Você está na página 1de 244

0

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO


PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

PROJETO PEDAGÓGICO
DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

Diretor Acadêmico: Prof. Dr. Miguel Roberto Jorge

SÃO PAULO
2006

0
1
CURSO DE MEDICINA
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO............................................................................................................... 2

2. CONCEPÇÃO DO CURSO............................................................................................ 4
2.1. O Curso Médico............................................................................................. 4
2.2. O Perfil do Graduado em Medicina na UNIFESP-EPM .............................. 4
2.3. Objetivos......................................................................................................... 5
2.4. Mercado de Trabalho..................................................................................... 5
2.5. A Gestão do Curso......................................................................................... 7

3. CURRÍCULO.................................................................................................................. 8
3.1. Princípios Norteadores do Novo Modelo Curricular.................................. 8
3.2. O Currículo Atual........................................................................................... 9
3.3. Duração e Carga Horária do Curso............................................................ 12

4. SISTEMAS DE AVALIAÇÃO....................................................................................... 13
4.1. Avaliação do Currículo................................................................................ 13
4.1.1. Oficinas e Seminários................................................................... 13
4.2. A Prova de Progresso.................................................................................. 15
4.3. A Avaliação de Unidades Curriculares/disciplinas pelos estudantes.... 16
4.4. Comissões de Avaliação de Habilidades e Atitudes................................ 16
4.5. Avaliação de Egressos................................................................................ 17

5. PLANOS DE ENSINO.................................................................................................. 18

1
2
1. INTRODUÇÃO

A Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina (UNIFESP-EPM) é uma


universidade, hoje, em franco processo de mudanças. Até 2005, possuía um único campus –
São Paulo – caracterizando-se pela excelência de suas atividades no ensino, pesquisa e
extensão na área da saúde. A partir de 2006, ocorre a criação de um novo campus na Baixada
Santista, ainda com cursos de graduação da área da saúde e, em 2007, dois novos campi,
incluirão cursos de graduação nas áreas das ciências humanas e exatas. Seu corpo docente e
técnico, altamente qualificado, a coloca como um centro de referência nacional, e mesmo
internacional.

A história da UNIFESP-EPM teve início na década de 1930. Havia em São Paulo nessa
ocasião somente uma Faculdade de Medicina. Em 1933, em uma casa situada à Rua Coronel
Oscar Porto ocorria a “fundação de uma incipiente e promissora Escola Médica por um grupo
de destacados jovens médicos, criativos, com alma de pioneiros, dotados de invulgar dose de
entusiasmo, possuidores do desejado espírito de luta e imbuídos do continuado amor ao
trabalho, que tiveram a ventura de transmitir às gerações que os sucederam, essa excelente
soma de virtudes e idealismo”. Quando a Escola Paulista foi criada, não possuía um único
metro quadrado, mas foi grande o ideal, e persistente a ação, dos fundadores.

A EPM foi pioneira na construção do primeiro hospital-escola do país, na criação da estrutura


departamental, na criação do curso de Ciências Biomédicas e do único curso superior de
tecnologia em área médica. Desde o início a Escola ofereceu formação profissional de
qualidade; simultaneamente ampliou seu horizonte intelectual, diversificou seus recursos
humanos, enriqueceu-se em recursos materiais e aumentou significativamente seu espaço
físico de atuação. Passou de escola profissionalizante à universidade de pesquisa. Pedra
fundamental desta transformação foi a criação, em 1948, do primeiro núcleo de pesquisa
básica na instituição. José Leal Prado e José Ribeiro do Valle iniciaram, em duas pequenas
salas emprestadas da farmácia do HSP, o que viriam a ser os Laboratórios de Bioquímica e
Farmacologia. Em 1956, ano da federalização da EPM, os Laboratórios instalaram-se em
prédio próprio (Edifício José Leal Prado). Leal Prado, em 1966, liderou a criação do curso
Biomédico. A nucleação da pesquisa, básica e clínica, e a criação do curso Biomédico foram
definidoras do destino da EPM. A UNIFESP é hoje a mais produtiva das universidades
brasileiras, considerada a relação entre o número de trabalhos publicados em periódicos de
circulação internacional e o número de docentes.

Desde a fundação da escola, a visão dos professores tem sido que a eficiência na área da
saúde só seria alcançada se houvesse diversificação na formação de profissionais

2
3
competentes na área. Poucos anos após a criação do curso médico (1933) foi criada a Escola
de Enfermagem (1939). O curso de Ciências Biomédicas (1966) foi criado visando a formação
de docentes e pesquisadores nas áreas básicas da Medicina, e logo a seguir ocorreu a criação
de mais dois cursos, o de Fonoaudiologia (1968) voltado para a formação de profissionais
habilitados no processo de comunicação humana e em 1970 o curso de Ortóptica que com o
desenvolvimento técnico científico da área transformou-se em curso de Tecnologia Oftálmica
que capacita o profissional em diferentes técnicas e exames diagnósticos para participação na
equipe de atendimento oftalmológico. A federalização da Escola ocorreu pelo Decreto
Presidencial de 21 de janeiro de 1956.

A UNIFESP-EPM foi uma das pioneiras em implantar Programas de Residência Médica no


Brasil. A Residência Médica foi iniciada em 1957 visando adequar a formação do médico com
os avanços da medicina e as necessidades da sociedade. Em 2004 foram oferecidos 41
programas de residência oferecidos a 474 médicos residentes.

Em 1970, foi criado o primeiro curso de pós-graduação na EPM, o qual evoluiu para os 39
programas atuais, e vem formando pesquisadores, mestres e doutores para todo o país.

A terceira face da Unifesp é a extensão. Além da atividade de assistência desenvolvida quer no


Hospital São Paulo, seus ambulatórios, quer nos outros hospitais que administra, a
universidade provê assistência, educação, orientação em saúde a várias comunidades, que
têm como marco inicial o Projeto Xingu, o qual desenvolve assistência à população indígena do
Parque Nacional do Xingu, iniciado em 1965. Mas a história da UNIFESP não terminou: a
transformação formal de instituição de ensino superior isolada, em universidade, consolidou o
existente. O objetivo da UNIFESP é o de formar excelentes profissionais para o país, diante de
nosso enorme compromisso, como universidade pública, com a nossa sociedade.

3
4
2. CONCEPÇÃO DO CURSO
2.1. O Curso Médico
Iniciado em 1933, a “Escola Paulista de Medicina” foi reconhecida legalmente pelo Decreto
2.703 de 31 de maio de 1938. Oferece atualmente 110 vagas pelo sistema universal e 11 pelo
sistema de cotas para negros ou indígenas que cursaram ensino médio, exclusivamente em
escola pública. Em consonância com a missão da UNIFESP-EPM para a graduação, o curso
médico se propõe a formar, com perspectiva humanista, indivíduos que, além da aquisição de
conhecimento, adquiram a capacidade de autoaprendizagem e desenvolvam atitudes e
habilidades que possibilitem o desempenho profissional competente, crítico e ético. A educação
profissional iniciada no curso de graduação deve ser continuada e, portanto, os graduados
devem estar preparados para múltiplas possibilidades que se abrem após a conclusão do
curso: exercício profissional, especialização, pós-graduação stricto sensu e carreira acadêmica.
Os profissionais formados devem ter conhecimento da organização do sistema de saúde
vigente no país, das características do mercado de trabalho e estar preparados para trabalhar
em equipe. O curso médico na UNIFESP-EPM é determinado por algumas características da
Instituição:
− Participação de estudantes em ações fora do campus;
− Integração científica e geográfica entre as áreas biológicas e profissionais;
− Corpo docente com elevado nível de titulação acadêmica e regime de trabalho de
tempo integral em porcentagem superior a 95%;
− Atividade de grupos de excelência em pesquisa e,
− Significativo envolvimento de estudantes em programas de iniciação científica.

2.2. O perfil do graduado em medicina na UNIFESP-EPM


É um profissional com domínio das ciências biológicas – dos eventos moleculares à anatomia,
com especial apreço pela vida humana, pelas pessoas – suas necessidades e sofrimento –
compreendendo-as como sujeitos que pertencem a um contexto familiar, social, cultural e
histórico. Ao concluir seu curso, é esperado que o médico formado pela UNIFESP-EPM
apresente o seguinte perfil:
− Conhecimento das bases morfológicas e fisiológicas da medicina
− Conhecimento das bases da medicina celular e molecular
− Conhecimento da estrutura e função de órgãos, sistemas e aparelhos que permita
acompanhar processos fisiológicos e de doença
− Entendimento crítico de princ ípios diagnósticos e terapêuticos que possibilitem o
exercício profissional baseado na melhor evidência médico-científica
− Competência para diagnosticar, tratar e orientar portadores das doenças mais
prevalentes, reconhecendo os limites de sua ação

4
5
− Habilidades básicas de sua profissão
− Competência para o desempenho ético da profissão
− Compreensão das dimensões biológica, psicológica, social no processo saúde-
doença
− Conhecimentos básicos de promoção de saúde e prevenção
− de doenças
− Capacidade para o trabalho em equipe multiprofissional e interdisciplinar
− Conhecimento do método científico.

2.3. Objetivos
Possibilitar a formação de um profissional com conhecimento, habilidades e atitudes que
permitam o adequado desempenho das atividades próprias de sua área e capacitado para a
auto-aprendizagem. Portanto, é fundamental que sua formação proporcione conhecimentos
suficientes de metodologia científica e desenvolvimento crítico. Os profissionais formados
devem, ainda, Ter conhecimento da organização do sistema de saúde vigente no país, das
características do mercado de trabalho e estar preparados para trabalhar em equipe.

2.4. Mercado de Trabalho


No que se refere à inserção do médico no mercado de trabalho, observa-se que o caráter
tradicionalmente liberal da Medicina tem sido alterado significativamente nos últimos anos no
Brasil, constatando-se que um grande contingente de profissionais alia trabalho assalariado e
prática autônoma em consultórios e organizações hospitalares, acumulando-se duas a três
atividades.

Na rede pública predomina a contratação de forma assalariada e no setor privado permanece a


vinculação desses profissionais como autônomos ou prestadores de serviços terceirizados, por
meio de cooperativas ou empresas médicas. Uma tendência crescente, especialmente em
hospitais lucrativos, vem sendo a organização do trabalho dos médicos na forma de
sociedades civis de profissões regulamentadas ou sociedades de quotas de responsabilidade
limitada. Estima-se que existam aproximadamente 260 mil médicos em atividade no país
(Cremesp, Nescon, OPAS, 2002), sendo que a cada ano graduam-se cerca de 10 mil
profissionais. O Estado de São Paulo conta com cerca de 30% do total de profissionais e, em
2005, com 27 escolas médicas. A partir de dados da Pesquisa Nacional de Amostra por
Domicílios (PNAD – 1999), verifica-se que 48,1% dos profissionais atuam no setor privado e
51,9% no setor público, considerando a atividade principal. Destes, 7,1% no setor público
federal, 52,4% no estadual e 40,5% no municipal. As posições de autônomo e de empregador
foram mais freqüentes para os homens – 23,4% e 17, 5%, respectivamente, enquanto para as
mulheres as freqüências foram de 17,5% e 3,5%. Em São Paulo, na última década, a profissão

5
6
se caracterizou por maior participação de mulheres e aumento do mercado formal (CLT),
sobretudo às custas da administração pública direta e autárquica, segundo a Rais (Relação
Anual de Informações Sociais) e o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).
O avanço no processo de municipalização dos serviços de saúde provavelmente contribuiu
para essa mudança. Em relação ao fluxo de admissões e desligamentos, em 2001, São Paulo
apresentou uma situação diferenciada do conjunto do país, sendo responsável por 44,1% das
admissões e 42,5% dos desligamentos. Nota-se a tendência, no setor lucrativo, de maiores
níveis de oferta para especialidades mais restritas (Otorrinolaringologia, Urologia, etc),
enquanto o setor público é o maior empregador de especialidades básicas – clínica médica,
pediatria, ginecologia e obstetrícia. O setor não-lucrativo ou filantrópico (Santas Casas)
apresenta uma posição intermediária: emprega especialidades básicas e outras mais restritas.
A análise do mercado de trabalho médico e suas transformações em nosso país são bastante
complexas e dinâmicas. Entretanto, a partir dessas diferentes fontes de dados é possível
afirmar que, no Estado de São Paulo, há maior proporção de profissionais celetistas e as
médias salariais são maiores que no restante do país. Na área privada tem crescido a
contratação de médicos como autônomos, isto é, como prestadores de serviços. Ainda, o
Sistema Único de Saúde, em todos os níveis de complexidade – básica, média e alta - é
importante empregador, o que amplia a responsabilidade das escolas médicas na formação de
profissionais adequados a essa demanda e necessidade.

O surgimento de novas especialidades na área médica resulta, fundamentalmente, da criação


de subdivisões das especialidades existentes. A partir do avanço técnico-científico, em especial
nas últimas duas décadas, têm decorrido novos procedimentos diagnósticos e terapêuticos e a
necessidade de domínios específicos em cada área. Ao mesmo tempo, mudanças do perfil
epidemiológico da população em nosso país e no mundo trazem novas demandas em saúde,
novas necessidades. Estes fatos reforçam a importância de uma formação que capacite o
profissional para busca de conhecimento, para a autoaprendizagem, para sua percepção de
que sua formação deverá ser contínua e deverá acompanhar toda sua trajetória profissional.
No curso médico, o grande desafio é justamente garantir uma formação geral e que esse
domínio das especialidades seja apresentado sem que ocorra uma fragmentação excessiva de
seu currículo. Os limites do conhecimento de cada área e a forma de inclusão constituem o
objeto de constante discussão, aprimoramento e planejamento dos gestores do curso.

2.5. A gestão do Curso de Medicina na Unifesp


A Comissão do Curso de Medicina está constituída por 13 docentes (um deles é o Diretor
Acadêmico do curso) e 3 estudantes. São 4 professores do ciclo básico (1ª e 2 ª séries do
curso), 4 professores do ciclo profissionalizante (3ª e 4ª séries do curso) e 4 professores do
internato (5ª e 6ª séries) do curso. Os estudantes, da mesma forma, representam cada um

6
7
desses três ciclos. O mandato de cada docente é de dois anos (permitida uma recondução
consecutiva), sendo eleito entre seus pares, membros da Subcomissão correspondente. Cada
subcomissão está constituída pelos coordenadores de unidades curriculares e de
representantes de cada uma das disciplinas que desenvolvem atividades no curso, no ciclo
correspondente. O Diretor Acadêmico é escolhido pelo Pró-Reitor de Graduação dentre uma
lista tríplice de docentes da Comissão do Curso elaborada por seus membros. O mandato é de
dois anos e é permitida uma única recondução consecutiva. A Comissão de Curso conta com
comissões assessoras para: diciplinas eletivas, prova do progresso e prova de habilidades.
3. CURRÍCULO
3.1. Princípios Norteadores do Novo Modelo Curricular
O atual currículo do curso médico da UNIFESP-EPM reflete uma longa trajetória de mudanças,
considerando os diferentes contextos do país – políticos, históricos, culturais, de organização
de nossa sociedade, de estruturação dos serviços de saúde, com destaque às mudanças mais
profundas que ocorrem a partir da criação do Sistema Único de Saúde (SUS) em 1988, em
especial a garantia do direito à saúde como artigos incluídos na nossa Constituição.
A reformulação do currículo que resultou na implantação do atual modelo começou a ser
construída com a aprovação no Conselho Departamental da então Escola Paulista de Medicina
do projeto “A Graduação Médica – Uma proposta de avaliação”, em 1987. O objetivo central foi
desenvolver um trabalho que considerasse a contribuição de todos os segmentos da instituição
– docentes, alunos e egressos. As idéias centrais foram extraídas de consolidados pareceres,
elaborados por grupos de discussão, constituídos por representantes dos diferentes
departamentos, alunos e residentes. Em 1997, como resultado desse processo, tem início o
Currículo Nuclear que apresenta como princípios gerais de sua
organização:
− Integração de disciplinas – construção de um currículo com base em conteúdos e
não em disciplinas administrativas, buscando reduzir a fragmentação. Mesmo em
disciplinas isoladas busca-se uma maior interface no seu desenvolvimento.
− Integração básico-clínico: assumindo esta articulação como desafio a ser superado
de forma processual, a participação de docentes oriundos das ciências básic as e clínicas
em alguns módulos têm buscado superar a dicotomia básico profissional tão comuns na
formação em saúde.
− Início de atividades práticas, compatíveis com sua competência, desde a primeira
série do curso: ao contrário da organização curricular tradicional, o graduando exercita sua
prática desde o início do curso, possibilitando autonomia crescente no exercício de suas
atividades.
− Atuação em diferentes cenários da prática profissional – hospital universitário,
ambulatórios, unidades básicas de saúde e na comunidade: estes variados contextos de

7
8
aprendizagem têm buscado superar o modelo hospitalocêntrico de formação possibilitando
ao graduando formar-se para atuar na promoção, proteção e recuperação da saúde.
− Estratégias pedagógicas que favoreçam a auto-aprendizagem: busca-se motivar os
estudantes para a busca ativa de informações, e a aprendizagem em contexto da prática
profissional em uma perspectiva problematizadora. A organização nuclear do currículo, com
a possibilidade de uma formação mais individualizada objetiva também propiciar a
− Responsabilidade crescente do graduando com seu processo de formação.
− Tempo pró-aluno: valorizam-se espaços na organização curricular para que os
estudantes possam dedicar-se a atividades de estudo, reflexão ou lazer.
− Disciplinas eletivas: pretende uma formação diferenciada a partir do interesse do
graduando de forma a propiciar o aprofundamento e/ou a atualização do conhecimento
teórico-prático em áreas de maior interesse do aluno.

3.2. O currículo atual


3.2.1. Ciclo Básico – constituído pelas seguintes unidades curriculares:
1ª série
− Observação das práticas médicas – observação de diferentes práticas profissionais e
discussão com participação de docentes de áreas clínicas/cirúrgicas, psiquiatria, saúde
coletiva e biológicas
− Bases morfológicas da medicina – Anatomia, Histologia e Biologia do
desenvolvimento
− Organização funcional do corpo humano: das células aos sistemas – Biofísica
(celular e de sistemas), Fisiologia e Bioquímica
− Saúde Coletiva: política de saúde no Brasil e o Sistema Único de Saúde
− Suporte básico de vida no adulto e na criança e Primeiros Socorros
− Introdução às técnicas básicas
− Psicologia Médica I

2ª série
− Bases moleculares e celulares da medicina – Bioquímica (Biologia Molecular),
Microbiologia, Imunologia, Parasitologia
− Epidemiologia
− Bioestatística
− Sociologia Médica
− Educação e comunicação em saúde
− Atendimento Pré-Hospitalar do Trauma

8
9
− Psicologia médica II
− Psicobiologia e Farmacologia
− Anatomia patológica
− Semiologia integrada por ciclos de vida (Clínica Médica, Pediatria, Obstetrícia,
Ginecologia, Geriatria, Psicologia Médica).
− Disciplinas eletivas

3.2.2. Ciclo profissionalizante – constituído pelas seguintes unidades curriculares


3ª série
− Semiologia do adulto e da criança (Clínica Médica, Pediatria, Psicologia Médica,
Nutrição, Diagnóstico por Imagem e Informática em Saúde).
− Anatomia Topográfica Aplicada
− Fundamentos de Oncologia
− Epidemiologia
− Genética médica
− Psiquiatria
− Técnica operatória e cirurgia experimental
− Doenças infecciosas no adulto e em pediatria
− Bioética
− Bases da medicina por sistema e aparelhos: Locomotor, Reprodutor e Cabeça e
Pescoço, Hematopoiético
− Disciplinas eletivas

4ª série
− Oftalmologia
− Anestesiologia
− Geriatria
− Medicina Forense
− Medicina de urgência baseada em evidência
− Bases da medicina por sistemas e aparelhos – Digestório, Urinário, Respiratório,
Nervoso, Cárdio-circulatório e Tegumentar
− Saúde Integral da Mulher e da Criança
− Clínica Médica
− Doenças infecciosas e parasitárias
− Disciplinas eletivas

9
10
3.2.3. Internato – constituído por estágios em serviços hospitalares de diferentes níveis de
complexidade (enfermarias, ambulatórios e emergências) e em unidades de atenção básica
nas seguintes áreas: adulto, criança e adolescente, ginecologia e obstetrícia, saúde mental,
saúde coletiva e especialidades clínicas e cirúrgicas.

5ª série:
− Cardiologia/Cirurgia Cárdio-vascular
− Endocrinologia
− Gastroclínica/Gastrocirurgia
− Hematologia
− Nefrologia/Urologia
− Neurologia Clínica/Neurocirurgia
− Oftalmologia
− Otorrinolaringologia
− Peneumologia/Cirurgia Torácica
− Psiquiatria
− Ambulatório de Medicina Geral/Familiar
− Ambulatório interdisciplinar de atenção ao adulto I
− Ginecologia – HSP
− Gineco-obstetrícia – HVM
− Medicina Preventiva Clínica/Geriatria
− Pediatria Geral e Comunitária

6ª série
− Ambulatório interdisciplinar de atenção ao adulto II
− Obstetrícia – HSP
− Infectologia
− Ortopedia/traumatologia
− Pediatria
− Suporte avançado de vida em cardiologia
− Anestesiologia
− Cirurgia Plástica
− Cirurgia Vascular
− Enfermaria Geral de Clínica – HVM
− Enfermaria Geral de Cirurgia – HVM
− Pronto Socorro de Cirurgia
− Medicina de Urgência

10
11

3.3. Duração e Carga Horária do Curso


O Curso Médico da UNIFESP tem a duração de 6 anos em período integral. A carga horária
total do curso é de aproximadamente 9951 horas distribuídas ao longo do curso, sendo que do
2 ao 4 ano parte da carga horária é destinada a disciplinas eletivas. A seguir encontram-se os
planos pedagógicos das unidades curriculares.

11
12
4. SISTEMAS DE AVALIAÇÃO
4.1. Avaliação do Currículo
4.1.1. Oficinas e seminários
Em 2001, ano de edição das diretrizes curriculares nacionais para os cursos de graduação em
saúde, iniciava-se na UNIFESP-EPM um amplo processo de avaliação do Curso Médico, tendo
como foco principal às mudanças decorrentes da implantação do currículo nuclear em 1997.
Em outubro de 2001, por ocasião do quinto ano do currículo nuclear, foi realizada uma Oficina
de Trabalho, que contou com a participação de cerca de 120 docentes e discentes.

Nessa oficina, reafirmaram-se as principais metas e estratégias do currículo nuclear, foram


revistos alguns pontos estabelecidos anteriormente, identificados obstáculos para sua
execução e apresentadas propostas visando à superação de dificuldades. Os aspectos
positivos e negativos do currículo foram apontados e discutidos e adequações pertinentes
propostas e aprovadas em todas as instâncias da Instituição, sempre considerando a realidade
e características próprias da UNIFESP-EPM – vocação para pós-graduação e pesquisa,
universidade da saúde, situada em grande centro urbano com expressiva concentração de
profissionais e hospitais de alta complexidade.

A formação geral e humanística do profissional da área médica, crítico, capacitado para o


desenvolvimento de um trabalho em equipe multiprofissional, entre outros objetivos, e as
estratégias estabelecidas pelo currículo nuclear da UNIFESP-EPM foram reafirmadas na
Oficina e claramente estavam em consonância com as diretrizes curriculares, portanto, estas
constituíram mais um estímulo ao processo de discussão e avaliação que vinha ocorrendo na
instituição. No mesmo ano, ocorreu o lançamento do Promed – Programa de Incentivo a
Mudanças Curriculares (ação conjunta do Ministério da Educação, da Saúde e da OPAS) e,
durante o ano de 2002, o processo de elaboração do projeto Promed na UNIFESP-EPM
envolveu todas as instâncias de decisão na área da graduação: subcomissões e comissão do
curso médico, Conselho de Graduação e Conselho Universitário. Foram realizadas,
simultaneamente, apresentações e discussões sobre o projeto e as novas propostas nos
Conselhos de Departamentos das grandes áreas – Pediatria, Ginecologia, Obstetrícia,
Medicina, Cirurgia, Psiquiatria e Medicina Preventiva, o que permitiu que se agregassem
docentes desses departamentos no planejamento do projeto e, posteriormente, na sua
execução. Contou-se, ainda, com a assessoria do Cedess – Centro de Ensino Superior em
Saúde/UNIFESP-EPM– durante todo processo. A aprovação do projeto, no final de outubro,
constituiu grande incentivo para mudanças que já estavam em curso e/ou seriam executadas
em 2003. Os recursos foram efetivamente liberados para a instituição em agosto/2003 e
algumas atividades programadas no projeto encaminhado em 2002 foram realizadas já no 1º
semestre de 2003, ainda que tenham sido necessárias algumas adaptações para viabilização

12
13
das mesmas. Decidiu-se levar adiante, mesmo sem os recursos do PROMED, pelo menos
parte das propostas, em especial, aquelas relacionadas às mudanças pedagógicas. Para essa
decisão considerou-se a mobilização dos docentes para a elaboração do projeto, as resoluções
da Oficina de Trabalho de 2001 e, fundamentalmente, contou-se com o apoio da Pró-Reitoria
de Graduação e Reitoria da UNIFESP-EPM.

