P. 1
Apostila Do Curso de Ruido[1]

Apostila Do Curso de Ruido[1]

|Views: 29|Likes:
Publicado porsegiogf

More info:

Published by: segiogf on Jul 03, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/22/2014

pdf

text

original

Ruído • O som é composto por ondas formadas por variações de pressão do ar. É um tipo de vibração, só que sonora.

Estas variações de pressão (som) atingem a nossa orelha, entram no nosso ouvido até bater no tímpano (pele fina esticada como um tambor). O tímpano vibra com qualquer som e mexe com três ossinhos minúsculos ligados ao caracol (ou clóclea), fazendo com que esses movimentos sejam levados ao cérebro através de condutores nervosos, que nos faz perceber e compreender o som.

Compressão do ar

Comprimento da onda

+

Variação na Pressão do Ar Amplitude

Distância da fonte

-

As propriedades importantes do ruído no ambiente de trabalho são: • Freqüência; • Pressão sonora; • Energia sonora • Tempo de exposição.

Freqüência: É o número de variações da pressão ao longo do tempo e é medida em ciclos por segundo ou Hertz (Hz). O alcance da audição humana estende-se aproximadamente de 20 a 20.000 Hertz (20 Hz a 20 kHz). Além disso, o padrão de audibilidade é, às vezes, complexo e subjetivo. O ouvido humano não é igualmente sensível a todas as freqüências, mas é mais sensível na faixa de 2000 a 6000 Hz, e menos sensível nas freqüências muito altas ou muito baixas. O som da conversação humana situa-se principalmente na faixa de 300 a 3000 Hz.

Pressão sonora: É a quantidade de deslocamento de ar criado por uma fonte de ruído. A pressão sonora é usualmente expressa em unidade chamada Pascal (Pa). Uma pessoa saudável pode ouvir pressões tão baixas quanto 0,00002 Pa. Uma conversação normal produz pressões de 0,02 Pa. Uma fonte de ruído intenso, como uma bomba propulsora, pode gerar pressões de 1 Pa e um ruído pode ser doloroso em torno de níveis de 20 Pa.

Os sons que comumente ouvimos têm uma faixa extremamente larga de valores de pressão sonora (0,00002 Pa – 20 Pa). Por causa desta grande amplitude, usamos a escala de decibel (dB ou décimo de Bel – em homenagem a Graham Bell) como unidade de medida da intensidade ou nível da pressão sonora (NPS). O decibel (dB) não é uma medida absoluta. Trata-se de uma escala logarítmica que utiliza o limiar de audição de 20 micro Pascal como referência do ponto zero.

Efeitos da exposição

- perda auditiva; - cansaço excessivo, falta de atenção e concentração; - insônia e perda de apetite; - alterações de comportamento (irritação, mau humor); - dores de cabeça; - ansiedade e depressão; - tonturas e náuseas (enjôo); - aumento da pressão arterial; - etc. Quanto maior a suscetibilidade do indivíduo, maior será o grau de perda auditiva. Quanto maior o ruído e o tempo de exposição, também maior será o grau de perda da audição.

Para diminuirmos as possibilidades de perda auditiva por ruído e a ocorrência de doenças, devemos analisar e atuar sobre os seguintes fatores nível de ruído (quanto mais intenso, pior); a composição do ruído (quanto mais fino (agudo), pior); o tempo de exposição ao ruído (quanto maior o tempo, pior); os ruídos de impacto (prensas e martelos) são piores que os contínuos. Portanto, o trabalhador nunca deve se expor a ruídos intensos sem proteção; as vibrações transmitidas pelo chão (solo), objetos e paredes pioram o efeito do ruído; o repouso em ambientes silenciosos é fundamental para não piorar os problemas causados pelo ruído.

-

como por exemplo: usar calços de borracha. colocar biombos e anteparos (Ex. • Diminuição do tempo de exposição ao ruído: não permanecer mais tempo exposto ao ruído do que está determinado na NR-15. de alterações de horários de trabalho etc. diminuindo a transmissão pela estrutura ou pelo ar. pode-se atuar através da alteração de rotinas de trabalho nas áreas mais ruidosas. do rodízio de pessoal.: metal por borracha) e fechar as partes mais barulhentas da máquina. Para controlar o tempo de exposição. Significa. por exemplo. fechar a porta e enclausurar a máquina. •Controle do ruído na trajetória: consiste em agir sobre o local onde está a máquina ou o equipamento.: de cortiça. efetuar uma boa manutenção da máquina. utilizar materiais que absorvam as vibrações nos encaixes. de lã de vidro etc).Medidas gerais de prevenção a) Proteção coletiva: •Controle do ruído na fonte: consiste em agir sobre a máquina. nas juntas e acoplamentos (ex. equipamento ou processo. .

.

São muitas vezes menos confortáveis. Apresentam dimensões fixas e padronizadas (pequeno. São menos eficientes e favorecem as infecções por ficarem em contato direto com o ouvido. mas protegem melhor do ruído e oferecem menos riscos de infecção. Por isso. que pode ser do tipo circum-auricular ou do tipo inserção. cobrindo a orelha. tampa de borracha. •Os do tipo circum-auriculares são usados fora do ouvido. silicone ou de plástico). médio e grande). •Os de inserção devem ser colocados dentro do ouvido (bucha. .• b) Equipamentos de proteção individual: Protetor auricular. serem trocados periodicamente e acondicionados em caixas protetoras. devem estar limpos.

armação de metal.TAMPÕES INTERNOS Pré-moldados. Três posições. fibra de vidro ou silicone Montados em capacete . TAMPÕES EXTERNOS Duas posições. com diferentes tipos de rebordos. Protetor tipo concha Moldados na medida Maleáveis Forro e almofada Armação da cabeça com haste regulável Concha Espuma. armação de plástico.

sobre a avaliação do ruído de impacto. Esse cálculo de estimativa pode ser feito de várias maneiras. uma das quais o chamado método NIOSH N°2 – RC (Índice de Redução Acústica.O uso de protetores auriculares visa atenuar o ruído ambiental a valores os mais baixos possíveis. a proteção oferecida deve ser calculada em cada caso. ou. Porém. e o Anexo 2. Basta diminuir o NRRsf da intensidade sonora do ambiente). . Assim sendo. dispõe sobre a avaliação do ruído contínuo ou intermitente. em DESUSO) e o NRRsf (este Nível de Redução de Ruído já´vem escrito na embalagem do EPI. no pior caso. sendo distinta para diferentes tipos de ruído. Avaliação da exposição ao ruído O Anexo 1. a atenuação oferecida em decibéis por um determinado protetor auticular não é um valor fixo. da Norma Regulamentadora n°15. aos valores máximos permissíveis.

Dosímetro de ruído digital portátil Medidor de nível de pressão sonora digital .

Microfone Indicador de bateria fraca Display Interruptor e saída de seletor A/C e seletor de calibração Rápido/lento/Peack Hold Seletor de escala Compartimento Bateria Calibração VR (ajuste de sensibilidade) .

) ou intermitente (aquele cujo NPS varia de até mais ou menos 3 dB em tempo menor do que 15 min. com instrumento de nível de pressão sonora operando no circuito de compensação "A" e circuito de resposta lenta (SLOW). As leituras devem ser feitas próximas ao ouvido do trabalhador. . Os níveis de ruído contínuo ou intermitente devem ser medidos em decibéis (dB).Limites de tolerância para ruído contínuo ou intermitente Entende-se por ruído contínuo (aquele cujo NPS varia de até mais ou menos 3 dB durante mais de 15 min.) o ruído que não seja ruído de impacto (aquele que apresenta picos de energia de duração inferior a 1 seg. Os tempos de exposição aos níveis de ruído não devem exceder os limites de tolerância fixados no quadro abaixo.).

.

será considerada a máxima exposição diária permissível relativa ao nível imediatamente mais elevado. sem proteção adequada. As atividades ou operações que exponham os trabalhadores a níveis de ruído contínuo ou intermitente superiores a 115 dB(A). oferecerão risco grave e iminente. • Não é permitida exposição a níveis de ruído acima de 115 dB(A) para indivíduos que não estejam adequadamente protegidos. .• Para os valores encontrados de nível de ruído intermediário.

segundo o quadro de limites de tolerância. a exposição estará acima do limite de tolerância. • Dose • Cn = tempo total que o trabalhador fica exposto a um nível de ruído específico • Tn = máxima exposição diária permissível a este nível.Se durante a jornada de trabalho ocorrerem dois ou mais períodos de exposição a ruído de diferentes níveis. de forma que. devem ser considerados os seus efeitos combinados. se a soma das seguintes frações: D = C1/T1 + C2/T2 + C3/T3+ ……………… + Cn/Tn exceder a unidade. .

Máxima exposição 2 1 4.Exemplo 1: Um trabalhador fica exposto aos níveis de ruído abaixo definidos. está acima do LT. O limite de tolerância foi ultrapassado? Nível de ruído diária dB (A) 95 100 89 85 Tempo de exposição (horas) 1 1 2 4 Logo.5 8 1/2 + 1/1 + 2/4.4 > 1 .5 + 4/8 = 2.

45 (145%) T1 T2 T3 360 240 480 ∴ D > 100% => exposição acima do limite de tolerância .125 = 1.50+0.Exemplo 2: Um operador de prensa hidráulica executa suas tarefas do seguinte modo: Ord em 1º 2º 3º Tarefa Montagem da Peça Ajuste da Peça Inspeção da Peça Nível de ruído dB(a) 87 90 85 Duração 5h (300 min) 2h (120 min) 1h ( 60 min) Tmáximo permitido 360 min 240 min 480 min Jornada de trabalho (T): 8 horas (480 min) Dose de ruído (D): C1 C2 C3 300 120 60 D= + + = + + = 0.83+0.

Qual o tempo máximo de permanência dele no local de trabalho? . deve-se utilizar a expressão abaixo: 16 T = ________________ (L . da NR 15.Para determinar o LT de ruído contínuo ou intermitente quando se tem o NPS que não consta do quadro do anexo 1.80) 2 5 Onde: T = tempo da jornada de trabalho L = LT da jornada de trabalho Exemplo: Um trabalhador se expõe a 82 dB (A).

com medidor de nível de pressão sonora operando no circuito linear e circuito de resposta para impacto. será válida a leitura feita no circuito de resposta rápida (FAST) e circuito de compensação "C". As leituras devem ser feitas próximas ao ouvido do trabalhador e o limite de tolerância será de 130 dB (linear). sem .Limites de tolerância para ruído de impacto Os níveis de impacto deverão ser avaliados em decibéis (dB). Neste caso. Nos intervalos entre os picos. o limite de tolerância será de 120 dB(C). Em caso de não se dispor de medidor de nível de pressão sonora com circuito de resposta para impacto. As atividades ou operações que exponham os trabalhadores. o ruído existente deverá ser avaliado como ruído contínuo.

INSTRUMENTOS • Preparação • Aferição • Colocação • Acionamento • Acompanhamento • Leitura • Interpretação .

Configura-se como uma perda auditiva do tipo neurossensorial.3 PAIR É a perda provocada pela exposição por tempo prolongado ao ruído. geralmente bilateral.CID 10 – H 83. . irreversível e progressiva com o tempo de exposição ao ruído.

Tontura 7. Dificuldade de compreensão da fala 3. Cefaléia 6. Irritabilidade 8. Intolerância a sons intensos 5.1. Perda auditiva PAIR 2. Problemas digestivos MS . Zumbido 4.

PAIR
Estima-se que 25% da população trabalhadora exposta seja portadora de Pair em algum grau.

MS

LIMITES DE TOLERÂNCIA

• OSHA - 90 dB(A) • NIOSH - 85 dB(A) • ACGIH - 85 dB(A) • MTE - 85 dB(A) • MPS - 85 dB(A)

LIMITES DE TOLERÂNCIA

• Austrália - 85 dB(A) • Alemanha - 85 dB(A) • França - 85 dB(A) • Suécia - 85 dB(A) • Israel - 85 dB(A)

A eliminação ou neutralização da insalubridade determinará a cessação do pagamento do adicional respectivo.
NR 15 - Item 15.4

A eliminação ou neutralização da insalubridade deverá ocorrer:

1. Com a adoção de medida de ordem geral que conserve o ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; 2. Com a utilização de equipamentos de proteção individual.

Ruído de Impacto
Entende-se por ruído de impacto aquele que apresenta picos de energia acústica de duração inferior a 1 (um) segundo, a intervalos superiores a 1 (um) segundo.
NR 15 Anexo 2, Item 1

Ruído Contínuo ou Intermitente
Entende-se por ruído contínuo ou intermitente, para fins de aplicação de Limites de Tolerância, o ruído que não seja de impacto.
NR 15 Anexo 1, Item 1

RUÍDO CONTÍNUO
Ruído cujo Nível de Pressão Sonora varia numa faixa de + 3 dB(A) durante longos períodos de observação.

RUÍDO INTERMITENTE
Ruído cujo Nível de Pressão Sonora possui uma variação > 3 dB(A).

RUÍDO DE IMPACTO
Ruído que apresenta picos de energia acústica de duração inferior a 1 s, a intervalos superiores a 1 s.

◙ Três tipos de ruído ◙ Avaliados com o mesmo instrumento ◙ Com escalas de ponderação diferentes .

Contínuo Lenta A .

Impacto Rápida C .

Frequência “ É o número de vezes que uma oscilação é repetida na unidade de tempo.” Unidade: Ciclos/segundo ou Hertz (Hz) Faixa de Frequências Audíveis Audição Infra-som 20 Hz 20.000 Hz Ultra-som .

Frequência • Baixas Frequências Sons graves => Grande comprimento de onda .

Frequência • Altas Frequências Sons Agudos => Pequeno comprimento de onda .

Freqüências Se eu quiser medir as freqüências. vou precisar medir quantas freqüências? .

Freqüências 20.000 Impossível .

Criaram-se então as Bandas de Oitava .

Frequências de Bandas de Oitava .

Som Puro “ É o som resultante de uma vibração simples numa única frequência” Ex: Diapasões .

1 dB é a menor variação que o ouvido humano pode perceber .

Decibel Não é uma unidade .

.Decibel Não é uma unidade. É uma escala logarítmica.

Porque dB(A) e dB(C)? .

Ruído Faixa audível 20 Hz a 20 KHz .

O ouvido humano não responde linearmente às diversas freqüências .

B e C .Para compensar essa falta de linearidade Filtros eletrônicos ou Curvas de Ponderação A.

B. C e D ? .O que são as curvas A.

Circuitos eletrônicos de sensibilidade variável com a freqüência, de forma a modelar o comportamento do ouvido humano.
Samir N. Y. Gerges

CURVA “B” NB 95 – 1966
Era usada como parâmetro para se avaliar conforto acústico.

CURVA “D”
Padronizada para medições de ruído transiente em aeroportos, quando da passagem de um avião.
( NES - Nível de exposição sonora ou Leq normalizado)

Ruído Contínuo ou Intermitente
• Circuito de compensação “A” • Circuito de resposta lenta (SLOW)

CRITÉRIO DE FORMAÇÃO DA TABELA DE LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDO CONTÍNUO

16 T = _________________ [ ( L – 80 ) ] 5 2

LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE
85 dB(A) 86 dB(A) 87 dB(A) 88 dB(A) 89 dB(A) 90 dB(A) 91 dB(A) 92 dB(A) 93 dB(A) 94 dB(A) 95 dB(A) 8 horas 7 horas 6 horas 5 horas 4 h 30 min 4 horas 3 h 30 min 3 horas 2 h 40 min 2 h 15 min 2 horas

LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE
96 dB(A) 98 dB(A) 100 dB(A) 102 dB(A) 104 dB(A) 105 dB(A) 106 dB(A) 108 dB(A) 110 dB(A) 112 dB(A) 114 dB(A) 115 dB(A) 1 h 45 min 1 h 15 min 1 hora 45 minutos 35 minutos 30 minutos 25 minutos 20 minutos 15 minutos 10 minutos 8 minutos 7 minutos

Limite de Tolerância para jornada de 10 horas / dia:

83 dB(A)

Limite de Tolerância para jornada de 12 horas / dia:

82 dB(A)

Jornada de trabalho 8h 9h 10 h 12 h 14 h 16 h Limite de Tolerância 85 dB(A) 84 dB(A) 83 dB(A) 82 dB(A) 81 dB(A) 80 dB(A) .

LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE 85 dB(A) 8 horas q=5 90 dB(A) 4 horas 95 dB(A) 2 horas .

LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE 100 dB(A) 1 hora q=5 105 dB(A) 30 minutos 110 dB(A) 15 minutos 115 dB(A) 7 minutos .

implica a duplicação da dose de exposição ou a redução para a metade do tempo máximo permitido.1 . IDD. NHO 01 .FDD.Item 4. ER ou “q” É o incremento em decibéis que. quando adicionado a um determinado nível.

RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE EXPOSIÇÃO 24 h 16 h 8h 4h 2h 1h ACGIH / USA 79 dB(A) 82 dB(A) 85 dB(A) 88 dB(A) 91 dB(A) 94 dB(A) MTE / BR 75 dB(A) 80 dB(A) 85 dB(A) 90 dB(A) 95 dB(A) 100 dB(A) .

RUÍDO Tempo de exposição 2a a 6a feira Folga no sábado 40 horas / semana .

RUÍDO Tempo de exposição Para totalizar 44 horas semanais 8 h e 48 min / dia .

8 h e 48 min / dia Semana Inglesa .

” Médico Perito Ramon Manubens Revista Proteção / Abril de 2004 . mas de 84 dB(A) para essa jornada inglesa.“O certo seria estipular um limite máximo não de 85 dB(A).

98 dB(A) Ruído à tupia ...................... Com as máquinas desligadas ... 104 dB(A) Ruído junto à serra circular ..Laudo Técnico Pericial Carpintaria Ruído junto à desempenadeira ..... 79 dB(A) 56 dB(A) Dosimetria posterior: Lavg = 72 dB(A) .......................................

Laudo Técnico Pericial Carpintaria L avg = Average Level .

Interpretação das leituras de um medidor instantâneo de nível de pressão sonora .

Interpretação das leituras Se o nível oscila entre 2 pontos definidos. Se a oscilação for em torno de + 1 dB. consideramos o maior valor. consideramos a média aritmética. .

Interpretação das leituras Se a oscilação for irregular... . aleatória e grande.

Interpretação das leituras Procedimento: Faça uma leitura a cada 5 segundos. .

LEITURAS Serão realizadas pelo menos 3 leituras e considerado como resultado o valor da média dessas leituras. .

. em dB. ocorrida durante as mesmas.LEITURAS O número de leituras para cada determinação de situação acústica será superior à faixa de variação.

2 dB ( A ) .Exemplo no 1 N1 = 82 dB ( A ) N3 = 85 dB ( A ) N2 = 84 dB ( A ) N4 = 82 dB ( A ) Número de leituras = 4 Faixa de variação = 3 OK NPS = 83.

Exemplo no 2 N1 = 82 dB ( A ) N3 = 87 dB ( A ) N2 = 84 dB ( A ) N4 = 90 dB ( A ) Número de leituras = 4 Faixa de variação = 8 Não OK DEVEM SER FEITAS + 5 LEITURAS .

Métodos exigidos pelos MTE e MPS • RUÍDO Pontual ou Dosimetria .

Instrumentos exigidos pelos MTE e MPS RUÍDO Medidor de Nível de Pressão Sonora Áudio Dosímetro .

Áudio dosímetro Instrumento capaz de integrar diferentes níveis de pressão sonora em um determinado tempo pré-estabelecido. .

não fixados no trabalhador. atividades de manutenção.Condução de empilhadeiras.1 da NHO-01 . não deverão ser avaliadas por medidores de leitura instantânea. entre outras. Item 5. ou que envolvam movimentação constante do trabalhador.

Ruído de diferentes níveis ou Ruído de níveis variados de decibéis ↓ DOSIMETRIA .

NHO 01 Item 6.1 A avaliação deve cobrir todas as condições operacionais e ambientais que envolvem o trabalhador no exercício de suas funções. .

NHO 01 PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO REPRESENTATIVIDADE DA AMOSTRAGEM .

a amostragem deverá incluir um número suficiente de ciclos. .NHO 01 PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO REPRESENTATIVIDADE DA AMOSTRAGEM Se forem identificados ciclos de exposição repetitivos.

. casos estes não sejam regulares ou apresentem níveis com grandes variações de valores.NHO 01 REPRESENTATIVIDADE DA AMOSTRAGEM A amostragem deverá cobrir um número maior de ciclos.

NHO 01 REPRESENTATIVIDADE DA AMOSTRAGEM Havendo dúvidas quanto à representatividade da amostragem. . esta deverá envolver necessariamente toda a jornada de trabalho.

DOSIMETRIA Verificar sempre a programação do instrumento .

ER ou q 5 dB (A) . IDD.Critério de Referência 85 dB (A) Nível Limiar de Integração 80 dB (A) FDD.

Critério de Referência (Criterion Level) Nível Limiar de Integração (Threshold Level) FDD. IDD. ER ou q (Exchange Rate) .

TL = 80 ou TL = 0 ? .

NR 15 Não fala nada NHO 01 TL = 80 dB(A) .

Programe também o Ganho do seu instrumento .

Ganho 0 dB 60 a 143 dB Ganho 30 dB 40 a 115 dB .

Tipo de ruído Ganho Industrial 0 dB Ergonomia 30 dB .

• Quantos tipos de instrumentos de medição de ruído existem? .

Uso geral .Laboratórios Tipo 1 .4 e IEC 60651 Tipo 0 .INSTRUMENTOS Normas ANSI S 1.De precisão Tipo 2 .

Cuidado TIPO 3 Instrumentos destinados a medições de inspeção para determinar se o nível de ruído foi violado significativamente. .

Dosímetros • Devem atender às especificaç especificações da Norma ANSI S 1.2.25 – 1991 • Devem ter classificação mínima do Tipo 2 Item 6.1.1 da NHO 01 .

1.Calibradores acústicos Devem atender às especificações constantes das Normas ANSI S 1.40 .1988 Item 6.4 da NHO 01 .1984 ou IEC 60942 .2.

672 .651 éa IEC 61.A atualização da IEC 60.

651 Suas fraquezas: • Não houve aprovação de modelos.IEC 60. . • Os fabricantes se auto enquadravam na norma.

672 • Haverá aprovação de modelos. • PTB / Alemanha aprovará modelos. .IEC 61. • Nem todos serão aprovados.

IEC 60.651 Tipos 0. 1. 2 e 3 IEC 61.672 Classe 1 Classe 2 .

25 éa IEC 61.A atualização da ANSI S 1.252 .

Quem obriga a realização de calibração de instrumentos? .

O mercado. .

ISO 9001
Esta norma pode ser utilizada para garantia da qualidade para um fornecedor demonstrar sua capacidade e para a avaliação dessa capacidade por partes externas.

ISO 9001
O fornecedor do serviço deve calibrar seus equipamentos de medição a intervalos prescritos contra equipamentos certificados que tenham uma relação válida conhecida com padrões nacional ou internacionalmente reconhecidos.

NBR 10012
Padrão Instrumento de medição que define ou reproduz uma unidade ou um valor por uma grandeza, para transferí-los a outros instrumentos de medição, por comparação.

Posso ter uma exposição de 95 dB(A), não pagar adicional de insalubridade e não ter problemas com o MTE ?

Exposição de quanto tempo?

RUÍDO DE DIFERENTES NÍVEIS

DOSIMETRIA
Cálculo da dose Dosímetro

Ruído
Dose > 100%
Limite de Tolerância ultrapassado

Relaçăo entre Ruído Médio e Dose 75 dB ( A ) 80 dB ( A ) 85 dB ( A ) 90 dB ( A ) 95 dB ( A ) 100 dB ( A ) 105 dB ( A ) 25 % 50 % 100 % 200 % 400 % 800 % 1600 %

Dosimetria de Ruído
Exposições a níveis inferiores a 80 dB(A) não serão considerados no cálculo da dose.
Item 5.1.1.2 da NHO 01

1 hora exposto a 95 dB(A)

7 horas exposto a 85 dB(A)

DOSE = 1 + 7 2 8 .

87 .DOSE = 1 + 7 2 8 = 0.5 + 0.

37 ou 137% .D = 1.

preso na vestimenta. dentro da zona auditiva do trabalhador.Dosimetria O microfone deve ser posicionado sobre o ombro. Item 6.3 da NHO 01 .

Peça sensível e cara. .Cuidado com o Microfone Evite danos ou batidas no microfone.

Para novas amostragens desligue o dosímetro e espere pelo menos 5 segundos antes de ligá-lo novamente. .

Precisamos acompanhar dosimetrias? .

2al alínea daNHO NHO01 01da daFundacentro Fundacentro)) . ((Item ínea ““e” e” da Item6.A ção do A movimenta movimentação do trabalhador trabalhador durante durante as as suas ções deve suas fun funções deve ser ser acompanhada.4.4. acompanhada.2 6.

. • Se a voltagem das baterias tiver caído abaixo do valor mínimo.NHO 01 .DOSIMETRIA Invalidação das medições • Se a calibração final variar + 1 dB em relação à calibração prévia.

Dosimetria com impacto Como fazer dosimetria quando também houver ruído de impacto? .

3 A participação do ruído de impacto deve ser considerada na avaliação da exposição ao ruído contínuo ou intermitente.NHO 01 .Item 6. .

o ruído de impacto será automaticamente computado na integração. .Dosimetria com impacto Quando forem utilizados medidores integradores de uso pessoal (dosímetros de ruído).

O que é Nível de Ação? .

Agentes Químicos Limite de Tolerância Nível de Ação = LT 2 .

Agentes Físicos Só para Ruído Limite de Tolerância Nível de Ação = LT 2 .

Qual é o Nível de Ação para exposição de 8 horas a ruído contínuo ? .

80 dB(A) .

Ruído Limite de Tolerância = Dose Nível de Ação = Dose = 100% = 50% 2 2 .

Nível de Ação É um conceito estatístico desenvolvido pelo NIOSH .

existe uma probabilidade maior que 95% de que o Limite de Exposição venha a ser respeitado nos outros dias de trabalho. .Nível de Ação Se o Nível de Ação foi respeitado em um dia típico.NÍVEL DE CONFIANÇA ESTATÍSTICO DE 95% - .

Paradas .Aumento do ritmo de trabalho .Desligamento de sistemas de ventilação.Obras civis .Aumento ou queda de produção .Emergências .Fatores de Exposição Atípica . .

GHE Só fazem sentido numa mesma edificação ou sítio operacional .

GHE Não podemos agrupar trabalhadores que estejam em locais diferentes .

. pelas funções e pelas atividades. depois pelo agente.GHE Inicia-se pelo ambiente.

GHE com NA respeitado (95% de confiança de que o LT será respeitado) Não é relevante para a Higiene Ocupacional. .

Concentre seu esforço em GHE com NA excedido. .

O conhecimento adequado da exposição dos trabalhadores é chamado de Estratégia de Amostragem .

É um processo de conhecimento da exposição que se inicia com uma adequada abordagem do ambiente. .

• Processos • Expostos • Agentes • Funções • Atividades • Locais .

que vai permitir a obtenção dos GHE. .Caracterização Básica AIHA Representa um processo inicial de conhecimento.

Precisamos conhecer: Os ambientes Os expostos Os agentes .

Os ambientes Conhecer os processos principais. secundários e complementares. .

Os ambientes Conhecer • Matérias primas • Subprodutos • Produtos acabados • Rejeitos .

Os expostos Conhecer • Funções desempenhadas • Atividades e tarefas .

Os agentes Conhecer • Efeitos • Limites de exposição • Características físico-químicas .

GHE • TENHA ATENÇÃO COM OS DESVIOS DE FUNÇÃO Não se prenda ao cargo. mas sim às atividades desenvolvidas .

GHE • FAÇA UMA BOA ENTREVISTA COM OS TRABALHADORES Complemente com a supervisão .

GHE • TENHA ATENÇÃO QUANTO AS VARIANTES ENTRE TURNOS Operações podem variar .

Junte os conhecimentos Processo Expostos Agentes .

M. Fantazzini .Formule você os GHE E não a empresa.

GHE São obtidos através de • • • • • observação de campo conhecimento do processo atividades desenvolvidas estudo dos agentes experiência do profissional .

nem de funções. .Grupo Homogêneo de Exposição Não é de cargos.

GHE Cuidado com a descrição das atividades feitas por RH .

GHE Grupo de trabalhadores com o mesmo perfil de exposição devido à semelhança e freqüência das tarefas que executam.D .CIH Presidente do Comitê de Avaliação da AIHA . materiais e processos com os quais trabalham e a semelhança na forma de executarem suas tarefas. John Mulhausen Ph.

E se você não conseguir encontrá-los? Avalie individualmente a exposição dos trabalhadores .

Estatística Tabela de Liedel & Busch ? .

..Número de trabalhadores a serem amostrados em função do número de trabalhadores do GHE N 8 9 10 11 a 12 13 a 14 . 50 n 7 8 9 10 11 ..... 15 16 ...... 18 .. 25 a 29 30 a 37 .

Podemos fazer média de decibéis? .

0 dB(A) + 87.7 dB(A) 88.79.2 dB(A) + 94.4 dB(A) + 92.3 dB(A) .

0 dB(A) + 87.4 dB(A) + 92.2 dB(A) + 94.7 dB(A) 88.3 dB(A) .79.

.Podemos fazer média de doses.

5 % .6 % 220.49.7 % 396.8 % 147.2 % 288.

5 dB(A) .220.5 % = 91.

Média das doses: 91.3 dB(A) .5 dB(A) Média de decibéis: 88.

Próximo a qual ouvido devemos realizar as avaliações de ruído? .

Item 6. as medições deverão ser realizadas do lado exposto ao maior nível.Quando houver diferença significativa entre os níveis de pressão sonora que atingem os dois ouvidos.3 da NHO 01 .

A dosimetria deve ser interrompida na hora do almoço ou não? .

mesmo que ele pare para almoçar. (3 turnos de 8 horas) .Regime de turnos O dosímetro permanece com o trabalhador.

a dosimetria deve ser interrompida. (8 horas de trabalho + 1 hora de refeição) .1 hora de almoço Se o almoço for descontado legalmente.

2 da NBR NMNM-ISO 6396 .4.Dosimetria O microfone deve estar localizado a uma distância de 200 + 20 mm a partir do plano médio da cabeça do operador e alinhado com os olhos. Item 6.

4.5.Dosimetria O microfone deve ser colocado a uma distância mínima de 100 mm da lateral da cabeça do operador e a uma distância mínima de 50 mm acima da roupa no ombro do operador. Item 6.3 da NBR NMNM-ISO 6396 .

3 da NBR NMNM-ISO 6396 .4. Item 6.Dosimetria O microfone pode ser montado sobre uma armação ou sobre uma armadura colocada no ombro do operador.

Soma de decibéis .

80 + 80 dB(A) .

83 dB(A) .

Regra de Thumb .

Suba até a curva.Procedimento Meça os NPS das máquinas 1 e 2. Entre no gráfico com a diferença. Some o ∆L ao maior dos NPS obtidos. Obtenha o ∆L no eixo das ordenadas. . Ache a diferença entre os níveis.

.

Quatro máquinas emitindo 80 dB(A) cada uma .

Quatro máquinas emitindo 80 dB(A) cada uma 86 dB(A) .

0 + 80.0 + 80.0 dB(A) 83.80.0 = 86.0 dB(A) .0 = 84.0 = 83.8 + 80.8 dB(A) 84.

.

80 + 97 dB(A) .

97 dB(A) .

Para diferenças superiores a 15. Diferenças superiores a 15. prevalece o maior nível. . devemos considerar um acréscimo igual a zero.

.

Regra de Thumb L1 – L2 0 a 1 dB 2 a 3 dB 4 a 7 dB 8 dB ou mais Adicione ao maior valor 3 dB 2 dB 1 dB 0 dB .

Subtração de decibéis .

Procedimento Meça o NPS total com a máquina sob estudo funcionando. Meça o NPS com a máquina sob estudo desligada. . Obtenha a diferença entre os níveis.

Obtenha o ∆L no eixo das ordenadas. O resultado é o NPS da máquina sob estudo funcionando sozinha. Subtraia o valor ∆L do NPS total. .Procedimento Suba com a diferença até a curva.

.

Exemplo NPS total = 93 dB NPS sem a máquina = 86 dB Diferença = 7 dB .

.

1 = 92 dB.Exemplo NPS total = 93 dB NPS sem a máquina = 86 dB Diferença = 7 dB ∆L = 1 dB NPS da máquina = 93 . .

.NHO 01 Item 2 Esta norma não está voltada para a caracterização de conforto acústico.

Ruído > 65 dB(A) Desconforto acústico para qualquer situação ou atividade .

Como se avalia ruído visando o conforto da comunidade ? .

NBR 10151 .

visando o conforto da comunidade.NBR 10151 Avaliação do ruído em áreas habitadas. ABNT .Junho de 2000 .

Para avaliação de ruído visando o conforto sonoro dos ambientes de trabalho podem ser utilizados Áudio Dosímetros ? .

NBR 10151 Conforto acústico deve ser avaliado através do uso de Medidor de Nível de Pressão Sonora. .

.MTE Conforto acústico deve ser avaliado preferencialmente através de dosímetro.

Voz normal Voz alta Voz muito alta Voz gritada Voz extrema 50 dB(A) 70 dB(A) 85 dB(A) 90 dB(A) 100 dB(A) .

Determina que trabalhadores e encarregados. na presença de ruído: .

. 3.1. Substituam engrenagens retas por engrenagens helicoidais. Utilizem pistolas com silenciadores para jatos de ar. Instalem silenciadores de jato nas saídas de gás. 2.

5. . Recubram.4. Enclausurem máquinas. Regulem as hélices dos ventiladores. 6. com material emborrachado. peças e painéis que vibrem.

7. Acrescentem material absorvente sobre as paredes em caso de haver reverberação no local de trabalho. Instalem blocos silenciadores sob máquinas que produzam vibrações. . 8.

A avaliação de ruído deve ser realizada em um período representativo. .

segundo o princípio de igual energia.Manual de Análise dos Riscos devidos à Exposição ao Ruído “Neste documento a taxa de duplicação de dose é q = 3. conforme recomendam organismos internacionais. . tais como a ISSO 1999 (1990) e o NIOSH (1998).

Manual de Análise dos Riscos devidos à Exposição ao Ruído “O uso do q = 3 é justificado atualmente por ser o método melhor aceito. em função das evidências científicas e por assegurar maior proteção ao trabalhador.” .

Relaxamento total durante o sono NPS < 39 dB(A) .

Como saber o meu nível médio ( Lavg ) quando o dosímetro só me fornece Dose (%) ? .

Cálculo do Nível Médio L avg 80 + 16.16 x Dose % T horas decimais .61 log 0.

Com um Medidor de NPS obtivemos: • Nível médio de ruído • Dose da exposição diária • E o histograma? .

com as bases colineares e proporcionais aos intervalos das classes. .Histograma Representação gráfica de uma distribuição de freqüência em que as freqüências de classes são representadas pelas áreas de retângulos contíguos e verticais.

dB(A) 105 95 90 85 Histograma 2h 1h 2h 3h Tempo .

Histograma A partir de que data ou período é exigida a apresentação do histograma? .

Histograma Para todos os períodos trabalhados. . onde tenha havido exposição a ruído.

de 30. 27.10.Histograma A partir de 11. 180 da Instrução Normativa INSS n.08) .2001 (Art.04.

11.03.10.11.Os períodos Até 05.1997 De 06.2001 De 11.10.2001 a 18.03.1997 a 10.2003 A partir de 19.2003 Exposição superior a 80 dB(A) Exposição superior a 90 dB(A) Exposição superior a 90 dB(A) NEN acima de 85 dB(A) Informar valores medidos Informar valores medidos Anexar histograma ou memória de cálculos Anexar histograma ou memória de cálculos .

Ruído contínuo ou intermitente Limites de Tolerância • MTE .85 dB (A) .85 dB (A) • MPS .

Ruído de diferentes níveis Limites de Tolerância • MTE .Dose máxima 100% ou 1 • MPS .Nível de Exposição Normalizado (NEN) máximo 85 dB (A) .

Ruído de diferentes níveis O INSS não quer mais o L AVG .

Ruído de diferentes níveis O LAVG não mudou de 90 dB(A) para 85 dB(A) .

Ruído de diferentes níveis Agora o seu LTCAT ou PPRA precisa mencionar o NEN .

Decreto no 4.11.1 do Anexo 4 do Decreto n 3.048 de 1999 passa a vigorar com a seguinte alteração: .882 de 18.0.03 O item 2.

....... a) exposição a Níveis de Exposição Normalizados (NEN) superiores a 85 dB(A) ......Decreto no 4..1 .11.......882 de 18.....03 2....0....

Ruído de diferentes níveis Para se obter o NEN precisamos calcular o NE .

Ruído de diferentes níveis NEN > 85 dB(A) .

Ruído de diferentes níveis • Dose diária: > 100% ou 1 • Nível: NEN > 85 dB(A) .

NE .Nível de Exposição Nível médio representativo da exposição ocupacional diária Item 4 da NHO 01 da Fundacentro .

NEN . Item 4 da NHO 01 da Fundacentro . para fins de comparação com o limite de exposição.Nível de Exposição Normalizado Nível de exposição. convertido para uma jornada padrão de 8 horas diárias.

Nível de Exposição NE = 10 x log 480 x D + 85 TE 100 Item 4.NE .1 da NHO 01 da Fundacentro .

Nível de Exposição Normalizado NEN = NE + 10 x log TE 480 Item 4.NEN .1 da NHO 01 da Fundacentro .

Calcular o NE para Dose = 100% durante 8 h NE = 10 x log ( 480 x D ) + 85 480 100 .

Calcular o NE para Dose = 100% durante 8 h NE = 10 x log ( 480 x 100 ) + 85 480 100 .

Calcular o NE para Dose = 100% durante 8 h NE = 10 x log ( 480 x 100 ) + 85 480 100 NE = 10 x log (1 x 1) + 85 .

Calcular o NE para Dose = 100% durante 8 h NE = 10 x log ( 480 x 100 ) + 85 480 100 NE = 10 x log 1 + 85 .

Calcular o NE para Dose = 100% durante 8 h NE = 10 x log ( 480 x 100 ) + 85 480 100 NE = 10 x log 1 + 85 NE = 10 x 0 + 85 .

Calcular o NE para Dose = 100% durante 8 h NE = 10 x log ( 480 x 100 ) + 85 480 100 NE = 10 x log 1 + 85 NE = 10 x 0 + 85 NE = 0 + 85 dB(A) .

Calcular o NE para Dose = 100% durante 8 h NE = 85 dB(A) .

Calcular o NEN para Dose = 100% durante 8 h NEN = NE + 10 x log TE 480 NEN = 85 + 10 x log TE 480 .

Calcular o NEN para Dose = 100% durante 8 h NEN = NE + 10 x log TE 480 NEN = 85 + 10 x log 480 480 .

Calcular o NEN para Dose = 100% durante 8 h NEN = 85 + 10 x log 480 480 NEN = 85 + 10 x log 1 .

Calcular o NEN para Dose = 100% durante 8 h NEN = 85 + 10 x 0 .

Calcular o NEN para Dose = 100% durante 8 h NEN = 85 dB(A) .

Calcular o NE para Dose = 50% durante 8 h NE = 10 x log ( 480 x 50 ) + 85 480 100 .

5) + 85 .Calcular o NE para Dose = 50% durante 8 h NE = 10 x log (1 x 0.

5) + 85 .Calcular o NE para Dose = 50% durante 8 h NE = 10 x log (0.

301) + 85 .Calcular o NE para Dose = 50% durante 8 h NE = 10 x ( .0.

99 dB(A) .Calcular o NE para Dose = 50% durante 8 h NE = .01 + 85 = 81.3.

Calcular o NE para Dose = 50% durante 8 h NE = 82 dB(A) .

Calcular o NEN para Dose = 50% durante 8 h NEN = NE + 10 x log TE 480 NEN = 82 + 10 x log 480 480 .

Calcular o NEN para Dose = 50% durante 8 h NEN = 82 + 10 x log 1 .

Calcular o NEN para Dose = 50% durante 8 h NEN = 82 + 10 x 0 .

Calcular o NEN para Dose = 50% durante 8 h NEN = 82 dB(A) .

Calcular o NE para Dose = 50% durante 2 h NE = 10 x log ( 480 x 50 ) + 85 120 100 .

5) + 85 .Calcular o NE para Dose = 50% durante 2 h NE = 10 x log (4 x 0.

Calcular o NE para Dose = 50% durante 2 h NE = 10 x log (2) + 85 .

301) + 85 .Calcular o NE para Dose = 50% durante 2 h NE = 10 x (0.

01 + 85 = 88.01 dB(A) .Calcular o NE para Dose = 50% durante 2 h NE = 3.

Calcular o NE para Dose = 50% durante 2 h NE = 88 dB(A) .

Calcular o NEN para Dose = 50% durante 2 h NEN = NE + 10 x log TE 480 NEN = 88 + 10 x log 120 480 .

25 .Calcular o NEN para Dose = 50% durante 2 h NEN = 88 + 10 x log 0.

0.Calcular o NEN para Dose = 50% durante 2 h NEN = 88 + 10 x (.60) .

0 dB(A) .6.Calcular o NEN para Dose = 50% durante 2 h NEN = 88 .

0 dB(A) .Calcular o NEN para Dose = 50% durante 2 h NEN = 82.

Exposição q=5 q=3 100 dB (A) em 1 hora Dose = 100 % Dose = 400 % PDose = 800 % PDose = 3200% .

Resultado: Dose 4 vezes maior .

Calcular o NE para Dose = 400% durante 1 h NE = 10 x log ( 480 x 400 ) + 85 60 100 .

Calcular o NE para Dose = 400% durante 1 h NE = 10 x log (8 x 4) + 85 .

Calcular o NE para Dose = 400% durante 1 h NE = 10 x log (32) + 85 .

505 + 85 .Calcular o NE para Dose = 400% durante 1 h NE = 10 x 1.

051 + 85 = 100.05 dB(A) .Calcular o NE para Dose = 400% durante 1 h NE = 15.

Calcular o NE para Dose = 400% durante 1 h NE = 100 dB(A) .

Calcular o NEN para Dose = 400% durante 1 h NEN = NE + 10 x log TE 480 NEN = 100 + 10 x log 60 480 .

Calcular o NEN para Dose = 400% durante 1 h NEN = 100 + 10 x log 0.125 .

903) .0.Calcular o NEN para Dose = 400% durante 1 h NEN = 100 + 10 x (.

9.030) dB(A) .Calcular o NEN para Dose = 400% durante 1 h NEN = 100 + (.

Calcular o NEN para Dose = 400% durante 1 h NEN = 90.97 dB(A) NEN = 91 dB(A) .

q=3 NPS 100 dB(A) Tempo 1 hora Dose 400 % NE NEN 100 dB(A) 91 dB(A) .

+ Cn T1 T2 C3 Tn ...Ruído de diferentes níveis C1 + C2 + C3 + ...

Ruído Dose > 100% Limite de Tolerância ultrapassado .

Dosímetro mede a Dose de Ruído e Você calcula o NEN .

Simplificando o que a gente já aprendeu. ...

É isso mesmo: Dosímetros medem NEN .

Ou melhor: Alguns dosímetros medem o NEN .

NEN Dosímetros modernos mostram esse valor automaticamente. independentemente do tempo de avaliação. .

NE .1 da NHO 01 da Fundacentro .Nível de Exposição NE = 10 x log 480 x D + 85 TE 100 Item 4.

Nível Equivalente Leq = 85 +10 x log 480 x D_ TE 100 .Leq .

Conclusão NE = Leq .

NEN .Nível de Exposição Normalizado NEN = NE + 10 x log TE 480 Item 4.1 da NHO 01 da Fundacentro .

TWA .Time Weighted Average TWA = Leq + 10 x log TE 480 .

Time Weighted Average TWA = 10 x log 480 x Dose + 85 TE 100 + 10 x log TE 480 .TWA .

Time Weighted Average TWA = 85 + 10 x log Dose 100 .TWA .

Conclusão NEN = TWA .

Repetindo: NE = Leq .

Repetindo: NE = Leq NEN = TWA .

Cuidado .

Cuidado com medições de duração inferior ao período real de exposição .

diluindo o resultado.No cálculo do TWA. . será computado como exposição abaixo do limite de exposição (Nula).. O tempo que faltar para completar 8 horas de leitura..

Na prática: Dosimetrias deverão obrigatoriamente cobrir toda a jornada de trabalho. .

4 h. 8 h e 12 h. . obtida em toda a jornada de trabalho.3 exemplos .Cálculo do NEN Dosimetrias deverão Para uma mesma dose obrigatoriamente cobrir de 110%.

NEN 85.41 85.42 85.Cálculo do NEN Dosimetrias deverão Tempo 4 horas 8 horas 12 horas obrigatoriamente cobrir NE 88.41 85.65 toda a85.41 jornada85.42 85.41 83.65 DOSE 110% 110% 110% .3 exemplos .41 88.41 83.41 TWA Leq 85.41 de trabalho.

Comparando-se os resultados: Tempo de exposição = 8 horas TODOS SÃO IGUAIS Resultados obtidos NE (Leq) = NEN (TWA) NE = NEN = LEQ = TWA < 8 horas > 8 horas NE (Leq) > NEN (TWA) NE (Leq) < NEN (TWA) .

.Conselho Dosimetrias deverão obrigatoriamente cobrir toda a jornada de trabalho.

NEN. . Leq e TWA toda a jornada trabalho. serão iguais de porque todos usam q = 3.Lembre-se: Com 8 horas de avaliação Dosimetrias deverão todos os valores de obrigatoriamente cobrir NE.

ATENÇÃO: deverão ODosimetrias resultado do Lavg será diferente. obrigatoriamente cobrir toda a jornada de trabalho. Porque? .

toda a jornada de trabalho. .ATENÇÃO: Dosimetrias deverão Porque o Lavg cobrir usa obrigatoriamente q = 5.

180 Dosimetrias deverão A exposição ocupacional a ruído obrigatoriamente cobrir dará ensejo à aposentadoria especial quando NEN se toda a jornada de o trabalho.Instrução Normativa no 11 Art. situar acima de 85 dB (A) aplicando: .

180. . da NR-15 do MTE.Instrução Normativa no 11 Art. Dosimetrias deverão a) Os limites de tolerância obrigatoriamente cobrir definidos no Quadro Anexo I toda a jornada de trabalho.

com as fórmulas ajustadas para incremento de duplicidade da dose igual a cinco. . 180 b) as metodologias e os Dosimetrias deverão procedimentos definidos obrigatoriamente cobrir na NHO-01 da FUNDACENTRO. toda a jornada de trabalho.Instrução Normativa no 11 Art.

NEN com Lavg .O INSS deveria admitir: Dosimetrias deverão obrigatoriamente cobrir toda a jornada deq=5 trabalho.

Então. odeverão que Dosimetrias obrigatoriamente cobrir devemos usar? toda a jornada de trabalho. .

Dosimetrias deverão obrigatoriamente cobrir toda a jornada de trabalho. .

1 da NHO 01 da Fundacentro .Nível de Exposição NE = 10 x log 480 x D + 85 TE 100 Item 4.NE .

Nível de Exposição NE = 16.61 x log 480 x D + 85 TE 100 Item 4.NE .1 da NHO 01 da Fundacentro (ajustado para o IDD = 5) .

Nível de Exposição Normalizado NEN = NE + 10 x log TE 480 Item 4.NEN .1 da NHO 01 da Fundacentro .

61 x log TE 480 Item 4.Nível de Exposição Normalizado NEN = NE + 16.1 da NHO 01 da Fundacentro (ajustado para o IDD = 5) .NEN .

.Deveremos usar: Dosimetrias deverão obrigatoriamente cobrir ou toda a jornada de trabalho.

Instrução Instrução Normativa Normativa n no 11 de 10/10/2007 Art. situar acima de 85 dB (A) aplicando: . 180 Dosimetrias deverão A exposição ocupacional a ruído obrigatoriamente cobrir dará ensejo à aposentadoria especial quando NEN se toda a jornada de o trabalho.o 20.

Instrução Instrução Normativa Normativa n no 11 de 10/10/2007 Art. . 180. definidos no Quadro Anexo I da NR-15 do MTE.o 20. Dosimetrias deverão obrigatoriamente cobrir a) Os limites de tolerância toda a jornada de trabalho.

Instrução Normativa no 20. . de 10/10/2007 Art. na NHO-01 da FUNDACENTRO. 180 Dosimetrias deverão b) as metodologias cobrir e os obrigatoriamente procedimentos definidos toda a jornada de trabalho.

ANEXO 1 / LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE 85 dB(A) 86 dB(A) 87 dB(A) 88 dB(A) 89 dB(A) 90 dB(A) 91 dB(A) 92 dB(A) 93 dB(A) 94 dB(A) 95 dB(A) 8 horas 7 horas 6 horas 5 horas 4 h 30 min 4 horas 3 h 30 min 3 horas 2 h 40 min 2 h 15 min 2 horas q=5 .NR 15 .

ANEXO 1 / LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE 96 dB(A) 98 dB(A) 100 dB(A) 102 dB(A) 104 dB(A) 105 dB(A) 106 dB(A) 108 dB(A) 110 dB(A) 112 dB(A) 114 dB(A) 115 dB(A) 1 h 45 min 1 h 15 min 1 hora 45 minutos 35 minutos 30 minutos 25 minutos 20 minutos 15 minutos 10 minutos 8 minutos 7 minutos q=5 .NR 15 .

Atenuação do ruído com a distância .

Depende da distribuição das fontes de ruído .

NPS2 (r2) = 10 log r22 r12 .Fonte pontual simples A relação entre NPS1 (na distância r1) e NPS2 (na distância r2) é dada por: NPS1 (r1) .

NPS2 (8m) = 10 log 2 8 = 10 log 4 = 6 dB 42 . teremos: NPS1 (4m) .Fonte pontual simples Para a duplicação da distância de 4 para 8 metros.

Fonte pontual simples Tem-se 6 dB de decaimento do nível de pressão sonora para cada duplicação da distância. .

. etc. tais como máquinas de tecidos. estamparias.Fontes pontuais • Uma linha de máquinas idênticas.

.Fontes pontuais A propagação é similar a uma fonte linear e a atenuação passa a ser de 3 dB para cada duplicação da distância.

.

conferir proteção eficaz. NÃO CABERÁ O ADICIONAL DE INSALUBRIDADE NEM A APOSENTADORIA ESPECIAL .Se o EPI Atenuar. reduzindo seus efeitos a LT legais. reduzir. neutralizar.

EPI / EPC eficaz . que dá bom resultado.EFICAZ Que produz o efeito desejado.

. dependendo da vida útil dos mesmos.EPI Explicitar essas informações no LTCAT e PPP Condições de conservação Efetiva utilização durante toda a jornada Higienização periódica Substituições a tempos regulares.

EPI Foi a última alternativa? .

EPI Ou foi a primeira? .

§6o do Artigo 179 da IN no 27 / 2008 . e desde que comprovadamente elimine a nocividade e desde que respeitado o disposto na NR 06 do MTE. demonstrações ambientais emitidas a partir de 3 de dezembro de 1998. em.EPI Só será considerado a adoção de EPI.

EPI Só será considerado neutralizado o ruído através da adoção de EPI se for obedecida a seguinte hierarquia: 1) EPC 2) Medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho 3) EPI Artigo 179 da IN no 27 / 2008 .

Para o INSS EPI neutraliza nocividade somente: ● Em situações de inviabilidade técnica de EPC ● Insuficiência do EPC adotado ● Interinidade à implantação do EPC ● Em caráter complementar ● Em caráter emergencial Artigo 179 da IN no 27 / 2008 .

Lembrem-se Agora os MPPS podem inspecionar os ambientes de trabalho. Artigo 194 da IN 11 / 2006 .

PPRA 5. PPP 3. PCMAT 6. PGR 4. CAT 2.MPPS podem solicitar: 1. LTCAT . PCMSO 7.

..Para o MTE. Qual é a NR que proíbe o início de qualquer atividade sem o uso de EPI em primeiro lugar? .

8 a) .NR 32 32. .4.3.Com relação aos quimioterápicos antineoplásicos é vedado iniciar qualquer atividade na falta de EPI.9.

9 Subitem 4 do PPP .A periodicidade de troca do EPI deve estar definida e registrada nos programas ambientais (LTCAT ou PPRA) Item 15.IN no 27 / 2008 .

.

.

.

• Fábio Redulfo Suman – Engenheiro de Segurança do Trabalho. Professor Titular da UNESP. .Periodicidade de troca de protetores auriculares Autores: • João Cândido Fernandes – Engenheiro de Segurança do Trabalho. • Viviane Mendes Fernandes – Cirurgiã Dentista.

Periodicidade de troca • Protetores sofrem desgaste ao longo de sua utilização. • A atenuação do ruído se altera em função da deterioração decorrente do uso. . • NR 6 – EPI adequado e em perfeito estado de conservação e funcionamento.

• Almofadas perdem pressão. • Plugues de espuma não mais se expandem até o seu formato original.Quando … • Há enrijecimento de partes plásticas. Devemos descartá-los .

E a periodicidade de troca? .

Pesquisa mais difundida sobre esse tema: ANUÁRIO BRASILEIRO DE PROTEÇÃO .

ANUÁRIO BRASILEIRO DE PROTEÇÃO Pesquisa de opinião entre os profissionais de SST. .

Protetor Tipo concha Tipo plugue Duração 6 meses a 1 ano 1 a 2 meses .

Avaliação do grau de deterioração dos três tipos de EPIs auditivos Airton Kwitko .

7 dB(A) 27.3 dB(A) .8 dB(A) 29.Plugue pré-moldado de silicone Tempo de uso Novo 8 semanas 16 semanas 24 semanas Atenuação 29.4 dB(A) 28.

1 dB(A) 30.3 dB(A) .3 dB(A) 18.Plugue moldável de espuma Tempo de uso Novo 1 semana 2 semanas Atenuação 29.

6 dB(A) 29.4 dB(A) 26.0 dB(A) 6.Plugue pré-moldado de espuma Tempo de uso Novo 2 semanas 4 semanas 8 semanas Atenuação 29.9 dB(A) .

Avaliação do grau de deterioração dos três tipos de EPIs auditivos Airton Kwitko .

Plugue moldável de espuma Plugue pré-moldado de espuma Plugue pré-moldado de silicone 15 dias 2 meses 6 meses .

§ 5o do Art. .EPC Precisam possuir um Plano de Manutenção registrado na empresa.04.2008 do INSS. 179 da IN no 27 de 30.

3 do MTE. NR 32. item 32.Capelas Precisam possuir um Cronograma Individual de Manutenção Preventiva.9. .3.

PPP EPI / EPC eficaz ? .

Empresa pode fornecer protetores auriculares. ... e a proteção não ser eficaz.

. mas não eficazes.EPI / EPC podem ser eficientes.

.Ser EFICIENTE É uma qualidade do produto.

Ser EFICAZ Está relacionado com o resultado. .

Um EPI • Escolhido pelo método longo • Escolhido pelo método curto • NRR corrigido • NRR sf • CA .

. .É EFICIENTE Para atenuar ou neutralizar o ruído..

Porém • Se o trabalhador não o utiliza • Se já está desgastado e não foi foi trocado • Se o trabalhador não foi treinado adequadamente para inserí-lo .

Porém • Se ele não está adequadamente motivado e conscientizado para usar • Se o tamanho de seu meato auditivo externo é muito grande ou muito pequeno... .

O EPI NÃO SERÁ EFICAZ .

.Você precisa afirmar se os EPIs / EPCs são eficazes.

Atenuação .

Antes de falar em Atenuação vamos falar em plugues de silicone .

Atenuação “Meu silicone é de grau farmacêutico.” Fornecedor .

POMP .Atenuação “Existem plugues de silicone com adesão de carga (talco) para aumentar o volume e baratear o custo.” Maurício Mazzulli .

Silicone de grau Atenuação farmacêutico Baixo grau de toxicidade .

Silicone de grau Atenuação farmacêutico Baixo grau de toxicidade Compatível com os tecidos humanos .

Atenuação Como saber se um plugue de silicone é de grau farmacêutico? .

Tracione o protetor com os dedos. Se aparecerem pontos brancos. . ele possui talco.

Atenuação .

O de silicone não queima. O de polímero se deteriora e produz uma fumaça preta. .Ponha fogo em um protetor.

Atenuação proporcionada por protetores auriculares .

O melhor protetor auricular que existe no mercado é o .

É o protetor auricular que o trabalhador usa 8 horas por dia. .

.Se o trabalhador retira o seu protetor auricular 30 minutos por dia. a atenuação efetiva dele se reduz à metade.

É função do espectro de ruído 125 250 500 1000 2000 4000 8000 Hertz .

0 2.5 2.1 6 KHz 39.3 2.1 2.1 1 KHz 34.9 2.2 500 Hz 34.8 1.Dados fornecidos por um fabricante ƒ Ā δ 125 Hz 29.3 2 KHz 35.3 3.9 2.8 4 KHz 41.7 3 KHz 40.6 3.0 8 KHz 39.8 .2 250 Hz 31.

2 500 Hz 34.9 2.6 3.2 250 Hz 31.1 2.0 8 KHz 39.3 2 KHz 35.3 3.8 4 KHz 41.9 2.1 1 KHz 34.Dados fornecidos por um fabricante ƒ Ā δ 125 Hz 29.8 .3 2.8 1.7 3 KHz 40.5 2.1 6 KHz 39.0 2.

Exemplo usando a Atenuação Global ƒ Ā δ 1 KHz 34.3 .0 2.

000 Hz 1 KHz 34.0 2.Exemplo usando a Atenuação Global ƒ Ā δ ƒ = 1.3 .

0 2.000 Hz 1 KHz 34.3 NPS = 100 dB(A) .Exemplo usando a Atenuação Global ƒ Ā δ ƒ = 1.

3 NPS = 100 dB(A) Ā = 34.0 dB .0 2.000 Hz 1 KHz 34.Exemplo usando a Atenuação Global ƒ Ā δ ƒ = 1.

0 dB NPS (1 KHz) = 100 .Exemplo usando a Atenuação Global ƒ Ā δ ƒ = 1.3 NPS = 100 dB(A) Ā = 34.0 2.34 = 66 dB(A) .000 Hz 1 KHz 34.

Método NIOSH no 1 Ā-2δ .

Método NIOSH no 1 Ā-2δ NPS (1 KHz) = 100 .3) .2 x 2.( 34 .

( 34 .2 x 2.3) NPS 1 KHz = 70.Método NIOSH no 1 Ā-2δ NPS (1 KHz) = 100 .6 dB(A) .

Método NIOSH no 1 Fazer isso para todas as freqüências .

Considera a atenuação nas diversas freqüências .Método Longo 1. Não mais correto ou eficaz 3. É mais longo 2.

Necessita de instrumentos caros.Método Longo 4. . com filtros de oitava.

.

.

1972 .

Medir o ruído contínuo em dB(C) Subtrair dele o NRR .

Ruído contínuo NPS = dB(C) .NRR .

Protetor auricular com NRR = 29 dB Ruído medido no local = 109 dB(C) .

29 = 80 dB(A) .Protetor auricular com NRR = 29 dB Ruído medido no local = 109 dB(C) Ruído que chega ao ouvido: 109 dB(C) .

1998 Propõe redução do valor do NRR .

Fundamentada em 20 trabalhos científicos de autores independentes .

Testados protetores comerciais sob condições reais de exposição .

Três valores diferentes .

Tipo concha .

Tipo concha .

Tipo plug de espuma .

Tipo plug de espuma .

Outros protetores tipo plug .

Outros protetores tipo plug .

1998

NPS = dB(C) - NRR corrigido

Quer usar dB(A)?

NPS = dB(A) - (NRRc - 7)

2001

NPSc = NPSa - (NRR x f - 7)
Art. 173 Item II da Instrução Normativa no 57

Correção do NRR

O método não é válido para 100% dos casos.
(protetor de inserção tipo plug pré-moldado)

Método não válido para todos os casos

Protetor de inserção
tipo plug pré-moldado

NRR = 21

Método não válido para todos os casos

Protetor de inserção
tipo plug pré-moldado

NRR = 21 NPSc = NPSa - (NRR x f - 7)

Método não válido para todos os casos

NPSc = NPSa - (NRR x f - 7)

Método não válido para todos os casos

NPSc = NPSa - (NRR x f - 7) NPSc = NPSa - (21 x f - 7)

30 .Método não válido para todos os casos NPSc = NPSa .7) .(21 x f .7) NPSc = NPSa .7) NPSc = NPSa .(NRR x f .(21 x 0.

Método não válido para todos os casos NPSc = NPSa .30 .(21 x 0.7) .

Método não válido para todos os casos NPSc = NPSa .30 .3 .(6.7) .(21 x 0.7) NPSc = NPSa .

Método não válido para todos os casos NPSc = NPSa .30 .(21 x 0.7) .7) NPSc = NPSa .3 .(.(6.0.7) NPSc = NPSa .

7) .(.Método não válido para todos os casos NPSc = NPSa .0.

0.(.7 .Método não válido para todos os casos NPSc = NPSa .7) NPSc = NPSa + 0.

0.Método não válido para todos os casos NPSc = NPSa .7 Supondo NPSa = 90 dB(A) .(.7) NPSc = NPSa + 0.

7) NPSc = NPSa + 0.7 Supondo NPSa = 90 dB(A) NPSc = 90.Método não válido para todos os casos NPSc = NPSa .7 dB(A) .0.(.

Método B A colocação do protetor é feita pelo ouvinte não treinado. .

.

Não se aplica Fator de Correção .

Protetores auriculares NRR NRR sf .

NRR Redução e Correção e subtração subtra ção .

Subtração simples .

NPS = 103 dB(A) Protetor tipo plug NRR = 29 .

29 = 74 dB(A) GFIP 01 .103 dB(A) .

O mesmo protetor tipo plug NRR sf = 12 .

12 = 91 dB(A) GFIP 04 .103 dB(A) .

Empresa séria que se preocupa com ruído ENCLAUSURA .

Dupla atenuação Dupla proteção irá aumentar de 5 a 10 dB a atenuação do protetor de maior valor. Hearing Protection Devices .Mc Graw Hill .Nixon & Berger Handbook of Acoustical Measurements and Noise Control 3ª Edição .

Dupla atenuação Medição em laboratório credenciado NRR sf para dupla proteção: Maior NRR sf + 6 dB Samyr Gerges .

Qual é o único laboratório brasileiro apto a realizar ensaios e testes em protetores auriculares para fins de obtenção do CA do MTE? 17/9/2009 .

Portaria SIT / DSST 48. de 25 de março de 2003 o n 17/9/2009 .

Laboratório de Ruído Industrial Universidade Federal de Santa Catarina .

Ā δ NRRsf .

Ā δ NRRsf Dados de natureza estatística .

Ā δ NRRsf É conceitualmente incorreto afirmar que um determinado indivíduo tenha atenuação igual ao NRR sf.Y. Samir N. Gerges .

INTERPRETAÇÃO CORRETA PAIR Nas condições observadas em uso real nos ambientes de trabalho. em recém nascidos? . pelo menos 84 % da população de usuários deverão obter uma atenuação de pelo menos o valor do NRR sf.

PAIR CÁLCULO DE INCERTEZA em recém nascidos? Mostra uma variação no NRR sf da ordem de + 3 dB. .

.PAIR CÁLCULO DE INCERTEZA em recém auditivo nascidos? Um protetor com NRR sf de 12 pode. chegar a 15 dB como também a 9 dB. repetindo o ensaio.

PAIR PROPOSTA DA SITUAÇÃO em recém nascidos? NRR sf + A – B (na embalagem) Samir N. Gerges FUTURA NO BRASIL .Y.

de Julho de 2002 Atenuação dos protetores auriculares PAIR em recém nascidos? .IN no 78.

6 .1997 Método B .IN no 78. de Julho de 2002 Atenuação dos protetores auriculares PAIR em recém nascidos? Norma ANSI S12.

em recém nascidos? .PAIR Instrução Normativa n o 84 • Retirou os cálculos do NRR sf. • Na prática não há mais legislação oobrigando o uso do NRR sf.

PAIR Instrução Normativa n o 84 • Retirou os cálculos do NRR sf. + simples. • Na prática não há mais legislação oobrigando o uso do NRR sf. • É o + prático. + atual. em recém nascidos? .

ABNT Comitê Brasileiro de Equipamentos de Proteção Individual Comissão de Estudos de Equipamentos de Proteção Auditiva .

.ABNT Equipamentos de Proteção Individual Protetores Auditivos / Método de Cálculo do Nível de Pressão Sonora no Ouvido Protegido.

ABNT Objetivo: Informar aos usuários de protetores auditivos como avaliar a eficiência desse tipo de EPI no ambiente de trabalho. .

Recomenda: Ambiente O EPI adequado Inserção Descartáveis de espuma Inserção com haste C e URA altas Com poeira Exposições repetitivas curtas .

Recomenda: Ambiente O EPI adequado Inserção Descartáveis de espuma Inserção com haste C e URA altas Com poeira Exposições repetitivas curtas .

6 – 1997 / Método B.Está desenvolvendo um novo método de ensaio em laboratório de protetores auditivos. . com base na Norma ANSI S 12.

PAIR em recém nascidos? .

PAIR em recém nascidos? em recém-nascidos? .

PERDA AUDITIVA EM FETOS Mulheres trabalhadoras grávidas acima de 5 meses. expostas a ruído superior a 115 dB(C) podem proporcionar perda auditiva no feto. PAIR em recém nascidos? ACGIH .

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde PAIR em recém nascidos? Normas e Manuais Técnicos Protocolos de Complexidade Diferenciada 2 2006 Área Técnica de Saúde do Trabalhador .

Atenção à saúde dos expostos a benzeno – 48 p.gov. Dermatoses Ocupacionais – 92 págs.br 1. Câncer relacionado ao trabalho – 48 págs. PAIR 2. Pneumoconioses – 76 págs. TOTAL: 424 páginas em recém nascidos? .portal.www. 5. Expostos a chumbo metálico – 44 págs. 6. 3. Perda auditiva induzida por ruído – 40 págs. 4. 7.saude. Exposição a materiais biológicos – 76 págs.

MINISTÉRIO DA SAÚDE PAIR em recém nascidos? .

até problemas na gestação. hiperemese gravídica. parto prematuro e bebês de baixo peso ”. como hipertensão. 08 .“ Gestantes que trabalham expostas a níveis elevados de ruído. MINISTÉRIO DA SAÚDE Protocolo de Complexidade Diferenciada sobre PAIR . principalmente quando o trabalho é realizado em turnos.Pág. proporcionam lesões auditivas irreversíveis no feto.

“Em incubadoras bebês ficam expostos a níveis médios de ruído de 61 dB(A). de acordo com as manobras realizadas.Protocolo de PAIR . podendo atingir 130 ou 140 dB(A).” Ministério da Saúde .

Protocolo de PAIR .” Ministério da Saúde .“Brinquedos podem atingir 100 dB(A).

Protocolo de PAIR . com média de 70 dB(A) / 4 h. dia.” Ministério da Saúde .3 dB(A).“Níveis de pressão sonora podem atingir 94.

” Ministério da Saúde .“As exposições contínuas a ruído são piores do que as intermitentes.Protocolo de PAIR .

.

dosímetros e calibradores? .Qual é prazo de calibração de decibelímetros.

Certificado de Calibração anual. .

Certificado de Calibração deve ser renovado no mínimo a cada dois anos.3 . Item 4. NBR 10151.

268. de 29.Todos os componentes dos medidores de nível de pressão sonora deverão ser devidamente calibrados anualmente pelo INMETRO ou por instituições credenciadas por este. 5º.2001. §1o .08. Art. Lei no 3.

Porque os certificados ou etiquetas de calibração não mencionam mais o prazo de validade? .

NBR ISO / IEC 17025 .

ISO / IEC 17025 Norma segundo a qual os Laboratórios de Calibração da RBC são acreditados pelo INMETRO. .

ISO / IEC 17025 O Certificado de Calibração ou a etiqueta de calibração não deve conter qualquer recomendação sobre o intervalo de calibração. exceto se acordado com o cliente. .

.ISO / IEC 17025 O Certificado de Calibração ou a etiqueta de calibração não deve conter qualquer recomendação sobre o intervalo de calibração. ão exceto se acordado com o cliente.

NBR 10012 Para a determinação do intervalo de calibração. devem ser considerados: .

NBR 10012-1 • O tipo de equipamento .

NBR 10012-1 • O tipo de equipamento • As recomendações do fabricante .

NBR 10012-1 • O tipo de equipamento • As recomendações do fabricante • Dados de tendência seguidos pelos registros de calibração anteriores .

NBR 10012-1 • Extensão e severidade de uso .

NBR 10012-1 • Extensão e severidade de uso • Tendência a desgastes .

.NBR 10012-1 • Extensão e severidade de uso • Tendência a desgastes • Condições ambientais.

NBR 10151 O ajuste do medidor de nível de pressão sonora deve ser realizado pelo operador do equipamento. imediatamente antes e após cada medição. . com o calibrador acústico.

.NBR 10151 O ajuste do medidor de nível de pressão sonora deve ser realizado pelo operador do equipamento. com o calibrador acústico. imediatamente antes e após cada medição.

Calibrador precisa ser calibrado? .

ISO 6396 10.3 – Aparelhagem As seguintes informações devem ser registradas: c) a data e o local de calibragem do calibrador acústico .Norma NM .

Qual a diferença entre calibração e aferição? .

Norma ISO 10012-1 Requisitos de garantia da qualidade para equipamentos de medição .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->