Você está na página 1de 2

REFLEXÕES NA PRIMEIRA CARTA DE JOÃO (3)

CAPÍTULO 2. 1,2

(v.1) Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se
alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo.

1. A preocupação de João foi escrever para que os crentes não pecassem; ele

falou do perigo de dizermos que não pecamos ou que não temos pecado,
pois assim estaríamos fazendo Deus mentiroso; e o seu cuidado era
justamente evitar essa falha na vida dos seus leitores. O caminho da vida
cristã excelente é o fato de não pecarmos. O desejo de João é um só: “Eu
vos escrevo para que não pequeis”.
2. Mas o pecado por ser uma realidade no mundo, podia também tornar-se

realidade na vida do crente. E aí, o crente deve cair em desespero, desistir


da vida cristã, pois acha que o pecado é maior que ele? Qual atitude
tomar?
3. João tem o que cuidado de instruir os seus leitores, os seus filhos na fé,

que não tomem uma atitude que possa levá-los a um perigo maior. Caso
alguém pecasse, o que fazer? João mesmo instruiu quanto ao que deve ser
feito: “Mas, se todavia alguém pecar”. Se por um descuido, ou até
mesmo por auto-suficiência, alguém pecar por acreditar que não peca,
João diz que: “Temos um Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o justo”.
4. Mas é bom salientarmos que João não está estimulando ou dando a

liberdade para que alguém peque. Na verdade o pecado pode acontecer


como um acidente no percurso da vida cristã.
5. Ninguém deve abusar do fato de ter o Advogado junto ao Pai, e assim,

viver uma vida sem luta contra o pecado. Ninguém deve ser Pecadeiro,

1
isto é, aquele que vive na prática e alguns até da prática do pecado (Ver
John Langston)

(v.2) E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos,
mas também pelos de todo o mundo.

1. “Ele é a propiciação pelos nossos pecados”. Propiciação: Sacrifício que

afasta a ira divina (Nota rodapé da NIBB). O Advogado é também Aquele


que foi oferecido pelos pecadores.
2. João Batista, a respeito de Jesus disse: “Eis o Cordeiro de Deus que tira o

pecado do mundo” (João 1.29). Jesus é Aquele que foi oferecido para
remoção do pecado, e por conseguinte, o afastamento da ira de Deus sobre
o pecador. Tendo sido Jesus oferecido em favor dos pecadores, estes
foram por Ele justificados (Rm 4.25-5.1).
3. Jesus foi oferecido de uma vez por todas, não havendo a necessidade de

quaisquer outros sacrifícios para estamos bem com Deus (Rm 5.1 – temos
paz com Deus). A apresentação de Jesus como o Cordeiro suficiente
diante de Deus, tem um efeito continuado, isto é, para os crentes dos dias
de João (dos nossos), para todos que viessem a ser crentes (mas também
pelos pecados de todo mundo). Aqui nos encaixamos muito bem!
4. Ao dizer de todo mundo, João não estava ensinando que todos recebiam

automaticamente os benefícios de terem tal Advogado, mas que este


estava à disposição de todos que quisessem buscá-Lo (Pesquisem sobre
UNIVERSALISMO: Teoria de que todos serão salvos um dia).

PR. Eli da Rocha Silva


Igreja Batista em Jardim Helena - Itaquera