P. 1
Proposta de Vigilia _"O Silência Mata! A tua voz salva!"

Proposta de Vigilia _"O Silência Mata! A tua voz salva!"

|Views: 1.159|Likes:
Publicado porporDarfur

More info:

Published by: porDarfur on Apr 03, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/23/2012

pdf

text

original

Vigília de oração por Darfur

“O Silêncio Mata, A Tua Voz salva”
- Início Fora pode haver uma pequena exposição de imagens sobre o darfur, algum folheto informativo, folhetos a pedir a carta, a explicar o projecto da escola em Nyala, algum material de venda para o projecto A Igreja está às escuras (cada pessoa tem uma vela apagada). Entram 7 crianças/jovens com as palavras do tema da vigília e com a vela acesa mostram o tema da vigília. Há uma música de fundo (aquela onde se ouvem vozes de crianças). Alguém apresenta o documentário que se vai visionar, alertando para algumas cenas e para o tempo de silêncio que se seguirá onde cada um terá oportunidade de rezar por essas situações e pessoas. - Segue-se o filme de 20 minutos da reportagem da Odisseia, destacando a situação geográfica do Darfur e as crianças da região. - Depois do documentário fica-se 5 minutos em silêncio. - Cântico - Verbo de Deus (fala de esperança e é animado). Durante o cântico, as crianças/jovens acendem as velas às pessoas. Vamos escutar um pequeno texto, tirado do livro “Caminhos de Missão” do padre Feliz que está nesta região do Darfur e que dá o seu testemunho.

Texto do P. Feliz

1

-Cântico (à escolha)
- Evangelho (Jo 15, 1-14) 1«Eu sou a videira verdadeira e o meu Pai é o agricultor. 2Ele corta todo o ramo que não dá fruto em mim e poda o que dá fruto, para que dê mais fruto ainda. 3Vós já estais purificados pela palavra que vos tenho anunciado. 4Permanecei em mim, que Eu permaneço em vós. Tal como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, mas só permanecendo na videira, assim também acontecerá convosco, se não permanecerdes em mim. 5Eu sou a videira; vós, os ramos. Quem permanece em mim e Eu nele, esse dá muito fruto, pois, sem mim, nada podeis fazer. 6Se alguém não permanece em mim, é lançado fora, como um ramo, e seca. Esses são apanhados e lançados ao fogo, e ardem. 7Se permanecerdes em mim e as minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes, e assim vos acontecerá. 8Nisto se manifesta a glória do meu Pai: em que deis muito fruto e vos comporteis como meus discípulos. 9Assim como o Pai me tem amor, assim Eu vos amo a vós. Permanecei no meu amor. 10Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como Eu, que tenho guardado os mandamentos do meu Pai, também permaneço no seu amor. 11Manifestei-vos estas coisas, para que esteja em vós a minha alegria, e a vossa alegria seja completa. 12É este o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros como Eu vos amei. 13Ninguém tem mais amor do que quem dá a vida pelos seus amigos. 14Vós sois meus amigos, se fizerdes o que Eu vos mando.» - Testemunho de um missionário (testemunho pequeno ao vivo se possível) – se houver a possibilidade de chamar uma missionário ou missionária. De seguida distribui-se um nome de uma pessoa do Darfur a cada participante (bom ter bastantes preparadas); acende-se a vela e vai-se em marcha silenciosa até outra Igreja ou dão uma volta à igreja. O silêncio é cortado com alguns exemplos de vidas de pessoas do Darfur. Entre cada exemplo, canta-se o Misericordia Domine (ou outro apropriado). Os nomes: Masculinos Abd el Uahab Ramadan Mahmud Hadi Mohammed Said Ali Ali Futur Hachim Nur el Din Nur Mohammed Ismail Jafar Iusuf Atim Suleiman Terab Qassim Dud Adam Abdu Mahmud Mohammadein Khalid Isa Hamadi Hamud Ramadan Omar John Marcelo William Macur Abd el Rahman Hadi Suleiman Kamál Jamál Surur Said Lual Dau Daniel Garang Deng Kheir Allah Mohammed Ali Femininos Chams el Din Ibrahim Raquia Abu Samia Ramadan Khadija Idris Haua Badr el Din Nadia Ualid Leila Hachim Rania Babbikr Bahria Sabit Arafa Mohammed Fatima Mahjub Fathia Othman Sadia Isaac Nila Hamuda Jamila Dahia Ásia Abd Allah Mahdia Abd el Rahman Nura Idris Zainab Abbas Leila Mustafa Badria Ibrahim (cristã) Zinat Abdu Mastura Abu Fátima Ali Kaltum Khadija Butros (cristã) Ibtissam Qaula Imán Muatassim Rajá Iqbal Ibtihal Umeima Qaussar Mudassir Ilhám Busseima Haiat Saná

(os testemunhos podem ser abreviados ou eliminados alguns se for muito longo) Quando estão todos já fora da igreja lê-se o 1º testemunho: 2

. A pequena de 5 anos, Samia Ramadan chora e pergunta todos os dias pelos 5 irmãos que foram mortos aquando do ataque dos Janjauid em Buram. Tentam salvá-la do estado de loucura que parece inevitável. Inicia-se a caminhar, cantando – Misericórdia Domine Caminhar em silêncio 2º Testemunho . Zinat Abdu de 3 anos diz que a casa onde vive agora é muito pobre comparada com aquela em que vivia em Bulbul e aqui no campo de refugiados de Kalma já não tem ovelhas nem cabras para guardar e brincar… nem leite. Misericórdia Domine Caminhar em silêncio 3º Testemunho É encorajante ver o Abd el Wahab e a Raquia ( 7 ou 8 anos de idade) a trabalhar com e como os adultos à entrada do campo refugiados de Kalma a fazer tijolos verdes: “quero trabalhar aqui, fazer e vender muitos tijolos para fazer uma casa para mim e meus avós”. Os seus pais e resto da família foram mortos pelos janjauid. Misericórdia Domine Caminhar em silêncio 4º Testemunho . Há mais de uma semana, já quase a dar a meia-noite, batem à porta da missão de Nyala. Afoiteime e fui abrir. Ouvir a história dos dois jovens – o Abdu e o Hachim – foi algo de espantoso. “Pedimos protecção por esta noite”, dizem. Quase que falam os dois ao mesmo tempo e têm pressa de entrar; “quem sabe se amanhã já não será precisa a tua colaboração para nós porque nos seguiram até à cidade e o que será de nós amanhã não se sabe... Os amigos dos jaunjauid sabem que estamos aqui na cidade”. O Abdu e o Hachim vêm a fugir de Greida ( Kms) onde se está em plena batalha desde há 4 dias. A pareceu uma alma amiga que lhes deu guarida e protecção porque sabia o perigo em que eles e eu incorríamos. Depois continuariam para o Sul (são sulistas e cristãos). Partiram sim, na manhã seguinte. A pé, em camião, de carroça e de camelo… Que a Srª de Fátima os proteja. Ou, se já chegaram (duvido) agradeçamos com eles… Misericórdia Domine Caminhar em silêncio 5º Testemunho O Jamal viu-me à entrada do seu campo de refugiados em Kalma e disse-me: porque não multiplicais os esforços da saúde aqui? Falta de tudo, mas ao menos se houve algumas latrinas haveria muito menos risco de infecções e cólera… È perigoso parar à entrada de um destes campos, eu sei. Mas eu queria ouvir alguém, falar, partilhar esperanças, pobrezas e riquezas. Que as há. De uma e outra parte. Num e noutro sentido. E encontrei-me com o Jamal que me tomou por um dos ONG. Levemos a oração deste jovem muçulmano aos pés da Virgem de Fátima, cujo nome é árabe de origem (Fátima uma das filhas de Mohammed). Misericórdia Domine Caminhar em silêncio 6º Testemunho 3

Perto do campo de refugiados de Utach, os adolescentes ouviram a conversa e riram às gargalhadas. Mas eu compartilhei com o Ramadan, o jovem que tinha provocado esse riso nos ditos adolescentes. O contexto da conversa é que o Ramadan estava prestes a casar quando vieram os Janjauid… destruíram, queimaram e levaram-lhe a querida noiva de nome Leila que nunca mais chegou a ver. Depois de 2 anos que passaram estará Leila ainda viva? Talvez escrava/prostituta deles? Agora o meu casamento deu-se com este enorme campo de refugiados. Aqui não odeio ninguém mas não vejo a quem eu amo de verdade”. E concluiu: “A esperança é muito pouca, mas ainda sonho, acordado e a dormir, que um dia encontrarei a minha Leila. Ramadan e Leila com muitos filhos, talvez pobres, mas já não importa”. É para rir às gargalhadas? Para sorrir de esperança, sim. E fazer um intenção de oração por estes noivos. Misericórdia Domine

Entra-se na segunda Igreja (ou na mesma) ainda em silêncio
Cântico (à escolha - deve ser de misericórdia e de esperança) Há outro celebrante a receber as pessoas (se for noutra igreja). Faz uma pequena introdução ao evangelho que vamos ouvir. - Evangelho (Mt 25, 31-46) 31«Quando o Filho do Homem vier na sua glória, acompanhado por todos os seus anjos, há-de sentar-se no seu trono de glória. 32Perante Ele, vão reunir-se todos os povos e Ele separará as pessoas umas das outras, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. 33À sua direita porá as ovelhas e à sua esquerda, os cabritos. 34O Rei dirá, então, aos da sua direita: ‘Vinde, benditos de meu Pai! Recebei em herança o Reino que vos está preparado desde a criação do mundo. 35Porque tive fome e destes-me de comer, tive sede e destes-me de beber, era peregrino e recolhestes-me, 36estava nu e destes-me que vestir, adoeci e visitastes-me, estive na prisão e fostes ter comigo.’ 37Então, os justos vão responder-lhe: ‘Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? 38Quando te vimos peregrino e te recolhemos, ou nu e te vestimos? 39E quando te vimos doente ou na prisão, e fomos visitar-te?’ 40E o Rei vai dizer-lhes, em resposta: ‘Em verdade vos digo: Sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim mesmo o fizestes.’ 41Em seguida dirá aos da esquerda: ‘Afastai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, que está preparado para o diabo e para os seus anjos! 42Porque tive fome e não me destes de comer, tive sede e não me destes de beber, 43era peregrino e não me recolhestes, estava nu e não me vestistes, doente e na prisão e não fostes visitar-me.’ 44Por sua vez, eles perguntarão: ‘Quando foi que te vimos com fome, ou com sede, ou peregrino, ou nu, ou doente, ou na prisão, e não te socorremos?’ 45Ele responderá, então: ‘Em verdade vos digo: Sempre que deixastes de fazer isto a um destes pequeninos, foi a mim que o deixastes de fazer.’ 46Estes irão para o suplício eterno, e os justos, para a vida eterna.» Uns momentos breves de silêncio - Oração Universal Jesus Cristo chama cada um de nós pelo seu nome, apelando às nossas capacidades e dons para colaborar na construção do Reino. Cantemos ao Senhor: Alguém sofre hoje, kumbaya Alguém ama hoje, vem Senhor Alguém chora hoje, kumbaya Senhor, kumbaya! 4

1- Jesus, nosso irmão, ajuda-nos a ter um olhar puro para descobrir a Tua presença em tudo de belo que já criaste e concede-nos a lucidez para proteger e defender todos os seres criados. Refrão 2- Jesus, nosso amigo, abençoa os jovens do mundo inteiro e derrama o Teu amor nos seus corações para que eles coloquem as suas forças, generosidade e o seu entusiasmo ao serviço da paz, da justiça e da liberdade, isto é, do Teu Reino. Refrão 3- Jesus, Paz verdadeira, faz que sejamos instrumentos da tua paz, para onde houver inveja reine o perdão, onde houver ódio vença o amor, e onde houver discórdia cresça a união. Refrão 4- Jesus, Amor, derrama a tua bênção sobre todos os doentes, sobre todos os refugiados, sobre aquele ou aquela pessoa que sofre, para que todos sintam que Tu És o Caminho, a Verdade e a Vida. Refrão 5- Jesus, amigo dos pobres e pequeninos, olha por todas as regiões de “DARFUR”, ou seja, pelo Sul do Sudão, Iraque, República Democrática do Congo, Birmãnia, Peru, por todos os países onde as armas se fazem sentir com toda a sua injustiça, ódios e medos. Refrão 6- Jesus, nosso Deus, pedimos por todas as missionárias e missionários para que o seu testemunho de vida pobre, casto e obediente, e a sua entrega à missão sejam um sinal profético da presença do Reino neste momento da história que atravessamos. Refrão - PAI-NOSSO MISSIONÁRIO Introdução: Jesus nos pede que rezemos no plural e peçamos o pão - nosso de cada dia para todos e não apenas para mim ou a minha família ou comunidade. (o presidente reza a primeira invocação todos a outra parte.) Pai nosso, Pai de todos os povos e de todas as nações, Que estais nos céus, onde nos quereis a todos junto de Vós para sempre, Santificado seja o Vosso nome nos corações de todos os vossos filhos e filhas. Venha a nós o vosso reino, um reino de justiça, amor e paz, aos nossos corações e aos corações de todos e nos faça Vossos apóstolos. Seja feita a Vossa vontade assim na terra como no céu, em todo o mundo, removendo ódios, guerra, violência e injustiça. O pão nosso de cada dia nos dai hoje. Alimentai-nos com o pão do céu que só Vós nos podeis dar. Fazei-nos partilhar o nosso pão com os famintos. Que ninguém tenha necessidade de comida, roupa e abrigo. Perdoai-nos as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido, porque só Vós conheceis todos os nossos pecados. Só Vós podeis mudar os nossos corações de pedra e dar-nos um coração de carne. Não nos deixeis cair em tentação, porque sem a vossa ajuda não podemos fazer a Vossa vontade. Não nos deixeis ser enganados pelas falsas promessas do mundo. 5

Mas livrai-nos do mal, dos perigos, das doenças e do nosso egoísmo. Guardai-nos livres para amar-Vos e servir-Vos em cada pessoa e sermos transformados à imagem do Vosso Filho, nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen. - Oração Final Oremos: Senhor, ajuda-nos a crescer no diálogo, na caridade, na solidariedade e na justiça. Ilumina os nossos caminhos para construirmos uma nova história, com lugar para todos, onde um mundo diferente é possível. Ámen - Bênção - Cântico Final

PS: isto é só uma proposta. Cada grupo é livre de a utilizar toda, só uma parte, nada. Cada um é que verá, sentindo-se sempre livra para inventar, criar, ser original.

6

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->