Você está na página 1de 2

(Dr.

Nassalete Miranda, retrato a leo, 50x55)

A vida como uma sala de espetculos: entra-se, v-se e sai-se (Pitgoras) No dia 15 de Junho de 2013, comemorou-se o 4. aniversrio da revista As artes entre as letras que, simultaneamente, celebrou a publicao da edio n. 100 e o lanamento do livro Entre cem sentidos da Dr. Nassalete Miranda no Salo rabe do Palcio da Bolsa, no Porto. Para quem no conhece a Dr. Nassalete Miranda, aconselho a pesquisa do seu enriquecedor curriculum vitae. Eu, to-somente e convictamente, afirmo ser uma mulher de paixes e de vida intrinsecamente voltada para as artes na sua dimenso mais profunda. Do dia 15 de Junho de 2013, retenho entre outras emoes, a falha nas palavras para agradecer tamanho prazer pelo quadro que pintei em sua homenagem e que se encontra no livro que foi apresentado publicamente. Partilho com todos vs, as palavras que enderecei em jeito de agradecimento. Dr. Nassalete Miranda, Comeo por a felicitar dizendo-lhe, to s, que a sua vida das que se v. O livro Entre cem sentidos, idealizado e concretizado por si a demonstrao inequvoca da

sua ampla capacidade aglutinadora, da sua competncia mobilizadora e do charme que incute no amparo escrito dos ideais mais humanos: a cultura da arte e a arte da cultura. Com uma ideia simples, mas clara e genial, conseguiu numa publicao atar imagens consentidas de cem artistas e soltar textos de respeitados intelectuais, o que ocorrncia indita e difcil, no fora o carcter predominantemente isolacionista de cada artista e de cada escritor/pensador. O evento, superiormente organizado em redor da edio do livro, em local de sonho cuja esttica ronda o divino, excedeu qualquer expectativa. As conferncias e discursos revelaram-se de franca valia cultural, onde me foi dado ver um candidato ao governo da edilidade a creditar votos, pelo privilgio que certamente saber dar aos aspetos scioculturais da cidade do Porto e dos portuenses. Momentos indubitavelmente motivadores, assim o espero, para que continue a promover a racionalidade humana. Penhorado, muito agradeo a deferncia que demonstrou com a minha pessoa, quer no convite a colaborar no projeto, quer na aceitao e na publicao do retrato, o que muito me confortou e que, fao questo que o saiba, considero um privilgio. Parabns.

Afonso Pinho Ferreira