P. 1
UNIDADE8

UNIDADE8

|Views: 711|Likes:

More info:

Published by: Helder Daniel Badiani on Jun 30, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/29/2014

pdf

text

original

QUESTÕES DO ENEM, DE VESTIBULARES

E AVALIAçÕES SERIADAS
1
Unidade VIII - PERIFERIAS E PERSPECTIVAS ATUAIS Material complementar ao livro Geografa: o mundo em transição, de José William Vesentini • Editora Ática S.A.
Unidade VIII
Periferias e perspectivas atuais
1. (UnB/PAS-DF-Adapt.) Apesar do espaço que ocupam na atenção mundial,
a Faixa de Gaza e a Cisjordânia são áreas minúsculas. A Faixa de Gaza, lar
de 1,1 milhão de palestinos e de 7 mil colonos israelenses, tem apenas 42
quilômetros de comprimento. Em apenas quatro horas é possível cruzar a
Cisjordânia de norte a sul. Por modernas vias expressas, a travessia leste-
-oeste, entre o rio Jordão e a Linha Verde, a fronteira entre a Cisjordânia e
Israel, não leva mais de meia hora para ser transposta.
Revista National Geographic, out. 2002 (com adaptações).
Considerando o texto acima, julgue os itens abaixo, relativos às condi-
ções de vida dos habitantes desses territórios, e assinale a afrmação
correta.
a) ( ) A população palestina que vive na Faixa de Gaza e na Cisjordânia está sob o
controle político da Jordânia, país reconhecido por sua neutralidade no confito
israelense-palestino.
b) ( ) Entre os países árabes muçulmanos, os que estão localizados no norte da
África são considerados pobres, enquanto os localizados no Oriente Médio são
considerados emergentes, devido à riqueza da exploração do petróleo.
c) ( ) A economia dos territórios palestinos está embasada na produção de produ-
tos primários — principalmente na agricultura.
d) ( ) O apoio fnanceiro e militar dado pelos Estados Unidos da América (EUA) a
Israel não se restringe aos laços de religião, mas deve-se, principalmente, à po-
sição estratégica de Israel no Oriente Médio e por sua importância na produção
mundial de petróleo.
2. (Fuvest-SP) O continente africano é extremamente diverso. Pesquisado-
res o dividem em regiões como a do Magreb, localizada:
a) ao sul do Saara, formada por países que foram colônias francesas.
b) no noroeste da África, constituída por países onde predomina a religião islâmica.
c) no extremo sul, onde se encontram os países mais industrializados da África.
d) na África Central, onde as fronteiras políticas estabeleceram-se antes que nas
demais regiões.
e) no nordeste da África, foco de confitos tribais pela defnição de fronteiras.
3. (PUC-PR) A civilização árabe, predominantemente islâmica, constitui-se
de dezenas de estados e nações, totalizando um pouco mais de um bi-
lhão de pessoas. O islamismo é atualmente a religião predominante nas
seguintes regiões do mundo, exceto:
a) A África saariana.
b) As ilhas que compõem a Indonésia.
c) O Oriente Médio.
d) A África meridional.
e) As ex-repúblicas soviéticas da Ásia Central, como o Casaquistão e o Usbequis-
tão, entre outros.
4. (PUC-PR) O aproveitamento dos rios da bacia Platina para a produção
de energia hidroelétrica interessa aos países que compõem o Merco-
sul. Considerando a posição geográfca desses países, podemos afrmar
que:
a) A Bolívia está em melhor situação por ter parte de seu território na bacia Platina
e parte na bacia Amazônica.
b) Argentina e Chile obtêm toda sua energia graças aos cursos de água que des-
cem dos Andes.
c) Brasil e Paraguai são favorecidos, porque estão no alto curso do rio Paraná onde
o potencial é maior.
d) Argentina e Uruguai são privilegiados, porque aí os rios têm escoamento mais
regular.
e) Uruguai e Paraguai não podem obter energia hidroelétrica, porque grande parte
de seus rios são temporários.
5. (UFPE) Leia o texto abaixo e a seguir identifque no mapa o país a que
se refere.
“A importância da antiga ‘joia da Coroa’, como era chamado o país
na época em que era uma colônia inglesa na Ásia, deve-se a vários
fatores. O principal deles foi sua confrmação como potência nuclear
a partir dos testes que realizou em maio de 1998. Além disso, o país
possui mais de 1 bilhão de habitantes e um exército de mais de 1 milhão
de homens. A sua posição geográfca o projeta em direção ao oceano
Índico, tendo a leste o golfo de Bengala e a oeste o mar das Arábias.”
(Texto adaptado do livro Geografa — pesquisa e ação. Ed. Moderna, 2000.)
a) 1. d) 4.
b) 2. e) 5.
c) 3.
6. (UFPE) Recentemente, a Argentina foi atingida por uma grave crise eco-
nômica. A respeito dessa crise que marcou a história desse país latino-
-americano, podemos afrmar:
a) ( ) desde 1991, o peso argentino fcou equivalente a um dólar; para manter essa
cotação, o governo daquele país precisava manter suas reservas em dólares.
b) ( ) a economia argentina poderia ter tido melhores chances de sair da crise
econômica, se tivesse um regime cambial semelhante ao do Brasil.
c) ( ) atrelados ao dólar, os produtos argentinos fcaram muito caros, impedindo,
assim, o crescimento da economia.
d) ( ) para honrar os débitos, e como não houve um crescimento da economia
argentina, o governo precisou solicitar mais empréstimo ao FMI.
e) ( ) durante vários anos, a Argentina mergulhou num processo, denominado
recessão, não conseguindo atrair investimentos; sem investimentos, a arreca-
dação não cresceu.
QUESTÕES DO ENEM, DE VESTIBULARES
E AVALIAçÕES SERIADAS
2
Unidade VIII - PERIFERIAS E PERSPECTIVAS ATUAIS Material complementar ao livro Geografa: o mundo em transição, de José William Vesentini • Editora Ática S.A.
Responda às questões 7 e 8 a seguir com base no mapa abaixo.
OCEANO ÍNDICO
OCEANO
ATLÂNTICO

7. (PUC-RS) O país assinalado no mapa, que apresenta um dos menores valo-
res referentes ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do mundo, é:
a) Líbia. d) Argélia.
b) Serra Leoa. e) Marrocos.
c) Uganda.
8. (PUC-RS) A estrutura da divisão política africana caracteriza-se por:
a) conter países com áreas semelhantes e limites políticos com linhas retas, em
função da infuência da Europa sobre sua divisão política.
b) respeitar as características tribais, dividindo-se os países conforme a ocupação
feita pelas etnias.
c) obedecer à lógica da divisão política da Ásia, ou seja, considerar em cada país
as características religiosas já pertencentes aos grupos étnicos.
d) ter países com pequenas áreas, situados na Costa Oriental, e países com gran-
des áreas, na Costa Ocidental.
e) apresentar o resultado de guerras entre tribos nativas que tinham como prêmio
a conquista e delimitação de novos territórios.
9. (Enem) A fgura apresenta as fronteiras entre os países envolvidos na
Questão Palestina e um corte, no mapa, da área indicada.
210 m
880 m
650 m
–310 m
890 m
1040 m
Planície Costeira
ISRAEL
OESTE LESTE
CISJORDÂNIA JORDÂNIA
Mediterrâneo
Nível do mar
Limite
Israel/Cisjordânia
Vale do Jordão
Platô Central
EGITO
JORDÂNIA
ISRAEL
CISJORDÂNIA
O L
SÍRIA
Mar
Mediterrâneo
LÍBANO
0 9 km
Adaptado da revista Hérodote, números 29 e 30.
Com base na análise dessa fgura e considerando o confito entre ára-
bes e israelenses, pode-se afrmar que, para Israel, é importante manter
ocupada a área litigiosa por tratar-se de uma região:
a) de planície, propícia à atividade agropecuária.
b) estratégica, dado que abrange as duas margens do rio Jordão.
c) habitada, majoritariamente, por colônias israelenses.
d) que garante a hegemonia israelense sobre o mar Mediterrâneo.
e) estrategicamente situada devido ao relevo e aos recursos hídricos.
10. (Enem) “O continente africano em seu conjunto apresenta 44% de suas
fronteiras apoiadas em meridianos e paralelos; 30% por linhas retas e
arqueadas; e apenas 26% se referem a limites naturais que geralmente
coincidem com os de locais de habitação dos grupos étnicos.”
Martin, A. R. Fronteiras e nações. São Paulo, Contexto, 1998.
Diferente do continente americano, onde quase que a totalidade das
fronteiras obedecem a limites naturais, a África apresenta as caracte-
rísticas citadas em virtude, principalmente,
a) da sua recente demarcação, que contou com técnicas cartográfcas antes des-
conhecidas.
b) dos interesses de países europeus preocupados com a partilha dos seus recur-
sos naturais.
c) das extensas áreas desérticas que difcultam a demarcação dos “limites naturais”.
d) da natureza nômade das populações africanas, especialmente aquelas oriundas
da África subsaariana.
e) da grande extensão longitudinal, o que demandaria enormes gastos para de-
marcação.
11. (Uerj) Ao refetirmos sobre o papel da África frente ao processo de globali-
zação deparamo-nos com a questão da sua exclusão no sistema mundial.
(Mary, C. P. África: De mundo exótico a periferia abandonada. In: Globalização e
fragmentação no mundo contemporâneo. Niterói: EdUFF, 1998.)
A referida exclusão pode ser creditada, entre outros motivos, à relação
formada entre:
a) alto controle da economia por empresas nacionais — investimento signifcativo
no mercado interno.
b) grande desconexão no comércio internacional — precariedade de desenvolvi-
mento de novas tecnologias.
c) reduzido fuxo fnanceiro com as potências capitalistas — interesse dos mega-
blocos de poder na integração social.
d) grande mudança da conjuntura internacional — valorização dos tradicionais
produtos agrícolas de outros continentes.
12. (Unirio-RJ) Ao relacionarmos o relevo do continente africano com o
aproveitamento econômico de seu território, podemos afrmar que:
a) a não existência de planaltos sedimentares inviabiliza a ocorrência de recursos
minerais de valor comercial, justifcando a pobreza deste continente neste tipo
de recurso.
b) o relevo predominantemente planáltico difculta a navegação fuvial mas, ao for-
mar inúmeras quedas-d’água, contribui para um grande potencial hidrelétrico.
c) o potencial hidrelétrico do continente é muito baixo por não ocorrerem altas
montanhas da era terciária, mas é grande a capacidade de transporte de sua
rede hidrográfca.
d) o predomínio das planícies em toda a porção central facilita a mecanização
agrícola, bastante desenvolvida nos países desta região.
e) o predomínio de planícies foi o que favoreceu a interiorização do processo de
crescimento econômico que sempre se concentrou nas cidades do interior, em
prejuízo das cidades mais próximas do litoral.
QUESTÕES DO ENEM, DE VESTIBULARES
E AVALIAçÕES SERIADAS
3
Unidade VIII - PERIFERIAS E PERSPECTIVAS ATUAIS Material complementar ao livro Geografa: o mundo em transição, de José William Vesentini • Editora Ática S.A.
13. (FGV-SP) Entre os 50 países mais pobres do mundo, classifcados se-
gundo o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Programa das
Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), 33 estão situados nes-
sa região. Desnutrição, pobreza, analfabetismo e condições sanitárias
precárias exemplifcam o lado perverso da globalização, que amplia o
crescimento das desigualdades no mundo.
Fonte: Adapt. http://www.mondediolomatigue.fr/cartes/pauvreteindimdv51
O texto refere-se:
a) ao Sudeste Asiático.
b) à Ásia meridional.
c) à África subsaariana.
d) à América Latina.
e) à África do norte.
14. (UFMG) A África é considerada um continente caracterizado por pro-
blemas de ordem natural, humana e econômica.
Todos os seguintes fatores contribuem para essa situação, exceto:
a) Concentração urbana no interior do continente, em megacidades, onde os in-
vestimentos no planejamento se têm mostrado pouco efetivos na solução dos
problemas típicos dos grandes centro urbanos.
b) Exploração dos recursos naturais, que vem sendo feita de forma predatória, para
atender às necessidades da população local ou realizada pelo capital estrangei-
ro, em detrimento dos interesses nacionais.
c) Interferência do componente étnico, que, acirrando as disputas pelo poder, con-
duz, alternadamente, diferentes grupos ao controle do governo e dos recursos
disponíveis, bem como ao desrespeito às demais etnias.
d) Produção de alimentos, que tem sido afetada tanto por desequilíbrios naturais
e pela atuação humana quanto pela estagnação técnica da agricultura e pela
desorganização das formas tradicionais de uso da terra.
15. (FGV-SP) Observe a fgura abaixo:
(Fonte: O Estado de S.Paulo, 19/04/2000. p. A3.)
A representação da África permite várias interpretações, como as que
seguem abaixo:
I. A África chora a destruição das estruturas econômicas e sociais de
suas antigas comunidades, decorrente da partilha colonial europeia,
ofcializada pela Conferência de Berlim.
II. A lágrima, lembrando o formato de diamante, registra a pobreza de
países africanos que possuem tal recurso. Em Angola, Congo ou
Serra Leoa essas pedras tornaram-se motores de trabalho escravo,
assassinato e colapso econômico.
III. Engrossada pelo lago da Vitória, a lágrima alcança as proximidades
de Zimbábue, país que enfrenta grave crise social, e de Moçambi-
que, onde crianças desnutridas pagam com a vida a dívida externa
do país.
IV. O cabelo trançado é uma alusão à população negra, predominante
na porção setentrional do continente.
V. As tranças, próximas umas das outras, indicam a elevada densidade
demográfca na África do norte.
Somente são verdadeiras as interpretações contidas em:
a) I, II e III.
b) II, III e IV.
c) I, III e V.
d) II, IV e V.
e) I, IV e V.
16. (Fuvest-SP) O processo de descolonização na África foi acompanhado
por:
a) elevação nas taxas de crescimento da população do campo, que foi modernizado
para produzir alimentos para o mercado interno.
b) abertura da economia dos países africanos, devido à dimensão do seu mercado
consumidor, aumentando signifcativamente sua participação no comércio mun-
dial.
c) democratização do continente, que se livrou das ditaduras nele instaladas nos
anos noventa do século XX, com apoio das antigas metrópoles.
d) imposição política externa de limites fronteiriços, que gerou uma série de lutas
políticas internas em vários países.
e) migração controlada da população africana, decorrente dos confitos tribais,
para países que anteriormente dominaram o continente.
17. (UnB-DF) O Oriente Médio é uma das áreas mais confituosas do plane-
ta, sempre tendo como pano de fundo a questão étnico-cultural. Com
relação aos confitos verifcados nas últimas décadas, envolvendo po-
der, território e recursos naturais nessa área, julgue os itens que se
seguem.
I. Os curdos representam um movimento guerrilheiro separatista que
reivindica um território independente do Iraque.
II. A guerra Irã-Iraque teve, entre outros motivos, uma questão terri-
torial estratégica importante para a produção petrolífera dos dois
países.
III. A revolução iraniana que depôs o xá Reza Pahlevi, fortalecendo o
regime xiita, alcançou tais resultados graças ao apoio militar dos
Estados Unidos.
IV. A invasão do Kuwait pelo Iraque foi fnalizada por um acordo de paz,
pelo qual o Kuwait aceitou estabelecer as novas fronteiras exigidas
pelo Iraque.
São corretos os itens:
a) I, II, III e IV;
b) II e IV;
c) I e IV;
d) I e II;
e) II e III.
QUESTÕES DO ENEM, DE VESTIBULARES
E AVALIAçÕES SERIADAS
4
Unidade VIII - PERIFERIAS E PERSPECTIVAS ATUAIS Material complementar ao livro Geografa: o mundo em transição, de José William Vesentini • Editora Ática S.A.
18. (Mack-SP) Considere as seguintes afrmativas sobre a África negra:
I. A maior parte da população ativa concentra-se no setor primário.
II. Apresenta os maiores índices de crescimento vegetativo do mundo.
III. Tem um subsolo muito pobre em recursos minerais.
IV. A agricultura utiliza o sistema itinerante para a subsistência e plan-
tations para a exportação.
Entre as afrmações anteriores, são verdadeiras somente:
a) I e III.
b) III e IV.
c) I, II e IV.
d) II e IV.
e) I, II e III.
19. (Fuvest-SP) No mapa, está destacada a região habitada pelos
...................., que buscam construir um Estado nacional. Assinale a al-
ternativa que completa corretamente a frase.
Mar Negro
Mar
Cáspio
Azerbaijão
Turquia
Síria
Iraque
Jordânia
Armênia
Irã
40
ο
N
40
ο
E
Mar
Mediterrâneo
222 km
Adapt. Simielli, 2000.
a) Chechenos.
b) Ossétios.
c) Curdos.
d) Tibetanos.
e) Palestinos.
20. (PUC-MG) Em relação ao Oriente Médio, assinale a afrmativa incor-
reta:
a) Existem alguns países com elevada renda per capita e, ao mesmo tempo, com
violentas desigualdades sociais.
b) São grandes as difculdades de se colocarem em prática os acordos estabeleci-
dos entre os representantes de Israel e da Palestina.
c) Registra-se plena aceitação da infuência dos Estados Unidos na região, após o
término da guerra fria.
d) Existem muitas difculdades de convivência harmoniosa da religião muçulmana,
predominante entre os árabes, com outros cultos e seitas religiosas.
e) Ocorrem frequentes confitos internos no islamismo, entre os grupos radicais e
os mais moderados.
21. (PUC-MG) “É uma região estratégica em nível mundial. Nos confitos
regionais, destacam-se os confrontos entre árabes e judeus, acirrados
com a criação do Estado de Israel. Para conquistar uma nação inde-
pendente, os palestinos têm adotado táticas diversas, que vão das ne-
gociações diplomáticas às ações armadas.”
Assinale a região que corresponde ao texto:
a) Europa oriental.
b) África ocidental.
c) Oriente Médio.
d) Sudeste Asiático.
e) Índia, Israel e Paquistão.
22. (Unirio-RJ) Os confitos em torno da utilização das águas da bacia do
rio Jordão e da bacia dos rios Tigre e Eufrates reforçam a previsão de
alguns que afrmam que, no Oriente Médio, as futuras disputas não es-
tarão centradas no petróleo, mas na água, valorizando-a como elemen-
to estratégico. A preocupação em torno da água enquanto recurso se
justifca, pois:
I. a água potável, além de não se repartir igualmente pela superfície
terrestre, é um recurso que apresenta um ciclo natural renovável mas
exibe reservas limitadas;
II. além do aumento de seu consumo devido ao crescimento popula-
cional e das superfícies agrícolas irrigadas, intensifca-se a poluição
dos mananciais, o que compromete as reservas hídricas do planeta;
III. apesar de a água doce representar mais da metade da massa líqui-
da do planeta, mais de 60% desta água não estão disponíveis, pois
referem-se às geleiras, calotas polares e lençóis profundos.
É(São) correta(s) a(s) afrmativa(s):
a) I apenas.
b) II apenas.
c) I e II apenas.
d) II e III apenas.
e) I, II e III.
23. (Uerj)
TEXTO I
Se a história moderna do Oriente Médio ensina alguma coisa, é que
uma paz mal concebida pode originar problemas fatais...
(Jornal do Brasil, 19 set. 1993.)
TEXTO II
Apinhado de gente ansiosa em busca de parentes desaparecidos e jo-
vens enfurecidos, que recebiam as ambulâncias aos gritos de “Deus é
grande”, o hospital de Ramalah, cidade vizinha de Jerusalém, revivia o
clima dos dias mais violentos da intifada. A realidade contudo era bem
diferente. A entrada da polícia de Arafat em confronto aberto com o
Exército de Israel estabeleceu uma nova realidade na difícil convivên-
cia entre palestinos e israelenses...
(Revista VeJa, 2 out. 1996.)
A leitura dos textos I e II nos leva à conclusão de que Israel e a Orga-
nização pela Libertação da Palestina (OLP) vivem o paradoxo de terem
celebrado um acordo de paz, sem, no entanto, chegarem a uma efetiva
e pacífca convivência.
Essa situação contraditória por que passa o processo de paz entre
israe lenses e palestinos está diretamente relacionada ao equaciona-
mento da seguinte questão fundamental:
QUESTÕES DO ENEM, DE VESTIBULARES
E AVALIAçÕES SERIADAS
5
Unidade VIII - PERIFERIAS E PERSPECTIVAS ATUAIS Material complementar ao livro Geografa: o mundo em transição, de José William Vesentini • Editora Ática S.A.
a) oposição norte-americana à pacifcação do Oriente Médio.
b) manutenção da OLP sob o comando de grupos fundamentalistas.
c) implantação de novas colônias judaicas na Cisjordânia ocupada.
d) concessão de autonomia administrativa aos palestinos de Jerusalém e Golã.
24. (UEL-PR) “Até o século XIX, falava-se Oriente para designar os territó-
rios sob dominação otomana. A penetração europeia na China, no fnal
do século XIX, conduziu à invenção do conceito de Extremo Oriente, o
que levou, por reação, ao nascimento da expressão Oriente Próximo.
Entre o Oriente Próximo e o Extremo Oriente, os anglo-saxões introdu-
ziram, no início do século XX, o conceito de Oriente Médio, para indicar
as regiões que vão do mar Vermelho ao império britânico das Índias.
Após a Primeira Guerra Mundial e a queda do império otomano, esten-
deu-se esse conceito de Oriente Médio ao conjunto dos países árabes,
esvaziando, assim, o termo Oriente Próximo. Por esta razão é que hoje
nos Estados Unidos vários autores chamam de Oriente Médio um vasto
território regional que se estende do Marrocos ao Paquistão.”
A partir do texto, pode-se concluir que o:
a) conceito de Oriente Médio foi construído historicamente pelo ocidente e, por
isso, pode apresentar uma dimensão variável.
b) Oriente Médio é uma vasta região cujas principais características são naturais,
e se estende do Marrocos ao Paquistão.
c) Oriente Médio engloba, atualmente, o conjunto de países árabes que se esten-
dem do Marrocos ao Paquistão.
d) conceito de Extremo Oriente, que englobava um território que se estendia do
Marrocos ao Paquistão, foi substituído pelo Oriente Médio.
e) conceito de Oriente Médio, criado pelos otomanos no século XIX, foi ampliado
no século XX, passando a englobar também os países árabes.
25. (Mack-SP)
Mar
Mediterrâneo
África
Oceano
Índico
Observando o mapa, é incorreto afrmar que se trata de uma região:
a) marcada pelo petróleo e de importante posição estratégica.
b) onde vivem povos desunidos com constantes intervenções militares.
c) onde os judeus fazem do sionismo uma bandeira política, e nações árabes pro-
movem um islamismo militante.
d) onde a população sobrevive graças às plantations de grandes multinacionais,
que exploram uma numerosa mão de obra.
e) que é uma área onde dominam climas áridos e semiáridos e uma vegetação
muito pobre.
26. (UFF-RJ) Considerando os termos do acordo de paz frmado entre israe-
lenses e palestinos em 1993 e as áreas assinaladas no mapa, marque a
opção que contém a afrmativa correta.
Síria
Mar Mediterrâneo
Jordânia
Egito
1
2
3
4
5
6
7
a) As áreas 1 e 2 correspondem, respectivamente, à faixa de Gaza e à Cisjordânia,
territórios em parte sob o controle da Organização para a Libertação da Pales-
tina.
b) As áreas 3 e 4 correspondem a territórios anteriormente ocupados por Israel e
que foram cedidos, respectivamente, à Síria e ao Líbano.
c) A área 5 passou a pertencer ao território de Israel e inclui colônias palestinas
dotadas de autonomia política.
d) A área 6 corresponde à península do Sinai, devolvida integralmente à Jordânia.
e) A área 7 corresponde a territórios cedidos ao Egito através da concessão de
usufruto comum do canal de Suez.
27. (Enem) A América Latina dos últimos anos insere-se num processo de
democratização, oferecendo algumas oportunidades de crescimento
econômico-social num contexto de liberdade e dependência econô-
mica internacional. Cuba continua caracterizada por uma organização
própria com restrições à liberdade econômica e política, crescimento
em alguns aspectos sociais e um embargo econômico americano da-
tado de 1962. Em 1998, o papa João Paulo II visitou Cuba e depois disse
ao cardeal Jaime Ortega, arcebispo de Havana, e a 13 bispos em visita
ao Vaticano que apreciou as mudanças realizadas em Cuba após sua
visita à ilha e espera que sejam criados novos espaços legais e sociais,
para que a sociedade civil de Cuba possa crescer em autonomia e par-
ticipação. A resposta internacional ao intercâmbio com Cuba foi boa,
mas as autoridades locais mostraram pouco entusiasmo, não estando
dispostas a abandonar o sistema socialista monopartidário.
A maioria dos países latino-americanos tem se envolvido, nos últimos
anos, em processos de formação socioeconômicos caracterizados
por:
a) um processo de democratização à semelhança de Cuba.
b) restrições legais generalizadas à ação da Igreja no continente.
c) um processo de desenvolvimento econômico com restrições generalizadas à
liberdade política.
d) excelentes níveis de crescimento econômico.
e) democratização e oferecimento de algumas oportunidades de crescimento eco-
nômico.
QUESTÕES DO ENEM, DE VESTIBULARES
E AVALIAçÕES SERIADAS
6
Unidade VIII - PERIFERIAS E PERSPECTIVAS ATUAIS Material complementar ao livro Geografa: o mundo em transição, de José William Vesentini • Editora Ática S.A.
28. (UFPE) Identifque, no mapa, o país da América Latina descrito a se-
guir.
3
4
1
2
5
Esse país vem atravessando uma grave crise econômica, desde o fm
da União Soviética, da qual possuía uma grande dependência. Tem um
relevo predominantemente plano, com uma zona montanhosa na por-
ção sudeste, onde se destaca uma unidade geomorfológica historica-
mente conhecida: a “Sierra Maestra”. O modelo de saúde e educação
adotado pelo governo do país elevou, de uma certa forma, o padrão de
vida dos habitantes.
O país referido está indicado pelo número:
a) 1.
b) 2.
c) 3.
d) 4.
e) 5.
29. (Mack-SP) Localizado no centro da América do Sul, é um país interior
que abriga uma pequena população, em sua maior parte composta por
elementos indígenas e mestiços. Na sua porção oriental, concentra-se
a atividade econômica, baseada na lavoura de soja e de algodão e na
pecuária extensiva.
O texto refere-se:
a) ao Paraguai.
b) ao Uruguai.
c) ao Peru.
d) à Argentina.
e) ao Chile.
30. (PUC-MG) Existem autores que falam sobre os “Tigres Latino-America-
nos” ao se referirem aos países que tiveram considerável crescimento
econômico no fm do século XX. Tal denominação se aplica:
a) ao Brasil, que possui o maior parque industrial da América Latina.
b) ao Chile, que se modernizou e praticamente triplicou suas exportações na dé-
cada de oitenta.
c) à Venezuela, por ser grande exportadora de petróleo.
d) à Costa Rica, considerada como um exemplo de democracia.
e) ao Paraguai, que dispõe de grande produção de eletricidade.
31. (UFPE) Leia, com atenção, o texto a seguir e identifque no mapa o país
descrito.
“Hoje esse país é o centro da América Latina. Pelo menos o centro de
preocupações nesta parte do continente. Guerrilha, narcotráfco, pa-
ramilitares e uma latente guerra civil são os componentes explosivos
dessa terra de Gabriel García Márquez, cujo cenário viu nascer os Cem
anos de solidão.
As Farc e o ELN são os mais representativos grupos guerrilheiros. (...)
Atualmente ocupam parte do país e nesse espaço fazem valer suas
próprias leis, compondo um ‘Estado dentro do Estado’”.
(Roberto Candelori, Folha de S.Paulo, 5 set. 2000)
2
5
3
4
1
O país está indicado pelo número:
a) 1. b) 2. c) 3. d) 4. e) 5.
32. (Vunesp) Observe o mapa, que destaca seis países localizados na por-
ção ocidental do continente sul-americano.
Esses países possuem, como características comuns, a presença de:
a) cordilheira dos Andes; população com baixo a médio padrão de vida e cresci-
mento vegetativo em declínio; predomínio de mestiços e indígenas.
b) grandes planícies litorâneas; população com alto padrão de vida e baixo cresci-
mento vegetativo; predomínio de negros e mulatos.
c) elevados planaltos centrais; população com baixo padrão de vida e baixo cresci-
mento vegetativo; predomínio de brancos de origem europeia.
d) cordilheira dos Andes; população com alto padrão de vida e alto crescimento
vegetativo; predomínio de índios e brancos.
e) cordilheira dos Andes; população com alto padrão de vida e elevado crescimento
vegetativo; predomínio de brancos e negros.
QUESTÕES DO ENEM, DE VESTIBULARES
E AVALIAçÕES SERIADAS
Unidade VIII - PERIFERIAS E PERSPECTIVAS ATUAIS Material complementar ao livro Geografa: o mundo em transição, de José William Vesentini • Editora Ática S.A.
7
33. (UFRRJ) Com base nos dados e no mapa, defna e justifque a possibili-
dade de se estabelecer uma relação lógica entre as crônicas e trágicas
difculdades sociais africanas e o tamanho de sua população, levando-
-se em conta as dimensões do seu território.
Distribuição da população por continentes
1
2
3
5
6
4
0 5000 km
América
Anglo-
-Saxônica
América
Latina
África
Ásia
Europa
Oceania
1 - 19 343 224 km – 283 milhões de hab.
2 - 22 709 188 km – 458 milhões de hab.
3 - 30 297 712 km – 682 milhões de hab.
4 - 10 499 516 km – 710 milhões de hab.
5 - 44 329 852 km – 3 310 milhões de hab.
6 - 7 613 986 km – 27 milhões de hab.
Fonte: organização das nações Unidas.
Conferência sobre População e Desenvolvimento, 1994.
34. (UFU-MG) Leia e analise os textos abaixo:
“... A terra ainda pouca. Voltaire a descreveu como uma enfadonha su-
cessão de pedras e desertos. Até hoje é mais ou menos assim. Apenas
arrumaram grande parte das pedras em forma de casas, edifícios e ci-
dades. E os desertos, pouco a pouco, foram transformados em lavoura,
pomares e jardins.”
“... Os judeus venceram o deserto, mas não conseguiram o mesmo com
seus vizinhos.”
“... Nas ruas de Jerusalém ou Tel Aviv, nas sinagogas e mesquitas com
motivos justos ou injustos, a guerra não acaba. Mas faltam pretextos
para ambos os lados.”
(Carlos Heitor Cony, Folha de S.Paulo, 23 abr. 1998.)
Com relação aos confitos mencionados, responda:
a) O que signifca, do ponto de vista geográfco, “vencer o deserto”?
b) Qual a importância estratégica para Israel dos territórios ocupados em 1967 na
conhecida guerra dos Seis Dias?
c) Qual a posição de Israel e dos palestinos com relação à Faixa de Gaza e à Cisjor-
dânia?
d) Por que o destino de Jerusalém é um complicador nas negociações entre pales-
tinos e judeus?

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->