P. 1
Cidreira Lippia Alba Mill

Cidreira Lippia Alba Mill

|Views: 17|Likes:

More info:

Categories:Types, School Work
Published by: Gélsio Ignacius DeMarco on May 26, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/14/2014

pdf

text

original

Universidade “José Eduardo dos Santos” Faculdade de Medicina do Huambo Ciclo Clínico - Farmacologia

Turma C

Elaborado por: Felisberto Pindali Kapusso ---------------------------------------------------Fernando André Henda ----------------------------------------------------Francisco Justino Augusto ------------------------------------------------Gélsio Inácio Faustino Kaundu -------------------------------------------Nº01 Nº02 Nº03 Nº04

Huambo, Março de 2013

INTRODUÇAO
Desde a antiguidade, o homem procurou formas de aliviar as diferentes dores que o assolavam e para tal algumas plantas não só serviram de fonte de alimentação como também elemento primordial no tratamento e cura de doenças. A planta Cidreira Lippia Alba (Mill), também conhecida por Alecrim – Selvagem ou Chá de Frade, motivo de discussão do presente trabalho, não foge a regra. É um subarbustro derivado da América do Sul, mais espeificamente do Brasil, mas também é encontrado em terrenos abandonados ou em hortas domiciliares. A Cidreira Lippia Alba (Mill) é uma planta medicinal com diversos efeitos terapêuticos bem como arromáticos.

Palavras chaves: Cidreira Lippia Alba (Mill), planta medicinal.

FORMA DE APRESENTAÇÃO NA NATUREZA
Subarbusto bianual, muito ramificado dicotomicamente, alcançando até 1,5 m de altura, raramente 2m. Folhas oblongo-agudas, opostas; abertas, de bordos serreados, de 3-6 cm de comprimento. Cor verde claro a escuro. Possui cheiro forte aromático, semelhante ao da ervacidreira (Melissa officinalis). Caule herbáceo de cor castanho claro. Seus ramos são finos, esbranquiçados, arqueados, longos e quebradiços. Flores róseo-violáceas, azul-arroxeadas, “brancas”, reunidas em inflorescências axilares capituliformes de eixo curto e tamanho variável. Inflorescências compostas por um disco central de flores ainda não desenvolvidas rodeado por apenas três a cinco flores linguladas. Reunidas em umbelas. Frutos drupáceos, globosos, de cor róseo-arroxeada. Sementes são pouco visíveis por causa de seu diminuto tamanho. Raízes fasciculadas, devido ao seu tipo comum de multiplicação assexuada.

NOME CIENTIFICO E VULGAR
A Cidreira pertence a família Verbenaceae, cientificamente é conhecida por Lippia Alba (Mill) N. E. Brown. Mas por nós é conhecida por: Alecrim. Além desses, existem outros nomes vulgares como: chá-de -tabuleiro, alecrim-do-campo, alecrimselvagem, alecrim, cidreira-brava, falsa-melissa,capitão-do-mato, salva-limão, sálviade-gripe, erva-cidreira-de-arbusto, lípea.

ORIGEM
A espécie Lippia alba, originária da América do Sul, também ocorre no Brasil e é uma das mais estudadas do gênero Lippia. Ela floresce durante o ano todo e recebe grande destaque no gênero, devido às suas inúmeras propriedades medicinais.

USO NA MEDICINA
Parte da planta usada: Folhas Princípios activos: Óleo essencial, geraniol, niral, cariofileno, citronelol, alcalóides, flavonóides, saponina, tanino, mucilagem Efeito biológico: cólica (dor de barriga ), antiespasmódico, estomáquico, gases, insônia, digestivo, calmante, ansiolítico, sedativo, antidepressivo suave, anticonvulsivante suave, carminativo, relaxante, alivia os efeitos da pressão alta ( faz baixar a pressão ) e asma. Coadjuvante na TPM e palpitações de origem nervosa. Uso na Medicina Popular: usada tradicionalmente como analgésica, antiinflamatória, antipirética, sedativa, tempero culinário, remédio para diarréia e disenteria, tratamento de doenças cutâneas, remédio para perturbações gastrointestinais, tratamento de doenças hepáticas, remédio para desordens menstruais, antiespasmódica, tratamento de doenças respiratórias, sífilis e gonorreia. Algumas formas de uso: a) Ação calmante e espasmolítica suave. Alívio de pequenas crises de cólicas uterinas e intestinais, bem como no tratamento do nervosismo e estados de intranqüilidade. Estomáquicos e carminativo. Infusão: Uma colher (sopa) de folhas frescas para cada ½ litro de água. Tomar 4 a 6 xícaras de chá ao dia. b) Dor de barriga e digestão. Infusão: Usar 10 folhas (4g) numa xícara de água e tomar quando necessário. Para digestão, tomar após as refeições c) Bronquites, resfriados e infecções respiratórias. Tintura: 100g de folhas para meio litro de álcool diluído (3 partes de álcool e 2 partes de água). Tomar uma colher de chá 3 vezes ao dia Contra – Indicações: Não se recomenda o uso por hipotensos (pressão baixa).

CONCLUSÃO
No final desta senda podemos concluir que:  A Lippia alba é utilizada em forma de chás, macerada, em compressas, banhos ou extratos alcoólicos, por causa de suas propriedades farmacológicas, devidas aos seus constituintes ativos, dentre eles o óleo essencial. Porém é uma planta contra – indicada para pessoas hipotensas.  Atualmente a L. alba é uma planta promissora para as indústrias farmacêutica, de aromáticos e perfumes e também pode ser indicada para indústrias de químicos agrícolas, devido às suas comprovadas propriedades antifúngica, inseticida e repelente.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->