DR.

FERNANDO ROCHA

ULTRA-SOM

VIAS URINÁRIAS
MEDIDAS RENAIS: Em posição habitual, com forma normal, contornos regulares e situação preservada. Mobilidade inspiratória presente e normal. Parênquima renal com espessura anatômica e ecotextura homogênea. Relação córtico medular apresenta-se normal quanto a espessura e ecogenicidade. Complexo ecogênico central que corresponde às estruturas do seio renal, com distribuição anatômica e ecogenicidade homogênea. Rim Direito: x x cm. Cortical: cm. Em posição habitual, com forma normal, contornos regulares e situação preservada. Mobilidade inspiratória presente e normal. Parênquima renal com espessura anatômica e ecotextura homogênea. Relação córtico medular apresenta-se normal quanto a espessura e ecogenicidade. Complexo ecogênico central que corresponde às estruturas do seio renal, com distribuição anatômica e ecogenicidade homogênea. Rim Esquerdo: x x cm. Cortical: cm. Litíase Presença de imagem hiperecóide em projeção de terço ____ do rim, medindo cerca de 0,0 cm. Microlitíase Presença de imagens hiperecóides puntiformes, esparsas por seio renal, não produtoras de sombra acústica, que não preenchem todos os critérios de litíase, podendo corresponder à microcalcificações e /ou calcificações vasculares. CONCLUSÃO: Sinais de microlitíase renal bilateral.

CISTO RENAL:

de paredes finas e regulares e conteúdo anecóide. . Conclusão: Ovários: apresentam-se com cistos funcionais de aspecto folicular. de paredes finas e regulares. anecóides homogêneas. Conclusão: Ovários: Apresenta-se com cisto funcional de aspecto folicular. no terço________ renal. de paredes finas e regulares de cerca de 0. com leve espessamento de estroma central. dispostas de modo periférico com cisto dominante de cerca de 0. uniloculada. ÚTERO & OVÁRIOS CISTO OVARIANO ÚNICO: Formação cística. de paredes finas e regulares e conteúdo anecóide. CISTOS OVARIANOS: Formações císticas.0 cm.Formação cística simples de cerca de 0. POLIMICROCISTOS (conclusão) Ovário de dimensões aumentadas apresentando cistos simples de disposição periférica sugestivos de quadro de policistose. POLIMICROCISTOS / MULTICISTOS Ovário de dimensões aumentadas apresentando múltiplas formações císticas simples.0 cm.0 cm. medindo ___ cm. uniloculadas. de disposição periférica. CISTO OVARIANO COMPLEXO: Formação arredondada hipo/anecóide representada por ecos amorfos internos associados com traves e septos de permeio de conteúdo heterogêneo. anecóide homogênea.0 x 0.0 cm. de paredes espessadas e regulares. com cerca de 0.

0 x 0.0 x 0. . . de paredes finas e regulares e conteúdo anecóide em projeção de colo uterino.0 x 0. .0 x 0. em projeção _____. sem captação vascular ao estudo color doppler. PÓLIPO CONCLUSÃO: Imagem ecogênica em cavidade endometrial que pode corresponder à miomatose submucosa e/ou polipose endometrial. MIOMA UTERINO: Presença de imagem nodular sólida.0 x 0. medindo cerca de 0. PÓLIPO ENDOMETRIAL Presença de imagem nodular sólida.0.0 cm. hipoecóide de contornos regulares. homogênea. Conclusão Útero: Histerectomia parcial com colo remanescente sem alterações.3 cm.0 x 0. em projeção _____.0 x 0. em projeção _____.0.0 x 0.0.0 x 0. sendo a maior medindo cerca de 0.0 cm.0 cm.8 cm.0 cm.0 x 0. em projeção _____.3 cm.0 cm.NÓDULO OVARIANO Formação hipoecóide. Colo residual medindo cerca de 0.0 x 0.0 x 0. DIU . medindo cerca de 0. hipoecóides de contornos regulares nas seguintes projeções: . medindo o maior cerca de 0.0 cm. MIOMAS UTERINOS: Presença de imagens nodulares sólidas. de contornos regulares. medindo de cerca de 1. hiperecóide de contornos regulares.0 x 0. em projeção _____.0. em projeção de cavidade endometrial.1 x 1. CISTOS UTERINOS: Imagens císticas anecóides esparsas em corpo uterino. NABOTH Formações císticas simples. HISTERECTOMIA PARCIAL Histerectomia parcial.0 x 0.0 cm.

margem circunscrita apresentando zona de transição de interface abrupta. distante 0. distante 0.0 x 0.: Entre outras etiologias possíveis.0 cm.0 cm. sem efeito posterior evidente. VARIZES PÉLVICAS Presença de imagens anecóides. convém considerar Útero: Histerectomia parcial com colo remanescente sem alterações. Obs. NÓDULOS MAMÁRIOS: Presença de imagens nodulares sólidas com as seguintes características: Orientação paralela à pele. Estudo prejudicado por condições intestinais inadequadas. sem efeito posterior evidente.0 cm do mamilo. às hs.0 x 0. Frases adicionais: Não evidente em sua projeção habitual ( sobreposição intestinal). apresentando captação vascular ao estudo color doppler com sinais de refluxo à manobra de valsalva.0 cm do fundo uterino. às 00 hs. serpiginosas. . CISTO MAMÁRIO: . hipoecóide de contornos regulares. distante cerca de cm do mamilo. hipoecóide de contornos regulares. de orientação paralela à pele. medindo sua extremidade superior 0. com tecidos adjacentes inalterados.Presença de DIU em cavidade endometrial. bem posicionado.0 cm do mamilo.0 cm do mamilo. distante 0.0. às 00 hs. medindo cerca de 0.0 x 0.0. Estudo prejudicado por excesso de panículo adiposo. .0 cm. às 00 hs.0 x 0. nas seguintes projeções: .0. MAMAS NÓDULO MAMÁRIO: Presença de imagem nodular sólida. margem circunscrita apresentando zona de transição de interface abrupta. Útero: apresenta-se com alteração ecotextural difusa.0 cm. Estudo prejudicado pelo biotipo do paciente.

Não caracterizada neste exame. Observado em terço _______ do lobo. às 0 h distante 0 cm do mamilo. contornos lisos e regulares. PRÓTESES MAMÁRIAS: Espaço retro-mamário: presença de implante de conteúdo anecóico. sem degeneração cística.00.0 cm. Observado em terço _______ do lobo.Achados ultrassonográficos negativos. Classificação ACR BIRADS: III . sem calcificações evidentes. sem sinais de rupturas extra-capsulares. NÓDULO DE TIREÓIDE (sem doppler): Presença de nódulo sólido de contornos regulares.0 mm. Classificação ACR BIRADS: IV . medindo cerca de 0. apresentando halo hipoecóico de cerca de 0. (status pós-cirúrgico). de paredes finas e regulares e conteúdo anecóide. medindo o maior cerca de 0.0 cm do mamilo. Classificação ACR BIRADS: V .Formação cística simples de cerca de 0. CISTOS DE TIREÓIDE . com IR: 0.Achados ultrassonográficos sugestivo de malignidade. Classificação ACR BIRADS: VI – Lesão com diagnóstico histológico de malignidade.Achados ultrassonográficos benignos. TIREÓIDE NÓDULO DE TIREÓIDE (c/ doppler): Presença de nódulo sólido de contornos regulares.Achados ultrassonográficos suspeitos de anormalidade.0 mm. sem calcificações evidentes. ecotextura heterogênea. Bi Rads Classificação ACR BIRADS: I . Classificação ACR BIRADS: II . Com padrão vascular periférico. de paredes finas e regulares e conteúdo anecóide. sem degeneração cística. ecotextura heterogênea.0 cm. medindo cerca de 0.0 x 0. sem sinais de ruptura. ECTASIA DUCTAL Espaço retro-mamário.0 mm. apresentando halo hipoecóico de cerca de 0.0 mm. às 0 h distante 0. com líquido anecóico homogêneo em seu interior. com reconstrução através de prótese. de contornos regulares. sendo que a prótese mamária apresenta-se. Formações císticas simples.Achados ultrassonográficos provavelmente benignos. apresentando ectasia ductal discreta.

0 cm.Aumento de captação vascular ao estudo color doppler. de paredes finas e regulares e conteúdo anecóide .0 cm. de paredes finas e regulares e conteúdo anecóide com ecogenicidade nodular parietal em seu interior. CONCLUSÃO TIREÓIDE HIPER Sinais de tireoidopatia caracterizada por: .Aumento velocimétrico de artérias tireoideas inferiores bilaterais. . medindo o maior cerca de 0. (múltiplos cistos) Formações císticas simples. .0 cm. (nódulo) Formação cística de cerca de 0. . HIPO Sinais de tireoidopatia caracterizada por: .Alteração ecotextural difusa.Alteração ecotextural difusa. FIGADO E VESÍCULA BILIAR Esteatose leve . em projeção de terço do lobo. bilateral.Redução velocimétrica de artérias tireoideas inferiores bilaterais. de paredes finas e regulares e conteúdo anecóide com ecogenicidade puntiforme em seu interior. em projeção de terço do lobo. em projeção de terço do lobo. bilateral.Redução volumétrica glandular.(simples) Formação cística simples de cerca de 0. de paredes finas e regulares e conteúdo anecóide em projeção de terço do lobo. (ponto) Formação cística de cerca de 0.0 cm. .

Esteatose severa Parênquima hepático com ecotextura sólida.status pós cirúrgico. Pólipo: Presença de imagem nodular sólida. Conclusão: Esteatose hepática severa (grau III). com calibre normal da veia porta. Supra-hepáticas apresentam-se normais. Distribuição vascular preservada. homogênea.0 x 0.4 cm. com calibre normal da veia porta. Distribuição vascular preservada. dimensões e ecogenicidade normais. não se individualizando imagens sólidas e ou císticas. medindo cerca de 0.0 cm. .Parênquima hepático com ecotextura sólida. Conclusão: Esteatose hepática moderada (grau II). NÓDULO HEPÁTICO Presença de imagem nodular. Distribuição vascular mal definida. apresenta paredes lisas e regulares com conteúdo homogêneo. observando-se em sua projeção forte sombra acústica (vesícula repleta de cálculos? Vesícula escleroatrófica?). Vesícula escleroatrófica: Mal definida. homogênea e ecogenicidade difusamente aumentada de leve magnitude.1 cm. Colecistectomia: Não evidente em sua projeção habitual . medindo cerca de 0. no lobo _______. homogênea e ecogenicidade difusamente aumentada de severa magnitude. com sombra posterior associada medindo cerca de 1. homogênea e ecogenicidade difusamente aumentada de moderada magnitude. Conclusão: Esteatose hepática leve (grau I). de contornos regulares. Presença de imagem hiperecóide. hiperecóide de contornos regulares. não se individualizando imagens sólidas e ou císticas. no segmento ____. não se individualizando imagens sólidas e ou císticas. móvel às mudanças de decúbito. imóvel às mudanças de decúbito. Esteatose moderada Parênquima hepático com ecotextura sólida. AORTA (ateromatosa): Bem visibilizada desde o diafragma até a bifurcação e apresentando diâmetro normal. hiperecóide. Supra-hepáticas apresentam-se normais. VESÍCULA BILIAR Litíase Biliar: Tópica com forma. Placas ateromatosas esparsas ao longo do leito vascular de aorta abdominal. sem efeitos posteriores evidentes. contornos. com paredes regulares e normoecogênicas.

apresentando ecogenicidade difusamente aumentada. dimensões normais. de formato preservado. contornos e ecogenicidade normais. PESCOÇO: Realizados cortes ecográficos longitudinais e transversais na região cervical. Glândulas parótidas simétricas. observada em projeção anatômica. volume. O estudo ecográfico revela: Glândula tireóide de forma. com especial atenção para as glândulas salivares. sem sinais de sialolitos. observada em projeção anatômica. Utilizado transdutor linear de 10 MHz com equipamento dinâmico e em tempo real. volume e contornos normais. . com especial aenção para as glândulas sub-mandibulares. Glândula submandibular e parótidas em projeção anatômica de forma. contornos e ecogenicidade normais. Músculo esternocleidomastóideo. Ausência de linfonodomegalia cervical. Não se observa sinais de aumento volumétrico em glândulas sublinguais. volume e contornos normais. Ductos parotídeos virtuais sem sinais de sialolitos. Utilizado transdutor linear de 10 MHz com equipamento dinâmico e em tempo real. Ductos submandibulares (Wharton) virtuais. de formato preservado. O estudo ecográfico revela : Glândulas submandibulares simétricas. volume. contornos nítidos e regulares. GLÂNDULAS SALIVARES Realizados cortes ecográficos longitudinais e transversais na região cervical.ESTEATOSE PANCREÁTICA Em topografia habitual com formato preservado. sem alterações evidentes.

com transdutor linear de 7. Tendão do subescapular de calibre preservado. contornos regulares e ecotextura homogênea. com transdutor linear de 7.5 MHz e com equipamento dinâmico e em tempo real. contornos regulares e ecotextura homogênea. Tendões do supra-espinhal de calibre preservado. de calibre preservado. Tendões do infra-espinhal de calibre preservado. Ausência de líquido patológico na bursa subacromial-subdeltóidea.ARTICULAÇÕES OMBRO DIREITO: Foram realizados cortes ecográficos longitudinais e transversais na região do ombro direito. Tendão da cabeça longa do bíceps observado na goteira biciptal. Musculatura adjacente sem alterações ultra-sonográficas. Presença fisiológica de líquido ao seu redor. contornos regulares e ecotextura homogênea. contornos regulares e ecotextura homogênea. OMBRO ESQUERDO: Foram realizados cortes ecográficos longitudinais e transversais na região do ombro esquerdo. Somente o seu médico tem condições de interpretar corretamente o conjunto de todas estas informações. Tendão da cabeça longa do bíceps observado na goteira biciptal. contornos regulares e ecotextura homogênea. Superfícies ósseas regulares. de calibre preservado. Presença fisiológica de líquido ao seu redor. Presença fisiológica de líquido ao seu . Presença fisiológica de líquido ao seu redor. A impressão diagnóstica em exame de imagem não é absoluta. COMENTÁRIO Estudo ultra-sonográfico dentro dos limites da normalidade. devendo ser comparada com os dados clínicos e laboratoriais.5 MHz e com equipamento dinâmico e em tempo real. além de outros exames de imagem prévios. Presença fisiológica de líquido ao seu redor.

Tendão do subescapular de calibre preservado. Ausência de líquido patológico na bursa subacromial-subdeltóidea. A impressão diagnóstica em exame de imagem não é absoluta. Estruturas ósseas com aspecto normal. Somente o seu médico tem condições de interpretar corretamente o conjunto de todas estas informações. utilizando transdutor linear de 7. Tendinose com peritendinopatia em segmentos citados. Superfícies ósseas regulares. Presença fisiológica de líquido ao seu redor. Planos musculares com aspecto anatômico conservado. PARTES MOLES Foram realizados cortes ecográficos longitudinais e transversais na região . contornos regulares e ecotextura homogênea. com equipamento dinâmico e em tempo real. Tendões do infra-espinhal de calibre preservado. Presença fisiológica de líquido ao seu redor. COMENTÁRIO Estudo ultra-sonográfico dentro dos limites da normalidade. Tendões do supra-espinhal de calibre preservado. contornos regulares e ecotextura homogênea. Presença fisiológica de líquido ao seu redor. além de outros exames de imagem prévios. Musculatura adjacente sem alterações ultra-sonográficas. Peritendinopatia em segmentos citados. devendo ser comparada com os dados clínicos e laboratoriais.redor. Peritendinopatia em segmentos citados. .5 MHz. Ausência de massas ou coleções. Tendinose com peritendinopatia em segmentos citados. contornos regulares e ecotextura homogênea. sendo constatado : Pele e tecido celular subcutâneo sem alterações. associados com bursopatia subacromial / subdeltóidea. associados com bursopatia subacromial / subdeltóidea.

CLASSIFICAÇÃO DE GRAF Exame realizado em modo bidimensional com equipamento dinâmico linear na freqüência de 7. Musculatura adjacente sem alterações ultra-sonográficas.Não há sinais de roturas ou presença de calcificações. Teto cartilaginoso: recobre a cabeça femural. sem sinais de derrame. Bursas peritrocantéricas anatômicas.0 x 0.5 MHZ QUADRIL DIREITO Estruturas tendíneas de pardão usual. Teto cartilaginoso: recobre a cabeça femural. Cavidade acetabular íntegra. Bursas peritrocantéricas anatômicas.0 cm. sem sinais de derrame. observada na região de_______. α : 76° β : 38° QUADRIL ESQUERDO Estruturas tendíneas de pardão usual. medindo cerca de 0. Não há derrame articular. isoecóide ao tecido adjacente. CONCLUSÃO: Estudo ecográfico compatível com nodulação subcutânea compatível com lipomatose. de contornos regulares. Cavidade acetabular íntegra. Musculatura adjacente sem alterações ultra-sonográficas. NÓDULO SUBCUTÂNEO Presença de imagem nodular.0 x 0. de disposição subcutânea. Superfícies ósseas sem irregularidades. . Superfícies ósseas sem irregularidades. Promontório ósseo: levemente arredondado. α : 60° β : 53° CONCLUSÃO QUADRIL Exame ultra-sonográfico compatível com qualdril Ia pela Classificação de Graf. Promontório ósseo: levemente arredondado. Não há derrame articular. levemente heterogêneo.

QUADRIL ADULTO Foram realizados cortes ecográficos longitudinais e transversais na região . Bolsa sinovial do íleo-psoas. Cápsula íleo-femural e labrum. Músculos glúteos mínimo e médio de projeção anatômica. sem alterações intrínsecas de suas fibras. Não há sinais de roturas ou presença de calcificações. sem alterações. Superfície óssea da sínfise púbica sem irregularidades QUADRIL ANTERIOR Grupos musculares do adutor longo. Ausência de massas ou coleções. Bolsas sinoviais da região peri-trocantérica sem sinais de espessamento ou líquido em seu interior.5 MHz. de luz virtual. curto e magno com aspecto anatômico conservado. utilizando transdutor linear de 7. Estruturas ósseas com aspecto normal. com equipamento dinâmico e em tempo real. QUADRIL LATERAL Músculo tensor do fáscia lata de aspecto preservado sem lesões miotendíneas observáveis. TRANSFON TANELA . não observada em condições normais. Reto femural e íleo-psoas de aspecto preservado sem lesões miotendíneas observáveis. sendo constatado : Pele e tecido celular subcutâneo sem alterações.

REGIÃO RETROPAPILAR: Presença de aumento bilateral do tecido adiposo retroareolar. Não há sinais ecográficos de hemorragia intracraniana. entremeado por discretas áreas hiperecogênicas. que podem corresponder a tecido glandular. com equipamento dinâmico de varredura convexa e freqüências de 6. Estas áreas medem aproximadamente xxx cm. REGIÕES AXILARES: Sem alterações ecográficas evidenciáveis. longitudinal e obliquos. OPINIÃO: Estudo ultrassonográfico compatível com: MAMA masculina Estudo ultra-sonográfico das mamas pelo modo bi-dimensional. Núcleos caudados e tálamos simétricos. com equipamento dinâmico de varredura linear e frequência de 7. Parênquima cerebral homogêneo e de ecogenicidade preservada. hipoecogênico e heterogêneo. Ausência de cistos ou nódulos visíveis. Foram feitos varreduras nos sentidos transversal.Técnica Exame realizado na região craniana via fontanelas. Não há desvio da linha média. Sistema ventricular de morfologia e dimensões normais. em aparelho de ultra-som pelo modo bi-dimensional. . Fossa posterior de aspecto anatômico.5 MHz.5 MHz. PELE E ARÉOLAS: Sem alterações ecográficas evidenciáveis.

nos seus maiores eixos. com volume de 0 cm3. VESÍCULAS SEMINAIS Bem individualizada. configuração. GLÂNDULA S SUPRARENAIS .OPINIÃO: Exame ecográfico compatível: Tecido adiposo retro-areolar aumentado. contornos irregular e textura sônica heterogênea. com curso. diâmetros e ecotextura compatíveis com a normalidade. compatível com ginecomastia ou pseudoginecomastia. medindo 0 x 0 x 0 cm. PRÓSTATA PRÓSTATA Com forma habitual.

a baixa resolução e especificidade do método ultra-sonográfico.0 x 0.0 x 0. Em seus maiores diâmetros: Adrenal Direita: 0. de formato preservado com ecotextura característica. Obs. : Tendo-se em conta a suspeita clínica.Estudo ultra-sonográfico das glândulas adrenais pelo modo bi-dimensional.0 cm. . Glândulas adrenais de topografia anatômica.5 MHz em contato com a pele.0x 0. usando-se transdutor de varredura convexa de 3.0 cm Ausência de formações sólidas ou císticas na projeção de glândulas adrenais. Adrenal Esquerda: 0. estaria indicada a tomografia computadorizada. longitudinais e oblíquos. Foram feitos cortes (varreduras)ecográficos transversais.0 x 0.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful