Você está na página 1de 14

1.

INTRODUÇÃO

As parasitoses intestinais continuam representando um significativo

problema médico-sanitário, tendo em vista o grande número de pessoas

acometidas e as várias alterações orgânicas que podem ocasionar, tanto por ação

espoliativa, quanto pela possibilidade de prejudicar a absorção intestinal e

ocasionar quadros clínicos abdominais agudos (NASCIMENTO; CARVALHO,

2003).

Em relação à incidência das parasitoses, Nascimento e Carvalho (2003)

dizem que: “Basicamente, as populações que vivem em precárias condições de

saneamento básico e que necessitam de adequada educação sanitária são as

mais afetadas por estas patologias.”

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmam que mais de dois

bilhões de pessoas hoje estão infectadas com algum tipo de verme ou parasita.

Estima-se que 60% dessas infecções têm associação a deficiências nutricionais,

principalmente carência de ferro e vitaminas. Além disso, 2/3 da mortalidade

mundial têm relação com doenças de veiculação hídrica, como as parasitoses

(DIAS, 2005).

No entanto ainda encontramos um alto índice de falso-negativos nos

exames de parasitológico de fezes, esta afirmativa advém da experiência na

realização um exame de fezes mais acurado e com positividade em torno de 95%

em uma população-alvo que pertence às classes sócio-econômicas A e B.

Estipulamos que os dados da OMS estejam subestimados em decorrência de

uma técnica obsoleta ou realizada sem o devido cuidado (DIAS, 2005).


Balantidium coli é o protozoário causador da balantidiose, uma infecção do

intestino grosso do homem. Os parasitos se multiplicam no intestino, produzindo

cistos, que são formas de resistência no meio ambiente; os trofozoítos são as

formas infectantes; os cistos e trofozoítos são amplamente eliminados nas fezes,

podendo contaminar o ambiente e transmitir a infecção a outros hospedeiros.

A infecção se manifesta com febre, anorexia, náuseas, vômitos e diarréia que

pode evoluir à disenteria (fezes com muco, pus e sangue); os casos graves

manifestam-se com desidratação e hemorragias intestinais; a doença pode

assumir forma crônica. O diagnóstico é feito pela visualização de trofozoítos e/ou

cistos nas fezes.

A prevenção se faz pela higiene adequada, cozimento de alimentos, fervura

da água, tratamento dos doentes e tratamento dos porcos (possíveis reservatórios

do parasito).

A distribuição geográfica da balantidiose é mundial, pois é a mesma da dos

suínos. Assim, a maioria dos casos humanos está entre os tratadores, criadores,

comerciantes e abatedores de suínos. O porco, portanto, é a fonte natural das

infecções humanas (NEVES et al., 2000).

Vista a importância desta parasitose tanto a nível mundial como sua

prevalência nacional, este trabalho pretende correlacionar informações e dados

fornecidos nos últimos anos sobre esta parasitose, além de revisar todo conteúdo

já sabido entre a comunidade científica sobre esta patologia, com o propósito de

verificarmos as evoluções em relação ao tratamento e, seu atual alcance

epidemiológico e combate mundial.


2. DESENVOLVIMENTO

2.1 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

De acordo com Neves e cols. (2000) o protozoário Balantidium coli do

filo cifiophora representa grande número de espécies de importância na

ecologia do aparelho digestivo de ruminantes e eqüídeos, existentes no rúmen

e no intestino grosso funcionam como simbiontes. Este atua preferencialmente

no intestino grosso de suínos e em algumas situações pode parasitar os

humanos. Existe alguma diversidade de opiniões sobre a patogenicidade deste

protozoário nos humanos; entretanto, como é o único ciliado que pode ser

encontrado na nossa espécie. Durante algum tempo foi muito discutida a

pluralidade de espécies, B. coli e B. suis, ambas de suínos, mas diferentes

pelos aspectos dos núcleos e do tamanho externo. Foi verificado

posteriormente que todos dois eram uma única espécie- B. coli, com diferenças

morfológicas devido ao momento reprodutivo do protozoário: as formas

menores estavam se preparando para a conjugação e as maiores eram

trofozoítos ativos.

O B. coli já foi encontrado nos seguintes hospedeiros: porco, humanos,

chimpanzé, vários macacos (Rhesus, Cynomolgi etc.), e raramente em cão,

rato e cobaias, sendo os macacos os mais atingidos depois dos suínos

(NEVES et al. 2000).


