P. 1
Celebração Penitencial

Celebração Penitencial

5.0

|Views: 2.430|Likes:
Publicado porCVJ-Maia
Material de apoio à celebração penitencial
Material de apoio à celebração penitencial

More info:

Published by: CVJ-Maia on May 22, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/03/2012

pdf

text

original

Celebração Penitencial

Símbolo: Metro Objectivo: Levar os jovens/os pais a reflectir sobre Quem sou? O que há em mim? O que me impede caminhar? O que me falta? Cântico inicial Caríssimos amigos, Reunimo-nos para celebrar uma característica maravilhosa do nosso Deus: que o nosso Deus é bom e cheio de compaixão, que o nosso Deus é rico de misericórdia e de bondade. Rejubilamos com essa grande revelação, dependemos dela e queremos guardá-la como um tesouro. Reunimo-nos agora, não para permanecer no nosso pecado, mas para confessarmos humildemente que somos pecadores. Lamentamos as nossas falhas na esperança de que, com a força da misericórdia de Deus, nos aproximaremos cada vez mais de Jesus e dos seus valores. Oração Senhor bendito, pelos méritos da tua misericórdia, não leves em conta os nossos pecados mas concede-nos a graça de mudarmos de vida. Perdoa o modo como temos vivido, ajuda-nos a corrigir o modo como vivemos, e dirige na tua bondade a nossa vida futura. Acolhe-nos na tua bondade, para que glorifiquemos dignamente o teu nome. Por Cristo Nosso Senhor. A Palavra de Deus (1Cor 13, 4-8) Proclamação do Hino ao Amor segundo o Apóstolo S. Paulo:

O amor é paciente, o amor é prestativo; não é invejoso, não se ostenta, não se incha de orgulho. Nada faz de inconveniente, não procura o seu próprio interesse, não se irrita, não guarda rancor. Não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. Palavra do Senhor Aleluia! Aleluia! Proclamação da Boa Nova de Jesus Cristo segundo S. João Durante a sua última ceia, Jesus partilhou com os seus discípulos o segredo da sua vida: O meu mandamento é este: amai-vos uns aos outros como Eu vos amei. Não existe amor maior do que dar a vida pelos amigos. Sereis meus amigos se fizerdes o que vos mando. Não vos chamo empregados, pois o empregado não sabe o que o patrão faz; chamo-vos amigos, porque vos comuniquei tudo o que ouvi a meu Pai. Não fostes vós que Me escolhestes, mas fui Eu que vos escolhi. Eu destinei-vos para irdes e dardes fruto e para que o vosso fruto permaneça. O Pai dar-vos-á tudo o que Lhe pedirdes em meu nome. O que vos mando é que vos ameis uns aos outros». Palavra da Salvação Comentário à Palavra de Deus e introdução ao exame de consciência Há muitos pesos e medidas. Todos eles servem para saber com exactidão o volume e o peso de objectos ou a que distância eles se encontram uns dos outros. 2

As medidas e pesos que usamos são aceites universalmente, porque obedecem todas a um único critério: a exactidão na extensão e no peso. O uso da medida ou do peso exacto evita o roubo; ajuda a calcular a capacidade de suporte e resistência para que o limite estabelecido não seja superado e haja danos; ajuda a programar o necessário, evitando o desperdício e o desnecessário... O peso e a medida certa equilibram a vida e colocam as coisas no seu devido lugar. A nossa vida também necessita de pesos e medidas que nos ajudem a viver de uma forma equilibrada e a alcançar o objectivo do nosso baptismo: viver como filhos/filhas de Deus. Num dos últimos encontros de preparação para o crisma, vós apresentastes alguns “pesos e medidas” que devem ter os jovens de jovem. E eles são: Responsabilidade Clarividência Sinceridade Amizade Solidariedade Respeito Justiça Fidelidade a Deus Honestidade Humildade Honra Mais amor Compreensão Espírito de Paz Crer Fé

Estas características são “pesos e medidas” universais a partir das quais nós podemos pesar e medir a nossa vida. Neste pesar e medir a nossa vida descobrimos que nos falta algo ou que temos algo em excesso. E isso faz com que a nossa vida esteja um tanto ou quanto desequilibrada. Todas estas características fazem parte de uma outra medida. Elas são a subdivisão do Amor. Subdivisão que nos ajuda a viver, a crescer e a integrar o Amor na nossa vida, tornando-nos mais semelhantes a Deus. 3

Enquanto são apresentadas as características do Amor e é feito o exame de consciência, há musica de fundo... cada característica é colada dentro ou fora do grande coração... São os jovens que colam as características no coração... Olhemos atentamente para o Amor de Deus e deixemo-nos questionar por Ele: - O Amor é paciente A paciência é a primeira característica do Amor. Deus é paciente para connosco, assim nos testemunha a Bíblia, de um modo particular o Antigo Testamento. Ele espera (pacientemente) por nós; ele caminha ao nosso lado e com o nosso ritmo; ele sai de si mesmo e vem ao nosso encontro... A paciência em nós é o sinal de que nos desprendemos de nós mesmos e nos entregamos a Deus. A impaciência, ao contrário, demonstra um apego aos nossos próprios projectos, ideais, desejos. Na nossa impaciência mostramos a luta que travamos para que tudo aconteça conforme a nossa vontade. Por isso, a impaciência é uma manifestação do nosso egocentrismo: tudo gira/deve girar à minha volta e não aceito ser contrariado naquilo que penso ou quero fazer. A paciência edifica o amor em casa, nas relações, no nosso trabalho... A paciência consolida a esperança. A paciência transmite a paz do coração. Dou-me conta que falta-me a paciência... por isso invoco o dom da paciência! - O Amor é prestativo Desde pequenos que aprendemos a ser serviçais e prestativos para com aqueles que nos rodeiam, para com os mais necessitados. Mas em nós há a tendência contrária: ser servidos. A nossa preguiça é a 4

manifestação mais evidente da nossa pouca ou nenhuma disponibilidade em servir. Mas o nosso serviço pode ser também uma forma camuflada do nosso egoísmo e egocentrismo. Servimos para ser reconhecidos e louvados pelos demais e, em última instância, até para controlar os outros. O nosso serviço desinteressado dura muito pouco tempo. A razão e os preconceitos impedem-nos servir de uma forma perseverante e a exemplo de Jesus: Servir até ao último suspiro. Dou-me conta que falta-me a disponibilidade em servir... por isso invoco o dom do serviço. - O Amor não é invejoso A inveja nasce a partir do excesso de zelo por uma pessoa ou por uma coisa. O meu coração não vê e não quer senão o outro. Isto é possuir o outro e ser possuído por ele/ela. Esta possessão conduz a brigas e competições entre nós. A inveja também nasce nos nossos corações em resultado da admiração que sentimos por alguém que manifesta ou irradia uma luz ausente na minha vida. Como não posso possuir o outro de uma forma absoluta, nasce dentro de mim atitudes de violenta agressividade. A inveja é também uma manifestação de ambição e de avareza. Eu não só quero possuir os outros como também as coisas que o outro possui. O dom da humildade ajuda-nos a libertar-nos da inveja e da avareza. Dou-me conta que há inveja em mim... então invoco o dom da humildade. - O amor não se vangloria Isto é: o Amor não se incha de orgulho. 5

Ele não quer ser vedeta ou estrela de “Big Brother”, estando no centro das atenções. Ele também não apregoa aos quatro ventos o bem que fez ou as muitas qualidades que possui. O amor não faz barulho! O amor mede as suas palavras e não fala de si próprio. Dou-me conta que sou orgulhoso e quero que tudo gire à minha volta... então eu invoco o dom da discrição! - O Amor não se incha de orgulho O orgulhoso considera-se melhor e mais dotado que os outros. Quem assim procede, esqueceu-se, ou recusa-se a reconhecer, que tudo aquilo que possui, tudo aquilo que é, lhe vem de Deus. O orgulho apresenta-se de várias maneiras: a vaidade = desejo de se mostrar/exibir a presumida complacência = auto-satisfação desejo de saber tudo a presunção = estar seguro de si mesmo, não se deixar questionar o amor próprio a susceptibilidade = amua-se por tudo e por nada o egoísmo a soberba Dou-me conta que sou vaidoso, egoísta... então invoco o dom da humildade. - O Amor não faz nada de inconveniente Isto é: o amor não é obsceno, mas respeita o seu corpo e o das outras pessoas. O amor não diz nada de inconveniente, mas é delicado para com todos. O amor procede de uma forma correcta. 6

Dou-me conta que sou indelicado e inconveniente nas minhas palavras... então invoco o dom da pureza nos pensamentos, nas palavras e nos actos. - O Amor não procura o seu próprio interesse O amor dá-se gratuitamente, sem esperar nada em troca. Daí que o amor não é nem pode ser narcisista. Ele também não é utilitarista, amando somente quando se recebe algo em troca. O amor é gratuito porque há mais alegria em dar do que em receber. Dou-me conta que só amo recebendo algo em troca... então invoco o dom da gratuidade. - O amor não se irrita O amor não resmunga quando as coisas não acontecem como desejo/quero/programei. O amor adapta-se à realidade, obedece e submete-se aos desígnios de Deus. Dou-me conta que há muita rebeldia em mim... então invoco o dom da fortaleza. - O amor não guarda rancor Mas é benevolente. Daí que a pessoa que ama verdadeiramente é capaz de ver no outro que nos olha de soslaia, qualidades que escapam à superficialidade dos nossos olhos. Quando somos magoados/feridos no nosso orgulho ou injustamente, somos tentados a julgar o outro e até colocar-lhe “rótulos”. Como o amor tem um coração grande, ele não está continuamente a calcular o número de ofensas que lhe fazem ou a procurar um meio para se vingar. O amor é capaz de perdoar tudo e todos. 7

Dou-me conta da minha incapacidade de perdoar e ser perdoado... então invoco o dom do perdão. O Amor não se alegra com a injustiça, mas alegra-se com a verdade O amor não experimenta nenhuma alegria diante do mal que aflige e atormenta os outros. Por isso, o amor não é trocista nem se compraz com o insucesso dos outros. Aquele que ama, implora a misericórdia de Deus. Aquele que ama, diz a verdade. Dou-me conta que há cinismo e troça no meu relacionamento com os demais... então invoco o dom da justiça e da verdade. - O Amor tudo perdoa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta Quem ama sabe e é capaz de perdoar. Quem ama está aberto para o futuro novo e diferente do passado. E isto porque acredita que está em boas mãos. Peçamos o dom do optimismo, do perdão e da perseverança. Oração Penitencial Caríssimos amigos, peçamos ao Deus da misericórdia que nos atenda pela sua bondade. Que a nossa oração suba até ao Senhor como o incenso. (Vai-se buscar a água e coloca-se no meio) Leitor (Dois) Todos: Senhor, não tomes em conta os nossos pecados Na vossa bondade, perdoa os nossos pecados contra a unidade da tua família – faz que sejamos um só coração e uma só alma. Rezemos. 8 -

Dá-nos força na fraqueza e perdoa-nos os nossos pecados. Rezemos. Abençoa-nos, Senhor, e dá-nos a alegria na tua presença; que o nosso propósito e a nossa glória seja servir-te de todo o coração. Rezemos. Senhor, tu mostraste-nos como os feridos e os que andavam perdidos são preciosos a teus olhos; faz que, pelo teu perdão, possamos voltar para ti agradecidos e em paz. Rezemos. Aproxima-te de nós, Senhor; visita-nos de novo com a tua presença de amor e com o teu poder curativo. Rezemos. Sinal de Penitência Caríssimos amigos, Como sinal da nossa penitência, somos agora convidados a aproximarmo-nos da água e a tocá-la com as nossa mãos para sentirmos o perdão de Jesus. Vamos à fonte do amor que é o lado aberto de Cristo na Cruz. Confissão e Absolvição Agora ficamos de pé Certos da bondade do Pai, reconheçamos os nossos pecados para recebermos o seu perdão. Confesso a Deus... Absolvição Como sinal do nosso pesar pelo nosso pecado, e da vontade de receber o dom do perdão, baixemos as nossas cabeças e cruzemos os nossos braços, e rezemos pelo perdão de Deus: Deus Pai não quer que o pecador morra Mas que volte para Ele e viva. 9

Ele amou-nos primeiro E enviou o seu Filho como dom da sua paz. Que ele nos mostre o seu amor misericordioso. Todos: Amen. O Senhor Jesus enviou o seu Espírito Santo sobre os apóstolos E deu-lhos o poder de perdoar os pecados. Pelo ministério confiado à Igreja Que ele nos livre dos perigos e de todo o mal E nos encha do seu Espírito Santo. Todos: Amen. O Consolador foi-nos dado para o perdão dos pecados. Que ele vos limpe os corações e vos revista com a sua glória Para que possais proclamar as obras grandiosas de Deus Que vos chamou das trevas para a sua luz. Todos: Amen. Esta parte da oração só é recitada quando se dá a absolvição geral. Deus, Pai de misericórdia, Que pela morte e ressurreição do seu Filho Reconciliou o mundo consigo E enviou o Espírito Santo para a remissão dos pecados, vos conceda, pelo ministério da Igreja, o perdão e a paz. Eu vos absolvo de todos os vossos pecados, E Nome do Pai, e do Filho E do Espírito Santo. Todos: Amen. Sinal da Paz Como sinal da vontade de nos perdoarmos uns aos outros, partilhemos o sinal da paz de Cristo. Momento para a reconciliação individual 10

Esta oração pode ser rezada pelos penitentes após a celebração individual do sacramento do perdão. Oração final Pai, grande e misericordioso em tudo o que fazes, Pelo teu grande amor, deste-nos o teu Filho para a nossa paz e salvação. Ensina-nos a ser reverentes diante da tua glória; Enche os nossos corações de fé; Enche as nossas vidas com o teu amor; Enche os nossos dias de boas obras. Que a tua sabedoria esteja nos nossos lábios. Nós te pedimos por Cristo Nosso Senhor. Bênção Que o amor de Deus nos envolva; Que a sabedoria do Filho nos ilumine; Que o fogo do Espírito Santo nos dê vida; Que a benção de Deus desça sobre nós E permaneça para sempre.

11

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->