Você está na página 1de 9
AUTOR Frio Levi Thule :“ 05 que SucuMBEH E 05 Que se SALAH” listen , Teorera 2008 TV. Comunicar (0 termo «incomunicabilidade», tanto na mods nos anos Sctenta, ‘nunca me agradou; em primeiro lugar porque & um monstro linguis- ‘ico, © em sogundo por razBes mais pessoais ‘No mundo normal de hoje, aquele aque por convengio e por con- traste chamamos ora «civilizado», ora ulivren, munca acontece © chocar contra uma barreira lingustica total: encontrar-se diante de lum ser humano com quem temos absolutamente de estabelecer uma comunicaslo, sob risco de vida, e no conseguirmas. Disto de um ‘exemplo famoso, mas incompleto, Antonioni n'O Deserto Vermelho, ‘no episédio em que a protagonista encontra na noite um marinheiro turco que no sabe uma palavra de nentruma lingua salvo @ sua, © tenta em vo fazerse entender Incampleto, porque de ambas as par- tes, inclusivamente'da do marinheiro, a vontade de comunicar exis- te: ou pelo menos falta a vontade de rejeitar o contacto. Segundo uma teoria em voga naqueles anos, ¢ que acho fitvola © inrtante, 2 «incomunicabifidadens seria um ingrediente infolivel, uma condenario perpétua inserida na condigfo humana, ¢ particu at PRIMO LEVI larmente no modo de viver na sociedade industriel: somos ménadas, incapazes de mensagens reciprocas, ou capazes apenas de mensa- ‘gens truncadas,falsas & partida c mal entendidas & chegada, O dis- ‘curso ¢ficticio, puro ruido, véu pintado que cobre o siléncio existen- cial; of, estamos sozinhos, mesmo se (ou espesialmente se) vivemos ‘em pares. Parece-me que esta lamentago provém da preguiga men- tale que a denuncia; sem divida encoraje-a, num petigoso eirculo vicioso. Salvo em casos de incapacidade patoldgica, pode-se e deve- | -se comunicar: & um modo il ficil de contribuir para a paz dos ‘outros e de si proprio, porque o siléncio, a aus€nei de sigmos, & por sua vez um signo, mas ambiguo, e a ambiguidade gera suspeita © inquietagdo. Negar que se pode comunicar& falso: pode-se sempre. Recusar-se a comunicar 6 uma culpa; pera & comunicagio, e sobre- tudo para aquela sua forma nobre ¢ altamente evoluida que & a lin- ‘guagem, estamos biolégica e socialmente predispostos. Todas as agas humanas falam; e nenbuma espécie nio-humana sabe falar, ‘Mesmo em relagio ao aspecto da comunicacd0, ou melhor, da {alla de comunicaglo, a experiéncia que temos n6s sobreviventes & ‘muito peculiar, Temos o incémodo vicio de intervir quando alguém, (0s filhos!) fala de ftio, de fome ou de eansago: O que sabem disso, ‘vocés? Deviam ter experimentado 0s nossos. Por razies de bom gosto e de boa vizinhanga, em geral tentamos resis &tentago des- {as intervenpSes & soldado fanfarrio; a qusl, todavia, para mim se torna imperiosa exactamente quando oigo falar de comunicagio em falta ou impossivel, «Deveriam ter experimentado a nossa», Nic & comparivel com a do turista que vai & Finlindia ou ao Japa, © cencontra interlocutores haloglotas mas profissional (ou até esponta- nestnente) amiveis e bem infencionados, que se esforgam por com- preendéo poderem ser-Ihedteis:além do mais, quem & que num 88 (OS QUE SUCUMBEM E OS QUE SE SALVAM canto qualquet do mundo no mastiga um bose de inglés? Bos pedidos dos usta so pour, sempre os mesos: assim, fo as ts apoias, eo quse nia se compreenicr pode incusvanents via se dived como un jogo. Certamente és dramétcoo caso do emigrant na Amétie hi cea anos tuco ou marroqine ou pequistats n Alemanha ou a Suksin hoje, Aqui no € una breve explora sem imprevi tos, conducide ao longo das piss bea conuolads as agtocias ‘ingen; é um transplant, caer deft, e una inert mom trabalho que hoje ranmeate€ element, em que €necrsiia a compreenso da playa, prominciada ou eserita implica relagdes humans incspensives coins vino, o lj 0: clepas 03 = superiares:no trabalho, na rua, no café, com gente estrangeira, de™<, -tSstames diferentes, muitas vezes hostil. Mas os correctives nfo tam, a ips toca caplalian €erftitenest CaP ZE- proender qe aque seu ir coincide amplameate com eeadinen- {0 do cratlhadorconviadon, portant com o sea bemestar sua insereo, Coneedem-lne que raga consig fail ous um pedo d vs anja, bem ou tal, um alojamento; pose c 4s veres deve) fequearesois da lingua, O srdo-madoaeabado de desembaear do combi € ajuda, pssvemente sem amor, ans io sem eine, e em breve recaper a palave. * coli \Nés vivemos a incomunicabilidade de maneira mais radical)” ™, ». Refio-ne em expecial os deporiados italiano, ogosavosegegos:y! em menor medida acs fancese, entre as quai muitos eram de ork gem polaca © ale, alguns, sendo alsacianos,eatndiam bem © | Alero; ea muitos hingatos que provinham do aro. Paras lianos, o choque contra a barreira linguistica jé se tinha verificado / deanaicanene anes da epi, sind em Ka, no mosey 9 PRIMOLEVI ‘qe os fancionios da policia de Seguranga Publica italiana no cederam com vsivel relulfaia is SS que em Fevereiro de 1944 sé, turogaram a gestlo do campo de tiagem de Fossoll perio de ‘Moen. Demo-n0s logo conta, desde os rimeiros contatos com os homens das camisas plas quis nos deprezavam, que o saber ale | j= ‘ou nfo ert uma linha divis6ria, Com quem os compreendia, ¢/ | ‘apondin de mode aiclao, ingavese une aperénci dere | ‘go humana. Com quem néo os ent ‘08 camisas negras reagiam| | | de um modo que nos espantou ¢ assustou: a ordem, que fora pronun- | | eiada com & vor trang de quem sabe que ser obedsido ea | repetida identca mas em voz alta eravose, depois berada a plenos | pulmies, como se aria com um surdo, ou melher, com unm animal domstico, meissensvel ao tom do que ao contetdo da mensagem. Se alguém hesiava (hestavam todos, porque nfo campreendiam | eestavam aterrrizados)vnba @pancaa, eer evident que se trata- | va de uma varante da mesma linguagem: 0 uso da linguagem para | comunicar © pensamento, este mecanismo necessirio e suficiente | | par que ohomem sea homem, na caldo em dsuto ra um sna: para aqueles outros, nds jé no éramos homens; connoseo, tal como as vacas ov as mls, nfo hava uma diferengasubstancial eae 0 |} berro © © murro, Para que um cavalo corra ou pare, vire, puxe ow |e | dee do puxar, nfo & preciso chegr a acondo com ele ou darihe | explcastes pormenorizadas; basta um dicionéro constituido por ta liz designs varadameat sorts mas univocs, no impor- ‘a se acisticos ou tacteis ou visuais: tracedo das rédcas, picada das ‘esporas, gritos, gestos, chicotadas, estalides dos labios, palmadas no | "| dorso, tudo serve igulmente,Falar-ihe seria uma acpio disparatad, \ sera como falar sozizho, ou um patetsmo riiculo: também 0 que | | entenderia ele? Conta Marsalek, no seu livio Mauthausen (La Pietra, | 90 | ( itano, 1977) que neste Lager, ands com maior mistura linguisticn | do que Auschwitz, 0 cassie de borracha chamava-se «der OS QUE SUCUMBEM E OS QUE SE SALVAM Com efit, o homem inculto (ees alemfes de Hitler, © as SS em al, etam pavorosameate incultos: nfo titham sido «culiva, 36», ot foram-no mal) nfo sabe distingur claramente entre quer fndo compreende a sua lingua e quemi nfo compreende tout cout. ‘Aos jovens nazis tia sido martelado na cabega que no mundo exis- ia una nica eivilizeodo,aalem; todas as outras, presents ou pas- Jadas, s6 eram aceitiveis enquanto coativessem em si algum ele- Imento germinico. Por isso, quem ndo entendesse nem falasse atemto era por definigio um birbaro; se se obstinava a tentarexpri- mire na sua lingua, ov melhor, na sa nao-lingua, ea preciso faz fcalarse fog de pncnda eepo-o nose ig, par, cae-| gar e empurra, vislo que nfo era um Mensch, um ser humano. ‘Vem-me & meméria um episédio eloquente, No estaleiro, 0 Kapo ‘novinho de uma equipa constituida em predomingneia po italiano franceses ¢ gregos, no reparou que por tris dele se aproximara um \ dos mais temidos vigilantes das SS. Voltou-se de repente, pds-se em | sentido todo desorientado, © enuncion « Meldung prescrita: |«Kommando 83, quarenta e dois homens». Na sua confusto, disse Jexactamente«zweiundvierzig Mann», chomens».O militar corigi- |-oemiom zombeteiro epstomal: ao edizasin, dese wzweiund- | vierzig Haflinger, quarenta © dois prisioneios, Era um Kapo ‘ Jovem, «portato passivel de pero, mas tnha de aprender ooficio, | as convenincias socials ¢ as distancia hierérquicas i o¢ Este ano ser falados» tinha efeitos répidos e devastantes. | (A quem nfo nos fala, se dirige a n6s com berros que mais nos \ parccem deserticulados, no nos atreveros a dizerthe palavra, Se Dolmetscher», 0 iniérprete, 0 que se fazia compreender por todos. ) wy # 91