atividade de iniciação científica entre alunos do colégio. esportes radicais.2. lago. Piratininga. área de piquenique. Todo esse clima pode ser encontrado em estâncias. encontra no turismo rural um programa mais relaxante através do contato direto com a natureza. recreação e contemplação. cachoeiras. parque infantil.4. pipódromo. delimitado pelas ruas Rio Negro. trilhas ecológicas. O Parque possui pista de caminhada. cavalgadas. pista de skate.2. como opção de lazer e integração urbanística das áreas do entorno. considerado laboratório vivo para a prática de ensino e desenvolvimento de projetos. Fonte: SEDESC 8. Com material coletado no local.8 Parque Ecológico Alexandre Rodrigues Ferreira O Colégio Militar de Campo Grande.4. No day use. Melhorando a qualidade de vida da Parque Ecológico do Soter Capítulo 8 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Cultura. Lechuga Luengo. mirante e ciclovia externa. pousadas rurais. quadras esportivas. incluindo fauna e flora. Fonte: Revista ARCA n.

teatro de arena e oficinas de produtos caseiros trekking. redário. trilhas. piscinas com água natural. lazer e Turismo Fonte: SEDESC 8.restaurante rural lazer colhe e pague (na época da uva). hospedagem. Esporte. comida caseira e camping trekking.4. passeio de bicicleta. cavalgada. passeio de charrete. redário. hospedagem. almoço e lanche day use – comidas típicas rurais. cachoeiras. oficina de artesanato. hospedagem. criação de carneiros. campo de vôlei e futebol. parque infantil day use . de que sejam Relógio Central abertos para visitação com finalidade turística/cultural Capítulo 8 Cinemas Cine Campo Grande I Cine Campo Grande II Cinecultura Cinemark (10 salas) Teatros Aracy Balabanian Dom Bosco Fenanda Montenegro Glauce Rocha Manoel de Barros Prosa/SESC Horto Obelisco 232 Fonte: SEDESC Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . mirante. piscina. redário. lazer e restaurante típico centro de comercialização de gado de corte (leilão) e restaurante day use.IURD Cabeça de Boi Igreja Matriz de Santo Antônio/Catedral Nossa Da Imigração Japonesa Senhora da Abadia Do Aviador Igreja Nossa Senhora de Fátima Dos Imigrantes – Carro de Boi Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro Estátua Ary Coelho Igreja Presbiteriana Monumento a Imigração Japonesa Igreja São Benedito Monumento aos Pracinhas Igreja São Francisco de Assis Obelisco Igreja São José Pantanal Sul – dos Tuiuiús Mesquita Luz da Fé Obs. comidas típicas.Tabela 205 Atrativo – Turismo rural – 2009 Nome da Propriedade Cabanas do Pontal Chácara Panambi Chácara Primavera Cidade das Abelhas Estância Alegria Estância Malhete Estância Orsi Estância Vovô Dedê Fazenda Dom Fernando . vivência no campo. restaurante. comidas típicas. arvorismo. cavalgada. Outros edifícios religiosos não foram citados por não haver Praça das Araras registro no Departamento de Turismo/SEDESC. day use pesque e pague. balsa. trilha na mata. café. doces e pomar orgânico pesque e pague. tiroleza. projeto para espaço de eventos Apicultura. trilha na mata ecológica. restaurante e lazer familiar Cultura.4 Roteiros Culturais Tabela 206 Roteiros culturais Memorial da Cultura Indígena Museus História Centro de Memória – Tribunal Regional Eleitoral Armazém Cultural Da Aviação de Busca e Salvamento Arquivo Histórico Municipal – ARCA Da FEB – Força Expedicionária Brasileira Casa do Artesão Da Imagem e do Som – MIS Casa do Ferroviário De Arte Contemporânea – MARCO Centro Cultural José Octávio Guizzo Centro Municipal de Música – Ernani Alves Correa Do Telefone Dom Bosco – Do Índio Correios e Telégrafos José Antônio Pereira Estação Ferroviária Lídia Baís – Morada dos Baís Memorial da Cultura Indígena Morada dos Baís / Pensão Pimentel Edifícios Religiosos Monumentos Busto José Antônio Pereira 1ª Igreja Evangélica Batista Busto Pandiá Calógeras Catedral da Fé . restaurante. palestras educativas pesque solte.Café Colonial Fazenda Pontal das Águas Haras Cachoeira / Doces Esmeralda Recanto Nippon Atrativo day use. pesque e solte. passeio a cavalo. pesque-pague.

lazer e Turismo .Praça do Itanhangá Capítulo 8 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Concurso Gastronômico 233 Cultura. Esporte.

lazer e Turismo Reveillon Festival de Cinema Motoroad Carnaval Expogrande Festa de São Benedito Passeio Ciclístico de 1º de Maio Undokai Arraial de Santo Antônio Circuito Banco do Brasil de Vôlei de Praia Bon Odori Circuito Cultural Banco do Brasil Jogos Abertos de Campo Grande FEIPAN Fonte: SEDESC Janeiro Janeiro/Fevereiro Fevereiro Fevereiro/Março Março/Abril Maio Maio Maio Junho Junho Julho Agosto Agosto Outubro 8.6 Salões de exposições temporárias Assembleia Legislativa Centro Cultural José Octávio Guizzo Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo Parque de Exposições Laucídio Coelho Pavilhão de Exposições Albano Franco Sebrae/MS SESC Espaço Alternativo Arte SESC Administração Regional SESC Almirante Barroso SESC Camilo Boni SESC Horto Shopping Center TVE Fonte: SEDESC Capítulo 8 234 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Esporte.Cultura.

Aparecida Lopes de Oliveira Instituto Municipal de Planejamento Urbano . 835 R.Vila Popular R.Vila Ipiranga R.400 – Centro R. dos Estados R. 25 de Dezembro. Cel. Otávio Pacheco Lomba Procuradoria da República no Estado de MS Biblioteca Dr. s/n Parque dos Poderes . Almirante Barroso. 279 Jardim Paulista R.Bloco II Parque dos Poderes . 4444 – Vila Cidade Av. Anhanduí. Cacildo Arantes. Itacuru.Bloco 13 Av. 164 – Centro Av. 924 1º andar – Jd. Desembargador Leão Neto do Carmo. Esporte.206 – Centro Av.8.7 Bibliotecas e salas de leitura 8. João Rosa Pires Travessa Mace. 1. Cachoeira R. s/n – Bloco 29 – Parque dos Poderes R. Mato Grosso. 26 de Agosto. 47 Av. Afonso Pena.7.Itanhanga Continua Capítulo 8 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 235 Cultura. Paulo Coelho Machado Colégio Militar de Campo Grande Biblioteca FACSUL Faculdade de Mato Grosso do Sul Biblioteca Geog. 3469 – Bairro Jardim dos Estados R. 322 – B. Fernando Corrêa da Costa. 52 – Bairro Amambaí Av. 1. Arlindo de Andrade Gomes Tribunal de Justiça do Estado de MS Biblioteca Dr. Afonso Pena. lazer e Turismo . Km 4 . Mato Grosso. Presidente Vargas. Hélio de Castro Maia.PLANURB Biblioteca ICG Instituto Campo Grande de Ensino Superior Biblioteca Jerônimo Inácio Bonfim / Fundação Lowtons Av.Bloco 9 . Marte. s/n .UNAES Biblioteca da UNIDERP .(Almirante Barroso/Camilo Boni/ Horto) Biblioteca Central Ivonne Coelho de Souza Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal UNIDERP Biblioteca da Assembleia Legislativa Estado de MS Biblioteca da Embrapa Gado de Corte Biblioteca da Empresa de Correio e Telégrafos de Campo Grande Biblioteca da Federação das Indústrias – Casa da Indústria Biblioteca da UNAES Centro Universitário de Campo Grande . 138 – Vila Alto Sumaré – Bairro Planalto R.800 Bairro Sobrinho Av. Afonso Pena. Afonso Pena. 1480 . 275 Bairro Amambaí R. 23 Parque dos Poderes Biblioteca Dom Bosco Colégio Salesiano Dom Bosco Biblioteca Dr. Desembargador Leão Neto Carmo.Palácio Guaicurus Rodovia BR 262. Ceará.Campus II Biblioteca de Ciência da Saúde Secretaria Estadual de Saúde do Estado de MS Biblioteca do IBAMA . 200 Av.FUNLEC/IESF Biblioteca Central AR/MS – SESC . 1800 – Vila Dr. 333 Campus I . 2.Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Biblioteca do Pantanal Biblioteca do Sesc Almirante Barroso Biblioteca do Sesc Camilo Boni Biblioteca do Sesc Horto Biblioteca do Tribunal de Contas do Estado de MS Biblioteca do Tribunal Regional Eleitoral de MS Endereço R. Antonio Maria Coelho. 421 R. Senador Filinto Muller. Vasconcelos Fernandes.1 Bibliotecas Tabela 207 Bibliotecas em Campo Grande Biblioteca Biblioteca Central Alcídio Pimentel Fundação Lowtons de Educação e Cultura .

Jornalista Belizário Lima. Félix Zavattaro Universidade Católica Dom Bosco – UCDB Biblioteca Pública Estadual Dr. 3.Nova Bahia R.2 Salas de leitura Tabela 208 Salas de leitura comunitária em Campo Grande Sala Sala Sala Sala Sala de de de de de Leitura Leitura Leitura Leitura Leitura Sala de Leitura Comunitária As Obreiras do Jardim Colonial Comunitária Coophasul Comunitária das Moreninhas Comunitária Infantil Ruth Rocha Comunitária Nelson Trad Endereço Rua Joana D’arc. 418 – V. 765 – Jardim Imá – Bairro Santo Antônio Rua José Hélio.Ciências Biológicas.7. Fernando Corrêa da Costa. Seminário Av. Venâncio Borges do Nascimento. Esporte.475 – Vila Orfeu Baís R. Antonio João – 1. Presidente Ernesto Geisel. 2007.Biblioteca Setorial Professora Ana de Souza Mecchi – Campus III . Francisco Candido Xavier. 559 – 2º andar R. Tamandaré. 647 . lazer e Turismo R. Itapuã.Continuação Biblioteca Biblioteca José Carlos Flores Biblioteca Juiz Valentin Carrion Tribunal Regional do Trabalho 24ª Região Biblioteca Pe.675 . Ronaldo Monteiro. Isaias Paim Fundação de Cultura de MS Biblioteca Pública Municipal de Campo Grande Profª Anna Luiza Prado Bastos Biblioteca Romário Santos Pereira Associação dos Amigos das Crianças com Câncer Biblioteca Setorial Guaicurus Biblioteca Central – Fac.128 – Parque dos Poderes R. Nailor Vargas Marcondes de. 6000 – B. 262 – Centro R. 70p. 335 – Centro Comunitário Jardim São Conrado – Bairro São Conrado Sala de Leitura Comunitária São Conrado Fonte: Associação Profissional de Bibliotecários de MS Capítulo 8 236 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Alexandre Herculano. Anuário Delegacia Regional de Biblioteconomia: DRB/MS:2007. Glória Av. Bloco 4 Cultura. 35 – Vila Ornela Av. 60 – Jardim Colonial – Bairro Pioneiros Rua Cotegipe. das Carolinas. 1400 Parque dos Poderes 8. 999 – Coophasul –Bairro Nasser Rua Anacá. Endereço R. Agrárias e de Saúde Fonte: SOUZA.Centro Rua 25 de Dezembro. 185 – Moreninha II – Bairro Moreninha Horto Florestal – Centro – Bairro Centro Rua Florianópolis. Campo Grande. Mato Grosso. 1661 Cidade Universitária Parque dos Poderes. 377 – Jd. s/n (antiga Rua do Parque) – Horto Florestal Av. TV Morena Av. Estácio de Sá de Campo Grande Centro de Documentação e Informação do SEBRAE/MS Coordenadoria de Biblioteca Central Universidade Federal de MS Divisão de Biblioteca e Documentação Procuradoria Geral do Estado de MS Fap & Fatep (Faculdade Theológica) Instituto Sul Matogrossense para Cegos – Florivaldo Vargas – ISMAC Justiça Federal de 1º Grau de MS – Biblioteca Núcleo de Produção Braille e Tipos Ampliados UNIDERP .

9 Finanças Públicas .

19 11.140.57 .44 231.202.857.191.93 33.439.397.91 37.597.77 692.36 38.321.922.99 161.19 0.123.87 170.02 19.38 45.904.86 2009 130.51 5.866.84 603.46 132.81 3.93 Fonte: Balanço Municipal.77 34.771.46 5.27 10.77 54.02 261.340.40 200.407.78 0.229.42 30.650.47 63.22 342.124.71 185.68 5.601.35 1.588.49 24.75 0.875.00 540.57 85.939.74 59.55 8.882.975.891.85 7.88 157.127.21 181.37 11.593.345.00 523.68 13.00 0.563. Capítulo 9 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Agência Municipal de Habitação de Campo Grande 239 Finanças Públicas 75.00 0.87 12.68 2008 106.19 36.690.00 0.00 Receitas Receitas Correntes Próprias ISS IPTU ITBI Taxas Outras Receitas Soma das Receitas Próprias Transferências Correntes ICMS FPM IPVA Outras transferências Soma das Receitas de Transferências Total das Receitas Correntes Receitas de Capital Operações de Crédito Outras Receitas de Capital Transferências de Capital Total das Receitas de Capital Dedução de Receitas Dedução de Receita para Formação do FUNDEF/FUNDEB Total das deduções de Receitas Receitas Intra-Orçamentárias Total Geral da Receita 1998 30.225.00 696.81 333.00 0.33 21.173.739.14 380.540.874.63 23.Tabela 209 Demonstrativo da receita total arrecadada no município de Campo Grande – 1998-2009 Valores em R$ 1.63 28.451.86 294.49 43.233.66 210.661.27 492.76 17.590.62 15.306.449.467.527.296.119.831.327.00 0.641.624.16 361.095.60 52.885.950.018. Fundações.07 283.482.565.620.51 14.50 233.521.894.06 20.383.48 48.397.869.78 309.43 237.285.10 152.49 24.079.76 20.32 64.712.369.36 27.289.14 95.13 1999 30.55 9.620.86 2000 36.559.418.102.723.43 53.28 405.19 1.149.57 51.14 73.97 34.80 0.192.55 0.914.779.857.750.000.590.218.63 60.473.768.32 10.440.040.063.39 32.63 27.165.565.341.01 28.859.361.00 479.202.97 323.67 937.624.98 248.924.77 14.620.23 101.79 28.45 5.997.161.729.360.266.859.45 66.421.00 340.181.928.060.305.367.457.93 248.74 278.826.57 0.705.00 411.435.044.766.529.983.07 8.31 813.998.54 46.392.317.559.331.870.60 794.37 35.573.086.81 39.43 21.30 10.857.81 16.620.270.404.44 181.158.45 107.45 4.00 221.286.00 937.34 0.990.83 17.797.943.87 870.405.03 9.752.110.920.86 22.86 44.063.786.97 71.00 0.04 78.361.36 1.112.097.572.731.091.74 38.26 484.807.71 638.858.733.22 7.04 51.10 32.74 582. SEPLANFIC/PMGC .07 11.011.071.27 354.89 23.167.66 14.01 24.116.078.774.583.96 147.086.801.41 0.929.187.741. A partir de 2002 as informações foram consolidadas com as arrecadações das Autarquias.00 0.03 65.715.645.473.255.86 29.316.13 43.00 316.846.11 43.00 137.30 277.73 92.41 70.68 468.76 152.99 7.64 12.82 72.73 19.32 556.54 44.40 44.29 75.13 11.31 531.207.89 20.93 3.97 231.245.595.47 10.713.175.06 34.729.03 13.994.Nota: Até o exercício de 2001 os dados referem-se apenas à arrecadação da Administração Direta.353.00 0.47 96.208.34 58.583.190.525.309.149.377.318.696.33 191.903.10 471.78 6.83 4.97 29.573.38 2007 26.994.01 127.096.492.851.775.819.14 1.204.93 0.594.13 2001 42.832.47 8.060.898.07 9.17 49.311.102.741.856.65 10.84 408.00 0.233.560.20 41.43 45.92 6.717.72 236.907.65 33.17 535.63 33.64 1.66 238.239.027.301.29 66.67 114.38 72.92 65.123.30 29.00 17.00 0.001.83 133.98 116.46 92.58 18.250.24 1.56 57.04 28.86 1.423.32 23.096.556.28 36.489.276.31 48.97 2002 2003 2004 2005 2006 92.86 38.93 33.76 121.68 69.83 34.59 32.36 11.24 447.18 0.24 114.473.36 249.95 10.875.190.492.00 0.66 822.50 21.231.04 12. Fundos e Empresas Municipais.15 8.54 42.570.35 10.

01 81.361.56 1.85 95.Deduções) 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 210.16 361.975.689.379.74 582.832.657.777.20 24.930.24 1.98 248.123.352.281.467.86 41.030.000.88 739.16 14.04 1.471.34 79.492.282.38 45.621.74 1.10 5.96 89.939.92 221.26 1.26 82.13 21.742.61 794.902.467.086.80 316. Central de Atendimento ao Cidadão Tabela 211 Despesas Correntes e de Capital realizadas no município de Campo Grande – 1998-2009 Finanças Públicas Valores em R$ 1.771.88 20.55 937.740.18 523.41 585.76 696.473. Fundações.00 17.29 75.84 603.975.77 72.45 1.74 17.166.09 205.214. Capítulo 9 240 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .124.765.47 95.929.32 33.340.50 0.00 0.529.22 24.900.435.86 884.42 559.94 1.61 91.928.565.08 107.98 216.882.08 11.218.336.891.16 94.468.110. SEPLANFIC/PMCG/PLANURB Nota: Até o exercício de 2001 os dados referem-se apenas à arrecadação da Administração Direta.423.548.80 316.814.68 71.87 283.62 28.624.18 540. Fundações.948.557.22 553.39 6.99 18.20 21.06 6.60 299.14 34.45 68.910. Fundos e Empresas Municipais.721.37 937.19 38.457.92 9.397.140.124.01 22.31 107.647.78 294.55 31.090.21 1.66 20.26 160.60 92.882.85 18.81 96.52 1.158.41 468. A partir de 2002 as informações foram consolidadas com as arrecadações das Autarquias.85 251.068.114.286.55 72.29 621.488.49 66.46 381.02 53.500.43 237.441.31 813.60 623.97 323.00 Ano Correntes % Despesas Capital % Total % 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 163.76 20.869. SEPLANFIC/PMCG Nota: Até o exercício de 2001 os dados referem-se apenas à despesa da Administração Direta.000.00 0.667.189.181.93 43. A partir de 2002 as informações foram consolidadas com as despesas das Autarquias.72 124.10 98.19 3.00 0.659.407.87 78. Fundos e Empresas Municipais.311.14 28.33 150.316.117.12 79.53 4.07 26.Tabela 210 Receitas Correntes e de Capital arrecadadas no município de Campo Grande – 1998-2009 Valores em R$ 1.41 242.78 75.93 73.98 248.071.422.89 23.88 96.560.95 1.15 4.068.90 1.80 78.46 86.341.857.11 1.69 971.914.00 Ano Receitas Correntes % Capital % Total Deduções (Total .918.75 709.437.696.541.84 85.88 75.76 172.40 7.683.212.54 13.04 10.22 193.66 3.807.831.94 93.377.19 49.540.65 720.514.46 276.063.063.772.66 1.620.987.229.37 729.771.93 Fonte: Balanço Municipal.407.01 1.57 221.060.741.05 227.90 94.907.08 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 100 Fonte: Balanço Municipal.51 692.214.55 10.835.69 461.16 361.982.23 823.45 342.60 90.14 899.61 1.34 5.15 81.

659.80 353.218.94 25.12 480.935.379.740.44 Total 333.86 42.486.967.02 33.169.011.325.911.87 Serviços 145.43 Fonte: SEFAZ Obs.774.172.220.198.619.579.051.435.52 47.918.977.333.237.136.198.220.26 6.66 42.23 20.828.09 9.390.28 437.87 163.898.774.01 170.49 12.959.127.859.879.87 88.166.619.093.44 1.364.031.145.58 21.168.45 9.482.02 14.216.79 165.68 20.587.343.690.562.945.344.05 525.44 61.144.488.566.497.05 414.32 366.64 18.654.93 4.290.241.69 540.322.748.75 36.87 11.50 3.544.647.191.15 Pecuária 9.50 237.74 4.00 34.85 468.696.999.506.033.185.80 15.996.61 6.814.82 391.27 33.531.074.57 199.617.118.543.952.604.48 187.06 61.401.702.779.420.978.50 835.260.142.910.034.891.97 428.71 270.963.236.096.418.985.02 12.553.516.71 171.370.890.41 14.467.89 6.195.471.39 396.62 46.936.657.254.317.354.22 164.21 Agricultura 36.796.013.741.293. Afonso Pena .267.30 44.185.99 67.101.465.66 Eventuais 3.123.00 34.621.738.298.84 3.700.Paço Municipal Tabela 212 Demonstrativo de arrecadação de ICMS (100%) por atividade econômica no município de Campo Grande – 1999-2009 Anos 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Comércio 124.388.10 Indústria 14.375.528.971.639.Casa sorteio especial do IPTU Av.48 163.387.940.877.41 1.027.515.12 32.39 29.530.308.055.563.530.748.020.928.47 11.753.572.94 3.135.166.025.058.088.165.009.370.16 47.30 429.899.523.674.287.81 683.477.973.174.843.636.041.11 1.35 305.000. Nota: dados elaborados pelo Banco de Dados do Estado – SEMAC – MS Capítulo 9 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Finanças Públicas 241 .986.93 138.35 377.285.555.95 22. Não estão incluídos outros valores provenientes da substituição tributária com outro Estado.

