EFEITOS VISUAIS E UMA ARQUEOLOGIA CINEMATOGRÁFICA.

Daniel Petry Doutorando - UNISINOS - RS Orientador: Gustavo Fischer Grupo TCAV.com.br danielpetry@gmail.com

Arqueologia • 4.Panorama • 3.ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO • 1.Bibliografia. • 5. da mídia. • 7. da pesquisa.Efeitos visuais. . • 2.Empíricos.Recorte do artigo.Conclusão. • 6.

os estudos de cultura do software. softwares culturais e novas mídias são as principais referências entre a pesquisa desenvolvida durante o mestrado e o projeto de pesquisa que pretendemos desenvolver no doutorado.1. RECORTE •O presente artigo é um recorte da dissertação de mestrado intitulada "01010110 01000110 01011000: EFEITOS VISUAIS E SOFTWARES NO CINEMA DA NOVA HOLLYWOOD". • Ele •A . arqueologia. trata do movimento de inspiração arqueológica para as análises realizadas no desenvolvimento da pesquisa.

suportes e temáticas. os efeitos visuais e os softwares. analisados filmes de diferentes épocas. as análises foram utilizados materiais além dos filmes. PANORAMA DA PESQUISA •A pesquisa da qual este artigo parte teve como objetivo entender as relações existentes entre o cinema da NovaHollywood.2. • Foram • Para .

3. ARQUEOLOGIA DAS MÍDIAS Manovich (2002) Zielinski (2002) .

3. ARQUEOLOGIA DAS MÍDIAS Manovich (2002) Zielinski (2002) Foucault (1987) .

ARQUEOLOGIA DAS MÍDIAS Manovich (2002) Zielinski (2002) Foucault (1987) A principal filiação das arqueologias de mídias à foucaultiana está em não se obrigar em encontrar a gênese dos objetos estudados ou em relacionar os fatos estritamente cronológicos com a história (ERNST. 2006). .3.

estando. ARQUEOLOGIA DAS MÍDIAS Kittler critica a arqueologia do saber de Foucault por limitar-se a uma época em que ocorria somente a inserção de mídias escritas em bibliotecas (CHUN apud KITTLER.3. a partir de onde nos afiliamos as ideias de Mirzoeff (1999) ao considerarmos que o mundo trabalha de forma cada vez mais visual. Manovich (2002) Zielinski (2002) Foucault (1987) . 2010). portanto fora de sincronia com o proposto nesta pesquisa sobre audiovisualidades.

ARQUEOLOGIA DAS MÍDIAS Manovich (2002) Zielinski (2002) .3.

simples ao complexo. metáforas e iconografia que foram – e ainda são – usadas para descrever o progresso. mas encontremos algo novo no velho. (p. Junto com todas as imagens. do inferior ao superior.19) A noção de progresso contínuo. (p.22) ZIELINSKI 2002 .Não procuremos o velho no novo. deve ser abandonada.

4. EFEITOS VISUAIS Efeitos especiais. Estas são todas técnicas físicas e são normalmente chamadas de efeitos “especiais” ou “físicos”. preencher o set com fumaça ou água ou ainda erguer a câmera a uma altura excepcional. Ironicamente os chamados efeitos “visuais” não são necessariamente visíveis ao observador leigo. Atear fogo ao plano que está no fundo ou na frente do objeto. Qualquer pessoa que fique ao lado da câmera ou dentro do set de filmagens poderia perceber e identificar estes efeitos facilmente. . Todos estes componentes podem modificar a imagem e são imperceptíveis para quem está no set (MITCHEL. filmar utilizando uma velocidade diferente da comum ou interferir de qualquer modo na imagem capturada antes de ser apresentada. 2004. filtrar a luz de uma maneira especial. ocorrem quando são feitas mudanças físicas em qualquer elemento ou interface do processo de captação da imagem. como definidos atualmente. Eles podem ser definidos como componentes de um processo fotográfico que são utilizados ou modificados com a intenção de alterar de alguma forma incomum a passagem da luz para a criação da imagem. Então é possível substituir o plano no fundo do objeto com uma fotografia. utilizar máscaras e filtros. p. 8-9).

2001-2003) (James Cameron. 1977) • Guerra •O Senhor dos Anéis (Peter Jackson. 2009) • Avatar . 1992) homme de têtes (Georges Méliès. 1896) nas Estrelas (George Lucas.5. EMPÍRICOS ANALISADOS • Forrest • Un Gump (Robert Zemeckis.

FORREST GUMP .

UN HOMME DE TÊTE .

.SOBREPOSIÇÃO DE IMAGENS.

Apesar das sobreposições realizadas em Forrest Gump terem uma maior precisão técnica que as do filme de Méliès. comprovando que os efeitos visuais não são um fruto da atualidade e que seu uso está presente no cinema desde o princípio. . tanto porque qualquer julgamento de valor não cabe aos pesquisadores como porque não temos como recriar as condições tecnológicas e sociais existentes para sabermos o quão bem o público aceitava as peripécias de Méliès como próximas ao referencial de realidade. não podemos considerá-las melhores ou piores. é um dos objetivos das arqueologias midiáticas. no caso considerando o cinema digital e analógico como mídias semelhantes mas não iguais. CONCLUSÃO Temos a potência dos efeitos visuais utilizados em Forrest Gump já presentes 96 anos antes de seu lançamento no filme de Georges Méliès. A relação entre as técnicas dos filmes já nos basta para entender que a utilização dos efeitos visuais está presente no cinema desde seus primórdios e independentemente de relações com gêneros e temáticas. Entender a formação das mídias e o que elas devem a suas antecessoras.6.

Roberto. André. visual. Visual effects cinematography. Kristin. 2004. 2006. A dupla hélice. Annablume. Mitch. Nicholas. p. New York: McGraw Hill. Optical media. THOMPSON. Oxford: Focal Press. p. 2010. ERNST.105.K. Thomas (Orgs. CHUN.105. New Media old media. Siegfried. David.K. KEENAN. The language of new media. Godard. New York: Routledge. BELLOUR. MANOVICH. Thomas (Orgs. KITTLER. Wndy H. Friedrich. 2010. 2005.. Philippe. vídeo. 1993. PUCRS. Oxford: Focal Press. OxFordL Blackwell. Wndy H. Imagem máquina.. Arqueologia da mídia: em busca do tempo remoto das técnicas do ver e do ouvir. Cambridge: MIT Press. Art. . history. 1999. Tese (Doutorado em Comunicação Social) – Faculdade de Comunicação Social. 2004. MITCHEL. Cambridge: Polity Press. Visual effects for film and television. Rio de Janeiro: 34. 2002. An Introduction to visual culture. 2000. Lev.). BIBLIOGRAFIA BORDWELL.7. 2006. DUBOIS. Porto Alegre. Deborah. Film history: an introduction. Zoran. PARENTE. ZIELINSKI. 2006. New York: Routledge. KEENAN. Raymond.). Efeitos visuais como elementos de construção da narrativa cinematográfica em King Kong. Wolfgang. 205 f. 2010. New Media old media. London and New York: Routledge. Does the archive become metaphorical in multi-media space? In: CHUN. culture. TIETZMANN. Cinema. São Paulo: Cosac Naify. PERISIC. MIRZOEFF. 2002. CHERRY.

com.EFEITOS VISUAIS E UMA ARQUEOLOGIA CINEMATOGRÁFICA. Daniel Petry Doutorando .UNISINOS .com .br danielpetry@gmail.RS Orientador: Gustavo Fischer Grupo TCAV.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful