Você está na página 1de 2

Oficina de Leitura

Nome: O Hóspede Objetivo: Refletir sobre preconceitos, percepções variadas, práticas de rótulos ou estereótipos. Mínimo de Participantes: 4 Máximo de Participantes: 0 Duração: Aproximadamente 15 minutos. Material Necessário: Texto “O Hóspede”. Procedimento: a. Distribuir o texto “O Hóspede” para todos os participantes. b. Solicitar que alguém efetue a leitura. c. Levantar, ao final, o questionamento: “Quem é essa pessoa?” ou “Que tipo de pessoa é essa?” Ao final, o facilitador revela (caso ninguém tenho descoberto quem é): é um bebê. A partir daí, a forma de perceber a história muda totalmente e passa-se à discussão da necessidade de compreender as pessoas em toda a sua amplitude.

Texto: O HÓSPEDE QUEM mora em cidades praianas raramente sente falta de visitantes, principalmente durante a temporada de férias. Na maioria das vezes este fato é uma experiência agradável para os donos da casa. Há pouco, porém, recebemos uma visita que foi o fim. ELE apareceu com uma comitiva não inferior a três pessoas, cuja missão na vida era atender a todas as suas necessidades. Fomos informados que teríamos que acomodar toda essa gente. Assim o fizemos. ELE chegou trazendo (imagine só!) a sua própria coleção de ferramentas e, nos momentos de folga, começava a desmontar quase tudo o que havia na casa. GOSTAMOS de levar as pessoas que nos visitam pela primeira vez para almoçar num belo restaurante na serra, onde se tem uma vista maravilhosa. A paisagem geralmente deixa as pessoas fascinadas. Pois o cara nem ligou: chegava a bocejar de sono. COMO se não bastasse, fez uma cena na hora do almoço, recusando comer o que fora pedido para ele, jogando o prato longe. Além disso,

2. Um dia. peguei-o beijando a garçonete. Atordoada. Sobre o rio havia uma ponte. atravessaram o rio que cortava o lugarejo e foram para um lugar conversar. ela morreu. Bem no meio da ponte. as pessoas que por ali passavam. 3. que provoca discussões de valores morais. deu-se conta de que não dispunha de dinheiro para pagar a passagem de volta. Não tendo outra alternativa. quando ela percebeu. Observações: Normalmente. ENFIM. Solicitar que alguém do grupo efetue a leitura. Nome: A Mulher do Caixeiro-Viajante Objetivo: Possibilitar ao grupo momentos de reflexão sobre preconceitos e percepção. Mínimo de Participantes: 0 Máximo de Participantes: 0 Duração: Aproximadamente 20 minutos. Daí. saiu com ele. REVELOU-SE um verdadeiro desmancha prazeres. Quando acordava. ética. era propenso a fazer com que todos acordassem também. Uma vez que o marido era muito ciumento. Procedimento: 1. por volta das cinco horas da manhã. Durante algum tempo. passava vários dias e até meses fora de casa. já era tarde e perto da hora do marido chegar. porém. saiu às pressas e. Distribuir o texto “A história da Mulher do Caixeiro Viajante”. Enquanto ele dormia. Levantar o questionamento: “Quem é o responsável pela morte da mulher?” Material Necessário: Texto Texto: A história da Mulher do Caixeiro-Viajante. Entraram num barco. obrigando todos a andarem na ponta dos pés e a falar baixinho. a mulher relutou em aceitar o convite do amigo. Por esse motivo sua mulher sentia-se muito solitária. . atendê-lo nas suas necessidades todas e de jeito que ele queria. todos tinham que estar totalmente à sua disposição. monopolizando a conversa em tom de voz bastante elevado. dificilmente se consegue chegar a um veredicto ou consenso. rio abaixo. por ser um tema polêmico.antes de sairmos do local. por conta do seu trabalho. vivia um doido que atirava. Era uma vez um caixeiro-viajante que. sem seguida. chegou à cidade um visitante que já conhecia a mulher do caixeiro-viajante e a convidou para sair. conversaram bastante e. preconceitos. na margem do rio. Explicou o problema ao moço do barco e este não fez nenhum acordo no sentido de transporta-la. a sua comitiva cuidava para que seu sono não fosse interrompido. a mulher resolveu atravessar a ponte e o doido atirou rio abaixo.

Interesses relacionados