Você está na página 1de 1

Ensaio critico sobre o poema noite no apartamento de Alberto Martins

O poema composto em verso livre, algo comum para os poetas contemporneos, sendo assim no h preocupao com aproximao de nenhum modelo preexistente, mas ainda prevalece a importncia do metro. Nas primeiras estrofes a escanso mostra que o primeiro verso tem seis silabas poticas e os quatros outros versos da mesma estrofe trs, na segunda estrofe o primeiro e o quarto verso tem quatro silabas poticas e os versos dois e trs possuem cinco. Na terceira estrofe ele constri um ritmo interessante com o primeiro e o terceiro verso com quatro silabas poticas e o quinto com trs, j o segundo e quarto verso tem seis silabas poticas e o quinto verso tem cinco. Na ultima estrofe as silabas poticas so seis quatro trs e trs em seus respectivos versos. Sobre a forma que ele constri o poema, ele utiliza uma serie de eptetos qualificativos do cubo, na primeira estrofe, sempre com trs silabas poticas. Dentro da estrutura geral do poema percebe-se que primeiro h uma descrio do cubo em trs estrofes e no final uma concluso. Observando o titulo, possvel notar que o referido cubo o apartamento do eu lrico, porem esse apartamento simblico na verdade ele representa a zona de conforto do poeta, essa rea esta perturbada por vozes, luzes e rudos. Assim o poeta sugere uma possvel loucura inerente da vida urbana, loucura ressaltada em outras partes do texto. Na segunda estrofe o poeta generaliza o cubo, neste cubo e noutro milhares, nota-se que esses sentimentos que o atormentam esto em toda parte e no pertencem exclusivamente a ele mas a milhares de outros eu. Nessa segunda estrofe o autor faz uma contraposio de imagens entre cho e o avio da primeira estrofe. A imagem de um avio do cho reforada na terceira estrofe por mergulhar, alm dessa outras imagens sombrias povoam a terceira estrofe: "neste cubo/ e noutros milhares/ suspensos na noite/ longe do cho" A noite em que milhares de cubos esto suspensos mescla com a ideia do avio no cho e junto com a imagem da noite agrega um clima morturio ao poema, clima esse que suas caractersticas so ressaltadas na terceira estrofe. neste cubo/ prestes a mergulhar/ no escuro/ sem tubo de oxignio/ sem tanque/ de descompresso As imagens fnebres so mais atenuadas nessa penltima estrofe principalmente pela asfixiante imagem de falta de oxignio. No que se refere ao ritmo, percebesse bem o uso de s e o com predominncia, de todas as dezenove ultimas palavras de cada verso somente quatro (mergulhar, tanque, rascunha, cidade) no possuem o ou s.

Você também pode gostar