Você está na página 1de 6

CROMATOGRAFIA

Histrico
M. TSWEET (1903): Separao de misturas de pigmentos vegetais em colunas recheadas com adsorventes slidos e solventes variados.
ter de petrleo mistura de pigmentos

CaCO
3

pigmentos separados

Cromatografia = kroma [cor] + graph [escrever] (grego)

CROMATOGRAFIA
Princpio Bsico
Separao de misturas por interao diferencial dos seus componentes entre uma FASE ESTACIONRIA (lquido ou slido) e uma FASE MVEL (lquido ou gs).

Modalidades e Classificao

CROMATOGRAFIA

FM = Lquido

Cromatografia Lquida
Cromatografia Gasosa (CG)

FM = Gs

Slida
Em CG a FE pode ser:

Cromatografia Gs-Slido (CGS)

Lquida

Cromatografia Gs-Lquido (CGL)

CROMATOGRAFIA GASOSA
Histrico
1940

CGS rudimentar CGL proposta (Martin e Synge) Separao de cidos orgnicos por CGL: primeiro cromatgrafo (Martin e James)

1950

Primeiro equipamento comercial (Griffin & George) Detector por Densidade de Gs (Martin e James)
Detector por Ionizao em Chama (McWillian e Dewar) Detector por Captura de Eletrons (Lovelock e Lipsky)

1960

Colunas Capilares (Golay)

Presentemente: Vendas de equipamentos e acessrios para CG nos EUA estimadas em mais de US$ 750.000.000 (1995).

CROMATOGRAFIA GASOSA
Aplicabilidade
Quais misturas podem ser separadas por CG ?

(para uma substncia qualquer poder ser arrastada por um fluxo de um gs ela deve ser dissolver - pelo menos parcialmente nesse gs)

Misturas cujos constituintes sejam

VOLTEIS (=evaporveis)
DE FORMA GERAL: CG aplicvel para separao e anlise de misturas cujos constituintes tenham PONTOS DE EBULIO de at 300oC e que termicamente estveis.

O Cromatgrafo a Gs
1 2 6

5 3
1 - Reservatrio de Gs e Controles de Vazo / Presso. 2 - Injetor (Vaporizador) de Amostra. 3 - Coluna Cromatogrfica e Forno da Coluna. 4 - Detector. 5 - Eletrnica de Tratamento (Amplificao) de Sinal. 6 - Registro de Sinal (Registrador ou Computador). Observao: em vermelho: temperatura controlada