10 Gestão Democrática do Planejamento Municipal .

audiências e consultas públicas. de 6 de outubro de 2006. programas e projetos de desenvolvimento urbano. 5 de 1995. instituído pelo decreto n.Discussão Orçamento 2011 Capítulo 10 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 245 Gestão Democrática do Planejamento Municipal A Lei Complementar n. 94.- Conselho Municipal de Desenvolvimento e Urbanização . atribuindo-lhes a responsabilidade de. os seguintes instrumentos: Municipal de Desenvolvimento e Urbanização – CMDU.debater.CMDU tem como objetivo: . definir e fiscalizar programas.possibilitar a participação da sociedade civil nas discussões referentes à Política de Desenvolvimento do Município. projetos. 44. . Entretanto. saneamento ambiental. debates. em conformidade com suas atribuições. sancionado pela Lei Complementar n. a participação da comunidade nas discussões referentes à política urbana não é recente em Campo Grande. Conselhos Regionais.conferências sobre assuntos de interesse urbano.484 de 1987. demais Conselhos Municipais. . subsidiar complementarmente o CMDU. da Lei Federal n. que instituiu a Política de Desenvolvimento e o Plano Diretor de Campo Grande.iniciativa popular de projeto de lei e de planos.5. Esta Lei definiu também que o Conselho Municipal de Desenvolvimento e Urbanização . habitação. . 10. Desde 1987 existe o Conselho Escola de Governo . já reforçava a importância dos conselhos no Sistema Municipal de Planejamento. . transporte e mobilidade urbana.CMDU. O Plano Diretor anterior. avaliar. entre outros. inclusive quanto ao disposto no art. propor.257/2001. estabeleceu que para garantir a gestão democrática da cidade com a efetiva participação da comunidade no Sistema Municipal de Planejamento serão utilizados. a Política de Desenvolvimento e as políticas de gestão do solo.

CIST Comissão Municipal de DST/AIDS Comissão Municipal de Emprego e Renda .CMER Comitê Gestor do Sistema Municipal de Atenção as Urgências .COMPD Natureza Consultiva. comissões e comitês em atividade . responsável por articular e interagir com os órgãos setoriais e entidades governamentais e não governamentais de ações de promoção e proteção ao aleitamento materno Consultiva na definição da Política Municipal de Saúde do Trabalhador Proponente nas diretrizes e estratégias para concretização da política de prevenção e controle do DST/AIDS no município de Campo Grande Consultiva e proponente no aprimoramento do Sistema Público de Emprego e Renda.SAMU Comitê Municipal de Prevenção de Mortalidade Materna e Infantil de Campo Grande Conselho Deliberativo do Programa de Microcrédito Produtivo e Solidário .CMC Conselho Municipal da Juventude .CMJ Conselho Municipal de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e Valorização do Magistério .CONDELI/CREDIGENTE Conselho Municipal Antidroga .CMAE Conselho Municipal da Cultura .Tabela 213 Conselhos.CMCTI 246 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . Tecnologia e Inovação .CMACS/FUNDEF Conselho Municipal de Apoio à Pessoa Portadora de Deficiência . transferência e aplicação dos recursos do FUNDEB.CMAS Conselho Municipal de Ciência. examinando os registros contábeis e demonstrativos gerenciais mensais e atualizados relativos aos recursos repassados ou retidos à conta do Fundo Consultiva e proponente na formulação de propostas com a finalidade de assessoramento ao Executivo Municipal na viabilização de política de prevenção.FUNSAT em consonância com a CODEFAT/MS Proponente na implementação das correções necessárias à permanente adequação do Sistema de Atenção Integral à Urgências dentro das Diretrizes estabelecidas pelo Plano Municipal de Atenção as Urgências Propositiva e de assessoramento. atendimento e a integração social do portador de deficiência Deliberativa na política da Assistência Social Consultiva e de assessoramento ao Poder Executivo Municipal com finalidade de propor diretrizes e prioridades voltadas ao desenvolvimento científico e tecnológico em benefício da comunidade campo-grandense Continua Capítulo 10 Conselho Municipal de Assistência Social .2010 Gestão Democrática do Planejamento Municipal Conselho Comissão de Aleitamento Materno Comissão Intersetorial de Saúde do Trabalhador . destinado a estabelecer diretrizes da política local de prevenção e atendimento aos dependentes de entorpecentes e drogas afins Deliberativa e fiscalizadora na execução do Programa de Municipalização de Alimentação Escolar Consultiva e proponente na formulação do Plano Municipal de Cultura garantindo o pleno exercício dos produtores culturais e acesso do cidadão às fontes de cultura Proponente e consultiva na promoção das políticas de apoio a juventude Fiscalizadora no acompanhamento do controle da repartição. com a finalidade de identificar os óbitos maternos e de crianças menores de um ano para propor às instituições medidas de prevenção e correções de possíveis distorções e redução da mortalidade materna e infantil Deliberativa para estabelecer critérios e fixar limites globais e individuais para concessão dos financiamentos e subvenções Consultiva e proponente.COMAD Conselho Municipal da Alimentação Escolar . propondo diretrizes específicas para atuação da Diretoria de Trabalho da Fundação Social do Trabalho de Campo Grande .