As principais mudanças, a partir de 2003, e que refletem todo esse processo, incluem:
− Maior integração de disciplinas nos módulos das 1ª e 2ª séries e participação de
professores das áreas clínicas em atividades e seminários.
− Implementação do eixo de aproximação à prática médica nas 1ª e 2ª séries –
observação e discussão da prática profissional, desenvolvimento de técnicas básicas em
diferentes cenários (hospital e unidades básicas), atuação na comunidade e nos serviços
de saúde, suporte básico de vida e primeiros socorros, comunicação e educação em saúde,
assistência pré-hospitalar e semiologia integrada.
− Integração interna aos módulos e maior adequação de disciplinas nas 3ª e 4ª séries;
− Participação de docentes das áreas biológicas em módulos de aproximação à prática
médica;
A complexidade inerente a estas novas atividades/módulos, a realização de oficinas para
avaliação e planejamento das mudanças desencadearam uma série de reuniões para
operacionalização, acompanhamento e articulação dos diferentes docentes, disciplinas e
departamentos envolvidos. Os acertos necessários e o aprimoramento das atividades se
tornaram mais dinâmicos de forma que os módulos deixaram de constituir um currículo rígido,
mas sim um caminho que permite o replanejamento ano a ano.

No período de 2001 a 2005, foram realizadas 12 oficinas de trabalho e três seminários


versando sobre os seguintes temas:
1) propostas curriculares para implementação ações visando ao fortalecimento do eixo
aproximação progressiva à prática médica;
2) O internato da Unifesp – avaliação e novas propostas
3) Avaliação dos novos e/ou reformulados módulos relacionados à aproximação à prática
médica – Observação de práticas médicas, Suporte básico de vida e primeiros socorros,
Educação e comunicação em saúde, Introdução às técnicas básicas, Saúde Coletiva:
políticas públicas de saúde no Brasil e o SUS, Atendimento pré-hospitalar do trauma e
Semiologia integrada.
4) Avaliação de competências e desempenho nos cursos de graduação da área da saúde
5) A integralidade da atenção à saúde e a formação profissional
6) Diretrizes curriculares e o currículo do Curso de Medicina da Unifesp
7) SINAES – a avaliação dos cursos de graduação no país

13
14

As oficinas e seminários contaram com a participação de 50 a 80 pessoas, entre docentes e


discentes, com convidados de outras instituições e nos eventos com temas mais gerais foram
realizadas integradamente aos outros quatro cursos de graduação da instituição, favorecendo a
discussão sobre o trabalho em equipe multiprofissional e a interdisciplinaridade.

4.2. A prova de progresso na Unifesp


Em 1996 foi implantada a prova de progresso no Curso de Medicina. Nessa prova, que aborda
temas das cinco áreas gerais - clínica, pediatria, ginecologia-obstetrícia, cirurgia e saúde
coletiva – e área básica, o objetivo é analisar a aquisição de conhecimento e retenção no
decorrer do curso nas diferentes áreas. Assim, a mesma prova (conhecimento esperado para
um graduando no final do curso) é aplicada em todas as séries no mesmo dia. Espera-se que
essa aquisição de conhecimento se dê de forma progressiva nas séries. Com a criação de uma
comissão permanente da prova de progresso, em 2003, seus resultados têm sido melhor
analisados, divulgados e discutidos pelas comissões e subcomissões de curso, bem como
pelos departamentos com o objetivo de aprimorar o instrumento e, sobretudo, retroalimentar a
discussão sobre o currículo e as estratégias de ensino-aprendizagem. A importância da prova
de progresso no processo de avaliação do curso está diretamente relacionada ao envolvimento
dos docentes na sua elaboração e discussão dos resultados, com participação dos estudantes.

Em 2005, uma nova experiência foi iniciada com a realização de uma prova de progresso
interinstitucional, envolvendo outras cinco escolas médicas do Estado de São Paulo e Santa
Catarina. Constituiu-se um grupo de trabalho com representantes dessas escolas, o que muito
contribuiu para o crescimento do próprio grupo interno da Unifesp. Os resultados dessa prova,
realizada em outubro de 2005, estão em fase de análise e serão divulgados nas comissões e
departamentos neste semestre.

4.3. A avaliação de unidades curriculares/disciplinas pelos


estudantes
Em 1992, a Comissão de Internato iniciou um processo de avaliação de estágios por meio de
um instrumento que considerava itens relacionados estágio propriamente dito (adequação de
atividades em relação aos objetivos do curso, carga horária), aos docentes (pontualidade,
qualidade das aulas/orientações), à estrutura de ensino (salas de aula, laboratórios,
consultórios, enfermarias, exames subsidiários) e auto-avaliação. Esse instrumento foi
expandido com adaptações para as demais séries e, posteriormente, para todos os cursos. Foi
criada uma comissão de avaliação que conduzia o processo de aplicação do instrumento no

14
15
final das disciplinas/estágios, por amostragem. Em 2000, foi implantado o sistema on line,
facilitando a sua operacionalização. Têm sido gerados relatórios, os quais são discutidos e
analisados pelos gestores de curso (comissões e subcomissões) e encaminhados, também, às
chefias de departamentos e disciplinas, bem como coordenadores das unidades curriculares.

4.4. Comissões de avaliação de habilidades e atitudes


Com o objetivo de avançar no processo de avaliação do Curso de Medicina e, considerando o
momento de profundas discussões em relação à formação do médico, foi criada a Comissão de
Avaliação de Habilidades e Atitudes constituída por docentes representantes de departamentos
de grandes áreas e/ou com interface com as mais relevantes na formação – clínica, pediatria,
gineco-obstetrícia, cirurgia, ortopedia, saúde coletiva e psiquiatria. Essa comissão deverá
elaborar uma prova/processo de avaliação de habilidades/atitudes a ser aplicada no final da 5ª
série, de tal forma de a instituição possa detectar problemas e disponha de tempo hábil para
suprir deficiências dos estudantes. Os resultados desse processo certamente representarão
importante subsídio para os gestores do curso. Espera-se que esta comissão trabalhe de forma
articulada á comissão da prova de progresso.

4.5. Avaliação dos Egressos


Em 2005 foi elaborado um instrumento para obtenção de informações de egressos. Este
instrumento, que inclui informações sobre colocação do profissional no mercado de trabalho,
especialidade, formação após a graduação, entre outras questões, já foi aplicado e encontra-se em
fase de análise de dados. Constituirá importante subsídio para os gestores do curso.

15
16

5. PLANOS DE ENSINO

16
17

Unidade Curricular: Bases Morfológicas da Medicina


Professor Responsável: Contato: luisalonso.morf@unifesp.epm.br,
Luís Garcia Alonso lgalonso.ops@terra.com.br
Tel:5576-4261, ramal 25 - Fax:5571-7597
Ano Letivo: 1° série Semestre: 1° e 2º semestre
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Morfologia - Disciplinas: Anatomia Descritiva e
Topográfica, Biologia do Desenvolvimento, Histologia e Biologia Estrutural
Carga horária total: 420 horas/aula
Carga Horária p/ prática: 52,4% Carga Horária p/ teoria: 47,6%
Objetivos:
Geral
• Possibilitar ao graduando o conhecimento das estruturas anatômicas (macro e
microscópicas) que compõem os vários sistemas do corpo humano, bem como sua
origem e desenvolvimento.
Específicos - Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:
• Reconhecer as estruturas anatômicas em nível celular e ultra-estrutural de forma a
compreender os mecanismos patológicos básicos que serão abordados posteriormente
(anomalias congênitas, processos inflamatórios, distúrbios circulatórios, processos
degenerativos e neoplasias).
• Entender a organização anatômica do ser humano normal
• Relacionar estes conhecimentos com suas principais funções e aplicações anátomo-
clínicas utilizando uma linguagem médica, de forma adequada para o prosseguimento
do curso.
• Compreender os sistemas e aparelhos como elementos interligados e, portanto,
susceptíveis de sofrer processos patológicos simultaneamente.
• Entender os processos mecânicos e moleculares que se estabelecem desde a
fertilização até a formação plena do feto, além do crescimento e desenvolvimento que
ocorrem em etapas tardias da gestação.
• Caracterizar e discutir os métodos anti-conceptivos e as técnicas de fertilização
assistida, enquanto possibilidades terapêuticas para a obtenção de uma gestação e
perspectivas futuras como as terapias com células-tronco e as técnicas de clonagem.
• Correlacionar estes conceitos com situações clínicas cotidianas que virão em momentos
posteriores do curso como Pediatria, Genética Clínica, Obstetrícia e Medicina Fetal;
• Caracterizar as modificações que ocorrem nos processos patológicos, gerais e
específicos a partir do entendimento do ser humano normal.

17
18
Ementa:
Morfologia geral do corpo humano em três vertentes – anatômicas, histológicas e de
desenvolvimento – e correlação com disciplinas básicas e clínicas.
Conteúdo Programático:
• O módulo desenvolve-se abordando aspectos anatômicos, histológicos e de biologia
do desenvolvimento dos seguintes tópicos:
o Gametogênese normal;
o Fertilização normal e in vitro;
o Desenvolvimento embrionário da 1ª à 4ª semanas;
o Anexos embrionários;
o Aspectos gerais de citologia;
o Núcleo celular e material genético;
o Tecido epitelial;
o Tecido conjuntivo;
o Tecido nervoso;
o Tecidos ósseo e cartilagíneo;
o Mecanismos de ossificação;
o Tecido muscular;
o Tegumento comum;
o Aparelho locomotor;
o Sistema nervoso;
o Sistema respiratório;
o Aparelho cardiovascular;
o Sistema digestório;
o Aparelho genito-urinário;
o Glândulas endócrinas;
o Órgãos dos sentidos

18
19
Metodologia de Ensino Utilizada: atividades desenvolvidas para toda turma (110 a 120
estudantes) e em sub-grupos de 25 a 30 estudantes)
• O módulo utiliza três estratégias básicas de ensino: aulas teóricas (expositivas), aulas
práticas (de macroscopia e microscopia, em laboratórios específicos) e seminários de
aprofundamento, reflexão e correlação básico-clínica do conteúdo desenvolvido em cada
segmento do módulo.

Recursos Instrucionais Necessários:


• Laboratórios de Anatomia, microscopia para o estudo de Biologia do Desenvolvimento,
de Histologia e Biologia Estrutural, anfiteatros, equipamentos de multimídia e de
projeção para seminários e aulas teórico-expositivas.
• Recursos humanos - as três disciplinas requerem a presença contínua de técnicos de
nível médio responsáveis pela guarda e preparação dos materiais utilizados (técnicos de
Anatomia para dissecação dos cadáveres e técnicos de microscopia para confecção das
lâminas estudadas).

Avaliação:
São realizadas 5 provas que transcorrem durante o ano letivo - P1 a P5.
Na avaliação P1, são exigidos conhecimentos de Biologia do Desenvolvimento (BD) e
Histologia e Biologia Estrutural (HBE), além da nota obtida nos seminários realizados ao
final do bloco. A composição desta nota P1 é:
BD, valor máximo = 4,0
HBE, valor máximo = 4,0
Seminários, valor máximo = 2,0

Nas avaliações P2, P3 e P5 são exigidos, também, os conhecimentos de Anatomia


Descritiva e Topográfica (A), de forma que a composição final da nota é:
A, valor máximo = 4,0
BD, valor máximo = 2,0
HBE, valor máximo = 2,0
Seminários, valor máximo = 2,0

Na avaliação P4, não há realização de seminários e a composição final da nota é:


A, valor máximo = 5,0
BD, valor máximo = 2,5
HBE, valor máximo = 2,5

As provas teóricas das três disciplinas participantes são realizadas conjuntamente


buscando-se a inter-relação dos temas desenvolvidos, a coerência de profundidade e a
correlação básico-clínica imprescindível para o amadurecimento e interesse do aluno.
As provas práticas são realizadas em laboratório, em sistema de gincana (avaliação de
Anatomia Descritiva e Topográfica) e análise de lâminas de microscopia (Biologia do
Desenvolvimento e Histologia e Biologia Estrutural).
Os seminários são apresentados por um aluno do grupo sorteado no momento da
apresentação e são levados em conta critérios como didática de apresentação, conteúdo
teórico pesquisado extra-classe, correlação clínica com o conteúdo desenvolvido em sala de
aula e capacidade de argumentação do grupo frente às questões suscitadas pelos
professores participantes que pertencem às três disciplinas envolvidas no módulo.

19
20
Bibliografia Básica:
Alberts B, Bray D, Lewis J, Raff M, Roberts K, Watson JD. Biologia molecular da célula. 3a.
ed. Porto Alegre: ArtMed, 1997.
Di Dio LJA. Tratado de anatomia sistêmica aplicada. 2a. ed. São Paulo: Atheneu, 2002.
Junqueira LC, Carneiro J. Histologia básica. 9a. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
1999.
Köpf-Maier P, Wolf-Heidegger. Atlas de anatomia humana. 5a. ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2000.
Machado ABM. Neuroanatomia funcional. 2a. ed. São Paulo: Atheneu, 2000.
Moore KL, Dalley AF. Anatomia orientada para a clínica. 4a. ed. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 2001.
Moore KL, Persaud TVN. Embriologia clínica. 6a. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
2000.
Netter FH. Atlas de anatomia humana. 3a. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2004
Pabst R, Putz RV, Sobotta J. Sobotta: atlas de anatomia humana. 21a. ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2000.
Rohen JW, Yokochi C. Anatomia humana: atlas fotográfico de anatomia sistêmica e
regional. 2a. ed. São Paulo: Manole, 1989.
Sadler TW. Langman: embriologia médica. 9a. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
2005.
Complementar:
Carlson BM. Human embriology and developmental biology. 2nd. ed. Saint Louis: Mosby
Inc.,1999.
Feneis H, Dauber W. Atlas de bolso de anatomia humana: baseado na terminologia
anatômica internacional. 4a. ed. São Paulo: Manole, 2002.
Geneser F. Atlas de histologia. 1a. ed. São Paulo: Panamericana, 1987.
Snell RS. Anatomia clínica para estudantes de Medicina. 5a. ed. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 2000.
Spalteholz W. Atlas de anatomia humana: Spalteholz-Spanner. 16a. ed. São Paulo: Roca,
1998.
Van de Graaff KM. Anatomia humana. 6a. ed. São Paulo: Manole, 2003.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Alexandre Augusto Pinto Cardoso Morfologia Especialista TA∗/20h
Amâncio Ramalho Júnior Morfologia Mestre 40h
Danilo Carreiro de Teves Morfologia Doutor 40h
Eduardo Cotecchia Ribeiro Morfologia Doutor 40h-DE
Ivone Martins Cipriano Morfologia Doutor 40h-DE
Luís Garcia Alonso Morfologia Doutor 40h-DE
Magno César Vieira Morfologia Mestre 40h-DE
Manuel de Jesus Simões Morfologia LD-Doutor 40h-DE
Marco Antonio de Angelis Morfologia Doutor 40h-DE
Marília de Arruda Cardoso Smith Morfologia LD-Doutor 40h-DE
Marisa Giovanoni Morfologia Doutor 40h-DE
Mirlene Cecília Soares Pinho Morfologia Doutor 40h
Cernach

20
21
Mizue Imoto Egami Morfologia Doutor Aposentado
Olga Maria de Toledo Correa Morfologia Doutor 40h-DE
Ricardo Luiz Smith Morfologia LD-Doutor 40h-DE
Rita de Cássia Ribeiro da Silva Lapa Morfologia Doutor Aposentado
Sandra Maria Miraglia Valdeolivas Morfologia LD-Doutor 40h-DE
Sandra Regina Rodrigues Lucas Morfologia Doutor 40h
Sima Katz Morfologia LD-Doutor 40h-DE

TA∗ - técnico-administrativo

21
22

Unidade Curricular: Introdução às técnicas básicas


Professor Responsável: Contato:5576- 4635
Suzete Maria Fustinoni suzete@denf.epm.br
Ano Letivo: 1ª série Semestre: 2º semestre
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Enfermagem
Carga horária total: 32 horas
Carga Horária p/ prática: 80% Carga Horária p/ teoria: 20%

Objetivos:
Geral
• Fornecer subsídios básicos para o aluno participar do complexo atendimento de um
paciente que busca serviço de saúde.
Específicos - Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:
• Conhecer princípios de biossegurança
• Conhecer as bases teóricas e adquirir habilidades para realização de controle de sinais
vitais
• Conhecer as bases teóricas e adquirir habilidades para realização de curativos
• Conhecer as bases teóricas e adquirir habilidades para administrar medicação por via
parenteral
• Compreender o papel da equipe multiprofissional nos cuidados ao paciente
• Compreender o papel profissional na relação com o paciente e família, considerando
seu contexto social e cultural.
Ementa:
Noções básicas de biossegurança. Relacionamento interpessoal. Controle de sinais vitais.
Curativos. Medicação por via parenteral.
Conteúdo Programático:
• Noções básicas de biossegurança.
• Lavagem de mãos
• Relacionamento interpessoal – paciente, família e equipe de saúde
• Controle de sinais vitais. – pulso, pressão arterial, temperatura
• Curativos infectados e não infectados.
• Medicação por via parenteral – intra-muscular, subcutânea e intra-venosa.

Metodologia de Ensino Utilizada: para desenvolvimento das atividades práticas os


estudantes são sub-dividos em grupos de 5
Aulas expositivas, prática em laboratório, estágio supervisionado em Unidade Básica de
Saúde e Unidade Hospitalar.
Recursos Instrucionais Necessários:
• Prática
-Área física/equipamentos/materiais
Sala de enfermagem com material necessário para realização dos procedimentos na
unidade básica de saúde e no hospital.
Laboratório de habilidades
Recursos humanos
Docente/Profissional para supervisão das atividades práticas – 1 professor/grupo de 5
alunos
• Teórica
-Área física/equipamentos/materiais
anfiteatro
vídeo
multimídia
• Recursos humanos
Professor para aula – 1 professor/grupo de 60 estudantes.

22
23
Avaliação:
Prova teórica (questões de múltipla escolha), interesse, freqüência, observação das
habilidades/atitudes nas atividades práticas
Bibliografia:

Nascimento SR. Sinais Vitais – Subsídios para a prática em Saúde. 2ª ed. São Paulo:
Editora Rocca. 2003, 120p.

http://www.enfernurse.hpg.ig.com.br
Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Suzete Maria Fustinoni Enfermagem Doutor DE
Maria Cristina Gabrieloni Enfermagem Doutor DE
Tania A.M. Domingues Enfermagem Doutor 40h
Katia Regina da Silva Enfermagem Especialista TA/40h
Rosemeire Sartori Enfermagem Doutor Professor
substituto – 20h
Rosely Erlach Goldman Enfermagem Doutor TA/40h
Vania Teresa Troyano Enfermagem Mestre TA/40h
Wanda Cristina Sawicki Enfermagem Mestre TA/40h
Satomi Mori Enfermagem Mestre TA/40h
Silene C. da Fonseca Enfermagem Especialista TA/40h
Dayana S. Fran Enfermagem Especialista TA/40h
TA - técnico-administrativo

23
24

Unidade Curricular:Organização funcional do corpo humano


Professor Responsável: Contato: 5539-0809
Antônio de Miranda miranda@biofis.epm.br
Ano Letivo: 1ª série Semestre: 1o e 2o
Departamentos/Disciplinas: Biofísica, Bioquímica e Fisiologia.
Carga horária total: 600 horas
Carga Horária p/ prática: 10% Carga Horária p/ teoria: 90%
Objetivos:
Geral
• Capacitar o estudante a integrar os conteúdos básicos de Bioquímica, Biofísica e
Fisiologia visando ao melhor entendimento dos mecanismos envolvidos com os
sistemas estudados e suas Inter-relações para a manutenção da homeostasia celular.

Específicos - Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:


• Conhecer os mecanismos bioquímicos, biofísicos e fisiológicos
• Raciocinar cientificamente sobre os processos de regulação da homeostase
• Entender as fisiopatologias a partir do conhecimento do funcionamento normal dos
sistemas.
• Conhecer as metodologias atuais utilizadas nas pesquisas em Bioquímica, Biofísica e
Fisiologia.

24
25

Ementa:
Estrutura e função de compostos biológicos da célula, degradação e biossíntese desses
compostos em diferentes tecidos e órgãos, suas características biofísicas e suas funções
fisiológicas.
Conteúdo Programático:
Biofisica:
• Contração muscular.
• Bioenergética
• Difusão em membranas artificiais
• Medições e erros
• Fotometria
• Membranas Biológicas
• Transporte através de membranas
• Excitabilidade celular: sistema nervoso e muscular
• Registros
• Hemodinâmica
• Eletrocardiografia
• Tamponamento de sistemas biológicos (pH)
• Transporte de O2
• Transporte de CO2
• Equilíbrio ácido-básico
Bioquimica:
• Estrutura de biomoléculas
• Bioenergética
• Metabolismo dos hidratos de carbono
• Metabolismo de lipídios
• Colesterol: biossíntese, papel físiopatológico, formas de excreção.
• Metabolismo de compostos nitrogenados
Fisiologia:
• Mente e cérebro
• Fisiologia do coração
• Fisiologia respiratória - mecânica respiratória, trocas gasosas, espirometria, relação
ventilação-perfusão, regulação da respiração
• Fisiologia renal - filtração glomerular, regulação do volume extracelular, regulação da
tonicidade, equilíbrio ácido-básico, efeitos dos diurético
• Fisiologia do sistema digestório - motilidade do tubo digestivo, secreções do sistema
digestório, absorção intestinal, secreções salivar
• Introdução à nutrição, regulação do balanço energético
• Regulação da temperatura,
• Mecanismo de ação hormonal
• Sistema reprodutor, hormônios na gestação e lactação
• Metabolismo do neonato
• Obesidade.

25
26

Metodologia de Ensino Utilizada:


Aulas teóricas, práticas e seminários. Os alunos são divididos em duas a quatro turmas
menores, favorecendo a discussão e compreensão dos temas estudados.

Recursos Institucionais Necessários:


Retroprojetores, multimídia, salas de aula adequadas (ar condicionado, iluminação,
tamanho). Laboratórios com equipamentos (fotômetros, peagometros, balanças analíticas,
etc), reagentes e vidrarias adequadas para turmas de no máximo 30 estudantes.
Avaliação:
Realizada por meio de provas dissertativas e múltipla escolha, apresentação de
seminários e de relatórios referentes às aulas práticas. Nos seminários são avaliados
também a postura, apresentação e principalmente conteúdo do assunto abordado. (Notas
de 0 a 10; a média final é feita a partir das notas parciais)

Bibliografia Básica:
Apostilas e guias de aula prática.
Garcia EAC. Biofísica. São Paulo: Sarvier, 1998.
Castelan GW. Fundamentos de físico-química. Trad. Santos CM, et al. 1ª ed. Rio de Janeiro:
LTC, 1995.
Moore WJ. Físico-química. Trad. H. Lichun IJH, Ferreroni M 1ª ed. São Paulo: Edgar
Blücher, 1976.
Atkins PW Fisico-Química. 6ª. Trad. Macedo H. Vol.1, 2 e 3. Rio de janeiro: LTC - Livro
Técnicos e Científicos Editora S. A., 1999.
Lehninger AL, Nelson D, Cox MM Princípios de bioquímica. Tradução de WR Loodi e
Simões AA. São Paulo: Sarvier, 1995.
Stryer L. Bioquimica. 5ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 2004
Montgomery, r, Conway, TW, Spector, AA. Bioquímica: uma abordagem dirigida por casos.
5ª ed. São Paulo: Artes Médicas, 1994.
Aires MM. Fisiologia. 2 a. Ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan S.A, 2004.
Berne RM, Levy MN, Bruce M, Koeppen BM e Stanton BA. Fisiologia. 4a. Ed. Rio de Janeiro:
Editora Guanabara Koogan S.A, 2004.
Complementar
Constanzo LS. Fisiologia. 2a. Ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan S.A., 2004.

26
27

Docentes Participantes:
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Alice Teixeira Ferreira Biofísica Livre-docente DE
Ana Lydia Sawaya Fisiologia Livre-docente DE
Antônio Carlos Da Silva Fisiologia Doutor DE
Antonio de Miranda Biofísica Doutor DE
Aparecida S. Tanaka Bioquímica Doutor DE
Cláudia Oller Do Nascimento Fisiologia Doutor DE
Clóvis Ryuiche Nakaie Biofísica Livre-docente DE
Eduardo Colombari Fisiologia Livre-docente 20H
Eliane Beraldi Ribeiro Fisiologia Livre-docente DE
Frida Zaladek Gil Fisiologia Livre-docente DE
Guacyara Da Motta Bioquímica Doutor DE
Guiomar Nascimento Gomes Fisiologia Doutor DE
Ivan Da Cruz Piçarro Fisiologia Doutor DE
Jacqueline Luz Fisiologia Doutor DE
José Olavo De Freitas Júnior Bioquímica Doutor DE
Luiz Eugênio A. M. Mello Fisiologia Livre-docente DE
Luiz Juliano Neto Biofísica Livre-docente DE
Marcia Regina Nagaoka Bioquimica Prof. Visitante 40H
Maria Aparecida Juliano Biofísica Livre-docente DE
Maria Da Graça N. Mazzacoratti Bioquímica Livre-docente DE
Maria Kouyoumdjian Bioquímica Doutor DE
Maria Luiza V.Oliva Bioquímica Livre-docente DE
Misako Uemura Sampaio Bioquímica Livre-docente DE
Oswaldo Ubríaco Lopes Fisiologia Livre-docente DE
Paulo Boschcov Biofísica Doutor DE
Paulo José Ferreira Tucci Fisiologia Livre-docente DE
Rogério Amino Bioquímica Doutor DE
Ruy Ribeiro De Campos Junior Fisiologia Livre-docente DE
Sang Won Han Biofísica Doutor DE
Sérgio Luiz Domingues Cravo Fisiologia Livre-docente DE
Suma Imura Shimuta Biofísica Doutor DE
Viviane Louise A. Nouailhetas Biofísica Doutor DE

27
28

Unidade Curricular: Psicologia Médica I


Professor Responsável: Contato: mdemarco@psiquiatria.epm.br
Mario Alfredo de Marco
Ano Letivo: 1a série Semestre 2°
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Psiquiatria – Disciplina de Psicologia Médica
Carga horária total: 32 horas
Carga Horária p/ prática: 60% Carga Horária p/ teoria: 40%
Objetivos:
Geral
• Propiciar o aprendizado e evolução das habilidades para conhecer pessoas como
parte essencial de sua formação profissional, tendo em vista a aplicação de um modelo
integral (visão integral do ser) e integrado (ações integradas) em saúde que contemple
os aspectos físicos, psicológicos e sociais.

