Você está na página 1de 1

XXVI

Tanto gentile e tanto onesta pare


La donna mia, quando'ella altrui saluta,
Che'ogne lingua deven tremando muta,
E li occhi no l'ardiscono di guardare.

Ella si va, sentendosi laudare,


Benignamente d'umiltà vestuta;
E par che sia una cosa venuta
Da cielo in terra a miracol mostrare.

Mostrasi si paciente a chi la mira,


Che dà per li occhi una dolcezza al core,
Che 'ntender no la può chi no la prova:

E par che de la sua labbia si mova


Un spirito soave pien d'amore,
Che va dicendo a l'anima: «Sospira».

XXVI

Aparece gentil e tão honesta


Minha senhora quando nos saúda,
Que cada voz, tremendo, fica muda
E os olhos não ousam mesmo olhar.

Vestida de humildade, lá vai ela,


Benignamente ouvindo-se louvar;
E dir-se-ia coisa de espantar
Vindo do céu à terra, num milagre.

Tão agradável surge a quem a vê


Que pelos olhos dá ao coração
Dulçor para entender, de conhecer.

Dos seus lábios parece que desliza


Um sopro de amorosa suavidade
Que vai dizendo à alma, tu, suspira!

Dante Alighieri, Vita Nuova