P. 1
Profeta+Isaías

Profeta+Isaías

|Views: 2.060|Likes:
Publicado porYehud77

More info:

Published by: Yehud77 on May 12, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/11/2014

pdf

text

original

Profeta Isaías - Capítulo 6 versículos 8 a 10.

Navi Yeshayáhu - Prophet Isaias Profeta Isaías 6:8-10 - Ouvi a voz do Eterno, dizendo: A quem enviarei, quem há de ir por nós? - e eu exclamei: 'aqui estou. Envia a mim!' 9 Ele disse:Vai e fala a este povo: Certamente escutais, mas não compreendeis; olhais, mas não vos apercebeis. 10 Embota o coração deste povo, ensurdece seus ouvidos e cerra seus olhos para que, ao enxergar com os olhos, escutar com os ouvidos e compreender com o coração, não se arrependam e sejam curados. Alegação missionária: Que estes versos aludem a Jesus, de Nazaré, que segundo um texto não judaico falava por parábolas. Contexto da Passagem: Não somente os versos citados pelos missionários se refere ao próprio profeta Isaías, como todo o capítulo 6, que relata o início de sua vocação profética. Os versos não tem nenhuma ligação com a distorcida interpretação missionária que Jesus "falava" por parábolas. Os missionários tiram o versículo do seu contexto correto e transladam para uma posição que acham conveniente Resumo para entendimento: Eventos muito importantes ocorreram durante a vida de Yeshayáhu, tanto na história de nosso povo quanto na história do mundo em geral. Yeshayáhu viu o surgimento de um novo império, a Assíria, cujo rei Shalmaneser conquistou o Reino Norte, e exilou as Dez tribos. Somente Judéia permaneceu, e este foi o último baluarte da verdadeira fé num Único D'us. Porém ali, também, as práticas perversas dos vizinhos começaram a causar danos, e a Cidade Sagrada de Jerusalém muitas vezes foi profanada pela idolatria, injustiça e corrupção. Yeshayáhu levou ao rei e ao povo a mensagem de D'us, num tempo em que a idolatria parecia estar fincando raízes na terra, e ele pregou justiça e caridade numa época em que a moral do povo descia cada vez a níveis mais baixos. Sobre o seu chamado Divino, Yeshayáhu (Isaías) assim relata no capítulo 6: "No ano da morte do Rei Uzziá (isso significa quando ele foi atacado pela lepra e estava isolado), eu vi D'us sentado sobre um trono alto e exaltado, e Sua glória preenchia o santuário. Serafins (anjos de fogo) estavam de pé à Sua volta. Cada um tinha seis asas: com duas cobria o rosto, com duas cobria os pés, e com duas ele voava. E um falava com o outro, dizendo: 'Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos; a terra inteira está repleta com Sua glória.' "E os pilares tremiam com as vozes daqueles que clamavam, e a casa ficou repleta de fumaça. E eu disse: 'Infeliz sou eu, um homem de lábios impuros, e no meio de pessoas com lábios impuros eu habito; pois o Rei, o Senhor das Hostes, meus olhos viram.'

"Então um Serafim voou na minha direção, e em sua mão havia um carvão que ele tinha tirado do altar com o pegador. Ele o colocou sobre minha boca e disse: 'Vê, isso tocou teus lábios, e tua iniqüidade partiu e teu pecado está perdoado!' "E eu ouvi a voz de D'us, dizendo: 'A quem Eu enviarei e quem irá por nós?' E eu disse: 'Aqui estou; envia a mim.' E Ele respondeu: 'Vai, diz a este povo; vocês ouviram, mas não entenderam; vocês viram, mas não sabem. Obstinado é o coração deste povo; seus ouvidos são pesados e seus olhos fechados; ou então seus olhos veriam, seus ouvidos ouviriam, e seus corações entenderiam, para que se arrependam e sejam curados.'" A missão de Yeshayáhu era, antes de mais nada, admoestar as pessoas e insistir com elas para que se arrependessem e voltassem a D'us. Ele diz ao povo que D'us é seu pai, e que eles são Seus filhos. Ele chama os filhos rebeldes a voltarem ao Pai amoroso. Assim, já no primeiro capítulo (do livro que lemos no Shabat Chazon), sua voz troveja: "Ouçam, ó Céus, e ouça, ó Terra, pois D'us falou. 'Os filhos que eu nutri e criei, eles se rebelaram contra Mim. O boi conhece o seu dono, o jumento conhece o jugo do amo, mas Israel não conhece, Meu povo não considera…'" Assim ele conclama céu e terra como para serem testemunhas de que Israel se mostrou ingrato e desobediente. Ele não hesita em culpar os líderes, a quem chama de "Governantes de Sodoma", pelo baixo nível moral do povo. Repreende severamente os devotos hipócritas que oferecem sacrifícios a D'us, mas que não deixam de pecar, pensando que podem "subornar" D'us, como fazem os idólatras. Para o judeu pensar: Não sou Eu o Eterno? E não há nenhum deus além de Mim – um D'us justo e Salvador; não há ninguém mais. Volte para Mim e salve-se, todos os confins da terra, pois Eu sou D'us e não há nenhum outro ."(Yesha’yáhu - Isaias 45:21-22).

Profeta Isaías - Capítulo 7 versículo 14
Navi Yeshayáhu - Prophet Isaias

Profeta Isaías 7:14 - Eis pois que o Eterno, Ele mesmo, vos dará um sinal: eis que a moça grávida dará à luz um filho e o chamará Imanuel ('D'us está conosco')

Alegação missionária: Que o verso 14 justifica o nascimento de Jesus, de Nazaré através de uma virgem de acordo com a descrição de texto não judaico. Contexto da Passagem: O versículo relata um sinal que o Eterno dará ao Rei Achaz (Acaz). O nascimento de uma criança, que aconteceu no mínimo 700 anos antes de Jesus. Resumo para entendimento: 1 - O Reino de Efraim (norte) se aliou ao rei de Aram (Retsin) na tentativa de se livrar do perigo assírio (Is-7:2). O Reino de Judá (sul) não participou da aliança com o Reino de Efraim e Aram. Estes dois reinos temendo que o reino do sul (Judá) se tornasse aliado da Assíria, resolveram atacar (Judá) para remover do trono o Rei Achaz (Acaz) e colocar em seu lugar o filho de Tav'al, rei de Tiro. Achaz, presumindo e temendo um ataque da aliança do norte (Efraim e Aram) efetua uma verificação da reserva de água de Jerusalém (Is-7:3). No entanto o profeta Isaías vai ao encontro do Rei e o tranqüiliza que não haverá perigo pois, continua válida a promessa (do Eterno) que a dinastia do rei Davi será mantida, desde que confie nas providências divinas.(Is-7:4) O Rei Achaz não deu crédito as promessas do Eterno feitas pelo profeta Isaías e pediu auxílio a Assíria. O profeta condenou este modo de agir do rei e proclamou que o Eterno estaria presente, que Ele (D'us) estaria ao lado do Reino do Sul (Judá), que "D'us Estaria Conosco" - Imanuel. Assim, de acordo com o contexto do Capítulo 7:1-9 de Isaías conclui-se que, o Eterno promete um sinal ao rei Achaz e este sinal é justamente o filho do próprio rei, que está para nascer. 2 - Os missionários descontextualizam o texto e não se preocuparam sequer com o tempo histórico do versículo 3 - Traduzem mal: O correto no versículo é "D'us ESTÁ conosco" e não "D'us Conosco", que visa assim sustentar credos estranhos ao judaísmo; Tradução grosseira da palavra almá (almah). A palavra hebraica "almah" significa uma "jovem mulher" e não uma virgem, fato reconhecido por

estudiosos sério da bíblia. A palavra hebraica para virgem é "bâtul" e virgindade "batulim". O versículo no original hebraico diz "ha'almah" , ou seja "a jovem mulher" - ou "a moça" como preferem alguns exegetas. O texto diz "a jovem mulher" ou "a moça" e não diz "uma jovem mulher". Este "a" especifica que havia uma mulher em particular que era conhecida por Isaías como mostra o contexto do versículo:...eis que a moça grávida dará à luz um filho, bem diferente de, eis que uma moça grávida dará à luz a um filho. 4 - Os missionários lêem assim o versículo para o judeu: "Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel." A palavra "virgem" não cabe neste contexto, tradução mal feita. 5 - Alguns missionários argumentarão que numa tradução muito antiga da bíblia chamada de Septuaginta (versão dos 70), ¹72 grandes rabinos traduziram a palavra "almah", em Isaías 7:14 para "parthenos", palavra grega para "virgem". O problema desta afirmação é que os 72 rabinos não traduziram o livro de Isaías, que hoje está incorporado a edição ampliada da chamada Septuaginta, somente traduziram o 'Pentateuco', os cinco livros de Moisés. Outro inconveniente nesta afirmação é que na própria Septuaginta, na tradução dos cinco livros de Moises, realizada pelos rabinos, exatamente em Gênesis 34:2-3 a palavra "parthenos" foi traduzida pelos sábios como uma referência a não virgens, a uma "jovem mulher" que tenha sido estuprada. Interessante acrescentar que na introdução da tradução da Septuaginta para o inglês assim consta: "O Pentateuco (traduzido pelos 70 rabinos) parece ser o texto melhor executado enquanto que Isaías é o pior traduzido" Para o judeu pensar: Nascimento de seres através de mulheres impregnadas por anjos e deuses não encontra respaldo na cultura judaica. A Torá ensina, "macho e fêmea Ele os criou". Nas culturas egípcias, persas e greco-romanas e tantas outras temos diversos exemplos de semi-deuses que nasceram da impregnação de uma virgem. Tamuz, deus da Suméria e Fenícia, foi gerado por uma virgem, morreu com uma chaga no flanco e, três dias depois, levantou-se do túmulo e o deixou vazio com a pedra que o fechava a um lado. Belém era o centro do culto a Tamuz; Hórus, lutou durante 40 dias no deserto contra as tentações de Sata, a luz do mundo, o caminho, a verdade e a vida, batizado com água por Anup, representado por uma cruz, tinha 12 discípulos e fazia parte de uma trindade: Atom (o pai), Hórus (o filho) e Ra (o espírito santo); Mitra, gerado de uma virgem, em uma caverna, foi visitado por pastores que levaram-lhe presentes, era acompanhado por 12 discípulos, realizou a última ceia, enterrado em uma tumba ressuscitou três dias depois. Tarso (cidade de Paulo) era um dos focos de adoração a Mitra.

Nota
1 - Conta a “lenda” que o rei Ptolomeu II resolveu patrocinar a tradução da Torá ao grego. Contatou com o Sumo Sacerdote (Cohen Hagadol) que administrava o autogoverno judaico em Jerusalém, lhe solicitando que enviasse um grupo de sábios versados na Lei de Moisés (Torá) e que soubessem hebraico e grego, com condições de traduzir o texto da Torá. A tradução foi feita por setenta e dois sábios, colocados em quartos separados e sem poder se comunicar de nenhuma maneira durante o tempo que durou seu trabalho. Assim cada um realizou sua versão da tradução, absolutamente sem saber o que o outro fizera. Ao final as setenta e duas traduções eram absolutamente iguais. Não havia sequer um detalhe que as distinguisse. Esta versão da Bíblia hebraica foi denominada “A versão dos Setenta” ou Septuaginta. Origens judaicas do Cristianismo - Reflexões sobre a história das religiões - Parte I - Sérgio Feldman

Estudo do Profeta Isaías - Capítulo 9 versículo 1 (um)
Navi Yeshayáhu - Prophet Isaias

Profeta Isaías 9:1 - Mas para a que estava aflita não haverá escuridão. Nos primeiros tempos, ele envileceu a terra de Zebulom, e a terra de Naftali; mas nos últimos tempos fará glorioso o caminho do mar, além do Jordão, a Galiléia dos gentios. (texto não judaico - este versículo corresponde ao último verso 8:23 do capítulo 8 nas bíblias hebraicas) Profeta Isaias 8:23 - Não se preocuparam da primeira vez, quando a terra foi devastada, quando a Assíria exilou Naftali e Zebulon, mas agora a Assíria assestou um golpe mais doloroso, no caminho para o mar, além do Jordão, na região das nações.

Alegação missionária: Que o verso 9:1 (ou 8:23) é uma profecia sobre Jesus, de Nazaré, que foi "pregar" e levar luz para os povos de Naftali e Zebulon que se encontravam na escuridão (trevas), conforme descrição em um texto não judaico. Contexto da Passagem: Relata o avanço da Assíria sobre a Galiléia e vizinhanças, incluindo Naftali e Zebulon. Resumo para entendimento:

1 - No ano 732 a.e.c., a Assíria invadiu e fez capitular (tomou) os territórios da Galiléia e adjacências, incluindo Zabulon e Neftali. O Reino do Sul (Judá) temia

o avanço assírio. O profeta Isaías mostrou (ao povo e ao rei) que o Eterno iria libertar todos os oprimidos e traria a paz. A certeza de Isaías estava assentada no sinal que o Eterno deu ao rei, o nascimento de uma criança pela "jovem mulher" (Is 7:14). Esta criança é Ezequias, o filho herdeiro do rei Achaz (Acaz). O profeta Isaías previu um chefe sábio, fiel ao Eterno, de reinado duradouro e pacífico. Assim, Isaías ajudou a perpetuar a dinastia do rei Davi, a qual se estendeu até às regiões dominadas pela Assíria e organizou uma sociedade fundada no direito e na justiça. Novamente não houve por parte dos missionários preocupação com o contexto histórico da passagem já que Jesus, de Nazaré, "apareceu" no cenário 700 anos depois deste evento. 2 - A tradução leva o judeu ao erro: "...fará glorioso o caminho..." A palavra "glorioso" é um acréscimo desnecessário.

Para o judeu pensar: Yeshu: ‫ יש"ו‬tem similar origem e sentido parecido com o nome Yshai/Jessé (nome do pai do Rei David), e se refere a: "Possessão", "riqueza", "materialismo" e "ambição". Ambos nomes se originam de “Yesh” ‫ , יש‬e quer dizer: "Há", "existe", "Tem" !O Toledoth Yeshu tipicamente explicam a designação Yeshu como um acrônimo da frase hebraica ‫ - ימח שמו וזכרו‬Yemach Shemô Vezichrô (Seja apagado seu nome e sua memória). Yeshua em hebraico significa "salvação". Alguma semelhança com o nome "D"us conosco" (Emanuel)?

Estudo do Profeta Isaías - Capítulo 40 versículo 3
Navi Yeshayáhu - Prophet Isaias Profeta Isaías 40:3 - No deserto clama uma voz:'Preparai um caminho para o Eterno, aplanai, no ermo, uma estrada para nosso D'us.'

Alegação missionária: Que o versículo se refere a um personagem cristão, João Batista. Contexto da Passagem: Convocação dos israelitas ao arrependimento feito pelo profeta Isaías.

Resumo para entendimento: 1 - Isaías é considerado o maior profeta da bíblia, portanto recebeu o título de profeta da Justiça. Nascido por volta do ano de 760 a.e.c., de uma família nobre originária do Reino de Judá, no ano de 740 a.e.c. foi "chamado" por D'us para anunciar profecias. As fez por (50) cinqüenta anos. O livro do profeta é composto de duas partes quase distintas: Capítulos de 1 a 39 - repleto de citações (alusões) ao próprio profeta (Isaías) e encaixam-se perfeitamente no tempo histórico dos acontecimentos nos reinados de Uziah (Osias), Joatão, Achaz (Acaz) e de Chizkiáhu (Ezequias). Capítulos de 40 a 66 - Nestes capítulos - que fazem referência a uma época posterior - o profeta (em geral) se dirige aos israelitas deportados ou reintegrados em sua pátria após dominação sob os assírios. Durante sua investida, Isaías se levanta contra a idolatria, ameaçando ricos e poderosos. Eleva sua voz contra hipócritas e todos aqueles que se comportam de forma frívola e vazia. Com muita veemência chama os israelitas ao arrependimento e às práticas dos preceitos judaicos. É aí então, que ele (Isaías) convoca o povo (todos os israelitas) a abrir um caminho para ao Eterno "preparando o caminho para o Eterno pelo qual voltarão os cativos aplainando no ermo uma estrada para o nosso D'us que a todos conduzirá". Compreende-se assim que Isaías 40:3 como apresentado pelos missionários não tem nenhuma ligação com o personagem cristão João Batista. 2 - A Era de Mashiach (Era Messiânica) é o cumprimento e culminação da criação do mundo, propósito para o qual ele foi originalmente criado. Algo desta revelação foi experimentada uma vez antes na terra, na Outorga da Torá no Monte Sinai [quando] "A ti te foi mostrado, para que soubesses que o Eterno é D'us; não há outro além d'Ele" (Devarim 4:35). A Divindade foi então percebida com a visão física… Subseqüentemente, no entanto, o pecado tornou ele e o mundo grosseiros — até a Era de Mashiach (Era do Messias), quando a fisicalidade do corpo e do mundo será refinada, e poderemos apreender a luz Divina revelada que brilhará sobre Israel através da Torá… "A glória de D'us será revelada e toda a carne verá que a boca de D'us falou" (Yeshayáhu 40:5)… Isso tudo depende de nossos atos e trabalho por toda a duração do galut… Quando uma pessoa cumpre uma mitsvá, atrai um fluxo da luz Divina ao mundo, para ser espalhada e integrada à realidade material… Para o judeu pensar: Distorcendo o verso 40:3 do Profeta Isaías os missionários vêem o personagem João Batista. Este personagem é um "abridor de caminhos" para Jesus, de Nazaré. No entanto o profeta diz claramente: 'Preparai um caminho para o Eterno...uma estrada para nosso D'us'. Aqui no verso 40:3, Eterno se refere ao D'us único e indivisível, ao D'us de Israel. Seria então Jesus este deus? A crença (cristã) de deus encarnado se opõe frontalmente a crença judaica onde D'us não assume nenhuma forma antropomórfica.

Estudo do Profeta Isaías - Capítulo 42 versículo 01
Navi Yeshayáhu - Prophet Isaias Profeta Isaías 42:1 - Eis meu servo a quem Eu hei de apoiar; Meu eleito, em quem se delicia Minha alma; nele inculquei Meu espírito para que possa levar justiça a todas as nações.

Alegação

missionária:

Que o servo descrito pelo profeta - baseado em texto não judaico - é Jesus, de Nazaré. Contexto da Passagem: Mensagem Resumo de consolação e esperança para para Israel (povo judeu).

entendimento:

1 - Os missionários cortaram o versículo, isolaram-no de seu contexto (a mensagem do Eterno para o povo de Israel) e o transladaram sem cerimônia para Jeus. É interessante o judeu saber que o Mashiach ben David não é tratado diretamente de servo em nenhum momento na Bíblia Hebraica. 2 - Ensinam erradamente que os versos do capítulo 42 se referem á alguém. No caso dos missionários, o "servo" é Jesus, de Nazaré. O leitor judeu no entanto deve ficar atento, pois muito antes, lá atrás no capítulo 41, Isaías já informa quem é o servo no texto. Não pergunte a ninguém e nem deixe que digam a você quem é o servo. Pergunte a quem escreveu, ou seja, ao próprio Isaías. Quem é o servo? "Mas tu, ISRAEL, servo Meu;" (Isaías 41:8). Considere muito que esta divisão em capítulos - 41 e 42 etc - do texto hebraico não é judaica. Com que objetivos separaram contextos? Se isto não bastar várias vezes em Isaías (sem mencionar Torá e outros profetas) Israel é tratado de servo diretamente em muitas ocasiões, como por exemplo em Isaías 41:9; 44:1; 48:20; 49:3; etc e em tantas outras vezes indiretamente. Para o judeu pensar:

Se o servo mencionado por Isaías fosse mesmo Jesus, como explicar o não

cumprimento do verso seguinte, Isaías 42:4, onde consta que: "...Não esmorecerá nem renunciará até conseguir estabelecer justiça na terra, e por sua Torá todos ansiarão...". A não ser que se considere Novo Testamento como Torá não tem explicação á aplicação do mesmo a Jesus.

Estudo do Profeta Isaías - Capítulo 53 versículo 4
Navi Yeshayáhu - Prophet Isaias Profeta Isaías 53:4 - Na verdade, eram os nossos sofrimentos que suportava, e as dores que o oprimiam, mas nós o considerávamos um ser aflito, golpeado e ferido por D'us.

Alegação missionária: Baseados em texto não judaico que o versículo é uma referência a Jesus, de Nazaré; Que o capítulo inteiro se refere a ele, sendo o servo descrito por Isaias. Contexto da Passagem: O capítulo 53 segue diretamente o tema do capítulo 52, descrevendo o exílio e a redenção do povo judeu. Resumo para entendimento: 1 - A divisão capitular da bíblia empreendida por monges católicos separou o contexto dos capítulos 52 e 53. 2 - O servo mencionado pelo profeta, onde os missionários dizem ser Jesus, de Nazaré é Israel, de acordo com o próprio profeta que anuncia no início do capítulo 41: "Mas tu Israel, servo meu...". As profecias são escritas na forma singular, pois os judeus (Israel) são uma unidade. A bíblia está repleta de exemplos de referências à nação judaica como um pronome singular. 3 - Para o judeu interessado existe um manual neste site onde o assunto é tratado com mais profundidade. Para ler vá em Manuais Anti-Missionários e escolha o livreto Isaías Segundo o Judaísmo. Para o judeu pensar: O profeta Isaías diz: "...golpeado e ferido por D'us." Mas Jesus é parte de uma trindade e se ele é o deus, como ele pode ser golpeado por D'us? Confuso... Leia mais sobre o capítulo 53 aqui

Estudo do Profeta Isaías - Capítulo 61 versículo 1 a 2
Navi Yeshayáhu - Prophet Isaias Profeta Isaías 61:1-2 - Paira sobre mim o Espírito do Eterno, porque Ele me ungiu para que eu trouxesse aos humildes boas novas; Ele me enviou para que confortasse os que estão de coração partido, para proclamar liberdade aos cativos e abrir os olhos dos que os têm cerrados; para proclamar o ano de boa vontade do Eterno e o dia da vingança de nosso D'us; para confortar todos que estão em luto; ... Alegação missionária: Baseados em texto não judaico afirmam que o verso 61:1-2 de Isaías se refere a Jesus, de Nazaré. Contexto da Passagem: Refere-se ao próprio Isaías que recebeu do Eterno a missão de enviar mensagens de consolo aos judeus. Resumo para entendimento: 01 - O judeu deve ficar atento a uma manobra muito comum utilizada por missionários, a distorção. Para criar a imagem de "cordeiro" os missionários simplesmente cortam uma parte do versículo de Isaías. Os missionários lêem assim: "O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu; e enviou-me para anunciar a boa nova aos pobres, para sarar os contritos de coração, para anunciar aos cativos a redenção, aos cegos a restauração da vista, para pôr em liberdade os cativos, para publicar o ano da graça do Senhor. Perceba que simplesmente somem com uma parte do versículo onde o profeta diz: e o dia da vingança de nosso D'us e mudam a ordem do texto. A pergunta é, por que? Comparando com original hebraico a distorção fica ainda maior. 02 - A mensagem de exaltação de Isaías começa, com ele dizendo: Paira sobre mim o espírito do Eterno... e encerra : Minha alma se alegrará no Meu D'us. Isto depois dele passar ao povo a mensagem de exaltação do Eterno que diz entre tantas coisas: Reafirmação da aliança eterna com o povo judeu (Is 61:8). Esta aliança dispensa 'novas alianças', 'novos testamentos' etc.; Restauração das cidades destruídas; fartura no campo; etc. Para o judeu pensar:

Na continuação do texto de Isaías ele diz: para alegrar os que choram por Tsion, dando-lhes uma guirlanda em vez de cinzas, óleo aromático em vez de prostração. (Is 61:3). Se estivesse falando de Jesus, de Nazaré, como explicar a prostração que os missionários fazem a ele, se Isaías diz justamente o contrário ? "...em vez de prostração".

Profeta Miquéias - Capítulo 5 versículo 1
Miquéias 5:1: E tu, Bet-Léchem de Efrat, és muito pequena para ser contada entre os milhares de Judá, mas de ti sairá, para Mim, alguém que há de ser o condutor de Israel, cuja a origem remontará ao passado distante. Alegação missionária Que o 'condutor' mencionado na profecia é Jesus, de Nazaré Contexto da Passagem O profeta fala de um líder que livrará Israel da Assíria Resumo para entendimento O texto do profeta lido fora do seu contexto pode ser aplicado a qualquer pessoa, mas lido em sua totalidade percebe-se que de forma alguma fala de Jesus, de Nazaré, para isto basta continuar pelo verso seguinte. Miquéias 5: 2-5 [2] Entretanto, Ele os entregará pelo tempo que leva a parturiente até dar à luz. Então, o resto de seus irmãos retornará com os filhos de Israel [3]Ele se erguerá e liderará com a força que lhe concederá o Eterno e com a majestade do Nome do Eterno, seu D’us; e habitarão, porque então ele se terá engrandecido até os confins da terra, [4] e isto assegurará a paz. Se vier o assírio à nossa terra e tentar destruir nossos palácios, levantaremos contra ele sete pastores e oito príncipes dentre nossos, [5] e assolarão a terra da Assíria com suas armas, e a terra de Nimrod com a espada afiada; ele nos livrará do assírio quando este vier à nossa terra e quando ameaçar nossas fronteiras. O Profeta Miquéias em todo seu contexto está falando da pessoa que livrará o povo de Israel da Assíria. S ó a título de suposição, hipoteticamente se esta passagem estivesse falando realmente de Jesus apareceria para os missionários dois inconvenientes para serem explicados:

1º - Quando Jesus viveu Israel era subordinado a Roma. De que forma então Jesus livraria o povo judeu de uma “Assíria” ? Pois é isto que está descrito no livro do profeta Miquéias. (Ver acima Miqueías 2 a 5). Jesus por acaso livrou o povo de Israel da Assíria? Logicamente que não. 2º - Jesus nasceu, viveu, morreu e Israel continuou subordinado a uma nação estrangeira. Então como explicar o resto do não cumprimento desta profecia? Estas são algumas perguntas para serem feitas aos missionários que sempre as respondem com absurdos maiores, totalmente desalinhados com a cultura da Torá, sempre citando versos de outros livros estranhos ao judaísmo.

_______________________________________________________ Miquéias 5:1: ² O grande problema com a interpretação missionária é o contexto. Mesmo que Jesus tenha nascido em Belém (o que é incerto), ele não cumpriu a segunda parte do versículo - Jesus nunca foi um governante ( "moshel") em Israel. Quando questionado sobre isto os missionários respondem que ele foi uma espécie de "rei", "líder" ou "governante" espiritual. Mas o problema com esta resposta - que Jesus é um "rei" no sentido figurado - não encontra respaldo na Bíblia. Nos 13 (treze) lugares onde a palavra "moshel" (governador) aparece é sempre em referência ao poder físico, visível e terreno. Sem pelo menos um outro local na bíblia onde o uso da palavra apareça para indicar a perspectiva missionária - uma autoridade "virtual" - o argumento desta resposta demonstra o quanto ela é, de certa maneira, desesperadora e fraca. Os missionários insistem que Jesus será o governador quando ele voltar (retornar). Mas com essa afirmação, aparentemente concordam que na verdade ele não cumpriu as profecia no primeiro momento, porque se tivesse feito qual o motivo para um retorno? Mas o problema é outro, em lugar algum do Tanak encontramos qualquer referência a uma segunda vinda do messias. "Se o versículo não se refere ao nascimento de 'Jesus' em Belém, a quem se refere?" - perguntam os missionários. Francamente, este tipo de pergunta demonstra total desconhecimento da Bíblia hebraica ou história judaica. Á partir de Belém vem um dos maiores e mais famoso governador (moshel) de Israel - Rei David. O versículo até pode efetivamente ser messiânico, referindose ao Messias através do seu antepassado David (semelhante a Isaías quando faz referência ao pai de David, Jessé, para indicar a linha davídica do messias). Ou profeta pode estar referindo ao próprio David.

1 – Bíblia Hebraica, David Godorovits e Jairo Fridlin; Editora Sefer, 2006

2 - Resposta por Rabino Yaakov Asher Sinclair - Ohr Somayach

Profeta Zacarias - Capítulo 9 Versículo 9
Zacarias 9:9: Rejubila-te com todo teu ser, ó filha de Tsion! Clama com alegria, ó filha de Jerusalém! Eis que para ti se encaminha teu justo rei, triunfante por suas vitórias, mas ao mesmo tempo comportando-se com humildade, cavalgando um filhote de jumento.

Alegação Missionária O rei mencionado é Jesus Contexto da Passagem Fala sobre um rei guerreiro no sentido literal Resumo para entendimento

Se estivesse falando de Jesus aparece um inconveniente para qual os missionários não tem resposta: O verso fala de rei no sentido literal, e pelas histórias que temos conhecimento Jesus nunca foi rei, somente no aspecto figurado conforme descreve o Novo Testamento. Ao continuar a leitura pelo versículo 10 o leitor descobrirá sobre quem exatamente Zacarias se refere. Zacarias 9:10 Destruirei qualquer carruagem de guerra de Efráim, e eliminarei todo cavalo de combate de Jerusalém; será destruído o arco de batalha, e ele falará somente de paz ás nações. Seu domínio se estenderá de um mar a outro, e desde o rio até os confins da terra. Mas, quem é este guerreiro que destruirá os carros de guerra? Com certeza sabemos que não foi Jesus, de Nazaré até porque o tempo histórico do verso é muito anterior a ele. A resposta é, Alexandre Magno, o Grande.

Nesta época, ele marcha pela Síria, depois pela Fenícia, e finalmente pela Filistia.

Profeta Zacarias - Capítulo 12 versículo 10

Zacarias 12:10 - ...e derramarei sobre a Casa de Davi e sobre os moradores de Jerusalém o espírito da graça e das súplicas, e olharão para Mim por causa daqueles que foram traspassados e gemerão como se fosse pela morte de seu filho único, e sofrerão como quem sofre por seu primogênito

Alegação Missionária Que se refere a Jesus, de Nazaré Contexto da Passagem Guerra civil Resumo para entendimento Em Zacarias 12:10 as traduções não judaicas levam a crer que o texto se refere a uma determinada pessoa, no entanto se o leitor der atenção ao sistema de pontuação semítico, perceberá que se trata de algo como uma guerra entre irmãos. O profeta deixa bem explicado que a profecia trata de Israel (o povo judeu) quando diz: "palavra do Eterno acerca de Israel..." Mesmo rabinos do passado, como Rabi Abraham ibn-'Ezrá, optou por escrever sua exegese neste verso utilizando o sistema chamado "derach", ou seja, não literal. Para uma melhor compreensão segue duas traduções dos textos do Profeta Zacarias, sendo o texto em negrito oriundo de fonte judaica.

1 - Profecia da palavra do Eterno acerca de Israel: Diz o Eterno, que estendeu os céus, estabeleceu os fundamentos da terra e forjou no homem seu espírito: 1 - A palavra do Senhor acerca de Israel: Fala o Senhor, o que estendeu o céu, e que lançou os alicerces da terra e que formou o espírito do homem dentro dele. 2 - Eis que tornarei Jerusalém uma taça de veneno para todos os povos em sua volta; também Judá participará de todo cerco a Jerusalém. 2 - Eis que eu farei de Jerusalém um copo de atordoamento para todos os povos em redor, e também para Judá, durante o cerco contra Jerusalém. "e também para Judá" Na tradução de Almeida não fica claro o fato que "Judá participará de todo cerco a Jerusalém..."

3 -E naquele dia farei com que Jerusalém se torne uma carga pesada sobre todos os povos, que lacerará os que a carregarem; e todas as nações da terra se unirão contra ela. 3 - Naquele dia farei de Jerusalém uma pedra pesada para todos os povos; todos os que a erguerem, serão gravemente feridos. E ajuntar-se-ão contra ela todas as nações da terra.

4 - Naquele dia - diz o Eterno - farei como que se confundam todos os cavalos e enlouqueçam seus cavaleiros; voltarei Meus olhos para a Casa de Judá, e ferirei com cegueira as montarias dos povos. 4 Naquele dia, diz o Senhor, ferirei de espanto a todos os cavalos, e de loucura os que montam neles. Mas sobre a casa de Judá abrirei os meus olhos, e ferirei de cegueira todos os cavalos dos povos.

5 - E os príncipes de Judá murmurarão em seus corações: 'Os moradores de Jerusalém são a fonte de Minha força, devido ao Eterno dos Exércitos, seu D'us. 5 - Então os chefes de Judá dirão no seu coração: Os habitantes de Jerusalém são a minha força no Senhor dos exércitos, seu Deus.

6 - Naquele dia, farei com que os príncipes de Judá sejam como um braseiro em meio à lenha, e como uma tocha de fogo entre palhas; devorarão, à direita e à esquerda, todos os povos a seu redor, e Jerusalém será novamente estabelecida e habitada no lugar onde sempre esteve: em Jerusalém 6 Naquele dia porei os chefes de Judá como um braseiro ardente no meio de lenha, e como um facho entre gavelas; e eles devorarão à direita e à esquerda a todos os povos em redor; e Jerusalém será habitada outra vez no seu próprio lugar, mesmo em Jerusalém

7 - E o Eterno salvará primeiro as tendas de Judá, para que a glória da Casa de David e dos habitantes de Jerusalém não seja 7 - elevada acima da de Judá 7 - Também o Senhor salvará primeiro as tendas de Judá, para que a glória da casa de Davi e a glória dos habitantes de Jerusalém não se engrandeçam sobre Judá

8 -Naquele dia, o Eterno protegerá os moradores de Jerusalém, e mesmo o cambaleante entre eles será tão forte como David; e a Casa de David estará à sua frente como um ser divino, como o anjo do Eterno 8 - Naquele dia o Senhor defenderá os habitantes de Jerusalém, de sorte que o mais fraco dentre eles naquele dia será como Davi, e a casa de Davi será como Deus, como o anjo do Senhor diante deles.

9 - Naquele dia, tratarei de destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém... 9 - E naquele dia, tratarei de destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém.

10 - ...e derramarei sobre a Casa de Davi e sobre os moradores de Jerusalém o espírito da graça e das súplicas, e olharão para Mim por causa daqueles que foram traspassados e gemerão como se fosse pela morte de seu filho único, e sofrerão como quem sofre por seu primogênito 10 - Mas sobre a casa de Davi, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o espírito de graça e de súplicas; e olharão para aquele a quem traspassaram, e o prantearão como quem pranteia por seu filho único; e chorarão amargamente por ele, como se chora pelo primogênito. Equívocos no Versículo 9 e 10 Na tradução missionária o texto do verso nove (12:9) termina nele mesmo (veja acima), como se ali fosse o fim do 'pensamento' do profeta. Isto induz o leitor que o versículo seguinte, dez, (12:10) trata de um novo assunto, totalmente desvinculado do versículo anterior (12:9). E não é isso que acontece, pois enquanto os missionários lêem este versículo assim: "Mas sobre a casa de Davi, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o espírito de graça e de súplicas; e olharão para aquele a quem traspassaram, e o prantearão como quem pranteia por seu filho único; e chorarão amargamente por ele, como se chora pelo primogênito." , no judaísmo se lê assim: " Naquele dia, tratarei de destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém, e derramarei sobre a Casa de Davi e sobre os moradores de Jerusalém o espírito da graça e das súplicas, e olharão para Mim por causa daqueles que foram traspassados e gemerão como se fosse pela morte de seu filho único, e sofrerão como quem sofre por seu primogênito". O verso não fala de uma pessoa. "a quem traspassaram"

Neste trecho a tradução não judaica leva o leitor a acreditar que se fala de alguém em específico, que no caso missionário ensinam ser de Jesus, de Nazaré, porém como já visto acima não é bem isto já que a partícula "ET" aqui tem o sentido de "com", não é acusativo, a exemplo de Gênesis 37:2. Diferença na tradução: "...e olharão para aquele a quem traspassaram..." - não judaica, no singular induzindo que se fala de uma pessoa específica; "e olharão para Mim por causa daqueles que foram traspassados" - a hebraica, no plural dentro do contexto; "olharão para mim juntamente com aqueles a quem traspassaram... "

Trata-se na verdade de uma guerra civil entre os israelitas da época em que todas as nações buscaram tomar do povo de Israel o direito a Jerusalém. Veja no início do capítulo como agirá parte dos judeus.

11 - Naquele dia haverá um luto fechado em Jerusalém, como o luto de Hadadrimon no vale de Meguidon. 11 - Naquele dia será grande o pranto em Jerusalém, como o pranto de Hadade-Rimom no vale de Megidom. "Naquele dia..." Profecia que também fala de nossos dias, posto que jamais os não judeus se ocuparam tanto de internacionalizar Jerusalém. Tampouco os judeus estiveram tão divididos entre si com respeito a sua própria terra.

12 - E a terra se lamentará, cada família à parte: a família da Casa de David e suas mulheres; a família da Casa de Natan e suas mulheres; 12 - E a terra pranteará, cada família à parte: a família da casa de Davi à parte, e suas mulheres à parte; e a família da casa de Natã à parte, e suas mulheres à parte; "cada família à parte" É interessante notar que aqui o profeta alude exatamente a famílias específicas, que são famílias que mantém tradição de sua origem, como ambas as parte dos filhos de David (Família Natan, entre os sefarditas, e outras que não procedem de Natan, senão dos Exilarcas), e parte dos Levitas (a maioria dos Coatitas sabem de suas fontes e os que não são geralmente provém de Simei)

"suas mulheres a parte" As mulheres provêm de origem diversificada, o que inclui o povo todo em origens, e mesmo convertidos. Em suma, todos prantearão.

13 - ...a família da Casa de Levi e suas mulheres; a família de Shimí e suas mulheres. 13... a família da casa de Levi à parte, e suas mulheres à parte; a família de Simei à parte, e suas mulheres à parte;

14 - Assim todas as família que ficarem: cada família à parte, e suas mulheres à parte. 14 ...todas as mais famílias, cada família à parte, e suas mulheres à parte.

Notas: Profeta Zacarias Capítulo 12, Profeta Zechariá (Zechariah) Capítulo 12. Em negrito, Bíblia Hebraica, por David Gorodovits e Jairo Fridlin, baseada no Hebraico e à luz do Talmud e das Fontes Judaicas; acompanhado de A Bíblia Sagrada, versão da Imprensa Bíblica Brasileira, baseada na tradução de João Ferreira de Almeida.

Profeta Zacarias - Capítulo 13 versículo 7
Zacarias 13:7: Desperta, ó espada, contra Meu pastor e contra os que deveriam estar próximos a Mim – diz o Eterno dos Exércitos – Fere o pastor, e as ovelhas se espalharão, e voltarei Minha mão contra estes desqualificados.

Alegação Missionária Que se fala de Jesus, de Nazaré Contexto da Passagem Mensagem para Israel Resumo para entendimento A explicação para este versículo do Profeta Zacarias só pode ser entendida com a leitura através dos versículos 12:9-10:

Zacarias 12:9-10: [9]Naquele dia, tratarei de destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém [10] e derramarei sobre a Casa de Davi e sobre os moradores de Jerusalém o espírito da graça e das súplicas, olharão para Mim por causa daqueles que foram traspassados e gemerão como se fosse pela morte de seu filho único, e sofrerão como quem sofre por seu primogênito. O primeiro ato exigido para a reunificação do povo de Israel é reconhecer o Eterno como o único e absoluto D'us, o que está identificado na expressão voltarão para Mim. Em seguida, o povo israelita deverá reconhecer os pecados da idolatria. O termo traspassaram significa o próprio povo judeu que, devido aos seus pecados, sempre sofreu a punição do exílio. É interessante perceber que a frase está no plural, e não no singular. O processo de purificação não é só simplesmente um ato, mas é uma atitude, um processo contínuo, que exige sempre um retorno da própria vida no Eterno, fonte de todo o bem. O processo é doloroso, processo representado pela palavra espada, como identificado em Zacarias 13:7, e pela palavra fogo, como identificado em Zacarias 13:9. A palavra espada significa que os judeus deixaram de ter um rei, um pastor após a destruição da cidade de Jerusalém, e o povo mais pobre, sem apoio, se dispersou pelo país. A palavra fogo significa o exílio na Babilônia, onde foi testada a fidelidade de Israel ao Eterno e a Torá. O assunto trata do povo de Israel, e não de uma pessoa específica, e, portanto, sua aplicação a Jesus, de Nazaré é dar ao versículo uma aplicação que ele não tem.

Distorções nos Salmos - Tehilim - 22:19
“Minhas roupas entre si repartem, minhas vestimentas sorteiam.” Na Brit Cadashá messiânica dois autores citam este Salmo, como segue. João 19:23-24: Depois de os soldados crucificarem Yeshua, tomaram as suas vestes e fizeram delas quatro partes, uma para cada soldado. A túnica, porém, toda tecida de alto a baixo, não tinha costura. Disseram, pois, uns aos outros: 'Não a rasguemos, mas deitemos sorte sobre ela, para ver de quem será.' Assim se cumpria a Escritura: Repartiram entre si as minhas vestes e deitaram sorte sobre a minha túnica (Sal 21:19).
*A diferença no número do versículo acontece em alguma bíblias.

Mateus 27:35 Depois de o haverem crucificado, dividiram suas vestes entre si, tirando à sorte. Cumpriu-se assim a profecia do profeta: Repartiram entre si minhas vestes e

sobre

meu

manto

lançaram

à

sorte

(Sal

21:19).

O Salmo 22, cujo autor é o Rei Davi, é uma das expressões mais profundas do sofrimento nas orações bíblicas. É composto de duas partes: Lamentação individual (Versículos 2-22) Cântico de ação de graças (Versículos 23-31). O salmista, abandonado e solitário em sua dor e privado da presença divina, apela ao Eterno, Bendito Seja, lembrando-Lhe as promessas relativas aos justos. Depois de relatar seus sofrimentos morais e espirituais, alude, em sucessão trágica, às dores físicas, aos tormentos corporais e ao terror da morte. Do extremo da dor passa à certeza da esperança, onde a salvação está assegurada e já está próxima, tanto assim que já pode convidar a comunidade dos fiéis a unirse a ele no louvor ao Altíssimo, cujo desígnio de salvação se estende ao mundo inteiro e às gerações futuras. Este Salmo se refere ao próprio Rei Davi, que lamenta a sua própria sorte, não sendo portanto uma profecia, mas originário de um fato histórico.

Distorções nos Salmos - Tehilim - 35:19
“Que sobre mim não se rejubilem triunfantes meus inimigos gratuitos, e que não pisquem os olhos em zombaria, os que sem causa me odeiam.” João 15:23-25: “Aquele que me odeia, odeia também a meu Pai. Se eu não tivesse feito entre eles obras, como nenhum outro fez, não teriam pecado; mas agora as viram e odiaram a mim e a meu Pai. Mas foi para que se cumpra a palavra que está escrita na sua lei: Odiaram-me sem motivo” O autor do livro denominado João comete logo de princípio um erro. Trata-se da expressão "está escrita na sua lei", a qual é atribuída a Jesus. A palavra Lei, em geral refere-se a Torá, e a “profecia” mencionada não está na Torá, mas no Salmo 35:19. Na realidade, este Salmo não é uma profecia, é uma oração de agradecimento que o Rei Davi fez ao Eterno por ter ficado livre de Abimelec, que o perseguia. Para se livrar dele Davi se fingiu de louco. Em particular, os versículos 12-23 representam um grande ensinamento centrado no temor a D'us. Trata-se de reconhecer que Ele é poderoso, e que o homem não pode substituí-lo. Em seguida, é preciso empenhar a própria vida na luta pela verdade e justiça, para que todos possam viver dignamente. Esta é a luta que constrói a paz. Nesta luta Ele toma partido dos justos, ouvindo o seu clamor, libertando-os e protegendo-os. Por outro lado, se posiciona contra os injustos, que são destruídos pelo próprio mal que produzem.

Ainda em relação a este salmo, Davi pede ao Eterno que: O livre e traga destruição sobre os seus inimigos (Versículos 1-10); Lamenta o ódio não justificado de seus inimigos contra ele (Versículos 11-16); E volta a solicitar livramento e justiça (Versículos 17-28). É provável também que este salmo tenha sido composto em uma época que Davi estava sendo perseguido por Saul (I Samuel 24:15). A oração que Davi faz não está direcionada contra o próprio Saul, pois Davi poupara a sua vida, mas a oração é destinada contra aqueles que fomentavam o ciúme doentio que Saul sentia de Davi. Este Salmo trata de fatos relacionados e vividos pelo próprio Davi. Portanto, não é uma profecia .

Distorções nos Salmos - Tehilim - 41:10
“Até o amigo em quem confiei, e que compartilhava do meu pão, também me traiu” João 13:18-19: “Não digo isso de vós todos; conheço os que escolhi, mas é preciso que se cumpra esta palavra da Escritura: Aquele que come o pão comigo levantou contra mim o seu calcanhar (Sal 41:10)." Lendo as passagens do livro de Shemuel Bet (Samuel II) dos capítulos 15 a 20 narram uma situação em que um amigo de Davi, Aquitofel, o seu próprio conselheiro, o traiu, juntamente com Absalão. Enquanto oferecia os sacrifícios, Absalão mandou chamar também Aquitofel, gilonita, conselheiro de Davi, à sua cidade de Gilo. E assim a conjuração se fortificava e se tornava cada vez mais numerosa em torno de Absalão. (II Samuel 15 :12). Mais tarde foi anunciado a Davi que Aquitofel estava entre os conjurados de Absalão. Davi disse: “Fazei que se frustrem, ó Senhor, meu Deus, os desígnios de Aquitofel!” (II Samuel 15:31). A passagem do Salmo 41:10 se trata de uma queixa de Davi a respeito da traição de Aquitofel. Davi foi traído por Aquitofel que era amigo do Rei e compartilhava do seu pão como narrado em II Samuel 15:12-31. O destino da vida de Aquitofel foi enforcar-se, como é narrado em II Samuel 17:23. Este Salmo trata-se de uma oração oriunda de um fato histórico relacionado ao próprio Davi, não é portanto uma profecia .

Distorções nos Salmos - Tehilim - 72:2
“Contarei uma parábola e enunciarei enigmas de tempos que já passaram há muito” Mateus 13:34-35: Tudo isso disse Yeshua à multidão em forma de parábola. De outro modo não lhe falava, para que se cumprisse a profecia: Abrirei a boca para ensinar em parábolas; revelarei coisas ocultas desde a criação. No Salmo 78 Assaf recorda a história antiga da nação israelita para advertir as gerações futuras contra a repetição da infidelidade. Ele convida o povo de Israel (versículos 1-11) a recordar as maravilhas operadas pelo Eterno no deserto (versículos de 12-39), a ingratidão deste povo durante o Êxodo (versículos de 40-55) e a sua infidelidade durante o período dos Juízes (versículos 56-72). Encontramos uma aplicação fora do contexto, pois os missionários ensinam que esta frase se refere a uma profecia referente a Iehoshua de Nazaré. Ora, nem mesmo disto o texto trata. Os versículos 1 e 2 deste salmo tratam de uma instrução que ensina o povo a viver para o Eterno, não é porém uma instrução direta. Os acontecimentos de fato estão escritos na forma de parábolas, que exigem algum estudo para se captar o sentido delas. Tal sentido faz da história um enigma, mas é preciso perceber que a história é o processo através do qual o Eterno age conduzindo o povo judeu. Isto não possui ligação nenhuma com as afirmativas que dizem que Iehoshua de Nazaré “falava” por parábolas.

Distorções nos Salmos - Tehilim - Cinco Salmos de David
Tehilim - Salmo 22:17 e 22:19
Ao mestre do canto, acompanhado por “Aiélet Hashachar”, um salmo de David. Meu D'us, meu D'us, por que me abandonaste? Por que deixaste tão distante minha salvação e ignoraste meu gemido angustiado? De dia clamo e à noite não silencio, e Tu não me escutas. Mas Tu és o Santo, e a Ti se dirigem os louvores de Israel! Em Ti confiaram nossos patriarcas, confiaram plenamente e Tu os resgataste. Clamaram a Ti e foram salvos; em Ti acreditaram e não foram desiludidos. Quanto a mim, sou como um verme e não homem, opróbrio da plebe, vergonha do povo. Zombam de mim os que me fitam, riem e meneiam ironicamente suas cabeças. Dizem-me, porém, confia no Eterno! Ele o redimirá, Ele lhe trará salvação, porque nele se compraz. Tu me tiraste do ventre materno e me fizeste sentir seguro, contra seu peito. Desde meu nascimento, em Teus braços fui entregue; mesmo antes de nascer, já eras meu D'us. Não Te afastes de mim, porque muito próxima está a aflição e não há quem me proteja, senão Tu.

Touros furiosos me cercaram, touros do Bashan me rodearam. Abriram contra mim suas bocas como um leão que estraçalha e ruge. Sinto-me como água derramada que não pode voltar a seu recipiente, meus ossos fraquejam; meu coração parece ser de cera, de tal forma se derrete dentro de mim. Minha força secou como a argila, minha língua está colada ao paladar e me deitaste no pó da morte. Cães me cercam, uma turba de perversos me rodeia, atacam meus pés e minhas mãos como se fora um leão. Verifico como estão meus ossos enquanto eles me observam e tripudiam. Minhas roupas, entre si repartem, minhas vestimentas sorteiam. Mas Tu, ó Eterno, eu te peço, não Te afastes de mim; ó minha Força, apressa-Te e vem em meu auxílio! Salva minha alma da espada, minha vida das presas dos sabujos. Livra-me da boca do leão, resgata-me dos chifres dos touros selvagens. Então, a salvo, proclamarei Teu Nome a meus irmãos e louvarte-te-ei do seio da multidão! Vós que sois a semente de Jacob, honrai-O! Reverenciai-O todos vós, descendentes de Israel. Porquanto não desprezou nem ignorou a angústia do aflito e dele não escondeu Sua face e atendeu a sua prece. Graças a Ti poderei proclamar meu louvor às multidões; cumprirei minhas promessas na presença daqueles que O temem. Os humildes hão de comer e se fartar; os que buscam o Eterno hão de louvá-lo e vida perene terão seus corações. Dos confins da terra, todos a Ti se voltarão com compreensão e ante Ti se curvarão todas as famílias das nações. Pois só do Eterno é a realeza e Seu é o domínio sobre todos os povos. Comerão todos os povos a fartura da terra e ante Ele se prostrarão; reverenciá-lo-ão os que retornam do pó, mas então já será tarde porque suas almas não fará viver. Da descendência dos que O servem, de geração em geração, será relatada a magnificência de Sua glória. Anunciarão às gerações vindouras a bondade de seus feitos.
O que dizem os missionários sobre o verso 22:17:

Que um trecho deste Salmo é uma profecia sobre Jesus, de Nazaré, que teve as mãos pés furados segundo um texto cristão e não judaico.
A verdade sobre este verso do Salmo:

Os missionários traduzem muito mal o texto deste Salmo. Eles lêem o verso assim: "Eles furaram minhas mãos e meus pés". No entanto não é isto que aparece no original hebraico onde consta: "Cães me cercam, uma turba de perversos me rodeia, atacam meus pés e minhas mãos como se fora um leão". O leitor pode perceber que a tradução mal feita não passa nem perto do original hebraico. Pergunte-se, qual o intuito de tradução tão grosseira?
O que dizem os missionários sobre o verso 22:19:

Que um trecho deste Salmo - Minhas roupas, entre si repartem, minhas vestimentas sorteiam - é uma profecia que se refere a Jesus.
A verdade sobre este Salmo:

Embora se aplique aos acontecimentos da vida de David, ele compôs este Salmo como um aviso para poupar Israel de futuros exílios. Neste Salmo o povo judeu aparece coletivamente mas sempre no singular, já que Israel na Torá é sempre considerado uma unidade. Ao recitá-lo, o indivíduo deve sentir a angústia do

distanciamento de Israel de sua glória anterior e orar a D'us pelo fim deste exílio tão dolorosamente longo. ________________________________________

Tehilim - Salmo 35
De David. Combate, ó Eterno, meus adversários; guerreia com os que contra mim se erguem. Veste o escudo e a armadura e levanta-Te em meu auxílio. Empunha a lança e o machado contra meus perseguidores, e à minha alma fala: “Eu sou a Tua salvação!” Sejam humilhados e envergonhados os que atentam contra minha alma; retrocedam e se desesperem os que tramam meu mal. Que sejam como a palha ao vento, e que o anjo de D'us os disperse. Que sejam tenebrosos e escorregadios os seus caminhos, e que o anjo de D'us os persiga. Pois sem motivo me expuseram a uma armadilha, sem motivo escavaram uma cova para mim. Que de súbito os alcance o desastre, e na rede que contra mim armaram, eles mesmos venham a ser presos. Minha alma se rejubilará no Eterno e exultará na Sua redenção. Todo o meu ser proclamará: “Eterno, quem é como Tu?” É Ele quem salva o aflito do mais forte; e ao pobre e ao necessitado de seu usurpador. Testemunhas maliciosas indagar-me-ão sobre o que não sei. Pagar-me-ão o bem com maldade, enlutando minha alma. Entretanto, em sua adversidade me cobri de luto e com jejum afligi minha alma; possam beneficiar a mim as preces que por eles fiz. Como por um companheiro ou por um irmão me senti compadecido, como um enlutado por sua mãe entristeci-me. Porém, quando tropecei, eles se alegraram e contra mim se ajuntaram, golpeando-me sem que eu soubesse por que; sem cessar me atacam. Com escárnio e zombaria me insultaram. Rangeram seus dentes contra mim. Eterno! Até quando tolerarás? Resgata minha alma de suas tentativas de destruição, minha vida dos que me atacam como leões. Louvar-Te-ei perante multidões, perante todos Te enaltecerei. Que sobre mim não se rejubilem triunfantes meus inimigos gratuitos, e que não pisquem os olhos em zombaria, os que sem causa me odeiam. Pois que eles não falam em paz, mas palavras de perfídia dirigem aos homens pacíficos da terra. Contra mim escancaram suas bocas e exultam dizendo: “Vimos com nossos olhos!” Viste o que fazem, ó Eterno! Não ignores seus atos! Eterno, não Te afastes de mim! Levanta-te para fazer justiça, em defesa de minha causa, ó Eterno! Julga-me segundo a Tua justiça, ó Eterno, meu D'us, e não permita que se regozijem meus detratores. Que não digam em seus corações: “Nossa alma está exultante!” E não exclamem: “Nós o devoramos!” Que se confundam e se envergonhem os que se alegram com minha desgraça; que se cubram de humilhação e frustração os que se erguem contra mim. Que se alegrem e cantem os que almejam meu triunfo e proclamem sempre: “Exaltemos o Eterno que Se compraz com o bem-estar de Seu servo.” E minha voz enaltecerá Tua justiça e cantará todo dia em Teu louvor.
O que dizem os missionários sobre este Salmo

Baseados unicamente em textos não judaicos que um verso deste Salmo - os que sem causa me odeiam - é uma profecia referente a Jesus.
A verdade sobre este Salmo:

Este Salmo não é uma profecia como insistem os missionários. O Salmo é um fervoroso apelo de David a D'us para ajudá-lo contra seus inimigos que traíram sua amizade. O mesmo pedido poderia ter sido feito pelo povo judeu, que sofreu séculos de selvagem opressão no exílio, (muitas em nome Jesus, de Nazaré) retribuindo com avanço e prosperidade sua presença ás nações. ________________________________________

Tehilim - Salmo 41
Ao mestre do canto, um salmo de David. Bem-aventurado aquele que atenta para o debilitado; no dia de seu infortúnio o Eterno o livrará. Ele o guardará e o fará viver, será feliz na terra e não será entregue às mãos de seus inimigos. Na enfermidade o Eterno lhe dará amparo; seu leito guardará quando uma doença o acometer. Eu pedi: “Concede-me Tua graça, ó Eterno, e cura minha alma, mesmo tendo eu pecado contra Ti.” Meus inimigos só me desejam mal: “Quando perecerá e quando será erradicado seu nome?” Se vêm me visitar, são insinceros; maldade lhes preenche o coração, e ao sair só notícias más divulgarão. Se unem para, contra mim, murmurar todos meus detratores, e pensamentos malévolos a mim dirigem: “Maligna doença o acometeu. Caído está e não conseguirá se reerguer.” Até o amigo em quem confiei, e que partilhava de meu pão também me traiu. Mas Tu, ó Eterno, compadeceste de mim. Levanta-me e lhes darei a resposta merecida. Saberei assim que Te comprazes em mim e que, portanto, não triunfará sobre mim meu inimigo. Incólume me sustentarás e em Tua presença me manterás para sempre. Bendito seja o Eterno, D'us de Israel, para todo sempre. Amém! Assim seja!
O que dizem os missionários sobre este Salmo:

Baseados em textos não judaicos que um trecho deste Salmo - Até o amigo em quem confiei - é uma profecia sobre um evento de traição que teria sofrido Jesus, de Nazaré.
A verdade sobre este Salmo:

O Salmo se refere ao próprio David que faz uma queixa da traição de seu amigo Aquitofel, de acordo com o relatado em 2º Samuel nos capítulos 15 a 20. Este Salmo é o encerramento do Livro Um e proclama como D'us e sua misericórdia estão próximos dos homem mesmo nas circunstâncias terríveis. Este é um tema recorrente no Salmos, e princípio da vida. ________________________________________

Tehilim - Salmo 78
Um “Maskil” de Assaf. Escuta, meu povo, a minha Torá; inclina teu ouvido às palavras que pronuncia minha boca. Contarei uma parábola e enunciarei enigmas de tempos que já passaram há muito. O que ouvimos e aprendemos, exposto por nossos pais, não ocultaremos a seus descendentes, até as mais longínquas gerações, relatando o louvor do Eterno e os atos maravilhosos que

praticou em Seu poder. Um testemunho Ele estabeleceu para Jacob e uma Torá (Lei) para Israel, e ordenou que os transmitissem a seus filhos. Para que possam conhecê-los os componentes da última geração – para que os filhos que ainda não nasceram venham em seu tempo narrá-los a seus filhos. Assim saberão depositar suas esperanças no Eterno, não esquecerão os prodígios de Suas obras e saberão cumprir Seus mandamentos. Eles não se comportarão como seus pais, uma geração contumaz e rebelde, uma geração que não soube dedicar a D'us seu coração e cujo espírito não manteve fidelidade ao Eterno. Os filhos de Efraim, destros arqueiros, recuaram no decisivo dia da batalha, não guardaram o pacto com o Eterno e, sob Seus ensinamentos, se recusaram a andar, esquecendo Suas façanhas e as maravilhas que lhes mostrou. Diante de seus pais havia realizado prodígios nas terras do Egito, nos campos de Tsôan. Fendeu o mar e fê-los passar através dele, ergueu as águas, com elas formando muralhas. Conduziu-os com uma nuvem durante o dia e com uma coluna de fogo durante a noite. As rochas do deserto fendeu e dessedentou-os à satisfação. Fez com que do rochedo jorrasse água, abundante como a de um rio. Tornaram porém a pecar, rebelando-os contra o Altíssimo no deserto. Ousaram em seus corações submeter a testes o Eterno, pedindo a comida pela qual ansiavam, dizendo: “Poderá Ele prover uma mesa no deserto? De fato, feriu a rocha e dela fez jorrar água como um rio caudaloso. Entretanto, poderá prover pão e preparar carne para Seu povo?” Irou-Se o Eterno ao ouvi-los e um fogo acendeu-se contra Jacob, e Sua ira fez fluir contra Israel; porquanto Nele não creram e em Sua salvação não confiaram. Entretanto, deu às nuvens instruções e abriu as portas do céu, fazendo sobre eles chover o maná para comer, provendo-os com grãos celestes. Puderam comer o manjar dos céus; provisões em abundância Ele lhes enviou. Desencadeou no céu o vento do Oriente; com Seu poder fez soprar o vento do sul. Como se fora pó, fez sobre eles chover carne, e como areia dos mares, aves em quantidades intermináveis. Ao redor de suas moradas no meio do acampamento fê-las cair. Comeram, então, e muito se fartaram com o que Ele lhes trouxe, atendendo seu desejo. Ainda não se haviam saciado e comida havia ainda em suas bocas, quando contra eles se ergueu a ira do Eterno e causou a morte dos mais fortes entre eles, e aos escolhidos de Israel fez prostrar. Apesar disto, voltaram a pecar, descrendo em Suas maravilhas. Então Ele fez seus dias serem vãos e seus anos envoltos em terror. Somente quando já os fazia findar seus dias, O buscavam, se arrependiam e oravam ao Eterno. Recordavam então que o Eterno era sua Rocha, o D'us Altíssimo seu redentor. Mas tentavam seduzi-lo com suas palavras, Lhe mentiam com suas línguas. Não Lhe era dedicado seu coração, nem a Seu pacto eram fiéis. Mas Ele, o Misericordioso, perdoou a iniqüidade e não os destruiu; reteve muitas vezes Sua cólera, não acendendo contra eles toda Sua ira. Pois lembrou que eram apenas carne frágil, um sopro de vida que passa e acaba. Quantas vezes O provocaram no deserto e Lhe trouxeram dor e aflição! Vez por vez continuaram a pô-Lo à prova; do Santo de Israel exigiram sinais. Não se lembraram de Sua mão poderosa nem do dia em que os redimiu do atormentador, quando milagres realizou no Egito e Suas maravilhas praticou em Tsôan. Em como transformou em sangue os seus rios e fez suas torrentes de água não poderem ser bebidas; contra eles enviou bestas que devoravam e que os infestavam. Deu suas colheitas aos insetos, o fruto de seu trabalho ao gafanhoto; destruiu com granizo suas vinhas, e suas figueiras com a geada. Com granizo exterminou suas crias e com raios seus rebanhos; desfechou contra eles Sua cólera ardente, indignação e atribulações, uma legião de mortais mensageiros. Deu livre curso

à Sua fúria; não poupou da morte sua alma, e seus corpos castigou com a peste. Abateu todos os primogênitos do Egito, as primícias das tendas de Chám. Conduziu então em jornada Seu povo, guiando-os através do deserto como se fossem um rebanho. Inspirou-lhes seguir para que não temessem, enquanto o mar cobria seus inimigos, e os trouxe à Sua santa terra, à montanha que Sua Destra conquistou. Expulsou ante eles vários povos, e acomodou as tribos de Israel em suas tendas, atribuindo a cada uma seu quinhão. Entretanto, novamente, se rebelaram contra o Altíssimo, e não cumpriram Seus preceitos. Afastaram-se de Seu caminho e foram rebeldes como seus pais; se deformaram como um arco empenado. Provocaram Sua ira com seus altares erigidos para idolatria, despertaram seu zelo com seus ídolos. Ante isto acendeu-se a ira do Eterno, e Ele rejeitou a Israel. Abandonou o tabernáculo de Shiló, a tenda que era Sua morada entre os homens. Permitiu que cativo se tornasse Seu poder – seus eleitos – e nas mãos de malévolos estivesse Sua glória. À espada entregou Sua nação, indignou-Se com o povo de Sua herança. O fogo consumiu Seus jovens, e Suas donzelas não tiveram cantos nupciais. Seus sacerdotes tombaram à espada, suas viúvas não entoaram lamentações. Então despertou o Eterno como de um sonho, como um guerreiro que o vinho impulsiona. Fez Seus inimigos baterem em retirada e sobre eles lançou desgraça eterna. Desprezou a tenda de José e não escolheu a tribo de Efraim. Escolheu, sim, a tribo de Judá, e o Monte Tsión que Ele tanto ama. E construiu Seu templo, elevado como os céus e firme como a terra, a que Ele assegurou a existência. Escolheu David, Seu servo, e o retirou de seu aprisco. Fez com que abandonasse as crias de seu rebanho e viesse pastorear a Jacob, Sua nação, a Israel, Sua possessão. Ele os governou com a retidão de seu coração, e com habilidade os passou a dirigir.
O que dizem os missionários sobre este Salmo:

Que um trecho - Contarei uma parábola e enunciarei enigmas de tempos que já passaram há muito - se refere a Jesus que dizem falava por parábolas.
A verdade sobre este Salmo:

O amor e a preocupação de D'us nos milagres de nossa história estão sempre presentes. Devemos preservar viva a memória destes eventos para sentir Sua proximidade, mesmo quando não está tão clara. Deixar de fazê-lo é origem de muitos pecados. É disto que este Salmo trata. Interessante observar que antes do trecho distorcido está, "Escuta, meu povo, a minha Torá;" Não está escrito, siga meu povo a Brit Cadashá ou qualquer outra coisa estranha ao revelado no Sinai. ________________________________________

Tehilim - Salmo 118
Agradecei ao Eterno porque Ele é bom e eterna é Sua misericórdia. Que proclame Israel: “Eterna é Sua misericórdia.” Que também proclame a casa de Aarão: “Eterna é Sua misericórdia.” Que proclamem todos os que temem ao Eterno: “Sua misericórdia é infinita!” Invoquei o Eterno no momento de angústia e Ele me ouviu e me livrou das atribulações. O Eterno está comigo, por isso nada temerei; o que me pode fazer o ser humano? O Eterno está comigo e

me ampara, por isso posso enfrentar os meus inimigos. Melhor é confiar no Eterno do que nos seres humanos. Melhor é Nele confiar do que em príncipes. Cercaram-me todas as nações, mas em Nome do Eterno as destrocei. Voltaram a cercar-me, envolveram-me de todos os lados, mas em Nome do Eterno as destrocei. Cercaram-me como abelhas com seus ferrões, mas foram extintos como o fogo que queima os espinhos, pois em Nome do Eterno os destrocei. Com violência me empurraram para me fazer cair, mas o Eterno me amparou. O Eterno é minha força e meu cântico, e Ele foi minha salvação. Vozes de júbilo e salvação são escutadas das tendas dos justos, porque proezas realizou a Destra do Eterno. Exalta-se a Destra do Eterno e proezas realiza. Não morrerei! Viverei e hei de relatar os feitos do Eterno. Ele severamente me puniu, mas não me entregou à morte. Os portais da justiça abri para mim; por elas entrarei para louvar ao Eterno. Esta é a porta do Eterno, pela qual entrarão os justos. Quero agradecer-Te porque me escutaste e Te tornaste minha salvação. A pedra, inicialmente rejeitada pelos edificadores, veio a tornar-se a pedra angular, pois assim o determinou o Eterno. Maravilhoso é isto para nós! Este é o dia com que nos brindou o Eterno e nele nos alegraremos e nos regozijaremos! Rogo, ó Eterno, salva-nos e faze-nos prosperar! Bendito é aquele que vem em Nome do Eterno. Nós o bendizemos da casa do Eterno. O Eterno é nosso D'us, é Quem nos ilumina. Trazei a oferenda e atai-a aos ângulos do altar. Tu és meu D'us e eu Te exaltarei; meu D'us és Tu e sempre Te louvarei. Agradecei ao Eterno, porque Ele é bom e eterna é Sua misericórdia.
O que dizem os missionários sobre este Salmo:

Que o trecho - A pedra, inicialmente rejeitada pelos edificadores, veio a tornarse a pedra angular - refere-se a Jesus que dizem ter sido rejeitado pelos judeus.
A verdade sobre este Salmo:

É fato esclarecer que a mensagem cristã sempre foi rejeitada pelo Judaísmo, não como cumprimento de uma profecia deste Salmo, visto que não é disto que este Salmo trata como veremos adiante. A rejeição se deve por inúmeros fatores, citamos os mais relevantes mas há muitos outros: A - Jesus não preencheu os requisitos das Escrituras como Messias; B - A mensagem cristã é distante do Judaísmo, carregada de teologias e crenças pagãs de origem helênicas, romanas, egípcias etc tais como virgens sendo impregnadas por anjos, pecado capital, sacrifícios humanos etc. Tudo distante da cultura da Torá, ou seja, das palavras (e ordens) do Eterno. Esclarecido isto, este Salmo expressa gratidão e confiança. Assim como David foi levado de seus problemas para um reinado marcado por glórias e realizações, assim também Israel pode esperar pela redenção Divina dos apuros do exílio e da opressão.
Para o judeu pensar:

É interessante observar que se este Salmo realmente fosse uma profecia a respeito de alguém rejeitado, ele seria sobre Israel, e não sobre Jesus. Vejamos:

Quem foi rejeitado por todos os impérios da história? Foi Jesus? Não, os judeus, Israel! Quem os romanos rejeitaram? Foi Jesus? Não! Eles idolatraram Jesus. Rejeitaram os judeus, Israel. Quem os ibéricos perseguiram e rejeitavam, impondo conversão forçada ou exílio? Foi Jesus? Não! Eles faziam isto em nome de Jesus. Rejeitaram os judeus, Israel Quem Hitler rejeitou? Chegou ao extremo de patrocinar um assassinato em massa de judeus. Foi Jesus? Não, ele era cristão protestante. Rejeitou os judeus, Israel. Os progroms russos perseguiam, assassinavam e rejeitavam quem? Jesus? Não, os progroms eram em geral formados por cristãos ortodoxos, com as bênçãos veladas do czar, também cristão e adorador de Jesus. Rejeitavam os judeus, Israel. Durante a 2ª Guerra Mundial, quem era o rejeitado que o mundo não queria? Quem era aquele que não encontrava abrigo em nenhum país? Os cristãos? Não! As nações, o mundo, rejeitou os judeus, deixando-os encontrar a morte certa em campos de assassinato em massa. Os judeus, Israel, um povo sem pátria, uma pária no mundo. O repertório de rejeição não para, é extenso... E esta pedra rejeitada, Israel, sim, tornou-se a pedra angular, sendo um irradiador de inovações tecnológicas, transformando deserto em terra cultivável, sendo brilhante em diversas áreas do conhecimento humano, da literatura a medicina. Israel, a pedra inicialmente rejeitada, se tornou realmente angular, deu a dois terços do mundo (4 bilhões de pessoas), uma religião. Como pode ser percebido, esta aplicação cai muito bem em Israel, distorcer é fácil. Mas não estamos interessados em distorcer como faz rotineiramente os missionários, pois não é isto que nossos Mestres dizem sobre este Salmo, até porque não é disto que este Salmo trata e muito menos de Jesus.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->