Específicos -
• Observar pessoas e caracterizar a dinâmica das relações
• Aplicar a observação das características das pessoas tendo como perspectiva a
implementação da atenção em saúde
• Identificar e otimizar os recursos auto-curativos
• Reconhecer e trabalhar a dinâmica relacional aplicada à relação do profissional de
saúde com o paciente e familiares
• Caracterizar as crises decorrentes do adoecer de forma a atuar nestas situações

Ementa:
Relações humanas. Reconhecimento e manejo das características das pessoas e da
dinâmica das relações para aplicação no campo da atenção em saúde.
Conteúdo Programático:
• Conhecendo pessoas – áreas de conhecimento (Mitologia, História, Antropologia,
Psicologia, Sociologia Literatura, Cinema)
• A mitologia (ênfase no mito de Asclépio)
• A história (ênfase na história da medicina)
• A antropologia – (O feiticeiro e sua magia – A eficácia simbólica - Claude Lévy-Strauss)
• A psicologia
• A visão psicanalítica
• A literatura – (Machado de Assis – o espelho) – a pessoa e o papel.
• O cinema
• A Sociologia – enfocando os relacionamentos e atitudes– (texto: significação social das
atitudes)
• A medicina e a pessoa (os diferentes modelos – biomédico, biopsicossocial). O
adoecer – a doença e a pessoa – reações frente ao adoecer
• O tratamento e a pessoa – (comunicação - efeito placebo – continuidade dos
cuidados)

28
29

Metodologia de Ensino Utilizada:


• Aulas expositivas
• Seminários
• Role-playing
• Projeção de filmes
• Trabalhos em grupos (de 13 a 14/grupo maiores e de 6 a 7/grupos menores) com
entrevistas e visitas a diferentes cenários de atividade em saúde

Recursos Instrucionais Necessários:


De 6 a 12 professores para trabalho em pequenos grupos
Filmes. Aparelho de projeção e outros recursos audiovisuais.
Salas e anfiteatros com cadeiras móveis

Avaliação:
Participação nas discussões e realização das entrevistas, relatórios e trabalho final.
A avaliação do curso é realizada de forma participativa e por meio de questionário
respondido pelos estudantes ao término do curso.
Bibliografia
Básica:
De Marco MA. (org) A Face Humana da Medicina. São Paulo: Ed. Casa do psicólogo, 2003.

Complementar:
Machado de Assis JM. O espelho in: “O Alienista e o Espelho” – São Paulo: ed. Ediouro,
1996

Camargo Jr KR. Sobre palheiros, agulhas, doutores e o conhecimento médico: o estilo de


pensamento dos clínicos. Cad. Saúde Pública 2003;19:1163-74.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação
(Departamento) Regime de
Trabalho
Fátima Lucchesi Psiquiatria Especialista TA∗/40
Júlio R. S. Noto Psiquiatria Mestre Aposentado
Luciana Geocze Psiquiatria Especialista TA/40
Mario A. De Marco Psiquiatria Doutor 40
Ricardo L.Smith Morfologia Livre-docente DE
Rudolf Wechsler Pediatria Doutor 40
Samantha Mucci Psiquiatria Especialista TA/40
Solange Tedesco Psiquiatria Mestre TA/40

TA∗ – técnico-administrativo

29
30

Unidade Curricular: Suporte Básico de Vida e Primeiros Socorros


Professor Responsável Contato: ritasimone@denf.epm.br
Rita Simone Lopes
Ano Letivo: 1ª série Semestre - 2º semestre
Departamentos/Disciplinas: Medicina: Disciplina de Cardiologia, Pediatria: Disciplina de
Especialidades Pediátricas/Setor de Unidade de Cuidados Intensivos em Pediatria, Setor de
Emergências em Pediatria
Carga horária total: 32h
Carga Horária p/ prática: 70% Carga Horária p/ teoria: 30%
Objetivos:
Geral
• Apresentar os principais dados estatísticos do atendimento de emergências no estado
de São Paulo e propiciar conhecimentos e habilidades aos estudantes para o
atendimento primário de emergências clínicas e traumáticas

Específicos -
• Realizar o primeiro atendimento de emergências clínicas e traumáticas
• Realizar o atendimento primário da parada cárdio-respiratória do lactente, pré-escolar,
escolar e adulto
• Instrumentalizar o estudante para reconhecimento de sinais e sintomas do infarto agudo
do miocárdio e acidente vascular cerebral
• Proceder ao atendimento no caso de obstrução da vias aéreas
• Reconhecer e atuar no atendimento primários dos acidentes mais freqüentes na
infância, adolescência e na vida adulta

Ementa:
Panorama do atendimento das emergências no Estado de São Paulo. Atendimento primário
a emergências clínicas e traumáticas. Suporte básico de vida no lactente, pré-escolar,
escolar e adulto. Acidentes em práticas esportivas. Acidentes por animais peçonhentos.
Intoxicações exógenas na infância e adolescência.

Conteúdo Programático:
• Panorama do atendimento das emergências no Estado de São Paulo;
• Atendimento primário a emergências clínicas, traumáticas e ressuscitação cárdio-
respiratória
• sinais e sintomas do infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral
• Suporte Básico de Vida no lactente, pré-escolar, escolar e adulto
• Manobras para desobstrução de vias áereas no lactente, pré-escolar, escolar e adulto
• Primeiros socorros na infância e adolescência em: acidentes em práticas esportivas,
acidentes por animais peçonhentos e intoxicações exógenas.

30
31
Metodologia de Ensino Utilizada: atividades desenvolvidas para 4 a 8 sub-grupos (13/14
estudantes ou 26 a 28)
Material didático entregue previamente à aula teórica. Aula teórica seguida de prática em
Laboratório de Habilidades. Seminários sobre temas relacionados aos primeiros socorros
contando-se com participação de convidados dos serviços específicos (Instituto Butantã,
Centro de Controle de Intoxicações de São Paulo, Centro de Traumatologia do Esporte)
Recursos Instrucionais Necessários:
salas de aula, data-show e computador
material para prática de habilidades
Instrutores (professores) habilitados
Avaliação:
Aplicação de provas com questões de múltipla escolha pré e pós treinamento prático
Avaliação das habilidades
Apresentação dos seminários
Bibliografia Básica:

American Heart Association. Livro de Primeiros Socorros RCP e DEA e Suporte Básico de
Vida para Profissionais de Saúde.
www.butantan.gov.br
www.fiocruz.br/sinitox
www.medsports.com.br

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho (horas)
Cristina Mangia Pediatria mestre TA∗/40
Aneliese Del Vecchio Gessulo Pediatria doutor TA/20
Rita Simone Lopes Enfermagem doutor Profa.visitante/40
TA ∗– técnico-administrativo

31
32

Unidade Curricular: Observação das Práticas Médicas


Professora Responsável: Contato: julieta@psiquiatria.epm.br
Julieta Freitas Ramalho da Silva julietafrs@hotmail.com
Ano Letivo: 1a série Semestre: 1º
Departamentos/ Disciplinas: Departamentos de Biofísica, Bioquímica, Cirurgia, Diagnóstico
por Imagem, Fisiologia, Ginecologia, Informática em Saúde, Medicina, Morfologia, Medicina
Preventiva, Obstetrícia, Ortopedia, Pediatria, Psiquiatria e Oftalmologia
Carga horária total: 32 horas
Carga Horária p/ prática : 100% Carga Horária p/ teoria:0%
Objetivos:
Geral
• Possibilitar a aproximação progressiva do estudante à prática médica e a integração
entre a formação obtida em sala-de-aula e o campo de atuação médica.

Específicos - Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:


• Observar e refletir sobre os diferentes cenários de atividade médica, com ênfase no
relacionamento médico – paciente,
• Observar e refletir sobre as condições socioeconômicas da população,
• Observar e refletir sobre as tecnologias médicas existentes,
• Observar o trabalho da equipe multidisciplinar em saúde.
Ementa:
Observação e análise da prática médica nos diferentes níveis de complexidade dos serviços
públicos de saúde. Relação médico-paciente. Condições socioeconômicas da população e
saúde. Uso da tecnologia médica. Acesso aos serviços de saúde. Trabalho em equipe
multidisciplinar.
Conteúdo Programático:
• Observação dos diversos cenários da prática médica considerando: as instalações, o
médico, a equipe de assistência, a população atendida.
• Observação do relacionamento médico-paciente considerando as atitudes médicas, o
clima emocional do atendimento, as emoções e dificuldades presentes.
• Observação de si próprio considerando as emoções, medos e curiosidades.
• Discussão sobre a Medicina e o “ser médico”.
• Discussão da situação socioeconômica e cultural da população e as políticas de saúde.
Metodologia de Ensino Utilizada: para as atividades de observação de práticas médicas
os estudantes são sub-divididos em duplas (são aproximadamente 50 a 60
professores/profissionais definidos para receberem os estudantes nos diferentes cenários);
para as dicussões os estudantes são sub-divididos em grupos de 7 a 8 (1º momento) e 14 a
16 (2º momento).

Em um primeiro momento o estudante terá contato com 4 cenários diferentes da prática


médica: Centro Obstétrico, Unidade Básica de Saúde, HSP I (clínicas, laboratório) e HSP II
(cirurgia, procedimentos de exames sofisticados) . Em um segundo momento os graduandos
discutirão com seu grupo de professores composto por especialistas de diversas áreas
(clínica, cirurgia, pediatria, ginecologia, obstetrícia, psicologia médica, saúde coletiva,
bioquímica e biofísica).
Recursos Instrucionais Necessários:
Serviços de saúde ambulatoriais e hospitalares
Anfiteatros com cadeiras móveis e transporte para os serviços externos ao Hospital São
Paulo.

32
33
Avaliação:
Freqüência e relatórios individuais das observações e discussões. Os relatórios das visitas
devem ser predominantemente descritivos com relação aos cenários, atendimentos médicos
e sentimentos dos estudantes. Os relatórios das discussões devem ser predominantemente
reflexivos sobre os temas discutidos em classe com o grupo, alcançando reflexões sobre a
medicina e o ser médico. Para cada conjunto cenário (5 pontos) e discussão (5 pontos) nota
10.
Bibliografia:

Os graduandos são estimulados à busca ativa de informações, não sendo sugeridas leituras
específicas.
Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Depto) Trabalho (h)
Julieta Freitas R. da Silva Psiquiatria Mestre 40
Maria Adelaide T.O. Avancine Psiquiatria Mestre TA∗/40
Mário Alfredo De Marco Psiquiatria Doutor 40
João Aléssio J. Perfeito Cirurgia Doutor 40
Anelise Del Vecchio Gessullo Pediatria Doutor TA/20
Nicanor da Silva Pinto Medicina Mestre TA/20
Preventiva -MP
Josefina Aparecida Pelegrini Braga Pediatria Doutor 40
Adagmar Andriolo Medicina Doutor 40
Domingos Palma Pediatria Doutor 40
Eleonora Menecucci de Oliveira MP Livre-Docente DE
João Batista Gomes dos Santos Ortopedia Doutor TA/40
Paulo Schor Oftalmologia Livre-docente TA/40
Francisco de Castro Lacaz MP Doutor DE
Luís Garcia Alonso Morfologia Doutor DE
Newton de Barros Júnior Cirurgia Doutor 40
Sandra Maria Spedo MP Mestre TA/20
Maysa Seabra Cenderoglo Medicina Doutor TA/40
Eliane Cardoso de Araújo MP Doutor 40
Frida Zaladek Gil Fisiologia Doutor DE
Carlos Edval Buchalla Cirurgia Especialista TA/40
Rosemarie Andreazza MP Doutor DE
Rufino Domingues Lopes Obstetrícia Mestre 40
Mary Lise Moysés Silveira Pediatria Especialista Professora
Aposentada/20
Lúcia C. Iochida Informática em Doutor DE
Saúde
Antônio de Miranda Biofísica Doutor DE
Dulce Maria Fonseca Martins Cirurgia Doutor 40
Rosiane Mattar Obstetrícia Livre Docente 40
Nelson Sass Obstetrícia Doutor 40
Sue Yazaki Sun Obstetrícia Doutor 40
Nivaldo Corrêa Rocha Obstetrícia Doutor 40
Eliana Tiemi MP especialista 40
Milton Scalabrin Cirurgia Mestre 40
Eurico Adonias Magosso Medicina Doutor 40
Edson Stefanini Medicina Doutor 40
Maria Antônia Machado Medicina Técnica de lab. 40
Laércio Gomes Lourenço Cirurgia Doutor 40
Eliana Caran Pediatria Doutor TA/40
Artur da Rocha Fernandes Diagnóstico por Doutor 40
Imagem - DDI

33
34
Stephan Geocze Medicina Livre Docente DE
Dayse Maria Lourenço Medicina Livre Docente 40
David Shigueoka DDI Doutor TA/40
Maria Kouyoundjian Bioquímica Doutor DE

TA∗ – técnico-administrativo

34
35

Unidade Curricular: Saúde Coletiva – políticas de saúde no Brasil e Sistema Único de


Saúde1
Professor Responsável: Contato:
Rosemarie Andreazza Setor de Planejamento em Saúde –
Departamento de Medicina Preventiva
Fone/fax: 5083-3736 – ramais: 254 e 252
planejamento@epm.br e
rosemarie@medprev.epm.br
Ano Letivo: 1ª série Semestre: 2º semestre
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina Preventiva – Setor de Planejamento
em Saúde
Carga horária total: 68 horas
Carga Horária p/ prática: 40% Carga Horária p/ teoria: 60%
Objetivos:
Geral
• Possibilitar aos estudantes a discussão e a reflexão sobre políticas de saúde no Brasil,
Sistema Único de Saúde e a organização dos serviços de saúde em um território.
Específicos- Espera-se que esta unidade curricular propicie aos estudantes:
• Analisar a política de saúde no Brasil,
• Compreender o papel dos serviços de saúde e sua organização, conforme os princípios
e diretrizes do Sistema Único de Saúde;
• Reconhecer a necessidade de organizar os serviços de saúde a partir da resolução dos
problemas de saúde de um dado território; e
• Reconhecer a importância do trabalho multiprofissional e interdisciplinar na atenção à
saúde e seu papel na transformação da realidade social e de saúde

Ementa:
Conceito de saúde e problema de saúde. Direito social à saúde. Política de saúde no Brasil.
Sistema Único de Saúde (SUS). Organização dos serviços de saúde. Conceitos básicos de
planejamento em saúde. Sistemas Nacionais de Saúde em outros países. SUS e o mercado
de trabalho.

Conteúdo Programático:
• Política de Saúde no Brasil: aspectos históricos
• Introdução e conceitos básicos de Planejamento em Saúde
• Planejamento em saúde: o território e seus problemas
• Conceito de saúde e problema de saúde
• SUS e o mercado de trabalho
• Organização dos serviços de saúde
• Sistema Único de Saúde (SUS): princípios e diretrizes
• Sistema Único de Saúde (SUS) e o controle social
• O SUS no município de São Paulo
• Sistema Local de Saúde: problematização
• Sistemas Nacionais de Saúde em países selecionados
• Plano de reorganização dos serviços de saúde do território – trabalho final
1
Essa disciplina é ministrada de forma integrada com o 1 º ano de fonoaudiologia

35
36

Metodologia de Ensino Utilizada:


A estratégia pedagógica utilizada na disciplina tem como referência a metodologia da
problematização. Os conteúdos são desenvolvidos a partir da realização dos trabalhos de
campo, nos quais os estudantes reconhecem, a partir de observações e entrevistas com
lideranças comunitárias residentes no território, gestores e usuários, os serviços públicos de
saúde (atenção básica e serviços de média e alta complexidade) presentes nos territórios
das Supervisões de Área de Saúde do Sacomã/Ipiranga e de Vila Mariana/Jabaquara no
município de São Paulo. A sistematização e discussão dessas observações e o
desenvolvimento teórico/conceitual são realizadas em pequenos grupos, utilizando-se,
ainda, seminários e debates.

Recursos Instrucionais Necessários:


• Material bibliográfico, artigos, livros, apostila
• Vídeo
• Material de escritório/didático – transparências, papel, giz, canetas hidrográficas, tinta de
impressora etc.
• Mapas do município de São Paulo
• Viaturas – para transporte dos estudantes aos equipamentos de saúde dos territórios
analisados

Avaliação:
A avaliação inclui dois componentes:
1. desempenho – freqüência, participação, realização das tarefas, envolvimento no trabalho
de campo. Valor de 0 a 5 e
2. trabalho final - a partir do problema mobilizador apresentado na 1ª aula e do
desenvolvimento da disciplina os grupos elaboram um “plano de reorganização dos serviços
de saúde do território. Valor de 0 a 5, considerando-se apresentação oral e escrita.
Observação: o trabalho final pode ser substituído por uma prova final, também a partir de um
problema.

36
37

Bibliografia Básica:

Campos GWS. Modelos assistenciais e unidades básicas de saúde: elementos para debate.
In: Campos GWS, Merhy EE, Nunes ED. Planejamento Sem Normas (cap.4). São Paulo:
Hucitec (Saúde em Debate – série didática), 1989. pp. 53-60.

Carvalho BG, Martin GB, Cordoni JrL. A organização do sistema de saúde no Brasil.

In: Andrade SM, Soares DA, Cordoni JrL (orgs.). Bases da Saúde Coletiva (cap.2).

Londrina, PR: UEL/Abrasco, 2001. pp. 27-59.

Mendes EV, Teixeira CF, Araujo EC, Cardoso MRL. Distritos sanitários: conceitos-chave. In:
Mendes EV (org.). Distrito Sanitário. O processo social de mudança das práticas sanitárias
do Sistema Único de Saúde (cap.3) [1993]. 3ª ed. São Paulo: Hucitec/Abrasco, 1995. pp.
159-185.

Spedo SM, Pinto NRS, Lacaz FAC. Problema de saúde: uma abordagem da área do
Planejamento e Gestão em Saúde. São Paulo: Unifesp-EPM (texto de apoio didático –
TAD.01), 2002. [mimeo] 5p.

Unglert CVS. Territorialização em sistemas de saúde. In: Mendes EV (org.). Distrito


Sanitário. O processo social de mudança das práticas sanitárias do Sistema Único de Saúde
(cap.5) [1993]. 3ª ed. São Paulo: Hucitec/Abrasco, 1995. pp. 221-235.

Di Villarosa FN. Estimativa Rápida e a Divisão do Território no Distrito Sanitário (Manual de


Instruções). Brasília: OPAS/OMS (Série Desenvolvimento de Serviços de Saúde 11), 1993.

11ª Conferência Nacional de Saúde. A construção do SUS. Legislação Básica. Brasília:


Ministério da Saúde, 2000. pp.5-14. Constituição Federal. Pp. 15-19.Lei orgânica da Saúde
(Lei no. 8080/90) pp. 20-43.

Complementar:
Organização Panamericana de Saúde. Conceito de sistemas de serviços de saúde. In:
________. Extensão da Cobertura dos Serviços de Saúde Baseada nas Estratégias de
Assistência Primária e Participação da Comunidade [IV Reunião Especial de Ministros de
Saúde das Américas, 26-27/9/1977]. Washington, DC: OPAS/OMS, 1977. pp. 26-35.

Organización Panamericana de la Salud. Desarrollo y fortalecimiento de los sistemas locales


de salud en la transformación de los Sistemas Nacionales de Salud [Resolución XV-XXXIII,
30/9/1988]. In: Paganini JM, Capote Mir R (eds.). Los Sistemas Locales de Salud:
conceptos, métodos, experiencias. Washington, DC: OPAS/OMS (Publicación Científica N°
519), 1990. Pp

Paim JS. A reorganização das práticas de saúde em distritos sanitários. In: Mendes EV
(org.). Distrito Sanitário. O processo social de mudança das práticas sanitárias do Sistema
Único de Saúde (cap.4) [1993]. 3ª ed. São Paulo: Hucitec/Abrasco, 1995. pp. 187-220.

37
38

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Ana Lúcia Medeiros de Souza Medicina Mestre TA∗/40h
Preventiva - MP
Francisco Antonio de Castro Lacaz Medicina Preventiva Doutor DE
Maria Angela M. B. Guimarães Fonoaudiologia Mestre TA/40h
Neide Richopo Secretaria Municipal Mestre -
de Saúde - SP
Nicanor Rodrigues da Silva Pinto Medicina Preventiva Mestre TA/40h
Raquel Aguiar Furuie Fonoaudiologia Mestre DE
Rosemarie Andreazza Medicina Preventiva Doutor DE
Sandra Maria Spedo Medicina Preventiva Mestre TA/40h
Eliane Tiemi Medicina Preventiva Especialista TA/40h
Herval Pina Ribeiro Medicina Preventiva Professor 40h
colaborador
Wanda Nascimento dos Santos Sato Medicina Preventiva Especialista TA/30h
Fonoaudiologia doutor TA/40h
Angela Gordo

TA∗- técnico-administrativo

38
39

Unidade Curricular: Anatomia Patológica Geral


Professor Responsável: Contato: 5572-7501
Maria Nisa Ivo de Lima e-mail: marianisa@patologia.epm.br
Ano Letivo: 2a série Semestre: 2º semestre
Departamentos/ Disciplinas: Patologia
Carga horária total: 114 h
Carga Horária p/ prática: 40% Carga Horária p/ teoria: 60%
Objetivos:
Geral
• Fornecer subsídios para a compreensão das bases da patologia geral e específica.

Específicos- Espera-se que a unidade curricular propicie aos estudantes:


• Compreender os mecanismos de agressão, defesa e adaptação do organismo;
• Classificar os diferentes tipos de lesões celulares
• Correlacionar a morfologia (macro e microscopia) das lesões com a clínica.
• Realizar de forma crítica e analítica as correlações anátomo-clínicas.

Ementa:
Processos patológicos gerais. Processos degenerativos. Distúrbios circulatórios. Agressão.
Defesa e adaptação do organismo. Ciclo celular. Neoplasias e Carcinogênese.
Conteúdo Programático:
• Definição, objetivos e classificação da Patologia.
• Processos Patológicos Gerais
• Processos Degenerativos
• Hiperemia, Edema, Hemorragia e Hemostasia
• Necrose e morte somática. Calcificação e Pigmentação Patológica.
• Trombose e Embolia
• Isquemia e Infarto
• Inflamação
• Cicatrização, Regeneração e Reparação das Feridas
• Granulomas
• Mecanismo do controle do ciclo celular. Alterações do crescimento e desenvolvimento
• Neoplasia: definição, etiologia (carcinogênese), classificação e nomenclatura
• Patologia Geral das Neoplasias epiteliais e mesenquimais
• Patologia Geral das Neoplasias do sistema nervoso
• Patologia Geral das Neoplasias Linfohematopoiéticas
• Métodos histoquímicos em patologia, citologia, biopsia, métodos histoquímicos e
imunohistoquímicos. Métodos de patologia molecular.

39
40
Metodologia de Ensino Utilizada:
Aulas Teóricas e Práticas
Teóricas com aproximadamente 1 h de duração onde o docente expõe o roteiro de cada
assunto utilizando recursos de vídeo-projeção de forma a incentivar o estudante à
aprendizagem e à busca de bibliografia.
Práticas de macro e microscopia com peças anatômicas e preparações histopatológicas
com turmas de aproximadamente 30 estudantes. Nas aulas de microscopia há um
microscópio disponível para cada estudante, microscópico binocular Olympus com lâmina
acoplada a um sistema de vídeo projeção facilitando a discussão e aprendizagem do
estudante.
Recursos Instrucionais Necessários:
Salas de Aula
Laboratórios para práticas
Sistema de Microscopia.
Projetor multimídia.
Avaliação:
Realizada por meio de três (3) provas com questões dissertativas (5 pontos) e de múltipla
escolha (5 pontos). A avaliação da parte prática, tanto de macro como de microscopia é feita
individualmente com enfoque no diagnóstico do órgão, processo patológico básico e uma
pergunta específica sobre aquela patologia.
O conceito final é feito da seguinte maneira:
As provas escritas têm peso 2 e as provas práticas têm peso 1. O conceito final é a média
ponderada dessas provas.
Bibliografia básica:

Brasileiro Filho G. Patologia geral. 3ª ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 2004.
Cotran RS, Robbins SL, Kumar V. Fundamentos de Robbins: patologia estrutural e
funcional. 6ªed. Rio de janeiro: Editora Guanabara Koogan, 2001.

Montenegro M, Franco M. Patologia: processos gerais. 4ª ed. São Paulo: Editora Atheneu,
1999.

Kumar V, Abbas AK, Fausto N. Robbins e Cotran: Patologia – Bases patológicas das
doenças. 7ªed. Rio de Janeiro: Editora Elsevier, 2005.
Docentes Participantes
Nome Departamento Titulação Regime de
Trabalho
(horas)
Maria Nisa Ivo de Lima Patologia Mestre Aposentada
Marcello Franco Patologia Livre-Docente DE
João Norberto Stávale Patologia Doutor 40
Ângela Flavia Logulo Patologia Doutor 40
Antônio Correa Alves Patologia Mestre 40
Beny Schimdt Patologia Doutor 40
Nilceo Michalany Patologia Mestre 40
Rimarcs Gomes Ferreira Patologia Doutor 40
Valéria Pereira Lanzoni Patologia Doutor 40
Ester Colleta Patologia Doutor 40
Francy Reis Patrício Patologia Doutor DE
Sigmar Horst Cardoso Patologia Mestre DE
Maria Teresa de Seixas Patologia Doutor 40

40
41

Unidade Curricular: Bases da Medicina Celular e Molecular


Professor Responsável: Contato: marimelia.bioq@epm.br
Marimélia Porcionatto tel. 5574-4442
Ano Letivo: 2ª série. Semestre: 1o.
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Bioquímica – Disciplina de Biologia Molecular;
Departamento de Micro-Imuno-Parasitologia – Disciplinas de Microbiologia, Imunologia e
Parasitologia
Carga horária total: 700 horas
Carga Horária p/ prática: 15% Carga Horária p/ teoria: 85%

41
42
Objetivos:

Biologia Molecular

Geral
• Possibilitar a compreensão da organização molecular de organismos procariotos e
eucariotos, bem como dos processos especializados relevantes nesses sistemas, e discutir
os elementos essenciais dos novos aspectos do conhecimento da biologia.

Específicos -
• Compreender a estrutura e organização dos genomas de procariotos e eucariotos, bem
como o fluxo da informação gênica e sua regulação.
• Entender os princípios e aplicações da tecnologia do DNA recombinante e engenharia
genética.
• Discutir os processos envolvidos na regulação do ciclo celular, bem como as bases
moleculares da transformação maligna.
• Discutir as principais vias de sinalização intracelular e suas funções na comunicação
célula-célula.
• Conhecer a organização e a dinâmica dos processos relativos à superfície celular, bem
como do reconhecimento e adesão celular.
• Descrever a organização do citoesqueleto, bem como sua função.
• Compreender os processos moleculares especializados ocorridos no retículo
endoplasmático liso e no rugoso, no complexo de Golgi e nos lisossomos.
• Entender a organização e função da matriz extracelular.
• Conhecer as bases moleculares de alguns erros inatos do metabolismo (gangliosidoses,
mucopolissacaridoses, colagenoses).
• Entender os mecanismos moleculares da coagulação sanguínea.
• Seja capaz de interpretar criticamente resultados de exames microbiológicos e avaliar
condutas de intervenção específicas;
• Conheça os métodos mais efetivos de diagnóstico microbiológico, sem contudo deixar de
conhecer os métodos simples
• Seja estimulado a procurar informação em fontes mais atualizadas e de rápida difusão de
conhecimento
• Seja estimulado a participar de projetos de iniciação científica

Microbiologia

Geral
• Fornecer aos alunos conhecimentos sobre a biologia, fisiologia e mecanismos de
patogenicidade de bactérias, vírus e fungos.

Específicos - Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:


• Conhecer a morfologia, as estruturas, os processos de nutrição, metabolismo e
mecanismos de propagação de microrganismos;
• Compreender a interação dos microrganismos com o hospedeiro humano sadio em
condições fisiológicas (conceito e importância da microbiota normal);
• Conhecer as principais espécies, mecanismos de patogenicidade que causam o
estabelecimento do estado de doença no hospedeiro humano;
• Entender as vias de disseminação dos microrganismos patogênicos no indivíduo e na
população;
• Discutir os métodos de controle de microrganismos, tanto para fins preventivos como
para fins terapêuticos.

Imunologia
42
Geral
• Possibilitar a compreensão dos mecanismos imunológicos que envolvem interações
43
Ementa:
Biologia Molecular
Organização dos genomas. Fluxo da informação genética. Controle da expressão gênica.
Mecanismos moleculares da proliferação celular, neoplasia e morte celular. Comunicação
celular. Bases moleculares dos erros inatos do metabolismo e da coagulação sangüínea.
Microbiologia
Biologia e fisiologia das bactérias, vírus e fungos. Microbiota normal. Principais espécies de
bactérias, vírus e fungos. Relação com o hospedeiro humano. Mecanismos de
patogenicidade. Vias de transmissão. Métodos de diagnóstico. Métodos de controle e
prevenção.
Imunologia
Células, órgãos e fatores solúveis envolvidos na resposta imune. Mecanismos imunológicos
envolvidos em patologias (imunopatologia). Interações humorais e celulares com antígenos in
vivo e in vitro. Diagnóstico (imunologia clínica, doenças infecto-contagiosas).
Parasitologia
Parasitoses humanas causadas por Protozoários, Helmintos e Artrópodos. Vias de
transmissão das parasitoses. Características morfológicas dos parasitas. Diagnóstico das
parasitoses. Profilaxia e tratamento. Mecanismos moleculares da infectividade e evasão dos
parasitas.

43
44
Conteúdo Programático
Biologia Molecular
Bloco I
Seres vivos: prócariotos e eucariotos
Estrutura de ácidos nucléicos: DNA e RNA
Organização gênica de prócariotos e eucariotos
Replicação do DNA
Mutação, reparo e recombinação do DNA
Síntese de RNA: transcrição e processamento
Código genético: síntese de proteínas
Compactação do material genético
Controle da expressão gênica em prócariotos e eucariotos
Tecnologia do DNA recombinante
Bloco II
Estrutura básica das membranas celulares
Modificações pós-tradução de proteínas
Destino e transporte de proteínas: retículo endoplasmático rugoso e liso
Mecanismo de transporte vesicular
Lisossomos e degradação de glicoconjugados. Patologias
Citoesqueleto e movimento celular
Superfície celular. Endocitose
Matriz extracelular
Interação célula-célula e célula-matriz
Bloco III
Sinalização celular
Ciclo celular
Oncogenes, genes supressores de tumor e câncer
Coagulação do sangue. Inibidores naturais da coagulação e fibrinólise
Papel da plaqueta e do vaso sanguíneo na hemostasia
Métodos para avaliar a coagulação do sangue

Microbiologia
• História da Microbiologia
• A célula bacteriana e suas funções.
• Nutrição e metabolismo bacterianos.
• Genética bacteriana.
• Controle de microrganismos – Agentes físicos e químicos
• Mecanismos de ação e resistência a antimicrobianos.
• Patogenicidade microbiana.
• Staphylococcus e Pseudomonas.
• Streptococcus e Enterococcus.
• Corynebacterium e Haemophilus
• Bordetella e Micobactérias
• Enterobactérias.
• Helicobacter e Campylobacter
• Anaeróbios.
• Neisseria
• Espiroquetídios.
• Micoplasma e Chlamydia
• Infecção Hospitalar.
• Gram e semeadura (aula prática)
• Diagnóstico e identificação (aula prática).
• Conjugação bacteriana (aula prática).
• Ação de agentes físicos e químicos (aula prática).
• Antibiograma (aula prática).
• Características gerais dos vírus.
• Vírus exantemáticos 44
• Vírus do grupo Herpes
• Vírus respiratórios.
45
Metodologia de Ensino Utilizada:

Biologia Molecular
O curso consiste de 3 blocos de aulas teóricas, discussões e práticas. São fornecidos estudos
dirigidos e casos clínicos para serem discutidos com base nos temas das aulas teóricas. As
práticas em laboratório estão relacionadas aos 3 blocos teóricos desenvolvidos no curso.
Microbiologia
O Curso consiste de discussões, aulas teóricas e práticas. São fornecidos estudos dirigidos e
casos clínicos para serem discutidos com base nos temas dos estudos dirigidos e aulas
teóricas. Nas discussões e aulas teóricas, a participação da classe é solicitada sob forma de
perguntas gerais de raciocínio. Para as discussões os estudantes são divididos em três turmas
e para as aulas práticas em 4 turmas.
Imunologia
Aulas teóricas para toda turma e aulas divididas em três grupos, permitindo discussões de casos
clínicos e um papel mais ativo dos estudantes. As aulas práticas são sempre integradas com
outras disciplinas que compõem o Curso de Bases da Medicina Celular e Molecular como
Parasitologia, Microbiologia e Biologia Molecular.
Parasitologia
Aulas teóricas, práticas e discussões. As aulas teóricas enfocam as características dos
parasitas necessárias para os estudantes aprofundarem o estudo dos processos importantes
relacionados às parasitoses que serão abordados nas aulas de discussão. São fornecidos
estudos dirigidos para as aulas de discussão. As aulas práticas consistem de visualização dos
parasitas ao microscópio óptico enfatizando as características morfológicas dos parasitas que
permitam o seu reconhecimento.

Recursos Humanos e Instrucionais Necessários:


Biologia Molecular:
Docentes para aulas teóricas e práticas. Recursos materiais: computador e projetor multimídia
para as aulas teóricas e laboratórios de aulas práticas, com equipamentos e reagentes.
Microbiologia
Docentes para aulas teóricas, práticas e discussões de caso. Recursos materiais: computador
e projetor multimídia para as aulas teóricas. Laboratórios com microscópios binoculares com
objetivas de imersão e de reagentes e meios de cultura.
Imunologia
Docentes para aulas teóricas, práticas e discussões de caso. Recursos materiais: computador e
projetor multimídia para as aulas teóricas. Laboratórios com equipamentos e reagentes
Parasitologia
Docentes para aulas teóricas e práticas; nas discussões os estudantes são divididos em 3
turmas. Os alunos de pós-graduação também participam das aulas práticas. Os recursos
materiais utilizados são os áudio-visuais (computador e projetor multimídia para as aulas
teóricas e discussões) e microscópios e laminário de parasitas para as aulas práticas.

Avaliação:
Biologia Molecular, Microbiologia, Imunologia
Os estudantes são avaliados ao final de cada bloco, por meio de prova de múltipla escolha
(50%) e questões objetivas do tipo complementar texto e/ou dissertativa (50%). Para as aulas
práticas são exigidos relatórios.
Parasitologia
Os estudantes são avaliados por duas provas teóricas e teórico-práticas, sendo que a parte
teórica corresponde a 80% da nota e a prática a 20%. A prova teórica é composta por testes de
múltipla escolha (80%) e questões dissertativas (20%).

45
46
Bibliografia:
Biologia Molecular
Básica:
Cooper GM. A célula – Uma abordagem molecular. 2ª ed. Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul Ltda,
2001.

Complementar:
Albert B, Bray D et al. Fundamentos da Biologia Celular. 5ª ed. Porto Alegre: Editora Artes
Médicas Sul Ltda, 2004.
Darnell J et al. Molecular Cell Biology. Scientific American Book. 3a ed. NY: WH Freeman,
1999.
Voegt V, Voet J, Pratt C. Fundamentos de Bioquímica. 5ª ed. Porto Alegre: Editora Artes
Médicas Sul Ltda, 2000.
Genes VII, Lewin B. 7ª ed. Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul Ltda, 2001
Para o estudo dos tópicos que não constam dos livros, será distribuída ou indicada a
bibliografia a ser utilizada

Microbiologia
Básica
Murray PR, Rosenthal KS, Kobayashi GE, Pfaller M.A. Microbiologia Médica 4a ed. Rio de
Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 2004.

Complementar
Tortora GJ, Funke BR, Case CL. Microbiologia. 6a ed. São Paulo: ArtMed, 2002.

Imunologia
Básica
Abbas A.K, Lichtman AH, Pober JS. Imunologia Celular e Molecular. 5ª ed. Rio de Janeiro:
Editora Elsevier, 2005
Janeway CA, Travers P. Immunobiology. 4a. edi. New York: Current Biology Ltd.Garland
Publishing Inc., 2003
Complementar:
Pekman M, Vergani D. Imunologia Básica e Clínica. 7ª ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara
Koogan, 1998.

Parasitologia
Básica:
Rey L. Bases da Parasitologia Médica. 2ª ed. Rio de Janeiro: Ed Guanabara-Koogan, 2002

Complementar:
Neves DP. Parasitologia Humana. 10a ed. São Paulo: Editora. Atheneu, 2000.

46
47

Docentes Participantes
Biologia Molecular
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho (horas)
Helena B. Nader Bioquímica Livre-docente DE
Helio K. Takahashi Bioquím ica Livre-docente DE
Yara M. Michelacci Bioquímica Livre-docente DE
Anita H. S. Takahashi Bioquímica Livre-docente DE
Lucia O. Sampaio Bioquímica Doutor DE
Leny Toma Bioquímica Doutor DE
Marimélia Porcionatto Bioquímica Doutor DE
Ivarne L.S. Tersariol Bioquímica Doutor 20
Maria A. Silva Pinhal Bioquímica Doutor 40
Docentes Participantes
Microbiologia
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Beatriz E.C. Guth Microbiologia, Doutor DE
Imunologia e
Parasitologia (MIP)
Rosa Maria Silva MIP Doutor DE
Tânia A.T. Gomes do Amaral MIP Doutor DE
Sylvia P.C. Leão MIP Doutor DE
Zoilo P. Camargo MIP Doutor DE
Olga F. Gompertz MIP Doutor Aposentado
Rosana Puccia MIP Doutor DE
Elaine G. Rodrigues MIP Doutor DE
Celso F.R.H. Granato MIP Livre-docente 40
Nancy C. J. Bellei MIP Doutor TA/40
Docentes Participantes

Imunologia
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Ieda M. Longo Maugéri MIP Doutor DE
Célia R.Whitaker Carneiro MIP Doutor DE
Elaine Guadalupe Rodrigues MIP Doutor DE
Zulma Fernandes Peixinho MIP Doutor DE
Maurício Martins Rodrigues MIP LD - Doutor DE
Docentes Participantes
Parasitologia
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Clara Lúcia Barbiéri Mestriner Parasitologia Doutor DE

José Franco da Silveira Parasitologia Livre-docente DE


Maurício Martins Rodrigues Parasitologia Livre-docente DE
Nobuko Yoshida Parasitologia Livre-docente DE
Renato Arruda Mortara Parasitologia Livre-docente DE

47
48

Unidade Curricular: Educação e Comunicação na Prática do Médico


Professor Responsável: Contato: CEDESS - 55490130
Nildo Alves Batista
Ano Letivo: 2ª série Semestre: 1º
Departamentos/Disciplinas: CEDESS, Departamento de Medicina Preventiva – Disciplinas
de Ciências Humanas em Saúde, Epidemiologia, Setor de Planejamento em Saúde
Carga horária total: 36 horas
Carga Horária p/ prática: 50% Carga Horária p/ teoria: 50%
Objetivos:

Geral
• Compreender princípios e estratégias do processo de educação e comunicação com o
paciente/comunidade

Específicos - Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:


• Desenvolver práticas educativas com o paciente/comunidade como estratégia de
promoção da saúde.
Ementa:
Práticas educomunicativas em saúde. Comunicação do médico com o paciente, com a
equipe de trabalho e com a comunidade. A comunicação e a aderência do paciente ao
tratamento. A função educativa do médico.
Conteúdo Programático:
• O processo de comunicação
• A comunicação na relação médico/paciente/comunidade e no desenvolvimento de
práticas educativas em saúde
• A educação como estratégia de promoção em saúde
• As práticas educativas em saúde
• A educomunicação e a aderência do paciente ao tratamento

48
49

Metodologia de Ensino Utilizada:


Preleções dialogadas, discussões, Visita a campo, Pesquisa

Recursos Instrucionais Necessários:


Projetor de multimídia

Avaliação:
Participação, Assiduidade, Trabalhos (relatórios, leitura e apresentação de artigos
científicos)

Bibliografia Básica:
Bordenave JE D. O Que é Comunicação? 28º ed. São Paulo: Brasiliense, 2003.

Complementar
Bizzo MLG. Difusão científica, comunicação e saúde. Cad. Saúde Pública 2002; 18:307-14.
Brasil. Ministério da Saúde. Diretoria de Programas e Educação em Saúde. Conferência
Nacional de Saúde. Brasília. http://www.datasus.gov.br/cns (acessado em 20 de janeiro de
2004)
Buss PM. Promoção e Educação em Saúde no âmbito da Escola de Governo em Saúde da
Escola Nacional de Saúde Pública. Cad de Saúde Pública. 1999;15(sup.2):177-85.
Candeiras NMF. Conceitos de Educação e de Promoção em Saúde: mudanças individuais e
mudanças organizacionais. Rev. Saúde Pública 1997;.31:209-13.
Brasil. Ministério da Saúde. Promoção da Saúde - Carta de Otawa, Declaração de Adelaide,
Sondsuas/ e Santa Fé de Bagotá. Brasília: Ministério da Saúde, 1996.
OPAS/OMS. Quinta Conferencia Mundial de Promoción de Salud. 2001.
Silva MJP. Comunicação tem remédio – a comunicação nas relações interpessoais em
saúde. São Paulo: Loyola, 2002.
Teixeira RR. Informação e Comunicação em Saúde. In: Schraiber LB, Nemes MIB, Mendes-
Gonçalves RB. Saúde do adulto – Programa e Ações na Unidade Básica. São Paulo:
HUCITEC, 1996.
Valla VV, Stotz EN. (org). Participação Popular, Educação e Saúde: teoria e prática. Rio de
Janeiro Ed. Relume-Dumará, 1997.

49
50

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho em
horas
Nildo Alves Batista Cedess Livre-Docente DE
Mariangela Cainelli Oliveira Prado Medicina Doutor 40
Preventiva - MP
Sylvia Helena Batista Cedess Doutor 40
Lídia Ruiz Moreno Cedess Doutor Prof. Visitante
Jose Antonio Maia Cedess Doutor TA/20
Ively Guimarães Abdalla Cedess Mestre TA/40
Sergio Nicoletti Cedess Doutor TA/40
Francisco Lacaz MP Doutor DE
Rosana Machim MP Doutor 40
Rosemarie Andreazza MP Doutor DE
TA – técnico-administrativo

50
51

Unidade Curricular: Farmacologia e Psicobiologia


Professores Responsáveis: Contato:
Farmacologia - Lúcia Garcez do Carmo lugarcez.farm@epm.br
Psicobiologia - Lia Rita Azeredo Bittencourt lia@psicobio.epm.br
Ano Letivo: 2ª série Semestre: 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamentos de Farmacologia e de Psicobiologia
Carga horária total: 272h
Carga Horária p/ prática: 10% Carga Horária p/ teoria: 90%
Objetivos:
Gerais:
• Introduzir os conceitos básicos de Farmacologia Geral visando à capacitação do estudante
para o entendimento da terapêutica medicamentosa. Apresentar as bases biológicas e
funcionais dos processos cognitivos, comportamentais e psíquicos

Específicos -
• Conhecer os conceitos básicos sobre os mecanismos celulares e moleculares envolvidos
na ação de fármacos no contexto fisiopatológico
• Conhecer fatores que atuam na ação de fármacos
• Conhecer mecanismos farmacocinéticos
• Conhecer as ações das principais classes de fármacos nos diferentes sistemas fisiológicos
• Reconhecer os mecanismos fisiológicos e patológicos e a abordagem diagnóstica e
terapêutica nas diversas áreas da Psicobiologia

51
52
Ementa
Farmacologia/Psicobiologia - Conceitos de Farmacologia Geral. Mecanismo de Ação de
Drogas e Farmacocinética. Farmacologia por sistemas e aparelhos. Conceito de
Psicobiologia e sua relevância. Funcionamento cognitivo e comportamental. Medicina e
Biologia do Sono. Alterações Funcionais e Transtornos do Comportamento. Medicina e
Sociologia do Abuso de Drogas.

52
53
Conteúdo Programático:
• Introdução à Farmacologia
• Farmacocinética
• Mecanismo e fatores que influenciam a ação das Drogas
• Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
• Simpatomiméticos, Simpatolíticos
• Parassimpatomiméticos, Parassimpatolíticos
• Farmacologia do gânglio
• Farmacologia da transmissão Neuromuscular
• Anestésicos locais
• Farmacologia Cardiovascular - Drogas Cardiotônicas e Antiarrítmicas
• Farmacologia renal - Drogas Antihipertensivas
• Drogas anticoagulantes
• Drogas Antilipidêmicas
• Farmacologia do Trato Gastrointestinal
• Analgésicos, Antipiréticos e Antiinflamatórios
• Farmacologia do Trato respiratório
• Imunomoduladores
• GnRH e Gonadotropinas
• Andrógenos e Antiandrógenos
• Antiestrógenos e Antiprogestágenos
• Antineoplásicos
• Hormônio de Crescimento
• Antitireodianos
• Insulina e Hipoglicemiantes
• Psicobiologia e sua relevância para a Medicina;
• Organização e Funcionamento do Cérebro
• Evolução e Comportamento
• Hormônio, Imunidade e Comportamento;
• Ritmos Biológicos e o Comportamento;
• Atenção, aprendizado e memória ;
• Motivação, Emoção
• Linguagem
• Consciência
• Bases Neuronais do Ciclo Sono e Vigília;
• Distúrbios do Sono;
• Introdução à Psicofarmacologia
• Transtornos da ansiedade; ansiolíticos;
• Transtornos do humor
• Antidepressivo tricíclico e inibidores da MAO
• Farmacologia da dor- mecanismos centrais
• Medicina Comportamental;
• Medicina e Sociologia do Abuso de Drogas - Introdução e Conceitos Gerais;
• Neurobiologia, Tolerância, Dependência e Inalantes;
• Drogas Depressoras: Álcool, Opiáceos
• Uso irracional dos benzodiazepínicos
• Drogas Estimulantes: Cocaína / Anfetaminas;
• Maconha, Pertubadores: Indólicos e outros;
• Drogas Pertubadoras e outros anticolinérgicos

53
54

Metodologia de Ensino Utilizada

Farmacologia/Psicobiologia - aulas teóricas e práticas. As aulas teóricas são ministradas


para toda a turma através de recursos audiovisuais como slides, multimídia, vídeos e
retroprojeção. As aulas práticas são realizadas em laboratórios de experimentação em
animais e laboratórios de registro em humanos.

Recursos Humanos e Instrucionais Necessários


Farmacologia/Psicobiologia - Docentes para aulas teóricas e práticas, técnicos
especializados e alunos de pós-graduação para apoio nas aulas práticas e teórico-práticas.
Aulas teóricas - multimídia. Aulas práticas - materiais e aparelhagem adequados para os
objetivos propostos. Animais de experimentação.

54
55
Avaliação:
A avaliação do Módulo é feita considerando-se as notas obtidas nas provas parciais (que são
em número de 5 e nos relatórios de aulas práticas.

55
56
Bibliografia Básica:
Farmacologia:

Hardman JG, Limbird LE, Goodman Gilman A. Goodman & Gilman’s: The Pharmacological
Basis of Therapeutics – 11th edition. USA: McGraw-Hill Companies, 2005.

Katzung BG. Farmacologia Básica e Clínica. 9a edição. Rio de Janeiro: Editora Guanabara-
Koogan, 2005 (edição em português).

Rang HP, Dale MM, Ritter JM, Moore PK. Farmacologia. 5ª edição. São Paulo:Elsevier
Editora Ltda, 2003.

Silva P. – Farmacologia – 7 ª edição – Editora Guanabara Koogan, Rio de Janeiro – 2006.


Minneman KP, Wecker L. Brody Farmacologia Humana. 4ª edição. São Paulo:Elsevier
Editora Ltda, 2006.

Craig C, Stitzel R. Farmacologia Moderna com aplicação Clínica. 6a edição. Rio de Janeiro:
Editora Guanabara-Koogan, 2005.

De Lúcia R, Oliveira-filho R. Farmacologia Aplicada. 2ª edição. Rio de Janeiro: Livraria e


Editora Revinter, 2003.

Psicobiologia:
Baddeley A. Human memory: theory and practice. Revised ed. Hove: Psychology Press,
1999. 423p.

Cooper JR, Bloom FE, Roth RH. The biochemical basis of neuropharmacology, 7th ed New
York. Oxford University Press, 1996. 518p.

Edward G, Dare C. Psicoterapia e tratamento das adições. Porto Alegre: Artes Médicas,
1997. 247 p.

Graeff FG, Guimarães FS. Fundamentos de psicofarmacologia. São Paulo. Atheneu, 1999.
238p.

Hardman JG, Limbird LE (ed). Goodman & Gilman. As bases farmacológicas da terapêutica.
9° ed. Rio de Janeiro. McGraw-Hill, 1996. 1436p.

Kandel ER, Scwartz JH, Jessel TM (eds). Principles of neural science. 4 th ed. New York.
McGraw-Hill, 2000. 1414p.
th
Kryger MH, Roth T, Dement WC. Principles and practice of sleep medicine. 3 ed.
Philadelphia. W.B. Saunders, 2000. 1336p.

Lent R. Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais de neurociências. São Paulo.


Atheneu, 2001. 698p.

Schatzberg AF, nemeroff CD (eds). The american psychiatric Press Textbook of


Psychopharmacology. 2nd ed. Washington. American Psychiatric press, 1998. 1095p.

Seibel SD, Toscano Jr A (eds). Dependência de drogas. São Paulo: Atheneu, 2001. 560p.
Stahl SM. Essential psychopharmacology: neuroscientific basis and pratical applications. 2nd
ed. Cambridge University Press, 2000. 601p.

Psicofarmacologia. Bases neurocientíficas e aplicações clínicas. São Paulo: MEDSI, 1998.

56
57

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho em
horas
Afonso Caricati Neto Farmacologia Doutor DE
Antonio José Lapa Farmacologia Livre-docente DE
Aron Jurkiewicz Farmacologia Livre-docente DE
Caden Souccar Farmacologia Livre-docente DE
Catarina Segreti Porto Farmacologia Doutor DE
Lúcia Garcez do Carmo Farmacologia Doutor DE
Maria Christina W. Avellar Farmacologia Doutor DE
Maria de Fátima M. Lazari Farmacologia Doutor DE
Maria Teresa R. L. Landmann Farmacologia Doutor DE
Neide H. Jurkiewicz Farmacologia Doutor aposentado
Roberto Frussa Filho Farmacologia Doutor DE
Rosana de Alencar Ribeiro Farmacologia Doutor DE
Rosely de Oliveira Coutinho Farmacologia Doutor DE
Soraya S. Smaili Farmacologia Livre-docente DE
Orlando F.A. Bueno Psicobiologia Livre-docente DE
Nylson G.S.Filho Psicobiologia Doutor DE
José Roberto Leite Psicobiologia Livre-docente DE
Ma Gabriela M. Oliveira Psicobiologia Doutor DE
Helena Ma Calil Psicobiologia Livre-docente DE
Marco A.C. Benedito Psicobiologia Doutor DE
Sergio Tufik Psicobiologia Livre-docente 40
Lia Rita A. Bittencourt Psicobiologia Doutor DE
Marco Túlio de Mello Psicobiologia Doutor DE
Maria Lúcia O.S. Formigoni Psicobiologia Livre-docente DE
Elisaldo Carlini Psicobiologia Doutor Aposentado

57
58

Unidade Curricular: Semiologia Integrada


Professor Responsável Contato: mdemarco@psiquiatria.epm.br
Mario Alfredo De Marco
Ano Letivo: 2ª série Semestre 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Psiquiatria – Disciplina de Psicologia Médica,
Departamento de Pediatria, Departamento de Medicina – Disciplinas de Clínica Médica e
Geriatria, Departamento de Obstetrícia, Departamento de Ginecologia
Carga horária total: 40h
Carga Horária p/ prática: 60% Carga Horária p/ teoria: 40%

Objetivos:
Geral
• Oferecer ao estudante n i iciação à prática da semiologia integrada, incorporando os
aspectos biológicos, psicológicos e sociais.
Específicos
Espera-se que esta unidade curricular propicie aos estudantes:
• Capacidade para observar pessoas e as formas de adoecer
• Aprofundamento nas técnicas de realização de entrevistas
• Habilidade para realização de anamnese segundo diferentes áreas médicas e ciclos de
vida
Ementa:
Anamnese integral. O processo do adoecer - aspectos físicos, psicológicos e sociais.
Conteúdo Programático:
• Anamnese em Pediatria, Clínica Médica, Obstetrícia, Ginecologia e Geriatria
• Processo do adoecer
• Relação médico – paciente
Metodologia de Ensino Utilizada:
• Aulas expositivas
• Entrevista/anamnese de pacientes dos serviços de pediatria, clínica médica, geriatria,
obstetrícia e ginecologia (realizada por grupos de 3 estudantes/paciente)
• Seminários
• Role-playing
• Trabalhos em grupos com entrevistas e visitas a diferentes cenários de atividade em
saúde
Recursos Instrucionais Necessários:
18 professores para trabalho em pequenos grupos
Aparelho de projeção e outros recursos áudio-visuais.
Salas e anfiteatros com cadeiras móveis
Avaliação:
Os estudantes são avaliados pela participação nas discussões e realização das entrevistas,
pelos relatórios e por um trabalho final.
A avaliação do curso é realizada de forma participativa e por meio de questionário
respondido ao término do curso.

58
59
Bibliografia Básica:

Marcondes E. Pediatria Básica. 9a ed. São Paulo: Editora Sarvier, 2002

Herrmann AA, Silva EMK. A Consulta Pediátrica. In: Carvalho ES, Carvalho WB
(org.). Terapêutica e Prática Pediátrica. 2ª ed. São Paulo: Editora Atheneu 2000. p.3-7.

De Marco MA. (org) A Face Humana da Medicina. São Paulo: Editora Casa do Psicólogo,
2003

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
(horas)
Anne Lise D. Brasil Pediatria Doutor TA./40
Artur F. José Psiquiatria Mestre TA/40
Cíntia C. Dias Psiquiatria Mestre TA/40
Dayse M. Machado Pediatria Doutor TA/40
Domingos Palma Pediatria Doutor 40
Fátima Lucchesi Psiquiatria Especialista TA/40
Gilberto P. da Silva Pediatria Especialista 40
Josefina A. Braga Pediatria Doutor 40
Ligia B.S. Aranha Psiquiatria Especialista TA/20
Luiz A. Lopes Pediatria Doutor Prof.vis/40
Luiz A.N. Martins Psiquiatria Doutor 40
Luciana Geocze Psiquiatria Especialista TA/40
Mario A. De Marco Psiquiatria Doutor 40
Maysa Cendoroglo Medicina Doutor TA/20
Renata N. Pinto Psiquiatria Mestre DE
Rosana D. Simões Ginecologia Mestre 40
Rudolf Wechsler Pediatria Doutor 40
Samantha Mucci Psiquiatria Especialista TA/40
Sérgio Domingues Medicina Doutor TA/40
Sue Yazaki Sun Obstetrícia Doutor 40
Vanessa A. Cítero Psiquiatria Doutor TA/40

OBS: TA – técnico-administrativo

59
60

Unidade Curricular: Atendimento pré-hospitalar do trauma


Professor Responsável: Contato: 55764272
Luiz Francisco Poli de Figueiredo
Ano Letivo: 2ª série Semestre: 1o semestre
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Cirurgia - Disciplina de Técnica Operatória e
Cirurgia Experimental
Carga horária total: 12 horas
Carga Horária p/ prática: 75% Carga Horária p/ teoria: 25%
Objetivos:

Geral
• Fornecer ao estudante formação para o adequado atendimento de vítimas de trauma no
ambiente pré-hospitalar
Específicos - Espera-se que esta unidade curricular propicie aos estudantes:
• Conhecer o sistema de resgate
• Conhecer em detalhes os mecanismos de trauma e lesões potenciais
• Praticar a avaliação do local do trauma e medidas de segurança preventivas
Reconhecer as prioridades imediatas nas vítimas de trauma

Ementa:
Sistema de resgate. Mecanismos de trauma. Avaliação do local do trauma e medidas
preventivas. Imobilização. Triagem em áreas de catástrofe. Salvamentos.
Conteúdo Programático:
• Sistema de resgate
• Mecanismos de trauma
• Avaliação do local do trauma e medidas preventivas
• Discussão de casos
• Prioridades imediatas
• Segurança de cena
• Imobilização coluna cervical
• Imobilização de fraturas
• Transporte vítimas de trauma
• Triagem em áreas de catástrofes
• Salvamento em acidentes de carro
• Salvamento em espaço confinado
• Salvamento na água
• Salvamento na altura

60
61
Metodologia de Ensino Utilizada:

Aulas teóricas e aulas práticas na Escola do Corpo de Bombeiros em Franco da Rocha,


acompanhadas por professores e orientadas por membros da corporação.

Recursos Instrucionais Necessários:


Multimídia para aulas teóricas. Material de consumo para os simulados na Escola de
Bombeiros. Transporte para a Escola do Corpo de Bombeiros
Avaliação:
Avaliação das aulas prática e prova teórica dissertativa.
Avaliação prática = 70% da nota Prova teórica = 30% da nota
Nota mínima para aprovação = 7,0
Bibliografia Básica:

American Society of Anesthesiologists. Practice guidelines for management of the difficult


airway. Anesthesiology 2003;98:1269-77

Poli de Figueiredo LF, Rasslan S, Bruscagin V, Cruz R, Rocha e Silva M. Increases in fines
and driver licence withdrawal have effectively reduced immediate deaths from trauma on
Brazilian roads: first-year report on the new traffic code. Injury. 2001;32(2):91-4.

Varicoda EY, Poli de Figueiredo LF, Cruz RJ Jr, Silva LE, Rocha e Silva M. Blood loss after
fluid resuscitation with isotonic or hypertonic saline for the initial treatment of uncontrolled
hemorrhage induced by spleen rupture. J Trauma. 2003;55(1):112-7

Complementar
SAFE Study Investigators. A comparison of albumin and saline for fluid resuscitation in the
intensive care unit. N Engl J Med 2004,350:2247-56

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
(horas)
Luiz Francisco Poli de Figueiredo Cirurgia Livre-docente 40
Simone Abib Cirurgia Doutora 40
João Aléssio Perfeito Cirurgia Doutor 40
José Honório Palma Cirurgia Livre-docente 40
Capitão Correia Leite COBOM - 40

61
62

Unidade Curricular: Bioestatística


Professor Responsável: Contato: graciela@medprev.epm.br
Maria Graciela González Pérez de Morell

Ano Letivo: 2ª série Semestre:1o semestre


Departamentos/Disciplinas: Departamento de medicina Preventiva – Disciplina de
Bioestatística
Carga horária total: 72 horas
Carga Horária p/ prática: 0% Carga Horária p/ teoria: 100%
Objetivos:
Geral
• Capacitar o estudante a utilizar os métodos e técnicas estatísticas que permitem
organizar, descrever, analisar e interpretar os fenômenos coletivos, relativos ao
processo saúde-doença.

Específicos - Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:


• Definir o elemento ou conjunto de elementos objeto de estudo (população ou amostra) e
o fenômeno ou característica (variável) que será observado nesse conjunto de
elementos
• Apresentar e interpretar dados sob a forma de tabelas e gráfica
• Compreender as medidas de tendência central e de variabilidade
• Compreender métodos de amostragem
• Estabelecer associações e correlações entre variáveis;
• Ler criticamente artigos científicos e interpretar os resultados estatísticos.
Ementa:
Definição de Bioestatística. Etapas do método científico. Planejamento de experimentos e
amostragem. Tipos de variáveis geradoras de dados. Estatística descritiva e inferencial.

Conteúdo Programático:
• Papel da estatística na pesquisa científica.
• Técnicas de amostragem.
• Natureza e níveis de mensuração das variáveis.
• Apresentação tabular de dados para variáveis categóricas e numéricas.
• Apresentação gráfica de dados para variáveis categóricas e numéricas.
• Medidas de tendência central e de posição para variáveis categóricas e numéricas:
proporção, média, mediana, moda.
• Medidas de variabilidade individual para variáveis categóricas e numéricas: variância e
desvio padrão.
• Medidas de variabilidade de uma amostra para outra: erro padrão e erro amostral.
• Teorema Central do Limite.
• Propriedades da Distribuição Normal.
• Intervalo de Confiança para proporções e para médias.
• Análise estatística da relação entre uma variável resposta categórica e uma variável
explicativa categórica - Medidas de Associação.
• Análise estatística da relação entre uma variável resposta numérica e uma variável
explicativa numérica - Medidas de Correlação. Regressão Linear.
• Análise estatística da relação entre uma variável resposta numérica e uma variável
explicativa categórica - Análise de variância.

62
63
Metodologia de Ensino Utilizada:
Aulas expositivas com recursos audiovisuais e exercícios práticos. Os estudantes são
divididos em três (3) turmas, cada qual com seu próprio professor que os acompanha
durante todo o curso.

Avaliação:
Duas provas obrigatórias individuais em sala de aula (com consulta) para avaliação do
aprendizado cognitivo. Considera-se, ainda, a entrega de exercícios semanais e a
apresentação de seminários de textos científicos, realizados em grupo.

Bibliografia Básica:

Vieira S. Introdução à Bioestatística. 1ª ed. São Paulo: Editora Campus Ltda., 1980.

Berquó E, Souza JMP, Gotlieb SLD. Bioestatística. 1ª ed. São Paulo: EPU, 1986.

Complementar

Snedecor GW, Cochran WG. Statistical Methods. 8th. USA:Ed. Iowa State University Press,
1989.
Altman DG. Practical Statistics for Medical Research. 1st ed. London: Chapman e Hall,
1991.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
(horas)
Maria Graciela G. P. de Morell Medicina Preventiva Doutor DE
Solange Andreoni Medicina Preventiva Doutor 40
Angela Tavares Paes Medicina Preventiva Mestre 40

63
64

Unidade Curricular: Epidemiologia


Professor Responsável Contato: maru@medprev.epm.br
Mariangela Cainelli de Oliveira Prado
Ano Letivo: 2ª série Semestre:2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina Preventiva – Disciplina de
Epidemiologia
Carga horária total: 90h
Carga Horária p/ prática: 15% Carga Horária p/ teoria: 75%

Objetivos:

Geral
• Capacitar o estudante para analisar a distribuição do processo saúde-doença de
populações como fenômeno coletivo reconhecendo sua determinação social,
econômica e biológica bem como para indicar, aplicar e avaliar ações de promoção da
saúde e prevenção de doenças visando ao enfrentamento das desigualdades em
saúde.

Específicos - Espera-se que esta unidade curricular propicie aos estudantes:


• Reconhecer a distribuição geográfica da população como aproximação da inserção de
cada estrato de classe na sociedade.
• Identificar, compreender e aplicar diferentes medidas de ocorrência de doenças e
indicadores de saúde.
• Correlacionar o estágio de envelhecimento da população com suas condições de vida e
saúde e perfil de morbimortalidade, elaborando diagnóstico epidemiológico da situação
de saúde.
• Discriminar, aplicar e avaliar medidas de promoção da saúde e prevenção, primária,
secundária e terciária de doenças.
• Identificar diferentes tipos de estudos epidemiológicos
• Interpretar as principais medidas de associação.
• Julgar a validade de estudos epidemiológicos e trabalhos publicados.
• Desenvolver raciocínio crítico na identificação dos limites da atenção médica individual
para o enfrentamento das desigualdades em saúde.
Ementa:
Indicadores de condições de vida e de saúde. Mortalidade. Morbidade. Transição
demográfica e epidemiológica. Fontes de informação. Causalidade. História natural das
doenças. Promoção da saúde e níveis de prevenção. Desigualdades em saúde. O método
epidemiológico. Leitura crítica de artigos científicos.

64
65

Conteúdo Programático:
• Pirâmide populacional
• Índice de envelhecimento, razão de dependência, curva de Nelson de Moraes,
Mortalidade geral e específica
• Mortalidade proporcional por causa por idade e por sexo
• Atestado de óbito
• Esperança de vida ao nascer, mortalidade infantil e seus componentes
• Morbidade
• Acesso aos sistemas nacionais de informação: SIM, SINAN, SINASC, DataSUS, IBGE
• Padronização de taxas pelo método direto, preparo de bancos de mortalidade para
análise e elaboração de indicadores com o programa Excel
• Diagnóstico de saúde de uma população a partir de dados secundários
• Transição demográfica e epidemiológica
• Processo saúde-doença como fenômeno coletivo, a causalidade / determinação em
epidemiologia
• Desigualdades em saúde
• A historicidade do conceito de causa, níveis de determinação
• método epidemiológico
• Pesquisa e produção de conhecimento
• Construção de hipóteses epidemiológicas, tipos e classificação de variáveis de estudo e
relação entre elas
• Estudos ecológicos, casos-controle, coorte, transversais, ensaios clínicos controlados
• Incidência cumulativa, densidade de incidência
• Risco relativo, risco atribuível, risco atribuível populacional, fração atribuível
populacional, odds ratio
• Taxa de prevalência, razão de prevalência, validade interna: vieses, variáveis de
confusão e interação, controle de confusão,
• Leitura crítica de artigos científicos.

65
66

Metodologia de Ensino Utilizada:


Aulas teóricas e seminários – os estudantes são divididos em quatro (4) grupos, cada qual
com seu próprio professor que os acompanhará durante os dois semestres do curso de
epidemiologia (2ª e 3 ª séries médicas). Utilizam-se estratégias de ensino que estimulem a
aprendizagem ativa e o trabalho em grupo. Esses grupos são sub-divididos em três e cada
um recebe um problema: elaborar um diagnóstico de saúde de uma população concreta.
Os professores fornecem o banco com dados dos óbitos ocorridos em uma população e
orientam seu uso com programa Excel. Os alunos utilizam computadores para processar as
informações e transformá-las em indicadores de saúde. Há também busca de informações,
nos sistemas nacionais e locais, sobre a dinâmica e as condições socioeconômicas da
população. O tema serve como incentivo para a pesquisa e estudo dos conteúdos
programáticos. Os sub-grupos fazem duas apresentações de seus trabalhos, nas quais são
comparados os perfis de vida e saúde das populações e introduzido o tema da
desigualdade em saúde. Na segunda metade do curso a questão de trabalho é a
elaboração de uma pesquisa para estudar um problema epidemiológico escolhido por eles.

Recursos Instrucionais Necessários:


Computadores com Excel para análise do banco de mortalidade. Computadores
conectados à internet para consulta de sistemas de informações nacionais e locais.
Computadores para o preparo do diagnóstico de saúde. Anfiteatros, salas de aula com
cadeiras móveis e multimídia.

Avaliação:
O processo de avaliação é contínuo e acontece na sala de aula conforme o estudante
avança na construção do seu conhecimento. Valorizam-se na avaliação diária: leitura dos
textos recomendados, realização das tarefas indicadas, participação nas discussões em
classe, colaboração com o grupo na realização das tarefas comuns (Avaliação individual).
Os trabalhos (2) são julgados por sua apresentação oral e escrita valorizando-se: a
organização, a clareza das idéias, o uso de vocabulário adequado, a coerência na
argumentação e consistência com o conteúdo curricular, a postura adequada e a utilização
de recursos criativos durante a apresentação oral. (Avaliação em grupo).
Há ainda duas provas escritas individuais para avaliação do aprendizado cognitivo.

Bibliografia Básica:

Beaglehole R, Bonita R, Kjellström T. Epidemiologia básica. 2ª ed. Tradução: César J A, Horta BL,
Santos IS. São Paulo: Editora: Santos, 2003.

Santos FGR, Marcopito LF, Oliveira Prado MC, Ribeiro MBD. Material de apoio ao curso
de epidemiologia para a 2ª série médica. Disciplina de epidemiologia, 2004.

Ministério da Saúde. Anuário estatístico de saúde do Brasil, 2001, disponível em


:http://www.saude.gov.Br

IBGE. Censo demográfico 2000, disponível em: http://www.ibge.gov.br

Secretária de estado da saúde de São Paulo. Perfil geral do estado, disponível em : http://
www.saude.sp.gov.br

Complementar
Pereira MG. Epidemiologia, teoria e prática. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1995
Docentes Participantes

66
67
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
(horas)
Francisco Roberto Gonçalves Medicina Mestre 40
Santos Preventiva
Luiz Francisco Marcopito Medicina Livre-docente 40
Preventiva
Mariangela Cainelli de Oliveira Medicina Doutor 40
Prado Preventiva.
Myriam Bruna Debert Ribeiro Medicina Doutor DE
Preventiva
DE – Dedicação exclusiva

67
68

Unidade Curricular: Psicologia Médica II


Professor Responsável: Contato: 5574 9227 ou 9213 9690
Cíntia C. Dias
Ano Letivo: 2ª série Semestre: 1º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Psiquiatria – Disciplina de Psicologia Médica
Carga horária total: 36h
Carga Horária p/ prática:10% Carga Horária p/ teoria: 90%
Objetivos:

Geral
• Desenvolver a capacidade de observação e comunicação dentro do modelo
biopsicossocial.

Específico - Espera-se que esta unidade curricular propicie aos estudantes:

• Despertar o espírito crítico quanto à relação médico – paciente

Ementa:
A entrevista médica. Formação da personalidade. Aparelho psíquico e mecanismos de
defesa. Comunicação. Emoções. A equipe multiprofissional.

Conteúdo Programático:
• Entrevista médica
• Formação da Personalidade
• Aparelho Psíquico e Mecanismos de defesa
• A formação médica e suas habilidades
• Observação, comunicação e emoções
• A equipe multiprofissional
• A saúde dos profissionais.
Metodologia de Ensino Utilizada:
• Trabalho desenvolvido em 6 grupos de 18 a 20 alunos
• Apresentação de filmes (Nell e Uma lição de Vida). Discussão de textos didáticos.
Relatórios e seminários.
Recursos Instrucionais Necessários:
Retroprojetor, TV, Vídeo e Data Show com CPU; Sala de aula com carteiras móveis.

Avaliação:
A nota final será composta por: 1/3 participação (teórica e pratica); 1/3 relatórios individuais
e 1/3 trabalho final.

Bibliografia Básica
De Marco MA (org) A Face Humana da Medicina. São Paulo: Ed. Casa do psicólogo, 2003

Complementar:
Textos a critério de cada professor (de acordo com a demanda da turma)

68
69

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
(horas)
Mario A De Marco Psiquiatria Doutor 40
Vanessa A Citero Psiquiatria Doutor TA/40
Cintia C Dias Psiquiatria Mestre TA/40
Renata N Pinto Psiquiatria Mestre TA/40
Arthur F Jose Psiquiatria Mestre TA/40
Paula Macedo Psiquiatria Especialista TA/40
Luciana Geocze Psiquiatria Especialista TA/40
Tatiana G Lerman Psiquiatria Especialista TA/40
Samantha Mucci Psiquiatria Especialista TA/40
Ligia B S Aranha Psiquiatria Especialista TA/40
Fátima Lucchesi Psiquiatria Especialista TA/40
TA – técnico-administrativo

69
70

Unidade Curricular: Sociologia Médica


Professor Responsável: Contato: maga@medprev.epm.br
Mara Helena de Andréa Gomes
Ano Letivo: 2ª série Semestre: 1º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina Preventiva – Disciplina de
Epidemiologia
Carga horária total: 32 horas
Carga Horária p/ prática: 15% Carga Horária p/ teoria: 75%

Objetivos:
Geral:
• Sensibilizar e instrumentalizar o estudante para a compreensão dos processos que
articulam os serviços de saúde às diferentes práticas sociais em geral, e à prática
médica, em particular.

Específicos - Espera-se que esta unidade curricular propicie aos estudantes:


• Compreender a dimensão social da saúde e da doença;
• Compreender o processo de constituição dos serviços de saúde no Brasil em sua
articulação com as esferas econômica e política da sociedade;
• Compreender a prática médica como prática social, inscrita naquele processo.
Ementa:
O modelo biomédico de conhecimento. Processo saúde-doença. Causalidade na ciência e
na medicina. Serviços de saúde no Brasil. Mercado de trabalho. Prática médica e prática
social.
Conteúdo Programático:
• O modelo biomédico de conhecimento e os condicionantes históricos do conhecimento científico
do processo saúde-doença
• O conceito de causalidade na Ciência e na Medicina.
• As políticas sociais no processo de expansão capitalista.
• A organização dos Serviços de Saúde no Brasil e a constituição do modo de vida
urbano-industrial.
• Marcos históricos da organização do setor público de saúde no século XX.
• A distribuição espacial da doença e a organização dos Serviços de Saúde no Brasil.
• O médico e a divisão social do trabalho.
• A medicina, o médico e o mercado de trabalho.
• Prática médica, prática social.

Metodologia de Ensino Utilizada:


A proposta do curso visa familiarizar o estudante com questões relativas à sua opção
profissional, no sentido de situá-lo frente às diversas práticas envolvidas no exercício da
medicina. Problematizar sua opção profissional constitui, assim, um primeiro passo e um
recurso para a percepção do processo saúde-doença como socialmente produzido.
Posteriormente, discute-se o processo de implantação dos serviços de saúde no Brasil, sua
diversidade e especificidade, por referência ao processo histórico de desenvolvimento da
sociedade brasileira. A discussão e reflexão sobre esses processos permitem retomar o
recurso didático inicial do curso, para fornecer elementos que permitam compreender a
prática médica socialmente articulada a outras práticas sociais.

Estratégias: visitas a serviços da Unifesp/EPM, atividades de discussão e reflexão em


classe (divididos em 3 turmas), leitura de textos e aulas expositivas dirigidas e
acompanhadas pelos professores; através dessas atividades acompanha-se o processo de
aprendizado e formação.
Recursos Instrucionais Necessários:

70
71
Computadores e data-show, TV com vídeo. Serviços de saúde.

Avaliação:
A avaliação é realizada mediante 3 provas, ao final de cada módulo, bem como através de
verificações de leitura e participação nas atividades propostas.

Bibliografia:

Singer P, Campos O, Oliveira EM. 1978. Prevenir e Curar: o controle social através dos
Serviços de Saúde. 2ª ed. São Paulo: Editora Forense Universitária, 1978

Silva LJ. Crescimento Urbano e Doença: a esquistossomose no Município de São Paulo.


Rev Saúde Pública (S. Paulo) 1985;19:1-7

Possas C. Políticas e Instituições de Saúde: um breve histórico. In: Saúde e Trabalho - A


Crise da Previdência Social. Rio de Janeiro: Graal Editora, 1981.

Elias PEM. Estrutura e Organização da Atenção à Saúde no Brasil. In: Cohn A, Elias PEM.
Saúde no Brasil – Políticas e Organização dos Serviços. São Paulo: Cortez Editora, 1996.

Mills C W. Antigas Profissões e Novas Especialidades: Os Médicos. In: A Nova Classe Média, Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1969.

Possas C. O Trabalho Médico como Prática Social. In: Saúde e Trabalho – A Crise da
Previdência Social. Rio de Janeiro: Graal Editora, 1981.

Boltanski L. A Relação Doente-Médico. In: As Classes Sociais e o Corpo. 2ª ed. Rio de


Janeiro: Graal Editora, 1884.
Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
(horas)
Mara Helena de Andréa Gomes Medicina Doutor DE
Preventiva
Marina Ruiz Matos SUCEM Mestre 40
Cássio Silveira Medicina Doutor TA∗-40
Preventiva
TA∗= Técnico-Administrativo

71
72

Unidade Curricular: Anatomia descritiva e topográfica


Professor Responsável: Contato: 5579-6700
Magno César Vieira
Ano Letivo: 3ª série Semestre 2º
Departamentos/Disciplinas: Morfologia: Disciplina de Anatomia
Carga horária total: 152h
Carga Horária p/ prática:75% Carga Horária p/ teoria: 25%
Objetivos

Geral:
• Propiciar conhecimentos das estruturas anatômicas e sua topografia de maneira regional
e de superfície para consolidar as bases cirúrgicas e semiológicas.

Específicos - Espera-se que esta unidade curricular propicie aos estudantes:


• Identificar estruturas anatômicas pertencentes a uma região do corpo humano.
• Reconhecer as relações existentes entre as estruturas de uma mesma região para
consolidar as bases cirúrgicas e semiológicas.
• Padronizar e normatizar as divisões regionais do corpo humano.
• Compreender os fundamentos de anatomia de superfície em suas inter-relações com as
estruturas profundas.
• Adquirir habilidades para dissecação e utilização de instrumentais.
• Desenvolver no aluno, a capacidade para o trabalho em grupo no laboratório de
anatomia.
• Estimular atitudes de respeito ao ambiente acadêmico e sobretudo aos recursos
humanos utilizados no aprendizado (o “cadáver”).

Ementa:
Fundamentos da Anatomia Topográfica. Divisão regional do corpo humano.
Correlação anátomo-clínica. Técnicas de dissecação e utilização de instrumentais.

72
73
Conteúdo Programático:
• Introdução ao estudo da Anatomia Topográfica.
• Divisão regional do corpo humano.
• Orientação e dissecação:
Regiões do dorso.
Regiões: glútea, posterior da coxa, poplítea, posterior da perna e planta do pé.
Regiões: posterior do braço, posteriores do antebraço e dorso da mão.
• Orientação e dissecação:
Regiões: anterior do braço, axilar, anterior do antebraço e palma da mão.
Regiões: anterior da coxa, ântero-lateral da perna e dorso do pé.
Parede torácica.
Parede ântero-lateral do abdome.
Região inguinal e órgãos genitais externos.
• Correlações anátomo-clínicas do dorso e membros superiores e inferiores.
Correlações anátomo-clínicas das paredes torácica e abdominal e canal inguinal.
• Orientação e dissecação:
Regiões da face. Nervo facial.
Regiões do pescoço.
Cavidade torácica:
Órgãos do mediastino.
Regiões pleuropulmonares.
Cavidade abdominopélvica
Peritônio.
Tronco celíaco e troncos vagais.
Estômago: vascularização e inervação.
Pedículo hepático.
Pedículo esplênico.
Vasos mesentéricos superior e inferior.
Pâncreas e formação da veia porta.
Duodeno: vascularização e papilas duodenais.
Retroperitônio:
Rins: loja renal e pedículo renal.
Ureteres e vasos gonadais.
Pelve maior: nervos e vasos.
Pelve menor: órgãos pélvicos. Vasos e nervos.
• Correlações anátomo-clínicas das cavidades torácica e abdominopélvica.

Metodologia de Ensino Utilizada:


• Aulas teórico-práticas utilizando recursos audiovisuais para orientar as dissecações.
• Orientação prática de dissecações em cadáveres.
• Aulas com abordagens anátomo-clínicas das regiões dissecadas.
• Realização de seminários sobre temas com relações anátomo-clínicas pré-
estabelecidos.

Recursos Instrucionais Necessários:

Recursos humanos
Docentes e funcionários.

Recursos materiais
Cadáveres e material de dissecação. Multimídia. Salas de aula. Aparelhos de vídeo.

73
74
Avaliação:
O desempenho dos alunos é avaliado em dois momentos, constituídos por avaliação teórica,
prática e teórico-prática.
A avaliação teórica compreende questões dissertativas e testes de múltipla escolha.
A avaliação prática é realizada no laboratório de anatomia, onde serão apontadas de 20 a
40 estruturas anatômicas que deverão ser identificadas individualmente e com base no
trabalho de dissecação, este realizado por grupo.
Os seminários são realizados sobre temas anátomo-clínicos pré-estabelecidos no início do
curso, cujos dados são levantados ao longo do curso e das dissecações.
Na 1ª avaliação, o conceito será de 4,0 (quatro) na parte teórica, 3,0 (três) na parte prática e
3,0 (três) na dissecação.
Na 2ª avaliação, o conceito será de 3,0 (três) na parte teórica, 3,0 (três) na parte prática, 3,0
(três) na dissecação e 1,0 (hum) no seminário.

Bibliográfica Básica

Moore KL, Dalley AF. Anatomia orientada para a clínica. 4a.ed. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 2001.

Netter FH. Atlas de anatomia humana. 8.ed. Porto Alegre: Artmed, 1996.

Rohen JW. Atlas fotográfico de anatomia sistêmica e regional. 4.ed. São Paulo: Manole,
1998.

Snell RS. Anatomia clínica para estudante de medicina. 5a.ed. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 1999.

Sobotta J. Atlas de anatomia humana. 20.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

Weber JC. Manual de dissecação humana de shearer. 8 ed. São Paulo: Manole, 2001.

Complementar

Dangelo JG, Fattini CA. Anatomia humana sistêmica e segmentar. 2.ed. São Paulo:
Atheneu, 1997.

Gardner E, Gray DS, O’Rahilly R. Anatomia – estudo regional do corpo humano. 4.ed. Rio
de Janeiro: Guanabara Koogan, 1990.

Köpf-Maier P. Wolf-Heidegger atlas de anatomia humana. 5.ed. Rio de Janeiro: Guanabara


Koogan, 2000.

74
75

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
(horas)
Alexandre Augusto Pinto Cardoso Morfologia Especialista TA/20
Amâncio Ramalho Junior Morfologia Especialista 40
Eduardo Cotecchia Ribeiro Morfologia Doutor DE
Luis Garcia Alonso Morfologia Doutor DE
Magno César Vieira Morfologia Mestre DE
Marco Antonio De Angelis Morfologia Doutor DE
Ricardo Luiz Smith Morfologia Livre Docente DE

TA/técnico-administrativo

75
76

Unidade Curricular: Bases da medicina por sistemas e aparelhos : Cabeça e


pescoço
Professor Responsável : Contato: 5579-6018
Márcio Abrahão
Ano Letivo: 3ª série Semestre: 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Cirurgia - Cirurgia Cabeça e Pescoço, Cirurgia
Pediátrica, Departamento de Otorrinolaringologia – Disciplinas de Otorrinolaringologia e
Otorrinolaringologia Pediátrica, Departamento de Diagnóstico por Imagem, Departamento de
Anatomia Patológica
Carga horária total: 53h
Carga Horária p/ prática : 0% Carga Horária p/ teoria: 100%

Objetivos:
Geral
• Formação básica em Cirurgia de Cabeça e Pescoço
Específicos - Espera-se que esta unidade curricular propicie aos estudantes:
• Conhecer a anatomia e fisiologia básica da região,
• Conhecer a fisiopatologia e quadro clínico das principais afecções congênitas benignas
e malignas da cabeça e pescoço
• Conhecer a fisiopatologia e quadro clínico das principais afecções adquiridas benignas e
malignas da cabeça e pescoço

Ementa :
Bases anatômicas e fisiopatológicas das afecções de cabeça e pescoço. Procedimentos e
tratamento das afecções de cabeça e pescoço.

Conteúdo Programático:
• Anamnese e exame clínico da cabeça e pescoço
• Infecções, tumores benignos e malignos da laringe
• Infecções, tumores benignos e malignos da faringe
• Tumores benignos e malignos do Pescoço
• Disfunção da Articulação Têmporo Mandibular
• Abscesso Cervical
• Lesões pré-malígnas e câncer da boca
• Nódulo de Tireóide
• Hiperparatireoidismo
• Infecções, tumores benignos e malignos das glândulas salivares
• Imunodeficiência e infecções da faringe
• Adenoamigdalectomia
• Rouquidão
• Estomatites

76
77
Metodologia de Ensino Utilizada:
Aulas teóricas e teórico-práticas, discussão de casos clínicos em ambulatórios e enfermaria

Recursos Humanos e Instrucionais Necessários:


Professores, anfiteatro, multimídia, ambulatórios, enfermarias

Avaliação:
Prova teórica realizada no final do módulo.

Bibliografia Básica:

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas, 2005.

Morais MB, Campos SO, Silvestrini WS. Guia de Medicina Ambulatorial e Hospitalar:
Pediatria. 1ª ed. São Paulo: Editora Manole, 2005.

Goldman L, Ausiello D. Cecil – Tratado de Medicina Interna (Trad. Kemper A et al.). 22ª ed.
São Paulo: Elsevier, 2005.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
(horas)
Márcio Abrahão Otorrinolaringologia Livre-docente 40
Onivaldo Cervantes Otorrinolaringologia Livre-docente 40
Luc Louis Maurice Weckx Otorrinolaringologia Livre-docente 40
Shirley Shizue Negata Pignatari Otorrinolaringologia Doutor 40
Hélio Kiitiro Yamashita Diagnóstico por
Mestre 40
Imagem
Antonio Correa Alves Patologia Doutor 40
Ricardo Artigiani Neto Patologia Mestre TA/20
Claudia Regina Figueiredo Otorrinolaringologia Doutor TA/20
Cleonice Hitomi Watashi Hirata Otorrinolaringologia Doutor TA/20
Flavio Carneiro Hojaij Cirurgia Doutor TA/20
Jose Eduardo Sá Pedroso Otorrinolaringologia Mestre TA/20
Manoel de Nóbrega Otorrinolaringologia Mestre TA/20
Reginaldo Raimundo Fujita Otorrinolaringologia Mestre TA/20
Sung Woo Park Otorrinolaringologia Mestre TA/20
Soraya Ale Diagnóstico por
Especialista TA/20
Imagem
Felipe Vanderlei Cirurgia Especialista TA/20
Edson Khodor Cury Cirurgia Doutor 40

TA – Técnico-administrativo

77
78

Unidade curricular: Epidemiologia aplicada: intervenção preventiva


Professor Responsável: Contato: 5549-5159 Ramal 234
Francisco Roberto Gonçalves Santos
Ano Letivo: 3ª série Semestre: 1º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina Preventiva – Disciplina de
Epidemiologia e Bioestatística
Carga horária total: 64 horas
Carga Horária p/ prática: 0% Carga Horária p/ teoria: 100%

78
79

Objetivos:

Geral
• Avaliar estratégias de intervenção preventiva
Específicos: Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:

• Comparar as abordagens da Medicina Clínica (Individual) e da Saúde Pública (Coletiva)


• Analisar as estratégias preventivas em seus enfoques de risco individual e
populacionais.
• Reconhecer a importância da promoção da saúde e da proteção específica
proporcionada pelas imunizações
• Conhecer os calendários de vacinação.
• Reconhecer a importância do diagnóstico precoce na prevenção de doenças.
• Avaliar programas de rastreamento de doenças e de seus fatores de risco.
• Reconhecer a importância dos tratamentos como limitadores da incapacidade
• Conhecer características dos ensaios clínicos, das revisões sistemáticas e das meta-
análises.
• Compreender a epidemiologia geral das doenças transmissíveis e das crônicas não-
transmissíveis.
• Discutir os modelos de intervenção preventiva nas doenças transmissíveis e nas
crônicas não-transmissíveis.
• Conhecer os objetivos, as técnicas e as ações da Vigilância Epidemiológica.
Ementa

Estratégias e ações de promoção de saúde e de prevenção para indivíduos (medicina


clínica individual) e para a população geral (Saúde Coletiva). Epidemiologia das doenças
crônicas transmissíveis e não-transmissíveis. Vigilância Epidemiológica. Tipos de estudos

79
80
Conteúdo Programático:
• Os objetos da Medicina Individual e da Saúde Pública.
• A Epidemiologia e a Intervenção Preventiva.
• Causa dos casos de doença e causas da incidência de doenças.
• As principais estratégias de prevenção: enfoques populacional e de alto risco.
• História Natural e níveis de prevenção (Leavell & Clark). Prevenção primordial e
Promoção da saúde.
• Prevenção primária: vacinação (calendários; indicações e contra-indicações gerais).
• Prevenção secundária: rastreamentos populacionais (screenings) e individuais (check-
ups) I: importância, condições necessárias para sua implementação; validação de testes
diagnósticos e prognósticos: sensibilidade, especificidade e valores preditivos dos
instrumentos utilizados; validação de diversos exames para rastreamentos.
• Rastreamentos populacionais II: níveis de evidência e força de recomendações de
diversos rastreamentos; vieses possíveis em resultados de rastreamentos; testes
genéticos e risco; validade, reprodutibilidade, curvas roc, concordância (Kappa); razões
de verossimilhança (likelihood ratios).
• Prevenção secundária: tratamento com base em evidências (ensaios controlados e não-
controlados; consentimento informado, alocação aleatória, adesão, eficácia, efetividade,
contaminação, co-intervenção, mascaramento, medidas de efeito, fases do ensaio
clínico). Revisão sistemática e meta-análise: conceitos e exemplos.
• Epidemiologia geral de doenças transmissíveis. Endemia e epidemia. Vigilância
epidemiológica I: diagramas de controle. Vigilância epidemiológica II: doenças de
notificação compulsória no Brasil e no Estado de S. Paulo. Situação de prevenção e
controle de doenças transmissíveis no Brasil. Tuberculose e hanseníase.
• Epidemiologia de doenças crônicas não-transmissíveis I: doenças cárdio e
cerebrovasculares.
• Epidemiologia de doenças crônicas não-transmissíveis II: neoplasias malignas.

Metodologia de Ensino Utilizada:


Aulas expositivas (com preleção dialogada e discussões); seminários; mesas -redondas
(com convidados da Unifesp e de outras instituições de ensino e/ou pesquisa, com
participação ativa dos alunos na própria mesa e por meio de perguntas por escrito); sessão
de cinema (com filme de 136 minutos, recomendado por membros da Secretaria de
Vigilância da Saúde do Ministério da Saúde).

Recursos Instrucionais Necessários:


Docentes. Anfiteatros. Multimídia. Recursos para projeção de filmes (vídeo). Utiliza-se como
material de apoio uma apostila especialmente elaborada e revisada anualmente (com 126
páginas e cerca de 100 testes).

80
81
Avaliação:
Domínio cognitivo: uma prova individual, com peso de 80%, com testes, problemas e
questões. Domínio afetivo: com peso de 20%, são valorizadas faltas, pontualidade, atenção,
participação, leitura prévia de textos, resolução de exercícios e respeito/convívio com os
colegas de sala. Condição para aprovação sem exame: nota ≥ 7,0. Os alunos avaliam o
curso (questionário semi-estruturado) na última sessão, quando é também corrigida a prova.

Bibliografia Básica:

Leser W et al. Elementos de Epidemiologia Geral. Rio de Janeiro/São Paulo: Livraria


Atheneu, 1985.

Beaglehole R et al. Epidemiologia Básica. 2ª edição. São Paulo: Livraria Editora Santos/
World Health Organization, 2003.

Fletcher RH et al. Epidemiologia clínica: elementos essenciais. 3ª edição. Porto Alegre:Artes


Médicas, 1996.

Rose G. “Sick individuals and sick populations”. Int J. Epidemiol 1985; 14(1):32-8. 5) The
strategy of preventive medicine. Rose, G. Oxford University Press, Oxford, New York, Tokyo,
1993.

Complementar:
Czeresnia D et al. (orgs). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de
Janeiro: Editora Fiocruz, 2003.

Monteiro CA (org). Velhos e novos males da saúde no Brasil: a evolução do país e de suas
doenças. São Paulo:Ed. Hucitec, 1995.

Jornais de grande circulação, revistas e separatas com temas ligados à prevenção.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Francisco Roberto Gonçalves Santos Medicina Preventiva Mestre 40 h
Luiz Francisco Marcopito Medicina Preventiva Livre-docente 40 h
Mariangela Cainelli de Oliveira Prado Medicina Preventiva Doutor 40 h
Myriam Bruna Débert-Ribeiro Medicina Preventiva Doutor 40 h

81
82

Unidade Curricular: Módulo Hematopoético


Professor Responsável Contato:
Maria Stella Figueiredo 5576-4240/4237
Ano Letivo: 3ª série Semestre: 2o semestre
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina - Disciplina de Hematologia e
Hemoterapia; Departamento de Pediatria - Disciplina de Especialidades Pediátricas
(Setores de Oncologia Pediátrica e Hematologia Pediátrica); Departamento de Patologia –
Disciplinas de Patologia Cirúrgica e Patologia Investigativa
Carga horária total: 40 h

Carga Horária p/ prática: 15% Carga Horária p/ teoria: 85%


Objetivos
Geral
• possibilitar ao graduando o reconhecimento das principais síndromes clínicas
relacionados ao sistema hematopoiético, utilizando o conhecimento
fisiopatológico na correlação de dados de anamnese e de propedêutica clínica e
laboratorial.

Específicos
Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:
• Conhecer os fundamentos fisiopatológicos das grandes síndromes
hematológicas;
• Realizar corretamente a anamnese e o exame clínico;
• Correlacionar os dados da anamnese e do exame físico, elaborando
diagnósticos sindrômicos relativos aos distúrbios da hematopoese
• Conhecer os principais recursos diagnósticos complementares;
• Desenvolver uma relação de respeito e compreensão com o paciente.
Ementa
Hematopoese. Propedêutica clínica e laboratorial em Hematologia. Anemias. Hipoplasias
Medulares. Síndromes Mieloproliferativas. Leucemias e Linfomas. Coagulação e
coagulopatias. Transfusão sanguínea. Imunohematologia.
Conteúdo Programático
• Fisiologia e fisiopatologia do sistema Hematológico e suas principais síndromes
clínicas.
• Hematopoese normal
• Anamnese e exame físico de pacientes hematológicos
• Hemograma normal e patológico.
• Principais tipos de anemias (Carenciais, Hemolíticas e Hipoplasias Medulares),
fisiopatologia e diagnóstico diferencial a partir de suas características clínicas e
laboratoriais.
• Avaliação das principais doenças oncohematológicas: Síndromes Mieloproliferativas,
Leucemias, Linfomas e Paraproteinemias.
• Hemostasia e Fisiologia da Coagulação. Avaliação e fisiopatologia das
Coagulopatias Hereditárias mais frequentes.
• Hemocomponentes e hemoderivados: indicações clínicas e análise das
principais reações transfusionais. Princípios de Imunohematologia.
Metodologia de Ensino Utilizada
Estratégias
• Aulas teóricas expositivas

82
83
• Aulas teórico-práticas
• Apresentação e discussão de casos clínicos.
Cenários
• Aulas teóricas em anfiteatros do Complexo UNIFESP.
• Aulas teórico-práticas: enfermarias do Hospital São Paulo
Recursos Instrucionais Necessários
Aulas Teóricas: anfiteatros e multimídia. Prática: ambulatórios e enfermarias.
Avaliação
Prova teórica ao final do módulo com questões dissertativas e de múltipla escolha
(peso 9). Participação nas atividades - avaliação contínua (peso 1).
Bibliografia Básica
Hoffbrand AV, Pettit JE, Moss PAH. Fundamentos em Hematologia. 4ª edição.
Porto Alegre: ArtMed Editora, 2004.
Oncologia e Hematologia. In: Fauci AS, Braunwall E, Isselbacher KJ, Wilson JD,
Martin JB, Kasper DL, et al. Harrison Medicina Interna. 14a edição. Rio de Janeiro:
Editora McGraw-Hill, 1998. P. 525-798.
Glick JH (ed). Oncologia e Hematologia. In: Kelley WN. Tratado de Medicina
Interna. 3a edição. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 1999. P. 1302-
1607.
Morais MB, Campos SO, Silvestrini WS. Guias de Medicina Ambulatorial e
Hospitalar/ Unifesp – Pediatria. 1ª ed. Barueri: Editora Manole, 2005.
Complementar
Zago MA, Falcão RP, Paquini R. Hematologia. Fundamentos e Prática. 1a edição.
São Paulo: Editora Atheneu, 2001.
Stiene-Martin EA, Lotspeick-Steininger CA, Koepke JA. Clinical Hematology.
Principles, procedures, correlations. 2ª edição. Philadelphia: Lippincott; 1998.
Lee GR, Bithell TC, Foerster J, Thens JW, Lukens JN. Withrobe's Clinical
Hematology. 9 a edição. Pennsylvania: Lea & Febiger Editors, 1993.

83
84

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
(horas)
Maria Stella Figueiredo Hematologia e Livre docente 40
Hemoterapia
(Medicina)
Dayse Maria Lourenço Hematologia e Livre docente DE
Hemoterapia
(Medicina)
Gisele W. B. Coleoni Hematologia e Doutor DE
Hemoterapia
(Medicina)
José Orlando Bordin Hematologia e Doutor - Titular 40
Hemoterapia
(Medicina)
Maria de Lourdes L. F. Cahuffaille Hematologia e Livre docente 40
Hemoterapia
(Medicina)
Mihoko Yamamoto Hematologia e Doutor 20
Hemoterapia
(Medicina)
Maria Josefina P. Braga Especialidades Doutor 40
Pediátricas
(Pediatria)
Maria Lúcia Lee Oncohematolo-gia Médica 40
(IOP) Contratada
Maria Regina Regis da Silva Patologia Doutor DE
Investigativa
(Patologia)
Antônio Correia Alves Patologia Doutor 40
Cirúrgica
(Patologia)
Tsutomo Oguro Hematologia e Técnico- 20
Hemoterapia administrativo
(Medicina)
Sandra Vallin Antunes Hematologia e Técnico- 40
Hemoterapia administrativo
(Medicina)
Pós-Graduandos Hematologia e Mestrado e/ou 40
Hemoterapia doutorado
(Medicina)

84
85

Unidade curricular: Fundamentos de Oncologia


Professor Responsável: Contato: freire.dmed@epm.br
Carlos Alberto Reis Freire 55737180 - 55724141
Ano Letivo: 3ª série Semestre: 1º semestre
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina – Disciplina de Clínica Médica
Carga horária total: 50horas
Carga Horária p/ prática: 0% Carga Horária p/ teoria: 100%

Objetivos
Geral:
• Introduzir conceitos básicos de Oncologia visando à compreensão das doenças
neoplásicas dos diferentes sistemas e aparelhos

Específicos:
• conhecimentos básicos sobre Oncologia
• conhecimentos sobre Biologia Molecular em Oncologia
• conhecimentos sobre a Epidemiologia do Câncer no Brasil e no mundo
• conhecimentos sobre a anatomia patológica do câncer
• conhecimentos sobre marcadores e prevenção de câncer
• noções sobre estadiamento e tratamento de câncer
Ementa
Conceitos básicos de oncologia. Biologia Molecular em Oncologia. Anatomia patológica do
câncer. Epidemiologia do câncer no Brasil e no mundo. Prevenção. Marcadores.
Estadiamento.

Conteúdo Programático
• Introdução à Oncologia
• Conceitos Básicos de Oncologia
• Carcinogênese: Introdução e Promoção
• Princípios Gerais de Biologia Molecular em Oncologia.
• Biologia Molecular: (O Ciclo Celular/ O Relógio da Divisão Celular/ Pontos de Controle)
• Biologia Molecular: (Oncogênese/Hereditariedade e Câncer/ Novas terapias em Estudo)
• Introdução à Patologia
• Anatomia Patológica do Câncer/Biópsia/Diagnóstico Histológico.
• Epidemiologia do Câncer. Fatores Prognósticos. O Câncer no Brasil e no Mundo.
• Tabagismo.
• Prevenção Primária e Secundária do Câncer.
• Diagnóstico e Estadiamento do Câncer.
• Marcadores Tumorais
• Sindromes Paraneoplásicas
• Conceitos Básicos de Radiobiologia.
• Radiobiologia e Suas Aplicações em Radioterapia.
• Radioterapia: Conceitos, Fontes Emissoras de Energia, Tipos de Energia.
• Indicações e Planejamento Radioterápico.
• Princípios de Cirurgia Oncológica.
• Principios Gerais de Quimioterapia.
• Introdução à Imunologia e Imunoterapia do Câncer.
• Hormonioterapia do Câncer/ Novas Drogas em Oncologia.
• Introdução à Psico-Oncologia.
• Medicina Paliativa

85
86
Metodologia de Ensino Utilizada
Aulas teóricas
Recursos Instrucionais Necessários
Área física/equipamentos/materiais:
Anfiteatro
Multimídia
Recursos humanos
Professor – 1 professor/aula
Avaliação:
prova teórica no final da unidade curricular
Bibliografia
Básica
• Forones NM, Jesus-Garcia Filho R, Tadokoro H, Freire CAR. Guias de Medicina
Ambulatorial e Hospitalar - Oncologia. Unifesp/EPM. São Paulo: Manole, 2005.

• Haagedoorm EML, Oldhof J, Bender W, Clarke WD, Sleijfer D. Oncologia


Básica para Profissionais de Saúde. São Paulo: Associação Paulista de Medicina,
2000.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de Trabalho
(Departamento)
Carlos Alberto Medicina Doutor 40 horas
Reis Freire

86
87

Unidade curricular: Bases da Medicina por Sistemas e Aparelhos: Sistema Reprodutor


Professor Responsável Contato: Profa.Sue// Secretária: Cleide
Sue Yazaki Sun Tel: 55710761
Ano Letivo: 3ª série Semestre: 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Ginecologia; Departamento de Obstetrícia;
Departamento de Cirurgia – Disciplina de Anestesiologia, Disciplina de urologia;
Departamento de Diagnóstico por Imagem; Departamento de Patologia – Disciplina de
Anatomia Patológica
Carga horária total: 120h
Carga Horária p/ prática: 40% Carga Horária p/ teoria: 60%

87
88

Objetivos
Geral:
• Conhecer a anatomia e fisiologia do aparelho reprodutor feminino, bem como
habilidades e atitudes para o exame ginecológico e obstétrico.
Específicos: Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:
• Conhecer a fisiologia do aparelho reprodutor feminino, os fenômenos relacionados
ao processo da reprodução e a fisiologia da gravidez
• Conhecer a fisiopatologia das principais doenças do aparelho reprodutor feminino e
da gravidez.
• Habilidades e atitudes para realização do exame propedêutico toco-ginecológico,
clínico e subsidiário na mulher.
• Conhecer a indicação e a interpretação de exames laboratoriais e de imagem
relativos ao aparelho reprodutor e ao ciclo gravídico puerperal.
• Conhecimentos sobre reprodução assistida.
Ementa
Anatomia e fisiologia do aparelho reprodutor feminino. Propedêutica da mama, do trato
genital inferior. Infertilidade. Ciclo gravídico e puerperal. Exames subsidiários em ginecologia
e obstetrícia.

88
89
Conteúdo Programático
• Propedêutica clínica e subsidiária em ginecologia
• Patologia do colo e corpo uterino
• Fatores de parto, feto, placenta e cordão umbilical
• Relações útero-fetais, exame de abdome, palpação e ausculta
• Fisiologia do ciclo menstrual
• Obstetrícia em ampla perspectiva
• Adaptações gerais e locais do organismo materno
• Síndromes Hipertensivas
• Diagnóstico por Imagem em Ginecologia
• Infertilidade - Fatores Masculino e Feminino
• Sangramento Genital anormal
• Patologia da glândula mamária
• Contração e Distócias Funcionais
• Exame dos órgãos genitais externos
• Métodos de avaliação do conteúdo vaginal
• Assistência Pré-Natal e ao parto
• Diabetes
• Evolução clínica do parto
• Ciclo Menstrual na Reprodução Humana
• Patologia Fetal
• Bacia e Distócias Ósseas
• Aspectos clínicos das doenças benignas e malignas das mamas
• Síndromes Hemorrágicas da 1ª e 2ª metades da gravidez
• Gravidez ectópica e mola hidatiforme
• Puerpério e Patologias do 3º e 4º períodos
• Diagnóstico p/ Imagem das mamas
• Anestesia em Ginecologia e Obstetrícia
• Distúrbios urinários da mulher
• Patologia do Ovário
• Mecanismos de Parto
• Mecanismos de Parto nas Cefálicas Fletidas
• Planejamento Familiar
• Propedêutica da Algia Pélvica
• Aleitamento Materno
• Sistema Âmnico e Ruptura Prematura de Membranas
• Tratamentos em Reprodução Humana

89
90
Metodologia de Ensino Utilizada
Aulas teóricas. Aulas teórico-práticas nos Laboratórios do Centro Alfa de Habilidades
utilizando-se modelos. Aulas práticas: anamnese e exame físico das mulheres nos
ambulatórios e enfermarias de Ginecologia e Obstetrícia

Cenários: Laboratório do Centro Alfa, Ambulatório de Ginecologia Geral, Ambulatório de


Planejamento Familiar, Enfermaria de Obstetrícia, Casa da Saúde da Mulher Domingos
Deláscio, Ambulatório de Pré-Natal, Laboratório de Anatomia Patológica, Laboratório da
Reprodução Humana
Recursos Instrucionais Necessários
Docentes. Laboratório de Habilidades. Ambulatórios e enfermarias adequados ao exame
ginecológico. Equipamentos e material de consumo: espéculos, luvas, aparelhos de Sonar
Doppler, estetoscópios de Pinard, aparelho de ultra-som, fita métrica.
Avaliação
Prova única com 50 questões de múltipla escolha.

Bibliografia Básica

Camano L, Souza E, Sass , Mattar R. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp


– Obstetrícia. 1a ed. Barueri: Editora Manole, 2003.

Baracat EC, Lima GR.Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp – Ginecologia.


1ª ed. Barueri: Editora Manole, 2004

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas, 2005.

Complementar
Aldrighi JM, Petta CP. Anticoncepção aspectos contemporâneos. Rio de Janeiro: Atheneu,
2005

Docentes Participantes:

Nome Origem Titulação Regime de


(Departamento) Trabalho
Américo Massafuni Yamashita Cirurgia Mestre 40 h
Flora Finguerman Menache Dwek Diagnóstico por Especialista 20h
Imagem
Luiz Ronan Marquez F. de Diagnóstico por Especialista 20h
Souza Imagem
Patrícia Soares de Oliveira Diagnóstico por Especialista 20h
Imagem
Vanessa Sales Vilar Diagnóstico por Especialista 20h
Imagem
Vivian Milani Diagnóstico por Especialista 20h
Imagem
Francy Reis da Silva Patrício Patologia Doutor 40h
João Norberto Stavale Patologia Doutor 40h
Gustavo Rubino de A.Focchi Patologia Doutor 20h
Marcia M.De Souza Ishigai Patologia Doutor 40h
Agnaldo Pereira Cedenho Cirurgia Livre-Docente 40h
Jorge Haddad Filho Cirurgia Doutor 40h
Renato Fraietta Cirurgia Especialista 20h
Abês Mahmed Amed Obstetrícia Doutor 40h
Anna Maria Alves Bertini Obstetrícia Livre-Docente 40h
Antonio Fernandes Moron Obstetrícia Titular 40h

90
91
Cristina Ap.Falbo Guazzelli Obstetrícia Doutor 40h
David Baptista da Silva Pares Obstetrícia Doutor 40h
Eduardo de Souza Obstetrícia Livre-Docente 40h
Jorge Francisco Kuhn Dos Santos Obstetrícia Mestre 40h
Julio ElitoJunior Obstetrícia Doutor 20h
Krikor Boyaciyan Obstetrícia Doutor 20h
Luciano Marcondes M. Nardozza Obstetrícia Doutor 40h
Maria Regina Torloni Obstetrícia Especialista 20h
Mary Uchiyama Nakamura Obstetrícia Doutor 40h
Nelson Sass Obstetrícia Doutor 40h
Osmar Ribeiro Colas Obstetrícia Especialista 20h
Rosiane Mattar Obstetrícia Livre-Docente 40h
Renato Martins Santana Obstetrícia Mestre 20h
Rufino Dominguez Lopez Obstetrícia Mestre 40h
Sandra Maria Alexandre Obstetrícia Mestre 40h
Sue Yazaki Sun Obstetrícia Doutor 40h
Maria Rita de Souza Mesquita Obstetrícia Doutor 40h
Nivaldo Silva Correa Rocha Obstetrícia Doutor 40h
Claudio Emílio Bonduki Ginecologia Doutor 40h
Eduardo Leme Alves da Motta Ginecologia Doutor 40h
Eduardo Schor Ginecologia Doutor 40h
Fabio Lopes Teixeira Filho Ginecologia Doutor 40h
Helio Sato Ginecologia Mestre 40h
Ismael Dale C.Guerreiro Silva Ginecologia Doutor 40h
José Maria Soares Junior Ginecologia Doutor 20h
Marair G.Ferreira Sartori Ginecologia Doutor 40h
Vilmon de Freitas Ginecologia Livre-Docente 40h
Fabio Fernando de Araujo Ginecologia Doutor 40h

91
92

Unidade Curricular: Técnica operatória e cirurgia experimental


Professor Responsável: Contato: 55764272
Luiz Francisco Poli de Figueiredo
Ano Letivo: 3ª série Semestre: 2o
Departamentos/Disciplinas participantes: Cirurgia – Disciplina de Técnica Operatória e
Cirurgia Experimental
Carga horária total: 50 h
Carga Horária p/ prática: 60% Carga Horária p/ teoria: 40%
Objetivos
Geral
• Fornecer formação cirúrgica básica, com ênfase para a prática de procedimentos que
salvam vidas e dos rotineiramente realizados em pronto-socorro.

Específicos: Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:


• Capacitar para procedimentos que salvam vidas: acesso à via aérea, intubação
orotraqueal, cricotireoidostomia, toracocentese, drenagem torácica
• Realizar suturas, nós, hemostasia, diérese, síntese, acesso arterial e venoso.
• Fornecer as bases sólidas para a indicação, técnica e identificação das complicações
dos procedimentos acima descritos e das técnicas cirúrgicas gerais emergentes,
como a videocirurgia e a microcirurgia.
• Fornecer fundamentos teóricos e práticos dos princípios de técnica operatória,
incluindo paramentação, escovação, assepsia, diérese, hemostasia, exérese e
síntese.
• Conhecer processo de cicatrização, antibioticoterapia profilática e complicações dos
atos operatórios.

Ementa: Formação cirúrgica básica, com ênfase para a prática de procedimentos que
salvam vidas e dos rotineiramente realizados em pronto-socorro. Manobras cirúrgicas no
primeiro atendimento ao politraumatizado. Indicações, contraindicações e complicações da
microcirurgia e da cirurgia video-assistida. Cicatrização. Antibioticoterapia profilática e
complicações dos atos anestésicos e operatórios.

92
93
Conteúdo Programático

Aulas Teóricas e Seminários


• Importância da Técnica Operatória e Cirurgia Experimental na formação do médico
• Paramentação, Instrumental, Mesa Operatória e Equipe Cirúrgica
• Atos Operatórios Fundamentais: cricotireoidotomia, punção e drenagem pleural, punção
e janela pericárdica, lavagem peritoneal diagnóstica, controle da hemorragia vascular,
toracotomia ressuscitativa, pinçamento aórtico, massagem cardíaca interna.
• Trauma - Vias Aéreas, Respiração, Circulação, Avaliação Secundária
• Bases da laparotomia
• Bases da toracotomia
• Bases da microcirurgia
• Fundamentos da videocirurgia
• Complicações na Cirurgia.
• Infecção e disfunção de múltiplos órgãos
• Resposta neuro-endócrina e metabólica ao trauma
• Princípios da analgesia e anestesia

Aulas práticas em simuladores - Laboratório Habilidades e Toce


• Escovação, paramentação, antissepsia, instrumentação cirúrgica básica.
• Diérese, hemostasia e sutura
• Trauma – Vias aéreas, Acesso vascular

Aula práticas em ratos


• Paramentação, Instrumental, Mesa Operatória e Equipe Cirúrgica
• Diérese, sutura, hemostasia e síntese
• Princípios da microcirurgia

Aulas práticas em Porcos


• Técnicas de acessos venosos
• Drenagem de tórax
• Cricotireoidostomia
• Laparotomia
• Toracotomia
• Videocirurgia

Aulas práticas no Centro Cirúrgico


• Paramentação, Instrumental, Mesa Operatória e Equipe Cirúrgica

93
94

Metodologia de Ensino Utilizada


• Seminários precedidos de uma breve exposição teórica do tema, direcionados para
os conceitos fundamentais da prática cirúrgica por meio de diapositivos, vídeos, casos
clínicos ilustrativos e do curso on-line.
• Práticas: treinamento de procedimentos cirúrgicos propostos em simuladores e
animais de experimentação (ratos e porcos).

Recursos Instrucionais Necessários


Laboratório de habilidades, manequins, ratos, porcos, anestésicos, tubos, drenos, material
cirúrgico especializado, docentes.

Avaliação
Prova prática em animais e simuladores (60% da nota final) e teórica dissertativa (40% da
nota final).

Bibliografia Básica
Curso on-line e artigos selecionados de periódicos da área.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
(horas)
Luiz Francisco Poli de Figueiredo Cirurgia Livre-Docente 40h
Ivan Hung Koh Cirurgia Livre-Docente 40 h
Hélio Plaper Cirurgia Doutor 40 h
Djalma Fagundes Cirurgia Doutor 40 h
João Francisco Jr Cirurgia Doutor 40 h
João Luiz Azevedo Cirurgia Doutor 40 h
Edna Frasson Cirurgia Doutor 40 h
Simone Abib Cirurgia Doutor 40 h
Murched Taha Cirurgia Doutor 40 h

94
95

Unidade Curricular: Bioética


Professor Responsável Contato: marcosal@patologia.epm.br
Marcos de Almeida Fone 5576-4614
Ano Letivo: 3ª série Semestre: 1º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Patologia – Disciplina de Anatomia Patológica,
Geral, Sistêmica, Forense e Bioética
Carga horária total: 64 horas
Carga Horária p/ prática: 0% Carga Horária p/ teoria: 100%

Objetivos:

Geral
• Conferir aos estudantes a capacidade de identificar problemas e dilemas éticos quando
se confrontarem com situações reais da vida profissional.
Específicos: Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:
• ferramentas básicas do pensamento filosófico crítico, com os quais possam fazer juízo
de valor e com isto tomar decisões.

Ementa:
Bases e conceito da Bioética. Origens do pensamento ético. Ética no início e fim da vida.
Direitos do paciente. Ética e exercício profissional. Ética na investigação científica.
Conteúdo Programático:
• Fundamentos filosóficos da Moral. Bioética.
• Ética do início da vida
• Ética do fim da vida.
• Alocação de recursos
• Transplantes.
• Direitos do paciente.
• Ética da investigação científica.
• Erros e responsabilidade profissional. Uma visão bioética.
• Exercício lícito e ilícito da profissão.

Metodologia de Ensino Utilizada:


Aulas interativas, que incluam vinhetas com situações variadas, além de seminários sobre
os diversos assuntos que representam questões bioéticas.
Cenários – Anfiteatros e salas de aula.

Recursos Instrucionais Necessários:


Docentes. Equipe de suporte administrativo. Multimídia

Avaliação:
Elaboração de monografias e apresentação de seminários.

95
96

Bibliografia Básica:

Almeida M. Ética da investigação científica. Medicina Ribeirão Preto. 1995; 28:20-25.

Almeida M. Bioethics and molecular biology - Ethical issues concerning genetic


manipulation. A Folha Médica/Unifesp 1998;116:69-72.

Almeida M. Considerações bioéticas sobre o aborto. In: A bioética do século XXI. Garrafa V,
Costa SIF (org). Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 2000.

Almeida M. Doação e transplante de órgãos e tecidos. In Bioética. Segre M, Cohen C. São


Paulo: EDUSP, 1985.

Almeida M, Munhoz DR. Noções de responsabilidade em bioética. In: Bioética. Segre M,


Cohen C. São Paulo: EDUSP, 1985.

Beachamp T, Childress JF. Principles of biochemical ethics. 2.ed. New York: Oxford
University Press, 1983.

Campbell AV. Moral dilemmas in medicine: a coursebook in ethics for Doctors and Nurses.
2.ed. Edinburgh: Churchill Livingstone, 1975.

Diniz D, Almeida M. Bioética e aborto. In: Iniciação à bioética. Costa SIF, Oselka G, Garrafa
V (org). Brasília: Ed. Conselho Federal de Medicina, 1988.

França GV. Comentários ao código de ética médica. Rio de Janeiro: Editora Guanabara-
Koogan, 1994.

Harring B. Medicina e manipulação. São Paulo: Ed. Paulinas. Trad. Horácio Dalbosco, 1977.
Pessini L, Brachifontaine CP. Problemas atuais de bioética. São Paulo: Ed. Loyola, 1984.

Reiser SJ, Dick AJ, Curran WJ (eds.) Ethics in medicine: historical perspective and
contemporary concerns. Massachussets: M.I.T Press, 1977.

Spisanti S. Ética biomédica. São Paulo: Ed. Paulinas, 1990.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
Trabalho
Henrique Caivano Soares Patologia Doutor 40 horas
Jonas de Almeida Brito Patologia Mestre 20 horas
Marcos de Almeida Patologia Livre-docente aposentado

96
97

Unidade curricular: Doenças infecciosas na criança e no adulto


Professor Responsável: Contato: 5576 4094
Antonio Carlos Pignatari
Ano Letivo: 3ª série Semestre: 1º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina - Disciplina de Doenças Infecciosas;
Departamento de Pediatria - Disciplina de Infectologia Pediátrica; Departamento de Medicina
Preventiva - Disciplina de Preventiva Clínica
Carga horária total: 42 horas
Carga Horária p/ prática: 0% Carga Horária p/ teoria:100%

Objetivos:
Geral
• Conhecer os mecanismos da interação hospedeiro – parasita e aspectos relacionados
prevenção, diagnóstico e tratamento das principais doenças infecciosas em nosso meio.
Princípios Gerais.
Específicos: Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:
• conhecer a etiologia, epidemiologia, quadro clínico e diagnóstico das principais doenças
infecciosas do adulto e em pediatria em nosso meio.
• conhecer princípios gerais das imunizações e outros meios de prevenção das principais
doenças infecciosas do adulto e em pediatria em nosso meio.
• conhecer princípios gerais do uso de antimicrobianos
• conhecer princípios relacionados ao risco profissional e notificação de doenças
transmissíveis

Ementa:
Interação hospedeiro – parasita. Imunizações. Principais endemias brasileiras. Anamnese,
exame clínico e diagnóstico laboratorial em doenças infecciosas. Uso de antimicrobianos.
Epidemiologia hospitalar. Risco profissional. Notificação de doenças transmissíveis.
Conteúdo Programático:
• Infectologia para o século XXI
• Interação hospedeiro – parasita
• Febre
• Doenças exantemáticas infecciosas
• Febres hemorrágicas
• Princípios gerais de Imunização
• Diagnóstico laboratorial em doenças infecciosas
• Principais endemias brasileiras
• Princípios gerais do uso de antimicrobianos
• Epidemiologia hospitalar
• Risco profissional
• Notificação de doenças transmissíveis

97
98
Metodologia de Ensino Utilizada:
Aulas teóricas
Discussão de casos clínicos encaminhados previamente aos estudantes
Recursos Instrucionais Necessários
Área física/material de consumo/equipamentos
• Anfiteatro
• multimídia
• Material de papelaria para impressão dos casos clínicos e distribuição entre os alunos
Recursos humanos
• Professores – 1 professor por aula teórica/discussão de caso clínico
Avaliação:
Participação nas aulas e discussão de casos clínicos. Freqüência. Prova
Bibliografia Básica

Carvalho ES, Carvalho WB. Terapêutica e Prática Pediátrica. 2ª ed. São Paulo: Editora
Atheneu, 2000.

Borges DR, Rothschild HÁ. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas, 2005.

Morais MB, Campos SO, Silvestrini WS. Guia de Medicina Ambulatorial e Hospitalar:
Pediatria. 1ª ed. São Paulo: Editora Manole, 2005.

Goldman L, Ausiello D. Cecil – Tratado de Medicina Interna (Trad. Kemper A et al.). 22ª ed.
São Paulo: Elsevier, 2005.

Complementar
Farhat CK, Carvalho ES, Weckx LY, Carvalho LHF, Succi RCM. Imunizações –
Fundamentos e Prática. 4ª edição São Paulo: Editora Atheneu., 2000.
Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Antonio Carlos Pignatari Medicina Livre-docente 40h
Regina Celia Succi Pediatria Doutor 40h
Sandra de Oliveira Campos Pediatria Mestre 40h
Antonio Vladir Iazzetti Pediatria Mestre 40h
Maria Aparecida Gadiani Ferrarini Pediatria Mestre TA/40h
Lily Yin Weckx Pediatria Doutor 40h
Calil K Farhat Pediatria Livre-docente Aposentado
Celso Granato Medicina Livre-docente 40h
Marcelo Buratini Medicina Livre-docente 40h
Antonia Maria Machado Medicina Doutor 40h
Maria Isabel Morais Pinto Pediatria Doutor TA/40h
Arnaldo Colombo Medicina Livre-docente 40h
Nancy Bellei Medicina Doutor TA/40h
Katsumi Osiro Medicina Preventiva Especialista 40h
Sergio Barsanti Wey Medicina Doutor 40h
Eduardo Medeiros Medicina Doutor TA/40h
Marcelo Abramczyk Pediatria Mestre TA/40h
Reinaldo Salomão Medicina Livre-docente 40h

TA – técnico-administrativo

98
99

Unidade Curricular: Módulo de Genética Médica


Professor Responsável Contato: dbrunoni.morf@epm.br
Decio Brunoni
Ano Letivo: 3ª série Semestre: 1º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Morfologia – Disciplina de Genética.
Carga horária total: 80 horas
Carga Horária p/ prática: 10% Carga Horária p/ teoria: 90%
Objetivos:
Geral
• Preparar o estudante para o diagnóstico e prevenção das doenças genéticas ou
influenciadas pelos genes.
Específicos: Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante
• Conhecer a Genética Médica Básica e a Propedêutica Genético-Clinica
• Reconhecer e interpretar os modelos etiológicos que explicam a maioria das doenças
genéticas
• Construir heredogramas, reconhecer os fenótipos morfológicos das principais doenças
genéticas
• Indicar e interpretar os principais testes genéticos
• Reconhecer os principais conflitos éticos que ocorrem na genética médica e a maneira
de superá-los
• Noções da maneira mais adequada de intervir na família, por meio do aconselhamento
genético, visando à prevenção das doenças e a promoção da saúde.

Ementa:
Fundamentos da genética médica básica. Desenvolvimento do raciocínio genético clínico
com a aplicação da propedêutica da especialidade. Estratégias de intervenção visando à
prevenção primária, secundária e terciária das doenças genéticas.

Conteúdo Programático:
• Cromossomos e Genes
• Patogênese Molecular
• Epidemiologia das Doenças Genéticas
• Epidemioloiga dos Defeitos Congênitos
• Propedêutica Genético-Clínica
• Modelos de Herança Mendeliana
• Herança não-Mendeliana
• Citogenética
• Doenças Metabólicas Hereditárias
• Oncogenética
• Aconselhamento Genético
• Ética e Genética

99
100

Metodologia de Ensino Utilizada:


Aulas expositivas, seminários e visitas a laboratórios de citogenética e biologia molecular.
Estudo de casos representativos das principais doenças genéticas, quer pela prevalência,
quer pelo modelo genético-etiológico que apresentam. As aulas teóricas são ministradas
para metade da turma e para os seminários são novamente sub-divididos em 4 sub-grupos
de 15 estudantes.

Recursos Instrucionais e Humanos:


Docentes. Anfiteatros. Multimídia. Laboratórios e ambulatórios.

Avaliação:
Realizadas 3 provas com questões dissertativas e de múltipla escolha. A nota final
considera ainda a participação e a apresentação nos seminários.

Bibliografia Básica:
Nussbaun RL, Mcnnes RR, Willian HF. Thompson & Thompson Genética Médica. 6ª ed. Rio
de Janeiro: Guanabara – Koogan, 2002

Carey JC, Jorde LB, Bemshad MJ. Genética Médica. 3ª ed. São Paulo: Elsevier, 2004.

Complementar:
Textos selecionados para os seminários.

Docentes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho (h)
Ana Beatriz Alvarez Perez Morfologia Doutor 40
Ana Maria Martins Pediatria Doutor 40
Décio Brunoni Morfologia Doutor 40
Gianna Maria Griz Cavalheira Morfologia Doutor 40
Janete Maria Cerutti Morfologia Doutor 40
Maria Isabel De Souza Aranha Morfologia Doutor 40
Melaragno

100
101

Unidade Curricular: Sistema Locomotor


Professor Responsável: Daniel Feldman Contato: 5579-6665 - 96134529
Ano Letivo: 3ª série Semestre: 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina – Disciplina de Reumatologia;
Departamento de Pediatria – Disciplina de Alergia, Imunologia e Reumatologia Pediátrica;
Departamento de Ortopedia; Departamento de Diagnóstico por Imagem; Departamento de
Patologia – Disciplina de Anatomia Patológica Investigativa
Carga horária total: 125 horas
Carga Horária p/ prática: 35% Carga Horária p/ teoria: 65%

Objetivos

Geral:
• Capacitar o aluno a compreender, diagnosticar e tratar as principais entidades clínicas
ligadas ao aparelho locomotor, desde a infância até a 3a idade, com atenção à relação
médico-paciente, ética e respeito

Específicos: Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:


• Conhecer a semiologia do aparelho locomotor, como parte do exame clínico geral
• Conhecer a fisiopatologia e quadro clínico das principais doenças autoimunes
• Conhecer a fisiopatologia e quadro clínico das principais doenças não imunológicas que
acometem o sistema locomotor
• Conhecer as diferenças nos mecanismos patológicos básicos e específicos das doenças
do sistema locomotor e saber utilizar recursos de imagem para auxiliar no diagnóstico

Ementa:
Semiologia do aparelho locomotor. Algoritmo para diagnóstico diferencial de síndromes
dolorosas. Trauma. Doenças autoimunes. Laboratório de imunologia. Reabilitação.
Infecções no aparelho locomotor. Doenças metabólicas.

