Você está na página 1de 70

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

2

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

BIBLIOLOGIA – VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA UMA ESCOLA SEM PAREDES E SEM FRONTREIRAS 3 THEOLOGIA ONLINE

UMA ESCOLA SEM PAREDES E SEM FRONTREIRAS

3

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

EAD

(EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA)

VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA EAD (EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA) www.theologiaonline.org theos@theologiaonline.org 4

4

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

BIBLIOLOGIA – VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA 5 THEOLOGIA ONLINE – LIVING STONES MINISTRY
BIBLIOLOGIA – VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA 5 THEOLOGIA ONLINE – LIVING STONES MINISTRY

5

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

Sumário

Capítulo 01

BIBLIOLOGIA

Capítulo

02

A ESCRITA

Capítulo

03

A BÍBLIA COMO LIVRO

Capítulo

04

AS LÍNGUAS ORIGINAIS

Capítulo

05

OS ESCRITORES

Capítulo

06

A ESTRUTURA DA BÍBLIA O VELHO TESTAMENTO

Capítulo

07

A ESTRUTURA DA BÍBLIA O NOVO TESTAMENTO

Capítulo

08

A BÍBLIA HEBRAICA E A VULGATA LATINA

Capitulo

09

CAPÍTULOS E VERSÍCULOS PESOS E MEDIDAS

Capítulo

10

A BÍBLIA EM PORTUGUÊS

6

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

7

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

CAPÍTULO 01

BIBLIOLOGIA

– VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA CAPÍTULO 01 B IBLIOLOGIA "No princípio era o Verbo, e o

"No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus." João 1:1

A Bíblia é o livro sagrado do Cristianismo. Ela é o livro mais famoso e mais produzido no mundo. Seus 66 livros foram escritos por mais de 40 pessoas, das mais diferentes profissões, culturas e nacionalidades, durante um perí- odo de cerca de 1.500 anos.

Nela se encontram os mais variados gêneros literários, como histórias, bio- grafias, leis, poesias, hinos, canções, provérbios, cartas, sermões, profecias e visões, que mostram como Deus se relaciona com a humanidade. Sua in- crível uniformidade faz da Bíblia um livro singular, que só poderia ter sido escrito sob inspiração divina.

De fato, ela mesma reivindica uma inspiração especial de Deus: a expressão "e Deus disse", ou equivalente, ocorre mais de 2.600 vezes.

Que é a Bíblia? Um simples olhar lançado sobre o índice basta para ver que ela é uma "biblioteca", uma coleção de livros muito diversos. Quando se

8

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

consultam as introduções a esses livros, a primeira impressão se confirma:

distribuindo-se por mais de dez séculos, os livros provêm de dezenas de au- tores diferentes; uns estão escritos em hebraico (com certas passagens em aramaico), outros em grego; apresentam gêneros literários tão diversos quanto a narrativa histórica, o código de leis, a pregação, a oração, a poe- sia, a carta, o romance.

"Nascida no Oriente e vestida de formas e imagens orientais, a Bíblia per- corre as estradas do mundo inteiro, familiarizada com os caminhos por aonde vai; penetra nos países, um após outro, para em toda parte sentir-se bem, como em seu próprio ambiente. Aprendeu a falar ao coração do ho- mem em centenas de línguas. As crianças ouvem suas histórias com admi- ração e prazer, e os sábios ponderam-nas como parábolas de vida. Os maus

e os soberbos estremecem com os seus avisos, mas aos ouvidos dos que

sofrem e dos penitentes sua voz tem timbre maternal. A Bíblia está entre- tecida nos nossos sonhos mais queridos, de sorte que o amor, a amizade, a simpatia, o devotamento, a saudade, a esperança, cingem-se com as belas

vestimentas de sua linguagem preciosa. Tendo como seu esse tesouro, nin- guém é pobre nem desolado. Quando a paisagem escurece, e o peregrino, trêmulo, chega ao vale da sombra, não teme nele entrar: empunha a vara e

o cajado da Escritura: diz ao amigo e companheiro - Adeus, até breve. Mu- nido desse apoio, avança pela passagem solitária como quem anda pelo meio de trevas em demanda da Luz".

Henry Van Dyke

Deus criou o homem para manter um relacionamento de profunda comu- nhão. No desejo de se revelar ao homem, o Senhor Deus lhe comunica o Seu conhecimento falando de três formas:

Através da voz da natureza (S119.1-4; Rm 1.20), (S119.1-4; Rm 1.20),

Por meio da Sua Palavra escrita (Mt 4.1-11; Ap 1.10,11), e, por fim, (Mt 4.1-11; Ap 1.10,11), e, por fim,

9

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

BIBLIOLOGIA – VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA Deus fala por intermédio do Seu Filho Amado, JESUS, a

Deus fala por intermédio do Seu Filho Amado, JESUS, a Palavra Viva que se fez carne e habitou entre nós (Hb

1.1,2).

O nosso estudo procura abordar a Palavra Escrita. A Bíblia esta resumida

em tema central: a história do plano de Deus que visa a redenção do ho- mem, prisioneiro do pecado, por meio da morte expiatória e ressurreição de Jesus Cristo, o Filho eterno do Deus Vivo.

A primeira porção da Bíblia conta a história de muitos povos e em particu-

lar a história do povo de Israel. Com frequência eles tiveram que enfrentar

os mesmos problemas que eu e você temos de enfrentar hoje em dia. E muitas vezes reagiram da mesma maneira que nós! Ora confiaram em Deus, ora duvidaram dEle. Viram seus poderosos milagres, mas precisaram da segurança da Sua presença. Era o Seu povo escolhido, mas com fre- quência tiveram que enfrentar testes e dificuldades.

Todo aquele que teve um encontro real com o SENHOR JESUS deve procu- rar conhecer também a Sua Palavra (Bíblia), A Bíblia, ao mesmo tempo em que é fonte para a vida espiritual, é também uma ferramenta de suma im-

portância para a edificação da Igreja. Uma igreja onde os membros são bem alimentados (instruídos) na Palavra (Dt 8.3), passa a conhecer melhor

o seu Deus, a ter maior intimidade e, como consequência, torna-se um po-

vo forte e ativo (Dn 11.32). Por outro lado, o povo que não conhece a Pala- vra de Deus, pode ser destruído pelo diabo (Os 4.6a,14b), erra constante- mente (Mt 22.29), e facilmente será levado de um lado para outro sob qualquer vento de doutrina (Ef 4.14). O reitor de uma grande Universidade afirmou: "Estou convicto do valor de uma educação universitária para ho- mens e mulheres. Mas creio que o conhecimento da Bíblia sem um Curso Superior é mais valioso do que um Curso Superior sem a Bíblia."

Devemos ter sede e fome pela Palavra de Deus a ponto de explodirmos em gozo e exclamarmos como o Salmista no Salmo 119.97-100:

97 Quanto amo a tua lei! É a minha meditação, todo o dia!

10

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

98 Os teus mandamentos me fazem mais sábio que os meus inimigos; porque, aqueles, eu os tenho sempre comigo. 99 Compreendo mais do que todos os meus mestres, porque medito nos teus testemunhos. 100 Sou mais prudente que os idosos, porque guardo os teus preceitos”.

O estudante da Bíblia deve ter o cuidado de não ceder à tentação de estu- dar assuntos isolados dos Livros Sagrados sem ter um conhecimento geral do todo. O estudo esfacelado só traz prejuízos, pois, defrauda o estudante que não aproveitara em nada as horas de estudo. Há muita gente preocu- pada em estudar Escatologia (estudo das ultimas coisas), quando ainda não conhece os livros da Bíblia e a história da redenção. Todo estudo deve ser sistemático.

Conhecer a Bíblia sem conhecer o Espírito Santo que a inspirou, leva o ho- mem ao formalismo. Conhecer o Espírito Santo e não conhecer a Bíblia leva o homem ao fanatismo. Em nossa mente deve estar sempre viva a exorta- ção do Senhor Jesus: "Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus" (Mt 22.29). Ao estudar a Bíblia há o grande privilegio de se ter o Autor ao lado para esclarecer duvidas e orientar nas questões obscuras (Jo 16.13). O brado de alerta do profeta Oséias continua ecoando nos quatro cantos da terra: "Conheçamos/ e prossigamos em conhecer ao penhor" (Os 6.3a).

11

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

CAPÍTULO 02

A ESCRITA

– VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA CAPÍTULO 02 A E SCRITA I. OS LIVROS ANTIGOS A. A

I. OS LIVROS ANTIGOS

A. A ESCRITA

Cria-se que a escrita fora desconhecida nos primórdios da história, porém, a pá dos arqueólogos vem-nos revelar que registros escritos de importantes acontecimentos foram feitos desde a alvorada da his- tória.

1. ESCRITOS ANTEDILUVIANOS

Há uma tradição entre os árabes e judeus de que Enoque foi o in- ventor da escrita. A arqueologia revelou que um antigo rei babilô- nico gostava de ler os escritos da época do dilúvio. Assurbanipal, fundador da grande biblioteca de Nínive, referiu-se a inscrições de antes do Dilúvio.

O Dr.Langdon, encontrou em QUIS, uma placa pictográfica com

inscrições pré-diluviana.

O Dr.Woolley, achou em UR, sinetes de origem antediluviana com

12

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

escritos primitivos, representando o nome de uma pessoa e iden- tificando uma propriedade, etc.

2. O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA

a. ESCRITA PICTOGRÁFICA

Eram marcas, sinais e figuras que foram usadas para registrar ideias, palavras e combinações de palavras. Provavelmente, Deus tenha sido o primeiro a usar a "escrita pictográfica", ao deixar um sinal em Caim (Gn 4.15).

b. ESCRITA CUNEIFORME

Eram marcas ou sinais que representavam partes de palavras ou sílabas. Havia mais de 500 marcas diferentes que formavam aproximadamente 30.000 combinações.

c. ESCRITA ALFABÉTICA

Foi o grande avanço da escrita, onde as marcas passaram a re- presentar parte de sílabas ou letras, na qual, com 26 marcas di- ferentes podia-se expressar todas as diferentes palavras do sis- tema cuneiforme. A escrita alfabética começou antes de 1.500 a.C. O mais primitivo escrito alfabético foi encontrado na regi- ão onde Moisés passou 40 anos. A inscrição data de alguns anos antes de Moisés.

3. LIVROS PRÉ-ABRAAMICOS

Os centros de população mais antigos, após o dilúvio, ficavam na Babilônia, Quis, Ereque, Lagás, Acade, Ur, Eridu, Nípur, Larsa e Fa- rá. Nas ruínas destas cidades, as escavações arqueológicas encon- traram milhares de livros, escritos em pedras ou placas de barro antes da época de Abraão. Os cinco mais famosos estão relacio- nados abaixo.

a. PLACA DE FUNDAÇÃO DE ANIPADA

13

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

É uma placa de mármore contendo a seguinte inscrição: "Ani-

pada, rei de Ur, filho de Messanipada, construiu este (templo) para sua senhora Nin-Kharsag (deusa-mãe)".

b. RETRATO DA FAMÍLIA UR-NINA

É uma placa contendo a família do rei de Lagas com inscrições explicativas.

c. ESTELA DE EN-HEDU-ANA

É uma placa com uma inscrição dizendo que a filha de Sargão era sacerdotisa da deusa lua em Ur.

d. ESTELA DOS ABUTRES DE EDNATUM

É uma placa onde se encontra registrada a vitória contra os elamitas e o método de combate.

e. ESTELA DE UR-NAMUR

É uma laje de três metros de altura por um metro e sessenta e cinco centímetros de largura (3 m x 1,65 m), que descreve a construção do Zigurate, no auge da glória de Ur.

B. MATERIAIS PARA A ESCRITA

Quase toda superfície lisa era empregada como material para escre- ver:

1. PEDRA

Inscrições eram entalhadas em superfície de pedras ou rochas (Jó 19.23,24; Dt 27.2,3; Js 8.32). Deus mesmo usou tábuas de pedra (heb. LUHOTH = tabletes), para escre- ver os "Dez Mandamentos" (Êx 31.15,16). Os tabletes tinham formas retangulares e mediam aproximada-

31.15,16). Os tabletes tinham formas retangulares e mediam aproximada- 14 THEOLOGIA ONLINE – LIVING STONES MINISTRY

14

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

mente 45 centímetros de comprimento por 30 centímetros de lar- gura (45 cm x 30 cm). Na Palestina já usavam desses tabletes des- de o segundo milênio a.C.

2. TABUINHAS DE ESCREVER

Provavelmente eram pranchetas feitas de madeira ou marfim. Fo- ram usadas por Isaías (Is 30.8) e Habacu- que (Hc 2.2). A mais antiga tabuinha até o momento encontrada, em NIRUND, na Assíria, acha-se inscrita com uma longa composição de 6.000 linhas e é datada de

cerca de 705 a.C

As tabuinhas foram as precursoras dos quadros

negros. Eram muito empregadas no mundo greco-romano (Lc 1.63

- gr.: pinakidion - uma pequena tabuinha de escrever).

1.63 - gr.: pinakidion - uma pequena tabuinha de escrever). 3. TABLETES DE ARGILA Eram placas

3. TABLETES DE ARGILA

Eram placas ou tijolos (heb.: LEBHENÃ) de argila semelhantes aos tabletes usados para planejamento ou pesquisas na Babilônia, muito parecido com uma telha plana. Foi empregado por Ezequiel (Ez 4.1).

com uma telha plana. Foi empregado por Ezequiel (Ez 4.1). 4. OSTRACAS Cacos de vasos ou

4. OSTRACAS

Cacos de vasos ou ostracas era outro material de escrita bastante comum. Cacos usados para registros de negócios e memorando foram encon- trados em Samaria, perten-

à época de Jeroboão II.

centes
centes

15

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

5. PAPIRO

Era extraído de uma planta aquática do mesmo nome, parecido com o junco. A entrecasca era retira- da em forma de tiras e colocadas na vertical (justapostas), depois coloca- va-se outras tiras na horizontal, en- tão, batia-se com um martelo de ma- deira até formar uma placa única que servia de escrita. Do papiro deriva o

termo "papel". Seu uso na escrita vem de 3.000 a.C

menções desse material na Bíblia (Êx 2.3; Jó 8.11; Is 18.2; II Jo 12).

Há várias

(Êx 2.3; Jó 8.11; Is 18.2; II Jo 12). Há várias 6. PERGAMINHO É a pele

6. PERGAMINHO

É a pele de animais curtida e preparada para escrita. Um pedaço de pergaminho, usualmente media 25 centí- metros de largura por 10 centímetros de com- comprimento (25 cm x 10 cm). É um material superior ao papiro, porém de uso mais recen- te (cerca de 1288 a.C.), Foi pouco usado pe- los egípcios e babilônicos, mas de largo em- prego entre os hebreus. Paulo fez uso de pergaminhos (// Tm 4.13)

Obs.: Essas informações complementares são apenas para mostrar como, no início da história humana, os homens registravam os even- tos importantes. Podemos deduzir que alguns eventos do livro do Gênesis foram registrados e, Moisés os utilizou. Em Gênesis 5.1, Moi- sés cita o livro da genealogia de Adão, escritos que provavelmente chegou até ele.

livro da genealogia de Adão, escritos que provavelmente chegou até ele. 16 THEOLOGIA ONLINE – LIVING

16

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

17

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

CAPÍTULO 03

A BÍBLIA COMO LIVRO

PANORÂMICA DA BÍBLIA CAPÍTULO 03 A B ÍBLIA COMO L IVRO A. EM QUEM TEVE ORIGEM

A. EM QUEM TEVE ORIGEM A BÍBLIA?

Todos estes livros provêm de homens com uma convicção comum:

Deus os destinou a formar um povo que toma lugar na história com legislação própria e normas de vida pessoal e coletiva. Foram todos testemunhas daquilo que Deus fez por esse povo e com ele. Relatam os apelos de Deus e a reação dos homens (indagações, queixas, lou- vor, ações de graça).

Este povo posto a caminho por Deus foi primeiramente Israel, que apareceu na história por volta de 1200 a.C., envolvido - como todos os povos vizinhos - nos movimentos que agitaram o Oriente Próximo até os inícios da nossa era. No entanto, sua religião o tornava um po- vo à parte. Israel conhecia um único Deus, invisível e transcendente:

o SENHOR.

Exprimia a relação que o unia ao seu Deus com um termo jurídico: a Aliança. Submetia toda a existência à Aliança e à Lei que dela decor- ria, e seu modo de vida se tornava cada vez mais contrastante com o das outras nações. Toda a parte hebraica da Bíblia se refere à Aliança,

18

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

tal como foi vivida e pensada por Israel até o século II a.C

O antigo povo judaico, cuja dispersão se acelerou com a destruição de seu centro religioso, Jerusalém, em 70 e 135 d.C., prolonga-se na comunidade judaica, cuja história movimentada e frequentemente trágica se desenvolve na maior parte do tempo em terra de exílio. As diversas tendências que o animam, todas têm por fundamento a Es- critura e notadamente a Lei, venerada como a própria palavra do Se- nhor.

Os judeus a leem e sobre ela fundamentam sua prática no quadro de tradições que, lançando raízes na vida do antigo Israel, foram redigi- das após a ruína da nação e inseridas na literatura rabínica.

Ao mesmo tempo em que viu o desaparecimento da nação judaica, o século I assistiu ao nascimento da comunidade cristã, que se afastou progressivamente do judaísmo.

Para os cristãos, a história do povo de Deus tinha encontrado cum- primento em Jesus de Nazaré; foi por Ele que Deus reuniu as pessoas de todas as origens para formar um povo regido por uma nova Alian- ça, um novo Testamento. Era uma aliança definitiva; em contraparti- da, fazia da Aliança que regia Israel uma etapa que, embora indispen- sável, estava destinada a ser superada.

Os cristãos denominaram-na de antiga Aliança e deram ao conjunto dos livros bíblicos recebidos de Israel o nome de Antigo Testamento (2 Co 3.14), enquanto os livros que falavam da pessoa e da mensa- gem de Jesus formavam o Novo Testamento.

Os discípulos de Jesus e seus sucessores imediatamente que redigi- ram o Novo Testamento viam em Jesus aquele que concretizaria a esperança de Israel e responderia à expectativa universal tal qual ex- pressa no seio desse próprio povo. Com toda naturalidade, utilizaram a linguagem dos livros sagrados de Israel com toda a sua densidade histórica e experiência religiosa acumulada no decorrer dos séculos.

19

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

Consequentemente, a comunidade cristã reconheceu no Antigo tes- tamento a palavra de Deus. As Escrituras judaicas vieram a ser, en- tão, a primeira Bíblia dos cristãos. Mas, iluminado pela fé em Jesus Cristo, o Antigo Testamento tomou um sentido novo para eles, tor- nou-se como que um novo livro.

Assim, judeus e cristãos se vinculam à Bíblia, mas não a lêem com os mesmos olhos. Não obstante ela continua a convidar os homens e mulheres de todos os países e de todos os tempos a ingressar no po- vo dos que buscam a Deus no seguimento dos patriarcas, dos profe- tas, de Jesus e de seus discípulos. Livro do povo de Deus, a Bíblia é o livro de um povo ainda a caminho.

Ler a Bíblia.

Os livros da Bíblia são a obra de autores ou redatores reconhe- cidos como portadores da palavra de Deus no meio de seu po- vo. Muitos dentre eles ficaram no anonimato. De qualquer modo, não estavam isolados: eram conduzidos pelo povo cujas vidas, preocupações, esperanças partilhavam, mesmo quando

se erguiam contra ele.

Boa parte de sua obra se inspira nas tradições da comunidade. Antes de receber forma definitiva, estes livros circularam du- rante muito tempo entre o público e apresentam os vestígios das reações suscitadas em seus leitores, sob a forma de reto- ques, anotações e até de reformulações mais ou menos impor- tantes. Os livros mais recentes são por vezes reinterpretação e atualização de livros mais antigos (como, por exemplo, as Crô- nicas, com relação a Samuel e Reis).

A Bíblia está profundamente marcada pela cultura de Israel,

povo que teve, como todos os outros, um modo próprio de compreender a existência, o mundo que o circundava, a condi- ção humana. Exprime sua concepção do mundo, não numa fi-

a condi- ção humana. Exprime sua concepção do mundo, não numa fi- 20 THEOLOGIA ONLINE –

20

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

BIBLIOLOGIA – VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA losofia sistemática, mas em costumes e instituições, em rea- ções

losofia sistemática, mas em costumes e instituições, em rea- ções espontâneas dos indivíduos e do povo, através das carac- terísticas originais de sua língua. A cultura hebraica evoluiu no decorrer dos séculos, conservando, porém, determinadas constantes.

A civilização de Israel tem muitos pontos em comum com as ci-

vilizações dos outros povos do antigo Oriente. Apesar disso, o antigo Oriente não explica tudo na Bíblia; a linguagem dos li- vros foi modelada pela história própria de Israel, única em seu

gênero. Muitas das palavras da Bíblia - particularmente no No- vo testamento - estão carregadas de uma experiência religiosa milenar. Para detectar toda sua riqueza, é preciso levar em consideração o contexto de toda a Bíblia e da vida das comuni- dades que prolongam a existência do antigo Israel.

Isto explica por que, muitas vezes, é difícil para o homem de hoje compreender plenamente a Bíblia. Entre ela e ele se in- terpõe uma distância considerável: o afastamento no tempo, a diferença de cultura e, mais profundamente, a distância que um texto escrito sempre introduz entre a mensagem original e

o leitor.

Para reduzir a distância, recorre-se à exegese, isto é, a uma ex- plicação do texto. Cada época teve seus métodos. De dois ou três séculos para cá, o Ocidente viu desenvolver-se uma exege- se histórica, à qual a civilização técnica forneceu instrumentos (especialmente a arqueologia científica). Sua intenção é esta- belecer com exatidão o texto bíblico, compreender exatamen- te o sentido das palavras, situar o texto em seu ambiente ori- ginal. É o resultado deste vasto trabalho que as introduções e as notas de A Bíblia - Tradução Ecumênica resumem.

A Bíblia, Palavra de Deus.

21

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

Quem lê a Bíblia constata que não constitui simplesmente um

antigo tesouro literário ou uma mina de documentação sobre a história das ideias morais e religiosas de um povo. A Bíblia não

é somente um livro no qual se fala de Deus; ela se apresenta como um livro no qual Deus fala ao homem, como atestam os autores bíblicos:

Não se trata de uma palavra sem importância para vós: é vossa vida (Dt 32.47). Estes sinais foram escritos neste livro para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais a vida em seu nome (Jo 20.30-31).

Nenhuma leitura poderá desconhecer essa função do texto bí- blico, essa interpelação constante, essa vontade de transmitir uma mensagem vital e de atrair a adesão do leitor. O leitor é li- vre para resistir e pode apreciar a Bíblia apenas como um lite- rato ou um apreciador da história antiga. Mas se ele aceitar en- trar em diálogo com os autores que dão testemunho da pró- pria fé e suscitam a necessidade de uma decisão, a questão fundamental, o sentido da vida, não deixará de ser enfrentada por ele. Pois a Bíblia e a fé - à qual ela convida de modo tão premente -, embora estejam profundamente enraizadas numa história particular e bastante longa, ultrapassam a história. Os autores bíblicos querem ser os porta-vozes de uma Palavra que se dirige a todo homem, em todo tempo e lugar.

Através dos séculos, as comunidades cristãs de todas as línguas

e de todas as culturas encontraram e encontram alimento nes-

te livro, cuja mensagem meditam e atualizam. Não é sem razão

que nos cultos ou celebrações se leem ou se cantam os Salmos,

o Antigo Testamento, as Epístolas, com o Evangelho; sua uni-

dade é a unidade da fé. Fundamentada nesse testemunho da Bíblia, a fé não deixa de encontrar ali vida e força. O leitor (mesmo não-crente) sabe que esta fé existe hoje, que ela é -

22

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

nas comunidades e algumas vezes fora delas - um certo modo de o homem viver a relação com os outros homens e de agir no meio deles, uma modalidade particular de existir que é fer- mento da história humana.

Assim, a Bíblia sempre remete o leitor à fé vivenciada, como também a vivência da fé sempre remete à Bíblia, na qual a fé lança suas raízes.

1. É assim que nesta Bíblia será traduzido o nome próprio do Deus de Israel (cf. Êx 3.14-15).

2. Aliança e Testamento são duas traduções da mesma palavra he- braica (cf. Hb 9,15 nota).

3. Para evitar qualquer mal-entendido, seria melhor falar do primei- ro e do Segundo Testamento, sendo um imprescindível à compre- ensão do outro.

4. Ver, por exemplo, as introduções a Isaías e a Ezequiel.

A prova concludente do amor divino encontra-se no fato de que o Senhor Deus se revelou ao homem, e esta revelação ficou regis- trada em um livro que nós chamamos de Bíblia.

B. O VOCÁBULO BÍBLIA

O Vocábulo Bíblia não é encontrado nas páginas das Sagradas Escritu- ras, mas somente em sua capa. Sua origem vem do vernáculo grego.

1. BIBLOS (grego) - Folha de papiro preparada para escrita.

2. BIBLION (grego) - Rolo pequeno de papiro ou pergaminho (livro).

3. BÍBLIA (grego) - Plural de biblion, ou seja, a coleção de pequenos rolos (livros).

23

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

C. TÍTULOS DA BÍBLIA

1. SAGRADAS ESCRITURAS - Rm 1.2; II Tm 3.15

2. ESCRITURAS - Lc 24.27,45 (Testemunho de Jesus sobre o VT)

3. ESCRITURA - Jo 10.25; II Tm 3.16

4. PALAVRA DE DEUS - Mc 7.13; Rm 10.17; Hb 4.12

5. PALAVRA DA VERDADE - // Tm 2.15

6. ESCRITURA DA VERDADE - Dn 10.21

7. O LIVRO DO SENHOR - Is 34.16

Obs.: Outros nomes e títulos são encontrados em toda a Bíblia.

D. FORMA PRIMITIVA DOS LIVROS DA BÍBLIA

1. ROLOS

Eram tiras de pergaminhos ou papiros enrolados. A tira era presa a dois cabos de madeira para facilitar o ma- nuseio. Cada livro era um rolo em separa- do. Quando um rolo ficava gasto pelo uso, um grupo de estudiosos, chamados "massoretas", copiava os textos em no- vos rolos, com extremo cuidado. Usual- mente os rolos antigos eram destruídos posteriormente.

mente os rolos antigos eram destruídos posteriormente. 2. O CÓDICE É um primitivo livro parecido com

2. O CÓDICE

rolos antigos eram destruídos posteriormente. 2. O CÓDICE É um primitivo livro parecido com o forma-

É um primitivo livro parecido com o forma- to atual, mas de grandes proporções.

Obs.: Hoje a Bíblia é o Livro mais lido em todo o mundo e, isso se tornou possível

24

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

graças à invenção do papel no século II da era Cristã, pelos chine- ses, e a criação dos prelos de tipos móveis pelo alemão Gutenberg em 1450. Embora não tivesse sido o primeiro livro a ser escrito, foi o primeiro a ser impresso (1450). Atualmente mais de 30.000.000 de cópias são impressas a cada ano. A Bíblia (Velho e Novo Testa- mentos), já foi traduzida para mais de 1.090 idiomas e dialetos di- ferentes.

25

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

CAPÍTULO 04

AS LÍNGUAS ORIGINAIS

DA BÍBLIA CAPÍTULO 04 A S L ÍNGUAS O RIGINAIS A. A ESCRITA E AS LÍNGUAS

A. A ESCRITA E AS LÍNGUAS ORIGINAIS

Todos os Livros da Bíblia foram escritos originalmente à mão, sendo chamados, portanto, de manuscritos.

1. ESCRITA

a.

UNCIAL - é o manuscrito que contém apenas maiúsculas.

b.

CURSIVO - é o manuscrito que contém apenas minúsculas.

c.

2. AS LÍNGUAS ORIGINAIS

a. VELHO TESTAMENTO

HEBRAICO

É a língua pertencen- te ao grupo ocidental dos idiomas semíti- cos (o termo semíti- co é oriundo do no-

ocidental dos idiomas semíti- cos (o termo semíti- co é oriundo do no- 26 THEOLOGIA ONLINE

26

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

me de Sem, o filho mais velho de Noé). Quase a totalidade do Velho Testamento foi escrito em hebraico.

ARAMAICO

É parecido com o hebraico, mas não é derivado dele. A for- ma de escrita é a mesma, pois o aramaico tem aproximada- mente as mesmas caracterís- ticas fonológicas. A Bíblia nos mostra (2 Rs 18.26), no tempo de Senaqueribe (705-681 a.C.), que o ara- maico era um idioma diplomático. Algumas porções do Velho Testamento foram escritas em aramaico - Dn 2.4-7.28; Ed 4.8-6.18;7.12-26; Jr 10.11 e duas palavras em Gn 31.47.

Ed 4.8-6.18;7.12-26; Jr 10.11 e duas palavras em Gn 31.47. b. O NOVO TESTAMENTO  HEBRAICO

b. O NOVO TESTAMENTO

HEBRAICO

Alguns estudiosos acham que, originalmente, o Evangelho de Mateus tenha sido escrito em hebraico no seu todo ou ape- nas as LOGIAS (ensinamentos -Sermão no Monte), de Jesus.

GREGO KOINÊ

É o grego popular, comum. Língua franca das terras do Ori- ente Próximo e do Mediterrâneo nos tempo dos romanos. Sendo uma língua flexí- vel e harmoniosa, era falada e compreendi- da por quase todos. Os Livros do Novo Testamento foram escritos em sua tota-

por quase todos. Os Livros do Novo Testamento foram escritos em sua tota- 27 THEOLOGIA ONLINE

27

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

lidade, no idioma grego, salvo algumas palavras de influência hebraica e aramaica.

28

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

29

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

CAPÍTULO 05

OS ESCRITORES

VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA CAPÍTULO 05 O S E SCRITORES A. OS ESCRITORES DA BÍBLLA Desde

A. OS ESCRITORES DA BÍBLLA

Desde os tempos mais antigos, Deus fez os homens guardarem um re- gistro escrito de suas palavras e revelações. Durante um período de aproximadamente 1400 a 1600 anos, por mais ou menos 40 homens. Inspirados por Deus, eles deixaram registrado para as gerações vin- douras a Palavra Eterna de IHAVÉH. Foram homens dos mais variados segmentos da sociedade, tais como: Rei, camponês, pescador, médi- co, teólogo, sacerdote, legislador, profeta, cobrador de impostos, etc

Os Livros foram escritos em épocas, ambientes e circunstâncias as mais diversas, no entanto, formam apenas um único livro, com um único e grande tema. Deus foi o autor, tais homens, os escritores. Mi- raculosamente, Deus permitiu que a natureza e personalidade de cada escritor transparecessem através de cada escrito. Esses homens não foram meros secretários, mas cooperadores de Deus.

30

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

B. A REVELAÇÃO & INSPIRAÇÃO da BÍBLIA

O homem não teria o conhecimento de Deus se o próprio Deus não se revelasse de forma clara e real. A Bíblia seria um, entre milhares de li- vros ultrapassados, se não fosse inspirada pelo Espírito Santo de Deus. Portanto, o que conhecemos de Deus, chegou até nós por revelação e inspiração.

REVELAÇÃO

Revelar significa "tirar o véu", ou "remover a coberta" que escon- de um objeto para o expor à vista. Deus é conhecido, segundo a Bí- blia, não porque os homens, nos seus esforços intelectuais o des- cobriu (/ Co 1.21), mas Deus mesmo se revelou. O Poder e a Divin- dade de Deus foram reveladas através da Sua criação (Rm 1.20). No entanto, as maravilhas da criação não dá ao homem a capacidade de adquirir o conhecimento de Deus que o seu coração pede. Deus é a fonte da Vida, e o conhecimento dEle introduz o homem em uma vida cada vez mais perfeita (S119). Conhecer Deus através de palavras é uma coisa, mas conhecer Deus porque Ele se revelou, é algo de causar impacto duradouro. Jacó teve uma revelação espe- cial de Deus (Gn 28.10-13) Moisés conhecia Deus por tradição do seu povo, um dia, porém, o próprio Deus se revelou a ele, e aquela revelação mudou radicalmente a sua vida (Êx 3.1-6). Quando o Se- nhor se revelou a Jó, ele não se conteve e exclamou: "Eu te conhe- cia só de ouvir mas agora os meus olhos te vêem. Por isso me abomino e me arrependo no pó e na cinza"(Jó 42.5,6). Extensa é a lista de homens e mulheres que, nas páginas sagradas, tiveram uma revelação de Deus. "O Criador opera, a Criatura contempla: o Senhor se apresenta, o homem percebe; o Senhor fala, o homem ouve: o Senhor se revela e o homem entende algo da Sua Majesta- de, da Sua Santidade, da Sua Justiça e da Sua Glória"(A.R.Crabtree - Teologia do Velho Testamento - página 42).

Glória "(A.R.Crabtree - Teologia do Velho Testamento - página 42). 31 THEOLOGIA ONLINE – LIVING STONES

31

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

BIBLIOLOGIA – VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA INSPIRAÇÃO É o termo inspiração que descreve, no sentido bíblico,

INSPIRAÇÃO

É o termo inspiração que descreve, no sentido bíblico, a habilitação dos escritores que produziram os livros da Bíblia. A inspiração signi- fica a atuação do Espírito Santo no espírito de homens idôneos, es- colhidos, para receberem e transmitirem as mensagens da revela- ção divina (// Pé 1.19-21). Em outras palavras, inspiração é o sopro de Deus (grego = Theopneustos), onde o Criador, sobrenaturalmen- te, dirige com perfeita exatidão e de forma infalível o registro da Sua Palavra, sem, com isso, prejudicar a inteligência, individualida- de, estilo literário, ou sentimentos pessoais dos escritores huma- nos (2Tm 3.16). "Por meio da inspiração divina, os escritores da Bí- blia falaram com autoridade do passado desconhecido, escreveram sob orientação divina as porções históricas, revelaram a Lei, escre-

registraram a mensagem profética

contemporânea, e professavam o futuro" (C.I. Scofield).

veram a literatura devocional

C. A AUTORIDADE DA BÍBLIA

Embora os Oráculos de Deus tenham sido escritos por homens e tra- gam marcas indeléveis de sua escrita humana, não obstante, sob in- fluência do Espírito Santo a ponto de serem também as palavras de Deus, a expressão adequada e infalível de Sua mente e vontade co- nosco. Enquanto que a Bíblia está classificada entre os registros histó- ricos, pertence ela a uma categoria inteiramente distinta; e que, dife- rentemente de todos os demais escritos, ela não é apenas digna de fé, mas não contém erros e é incapaz de erro; e que assim é porque se distinguem absolutamente de todos os outros livros, visto que em si mesma, em cada uma das suas palavras, é a própria Palavra de Deus. As provas arqueológicas, históricas, a unidade de seus escritos, as evi- dências claras e visíveis no contexto humano atestam a veracidade e a autoridade divina da Bíblia. Não cabe neste momento fazer uma expo-

32

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

sição teológica, histórica ou científica acerca de tal autoridade. A Teo- logia Sistemática ao abordar este assunto o faz com mais detalhes e profundidade.

33

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

CAPÍTULO 06

A ESTRUTURA DA BÍBLIA O VELHO TESTAMENTO

06 A E STRUTURA DA B ÍBLIA – O V ELHO T ESTAMENTO A. A ESTRUTURA

A. A ESTRUTURA DA BÍBLIA

A Bíblia contém 66 livros e é dividida em Velho e Novo Testamentos. O Velho Testamento tem 39 Livros e levou um período de aproxima- damente 1500 anos para ser escrito e, o Novo Testamento tem 27 Li- vros que foram escritos num período de 100 anos. A palavra Testa- mento quer dizer "aliança" ou "pacto".

O Velho Testamento é a aliança que Deus fez com o homem

O

Velho Testamento é a aliança que Deus fez com o homem

quanto à sua salvação, antes de Cristo vir.

O Novo Testamento é o pacto que Deus fez com o homem, quan-

O

Novo Testamento é o pacto que Deus fez com o homem, quan-

to

à sua salvação, depois de Cristo vir.

Obs.: Velho e Novo Testamento são definições cristãs, e não judaicas, pois os judeus só aceitam como Escritura Sagrada apenas os livros do Vetero-testamentarios.

B. O VELHO TESTAMENTO

34

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

1. A FORMAÇÃO DO CÂNON DO VELHO TESTAMENTO

Quais são os livros que pertencem ao Cânon do Velho Testamen- to? Por que só os 39? A Igreja Católica Romana, desde o Concílio de Trento, (1546), tem recebido outros livros como canônicos. Estes são 14 apócrifos, que vem do adjetivo grego "apokriphos" (ocultos). Estes livros são: 1° e 2° Esdras, Tobias, Judite, Adições a Ester, Oração de Manassés, Epístola de Jeremias, Livro de Baru- que, Eclesiástico, Sabedoria de Salomão, 1° e 2° Macabeus, Adi- ções a Daniel, que inclui a Oração de Azarias, o Cântico dos Três Hebreus e Bel e o Dragão. Vamos examinar o conteúdo e origem destes livros duma maneira bem resumida, depois verificar por- que não foram aceitos pela Igreja.

2. OS LIVROS APÓCRIFOS

Os Apócrifos: É esta a denominação que comumente se dá aos 14 livros contidos em algumas Bíblias, entre os dois Testamentos. Originaram-se do terceiro ao primeiro século AC. a maioria dos quais de autor incerto, e foram adicionados a Septuaginta, tradu- ção grega do Velho Testamento, feita naquele período. Não fo- ram escritos no hebraico do Velho Testamento. Foram produzi- dos depois de haver cessado as profecias, oráculos e a revelação direta do Velho Testamento, Josefo rejeitou-os totalmente. Nun- ca foram reconhecidos pelos judeus como parte das Escrituras hebraicas. Nunca foram citadas por Jesus, nem por ninguém mais no Novo Testamento. Não foram reconhecidos pela Igreja Primitiva como de autoridade canônica, nem de inspiração divi- na. Quando se traduziu a Bíblia para o latim, no segundo século A.D. seu Velho Testamento foi traduzido, não o Velho Testamen- to hebraico, mas da versão grega da Septuaginta do Velho Tes- tamento. Da Septuaginta esses livros apócrifos foram levados pa- ra a tradução latina; e daí para a Vulgata, que veio a ser a versão comumente usada na Europa Ocidental até o tempo da Reforma.

35

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

Os protestantes baseando seu movimento na autoridade divina da Palavra de Deus, rejeitaram logo esses livros apócrifos como não fazendo parte dessa Palavra, assim como a Igreja Primitiva e os hebreus antigos fizeram. A Igreja romana, entretanto, no Con- cílio de Trento em 1546 A.D. realizado para deter o movimento

protestante, declarou canônicos tais livros, que ainda figuram na

versão de Matos Soares, etc

(Bíblia Católica Romana).

3. O VALOR DOS APÓCRIFOS

Não podemos dizer que esses livros não têm nenhum valor, pois não seria verdade. Tem valor, mas não como as Escrituras. São li- vros de grande Antiguidade e valor real. Do mesmo modo que os manuscritos do Mar Morto são monumentos a atividade literária dos judeus, estes também são. Em parte, preenchem a lacuna histórica entre Malaquias e Mateus, e ilustram a situação religio- sa do povo de Deus naquela época.

4. POR QUE OS APÓCRIFOS NÃO FORAM ACEITOS NO CÂNON DO VELHO TESTAMENTO?

1) Nenhum dos livros foi encontrado dentro do cânon hebraico.

Um estudo da história do Cânon dos judeus da Palestina reve- la uma ausência completa de referências aos livros apócrifos. Josefo, diz que os profetas escreveram desde os dias de Moi-

sés até Artaxerxes, também diz:

tória tem sido escrita desde Artaxerxes, não foi tão estimada como autoritativa como a anterior dos nossos pais, porque não houve uma sucessão de profetas desde aquela época. O Talmude, fala assim: "Depois dos últimos profetas, Ageu, Za- carias e Malaquias, o Espírito Santo deixou Israel". Não cons- tam no texto dos massoretas (copistas judeus da maior fideli- dade) entregar tudo o que consideravam canônico nas Escri- turas do Velho Testamento. Nem tão pouco parece ter havido

é verdade que a nossa his-

36

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

"Targuns" (paráfrases ou comentários judaicos da antigüida- de) ligado a eles. Para os judeus, os livros considerados "inspi- rados" são os 39 que hoje conhecemos como Velho Testa- mento. Eles os possuem numa ordem diferente da nossa por causa da forma pela qual dividem os livros.

2)

Todos estes livros foram escritos depois da época quando a profecia cessou em Israel, e não declaram ser mensagem de Deus ao homem.

Fora dois deles, Eclesiástico e Baruque, os livros são anôni- mos, e no caso de Eclesiástico, o autor não se diz profeta, nem asseverou que escreveu sob a inspiração de Deus. O livro de Baruque que se diz ser escrito pelo secretário de Jeremias, não pode ser aceito como genuíno, pois contradiz o relato bí- blico.

Os livros de Macabeus não tem nenhuma pretensão para au- toria profética. Mas registra detalhes sobre as guerras de in- dependência em 165 A.C. quando os cinco irmãos macabeus lutaram contra os exércitos da Síria. I Macabeus é geralmente considerado como de maior valor histórico do que o II.

3)

O nível moral de muitos destes livros é bastante baixo.

São cheios de erros históricos e cronológicos, por exemplo, Baruque 1.1, diz que ele está na Babilônia, enquanto Jeremias 43.6, diz que ele está no Egito. Baruque diz que os utensílios do templo foram devolvidos da Babilônia, enquanto Esdras e Neemias revelam o contrário. Baruque cita uma data errada para Beltesazar e diz que o cativeiro era de sete gerações (Ba- ruque 6.3), o que contradiz as profecias de Jeremias e o cum- primento de Esdras. Tobias e Judite estão cheios de erros ge- ográficos, cronológicos e históricos. Tobias 1.4,5 contradiz 14.11. Mentiras, assassinatos e decepções são apoiados. Judi-

37

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

4)

te é um exemplo. Temos suicídios (4.10), encantamentos, magia e salvação pelas obras (Tobias 12.9; Judite 9.10,13).

Não foram incluídos no Cânon até o fim do 4° século.

Como já observamos, os livros apócrifos, não foram incluídos no cânon hebraico. Os livros apócrifos foram incluídos na Sep- tuaginta, a versão grega do Velho Testamento e que não é de origem hebraica, mas de Alexandria, que é uma tradução do hebraico. Os Códices Vaticanos, Alexandrinos e Sinaíticos, têm apócrifos entre os livros canônicos. Porém temos de notar vá- rios fatores aqui.

a) Nem todos os livros apócrifos estão presentes nos Códices e não tem ordem fixa dentro dos Códices.

b) Por ser um livro de origem egípcia, pois vem de Alexan- dria, a Septuaginta não tinha as mesmas salvaguardas con- tra erros e acréscimos, pois não tinham massoretas orien- tando a obra com o mesmo cuidado que usaram no texto hebraico.

c) Manuscritos, naquele tempo, ficavam em rolos, não em li- vros e são facilmente misturados, e seria fácil juntar outros que ficaram numa mesma caixa. No caso de guerras ou desastres, estes manuscritos poderiam ser colocados em jarros de barro e lacrados para serem posteriormente reu- tilizados. Alguns destes jarros foram achados nas cavernas de Qumran com manuscritos que nos ajudaram a confir- mar o conteúdo de nossas Bíblias atualmente, além de re- velarem uma série de fatos muito interessantes sobre a vida daquela época.

d) O preço de material para escrever pode influir também. Não era tão fácil calcular o espaço necessário para fazer um livro. Que fariam se cortassem o couro e descobrissem

38

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

30 ou 40 páginas de couro sobrando no livro? Naturalmen- te encheria com conteúdo devocional. A tendência seria de misturar livros bons com os canônicos até o ponto que os nãos canônicos fossem aceitos como canônicos.

e) Os livros não canônicos não foram recebidos durante os primeiros quatro (4) séculos. Melito, o bispo de Sardis em 170 D.C., visitou a Judéia para verificar o número certo de livros do Velho Testamento. A lista que ele fornece, inclui os livros canônicos do Velho Testamento, menos Ester (porque não reconheceu entre os apócrifos) e não incluiu os apócrifos.

ORÍGENES, o erudito do Egito, com uma grande biblio- teca, incluiu os 39 livros do Velho o erudito do Egito, com uma grande biblio- teca, incluiu os 39 livros do Velho Testamento, mas se- guindo a lista ele fala: "Fora destes temos os livros dos Macabeus". Outros pais da Igreja, como Atanásio, Gre- gório de Nazianzus de Capadócia, Rufinus da Itália e Je- rônimo, nos deixaram com uma lista que concorda com o cânon hebraico.

JERÔNIMO, que fez a Vulgata, não quis incluir os livros apócrifos por não considerá-los inspirados, porém, que fez a Vulgata, não quis incluir os livros apócrifos por não considerá-los inspirados, porém, os fez por obrigação do bispo, não por convicção, mesmo assim só traduziu Judite e Tobias, os outros apócrifos foram tirados diretamente dos versos latinos anterio- res. Parece que a única figura da antiguidade a favor dos apócrifos era Agostinho, e dois Concílios que ele mesmo dominou (393 e 397). Porém, outros escritos dele (A cidade de Deus) parecem revelar uma distinção entre os livros canônicos e os apócrifos (17.24;

18.36,38,42-45).

GREGÓRIO, O GRANDE, papa em 600 D.C., citando I Macabeus falou que não era um livro O GRANDE, papa em 600 D.C., citando I Macabeus falou que não era um livro canônico, e o car-

39

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

deal Ximenis no seu poligloto afirma que os livros apó- crifos dentro de seu livro, não faziam parte do cânon. Os livros apócrifos não foram aceitos como canônicos até 1546 quando o concílio de Trento decretou: "Este Sínodo recebe e venera todos os livros do Velho e Novo Testamentos, desde que Deus ‚ o autor dos dois, tam- bém as tradições e aquilo que pertence a fé e morais, como sendo ditados pela boca de Cristo, ou pelo Espíri- to Santo". A lista dos livros que segue inclui os apócrifos e conclui dizendo: "Se alguém não receber como Sagra- dos e canônicos estes livros em todas as partes, como foram lidos na Igreja Católica, e como estão na Vulgata Latina, e que conscientemente e propositadamente con- trariar as tradições já mencionadas, que ele seja aná- tema".

Para nós o fator decisivo é que Cristo e seus discípulos não os reco- nheceram como canônicos, pois não foram citados por Cristo nem os outros escritores do Novo Testamento!

Mais de três quartos da Bíblia correspondem ao Velho Testamento. O Velho Testamento dedica-se ao trato de Deus com a nação escolhida. Temos no Velho Testamento a história Sagrada, mediante a qual Deus se revela ao homem. Apesar de Israel ser o povo escolhido, Deus não se revela apenas como o Deus dos judeus, mas igualmente o governante supremo de todos os povos e de todos os lugares.

Deus elegeu o povo Hebreu com três finalidades:

Ser depositário da Sua Palavra;os lugares. Deus elegeu o povo Hebreu com três finalidades: Ser a testemunha do único Deus

Ser a testemunha do único Deus verdadeiro perante as nações, e;com três finalidades: Ser depositário da Sua Palavra; Ser o meio pelo qual viesse o Redentor.

Ser o meio pelo qual viesse o Redentor.Ser a testemunha do único Deus verdadeiro perante as nações, e; 40 THEOLOGIA ONLINE – LIVING

40

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

BIBLIOLOGIA – VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA 41 THEOLOGIA ONLINE – LIVING STONES MINISTRY

41

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

BIBLIOLOGIA – VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA 42 THEOLOGIA ONLINE – LIVING STONES MINISTRY

42

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

BIBLIOLOGIA – VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA 43 THEOLOGIA ONLINE – LIVING STONES MINISTRY
BIBLIOLOGIA – VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA 43 THEOLOGIA ONLINE – LIVING STONES MINISTRY

43

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

BIBLIOLOGIA – VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA 44 THEOLOGIA ONLINE – LIVING STONES MINISTRY

44

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

Obs.: Tomando como base, os personagens, os lugares e os aconte- cimentos bíblicos, podemos construir a história da Bíblia em sua Or- dem Cronológica.

45

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

CAPÍTULO 07

A ESTRUTURA DA BÍBLIA O NOVO TESTAMENTO

07 A E STRUTURA DA B ÍBLIA – O N OVO T ESTAMENTO A. O NOVO

A. O NOVO TESTAMENTO

1. O CÂNON DO NOVO TESTAMENTO

Pelo Cânon do Novo Testamento queremos falar a coleção de 27 livros do Novo Testamento considerados como a norma ou regra de fé para a Igreja de Cristo. Surgem logo perguntas a respeito do cânon do Novo Testamento. Como e quando chegaram a ser re- conhecidos como livros inspirados? Qual a base para a seleção destes livros e por que rejeitaram outra literatura da igreja daque- le tempo? Vamos tentar responder estas perguntas, incluindo:

Quando foram escritos estes livros?

2. O CONTEÚDO DO CÂNON NEO-TESTAMENTÁRIO

Como já notamos, o cânon do Novo Testamento tem 27 livros es- critos em grego. Os primeiros cinco são de caráter histórico, sendo

46

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

quatro os Evangelhos que contém ditos e feitos de Jesus Cristo, e um é o livro de Atos, escrito por Lucas, o autor do terceiro Evange- lho. Temos 21 cartas escritas por Paulo, Pedro, Tiago, Judas e pos- sivelmente mais um autor, se Hebreus não é paulino, é o livro de Apocalipse, escrito por João, o mesmo autor de um dos Evange- lhos e três cartas.

3. AS DATAS DESTES LIVROS

Segundo a informação dada em Lucas 3.1, o ministério de João Ba- tista que precedeu o início do ministério de Jesus Cristo data do 15° ano de Tibério César. Tibério tornou-se imperador em agosto de 14 A.D., assim o 15° ano começaria em outubro, 27 D.C. Temos três páscoas mencionadas no evangelho de João, se sendo que a terceira foi a Páscoa de 30 D.C., esta sendo a data mais provável da morte de Cristo na cruz. O Novo Testamento, como é conheci- do hoje, estava completo por volta do ano 1000 D.C. e a grande parte dos livros já existindo há mais de 40 anos. Pode-se dizer que quase todos os livros foram escritos antes de 70 D.C.

4. COMO FOI FORMADO?

Evidência Interna: Isto é do próprio Novo Testamento. O fato é que a Igreja primitiva recebeu dos judeus a ideia de uma regra de fé e conduta escrita. Esta ideia foi confirmada pelo Senhor Jesus Cristo, e os escritores do Novo Testamento, que sempre se referi- am ao Velho Testamento como sendo a palavra de Deus escrita. Sabemos que desde o princípio, a Igreja cristã tem aceitado as pa- lavras de Cristo com a mesma autoridade com que aceitaram as palavras do Velho Testamento, e aceitaram não apenas isto, mas declararam os apóstolos que o seu próprio ensino, oral e escrito possuía autoridade semelhante a do Velho Testamento. Tal era a

47

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

autoridade de seus escritos, que mandaram que fosse lido publi- camente nas Igrejas (I Ts 5.27; Cl 4.16; II Pe 3.1,2). Era, portanto natural que a literatura do Novo Testamento se acrescentasse ao Velho Testamento. No próprio Novo Testamento, pode ser que vejamos o início deste processo (I Tm 5.18; II Pe 3.1,2 e 15,16). Além da evidência interna, temos a evidência histórica da forma- ção do Cânon do Novo Testamento.

5. O CRITÉRIO CANÔNICO

O critério que a Igreja aplicou como teste de autenticidade era di- tado pelas necessidades de fazer face à controvérsia com hereges e descrentes. Como veremos a seguir, na seleção do material que iria compor os primeiros escritos, as necessidades missionárias, ao lado das apologéticas, são o critério para a seleção de testimonia, ditos, milagres e parábolas de Jesus que, nos primórdios na nova época, iriam formá-los. Eis alguns critérios de seleção:

A apostolicidade A obra em consideração pela Igreja deveria ter sido escrita por um dos doze apostolicidade A obra em consideração pela Igreja deveria ter sido escrita por um dos doze ou possuir o que se chamaria hoje de imprimatur apostólico. O escrito deveria proceder da pena de um apóstolo ou de alguém que estivera em contato chegado com apóstolo e, quando possível, produzido a seu pe- dido ou haver sido especialmente comissionado para fazê-lo. Como consequência este documento deveria pertencer a um período bem remoto. Quanto aos Evangelhos, estes deveriam manter o padrão apostólico de doutrinas particularmente com referência à encarnação e ser na realidade um evangelho e não porções de evangelhos, como tantos que circulavam naquele tempo.

A circulação e uso do livro. É provável que certos livros hou- vessem sido aceitos e circulado como autoridade antes . É provável que certos livros hou- vessem sido aceitos e circulado como autoridade antes mesmo

48

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

que qualquer relação com apóstolo, quer direta, quer indireta, fosse determinada. É deste modo que o escrito recebia o im- primatur da própria comunidade cristã universal que o usava.

Ortodoxia. Este era importante item na escala de padrões de aferimento. Percebe-se nos próprios escritos . Este era importante item na escala de padrões de aferimento. Percebe-se nos próprios escritos do Novo Testa- mento, que depois formaram seu cânon, o repúdio à falsa dou- trina e a luta pela preservação da ortodoxia, que em Rm 6.17 chama de "padrão de doutrina", ou o que II Tm 1.13 denomina "padrão das sãs palavras", ou ainda o "depósito de I Tm 6.20.

Autoridade diferenciadora. Bem cedo, antes mesmo que os Evangelhos fossem mencionados juntos, já os cristãos distin- . Bem cedo, antes mesmo que os Evangelhos fossem mencionados juntos, já os cristãos distin- guiam livros que eram citados e lidos como tendo autoridade divina e outros que continuavam fora do Novo Testamento.

A leitura em público. Nenhum livro seria admitido para a leitu- ra pública na Igreja se não possuísse . Nenhum livro seria admitido para a leitu- ra pública na Igreja se não possuísse características próprias. Muitos outros livros circulavam quando Mateus começou a ser usado pelos cristãos. Poderiam ser bons e de leitura agradável, mas só serviam para a leitura em particular. Havia alguns, e en- tre eles os Evangelhos de modo restrito e Mateus de modo singular, que se prestavam à leitura e ao comentário perante as congregações cristãs, como a Lei e os Profetas nas Sinago- gas. É o que I Tm 4.13 quer dizer quando Timóteo é exortado a aplicar-se à leitura, isto é, à "leitura pública das Escrituras" co- mo sabiamente indica um rodapé da última revisão de Almei- da.

6. O PRIMEIRO SÉCULO D.C.

Não se sabe quando as palavras do Senhor (At 20.35 e I Co 7.10) foram registradas por escrito pela primeira vez. Porém, em mais ou menos 58 D.C., quando Lucas escreveu seu Evangelho, muitos

49

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

já haviam empreendido esta tarefa (Lc. 1.1). Pode ser que a Epís- tola de Paulo aos Gálatas fosse escrita tão cedo como em 49 D.C. É claro que a Epistola foi escrita antes de sua morte em 62 D.C. e as outras Epístolas de Paulo e Pedro, antes da morte deles, na época de 68 D.C. A maior parte do Novo Testamento já estava es- crita antes da queda de Jerusalém em 70 D.C. O Evangelho e as Epístolas de João, e o Apocalipse, certamente foram completadas antes do fim do primeiro século.

7. O CÂNON DO NOVO TESTAMENTO E OS PAIS DA IGREJA

Escritores "evangélicos" no fim deste mesmo século mostram que conheciam os evangelhos e epístolas. A atitude dos cristãos em face das normas da doutrina cristã que encontramos no fim da época apostólica (isto é, mais ou menos em fins do século I d.C.) pode ser encontrada no princípio da era pós-apostólica, princi- palmente na fase mais antiga dos pais apostólicos.

(1) CLEMENTE, Bispo de Roma - Cerca de 95, escreveu uma carta a Igreja de Corinto, e nesta carta menciona, 1 Coríntios, Efésios, 1 Timóteo, Tito, Tiago, o evangelho de João e Hebreus.

(2) INÁCIO, Bispo de Antioquia - Antes de 117, deixou sete cartas e nelas menciona passagens dos evangelhos, especialmente Ma- teus e João e as cartas paulinas, colocando os escritos do Novo Testamento num plano de autoridade superior aos do Velho Testamento, em virtude da clareza de seu testemunho.

(3) POLICARPO, que conhecia João pessoalmente, escreveu uma carta em cerca de 105-108, que menciona cartas de Paulo co- mo autoritativas, principalmente Filipenses, mas revela conhe- cimento de Mateus, Atos, Romanos, 1 e 2 Coríntios, Gálatas, Efésios, 1 e 2 Tessalonicenses, 1 e 2 Timóteo, 1 e 2 Pedro e I João. Estes escritores distinguiram claramente entre seus pró-

50

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

prios escritos e os escritos dos apóstolos, atribuindo a estes úl- timos, inspiração e autoridade. Demonstram estes escritores que, mesmo nesta data primitiva, os evangelhos e as epístolas do Novo Testamento, já se achavam em circulação e eram hon- rados tanto nas igrejas do ocidente como do oriente. 100-150 D.C. - As Escrituras do Novo Testamento lidas nas Igrejas.

(4) PAPIAS - Cerca de 140 D.C. testifica que "a voz viva dos presbí- teros ia sendo substituída pela autoridade da palavra escrita". Nos escritores deste período há referências claras a todos os li- vros do Novo Testamento, com exceção a 6 ou 7 das epístolas mais curtas; ele atesta a existência de Mateus e Marcos e o ca- ráter apostólico destas obras.

(5) JUSTINO, o Mártir (148 D.C.) - fala das recordações dos apósto- los e os que seguiam como sendo lidas nas igrejas. Tanto here- ges, como cristãos ortodoxos, testemunham a sua autoridade, muitas vezes citando o Novo Testamento e acrescentando "como está escrito". 150-200 D.C. - Traduções e comentários do Novo Testamento Neste período a Igreja de Cristo se ex- pandiu e desenvolveu-se. Com a inclusão de homens de novas raças e grande capacidade, os eruditos fizeram traduções das Escrituras em outras línguas. Remontam a este tempo a velha versão latina para o povo da África do Norte e a versão Siríaca para o povo do Oriente Médio. Começaram a aparecer comen- tários. Houve por exemplo, o Comentário sobre os oráculos do Senhor, da autoria de Papias (140). Um comentário sobre o Apocalipse, da autoria de Melito (165). Pouco depois, Tatião escreveu o DIATESSERON, ou Harmonia dos quatro evangelhos, que se reconheciam como possuidores de autoridade única. Ao fim do século, Clemente de Alexandria escreveu seus Esboços, que é um comentário em 7 volumes sobre os livros do Novo Testamento, que incluía todos os livros do Novo Testamento,

51

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

mais a epístola de Barnabé e o Apocalipse de Pedro (que foram excluídos do cânon). 200 - 300 - Colecionam-se e separam-se os livros do Novo Testamento ORÍGENES, é um erudito da épo- ca, era tão trabalhador que se diz que empregou 7 estenógra- fos que revezavam no trabalho de registro do que ditava, além de 7 copistas e outros que ajudavam na parte de secretaria. Redigiu ele do texto do Novo Testamento, defendeu sua inspi- ração, escreveu comentários ou discursos sobre a maioria dos livros.

(6) TERTULIANO (cerca de 200) foi o primeiro a chamar a coleção que temos de "Novo Testamento", assim colocando-a ao mes- mo nível de inspiração como os livros do Velho Testamento. BIBLIOTECAS se formaram em Alexandria, Jerusalém, Cesaréia, Antioquia, Roma e ainda outras cidades, das quais a parte mais importante consistia em manuscritos e comentários das Escri- turas. 300 - 400 - O cânon bem estabelecido Vários fatores contribuíram para tornar importante a distinção entre livros canônicos e outros livros não canônicos. Alguns dos fatores eram:

(a) A coleção num só livro dos livros inspirados.

(b) Serem reconhecidos estes livros com a autoridade da fé cristã.

(c) O aumento das heresias e falsa doutrina.

Antes do fim do quarto século, todas as Igrejas tinham reconheci- do o cânon do Novo Testamento, como o temos hoje. Eusébio, conta até que ponto o assunto do Cânon chegara a seu tempo (316 d.C.).

Aceitos universalmente - Os 4 evangelhos, Atos, Epístolas de Paulo (incluindo Hebreus), I Pedro, I João e - Os 4 evangelhos, Atos, Epístolas de Paulo (incluindo Hebreus), I Pedro, I João e Apocalipse.

Disputado por alguns - Embora admitidos pela maioria e - Embora admitidos pela maioria e

52

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

pelo próprio Eusébio, Tiago, II Pedro, II e III João, Hebreus e Judas.

Não genuínos - Atos de Paulo, Didache (ensinos dos Apósto- los), o Evangelho dos egípcios, o Evangelho de Tomé, o Evangelho das basilidas, o Evangelho de Matias e o Pastor de Hermes.

No ano de 367, Atanásio pela primeira vez apresentou um cânone do Velho e Novo Testamentos firmemente circunscritos, dentro do qual eram definidas as classes individuais dos textos e de sua sequência. Ele designou vinte e sete livros como sendo os únicos realmente ca- nônicos do nosso Novo Testamento; ninguém pode acrescentar mais nada a este número, bem como ninguém pode retirar coisa alguma.

O 3° Concílio de Cartago (397) mandou que: "além das Escrituras ca- nônicas, nada se lesse na igreja sob o título de "Escrituras divinas". A discussão a respeito do cânon nos séculos subsequentes se acalmou, porém, muitos eruditos têm se perguntado a si mesmo porque have- ria eles de concordar com a resolução já feita.

Agostinho disse que concordou por causa da natureza dos próprios livros e pela unidade praticamente completa entre os cristãos neste assunto.

Calvino baseava a sua crença na autoridade desses livros no teste- munho do Espírito Santo. Nós aceitamos por todas essas razões, mas principalmente porque já provamos em nossas vidas a veracidade de tudo aquilo que está escrito. Quando vivemos pelas Escrituras, des- cobrimos que elas são suficientes para todas as nossas necessidades, completas em si mesmas. A única regra de fé e prática.

Novo Testamento forma a segunda parte da Bíblia. O Velho Testa- mento cobre um período de milhares de anos de história, mas o No- vo Testamento, menos de um século.

A fração do l Século d. C., coberta pelo N. T., foi o período crucial du-

do l Século d. C., coberta pelo N. T., foi o período crucial du- 53 THEOLOGIA

53

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

rante o qual, em conformidade com as crenças cristãs, começaram a ter cumprimento as profecias Messiânicas:

Foi realizado o divino plano da redenção dos homens, por in- termédio do Filho de Deus, Jesus Cristo;começaram a ter cumprimento as profecias Messiânicas: O povo de Deus, a Igreja, se formou. 54

O povo de Deus, a Igreja, se formou.redenção dos homens, por in- termédio do Filho de Deus, Jesus Cristo; 54 THEOLOGIA ONLINE –

do Filho de Deus, Jesus Cristo; O povo de Deus, a Igreja, se formou. 54 THEOLOGIA

54

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

Tudo estava estribado sobre o Novo Pacto, segundo o qual Deus se ofereceu para perdoar os pecados daqueles que crêem em Je- sus Cristo, em virtude de Sua morte Vicária.

Escrito originalmente em grego, entre 45 95 (?) d.C., os Livros do N. T. é tradicionalmente atribuído aos apóstolos Pedro, João, Mateus e Paulo, bem como outros antigos escritores cristãos, João Marcos, Lu-

e Paulo, bem como outros antigos escritores cristãos, João Marcos, Lu- 55 THEOLOGIA ONLINE – LIVING

55

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

cas, Tiago e Judas" - Panorama do N.T. Robert H.Gundry, PH.D.

cas, Tiago e Judas" - Panorama do N.T. Robert H.Gundry, PH.D . 56 THEOLOGIA ONLINE –
cas, Tiago e Judas" - Panorama do N.T. Robert H.Gundry, PH.D . 56 THEOLOGIA ONLINE –

56

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

57

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

CAPÍTULO 08

A BÍBLIA HEBRAICA E A VULGATA LATINA

CAPÍTULO 08 A B ÍBLIA H EBRAICA E A V ULGATA L ATINA A. A BÍBLIA

A. A BÍBLIA HEBRAICA

Os judeus aceitam apenas os livros que os cristãos definem como Ve- lho Testamento. Os livros são os mesmos, mas colocados em ordem diferente. Reduzindo-se cada par de livros de Samuel, Reis e Crônicas a um cada, Esdras e Neemias a um, os doze profetas menores a um, em vez de 39 livros os judeus tem 24.

58

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

BIBLIOLOGIA – VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA 1. OS CINCO ROLOS Os Cinco Rolos eram Livros lidos

1. OS CINCO ROLOS Os Cinco Rolos eram Livros lidos em ocasiões especiais:

a. CANTARES Lido na Páscoa.

b. RUTE Lido na Festa de Pentecostes, como celebração da colheita.

59

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

c. ESTER

Lido na Festa do Purim, onde comemoram o Livramento de Is- rael das mãos de Hamã.

d. ECLESIASTES

Lido na Festa dos Tabernáculos.

e. LAMENTAÇÕES

Lido no dia nove do mês de "Abe" (julho/agosto), como tristeza pela destruição de Jerusalém e do Templo.

Obs.: Jesus concordou com a divisão hebraica ao citá-la em Lc 24.44.

B. A BÍBLIA CATÓLICO-ROMANA (Vulgata Latina)

A Vulgata Latina tem sete (7) livros a mais, perfazendo um total de setenta e três (73) livros. Os Livros acrescidos são chamados "apócri- fos", isto é, não canônicos, não inspirados, espúrios. Os sete (7) livros estão inseridos no Velho Testamento e foram aprovados pela Igreja Romana em 1546, no Concílio de Trento, em meio a muita controvér- sia. O Novo Testamento permanece com as mesmas características e número de livros da versão protestante.

LIVROS DO VELHO TESTAMENTO DA VULGATA LATINA

Gênesis

Eclesiástico*

Êxodo

Isaías

Levítico

Jeremias

Deuteronômio

Lamentações

Números

Baruque*

Josué

Ezequiel

60

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

Juízes

Daniel

Rute

Oséias

Samuel

Joel

Reis

Amós

Paralipômenos (Crônicas)

Obadias

Esdras

Jonas

Neemias

Miquéias

Tobias*

Naum

Judite*

Habacuque

Ester

Sofonias

Ageu

Salmos

Zacarias

Provérbios

Malaquias

Eclesiastes

1 Macabeus*

Cântico dos Cânticos

2 Macabeus*

Sabedoria*

* Livros apócrifos.

CONCLUSÃO: Cancelando os livros apócrifos e os acréscimos aos li- vros canônicos, as Bíblias nas versões Católica e Protestante, são substancialmente idênticas.

61

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

CAPÍTULO 09

CAPÍTULOS E VERSÍCULOS PESOS E MEDIDAS

09 C APÍTULOS E V ERSÍCULOS – P ESOS E M EDIDAS A. CAPÍTULOS E VERSÍCULOS

A. CAPÍTULOS E VERSÍCULOS

A divisão em Capítulos foi feita no ano de 1250 pelo Cardeal Hugo de Saint Clear, abade dominicano.

1. O VELHO TESTAMENTO

O

Velho Testamento tem 929 Capítulos.

O

Velho Testamento foi dividido em versículos em 1445 pelo Rabi

Natan.

O Velho Testamento tem 23.214 versículos.

2. O NOVO TESTAMENTO

O Novo Testamento tem 260 Capítulos.

O Novo Testamento foi dividido em versículos em 1551, por Ro- bert Stevens, um impressor de Paris.

O Novo Testamento tem 7.959 versículos.

62

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

Obs.: Toda a Bíblia tem:

1.189 capítulosVISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA Obs .: Toda a Bíblia tem: 31.173 versículos. A primeira versão editada

31.173 versículos.DA BÍBLIA Obs .: Toda a Bíblia tem: 1.189 capítulos A primeira versão editada em capítulos

A primeira versão editada em capítulos e versículos data de 1555, por Robert Stevens, sendo esta a Vulgata Latina.

B. SISTEMA DE PESOS E MEDIDAS

No antigo Oriente Próximo, os padrões variavam de conformidade com os distritos e as cidades, e não há qualquer prova que Israel pos- suísse ou usasse um sistema fixo de pesos e medidas. Davi (2 Sm 14.26) e Ezequiel (Ez 45.9-14) decretaram certos padrões básicos de Pesos & Medidas.

PESOS & MEDIDAS NO VELHO TESTAMENTO

 

MEDIDAS NO VELHO TESTA- MENTO

SISTEMA MÉTRICO DECIMAL

MEDIDAS DE PESOS

 

Gerá

0,6 gramas

Beca

6,0 gramas

Chequel (siclo)

11,4 gramas

Siclo Real

13,0 gramas

Mina

500 gramas

Talento

30

quilos

Talento de Ouro

60

quilos

63

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

MEDIDAS DE COMPRIMENTOS

 

Dedo

 

1,9 cm

Largura da Mão

 

7,6 cm

Palmo

 

23

cm

Côvado

 

46

cm

Côvado de Ezequiel

 

52

cm

Vara

 

2,67 m

Vara de Ezequiel

 

3,10 m

MEDIDAS DE SECOS & MOLHADOS

 

Sextário*

0,3 litros

Cabo*

 

1,2 litros

Ômer**

 

2,2 litros

Him

 

3,6 litros

Coro**

 

7,3 litros

Bato

22

litros

Efa**

22

litros

Lethech

110

litros

Homer**

220

litros

* Medidas para Secos e Molhados ** Medidas somente para Secos

64

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

 

PESOS & MEDIDAS NO NOVO TESTAMENTO

MEDIDAS NO NOVO TESTA- MENTO

SISTEMA MÉTRICO DECIMAL

 

MEDIDAS DE PESOS

Libra

327,45 gramas

Talento (Romano)

 

40 quilos

MEDIDAS DE COMPRIMENTOS

Côvado (Romano)

 

54,9 cm

Braça

1,8 m

Estádio (Stadium)

 

184,9 m

Milha (Mille Passun)

 

1.478,5 m

Jornada

de

um

Sábado

Aproximadamente 1.098 m (2000 Côvados)

(Tehum-ha-shabbãth)

 

MEDIDAS DE SECOS & MOLHADOS

Medida (chonix)**

 

+ ou 1 Litro

Coro (Okoros)**

 

525 litros

Alqueire (Módio)**

 

8,75 litros

Bato (cado)*

 

39,5 litros

Metreta (Metretês)

 

38,25 litros

* Medidas para Secos e Molhados

** Medidas somente para Secos

65

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

CAPÍTULO 10

A BÍBLIA EM PORTUGUÊS

DA BÍBLIA CAPÍTULO 10 A B ÍBLIA EM P ORTUGUÊS A. OS ANOS DE PREPARAÇÃO 1.

A. OS ANOS DE PREPARAÇÃO

1. O REI DE PORTUGAL

D. Diniz (1279 - 1325) traduziu os vinte primeiros capítulos do Li- vro de Gênesis usando a Vulgata Latina como base. Pode-se ver que o começo da tradução da Bíblia em português ocorreu antes da tradução da Bíblia para o Inglês por John Wycliff.

2. A TRADUÇÃO DOS EVANGELHOS

O Rei D. João l (1385 - 1433) ordenou a tradução dos evangelhos, do livro de Atos e das epístolas de Paulo. Essa obra foi realizada por "padres" católicos, que se utilizaram da Vulgata Latina como base. Desses esforços resultou uma publicação que incluía os li- vros mencionados e o livro de Salmos do Velho Testamento.

66

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

3. OS ANOS SEGUINTES

Nos anos seguintes foram preparadas diversas traduções de por- ções bíblicas como os evangelhos, traduzidos do francês pela in- fanta Dona Filipa, filha do infante D. Pedro e neta do rei D. João l; o evangelho de Mateus e porções dos demais evangelhos, pelo frei cisterciense Bernardo de Alcobaça, que se baseou na Vulgata Latina. Este último trabalho foi publicado em Lisboa, no século XV. Valentim Fernandes publicou um harmonia dos evangelhos, em 1495. Nesse mesmo ano foi publicada uma tradução das epístolas e dos evangelhos, feita pelo jurista Gonçalo Garcia de Santa Maria. Por ordem da rainha Leonora, dez anos mais tarde, eram traduzi- dos e publicados o livro de Atos e as epístolas gerais.

B. TRADUÇÃO DA BÍBLIA EM PORTUGUÊS

1. JOÃO FERREIRA DE ALMEIDA

João Ferreira de Almeida nasceu em Torre de Tavares, Portugal, em 1628. Ao realizar sua obra de tradutor era Pastor Evangélico. Aprendeu o hebraico e o grego, e assim usou os "mss" (manuscri- tos) dessas línguas como base de sua tradução, ao contrário dos outros tradutores mencionados acima, que sempre se utilizavam da Vulgata Latina como base.

2. O NOVO TESTAMENTO DE ALMEIDA

João Ferreira de Almeida traduziu em primeiro lugar o Novo Tes- tamento, publicando-o em 1681, em Amsterdã, na Holanda. O seu título foi: "O Novo Testamento, isto he o Novo Concerto de Nosso Fiel Senhor e Redemptor lesu Christo, traduzido na Língua Portu- guesa", o qual por si mesmo revela o tipo de português arcaico que foi usado. As edições mais modernas têm obtido notáveis

67

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

progressos na melhoria do texto e da tradução em geral.

3. A BÍBLIA DE ALMEIDA

A Bíblia completa, traduzida por João Ferreira de Almeida, só foi publicada nos primórdios do Século XVIII.

Ferreira de Almeida , só foi publicada nos primórdios do Século XVIII. 68 THEOLOGIA ONLINE –

68

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

69

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY

BIBLIOLOGIA VISÃO PANORÂMICA DA BÍBLIA

70

THEOLOGIA ONLINE LIVING STONES MINISTRY