EXCELENTÍSSIMO (ª) SENHOR (ª) DOUTOR (ª) JUIZ (ª) DE DIREITO DA ______ VARA CÍVEL DA COMARCA DE BELÉM, ESTADO DO PARÁ.

LILIA SILVA DE ALMEIDA, brasileira, casada, enfermeira, portadora do RG n.º e do, residente e domiciliada à; vem, respeitosamente, perante Vossa Excelência, por sua advogada infra-assinada, procuração anexa, com endereço profissional, onde recebe intimações, requerer a expedição de: ALVARÁ JUDICIAL Pelos fatos e fundamentos a seguir expostos:

I. DOS FATOS Os requerentes são os únicos filhos e herdeiros de LILIA CARVALHO DA SILVA, falecida em 19/11/2011, na cidade de Belém, (cópia de certidão de óbito em anexo). A de cujus era cessionária do direito real de uso da sepultura especial perpétua nº 5236, quadro nº 26, antigo 02 a, no cemitério Santa Izabel, nesta cidade, registrada às fls. 48, do livro competente nº 8, 23 de novembro de 1970, onde foi sepultada. Com o seu falecimento, faz-se necessária a transferência do direito real de uso da referida sepultura aos seus únicos filhos e herdeiros, ora requerentes. Para a efetivação da transferência e recadastramento, cujo prazo final determinado pela Prefeitura Municipal de Belém, esgota-se em 31.12.2012, mesmo todos os filhos e herdeiros sendo maiores e capazes, exige a apresentação de alvará judicial (art. 168, §2º da lei municipal n. 7.055/97). II. DO DIREITO

Página 1 de 3

167. III. com validade de 5 (cinco) anos. Art. para autorizar a transferência da sepultura perpétua n.” “Alvará para transferência de direito de uso de jazigo – Inadmissibilidade de se imporem restrições ao desiderato. assim dispõe acerca das inumações. seja a que título for. Art.º 5236. (. outras pessoas só poderão ser sepultadas mediante autorização do concessionário por escrito e pagamento das taxas devidas. requerer a expedição de alvará para transferência de um jazigo. no cemitério Página 2 de 3 . §1º. por questões formais.Órgão Julgador: 1ª Câmara de Direito Privado .Publicação: 08/08/2008)” Nesses termos. Havendo sucessão “causa mortis” através de partilha devidamente homologada pelo juiz.º 7055/1977 . (TJSP .Relator(a): Enio Zuliani . para que. acrescentados pela Lei nº 7.Órgão Julgador: 4ª Câmara de Direito Privado .Julgamento: 10/07/2008 . temporárias e perpétuas. Art. dentro de três (03) meses.A Lei nº 7. com parágrafos 1º e 2º. 168. em mausoléus simples ou geminados e sob as seguintes condições. para que seus herdeiros possam proceder ao recadastramento junto ao órgão competente.Seria verdadeiro apego a excessivo formalismo. efetuará a transferência provisória da concessão. A Secretaria Municipal de Administração.Publicação: 05/01/2009). (Lei Ordinária n. DO PEDIDO Isto posto.Art.Relator(a): Guimarães e Souza . c) caducidade da concessão no caso de não cumprimento do disposto na alínea b. a abertura de inventário ou de arrolamento. em nome do de cujus. em virtude de prova conclusiva de que os requerentes são herdeiros do titular de uso – Provimento. quando todos os herdeiros da falecida titular da campa estão de acordo com a pretendida transferência. requer a expedição de Alvará Judicial para autorizar a transferência da sepultura perpétua. o herdeiro deverá registrar o seu direito na administração do cemitério. a requerimento dos interessados. de 13/07/95). insta ressaltar o entendimento jurisprudencial acerca do tema: “Transferência de jazigo .Agravo de Instrumento: AG 6141744000 SP . pudessem os interessados.) Art.055/97 (Código de Posturas do Município de Belém). antigo 2 a.763. As inumações serão feitas em sepulturas separadas. in verbis: “(. Quadro 26.. As concessões de perpetuidade serão feitas para sepultura do tipo destinado a adultos e crianças. em favor dos autores acima qualificados. os baldrames convenientemente revestidos e efetuar a cobertura da sepultura em alvenaria no prazo máximo de um (01) ano. b) obrigação de construir. em seu capítulo II.. 168. (TJSP Apelação Cível: AC 5561154000 SP .Julgamento: 16/12/2008 . em um desses autos. requer à Vossa Excelência: a) ALVARÁ JUDICIAL. renovável a cada final de período por solicitação de sucessores do concessionário falecido. depois. §2º. Nenhum concessionário de sepultura ou mausoléu poderá negociar sua concessão.. que constarão do título: a) possibilidade de uso do mausoléu para sepultamento de cônjuge e de parentes consangüíneos ou afins. A transferência provisória far-se-á mediante apresentação de Alvará Judicial para esse fim expedido. 164..)” Ademais. 166.

00 (seiscentos e vinte e dois reais).de Santa Izabel. Andréa Oliveira da Silva OAB/PA Nº Página 3 de 3 . registrada às fls. c) A citação do d. nesta cidade. b) A expedição de ofício à Prefeitura de Belém. representante do Ministério Público. Dá à causa o valor de R$ 622. 24 de setembro de 2012.º 8. Pede Deferimento. 48. especialmente a prova documental em anexo. bem do de cujus LILIA CARVALHO DA SILVA. bem como a administração do cemitério de Santa Izabel. e) A juntada dos documentos anexos. Belém. do livro competente n. d) A produção de todos os meios de prova em direito admitidas. nesta cidade. para que realizem a transferência requerida.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful