Você está na página 1de 10

Lipídios

Juntamente com as proteínas, ácidos nucléicos e carboidratos, os Lipídios são


componentes essenciais das estruturas biológicas, e fazem parte de um grupo conhecido
como biomoléculas. Os Lipídios se encontram distribuídos em todos os tecidos,
principalmente nas membranas celulares e nas células de gordura.

Adipócitos; 2 - Fibras musculares estriadas.

As membranas celulares são elásticas e resistentes graças às fortes interações


hidrofóbicas entre os grupos apolares dos fosfoLipídios. Estas membranas formam
vesículas que separam os componentes celulares do meio intercelular - dois sistemas
aquosos.

Desempenham cinco importantes papéis nos seres vivos

Eles são os principais depósitos de energia. Constituem o combustível celular ideal, pois
cada molécula carreia grandes quantidades de energia por unidade de peso. Podem ser
encontrados livres nas células como reserva energética e são as moléculas mais
eficientes como reserva energética. Os Ácidos Graxos são as biomoléculas mais
calóricas, apesar de de os carboidratos serem bem mais eficazes na produção de energia.
O metabolismo energético dos Lipídios acontece, portanto, secundariamente ao dos
carboidratos, o que torna os Lipídios que contém Ácidos Graxos, notadamente os tri-
acil-gliceróis (trigligerídeos) as principais biomoléculas de reserva energética. Um
grama de gordura contém cerca de nove calorias de energia, mais que o dobro da
capacidade armazenadora de energia de uma quantidade igual de carboidratos e
proteínas. A maior parte dessa gordura fica disponível para a produção de energia,
especialmente durante o exercício prolongado. Os nutrientes em excesso, que não as
gorduras, são transformados prontamente em gordura para serem armazenados. Dessa
forma, a gordura funciona como principal depósito do excesso de energia alimentar.

À semelhança do que ocorre com os carboidratos, a utilização de gorduras como


combustível poupa proteínas para suas importantes funções de síntese e reparo dos
tecidos. Mas, apesar da enorme quantidade de energia acumulada nas gorduras, a
velocidade com que estas são oxidadas para a produção de energia, principalmente em
exercícios intensos de curta duração, é relativamente menor do que a dos carboidratos.
Por isso, quando o organismo necessita de maior quantidade de energia por unidade de
tempo, utiliza os carboidratos*. Já nos exercícios de resistência (como corrida ou
ciclismo), conforme diminui a intensidade do esforço, os Lipídios passam a ser
responsáveis por maior produção de energia.

*Cada grama de lipídio fornece nove calorias enquanto cada grama de proteínas e de
carboidratos nos fornece quatro calorias. Apesar disto, os carboidratos são vistos como a
principal e a mais eficiente fonte energética já que necessitam menos oxigênio para a
sua oxidação quando comparados a Lipídios e proteínas.

São os principais componentes das membranas celulares; isto é especialmente


importante porque as membranas são um dos maiores componentes estruturais e
organizados das células. Presentes na constituição de estruturas celulares (fosfoLipídios
e colesterol), como as membrana plasmática, do retículo endoplasmático rugoso e liso e
membranas dos organóides que as possuem (mitocôndrias,cloroplastos,etc). A
membrana plasmática é um envoltório que delimita a célula. Quimicamente, a
membrana plasmática é composta de Lipídios e proteínas.

os Lipídios* (em amarelo) fornecem fluidez e facilitam os transportes passivos; os


glicídios (em verde), externos, são associados às proteínas e Lipídios, exercendo papel
protetor e de reconhecimento de substâncias que tocam a célula. *O colesterol, presente
nas células animais, confere maior grau de rigidez à membrana.

Isolamento e proteção de órgãos. As células são grandes, contêm o pigmento


lipossolúvel caroteno, as mitocôndrias desempenham papel fundamental no
fornecimento de energia para a manutenção do elevado índice de atividade metabólica e
os Lipídios são armazenados como uma grande gotícula única central.
O tecido adiposo escuro (ou pardo) distribui - se de forma mais escassa e é responsável
pelo fornecimento de calor corporal, extremamente importante para recém - nascidos e
para mamíferos hibernantes. É um tecido rico em suprimento sangüíneo capilar. Suas
células são relativamente pequenas, contêm enzimas coloridas (citocromos), as
mitocôndrias são maiores e mais numerosas .A gordura é fundamental para o
desenvolvimento cerebral, porque é necessária para a mielinização e crescimento dos
neurônios e também para o desenvolvimento da retina.

Definem um conjunto de substâncias químicas que, ao contrário das outras classes de


compostos orgânicos, não são caracterizadas por algum grupo funcional comum, e sim
pela sua alta solubilidade em solventes orgânicos, éter, acetona e clorofórmio, e baixa
solubilidade em água. Uma das leis clássicas da química diz que "o semelhante dissolve
o semelhante": daí a razão para estas moléculas serem fracamente solúveis em água ou
etanol e altamente solúveis em solventes orgânicos. Os Lipídios resultam da
combinação de Ácidos Graxos com álcoois. São, portanto, ésteres (os ésteres são
produtos da combinação dos ácidos com álcoois); são ésteres elaborados pelos
organismos vivos que, por hidrólise, fornecem Ácidos Graxos ao lado de outros
componentes. São estocados na forma de glicogênio no fígado e músculos, e esta
reserva é utilizada para proporcionar um bom rendimento durante a prática de atividade
física.

Podemos classificá-los quanto a presença ou não de Ácidos Graxos na sua composição:

Os Lipídios com Ácidos Graxos em sua composição são saponificáveis, pois reagem
com bases formando sabões. São as biomoléculas mais energéticas, fornecendo acetil-
coA para o ciclo de Krebs.

Glicerídeos: são ésteres do glicerol com Ácidos Graxos. Os óleos e gorduras são
misturas de glicerídeos. Nas gorduras (manteiga, toucinho, banha e sebo) predominam
glicerídeos de ácidos saturados (palmítico e esteárico) e são "sólidas" à temperatura
ambiente. Nos óleos (óleo de soja, algodão, amendoim e milho), predominam
glicerídeos de ácidos insaturados (oleico) e são líquidos à temperatura ambiente. Os
glicerídeos saturados (gorduras) são responsáveis pela arterioesclerose. Os triglicerídeos
são os mais abundantes como reserva energética de animais e plantas e nas reservas de
gordura do corpo humano. São formados pelo glicerol e três moléculas de Ácidos
Graxos. O glicerol é um álcool que contém três átomos de carbono e representa o
componente constante da estrutura do triglicerídio. As três moléculas de Ácidos Graxos,
em geral, são distintas, tornando possível a existência de uma grande variedade de
triglicerídios no mesmo alimento, tantos quantas forem as combinações possíveis entre
os Ácidos Graxos. O comprimento da molécula do ácido graxo, assim como o seu grau
de saturação, interfere na digestão e na absorção da gordura.
Ceras: quando o álcool possui peso molecular elevado, como o álcool oléico ou a
esfingosina. Como exemplos de cerídeos citam-se a cera de abelha, a cera de carnaúba
e, nos vegetais, na superfície das folhas, Lipídios como cutina e a cera que
impermeabilizam a superfície contra a evaporação excessiva da água.

FosfoLipídios Ácidos Graxos + fosfato. Os fosfoLipídios se ordenam em bicamadas,


formando vesículas. Estas estruturas são importantes por conterem substâncias
hidrossolúveis em um sistema aquoso - como no caso das membranas celulares ou
vesículas sinápticas. Mais de 40% das membranas das células do fígado, por exemplo,
são compostas por fosfoLipídios.

Envolvidos nestas bicamadas encontram-se outros compostos, como proteínas, açúcares


e colesterol. As membranas celulares são elásticas e resitentes graças às fortes
interações hidrofóbicas entre os grupos apolares dos fosfoLipídios. Estas membranas
formam vesículas que separam os componentes celulares do meio intercelular - dois
sistemas aquosos.

EsfingoLipídios ácido graxo + esfingosina.

GlicoLipídios: ácido graxo + glicerol + açúcar. Os glicoLipídios são misturas de ésteres


de Ácidos Graxos, galactose e álcoois nitrogenados. São, portanto, Ácidos Graxos
ligados com glicídios que atuam como receptores hormonais. Como exemplo citam-se
os cerebrosídeos, encontrados no sistema nervoso.

Os Lipídios que não contêm Ácidos Graxos não são saponificáveis. As vitaminas
lipossolúveis e o colesterol são os principais representantes destes Lipídios que não são
energéticos porém desempenham funções fundamentais no metabolismo.

Esteróides: o colesterol (e seus derivados) e a vitamina D são os mais importantes


representantes deste grupo. Os esteróides são Lipídios derivados do colesterol.

Eles atuam, nos organismos, como hormônios e, nos humanos, são secretados pelas
gônadas, córtex adrenal e pela placenta. A testosterona é o hormônio sexual masculino,
enquanto que o estradiol é o hormônio responsável por muitas das características
femininas. Colesterol é importante na formação de células humanas e na produção de
hormônios, ácidos biliares e membranas celulares. Uma parte do colesterol é produzida
no fígado, outra vem da alimentação, principalmente de carnes gordas, ovos, leite e seus
derivados. Há dois tipos de colesterol: a fração LDL – sigla em inglês para lipoproteínas
de baixa densidade – e a fração HDL – sigla em inglês para lipoproteínas de alta
densidade. O HDL é o chamado bom colesterol, uma vez que protege as artérias. Já o
LDL é considerado o grande vilão, pois pode causar problemas ao organismo quando
suas taxas na corrente sangüínea são elevadas. Em níveis altos, o LDL tende a se
acumular nas paredes das artérias, favorecendo sua obstrução. Passa, então, a ser fator
de risco de doenças cardíacas

Carotenóides: um tipo de terpeno, geralmente álcool. A vitamina A é o representante


mais importante deste tipo de lipídio.

Prostaglandinas, tromboxanas e leucotrienos: são eicosanóides derivados do ácido


aracdônico. Um dos processos mais importantes controlados pelas prostaglandinas é a
inflamação, regulam a temperatura corporal e ajudam na formação de coágulos
sangüíneos; os leucotrienos participam nas reações alérgicas e inflamatórias.
São depósitos de gorduras

• Os adipócitos e o fígado.
• As células adiposas consistem em fibroblastos modificados capazes de armazenamento
de triglicerídios puros, podendo ocupar 95% de seu volume.

• São funções hepáticas, no metabolismo lipídico, degradar os Ácidos Graxos e


pequenos compostos passíveis de serem utilizados no suprimento de energia, além de
sintetizar triglicerídios a partir de outros substratos (carboidratos e proteínas), sintetizar
outros Lipídios a partir dos Ácidos Graxos, em especial o colesterol e os fosfoLipídios;
portanto, as células hepáticas possuem grandes quantidades de triglicerídeos, colesterol
e fosfoLipídios.

Lipídios

Os Lipídios ou lípides são substâncias orgânicas largamente encontradas na matéria


viva. Quantitativamente, só perdem para a água e para as proteínas. Representam a
segunda fonte de energia para o consumo da célula, depois dos glicídios. Na verdade, os
Lipídios fornecem mais calorias por grama do que os glicídios , mas a célula "prefere"
metabolizar estes últimos, por serem mais facilmente oxidados.
Os Lipídios resultam da combinação de Ácidos Graxos com álcoois. São, portanto,
ésteres (os ésteres são produtos da combinação dos ácidos com álcoois).

Os Ácidos Graxos são ácidos orgânicos monocarboxílicos, podendo ser saturados ou


insaturados, apresentando número par de átomos de carbono.

Observações:

- Ácidos Graxos saturados com até 10 átomos de carbono e Ácidos Graxos; insaturados
são líquidos.

- Ácidos Graxos saturados com mais de 10 átomos de carbono são sólidos.

- Os óleos vegetais (insaturados) são hidrogenados e tornam-se saturados modificando


sua consistência e são transformados em margarina vegetal.

Características

- São de coloração branca ou amarelada.


- São untuosos ao tato.
- Possuem densidade menor do que a da água.
- Apresentam alto teor energético.
- São insolúveis na água e solúveis nos solventes orgânicos como álcool, éter,
clorofórmio e benzeno.

Lipídios Complexos ou Compostos

Na formação de um lipídio composto, além dos Ácidos Graxos e do álcool, participa


uma substância adicional, como o fósforo no caso, por exemplo, dos fosfoLipídios. 0
papel metabólico dos fosfoLipídios é pouco conhecido; encontram-se, no entanto, em
qualquer célula viva, em proporções que variam de tecido para tecido. 0 cérebro é o
tecido de maior concentração de fosfolipidios (25 a 30 % do peso seco).
Observação - As esfingomielinas são fosfoLipídios presentes em determinados
neurônios (células nervosas), onde se relacionam com o aumento da velocidade de
condução do impulso nervoso.
Nota - Os fosfolipidios participam da constituição das membranas celulares. Exemplos
de fosfoLipídios: lecitina, cefalina e esfingomielina.

Esteróides

Os esteróides formam um grupo bem diferente dos outros lipidios na estrutura química,
fato que leva alguns autores a considerá-los um grupo à parte dos Lipídios. Têm
estrutura qtúmica bastante diferente do resto dos Lipídios. São todos semelhantes à
molécula de colesterol, da qual derivam. Funcionam como hormônios importantes no
metabolismo animal.

São exemplos de esteróides:

sais biliares

hormônios sexuais

pró-vitamina D

corticóides ou corticosteróides

Notas

0 colesterol é um componente das membranas celulares juntamente com os


fosfoLipídios e as proteínas e dá origem a hormônios como os do córtex, das glândulas
supra-renais e os sexuais. Trata-se, portanto, de uma substância muito útil, mas quando
aparece em taxas altas nos animais vertebrados, pode trazer más conseqüências. Uma
delas é a deposição de seus derivados nas paredes dos vasos sangüíneos, tornando-os
mais estreitos e dificultando a passagem do sangue (arteriosclerose).

Os sais biliares são muito importantes na emulsificação dos óleos e gorduras, no tubo
digestivo, facilitando a ação das lipases, durante a digestão dessas substâncias.

Os corticosteróides produzidos pelas supra-renais são muito utilizados como anti-


alérgicos e anti-inflamatórios.

Lipídios
São substâncias caracterizadas pela baixa solubilidade em água e outros solvente
polares e alta solubilidade em solventes apolares. São vulgarmente conhecidos como
gorduras e suas propriedades físicas estão relacionadas com a natureza hidrófoba das
suas estruturas.

Na verdade, todas a relevância do metabolismo lipídico advém desta característica


hidrófoba das moléculas, que não é uma desvantagem biológica (mesmo o corpo
possuindo cerca de 60% de água). Justamente por serem insolúveis, os Lipídios são
fundamentais para estabelecer uma interface entre o meio intracelular e o extracelular,
francamente hidrófilos.
Função

· Componentes das membranas celulares, juntamente com as proteínas


· Reserva de energia
· Combustível celular
· Funcionam como isolante térmico sobre a epiderme de muitos animais (tecido
adiposo) ;
· Isolamento e proteção de órgãos;
· Funções especializadas como hormônios e vitaminas;
· Sinalização intra e intercelulares.

Classificação

A melhor classificação para os Lipídios é aquela baseada na presença ou não de Ácidos


Graxos em sua composição.

· Lipídios com Ácidos Graxos em sua composição

São saponificáveis, pois reagem com bases formando sabões. São as biomoléculas mais
energéticas, fornecendo acetil-coA para o Ciclo de Krebs.

Ácidos Graxos

São ácidos orgânicos, a maioria de cadeia alquila longa, com mais de 12 carbonos. Essa
cadeia alquila pode ser saturada ou insaturada;

Representação : R - COOH , onde R é uma cadeia alquila longa.

Ácidos Graxos Saturados

· Não possuem duplas ligações


· São geralmente sólidos à temperatura ambiente
· Gorduras de origem animal são geralmente ricas em Ácidos Graxos saturados

Exemplos

· Ácido Palmítico - CH3(CH2)14COOH


· Ácido Esteárico - CH3(CH2)16COOH
· Ácido Araquídico - CH3(CH2)18COOH

Ácidos Graxos Insaturados

· Possuem uma ou mais duplas ligações sendo mono ou poliinsaturados

· São geralmente líquidos à temperatura ambiente

· A dupla ligação, quando ocorre em um ácido graxo natural, é sempre do tipo "cis".

· Os óleos de origem vegetal são ricos em Ácidos Graxos insaturados.

· Quando existem mais de uma dupla ligação, estas são sempre separadas por pelo
menos 3 carbonos. As duplas ligações nunca são adjacentes e nem conjugadas
Exemplos

· Ácido Palmitoléico - CH3 - (CH2)5 - HC = CH - (CH2)7 - COOH


· Ácido Oléico - CH3 - (CH2)7 - HC = CH - (CH2)7 - COOH
· Ácido Linoléico - CH3 - (CH2)3 - (CH2 - HC = CH)2 - (CH2)7 - COOH
· Ácido Linolênico - CH3 - (CH2 - HC = CH)3 - (CH2)7 - COOH
· Ácido Araquidônico - CH3 - (CH2)3 - (CH2 - HC = CH)4 - (CH2)3 - COOH
· EPA - CH3 - (CH2 - HC = CH)5 - (CH2)3 - COOH

Propriedades

· O ponto de fusão dos Ácidos Graxos aumenta com o aumento da cadeia, mas diminui
com o aumento do número de insaturações. Isso ocorre porque a configuração "cis" das
duplas ligações provoca uma dobra de 30o na cadeia, o que dificulta a agregação das
moléculas.

· Os Ácidos Graxos podem sofrer reações de hidrogenação, halogenação, saponificação


esterificação e oxidação.

Hidrogenação: é a reação do ácido graxo insaturado + H2, formando ácido graxo


saturado.
Halogenação : é a reação do ácido graxo insaturado com um halogênio, formando ácido
graxo saturado halogenado.

Saponificação : é a reação de um ácido graxo + base, formando sal (sabão).

Trialcigliceróis

Os Triacilgliceróis são Lipídios formados pela ligação de 3 moléculas de Ácidos Graxos


com o glicerol, um triálcool de 3 carbonos, através de ligações do tipo éster. São
absolutamente hidrofóbicos, sendo também chamados de "Gorduras Neutras", ou
triglicerídeos. Os Ácidos Graxos que participam da estrutura de um triacilglicerol são
geralmente diferentes entre si.

A principal função dos triacilgliceróis é a de reserva de energia, e são armazenados nas


células do tecido adiposo, principalmente. São armazenados em uma forma desidratada
quase pura, e fornecem por grama aproximadamente o dobro da energia fornecida por
carboidratos.
Fosfoglicerídeos

São Lipídios que por hidrólise liberam 1 mol de glicerol, 2 mols de Ácidos Graxos e 1
mol de ácido fosfórico. O glicerol geralmente está ligado a uma base nitrogenada
(grupamento X), através de ponte fosfodiéster, o que faz desses compostos moléculas
anfipáticas de caudas apolares (por conter Ácidos Graxos) e cabeças polares (fofatidil-
X).

Os fosfoglicerídeos são o principal componente lipídico das membranas biológicas.

O grupamento X pode ser:

· O hidrogênio, formando o fosfoglicerídeo mais simples, o ácido fosfatídico;


· Colina, formando a fosfatidilcolina ou Lecitina
· Serina formando a Fosfatidilserina
· Etanolamina formando a Fosfatidiletanolamina
· Inositol formando o fosfatidilinositol

EsfingoLipídios

São formados por uma molécula de um aminoálcool de cadeia longa , a esfingosina


cujas ligações duplas possuem configuração "trans". Este aminoálcool é ligado aos
Ácidos Graxos através de uma ligação amida.

São Lipídios também importantes na estrutura das membranas biológicas devido ao seu
caráter claramente anfipático.

Os derivados de Ácidos Graxos da esfingosina são conhecidos com ceramidas, as quais são
precursoras dos Lipídios mais abundantes :

· As Esfingomielinas: são ceramidas cujo grupo polar pode ser tanto uma fosfocolina
como uma fosfoetanolamina.

· Os Cerebrosídeos: são ceramidas cujas cabeças polares consistem de um único resíduo


de açúcar. Eles não possuem grupo fosfato e são, portanto, não iônicos

· Os Gangliosídeos: são ceramidas ligadas a oligossacarídeos que incluem pelo menos


um resíduo de ácido siálico.
Ceras

São Lipídios que por hidrólise liberam 1 mol de ácido graxo de cadeia longa e 1 mol de
álcool alifático de cadeia longa.

Possuem estrutura linear o que facilita a agregação entre as moléculas, formando


cadeias hidrofóbicas que configuram sua função impermeabilizante.

· Lipídios sem Ácidos Graxos em sua Composição:

Não são saponificáveis. As vitaminas lipossolúveis e o colesterol são os principais


representantes destes Lipídios que não são energéticos porém desempenham funções
fundamentais no metabolismo.

Esteróides

São Lipídios que não possuem Ácidos Graxos em sua estrutura. São derivados do
ciclopentanoperidrofenantreno, um composto que consiste de quatro anéis não-planares
fusionados.

O esteróide mais importante é o colesterol, que possui um grupamento OH na posição


C3. Esse grupamento polar OH confere-lhe um fraco caráter anfipático, permitindo que
este esteróide seja um componente majoritário das membranas plasmáticas animais;
enquanto que seu sistema de anéis fusionados lhe fornece uma rigidez maior do que
outros Lipídios de membrana.

O colesterol é o precursor metabólico dos hormônios sexuais, do glicocorticóides,


mineralocorticóides, ácidos e sais biliares e vitamina D.

O colesterol pode também ser esterificado a cadeias longas de Ácidos Graxos formando
ésteres de colesterol, os quais são totalmente hidrofóbicos, não fazendo parte da
constituição da membranas biológicas.

Terpenos

Possuem unidades isoprenóides como unidades básicas. As vitaminas E e K são os


representantes mais importantes, além de vários óleos aromáticos de vegetais.

Lipoproteínas
São associações entre proteínas e Lipídios encontradas na corrente sanguínea, e que têm
como função transportar os Lipídios no plasma e regular o seu metabolismo. A fração
lipídica das lipoproteínas é muito variável, e permite a classificação das mesmas em 5
grupos, de acordo com suas densidades e mobilidade eletroforética:

· Quilomícron: é a lipoproteína menos densa, transportadora de triacilglicerol exógeno


na corrente sanguínea

· VLDL (Very loa Density Lipoprotein): "Lipoproteína de Densidade Muito Baixa",


transporta triacilglicerol endógeno.

· IDL : "Lipoproteína de Densidade Intermediária", é formada na transformação de


VLDL em LDL

· LDL (Low Density Lipoprotein): "Lipoproteína de Densidade Baixa", é a principal


transportadora de colesterol; seus níveis aumentados no sangue aumentam o risco de
infarto agudo do miocárdio. Por ser uma lipoproteína aterogênica, o LDL ganhou a
"fama" de mau-colesterol.

· HDL (High Density Lipoprotein): "Lipoproteína de Densidade Alta"; atua retirando o


colesterol da circulação. Seus níveis aumentados no sangue estão associados a uma
diminuição do risco de infarto agudo do miocárdio. Por essa razão é considerado uma
lipoproteína de proteção contra a aterosclerose coronariana, sendo denominado,
vulgarmente, como o bom-colesterol.