P. 1
Envelhecimento e Atividade Física

Envelhecimento e Atividade Física

|Views: 829|Likes:
Publicado porAdriana
Conceito de Idoso, Causas do Envelhecimento, Epidemiologia, Prescrição de Treinamento para Idosos.
Conceito de Idoso, Causas do Envelhecimento, Epidemiologia, Prescrição de Treinamento para Idosos.

More info:

Published by: Adriana on May 26, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/28/2012

pdf

text

original

ENVELHECIMENTO E ATIVIDADE FÍSICA

Adriana Barni Truccolo Ms

1. Conceito
Brasil ⇒ 60 anos ou mais; Países Desenvolvidos ⇒ 65 anos ou +

Hayflick, 1997. Como e por que envelhecemos

2. Epidemiologia

Estima-se que o Brasil passará, de 4% de idosos existentes em 1940, para 14,7% em 2020. Em 2025, o Brasil será o sétimo país com maior número de idosos, acima de 30 milhões. China – Índia – USA – Japão – Indonésia – Rússia – Brasil. Mazo, Lopes e Benedetti, 2001

Razão de sexo das pessoas de 60, 65 e 70 anos ou mais de idade, Brasil e Rio Grande do Sul - 2006 Razão de sexo das pessoas de 60, 65 e 70 anos ou mais de idade 60 anos ou mais 65 anos ou mais 70 anos ou mais Brasil 78,8 76,2 72,6 Rio Grande do Sul 74,6 69,7 62,3 Brasil e Rio Grande do Sul
Fonte: IBGE, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2006. Nota: Razão entre homens e mulheres em uma dada população expressa no número de homens para cada 100 mulheres.

Índice de Envelhecimento

Conceito: Número de pessoas com 60 ou mais anos de idade, para cada 100 pessoas menores de 15 anos de idade, na população residente em determinado espaço geográfico, no ano considerado. Acompanha a evolução do ritmo de envelhecimento da população, comparativamente entre áreas geográficas e grupos sociais.

Índice de Envelhecimento

Número de pessoas residentes com 60 ou + x 100 Número de pessoas residentes com – de 15 

Método de Cálculo:

Interpretação:

Valores elevados desse índice indicam que a transição demográfica encontra-se em estágio avançado.

Índice de Envelhecimento

Índice de Envelhecimento

1991, 1996, 2000 e 2005 __________________________________________ Regiões 1991 1996 2000 2005 Brasil 21 25 28,9 33,9 Norte 10,9 12,9 14,7 16,6 Nordeste 18,4 22,0 25,5 30,3 Sudeste 25,4 30,3 34,8 40,8 Sul 24,1 28,6 33,4 39,3 Centro-oeste 14,7 18,3 22,1 26,4

Exemplo: Brasil e Grandes Regiões

3. Causas

 

Redução da Mortalidade: vacinas, antibióticos, remédios, equipamentos.... Queda da Fecundidade; Baixa Natalidade
Taxa natalidade= nο crianças nascidas vivas= n ∗ 1000
por cada 1000 habitantes p

Aptidão Cardiovascular (Aeróbia)

Flexibilidade

Aptidão Física Relacionada À Saúde

Força

Composição Corporal

4. Alterações Fisiológicas - Força

Força: Em torno dos 60 anos é observada uma

 

redução da força máxima muscular entre 30% a 40%. Fase Lenta: 25 – 50 anos: Perda de 10% Fase Rápida: 50 – 80 anos: Perda de 40%
Sarcopenia é definida como “a perda de massa e de força muscular relacionada à idade”

4. Alterações Fisiológicas - Força
       

Ocorre Diminuição: -Número de células musculares; -Tamanho das células musculares; -Fluxo sanguíneo pra o músculo; -Velocidade de contrações musculares; -Elasticidade Muscular; -Conteúdo de água e gordura no músculo; - Capacidade dos músculos se recomporem -↑Facilidade dos músculos sofrerem lesões;

4. Alterações Fisiológicas - Força
O envelhecimento diminui a capacidade do músculo esquelético se adaptar ao treinamento físico? Não. Aprimora o recrutamento das unidades motoras e os padrões de inervação. A redução da massa muscular não é somente devido à idade mas tb à inatividade física
Powers & Howley , Fisiologia do Exercício. 2000

Força

Comparações diretas entre grupos de indivíduos jovens e idosos demonstraram que o músculo quadríceps de idosos com idade aproximada de 70 anos tem 60% da capacidade de geração de força quando comparado ao de jovens de 20-30 anos (MACALUSO e DE VITO, 2004; REEVES, NARICI e MAGANARIS, 2006; ROSSI, SADER, 2006).

Força

A perda de força muscular com o envelhecimento parece ocorrer de forma semelhante em homens e mulheres. Entretanto, nos diversos estágios da vida, as mulheres apresentam menor força muscular quando comparadas aos homens, em vários grupos musculares (FIELDING, LEBRAUSSER e CUOCO, 2002; MACALUSO e DE VITO, 2004).

4. Alterações Fisiológicas FLEXIBILIDADE
A Flexibilidade de um indivíduo sedentário diminui de 20 a 30% quando este atinge a idade de 70 anos

4. Alterações Fisiológicas AGILIDADE
•Diminuição da coordenação motora devido à alterações estruturais do sistema nervoso; •Perda de células nervosas que não são substituídas; • Diminuição de tamanho dos neurônios; •Redução da produção de neurotransmissores.

4. Alterações Fisiológicas – Resistência Aeróbia
    

O VO2máx diminui cerca de 10% por década após os 30 anos. Redução do # mitocôndrias; Redução do Fluxo de sangue para o músculo Aumento da Gordura Corporal; Maior rigidez da aorta – Reduzindo o VEmáx.

4. Alterações Fisiológicas – Resistência Aeróbia

Redução do VO2 em 0,5lO2/min por Kg de massa muscular. FCmáx = 220 – Idade (Declina) – Reflete uma atividade simpática diminuída. Atletas: FCmáx é menor do que a prevista pela fórmula. (dos 50 aos 70 anos). Destreinados: FCmáx = 208 – 0,7 x Idade (anos)

5. Alterações na Composição Corporal

Após os 18 anos de idade tanto homens quanto mulheres ganham progressivamente gordura corporal até sua quinta ou sexta década.

IMC – ÍNDICE DE MASSA CORPORAL
IMC = PESO/ ESTATURA2

IMC = 19 – 26 Faixa Normal IMC ≥ 27 Sobrepeso IMC < ou igual a 18 Abaixo do Normal podendo indicar perda de massa magra ou óssea.

Medida da Circunferência da Cintura Homens > 102cm Obesidade Mulheres > 88cm Obesidade

Relação Cintura-Quadril

Homens > 0,90 Mulheres > 0,85

Risco Aumentado

6. PROGRAMA DE EXERCÍCIOS
Modalidade Em grupo, visando a socialização, de acordo com as preferências do idoso.  Freqüência Mínimo 3x/semana  Duração de 30 a 90 minutos  Intensidade 55 a 85% Fcmáx

5. PROGRAMA DE EXERCÍCIOS
Treinamento de Força: grandes Força grupos musculares, 2 a 3 séries, 6 a 12 rep, 60% RM, 2 a 3 x/semana.  Exercícios aeróbios: envolvam grandes grupos musculares, caminhada, corrida, bicicleta, natação,dança, atividades lúdicas.  Flexibilidade: antes e após a atividade, 10 a 20 segundos.

BENEFÍCIOS FISIOLÓGICOS BENEFÍCIOS FISIOLÓGICOS RESULTANTES DA ATIVIDADE RESULTANTES DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR FÍSICA REGULAR

da força muscular  Aumenta a resist. aeróbia  Aumenta a flexibilidade  Aumenta o fluxo sanguíneo para os músculos

 Aumento

BENEFÍCIOS FISIOLÓGICOS RESULTANTES DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR

 Diminui lesões musculares

Melhora a coordenação  Redução da obesidade  Redução da pressão arterial

BENEFÍCIOS FISIOLÓGICOS RESULTANTES DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR

Melhora do perfil lipídico  Maior tolerância à glicose

AVALIAÇÃO

Quais os objetivos de realizarmos uma avaliação com o idoso antes de iniciar a atividade?

AVALIAÇÃO
     

Identificar doenças pregressas e atuais; Avaliar o estado nutricional; Observar o uso de medicamentos; Observar limitações músculo-esqueléticas; Observar o nível atual de aptidão física; Elaborar uma prescrição individualizada; que atenda às necessidades do idoso;

Avaliação de Força de Membros Inferiores Objetivo: Acessar força em membros inferiores Equipamento: Cronômetro e cadeira Tempo do teste: 30 segundos Antes do teste: realização de uma tentativa apenas para Familiarização. Procedimento: Instruir o participante a sentar na cadeira com as costas retas e sem encostar na mesma. Braços cruzados contra o peito. Ao sinal “FOI” o participante levanta até estender as pernas completamente e, então, retorna à posição inicial. Encorajá-lo a completar o máximo de subidas em 30 segundos. Resultado: o número total de vezes que o participante realizou o teste em 30 segundo.

Força

Avaliação de Força de Membros Superiores
Objetivo: Acessar força em membros superiores. Equipamento: halteres de 2.23 Kg para mulheres e 3.00 Kg para homens, cadeira, cronômetrro. Antes do teste: Uma ou duas tentativas para familiarização. Procedimento: Com o participante sentado na cadeira, coluna apoiada na mesma e com o peso na mão dominante perpendicular ao solo. Da posição inicial o participante deverá flexionar o cotovelo levando o peso até o ombro com a parte interna da mão voltada para cima. Resultado: O número total de vezes que o participante realizou o teste em 30 segundos.

Avaliação de Flexibilidade de Membros Superiores:
   

Objetivo: Acessar flexibilidade de membros superiores Equipamento: Régua ou fita métrica. Antes do teste: O participante faz duas tentativas para se familiarizar e decidir o braço dominante. Procedimento: Com o participante em pé e com a mão dominante sobre o mesmo ombro, palma da mão voltada para baixo e dedos estendidos, tentando alcançar o meio das costas tão longe quanto possível. O cotovelo fica em posicionado em direção ao teto. Peça ao participante para colocar o outro braço estendido atrás da cintura em direção ao centro das costas, com a palma da mão voltada para cima. Intenção: os dedos das duas mãos se encontrarem. Resultado: Realizar duas tentativas e registrar a melhor. Com a fita métrica determinar a distância que faltou para os dedos das duas mãos se encontrarem, e colocar um sinal “-“ na frente. Caso contrário determinar quantos centímetros e colocar o sinal “+” na frente.

FLEXIBILIDADE

Avaliação de Flexibilidade de Membros Inferiores:
  

Objetivo: Acessar flexibilidade de membros inferiores Equipamento: Régua ou fita métrica. Antes do teste: O participante realiza o movimento com as duas pernas a fim de observar o melhor resultado. A seguir realiza mais duas ou três vezes a fim de aquecer e familiarizar-se. Procedimento: Sentado na cadeira, o participante estará com um joelho flexionado e outro estendido. Tentará encostar os dedos da mão na ponta do pé que estiver com o joelho estendido. Caso seja o joelho direito, tentará encostar a mão direita. Resultado: Realizar duas tentativas e registrar a melhor. Com a fita métrica determinar a distância que falto para que os dedos da mão encontrassem os dedos do pé e colocar um sinal “-“ na frente. Caso a mão tenha passado da ponta do pé, determinar quantos centímetros e colocar o sinal “+” na frente. Observação: Colocar a cadeira contra a parede por medidas de segurança.

Avaliação da Agilidade e do Equilíbrio Dinâmico:

Objetivo: Acessar agilidade e equilíbrio dinâmico Equipamento: Cadeira, cone e cronômetro Antes do teste: Coloque uma cadeira contra a parede. Da parte dianteira da cadeira marque a distância de 2.44m e posicione um cone. Demonstre o teste ao participante e após faça-o praticá-lo somente uma vez. Fique sempre na distância média entre a cadeira e o cone para auxiliar o participante caso ele perca o equilíbrio. Procedimento: Instrua o participante a sentar nomeio da cadeira com as costas retas, mãos sobre as coxas. Um pé está levemente à frente do outro. Ao sinal “FOI” o participante levanta da cadeira, caminha tão rápido quanto possível e faz a volta ao redor do cone, voltando à posição inicial. Com o cronômetro registre o tempo necessário para a realização do teste.

Avaliação da Resistência Aeróbia

  

Objetivo: Acessar a resistência aeróbia Equipamento: Cronômetro e fita métrica Equipamento Antes do teste: Veja a distância média entre a crista ilíaca e teste patela e marque na coxa do avaliado. Esta deverá ser a altura em que ele/ela deverá elevar o joelho. Administre uma tentativa antes de iniciar o teste. Procedimento: Ao sinal “FOI” o participante inicia o teste Procedimento elevando alternadamente os joelhos, o número máximo de vezes. Resultado: Registre o número de vezes que o participante elevou o joelho direito, embora os dois joelhos tenham sido flexionados.

Avaliação da Resistência Aeróbia

Quem não sabe o que procura quando acha não sabe que encontrou!!!!!

Adriana

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->