Você está na página 1de 10

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO


CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO
BIBLIOTECONOMIA

O BIBLIOTECÁRIO E O DESCARTE DE MATERIAIS BIBLIOGRÁFICOS

Projeto de pesquisa com a finalidade de


obtenção da segunda nota do segundo
exercício.

MARCELO DANTAS
VANESSA CAVALCANTE
Recife, 2006
TÍTULO

O bibliotecário e o descarte de materiais bibliográficos

AUTORES

Marcelo Dantas
Vanessa Cavalcante

ORIENTADORA
Professora Maria Mercedes D. F. Otero

INSTITUIÇÃO
Universidade Federal de Pernambuco
Centro de Artes e Comunicação
Departamento: Ciência da Informação

DATA
25/04/2006

ASSINATURA

_______________________________________
INTRODUÇÃO

Descarte de material bibliográfico é um processo que requer experiência


profissional e responsabilidade. Apresentamos alguns fatores que o tornam
necessário:

• Espaço físico: para manter o material bem alocado dentro do espaço


disponível.
• Material obsoleto: documentos desatualizados cujos conteúdos já foram
superados por novas edições.
• Condições físicas: material sujo, infectado, deteriorado ou rasgado. Após
rigorosa análise do conteúdo e relevância do documento, se for
considerado e não disponível no mercado para substituição, deverá ser
recuperado.
• Duplicatas: número excedente de cópias de um mesmo título em relação à
demanda.

Em 30 de novembro de 2005, soubemos pelo Jornal do Commercio de um


incidente ocorrido em um órgão público, onde o descarte de materiais bibliográficos
aparentava não seguir os devidos critérios. A partir daí, surgiu nosso interesse, pois
sabemos que o descarte é um procedimento inevitável em bibliotecas, até porque
faz parte do desenvolvimento da sua coleção. Sem esse método, haveria problemas
de espaço físico, visto que o acúmulo de materiais seria muito grande, e com o
passar dos anos, alguns se tornariam obsoletos atrapalhando, desse modo, a
disseminação correta da informação. Observados estes fatores, percebemos como
ficaria uma biblioteca que não se desfaz de parte do seu acervo.
No entanto, mesmo conhecendo os critérios de descarte, alguns bibliotecários
ainda se sentem despreparados e inseguros, e não é para menos, pois aprenderam
durante seus estudos acadêmicos que uma das principais funções da profissão é
conservar e disseminar a informação. Vergueiro (1989, p.75) enfatiza bem esta
dificuldade:
Afinal, pergunta-se o bibliotecário -, quando se descartar? E
para quê? São perguntas quê, deve-se reconhecer, constituem
reais dilemas para profissionais que tiveram toda uma
educação (não apenas a superior) para conservar os materiais
informacionais, sob sua responsabilidade...

Durante nossa pesquisa e leitura dos textos, notamos que a maioria dos
autores é unânime em relação ao despreparo do profissional da informação para a
realização do descarte. Um dos argumentos seria o fato dos materiais bibliográficos
serem considerados materiais permanentes, não podendo ser descartados em
órgãos públicos, sem se proceder ao processo de baixa, como comenta Figueiredo
(1985, p. 31). Não obstante, o artigo 18 da Lei 10753, outorgada em 31 de outubro
de 2003, afirma: “com a finalidade de controlar os bens patrimoniais das bibliotecas
públicas, o livro não é considerado material permanente”.

OBJETIVOS

Demonstrar que o descarte é necessário para o desenvolvimento do acervo,


desde que seja realizado com responsabilidade e de acordo com os critérios
estabelecimentos.
Analisar os motivos pelos quais alguns bibliotecários não conseguem efetuar o
descarte de materiais bibliográficos.

METODOLOGIA

Nosso trabalho foi realizado através de pesquisa exploratória, análise


bibliográfica e entrevistas com profissionais, inclusive com o professor emérito da
Universidade de Brasília Edson Nery da Fonseca.
Elaboramos um questionário aberto com dez perguntas destinadas aos
bibliotecários a respeito dos critérios de descarte.
CRONOGRAMA

Atividades Meses
1º mês 2º mês 3º mês 4º mês
Planejamento X
Revisão bibliográfica X X
Elaboração do questionário X X
Aplicação do questionário X X X
Análise das respostas do questionário X X X
Formulação do relatório _ _ _ _
Entrega do relatório _ _ _ _

Início: 09 de janeiro de 2006


Término: 12 de maio de 2006
REFERÊNCIAS

BARBOSA, Diana Moura. Biblioteca transforma livro em papel picado. Jornal do


Commercio, Recife, 30 nov. 2005. Caderno C, p.1.

BARBOSA, Josefa Pereira. Políticas de seleção em bibliotecas públicas: uma


questão prioritária. Cadernos de Biblioteconomia, Recife, n.9, p.49-60, dez. 1985.

