Você está na página 1de 26

Metodologia de Pesquisa

Pesquisa Quantitativa

Rodrigo Claudino Diogo


Roteiro
 Primeiras palavras
 Contextualizando
 A pesquisa quantitativa
 Características
 Validade interna
 Validade externa
 O instrumento de coleta de dados

 Obras consultadas

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 2


Primeiras palavras
 Segundo Sérgio V. de Luna (1988), para
pesquisar, são necessários:
 A existência de uma pergunta que se deseja
responder;
 A elaboração de um conjunto de passos que
permitam obter informações para responder à
pergunta;
 A indicação do grau de confiabilidade na
resposta obtida.

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 3


Um pouco de história
 A pesquisa quantitativa nas ciências sociais
tem como marco inaugural a filosofia
positivista de Auguste Comte (pai da
sociologia)
 Outros grandes expoentes (clássicos) do
positivismo:
 Stuart Mill
 Émile Durkheim

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 4


A filosofia positivista de Comte
 Nega que a explicação dos fenômenos naturais,
assim como sociais, provenha de um só princípio
 Abandona a consideração das causas dos
fenômenos (Deus ou natureza) e torna-se pesquisa
de suas leis, vistas como relações constantes entre
fenômenos observáveis
 Defende a unidade de todas as ciências e da
aceitação da abordagem científica na realidade
social humana:
 Os métodos das ciências naturais devem ser aplicados
às ciências sociais (humanas)

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 5


Pressupostos básicos
 O positivismo (clássico) têm como
pressupostos básicos:
 A separação radical entre o sujeito e o
objeto do conhecimento
 A ciência social é neutra (livre de valores)
 O objetivo da ciência social é encontrar
regularidades e relações entre os
fenômenos sociais

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 6


A história recente
 As pesquisas positivistas (quantitativas)
predominaram até o início de 1970
 A partir de 1970 as abordagens qualitativas
ganham corpo e passam a disputar o espaço
com as pesquisas quantitativas
 As abordagens qualitativas negam a validade
de todos ou de alguns dos
pressupostos da pesquisa quantitativa

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 7


A pesquisa quantitativa
 Colocar em um relatório de pesquisa em
educação: gráficos, percentuais, estatísticas
e outros dados numéricos significa fazer
pesquisa quantitativa?

 Então, o que caracteriza uma pesquisa


educacional como quantitativa?

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 8


A pesquisa quantitativa: características
 Baseia-se na experimentação, onde os
delineamentos podem ser:
 Pré-experimentais: pouco controle; quase
nenhum valor científico
 Experimentais: grande controle e valor
científico
 Quase-experimentais: similares aos
experimentais, mas sem o mesmo controle
experimental

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 9


A pesquisa quantitativa: características
 Preocupa-se com:
 Validade interna: mínimo necessário para
garantir que o experimento é válido para a
instância específica onde foi realizado
 Validade externa: refere-se às questões de
inferência indutiva ou de generalização do
experimento/resultados/conclusões
 Controle das variáveis que ameaçam a
validade (tanto interna quanto externa)

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 10


A pesquisa quantitativa: características
 Faz uso intensivo de técnicas estatísticas,
correlacionando as variáveis e verificando o
impacto e a validade do experimento:
 Essas técnicas devem ser adequadas ao tipo
de delineamento adotado

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 11


Validade interna - variáveis a controlar
 Variáveis que possuem impacto e que se
não controladas podem produzir efeitos
confundidos com o efeito do estímulo
experimental:
 História: são os eventos ocorridos entre a
primeira e segunda observação ou entre o
estímulo experimental e uma observação
 Maturação: processos internos aos sujeitos,
que são função do transcorrer do tempo

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 12


Validade interna – variáveis a controlar
 Testagem: efeitos da aplicação de um teste
sobre os escores de uma segunda aplicação
 Instrumentação: mudanças nos instrumentos
de medida, nos observadores e nos
encarregados da atribuição das notas
 Regressão estatística: fenômeno que ocorre
quando grupos tenham sido selecionados
com base em seus escores extremos
 Vieses de seleção: causados por seleção
diferencial de sujeitos para a comparação de
grupos

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 13


Validade interna – variáveis a controlar
 Mortalidade diferencial: causada pela perda
de respondentes por parte dos grupos
comparados
 Interação seleção-maturação e outras
interações: ocorrem quando um dos grupos
(de controle ou experimental) está sujeito a
uma maturação ou a uma evolução
significativamente maior do que a do outro
grupo

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 14


Validade externa – variáveis a controlar
 Devem ser controladas as variáveis que
ameaçam a generalização do experimento:
 Efeito reativo: o pré-teste pode aumentar ou
diminuir a sensibilidade ou a capacidade de
resposta dos sujeitos à variável experimental
 Interação entre os vieses decorrentes da
seleção e a variável experimental:pode
ocorrer que os efeitos demonstrados sejam
válidos apenas para a população onde foram
selecionados o grupo de controle e o
experimental

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 15


Validade externa – variáveis a controlar
 Interferência de tratamentos múltiplos: pois
os efeitos dos tratamentos anteriores não
podem ser cancelados

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 16


O instrumento de coleta de dados
 Deve ser:
 Válido: o instrumento consegue medir aquilo
a que se propõem?
 Alguns tipos de validade: de conteúdo,
concorrente e preditiva
 Fidedigno: qual é o erro proveniente do uso
do instrumento de coleta de dados e o quão
estável é esse instrumento?
 Um instrumento não pode ser válido se não
for fidedigno
©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 17
O instrumento de coleta de dados
 Nas pesquisas quantitativas:
 A fidedignidade é resolvida por meio da
estatística
 A validade deve ser alcançada por meio do
maior número possível de critérios de validade

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 18


Alguns Delineamentos
 Pré-experimental
 Pré-teste e pós-teste aplicados a um grupo

O1 X O2
 A validade interna está ameaçada por:
 História, maturação, testagem, instrumentação,
regressão estatística e interação de seleção e
maturação
 A validade externa está ameaçada por:
 Reatividade, interação de testagem e X, e a
interação de seleção e X
©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 19
Alguns Delineamentos
 Experimental
 Pré-teste e pós-teste a grupos experimentais
e de controle (D4)
A O1 X O2
A O3 O4
 A validade interna está “assegurada”
 A validade externa está ameaçada pela
interação entre X e alguma outra variável:
 Os efeitos observados de X podem ser
específicos aos grupos aquecidos pelo pré-teste
©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 20
Alguns Delineamentos
 Quase-experimental
 Delineamento com grupo de controle (não-
equivalente )
O1 X O2
O3 O4
 É utilizado quando não é possível o D4
 Está suscetível às mesmas fraquezas que D4
e ainda à interação de seleção e maturação
(validade interna)
©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 21
Alguns delineamentos e as validades

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 22


Obras consultadas
 CAMPBELL, D. T.; STANLEY, J. C. Delineamentos experimentais e
quase-experimentais de pesquisa. São Paulo: EPU: Ed. da
Universidade de São Paulo, 1979.
 FILHO, José Camilo dos Santos; GAMBOA, Silvio Sanches (org.).
Pesquisa Educacional: quantidade-qualidade. 3ª ed. São Paulo:
Cortez, 2000 – (Coleção Questões de Nossa Época; v.42).
 LUNA, Sérgio V. de. O falso conflito entre tendências metodológicas.
Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 66, 1988.
 MOREIRA, Marco Antônio. Pesquisa em ensino: aspectos
metodológicos e referenciais teóricos à luz do Vê epistemológico
de Gowin. São Paulo: EPU, 1990.
 MOREIRA, M. A., LANG, Fernando da Silveira. Instrumentos de
pesquisa em ensino e aprendizagem: a entrevista clínica e a
validação de testes de papel e lápis. Porto Alegre: EDIPUCRS,
1993.

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com 23


Variável/estímulo experimental
 O conjunto de materiais, eventos, situações
e/ou metodologias que serão aplicados aos
grupos experimentais
 Como exemplos de variável/estímulo
experimental temos:
 A aplicação de uma seqüência didática
 A utilização de um recurso tecnológico como
recurso educacional
 O estudo de um texto

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com


Observação, teste ou medição
 Método utilizado para se obter os dados
 Entrevistas, filmagens, testes de papel e lápis,
testes computacionais
 O pré-teste é considerado uma observação

©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com


Tipos de validade
 De conteúdo: quando o conteúdo presente no
instrumento contempla uma vasta gama dos
conteúdos/conhecimento que está sendo medido
 Concorrente: quando um instrumento obtém
resultados que se relacionam aos resultados
obtidos por outro instrumento que já tenha sido
validado
 Preditiva: quando o pesquisador utiliza os
resultados obtidos com esse instrumento para
fazer predições sobre os respondentes e estas
predições são confirmadas
©Rodrigo Claudino Diogo – rdiogo@gmail.com