propor. saneamento ambiental. credenciar e supervisionar os estabelecimentos de ensino público e privado do sistema municipal de ensino Consultiva na definição das políticas para o desenvolvimento sustentável no município dos setores da indústria comércio e serviço Deliberativa na atuação.CMDN Conselho Municipal dos Direitos e Defesa dos Povos Indígenas de Campo Grande .COMSAN Conselho Municipal de Turismo . avaliar.CMS Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional . divulgar.COMTUR Conselho Municipal do Idoso .CMDU Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico . a Política de Desenvolvimento e as políticas de gestão do solo. Indústria e Serviços . bem assim autorizar. tendo como objetivo possibilitar a participação da sociedade civil nas discussões referentes à Política de Desenvolvimento do município e debater. fiscalizar e avaliar a concessão da Política Municipal do Idoso Deliberativa nos processos de licenciamento ambiental encaminhados pelo Executivo Municipal. proponente e fiscalizadora. ao combate as agressões ambientais.Continuação Conselho Municipal de Desenvolvimento e Urbanização .CMMA Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente . a proteção e melhorias da qualidade do meio ambiente em toda a área do município Deliberativa nas políticas de atendimento à criança e ao adolescente Consultiva e proponente na definição da Política Municipal de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher Deliberativa com a finalidade de promover ações sócio-políticas e culturais voltadas à defesa e interesse dos direitos do negro Deliberativa nas políticas de apoio à comunidade indígena a fim de eliminar as discriminações que os atingem e promover a defesa de seus interesses Continua Capítulo 10 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 247 Gestão Democrática do Planejamento Municipal .CMDCA Conselho Municipal dos Direitos da Mulher . na formulação de estratégias e no controle da execução da política de saúde.CMI Conselho Municipal do Meio Ambiente .CME Conselho Municipal de Fomento ao Comércio. em consonância com as diretrizes e planos nacionais de educação. distritais e locais Proponente nas diretrizes e normatização da execução do Programa de Segurança Alimentar e Nutricional do município de Campo Grande Consultiva e proponente no assessoramento do executivo municipal com o Plano Municipal de Turismo e a elaboração de projetos e programas turísticos para fins de acesso ao Fundo Municipal para o Desenvolvimento do Turismo Deliberativa com a competência de acompanhar. transporte e mobilidade urbana Consultiva e proponente na emissão de parecer sobre a viabilização de programas ou projetos de desenvolvimento econômico a serem implantados no Município de Campo Grande em especial aqueles apresentados por empresa interessada em receber os benefícios do PRODES Consultiva e proponente na participação da elaboração do Plano Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável Consultiva.COMCIS Conselho Municipal de Saúde . definir e fiscalizar programas. habitação.CMDDI Consultiva. Consultiva e proponente no assessoramento ao Poder Executivo nas questões referentes a utilização dos recursos naturais.CODECON Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável .CMDM Conselho Municipal dos Direitos do Negro . projetos. estabelecendo diretrizes e critérios para implementação do controle social do SUS nas esferas municipais. com a finalidade supervisionar o processo de desenvolvimento da educação no Município.CMDRS Conselho Municipal de Educação . deliberativa e normativa.

Finanças e Controle . objetivando a coordenação das ações dos setores públicos e privado e da sociedade em geral. entre outras atribuições: acompanhar a aplicação das diretrizes do Plano Diretor e legislações pertinentes.SEPLANFIC. normas. recursos humanos e técnicos. tendo como competência no âmbito da respectiva Região Urbana. da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano – SEMADUR. por meio da Rede Viva. e acompanhar a elaboração dos Planos Locais Proponente e deliberativa nas questões relativas ao desenvolvimento das relações de emprego e trabalho no setor de saúde 10. sugerindo modificações e prioridades.PLANURB. inclusive no que se refere às obras e serviços. responsável pela promoção da Política de Desenvolvimento e pelo monitoramento do Plano Diretor de Campo Grande. Lei de Diretrizes Orçamentárias e o Orçamento Anual.1 Sistema Municipal de Planejamento – SMP Conforme o Plano Diretor de Campo Grande. no que se refere à gestão e execução de ações no Sistema Municipal de Planejamento. o Sistema Municipal de Planejamento é a estrutura formada pelo Poder Executivo Municipal e pela comunidade. baseada em um conjunto de órgãos. do Instituto Municipal de Planejamento Urbano . e dos representantes dos demais órgãos e entidades da administração direta e indireta do Poder Executivo Municipal.Continuação Gestão Democrática do Planejamento Municipal Conselho Regional da Região Urbana do Anhanduí Conselho Regional da Região Urbana do Anhanduizinho Conselho Regional da Região Urbana do Bandeira Conselho Regional da Região Urbana do Centro Conselho Regional da Região Urbana do Imbirussu Conselho Regional da Região Urbana do Lagoa Conselho Regional da Região Urbana do Prosa Conselho Regional da Região Urbana do Segredo Mesa de Participação e Negociação Permanente Fonte: CAOC/SAS e CME Consultiva. acompanhar a discussão do Plano Plurianual. é realizada por meio da Secretaria Municipal do Planejamento. visando a integração dos diversos programas setoriais e a dinamização e modernização da ação governamental. A atuação do Poder Executivo Municipal. Reunião Conselho da Mulher Capítulo 10 248 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .

acadêmicas e de pesquisa. Capítulo 10 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 249 Gestão Democrática do Planejamento Municipal . a Política de Desenvolvimento e as políticas de gestão do solo. saneamento ambiental. pelo Vice-Prefeito. Desde sua criação através do Decreto n.1 Conselho Municipal de Desenvolvimento e Urbanização – CMDU O Conselho Municipal de Desenvolvimento e Urbanização – CMDU é órgão consultivo. 1 representante do poder público estadual. em sua falta ou impedimento. projetos. propor. as sessões são presididas pelo Diretor-Presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano – PLANURB. A presidência deste Conselho é exercida pelo Prefeito Municipal e. avaliar.10. 24 membros representantes de entidades classistas e da sociedade civil organizada. ficando assegurado um assento para cada Conselho Regional. habitação. O CMDU tem em sua composição 7 representantes do poder público municipal. fiscalizador e proponente da Prefeitura Municipal de Campo Grande e tem como objetivo possibilitar a participação da sociedade civil nas discussões referentes à Política de Desenvolvimento do Município e debater. além de muitas reuniões de trabalho. Na ausência do chefe do Poder Executivo ou do Vice-Prefeito. entidades profissionais.A.484 de 9 de março de 1987 este conselho realizou mais de 260 sessões ordinárias e extraordinárias.5. transporte e mobilidade urbana. Atualmente as seguintes entidades têm assento no CMDU: Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Campo Grande Agência Municipal de Habitação – EMHA Agência Municipal de Transporte e Trânsito – AGETRAN Águas Guariroba S. 2 representantes das concessionárias dos serviços públicos municipais. movimentos populares. definir e fiscalizar programas.1.

Os Conselhos Regionais estão em funcionamento desde 1998. inclusive no que se refere às obras e serviços. que institui a Política de Desenvolvimento e o Plano Diretor de Campo Grande. 10. acompanhar a discussão do Plano Plurianual.Discussão Orçamento 2011 250 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . inscritas no cadastro permanente do Sistema Municipal de Planejamento. sugerindo modificações e prioridades. de 6 de outubro de 2006. Conselho Regional . da Lei de Diretrizes Orçamentárias e o Orçamento Anual. Gestão Democrática do Planejamento Municipal Capítulo 10 Reunião CMDU a melhoria da qualidade de vida da população. os Conselhos Regionais tem caráter consultivo. Aos Conselhos Regionais compete. sendo formados por representantes de entidades legalmente constituídas com sede e atuação no âmbito do município de Campo Grande. 94.2 Conselhos Regionais Conforme a Lei Complementar n. no âmbito da respectiva Região Urbana. e acompanhar a elaboração dos Planos Locais.1. entre outras atribuições: acompanhar a aplicação das diretrizes do Plano Diretor e legislações pertinentes.

com vistas à elevação da qualidade de vida e a criação de novas oportunidades. composta por interlocutores provenientes de todos os órgãos da administração direta e indireta da Prefeitura Municipal de Campo Grande.3 Rede Viva e Programa Comunidade Viva No mês de maio de 2005 foi instituída a Rede Viva. com a finalidade de criar condições favoráveis à participação da Confraternização Conselhor Regionais Capítulo 10 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 Gestão Democrática do Planejamento Municipal 251 comunidade local na gestão democrática no município. Reunião Programa Comunidade Viva . por meio da participação da comunidade. e ao fortalecimento do Sistema Municipal de Planejamento – SMP.1. .Conselhos Regionais 10. conforme preconiza a Organização das Nações Unidas. e fomentar iniciativas para a efetivação dos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio – ODM. efetivar a gestão democrática na administração municipal.Tabela 214 Sessões realizadas pelos Conselhos Regionais – 2009 Conselho Regional da Região Urbana do Anhanduizinho Bandeira Centro Imbirussu Lagoa Prosa Segredo Anhanduí Número de Conselheiros (titulares e suplentes) 79 57 23 51 48 33 55 7 Sessões realizadas 11 12 10 11 11 12 12 3 Fonte: CAOC/ SAS O Programa Comunidade Viva tem como objetivos: valorizar a atuação dos Conselheiros Regionais junto ao Sistema Municipal de Planejamento. e implantado o Programa Comunidade Viva.

Casa Esplanada da Ferrovia .Gabinete Especial do Prefeito 11 Prefeitos e intendentes .

Francisco Mestre Manoel Inácio de Souza João Carlos Sebastião José Santiago Antônio Norberto de Almeida Nilo Javari Barem Antônio Norberto de Almeida Apulcro Brasil Antônio Norberto de Almeida José Santiago e Enoch Vieira de Almeida* João Clímaco Vidal Sebastião da Costa Lima Fernando Novais Leonel Velasco Sebastião da Costa Lima João Pedro de Souza Vespasiano Barbosa Martins* Rosário Congro 28/08/1899 a 01/11/1904 01/11/1904 a 01/01/1909 01/01/1909 a 08/02/1909 08/02/1909 a 01/02/1910 01/02/1910 a 10/09/1910 10/09/1910 a 19/10/1910 20/10/1910 a 20/12/1910 20/12/1910 a 18/02/1911 18/02/1911 a 31/12/1911 01/01/1912 a 01/01/1915 01/01/1915 a 19/02/1915 19/02/1915 a 21/06/1917 06/07/1917 a 01/11/1917 05/01/1918 a 20/03/1918 20/03/1918 a 05/09/1918 04/05/1918 a 03/09/1918 29/04/1918 a 06/07/1918 05/09/1918 a 11/08/1919 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 255 Capítulo 11 Reunião Prefeito e ex-prefeitos Prefeitos e Intendentes . cumprindo mandatos regulamentares. conforme o quadro político vigente na época. contribuindo também para sua evolução histórica. Vice-prefeitos e presidentes da Câmara Municipal passaram a exercer a função no impedimento dos titulares e a integrar a galeria dos administradores de Campo Grande. em casos de vacância. nomeado interventor-geral interino. em 1899.Com a criação do município. no lugar do intendente eleito. Nos itens assinalados com * por questões políticas houve dualidade de poderes. o primeiro ocupante do cargo foi Francisco Mestre. Na história da cidade. Em 1902 houve a primeira escolha feita por meio de sufrágio e Francisco Mestre foi eleito viceintendente cumprindo mandato até 1904. Dois prefeitos governaram o Município ao mesmo tempo. O elevado número de ocupantes do cargo de mandatário municipal deve-se ao cumprimento da legislação. No final da década de 1940 os prefeitos passaram a ser eleitos pelo voto direto e secreto. Bernardo Franco Baís. a gestão dos negócios públicos foi exercida alternadamente por intendentes eleitos ou nomeados por interventores do Estado.

Gabinete Especial do Prefeito 19/06/1931 a 18/07/1932 19/07/1932 a 11/10/1932 11/10/1932 a 29/12/1933 29/12/1933 a 01/11/1934 01/11/1934 a 17/09/1935 17/09/1935 a 13/01/1937 13/01/1937 a 15/03/1937 15/03/1937 a 27/03/1937 27/03/1937 a 12/08/1941 13/08/1941 a 01/09/1941 01/09/1941 a 12/09/1942 12/10/1942 a 11/04/1945 12/04/1945 a 06/06/1947 06/06/1947 a 01/12/1947 01/12/1947 a 31/12/1950 23/05/1950 a 08/11/1950 23/12/1950 a 31/12/1950 31/01/1951 a 21/11/1952 Lourival Oliveira Azambuja 10/09/1919 a 29/01/1920 20/01/1920 a 10/01/1921 11/01/1921 a 31/12/1923 02/01/1924 a 31/12/1926 Juvenal Vieira Almeida Eduardo Olímpio Machado Demósthenes Martins Vespasiano Barbosa Martins Demósthenes Martins Joaquim Teodoro de Faria Carlos Hugueney Filho Fernando Corrêa da Costa Arthur de Vasconcelos Mário Carrato Ary Coelho de Oliveira Antônio Norberto de Almeida Prefeitos e Intendentes Arnaldo Estevão de Figueiredo Arlindo de Andrade Gomes Arnaldo Estevão de Figueiredo Jonas Corrêa da Costa e Manoel Joaquim de Morais* 01/01/1927 a 01/04/1929 Inácio Franco Carvalho Antônio Antero Paes de Barros Mário Pinto Peixoto da Cunha Deusdedit de Carvalho César Bacchi de Araújo 01/04/1929 a 31/12/1929 01/01/1930 a 10/10/1930 25/10/1930 a 03/11/1930 03/11/1930 a 02/12/1930 02/12/1930 a 09/01/1931 10/01/1931 a 18/06/1931 Capítulo 11 Waldomiro Silveira 256 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 .Vespasiano Barbosa Martins Artur Mendes Jorge Sobrinho Ytrio Corrêa da Costa Pacífico Lopes de Siqueira Vespasiano Barbosa Martins Antônio Luiz Almeida Boaventura Casa Esplanada da Ferrovia .

Mário Carrato Nelson Borges de Barros Wilson Fadul Marcílio de Oliveira Lima Dinamérico Inácio de Souza Marcílio de Oliveira Lima Wilson Barbosa Martins Hirose Adania Wilson Barbosa Martins Luiz Alexandre de Oliveira Antonio Mendes Canale Plínio Barbosa Martins Hélio Mandetta Plínio Barbosa Martins Antônio Mendes Canale Levy Dias Marcelo Miranda Soares Alberto Cubel Brull 22/11/1952 a 26/12/1952 27/12/1952 a 26/01/1953 26/01/1953 a 22/01/1955 31/01/1955 a 12/10/1955 12/10/1955 a 22/11/1955 22/11/1955 a 31/01/1959 31/01/1959 a 07/08/1962 07/08/1962 a 08/10/1962 08/10/1962 a 24/01/1963 24/01/1963 a 31/01/1963 31/01/1963 a 31/01/1967 31/01/1967 a 09/06/1969 09/06/1969 a 26/07/1969 26/07/1969 a 31/01/1970 31/01/1970 a 31/01/1973 31/01/1973 a 31/01/1977 31/01/1977 a 13/10/1977 13/10/1977 a 30/11/1977 Marcelo Miranda Soares Albino Coimbra Filho Leon Denizart Conte Levy Dias Valdir Pires Cardoso Heráclito José Diniz de Figueiredo 01/12/1977 a 29/06/1979 29/06/1979 a 07/11/1980 07/11/1980 a 19/11/1980 19/11/1980 a 06/04/1982 06/04/1982 a 12/05/1982 12/05/1982 a 14/03/1983 Capítulo 11 Casa Esplanada da Ferrovia .Gabinete Especial do Prefeito Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 257 Prefeitos e Intendentes .

Prefeitura Municipal. 100 anos de legislativo de Campo Grande: 1905-2005. n.7. 2000. 175 p.Nelly Elias Bacha Lúdio Martins Coelho Juvêncio César da Fonseca Lúdio Martins Coelho Marilú Guimarães Juvêncio César da Fonseca André Puccinelli André Puccinelli 14/03/1983 a 20/05/1983 20/05/1983 a 31/12/1985 01/01/1986 a 31/12/1988 01/01/1989 a 31/12/1992 09/01/1990 a 19/01/1990 01/01/1993 a 31/12/1996 01/01/1997 a 31/12/2000 01/01/2001 a 31/12/2004 01/01/2005 a 31/12/2008 01/01/2009 a Prefeitos e Intendentes Capítulo 11 Nelson Trad Filho Nelson Trad Filho Fonte: ARCA: revista de divulgação do Arquivo Histórico de Campo Grande. Campo Grande. 258 Perfil Socioeconômico de Campo Grande 2010 . 2005. CAMPO GRANDE.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful