Você está na página 1de 25

Biossegurança em

Estabelecimentos de Saúde

Componentes: Leila, Flávio, Alexandre,


Herbert, Danilo, Lairton, Luciano
Introdução
• O profissional
• Necessidades:
– Atenção e tranqüilidade
– Conhecimento de Biossegurança e de procedimentos
operacionais
– Prevenção de eventuais acidentes
– Sinalizações gerais
Biossegurança nos hospitais
• Hospitais clássicos e convencionais
– Deve ter estrutura física desenhada com base nas normas
do Ministério de Saúde
– Os hospitais modernos devem incluir em seu projeto: tipo,
modelo, população a ser atendida, atividades a serem
exercidas, capacidade, finalidade.
– Áreas definidas, fluxo de pacientes controlado
– Administração e secretaria eficientes
– Informatização
Biossegurança nos Hospitais
• Hospitais clássicos e convencionais
– Áreas separadas e vigiadas
– Assepsia rigorosa e seguir o padrão da vigilância sanitária
– Controle de resíduos de descarte rigoroso
– Esterilização antes da liberação como lixo
– Consciência do profissional acerca da necessidade da
troca de roupa
– Os cabelos devem estar amarrados
– Ao ingressar em casa, o profissional deve deixar a
vestimenta e acessórios em local separado para limpeza.
Biossegurança nos hospitais
• Classificação das Áreas Hospitalares:
– Área Crítica:
• Risco potencial para aquisição de infecções seja pelos
procedimentos invasivos realizados, ou pela presença de
pacientes susceptíveis às infecções
– Exemplos: Centro Cirúrgico, Berçário, UTI, Hemodiálise,
Laboratório, Banco de Sangue.
– Área Semi-crítica:
• Menor risco de infecção
• Ocupadas por pacientes que não exigem cuidados
intensivos ou de isolamento
– Exemplos: Enfermarias, Apartamentos e ambulatórios.
Biossegurança nos Hospitais
• Descarte do lixo gerado pela nutrição
– Devem ser coletados em sacos descartáveis ou
recipientes reutilizáveis
– Material acondicionado deve estar em recipientes bem
fechados para evitar vazamentos
– Resíduos animais devem ser embalados individualmente
antes do descarte.
• Classificação dos artigos hospitalares
– Artigos críticos
• Destinados ao contato com o sistema vascular e devem ser
esterilizados para uso.
Biossegurança nos Hospitais
• Classificação dos artigos hospitalares
– Artigos semi-críticos
• Destinados ao contato com a pele não intacta ou com
mucosas íntegras.
– Exemplos: Equipamentos respiratórios e de anestesia,
endoscopia. OBS: requerem desinfecção de alto nível ou
esterilização.
– Artigos não críticos
• Destinados ao contato com pele íntegra do paciente
– Exemplos: Cubas, aparelhos de pressão, entre outros.
Biossegurança nas Clínicas
• Clínicas especializadas
– Deve-se ter o controle total de registro dos pacientes e
visitantes para a localização em caso de emergência
– As sinalizações das áreas restritas e permitidas devem ser
permanentes e visíveis.
– O sistema de limpeza, desinfecção e assepsia devem ser
iguais aos das instalações hospitalares.
– A utilização dos EPI é indispensável para cada caso.
Biossegurança nas Clínicas
• Clínicas Odontológicas
– As áreas devem estar bem determinadas e o fluxo de
pacientes e o fluxo de pessoas deve ser controlado pelo
sistema de vigilância e recepção
– Os sistemas elétrico, hidráulico, de encanamento e de
instrumentos de esterilização devem estar em perfeito
estado
– Equipamentos de raio X só podem ser utilizados mediante
instalação de proteção e blindagem adequadas para a
proteção.
– A utilização dos EPI é indispensável
– Controle de materiais rigoroso (descarte)
Biossegurança nas clínicas
• Clínica veterinária
– Controle de entrada e saída de animais e seus endereços
para possível necessidade de localização.
– Os processos de limpeza, desinfecção e assepsia devem
ser iguais aos das instalações de hospitais para
assistência humana.
– Uso indispensável de EPI
– Controle de animais que vão a óbito
– A clínica deve ser sinalizada
Biossegurança nos Laboratórios
• Controle de entrada e saída
• Sinalizações
• Áreas bem determinadas
• Recepção treinamento
• Sistema de atenção direta ao paciente
• Recepção de amostras
• Processos de limpeza, desinfecção
• Equipamentos de proteção
• Consciência dos profissionais
Biossegurança em Farmácias
• Farmácia de Dispensação
– Controle do armazenamento dos medicamentos que não
devem estar sob o Sol ou aquecimento
– O descarte de material deve ser cuidadoso e a atenção
especial deve ser dada ao destino dos medicamentos.
– Os profissionais devem seguir as recomendações de
utilização de equipamento de proteção individual
Biossegurança em Farmácias
• Farmácia de Manipulação
– O controle do armazenamento das drogas de forma
adequada conforme recomendações do
fornecedor/fabricante
– A manipulação deve ser realizada com cuidados e
precaução
– Utilização de equipamentos de proteção individual e
coletiva
– Possuir no mínimo as seguintes áreas: Área de
armazenamento, área de manipulação, área de
dispensação e área administrativa.
– Descarte feito sob o auxílio da vigilância sanitária.
Biossegurança em Farmácias
• Farmácias Hospitalares
– Desempenham atividades importantes que tem como
objetivo final evitar erros que coloquem em risco a saúde
dos pacientes
– A farmácia deve ser portadora de estrutura física e de
pessoas capazes de desenvolver assistência eficaz
– A assepsia, os controles se qualidade e a esterilização
rigorosos na preparação de soluções que serão
administradas aos pacientes.
– O descarte de material deve ser cuidadoso e atenção
especial deve ser dada ao destino dos quimioterápicos,
medicamentos vencidos ou que sofreram violação em sua
embalagem.
Outras Unidades de Saúde

• Serviços e unidades hemoterápicas


– Seguem as normas do ministério da saúde e vigilância
sanitária
– Controle na obtenção do sangue
– Rigorosos exames médicos e história clínica
– Controle sorológico obrigatório e individual
Outras Unidades de Saúde
• Atenção e cuidados de saúde em
domicílio
– Profissional calmo, eficiente e competente
– Observação das condições do domicílio
– Assepsia manual
– Utilização de EPI
– Descarte adequado de resíduos
Outras Unidades de Saúde
• Postos e centros de saúde
– “setores de atenção à saúde e aplicação de produtos
relacionados como imuniprofiláticos e de urgência”
• Controle do fluxo de pacientes e visitantes
• Sinalização de áreas restritas
• Sinalização também em “Braile” ou monitor para analfabetos
• Discussão das atividades
• Utilização de EPI e de equipamentos de proteção coletiva
• Controle de qualidade rigoroso
• Descarte seguro e sob auxílio da vigilância sanitária
Outras Unidades de Saúde
• Setores de ensino e treinamento técnico –
científico – acadêmico
– Áreas sinalizadas
– Acompanhamento de um responsável
– Rotina organizada
– Acionamento da Comissão de Biossegurança e
Prevenção de Acidentes
– Para laboratórios de análises clínicas:
• Cuidados ao manipular sangue
• Utilização de EPI
Muito Obrigado

Você também pode gostar