PROPOSTA DE CRIAÇÃO E PROJETO ACADÊMICO CURRICULAR

DO CURSO DE LICENCIATURA EM

CIÊNCIAS SOCIAIS

Comissão: Ana Cláudia Cruz da Silva (Coordenadora), Elias Lins Guimarães, Eliza Mara Lozano Costa Gabriela da Silva Tarouco e Paulo Cesar Pontes Fraga

Agosto/2008

1

Sumário Lista de Tabelas ............................................................................................................ 6 Apresentação ................................................................................................................ 7 1. Introdução................................................................................................................. 8 1.1. Considerações iniciais .....................................................................................8 1.2. Objetivos.........................................................................................................8 1.3. Justificativa .....................................................................................................9 2. Contexto Institucional ............................................................................................. 14 2.1. Histórico da UESC ........................................................................................ 14 2.2. Contexto Regional da UESC ......................................................................... 17 2.3 Ensino de Graduação...................................................................................... 18 2.4. Ensino de Pós-Graduação .............................................................................. 19 3. Histórico do Curso .................................................................................................. 20 4. Recursos humanos e físicos..................................................................................... 21 4.1 Corpo Docente ............................................................................................... 21 4.2. Estrutura física e material .............................................................................. 23 4.3. Recursos tecnológicos ................................................................................... 23 4.4. Acervo bibliográfico...................................................................................... 24 5. O Curso .................................................................................................................. 26 5.1. Concepção..................................................................................................... 26 5.2. Legislação norteadora.................................................................................... 28 5.3. Identificação.................................................................................................. 30 5.4. Perfil Desejado do Licenciado em Ciências Sociais ....................................... 31 5.5 Habilidades e Competências........................................................................... 32 5.6. Campos de atuação........................................................................................ 34 6. Estrutura Curricular................................................................................................. 38 6.1. Organização didática ..................................................................................... 39 6.2. Núcleos temáticos ......................................................................................... 40 6.3. Quadro Geral das disciplinas ......................................................................... 41 6.4. Distribuição das disciplinas por Núcleo ......................................................... 43
2

6.5. Distribuição das disciplinas por semestre....................................................... 46 6.6. Quadro de integralização curricular ............................................................... 50 6.7. Disciplinas optativas...................................................................................... 53 6.8. Estágio Curricular Supervisionado ................................................................ 55 6.9. Atividades acadêmicas científico-culturais .................................................... 62 6.10. Fluxograma do Curso .................................................................................. 64 6.11. Ementas e referências bibliográficas ............................................................ 65 DISCIPLINAS DE ANTROPOLOGIA................................................................ 65 OBRIGATÓRIAS: ........................................................................................... 65 ANTROPOLOGIA I..................................................................................... 65 ANTROPOLOGIA II ................................................................................... 66 ANTROPOLOGIA III .................................................................................. 67 ANTROPOLOGIA IV .................................................................................. 68 OPTATIVAS: .................................................................................................. 69 ANTROPOLOGIA BRASILEIRA ............................................................... 69 ANTROPOLOGIA VISUAL........................................................................ 70 TRABALHO DE CAMPO ........................................................................... 71 ETNOLOGIA I............................................................................................. 73 ETNOLOGIA II ........................................................................................... 74 ANTROPOLOGIA DOS GRUPOS AFRO-BRASILEIROS ......................... 75 ANTROPOLOGIA DOS GRUPOS AFRO-BRASILEIROS II ..................... 76 ANTROPOLOGIA URBANA...................................................................... 77 ANTROPOLOGIA DA RELIGIÃO ............................................................. 79 ORGANIZAÇÃO SOCIAL .......................................................................... 80 ANTROPOLOGIA ECONÔMICA............................................................... 81 ANTROPOLOGIA POLÍTICA..................................................................... 82 ANTROPOLOGIA E RELAÇÕES DE GÊNERO ........................................ 83 ANTROPOLOGIA E MEIO AMBIENTE .................................................... 85 ANTROPOLOGIA E HISTÓRIA................................................................. 86 ANTROPOLOGIA DO DIREITO ................................................................ 87 ANTROPOLOGIA E TURISMO ................................................................. 91 TÓPICOS ESPECIAIS EM ANTROPOLOGIA (I, II, III e IV)..................... 92 DISCIPLINAS DE SOCIOLOGIA ...................................................................... 92 OBRIGATÓRIAS ............................................................................................ 92 SOCIOLOGIA I ........................................................................................... 92 SOCIOLOGIA II .......................................................................................... 93 SOCIOLOGIA III......................................................................................... 94 SOCIOLOGIA IV......................................................................................... 94 OPTATIVAS ................................................................................................... 95 PENSAMENTO SOCIAL BRASILEIRO I................................................... 95 PENSAMENTO SOCIAL BRASILEIRO II ................................................. 96 SOCIOLOGIA E URBANIZAÇÃO ............................................................. 97 SOCIOLOGIA E QUESTÃO AGRÁRIA ..................................................... 98 MOVIMENTOS SOCIAIS I ......................................................................... 99 MOVIMENTOS SOCIAIS II...................................................................... 100 SOCIOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO .............................................. 102 SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE .......................................................... 103
3

..... 126 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.............................. 121 POLÍTICA SOCIAL E CIDADANIA........................................................ 115 Obrigatórias: ........................................ 143 4 ............................................................. 104 CULTURA E SOCIEDADE .. 105 TEORIAS DA SOCIALIZAÇÃO ............................. 124 PENSAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO ....................... II.................................................................................................................................................................................................................. II........................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................ 128 SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO........................................................................................................................... 143 PESQUISA ORIENTADA EM CIÊNCIAS SOCIAIS II ...... 143 INTRODUÇÃO À FILOSOFIA I................................................... 111 SOCIOLOGIA E IMIGRAÇÃO ...................... 120 ECONOMIA POLÍTICA ...................................... 119 COMUNICAÇÃO E POLÍTICA ............................................................................................................. 142 PROJETO DE PESQUISA:......................................................................................................................... 123 REGIMES POLÍTICOS E TRANSIÇÕES.............................................................................................. 126 ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ........ 126 DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS................................................................................ 118 SOCIOLOGIA POLÍTICA . 137 GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO............................................................................ 139 HISTÓRIA DO BRASIL....................................... 137 DEMAIS DISCIPLINAS ......... 127 ESTÁGIO SUPERVISIONADO III ....................................... 114 DISCIPLINAS DE CIÊNCIA POLÍTICA.............. 142 PESQUISA ORIENTADA EM CIÊNCIAS SOCIAIS I .............................................................. 115 CIÊNCIA POLÍTICA II. 123 RELAÇÕES INTERNACIONAIS................................................................... 134 LIBRAS .............................................................................................. 118 SISTEMA POLÍTICO BRASILEIRO..................SOCIOLOGIA E DIREITO ........................................................................................................................ 107 SOCIOLOGIA DA ESCOLA DE CHICAGO.. 115 CIÊNCIA POLÍTICA I.................................................................................................................................................................................................. 122 POLÍTICAS PÚBLICAS ........................... 138 OFICINA DE REDAÇÃO ............................................. 118 PARTIDOS POLÍTICOS E SISTEMAS PARTIDÁRIOS ..................................... 127 ESTÁGIO SUPERVISIONADO IV .... 137 INTRODUÇÃO À ECONOMIA................................................................................................................ 127 PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO ........... 130 TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS ................................................................................. 133 DIDÁTICA APLICADA AO ENSINO DE SOCIOLOGIA.............................................. 116 CIÊNCIA POLÍTICA IV . III e IV) .................................................................................................... 131 HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO...................................... 120 TEORIAS DA DEMOCRACIA....................................................................................................................................... 109 EDUCAÇÃO E SOCIEDADE............................. 127 POLÍTICAS PÚBLICAS E LEGISLAÇÃO DA EDUCAÇÃO ....................................................................................................... 113 TÓPICOS ESPECIAIS EM SOCIOLOGIA (I............................ III e IV) ..................... 140 HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA ....... 108 SOCIOLOGIA DA JUVENTUDE............. 110 SOCIOLOGIA DA RELIGIÃO ................................................................................ 125 TÓPICOS ESPECIAIS DE CIÊNCIA POLÍTICA (I............... 115 CIÊNCIA POLÍTICA III ................................... 117 OPTATIVAS: ...................

.................................................. Avaliação do currículo................................. Avaliação pedagógica................................................................................................................................................................. 149 6......................................................................... 147 ESTATÍSTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS I . 147 MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA QUALITATIVA ........................................................ 150 6........................................................... 144 EPISTEMOLOGIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS.......................................................................... Monografia............................................................................................. 151 Anexos ................................................... 151 Bibliografia............ 160 Orçamento ..12........................... 146 MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA QUANTITATIVA...... 152 1.................... 150 6................................... 148 ESTATÍSTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS II ........................ 3.....................................INTRODUÇÃO À FILOSOFIA II ....14.... Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado: .............................. 152 Regulamento da Monografia ...........................................13......................... 169 5 ....................... 2............ 148 ELETIVA: ................................................

................... 41 Tabela 7: Disciplinas do Núcleo de Formação Específica:...................................................................................... 51 Tabela 20: Pré-requisitos:..................... 25 Tabela 4: Prática de Ensino como componente curricular.................................................... 50 Tabela 19: Quadro resumo da integralização curricular: .............................................................................................................................. 62 6 . 48 Tabela 15: Disciplinas do 6º semestre ................................ 28 Tabela 6: Quadro Geral das Disciplinas ................................................................................................................................................................ 49 Tabela 18: Quadro resumo da distribuição por semestres: ..... 23 Tabela 3: Acervo bibliográfico de Ciências Sociais....................................................................... 21 Tabela 2: Demanda de professores para o novo curso................................... 44 Tabela 9: Disciplinas do Núcleo de Formação Docente ............... 48 Tabela 16: Disciplinas do 7º semestre .... 28 Tabela 5: Legislação e normas ............. 45 Tabela 10: Disciplinas do 1º semestre ..................................................................................................................................... 47 Tabela 14: Disciplinas do 5º semestre ........................................................................................... 46 Tabela 11: Disciplinas do 2º semestre .................................................................................. 51 Tabela 21: Disciplinas Optativas . 47 Tabela 13: Disciplinas do 4º semestre . 46 Tabela 12: Disciplinas do 3º semestre ..... 53 Tabela 22: Formas de Aproveitamento das AACCs:.......................................................................................................................... 49 Tabela 17: Disciplinas do 8º semestre .....................................Lista de Tabelas Tabela 1: Corpo Docente de Ciências Sociais..................................................................................................................................................................................... 43 Tabela 8: Disciplinas do Núcleo de Formação Complementar:...............................................................................................

em consonância com as Resoluções CNE/CES 17. de 19 de fevereiro de 2002. 7 . compreendendo-os como síntese de negociação. de 18 de fevereiro de 2002. entre outras formas de atuação. advinda do processo de democratização da sociedade brasileira com a criação de novos conselhos municipais. Seu conteúdo busca contemplar os aspectos legais que a implementação de cursos e diretrizes curriculares para as carreiras de ciências sociais exigem. assim. além de legislações nas quais a questão técnica e política se conectam e se atrelam no sentido da melhoria da qualidade de vida da população e de qualificação da atuação do poder público e da sociedade. por decisão recente do Ministério da Educação. e CNE/CNP 2. passa a ser obrigatória nas escolas públicas e privadas no Brasil. que. De outra maneira. estaduais e federal. estando. A criação do curso já está prevista no planejamento plurianual da UESC para o período 2008-2011. A proposta que ora se apresenta tem o cuidado de observar e busca adequarse às diferenças e características locais. de forma ampliada. e como técnicos na proposição e implementação de políticas públicas em variadas áreas. preocupa-se em afinar essas novas exigências a um conteúdo crítico dos processos sociais. de 13 de março de 2002. atender à demanda existente na região Sul da Bahia de formação de profissionais para atuarem como docentes de sociologia no ensino médio.Apresentação Este projeto visa subsidiar a proposta do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas (DFCH) para a implantação e implementação do curso de Licenciatura em Ciências Sociais na Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). lutas e embates ampliados que envolvem atores e grupos das mais variadas matizes e com interesses diversos e muitas vezes contraditórios. A proposta da criação do curso de licenciatura em Ciências Sociais objetiva. A observação dessas especificidades aponta para a realização de um curso em conformidade com a ampliação da atuação do profissional de ciências sociais. sem perder de vista as mudanças e novas diretrizes em escalas nacional e internacional que têm estabelecido posturas específicas e desafios inovadores para as ciências sociais. CNE/CP 1. como pesquisadores.

Tem como proposta possibilitar ao futuro professor uma boa formação pedagógica para o ensino de sociologia no ensino médio. como os fundamentos da formação acadêmicoprofissional do futuro pesquisador e professor. Introdução 1. 1. habilitando-o a analisar criticamente a realidade e produzir conhecimentos para atuar sobre ela. assessoria e consultoria para os setores público. Estimular o comprometimento com as realidades sociais. 8 . Considerações iniciais O curso de licenciatura em Ciências Sociais conferirá diploma de licenciado em Ciências Sociais. pesquisa e prática social.1. tanto teórica como metodologicamente. privado e não-governamental. que se constituem num corpo de indagações a respeito da vida social e emergem de uma pluralidade de sistemas de interpretações e prefigurações da vida social. Habilitar o licenciado de Ciências Sociais para desenvolver atividades na área acadêmica (pesquisadores e de professores de ensino médio e no ensino superior) e de planejamento. sem deixar de formá-lo como um profissional de Ciências Sociais capaz de colocar-se de forma criativa e crítica diante de demandas e desafios da sociedade contemporânea. Como as teorias sociais. Objetivos Objetivos Gerais • Formar o licenciado em Ciências Sociais com base numa perspectiva humanística.1.2. tendo como suporte tanto os fundamentos epistemológicos da área. • • Objetivos Específicos • Desenvolver no estudante a habilidade de articular teoria. políticas e culturais nos âmbitos global e local. a formação do licenciado em Ciências Sociais deve ser ampla e pluralista.

Tornou-se lugar comum falar dos problemas e das velozes transformações pelas quais o mundo vem passando nas últimas décadas: violência. com maior atenção aos problemas regionais. Propiciar uma formação teórica consistente que articule a teoria e a pesquisa com vistas à problematização das práticas educativas. Justificativa A universidade se constitui no mais importante centro de produção e difusão de conhecimentos. portanto. desemprego. políticas. cabendo-lhe. Orientar para a atuação no planejamento e avaliação das práticas educativas. os processos migratórios. Formar o educador com base num projeto aglutinador das diferentes áreas do conhecimento. o aumento da miséria em diversas partes do mundo. Privilegiar a compreensão da diversidade cultural e da complexidade organizacional da sociedade. a emergência de identidades e reivindicações étnicas nos seios dos estados nacionais e tantos outros processos sociais têm estado na ordem do dia e têm exigido reflexões e respostas urgentes daqueles que produzem conhecimento. os cientistas sociais ocupam um papel 9 .3. culturais e sociais que venham a responder às demandas e aos interesses da sociedade. Preparar o estudante para atuar nas áreas de planejamento e gerenciamento em consultorias e assessorias. organizações governamentais e nãogovernamentais. • • • • • • • 1. sindicatos e movimentos sociais. destruição do meio ambiente e das populações tradicionais. Preparar o estudante para trabalhar com equipes multidisciplinares junto a órgãos públicos e empresas privadas. Nesse sentido. partidos políticos. garantindo o diálogo entre a Educação e as Ciências Sociais. contribuir decisivamente na discussão e na construção de propostas econômicas. Contribuir para a formação ética e o senso de responsabilidade social. a chamada globalização econômica. propiciando o contato com atividades de extensão e pesquisa. E é a partir dessa missão da universidade que propomos a implantação do curso de licenciatura em Ciências Sociais na UESC.• Desenvolver no estudante uma capacidade analítica para estabelecer relações e conexões multilineares em situações diferenciadas. acompanhada da massificação cultural.

FASE/BA (Itabuna) e Cáritas Diocese/Ilhéus. assim. nas mais diferentes frentes. apresentam uma gama enorme de problemas sociais – violência. miserabilidade. quilombolas. destacam-se a docência no ensino médio e em muitos cursos de ensino superior. trabalhadores rurais sem terra. a proposição e implementação de ações. nas áreas de lazer e entretenimento. além de assessoria. Os processos e problemas enunciados no parágrafo acima. além de. Os municípios de Ilhéus e Itabuna. seja social ou acadêmica. em todo o planeta. O mercado de trabalho que se lhe apresenta é. quanto de atuação junto às comunidades tradicionais. além do de Ciências Sociais. pois cabe a eles a compreensão e a explicitação das relações sociais existentes. movimentos e população indígenas. na assessoria política. portadores de necessidades especiais etc. como grupos indígenas. o profissional em ciências sociais. nas relações internacionais (de cunho político ou comercial).privilegiado. tanto mais porque as Ciências Sociais apresentam interface com diversas outras áreas de conhecimento. também os governos – em todos os níveis – têm sido obrigados a propor políticas voltadas para atender a demandas sociais específicas. a pesquisa. nas questões agrárias. praticamente. embora não apenas eles. portadores de doenças específicas e muitos outros. podemos citar o Instituto de Estudos Socioambientais do Sul da Bahia (IESB). como a saúde. Entre elas. os maiores da região de abrangência da UESC. movimentos negros. ou de opinião e de mercado. Fundação Jupará de Cultura e Ecologia. as ciências agrárias e biológicas. seja ao legislativo quanto ao executivo. no desenvolvimento e planejamento urbano. a educação. apresentam características específicas no contexto local. Diante desse quadro. sejam de reforma agrária. com destaque para trabalhadores rurais sem terra. sendo o cientista social capaz de contribuir nos mais distintos setores.. o planejamento urbano etc. prostituição infantil são alguns dos mais alarmantes – assim como de movimentos organizados. 10 . justiça. com as quais não estavam acostumados a lidar. que ocorrem. Tantos problemas e uma tamanha diversidade de grupos sociais promoveram o surgimento de um sem número de organizações nãogovernamentais atuando na região. seja em qualquer uma de suas três áreas de especialização – a ciência política. Dentre aqueles setores considerados já consolidados. amplo e variado. atuação junto a questões de meio ambiente. Além dessas entidades. saúde. a docência em cursos voltados à formação política e sindical. desemprego. no estabelecimento de relações e reconhecimento de comunidades indígenas e quilombolas. em muitos casos. a antropologia e a sociologia – torna-se um profissional indispensável para a compreensão da dinâmica social.

Além disso. tanto porque precisa 11 .br/cne). saúde. outras universidades estaduais estão também elaborando seus projetos para a implantação do curso. em empresas privadas. O § 3º do Artigo 2º institui que “no caso de escolas que adotarem. o que significa uma absoluta carência de professores com formação qualificada.segurança pública. responsável e transformadora da realidade social.portal. neste momento. A Universidade Federal da Bahia (UFBA) é a única instituição pública de ensino superior a oferecer o curso no Estado. pois as Ciências Sociais se constituem como um conhecimento indispensável à formação dos jovens para uma consciência crítica. além de atuar em todos os setores descritos acima. especialmente a partir do crescimento e divulgação do conceito de ‘cidadania empresarial’. O licenciado em Ciências Sociais. sem desconhecer a força da autonomia universitária.gov. Ressalte-se que nos municípios de abrangência da UESC. diferenças étnicas e culturais. relações de trabalho. pode-se definir a atuação do profissional de Ciências Sociais como direcionada ao diagnóstico dos problemas sociais que envolvem as questões de violência. 4. no todo ou em parte. não pode estar excluída do esforço conjunto das universidades públicas da Bahia de atendimento desta demanda. A UESC. há uma dificuldade básica a ser enfrentada a fim de que se possa cumprir a resolução: a quase completa ausência de cursos de formação de professores de sociologia. No caso do Estado da Bahia. projetos de educação e. moradia.mec. pelo Ministério da Educação. A implantação do curso de Licenciatura em Ciências Sociais na UESC tornou-se ainda mais necessária e urgente a partir da promulgação da Resolução no. De maneira resumida. de planejamento e de assessoria técnica em agências privadas ou governamentais. organização curricular estruturada por disciplinas. além exercer atividades de pesquisa. estará habilitado para trabalhar no ensino fundamental e médio e na produção e difusão dos conhecimentos das Ciências Sociais. No momento. em função de sua área de abrangência e por ser referência nesta região do Estado. deverão ser incluídas as de Filosofia e Sociologia”. é notória a carência de pessoal qualificado para auxiliar na implantação de políticas públicas. temse. ainda pouco explorada. o muito provável apoio do governo estadual. A resolução afirma ainda que os sistemas de ensino deverão fixar as medidas necessárias para a implantação dessas disciplinas em seus currículos de Ensino Médio no prazo de um ano a contar de sua publicação (www. de 16 de Agosto de 2006. A licenciatura possibilitará atribuições de magistratura em Ensino Médio (magistério e propedêutico). segurança.

Uma primeira será o aumento da produção de conhecimento na área no interior da universidade. assim. É verdade que os atuais professores. professor da área de Ciências Sociais desta universidade. para melhor compreender e atuar sobre as realidades locais. mas também Enfermagem. Como mencionado acima. Contudo. Uma segunda conseqüência importante será a formação de profissionais preparados para atuarem de acordo com as particularidades dos problemas da região. Deve-se ainda destacar que os egressos do curso de Licenciatura em Ciências Sociais terão muito a contribuir com vários dos cursos de pós-graduação existentes na UESC. organizações nãogovernamentais. permitindo uma prática e um compromisso com o conjunto da nossa sociedade. a interdisciplinaridade e a exigência de 12 . como faria com que os alunos que participam como bolsistas e auxiliares de pesquisa de nossos projetos. Medicina. problemas específicos da região. preparando-se. também. além de lecionarem em quase todos os cursos da UESC. como o de Educação e Relações Étnico-Raciais e o de Saúde Mental. durante sua formação. tivessem um maior interesse e uma formação mais adequada em relação às leituras e métodos próprios das Ciências Sociais. já vêm desenvolvendo diversos projetos de pesquisa. cada vez mais diversos campos do conhecimento trabalham em consonância com as Ciências Sociais. Atualmente. os alunos mais próximos das pesquisas na área são os dos cursos de Filosofia e História. professores da área de Ciências Sociais do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas lecionam e orientam alunos nos Mestrados em Cultura e Turismo e em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente. além de cursos de especialização. quanto porque seu secretário de educação. a implantação do curso não só traria um número maior de pesquisadores. Entende-se. O curso de Licenciatura em Ciências Sociais na UESC daria oportunidade aos alunos de investigarem. É importante ressaltar também as conseqüências da implementação do curso de Licenciatura em Ciências Sociais na própria UESC. movimentos sociais. Direito e outros. e na procura dos professores ligados à área por parte de governos municipais. que a constituição e solidificação dos conhecimentos próprios às Ciências Sociais virão contribuir para apreensão da realidade social em esferas mais amplas. Contudo.adequar-se às disposições da resolução Nº 4. A implantação do curso de Licenciatura em Ciências Sociais na UESC vem atender também a uma demanda social manifesta nas falas de discentes que pertencem ou pertenceram à universidade e que gostariam de cursar Ciências Sociais. foi um dos pareceristas favoráveis à sua promulgação quando participava do Conselho Nacional de Educação. Atualmente.

em segundo lugar. tendo em vista o ideal que é traduzido nos direitos inerentes à pessoa humana. contribuindo neste sentido com os demais campos de conhecimento proporcionados por esta instituição de ensino superior. Com a criação do curso de Licenciatura em Ciências Sociais nesta Universidade. a construção de conhecimentos sólidos sobre a realidade circundante e suas características e. abrem espaço para novos diálogos entre as Ciências Sociais e outras disciplinas.que pesquisas e ações levem em conta as comunidades nas quais se encontram inseridas. 13 . o estímulo à intervenção nas esferas pública e privada. cumprir-se-á a dupla tarefa atribuída aos profissionais em Ciências Sociais. Em primeiro lugar.

A FUSC tinha como objetivo criar e manter uma universidade a ser denominada Universidade de Santa Cruz. sem poder contar com suas duas fontes básicas – recursos da CEPLAC e anuidade –. A essa altura. Contexto Institucional 2. o Ministério da Agricultura reduziu à metade a verba da CEPLAC destinada ao ensino superior. além de divulgação técnica e científica em todos os ramos do conhecimento.1. pelo Parecer 1. A FESPI foi resultante da união das escolas isoladas existentes nas cidades de Ilhéus e Itabuna. sendo concluída a formalização com a inscrição dos Estatutos no livro no 4-A. do Cartório do 1º Ofício de Notas da Comarca de Ilhéus-BA. 15% eram de recursos do Estado e o restante vinha de outras fontes. Como a conjuntura nacional não permitiu a criação imediata de uma universidade. de estudo. instituição de ensino superior. reconhecida pelo CFE em 05/04/74. a FUSC tornara-se incapaz de manter a FESPI e. instituição de ensino antecessora da UESC. a FUSC instituiu a Federação das Escolas Superiores de Ilhéus e Itabuna FESPI.637/74. alcançando seu ápice em março de 1988. Para manter a FESPI e criar as condições para o surgimento da Universidade. entidade de direito privado. a qual se prolongou até setembro do mesmo ano. fl. No 47 de ordem 205. recrudesceu a luta dos estudantes e professores pelo ensino público e gratuito. Em 1986. por decisão de seu Conselho Diretor. quando do registro da FUNDAÇÃO SANTA CRUZ – FUSC.2. cerca de 37% advinham de anuidade e taxas. encaminhou ao Governador do 14 . assim. No mesmo ano de 1987. quando se deflagrou uma greve em todos os segmentos da FESPI. pesquisa e extensão. Histórico da UESC Juridicamente. de Registro Civil das Pessoas Jurídicas da mesma comarca. na oportunidade. 1 a 18. constituída pela escritura pública lavrada em 18/08/72. da qual foi mantenedora até 1991. extinguindo-a no ano seguinte. às fls. a FUSC mantinha um orçamento alimentado por diferentes fontes: cerca de 35% eram oriundos de uma dotação da Comissão Executiva do Plano de Recuperação EconômicoRural da Lavoura Cacaueira – CEPLAC para o ensino superior. a história da UESC remonta a 1972. livro 154-A.

de 05 de dezembro. sob a forma de Fundação Pública. foram definidas as finalidades da Universidade Estadual de Santa Cruz e a extinção da FUNCRUZ: A Universidade Estadual de Santa Cruz fica constituída. em seus artigos 2º e 3º. A partir de 1º de Janeiro de 1990. em 28 de dezembro do mesmo ano. extinta na forma desta Lei. criou a UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ – UESC. ao lado das demais Universidades estaduais. com a finalidade explícita de “promover a criação e manutenção de uma Universidade no Sul do Estado [a qual] consignará. com vistas ao cumprimento de seus objetivos. passou a integrar o Orçamento do Estado da Bahia.344/91 e da extinção da FUNCRUZ. fundando a Fundação Santa Cruz – FUNCRUZ. compondo o quadro das entidades da administração indireta da Bahia. vinculada à Secretaria de Educação e Cultura. ainda em 1989. na condição de Fundação Pública (art. Em 1991. administrativa e de gestão financeira e patrimonial. através da Fundação Santa Cruz – FUNCRUZ. dotada de personalidade jurídica própria e de autonomia didático-científica. mediante aprovação de seu Orçamento-Programa. o orçamento do Estado já estava aprovado.” Em decorrência da Lei 6. ao ser publicada a Lei 4.Estado da Bahia uma proposta de transferir todos os seus bens à futura Universidade em troca da estadualização da FESPI. recursos para atender às despesas da Fundação. a Lei 6. no exercício financeiro de 1992. 1º da Lei 6.” Todavia. vinculada à Secretaria de Educação e Cultura. anualmente.344. a UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ.816/88.816. Assim. mantidos pelo Estado. o governo do Estado anunciou a decisão de estadualizar a FESPI. Dois meses mais tarde. 1º: “Fica instituída a Universidade Estadual de Santa Cruz. o Estado transferiu recursos para a FESPI por meio de sucessivos convênios. pelos cursos de ensino superior atualmente em funcionamento. a FUNCRUZ tornou-se uma unidade orçamentária do Estado.” Pela mesma Lei. uma Fundação Universitária nos termos de seu art. fundação de direito público.344/91). que criava a FUNCRUZ. com sede no Km 16 da Estrada Ilhéus-Itabuna e jurisdição em toda a região sul do Estado. integrando-se ao Sistema Estadual de Ensino. 15 . foi sancionada a Lei 4. No dia 28 de setembro de 1988. sob a forma de dotação global.

a UESC tem sua manutenção assegurada integralmente pelo Estado. Superior de Ensino. será ministrado pelas Instituições Estaduais de Ensino Superior..898. tanto em sua personalidade jurídica quanto em sua estrutura organizacional e de cargos através da Lei 6. universidades. dando-lhe autonomia didático-científica.344.]”. 265 – § 3º As instituições estaduais de pesquisa.A nova FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA está alicerçada financeiramente no tesouro do Estado da Bahia. decisão foi homologada pelo Conselho Federal de Educação no Parecer 171. Na condição de autarquia de natureza estadual. sofreu alteração. III – produtos de operação de crédito. 262 – O Ensino Superior. O artigo 7º da Lei 6. responsabilidade do Estado. como fundação pública. VI – outros recursos que lhe forem atribuídos. de 15 de março de 1994. o Conselho Estadual de Educação. IV – subvenções.344 afirma que as receitas que asseguram a manutenção da UESC advêm de dotações consignadas no orçamento fiscal do Estado e de outras fontes. A Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC. [.. II – rendas patrimoniais e as provenientes da prestação de serviços. de 05 de dezembro de 1991. V – recursos oriundos de convênios. 7º . Sua administração superior é exercida pela Reitoria e pelos conselhos Universitário – CONSU.. através do Parecer 055/93 de 04 de agosto de 1993. mantidas integralmente pelo Estado. administrativa e de gestão patrimonial. Pesquisa e Extensão – CONSEPE. de 18 de agosto de 1995 de criação da Universidade. auxílios e legados.. aprovou a transferência da antiga mantenedora Fundação Santa Cruz – FUSC para UESC. e de Administração – CONSAD.Constituem receitas da Universidade: I – dotações consignadas no orçamento fiscal do Estado. “ 16 .]” Art. criada pela Lei 6. bem como a sua autonomia científica e financeira [. conforme determina a Constituição Estadual nos artigos a seguir: “Art. A personalidade jurídica da Universidade passou de fundação a autarquia. conforme a seguir: “Art. Compreendendo tal situação. institutos e fundações terão a sua manutenção garantida pelo Estado.

Assim sendo, a manutenção da UESC, como responsabilidade do Estado, possibilita a gratuidade dos cursos de graduação. Desse modo, o planejamento econômico e financeiro do curso de Licenciatura em Ciências Sociais será integrado ao conjunto geral do planejamento da UESC. As despesas de custeio e investimento estarão inseridas no orçamento global, bem como as receitas necessárias à manutenção do curso.

2.2. Contexto Regional da UESC A Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC com sede em Ilhéus, no Estado da Bahia, tem por finalidade desenvolver de forma harmônica e planejada a educação superior, promovendo a formação e o aperfeiçoamento acadêmico, científico, tecnológico dos recursos humanos, a pesquisa e extensão, voltados à questão do meio ambiente e do desenvolvimento socioeconômico e cultural, em consonância com as peculiaridades regionais. O campus universitário situa-se entre os dois principais pólos urbanos do Sul da Bahia, mais precisamente no Km 16 da Rodovia Ilhéus/Itabuna, BA 415, no município de Ilhéus. A área geo-educacional da UESC compreende as regiões de planejamento do Estado da Bahia que abrange um vasto espaço do seu território, agregando as subregiões conhecidas como Baixo-Sul (11 municípios), Litoral Sul (42 municípios) e Extremo Sul (21 municípios) da Bahia, e tem como principais pólos urbanos, Ilhéus e Itabuna. Limita-se com Gandu e Valença, ao Norte, e Eunápolis, Itamarajú e Teixeira de Freitas, ao Sul. Ao todo, são 74 municípios, numa área de 55.838 km², correspondendo a 9% da área do Estado da Bahia, abrangendo uma população de 2.030.619 habitantes, ou seja, 16% de sua população. A região Litoral Sul praticamente coincide com a Mesorregião Sul da Bahia, do IBGE, compreendendo as Microrregiões Ilhéus – Itabuna, Valença e Porto Seguro. Os municípios de Ilhéus e de Itabuna concentram 418.802 moradores – cerca de 20% de toda a população da Região Litoral Sul. 1 A caracterização desse espaço geográfico em suas peculiaridades sociais, econômicas, ambientais, situação de infra-estrutura e potencialidades econômicas tem

1

Dados retirados de www.sei.ba.gov.br. Acesso em 28/08/2007.

17

demandado esforços das várias instâncias ou setores da Universidade, de modo a tornar possível eleger e definir políticas concernentes à interação crítica e criativa da UESC em relação à comunidade regional, visando a um melhor cumprimento de sua missão institucional.

2.3 Ensino de Graduação Estão implantados, na UESC, 26 cursos regulares, modalidade presencial de graduação do quais 16 bacharelados (Administração, Agronomia, Ciências da Computação, Ciências Biológicas, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Comunicação Social, Direito, Enfermagem, Línguas Estrangeiras Aplicadas às Negociações Internacionais, Física, Matemática, Medicina Humana, Medicina Veterinária e Engenharia de Produção e Sistemas) e 10 licenciaturas (Ciências Biológicas, Filosofia, Física, Geografia, História, Letras, Matemática, Pedagogia, Química e Educação Física), além do curso de licenciatura em Biologia na modalidade de educação à distância. O processo seletivo para acesso ao curso regular de graduação, modalidade educação à distância, contou com 408 candidatos concorrentes a 300 vagas, estabelecendo uma relação de 1,36 candidato/vaga Uma das estratégias utilizadas para o fortalecimento dos cursos de licenciatura existentes na UESC é o desenvolvimento do projeto institucional intitulado “Identidade, alteridade e paisagem: a educação pelo olhar”. O projeto tem como público alvo os alunos de todas as licenciaturas, faz parte do programa de consolidação das Licenciaturas do Ministério da Educação e foi aprovado no Edital PRODOCÊNCIA 01/2007, obtendo financiamento externo para execução em 2008. (RELATÓRIO DE ATIVIDADES UESC, 2007) No ano de 2007, foram realizados dois processos seletivos para acesso aos cursos regulares de graduação oferecidos pela Universidade, cumprindo o programado em 100%. O concurso vestibular para acesso às 1.310 vagas iniciais dos cursos presenciais de graduação contou com 14.404 candidatos inscritos e concorrência média de 10,99 candidato/vaga

18

2.4. Ensino de Pós-Graduação Estão implantados, na UESC, 12 cursos em nível lato sensu (especialização) e 10 cursos em nível stricto sensu, 9 mestrados e um doutorado sendo que dois cursos aprovados em nível stricto sensu na área de Linguagens e Representações, do Departamento de Letras e Artes, e Biologia e Biotecnologia de Microorganismos, do Departamento de Ciências Biológicas, terão início em 2008. Em 2007, a CAPES aprovou o primeiro curso de Doutorado da UESC, na área de Genética e Biologia Molecular. Isso revela que a Instituição está dinamizando pontos como: a produção científica dos cursos, a formação de mestres e doutores e o impacto tecnológico social positivo dos programas oferecidos pelas instituições de ensino superior. 2.5. Atividades de Extensão A UESC desenvolve ações de extensão no seu entorno, coordenadas pela PROEX – Pró-Reitoria de Extensão. Durante o ano de 2006, tais atividades compreenderam as áreas de Educação, Saúde, Trabalho, Direitos Humanos, Cultura, Comunicação, Tecnologia e Meio Ambiente. Além de desenvolver projetos de curto prazo, a UESC é parceira dos governos estadual e federal em diversos programas contínuos de extensão destinados à comunidade. Entre eles se destacam programas educativos como o AJA-BAHIA o ALFASOL, o PRONERA, os Cursos Pré-Vestibular Populares Universidade para Todos e PRUNE.

19

antropologia e ciência política são atualmente oferecidas pelo Departamento de Filosofia e Ciências Humanas a diversos cursos da UESC. no final dos anos 60. da qual a UESC não possui qualquer registro oficial. 20 . ministradas pelos 17 professores que formam a área de Ciências Sociais no DFCH. Criada em 1965 e fechada em 1971. Histórico do Curso A história do ensino superior de sociologia na região sul da Bahia se restringe ao curto período de funcionamento da Faculdade de Sociologia e Política de Ilhéus.3. As disciplinas de sociologia. a FASPI teria formado uma única turma.

Mestre 40 horas 21 . há 16 professores entre os que têm titulação na área de Ciências Sociais e os que atualmente ministram as disciplinas da área de Ciências Sociais oferecidas aos demais cursos da UESC. 59 substitutos e 36 visitantes. Mestre Ded. 50 titulares e dois plenos (dados do relatório de 2006). Excl. Ded. Doutor em Educação Evani Moreira Pedreira dos Graduada em Pedagogia. 145 adjuntos. dentre os quais 132 são auxiliares. Mestre em Extensão Rural Mestre em Sociologia Rural em Ciências Sociais em Educação Graduado em Sociologia e Política.1 Corpo Docente O corpo docente da UESC é formado por 681 professores. Lotados no Departamento de Filosofia e Ciências Humanas.4. Planeja-se a incorporação de 02 (dois) docentes para as disciplinas de Antropologia e Ciências Políticas devido a demissão do quadro de dois docentes das referidas áreas. Santos Educação. Tabela 1: Corpo Docente de Ciências Sociais Nome Qualificação Regime de trabalho Adão Luiz Gomes Ornellas Adeum Hilário Sauer Anatércia Ramos Lopes Augusto Oliveira Elias Lins Guimarães Marcos Graduado em Engenharia Agronômica. Mestre em Ded. Recursos humanos e físicos 4. 352 assistentes. 40 horas Excl. são 586 do quadro efetivo. Quanto ao vínculo funcional. Graduada em Estudos Sociais. Fagundes Graduado em Ciências Sociais. 40 horas Mestre em Educação. Excl.

Graduada em Filosofia. Graduada em Pedagogia. Mestre em Ded. como segue: 22 . Mestre Ded. Mestre Ded. Doutor em Sociologia Paulo Cesar Ribeiro Barbosa Raimunda Silva D’Alencar Roque Pinto da Silva Santos Vera Silva Wladimir da Silva Blos Lúcia de Graduado em Ciências Sociais. Maria Luiza Silva Santos Maria Luiza Nora de Andrade Miguel Vergara Paulo Cesar Pontes Fraga Arturo Graduada em Direito e Pedagogia. Graduado em Ciências Sociais. Doutora em Excl. Mestre em Cultura e Turismo Cultura e Turismo em Antropologia Social Excl. Ded. Para a implementação do curso. Doutor em Antropologia Social. 40 horas Mestre em Extensão Rural. Mendonça Graduada em Ciências Sociais. Excl. Excl. em Sociologia Rural. Excl. em Ciência Política e Doutora em Excl. em Ciências Médicas Sociologia Rural em Ciências Sociais Excl.Gabriela da Silva Tarouco Graduada em Ciências Sociais. Mestre Ded. Ciência Política. Graduado em Ciências Sociais. Mestre Ded. Mestre Ded. Mestre Ded. em Planejamento Urbano e Regional. Excl. Chamorro Graduado em Ciências Sociais. Estrutura Social e Desigualdade Graduado em Comunicação Social. Excl. Mestre em Ded. será necessário realizar concurso para 12 professores ao longo dos primeiros 4 anos.

computacional. veterinário.2. quadro branco. uma mesa com cadeira para professor. 20 cadeiras.3. 4. cada curso conta com um laboratório para uso dos estudantes. hospital núcleo e de centro biologia parque cultura pesquisas biblioteca tecnologia de auditório. . Estrutura física e material A UESC funciona em um único campus.quatro salas de aula.Tabela 2: Demanda de professores para o novo curso Ano Matéria Sociologia Antropologia Ciência Política Total 1 1 1 3 1 1 1 3 1 1 1 3 1 1 1 3 2009 2010 2011 2012 4. mobiliada com 3 mesas. e de torre administrativa. Para o funcionamento do curso serão necessários os seguintes equipamentos: 23 . escaninhos. armários. balcão. Além disso. 6 cadeiras.uma sala para o laboratório de informática mobiliada com 20 baias. quadro de avisos. quadros de avisos. laboratório microscopia eletrônica desportivo. frigobar. Para o funcionamento do curso serão necessárias as seguintes instalações: . Recursos tecnológicos Todas as unidades da UESC são equipadas com microcomputadores ligados a uma rede administrada pela Central de Operações de Informática. mesa e cadeira para professor e quadro branco. arquivos. .uma sala de multimídia mobiliada com 50 cadeiras de auditório. A ocupação das salas de aula é gerenciada pela Secretaria Geral de Cursos. radiações. equipado com cinco pavilhões de salas de arte de centro de e aula e laboratórios com e de cursos. .uma sala com dois ambientes para o colegiado.

disseminação seletiva da informação. . treinamento do usuário. empréstimo domiciliar. fax.739 títulos. Entre os recursos disponíveis estão: cabines para estudo. objetivando propiciar ao usuário um acesso mais amplo a periódicos. cobrando pelos serviços prestados. datashow. . 21 estabilizadores.equipamentos para a sala de multimídia: computador..4. 4. sala de áudio-visual e serviço de guarda-volumes. .equipamentos para a sala do colegiado: 2 computadores. DVD e carrinho para transporte. quadro branco. Acervo bibliográfico A Biblioteca Central da UESC encontra-se localizada no prédio do Centro de Cultura e Arte Governador Paulo Souto. 2. disponíveis em outros centros bibliográficos. inscrito ou não como usuário.1 kit móvel com TV. O acervo total da biblioteca em 2006 somava 42. anais. . tecnológicas e culturais. assim distribuídos: 24 . 2. A Biblioteca conta com o Sistema de Comutação Bibliográfica. aparelho de datashow e carrinho para transportar estes equipamentos. A biblioteca oferece ainda os serviços de pesquisa on line. disponibilizando fotocópias. 2 impressoras e scanner.503 periódicos. teses e demais trabalhos das áreas científicas. em níveis compatíveis com as necessidades dos usuários. 2 estabilizadores. estabilizador.1 kit móvel de equipamentos de audiovisual com: computador portátil.881 exemplares de livros (incluídas monografias. visita orientada. retroprojetor. catalogação cooperativa e acesso à internet. sala de consulta com acesso direto ao acervo. uma impressora e um aparelho de datashow. livraria.646 títulos e 17. leitura aberta ao público. estabilizador. jornal da biblioteca. TV e DVD.074 folhetos e 5. teses e dissertações).456 exemplares.para o laboratório de informática: 21 computadores. com 111. Foi criada com o objetivo de propiciar à comunidade acadêmica informações científicas.154 materiais multimeios (fonte: Relatório Padrão 2007) O acervo bibliográfico nas áreas de ciências sociais e disciplinas afins atualmente conta com 4.

catalogado. cdrom. monografias títulos exemplares Periódicos vídeos. de 17/07/2007. O total acima apresentado refere-se ao acervo processado (registrado.503. dissertações. etc. Esse acervo é suficiente para o primeiro ano de funcionamento do curso. Entre os anos de 2006 e 2007 houve uma evolução de 5. Biblioteca Central. títulos exemplares títulos exemplares 001 Conhecimento 030 Enciclopédias gerais 100 Filosofia 200 Religião 300 Ciências Sociais (generalidades) 301 Sociologia Antropologia 320 Ciência Política 370 Educação Totais 281 115 134 5 55 827 416 243 8 98 1 1 3 14 1 1 1 1 1 74 6 1601 e 1200 680 1633 4103 3270 1709 5010 11581 85 7 155 248 89 12 216 318 9 12 108 207 215 282 3350 5468 6 1 79 88 6 1 80 89 Fonte: Relatório de classificação UESC. e o acervo de periódicos manteve-se num total de 2.747 títulos (Tabela 25).545 exemplares de livros e de 1.Tabela 3: Acervo bibliográfico de Ciências Sociais Área livros e folhetos títulos exemplares teses. classificado e preparado para empréstimo). 25 .

Elas compõem o que se denomina Núcleo de Formação Complementar . as três disciplinas nucleares para a formação do licenciado em Ciências Sociais. Compõem daí o que se denomina Núcleo de Formação Específica. Concepção O curso de Licenciatura em Ciências Sociais tem como proposta pedagógica possibilitar ao futuro licenciado em Ciências Sociais posicionar-se criticamente. O segundo parâmetro norteador da estrutura curricular proposta é o diálogo interdisciplinar entre os campos de investigação. Seu objetivo é permitir que o aluno tenha liberdade de orientar sua 26 .1. Esta formação será distendida em atividades variadas e orientadas no sentido de contemplar e complementar a constituição básica. no entanto. a partir desta perspectiva. somando-se a elas as disciplinas metodológicas. tanto teórica. Geografia. Filosofia. Estas atividades são necessárias para a confecção das monografias de final de curso e para a formação de profissionais críticos. Estes princípios devem ser balizados pelos fundamentos das áreas de conhecimento que consolidam sua qualificação acadêmico-profissional de pesquisador e de professor. como central no projeto curricular. Privilegia-se uma formação teórico-metodológica no sentido clássico sem. com competência técnica e de maneira criativa frente aos desafios profissionais decorrentes de demandas da sociedade contemporânea. como metodologicamente. Sociologia e Ciência Política. segundo uma concepção ampla e pluralista. um enfoque centrado na competência equilibrada das três disciplinas básicas que orientam a formação do profissional em Ciências Sociais: Antropologia. Busca-se. deixar de considerar as temáticas contemporâneas e as leituras que se impõem. contemplam-se. O Projeto Pedagógico do Curso que se propõe está consolidado em três parâmetros fundamentais. Assim. em interface com outras disciplinas que permitem ampliar a esfera de visão da realidade – História. alcançar uma formação metodológica que contemple a historicidade de cada uma destas Ciências Sociais. O Curso 5. A formação do licenciado em Ciências Sociais deve ser solidificada. nas atividades de pesquisa e extensão. O primeiro refere-se à isonomia.5. ou seja. inclusive como professores de Sociologia no ensino médio. Economia e Estatística. compostas por trajetórias específicas e métodos próprios. isto é.

ou seja. Para atender à nova legislação da licenciatura. buscando manter estreita relação com problemas e necessidades sociais da região. a proposta curricular oferece atividades complementares desde o segundo ano do curso. a inserção do aluno em diferentes contextos da prática educativa. determinadas pela Resolução Consepe 42/2004 serão cumpridas no interior 27 . Desta forma. a capacidade analítica dos estudantes e uma ampla formação humanística”. interagindo com o currículo. por meio de atividades complementares e estágios: participação em seminários. Ciência Política e Sociologia) e fornecer instrumentos para estabelecer relações com a pesquisa”. que se colocam desde o primeiro semestre. O terceiro parâmetro.formação. isto é. que proporcione fundamentação teórico-prática às experiências vivenciadas pelo futuro licenciado em Ciências Sociais. • • A Proposta Pedagógica do Curso de Licenciatura em Ciências Sociais prioriza a formação em pesquisa como necessária e indispensável para a formação do licenciado. uma vez que ela instrumentaliza teórico-metodologicamente o profissional a ser formado. após a promulgação da Lei nº 9394/96A (CNE/CES 492/2001): • “Propiciar aos estudantes uma formação teórico-metodológica sólida em torno dos eixos que formam a identidade do curso (Antropologia. Além disso. iniciação científica. as relações entre a teoria e a prática. participação em eventos científicos e outros. “Estimular a autonomia intelectual. laboratórios de ensino. Com isto. Núcleo de Formação Docente é a articulação da formação epistemológica e a profissionalizante. “Articular a pesquisa e prática social”. Os parâmetros contemplados neste Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Ciências Sociais estão em consonância com os princípios norteadores das Diretrizes Curriculares do Curso de Ciências Sociais. todas as disciplinas do Núcleo de Formação Específica e do Núcleo de Formação Docente devem dedicar pelo menos 25% da sua carga horária a atividades que proporcionem. entre ensino e pesquisa. as 400 horas de Prática de Ensino como Componente Curricular. estabelecidas pelo MEC/SESU. desde o início do curso. busca-se garantir um processo ativo de construção coletiva de situações de ensino e aprendizagem. no sentido da contemplação de uma opção que mais lhe agrade. núcleos de pesquisa.

em que os alunos possam vivenciar a articulação entre os conhecimentos teóricos e os recursos da prática docente. 1997 Orientações para cumprimento do artigo 65 da lei 9394/96 . 76941 6888 89531 9394 744 3276 ano Assunto 1975 Reconhecimento da profissão de sociólogo 1980 Regulamenta o exercício da profissão de sociólogo 1984 Regulamenta a Lei 06888 1996 Estabelece diretrizes e bases da educação nacional.Prática de Ensino 1999 Dispõe sobre a formação em nível superior 28 .2. Assim. análises empíricas e apresentação de seminários. a Prática de Ensino como Componente Curricular ocorrerá da seguinte forma: Tabela 4: Prática de Ensino como componente curricular Disciplinas Carga Horária Total 1080 360 360 1800 Parte mínima da Carga Horária a ser preenchida com atividades Práticas 270 90 90 450 Disciplinas Obrigatórias do Núcleo de Formação Específica Disciplinas Optativas do Núcleo de Formação Específica Disciplinas Pedagógicas do Núcleo de Formação Docente Total: 30 Disciplinas de 60 horas 5. sob a forma de atividades tais como observações em campo. Legislação norteadora Tabela 5: Legislação e normas Tipo Decreto Federal Lei federal Decreto Federal LDBEN Parecer CNE/CES Decreto núm.das disciplinas.

de graduação plena. e o Parecer CNE/CES 109/2002 e conclui que os cursos e graduação. e dá outras providências. em nível superior deve ter carga horária mínima de 2800 horas. de graduação plena. cursos de licenciatura. Parecer CNE/CP Parecer CNE/CES Resolução CNE/CP 27 492 1 2001 Altera o parecer CNE/CP 9/2001 .Estágio curricular 2001 Diretrizes Curriculares Nacionas dos cursos de Ciências Sociais 2002 Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da educação básica. Portaria CEE/GP Resolução CNE/CP Resolução CONSEPE 106 2 42 2003 Renova reconhecimento 2004 Altera a Resolução CNE/CP 1/2002 . de formação de professores da educação básica em nível superior. a Resolução CNE/CP 01/2002. cursos de licenciatura. licenciatura plena para professores da educação básica. de graduação plena.de professores para atuar na educação básica.prazo para adaptação dos cursos em funcionamento 2004 Aprova as diretrizes para elaboração do Projeto Acadêmico-Curricular dos Cursos de 29 . 2002 Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura. Resolução CNE/CES Parecer CEE/BA 17 163 2002 Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Ciências Sociais 2002 Interpreta o parecer CNE/CP 028/2001. Parecer CNE/CP 9 2001 Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da educação básica. a Resolução CNE/CP 02/2002. Resolução CNE/CP 2 em nível superior. em nível superior.

3. Resolução CNE/CP 1 2005 Altera a Resolução CNE/CP 1/2002 aplicação das novas diretrizes aos alunos já matriculados Parecer CNE/CP Decreto 4 5626 2005 Aprecia diretrizes fixadas pela Resolução CNE/CP 1/2002 2005 Regulamenta a lei 10436/2002 .inclusão da LIBRAS Resolução CNE/CEB 4 como disciplina curricular obrigatória nos cursos de licenciatura. Identificação Denominação: Curso de Licenciatura em Ciências Sociais Nível: Graduação Habilitação: Licenciatura Área de Conhecimento: Ciências Humanas (7.00.Licenciatura da UESC.00.inclusão da Filosofia e Sociologia Parecer CNE/CEB 38 2006 Inclusão Médio Resolução CONSEPE Portaria MEC Resolução CEE/BA 46 563 69 2006 Altera a Resolução CONSEPE nº 42/2004 2006 Avaliação dos Cursos de Graduação 2007 Estabelece Normas Complementares para a inclusão obrigatória das disciplinas Filosofia e Sociologia no currículo do Ensino Médio nas instituições do Sistema de Ensino do Estado da Bahia. obrigatória das disciplinas de Filosofia e Sociologia no currículo do Ensino 5.00-0) 30 . 2006 Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio .

no ponto de vista atual. que busca ser coerente com uma visão critica do momento histórico e. deve atender aos requisitos para a formação do pesquisador e do professor. o currículo do Curso de Graduação em Ciências Sociais toma a pesquisa como o eixo direcionador do processo de ensinoaprendizagem. que impõe perguntas como: qual a utilidade. Desse modo. organizações nãogovernamentais. movimentos sociais etc. de forma ampla.profissional que atue em planejamento. Neste contexto. na realidade. A pesquisa. pois se constitui na fonte de construção e atualização do conhecimento. Para atender a este perfil de profissional. partidos políticos. . hoje. 31 . sua formação deve contemplar os conhecimentos teóricos e metodológicos das áreas que compõem as Ciências Sociais – Antropologia. Ciência Política e Sociologia –. diante de crises do sistema econômico vigente e dos seus paradigmas. dos conceitos fundamentais que organizaram o pensamento social ao longo do século XX? Que novas realidades existem? Como se pode discernir.professor de ensino fundamental e ensino médio. privadas. embasada numa sólida formação teórico-metodológica.4. face à complexidade da sociedade contemporânea.pesquisador nas áreas acadêmica e não acadêmica. possa fornecer alternativas abrangentes para a compreensão da realidade. o perfil que se impõe para o profissional em Ciências Sociais é o de um profissional que participa diretamente da reflexão acerca da sociedade de nosso tempo. consultoria. por meio do conhecimento dos pensadores clássicos e contemporâneos. são recolocadas e exigem novas reflexões. ao mesmo tempo. o perfil do mundo no início deste novo milênio? Quais os caminhos das civilizações atuais? Questões que. assessoria e formação de recursos humanos junto a empresas públicas. (Diretrizes Curriculares. foram geradoras das Ciências Sociais no século XIX e que. Uma tarefa difícil. pela existência da pluralidade de teorias e questionamentos das mesmas. . Parecer nº 492/2001-CNE/CES). podendo atuar como: . governamentais. que permitam compreender a sociedade na qual vive e para a qual deve produzir novos conhecimentos. Perfil Desejado do Licenciado em Ciências Sociais O licenciado em Ciências Sociais. é aquele que tem a responsabilidade de produzir conhecimentos sobre as relações sociais em suas múltiplas dimensões.5.

5.5 Habilidades e Competências De acordo com as Diretrizes Curriculares para os cursos de Ciências Sociais, a estrutura curricular, as práticas profissionalizantes e pedagógicas e o funcionamento do curso devem ser organizados de forma a que os alunos desenvolvam as seguintes competências e habilidades: “autonomia intelectual, capacidade analítica e habilidade de articular teoria, pesquisa e prática social” (Parecer nº 492/2001CNE/CES). O ensino para competências e habilidades é uma forte tendência da educação atual, buscando integrar o conteúdo científico, trabalhado na escola, com a vida do aluno além das salas de aula. Ao falar em competências e habilidades, pensa-se, de imediato, nos educandos que devem adquiri-las. É necessário, antes, verificar se o professor as possui a fim de que possa formá-las em seus alunos. As competências/habilidades são inseparáveis da ação, mas exigem domínio de conhecimentos, constituindo-se num conjunto de conhecimentos, atitudes, capacidades e aptidões que habilitam os alunos para vários desempenhos da vida. Neste sentido, as competências pressupõem operações mentais, capacidades para usar as habilidades, emprego de atitudes adequadas à realização de tarefas e conhecimentos. Já as Habilidades se ligam a atributos relacionados não apenas ao saber-conhecer, mas ao saber-fazer, saber-conviver e ao saber-ser. De que competências se está falando? Da capacidade de abstração, do desenvolvimento do pensamento sistêmico, ao contrário da compreensão parcial e fragmentada dos fenômenos, da criatividade, da curiosidade, da capacidade de pensar múltiplas alternativas para a solução de um problema, ou seja, do desenvolvimento do pensamento divergente, da capacidade de trabalhar em equipe, da disposição para procurar e aceitar críticas, da disposição para o risco, do desenvolvimento do pensamento crítico, do saber comunicar-se, da capacidade de buscar conhecimento. Estas são competências que “devem estar presentes na esfera social, cultural, nas atividades políticas e sociais como um todo, e que são condições para o exercício da cidadania num contexto democrático". PCN- Ensino Médio Percebe-se então que o papel do professor tem que estar centrado em um foco diferente do tradicional transmissor de informações. Torna-se necessária a contextualização daquilo que é desenvolvido em sala de aula, considerando que educar para as competências deverá se efetivar através da contextualização e da
32

interdisciplinaridade. Isto implica numa ruptura com as práticas tradicionais e o avançar em direção a uma ação pedagógica interdisciplinar voltada para a aprendizagem do aluno - sujeito envolvido no processo não somente com o seu potencial cognitivo, mas com todos os fatores que fazem parte do ser unitário, ou seja, fatores afetivos, sociais e cognitivos. Essas Competências e Habilidades estão sistematizadas em: - Desenvolver a consciência crítica e a ação transformadora do indivíduo enquanto sujeito histórico; - Educar sujeitos privilegiando os aspectos da crítica e participação em seus espaços sócio-culturais; - Apreender os conhecimentos relativos à educação necessários ao exercício da docência; - Desenvolver a capacidade de observar e investigar sua realidade possibilitando a intervenção social e o aperfeiçoamento de sua prática profissional; - Apreender as diferentes concepções teórico-metodológicas que referenciam a construção de categorias para a investigação e a análise das relações sócio-históricas; - Interagir com as interfaces da Sociologia e outras áreas do conhecimento, identificando seus campos específicos e, sobretudo, saber qualificar o que é próprio do conhecimento sociológico; - Desenvolver a pesquisa, a produção do conhecimento, e sua difusão não só no âmbito acadêmico, mas também em Instituições de Ensino Básico nas quais atuará o licenciado. O curso de Licenciatura em Ciências Sociais ora proposto está organizado de maneira a garantir ao profissional egresso uma formação teórica sólida no campo específico das Ciências Sociais, a partir das disciplinas obrigatórias de Antropologia, Política e Sociologia, e em articulação com as questões propostas por outros campos de conhecimento, fundamentadas pelas disciplinas complementares de Filosofia, Geografia, Economia, História e Educação. O objetivo das disciplinas teóricas é desenvolver a capacidade analítica e a competência para problematizar a realidade contemporânea em diálogo com os referenciais teórico-metodológicos que configuram a tradição das Ciências Sociais. O licenciado de Ciências Sociais deve estar habilitado a interpretar a realidade para além do senso comum e propor questões e soluções por meio de análise criteriosa. Além disso, o licenciado em Ciências Sociais também deve ser capaz de formular e desenvolver pesquisas na área, conhecer os métodos disponíveis e
33

identificar o mais adequado a cada tipo de objeto, coletar, processar e analisar dados e indicadores sociais diversos, utilizando os recursos informacionais e tecnológicos disponíveis. Para tanto, contribuem, além das disciplinas teóricas, as disciplinas de Epistemologia e de Métodos e Técnicas de Pesquisa, que pretendem fornecer sólida formação em pesquisa, apresentando os campos de conhecimento do profissional em Ciências Sociais não só com o intuito de formá-lo para uma possível continuidade na vida acadêmica, mas também fornecendo instrumentais necessários à elaboração de projetos de pesquisa de caráter variado, essencial para o desenvolvimento de funções em institutos de pesquisa, organizações não-governamentais, órgãos públicos etc. Em suma, a formação do licenciado em Ciências Sociais ora proposta enfatiza a capacidade de: - atuar como pesquisador da realidade social, mobilizando o conhecimento teórico acumulado na área, articulando-o com os instrumentais de pesquisa disponíveis, contribuindo para a compreensão da sociedade e para a própria inovação teórica no campo das Ciências Sociais. - atuar como professor de Sociologia no ensino médio, ensinando conteúdos básicos; promovendo a formação crítica dos estudantes; despertando a consciência da cidadania; estimulando a reflexão sobre a dinâmica da sociedade; transmitindo conceitos fundamentais para a compreensão das questões e problemas sociais; suscitando a percepção das oportunidades de participação política, indicando caminhos de inserção na vida pública e de intervenção na realidade social.

5.6. Campos de atuação O campo de atuação do licenciado em Ciências Sociais inclui atividades de docência e de pesquisa nas áreas de antropologia, sociologia e ciência política. Na área de antropologia, o foco principal é o estudo dos fenômenos sociológicos por meio da análise das relações simbólicas de ordem cultural que permitiriam apreender a sua inteligibilidade no âmbito dos contextos diversos de sua manifestação. Tem como área de atuação o estudo das dinâmicas culturais das populações em diferentes contextos, de acordo com recortes teórico-metodológicos e/ou

34

Na área de sociologia. públicos ou privados. e pressupõe uma sólida 35 . regulamentou a lei supra-referida. no dia 13 de setembro de 1996. da proposição de modelos explicativos e preditivos e da elaboração teórica. Sob esta perspectiva. como na Antropologia e Ciência Política. bem como as relações internacionais e a política comparada. de forma indicativa para discussão nos estados nos 6 (seis) meses seguintes. Na área de ciência política. Estuda também as idéias políticas (ideologia e cultura política). entre outras). o registro profissional é feito na Delegacia Regional de Trabalho – DRT. da análise de processos. A sociologia desde seu início é constituída por modelos e paradigmas de análise competitivos que estruturaram tradições teóricas tanto de cunho macro-sociológicas quanto micro-sociológicas. em órgão que a substitua. Na falta deste. por meio da Lei nº 6888. pela Portaria nº 3230 do Ministério do Trabalho. movimentos políticos e sociais).temáticos diversos (antropologia urbana. antropologia da saúde. opinião pública. sociais e políticos. Ao contrário da legislação de regulamentação de outras profissões. efetivada por meio da descrição de realidades. O campo. No caso de outras profissões. tem como foco (e especializações) as instituições (governo. Este tipo de atividade profissional pode ser desenvolvido em universidades ou institutos de pesquisa. antropologia da educação. A profissão do cientista social compreende pelo menos cinco grandes eixos de atividade: a) Pesquisa Acadêmica: Investigação de fenômenos culturais. de 1994. legislativo. partidos políticos. os sociólogos aprovaram o seu no X Congresso Nacional de Sociólogos. O decreto nº 89531. as atividades são voltadas para o estudo do Estado e do poder. possui diversas especializações e técnicas de pesquisa e abordagens que requerem formação específica. Com a inexistência deles. ou. etnologia. regras institucionais) e o comportamento político (eleições. em sua falta. o Código de Ética Profissional costuma ser uma resolução do Conselho Federal. A profissão de sociólogo foi reconhecida no Brasil em 1980. Em 1983. a profissão foi enquadrada no grupo do Plano da Confederação Nacional dos Profissionais Liberais – CNPL. a dos sociólogos não inclui a criação dos Conselhos Federal e Estaduais. o foco principal é o estudo das relações sociais na sociedade moderna e contemporânea. da identificação de problemas. do estabelecimento de relações.

quanto o instrumental conceitual necessário à formulação de projetos para o mestrado e doutorado. entidades que compõem o chamado sistema “S” (Sesc. O campo de atuação de pós-graduados em Ciências Sociais é amplo. e privadas que requisitam e exigem a qualificação do cientista social. devem ser incluídas sociologia e filosofia. A maioria das escolas de educação básica. Sesi 36 . A obrigatoriedade da disciplina de Sociologia na educação básica de todo o país abre uma nova e importante área de atuação do egresso do curso de Ciências Sociais. Entretanto. tanto pública quanto privada. Em 21 de agosto de 2006. sobre a oferta das duas disciplinas. os conteúdos devem ser tratados de forma interdisciplinar e contextualizada. Senai. que serão oferecidos no curso de ciências sociais ora proposto. já para as escolas que adotam currículo estruturado por disciplina.formação teórica e treinamento metodológico. c) Atuação Profissional em outras instituições públicas e privadas Um fenômeno contemporâneo de grande significação tem sido o surgimento de novas instituições de caráter público. A Resolução nº 4/2006. percebe-se a dificuldade na realização do tratamento interdisciplinar e contextualizado aos necessários conhecimentos da Sociologia para o tratamento de questões relacionadas à construção da cidadania e a prática social do aluno. estatal e não estatal. a Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação (CNE) publicou uma resolução orientando as redes estaduais de educação. que são responsáveis pelo ensino médio. através das disciplinas de metodologia e da monografia de final de curso. sob a responsabilidade de docentes devidamente habilitados para cada uma delas. o curso de Ciências Sociais ora proposto oferecerá tanto a experiência prática em pesquisa. pois a maioria dos cursos de graduação inclui em seus currículos alguma das disciplinas da área de Ciências Sociais. A inclusão de sociologia e filosofia no currículo do ensino médio não é novidade para os sistemas estaduais. da Câmara de Educação Básica/CNE. ofereceu aos sistemas duas alternativas de inclusão: nas escolas que adotam organização curricular flexível. b) Pós-Graduação e Ensino nos níveis Médio e Superior: Para os formandos dispostos a continuar seus estudos na pós-graduação. Alguns exemplos de instituições não acadêmicas que recrutam profissionais de Ciências Sociais são as Fundações e Autarquias públicas. não estruturada por disciplinas. mantém uma concepção curricular estruturada em disciplinas com cargas horárias estabelecidas em calendário.

O trabalho do cientista social requerido por estas instituições vai desde o planejamento até a execução e avaliação de atividades nas áreas de políticas públicas e de defesa de direitos. além de organizações e fundações estrangeiras que atuam no plano internacional. que podem ir do marketing político a atividades relacionadas a aspectos organizacionais de empresas. incluindo serviços de assessoria e consultoria em áreas protegidas. Prestação de serviços de assessoria e planejamento em diversas áreas. Institutos Culturais. d) Atuação no mercado e prestação de assessoria Pesquisas de abrangência no campo da produção e da disseminação do consumo (pesquisas de mercado). pesquisas e sondagens de opinião pública. Por fim. mas não menos importante. na área de produção editorial e no campo da cultura e arte. habitadas por populações tradicionais etc. 37 .etc). e) Áreas conexas Os profissionais de Ciências Sociais podem atuar no jornalismo e na mídia em geral como analistas de conjuntura ou como editorialistas. em institutos privados e órgãos de imprensa. destacam-se também os centros de pesquisa privados que se desenvolveram no Brasil desde os anos 70 e que realizam pesquisa acadêmica fora da universidade. Sindicatos. ONGs com atuação nas mais diversas áreas. Movimentos Sociais e Partidos Políticos. Orçamento Participativo. Conselhos Municipais gestores de Políticas Públicas. federações sindicais. eleitorais e políticas.

Psicologia e Educação. relativa ao desenvolvimento do pensamento científico do cientista social. . 38 . Estrutura Curricular A estrutura curricular proposta para a criação do Curso de Licenciatura em Ciências Sociais.Núcleo de formação complementar: constituído por um conjunto de disciplinas obrigatórias e eletivas de áreas afins. Filosofia. Tecnologias Educacionais. objetivando a formação e a prática educativa do licenciado. Estatística e Geografia. Seguindo a orientação das Diretrizes Curriculares propostas para os Cursos de Ciências Sociais. Didática Aplicada ao Ensino da Sociologia. obtido através de disciplinas organizadas com base em três núcleos: . geral. Estágio Supervisionado II. Ciência Política. característica deste ramo do conhecimento e necessária à atuação versátil do futuro licenciado em Ciências Sociais. Estágio Supervisionado III e Estágio Supervisionado IV. Epistemologia e Metodologia. Antropologia. . concebendo esta prática como componente curricular vivenciado ao longo do curso. distribuídas nas disciplinas História da Educação. através das diferentes tendências pedagógicas.6. História.Núcleo de formação específica: constituído pelo conjunto de disciplinas obrigatórias e optativas que são nucleares na formação dos futuros licenciados de Ciências Sociais: Sociologia. que subsidiam a formação integral do graduado em Ciências Sociais: Economia. perfazendo um total de 405 (quatrocentos e cinco) horas.Sociologia e Educação.Núcleo de formação docente: constituído por um conjunto de disciplinas obrigatórias e optativas que fundamentam o processo de ensino-aprendizagem. a estrutura curricular do curso é organizada em três eixos de formação: Núcleo de Formação Específica. está articulada com as especificidades da realidade brasileira e da região sul-baiana. Núcleo de Formação Complementar e Núcleo de Formação Docente. Estágio Supervisionado I. ao mesmo tempo em que garante a formação clássica. Estes núcleos são distribuídos em duas dimensões: a) dimensão epistemológica e b) dimensão profissionalizante: A) Dimensão epistemológica.

Também prepara o aluno para atuar como docente para o exercício da disciplina Sociologia no Ensino Médio ou no Ensino Superior por meio da pesquisa e da reflexão sobre o papel da disciplina nos vários níveis de ensino. Antropologia e Ciência Política às suas formas didáticas. eventos científicos.a) disciplinas e atividades relativas às competências pedagógico-didáticas que habilitem o professor a promover a adequação dos conhecimentos de Sociologia. que não pode prescindir da primeira. as disciplinas que compõem os três núcleos visam à formação clássica. articuladas com disciplinas voltadas para o conhecimento da realidade brasileira e sul-baiana. iniciação científica. . Organização didática Total de Vagas: 40 (entrada única) Turno: Noturno Regime: Crédito/semestral Número de disciplinas: 45 39 . 6. Na segunda dimensão. assessoria e outros. estágios profissionalizantes e outros. assessorias.B) Dimensão Profissionalizante. característica desse ramo do conhecimento e necessária à formação integral do cientista social. formação de recursos humanos e outros. seminários extra-classe. alicerçadas em bases epistemológicas e metodológicas que regem o conhecimento sociológico e as práticas pedagógicas. e atividades relativas às competências para atuar em planejamento. monografias. Trata-se de conhecimentos práticos e teóricos voltados para o exercício da docência. .1. as disciplinas que compõem os núcleos visam preparar o aluno para atuar como cientista social: como pesquisador na área acadêmica ou mercadológica. consultoria.c) atividades complementares necessárias à formação do pesquisador: participação em núcleos de pesquisa. teórico-metodológica. constituída por disciplinas e atividades assim discriminadas: .b) Disciplinas optativas e obrigatórias das áreas de formação específica e complementar. para atuar em planejamento. ensino e extensão. numa inter-relação entre pesquisa. consultorias. Na primeira dimensão.

que possibilitem a transposição do conhecimento científico para a prática educativa. 40 . recursos de ensinoaprendizagem. Núcleos temáticos As três disciplinas nucleares para a formação do licenciado em Ciências Sociais. Geografia. Seu objetivo é permitir que o aluno tenha liberdade de orientar sua formação. no entanto. Didática Aplicada ao Ensino da Sociologia. deixar de considerar as temáticas contemporâneas e as leituras que se impõem.2. Psicologia e Educação. nas atividades de pesquisa e extensão.Total de créditos: 169 Carga Horária: 3065 Duração do Curso: mínima: 8 semestres. Esta formação será distendida em atividades variadas e orientadas no sentido de contemplar e complementar a constituição básica. Terá como eixo norteador a História da Educação. Tecnologias Educacionais. Já o Núcleo de Formação Docente objetiva possibilitar ao aluno o domínio de conteúdos básicos. ou seja. As disciplinas que permitem ampliar a esfera de visão da realidade – História. no sentido da contemplação de uma opção que mais lhe agrade. compõem o que se denomina Núcleo de Formação Específica. Economia e Estatística – compõem o que se denomina Núcleo de Formação Complementar. máxima: 12 semestres 6. III e Estágio Supervisionado Estágio IV. somando-se a elas as disciplinas metodológicas. interagindo com o currículo. Estágio Supervisionado II. Sociologia e Educação. métodos e técnicas pedagógicos. Privilegia-se uma formação teórico-metodológica no sentido clássico sem. Estas atividades são necessárias para a confecção das monografias de final de curso e para a formação de profissionais críticos. Filosofia. Supervisionado Estágio Supervisionado I.

3.6. Quadro Geral das disciplinas Tabela 6: Quadro Geral das Disciplinas Semestre Título CRÉDITOS CARGA HORÁRIA T P ES TOT T 1 1 1 1 1 1 2 2 2 2 2 2 3 3 3 3 3 3 Antropologia I (obr) Ciência Política I (obr) Sociologia I (obr) Introdução à Filosofia I (obr) 4 4 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 4 4 4 4 4 3 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 P ES TOT 0 0 0 0 0 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 Estatística Aplicada às Ciências 4 Sociais I (obr) Oficina de Redação (obr) Antropologia II (obr) Ciência Política II (obr) Sociologia II (obr) 2 4 4 4 30 30 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estatística Aplicada às Ciências 4 Sociais II (obr) Introdução à Economia (obr) Introdução à Filosofia II (obr) Antropologia III (obr) Ciência Política III (obr) Sociologia III (obr) Psicologia e Educação (obr) Geografia da População (obr) História da Educação (obr) 4 4 4 4 4 4 4 4 41 .

4 4 4 4 4 4 5 5 5 5 5 5 6 6 6 6 6 6 7 7 7 Antropologia IV (obr) Ciência Política IV (obr) Sociologia IV (obr) 4 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 2 0 0 0 0 0 0 2 0 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 2 4 4 4 4 4 2 4 4 4 2 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 90 0 0 0 0 0 90 0 0 0 90 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 90 60 60 60 60 60 90 60 60 60 90 Didática Aplicada ao Ensino de 4 Sociologia (obr) História Contemporânea (obr) Epistemologia Sociais (obr) das 4 Ciências 4 Métodos e Técnicas de Pesquisa 4 Quantitativa (obr) Optativa I Optativa II 4 4 Políticas Públicas e Legislação em 4 Educação (obr) Estágio Supervisionado I (obr) 0 Métodos e Técnicas de Pesquisa 4 Qualitativa (obr) Sociologia e Educação (obr) História do Brasil (obr) Optativa III Optativa IV Estágio Supervisionado II (obr) Projeto de Pesquisa (obr) Optativa V Optativa VI Estágio Supervisionado III (obr) 4 4 4 4 0 4 4 4 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 0 0 60 0 60 0 60 0 0 0 42 .

4. Distribuição das disciplinas por Núcleo Tabela 7: Disciplinas do Núcleo de Formação Específica: Semestre Disciplina 1 1 1 2 2 2 3 3 3 4 4 4 4 Antropologia I Ciência Política I Sociologia I Antropologia II Ciência Política II Sociologia II Antropologia III Ciência Política III Sociologia III Antropologia IV Ciência Política IV Sociologia IV Epistemologia das Ciências Sociais CRÉDITOS 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 CARGA HORÁRIA T P ES TOT T 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 P 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 ES TOT 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 43 .7 7 8 8 8 8 Totais Tecnologias Educacionais (obr) 4 0 0 4 1 0 3 0 0 4 0 3 3 0 0 4 2 0 2 60 30 60 0 60 0 0 30 0 0 0 60 0 60 60 60 Pesquisa Orientada em Ciências 2 Sociais I (obr) Eletiva Estágio Supervisionado IV (obr) LIBRAS (obr) 4 0 4 135 135 0 0 60 60 Pesquisa Orientada em Ciências 0 Sociais II (obr) 156 4 9 169 2340 120 405 2865 6.

Disciplina 1 1 1 2 2 2 3 4 6 8 8 Total CRÉDITOS 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 4 4 3 4 4 4 4 4 4 4 4 43 CARGA HORÁRIA T P ES TOT T Introdução à Filosofia I 4 Estatística Aplicada às Ciências Sociais I 4 Oficina de Redação 2 Estatística Aplicada às Ciências Sociais II 4 Introdução à Economia Introdução à Filosofia II Geografia da População História Contemporânea História do Brasil LIBRAS Eletiva 4 4 4 4 4 4 4 42 60 60 30 60 60 60 60 60 60 60 60 630 P 0 0 ES TOT 0 0 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 660 30 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 30 0 0 0 0 0 0 0 0 44 .5 5 5 5 6 6 6 7 7 7 8 Total Optativa I 4 Optativa II 4 Métodos e Técnicas de Pesquisa 4 Qualitativa Métodos e Técnicas de Pesquisa 4 Quantitativa Optativa III Projeto de Pesquisa Optativa IV Pesquisa Orientada Sociais I Optativa V Optativa VI Pesquisa Orientada sociais II 4 4 4 Ciências 2 4 4 Ciências 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 2 0 4 4 4 4 4 4 4 3 4 4 2 93 60 60 60 60 60 60 60 30 60 60 0 0 0 0 0 0 0 0 30 0 0 60 0 0 0 0 0 0 0 0 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 1440 em em 90 3 0 1350 90 0 Tabela 8: Disciplinas do Núcleo de Formação Complementar: Sem.

Tabela 9: Disciplinas do Núcleo de Formação Docente Semestre Disciplina CRÉDITO T 4 4 ao 4 P 0 0 0 ES 0 0 0 TOT 4 4 4 4 4 4 24 2 2 2 3 9 33 CARGA HORÁRIA 3 3 4 5 6 7 Sub-total: disciplinas pedagógicas 5 6 7 8 Sub-total: Estágio Total História da Educação Psicologia e Educação Didática Aplicada Ensino de Sociologia T 60 60 60 60 60 60 P 0 0 0 ES 0 0 0 TOT 60 60 60 60 60 60 360 90 90 90 135 Políticas Públicas e 4 Legislação em Educação Sociologia e Educação Tecnologias Educacionais 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 24 0 0 Estágio Supervisionado I Estágio Supervisionado II Estágio Supervisionado III Estágio Supervisionado IV 0 0 0 0 0 0 0 0 0 2 2 2 3 360 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 90 90 90 135 0 9 0 405 405 24 0 9 360 0 405 765 45 .

Distribuição das disciplinas por semestre Tabela 10: Disciplinas do 1º semestre Depto. Disciplina CRÉDITO T DFCH Antropologia I (obr) DFCH Ciência Política I (obr) DFCH Sociologia I (obr) DFCH Introdução à Filosofia I (obr) 4 4 4 4 CARGA HORÁRIA P ES TOT T 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 4 4 4 4 4 3 23 60 60 60 60 60 30 P 0 0 0 0 0 ES TOT 0 0 0 0 0 60 60 60 60 60 60 360 DCET Estatística Aplicada às Ciências 4 Sociais I (obr) DLA Total Oficina de Redação (obr) 2 30 0 22 1 0 330 30 0 Tabela 11: Disciplinas do 2º semestre Depto. Disciplina DFCH Introdução à Filosofia II DFCH Sociologia II DFCH Antropologia II DFCH Ciência Política II DCEC Introdução à Economia CRÉDITO T 4 4 4 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 4 4 4 4 4 4 24 CARGA HORÁRIA P ES TOT T 60 60 60 60 60 60 P ES TOT 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 60 60 60 60 60 60 360 DCET Estatística Aplicada às Ciências 4 Sociais II Total 24 0 0 360 0 0 46 .5.6.

Disciplina CRÉDITO T DFCH Antropologia IV (obr) DFCH Ciência Política IV (obr) DFCH Sociologia IV (obr) DCIE 4 4 4 CARGA HORÁRIA P ES TOT T 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 4 4 4 4 4 4 24 60 60 60 60 60 60 P ES TOT 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 60 60 60 60 60 60 360 Didática Aplicada ao Ensino de 4 Sociologia (obr) 4 4 DFCH História Contemporânea DFCH Epistemologia das Ciências Sociais Total 24 0 0 360 0 0 47 . Disciplina DFCH Sociologia III DFCH Antropologia III DFCH Ciência Política III DCIE História da Educação CRÉDITO T 4 4 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 4 4 4 4 4 4 24 CARGA HORÁRIA P ES 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOT 60 60 60 60 60 60 360 60 60 60 60 60 60 360 P ES TOT T DCAA Geografia da População 4 DFCH Psicologia e Educação Total 4 24 0 0 Tabela 13: Disciplinas do 4º semestre Depto.Tabela 12: Disciplinas do 3º semestre Depto.

Tabela 14: Disciplinas do 5º semestre Depto. Disciplina DFCH Sociologia e Educação DFCH Optativa III DFCH Optativa IV DFCH Projeto de Pesquisa CRÉDITO T 4 4 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 2 0 0 4 4 4 4 2 4 22 CARGA HORÁRIA P ES TOT T 60 60 60 60 0 60 P ES TOT 0 0 0 0 0 0 0 0 0 90 0 0 60 60 60 60 90 60 390 DFCH Estágio Supervisionado II 0 DFCH História do Brasil Total 4 20 0 2 300 0 90 48 . Disciplina CRÉDITO T 0 0 0 0 0 0 0 0 0 2 0 0 4 4 4 4 2 4 22 CARGA HORÁRIA P ES TOT T 60 60 60 60 0 60 P ES TOT 0 0 0 0 0 0 0 0 0 90 0 0 60 60 60 60 90 60 390 DFCH Métodos e Técnicas de Pesquisa 4 Quantitativa (obr) DFCH Optativa I DFCH Optativa II DCIE DFCH 4 4 Políticas Públicas e Legislação em 4 Educação (obr) Estágio Supervisionado I (obr) 0 DFCH Métodos e Técnicas de Pesquisa 4 Qualitativa (obr) Total 20 0 2 300 0 90 Tabela 15: Disciplinas do 6º semestre Depto.

Disciplina CRÉDITO T DFCH Optativa V DFCH Optativa VI DCIE Tecnologias Educacionais 4 4 0 CARGA HORÁRIA P 0 0 0 0 30 ES TOT 0 0 90 0 60 60 90 60 60 330 P ES TOT T 0 0 0 0 0 2 0 0 1 0 4 4 2 4 3 17 60 60 0 60 30 DFCH Pesquisa Orientada em Ciências 4 Sociais I DFCH Estágio Supervisionado III Total 2 14 1 2 210 30 90 Tabela 17: Disciplinas do 8º semestre Depto.Tabela 16: Disciplinas do 7º semestre Depto. DFCH DLA DFCH Disciplina CRÉDITO 0 0 3 0 3 2 4 3 4 CARGA HORÁRIA T P ES TOT T Pesquisa Orientada em Ciências 0 2 Sociais II LIBRAS Estágio Supervisionado IV 4 0 0 0 4 0 8 2 60 0 60 P 0 60 0 ES 0 0 TOT 60 60 135 60 315 0 135 0 0 Qualquer Eletiva Total 13 120 60 135 49 .

no máximo. no turno noturno. O currículo pleno do Curso de Licenciatura em Ciências Sociais requer um total de 3065 horas. a serem cumpridos em. 12 semestres. equivalentes a 169 créditos.6. 50 .Tabela 18: Quadro resumo da distribuição por semestres: CRÉDITOS Semestre Teóricos Práticos Estágio TOTAL CARGA HORÁRIA Teórica Prática Estágio TOTAL 1o 2o 3o 4o 5o 6o 7o 8º TOTAL 22 24 24 24 20 20 14 8 156 1 0 0 0 0 0 1 2 4 0 0 0 0 2 2 2 3 9 23 24 24 24 22 22 17 15 169 330 360 360 360 300 300 210 120 2340 30 0 0 0 0 0 30 60 120 0 0 0 0 90 90 90 135 405 360 360 360 360 390 390 330 315 2865 200 3065 ATIVIDADES ACADÊMICO-CURRICULARES TOTAL GERAL 6. no mínimo. oito semestres e. Quadro de integralização curricular O curso funcionará em regime de crédito semestral.

TOTAL Estágio Supervisionado Atividades acadêmico-científico-culturais TOTAL GERAL 2460 405 200 3065 169 160 9 360 24 660 43 360 24 Carga horária 1080 Créditos 69 Tabela 20: Pré-requisitos: Semestre 1 1 1 1 1 1 2 2 2 2 2 Disciplina Antropologia I Ciência Política I Sociologia I Introdução à Filosofia I Estatística Aplicada às Ciências Sociais I Oficina de Redação Antropologia II Ciência Política II Sociologia II Estatística Aplicada Ciências Sociais II Introdução à Economia 51 Pré-requisito Antropologia I Ciência Política I Sociologia I às Estatística Aplicada às Ciências Sociais I .Tabela 19: Quadro resumo da integralização curricular: Tipo de disciplina Disciplinas Obrigatórias do Núcleo de Formação Específica Disciplinas Optativas do Núcleo de Formação Específica Disciplinas Obrigatórias do Núcleo de Formação Complementar Disciplinas Pedagógicas do Núcleo de Formação Docente SUB.

Política IV. Didática Aplicada ao Ensino de Sociologia Ensino de Sociologia Métodos e Técnicas de Epistemologia das Ciências Sociais Pesquisa Quantitativa Métodos e Técnicas de Epistemologia das Ciências Sociais Pesquisa Qualitativa História do Brasil Optativa III Sociologia e Educação Optativa IV Estágio Supervisionado II Projeto de Pesquisa Eletiva Estágio Supervisionado I Métodos e Técnicas de Pesquisa Quantitativa e Métodos e Técnicas de Pesquisa Qualitativa 52 .2 3 3 3 3 3 3 4 4 4 4 4 4 5 5 5 5 5 5 6 6 6 6 6 6 7 Introdução à Filosofia II Antropologia III Ciência Política III Sociologia III Psicologia e Educação Geografia da População História da Educação Antropologia IV Ciência Política IV Sociologia IV História Contemporânea Epistemologia Ciências Sociais Didática Optativa I Optativa II Políticas Públicas e Legislação em Educação Estágio Supervisionado I Aplicada ao Introdução à Filosofia I Antropologia II Ciência Política II Sociologia II Antropologia III Ciência Política III Sociologia III - das Introdução à Filosofia II Sociologia IV. Antropologia IV.

Disciplinas optativas Tabela 21: Disciplinas Optativas Disciplinas Antropologia Brasileira Antropologia Visual Trabalho de Campo Etnologia I Etnologia II Antropologia Brasileiros I Antropologia Brasileiros II Antropologia Urbana Antropologia da Religião Organização Social Antropologia Econômica 4 4 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 4 4 4 4 60 0 60 0 60 0 60 0 0 0 0 0 60 60 60 60 dos Grupos Afro.7 7 7 7 7 8 8 8 Optativa V Optativa VI Estágio Supervisionado III Tecnologias Educacionais Pesquisa Orientada Ciências Sociais I Estágio Supervisionado II - em Projeto de Pesquisa Estágio Supervisionado IV Estágio Supervisionado III LIBRAS Pesquisa Orientada Ciências Sociais II em Pesquisa Orientada em Ciências Sociais I 6.4 0 0 4 60 0 0 60 dos Grupos Créditos 4 4 4 4 4 Afro.7.4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 4 4 4 4 4 4 Carga Horária P ES TOT 0 0 0 0 0 0 60 60 60 60 60 60 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 T P ES TOT T 53 .

Antropologia Política Antropologia e Relações de Gênero Antropologia e Meio Ambiente Antropologia e História Antropologia do Direito Antropologia e Turismo 4 4 4 4 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 54 Tópicos Especiais em Antropologia I 4 Tópicos Especiais em Antropologia 4 II Tópicos Especiais em Antropologia 4 III Tópicos Especiais em Antropologia 4 IV Pensamento Social Brasileiro I Pensamento Social Brasileiro II Sociologia e Urbanização Sociologia e Questão Agrária Movimentos Sociais I Movimentos sociais II Sociologia do Desenvolvimento Sociedade e Meio Ambiente Sociologia e Direito Cultura e Sociedade Teorias da Socialização Sociologia da Escola de Chicago Sociologia da Juventude Educação e Sociedade Sociologia da Religião Sociologia e Imigração Tópicos Especiais em Sociologia I Tópicos Especiais em Sociologia II Tópicos Especiais em Sociologia III Tópicos Especiais em Sociologia IV 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 .

não separar a formação do Educador da formação do Pesquisador. da tradição das Ciências Sociais e da apropriação do caminhar permanente da sua auto-formação docente. Pretende-se. 55 . das múltiplas perspectivas do trabalho pedagógico. Para tanto se faz necessário ao estudante se inteirar da produção científica e debates a respeito da formação docente.Partidos Partidários Políticos e Sistemas 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 Ciência 4 Ciência 4 Ciência 4 Ciência 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 60 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 60 Sistema Político Brasileiro Sociologia Política Comunicação e Política Economia política Teorias da democracia Política social e cidadania Políticas Públicas Regimes Políticos e transições Relações Internacionais Pensamento político brasileiro Tópicos Política I Tópicos Política II Tópicos Política III Tópicos Política IV Especiais em Especiais em Especiais em Especiais em 6. Estágio Curricular Supervisionado O trabalho de formação docente das disciplinas do Estágio Supervisionado procurará contribuir para o alcance do perfil desejado do licenciado do curso de Ciências Sociais conforme o estabelecido por legislações e diretrizes federais e do Estado da Bahia. neste sentido.8.

entre outros.8. temas.O Estágio Supervisionado requer o envolvimento de todos os professores no que concerne à orientação dos discentes quanto à bibliografia. Dessa forma. é importante também ressaltar as diretrizes específicas a seguir: . Contudo. 3. os alunos poderão estabelecer interlocução com os professores coordenadores das diferentes atividades e áreas de conhecimento. O Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Licenciatura em Ciências Sociais caracteriza-se como um conjunto de atividades desenvolvidas pelo aluno. a saber: projetos educativos de ONGs e de programas públicos focados em grupos e classes sociais específicos.1. O Regulamento do Estágio Curricular do Curso de Licenciatura em Ciências Sociais. orienta-se pelo Regulamento Geral dos Estágios Curriculares da Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC. 2. outras formas de educação alternativas serão espaços de formação para a docência em Ciências Sociais. solicitando contribuições e orientações para suas demandas de estágio e de treinamento da prática de ensino. ou seja. indicação de recursos audiovisuais.Com base nestas diretrizes gerais. que integram o Projeto Acadêmico do Curso e que contribuem para a formação acadêmica e profissional do aluno. programas de aulas/palestras/oficinas. . tais como as citadas acima. O Estágio Curricular Supervisionado tem como propostas: i) elaboração do conhecimento das Ciências Sociais ii) instrumentalização para a aplicação dos conhecimentos adquiridos no cotidiano acadêmico e na prática de ensino. 6. 56 . Natureza do Estágio Curricular Supervisionado 1. sob a responsabilidade direta da coordenação de estágio do Curso de Ciências Sociais.A operacionalização e a coordenação dos Estágios ficará sob responsabilidade dos professores da disciplina Estágio Supervisionado. elaboração de textos didáticos. ampliando seus focos para processos educativos para além da escola. iii) vinculação entre conhecimentos teóricos e realidade educacional-social. pretende-se que os discentes desenvolvam atividades.

Objetivos do Estágio Curricular Supervisionado O Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Licenciatura em Ciências Sociais tem como objetivo geral possibilitar que o estagiário vivencie experiências de ensino no Ensino Médio que contribuam para: i) aplicação de conhecimentos. iii) formação da ética profissional. realizado no Ensino Médio.2. ii) desenvolvimento de habilidades necessárias à prática educativa e profissional. 57 .8. assim como em outros projetos desenvolvidos na sociedade.6. iii) avaliação das atividades de Prática de Ensino. ii) planejamento.4. o aluno desenvolverá as atividades a seguir relacionadas: i) observação da estrutura.3. Campos de Estágio Curricular Supervisionado As atividades do Estágio Curricular Supervisionado serão desenvolvidas nas escolas conveniadas da própria comunidade do aluno sob a forma de estágio supervisionado. 6. o acadêmico deve cumprir etapas que consistem num processo de aprendizagem. priorizando processos educativos focados para o Ensino da Sociologia. 6.8. funcionamento. execução e avaliação do processo ensino-aprendizagem específico de cada área. Atividades Desenvolvidas no Estágio Curricular Supervisionado Para o cumprimento do Estágio Curricular Supervisionado. A partir do 5º semestre. O Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Licenciatura em Ciências Sociais tem como objetivos específicos contribuir para: i) identificação da realidade educacional dos campos de estágio. recursos e clientela da escola na qual realiza o estágio.8.

bibliografia consultada. de acordo com a orientação do professor supervisor. unidades de aulas. O Estágio Curricular Supervisionado ocorrerá nos seguintes espaços de atuação: escolas públicas. 6. cópias dos planos.5. de todas as atividades a serem desenvolvidas para o cumprimento integral do estágio. Atribuições do Estagiário. descrição e avaliação das atividades específicas do estágio. iii) participação nas aulas. v) apresentar. junto ao professor supervisor. vi) apresentação de relatório final ao professor supervisor. através do preenchimento de ficha de freqüência assinada pelo professor titular da classe e/ou pelo professor supervisor de estágio. para análise e acompanhamento. escolas privadas. dos exercícios propostos e modelos dos materiais utilizados. organizações não-governamentais. em prazo fixado pelo Coordenador de Estágio. iii) informar-se. As atividades que dizem respeito às horas de estágio são previamente autorizadas pelo professor supervisor de estágio. ao final do estágio. ministrando aulas na classe em que está estagiando. iv) regência de classe. contemplando no mínimo: referencial teórico. participação e direção de classe.ii) observação da atuação didático-pedagógica do professor regente da classe em que está estagiando. em data marcada pela coordenação de estágio. observações gerais. ii) entregar ao supervisor. que correspondem ao planejamento e programação do estágio. estratégias. atuando em atividades de ensino sugeridas e/ou autorizadas pelo professor regente de classe. i) registrar todas as atividades de estágio previstas. v) desenvolvimento de atividades extra-classe.8. relatório das atividades realizadas. iv) comprovar a realização das atividades de observação. projetos 58 . o planejamento do conteúdo e das atividades didáticas ao supervisor de estágio. vi) assumir a regência de classe na presença do supervisor de estágio.

c. fazendo do trabalho docente uma permanente oficina de experimentação e criação. com início no quinto semestre do curso e será concluído no oitavo semestre. Contudo. entre outras alternativas a serem avaliadas pelo Colegiado do Curso. O estágio supervisionado será distribuído em quatro disciplinas. b. totalizando uma carga horária de 405 horas. Por se tratar de uma vivência formadora. o discente deverá conviver com diversas situações de Exercício Docente que possibilitem seu crescimento como profissional em formação. Durante o estágio. preparando-o para enfrentar o complexo desafio de atuar no campo educacional. em salas de aulas. Ressalte-se que. e tendo em vista o número elevado de horas exigidas para o Estágio Curricular Supervisionado. tendo como função completar a integração entre “teoria e prática” iniciada nas atividades práticas contidas nas disciplinas de formação específica. explorando as competências básicas indispensáveis para a qualidade de sua formação e atuação docente de forma crítica e construtiva. que poderão se voltar também para a educação não-formal. as vivências e os estudos realizados nos quatro momentos do estágio visam fortalecer o discente em formação. preferencialmente. sensível e com estilística própria. (educação essa que vem cumprindo papel importante na minimização das desigualdades sociais de nosso país). Elaboração de plano de aula e aplicação de aula(s) de sociologia para a Identificação de problemas pedagógicos e a procura de soluções. projetos de extensão educativos. em uma perspectiva dinâmica. o estágio curricular supervisionado deve garantir ao aluno a participação em situações reais do cotidiano da vida escolar/não escolar e do mundo do trabalho. a exemplo de: a. As atividades. não poderemos deixar de buscar outros espaços para além das escolas. sabendo pensá-lo e modificá-lo. focando toda atenção ao ensino da disciplina Sociologia. o Estágio deverá ocorrer nas escolas públicas. 59 educação básica . O estágio curricular supervisionado em Ciências Sociais deve se constituir em um momento de aquisição e aprimoramento de conhecimentos e habilidades essenciais ao exercício profissional.e programas educativos focados de iniciativa dos órgãos públicos. Atualização sobre o debate e a literatura do ensino de Ciências Sociais. democrática. buscando atender aos diferentes interesses dos nossos discentes.

o vigor de atitudes e o livre pensar.O Estágio Supervisionado II. mostrando múltiplas possibilidades educacionais voltadas sempre para a qualidade. Discentes que já lecionam em escolas públicas e privadas ou atuam em organizações não-governamentais voltadas para alfabetização de adultos. a introdução à pesquisa. que O trabalho nas quatro disciplinas de Estágio Curricular Supervisionado possibilitem a experimentação de novas formas do saber-fazer docente. poderão ter sua carga horária de estágio reduzida em até 30%. com 90 horas. Realização de Exercício Docente. terá um caráter de experimento. monitorias nas escolas. o discente estagiário deve demonstrar conhecimentos para planejar e ministrar aula(s) de sociologia com o rigor científico e 60 . Para realizar o estágio de regência. o estilo próprio. a elaboração.O Estágio Supervisionado IV. com 135 horas.d. . os discentes farão diversas formas de treinamento com os professores das disciplinas do Estágio Curricular Supervisionado na UESC: aulas programadas. com 90 horas. Qualquer redução da carga horária deverá ser autorizada pelo professor da disciplina e pelo Colegiado do curso. através de oficinas pedagógicas. a redução da carga horária do estágio curricular poderá chegar a 50%. Atividades desenvolvidas em múltiplos espaços educacionais com supervisão de docentes. entre outros. a inserção na literatura a respeito do “ensino de sociologia”. Do ponto de vista curricular. Quando esta atividade docente regular for em sociologia na educação básica. tem como tarefa a elaboração da proposta de estágio e a permanente atualização sobre o ensino de sociologia e a formação docente. o estágio será desenvolvido da seguinte forma: . . entre outras. jovens e adolescentes.O Estágio Supervisionado III.O Estágio Supervisionado I. a independência. As atividades devem ser desenvolvidas em múltiplos espaços pedagógicos e com supervisão docente Nestas primeiras 270 horas. e. . de vivência e de Exercício Docente que visam repensar a concepção da tarefa educativa. busca assegurar o trabalho de monitoria junto ao professor e aos alunos de Ciências Sociais na escola ou espaço pedagógico em que ocorrerá a experiência docente. caracteriza-se pela docência propriamente dita. objetiva proporcionar aos alunos as orientações sobre a formação de professores. o planejamento e a avaliação para realização de aula(s) de sociologia. com 90 horas.

