Você está na página 1de 2

A agricultura depende essencialmente das condições atmosféricas e dos solos.

É uma actividade económica importante, tanto pelo número de pessoas que emprega, como pela sua produção. Consoante a região, pode variar, a extensão das propriedades, assim como, os produtos aí cultivados. No litoral norte existem pequenas propriedades – minifúndios – a sul, sobretudo no Alentejo as propriedades são mais extensas – latifúndios. Há uma esperança para o futuro da agricultura, esta reside nas associações de “jovens agricultores”e na introdução de novas técnicas inovadoras. Com a mecanização da agricultura (século XX) verificou-se uma poupança de tempo e esforço. As estufas tornaram possível o cultivo de certos produtos em locais e épocas do ano impensáveis. A produção nacional de cereais sempre foi insuficiente para fazer fase às necessidades da população, e ainda hoje o é, pelo que, dependemos da sua importação. O vinho é dos produtos que Portugal exporta em maior quantidade, sendo este de grande qualidade. O azeite é um produto economicamente importante, embora o seu consumo tenha diminuído com a introdução no mercado de outros óleos vegetais. Desde o século XIX, com o cultivo da batata, que a população viu a sua alimentação melhorada. Tanto a fruticultura, como a horticultura, têm vindo a ocupar um lugar cada vez mais importante na nossa economia, sobretudo devido à criação de estufas e à introdução de novas espécies. Nos arquipélagos existem o mesmo tipo de culturas, sendo que, nas ilhas existem também alguns produtos típicos: a banana (Madeira); o chá e o ananás (Açores). A agricultura biológica (sem químicos) e a silvicultura (fonte de matéria-prima), também começam a ganhar expressão em termos económicos. A pecuária tradicional, avicultura – em expansão – a suinicultura, são algumas das actividades económicas existentes no nosso país. A pesca é uma atividade muito importante para a população portuguesa, já que o seu consumo aumentou no nosso país. Portugal tem a maior Zona Económica Exclusiva da União Europeia, mas, apesar disso, há cada vez menos peixe na nossa costa, o que obriga os pescadores a ter de pescar noutros países. Existe também muita concorrência entre países da União Europeia. A aquicultura, a criação intensiva de peixe em cativeiro – truta e salmão – é uma actividade em ascensão. A salicultura, outrora, grande fonte de receitas está praticamente ao abandono. Apesar de Portugal ter muita variedade de minérios (sem ser explorados), a sua extração tem diminuído nos últimos anos. Em grande desenvolvimento encontra-se a exploração de águas minerais consideradas muito importantes para a saúde.