P. 1
Hipnoterapia Ericksoniana

Hipnoterapia Ericksoniana

4.0

|Views: 2.665|Likes:
Publicado porPablo Santos Lira
www.saudeglobalcaps.com.br

Hipnoterapia Ericksoniana
www.saudeglobalcaps.com.br

Hipnoterapia Ericksoniana

More info:

Published by: Pablo Santos Lira on Apr 28, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/02/2013

pdf

text

original

CAPITULO TRES O MODELO DA HIPNOTERAPIA ERICKSONIANA

• Vem do Século Passado • São técnicas difundidas em manuais, as utilizadas por hipnotizadores de palco e pelos mais tradicionais. • Definimos hipnose clássica como: Indução de transe formal associada às sugestões diretas. • Método criado por Milton H. Erickson consiste em fazer um tipo exclusivo de transe para cada cliente: “A terapia é única pra um único cliente, construído para as necessidades e situações daquele sujeito” (Erickson, 1980, vol1, p15).

Objetivo da Hipnoterapia ericksoniana: “A indução e a manutenção do transe servem para promover um estado psicológico especial, no qual os pacientes podem reassociar e reconhecer suas complexidades interiores e utilizar suas próprias capacidades em maneja-las de acordo com sua experiência de vida”( Milton H. Erickson, The collect papers, 1980, vol. 4, p.38).

• Podemos considerar a hipnoterapia naturalista uma ferramenta de trabalho que faz o sujeito experienciar e eliciar seus recursos internos como cainho para a cura de seus problemas. • Terapia de Erickson se baseia em: Motivar; Metaforizar, Mover, Responsividade e Recursos. • De acordo com Jeffrey K Zeig , a indução de um transe terapêutico pode ser dividida em três fases: Absorção, ratificação e eliciação .  Absorção: entende-se a fase inicial da indução, necessária, para focalizar a atenção do cliente.  Ratificação: dar feedback para o cliente daquilo que se observa ao vê-lo entrar em transe.  Eliciação: é fazer alguma coisa aconteacer.

• Para avaliar Zeig se utiliza: Categorias intrapsíquicas e categorias relacionais. Pág 91 do livro.

CAPITULO QUATRO O USO DE METÁFORAS EM HIPNOTERAPIA

• O emprego da metáfora vem sendo difundido em muitas escolas de psicoterapia, como papel significativo de ponte de comunicação. • Hipnoterapia ericksoniana: O emprego de hipnose se torna mais eficaz o uso de metáforas, afrouxando a atenção da mente consciente e sua censura, que ficam absorvidas através de técnicas hipnóticas, enquanto as mensagens são dirigidas à mente inconsciente, que esta muita mais próxima do pensamento por imagens do que daquele por palavras. • Metaforizar é essencial. É o meio de ser indireto, de conversar a língua do inconsciente. • Construir metáforas: não preciso estórias muito elaboradas, ma com simplicidade, palavra –chave, metáforas do próprio cliente que possam tocar o cliente. • Tocar os interesses do sujeito em questão (antenar). • Metáforas – estórias já contadas algum dia. CAPITULO CINCO TÉCNICAS HIPNOTERÁPICAS

 Importante: Toda indução provoca uma dissociação entre a

mente consciente e a mente inconsciente. Dissocie, mas no final reintegre. • O transe pode ser divido em partes: absorção (através de técnicas observa a atenção da mente consciente); ratifique (aprofundamento do transe); eliciação técnicas para trabalhar terapeuticamente o seu paciente. • A posição: a melhor posição para colocar uma pessoa em transe e sentada. • Indução de relaxamento progressivo: é necessário princípios fundamentais pra uma aliança terapêutica como motivação, rapport . • Indução da respiração: a respiração é considerada uma boa metáfora de limpeza, saúde, vida. A respiração processa mudanças de purificação e vida, a absorção será focalizada na respiração do cliente. • Varias técnicas. Paulo Geraldo espero que possa ter ajudado

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->