BRASIL. Política Nacional do Livro, Lei n. 10753, de 31/10/2003. Disponível em


<http://legislacao.planalto.gov.br/legislacao.nsf/Viw_identificacao/lei 10753-
2003?OpenDocument>. Acesso em 30 mar. 2006.

FIGUEIREDO, Nice Menezes de. Desenvolvimento e avaliação de coleções. Rio


de Janeiro: Rabiskus, 1993.

____________. Metodologia para avaliações de coleções incluindo


procedimentos para revisão, descarte e armazenamento. Brasília: IBICT, 1985.
54p.

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO. Política de


desenvolvimento de coleções das bibliotecas. São Paulo. Disponível em
<http://www.fespsp.com.Br/biblioteca/PDC_FESPSP.pdf>. Acesso em 27 mar. 2006.

KREMER, Jeannette M.; CALDEIRA, Paulo da Terra. Em busca de uma política de


descarte nas bibliotecas da UFMG. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo
Horizonte, v.2, n.1, p.109-127, jan./jun. 1997.

LANDHOFF, Renate. Nascimento, crescimento e morte do conteúdo. São Paulo.


Disponível em <www.intranetportal.com.br/gestao/GC_1>. Acesso em 27 mar. 2006.
LIMA, Regina Célia Montenegro de.; FIGUEIREDO, Nice Menezes de. Seleção e
aquisição: da visão clássica à moderna aplicada de técnicas bibliométricas. Ciência
da Informação, Brasília, v.13, n.2, p.137-150. 1984.

MACHADO, Raymundo N.; SILVA, Zuleide Paiva da. Desenvolvimento de coleções:


uma análise a partir dos Anais dos SNBUS realizados nas décadas de 90.
Disponível em <http://www.sibi.ufrj.br/snbu_2002/oral_pdf/121.a.pdf>. Acesso em 27
mar. 2006.

MACIEL, Alba Costa; MENDONÇA, Marília Alvarenga Rocha. Bibliotecas como


organizações. Rio de Janeiro: Interciência, 2000. p.25-27.

MAYRINK, Paulo Tarcísio. Expurgo de publicações em bibliotecas especializadas.


Revista Escola de Biblioteconomia UFMG, Belo Horizonte, v.13, n.1, p.108-122,
mar.1984.

MIRANDA, Ana Cláudia Carvalho de. A política de desenvolvimento de coleções


jurídicas. Rio Grande do Norte. Disponível em
<http://www.biblio.ufpe.br/apbpe/relato/pdf/tjrn.pdf>. Acesso em 27 mar. 2006.

MIRANDA, Antonio. Seleção e descarte de livros: um texto para principiantes.


Caderno de Biblioteconomia, Recife, n.4, p.57-69, dez. 1981.

MOSTAFA, Solange Puntel. Política de aquisição e descarte: metodologia de apoio


para as bibliotecas. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São
Paulo, v.14, n.3/4, p.179-187, 1981.

TAVEIRA, Maria Nylce de M.; BELMONT, Ivete; COSTA, Eliane Maria Loureiro.
Seleção negativa de periódicos: revisão da literatura. Revista do Núcleo de
Documentação, Niterói, v.1, n.2, p.15-23, jul./dez. 1981.
TEIXEIRA, Maria Aparecida de Andrade; ALMEIDA, Maria de Fátima Paiva.
Avaliação da coleção de periódicos doados à biblioteca da FEA-IEI da UFRJ:
critérios de seleção e descarte. Ciência da Informação, Brasília, v.22, n.3, p.253-258,
set./dez. 1993.

VERGUEIRO, Waldomiro de Castro Santos. Desenvolvimento de coleções: uma


nova visão para o planejamento de recursos informacionais. Ciência da
Informação, Brasília, v.22, n.1, p.13-21, jan./abr. 1993.

__________. Desenvolvimento de coleções. São Paulo: POLIS: APB, 1989.

__________. Seleção de materiais de informação: princípios e técnicas. 2. ed.


Brasília: Briquet de Lemos, 1997.
ANEXOS

Biblioteca ______________________________________________________
Informante_________________________________Cargo________________

1. Existe, de maneira formal, uma política de descarte de materiais bibliográficos/não


bibliográficos nesta biblioteca?

2. Você acha que a política/prática de descarte de sua biblioteca é eficaz? Indique as


vantagens e desvantagens?

3. Quem é o responsável pelo descarte de materiais nesta biblioteca?

4. Como é realizado na prática o descarte de materiais nesta biblioteca? Quais são


os critérios adotados?

5. Qual a política/prática adotada em relação às duplicatas de material?

6. Já ocorreu algum caso de descarte de material importante para a biblioteca? Qual


a atitude tomada?

7.Qual é o destino dos materiais recebidos por doações que não podem ser
utilizados nesta biblioteca?

8. Qual é a procedência das doações de materiais nesta biblioteca?

9. Existem falhas na política/prática de descarte de materiais nesta biblioteca?

10. Você tem sugestões em relação a uma política de descarte e de recebimento de


doações de materiais para esta biblioteca?