6. 6.8.8. iv) avaliar o estagiário quanto ao planejamento em sala de aula e o relatório das atividades desenvolvidas. O aluno será aprovado se obtiver nota igual ou superior a 7.0 (sete). Ao final do estágio de regência o docente estagiário deverá apresentar um relatório circunstanciado da experiência contendo toda a documentação comprobatória das atividades desenvolvidas ou participar de atividades que proporcionem o relato da experiência vivida.7. O desempenho do aluno deverá ser avaliado pelo conjunto de atividades desenvolvidas no campo de Estágio. observações e acompanhamento. entre outras.pedagógico necessário. iii) discutir o desempenho acadêmico do estagiário com o Coordenador de Estágio. atividades práticas de ensino. Cabe ao Supervisor de Estágio: i) orientar o estagiário sobre os mecanismos das atividades de estágio. vi) encaminhar os relatórios de atividades do estagiário ao Coordenador de Estágio Curricular do Curso de Ciências Sociais. registros de observações. preparação e planos de aulas.Diretrizes e Metodologia de Avaliação A Avaliação do Estágio Curricular deverá ser diagnóstica e processual. relatórios. planejando trabalhos. ii) acompanhar diretamente o estagiário em sala de aula durante a realização do estágio. realizada pelo conjunto de professores supervisores de estágio e pela coordenação do Estágio Curricular. 6. 61 . v) avaliar o desempenho do estagiário através de registros. através do acompanhamento contínuo e direto de todo o processo pelo professor supervisor. Supervisão de Estágio Curricular A orientação das atividades desenvolvidas nos campos de estágio caracteriza-se como 'supervisão direta'.

O licenciando deverá apresentar um Memorial Descritivo sobre as AACC. apresentações. 1 horas de atividades= 1 hora e 100 horas devidamente reconhecidas seminários. visitas. Anexas a este relato devem estar cópias dos documentos comprobatórios da realização das atividades. para apreciação do Colegiado. bem instituições civil em sociedade Participação de natureza organizada.6. Atividades acadêmicas científico-culturais As Diretrizes Curriculares Nacionais estabelecem para os Cursos de Licenciatura o cumprimento de 200 horas de atividades complementares como parte da exigência para integralização curricular. Tabela 22: Formas de Aproveitamento das AACCs: Atividades desenvolvidas Número de horas válidas como Número máximo atividade complementar Atividade de extensão em língua 1 estrangeira Curso UESC como de ou por em extensão outra hora de =1 de de horas para aproveitamento atividade 100 horas hora de 100 horas desenvolvida e 1 hora atividade complementar atividade aperfeiçoamento realizados na desenvolvida = 1 hora de IES atividade complementar da reconhecida pelo MEC. estudos de caso. eventos científicos e culturais. Nessa categoria de atividades se enquadram aquelas em que o aluno participa de seminários. exposições. ensino dirigido. projetos de extensão.9. relatando as atividades realizadas e o que elas representaram para a sua formação. congressos e eventos de atividade complementar acadêmica profissional (inclusive 62 . palestras. entre outras.

capítulos de livros e publicação de voluntária pesquisa e em pela 2 horas de atividades= 1 hora de de atividade complementar desenvolvidos acadêmicos. 5 horas por publicação especializada. 40 horas por em 20 horas revista por congressos indexada. como autor ou co. 100 horas científicos. indexada Estágio extracurricular 30 horas por semestre 60 horas 100 horas legalmente constituído Participação em atividade de 30 horas por semestre iniciação científica e ou grupos de estudos Atuação como monitor 30 horas por semestre 100 horas em mas revista não 63 .publicação de capítulo de livro ou em anais.apresentação de trabalho de 100 horas 100 horas conclusão de curso) Apresentação de trabalhos em 5 horas por apresentação eventos de natureza acadêmica Participação projetos extensão UESC Publicação ou autor anais em de periódicos 40 horas por livro.

Sociais II Oficina de Redação Introd. Met. Filosofia I Introd.C. à Economia História da Educação Epistemologia C. Política IV Optativa II Optativa IV Optativa VI Eletiva Introd.Téc Pesq. História do Brasil Tecnologias Educacionais Libras ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS (AACC) Carga horária Total: 360 h Carga horária Total: 360 h Carga horária Total: 360 h Carga horária Total: 360 h Carga horária Total: 390 h Carga horária Total: 390 h Carga horária Total: 330 h Carga horária Total: 315 h Formação Específica: 1080 horas Disciplinas Pedagógicas: 360 horas Estágio Supervisionado: 405 horas Formação Complementar: 660 horas Disciplinas Optativas: 360 horas AACC: 200 horas Total: 3065 horas Duração do Curso em anos Mínimo = 4 Máximo= 6 64 . Quantitativa. Orient. Sociologia e Educação Antropologia I Antropologia II Antropologia III Antropologia IV Optativa I Optativa III. Públ. Soc I Estatíst. Pés Qualita. Orient. Fluxograma do Curso 1ºSEMESTR 2ºSEMESTR 3ºSEMESTR 4ºSEMESTR 5ºSEMESTR 6ºSEMESTR 7ºSEMESTR 8ºSEMESTR Sociologia I Sociologia II Sociologia III Sociologia IV Pol. Soc. Sociais I Pesq. Filosofia II Geografia População Didática apl.6.Apl. Contemp. e Educação Hist. Legisl. Política II C. C. Mét.10. Política III C. Apl. C.Tec.Educ. C. ao Ensino da Sociologia Estágio I Estágio II Estágio III Estágio IV Estatist. Projeto de Pesquisa Pesq. Optativa V Ciência Política I C. Soc II Psicol.

ed Rio de Janeiro: Vozes. INGOLD.6. Stephen Jay. A antropologia como campo de conhecimento. A falsa medida do homem. O social e o biológico. 65 . instituição e função sociais) abordados a partir de dimensões como arte. religião. O problema do etnocentrismo. economia etc. estrutura. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Argonautas do pacífico ocidental. parentesco. A antropologia e as demais ciências sociais. Os conceitos de cultura (e seus processos de atribuição de significado) e de sociedade (organização. Ementas e referências bibliográficas DISCIPLINAS DE ANTROPOLOGIA OBRIGATÓRIAS: ANTROPOLOGIA I A antropologia como um novo olhar sobre a alteridade e a diversidade. 2. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. O método comparativo e a observação participante como fundamentos da pesquisa etnográfica. Cultura: um conceito antropológico. Revista Brasileira de Ciências Sociais. 1981. O trabalho de campo. nº 28. Roberto. 1995. 1988. São Paulo: Abril Cultural. GOULD. 1984 (Coleção Os Pensadores ).39-53. Bibliografia: DA MATTA. Roque de Barros. São Paulo: Martins Fontes. As noções de natureza e cultura. Bronislaw. Humanidade e animalidade.11. Tim. MALINOWSKI. LARAIA. 1999. p.

Zahar. BENEDICT. Ruth. Durkheim: sociologia. O crisântemo e a espada. Lisboa: Livros do Brasil. São Paulo: Perspectiva. São Paulo: Cosac & Naify. Antropologia cultural. 1972. DURKHEIM. Petrópolis: Vozes 1973. RADCLIFFE-BROWN. Roberto Cardoso de (Org. Sexo e temperamento. Bibliografia: BENEDICT. Estrutura e função na sociedade primitiva. São Paulo. Franz. Historicismo. 2005. São Paulo: Ática. 1976 OLIVEIRA. 7 -50 (Coleção Grandes Cientistas Sociais). Marcel Mauss: antropologia. Difusionismo. 1978. Sociologia e antropologia. DURKHEIM. Coleção Grandes Cientistas Sociais. São Paulo: Ática. 1979. São Paulo: Abril Cultural – Coleção Os Pensadores. A. (Coleção Grandes Cientistas Sociais) 66 . Rio de Janeiro: Jorge Zahar. São Paulo: Ática. RADCLIFFE-BROWN. MAUSS. Émile. Perspectiva. oráculos e magia entre os Azande. 1984. EVANS-PRITCHARD. Antropologia Social Britânica. p. Escola Sociológica Francesa. Marcel . EVANS-PRITCHARD. Marcel. 1978. Margaret . 2003. A. Radcliffe-Brown. E. E. Bruxaria. MEAD. Padrões de cultura. Antropologia Cultural Norte Americana.ANTROPOLOGIA II Evolucionismo Social. 1934. Émile. Rio de Janeiro. Ruth. Os Nuer. MAUSS. BOAS.). São Paulo: Perspectiva. Émile Durkheim.

1986. Claude. 1974 LÉVI-STRAUSS. 1991. mitologia. Claude. Bibliografia: LÉVI-STRAUSS. LÉVI-STRAUSS. 1976 (Coleção Os Pensadores) VIVEIROS DE CASTRO. Claude. São Paulo: Abril Cultural. Claude. A noção de estrutura. Introdução à obra de Marcel Mauss. ANTROPOLOGIA III Estruturalismo. Antropologia do parentesco: estudos ameríndios. Totemismo hoje. São Paulo: Brasiliense. Os sistemas classificatórios como categorias ontológicas do pensamento humano: totemismo. Parentesco e Organização Social.). Pensamento selvagem. MERLEAU-PONTY. São Paulo. De Mauss a Claude Lévi-Strauss. 1995. 67 . Totem e Tabu. LÉVI-STRAUSS. pensamento selvagem. São Paulo: Nacional. 1976. A antropologia de Rivers. 1970. Rio de Janeiro: Editora UFRJ. São Paulo: EDUSP. In: MAUSS. Claude. Claude. In: A Oleira ciumenta. Petrópolis: Vozes. Marcel: Sociologia e Antropologia. Eduardo (org. 1980 (Coleção Os Pensadores). versão Jivaro. LÉVI-STRAUSS. Claude.RIVERS. 1982 (Cap. magia e religião. 1 a 5) LÉVI-STRAUSS. Ed Abril. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. Maurice. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. Campinas. Antropologia estrutural II. Editora da Unicamp. As estruturas elementares do parentesco. P. 1976 LÉVI-STRAUSS. Antropologia estrutural.

GEERTZ.ANTROPOLOGIA IV Problematização e desdobramentos do estruturalismo. 1998. Edmund. Rio de Janeiro: Zahar. Nova luz sobre a antropologia. 1994 LEACH. Negara: um estado teatro no século XIX. Bruno Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica Trad. Editora UFRJ. LATOUR. São Paulo: PPGAS/USP. Bibliografia: BOURDIEU. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. Rio de Janeiro. Carlos Irineu da Costa. n. Rio de Janeiro. Clifford. Edmund Leach. 1978. 2002. 2001. Diálogos entre antropologia e história. SAHLINS. 1999. Pierre. Interpretação das culturas. Cadernos de Campo. Clifford. São Paulo. Clifford. Cosmologias do Capitalismo. vol. Obras e vidas: o antropólogo como autor. 1998 GEERTZ. Petrópolis. A antropologia pós-social. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. A antropologia pós-moderna. GEERTZ. A antropologia interpretativa e outros desdobramentos da hermenêutica. A casa Kabyle ou o mundo às avessas. Clifford. São Paulo: Editora 34. 1983 (Coleção Grandes Cientistas Sociais). GEERTZ. Ática. 1992. Religião e Sociedade. 1980. Clifford. 16. 68 . CLIFFORD. Vozes. James. Marshall. GEERTZ. Rio de Janeiro: Zahar. UFRJ. O saber local.8. Correntes da antropologia contemporânea. Rio de Janeiro. Ed.

DA MATTA. 1984 TURNER. Rio de Janeiro: Zahar. 1981 FREYRE. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Petrópolis: Vozes. Casa-grande e senzala. Os parceiros do rio Bonito. Renato. Roberto. Para inglês ver. Sérgio. Antonio. São Paulo: Duas Cidades. ed. 4ª ed. Bibliografia: BOSI. 1979. Cultura brasileira e identidade nacional. Carnavais. 1983 DA MATTA. 1974. São Paulo: Brasiliense. Rio de Janeiro: José Olympio. Rio de Janeiro: Zahar. Petrópolis: Vozes. 1987.1985 69 . Peter. Rio de Janeiro: Zahar. CHAUÍ. Alfredo. 1987. OPTATIVAS: ANTROPOLOGIA BRASILEIRA Estudo dos temas tratados pela investigação antropológica no Brasil. 18ª. Cultura e razão prática. Conformismo e resistência: aspectos da cultura popular no Brasil. 1982 ORTIZ. malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. SAHLINS. O processo ritual. Marilena. Roberto. 1973 FRY. São Paulo: Ática. Gilberto. Cultura brasileira: temas e situações. Ilhas de história.SAHLINS. Rio de Janeiro: José Olympio. São Paulo: Brasiliense. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: Zahar. Marshall. 1982. BUARQUE DE HOLANDA. 1986 CANDIDO. Principais contribuições teóricas e empíricas produzidas no Brasil. Marshall. Victor.

São Paulo: EDUSP.). A câmara clara. Michel: As palavras e as coisas. São Paulo: Ed. São Paulo. 1990 DUCROT. e como produto final de uma pesquisa antropológica. Rio de Janeiro: Ed.RIBEIRO. Fotografia: usos e funções no século XIX. 10. Caderno de Textos de Antropologia Visual. cinema). vol. 4. Nova Fronteira.. Campinas: Papirus Editora. Dicionário enciclopédico das ciências da linguagem. Imagens de índios do Brasil: o século XVI. 1984 BAZIN. Vídeo e reafirmação étnica. 1993 BARTHES. 1995 ANTROPOLOGIA VISUAL Imagem como forma específica de linguagem. Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. Vincent. 70 . tv. como documento de pesquisa. Rio de Janeiro: Museu do Índio. Jacques. Revista de Estudos Avançados. A imagem. que se diferencia a partir dos diferentes meios que a veiculam (foto. 1987 CARNEIRO DA CUNHA. Roland. A emergência histórica da Antropologia Visual. vídeo. Perspectiva. André. 1992. n. Bibliografia: AUMONT. Sao Paulo. Annateresa (org. 1991 CARELLI. TODOROV. Manuela. 1992 GURAN. Rio de Janeiro: Rio Fundo Editora. O. 1972 FABRIS. São Paulo: Brasiliense. São Paulo: Livraria Martins Fontes. São Paulo: Companhia das Letras. Tzvetan. A imagem como instrumento de pesquisa. O cinema: ensaios. Linguagem fotográfica e informação. 1991 FOUCAULT. Milton.

n. São Paulo: EDUSP. Clifford. Nova luz sobre a antropologia. E.. Cadernos de Campo. 1992. LEITE. 1998 DA MATTA. Ivan. A aventura antropológica: teoria e pesquisa. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Bibliografia: CARDOSO. Jeanne. Ruth C. Interpretação das culturas. 1978. Clifford. 1978. Rio de Janeiro: Editora UFRJ. Petrópolis: Vozes. Rio de Janeiro: Zahar. James. L. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. 2005 GEERTZ. Ser afetado. Cultura e comunicação: a lógica pela qual os símbolos estão ligados. Rio de Janeiro: Zahar. 13.LEACH. 71 . 1988. São Paulo: USP. Miriam Moreira: Retratos de família. STRONZENBERG. FAIVRET-SAADA. 1993. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2001. LINS DE BARROS. 1981. Álbum de família. TRABALHO DE CAMPO Análise das principais contribuições teóricas e metodológicas para o desenvolvimento do trabalho de campo em antropologia. GEERTZ. I. Rio de Janeiro: Zahar. Treinamento prático através de pesquisas orientadas. A fotografia é a sua linguagem. Rio de Janeiro: Comunicação Contemporânea. LIMA. 1986 CLIFFORD. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo. Roberto. ano 14. M.

Rio de Janeiro. São Paulo: EDUSP/Fapesp. Rio de Janeiro: Relume-Dumará. 1984 (Coleção Os Pensadores). Rio de Janeiro: Relume-Dumará. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Vagner Gonçalves. Identidades passadas. antropologia e política em Ilhéus. Bahia. Desvendando máscaras sociais. vol 3. Revista Brasileira de Ciências Sociais. 1991. Corpo e alma: notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Rio de Janeiro: Francisco Alves. A vida de laboratório: a produção de fatos científicos. Márcio. Mariza. São Paulo: EDUSP. Mana. Wiliam Foote.). Record. Sao Paulo. 46. SAHLINS.GOLDMAN. 1997. Um diário no sentido estrito do termo.. 2000. Lilian de Lucca (org. A favor da etnografia. Bronislaw. 34. Na metrópole. MAGNANI. junho de 2002. n. Bruno. PEIRANO. 72 . presentes e emergentes: requisitos para etnografias sobre a modernidade no final do século XX ao nível mundial. números 1 e 2. MALINOWSKI. Revista de Antropologia. São Paulo: Abril Cultural. O ‘pessimismo sentimental’ e a experiência etnográfica: porque a cultura não é um ‘objeto’ em via de extinção. Loic. Rio de Janeiro: Relume Dumará. MALINOWSKI. Rio de Janeiro: Zahar. WOOLLGAR. SILVA. n. 2000 WACQUANT. MAGNANI. 1997. Marshall. Alba G. Bronislaw. LATOUR. TORRES. 2 julho/dezembro de 2003. José Guilherme C. José Guilherme. vol.17. vol. 1980. 1995. 2005 ZALUAR. George. Argonautas do pacífico ocidental. Steve.49.). O antropólogo e sua magia. (org. 1997. Sociedade de esquina. 2002 WHYTE. MARCUS. Revista de Antropologia. Os tambores dos mortos e os tambores dos vivos: etnografia. vol.

São Paulo: Companhia Editora Nacional. Carlos. São Paulo : HUCITEC. técnica. política. 1999. Boletim do Museu Nacional . As estruturas elementares do parentesco. o chaco. 73 . VIVEIROS DE CASTRO. 32. Questões clássicas e atuais. Panorama geral dos povos pré-colombianos considerados em sua real diversidade cultural. Fragmentos de história e cultura tupinambá: da etnologia como instrumento crítico do conhecimento etnológico. 1976. MELATTI. Abordagem crítica das noções de "índio" e de "etnia". 1983. Roberto. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro: Editora UFRJ. São Paulo: Fapesp/Cia. SCHADEN. Petrópolis: Vozes. Leituras de etnologia brasileira. Claude.ETNOLOGIA I Panorama da etnologia das terras baixas da América do Sul. Eduardo. 1992. Índios do Brasil. 1982. FAUSTO. História dos índios no Brasil. Caracterização geral das distintas áreas etnográficas: a floresta. 1976. o cerrado. In: M. (org. Carneiro da Cunha (org. nas duas últimas décadas. 1979. Teorias e métodos. Ensaios em Antropologia Histórica. Roberto. lingüística e ecológica. Bibliografia: CARDOSO DE OLIVEIRA. 1993. LÉVI-STRAUSS.Antropologia n. Julio Cezar. SEEGER. Enigmas e soluções: exercícios de etnologia e de crítica. Anuário Antropológico 80. A construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras. João Pacheco de. A etnologia das populações indígenas do Brasil. Brasília : Editora da Universidade de Brasília. o altiplano e a costa. E.). MELATTI. OLIVEIRA. Julio Cezar. DA MATTA. Anthony.). das Letras.

Sumaré / ANPOCS. São Paulo: Cia. Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia. São Paulo: EDUSP/NHI. Dilemas culturais e disputas políticas entre os Kambiwá e os Pipipã. João Pacheco de (org. da Cunha (org. Wallace de Deus. PERRONE-MOISÉS. São Paulo: Cia. 1995. E. São Paulo: Ed. das Letras: Secretaria Municipal de Cultura.). FAPESP. Manuela Carneiro da. Manuela Carneiro da. Indigenismo: agências de Estado e adminsstração de populações. Nássaro. 1992. Rio de Janeiro: Contra Capa. A. da Cunha (org. Etnicidade.Miceli org.) O Índio na Bahia. BARBOSA. Política indigenista no século XIX.. NASSER.. (org. In: M. M. Volume I: Antropologia. 1999. 1999. Política e Reelaboração Cultural no Nordeste indígena.VIVEIROS DE CASTRO. OLIVEIRA. VIVEIROS DE CASTRO.). 1992.) A Viagem da Volta. Beatriz. ETNOLOGIA II Sociedades indígenas no Brasil Contemporâneo. História dos Índios no Brasil. CARNEIRO DA CUNHA. P. E. Antropologia do parentesco: estudos ameríndios. Amazônia: etnologia e história indígena. “Tuxá”. O que ler na ciência social brasileira (1970–1995). E. História dos Índios no Brasil. In: M. Sociedades indígenas e Sociedade Nacional. Índios livres e índios escravos: princípios da legislação 74 . In: S . Pedra do Encanto. Movimentos indígenas no Brasil. Rio de Janeiro: Editora UFRJ. Elizabeth & NASSER. 2003.). Em: Silva. (org). CUNHA. C. “Introdução a uma história indígena”. Etnologia brasileira. (orgs. 1988. Rio de Janeiro: Contra Capa. VIVEIRO DE CASTRO. 1993. das Letras: Secretaria Municipal de Cultura. CUNHA. FAPESP. Etnohistória. C.

Petrópolis: Vozes. 1994. George Reid. maio/agosto de 1997. 1978 75 . Democracia racial brasileira. Sao Paulo: 30: 95-115. cultural. São Paulo: Hucitec. ANTROPOLOGIA DOS GRUPOS AFRO-BRASILEIROS Estudo analítico de temas da literatura acerca de grupos negros e suas produções na América. São Paulo: Editora Anita. São Paulo: EDUSP/Estação Ciência. Thales de. Rio de Janeiro: Paz e Terra.). Rio de Janeiro: Edições Graal. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. 1975. Movimentos negros. O genocídio do negro brasileiro. A escravidão e as populações africanas no processo de formação das idéias de sociedade e de cultura brasileiras.indigenista do período colonial (séculos XVI a XVIII). 1992. Pedro. Panorama geral dos povos africanos e de sua difusão pela América. 1979. Kabengele (org. São Paulo: Cia. HASENBALG. considerando a real diversidade étnica. da Cunha (org. MUNANGA. política e linguística destas sociedades. Principais interpretações sobre o lugar das culturas e religiões afro-brasileiras no cenário nacional. Edusp. Dialética radical do Brasil negro. Clovis. In: M. MOURA. Carlos A. FAPESP. racismo e “democracia racial” no Brasil. São Paulo: Ática. Clovis. AZEVEDO. Estratégias e políticas de combate à discriminação racial. Estudos Avançados. Sociedade plural. História dos Índios no Brasil. 1988. Bibliografia: ANDREWS. Fapesp. C. Povos Indígenas e a Colonização do Sertão Nordeste do Brasil. Abdias de. MOURA. das Letras: Secretaria Municipal de Cultura. 1900-1990: um contraponto americano. PUNTONI. 2002. A Guerra dos Bárbaros. Democracia racial. 1996 NASCIMENTO. Sociologia do negro brasileiro.).

Oracy. QUEIROZ. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. ANTROPOLOGIA DOS GRUPOS AFRO-BRASILEIROS II Estudo intensivo de religiões "afro-brasileiras". Elisa Larkin. São Paulo: Companhia das Letras. 1981. Lilia Moritz. A invenção do ser negro. 2003. Gislene Aparecida dos.) Raça e diversidade. São Paulo: Brasiliense. 1995 SANTOS. 1996. Brasília. NOGUEIRA. Darcy. Panafricanismo na América do Sul. Bibliografia: 76 . 2002. Tanto preto quanto branco: estudos de relações raciais. São Paulo: Companhia das Letras. Rio de Janeiro: Pallas. Renato. Mulato: negro–não negro e/ou branco-não branco. Eneida de Almeida dos. Valter Roberto (orgs. Lilia Moritz. 1985 ORTIZ. 1993 SCHWARCZ. DF: INEP/MEC. São Paulo: Editora Altana. Petrópolis: Vozes.Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.) Educação e ação afirmativa: entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica. São Paulo: T.NASCIMENTO. SILVA. A Queiroz. RIBEIRO. SCHWARCZ. a partir da leitura de monografias e/ou de experiências de campo. Cultura brasileira & identidade nacional. Petronílha Beatriz Gonçalves. 4a ed. 1994 REIS. São Paulo: EDUSP. O espetáculo das raças. SILVEIRO. 2002. Renato da Silva (orgs.

Símbolos da herança africana: por que candomblé. Medo de feitiço: relações entre magia e poder no Brasil. 1988. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. Rio de Janeiro: Graal. A cultura negra: resistência de cultura à cultura de resistência. Religiões afro-brasileiras. 2002 BASTIDE. n. Vovó nagô e papai branco. Pierre.23. São Paulo. 1984. 1985. ANTROPOLOGIA URBANA O espaço social e seu significado na área urbana. RODRIGUES. n. REIS. pp. PEREIRA. Beatriz G.AMARAL. DANTAS. 82111. Vagner G. 1977. Xirê o modo de crer e de viver no candomblé. Renato. Letícia (orgs. SILVA. Revista USP. São Paulo: Pioneira. As religiões africanas no Brasil. Yvone. Lilia. Rita. São Paulo: Editora Nacional. Principais tendências da antropologia urbana. 2002 VELHO. 1992. Nina.) Negras imagens: ensaios sobre escravidão e cultura. Construção e legitimação de um campo do saber acadêmico (1900-1960). Os africanos no Brasil. 1978. 55. 1987. Rio de Janeiro: Educ/ Pallas. In: SCHWARCZ. Vagner G & AMARAL. Roger. São Paulo: USP-CCS. Rita de Cássia. Daedalus. A morte branca do feiticeiro negro. João Baptista Borges. Petrópolis: Vozes. ORTIZ. São Paulo: Corrupio. VERGER. SILVA. 1996. Fluxo e refluxo do tráfico de escravos entre o Golfo de Benin e a Bahia de Todos os Santos dos séculos XVII ao XIX. Investigações antropológicas de fenômenos localizados em áreas urbanas. Bibliografia: 77 . São Paulo: EDUSP/ Estação Ciência.

). M. 1978. 1981. EUFRÁSIO. 1. NIEMEYER. Festa no pedaço. L. Campinas: Mercado de Letras. Rio de Janeiro: Zahar. BENÉVOLO. História da cidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra. vol.Jornal da Cultura. São Paulo: Perspectiva. 1986 DA MATTA. 1987. VELHO. Lilian de Lucca (org. Rio de Janeiro: Conselho Estadual de Cultura. E. São Paulo. VELHO. São Paulo: EDUSP/Fapesp. FREITAG-ROUANET. A cidade brasileira como espaço cultural. 1999. 1991. Estrutura urbana e ecologia humana. TORRES. Rio de Janeiro: Guanabara. G.. VELHO. Campinas: Papirus. Na metrópole. 1998.AUGÉ. L. Ana Maria. José Guilherme C. Artefato . 12. Emília Pietrafesa de (org. MAGNANI. & VIVEIROS DE CASTRO.). 78 . G. 1983. 2000. Além dos territórios. Gilberto. 1984. C. 2000. GODOI. Marc.Revista de Sociologia. MAGNANI. Individualismo e Cultura. A aventura antropológica: teoria e pesquisa. Tempo Social . São Paulo: Editora 34. O conceito de cultura e o estudo de sociedades complexas: uma perspectiva antropológica. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Brasiliense. São Paulo. CARDOSO. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan. Bárbara. Otávio (org. O fenômeno rbano.). n. Ruth C. 1994. A casa e a rua. Roberto. J.

Marcel. Pureza e perigo. 1978. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. Mircea. 1990. Clifford. Bibliografia: AUGÉ. Petrópolis: Vozes. 79 . 1988. Rio de Janeiro: José Olympio/UNB. O sagrado e o profano. A construção do mundo. Rio de Janeiro: Zahar. MALINOWSKI. Lisboa: Edições 70. Rio de Janeiro: Campus. Mefistófeles e o andrógino . DETIENNE. Marc. 1989. teorias da magia e do ritual. São Paulo: Martins Fontes. 1970. Mary. Antropologia social da religião. Bronislaw. 1975. 1978. ELIADE. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. Claude. 1976 LÉVI-STRAUSS.Comportamentos religiosos e valores espirituais não-europeu. EVANS-PRITCHARD. LÉVI-STRAUSS. Análise de movimentos de inspiração religiosa. Antropologia estrutural. Teorias da religião. ELIADE. Lisboa: Edições 70. A invenção da mitologia. 1992. GEERTZ. Claude. São Paulo: Paulinas. 1978. Religião e sociedade: relação entre sistema de crenças e práticas sociais. Claude.ANTROPOLOGIA DA RELIGIÃO Formação e desenvolvimento do campo de estudos antropológicos sobre religião. Antropologia estrutural II. Edward. Magia. Émile. 1990. LÉVI-STRAUSS. ciência e religião. Mircea. DOUGLAS. São Paulo: Martins Fontes. 1976. A interpretação das culturas. DURKHEIM. As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Perspectiva. Totemismo hoje.

Roque de Barros (org. São Paulo:EPU/EDUSP. Edward. MAUSS. Esboço de uma teoria geral da magia. colonialismo e o homem selvagem: um estudo sobre o terror e a cura. Organização social. H. HUBERT. Os domínios do parentesco. 1969. Louis. VAN GENNEP. São Paulo: Perspectiva. Petrópolis: Vozes.).. VERNANT.. Rio de Janeiro: José Olympio/UNB. DUMONT. Ensaio sobre a Natureza e a função do sacrifício (1899). 1978. O parentesco em relação às demais esferas da vida social. 80 . ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os sistemas de parentesco e sua importância para a compreensão da estrutura social. J. Mito e sociedade na Grécia antiga. Introducción a dos teorías de la antropología social. Rio de Janeiro : Paz e Terra. 1981. 1974. 1993. FOX. Barcelona: Anagrama. Marcel. 1981. 1974. Lisboa: Edições 70. 1978. p. M. 141-227. TURNER. Principais teorias antropológicas sobre o parentesco. & EVANS-PRITCHARD. In: MAUSS. 1992. Rio de Janeiro: Zahar. Sociologia e Antropologia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.).MAUSS. Marcel. Xamanismo. Bibliografia: AUGÉ. I: 37-176. Marc (org. Sistemas políticos africanos. Robin. 1981. O processo ritual. TAUSSIG. Os ritos de passagem.P. 1975. Petrópolis. RJ : Vozes. Victor W. Ensaios de Sociologia. Parentesco e casamento. FORTES. 1986.. Michael. LARAIA. A. Lisboa: Vega. M.

Louis. Bibliografia: DUMONT. R. Sao Paulo: EDUSC. 1974. FIRTH. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. & FORDE. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. ANTROPOLOGIA ECONÔMICA Análise da contribuição da antropologia no campo dos estudos sobre economia. A. Rio de Janeiro: Zahar. In: Horizontes da antropologia. 1991. A antropologia como crítica do etnocentrismo economicista. VIVEIROS DE CASTRO. As estruturas elementares do parentesco. São Paulo: Cosac & Naify. 2000. MAUSS. Raymond. 1977.). 271-300. "Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. Petrópolis: Vozes 1973. RIVERS.LÉVI-STRAUSS. A antropologia de Rivers Campinas: Unicamp. Antropologia do parentesco: estudos ameríndios. Claude. 1985. Homo Aequalis. W. Marcel. Maurice. p. D. GODELIER. Formações econômicas pré-capitalistas. Bauru. 1982 RADCLIFFE-BROWN. GODELIER. Karl. Sistemas políticos africanos de parentesco e casamento. RADCLIFFE-BROWN. Eduardo (org. 1970. H. 1995.. Lisboa: Edições 70. In: Sociologia e Antropologia. Elementos de organização social. Moeda de sal e circulação das mercadorias entre os Baruya da Nova-Guiné. Racionalidade e irracionalidade na Economia. A. As economias da dádiva e da reciprocidade e o mercado capitalista. Rio de Janeiro: Editora UFRJ. Estrutura e função na sociedade primitiva. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Petrópolis: Vozes. Principais correntes teóricas. 2004 81 . MARX. 1982. Maurice. R.

p. 1980. 1978. Teorias e analíticas do poder. Cultura e política nos movimentos sociais latinoamericanos. Pierre. Cap.) CLASTRES. Alba. Perspectiva. Rio de Janeiro: Difel/Bertrand Brasil. São Paulo. Marshall. ZALUAR. F. Rio de Janeiro: Campus. 82 . Max. (Introdução. Textos de Aula.) Antropologia econômica São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas Ltda. Análise e discussão de sistemas de controle social contemporâneos. In: CARVALHO. GLUCKMAN. 1978. Os nuer. 6. Bibliografia: ALVAREZ. 1985. SAHLINS. 2000. 1990. O "poder" e o "político" enquanto categorias. Rituais de rebelião no sudeste da África. E. Karl. São Paulo. (caps. ANTROPOLOGIA POLÍTICA Análise e discussão de sistemas políticos não ocidentais. 1989. Pierre. Belo Horizonte: Ed. Mitologias políticas. Genealogia e crítica das categorias que organizam a contribuição da antropologia para o estudo dos sistemas políticos. POUILLON. BOURDIEU. da UFMG. Análise das principais teorias acerca da realidade política. Edgar Assis (org. Estudos de movimentos políticos minoritários. Cultura e razão prática. (org. A máquina e a revolta: organizações populares e significado da pobreza. Brasília: Editora da UnB. 7. A antropologia econômica (correntes e problemas). Marshall. Sonia et alli. Antropologia 4. Rio de Janeiro: Zahar. Brasiliense.). Cap. O poder simbólico. 5 e 6). Lisboa: Edições 70. 7-44 SAHLINS. 1978. A Primeira Sociedade da Afluência. EVANS-PRITCHARD. Rio de Janeiro: Francisco Alves. 1979. A grande transformação: as origens da nossa época. 4.POLANYI. A sociedade contra o Estado. numa perspectiva comparada.

Sexualidade e saberes: convenções e fronteiras. Ilhas de história. sustentam ou alteram papéis de gênero em diferentes culturas. Homens. O dilema da participação popular. Leila Mezan. LÉVI-STRAUSS.COHEN. Rio de Janeiro. ALGRANTI. Bibliografia: PISCITELLI. 1974. In: Tristes trópicos. p. Moacyr e GOLDMAN. Marshall. Claude. Judith. (org. ANTROPOLOGIA E RELAÇÕES DE GÊNERO A sexualidade como objeto das ciências sociais. Antropologia. mulheres. FIRTH. Júlio A. Marcio (orgs). Elementos de organização social. Sao Paulo: Martins Fontes. 2004. Sergio (org). 7-42. Adriana. Rio de Janeiro: Contracapa. Jorge C. nº 21. Textos Didáticos. nº 48. Emergência dos estudos feministas. 1978. p. São Paulo: Marco Zero/Anpocs. Sistemas políticos da Alta Birmânia. Processos e mecanismos que geram. SAHLINS. GREGORI. O homem bidimensional: a antropologia do poder e o simbolismo nas sociedades complexas. LEACH. O parentesco é sempre tido como heterossexual? Cadernos Pagu. chefes. 1981 PALMEIRA. Raymond. 1990. BUTLER. Maria Filomena e CARARA. Trad. Campinas: IFCH-Unicamp. Rio de Janeiro: Zahar. Rio de Janeiro: Garamond. voto e representação política. Abner. Edmund. 83 . p. 1995. SIMÕES. 2003. 1996. Corporalidade. São Paulo: EDUSP. Pereira. Zahar. 1992. 2002. Sexualidade e gênero na abordagem antropológica.235-255.Rio de Janeiro: Jorge Zahar.219-260.) A prática feminista e o conceito de gênero. gênero e identidades sexuais.

Petrópolis: Vozes. Cadernos Pagu. Cap. O problema do incesto. Claude. PARKER. Bronislaw. 2001-2002. p.) Edmund Leach: Antropologia. Michelle. Donna. FRY. Sexualidades brasileiras. BUTLER. FOUCAULT. 1983 LÉVI-STRAUSS. Rio de Janeiro: Francisco Alves. 1956 (edição esgotada). nº. p. Margaret. O uso e o abuso da antropologia: reflexões sobre o feminismo e o entendimento intercultural. Nascimento Virgem. FAUSTO-STERLING. Tráfico sexual – entrevista. LÉVI-STRAUSS. 201-246. Rio de Janeiro: Graal. p. MALINOWSKI.CLASTRES. n° 17/18.). Da hierarquia à igualdade: a construção histórica da homossexualidade no Brasil. In: SHAPIRO. 136-145. 1983 MEAD. Rio de Janeiro: Zahar. Regina Maria (orgs. Gayle. nº 22. HARAWAY. Dualismos em duelo. A vida sexual dos selvagens. In: A sociedade contra o Estado. Cadernos Pagu.1. Pierre. Anne. Horizontes Antropológicos. 2003.4). 84 . P. Michel. 2004.157-209. Edmund. Cadernos Pagu. 1995 RUBIN. 1981. 2003. A família. ROSALDO. p. Sexo e temperamento. BARBOSA. In: As estruturas elementares do parentesco. 2. (Cap. Judith. 2003. São Paulo: Perspectiva. História da Sexualidade 1: a vontade de saber. In: Roberto da Matta (org. Gênero para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra. 2003. n º 21. Claude. (org. 1996. In: Para inglês ver: identidade e política na cultura brasileira. 9-79. São Paulo: Ática. Peter. Rio de Janeiro: Relume Dumará. São Paulo: Cosac Naify. 2000. “O arco e o cesto”.) Homem. Cap. São Paulo: Fundo de Cultura. Richard. 5. 11-36. Harry L. cultura e sociedade. LEACH.

3. p.F. Relação natureza/cultura. São Paulo: Hucitec/Anpocs. Boletim Informativo e Bibliográfico das Ciências Sociais. A ambientalização dos conflitos sociais: participação e controle público da participação industrial. 1996. 85 . ANTROPOLOGIA E MEIO AMBIENTE Da ecologia cultural à antropologia ecológica. S. 1992. 1995. Rio de Janeiro: NUAP/Relume-Dumará. J. Rio de Janeiro: Relume-Dumará/Anpocs. P. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Antropologia de corpos e sexos: entrevista com Françoise Héritier. 47. Política ambiental e discurso democrático . v. VIEIRA. 1996. Relação ambiente/sociedade. v. al. A antropologia redescobre a sexualidade: um comentário teórico. 7-31. 2000. Necessidade de pais e necessidade de mães. VANCE. LEITE LOPES. ° 1. 2004. Physis – Revista de Saúde Coletiva. nº 2. p.). O campo do ecologismo no Brasil: o fórum das ONG's.. Belo Horizonte: Autêntica. Política e cultura: visões do passado e perspectivas contemporâneas. et. NASCIMENTO. Bibliografia: ACSELRAD.235-266. WEEKS. S. Renato. XX ENCONTRO ANNUAL DA ANPOCS. Guacira Lopes (org. SZTUTMAN. Peter. Carole.37-82. 1995.o caso do Conselho Nacional de Meio Ambiente. H. nº 1. Análises das transformações sócio-ambientais em diferentes segmentos da população. 2004. In: LOURO. Revista de Antropologia. Jeffrey. A problemática ambiental e as Ciências Sociais. HERCULANO. 5. et al. p. n. Estudos Feministas. Silvana. Marilyn. v.STRATHERN. In: FRY. 33. O corpo e a sexualidade.

seus conceitos e temas mais relevantes. O queijo e os vermes. 1989. São Paulo: Companhia das Letras. O grande massacre de gatos. São Paulo: Companhia das Letras. mentalidades e longa duração. Boas vizinhas In: O beijo de Lamourette. 1984 EVANS-PRITCHARD.ANTROPOLOGIA E HISTÓRIA Polêmicas e convergências entre a Antropologia e a História. permanência e conflito. Os reis taumaturgos. A interpretação das culturas. São Paulo. C. E. Perspectiva. São Paulo: Companhia das Letras. 1988. Rio de Janeiro: Zahar. GEERTZ. J. Rio de Janeiro: Graal. Clifford. DARTON. São Paulo: Perspectiva. diacronia e sincronia. DARTON. História e Ciências Sociais: a longa duração. Mitos. O inquisidor como antropólogo. E. 1987 LE GOFF. 1980. GINZBURG. Marshall. Rio de Janeiro: Zahar. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. In: Escritos sobre a história. GINZBURG. Lisboa: Edições 70. Bloch. estrutura e acontecimento. 1978. Fernand. 1990. emblemas e sinais. São Paulo: Companhia das Letras. GINZBURG. Os Nuer. Prefácio. In: A micro-história e outros ensaios. Carlo. In: MARC. Negara: um estado teatro no século XIX. destacando suas respectivas abordagens. Robert. Antropologia social. 1993 86 . Carlo. Carlo. 1978 SAHLINS. Ilhas de história. circularidade e dinâmica cultural. EVANS-PRITCHARD. Lisboa: Difel. Robert. Bibliografia: BRAUDEL. 1976 GEERTZ. 1978. 1986.

2004 RADCLIFFE-BROWN. In: Antropologia estrutural. Bloch. Rio de Janeiro. Bronislaw. Cultura e razão prática. São Paulo: Companhia das Letras. Marshall. "Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. A. 2001. Cosmologias do Capitalismo. As barbas do imperador. Marshall. In: Sociologia e Antropologia. 1979. A constituição dos campos de estudo e pesquisa da antropologia jurídica. 16. 1992. SAHLINS. História e Etnologia. História e Antropologia. SAHLINS. Petrópolis: Vozes 1973. 1998. São Paulo: Cosac & Naify. ANTROPOLOGIA DO DIREITO Idéias preliminares sobre antropologia jurídica. LÉVI-STRAUSS. 1983 MARC. 1970. vol. A eficácia simbólica. 1979. São Paulo: Brasiliense. Textos Didáticos Campinas.LEFORT. Formação de operadores do direito no Brasil e produção de laudos periciais antropológicos. As formas da história. A vida sexual dos selvagens. Claude. Os reis taumaturgos. IFCH/UNICAMP. SCHWARCZ. Rio de Janeiro: Francisco Alves. Lilia. Rio de Janeiro: Zahar. SAHLINS. Marshall. Antropologia e direitos humanos diversidade cultural e a busca de consensos. São Paulo: EDUSP. Marcel. n. O feiticeiro e sua magia. LÉVI-STRAUSS. 1996. MALINOWSKI. 1993 MAUSS. Claude. Estrutura e função na sociedade primitiva. 24. Como pensam os nativos. Claude. In: Religião e Sociedade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. 87 . São Paulo: Companhia das Letras.

88 . São Paulo: Plêiade. Médicos e assassinos na Belle Époque: a medicalização do crime. 1978. Pierre. Morte em família: representações jurídicas de papéis sexuais. Mariza. DAVIS. 2001. Rio de Janeiro/São Paulo: EdUERJ/ EDUSP. segregação e cidadania em São Paulo. Direito antropológico e terras indígenas no Brasil.). In: Coisas ditas. São Paulo: Editora 34/ EDUSP. Crime e loucura: o aparecimento do manicômio judiciário na passagem do século.). 1990 (pg. As ilusões da liberdade: a Escola Nina Rodrigues e a antropologia no Brasil. O Poder em cena. DARMON. Autodeterminação e direito à diferença. Cidade de muros: crime. CALDEIRA. Pierre. São Paulo: Brasiliense. Rio de Janeiro: Graal. 1982. Panorama da antropologia. 96-107). BARBOSA. Bragança Paulista. 1973. CLASTRES. CARRARA. BOHANNAN. BOURDIEU. Teresa Pires do Rio. A sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política. Antropologia do direito. Rio de Janeiro: Zahar. CORRÊA. Mariza. Marco Antonio. 2000. A codificação. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Políticas públicas de justiça criminal e segurança pública. 1966. São Paulo: Editora Fundo de Cultura. BALANDIER.Bibliografia: ARAÙJO FILHO et al. Rio de Janeiro: Francisco Alves. Brasília: Editora UnB. 2003. 1998. Sérgio. Marco Antonio. Georges. Shelton H. 1983. (org. SP: Editora da Universidade São Francisco. BARBOSA. Paul (org. São Paulo: Plêiade/ Fapesp. 1991. Niterói: EdUFF/Instituto de Segurança Pública. 2001[a]. CORRÊA. Pierre. 2001.

1984. 10. Émile. Rose Satiko. FOUCAULT. n. HIKIJI. Claudia (org. Martha de Abreu. São Paulo: T. ESTEVES. São Paulo: Companhia das Letras.DURKHEIM. maio/ 1999. Magali. 5. Margarida Maria & BARBOSA. ENGEL. ‘Peguei tempo indeterminado’ — vigilância. GIUMBELLI. FOUCAULT. 1983.). Michel. GREGORI. 1997. 50-58. HELM. 1994. Lições de sociologia: a moral.). (org. n. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1989. Artes. KANT DE LIMA. ano 5. FOUCAULT. Marco Antonio. Paula. p. FONSECA. 1989. o direito e o Estado. 2000. Humanidades. Pierre Rivière. São Paulo: Hedra. Meninas perdidas: os populares e o cotidiano do amor no Rio de Janeiro da Belle Époque. minha irmã e meu irmão. Eu. Petrópolis: Vozes. Direito oficial e direito costumeiro no Brasil: um estudo de caso dos índios Guarani do litoral de São Paulo e 89 . Rio de Janeiro: Graal. Michel. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. São Paulo: Brasiliense. que degolei minha mãe. Maria Filomena. Horizontes antropológicos: diversidade cultural e cidadania. Rio de Janeiro: EdUFF. Viração: experiências de meninos nas ruas. 2003 MIRAGLIA. A perícia antropológica em processos judiciais. 2002. 1984. A. Sexta Feira — Antropologia.) Antropologia e direitos humanos 2. Florianópolis: EdUFSC. Cecília Maria et al. Meretrizes e doutores: saber médico e prostituição no Rio de Janeiro (1840-1890). Émerson. Porto Alegre: PPG/UFRGS. Rio de Janeiro: NAU Editora. 2000. Michel. violência e revolta entre os muros da Febem. Queiroz/ EDUSP. Vigiar e punir: nascimento da prisão. MOURA. A verdade e as formas jurídicas. O cuidado dos mortos: uma história de condenação e legitimação do espiritismo. Roberto (org.

punições e direitos humanos. Os deserdados da terra: a lógica costumeira e judicial dos processos de expulsão e invasão da terra camponesa no sertão de Minas Gerais. MOURA. São Paulo: Humanitas/FFLCH-USP/Fapesp. Helena. Luís Roberto Cardoso de. Rio de Janeiro: Mauad. 1996. Os tribunais nas sociedades contemporâneas: o caso português. Os herdeiros da terra: parentesco e herança numa área rural. SHIRLEY. Rio de Janeiro: EdFGV.. Direito legal e insulto moral: dilemas da cidadania no Brasil. NOVAES. NOVAES. SANTOS. OLIVEIRA. Boaventura de Sousa et al. SCHILLING. PAVEZ. São Paulo: Hucitec. Graziela A. O’DWYER. Quebec e EUA. 3(2). Rio de Janeiro: EdUFF. Isaura de M. São Paulo: EDUC e Imprensa Oficial do Estado. OLIVEIRA. 159-182.um estudo de caso dos camponeses livres e dependentes do sertão de Minas Gerais. Direitos humanos: temas e perspectivas. 1988. 987. C. Rio de Janeiro: Relume Dumará/ Núcleo de Antropologia Política. 2002. Flávia (orgs. 90 . Antropologia e direitos humanos. 1986. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 2001.. 2001. 2002. 1978. Eliane Cantarino. Quilombos: identidade étnica e territorialidade. 159-182. Roberto (org. Direito. Discursos desconcertados: linchamentos. Saúde. Porto: Edições Afrontamento. Antropologia jurídica.). pg. Margarida Maria. 2003. Regina & KANT DE LIMA. Margarida Maria. MOURA. Temas IMESC. SINGER. Regina. Robert Weaver. São Paulo: Saraiva. São Paulo. Sociedade. 2002.) Reflexões sobre justiça e violência: o atendimento a familiares de vítimas de crimes fatais.

CORBIN. Horizontes Antropológicos.V. São Paulo-SP: Companhia das Letras. BARBOSA. globalização. F. ano 9. Álvaro. (org. 20.M. 1997. J.G. 1989. BARRETO. Hucitec.) Turismo. Campinas: Papirus. 15-29. M. O debate atual no Brasil.). (org. Ycarim Melgaço. Turismo e identidade local: uma visão antropológica. Organização social e turismo. São Paulo: Aleph. São Paulo: 91 . 2004 ANTROPOLOGIA E TURISMO O papel das sociedades no processo de desenvolvimento do turismo. Campinas: Papirus. 1989. As relações residentes/visitantes. 1997. Margarita (orgs. Margarita. Antropologia do turismo. As mudanças culturais em decorrência do turismo.. n. 1995. Sociologia do turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. 2001. A. GUATTARI. p. Niterói: EdUFF. O despertar do turismo: um olhar crítico sobre os nãolugares. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. KRIPPENDORF.) Antropologia e ética. RODRIGUES. O Território do Vazio: a praia e o imaginário ocidental. Campinas: Papirus. 2001. As três ecologias. Bibliografia: BANDUCCI JR. O imprescindível aporte das ciências sociais para o planejamento e a compreensão do turismo. Ceres et al.VÍCTORA. PAIVA. outubro de 2003. Adyr B. BARRETTO. Sociologia do turismo. modernidade. Porto Alegre.

II.). a noção de coesão social. São Paulo: Contexto. 2002. CARLOS. População e meio ambiente: debates e desafios. o suicídio como fato social e a utilização de métodos quantitativos na sociologia. Bibliografia: 92 . Senac. COSTA Heloisa (orgs. Eduardo.). São Paulo: Hucitec. representações sociais e sociologia da religião. John.Turismo. a divisão do trabalho e o direito em Dürkheim. Turismo e paisagem. 1996. São Paulo: Studio Nobel/SESC. a questão do Estado na sociologia de Dürkheim. Dürkheim e o método sociológico. São Paulo: Ed. sociologia funcional-positivista.TORRES. (orgs. YÁZIGI. espaço. YÁZIGI. DISCIPLINAS DE SOCIOLOGIA OBRIGATÓRIAS SOCIOLOGIA I Os fundamentos da sociologia. III e IV) Estes cursos terão seus programas definidos em função das propostas apresentadas por professores da área de antropologia. 2000. Haroldo. a sociologia positivista. fato normal e fato patológico. URRY. paisagem e cultura. socialização e educação. Ana Fani. TÓPICOS ESPECIAIS EM ANTROPOLOGIA (I. O olhar do turista: lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. Rita de Cássia da. CRUZ.). 1996. em função de seus temas de pesquisa. ou da sua atualidade no debate acadêmico. Eduardo (org. da relevância no seu campo de conhecimento.

luta de classes e história . 10. 1995 MORAES FILHO. As regras do método sociológico. Rio de Janeiro: Guanabara. conceito de classes sociais. 1982 (trechos selecionados) 93 . Francois.). (Coleção Mestres da modernidade) MARTINS. Lisboa: Edições 70. Dicionário crítico de sociologia. Harold Joseph (org. 1982 LÖWY. Ideologias e ciência social: elementos para uma análise marxista. ed Rio de Janeiro: Forense Universitária. Émile. 1995 DURKHEIM. Bibliografia: MARX. 1978 (Coleção Grandes Cientistas Sociais) SOCIOLOGIA II A sociologia do conflito em Marx. 1995 MARX. infra-estrutura e superestrutura. 1981. ideologia. O capital. 1970. Comte: sociologia.). 3. São Paulo: Cultrix. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Abril Cultural. São Paulo: Brasiliense. Anthony. Émile Durkheim Trad. O que é sociologia. São Paulo: Martins Fontes. O manifesto comunista de Marx e Engels. BOURRICAUD. 1993 DURKHEIM. São Paulo: Atica. 40a ed. As idéias de Durkheim. Sociologia e filosofia. Karl. 2. modo de produção. conceito de mercadoria. Evaristo de (org. ed. GIDDENS. Michael. 1993 LASKI. Émile. ed. 7. Carlos B. São Paulo: Ática. ed. Manuscritos econômico-filosóficos.BOUDON. São Paulo: Cortez. Émile. Raymond. 1978 (Coleção Os Pensadores) DURKHEIM. Karl. Rio de Janeiro: Zahar.

79-127. objetividade em ciências sociais. (Coleção Grandes Cientistas Sociais) p. Preço e Lucro. A sociologia reflexiva. In: COHN. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Ática. Max. tipos ideais. Max. Ensaios de sociologia. Bibliografia: 94 . Rio de Janeiro: Jorge Zahar. WEBER. Trad. A ‘objetividade’ do conhecimento nas ciências sociais. In: Para a crítica da economia política: salário. Redes sociais. Ciência e política: duas vocações. relações entre o surgimento do capitalismo e religião. 1989. 1982. Salário. Max Weber: sociologia. 1963 SOCIOLOGIA IV Principais correntes sociológicas recentes. ed. preço e lucro. Barbosa 3. a teoria da ação social. São Paulo: Cultrix. ed. 1970 WEBER. 6. Ação comunicativa. Gabriel (org. Bibliografia: WEBER. Max. Karl. vocação e carisma. DF: UnB. política. WEBER.). Brasília. Regis Barbosa e Karen E. Noção de habitus e campo. 1994 (trechos selecionados) WEBER. Críticas do marxismo e do estruturalismo. (Coleção Os economistas ) SOCIOLOGIA III Sociologia compreensiva de Weber. Max. Críticas da modernidade. o rendimentos de suas fontes: a economia vulgar. São Paulo: Abril Cultural.MARX. 1982. São Paulo: Pioneira. separação entre política e ciência.

ed. Florestan (orgs. Os grandes temas do pensamento sociológico no Brasil. Antony. As conseqüências da modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Editora Brasiliense. Pierre. Pierre. ROUANET. 1). FREYRE. 1994 FREITAG.) Habermas: sociologia. Robert. 18ª. Sao Paulo: Ed. Gilberto. Rio de Janeiro: José Olympio. O colapso da modernização. Bruno. 1994 OPTATIVAS PENSAMENTO SOCIAL BRASILEIRO I Condições sociais de produção do pensamento sociológico no Brasil. ed. São Paulo: Paz e Terra.ed. Rio de Janeiro: José Olympio. 2. P.. UNESP.. Rio de Janeiro: Zahar. Casa-grande e senzala. Razões práticas: sobre a teoria da ação. O poder simbólico. 1986. Norbert. Anthony. B. SP: Papirus. Trad. 95 . S. São Paulo: Editora 34. FERNANDES. Sociologia: uma breve porém crítica introdução (Cap. 1991 GIDDENS. 1984 KURZ. 1996 ELIAS. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 1973. (vol. 15 ) GIDDENS. 5. Jamais Fomos Modernos: ensaio de antropologia simétrica. Campinas. LATOUR. Carlos Irineu da Costa. Bibliografia: BUARQUE DE HOLANDA. ed São Paulo: Ática. 2002 BOURDIEU. 1990 (Grandes cientístas sociais . A formação e a identidade nacional.BOURDIEU. 1973. 1999. Raízes do Brasil. 1) 2. O processo civilizador. Sérgio.

SP. PENSAMENTO SOCIAL BRASILEIRO II As visões sobre o Brasil. Instituições políticas brasileiras (vol. al. Roberto. IANNI. CARDOSO. Rio de Janeiro: Editora UFRJ. Enzo. BOSI. Crítica da visão dualista.. norte. Bibliografia: BASTOS. ed.scielo. Dependência e desenvolvimento na América Latina: ensaio de interpretação sociológica. 2006. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Formação econômica do Brasil. Elide Rugai et. 13ª. A dialética da colonização.). São Paulo: Editora 34. Alfa-Ômega. 1992. São Paulo. Fernando Henrique. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura S. Alfredo. sul.A. 1999. São Paulo: Cia das Letras. Formação do Brasil contemporâneo.br/scielo. A redução sociológica. 1964. Disponível em: <http://www. Oliveira. Ao vencedor as batatas. rural e urbano. Paulo. Retratos do Brasil: ensaios sobre a tristeza brasileira. 2004. 1987.1). PRADO Jr. Guerreiro. Visões dualistas: atraso e modernidade. Livraria Duas Cidades. São Paulo: PRADO. O. VIANNA. 8ª ed. 1981. SCHWARZ. Celso.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 93132005000100009&lng=pt&nrm=isso 96 . 1975.FURTADO. São Paulo: Companhia das Letras. Conversas com sociólogos brasileiros. RAMOS. FALETTO. 1996. Sociologia e sociedade no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia/ São Paulo: Editora da USP/Niterói: Editora da UFF. Caio. (orgs. 3ª ed.

Jorge Mattar. OLIVEIRA. A gestação étnica. enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil 2a ed. Revista Mana. pobreza. Bibliografia: 1981. (volume. 2005 WEFFORT. Os dois Brasis. O populismo na política brasileira. Planejamentos e planos diretores. n. CARVALHO. 2ª ed. São Paulo: Alfa e Ômega.FAORO. v. O ornitorrinco. VILLELA. 1996. Darcy. RIBEIRO. Economia brasileira: crítica da razão dualista. Jacques. Migração. 15. 4. Sonia Nahas de.1) 8ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. In: O Povo Brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. Francisco. Rio de Janeiro: Vozes. Celso (coord. 2001. LAMBERT. segmentação social e espacial. G. Coronelismo. 11. Rio de Janeiro. 1967. 1. 1977. Raymundo. SOCIOLOGIA E URBANIZAÇÃO O processo de urbanização. 1987. Petrópolis. espaço e globalização: na aurora de século XXI. São Paulo: Companhia Editora Nacional. In: OLIVEIRA. 1975. n. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro.) Brasil em Tempos Modernos. F. Economia. São Paulo em Perspectiva. Victor Nunes. In: FURTADO. Francisco. O dinheiro e suas diversas faces nas eleições municipais em Pernambuco. teorias sobre a questão urbana. As especificidades da urbanização brasileira. LEAL. v. 2000. Rio de Janeiro: Editora Globo. São Paulo. Estatuto da Cidade: aspectos políticos e técnicos do plano diretor. São Paulo: Editora Hucitec. Disponível em: 97 . BENKO. O novo mundo. 1989. São Paulo: Companhia das Letras. vulnerabilidades. A.

São Paulo: Edusp. O Estado capitalista e a questão urbana.<http://www. VILLAÇA. 1998. Ermínia.scielo. ricos: o outro lado da desigualdade brasileira. M. SOCIOLOGIA E QUESTÃO AGRÁRIA Debates teóricos sobre a questão agrária.E. n. 25. Caderno de Pesquisa do NEPP. Agronegócio.br/scielo. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1993. 2005. J. A questão urbana. Otávio G. In: VELHO. O fenômeno urbano. São Paulo: Martins Fontes. n. Bibliografia: 98 . LOJKINE. (org. B. 1983.php?script=sci_arttext&pid=S010288392001000400014&lng=pt&nrm=isso CASTELLS. M. MARICATO. São Paulo. Espaço intra-urbano no Brasil. A expansão da fronteira agrícola. São Paulo: Studio Nobel. HARVEY. Marcelo. 1967 (pp. Pluriatividade. F. Metrópole na periferia do capitalismo: ilegalidade. 1996. Campinas: Editora da Unicamp. São Paulo: Editora Hicitec. PARK. A condição pós-moderna. Técnica. J. A produção social do espaço urbano. O que faz os ricos. São Paulo: Hucitec. Loyola. O caso brasileiro. 1996. tempo: globalização e meio técnico-científico informacional. A cidade: sugestões para a investigação do comportamento humano no meio urbano. R. Rio de Janeiro: Zahar. 10. Revista Estudos Urbanos São Paulo: Hucitec. Teorias sobre feudalismo e capitalismo. desigualdade e violência. GOTTDIENER. 1989: um estudo socioeconômico da indigência e da pobreza urbanas. Ed. Manuel. SANTOS. espaço. LOPES. R.). David. 29 – 72). MEDEIROS. 1999. Brasil. 1993. Reforma agrária.

São Paulo. Kautsky. 1986. W. Revista Estudos Avançados. (org.49-79).2. 2001. Klaas. GRAZIANO DA SILVA.br/ics/dan/Serie293empdf. 1. O desenvolvimento do capitalismo na Rússia.) Chayanov y la teoría de la economía campesina. Série Antropologia. 2001. Editora Brasiliense. MARTINS. Chayanov e Sahlins. 1998. vol. In: ARICÓ. Chayanov e Stalin. 1987 (pp.unb. CHAYANOV. Verena. A questão agrária: Weber. Petrópolis: Vozes.ABRAMOVAY. 1982 (Coleção Os Economistas). J. n. A sujeição da renda da terra ao capital. Sobre la Teoría de los Sistemas Económicos no Capitalistas. Alexander V. 2ª ed. José de Souza. Brasília: UnB. LÊNIN. Abril Cultural: São Paulo.pdf CHAYANOV. O modo de produção doméstico em duas perspectivas: MOVIMENTOS SOCIAIS I Teorias sobre movimentos sociais. Disponível em http://www. Buenos Aires: Nueva Visión. Estado e movimentos sociais. São Paulo. In: Os camponeses e a política no Brasil. José. semestre de 1990. 1981. O Brasil ainda não encontrou seu eixo de desenvolvimento. n. José Eli. 45. La organización de la unidad económica campesina. I. WOORTMANN. 15. José de Souza. México: Pyp. Ed. Mercado e democracia: a relação perversa. Engels. movimento operário e os chamados novos movimentos sociais. vol. Revista Tempo Social São Paulo: USP. Bibliografia: 99 . São Paulo: Editora Hucitec. STOLCKE. Ricardo. VEIGA. 1º. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. MARTINS. Alexander V. 1974.

GRAMSCI, Antonio e BORDIGA, Amadeu. Conselhos de fábrica. São Paulo: Brasiliense, 1981. HOBSBAWN, Eric J. Os trabalhadores: estudos sobre a história do operariado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981. LASKI, Harold Joseph (org.) O manifesto comunista de Marx e Engels. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1982. LINHART, Robert. Greve na fábrica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980. MARTINS, José de Souza. As coisas no lugar. In: Introdução crítica à Sociologia Rural. São Paulo: Hucitec, 1979 MARTINS, José de Souza. Caminhando no chão da noite. In: Emancipação política e libertação nos movimentos sociais do campo. São Paulo: Hucitec 1989. MONTEIRO, Duglas Teixeira. Os errantes do novo século. Duas Cidades, São Paulo, 1974 SIGAUD, Lygia. Greve nos engenhos. Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1980 MOORE Jr, Barrington. Injustiça: as bases sociais da obediência e da revolta. São Paulo: Brasiliense, 1987. THOMPSON, Edward P. S. Costumes em comum São Paulo: Cia das Letras, 1998. THOMPSON, Edward P. S. Tradición, revuelta y consciencia de clase: estúdios de la crisis de la sociedad preindustrial. 2ª. ed. Barcelona: Editorial Crítica, 1984.

MOVIMENTOS SOCIAIS II Teorias recentes sobre movimentos sociais. Estado e sociedade civil. Movimento de trabalhadores rurais, urbanos, barrageiros, seringueiros, indígenas. Bibliografia:

100

ALMEIDA, M. W. B. de. Direitos à floresta e ambientalismo: seringueiros e suas lutas. Revista Brasileira de Ciências Sociais (vol.19, n. 55), 2004 (pp.33-52). CARDOSO, Ruth. Trajetória dos Movimentos Sociais”, In. DANIGNO, Evelina (ed.). Os anos 90: política e sociedade no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1994. CRUZ, José (coord.). Vida de negro no Maranhão: uma experiência de luta, organização e resistência nos territórios quilombolas. São Luís: Sociedade Maranhense de Direitos Humanos e Centro de Cultura Negra do Maranhão, 2005. DANIGNO, Evelina. Sociedade civil, participação e cidadania: de que estamos falando? In: MATO, Daniel (coord.), Políticas de ciudadanía y sociedad civil en tiempos de globalización. Caracas: FACES/ Universidad Central de Venezuela, 2004 (pp. 95-110) EVERS, Tilman. Identidade: a face oculta dos novos movimentos sociais. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, vol. 2, n. 4, 1984. GECD – Grupo de Estudos sobre a Construção Democrática. Os movimentos sociais e a construção democrática: sociedade civil, espaços públicos e gestão participativa (texto de autoria coletiva do Grupo de Estudos sobre a Construção Democrática). Revista Idéias, (vol. 5) São Paulo: IFCH-Unicamp, volume 5, p. 7-96, 2000. MARONI, Amnéris, A Estratégia da recusa. São Paulo: Brasiliense, 1983 OLIVEIRA, João Pacheco, A viagem de volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena Rio de Janeiro: Contra Capa, 1998 PERRUCI, Antônio Flávio. Ciladas da Diferença. Revista Tempo Social. São Paulo: USP, vol.2, n. 2, p. 7-33, 1990. SADER, Eder. Quando novos personagens entram em cena: experiências e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo. São Paulo: Paz e Terra, 1991 SCHERER-WARREN, Ilse, Redes de movimentos sociais. São Paulo: Loyola, 2005

101

STR - Sindicato de Trabalhadores Rurais / CNS - Conselho Nacional dos Seringueiros / CUT - Central Única dos Trabalhadores (1989) Chico Mendes São Bernardo do Campo, São Paulo: CUT

SOCIOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Discussão histórica sobre o conceito de desenvolvimento e progresso. Exposição das correntes teóricas no campo da sociologia do desenvolvimento. Desenvolvimento, desigualdade, globalização. Bibliografia: ALTVATER, E. O preço da riqueza. São Paulo, UNESP, 1995. BRITO, Daniel Chaves de; RIBEIRO, Tânia Guimarães. “A modernização na era das incertezas: crise e desafios da teoria social” Ambiente e Sociedade, Campinas, v. 6, n. 1, 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br /scielo.php? script=sci_arttext&pid =S1414-753X2003000200009&lng=pt&nrm=isso DUPAS, Gilberto. O mito do progresso ou progresso como ideologia. São Paulo: Editora Unesp, 2006. ESCOBAR, Arturo. Encountering development: the making and unmaking of the third world New Jersey: Princeton University Press, 1995. GIDDENS, Anthony. As conseqüências da modernidade. São Paulo: Editora da UNESP, 1991. GOUVEIA, Gilda F. P. “A idéia de progresso e a explicação nas ciências sociais” Revista Serviço Social e Sociedade São Paulo, n. 35, ano 12, p. 135-153, abril, 1991. HABERMAS, Jürgen, O discurso filosófico da modernidade São Paulo: Martins Fontes, 2004. POCHMANN, Márcio; AMORIM, Ricardo (org.) Atlas da exclusão social no Brasil. São Paulo: Cortez, 2003.
102

Estado.) Antropologia econômica São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas Ltda. Campinas:IFCH-Unicamp. mercado e desenvolvimento sustentável. Revista Idéias. et alli. São Paulo: CEBRAP. São Paulo: Instituto SocioAmbiental / Estação Liberdade. 7-44). SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE A questão ambiental e as ciências sociais. SANTOS. et al. 2002. A Primeira Sociedade da Afluência. ALMEIDA. Laymert Garcia. Leila. n. F. 2001. 2000. Desenvolvimento como liberdade. de (orgs.) Biodiversidade na Amazônia brasileira: avaliação e ações prioritárias para a conservação. Revista de Sociologia e Política. 1978. CARNEIRO DA CUNHA. São Paulo: Cia das Letras. SEN. Dilemas e propostas para a relação entre populações e conservação. 1994. Rio de Janeiro: Relume Dumará. 2001. Marshall. Curitiba: Instituto de Estudos Amazônicos e Ambientais/Fundação Konrad Adenauer. J. Crítica da separação natureza-sociedade. n. Amartya. Manuela. In: CARVALHO. Demasiadamente pós-humano. julho de 2005. 9. ano 8. J. B. pp 161-75. das Letras. (pp. Anthony. novembro de 1997. A crise do capitalismo hoje. 103 . BUTTEL. 213-215.72. CAPOBIANCO.RANIERI. Instituições sociais e mudanças ambientais. Revista Novos Estudos. (org. Edgar Assis (org. Laura Teixeira Mota. In: FERREIRA. Trad. O destino da floresta: reservas extrativistas e desenvolvimento sustentável na Amazônia. M. (org). n. Bibliografia: ANDERSON. C. SAHLINS. uso sustentável e repartição de benefícios.) Enciclopédia da floresta: o Alto Juruá – práticas e conhecimentos das populações São Paulo: Cia. São Paulo. pp.P. 2.

111-130)). Introdução à crítica da ecologia política. (Trad. Jamais fomos modernos: ensaios de antropologia simétrica. 2000. Trad. desvio. 1978 (Coleção Os Pensadores). 1992. ecología. The Tragedy of the Commons. delinqüência e criminalidade.).Dupuy. 1991. Carlos Irineu da Costa. "A Divisão do Trabalho Social” In: Émile Durkheim Trad. LEONARD. Legislação e conflito social. HANNINGAN. Lisboa: Instituto Piaget. Economia. Direito. FERREIRA. Leila da Costa. A era dos direitos. P. GIDDENS. Bruno. Idéias para uma sociologia da questão ambiental no Brasil. 1968. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. LATOUR. Garret. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Sociologia ambiental: a formação de uma perspectiva social. espanhol “La tragedia de los espacios colctivos” In: DALY. Meio ambiente e pobreza: estratégias de desenvolvimento de uma agenda comum. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. Émile. México: FDE. São Paulo: Editora Campos. 1989 (pp. SOCIOLOGIA E DIREITO As ciências sociais e o direito. São Paulo: Abril Cultural. Anthony. 2006. São Paulo: Editora 34. ética. H. HARDIN. Direito como linguagem do controle social. Mundo em descontrole Rio de Janeiro: Editora Record. Mecanismos formais e informais de controle social: Normas jurídicas e normas sociais. Herman E. 1995. DURKHEIM. J. Science. 1980. 1980. John. Jeffrey (org. São Paulo: Editora Annablume. Bibliografia: BOBBIO. Conflito. 104 . Norberto. controle social e repressão.

1997 multiculturalismo: 105 . fronteiras e transnacionalidade. cultura de massa e indústria cultural. 3a ed. identidade e etnicidade. DF: Editora da UnB. desafios políticos da cultura. São Paulo. In: TAYLOR. Michel. Max “A Economia e as Ordens Sociais” In: WEBER. pós-colonialismo. 1982. identidade e diferença. Jürgern. LASKI. Teorias da etnicidade. C. Grupos étnicos e suas fronteiras. 1998 BARTH. Multiculturalismo. FOUCAULT. Barbosa. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Identidade. Trad. Notas para uma geografia pós-nacional. Microfísica do poder. Max. In: POUTIGNAT. Teoria geral do direito e do estado. Bibliografia: APPADURAI. Harold Joseph (org. São Paulo: Martins Fontes. 1992. n. Novos Estudos Cebrap. Fredrik. 1994 CULTURA E SOCIEDADE Os conceitos de civilization e kultur. Petrópolis: Vozes. (vol.FOUCAULT. 3. 1 e 2) Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. P. 1984. autenticidade. Hans.) O manifesto comunista de Marx e Engels. 49. HABERMAS. WEBER. 1982. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Zahar. globalização. sociedades tradicionais e sistema capitalista. 1997. Michel. J. sobrevivência: sociedades multiculturais e reprodução social. A. Lisboa: Instituto Piaget. A.1996 APPIAH. KELSEN. São Paulo: Editora da Unesp. Brasília. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. STREIFFFENART.. Regis Barbosa e Karen E. Rio de Janeiro: Editora Graal. ed.

Rio de Janeiro. 32 (Cap. Jean. MONTEIRO. Luis. DUMONT. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 1997. Manuela. diferença. n. Etnicidade: da cultura residual mais irredutível. In: O local da cultura. 2003. LAVALLE. In: Nova luz sobre a antropologia. Cultura: a visão dos antropólogos. Rio de Janeiro: Editora Objetiva Ltda. 1997 KUPPER. 2000. identidade. 49. 1990. Violência. 2001 HALL. 1985. Adam. São Paulo. São Paulo:Brasiliense.49. UFMG. segregação e cidadania em São Paulo. HANNERTZ. n. n. 2001. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Bauru. São Paulo. 3/1. H. Da sociogénese dos conceitos de civilização e cultura. Choque de civilizações e a recomposição da ordem mundial. Igualdade. São Paulo: Edusp/Ed. n. Novos Estudos Cebrap. 1986. 9) CARNEIRO DA CUNHA. Minas Gerais: Ed. O espaço pós-moderno. Belo Horizonte: Editora da UFMG. Clifford.BHABHA.59. Cidadania. Teresa. 1996 106 . híbridos: palavras-chave da antropologia transnacional. In: Antropologia do Brasil. In: O processo civilizador. HUNTINGTON. Retrato de um sul-africano desconhecido. Revista Lua Nova. ELIAS. SP: Edusc. Adrian Gurza. Norbert. GEERTZ. Diferença. Rio de Janeiro: Zahar. Rio de Janeiro: Rocco. São Paulo. os tempos pós-coloniais e as provações da tradução cultural. O mundo em pedaços: cultura e política no fim do século. o corpo incircunscrito e o desrespeito aos direitos na democracia brasileira. 1996. Globalização. fronteiras. Fluxos. U. O individualismo: uma perspectiva antropológica da ideologia moderna. COMAROFF. 2003. Novos Estudos Cebrap. Mana. Paula. In: Cidade de muros: crime. Samuel. CALDEIRA. Stuart.

Marshall. 1994. F. El declive de la institución. TEORIAS DA SOCIALIZAÇÃO Dürkheim e o conceito clássico de socialização. DUBET. DUBET. Os direitos do índio no Brasil: na encruzilhada da cidadania. R. K. Educacion y pedagogía. Religião e Sociedade. 2005. 1968. 1982. 116) RIBEIRO. Ricardo. 2001. 16. Lisboa: Instituto Piaget. E. Mundialização e cultura. 1998. O poder simbólico. RAMOS. C. São Paulo: Editora Mestre Jou. Dubar e a socialização profissional. a teoria do habitus. A Sociologia Americana. Buenos Aires: Editorial Losada. Brasília: Editora da UnB. experiência social . São Paulo: Martins Fontes. 2006. teoria da ação e da socialização de Parsons. DURKHEIM. Brasília: Editora da UnB. MERTON. Merton e a socialização antecipatória. Cosmologias do Capitalismo. a teoria construtivista da socialização. Barcelona: Gedisa Editorial. A socialização. socialização e desinstitucionalização em Dubet. T. 107 . DUBAR. 1992. F. vol. Cultura e política no mundo contemporâneo. PARSONS. Alcida Rita. 1989. Bibliografia: BOURDIEU. Rio de Janeiro. Gustavo. São Paulo: Cultrix.ORTIZ. Sociologia: teoria e estrutura. Rio de Janeiro: Difel/Bertrand Brasil. (Série Antropológica n. Pierre. São Paulo: Brasiliense. 2002 SAHLINS. Sociologia da experiência.

Chicago: University of Chicago Press. BOGUE. 1952. The Chicago school of Sociology: institutionalization. 1921 108 . discussões contemporâneas da escola de Chicago. Human communities: the city and human ecology (The Collected Papers of Robert Ezra Park. Chicago: University of Chicago Press. diversity and the rise of sociological research. Introduction to the science of sociology. Chicago: University of Chicago Press. vol. 1983.SOCIOLOGIA DA ESCOLA DE CHICAGO O significado metodológico das "escolas" de sociologia. Chicago: University of Chicago Press. Robert E. HANNERZ. BURGESS Ernest. a economia política da cidade como sociologia urbana marxista e crítica. 1984.. a formação da escola sociológica de Chicago. Chicago: The University of Chicago Press. Evaluating Chicago sociology. Ulf. BURGESS. PARK. Robert E. Mário E. KURTZ. Donald (eds. 1995. concepção da ecologia humana sociológica.) Contributions to urban sociology. Martin. PARK. Free Press. II. edited by Everett C. conflito. Explorer la ville: èlements d'anthropologie urbaine. Robert E. São Paulo: Curso de Pós-Graduação em Sociologia da USP/Editora 34. Estrutura urbana e ecologia humana: a escola sociológica de Chicago (1915-1940). acomodação e assimilação como processos sociais. 1964. São Paulo. PARK. Alain. Ernest E. Paris: Minuit. Glencoe. 1984. 1925. Campinas: Papirus. EUFRÁSIO. a análise sociológica da cidade: temas e tradições. COULON. convergências interdisciplinares. et al.). The city. a teoria da estrutura urbana. Hughes et al. Bibliografia: BULMER. A escola de Chicago. Lester R. 1999.

São Paulo: Martins. Tavares dos. Donald (org. ADORNO. A sociologia para o século XXI. políticas públicas para os jovens. Nota metodológica . Sérgio. O adolescente na criminalidade urbana em São Paulo.. São Paulo. 1998 ADORNO. a heterogeneidade da condição jovem.). O fenômeno urbano. Sérgio. A. THOMAS. os tipos de homicídios de que são vítimas os jovens. Sérgio. 1950. 1970. In: SANTOS. ZNANIECKI. a transição epidemiológica dos anos de 1980 e a violência contra os jovens. GUGLIANO. V. p. New York: Prentice-Hall. 1928 [Há tradução francesa: Le Ghetto . de Mário A.PIERSON.Presses Universitaires de Grenoble. The ghetto. Bibliografia: ADORNO. VELHO. Madrid: Alianza. São Paulo: Departamento de Sociologia . WIRTH. 1967 William I. Eufrásio. Louis.FFLCH . Violência e civilização. J. 2000. 1999.19-47. as ações governamentais voltadas para os jovens: limites e possibilidades. William I.USP. (org. Florian. Tempo Social.Secretaria de Estado dos Direitos Humanos.capítulo introdutório de The polish peasant in Europe and America (1918-20) . James A.Trad.) Estudos de ecologia humana. desigualdades sociais e juventude. Otávio G. Minas Gerais: Editora Universidade Católica. 10(1). A. 1999. Richard. Rio de Janeiro: Zahar. 1980]. Conflitualidade e violência: reflexões sobre a anomia na contemporaneidade. 1973. QUINN. 109 . Grenoble. o controle social sobre a juventude como prática preventiva. Chicago: University of Chicago Press. Human Ecology. o aumento da criminalidade no Brasil e o jovem. SOCIOLOGIA DA JUVENTUDE Aspectos históricos e epistemológicos de juventude. Brasília: Ministério da Justiça . Filosofia de la ciencia social. RUDNER. 2ª ed.

D. ZALUAR. São Paulo: Global. C. Brasília: CNPD. FRAGA. 1996. a educação. Jovens acontecendo nas trilhas das políticas públicas. escola e meritocracia. Brasília: CNPD. 1998. V. UNICEF. S. vol. 110 . E. do C.BATISTA. Análise da violência contra crianças e adolescentes segundo o ciclo de vida no Brasil. J. SZWARCWALD. In: BRITO. As tradições ocultas da juventude. 1985. Rio de Janeiro: Zahar. In: BERQUÓ.S. C. Louis. Integração perversa: pobreza e tráfico de drogas. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado..P. 2003. G. P. História dos jovens. Lisboa: Editorial Presença/São Paulo: Martins Fontes.. (org) Jovens acontecendo nas trilhas das políticas públicas. 1968. sujeito e experiência. (org. M. 1998. 1998. J. 2005. MELLO JORGE. de.. EDUCAÇÃO E SOCIEDADE Teoria Sociólogica e Educação a partir dos clássicos da sociologia. Bibliografia: ALTHUSSER. LEAL M. H. L. São Paulo: Companhia das Letras. a educação e os processos sociais. III. Jovens em tempo real. Sobrevivência ameaçada dos jovens brasileiros: a dimensão da mortalidade por armas de fogo. LEVI. I e II. escola e reprodução social. MATZA. Difíceis ganhos fáceis: drogas e juventude pobre no Rio de Janeiro. Como morrem nossos jovens? In: BERQUÓ.) Sociologia da juventude Vol. IULIANELI. E. Intelectuais e poder político. a escola como aparelho ideológico.C. M.A. Rio de Janeiro: FGV Editora. SCHIMIDT. 2004. (org). Rio de Janeiro: DP&A. Rio de Janeiro: Freitas Bastos. A.

BOURDIEU, P.; PASSERON J. C.. Reproduction in education, society and culture. London: SAGE Publications, 1977. CARNOY, M. Educação, economia e Estado. São Paulo: Cortez e Editores Associados, 1990. DUBAR, C. Socialização. São Paulo: Martins Fontes, 2005. DUBET, F. A Propósito da Violência e dos Jovens. Revista Especiaria, Ilhéus, BA, n. 8, vol.15. 2006. DUBET, F. Sociologia da experiência. Lisboa: Instituto Piaget, 2000. DüRKHEIM, Émile. Educação e Sociedade. São Paulo: Melhoramentos, 1978. FERNANDES, Florestan. Educação e sociedade no Brasil. São Paulo: Editora da USP, 1978. FOUCAULT. M. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Ed. PUC Rio, 1999. GOHN, Maria da Glória. Movimentos Sociais e Educação. São Paulo: Cortez, 1999. GRAMSCI. Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987. LÖWY, Michel. Ideologias e ciência social: elementos para uma análise marxista. São Paulo: Cortez, 1985. MARX, Karl; ENGELS, F. Textos sobre educação e ensino. São Paulo: Moraes, 1983. WEBER, M. Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

SOCIOLOGIA DA RELIGIÃO Weber e a compreensão das religiões: a ética protestante e a formação das religiões; a religião como aparelho ideológico; a religião como elemento moral das relações
111

sociais; igreja, os intelectuais e o bloco histórico; o da secularização; as religiões e o mundo contemporâneo; a teologia da libertação; o fenômeno pentecostal; messianismo. Bibliografia: ALMEIDA, R.; MONTEIRO P. Trânsito religioso no Brasil. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, 15(3), 2001. BERGER, Peter. O dossel sagrado. São Paulo: Paulinas, 1985. BERGER, Peter. Rumor de anjos. Petrópolis: Vozes, 1997. BIÉLER, André. A força oculta dos protestantes. São Paulo:Cultura Cristã, 1999. CASSIRER, Ernst. A filosofia do Iluminismo. Campinas:Editora da Unicamp, 1997. CIPRIANI, Roberto. O enfoque funcionalista: sociologia da religião. São Paulo: Paulinas, 1990 DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Paulinas, 1985. MARX, Karl. A Ideologia Alemã. São Paulo: Ed. Moraes, 1985. MARX, Karl; ENGELS, F. Obras escolhidas. vol. I, São Paulo: Alfa ômega, 1983. MONTERO, P. e ALMEIDA, R. O campo religioso brasileiro no limiar do século:problemas e perspectives. In: RATTNER, H. (org.). Brasil no limiar do século XXI. São Paulo, Edusp, 2000 MONTERO, Paula. Magia, racionalidade e sujeitos políticos. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, ano 9, n.26, out. 1994. ORTIZ, Renato. Anotações sobre religião e globalização, Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, 16, n. 47, 2001. PIERUCCI, Antônio Flávio F.; PRANDI, R. A realidade social das religiões no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1996.
112

PIERUCCI, Antônio Flávio. Secularização em Max Weber: da contemporânea serventia de voltarmos a acessar aquele velho sentido. Revista Brasileira de Ciências Sociais. vol. 13, no. 37, 1998 PORTELI, H. Gramsci e a questão religiosa. São Paulo: Paulinas, 1984. PRANDI, R. Religião paga, conversão e serviço. Novos Estudos. São Paulo:Cebrap, n.45, jun. 1996. SANCHIS, P. O campo religioso será ainda hoje o campo das religiões? In: HOORNAERT, E. (org.). História da igreja na América Latina e no Caribe (19451995). Petrópolis: Vozes/Cehila, 1995. WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 6. ed. São Paulo: Pioneira, 1989. WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Trad. Regis Barbosa e Karen E. Barbosa 3ª ed. Brasília, DF: UnB, 1994 (trechos selecionados)

SOCIOLOGIA E IMIGRAÇÃO Discussão teórica sobre processos migratórios. Socialização. O processo de construção social e cultural da região sul da Bahia. Os grupos étnicos formadores. Os processos de acomodação e assimilação. Bibliografia: ADONIAS FILHO. Sul da Bahia: chão de cacau. São Paulo: Civilização Brasileira, 1976. BURKE, Peter. O que é história cultural? Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. CARDOSO de OLIVEIRA, Roberto. Caminhos da identidade: ensaios sobre etnicidade e multiculturalismo. São Paulo: Editora Unesp; Brasília: Paralelo 15, 2006.

113

1996. Maria Hilda Baqueiro. São Paulo: Fundação Editora da UNESP. PARAÍSO. Fazer a América. Sírios e libaneses – mobilidade social e espacial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. IANNI. Philippe. KNOWTON. Brasil – Líbano: amizade que desafia a distância. Tradução Yolanda Leite.FAUSTO. Roberto. Os sírios e libaneses no Brasil. TRUZZI. Clark S. KURBAN. Oswaldo Mário Serra. A Imigração em massa para a América Latina. 2 ed. São Paulo: Hucitec. GUERREIRO DE FREITAS. 1997. POUTIGNAT. Teorias da Etnicidade. III e IV) Estes cursos terão seus programas definidos em função das propostas apresentadas por professores da área de sociologia. TÓPICOS ESPECIAIS EM SOCIOLOGIA (I. Antônio. 2001. Taufik. Bauru. Boris. ou da sua atualidade no debate acadêmico. em função de seus temas de pesquisa. da Universidade de São Paulo. Ilhéus: Editus. KHATLAB. da relevância no seu campo de conhecimento. II. os frutos do ouro e a princesa do sul – Ilhéus 1534 – 1940. São Paulo: Sociedade Impressora Paulista. Anhembi. A Era do Globalismo. Patrícios – Sírios e libaneses em São Paulo. 2000. Caminhos ao encontro do mundo: capitania. 1933. 1960. São Paulo: EDUSC. 114 . 1998. São Paulo: Ed. Octávio. São Paulo: Ed. 1999.

A condição humana. Rio de Janeiro: Forense. A. A política. MAQUIAVEL. Origens: a política na antiguidade clássica: Platão. Fundamentos normativos do Estado: Montesquieu. Rousseau. WEBER. Arendt. A política como ação humana: Arendt. MADISON. (Coleção Os Pensadores).. 1999. HANNAH.DISCIPLINAS DE CIÊNCIA POLÍTICA Obrigatórias: CIÊNCIA POLÍTICA I Introdução à política como prática e como ciência: Weber. São Paulo: Cultrix. UnB. Ciência e política: duas vocações. JAY. O príncipe. FOUCAULT.. 1988. A República.São Paulo: Martins Fontes. J. 1997. 1989. 1970 CIÊNCIA POLÍTICA II Legitimidade e soberania segundo as teorias contratualistas: Hobbes Locke. O Federalista. Arendt. 115 . 2006. Foucault. 1973. Max. PLATÃO. O Federalista. Rio de janeiro: Bertrand Brasil. Microfísica do poder. 1982. São Paulo: Abril Cultural. Rio de Janeiro: Editora Graal. Ed. Michel. Brasília. Bibliografia: ARISTÓTELES. J. Bibliografia: HAMILTON. Aristóteles. HANNAH. Nicolau. O que é política? Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. Poder político e dominação: Maquiavel.

O Estado e a revolução. 116 . Martin. 1973 (Coleção Os Pensadores). teorias do socialismo e da revolução. 2005. SãoPaulo: Ed. Maquiavel. 1942. 1982. São Paulo: Abril Cultural. 1990.HOBBES. Do contrato social. Rio de Janeiro: Zahar. O 18 brumário de Luís Bonaparte. Manifesto do Partido Comunista. 1982. Rio de Janeiro. São Paulo. Antonio. K e ENGELS. Sobre a liberdade. São Paulo: Abril Cultural. Jean-Jacques. forma e poder de um estado eclesiástico e civil. 1979. MONTESQUIEU. Leviatã ou matéria. Abril Cultural. Reforma e social-democracia. LASKI. Harold Joseph (org. LOCKE. MARX. GRAMSCI. MILL. O manifesto comunista de Marx e Engels. Thomas. Marx. a política e o Estado moderno. F. ROUSSEAU. Liberalismo: Stuart Mill e Tocqueville. LENIN. I. CIÊNCIA POLÍTICA III O estado na sociedade de classes. Abril Cultural. Bibliografia: CARNOY. John. Campinas: Papirus. Gramsci. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.). Segundo tratado sobre o governo. V. John Stuart. 1978. Estado e teoria política. Zahar. (Coleção Os Pensadores). São Paulo: Nacional. Sundermann. 1974 (Coleção Os Pensadores). 1979. ed. São Paulo. Karl. Lenin. São Paulo: Abril Cultural. 1991. 3. MARX. (Coleção Os Pensadores). (Coleção Os pensadores). Do espírito das leis.

das Letras. 1997.. O liberalismo político. HABERMAS. Rio de Janeiro: RelumeDumará. 1999. R. Ática. Jürgen. São Paulo: Ed. 1998. Ronald. 1987. DOWNS. Uma teoria da Justiça. 1997. Rio de Janeiro. RAWLS. São Paulo: Ed. São Paulo. São Paulo: Cia. Direito e Democracia: entre facticidade e validade (2 vols. H. Petrópolis. EDUSP. São Paulo: Edusp. Anthony. 1994. Ática. RAWLS. Itatiaia.PRZEWORSKI. 19898. Adam. ELSTER. 1989. 1997. Capitalismo e social democracia. OLSON Jr. Poliarquia. A. TOCQUEVILLE. 1999. Vozes. Teorias de Política Comparativa. 117 .). CIÊNCIA POLÍTICA IV Teorias políticas contemporâneas. A lógica da ação coletiva. Belo Horizonte. M. São Paulo: Ed. Uma teoria econômica da democracia. A democracia na América. J. Peças e engrenagens das ciências sociais. São Paulo: Edusp. DAHL. J. Bibliografia: CHILCOTE. Tempo Brasileiro. EDUSP. Jon.

n. Brasília: Ed. Sistema político brasileiro: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes. 1967 MITCHELS.. Rio de Janeiro: FGV. Jairo Marconi. Modelos de partido. Os partidos políticos. Unesp. Robert. federalismo e burocracia... 2004. G. A. administração pública. 2005. Brasília: Ed. Rio de Janeiro vol. 31.OPTATIVAS: PARTIDOS POLÍTICOS E SISTEMAS PARTIDÁRIOS Relação dos partidos e sistemas partidários com a democracia. Executivo e legislativo na nova ordem constitucional. SISTEMA POLÍTICO BRASILEIRO Sistema eleitoral. São Paulo: Ed. SARTORI. NICOLAU. 118 . F. Partidos e sistemas partidários. LIMONGI. sistema partidário e representatividade. PANEBIANCO. 1982. FIGUEIREDO. Rio de Janeiro : Zahar Editores. 1988. Konrad-Adenauer. organização e funcionamento interno dos partidos. (orgs. AVELAR. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. LIPSET. Sistemas eleitorais. O. Presidencialismo de coalizão: o dilema institucional brasileiro. Seymour Martin O homem político. 1999. Sociologia dos partidos políticos. C. 2004. 1980. relações entre os poderes. da UnB. 1. da UnB. competição interpartidária. A. Dados.). UnB. Bibliografia: ABRANCHES. Ângelo. Curitiba: Fundação. Brasília: Ed. processo decisório e governabilidade. Bibliografia: DUVERGER. CINTRA. L. Sérgio. 1982. Maurice. formação e transformações dos partidos e sistemas partidários.

NICOLAU. BELO Horizonte: Editora UFMG. Radiografia do quadro partidário brasileiro. LIPSET. Bibliografia: AMORIM. 1993. (org. BARRINGTON MOORE. Martins Fontes. 1981. 1978. NICOLAU. conflitos sociais e processamento político de demandas.) Sociologia política II. NICOLAU. Jairo Marconi. São Paulo: Brasiliense. 2007. Tom. 1972. Manoel Alcántara (orgs. Zahar Editores. Jr. Seymour. Jairo Marconi. Rio de Janeiro: Foglio Editora. Instituições Representativas no Brasil: Balanço e Reformas. As origens sociais da ditadura e da democracia. 1983.KIZO. 119 . Sociologia politica. Multipartidarismo e democracia. 1996. sindicatos. M. Política e ciências sociais. BOTTOMORE. A democracia brasileira: balanço e perspectivas para o século XXI. Injustiça: as bases sociais da obediência e da revolta. Lisboa. Jr. Sistema eleitoral e reforma política. 1983. M. 2007. BARRINGTON MOORE. Rio de Janeiro. RANULFO MELO. Carlos e SÁEZ. Jairo POWER.). 1970. corporativismo e grupos de pressão. Rio de Janeiro: Zahar. Curitiba: Fundação Konrad-Adenauer. movimentos sociais e participação política. D. SOCIOLOGIA POLÍTICA Pluralismo. S. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. Timothy J. (orgs). Rio de Janeiro: Zahar. Belo Horizonte: Editora UFMG.

2001. MIGUEL. Bibliografia: BOURDIEU. Bancadas Partidárias na Câmara dos Deputados. pesquisas e campanhas eleitorais. 2006.). Sociologia política. RODRIGUES. L. Um Estudo das. 2004. Política e mídia no Brasil. São Paulo. Roge-Gérard. 2002. Rio de Janeiro: Zahar. Bibliografia: 120 . Ideologia e Composição Social. Giovanni. Edusc. clivagens sociais. RUBIM. Bauru. São Paulo: Difel. F. Comunicação e política – conceitos e abordagens. política econômica e relações entre estado e mercado. 1979. Sociologia política. Partidos. Publifolha. Rio de Janeiro: Zahar. A.RODRIGUES. C. Homo videns: televisão e pós-pensamento. 1999. SARTORI. Leôncio Martins. Brasília: Plano. Mudanças na classe política brasileira. 1966. SOUZA. ideologia e temas da agenda pública. ciclos políticos e resultados macroeconômicos. informação. Leôncio Martins. ECONOMIA POLÍTICA Relações entre a esfera política e as relações econômicas no capitalismo. São Paulo. Salvador: Edufba. COMUNICAÇÃO E POLÍTICA Meios de comunicação de massa e opinião pública. Edusp:2002 SCHWARTZENBERG. P. desenvolvimento e democracia. Amaury (org. A. identificação e responsabilização política. Sobre a televisão.

LIPSET. 1997. Ática. A grande transformação: as origens da nossa época. representação. Seymour Martin O homem político. A terceira onda: a democratização no final do século XX. republicano e liberal. UFMG. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Rio de Janeiro : Zahar Editores. COLEMAN (eds). Giovani. Norberto. Rio de Janeiro. Poliarquia. 1994. 1969 BORSANI. HUNTINGTON. A Política das áreas em desenvolvimento. David. O Futuro da Democracia. participação e competição. Teoria democrática. Modelos de Democracia. São Paulo: Ática. 1980. Ed. 2003. 121 . LIJPHART. modelos presidencial e parlamentar. Belo Horizonte. Samuel P. modelos clássico. 2v. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Campus. TEORIAS DA DEMOCRACIA Diferentes perspectivas e definições do conceito. São Paulo: Ed. Bibliografia: DAHL. 1965. Hugo. 2003. modelos majoritário e consensual. Eleições e economia: instituições políticas e resultados macroeconômicos na América Latina. Paidéia. BOBBIO. Belo Horizonte: Ed. Gabriel. Robert. 1985. A teoria da democracia revisitada. 1986. Giovani. Paz e Terra. Arend.ALMOND. SARTORI. Karl. Livraria. Freitas Bastos: Rio de Janeiro. Modelos de democracia. 1994. Fundo de Cultura. São Paulo: EDUSP. SARTORI. Rio de Janeiro: IUPERJ. 1967 POLANYI. HELD.

São Paulo: Cortez. Clauss. Luciana (org.SCHUMPETER. Edição Especial. crise do Estado e neo-liberalismo. H. H. 1999. São Paulo: Cortez. SANTOS. POLÍTICA SOCIAL E CIDADANIA Direitos e cidadania. Wanderley G. WITTMAN. Política social. 1984. T. Rio de Janeiro: Zahar. Brasília.) Questão Social e Políticas Sociais no Brasil Contemporâneo. T. São Paulo: Bertrand Editores. MARSHALL. 122 . 2006. Rio de Janeiro: Zahar. 2005. 1996. Elaine Rossetti. A política social do Estado capitalista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Rio de Janeiro: Campus. OFFE. socialismo e democracia. Bibliografia: BEHRING. Boletim de Políticas Sociais Acompanhamento e Análise. classe social e status. 1984. BOSCHETTI. Construção nacional e cidadania. São Paulo: EDUSP. social-democracia e modelo keynesiano. 1979. JACCOUD. 2007. Capitalismo. MARSHALL. Joseph Alois. BENDIX. IPEA. D. Cidadania e justiça. 1987. Vicente de Paula. 1967. Reinhard. O mito do fracasso da democracia. Cidadania. Problemas estruturais do Estado capitalista. IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. emergência do Estado de bem estar social. FALEIROS. nº 13. 1967. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. Ivanete Política social: fundamentos e história.

José C.POLÍTICAS PÚBLICAS Instituições. Eli (org). Celina. política externa. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Elizabeth. Carlos Aurélio Pimenta. n. 51. Brasília: IPEA. Brasília: FUNDAP. Sociologias.). RICO. FAPESP. Bibliografia: 123 . 2003. vol. 1999. Marta. Guilherme. 16. ARRETCHE. Políticas públicas para áreas urbanas: dilemas e alternativas. FARIA. implementação e avaliação de políticas públicas. 2006. transições para a democracia. Vicente (orgs.. RODRIGUEZ. DINIZ. formulação. SOUZA.) Bibliografia: ARRETCHE. 1982. A universalização de direitos sociais no Brasil: a previdência rural nos anos 90. etc. Avaliação de políticas sociais. Revista Brasileira de Ciências Sociais. introdução às políticas específicas (políticas sociais. institucionalização e estabilidade de regimes democráticos. 18. REGIMES POLÍTICOS E TRANSIÇÕES Autoritarismo e totalitarismo. Revista Brasileira de Ciências Sociais. política econômica. Marta. 2003. Idéias. regulação estatal das relações sociais e de mercado. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. São Paulo. 18. IPEA. Conhecimento e Políticas Públicas. vol.) Descentralização das politicas sociais no Brasil. 1999. Dossiê Agenda de Pesquisa em Políticas Públicas. DELGADO. consolidação. n. São Paulo: Cortez. 2003. atores e contextos no processo decisório. n. (org. 51. CARDOSO Jr.

atores da política internacional.. São Paulo: Martins Fontes. Willians. Barrington. Como renascem as democracias. Relações internacionais. J. Adam. STEPAN. Laurence. A análise das relações internacionais. 2004. 1983. SCHIMITTER. ROCHA. CHONCHOL. Juan. Transições do regime autoritário.. Paz e guerra entre as nações. Rio de Janeiro: Relume-Dumará. Brasília: IBRI. Isidoro. 1994. DEUTSCH. 1979. Petrópolis: Vozes. O'DONNEL. atores e visões. Philippe C. (eds. Brasília: Ed. WHITEHEAD. RELAÇÕES INTERNACIONAIS Constituição do sistema internacional. B. A. 2004.) Crise e transformação dos regimes autoritários. Brasília: Ed. Cristina S. contexto histórico da constituição das relações internacionais como disciplina autônoma. LAMOUNIER. questões da agenda internacional.. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. PRZEWORSKI. Karl W. ROUQUIÉ. SCHVARZER. UnB. Guillermo A. GONÇALVES. PECEQUILO. Relações internacionais: teorias e agendas. São Paulo: Ícone Editora. Bibliografia: ARON. Introdução às relações internacionais: temas. R. 1986. introdução às teorias do liberalismo e do realismo. São Paulo: Vértice. 1999. Transição e consolidação da democracia.. Democracia e mercado: reformas políticas e econômicas no Leste europeu e na amèrica Latina. 124 . As origens sociais da ditadura e da democracia. Alfred. J. LINZ. 1979. MOORE Jr. 1988.CHERESKY. Jacques (orgs. Raymond. 2002.). Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1985. São Paulo: Brasiliense.. UnB. A.

Bernardo.PENSAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO Liberalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Pensar a República. Editora Ática. 1994 FAORO. M. 2004. São Paulo: Ática. Desenvolvimentismo e democratização. Bauru: Edusc. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. Sergio. 2000. Companhia das Letras. O Modelo Político Brasileiro. republicanismo Trabalhismo e abolicionismo. Sete lições sobre as interpretações do Brasil. Autoritarismo e conservadorismo. IANNI. RICUPERO. CARDOSO. 2000. Existe um pensamento político brasileiro? São Paulo. Marilena. Raymundo. Bertrand Brasil. UFMG. CARDOSO. Octávio. 1971. Belo Horizonte: Ed. 2001. e Positivismo. Patrimonialismo. Pensamento social no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Globo. MICELI. populismo e clientelismo. Socialismo. 8ª ed. CHAUÍ. 2000. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. Intelectuais à brasileira. Bibliografia: BIGNOTTO. Raymundo. Fernando Henrique. 2007. São Paulo. Alameda. Newton (org.. Daniel. corporativismo. Rio e Janeiro: Jorge Zahar. 1990. J. PÉCAUT. São Paulo. 1989. Política e desenvolvimento em sociedades dependentes. Rio de Janeiro. FAORO. Os intelectuais e a política no Brasil: entre o povo e a nação. Fernando Henrique.). CARVALHO. São Paulo: Fundação Perseu Abramo. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Integralismo. 125 . 1993.

Introdução à pesquisa. São Paulo: Editora Ática. 2002. elaboração. O ensino da sociologia. 2006 WEFFORT. Francisco. Oliveira. ou da sua atualidade no debate acadêmico. 1987. Roteiro bibliográfico do pensamento políticosocial brasileiro. 1982.SANTOS. aprendizagem. SCHWARTZMAN. professor. Pensar e revisitar os conceitos de educação. Francisco. Bases do autoritarismo brasileiro. Belo Horizonte: Itatiaia/ São Paulo: Editora da USP/Niterói: Editora da UFF. WEFFORT. 1978. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS ESTÁGIO SUPERVISIONADO I Formação docente e estágio supervisionado. II. prática. Instituições políticas brasileiras. TÓPICOS ESPECIAIS DE CIÊNCIA POLÍTICA (I. planejamento e avaliação para realização de aula e curso. Simon. da relevância no seu campo de conhecimento. 126 . Exercício docente da aula. aula. envolvidos no exercício docente. UFMG. Rio de Janeiro: Campus. Formação do Pensamento Político Brasileiro: idéias e personagens. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Wanderley Guilherme. Belo Horizonte: Ed. Orientação e supervisão de exercício docente. O populismo na política brasileira. VIANNA. ensino. III e IV) Estes cursos terão seus programas definidos em função das propostas apresentadas por professores da área de ciência política em função de seus temas de pesquisa.

através da experiência docente. com abordagem teóricoprática. DEMO. Antonio Bosco (org. políticas educacionais e gestão compartilhada. 9. Campinas: Papirus. Financiamento da educação. com a finalidade de inserção do graduando em espaços educacionais alternativos e institucionais de ensino não regular. LIMA. 127 . 2002. A nova LDB: ranços e avanços. 1997. 2004.).ESTÁGIO SUPERVISIONADO II Intervenção em instituições públicas de educação básica. POLÍTICAS PÚBLICAS E LEGISLAÇÃO DA EDUCAÇÃO Aspectos históricos da legislação da educação brasileira. Aspectos legais e reais da formação e atuação dos profissionais da área educacional. ESTÁGIO SUPERVISIONADO III Vivências de diversas possibilidades de exercício docente em múltiplos espaços educacionais. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Carlos Roberto Jamil. democracia e cidadania. 2002. através da participação efetiva do graduando em todos os aspectos do processo de ensino e aprendizagem. 14a ed. Ministério da Educação. Rio de Janeiro: DP&A. Pedro. Direito.393/96). São Paulo: Xamã. Legislação educacional brasileira. Bibliografia: BRASIL. Organização do ensino no Brasil. Brasília. ESTÁGIO SUPERVISIONADO IV Componente curricular. A política de formação do profissional da educação. CURY. (Lei n. A atual legislação da educação básica e do ensino superior. O papel do Estado no desenvolvimento educacional. que objetiva a inserção do graduando na realidade educacional da Escola Pública do ensino médio. Estado.

1998. São Paulo: Imago. L. São Paulo: Nobel. H. São Paulo: Pioneira. 2001. Contribuições para o ensino e a pesquisa em Psicologia e Educação. Afrânio Mendes. São Paulo: Cortez. OLIVEIRA. A nova lei da educação. OLIVEIRA. São Paulo: Cortez.) As políticas educacionais no contexto da globalização. Lúcia Maria Wanderley. Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. Cognição e aprendizagem humana. SAVIANI. E. MECACCI. 1981. Política e educação no Brasil. S. SAVIANI. 1988. Maria Neusa de (org. PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO A relação entre os fundamentos da Psicologia e da educação. Introdução à psicologia. Paulo Nathanael Pereira de. 1987. H. 1968. Romualdo Portela. 1998. Paulo Nathanael Pereira de. 1997. Educação na Constituição e outros estudos. São Paulo: Pioneira. Política educacional nos anos 90: determinantes e propostas. Da nova LDB ao novo plano nacional de educação: por uma outra política educacional. SOUZA. Conhecendo o cérebro. 1999.Gulbenk. KENDLER. LDB e educação superior: estrutura e funcionamento. Constituições estaduais brasileiras e educação. Recife: Editora da UFPE. MAYER. 1993. SAVIANI. Lisboa: Fundação C. CATANI. Campinas: Editora Autores Associados. R. Campinas: Editora Autores Associados. Dermeval.NEVES. Dermeval. 1997. 1986 SOUZA. Bibliografia: FREUD. Ilhéus: Editus. 128 . São Paulo: Cultrix. Dermeval.

1985. J. W. FIORI. SOUZA. NEWCOMBE.. ROGERS. 1970. 1981. C. Desenvolvimento infantil: uma abordagem de Mussen. Pensamento e linguagem. C. A formação social da mente. K. SIMÕES. 3 ed. REGO. P..MEDNICK. DAVIS. Petrópolis: Vozes. 129 . 1994. J. Infância e linguagem: Bakhtin. B. A representação do mundo na criança. C. VIGOTSKY. R. Belo Horizonte: Interlivros. 1991.R. T. PIAGET. S. 1978. Porto Alegre: Artes Médicas. 1995. Vygotsky e Benjamin. 1992. Rio de Janeiro: Record. 1999. São Paulo: EPU. 1964 MUSSEM. E. São Paulo: EPU. Lisboa: Antídoto. 1996. S. PIAGET. C. L. Psicologia da percepção. Campinas: Papirus. 1979. S. 2ª. PIAGET. São Paulo: Martins Fontes. A construção do real na criança. 1967. Vigotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Adolescência hoje. Liberdade para aprender. F. N. ed. Teorias do desenvolvimento: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Ciência e comportamento humano. SKINNER. C. 1996. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. OSÓRIO. J.. L. J. VIGOTSKY. 1977. TIEDEMANN. O nascimento da inteligência na criança. São Paulo: Ática. A aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas. RAPPAPORT. O desenvolvimento psicológico da criança. S. Brasília: Editora da UnB.

(org).P. 1989. FORACCHI. Florestan. As bases sociológicas da educação.88-90). Marialice M. 1987. São Paulo: Dominus. BOURDIEU. GOMES. Karl. DURKHEIM. 1982. São Paulo: EPU. Educação e sociologia. São Paulo: Melhoramentos. MANNHEIM.SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO Aspectos introdutórios da sociologia relacionados à Educação. In: PEREIRA.J. São Paulo: Livros Técnicos. 1979. Análise sociológica da Escola. Porto Alegre: Artes Médicas. A educação como processo social. São Paulo: Loyola. Porto Alegre: Artes Médicas. M. FREIRE. A educação como técnica social. Louis. Ideologia de Paulo Freire. Educação e desenvolvimento. A educação como prática da liberdade. Educação e sociedade no Brasil. 1989. São Paulo. MOCHCOVITCH. FERNANDES. O papel da educação na estrutura social.G. Bibliografia: ALTHUSSER. Educação e poder. M. 1973. L. Candido. Educação e sociedade: leituras de sociologia da educação. Sociologia e Sociedade. 1966. Lisboa: Editorial Presença/São Paulo: Martins Fontes. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. Ática. Émile. P. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Educação libertária. A educação em perspectiva sociológica. GRAMSCI. F. MORIYON. JORGE. 1964 (p. 1985. 130 . FORACCHI. 1985. APPLE. Os intelectuais e a organização da cultura. Gramsci e a escola. S. 1990. Rio de Janeiro: Paz e Terra. São Paulo: Editora Nacional. Antonio. A reprodução. São Paulo: Perspectiva. M.G. J. 1983. P e PASSERON. 1993. Luís.

1963 TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS História das tecnologias na educação. Modernização reflexiva: trabalho e estética na ordem social moderna. GIDDENS.BECK. Anthony. Pierre. SARUP. DAVID C. KENWAY. 1989. Processo de informatização da sociedade. Tendências atuais das tecnologias educacionais: possibilidades e limites do uso dessas Tecnologias na educação. Peter. KOULOUMDJIAN. Scott. WEBER. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Ringstaff. M. 3 vol. 1998. São Paulo: Unesp. HILST. Sociologia da educação. Sociologia da educação. A tecnologia necessária. 1983. Educando cibercidadãos que sejam ligados e críticos. M. Cibercultura São Paulo: Editora 34.J. P. Piracicaba: Editora UNIMEP. Rio de Janeiro: LTC. 1999. Marxismo e educação. I. Jane. 1980 TEDESCO.1997 LÉVY.MORRISH. C. CASTELLS. Burocracia. In: SILVA. 1999. LASH. São Paulo: Cortez. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. CATHY. 1989. 1994 JUDITH. COBURN. 2002. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Rio de Janeiro: Visão Educacional. A sociedade em rede. Dwyer. Bibliografia: BABIN. Max. São Paulo: Paulinas. Haymore Sandholtz. Novos paradigmas sociais. Programas educacionais como recursos didáticos. Vera Lúcia S. Os novos modos de compreender: a geração do audiovisual e do computador. Informática na educação. Ulrich. 131 . Marie-France. In: Ensaios de sociologia. Ensinando com tecnologia: criando salas de aula centradas nos alunos.

Rio Grande do Sul: SINEPE. Educação em Revista. n.eca. 28. OLIVEIRA. Marilda Aparecida. TAJRA. Campinas: Papirus. 1994. José Manoel. Agosto 1997. Campinas: NIED/Unicamp. Ciência com consciência. Sanmya Feitosa. Alfabetização tecnológica do professor.) Formação de educadores para o uso da informática na escola. 8-11. 1996. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil.br/projects/sapiens/workshop/pino/pinoWorks POSTMAN. Informática na educação: novas fronteiras pedagógicas. Comunicação e difusão. São Paulo: Nobel. Mudar a forma de ensinar e de aprender com tecnologias: transformar as aulas em pesquisa e comunicação presencial-virtual. 2000/2001.unicamp. p. J. Lígia Silvia Leite.dca. A. 2002 THORNBURG. Marisa N.. PINO. Angel. SANCHO.M. MORAN. 1998. 2000. N. 3 ed. São Paulo: Editora Érica. Rio de Janeiro: Papirus. 2004. VALENTE.o professor na era digital. Petrópolis: Vozes. José Manuel. MASETTO. Técnica e semiótica na era da informática. José A. Tecnologias de liberação e habilidades de pensamento para o século XXI. 1999.br. Sanmya Feitosa. Internet na educação . Marcos T. 4ª ed. Informática educativa. Tecnopólio. TARJA. Ramon de. Edgard. Disponível em: http://www. Disponível em: <http://www. Las Tecnologias de la informacion y la comunicacion en la pratica educativa. 132 .LOPES.fee. MORAN. MORIN. BEHRENS. 2001. David. Porto: Porto Editora. (org. São Paulo: Érica.usp. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 1996. Educação em Revista. SAMPAIO..

1979. 1991 GHIRALDELLI Jr. J. Educação escolar: finalidades e objetivos. 1978. M. Educação e autoritarismo no Estado Novo. V. edição. CURY. Campinas: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Educação escolar: determinantes e componentes econômicos. CUNHA. CUNHA. 1999. São Paulo: Cortez. filosóficos. F. Campinas: Mercado de Letras. 1990. São Paulo: Saraiva/Edusp. 3ª. 1985. Concepções pedagógicas dominantes e críticas na sociedade moderna contemporânea: raízes históricas e sociais. Pensando a educação nos tempos modernos. DEL PRIORE. GRANDE. (org. C.). São Paulo: Cortez. políticos e ideológicos. As reformas pombalinas da instrução pública. S. São Paulo: Saraiva. São Paulo: Cortez.VALENTE. 133 . Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. M. 1989. sociais. 1978. São Paulo: UNESP.) História da criança no Brasil. 2 ed. J. A. M. CARVALHO. 1998. R. A. Ideologia e educação brasileira: católicos e liberais. L.(Org. Bibliografia: CAMBI. COMÉNIO. R. São Paulo: EDUSP. L. José A. História da pedagogia. 1995. C. históricos. O computador na sociedade do conhecimento. M. A educação dos educadores: da Escola Nova à escola de hoje. HILSDORF. São Paulo: Contexto. Didáctica magna: tratado da arte universal de ensinar tudo a todos. P. L. R. História da educação.

História da educação brasileira. 1974. 1974. A. Educação e sociedade na primeira república. I. 1981. M. 500 anos de educação no Brasil. 1988. (org). Belo Horizonte: Autêntica. T. Porto Alegre: ARTMED. M. E. 17ª ed. São Paulo: Cortez. O processo ensino-aprendizagem e práticas de ensino em diferentes tendências pedagógicas. MARROU. 1994. PETITAT. M.LOPES. Ética e formação profissional. VEIGA. L. A. B. J. C. 10ª ed. Planejamento e avaliação do ensino.. Campinas: Autores Associados. H. 2002. 1999. 2001. São Paulo: Loyola. Educação e luta de classes. História da educação: da antiguidade aos nossos dias. (org. São Paulo: EPU. N. Política e educação no Brasil. São Paulo: Nacional. A. História da educação brasileira: a organização escolar. MONARCHA. G. 1984. NAGLE. G. As abordagens de ensino: aspectos e fundamentos metodológicos. L. FARIA FILHO. PONCE. produção da sociedade: análise sócio-histórica de alguns momentos decisivos da evolução escolar no ocidente. 11. M.). tecnicismo e educação compensatória.. RIBEIRO. (orgs). São Paulo: EPU. MANACORDA. Produção da escola. SAVIANI. Bibliografia: 134 . São Paulo: Cortez/Autores Associados. Ijuí: UNIJUÍ. Introdução ao estudo da Escola Nova: bases. MELLO. História da educação na antiguidade. M. sistemas e diretrizes da pedagogia contemporânea. DIDÁTICA APLICADA AO ENSINO DE SOCIOLOGIA A história da didática. edição. 1990. Escola nova. Dermeval. São Paulo: Cortez. LOURENÇO FILHO. C. 2000.

P. 2. 2002. 2ª ed. M. São Paulo: Paz e Terra. Deleuze & a educação. V. CORTELLA. 5ª a 8ª séries. 2002. CANDAU. S. H. C. (Coleção Pensadores & Educação). R. 135 . Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 1997. BRASIL. 1985. FREIRE. G. M. 2003. Márcio. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1992. Belo Horizonte: Autêntica. G. CORAZZA. CARRETERO. BRANDÃO. A escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. A educação contra a educação: o esquecimento da educação e a educação permanente. ed. Secretaria de Educação Fundamental. M. O que é educação? São Paulo. Ser professor no Brasil: história oral de vida. 5 ed. São Paulo: Cortez. M. 1999. Brasiliense. 4 ed. FONSECA. São Paulo: Cortez/Instituto Paulo Freire. Gabriele (org). Ijuí: Unijuí. S. O professor universitário em aula.. M. 1986. O ensino em estudos sociais. FRIGOTTO. Parâmetros curriculares nacionais: história. O que quer um currículo? pesquisas pós-críticas em educação. MASETTO M. 1988. GALLO. PortoAlegre: Artes Médicas. Petrópolis: Vozes. 1989 (Coleção Primeiros Passos). T. Campinas: Papirus. São Paulo: Cortez. CORNELLI. 2001. 120 p. C.) A didática em questão.ABREU. Construir e ensinar as ciências sociais e a história. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômica social capitalista. Petrópolis: Vozes. Sandra. Brasília: MEC/SEF. Silvio. 1996. DANELON. Ed. GADOTTI. 1997. C. CALLAI. (org.

As abordagens do processo. M. ed. CHADWICK. H. 10ª ed. C. A cabeça bem feita: repensar a reforma e reformar o pensamento. J. R. PEREIRA. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez. Marcelo Ricardo. A produção do fracasso escolar: história de submissão e rebeldia. M. PACHECO. M. MARTINS. 1986. E.) LUKESI. V.. Campinas: Papirus. Didática e teorias educacionais. Petrópolis: Vozes. (orgs. S. Maceió: EDUFAL. NERICI.GHIRALDELLI JR. 1999. C. A prática pedagógica dos alfabetizadores de jovens e adultos: contribuições de Freire. 1993. ROGERS. MIZUKAMI. E. M. 2000. 5 ed. A. PATTO. Queiroz. Ferreiro e Vygotsky. São Paulo: Global. SILVA. Antonio Flávio Barbosa. O avesso do modelo. 2000. S. Rio de Janeiro: DP&A. Paulo. Atlas. MORIM. sentir e diferir. Regina Leite. Sete saberes necessários à educação do futuro. (Coleção: o que você precisa saber sobre. Didática geral. Educação popular e educação de adultos. 2003.) Currículo: pensar. MOREIRA. 136 . J. São Paulo: T. 1985. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. A reconstrução da didática: elementos teóricometodológicos. M. 1986. Liberdade de aprender em nossa década. Garcia. Didática geral dinâmica. MOURA. MORIM. C. São Paulo: Loyola. OLIVEIRA. T. Petrópolis: Vozes. São Paulo: Ed. Aprender a ensinar. I. 1993. São Paulo: EPU. Atlas. 3 ed. 2004. São Paulo: Cortez. S. Porto Alegre: Artmed. OLIVEIRA. 2001. Valores em educação. José Augusto. PAIVA. 1987.. 1985. 1987. São Paulo: Ed. N. 1995. Rio de Janeiro: DP&A. 2001. B. 2. C.

Mobilidade espacial da população: conceitos. Lisboa: Editorial Presença. (org. marxista e neomalthusiana.) Desigualdades regionais e desenvolvimento. São Paulo: FUNDAJ/Editora da Unesp. & SILVA. São Paulo: Editora Nacional. DEMAIS DISCIPLINAS GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO Ementa: Gênese. objeto e objetivo da geografia humana. 1991. Geografia de população. População e geografia. Bibliografia: AFFONSO. conceito.UFRGS . Jacqueline Beaujeu. B. LIBRAS A ser fornecida posteriormente pelo Departamento de Letras. A. BECKER. Dinâmica demográfica: estrutura. DAMIANI. Concepções sobre população: malthusiana. Explorações geográficas. planejamento e organização do ensino. Max. 1998. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. contextos. DERRUAU. 1973. ZABALA.Faculdade de Educação. 1997. GARNIER. 1977. culturais e econômicos. A. São Paulo: Contexto. Olga. In: CASTRO. Porto Alegre: Artes Médicas. Iná Elias de et al. A Geografia e o futuro dos grupos humanos. Pedro L. Geografia humana I. 1995. composição e ocupação da população. Rui de B. Rio de Janeiro: Editora Globo. A prática educativa: como ensinar. Distribuição da população mundial: condicionantes naturais. Amélia Luisa. tipologia. Ensino superior. Conflitos étnico-culturais. 137 . 1980.

acumulação. 1982. Rui. valor. M. Rui de B. Haroldo. desde os mercantilistas e fisiocratas. L e NABUCO. O Brasil no contexto das recentes migrações internacionais. Thomas Robert Malthus: economia. região e regionalismo. A disciplina tem como objetivo a compreensão da economia capitalista e de sua dinâmica. Marx.) Desigualdades regionais e desenvolvimento. Pierre. Tamás (org.). São Paulo: FUNDAJ/Editora da Unesp. passando por Smith. et al. MARTINE. graus. Marshall. In. TORRES. Pedro L. Geografia da população. 7. Heloisa (orgs. SZMRECSÁNYI. Ricardo. In: O discurso do Avesso: para a crítica da geografia que se ensina. desde a sua gênese até os fenômenos mais recentes da globalização. Revista do Departamento de Geografia. dinheiro. Rio de Janeiro: Dois Pontos Editora. Rio de Janeiro: Editora ACEESS. In: AFFONSO. crises e ciclos. Ideologia e política dos estudos de população.). Schumpeter. In: LAVINAS. 1995. mercado. A população brasileira: trabalhar e sobreviver. São Paulo:Editora SENAC. L. João. Malthus. São Paulo: USP.GEORGE. São Paulo: Ática. 1994. 1987. 1993. demanda efetiva. 1981. Rosa Éster. 1994. MOREIRA. A evolução espacial da população brasileira. 138 . SALES. RUA. ROSSINI. Rio de Janeiro: Difel. B. 2000. Integração. Rio de Janeiro: Editora Bertrand. mercadoria. COSTA. Keynes entre outros. e trad. trabalho. e 2o. A. CARLEIAL. Teresa. & SILVA. capital. Para ensinar geografia: contribuição para o trabalho com o 1o.. George. População e meio ambiente. n. (org. INTRODUÇÃO À ECONOMIA Estudo introdutório dos fundamentos da Ciência Econômica em suas principais idéias e conceitos de riqueza.

Bibliografia: HUNT. do juro e do dinheiro. Prática de análise textual: leitura como subsídio para a redação. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. 1983. Carlos Alberto. São Paulo: Abril Cultural. T. OFICINA DE REDAÇÃO Compreensão e produção de textos. MARX. SP: Abril Cultural. 1982. 139 . juro e o ciclo econômico. R. São Paulo: Abril Cultural . SCHUMPETER. São Paulo: Abril Cultural 1983. 1983. São Paulo: Abril Cultural. E. ed. crédito. O capital: crítica da economia política. 1996. Rio de Janeiro: Campus. J. 1983. K. KEYNES. A. M. MARSHALL. 1983. Ensaio Sobre a População. MALTHUS. A. Teoria geral do emprego. A teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros. Princípios de economia política e da taxação. Princípios de economia: tratado introdutório. SMITH. Prática de texto: língua portuguesa para nossos estudantes. F. Petrópolis: Vozes. 1982. História do pensamento econômico: uma perspectiva crítica. 5. RICARDO. K. Métodos e técnicas como suporte do domínio da escrita. São Paulo: Abril Cultural. QUESNAY. São Paulo: Abril Cultural. capital. 1983. A. Prática redacional. D. Bibliografia: FARACO. São Paulo: Abril Cultural 1982. Quadro econômico dos fisiocratas. Qualidades essenciais do texto. J.

1987. São Paulo: Atlas. SERAFIN. A coerência textual. Francisco Platão. Petrópolis: Vozes. João Bosco. São Paulo: Globo. José Luiz. 1965. Língua portuguesa: prática de redação para estudantes universitários. Laerd. Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever. Othon Moacyr. 1990. Maria Teresa. Como escrever textos. P. Anos trinta: História e Historiografia. A palavra: expressão e criatividade. São Paulo: Contexto. Sérgio Waldeck de. 24ª ed. Compreensão e produção de textos. Ingedore G. 1995. São Paulo: Contexto. Ingedore G. KOCH. FARACO. a formação do Estado Nacional e sua estruturação política no Império e na República. 1989. SAVIOLI. 140 . PEREIRA. Revolução do Brasil republicano: 1922 – 1938. Bibliografia: BORGES. MEDEIROS. 1989. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. São Paulo: Moderna. HISTÓRIA DO BRASIL Discute o processo de independência política do Brasil. 1997. M. CARVALHO. C. 1991. Comunicação escrita: a moderna prática da redação. Petrópolis: Vozes. Gil Carlos. São Paulo: Àtica. V. CARONE. In: FREITAS. Villaca. A coesão textual. Luiz Marques de. São Paulo: Contexto. Para entender o texto: leitura e redação. E. 1990. SOUZA. Carlos Alberto. KOCH. MANDRYK. Villaca. 2004. 1998.FIORIN. GARCIA. São Paulo: Buriti. aprendendo a pensar. Historiografia Brasileira em Perspectiva.

C. Evolução política do Brasil: colônia e império. C. São Paulo: Brasiliense. 1990. L. ed São Paulo: Brasiliense. R. FAUSTO. CARONE. E. 1994. C. M. Negócios e ócios: histórias da imigração. PRADO JÚNIOR. DREIFUSS. São Paulo: Companhia das Letras. E. 1964: a conquista do estado – ação política. Formação econômica do Brasil. ed. A coluna Prestes: rebeldes errantes. FAUSTO. A.CARONE. 141 . B. 8. São Paulo: DIFEL. São Paulo: Brasiliense. 6ª ed. São Paulo: Brasiliense. São Paulo: DIFEL. O. 3 ed. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. 1987. 10 ed. HOLANDA. São Paulo: Marco Zero. 21. FURTADO. DE DECCA. 1998. A primeira república – 1989 à 1930. História econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense. B. E. SILVA. 1999. DRUMMOND. A. M. Petrópolis: Vozes. A. A revolução de 1930: historiografia e história. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio. 41. poder e golpe de classe. S. 1991. O silêncio dos vencidos. 1969. 1982. DIAS. República em migalhas. 1995. J. São Paulo: Brasiliense. 2ª ed. ed. A república velha. 1974. PRADO JÚNIOR. 1994. São Paulo: Nacional. B. 1997. 1995.

HOBSBAWM. Os trabalhadores: estudo sobre a história do operariado. HOBSBAWM. 1914-1991. E. 2002. E. J. Rio de Janeiro: Paz e Terra. J. J. E. Mundos do trabalho. mito e realidade. 2. THOMPSON. J. 1997. São Paulo: HOBSBAWM. 2. Nações e nacionalismo desde 1780: programa. formatação de projetos. E. 1995. Bibliografia: ANDERSON. ed. HOBSBAWM. A crise do marxismo. P. ed. 1984. Rio de Janeiro: Paz e Terra. J. 1981. 142 . HOBSBAWM. A era do capital: 1848-1875. PROJETO DE PESQUISA: Formulação de problemas para pesquisa. São Paulo: Brasiliense. E.HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA Visão abrangente de temas considerados relevantes para a compreensão da História do século XX. São Paulo: Companhia das Letras. Tempos interessantes: uma vida no século XX. Era dos extremos: o breve século XX. 1981. E. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Rio de Janeiro: Paz e Terra. J. 1987. E. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Companhia das Letras. HOBSBAWM. A miséria da teoria ou um planetário de erros. P. 1998.

Introdução contemporânea à filosofia. CAPRA. Gerd. s. A. Convite à Filosofia. São Paulo: Brasiliense. 1994. Os filósofos Pré-Socráticos. Análise de temáticas inscritas nos textos filosóficos. Bibliografia: BORNHEIM. Petrópolis. 12. Problematização do tema em discussão sobre fontes. 2002 CUNHA. Redação do trabalho de conclusão de curso. Introdução ao Pensar. INTRODUÇÃO À FILOSOFIA I Iniciação à prática da reflexão filosófica. O Ponto de Mutação. Cláudio. CHAUÍ. Discussão bibliográfica.PESQUISA ORIENTADA EM CIÊNCIAS SOCIAIS I Levantamento de questões para a pesquisa. R. 1992. São Paulo: Brasiliense. PESQUISA ORIENTADA EM CIÊNCIAS SOCIAIS II Pesquisa orientada.d. Seminários de Orientação. RJ: Vozes. Elaboração do Projeto de Pesquisa. 1982.Iniciação à Investigação Filosófica. Marilena. São Paulo: Cultrix.. São Paulo: Cultrix. São Paulo: Atual. Seminários de orientação. São Paulo: Martins Fontes. Primeira Filosofia. José Auri. Introdução à Filosofia através do estudo de textos filosóficos. R. BUZZI. situando-as no contexto histórico. 1983. Filosofia . A. ed. Fritjof. 1991. COSTA. BUZZI. 143 .

Jean-Pierre. M. 1990. VERNANT. Emanuel Carneiro. Petrópolis. HEIDEGGER. São Paulo: Martins Fontes. As Origens do Pensamento Grego. São Paulo: Difel. Patrística. 1993. Petrópolis: Vozes. Lisboa: Edições 70. 1997. LYOTARD. Racionalismo e do empirismo. 1991. SEVERINO. LEÃO. São Paulo: Loyola. 1991 AGOSTINHO. A Filosofia Antiga. Martin. Que é isto – A Filosofia? São Paulo: Abril Cultural. O Pós Moderno. Metodologia filosófica. A. Petrópolis. A cidade de Deus. & WUNENBURGER. Joaquim. Neoplatonismo. Os Pensadores Originários. A Filosofia nas suas Origens Gregas. Movimentos materialistas e positivistas. Joaquim. SEVERINO. 1983 (Col. v. VI) 144 . E.FOLSCHEID. A Filosofia Contemporânea no Brasil. Petrópolis. RJ: Vozes. A Filosofia Contemporânea no Brasil. R. 1977. HEIDEGGER. O idealismo de Hegel. Os Pensadores). 1997. J: Vozes. A Filosofia na Crise da Modernidade. A . 1989. RJ: Vozes. Confissões. RJ: José Olímpio. A . Filosofia Contemporânea. OLIVEIRA. INTRODUÇÃO À FILOSOFIA II Pensamento grego clássico. Jean-François. São Paulo: Abril Cultural. 1997. Escolástica. 1989. Renascimento. Jaques. São Paulo: Vozes. Martin. Kant e a Filosofia transcendental. D. SEVERINO. Bibliografia: AGOSTINHO. 1973 (Coleção Os Pensadores.

Lisboa: Edições 70. 1989 145 . 1992. 1981 CHÂTELET. 1998 MARX. Rio: Zahar. São Paulo: Cultrix. 1973 ( Coleção Os Pensadores) ARISTÓTELES. partes I e II HEGEL. São Paulo: Abril Cultural. Coimbra: Armênio Amado Editor. A ideologia alemã. Imanuel. François. Introdução à história da filosofia. 2004 ARISTÓTELES. 2005 ARISTÓTELES. O pensamento de Hegel. Fenomenologia do Espírito. s/d BRUN. Metafísica. Rio: Zahar. Buenos Aires: Debolsillo. São Paulo: Abril Cultural. Fundamentação da metafísica dos costumes. Karl. Dos argumentos sofísticos. História da filosofia no século XX. História da Filosofia: idéias e doutrinas. Gerd. São Paulo: Abril Cultural. 1973 ( Coleção Os Pensadores ARISTÓTELES. Christian. Discurso do método. 1991 CHÂTELET.México : Porrúa Editorial. Jean. Enciclopedia de las ciências filosóficas . Ética a Nicômaco. 1973 ( Coleção Os Pensadores) BORNHEIM. Goiânia: Editora UFG/Alternativa. HEGEL. O neoplatonismo. 1985 DELACAMPAGNE. Manuscritos Económico-filosóficos. Categorías.ARISTÓTELES. 1980 (Os Pensadores) MARX. R. Os filósofos pré-socráticos. Poética. 1997 DESCARTES. Karl e ENGELS. São Paulo: Martins Fontes. 1997 HEGEL. São Paulo: Abril Cultural. 1979 (Os Pensadores). F. 1974 KANT. Lisboa: Editorial Presença. Lisboa: Edições 70. Petrópolis: Vozes. Friedrich. São Paulo: Abril Cultural.