2. 1. 1. MORFOLOGIA

Por suas dimensões, o Balantidium coli é o maior dos protozoários

parasitos do homem, pois mede geralmente 60 a 90 μm de comprimento

(podendo chegar a 150 μm), por 50 a 60 μm de largura (MORAES et al., 1991).

Sua forma é aproximadamente ovóide e a extremidade mais delgada,

anterior. Aqui, encontra-se uma depressão em forma de funil, o perístoma, que

conduz ao citóstoma. Toda a superfície da membrana celular, inclusive o

perístoma, apresenta cílios dispostos em fileiras helicoidais, cujo batimento

coordenado assegura ao protozoário movimentação rápida e direcional, além

de produzir correntes líquidas no meio, que dirigem as partículas alimentícias

em direção ao citóstoma (MORAES et al., 1991).

De acordo com Moraes e cols. (1991) a digestão é feita através do

cistóstoma ficam incluídos em fagossomos onde se processa a digestão. Os

resíduos não assimilados são expulsos para o exterior através de um poro

permanente localizado na extremidade posterior, o citopígio.

Em preparações coradas pela hematoxilina, destaca-se pelo volume e

coloração intensa o macronúcleo, ou núcleo, o micronúcleo, fica situado na

região deprimida do macronúcleo. Ele é pequeno, compacto, e desempenha

seu papel mais importante durante a reprodução do parasito (MORAES et al.,

1991).

Em relação à reprodução do protozoário em estudo Moraes e

colaboradores (1991) afirmam que: “[...] A multiplicação processa-se, em geral

por divisão binária transversal, sendo precedida pela divisão do macro-e do


micronúcleo. Em cultura, pôde-se observar a reprodução sexuada, por

conjugação, de que participa apenas o micronúcleo.”

Em condições naturais os parasitos, que se multiplicam na luz do

intestino, produzem cistos ovóides ou esféricos, revestidos de espessa

membrana e com 50 a 60 μm de diâmetro. Eles aparecem em grande número

nas fezes formadas. Tais formas, resistentes ás condições do meio externo,

parecem constituir os elementos infectantes para novos hospedeiros.

Entretanto, já se demonstrou que os trofozoítos podem desempenhar o mesmo

papel, em vista de atravessarem o estômago da cobaia sem serem destruídos

(MORAES et al., 1991).

Em relação à alimentação e habitat do Balantidium coli vive Moraes e

colaboradores (1991) ressaltam que:

"No intestino grosso, especialmente na região cecal e no


sigmóide, onde se alimentam de bactérias, de fungos, de outros
protozoários, grãos de amido, hemácias, células e detritos
orgânicos.O habitat do ciliado, na fase intestinal, consiste em um
meio fortemente redutor, onde deve viver em anaerobiose.”

De acordo com Neves e colaboradores (2000), porém o B. coli possua

capacidade invasiva onde é relatada no seguinte trecho: “[...] Entretanto, pode

ser um invasor secundário, isto é, desde que a mucosa esteja lesada, é capaz

de aí penetrar e reproduzir-se mesmo em úlceras profundas.”


Fonte:Fonte:
http://www.ufrgs.br/parasite/Imagensatlas/Protozoa/Bal
http://www.ufrgs.br/parasite/Imagensatlas/Protozo
antidium.htm
a/Balantidium.htm

Figura 1 Forma
Figura trofozoíta
2 Forma do do
cística Balantidium coli coli
Balantidium em
microscopia óptica. óptica.
em microscopia

2. 1. 2 CICLO BIOLÓGICO

O ciclo biológico da B. coli é do tipo monoxênico, apresentando dois tipos

de reprodução: assexuada e sexuada (NEVES et al., 2000).

De acordo com Neves e cols. (2000) a reprodução se processa de duas

maneiras: a reprodução assexuada que é feita por divisão binária, ocorrendo à

bipartição no sentido transversal do protozoário; e a reprodução sexuada é do tipo

conjugação, através do qual dois organismos se unem temporariamente pelo

cistóstoma (continuando a mover-se normalmente), para promover trocas

genéticas. Em relação a esta última Neves e cols. (200) descrevem:

“O macronúcleo degenera e desintegra-se no citoplasma de


cada protozoário. O micronúcleo cresce e sofre divisão por meiose,
que por sua vez é seguida de mitose; os micronúcleos em seguida
migram e tomam sua posição citoplasmática em cada um dos
protozoários envolvidos. Segue-se a separação dos indivíduos, com
a formação de novos macronúcleos.”
Em relação à reprodução sexuada do B. coli Neves e colaboradores (2000)

concluem que: “[...] Os protozoários assim reorganizados podem sofrer ou não

novo processo de divisão binária transversal e, posteriormente, formar cistos

resistentes. Assim sendo, a reprodução assexuada tem como principal função a

manutenção a ampliação da colônia do protozoário e a reprodução sexuada por

conjugação têm importância nas trocas genéticas e na formação de cistos para a

disseminação da espécie.”

Fonte: CDC DPDx Parasite Image Library


http://pathmicro.med.sc.edu/parasitology/intest-protozoa.htm
Figura 3 A forma cística do parasito é a responsável pela transmissão da balantidíase
A grande maioria das contaminações se faz pela ingestão de água ou alimentos
contaminados Após ingestão o desencistamento ocorrem nas células da mucosa
intestinal e os trofozoítos colonizam em larga escala os trofozoítos ficam na luz
Intestinal de humanos e animais, onde se replicam por divisão binária, durante a qual a
conjugação também ocorre . Trofozoítos sofrem encistamento que produzem cistos
infectantes alguns trofozoítos invadem parede do cólon e multiplicam-se. Alguns
retornam a luz e desintegram-se. Os cistos maduros são passados para as fezes .

2. 1. 3. PATOGENIA

A transmissão se faz através de cistos que contaminam alimentos, água

ou mesmo as mãos. Quando existe infecção humana, quase sempre essa

ocorreu a partir de cistos (e mesmo de trofozoítos) provenientes de fezes

suínas, que contaminaram as mãos ou os alimentos humanos (MORAES et al.,

1991).

De acordo com Neves e colaboradores (2000) o B. coli é normalmente

um protozoário comensal da luz do intestino de suínos, onde se alimentam de

amido, bactérias etc. Parece que sozinho não é capaz de penetrar em

mucosas intactas. Na espécie humana, quando há alguma lesão na mucosa do

colo e do ceco, há possibilidade de invasão secundária pelo Balantidium.

Como é capaz de produzir hialuronidase, pode aumentar a lesão inicial,

provocando necroses localizadas e úlceras. Essas lesões e a sintomatologia

são muito semelhantes às que ocorrem na amebíase. O paciente, nessa

situação, apresenta diarréia, meteorismo, dor abdominal, anorexia, fraqueza e,

às vezes, febre.
Moraes e cols. (1991) ainda organiza da seguinte forma o possível

quadro clínico apresentado por infecção por balantidíase podendo ser:

Assintomático;

Disentérico ou;

Do tipo crônico, com surtos de diarréia.

A severidade da forma disentérica vai desde as formas brandas até as

fulminantes. Em geral o paciente queixa-se de diarréia, meteorismo e dores

abdominais, acompanhadas de fraqueza e indisposição geral, podendo

apresentar anorexia, náuseas e vômitos, cefaléia e febre (MORAES et al.,

1991).

Moraes e cols. (1991) ainda afirma que: “[...] As fezes líquidas, e o

número de evacuações pode elervar-se a meia ou uma dúzia de vezes por dia,

com tenesmo ou sem. Nas formas mais graves, além de evacuações

mucossanguinolentas, pode haver hemorragias intestinais, desidratação, febre

e um desfecho fatal ao fim da alguns dias.”

Nos casos crônicos, que se podem alongar por muitos anos, a diarréia é

intermitente, alternando-se com períodos normais ou de constipação intestinal.

Pode haver emagrecimento, anemia, eosinofilia e uma síndrome de colite

crônica (MORAES et al., 1991).


2. 1. 4. DIAGNÓSTICO

O diagnóstico clínico é muito difícil de ser feito, em vista da semelhança

da sintomatologia com a colite amebiana (NEVES et al., 2000).

O diagnóstico laboratorial se faz pelo exame das fezes pelos métodos

usuais, para a evidenciação de cistos (raros nos homens) e quando vistos, são

encontrados em fezes formadas ou de trofozoítos (encontradas em fezes

diarréicas). Algumas vezes, há a necessidade de se fazer cultura das fezes,

para evidenciação das formas. Os meios de cultura usados são: Soro de

cavalo ou então meio de Pavlova (MORAES et al., 1991).

Morais e cols. (1991) ainda ressalta que convêm ter presente a

possibilidade de uma contaminação da amostra fecal, após sua emissão, com

ciliados de vida livre, pois estes são muito abundantes no solo e nas águas

naturais.
2. 1. 5. PROFILAXIA E TRATAMENTO

De acordo com Moraes e cols. (1991) “[...] Os casos assintomáticos

evoluem espontaneamente para a cura; mas, nas formas graves, a morte do

paciente pode resultar de hemorragia, perfuração intestinal ou desidratação.”

Os antibióticos, principalmente as tetraciclinas, são recomendados como

os mais eficazes agentes terapêuticos. O nimorazol é prescrito na mesma

posologia recomendada para a amebíase. O metronidazol (Flagyl) e a

paromomicina (Humatin) são também eficazes (MORAES et al., 1991).

Neves e cols. (2000) descreve que a adoção de dieta láctea, por alguns

dias, é suficiente para eliminar o Balantidium do organismo humano (isto por

que esses protozoários alimentam-se de amido).

A profilaxia de acordo com Neves e cols. (2000) tem como fatos

principais a higiene individual dos profissionais que tem que trabalhar com

suínos, a engenharia sanitária, a fim de impedir que excrementos de suínos

alcancem os abastecimento de água de uso humano, e criação de suínos em

boas condições sanitárias, impedindo que suas fezes sejam disseminadas, se

possível devem ser amontoadas para que a fermentação elimine os cistos aí

presentes.
3. CONCLUSÃO

Após análise dos dados coletados podemos observar que a balantidíase

é uma infecção que se manifesta por febre, anorexia, náuseas, vômitos e

diarréia que pode evoluir à disenteria; os casos graves manifestam-se com

desidratação e hemorragias intestinais; a doença pode assumir forma crônica

O B. coli tem como porco, humanos, chimpanzé, vários macacos, e

raramente em cão, rato e cobaias, sendo os macacos os mais atingidos depois

dos suínos, o qual é o principal reservatório de contaminação ao ser humano.

O possível quadro clínico apresentado por infecção por balantidíase

pode ser assintomático, disentérico ou do tipo crônico, com surtos de diarréia.

A transmissão se faz principalmente através de cistos que contaminam

alimentos, água ou mesmo as mãos. Quando existe infecção humana, quase

sempre essa ocorreu a partir de cistos (e mesmo de trofozoítos) provenientes

de fezes suínas, que contaminaram as mãos ou os alimentos humanos. Então

podemos concluir que a principal medida profilática é a criação de suínos em

boas condições sanitárias.


REFERENCIAS

 CDC DPDx Parasite Image Library. Altura: 562 pixels. Largura: 435 pixels. 22,1
KB Formato GIF. Disponível em:
<http://pathmicro.med.sc.edu/parasitology/intest-protozoa.htm>. Acesso em: 01
set. 2005.

DIAS, R. Verminose. 13 out. 2002. Disponível em: <


http://geocities.yahoo.com.br/drareginadias/vermesbr.htm> Acessado em: 01 de
set. 2005.

Figura 1 Forma trafozoíta do Balantidium coli Largura: 200 pixels. Altura: 200
pixels. 117 KB. Formato: Bitmap. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/para-
site/Imagensatlas/Protozoa/Balantidium.htm> Acessado em: 01 de set. 2005.

Figura 2 forma cística do Balantidium coli Largura: 200 pixels. Altura: 200 pixels.
117 KB. Formato: Bitmap. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/para-
site/Imagensatlas/Protozoa/Balantidium.htm> Acessado em: 01 de set. 2005.

 MORAES, R. G.; LEITE, I. C.; GOULART, E. G. Parasitologia Médica. São


Paulo: Editora Atheneu, 1971, p. 289-294.

 NASCIMENTO, D. F.; CARVALHO, M. M. Saúde Coletiva- Pesquisa-


Orientação E Acompanhamento De Helmintoses Em Escolares Da
Periferia De Barra Do Piraí- Rj. Centro Universitário de Volta Redonda –
UniFOA, 2003.

 NEVES, D. P. et al. Parasitologia Humana 10ª ed., São Paulo: Editora


Atheneu, 2000, p. 312-316.

Você também pode gostar