Você está na página 1de 8

A TERCEIRA MULHER

PERMANÊNCIA E REVOLUÇÃO NO FEMININO

Alexandre Duarte
• Mestrado em Comunicação & Imagem_08/09 •
Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing

resumo
Como tudo na sociedade e na vida em geral, também o papel da mulher
foi evoluindo, mudando e ganhando diferentes importâncias ao longo dos tempos.
O filósofo francês Gilles Lipovetsky, analisou e teorizou sobre este tema
em várias das suas obras, nomeadamente no livro “A terceira mulher”, que aqui
analisaremos, no qual distingue 3 fases que, segundo o próprio, se podem
categorizar como momentos perfeitamente distintos da forma como o género
feminino foi sendo encarado ao longo da história.
Desde a “primeira mulher”, depreciada, mal-vista e até perigosa,
passando depois pela fase da mulher enaltecida, da exaltação do feminino, “a
segunda mulher”, Lipovetsky analisa neste texto, toda esta evolução até à mulher
dos dias de hoje.
A valorização das questões de liberdade e da igualdade, a diminuição
das diferenças e a preponderância do social no feminino, para citar apenas
algumas, são mudanças que têm vindo a ganhar um protagonismo e uma
influência tal que culminou num “novo tipo de mulher”, a mulher actual, que o
autor denomina de “terceira mulher”.
No entanto, e apesar da evolução das atitudes, dos pensamentos e dos
comportamentos, a verdade é que há ainda todo um conjunto de “funções”
tradicionalmente femininas que continuam a alimentar e a contribuir para fazer
perdurar esta visão falologocêntrica da sociedade onde o dualismo homem-
mulher e correspondentes conceitos opostos se mantêm (razão-emoção;
actividade-passividade; público-privado; social-individual; etc.). Daí o sub-título
do livro: permanência e revolução do feminino. Quer dizer, apesar de existir uma
“nova mulher”, que rompeu com muitas barreiras e preconceitos do passado – daí
a revolução, continuamos a ter, infelizmente, uma permanência de valores
profundamente retrogados e enraízados que teimam em não desaparecer.

palavras-chave
Mulher, Género, Papéis, Sociedade, Cultura, Evolução, Gender Studies,
Gilles Lipovetsky
A TERCEIRA MULHER
Permanência e revolução no feminino
________________________________________________________________

2
“Nada é tão duradouro como a mudança.”

Ludwig Borne

Introdução
Antes de avançarmos para a análise das ideias-chave do texto e da opinião crítica ao
mesmo, parece-nos pertinente começar por um pequeno enquadramento do autor, das suas
obras e das suas principais ideias, contextualizando toda esta temática no seu âmbito por
forma a ajudar-nos na sua interpretação.

Gilles Lipovetsky nasceu em 1944 em Millau, no sul da França, é um dos mais influentes
pensadores actuais, professor de filosofia da Universidade de Grenoble e detentor de uma
vasta obra literária publicada:

Do Luxo Sagrado ao Luxo Democrático;


A Era do Vazio, Ensaios Sobre o Individualismo Contemporâneo;
A Felicidade Paradoxal;
O Império do Efémero: a Moda e Seu Destino nas Sociedades Modernas;
A Inquietude do Futuro: o tempo hiper-moderno;
O Luxo Eterno: da Idade do Sagrado ao Tempo das Marcas;
Metamorfoses da Cultura Liberal;
A Sociedade da Decepção;
A Sociedade Pós-Moralista;
Os Tempos Hipermodernos;
A Terceira Mulher.

É também o autor do conceito de “Hipermodernidade”, que define e contextualiza a


sociedade actual, a qual, segundo o autor, prima pela busca da qualidade de vida, pela paixão
da personalidade, pela constante perseguição da realização pessoal e pelo culto da expressão
e participação que legitimam a afirmação de uma identidade pessoal onde o que importa é que
o indivíduo seja ele próprio. É a exacerbação do individualismo e do hedonismo.
A TERCEIRA MULHER
Permanência e revolução no feminino
________________________________________________________________

Lipovetsky usa a expressão Hipermodernidade para situar o momento actual da


sociedade humana. O termo “hiper” é usado como referência a uma exacerbação dos valores
criados na Modernidade, que, na actualidade, foram exponencialmente ampliados.

A Hipermodernidade, que ganhou dimensão social e académica por volta de 2004,


como resultado da confluência de vários estudos, inclusive do livro “Os tempos hipermodernos”
do próprio Lipovetsky, é caracterizada por uma cultura do mais, do sempre mais, do excesso,
onde a mudança se torna constante, onde tudo é efémero, descartável e nada sobrevive ao
atropelo da intensidade, da urgência, da novidade.

Hipermercado, hiperconsumo, hipercorpo, hipertexto, nada escapa a esta onda onde


tudo é elevado à potência do maior, do super, do mega, do Hiper.

A primeira mulher

Na obra e, mais concretamente no capítulo que nos propomos analisar, Gilles Lipovetsky
fala-nos então, como anteriormente referimos, da evolução do estatuto e do papel da mulher.
Desde logo e a abrir, o autor constata a existência de dois princípios invariantes,
universais: o primeiro determina que as funções masculinas e femininas não se sobrepõem, i.e,
o que um sexo faz, exclui automaticamente o outro e vice-versa. E segundo, as actividades do
masculino têm sempre um prestígio maior ou um reconhecimento social superior às do
feminino. A tal ponto que às mulheres cabiam apenas as tarefas depreciadas de que não se
falava ou se falava mal.
Nesta altura, o sexo feminino era encarado como algo depreciativo, sempre associado à
maldadae, ao obscuro, ao maléfico.

No entanto, um facto parece escapar a esta lógica de sub-valorização e depreciação: a


maternidade. Afinal, é impossível descurar uma verdade objectiva: este ser tem a capacidade
de gerar vida, inclusivamente do sexo masculino.
Ainda assim, como o autor refere, na Grécia Antiga, mesmo durante a gestação, a mulher
continua a ser vista como mera depositária de uma semente que o homem criou e deixou
dentro dela.
A TERCEIRA MULHER
Permanência e revolução no feminino
________________________________________________________________

Outro ponto que merece destaque é o facto de apesar de desprezadas, as mulheres


serem vistas como detentoras de poderes ocultos, selvagens, místicos, que, por escaparem à
razão e à lógica masculina, eram temidos, no mesmo sentido que o medo do desconhecido.

Esse mito alimentou pesadelos e anseios a que o poder e a força masculina rapidamente
associaram ao mal. Assim é então a primeira mulher: má, perigosa, diabólica. Mais: mexiriqueira,
dada às conversas fúteis e sem interesse, preocupada com a vida alheia e com os boatos, o
diz-que-disse, o mal-dizer.

Mas não se pense que às mulheres nunca se reconheceu valor ao longo de toda a
história. Não é isso. Mesmo na Antiga Roma onde o poder destas, ainda que na sombra, foi
imenso, a verdade é que coube-lhes sempre, em última análise uma posição inferior,
actividades menores, sem brilho, sem valor, “não merecendo figurar nos grandes relatos
históricos” (Lipovetsky, 2000, p.230).

A segunda mulher

A partir da Segunda metade da Idade Média, surge uma nova lógica: a sublimação da
mulher por parte dos homens. O culto da Bela Amada, a quintessência da beleza. Os “elogios” à
mulher, à sensibilidade, à beleza, ao feminino multiplicam-se e a mulher é colocada num trono.
Rainha, mas ainda assim, sem poder. Esse, continuava nas mãos dos homens. As mulheres
passam a ser reconhecidas como mães, amantes, louvadas e adoradas, Deusas do lar, mas só.
Mantém-se na esfera do privado. Elogiada, mas controlada. Sem poder financeiro, ou
intelectual, vontade própria ou liberdade.

A mulher tornou-se enaltecida, reconhece-se o papel de elevar até o homem, mas


provavelmente, de tão próxima que foi colocada da Divindades, o seu desejo de autonomia
também por aí permaneceu: no céu, no imaginário, no campo dos sonhos.
A TERCEIRA MULHER
Permanência e revolução no feminino
________________________________________________________________

É certo que o reconhecimento da educação dos filhos, do controlo da esfera familiar e


dos afazeres domésticos é assumido e até valorizado, mas novamente, por aí fica.
Aliás, este ponto é muito criticado pelas feministas que revêm neste “modelo” o supremo
domínio masculino.

Resumindo: embora exaltada, a segunda mulher é “limitada” nas suas vontades e


aspirações e portanto esta nova atitude em praticamente nada modifica as funções de ambos
os sexos e, consequentemente, acabou por caducar.

A terceira mulher

Nas anteriores mulheres, apesar de diferentemente tratadas (satanizada na primeira e


adulada na segunda), as mulheres sempre se encontraram subordinadas ao poder dos homens:
“Ela não era mais do que aquilo que o homem pretendia que ela fosse.” (Lipovetsky, 2000,
p.232).
E é precisamente esta questão que marca, segundo o autor, o ponto de viragem para a
terceira mulher: esta deixa de estar dependente do homem. A par disto, ou como consequência,
ou devido a, dependendo da interpretação, o acesso total das mulheres a todas as esferas da
vida (pública e privada, individual e social), a liberdade sexual, o controlo da maternidade, o
direito de voto, a legitimidade dos estudos e da vontade própria, tudo isto conjugado, deu
origem à mulher actual, a terceira, indeterminada, como Lipovetsky lhe chama.

E porquê indeterminada, indefinida? Porque hoje, homens e mulheres sofrem dos


mesmos anseios angústias: resultante do facto de serem responsáveis pelas suas próprias
vidas.

O que se passa, é que independentemente dessa revolução, desse salto quantitativo e


qualitativo na percepção e autonomia do sexo feminino, este continua “agarrado” aos papéis
tradicionais, sem conseguir, efectivamente descolar-se deles.
A TERCEIRA MULHER
Permanência e revolução no feminino
________________________________________________________________

Seja no cuidado dos filhos, no controlo da actividade familiar, no jogo da sedução, da


conquista sexual, no acesso a cargos públicos, a posições de liderança, etc. há ainda uma
necessidade, pior: uma exigência de marcar a diferença, que se traduz, na real importância ou
poder de cada género.
Ou seja, as diferenças, na verdade, não desapareceram. Estão menos evidentes, é certo,
mas estão lá. As desigualdades, as posições sociais, o domínio. Tudo se mantém, no limite, na
mesma.
Queremos dizer, apesar da igual necessidade de lutar, de escolher, de fazer, de optar,
tudo isso é sempre, quer queiramos quer não, quer aceitemos melhor ou pior, definido, limitado
“a partir de normas, de papéis sociais diferenciados, que nada indica estarem votados a um
futuro desaparecimento,” (Lipovetsky, 2000, p.235).

Daí a indeterminação, a angústia, a incerteza, a indefinição. É? Não é? Mudou? Não


mudou? Posso? Devo?...

Conclusões finais

Se é verdade que a história nos mostra e o dia-a-dia nos prova uma condição social
diferenciadora, onde o exercício da vontade própria está tão disponível para o homem como
para a mulher e esse equilíbrio esbateu as imposições sociais, particularmente, para com o
feminino, não é menos verdade que o mundo se encontra, hoje, em franca indeterminação.

Embora a sociedade já não aceite os antigos modelos sociais, para nenhum dos sexos ,
também os próprios papéis do masculino foram significativamente modificados. Apesar diso, e
da mulher actual ter conseguido conciliar os papéis convencionais com a sua nova condição, a
dicotomia masculino/ feminino permanece.
A TERCEIRA MULHER
Permanência e revolução no feminino
________________________________________________________________

Logo nas primeiras páginas do livro, Lipovetsky afirma:

“No próprio coração da hiper modernidade, reorganiza-se a diferença das posições de


género. É apenas quando se esvaziam de sentido existencial e se chocam de frente com os
princípios de soberania individual que os códigos ancestrais do feminino se eclipsam. Em outras
situações, as funções e papéis antigos se perpetuam, combinando-se de maneira inédita com
os papéis modernos. “(Lipovetsky, 2000, p.14).

E esta questão da hipermodernidade interessa-nos aqui, particularmente, pois em jeito


de conclusão final, é nossa opinião que a mulher, hoje, se enquadra verdadeiramente neste
termo. A mulher, mãe, amiga, confidente, amante, trabalhadora, dona-de-casa, etc. etc. etc. ,
nesta multiplicidade de papéis que assume e pratica, é muito mais que uma simples mulher.
Muito mais que uma excelente mulher. Mais que uma Super-Mulher. É uma Hiper-Mulher.

E na esteira deste pensamento, apetece-nos terminar esta recensão crítica com a


frase que Douglas Kellner deixou escrita no documento que entregou numa conferência em
Karlruhe, na Alemanha, em 2004 por altura da comemoração do septuagésimo quinto
aniversário de Jean Baudrillard:

“Sempre provocador, Baudrillard deixa-me a pensar,


à luz das vicissitudes da história contemporânea,
que Theodor Adorno estava certo quando escreveu:
“Apenas os exageros são verdadeiros.”
A TERCEIRA MULHER
Permanência e revolução no feminino
________________________________________________________________

8
Referências bibliográficas:

1/ LIPOVETSKY, Gilles, “A Terceira Mulher”, Colecção Epistemologia e Sociedade do


Instituto Piaget, Lisboa, 2000

2/ HALL, Stuart, HOODWARD, Kathryn, “Identidade e Diferença – A prespectiva dos


Estudos Culturais”, tradução de SILVA, Tomaz Tadeu, Editora Vozes, Petrópolis, Brasil,
2000

3/ BRETON, Philippe, “A utopia da Comunicação”, Colecção Epistemologia e Sociedade


do Instituto Piaget, Lisboa, 1992

4/ SFEZ, Lucien, “Crítica da Comunicação”, Colecção Epistemologia e Sociedade do


Instituto Piaget, Lisboa, 1990

5/ KELLNER, Douglas, "Media Culture”, Routledge, Londres, 1995

6/ McLUHAN, Marshall, “Os meios de Comunicação como extensões do Homem”,


(1964) tradução de Décio Pignatari, Editora Cultrix, São Paulo, Brasil, 2007

7/ BITTI, Pio Ricci, ZANI, Bruna, “A Comunicação como Processo Social”– Colecção
Temas de Sociologia, Editorial Estampa, Lisboa, 1983

8/ KELLNER, Douglas. "Some comments on recent adventures of the Image and


Spectacle on the Occasion of Baudrillard’s 75th Birthday " Graduate School of
Education & Information Studies, UCLA, disponível em:
http://www.gseis.ucla.edu/faculty/kellner/essays/baudrillardglobalizationterror.pdf
Consultado em 2009.03.17