1978.) La filosofia medieval en occidente. em termos de seus modelos de explicação. As origens do pensamento grego. Estudo das principais abordagens teóricas das Ciências Sociais. Metodologia das Ciências Sociais (volumes 1 e 2). Jean-Pierre. 1973. Rio: Presença. Karl. analisadas metodologicamente. 1997. hipóteses. Campinas: Ed. leis e teorias. Peter. 2002. 1973 (Coleção Os Pensadores) PLATÃO. EPISTEMOLOGIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS O problema do conhecimento nas Ciências Sociais. Brice (org. fundamentos epistemológicos e estratégias básicas da investigação social. UNICAMP. Max. 1995. São Paulo: Difel/EDUSP. POPPER. Especificação da metodologia em função dos níveis da prática sociológica: objeto real e objeto construído (teoria e esquemas conceituais). campo teórico (crítica dos princípios). Obras completas. Lógica das Ciências Sociais. Unesp. O ente e a essência. v. Belém (PA):Editora da UFPA. SARTORI. Bibliografia: BURKE. WEBER.PARAIN. A República. 4 PLATÃO. Brasília: Ed. s/d TOMÁS DE AQUINO. explicações e modelos). UnB. Madrid: Siglo XXI. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. São Paulo: Abril Cultural. 146 . A Política: lógica e método nas ciências sociais. 1981 VERNANT. História e Teoria Social. São Paulo: Ed. São Paulo: Cortez. 1974. Giovani. e pressupostos básicos de sua construção histórica compreensiva. A construção do objeto (conceitos.

UFMG. George Gaskell. BECKER. 2. Humanas e Sociais. 2004 MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA QUALITATIVA Abordagens qualitativas dos objetos das Ciências Sociais: trabalho de campo. Precisão e acurácia.ed. grupo focal. Como são feitas as pesquisas eleitorais e de opinião. Alberto Carlos. Mirian. Análise de dados através de métodos de estatística multivariada: uma abordagem aplicada. 1977. Rio de Janeiro: Record. Bibliografia: BAUER.MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA QUANTITATIVA Validade e confiabilidade. Howard. questionários. JANUZZI. Análise e cálculo de indicadores sociais. fontes de dados e aplicações. estudos de caso. 2005. inferência. PEREIRA. 2002. Uma teoria da Ação Coletiva. Belo Horizonte: Ed. MIGOTI. Júlio César Rodrigues. Paulo de Martino. Análise de dados Qualitativos: estratégias metodológicas para as Ciências da Saúde. Alínea. entrevistas. níveis de mensuração. 2004. análise de correspondência e dimensional. Bibliografia: ALMEIDA. Martin W. significância estatística. causalidade e predição. Pesquisa qualitativa com texto. FGV. Sueli Aparecida. Rio de Janeiro: Ed. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. Indicadores Sociais no Brasil: Conceitos. Petrópolis: Vozes. 2003. Campinas: Ed. GOLDENBERG. imagem e som: um manual prático. São Paulo: EDUSP.ed. Rio de Janeiro: Zahar. observação participante. construção de índices e escalas. 2002. 147 . 9.

ESTATÍSTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS I Conceitos básicos. 450p. Pedro Luiz de Oliveira. 2 ed. 2005. Medidas de posição. MARTINS. 608p. Estatística Geral e Aplicada. Séries temporais. Christine P.. Estatística Aplicada às Ciências Sociais. COSTA NETO. John. 315p. 417p. Amostragem. Apresentação de dados em tabelas. 3ed. LAPPONI. São Paulo: Atlas. Correlação e regressão simples e múltipla. A Escola da Chicago: impacto de uma tradição no Brasil e na França. 315p. Distribuições de probabilidade. Belo Horizonte: Ed. Rio de Janeiro: IUPERJ. ESTATÍSTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS II Inferência Estatística: intervalo de confiança e testes de hipóteses. Bibliografia: BARBETA. Bibliografia: BARBETA. Introdução a probabilidade. Florianópolis: Editora da UFSC. 148 . Juan Carlos. Pedro Alberto. Gilberto de Andrade. São Paulo: Edgard Blücher. Licia do Prado. DANCEY. 2 ed. Pedro Alberto. 2006. Estatística. Florianópolis: Editora da UFSC. 2006. Estatística sem matemática para psicologia. Estatística Usando o Excel. Apresentação gráfica. 2001. Medidas de dispersão. Estatística Aplicada às Ciências Sociais. UFMG. 2000. 1977. Testes não-paramétricos. São Paulo: Lapponi. REIDY. 2006.VALLADARES. Porto Alegre: Armed.

Estatística não-paramétrica para ciências do comportamento. Porto Alegre: Artmed. LAPPONI. CASTELLAN JR. 2001. SIEGEL. 2006. 149 . Estatística sem matemática para psicologia.. Sidney.DANCEY. São Paulo: Atlas. N. São Paulo: Lapponi. 3ed. Estatística Geral e Aplicada. MARTINS. ELETIVA: Qualquer uma das disciplinas da UESC. 608p. Estatística Usando o Excel. 417p. Christine P. REIDY. 450p. John. 2000. Juan Carlos. 448p. Porto Alegre: Armed. John.. 2006. Gilberto de Andrade.

com o objetivo de melhorar a proposta inicial e fazer adequações necessárias à implementação das atividades programadas para o Curso. de modo contínuo. Essa avaliação deverá ocorrer em todos os momentos do curso: nas atividades realizadas nas disciplinas. A avaliação da proposta curricular caberá ao colegiado de curso. tendo 150 . laboratórios. com avaliações formais. Monografia A monografia de conclusão de curso será elaborada no último ano. sob orientação de um professor escolhido conforme norma aprovada pela Resolução CONSEPE nº 08/2004. Avaliação pedagógica A avaliação será uma ação fundamental para o desenvolvimento e êxito do curso. Na disciplina de Pesquisa Orientada em Ciências Sociais I o estudante deverá formular o projeto da monografia. estágios e atividades complementares. e será realizada de forma continuada. que será apresentada publicamente e submetida à avaliação de uma banca examinadora. oficinas. sendo entendida como uma atividade política que terá como função básica subsidiar a tomada de decisões no decorrer do seu funcionamento. cumulativo. resoluções de questões e temáticas que exijam um domínio dos conteúdos trabalhados. Na disciplina de Pesquisa Orientada em Ciências Sociais II o aluno deverá concluir a pesquisa e redigir a monografia. 6. A avaliação ocorrerá no âmbito da relação professor/aluno.12. por meio de produção de textos. conforme regulamento anexo.13.6. pesquisas. O objetivo da avaliação é analisar a capacidade dos alunos de produzir conhecimento e posicionar-se frente às teorias apresentadas e às situações concretas. seminários e elaboração de materiais didáticos. utilizando os conhecimentos teóricos e metodológicos adquiridos nas disciplinas anteriores.

14. Relatório de Atividades 2006. objetivando verificar se os objetivos do curso estão sendo cumpridos. Ilhéus: Editus. 2007. (documento eletrônico). Universidade Estadual de Santa Cruz. 151 . Relatório de classificação por unidades/cursos analítico por área. 2007. Bibliografia Universidade Estadual de Santa Cruz. Avaliação do currículo A implementação do projeto pedagógico proposto será acompanhada sistematicamente através de instrumento de coleta de dados a ser aplicado a docentes e discentes.como referência os objetivos gerais e específicos do curso e os princípios curriculares. 6.

Entendem-se por Estágio Supervisionado as atividades de prática pedagógica em diversos campos de atuação do professor de Ciências Sociais. As Políticas Públicas Educacionais no Brasil.Este instrumento regulamenta o componente curricular Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC. A escola como instituição concreta. 2º . 1º . 152 . Art. V. Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DA FINALIDADE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. O sentido da profissão. supervisão e avaliação das atividades relativas ao processo de estágio. visando complementar. A profissão professor na sociedade atual. IV. A realidade dos estudantes do Ensino Fundamental e Médio. referente aos requisitos de coordenação. respeitando os seguintes eixos norteadores: I. contextualizar e vivenciar a formação profissional do estudante do Curso de Licenciatura em Ciência Sociais.Anexos 1. O exercício da docência. III. VI. II.

desenvolver a convivência com a aplicação prática dos princípios fundamentais das Ciências Sociais. intervir. CAPÍTULO III DA DURAÇÃO DO ESTÁGIO Art. de caráter obrigatório. busca a formação do graduando pautado nos seguintes objetivos: I.O Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Ciências Sociais. vivenciar e consolidar as competências exigidas para o exercício acadêmicoprofissional em diferentes campos de intervenção. com duração definida pelo Projeto Acadêmico Curricular do Curso de Licenciatura em Ciências Sociais. superar e criar respostas no ambiente escolar. profissional e cultural que possibilite ao graduando incrementar seu preparo para atuação em diferentes campos das atividades profissionais. V. que pressupõem saber comunicar. 4° . III. estabelecer a mediação entre a universidade. II. 3° .O Estágio Supervisionado é um componente curricular obrigatório a ser vivenciado durante o curso de formação. 153 . permitindo adequar aqueles de caráter profissionalizante às constantes mudanças sociais. problematizar. facilitar o processo de atualização de conteúdos.CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS Art. IV. a escola e a sociedade. oportunizar aprendizagem social.

Art.O Estágio será coordenado pelo Colegiado do Curso de Licenciatura em Ciências Sociais. 7° . § 2° O convênio será o registro de uma parceria que se caracterizará pelo acompanhamento do estudante estagiário. § 1° Para que se efetive a inserção de estagiários em campo. Art.Cada professor de estágio curricular supervisionado terá. documentação e formalização do estágio com a instituição concedente. Art.TÍTULO II DA ESTRUTURA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO Art. no que tange à orientação e supervisão por parte do professor supervisor de estágio e do professor de Ciências Sociais da instituição concedente.O Estágio Supervisionado contemplará o espaço formal e não formal. privilegiando as instituições públicas. Acompanhamento e Avaliação do Estágio ficarão sob a responsabilidade do professor supervisor credenciado pelo Colegiado do curso.As atividades de Orientação. Art. além de acompanhamento.O Estágio será realizado após convênio firmado entre a UESC e a instituição concedente. 9º . um máximo de 12 estagiários por semestre. Art. que proverá junto à Administração Superior. 10 .Serão credenciados espaços formais e não formais que tenham professores de Ciências Sociais no exercício da profissão. sob sua responsabilidade. 6° . execução e avaliação de todo o processo de desenvolvimento do Estágio. a coordenação de estágio do curso proporá a assinatura de Convênio de Estágio e Termo de Compromisso correlato. 154 . 5º . sendo realizado nos municípios de Ilhéus e Itabuna. 8° .

Art. pela autoridade competente. IV. 11– O Estágio Supervisionado será realizado através da participação de: I. III. Professor de Ciências Sociais da instituição concedente. Art. Professor Coordenador do Estágio Supervisionado Professor Supervisor Estudante Estagiário V. Art. II.Compete ao Coordenador de Estágio Supervisionado: 155 . 13 . Colegiado do Curso II. § 2° O Termo de Compromisso de que trata o parágrafo anterior deverá mencionar necessariamente o instrumento jurídico a que se vincula. com a interveniência da instituição de ensino e constituirá comprovante exigível. 14 .Compete ao Colegiado de Curso: I. Realizar os procedimentos necessários para execução do estágio. CAPÍTULO V DAS COMPETÊNCIAS Art. quanto à escolha e formalização do estágio com a instituição concedente. por parte do estudante. não acarretará vínculo empregatício de qualquer natureza. § 1° O Termo de Compromisso será celebrado entre o estudante e a parte concedente na oportunidade do estágio curricular. Responsabilizar-se pela guarda da documentação relativa ao estágio. III. 12 .A realização do Estágio Supervisionado. da inexistência de vínculo empregatício. Colaborar com a coordenação de estágio.

às instituições concedentes conveniadas e aos professores supervisores informações relativas ao estágio. III. III. Participar do processo de construção do conhecimento. Adotar providências para formalização dos convênios necessários para a realização dos Estágios. V. Interagir VI. os procedimentos necessários para sua execução. Supervisionar o estagiário quanto à formalização do seu estágio nas instituições. Agendar reuniões. de acordo com o Calendário Acadêmico da UESC. IV. com os professores supervisores. II. sempre que necessárias. em pauta. Fornecer ao colegiado. prestando informações solicitadas pelo coordenador do Estágio. Realizar. 156 . VII. Proceder aos registros. o calendário de execução do estágio. em conjunto com os professores supervisores. em consonância com a Coordenação de Estágio. por estudante-estagiário. desempenho e assiduidade da disciplina Estágio Supervisionado. 15 . com os professores supervisores informando-os sobre os procedimentos necessários para a vivência do estágio. V.Compete ao Supervisor do Estágio: I. Fornecer as devidas orientações aos estudantes estagiários e ao coordenador sobre o processo de estágio. Realizar em consonância com o Colegiado de Curso os procedimentos necessários para execução do estágio. VI.I. de forma individualizada. Art. referentes ao conteúdo. Apresentar relatório das atividades dos estágios às instituições concedentes conveniadas no final de cada semestre. IV. bem como buscar mecanismos de integração universidadesociedade. Definir. sempre que solicitadas. habilidades e competências do estudante-estagiário. Proceder à avaliação de cada etapa do Estágio. II. VIII. Fomentar parcerias visando à criação e manutenção de cadastros de instituições concedentes. IX. Orientar os estudantes quanto à escolha da instituição concedente e formalização do Estágio conjuntamente com o Colegiado de Curso.

III. 17 . com os estudantes-estagiários. Entregar 01 (uma) cópia da proposta do plano de trabalho ao professor supervisor antes do início de suas atividades na instituição. X. 157 . Apresentar ao professor supervisor do estágio toda a documentação solicitada para o planejamento e execução do Estágio. Auxiliar a Coordenação do Estágio Supervisionado na criação e manutenção de cadastros das instituições concedentes. Responsabilizar-se pelas práticas realizadas pelo estudante-estagiário. Entregar os relatórios individuais dos estudantes-estagiários no prazo definido em calendário do estágio. IX. XI. conjuntamente com o professor supervisor. II. desde a orientação da modalidade específica até as visitas in loco. Acompanhar o estudante estagiário no desenvolvimento do estágio. discutir e vivenciar. Após o aval do professor supervisor. o programa de cada modalidade da disciplina.Compete ao estudante-estagiário: I. conjuntamente com o professor supervisor. Definir a instituição para realização do estágio supervisionado conjuntamente com o Coordenador de Estágio. IV. Auxiliar na elaboração do plano de trabalho. Apresentar.VII. deverá entregar esta proposta ao professor de Ciências Sociais da instituição concedente.Compete ao professor de Ciências Socais da instituição concedente: I. Elaborar o plano de trabalho e o relatório final das atividades desenvolvidas no estágio. Acompanhar e avaliar o estudante estagiário no processo de intervenção pedagógica. bem como buscar mecanismos de integração universidade-sociedade. V. Art. Art.16 . obedecendo a prazos e normas estabelecidos. visando à obtenção de vagas para o Estágio Supervisionado. II. VIII. Conjuntamente com o Supervisor e Coordenador de Estágio providenciar assinatura da carta de aceite da instituição concedente .

até 15 (quinze) dias antes do término do semestre em que o estudante esteja matriculado. de acordo com as normas do trabalho científico da UESC. 19 . Art. 21 . 20 .O relatório final do estágio deverá ser entregue ao professor da disciplina.A avaliação do Estágio Supervisionado será de responsabilidade do professor supervisor.Será considerado aprovado na disciplina Estágio Supervisionado o estudante que alcançar a média igual ou superior a 7. CAPÍTULO VII DA AVALIAÇÃO DO ESTÁGIO Art. CAPÍTULO VI DO PLANO DE TRABALHO E DO RELATÓRIO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. o professor de Ciências Sociais da instituição concedente poderá ser substituído pelo estudante-estagiário. 22 . 158 . 18 .Entende-se por Relatório do Estágio.0 (sete). em 01 (uma) cópia impressa. Art.Parágrafo Único: Em nenhuma hipótese. o trabalho que apresenta a experiência da práxis vivenciada pelo estudante-estagiário durante o período de estágio supervisionado. sendo esta a média aritmética das notas atribuídas pelo professor da disciplina.Entende-se por Plano de Trabalho o planejamento das etapas a serem desenvolvidas pelo estagiário na instituição concedente. Art. conjuntamente com o professor de Ciências Sociais da instituição concedente.

25 – Casos omissos serão resolvidos pelo Colegiado do curso.Art. Art. conforme perfil. TÍTULO III DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. habilidades e competências previstas no Projeto Acadêmico Curricular. 23 – Será exigida do estudante estagiário a freqüência integral (100%) às atividades de estágio supervisionado. 159 . 24 .Os instrumentos de avaliação de cada modalidade do estágio supervisionado serão determinados no programa da disciplina.

Art. III. Regulamento da Monografia CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. Art. em caráter obrigatório. 1º. requisito obrigatório à integralização curricular. 160 . 2º. estimular a produção e veiculação do conhecimento nos eixos temáticos do curso de Ciências Sociais da UESC. 4º. Art. Na matrícula da disciplina Pesquisa Orientada I. o estudante deverá entregar formulário específico com indicação e aceite de seu orientador. contribuir com a formação do estudante priorizando o desenvolvimento da autonomia necessária à aquisição de conhecimento. definidos no Projeto Acadêmico Curricular. São objetivos específicos da monografia : I. O presente regulamento tem por objetivo normatizar as atividades relacionadas à monografia do Curso de Licenciatura em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC. II. proporcionar aos estudantes a vivência em pesquisa científica. a partir de pesquisas de caráter estritamente científico. com o objetivo geral de proporcionar ao graduando experiência em pesquisa de forma crítica e cientificamente fundamentada. A monografia deverá ser individual. 5º. Art 3º. nas disciplinas Pesquisa Orientada I e Pesquisa Orientada II.2. As atividades referentes à monografia deverão ser desenvolvidas.

deverão ter. 6º. A disciplina Pesquisa Orientada II compreenderá as atividades de acompanhamento e avaliação da monografia bem como sua apresentação pública. Os custos relativos à execução do Projeto de monografia serão de inteira responsabilidade do estudante. III. Art. Do Projeto de monografia Art. Art. caso necessário. Os Projetos de monografia do Curso elaborados na disciplina Pesquisa Orientada I. deve ser elaborado: I. O Projeto de monografia. 161 . previamente à sua execução. Art. 10. observando as normas técnicas prescritas pela Universidade Estadual de Santa Cruz.CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO Art. II. 7o. 9o. A disciplina Pesquisa Orientada I compreenderá as atividades de acompanhamento e avaliação do Projeto da Monografia. cabendo ao mesmo e ao professor orientador a análise de sua viabilidade. observando. as finalidades estabelecidas no programa da disciplina e a vinculação direta a um dos eixos temáticos estabelecidos no Projeto Acadêmico Curricular do Curso de Licenciatura em Ciências Sociais da UESC. aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa. documento formal e obrigatório para a conclusão da disciplina Pesquisa Orientada I. 8o. em seu conteúdo. sob orientação de um professor orientador e supervisão do professor da disciplina.

no Colegiado de Ciências Sociais. A avaliação das atividades relativas a monografia acontecerá em duas fases: 162 .Do Trabalho Monográfico Art. A monografia. em seu conteúdo. 15. do estudante e do orientador. CAPÍTULO III DA AVALIAÇÃO Art. III. deverá ser elaborada: I. no disco. sendo 01 (um) destinado ao Professor Orientador e 02 (dois) destinados aos demais membros da banca examinadora. Art. extensão “pdf”. O texto final da à monografia deverá ser entregue pelo estudante. observando. às normas técnicas prescritas pela Universidade Estadual de Santa Cruz. na sua estrutura. 11. 13. 12. É facultativo o cumprimento dos requisitos da disciplina Pesquisa Orientada II mediante apresentação de artigo acompanhado de seu aceite para publicação em revista científica indexada da área de Ciências Sociais. II. Art. as finalidades estabelecidas no programa da disciplina Pesquisa Orientada II e a vinculação direta a um dos eixos temáticos estabelecidos no Projeto Acadêmico Curricular do curso de Licenciatura em Ciências Sociais da UESC. título do trabalho. em uma copia eletrônica e 03 (três) exemplares impressos e encadernados. essa opção não exclui a necessidade de apresentação pública do trabalho. com a monografia em arquivo único. com identificação. A cópia eletrônica deve ser entregue em CD. documento formal e obrigatório para a conclusão da disciplina Pesquisa Orientada II. 14. sob orientação de um professor orientador e supervisão do professor da disciplina. obedecendo. Art. Todavia. semestre e ano letivo.

16. intervir. CAPÍTULO IV DAS ATRIBUIÇÕES DO COLEGIADO DE CIÊNCIAS SOCIAIS Art. objetivos. discussão. quanto ao uso por parte dos estudantes pesquisadores. Compete ao Colegiado de Ciências Sociais: I. Serão aprovados nas disciplinas Pesquisa Orientada I e Pesquisa Orientada II os estudantes que obtiverem média igual ou maior que 7. procedimentos metodológicos. 17. junto ao DFCH. emitidos pela banca examinadora.I. conclusões. considerando-se: a problemática. 163 . apresentação e defesa oral do trabalho. de espaços e recursos materiais disponíveis durante o desenvolvimento das atividades relativas a monografia V. II. na disciplina Pesquisa Orientada I será avaliado o processo de elaboração do Projeto de Pesquisa de monografia nos aspectos qualitativo e quantitativo. considerando-se: problemática. resultados. objetivos. o trabalho desenvolvido. pela banca examinadora da monografia. na disciplina Pesquisa Orientada II será avaliada. aprovar o nome do orientador indicado pelo estudante no ato da matrícula na disciplina Pesquisa Orientada I. justificativa. revisão bibliográfica. encaminhar os pareceres referentes à monografia. estabelecendo prazo de 15 dias para entrega dos pareceres. IV. Art. II. registrar em livro de atas a entrega da monografia pelos estudantes e encaminhar os mesmos aos membros da banca examinadora para leitura e avaliação.0 (sete). justificativa. aos professores orientadores. revisão bibliográfica e procedimentos metodológicos. III. manter banco de dados atualizado das versões finais das monografias aprovadas.

desenvolvidos. no prazo máximo de cinco dias após solicitação do estudante. elaborar calendário referente às atividades a serem desenvolvidas nas disciplinas Pesquisa Orientada I e Pesquisa Orientada II.VI. II. coordenar as atividades de ensino e avaliação referentes à elaboração dos Projetos de monografia e das monografias. VI. acompanhar. respectivamente. em mãos dos respectivos responsáveis pela avaliação nas disciplinas Pesquisa Orientada I e Pesquisa Orientada II e. os professores orientadores e os respectivos orientandos IV. encaminhar o Formulário de Aceite de Orientação para a monografia aos professores indicados no documento. Aos professores compete: I. as atividades relativas à apresentação pública das monografias V. mensalmente. III. o processo de orientação. encaminhá-lo ao professor da disciplina. organizar. 18. 164 . CAPÍTULO V DO PROFESSOR DAS DISCIPLINAS Art. Os professores das disciplinas Pesquisa Orientada I e Pesquisa Orientada II serão indicados pela Coordenação da Área de Conhecimento em Ciências Socias. em conjunto com orientadores e orientandos. Posteriormente. recolher as notas e pareceres. proceder ao preenchimento das pautas. matriculados nas disciplinas a fim de acompanhar o desenvolvimento dos trabalhos. posteriormente. nas disciplinas Pesquisa Orientada I e Pesquisa Orientada II. contactar. sempre que necessário.

as normas técnicas de apresentação e a redação do texto. o estudante deverá apresentar sua intenção de pesquisa mediante o Formulário de Aceite de Orientação de monografia. avaliar cada etapa do desenvolvimento da monografia. inclusive orientando e acompanhando o estudante na execução do plano de trabalho. Art. aprovar o roteiro da pesquisa. VIII. o plano de trabalho e o cronograma de atividades . IV. os professores pertencentes ao quadro docente da Universidade Estadual de Santa Cruz com titulação mínima de Especialista. assinar formulário específico. Poderão ser orientadores. fazendo intervenções sobre o conteúdo. III. quando convidado pelo professor das disciplinas. avaliar seus orientandos nos aspectos qualitativo e quantitativo.A escolha do professor orientador por parte do estudante deve ser norteada pela afinidade com o tema da pesquisa e a disponibilidade do professor. Parágrafo único . orientar o estudante em todas as etapas relativas ao desenvolvimento do Projeto de monografia e da monografia. Ao pleitear o seu orientador.CAPÍTULO VI DA ORIENTAÇÃO Art. 19. II. Art. cuja área de conhecimento seja compatível com o tema de pesquisa do estudante. bem como a disponibilidade de material bibliográfico e de recursos sobre o assunto. 20. nas disciplinas Pesquisa Orientada I e Pesquisa Orientada II. São atribuições do professor orientador: I. respectivamente. VII. freqüentar reuniões. bem como aprovar previamente a monografia para encaminhamento à banca examinadora. 165 V. avaliar a viabilidade do Projeto de monografia. VI. propostos no Projeto de monografia. aceitando a orientação. indicar fontes bibliográficas para consulta. 21. verificando a importância e o interesse que pode ser despertado pelo tema.

É permitido ao estudante ter um co-orientador. O professor orientador poderá solicitar seu afastamento da orientação. XII. CAPÍTULO VII DA BANCA EXAMINADORA Art. Art. após a apresentação pública sobre as possíveis alterações no texto final sugeridas pela banca examinadora e autorizar a entrega da versão final corrigida ao Colegiado de Ciências Sociais. 26. desde que os motivos sejam devidamente fundamentados. emitir parecer final sobre a monografia que esteja sob sua orientação. encaminhar os pareceres da banca examinadora à secretaria do Colegiado de Ciências Sociais logo após o término da avaliação. XIII. Art. Art. No caso da existência de um co-orientador. após XI. devendo seu nome constar no trabalho escrito e nas publicações futuras. recebimento dos dois outros pareceres. 22. definidos conjuntamente pelo professor orientador e pelo orientando. levando-se em consideração a adequação quanto ao tema do trabalho. de forma expressa. coordenar as bancas examinadoras da monografia. 24. mediante aprovação do orientador. A banca examinadora será composta por três membros. o mesmo poderá compor a banca examinadora ficando esta composta por quatro avaliadores. com titulação mínima de especialista. o que será analisado pelo professor da disciplina e pela Coordenação do Colegiado de Ciências Sociais. 25. 23. na ficha de orientação. Art. incentivar a publicação da monografia.IX. sendo um destes o professor orientador. orientar o estudante. 166 . O orientador deve preencher a ficha de acompanhamento de orientação. X.

A critério do professor orientador e do orientando. Art. 30. substituição de seu orientador. ao Colegiado de Ciências Sociais. devendo emitir parecer observando os critérios constantes no formulário de avaliação. bem como os prazos estabelecidos nas disciplinas Pesquisa Orientada I e Pesquisa Orientada II. sendo permitidas correções a critério do professor orientador antes do encaminhamento do mesmo ao Colegiado de Ciências Sociais. mediante análise e aprovação do Colegiado. não cabendo qualquer ônus adicional à UESC. dispor de elementos necessários à execução de suas atividades. dentro das possibilidades científicas e técnicas da UESC. uma cópia da monografia para leitura e avaliação. CAPÍTULO VIII DOS DIREITOS E DEVERES DOS ORIENTANDOS Art. desde que justifique suas razões por escrito e indique novo orientador. A versão da monografia encaminhada aos membros da banca examinadora será considerada final. Art. III. 27. um membro da banca poderá ser de outra Instituição de Ensino Superior. o que será julgado pelo professor da disciplina e pelo Coordenador do Colegiado de Ciências Sociais.Parágrafo Único . II. 167 . Art. uma única vez. 28. O estudante poderá solicitar. conhecer a programação prévia das atividades a serem desenvolvidas. Cada membro da banca examinadora receberá do Colegiado de Ciências Sociais. Além dos previstos nas normas internas da UESC e em leis pertinentes. são direitos dos estudantes matriculados nas disciplinas Pesquisa Orientada I e Pesquisa Orientada II: I. 29. por iniciativa própria. ser orientado por um professor em todas as fases de desenvolvimento da monografia.

IV. CAPÍTULO XI DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art.Art. responsabilizar-se pelo uso de direitos autorais resguardados por lei a favor de terceiros. 32. II. 31. apresentar ao Colegiado de Ciências Sociais a monografia. entregar versão final da monografia ao Colegiado do Curso de Ciências Sociais. cumprir este Regulamento. bem como realizar a apresentação pública do mesmo nos prazos determinados. V. Os casos omissos serão resolvidos pelo Colegiado do Curso de Ciências Sociais. III. quando das citações. cumprir os horários e o cronograma de atividades estabelecidos pelo professor da disciplina e pelo professor orientador. são deveres dos estudantes matriculados nas disciplinas Pesquisa Orientada I e Pesquisa Orientada II: I. Além do previsto nas normas internas da UESC e nas leis pertinentes. 168 . cópias ou transcrições de textos de outrem.

3.14 -Diárias Servidores da UESC Sub-total: Diárias Rubrica Consumo Custo: consumo Rubrica 3390.000 169 .Exercício Total da Receita Caracterização da Despesa Exercício de 2008 Departamento de Filosofia e Ciências Humanas Profª Janete Ruiz de Macedo 2008 2009 2010 2011 R$ Total Rubrica 3190.36 =Serv. Orçamento a) Implantação: Título da Sub-Ação: Implantação do Curso de Graduação em Ciências Sociais Período de realização Nome da Unidade Executora Coordenador (a) da Proposta Caracterização da Receita Denominação da Receita .30=Material de 2009 2010 2011 R$ Total 2.35 = Consultoria Sub-total: Consultoria Rubrica 3390.33 =Passagens Sub-total: Passagens Rubrica 3390. Pessoa Aquisição material de 2. Pessoa Física Sub-total: Serviços Terc.000 3390.00 .Pessoal e Encargos 2008 Sociais Sub-total: Pessoal e Encargos Rubrica 3390.

700 3390.500 3.670 84.Física Rubrica P.000 informática Implantação de 1 sala multimídia Colegiado Frigobar Sub-total: Material Permamente Rubrica 4590.970 13.000 13.39 =Serv.Jurídica Rubrica 4590.00) 600 78.700 200 3.Livros Sub-total: Livros Rubrica 4590.Jurídica Reprografia Edição e impressão de materiais Sub-total: Serv.670 84.Terc.020 600 78.51 Obras (Construções) Sub-total: Obras Total do Projeto Total da Receita Total da Despesa 84.Permanente Implantação de 1 laboratório de 51. P.970 Mat.500 3.670 RESUMO DA PROPOSTA (Em R$ 1.Terceiros 170 .52 Equip.52 .350 14.350 Equipamentos e móbiliarios para o 14.670 84. e 51.020 200 3.

14 -Diárias 2.000 4.Pessoal e 2008 Encargos Sociais Custo por Exercício: Docente Custo por Exercício: Técnico Laboratório e Assist.039 868.800 4.459 587.000 3.879 71.310 2.500 4.580 563.00 .310 2.930 Servidores da UESC Custo c/ Diárias: 30 diárias por exercício (base R$ 77.879 23.481 23.741 1.b) Implementação: Implementação do Curso de Graduação em Ciências Título da Sub-Ação: Período de realização Sociais A partir de 2009 Nome da Unidade Executora Departamento de Filosofia e Ciências Humanas Coordenador (a) da Proposta Profª Janete Ruiz de Macedo Caracterização da Receita Denominação Exercício Caracterização da Despesa Rubrica 3190.800 3.500 12.600 .500 4.160 23.118 3.2008 2009 2010 2011 R$ Total 2009 2010 2011 R$ Total 281.Adm Sub-total: Pessoal e Encargos Rubrica 3390.30=Material de Consumo Custo: Aquisição material de consumo Rubrica 3390.689.300 4.310 2.310 2.500 12.600 12.310 2.761.620 1.879 844.33 =Passagens: Passagem: Docentes (06 por exercício) Sub-total: Passagens Rubrica 3390.35 = Consultoria Sub-total: Consultoria 171 da Receita .637 305.300 4.00) Sub-total: Diárias Rubrica 3390.930 6.310 6.

Rubrica 3390.700 600 10.748 3390.700 200 3. P.769 601.36 =Serv.Jurídica Rubrica 4590.Livros Sub-total: Livros Rubrica 4590.500 11.Terc.500 3.630 1.Equip.52 .52 .500 3. Pessoa Física Sub-total: Serviços Terc.51 Obras (Construções) Sub-total: Obras RESUMO DA PROPOSTA (Em R$ 1.Jurídica: 172 .Permanente Sub-total: Material Permamente Rubrica 4590.39 200 3.349 883.100 =Serv.00) Total da Receita Total da Despesa Superávit 318.Terceiros P. e Mat.700 200 3. Pessoa Física Rubrica Reprografia Edição e impressão de materiais Sub-total: Serv.803.500 3.

c) Detalhamento: Laboratório n Mesa Professor Cadeira Professor Arquivo Armário Carrinho baias cadeiras p/ baias cadeira de auditório computadores estabilizadores datashow impressora tv dvd quadro TOTAL 1 70 21 2000 21 50 1 1 3200 1200 20 100 20 60 1 1 preço total 200 80 200 80 0 0 0 2000 1200 0 42000 1050 3200 1200 0 0 70 51000 1 1 1 600 150 70 14cjts* 500 1 1 1 2000 50 3200 Sala Multimídia n 1 1 preço total 200 80 200 80 0 0 0 0 0 7000 2000 50 3200 0 600 150 70 13350 14020 3 2000 3 50 1 3200 2 1200 1 600 1 150 Colegiado n preço total 3 200 3 80 1 300 1 280 1 100 600 240 300 280 100 0 0 0 6000 150 3200 2400 600 150 173 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful