P. 1
Catálogo Motovent

Catálogo Motovent

|Views: 507|Likes:
Publicado porderson90

More info:

Published by: derson90 on Jun 25, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/21/2015

pdf

text

original

Edição 2009

ÍNDICE
Curva SVS – Sirocco direto........................................................................... Curva LVS – Limit load.................................................................................. Seleção SD direto.......................................................................................... Dimensões dos ventiladores SD.................................................................... Dimensões dos ventiladores SVSL, SVS, LVSL, LVS, SVD E LVD.............. Dimensões dos ventiladores CLLD 250 A 750.............................................. Posições dos ventiladores SVS, LVS,SVD e LVD acima de 600.................. Posições dos ventiladores com mancais fora de fluxo.................................. Posições dos ventiladores de acionamento direto......................................... Posições dos ventiladores SVSL, LVSL, SVDL e LVDL de 200 à 600.......... Seleção e aplicação de exaustores tubo axiais direto e indireto................... Exaustor tubo axial Man Cooler ATDB.......................................................... Ventiladores centrífugos in line direto e indireto............................................ Filtro eletrostático........................................................................................... Manutenção de filtro de ar metálico............................................................... Seleção e dimensões dos exaustores centrífugos de fibra SDF-AMF........... Seleção e dimensões dos ventiladores centrífugos de alta pressão CRD.... Atenuadores de ruído circulares.................................................................... Exaustor para coifa piramidal SVD-180M...................................................... Exaustor para sanitário SD-180M e suas aplicações.................................... Padrão das flanges circulares........................................................................ Eliminador de gotas....................................................................................... Dimensões dos ventiladores centrífugos CAA............................................... Cabina de pintura à seco............................................................................... Conjunto de insuflamento e exaustão com capacidades de 10000, 16000 e 20000 m³ / h................................................................................................... Conjunto de exaustão para equipamento de absorção atômica (espectro fotômetro)....................................................................................................... 4 20 36 40 41 60 61 62 63 64 65 68 71 76 77 78 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89

1

Conjunto de retenção de névoa de óleo........................................................ Coifa com três águas em inox soldado completa com filtro Coifa de parede para fritadeira...................................................................... Coifa tipo caixa para caldeirões..................................................................... Coifa tipo caixa com filtro para fogões........................................................... Coifa quatro águas com filtro para fogão....................................................... Caixa de filtragem G2/G3 com exaustor tubo axial........................................ Caixa de ventilação com descarga vertical SVD – 133 à SVD – 600............ Caixa de ventilação com descarga horizontal SVD – 133 à SVD – 600........ Caixa de exaustão com descarga vertical SVDL – 133 à SVDL – 600.......... Caixa de exaustão com descarga horizontal SVDL – 133 à SVDL – 600..... Coletor de pó modelo EF-16-2 e EF – 32-2................................................... Coletores de pó modelo Cofis ciclonado tamanhos 16/35/60/90................... Coletor de pó modelo TBX 900 / 2100/2500/3000/4300................................ Coletor de pó para esmeris modelo CX-50.................................................... Coletor de pó mini TBX-480........................................................................... Coletor de pó mini TBX-960........................................................................... Coletor de pó tipo fronha 2100/2500/3000..................................................... Coletor de pó tipo fronha com atenuador na carcaça 2100/2500/3000......... Coletor de pó modelo CX – 250-2.................................................................. Coletor de pó modelo CXA – 250-2 com atenuador...................................... Coletor de pó modelo CX – 300-2.................................................................. Coletor de pó modelo CXA – 300-2 com atenuador...................................... Coletor de pó modelo CX – 350-2.................................................................. Coletor de pó modelo CXA – 350-2 com atenuador...................................... Coletor de pó modelo CX – 375-2.................................................................. Coletor de pó modelo CXA – 375-2 com atenuador...................................... Lavador de gordura modelo LG..................................................................... Lavador de gordura modelo LG completo com exaustor...............................

90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118

2

Manual de instruções dos filtros eletrostáticos.............................................. Manual de instruções dos Lavadores de gordura LG.................................... Manual de instruções dos ventiladores..........................................................

119 123 125

3

FILTRO ELETROSTÁTICO MOTOVENT
Apresentação
O filtro eletrostático da MOTOVENT é um sistema que diferencia dos convencionais pela eficiência de filtragem de tripla ionização. Utiliza filtros de alumínio permanentes que ionizam as névoas poluidoras do ambiente como poeira, névoa de óleo, coletando nos filtros. Atende às necessidades industriais no controle de poluição por todo tipo de particulado, névoa de solda, névoa de usinagem. Tem a garantia completa de 01 (um) ano assistência técnica permanente, treinamento para equipe de manutenção.

Princípio de funcionamento
O ar poluído de diversos particulados que passam pela área de alto fluxo de íons de descarga, se ioniza pela tensão (efeito corona). As partículas que passam pelo campo eletrostático são carregadas eletricamente pela placas ionizadoras (+) ficando carregado positivamente estas partículas migram para as placas coletoras (-) com cargas opostas a sua. Assim que o ar passa pela célula é filtrado e drenado na bandeja coletora dependendo do tipo de poluente.

118

Detalhes técnicos
O conjunto dos elementos filtrantes são: 1. Pré filtros – tipo inercial ou névoa, fabricado em chapa galvanizada e tipo motobag de chapas estiradas em aço carbono galvanizado; 2. Célula eletrostática – fabricando em chapas de alumínio com as placas coletoras e ionizadoras de tripla ionização; 3. Pós filtros – fabricados em manta sintética descartável classificação F1. Opcionais: 1. carvão ativado para retenção partes de odores; 2. tipo motobag de chapas estiradas em aço carbono galvanizado; 3. Plenum de entrada e saída piramidal; 4. Gabinete do ventilador; 5. Registro veneziana; 6. Damper corta fogo. O filtro eletrostático MOTOVENT tem eficiência entre 95% a 99% de filtragem. Com a pressão estática inicial de 10 mmCA e final 20 mmCA. Manutenção de custo baixíssimo comparando com o semelhante. O gabinete do filtro eletrostático é fabricado em chapas de aço tratado e pintado para evitar corrosões.

Aplicações
Comerciais : 1. filtragem de névoa de cozinhas de fast-food em geral; 2. fumaça de churrascarias, restaurante e cozinha industriais. Industriais: 1. filtragem do ar de descarga dos motores a diesel para geradores de eletricidade; 2. manipulação e embalagem de alimentos; 3. industriais farmacêuticos, hospital, centro de convenções e sala de fumantes.

119

Operação
Desligar a chave do quadro elétrico para a manutenção do filtro eletrostático. Normalmente deverá ser desligado ou ligado pelo comando remoto instalado perto da coifa. Para funcionar o filtro deverá ser ligada a chave do quadro elétrico. O calendário de limpeza de limpeza dos filtros deverá ser definido de acordo com o volume de sujeira. Sugerimos a verificação semanal, quinzenal e mensal. Qualquer duvida entrar em contato com o nosso departamento de assistência técnica através do telefone: (11) 5528-4499.

Manutenção
1. O quadro elétrico deverá ser desligado e aguardar 15 (quinze) minutos até abertura das portas. A porta de inspeção possui interruptor de segurança que desliga automaticamente o transformador. 2. Após esse procedimento pode se iniciar a retirada das células para a limpeza por imersão numa solução de desengraxante por aproximadamente 2 a 4 horas. Quando da retirada das células eletrostática não esquecer a posição correta das agulhas para retorna-las no gabinete. Secar bem as células eletrostática antes de recoloca-los no gabinete por um período de 24 a 48 horas por causa da umidade nos isoladores. 3. Se o pós filtro de carvão ativado estiverem saturados, deverão ser trocados. A cada 6 meses o gabinete deverá ser limpo (lavado e ou raspado).

120

Peças sobressalentes
Quantidade dos filtros será definido conforme tamanho e modelo: 1. Célula eletrostática de alumínio ou inox; 2. Pré filtro de névoa ou inercial de alumínio ou inox; 3. Pré filtro de telas metálicas galvanizadas de densidade progressiva; 4. Pós filtro de manta sintética classificação F1 descartável * (vida útil variável em função do fator de utilização e da limpeza das células eletrostática); 5. Pós filtro de carvão ativado descartável * (idem).

121

LAVADORES DE GORDURA
Operação
4. Alimentar o tanque do lavador com água limpa; adicionado detergente não espumante PH neutro (opção MD 20); 5. A quantidade de detergente recomendada será de:

- modelo LG – 2900.............................. - modelo LG – 3240.............................. - modelo LG – 4665.............................. - modelo LG – 6480.............................. - modelo LG – 12000............................. - modelo LG – 14000............................. - modelo LG – 20580............................. - modelo LG – 25000............................. - modelo LG – 30000............................. - modelo LG – 35000............................. - modelo LG – 40000............................. - modelo LG – 53000.............................

150 ml 250 ml 300 ml 350 ml 500 ml 750 ml 750 ml 750 ml 1.100 ml 1.100 ml 1.500 ml 1.500 ml

6. Por em marcha a bomba centrifuga.; verificando se o sentido de giro da bomba está correto (sentido horário vendo pela traseira do motor); caso não esteja trabalhado no sentido certo providenciar a sua correção; 7. Colocar em marcha o exaustor.

Notas
7. O nível de água do lavador e estabelecido pelo registro bóia; o qual já sai regulado de fábrica; 8. O intervalo de manutenção do lavador em função do índice de gordura gerado no processo (variando então 7 a 30 dias; o qual será determinado pelo uso da instalação).

122

Limpeza
6. Desligar o exaustor e a bomba do lavador; 7. Escoar a água da bacia do lavador e abrir a porta de inspeção; 8. Remover a bateria de filtros do lavador e promover a sua limpeza fora do lavador; 9. Lavar internamente todo o lavador; 10. Remover os bicos pulverizadores e promover a sua limpeza; 11. Adicionar água na bacia do lavador até o nível de trabalho e ligar a bomba para limpeza do circuito hidráulico a seguir trocar a água da bacia do lavador; 12. Recolocar os bicos e baterias de filtros; 13. Adicionar detergente com PH neutro (opção MD 20) não espumante na bacia do lavador e fechar a porta de inspeção; 14. Os filtros quando recolocados nos quadros; deve-se atentar que as laminas das colméias fiquem no sento vertical.

123

APRESENTAÇÃO
Seu ventilador centrífugo ou axial , foi cuidadosamente projetado e construído, de modo a lhe oferece um desempenho longo e satisfatório, sempre que corretamente instalado, e adequadamente operado.

CHEGADA À OBRA
Recebimento

Os ventiladores Motovent, são equipamentos robustos e aptos ao trabalho pesado, porém durante o transporte requer alguns cuidados, a fim de evitar danos que possam prejudicar seu bom desempenho. Destacando que os mesmos são criteriosamente inspecionados antes do seu embarque, sendo responsabilidade do transportador chegada ao destino em perfeito estado de funcionamento. No ato da recepção dos equipamentos, recomendamos que seja inspecionado a fim de verificar se durante o transporte ou descarga, não sofreram qualquer dano, especialmente, nas partes girantes e mancais. Qualquer ocorrência deve ser imediatamente comunicada, a fim de evitar inconvenientes e prejuízos quanto ao funcionamento dos mesmos.

124

Manuseio
As unidades que permitam seu transporte devem ser manuseadas com cuidado para evitar quedas ou acidentes. Os equipamentos deverão ser suspensos pela base, ou por ganchos destinados para esse fim, nunca pelo eixo, acoplamentos, motor ou carcaça. As de maiores dimensões, são transportadas desmontadas cujas partes individuais mais delicadas como rotores, eixo e rolamentos, necessitam de cuidados especiais. Os rotores nunca devem ser suspensos pelas pás ou paredes laterais. Os conjuntos eixo-rotor devem ser suspensos pelo eixo, em ambos os lados do rotor simultaneamente, de modo a fazer com que o peso do rotor seja suportado pelo seu cubo. Se for utilizada uma corrente, esta deverá ser adequadamente protegida. Caso o rotor não seja acompanhado do respectivo eixo, um suporte deverá ser colocado no cubo para evitar danificar o furo do cubo. Todos os rotores são cuidadosamente balanceados, para garantir uma operação suave e sem vibrações. Caso seja danificado durante o manuseio, isto resultará numa perda da condição de balanceamento, devendo ser balanceado novamente. Do mesmo modo, qualquer dano ao eixo poderá ocasionar no desbalanceamento do ventilador.

125

Armazenamento
O armazenamento num prédio limpo e protegido de intempéries, não envolve precauções especiais. Se houver necessidade de armazenar os equipamentos sob condições severas ou por um longo período, deverão ser tomados cuidados especiais para proteção contra umidade, corrosão, sujeira ou acúmulo de pó. O rotor deverá ser bloqueado para evitar que o mesmo gire pela ação do vento. Como precaução adicional, o equipamento armazenado deverá ser inspecionado periodicamente, para assegurar que não estão ocorrendo ou se desenvolvendo danos importantes.

126

INSTALAÇÃO
Fundações
Ventiladores, motores ou qualquer outro tipo de acionamento, deverão ser instalados sobre fundações adequadas. Base de concreto é, normalmente, a melhor fundação, porém, dependendo do porte do equipamento, podem ser utilizadas bases de perfilados de aço. A possibilidade de ruído e vibração aparece e se transmite através da estrutura do prédio, é reduzida utilizando-se bases antivibrantes providas ou coxins de borracha. O equipamento deverá ser corretamente nivelado sobre a fundação e fixados por meio de chumbadores ou parafusos de ancoragem. Para bases de concreto recomenda-se a utilização de buchas por permitir uma correta fixação do ventilador , e um adequado aperto dos parafusos. Se forem utilizados calços, estes devem encaixar nos parafusos de fixação. Nos ventiladores com transmissão indireta quando utilizados coxins de borrachas ou molas como suportes antivibração, é necessário que o conjunto motor-ventilador esteja montado sobre uma base única.

127

Montagem da carcaça
Os ventiladores cujo porte permite que sejam manuseadas montadas, precisam somente ser corretamente niveladas, fixadas à fundação e alinhadas com as correias em “V”, polias e acoplamentos. No entanto é aconselhável verificar as condições dos rolamentos, rotor e transmissão ou acoplamento, antes colocar em funcionamento. Os equipamentos maiores têm de ser divididos em subconjuntos para facilitar o transporte e marcadas visando facilitar a montagem final. Cabe esclarecer que as caixas espirais são pré-montadas na Motovent. O procedimento de montagem varia de acordo com o tamanho do ventilador, mas em geral a carcaça é montada primeiro, seguida pela instalação do rotor com seu respectivo eixo, cones de aspiração, suportes de rolamento ou cavaletes e rolamentos. Em alguns casos, o conjunto rotor-eixo é instalado na carcaça parcialmente montada. Os ventiladores são projetados com a boca de aspiração removível, para permitir a instalação do conjunto rotor-eixo através dessa abertura.

128

Rotor
Todos os rotores são estática e dinamicamente balanceados antes do embarque. Eles precisam ser fixados ao eixo pela chaveta , encaixada entre o eixo e o cubo do ventilador. Tanto a chaveta como os parafusos do cubo devem ser corretamente apertados. O sentido de rotação do rotor, é indicado por uma seta colocada na carcaça do ventilador. Para o correto funcionamento é essencial que o rotor gire no sentido indicado.

Supervisão de montagem
Para equipamentos particularmente grandes e embarcados desmontados é recomendável que a instalação seja orientada por um supervisor com plena experiência em montagem de ventiladores. Para obter informações quanto à prestação deste serviço, queira contatar nossa Gerência comercial.

Rolamentos
Os rolamentos para todos os ventiladores Motovent, são cuidadosamente selecionados para carga, velocidade e arranjo a fim de fornecer uma vida útil de mais de 10000 horas. Rolamentos auto lubrificantes do tipo monobloco, são fornecidos com graxa suficiente para toda sua vida útil, não sendo necessária relubrificação dos mesmos. Rolamentos convencionais requerem relubrificação periódica conforme tabela de aplicação específica anexa, com intervalos mínimos de 1500 horas.

129

Alinhamento
O alinhamento dos rolamentos, é extremamente importante e deve ser sempre rigorosamente verificado, exceto quando utilizado rolamentos do tipo auto-alinhante.

Acionamento
As polias devem estar fixas na posição de trabalho, e as chavetas deverão prendê-las firmemente. O alinhamento é correto quando o eixo do ventilador e o do motor estão paralelos, e as correias; perpendiculares aos eixos. Um fio esticado ou uma régua podem ser utilizados para alinhar as polias.

As correias devem estar sob ligeira tensão, e devem ceder um pouco quando apertadas no vão uma contra a outra (no centro da distância entre as polias). Deve evitar utilizar uma tensão excessiva nas correias, pois isto danifica os fios e diminui a vida útil das mesmas, além de sobrecarregar os mancais. Nunca se deve passar as correias pelas bordas da polia, sem desapertar os parafusos que tencionam as correias. Controle a tensão das correias diariamente nos cinco dias de após isto uma vez primeiros operação e por mês.

130

Verificações pré-operação
Antes de colocar o ventilador em operação, remova todo vestígio de transporte como cabos, madeira ou travas no rotor e gire o mesmo manualmente para ter certeza que está rodando livre e não está raspando na carcaça ou qualquer outro lugar. Verifique que o rotor esteja fixo no eixo. Observe os acoplamentos, correias e polias, e seus alinhamentos. Antes de rodar o equipamento definitivamente, aplique força por um segundo para observar o sentido de rotação do motor e verificar que seja igual à seta indicativa na carcaça do ventilador.

Causas de vibração
Todos os rotores são estática e dinamicamente balanceados na fábrica e seu alinhamento é verificado. Se aparecer vibração no equipamento, verifique os seguintes pontos: 8. alinhamento dos rolamentos e acionamento; 9. deformações no eixo; 10. rotor ou polias mal fixados no eixo; 11. parafusos desapertados; 12. rolamentos soltos na caixa com parafusos de fixação desapertados; 13. motor desbalanceado; 14. rotor corroído ou danificado; 15. eixos desbalanceados 16. aderência de materiais estranhos no rotor. Se a vibração não é devida a algumas das causas acima, verifique as palhetas do rotor. O material que estiver acumulado no rotor deve ser retirado mecanicamente ou por lavagem alcalina, exceto em rotores de alumínio, por este ser sensível às soluções alcalinas.

131

MANUTENÇÃO
Caso o rotor tenha palhetas danificadas, o mesmo deve imediatamente substituído ou enviado à Motovent para ser reparado. Nos lugares especialmente sujeitos a impacto de particulados, sugerimos a aplicação por solda de uma camada de metal duro. Todo e qualquer reparo, inclusive aplicação de metal duro, deve ser realizado na Motovent e requer um novo balanceamento do rotor antes da montagem no conjunto. Os ventiladores que aspiram vapores corrosivos, devem ter seu interior protegido por um revestimento especial ou sistema de pintura resistente à corrosão. Este sistema de pintura deve ser reaplicado toda vez que se observe sua deterioração. Quando for necessário substituir uma correia em “V”, trocar o jogo completo, para não deixar correias novas e velhas funcionando em conjunto, pois geralmente ele têm comprimentos diferentes. Em geral, pode se dizer que uma boa manutenção de ventiladores consiste em inspeções sistemáticas e regulares, testes e detecção de falhas antes que os problemas de fato ocorram, seguidos dos respectivos reparos ou substituições. A experiência e a observação é quem melhor determina a freqüência das várias operações de manutenção, pois os requisitos para esta variam enormemente de caso para caso, dependendo da severidade do trabalho, condições do local e tipo de aplicação.

132

Peças de reposição
Para qualquer ventilador é aconselhável reservar algumas peças de reposição tais como correias em “V”, rolamentos e alguns casos rotores, motores ou até o próprio conjunto moto-ventilador. Para uma lista de peças de reposição adequada à aplicação do seu ventilador, entre em contato com a nossa gerência comercial, mencionando seu número de série e ano de fabricação.

GRAXAS PARA LUBRIFICAÇÃO DE ROLAMENTOS
Há um grande número de graxas disponíveis no mercado, que são adequadas para lubrificação de rolamentos. A maioria delas consiste de óleo mineral engrossado com sabão metálico. Para condições de trabalhos especiais, há outros tipos de graxas como, por exemplo, lubrificantes engrossados com outros agentes ao invés de sabão metálico, ou graxas contendo diésteres sintéticos ou óleos de silicone. De uma graxa para rolamentos requer-se não somente que ela os lubrifique, mas também que o proteja contra o meio ambiente, a fim de evitar a ação de agentes danosos. Preliminarmente, há o agente engrossante, o qual confere à graxa o seu caráter peculiar. Há uma considerável diferença entre as características dos diferentes tipos de graxas, as quais são influenciadas de várias maneiras, por diversos fatores, sob diferentes condições e trabalho. As recomendações gerais fornecidas abaixo, para facilitar a seleção, são baseadas em testes feitos em equipamentos da SKF para testes de graxas e também em experiências práticas,em cooperação com as companhias de óleos.

133

Poder lubrificante
Geralmente pode-se afirmar que todas as graxas constantes na tabela oferecem uma boa lubrificação, se forem observadas as recomendações concernentes aos limites de utilização. As graxas de silicone não têm poder lubrificante tão elevado quanto as graxas de óleo mineral. Entretanto, têm um boa resistência à temperatura e por essa razão são usadas em rolamentos que trabalham a altas temperaturas, se a velocidade for baixa e a carga moderada.

Intervalos de temperatura
Os intervalos de temperatura indicados na tabela, significam temperatura constante de operação. Em alguns casos, temperatura mais de curta duração pode ser permitida. O limite superior para temperatura está em regra, consideravelmente abaixo do ponto de gota. Atualmente, algumas companhias de óleo começaram a produzir um novo tipo de graxa de cálcio denominada graxa complexo de cálcio, a qual não é estabilizada com água e conseqüentemente pode ser usada a temperaturas mais altas. O efeito de frenagem do lubrificante nos corpos rolantes à temperatura extremamente baixa, é de certa importância. É importante, especialmente, se a carga no rolamento for baixa, selecionar graxas para as quais o limite inferior de temperatura seja ligeiramente abaixo da temperatura de trabalho.

134

Penetração
A penetração é a medida de consistência da graxa. Na tabela, a consistência é indicada em conformidade com a escala NLGI (National Lubricanting Grease Institute). Em regra, o grau 2 de consistência é adequado para rolamentos. Graxas com o grau de consistência 3, são ligeiramente mais duras, mais usadas, por exemplo, para rolamentos vibrando fortemente, onde uma graxa mole seria sacudida e submetida a um trabalho demasiadamente severo.

135

Fabricante

Graxa

Sabão metálico

Consist. NGL

Int. de temp.

Anticorrosão

Outras propr.

Esso

Beacon 3

Li

3

IV

c

Mh

Starfak Texaco Premium 3 Li 3 IV b Mh

Ipiranga

Ipiflex 3

Mobil

Beacon 3

Li

3

IV

c

Mh

Petrobrás

GMT3

136

Notas: 1 - Intervalos de temperatura 1.1 - I : -20 a +50°C, adequada até 1/3 da rotação máxima conforme catálogo SKF; 1.2 - II : -30 a +80°C, adequada até 2/3 da rotação máxima conforme catálogo SKF; 1.3 - III : -30 a +100°C, adequada até 2/3 da rotação máxima conforme catálogo SKF; 1.4 - IV: 30 a +110°C, adequada até a rotação máxima conforme catálogo SKF; 1.5 - V: 30 a +150°C, permitida só para baixas rotações.

2 – Poder anticorrosivo: 2.1 – a: apenas para rolamentos secos; 2.2 – b: propriedades lubrificantes não se alteram pela condensação de umidade; 2.3 – c: propriedades lubrificantes não se alteram pela presença de pequenas quantidades de água; 2.4 – d: propriedades lubrificantes não se alteram pela presença de pequenas quantidades de água salgada.

3 – Outras propriedades: 3.1 – m: boa estabilidade mecânica, adequada para aplicações vibratórias moderadas; 3.2 – M: boa estabilidade mecânica, adequada para aplicações vibratórias extremas; 3.3 – h: o alojamento do rolamento pode ser cheio completamente exceto em aplicações vibratórias; 3.4 - * : a viscosidade do óleo de base não inferior a 100cS a 50°C.

4 – A existência ou manutenção das propriedades indicadas para as graxas desta tabela é de responsabilidade única e exclusiva dos fabricantes de lubrificantes. 137

OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO PREVENTIVA DO EXAUSTOR DE
TELHADO ATT

Operação
9. Fixar o exaustor no telhado apoiado sobre as travessas de fixação das telhas, tentando se suportará seu peso (75kg) mais o do operador; 10. Fechar as pontas dos fios do motor elétrico conforme a tensão disponível para alimentação; 11. Colocar em marcha o ventilador e desligar em seguida verificando se o sentido de giro está correto; (fluxo de ar) caso não esteja, fazer a correção.

Manutenção
3. Os rolamentos do motor elétrico têm lubrificação até o fim da vida útil; 4. Anualmente providenciar a limpeza da hélice.

138

OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO PREVENTIVA DO VENTILADOR
CENTRÍFUGO SVDL

Operação
4. Fixar o ventilador na base ou suporte, de maneira que a base fique nivelada e o eixo do ventilador esteja no plano horizontal. Conectar, a seguir, a rede de dutos no equipamento; 5. Fechar as pontas dos fios do motor conforme a tensão disponível para alimentação; 6. Colocar em marcha o ventilador e desligar em seguida verificando se o giro está correto; caso não esteja, fazer a correção; 7. Medir a corrente do motor verificando se está abaixo da marcação da placa do mesmo. Caso esteja acima, providenciar o fechamento do registro para regular a vazão até que a corrente atinja o valor especificado.

Manutenção
4. Os rolamentos do motor elétrico têm lubrificação até o fim da vida útil; 5. Os rolamentos do ventilador deverão ser lubrificados em intervalos de 1500 horas de funcionamento com graxa Alvania R3 ou equivalente; 6. Verificar a tensão das correias a cada 3 meses; 7. Verificar mensalmente o filtro da tomada de ar, caso esteja sujo, deve ser substituído

139

OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO PREVENTIVA DO VENTILADOR
CENTRÍFUGO SVSL

Operação
15. Fixar o ventilador na base ou suporte, de maneira que a base fique nivelada e o eixo do ventilador esteja no plano horizontal. Conectar, a seguir, a rede de dutos no equipamento; 16. Fechar as pontas dos fios do motor conforme a tensão disponível para alimentação; 17. Colocar em marcha o ventilador e desligar em seguida verificando se o giro está correto; caso não esteja, fazer a correção; 18. Medir a corrente do motor verificando se está abaixo da marcação da placa do mesmo. Caso esteja acima, providenciar o fechamento do registro para regular a vazão até que a corrente atinja o valor especificado.

Manutenção
1. Os rolamentos do motor elétrico têm lubrificação até o fim da vida útil; 2. Os rolamentos do ventilador deverão ser lubrificados em intervalos de 1500 horas de funcionamento com graxa Alvania R3 ou equivalente; 3. Verificar a tensão das correias a cada 3 meses.

140

OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO PREVENTIVA DO VENTILADOR
CENTRÍFUGO LVSL

/ LVDL

Operação
1. Fixar o ventilador na base ou suporte, de maneira que a base fique nivelada e o eixo do ventilador esteja no plano horizontal. Conectar, a seguir, a rede de dutos no equipamento; 2. Fechar as pontas dos fios do motor conforme a tensão disponível para alimentação; 3. Colocar em marcha o ventilador e desligar em seguida verificando se o giro está correto; caso não esteja, fazer a correção; 4. Medir a corrente do motor verificando se está abaixo da marcação da placa do mesmo. Caso esteja acima, providenciar o fechamento do registro para regular a vazão até que a corrente atinja o valor especificado.

Manutenção
19. Os rolamentos do motor elétrico têm lubrificação até o fim da vida útil; 20. Os rolamentos do ventilador deverão ser lubrificados em intervalos de 1500 horas de funcionamento com graxa Alvania R3 ou equivalente; 21. Verificar a tensão das correias a cada 3 meses.

141

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->