Você está na página 1de 8

Principais Características

• Teve início com as invasões germânicas (bárbaras ), no século V, sobre o Império Romano
do Ocidente (Europa).
• Poder descentralizado (nas mãos dos senhores feudais) e
• Economia baseada na agricultura e utilização do trabalho dos servos.

Estrutura Política

• Prevaleceram na Idade Média as relações de vassalagem e suserania. O suserano era quem


dava um lote de terra ao vassalo, sendo que este último deveria prestar fidelidade e ajuda ao
seu suserano. O vassalo oferece ao senhor, ou suserano, fidelidade e trabalho, em troca de
proteção e um lugar no sistema de produção.
• As redes de vassalagem se estendiam por várias regiões, sendo o rei o suserano mais
poderoso.
• Todos os poderes, jurídico, econômico e político concentravam-se nas mãos dos senhores
feudais, donos de lotes de terras (feudos).
Sociedade Feudal

• Era estática (com pouca mobilidade social) e hierarquizada;


• A nobreza feudal (senhores feudais, cavaleiros, condes, duques, viscondes) era detentora
de terras e arrecadava impostos dos camponeses.
• O clero (membros da Igreja Católica) tinha um grande poder, pois era responsável pela
proteção espiritual da sociedade. Era isento de impostos e arrecadava o dízimo.
• A terceira camada da sociedade era formada pelos servos (camponeses) e pequenos
artesãos. Os servos deviam pagar várias taxas e tributos aos senhores feudais, tais como:
corvéia (trabalho de 3 a 4 dias nas terras do senhor feudal), talha (metade da produção),
banalidade (taxas pagas pela utilização do moinho e forno do senhor feudal).

Economia Feudal

• Baseava-se principalmente na agricultura;


• Troca de produtos e mercadorias
• O feudo era a base da econômica desse período
• A Igreja Católica dominava o cenário religioso.

• Detentora do poder espiritual,

• Influenciava o modo de pensar, a psicologia e as formas de comportamento na Idade


Média.

• Tinha grande poder econômico, pois possuía terras em grande quantidade e até
mesmo servos trabalhando.

• Os monges viviam em mosteiros e eram responsáveis pela proteção espiritual da


sociedade.

• Passavam grande parte do tempo rezando e copiando livros e a Bíblia.


1ª Linha de Pensamento

• Influenciado pela Igreja Católica.

• Santo Agostinho (354-430) primeiro filósofo cristão.

• De acordo com Santo Agostinho, conhecimento e as ideias eram de origem divina.

• As ideias filosóficas tornam-se verdades reveladas (reveladas por Deus, através da


Bíblia e dos santos) e inquestionáveis. Tornaram-se dogmas. A partir da formulação das
idéias da filosofia cristã, abre-se a perspectiva de uma distinção entre verdades reveladas
e verdades humanas. Surge a distinção entre a fé e a razão.

• As verdades sobre o mundo e sobre todas as coisas deviam ser buscadas nas palavras
de Deus.

• O conhecimento recebido de Deus torna-se superior ao conhecimento racional. Em


decorrência desta própria dicotomia, surge a discussão em torno da possibilidade de
conciliação entre fé e razão.
2ª Linha de Pensamento – (séc. V até o séc XIII)

• Surge a escolástica, conjunto de ideias que visava unir a fé com o pensamento racional
de Platão e Aristóteles.

• Surgimento das universidades e dos centros de ensino, onde o conhecimento é guardado


e transmitido de forma sistemática.

• Período onde criou-se uma teologia, preocupada em provar a existência de Deus e da


alma.

• O método da escolástica é o método da disputa. A disputa consiste na apresentação de


uma tese, que pode ser defendida ou refutada por argumentos. Trata-se de um pensamento
subordinado a um princípio de autoridade (os argumentos podem ser tirados dos antigos,
como Platão e Aristóteles, dos padres da igreja ou dos homens da igreja, como os papas e
os santos).

• Filósofo mais importante: São Tomás de Aquino


Obra: Suma Teológica – os princípios da teologia cristã
Os principais teólogos filosóficos deste período foram

· Anselmo 1033 – 1109

· Roscelino 1050 – 1122

· Guilherme de Cjampeaux 1070 – 1121

· Pedro Abelardo 1079 – 1142

· Pedro Lombardo + - 1164

· Vernardo de Clairvaux 1091 – 1153

· João de Salisbury 1115 – 1180

· Alexandre de Hales falecido em 1245


Dai Lins