Você está na página 1de 4

TEORIA CLASSICA DA ADMINISTRAÇÃO

A teoria Clássica da Administração surge por volta de 1916 na Europa


tendo como principal fundamento sua teoria focada na estrutura organizacional,
visão do Homem Econômico e pela busca da máxima eficiência. Seu principal
fundador foi Henry Fayol um engenheiro Francês (1841-1925)
que viveu as conseqüências da Revolução Industrial e da Primeira Guerra
Mundial. A Teoria Clássica partia da organização como um todo e da sua
estrutura para garantir eficiência a todas partes envolvidas, divisões como
órgãos separadas por células ou departamentos . Sofreu críticas como a
manipulação dos trabalhadores através dos incentivos materiais e salariais e a
excessiva unidade de comando e responsabilidade. paralelamente aos estudos
de Taylor, Henri Fayol defendia princípios semelhantes na Europa, baseado em
sua experiência na alta administração. Enquanto os métodos de Taylor eram
estudados por executivos Europeus, os seguidores da Administração Científica
só deixaram de ignorar a obra de Fayol quando a mesma foi publicada nos
Estados Unidos. O atraso na difusão generalizada das idéias de Fayol fez com
que grandes contribuintes do pensamento administrativo desconhecessem
seus Princípios Básicos.

Fayol relacionou 14 princípios básicos

1º Divisão do trabalho : especialização das tarefas e das pessoas visando


aumentar o rendimento. “Produzir mais e melhor, com o menor esforço.”
2º Autoridade e responsabilidade :direito de mandar e ter o poder de ser
obedecido. A responsabilidade é uma conseqüência da autoridade.
3º Disciplina e obediência, assiduidade, comportamento e respeito às
convenções estabelecidas entre a empresa e seus agentes.
4º Unidade de comando : o empregado deve receber ordens de somente
um chefe
5º Unidade de direção :um só chefe e um só programa para cada grupo
de atividades que tenham o mesmo objetivo;
6º Subordinação do interesse particular ao interesse geral : os
interesses de uma pessoa ou de um grupo de pessoas não devem prevalecer
sobre os da empresa.
7º Remuneração do pessoal : prêmio sobre o serviço prestado; deve ser
justa, satisfazendo simultaneamente empregador e empregado.
8º Centralização :convergência da autoridade na direção da empresa;
9º Hierarquia : (ou cadeia escalar) linha de autoridade do escalão mais alto
ao mais baixo, dos chefes aos subordinados.
10º Ordem : um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar. Ordem
material e humana.

11º Eqüidade : resultante da combinação da benevolência com a justiça,


para obter a boa vontade e dedicação do pessoal.
12º Estabilidade: a permanência no cargo favorece o bom desempenho, a
rotação de pessoal é prejudicial para a eficiência da organização.
13º Iniciativa : a liberdade de conceber e assegurar o sucesso de um plano
gera satisfação e deve ser estimulada.
14º União do pessoal : o espírito de equipe, a harmonia e união do pessoal
são essenciais para o bom funcionamento da empresa

Para Fayol as empresas deve apresentar as seguintes funções , técnicas ,


comerciais , financeiras,segurança, contábeis ,e administrativas que na opinião
dele a mais importante, aquela que coordena e sincroniza as demais funções .

FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS
Administrar é prever, organizar, comandar, coordenar e controlar.
prever : visualizar o futuro e traçar o programa de ação;
organizar : constituir o duplo organismo material e social da empresa;
comandar : dirigir e orientar o pessoal;
coordenar : ligar, unir, harmonizar todos os atos e esforços coletivos;
controlar : verificar que tudo corra de acordo com o estabelecido.

O uso destes princípios originou um tipo de organização com cargos


precisamente definidos e organizados de maneira hierárquica através de linhas
de comando ou de comunicação altamente detalhadas.
Tanto Fayol quanto Taylor criaram sistemas de administração e publicaram em
suas obras as autoridades máximas sobre o assunto nelas tratados.

Estrutura organizacional
O organograma da empresa é traçado por uma estrutura altamente
verticalizada, com divisão de responsabilidades e supervisão direta, o que
confirma seu estilo mecanicista de administração. Esta forma rígida leva a uma
racionalidade, na qual as pessoas são valorizadas pela sua habilidade de se
encaixarem e contribuírem para a operação eficiente da estrutura previamente
estabelecida.
As maiores decisões, definições de estratégias e resolução de problemas
complexos só ocorrem nos níveis hierárquicos mais altos. O maior nível e,
conseqüentemente, de maior responsabilidade por parte de cada restaurante é
o do gerente operador, que pode ser um funcionário selecionado pela empresa
ou, em casos de franquia, na pessoa do próprio franqueado, que centraliza
todas as decisões mais importantes.
O controle das operações dos restaurantes do Brasil é dividido por regiões,
cada uma contendo escritórios e departamentos onde estão os consultores de
áreas, como no caso, treinamento, recursos humanos, operações e também os
consultores de campo, que são os que visitam os restaurantes e realizam
avaliações periódicas no desempenho de cada um. Algumas ações não podem
ser tomadas dentro do restaurante, e sim, por parte dos escritórios regionais.
Alguns Pontos Negativos
Obsessão pelo comando - Tendo como ótica a visão da empresa a partir da
gerência administrativa, Fayol focou seus estudos na unidade do comando,
autoridade e na responsabilidade. Em função disso, é visto como obcecado
pelo comando. A empresa como sistema fechado - A partir do momento em que
o planejamento é definido como sendo a pedra angular da gestão empresarial,
é difícil imaginar que a organização seja vista como uma parte isolada do
ambiente. Manipulação dos trabalhadores - Bem como a Administração
Científica, fora tachada de tendenciosa, desenvolvendo princípios que
buscavam explorar os trabalhador ,abordagem simplificada da organização
formal; ausência de trabalhos experimentais; extremo racionalismo na
concepção da administração, teoria da máquina; abordagem incompleta;
abordagem incompleta da organização.