Você está na página 1de 1

Secundária Infanta D.

Maria em Coimbra e os professores


que a ministra perdeu!

Senhora Ministra,

Afirmou a senhora há tempos que tinha perdido os professores mas ganhado a opinião pública. Nós,
professoras e professores da Escola Secundária Infanta D. Maria, estamos pois entre os muitos que a
senhora “perdeu”. E sentimo-nos perdidos, de facto:

quando se divide artificialmente os professores em categorias com base em critérios discricionários e se


degrada o nosso estatuto profissional;

quando a tutela nos quer impor um pretenso modelo de avaliação de desempenho docente que não é
senão um sistema para bloquear a carreira e para trucidar a solidariedade e a colaboração entre
profissionais;

quando a nossa entidade patronal ao invés de valorizar e dignificar os seus funcionários só cura de os
vilipendiar e humilhar, só pretende transformá-los em acéfalos serventuários;

quando o ministério não promove a educação mas dá tantas oportunidades ao facilitismo e ao sucesso
nas estatísticas;

quando se fecha os olhos ao absentismo e à indisciplina dos alunos;

quando verificamos que décadas de árduo trabalho e de descontos para a aposentação redundam em
exíguas reformas;

quando, mesmo apesar disso, o êxodo dos profissionais se agrava (só no último ano aposentaram-se
nesta escola cerca de 1/5 dos professores do quadro);

quando se estimula a mais reles subserviência e a mais abjecta delação;

quando em vez de promover a cooperação com a comunidade se transformam as escolas em armazéns a


tempo inteiro e se estimula a desresponsabilização das famílias no processo educativo;

quando se faz tábua rasa de décadas de experiência e inovação na gestão democrática das escolas e se
impõe o regresso ao director autocrático.

Estamos cansados da sua surdez arrogante, da sua prepotência ignorante. É que a senhora perdeu os
professores e não ganhou nada. Só por ignorante cegueira é possível não ver que se compromete assim
o futuro de gerações, que Portugal não descolará da cauda do desenvolvimento com manipulações
estatísticas, com show-off mediático.

Ao contrário da senhora, nós estamos empenhados na defesa de uma escola pública de qualidade para
todos, que promova o desenvolvimento do país e a qualidade de vida dos cidadãos.

Por isso, apesar de perdidos e cansados, continuamos indignados. E com ganas de lutar por uma
mudança urgente das políticas na educação.

Hoje aqui, no próximo sábado em Lisboa, queremos dizer-lhe basta! Se não é capaz de inverter as suas
políticas, de dignificar a escola pública e promover realmente a educação para todos, vá-se embora! Já
provocou demasiados estragos – quiçá irreparáveis – na escola portuguesa. Vá-se embora! Não deixa
saudades

26-5-2009 SPRC