Você está na página 1de 39

história do audiovisual

fotografia e cinema
características comuns

Fotografia e Cinema

- impressão através da luz;


- mecanização do processo;
- prática da mimesis;
- capacidade de reprodução;

- instrumento de dominação;
- discurso.
antecedentes da fotografia

Descobertas na Física
- diversos equipamentos como a câmara escura e a projeção de sombras.

Descobertas na Química
- descoberta da sensibilidade dos sais de prata.
invenção da fotografia

Nicéphore Niépce (1765-1833):


- fixação prolongada (1822-1826);
- heliogravura.

Daguerre (1789-1851):
- torna o processo mais prática coma revelação por mercúrio;
- faz a patente de sua invenção.

William Henry Fox Talbot (1800-1877):


- produção de nagativos (calotipos);
impressão em papel.

George Eastman (1854-1932):


- câmera portátil (1888);
- filme em rolo;
invenção da fotografia

NICÉPHORE NIÉPCE. Vista da sua janela em


Le Gras, 1826. 0,165X0,18m. Heliogravura.
Coleção Gernsheim, Universidade do Texas.
invenção da fotografia

LOUIS JACQUES MANDÉ DAGUERRE. Natureza-morta,1837. Daguerreótipo. LOUIS JACQUES MANDÉ DAQUEGURRE. Boulevard du Temple, 1838.
0,165X0,215m. Société française de photographie, Paris.
invenção da fotografia

WILLIAM HENRY FOX TALBOT. Barcos a vela.


c. 1845. Science Museum, Londres.
fotografia no Brasil
- experiências de Hercule Florence anteriores às de Daguerre;
- batizado do processo como “photographya”;

- chegada em 1840 de Compte e equipamento de daguerreotipia;


- Dom Pedro II é o maior entusiasta da fotografia no Brasil;

- fotografia para ilustrar e garantir a verdade;


- Revista da Semana dá prioridade à fotografia;
primeiros usos da fotografia

Retrato

- : estúdios com equipamentos de imobilização;

- descrição de um modelo: “ minutos, com o sol forte batendo no rosto


e as lágrimas escorrendo enquanto o operador passeava pela sala com
um relógio na mão, dizendo a hora a cada 5 segundos”;

- Gaspar Félix Tournachon, Nadar (1820-1910): fotografias de personali-


dades, como Sarah Bernhardt;

- André Disderi: carte-de-visite (1854);

- retratos de defuntos;
- fotografias de paisagens eram rejeitadas.
primeiros usos da fotografia

NADAR. Sarah Bernhardt, 1859. George East-


man House, Rochester, Nova Iorque.
primeiros usos da fotografia

NADAR. Fotografia aérea, 1858.

NADAR. Retrato num balão,1858 .


primeiros usos da fotografia

ANDRÉ DISDERI. Carte-de-visite.


primeiros usos da fotografia

Fotografia estereoscópica
- ilusão de tridimensionalidade;
- incapacidade de reprodução em páginas impressas.
primeiros usos da fotografia

Matthew Brady
- mais de 7 mil negativos da Guerra Civil de 1861-1865

MATHEW BRADY. Federal Dead on the Field of Battle on the First Day, 1863.
primeiros usos da fotografia

John Thomson
- primeiro documentário fotográfico: A Vida nas Ruas de Londres, 1877

Jacob Riis
- consciência no jornalismo de que o presente já é história;
- flash de pólvora;
- “Como vive a outra metadede nós” (1890)
primeiros usos da fotografia

JACOB RIIS. O covil dos bandidos,


c 1888. Fotografia. Museum of the
City of New York.

JACOB RIIS. Árabes de rua na área de Mulberry, 1889


nomes da fotografia
Cartier Bresson
nomes da fotografia
Margaret Bourke White
nomes da fotografia
Dorothea Lange
nomes da fotografia
Robert Capa
nomes da fotografia
John Heartfield
nomes da fotografia
Man Ray
nomes da fotografia
Douglas Martin
nomes da fotografia
Eddie Adams
nomes da fotografia
Neil Armstrong
nomes da fotografia
Stuart Franklin
Tiananmen Square (1989)
nomes da fotografia
Matuschka
Beauty out of damage (1993)
invenção do cinema

Edward Muybridge
- fotografia sequencial

Thomas Edison
- cinetoscópio de exibição individual
- Black Maria

Irmãos Skladanovsky
- bioscópio
- Um Truque de Luz (A Trick of the Light), Wim Wenders

Irmãos Lumiére
- cinematógrafo como o equipamento atual
invenção do cinema
construção da linguagem cinematográfica

George Mèlies
- cinema como entretenimento
- Voyage dans la Lune

Edwin Porter
- montagem como elemento narrativo
- The Great train Robbery

Griffith
- o paradigma de “O nascimento de uma nação”
- montagem como cerne do Cinema
- The Birth of a Nation e Intolerance
cinema como produto

- consolidação como produto de entretenimento;


- Pathé e nickelodeons;

- produção de modelo industrial;

- condicionamento econômico;

- estéticas que se opuseram.


cinema e guerra

Primeira Guerra
- ingenuidade;
- investimentos quase exclusivamente americanos;

- Lênin: “O cinema é para nós o instrumento mais importante de todas


as artes“;
- cinema construtivista;

Segunda Guerra
- propaganda ideológica;
- ministro da propaganda do Reich: Joseph Goebbels;

Guerra Fria
- alta produção americana.
cinema no Brasil

-Afonso Segreto: Chegada na Baía de Guanabara, 1898;

- Bela Época (1908-1912);

- cinema de cavação;
- domínio do capital externo;

- ciclos regionais;
- Limite (1931) de Mário Peixoto;

- produção industrial;
- chanchada e pornochanchadas.
cinejornal

- Pathé Journal (Paris, 1909);


- versão brasileira em 1912;

- até 1935 existiam cerca de 35 cinejornais;

- “De modo geral esses cinegrafistas eram mal vistos; eles tinham é que
descolar a grana, qualquer trambique valia” (BERNARDET, Jean Claude.
Cinema Brasileiro: propostas para uma história).
cinejornal

Estado Novo

- obrigatória a exibição do Cine Jornal Brasileiro, instrumento de adora-


ção a Getúlio Vargas;

- a temática, segundo Paulo Emílio Salles Gomes, dividia-se em “o ritual


do poder” e “o berço esplêndido”.

JK

- Canal 100 (1950-1986);


- exibição da construção de Brasília;
- apoio governamental;
- resistência à televisão.
cinejornal

Pós-64

- exaltação da alegria do período;

- 1968, foverno de Costa e Silva, é criada a AERP (Assessoria Especial de


Relações Públicas);
- propaganda d’A Boa Família e do milagre econômico;

- Canal 100 é reformulado;


- exibição de conteúdos amenos;

- Embrafilme (1969-1990).
cinema novo

- estética inovadora;
- crítica à sociedade brasileira;

- influência mais marcada: neorrealismo italiano;

- Rio, 40 Graus (1955); Rio, Zona Norte (1957); Vidas Secas (1963) de Nel-
son Pereira dos Santos;
- O Pagador de Promessas (1962) de Anselmo Duarte;
- Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964) e Terra em Transe (1967) de Gláu-
ber Rocha.
cinema digital

- redução de custos de produção;

- exibição limitada em algumas salas;

- cinema independente.
referências

BERNARDET, Jean-Claude. O que é Cinema. São paulo: Brasiliense, 1984.


(Coleção Primeiros Passos 9)

COELHO, Teixeira. O que é indústria cultural. São Paulo: Brasiliense, 1980.


(Coleção Primeiros Passos 8)

HAUSER, Arnold. História Social da Arte e da Literatura. São Paulo: Mar-


tins Fontes.

JANSON, H. W. História Geral da Arte: o Mundo Moderno. São Paulo:


Martins Fontes.

MACHADO, Arlindo. Pré-cinemas e pós-cinemas. Campinas, SP: Papirus,


1997.

SANTOS, Jair Ferreira dos. O que é pós-moderno. São Paulo: Brasiliense,


2004. (Coleção Primeiros Passos 165)