Você está na página 1de 8

VISÃO DE GRUPOS

PEQUENOS
META DE ENSINO
Que o aluno compreenda a importância dos GP dentro do ministério.

INDICADORES
1. O aluno deve mencionar o fundamento bíblico dos GP.
2. O aluno deve explicar o que é um GP.
3. O aluno mencionará os propósitos de um GP.

FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA BÁSICA


Mateus 28:20 - ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho
ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século.
Atos 5:42 - E todos os dias, no templo e de casa em casa, não cessavam de
ensinar e de pregar Jesus, o Cristo.

FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA COMPLEMENTAR


Atos 2:41,42 - Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados,
havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas.

E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e


nas orações.

Atos 18:9-11 - 9 Teve Paulo durante a noite uma visão em que o Senhor lhe
disse: Não temas; pelo contrário, fala e não te cales;

10 porquanto eu estou contigo, e ninguém ousará fazer-te mal, pois tenho


muito povo nesta cidade.

11 E ali permaneceu um ano e seis meses, ensinando entre eles a palavra


de Deus.

Mateus 9:10 – E sucedeu que, estando ele em casa, à mesa, muitos


publicanos e pecadores vieram e tomaram lugares com Jesus e seus discípulos.
TEXTO CHAVE
“E percorria Jesus todas as cidades e aldeias, ensinando nas suas
sinagogas, pregando o evangelho do reino, e curando toda sorte de
doenças e enfermidades” (Mateus 9:35).

INTRODUÇÃO
Ao converter-se em um seguidor de Jesus Cristo, é importante que cada crente
descubra e desenvolva a importância de abrir sua casa para que na mesma
seja compartilhada a mensagem de Cristo e desta maneira o evangelho se
estenda entre seus familiares, parentes e vizinhos.
Deus deu uma visão em que se destaca o trabalho nos lares (visão dos grupos
pequenos), como uma estratégia básica para alcançar os perdidos para Cristo.
Essa estratégia, outorgada à igreja de hoje, tem um claro fundamento bíblico.
Atos capítulo 10 fala-nos do nascimento da igreja primitiva, relatando os
acontecimentos que tiveram lugar na casa de Cornélio, um homem gentílico,
que reuniu todos os seus familiares, amigos e conhecidos para ouvirem o
evangelho da parte de Pedro. A partir desse instante, as casas se
transformaram em lugares genuínos para a difusão da mensagem de Cristo e
mesmo para a realização de milagres no nome de Jesus, fortalecendo o corpo
de Cristo, que se estendeu por todo o mundo.

A visão dos grupos pequenos, tema central desta lição, permite que você
compreenda a importância desses grupos nas casas para compartilhar o
evangelho, e ponha em prática esta estratégia.

Também permite a maior multiplicação numérica e crescimento espiritual da


igreja em nossos dias, ao mesmo tempo que garante que as mais ricas
bênçãos alcancem os crentes, quando decidem abrir suas casas para o
funcionamento de um grupo.

DESENVOLVIMENTO DO TEMA

1. QUE SÃO OS GRUPOS PEQUENOS?


São: “Grupos integrados por pessoas que se reúnem no mínimo uma
vez por semana, com o propósito de desenvolver um crescimento
integral centrado na Palavra de Deus”.
Nesses grupos temos:
• Anfitrião (que oferece a casa)
• Líder (a pessoa capacitada para ser o dirigente)
• Líder auxiliar (que é a mão direita do líder)
• Participantes (todos os membros ativos e pessoas convidadas para a
reunião).
Os grupos constituem-se em pequenos centros de ensino das Escrituras de um
modo simples e prático, onde os assistentes são edificados, inclusive os que,
semana após semana, são ganhos para Cristo. Este princípio conserva-se
desde os tempos da igreja primitiva, quando o crescimento das congregações
deu-se a partir desse tipo de reunião.
“E divulgava-se a palavra de Deus, de sorte que se multiplicava muito
o número dos discípulos em Jerusalém e muitos sacerdotes obedeciam
à fé” (Atos 6:7).
“Como não me esquivei de vos anunciar coisa alguma que útil seja,
ensinando-vos publicamente e de casa em casa, testificando, tanto a
judeus como a gregos, o arrependimento para com Deus e a fé em
nosso Senhor Jesus” (Atos 20:20-21).

2. ANTECEDENTES BÍBLICOS DOS GRUPOS PEQUENOS


Essa estratégia aparece registrada, especialmente no Novo Testamento,
associada aos ministérios de Jesus e dos apóstolos.

A. JESUS MINISTROU CONTINUAMENTE NAS CASAS


Jesus obteve o maior número de seguidores, ministrando nas casas.
Publicanos, ladrões, prostitutas e muitas pessoas que foram menosprezadas
pela sociedade judaica, receberam bênçãos em suas casas.
“Ora, estando ele à mesa em casa, eis que chegaram muitos
publicanos e pecadores, e se reclinaram à mesa juntamente com Jesus
e seus discípulos” (Mateus 9:10).

B. JESUS OPEROU CURA NAS CASAS


Milagres e curas foram operadas por Jesus ao longo de Seu ministério e as
casas converteram-se em lugares nos quais o povo recorria para ser restaurado
fisicamente.
“Quando Jesus chegou à casa daquele chefe, e viu os tocadores de
flauta e a multidão em alvoroço, disse: Retirai-vos; porque a menina
não está morta, mas dorme. E riam-se dele” (Mateus 9:23-24).

C. JESUS USOU AS CASAS PARA FORMAR SEUS DOZE


O Senhor Jesus Cristo tão logo selecionou Seus doze, dedicou-se a formá-los e
a transmitir-lhes Seu caráter, e para este fim, aproveitou todo o instante em
que conviviam, inclusive nas casas.

Marcos 9:33-35

“33 Tendo eles partido para Cafarnaum, estando ele em casa,


interrogou os discípulos: De que é que discorríeis pelo caminho?

34 Mas eles guardaram silêncio; porque, pelo caminho, haviam


discutido entre si sobre quem era o maior.
35 E ele, assentando-se, chamou os doze e lhes disse: Se alguém
quer ser o primeiro, será o último e servo de todos.”

D. A CEIA DO SENHOR FOI COMPARTILHADA PELA PRIMEIRA VEZ EM


UMA CASA
A Ceia foi uma das ordenanças que Jesus deixou para Seus discípulos e,
portanto, constitui um dos principais atos comemorativos da igreja.
“Ora, no primeiro dia dos pães ázimos, vieram os discípulos a Jesus, e
perguntaram: Onde queres que façamos os preparativos para comeres
a páscoa? Respondeu ele: Ide à cidade a um certo homem, e dizei-lhe:
O Mestre diz: O meu tempo está próximo; em tua casa celebrarei a
páscoa com os meus discípulos” (Mateus 26:17-18).

E. O ESPÍRITO SANTO FOI DERRAMADO PELA PRIMEIRA VEZ EM UMA


CASA
No dia de Pentecostes, orando em um lugar chamado Cenáculo (em uma
casa), um grupo de homens comuns foram surpreendidos pela presença do
Espírito Santo, cumprindo-se desta maneira a promessa de Jesus.
“De repente veio do céu um ruído, como que de um vento impetuoso,
e encheu toda a casa onde estavam sentados. E lhes apareceram
umas línguas como que de fogo, que se distribuíam, e sobre cada um
deles pousou uma. E todos ficaram cheios do Espírito Santo, e
começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito lhes concedia
que falassem” (Atos 2:2-4).

F. A IGREJA FOI FUNDADA NAS CASAS


As casas foram o lugar selecionado pelos primeiros cristãos para compartilhar
os ensinos e perseverar na doutrina.
“e perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir
do pão e nas orações” (Atos 2:42).

G. O APÓSTOLO PAULO DESENVOLVEU SEU MINISTÉRIO EM ROMA EM UMA


CASA
Paulo, que de um perseguidor da igreja converteu-se em um firme seguidor de
Jesus Cristo e pregador do evangelho, quando esteve em Roma, fez seu
trabalho ministerial em uma casa.
Atos 28:30,31
“30 Por dois anos, permaneceu Paulo na sua própria casa, que
alugara, onde recebia todos que o procuravam,
31 pregando o reino de Deus, e, com toda a intrepidez, sem
impedimento algum, ensinava as coisas referentes ao Senhor Jesus
Cristo.”

3. IMPORTÂNCIA DOS GRUPOS PEQUENOS (GP)


Considero que abrir a porta de uma casa para que funcione um GP equivale a
levar a arca de Deus, para desde ali irradiar com a luz do evangelho a toda
uma vizinhança. Ao sermos fiéis no pouco (um GP) o Senhor confiar-nos-á o
muito.

A.UMA ESTRATÉGIA PARA O SUCESSO DA IGREJA ESTÁ NOS GRUPOS


PEQUENOS
Na medida em que a igreja se aproprie dessa visão e se esforce em
desenvolvê-la, o sucesso se apresentará no interior da congregação e ver-se-á
refletido no crescimento espiritual e numérico. O estabelecimento de grupos
pequenos facilita a formação e capacitação de discípulos que se encarregarão
de difundir a mensagem de Deus em todo o mundo.

B. OS GRUPOS PEQUENOS PERMITEM O CUIDADO DE PESSOA A PESSOA


Jesus sempre se preocupou em chegar às necessidades de cada pessoa, e
desenvolveu Seu ministério através do contato com o povo, sem a limitação do
recinto (Marcos 6:34- Ao desembarcar, viu Jesus uma grande multidão
e compadeceu-se deles, porque eram como ovelhas que não têm
pastor. E passou a ensinar-lhes muitas coisas). Grupos pequenos
permitem-nos agir da mesma maneira que Jesus fez; até o crente mais simples
pode reunir sua família e o líder pode exercer um cuidado direto com cada
pessoa.
Esse trabalho “de pastoreio” é feito mais facilmente quando não recai sobre
uma única pessoa. Quando um pastor consegue envolver a igreja no trabalho
de grupos pequenos, os resultados são excelentes e cada membro da
congregação sentir-se-á sempre atendido em suas necessidades básicas. ISSO
NÃO ISENTA O PASTOR DA IGREJA DO TRABALHO, É TÃO SOMENTE UM AUXÍLIO
AO PASTOR PARA QUE O TRABALHO SEJA REALIZADO.
Atos 6:1-6
1 Ora, naqueles dias, multiplicando-se o número dos discípulos,
houve murmuração dos helenistas contra os hebreus, porque as
viúvas deles estavam sendo esquecidas na distribuição diária.
2 Então, os doze convocaram a comunidade dos discípulos e
disseram: Não é razoável que nós abandonemos a palavra de Deus
para servir às mesas.
3 Mas, irmãos, escolhei dentre vós sete homens de boa reputação,
cheios do Espírito e de sabedoria, aos quais encarregaremos deste
serviço;
4 e, quanto a nós, nos consagraremos à oração e ao ministério da
palavra.
5 O parecer agradou a toda a comunidade; e elegeram Estêvão,
homem cheio de fé e do Espírito Santo, Filipe, Prócoro, Nicanor,
Timão, Pármenas e Nicolau, prosélito de Antioquia.
6 Apresentaram-nos perante os apóstolos, e estes, orando, lhes
impuseram as mãos.
C. OS PEQUENOS GRUPOS FORTALECEM A IGREJA
No interior de um GP cumpre-se com um trabalho evangelístico porque novas
pessoas são convidadas cada semana e estas podem ser ganhas para Cristo.
Também edifica-se o novo crente através do ensino da Palavra para que
chegue a ser instrumento útil, quando o GP se multiplicar (1 Pedro 5:10 -
Ora, o Deus de toda a graça, que em Cristo vos chamou à sua eterna
glória, depois de terdes sofrido por um pouco, ele mesmo vos há de
aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar).

D. É A FORMA DE SUPRIR AS NECESSIDADES DE CADA PESSOA


Os membros de cada congregação não somente têm necessidades de caráter
espiritual, emocional como também material. As reuniões dos GP contribuem
para a satisfação de suas necessidades tal como ocorria na igreja primitiva
(Atos 2:44-47 - 44 Todos os que creram estavam juntos e tinham
tudo em comum.
45 Vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo o produto
entre todos, à medida que alguém tinha necessidade.
46 Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de
casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de
coração,
47 louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo.
Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam
sendo salvos.).

4. PROPÓSITOS DOS GRUPOS PEQUENOS


• Abrir as portas para que nossos familiares sejam salvos (Atos 2:10);
“piedoso e temente a Deus com toda a sua casa e que fazia muitas
esmolas ao povo e, de contínuo, orava a Deus.”
• Permitir que as pessoas se relacionem com a liderança (Mateus 9:10).
“E sucedeu que, estando ele em casa, à mesa, muitos publicanos e
pecadores vieram e tomaram lugares com Jesus e seus discípulos”
• Dar a oportunidade de receber o toque de Deus (Lucas 5:19-20).
“19 E, não achando por onde introduzi-lo por causa da multidão,
subindo ao eirado, o desceram no leito, por entre os ladrilhos, para o meio,
diante de Jesus.
20 Vendo-lhes a fé, Jesus disse ao paralítico: Homem, estão
perdoados os teus pecados.”

CONCLUSÃO
Grupos Pequenos constitui uma estratégia de Deus para o crescimento
quantitativo E qualitativo da igreja em nosso tempo, com antecedentes desde
a igreja primitiva. Os pequenos grupos se reúnem semanalmente, para
compartilhar a Palavra de Deus e adorá-Lo enquanto cada um é assistido de
maneira direta, tendo satisfeitas suas necessidades básicas e urgentes.

APLICAÇÃO
1. Se ainda não fez, procure abrir sua casa para que nela funcione um GP,
tendo em conta que isto equivale a levar a arca de Deus até seu lar.
2. Envolva-se nessa estratégia de sua igreja convidando semanalmente
familiares, amigos e vizinhos para participar da reunião.

AVALIAÇÃO
Cada indicador deve ser avaliado conscientemente dada a importância deste
tema para a liderança. Pode ser por meio de um exercício ou de uma Tarefa
para revisar. É necessário que o aluno compreenda realmente o fundamento
bíblico dos Grupos Pequenos e os quatro passos da Escada de Sucesso.

RECOMENDAÇÕES
Bíblicas
Uma análise do livro de Atos é fundamental para entender e explicar o
funcionamento dos Grupos Pequenos. O professor deve estudar
profundamente. O fundamento bíblico deve ser amplamente explicado.

Metodológicas
O método de perguntas e respostas deve ser combinado com o de Palestra
para o desenvolvimento da aula. Despertar o interesse dos alunos para
submergir no fundamento bíblico da visão. Utilizar auxílio visual para a
explicação dos temas.

TAREFA
 Escreva os degraus da “Escada de Sucesso”;
 O que você crê serem as vantagens do funcionamento de um grupo
pequeno?
QUESTIONÁRIO
1. Qual foi a estratégia que Deus nos deu para alcançar as multidões?

2. Segundo Atos capítulo 10, como se deu o início da Igreja?

3. O que você crê serem as vantagens do funcionamento de um grupo


pequeno?

4. O que é um grupo pequeno?

5. Como é constituído um grupo pequeno?

6. Segundo Mateus 9:23-24, o que caracterizou o Ministério de Jesus?

7. Segundo Atos 2:2-4, onde o Espírito Santo foi derramado pela primeira vez?

8. Leia Atos 2:44-47 e descreva com suas próprias palavras o que fazia com
que a cada dia fossem acrescentados à Igreja os que haviam de ser salvos.

9. Quais são os propósitos dos grupo pequeno?