Conteúdo Programático:
• Semiologia do aparelho locomotor
• Algoritmo de diagnóstico diferencial
• Conhecimentos básicos dos diferentes mecanismos patológicos
• Métodos de imagem e as suas principais características
• Laboratorio em reumatologia
• Traumas
• Doenças metabólicas e cristais (incluindo imagem e patologia)
• Doenças da coluna
• Doenças ortopédicas da infância
• Dor e reumatismos de partes moles
• Reabilitação
• Oosteoartrite
• Doenças reumáticas na infância
• Artrite reumatóide e espondiloartropatias
• Infecções do aparelho locomotor
• Doenças autoimunes
• Tumores ósseos

101
102
Metodologia de Ensino Utilizada:
Aulas práticas em ambulatórios e enfermarias com atendimento direto aos pacientes,
supervisionados por docente. Aulas expositivas. Seminários conjuntos das diferentes
disciplinas que compõem o módulo.

Cenários: Ambulatórios, Enfermarias e salas de aula

Recursos Instrucionais Necessários:


Docentes. Anfiteatros. Multimídia. Enfermarias e ambulatórios.

Avaliação
Prova e avaliação do interesse, participação e desempenho do estudante de forma contínua
durante o módulo.

Bibliografia Básica:
Apostilas e manuais fornecidos pelas disciplinas integrantes do módulo
Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora
Artes Médicas; 2005.

Morais MB, Campos SO, Silvestrini WS. Guia de Medicina Ambulatorial e Hospitalar:
Pediatria. 1ª ed. São Paulo: Editora Manole; 2005.

Goldman L, Ausiello D. Cecil – Tratado de Medicina Interna (Trad. Kemper A et al.).


22ª ed. São Paulo: Elsevier, 2005.

Naspitz CK. Guia de Medicina Ambulatorial e Hospitalar UNIFESP/EPM- Alergia,


Imunologia e Pneumologia em Pediatria. 1ª edição. Barueri: Editora Manole, 2006.

Complementar:
Hochberg MC, Silman AJ, Smolen JS, Weinblatt ME, Wisman MH. Rheumatology , 3th edition. USA:Ed. Mosby, 2003. (vol2)

Moreira C, Carvalho MAP. Reumatologia: Diagnóstico e Tratamento. 2ª Edição. Rio


de Janeiro:Ed Guanabara Koogan, 2001.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Daniel Feldman Medicina Doutor 40 horas
Leda Magalhães de Oliviera Medicina Mestre TA/30
Jamil Natour Medicina LD TA/20
Luís Eduardo C. Andrade Medicina LD TA/20
Luiz Nusbaum Medicina Mestre TA/20 horas
Rozana Mesquita Ciconelli Medicina Doutor TA/20 horas
Mario Luiz Cardoso Pucinelli Medicina Doutor 40
Antonio José Lopes Ferrari Medicina Doutor 40 horas

102
103
Ivone Minhoto Meinão Medicina Doutor 20 horas
Vera Lúcia Szejnfeld Medicina Doutor 40
Neusa Pereira da Silva Medicina Doutor 40 horas
Pola Maria Poli de Araújo Medicina Doutor TA/20
Maria Odete Esteves Hilário Pediatria Livre-docente DE
Cláudio Arnaldo Len Pediatria Doutor TA/40
Maria Teresa de S L R Ascensão Pediatria Doutor TA/40
Terreri
Artur da Rocha Fernandes Diagnóstico por Doutor 40
Imagem
Denise Tokeshi do Amaral Diagnóstico por Doutor 12 h/semanais
Imagem
Milton Miszputen Diagnóstico por Especialista 12h / semanais
Imagem
Akira Ishida Ortopedia e Doutor 40
Traumatologia
Jorge Mitsuo Mizusaki Ortopedia e Doutor 40 horas
Traumatologia
Ricardo Dizioli Ortopedia e Doutor 40 horas
Traumatologia
Flavio Faloppa Ortopedia e Livre-docente 40 horas
Traumatologia
Eduardo Barros Puertas Ortopedia e Doutor 40 horas
Traumatologia
Marcelo Matsumoto Ortopedia e Doutor 40 horas
Traumatologia
Francisco Prado dos Santos Ortopedia e Doutor 20 horas
Traumatologia
Edgard dos Santos Pereira Junior Ortopedia e Doutor 20 horas
Traumatologia
Eduardo da Frota Carreira Ortopedia e Doutor 20 horas
Traumatologia
Nicolau Granado Segre Ortopedia e Mestre 40 horas
Traumatologia

103
104
Carlo Milani Ortopedia e Doutor 40 horas
Traumatologia
Henrique Sodré Almeida Fialho Ortopedia e Doutor 40
Traumatologia
Paulo Satiro de Souza Ortopedia e Doutor 20 horas
Traumatologia
Wesley Max Ramos Ortopedia e Doutor 20 horas
Traumatologia
João Baptista Gomes dos Santos Ortopedia e Doutor 20 horas
Traumatologia
Edmilson Takehiro Takata Ortopedia e Doutor 20 horas
Traumatologia
Jose Antonio Pinto Ortopedia e Doutor 40 horas
Traumatologia
Jose Carlos Melo Chagas Ortopedia e Doutor 20 horas
Traumatologia
Reynaldo de Jesus Garcia Filho Ortopedia e Livre-docente 40
Traumatologia
Inácio Diogo Asaume Ortopedia e Especialista 20 horas
Traumatologia
Helio Jorge Alvachian Fernandes Ortopedia e Doutor 40 horas
Traumatologia
Antonio Augusto Couto de Ortopedia e Doutor 20 horas
Magalhães Traumatologia
Eiffel Tsuyoshi Dobashi Ortopedia e Doutor 20 horas
Traumatologia
Alexandre Francisco de Lourenço Ortopedia e Doutor 20 horas
Traumatologia
Carlos Henrique Fernandes Ortopedia e Doutor 40 horas
Traumatologia
Moises Cohen Ortopedia e Livre-docente 40 horas
Traumatologia
Geraldo Granata Junior Ortopedia e Doutor 20 horas
Traumatologia
Marcelo Wajchenberg Ortopedia e Doutor 20 horas
Traumatologia

104
105
Oswaldo Guilherme Nunes Ortopedia e Doutor 20 horas
Traumatologia
Vilney Matioli Leite Ortopedia e Livre-docente 40 horas
Traumatologia
Maria Teresa de Seixas Patologia Doutor 40 horas

TA – técnico-administrativo

105
106

Unidade Curricular: Psiquiatria


Professor Responsável: Contato: 5579 2828 / 32551375
José Cássio do Nascimento Pitta 82634905
Ano Letivo: 3 ª série Semestre 2º semestre
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Psiquiatria - Disciplinas de Psiquiatria Clínica,
Psicologia Média, Psicoterapia
Carga horária total: 120 horas
Carga horária p/ prática: 46% Carga horária p/ teoria: 54%

Objetivos:
Geral:
• Possibilitar ao estudante reconhecer e intervir nos transtornos mentais mais prevalentes
na população e discernir quanto à necessidade de encaminhamento específico nos casos
de maior complexidade para os serviços especializados na área de saúde mental.
Específicos: Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:
• conhecimento teórico, habilidades e técnica de entrevistas para elaboração da história de
vida e estabelecer sua correlação com o início do transtorno mental
• treinamento para realização do exame psíquico.
• conhecimento referente aos principais transtornos mentais do ponto de vista
epidemiológico, psicopatológico e intervenções terapêuticas.
• reconhecer e intervir nos pacientes que apresentam transtornos mentais que estão ao
alcance do clínico geral
Ementa:
História da Psiquiatria. Transtornos Mentais. Anamnese Psiquiátrica. Psicopatologia. Psicofarmacologia e
Eletroconvulsoterapia.

106
107
Conteúdo Programático:
• História da Psiquiatria.
• Epidemiologia dos Transtornos Mentais.
• Epidemiologia dos Transtornos Mentais na Infância.
• Anamnese Psiquiátrica.
• Anamnese na Infância.
• Psicopatologia I (Consciência, Orientação, Atenção, Memória e Inteligência).
• Psicopatologia II (Linguagem, Pensamento e Sensopercepção).
• Psicopatologia III (Humor, Afetividade, Psicomotricidade e Volição).
• Dor e sintomas psíquicos.
• Transtornos de Ansiedade Generalizada.
• Transtornos Mentais Específicos da Infância.
• Pânico e fobias.
• Transtornos do Humor.
• Transtornos Relacionados ao Álcool e Outras Substâncias Psicoativas.
• Transtorno Obsessivo-Compulsivo.
• Transtornos Mentais de Origem Orgânica.
• Esquizofrenia e Transtornos Delirantes.
• Transtornos Somatoformes.
• Psicofarmacologia e Eletroconvulsoterapia.
• Transtornos Alimentares.
• Suicídio e Emergências Psiquiátricas.
• Transtornos Psicóticos na Infância.
• Aulas Práticas: Entrevistas com Pacientes Internados na Unidade Psiquiátrica do Hospital
São Paulo.
• Aulas Teórico-Práticas: Apresentação de Vídeos (entrevistas de pacientes).

Metodologia de Ensino Utilizada


A metodologia permite participação ativa dos estudantes no desenvolvimento do conhecimento,
habilidades e atitudes. São realizados seminários orientados e coordenados pelos docentes
As aulas práticas são coordenadas por docentes que estimulam e orientam os alunos durante a
entrevista e a organização do exame psíquico, assim como o raciocínio clínico para elaboração
da hipótese diagnóstica e conduta.
Recursos Instrucionais Necessários
Docentes com capacitação para orientar, coordenar e estimular o desenvolvimento aprendizado.
Anfiteatros. Multimídia. Vídeos didáticos para discussão clínica. Pacientes que são previamente
informadas da natureza da entrevista e o objetivo.
Avaliação
Avaliação dos seminários elaborados pelos alunos. Participação nas aulas práticas. Freqüência e
interesse. Prova escrita com quatro perguntas abordando temas de maior relevância na
formação de um clínico geral

107
108

Bibliografia
Almeida OP, Dratcu L, Laranjeira R. Manual de Psiquiatria. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora
Guanabara Koogan, 1996.

Louzâ MR, Motta T, Wang YP, Elkis H. Psiquiatria Básica. 1ª ed. São Paulo: Editora ArtMed,
1995.

Mari JJ, Razzouk D, Del Porto JA. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp –
Psiquiatria. 1ª ed. Barue ri: Editora Manole, 2002

Kaplan HI, Sadock BJ, Grebb JA. Compêndio de Psiquiatria. 7ª ed. Porto Alegre: Editora Artes
Médicas, 1997.

Complementar
Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes Médicas;
2005.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Ana Cristina Chaves Psiquiatria Profa. Afiliada TA/40 h
Angélica de Medeiros Claudino Psiquiatria NS TA/40 h
Christina Hajagi Gonzalez Psiquiatria NS TA/40 h
Eliana Cristina Gonçalves Psiquiatria NS TA/40 h
Gustavo Silva Giovanetti Psiquiatria PG PG
José Alberto Del Porto Psiquiatria Prof. Titular 40 h
José Cássio do N. Pitta Psiquiatria Profa. 40 h
Assistente
Juliana Canadá Surjan Psiquiatria NS TA/40 h
Sérgio Baxter Andreolli Psiquiatria Prof. Afiliado TA/40 h
Luciana Maria Sarin Psiquiatria NS TA/40 h
Márcia Angélica Menon Psiquiatria NS TA/40 h
Marcos Pacheco Toledo Ferraz Psiquiatria Prof. Titular 40 h
Miguel Roberto Jorge Psiquiatria Prof. Adjunto 40 h
Raul Gorayeb Psiquiatria Prof. Auxiliar 40 h
Ronaldo Ramos Laranjeira Psiquiatria Prof. Adjunto 40 h
Ricardo S. de C.Almeida Prado Psiquiatria NS TA/40 h
Isabel A. dos Santos Bordin Psiquiatria Prof. Afiliada TA/40 h
Albeni de Oliveira Psiquiatria NS TA/20 h

TA – técnico-administrativo
PG – pós-graduando

108
109

Unidade curricular: Semiologia do adulto e da Criança


Professor Responsável: Profa. Dra. Julieta Contato: 5573- 7180
Freitas Ramalho da Silva
Ano Letivo: 3ª série Semestre: 1º semestre
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina; Departamento de Pediatria;
Departamento de Medicina Preventiva – Disciplina de Nutrição; Departamento de Psiquiatria
– Disciplina de Psicologia Médica; Departamento de Diagnóstico por Imagem; Departamento
de Informática em Saúde
Carga horária total: 366h
Carga Horária p/ prática: 50% Carga Horária p/ teoria:50%

109
110

Objetivos
• Geral: realizar anamnese e exame físico no adulto e na criança, considerando o
contexto emocional, familiar e social e conhecer métodos laboratoriais e de imagem
de auxílio diagnóstico
Específicos: Espera-se que esta unidade curricular possibilite aos estudantes:
• conhecimentos específicos de semiologia médica, medicina laboratorial e de imagem
para realização da assistência médica
• desenvolvimento de habilidades e atitudes em medicina.
• conhecimentos para avaliação nutricional
• conceitos básicos de diagnóstico por imagem com base nas interações da radiação
com a matéria.
• conhecimentos sobre Informática Médica, destacando-se Prontuário Eletrônico e
ferramentas de informática para apoio às atividades médicas.
Ementa
Semiologia do adulto, criança e adolescente. Assistência ao adulto, à criança e ao
adolescente no seu contexto emocional, familiar, social e cultural. Exames subsidiários por
imagem e laboratoriais. Principais síndromes clínicas. Avaliação nutricional. Informática
Médica. Conceitos básicos de Diagnóstico por Imagem.

110
111
Conteúdo Programático
Prontuário Médico, Relação Médico Paciente, Ética Médica
Anamnese e Exame Físico Geral.
Propedêutica da Cabeça e Pescoço e dos Sistemas Respiratório, Cardio-Circulatório,
Urinário, Reprodutor, Ósteo-articular, Neurológico
Fisiopatologia dos Sintomas e Sinais Clínicos.
Fisiopatologia, Quadro Clínico e laboratório na Insuficiência Cardiaca Congestiva.
Fisiopatologia, Quadro Clínico e laboratório na Insuficiência Renal Aguda e Insuficiência
Renal Crônica.
Fisiopatologia, Quadro Clínico e Laboartório na Anemias
Fisiopatologia, Quadro Clínico e Laboratório da Insuficiência Hepática.
Fisiopatologia, Quadro Clínico e Laboratório da Insuficiência Respiratória Aguda e Crônica.
Fisiopatologia, Quadro Clínico e Laboaratório das Diarréias - Sindrome de Má Absorção.
Fisiopatologia, Quadro Clínico e Laboaratório nas Sindromes Isquêmicas Agudas do
Coração.
Fisiopatologia e Quadro Clínico da Úlcera Gastro-Duodenal.
Propedêutica Laboratorial e Imagem da Úlcera Gastro-Duodenal.
Temas específicos de pediatria:
Anamnese e exame físico em pediatria em suas diferentes faixas etárias
Dismorfologia
Crescimento e Desenvolvimento da Criança
Desenvolvimento Puberal Normal e Patológico
Anamnese e Exame Clínico do Adolescente
Temas específicos de nutrição
Alimentação normal - Composição da dieta, macro e micronutirentes.
Requerimentos nutricionais nos diferentes grupos etários, Inquérito de consumo alimentar.
Avaliação nutricional e alimentar: Antropometria/ Exames bioquímicos.
Modificação da dieta normal, dietas da rotina hospitalar e dieta enteral.
Intervenções nutricionais: Obesidade, Dislipidemia e Hipertensão arterial, Diabete Mellitus e
Desnutrição.
Temas específicos de psicologia médica
Transferência - Contratransferência
O corpo e o exame físico
Aspectos psicológicos do doente crônico.
A morte: Os sete estágios da agonia.
A dimensão psicoterápica da relação médico-paciente.
Reconhecimento de atitudes psicoterápicas na prática médica.
Temas específicos de diagnóstico por imagem
Métodos de Diagnóstico por Imagem
Fontes de exposição à radiação ionizante na medicina
A formação da imagem radiológica
A tomografia computadorizada; qualidade da imagem, aplicações e vantagens
Medicina Nuclear: especificações, características tecnólogicas
Proteção Radiológica: filosofia e normas
A Ultrassonografia- príncipios físicos de formação da imagem
A Ressonância Magnética Nuclear- príncipios físicos de formação da imagem
Temas específicos de Informática em Saúde
Informática em Saúde e Informação em Saúde
Prontuário Eletrônico
Fundamentos e uso da Internet em pesquisa na área de Medicina.
Sistema de Apoio à Decisão
Ferramentas de apoio ao diagnóstico e terapêutica.
Educação Médica por Computador
Fundamentos e exemplos de aplicações de educação continuada, educação à distância e
tutoriais em várias especialidades.
Telemedicina - fundamentos e exemplos de aplicação.

111
112
Metodologia de Ensino Utilizada: O curso será desenvolvido de forma integrada,
envolvendo a semiologia clínica do adulto e em pediatria, a medicina laboratorial, a nutrição,
psicologia médica, informática em saúde e diagnóstico por imagem. Inclui:
• Aulas teóricas
• Seminários
• Discussões de casos c línicos
• Aulas práticas – anamnese e exame físico sob supervisão docente
• Discussões sobre os casos atendidos com docentes dos departamentos envolvidos

112
113
Recursos Instrucionais Necessários
Prática:
Material/área física/equipamentos
• Leitos de enfermaria e pronto-socorro de adultos e em pediatria suficientes para divisão
simultânea em sub-grupos de no máximo cinco estudantes – cerca de 25 leitos por
período de aula prática
Recursos Humanos
• Professores – 1 professor/5 estudantes para cada aula prática
Teórica:
Material/Área física/equipamentos
• Anfiteatro, multimídia
Recursos Humanos
Professores – 1 professor por aula/seminário para cada grupo de 60 estudantes (meia turma);
obs: para estas aulas os 120 estudantes estão divididos em 2 sub-grupos
Avaliação
Serão realizadas as seguintes avaliações:
Acompanhamento das atividades práticas, prova em cada área específica e geral no final do
estágio, freqüência, pontualidade, habilidades e atitudes

113
114
Bibliografia
Básica
Porto CC. Semiologia Médica. 3º Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997

Ramos Jr J. Semiotécnica da Observação Clínica. 8ª ed. Savier, 1998

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas, 2005.

Goldman L, Ausiello D. Cecil Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. Elsevier, 2005

Henry JB. Diagnósticos Clínicos e Tratamentos por Métodos Laboratoriais. 19ª ed. São
Paulo: Manole, 1999
Fauci AS, Braunwall E, Isselbacher KJ, Wilson JD, Martin JB, Kasper DL. Harrison Medicina
Interna. 14a edição. Rio de Janeiro: Editora McGraw-Hill, 1998. P. 525-798.

Morais MB, Campos SO, Silvestrini WS. Guia de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp
- Pediatria. 1ª ed. Barueri Manole, 2005.

Galeazzi,M.A.(org) - A segurança alimentar e cidadania: a contribuição das universidades


paulistas. Campinas: Mercado de letras, 1996

L´Abbates S. As políticas de alimentação e nutrição no Brasil a partir dos anos setenta. Rev.
Nutr. PUCCAMP 1989;2(1):7-54.

Balint M. O médico, seu paciente e a doença. 1ª ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 1984.

Perestrello, D. A medicina da pessoa. 1ª ed. Rio de Janeiro: Atheneu,1989.

Mello FºJ. Psicossomática hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

Complementar
Lopez FA, Brasil AD. Nutrição e Dietética em Clínica Pediátrica. 1a ed. São Paulo: Atheneu,
2003

Cardoso AL, Lopes LA, Taddei JAC. Tópicos Atuais em Nutrição Pediátrica, Série
Atualizações Pediátricas. 1a ed. São Paulo: Atheneu, 2004

Monteiro, C.A. Velhos e novos males de saúde no Brasil. A evolução do país e suas doenças.
São Paulo: Hucitec - NUPENS/USP, 1995.

Who Working Group. Use and interpretation of anthropometric indicators of nutritional status.
Bull. Who 1986;64(6):929-41.

World Health Organization - Energy and protein requirements. Geneva,1985. (Tech.


Rep.Series 724)

World Health Organization - Diet, nutrition, and the prevention of chronic diseases. 1990.
(Tech.Rep.Series nº797).

114
115

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
(horas)
Julieta Freitas Psiquiatria Mestre 40
Ramalho da Silva
Paulo Olzon Medicina Mestre 40
Lucia CristinaIshida Medicina Doutor 40
Sergio Domingues Medicina Especialista TA/40
Emilia Sato Medicina Livre-docente 40
Cláudio Cirenza Medicina Doutor TA/40
Afonso Carlos Neves Medicina Doutor TA/40
Ary Andrade Jr. Medicina Mestre 40
Carlos Alberto Freire Medicina Doutor 40
Mauricio Borges Medicina Mestre 40
Martins
Simone Barros Medicina Especialista TA/20
Tenore
Paulo Sergio Medicina Doutor TA/20
Massabki
Alexandre Wagner Medicina Doutor TA/40
Silva Souza
Regina Bitelli Diagnóstico por Doutor 40
Imagem
Roberto Nogueira Diagnóstico por Doutor 40
Imagem
Anita Sachs Medicina Preventiva Doutor DE
Mônica Parente Informática em Saúde Doutor 40
Ramos
Rosana Fiorini Pediatria Livre-docente DE
Puccini
Domingos Palma Pediatria Doutor 40
Josefina Ap. P. Braga Pediatria Doutor 40
Ana Maria Martins Pediatria Doutor 40
Mary Lise M. Silveira Pediatria Especialista. 20 Prof. Aposentada
Angela M. S. e Pediatria Doutor 40
Castro
Célia Camelo Silva Medicina Doutor TA/40
Maria Odete E. Pediatria Livre-docente 40
Hilário
Mauro Fisberg Pediatria Doutor 40
Clóvis Eduardo Pediatria Especialista. 40
Tadeu Gomes
Gilberto Petty da Pediatria Especialista 40
Silva
Carlos Alberto Garcia Pediatria Doutor TA/40
Oliva
Vera Lúcia Pediatria Doutor 40
Sdepanian
Maria Cristina Pediatria Doutor 40
Andrade
Luiz Celso Pereira Neurologia e Doutor 40
Vilanova Neurocirurgia
Antonio Sergio Petrilli Pediatria Livre-docente 40
Sung Sih Chung Pediatria Mestre 40

115
116
Rudolf Wechsler Pediatria Doutor 40
Regina Célia Pediatria Doutor 40
Menezes Succi
Élide Helena G. da R. Pediatria Doutor 40
Medeiros
Rosa Resegue Pediatria Doutor TA/40
Anne Lise Dias Brasil Pediatria Doutor TA/40
Eliana Caran Pediatria Doutor TA/20
Anete Colucci Pediatria Mestre TA/20
Annelise Del Vecchio Pediatria Doutor TA/40hs
Gessullo

116
117

Unidade curricular: Anestesiologia


Professor Responsável: Contato: Márcia - Secretária
Maria Angela Tardelli
Ano Letivo: 4ª série Semestre: 1º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Cirurgia – Disciplina de Anestesiologia, Dor e Terapia
Intensiva
Carga horária total: 36 horas
Carga Horária p/ prática: 0 % Carga Horária p/ teoria: 100 %
Objetivos
Geral:
• Aprimorar a formação médica do estudante com ênfase no cuidado pré, intra e pós-operatório do
paciente cirúrgico assim como controle da dor aguda e crônica.

Específicos:
• realizar o preparo pré-anestésico
• monitorar e controlar a ventilação e a hemodinâmica no intraoperatório
• controlar o paciente no pós-operatório
• controlar o paciente crítico
• avaliar e tratar o paciente com dor aguda e/ ou crônica.

Ementa
Áreas de atuação da Anestesiologia. Cuidados pré, intra e pós-operatório. Dor aguda e crônica.
Analgesia e Sedação. Anestesia geral e local. Distúrbio eletrolítico e ácido-básico.

Conteúdo Programático
• Áreas de atuação da anestesiologia
• Avaliação do paciente com dor
• Classificação, nomenclatura e fisiopatologia da dor
• Tratamento da dor
• Dor no cãncer
• Analgesia pós-operatória
• Anestesia – conceitos
• Avaliação pré-anestésica
• Monitorização em anestesia
• Anestésicos locais
• Uso de relaxamentes musculare
• Anestesia geral
• Raqui e peridural
• Reposição volêmica durante anestesia
• Recuperação pós-anestésica
• Simulação de anestesia
• Sedação e analgesia em UT
• O paciente cardiológico na UTI
• O paciente neurológico na UTI
• Insuficiência respiratória
• Ventilação mecânica na UTI
• Distúrbio eletrolítico e ácido-base

Metodologia de Ensino Utilizada


Aulas teóricas.

117
118
Recursos Instrucionais Necessários
São utilizados materiais áudio visuais como: computador e projeção multimídia.

Avaliação:
Assiduidade e prova teórica com questões de múltipla escolha.

Bibliografia
Básica
• Apostilas elaboradas pela disciplina

Complementar

• Braz JRC, Castiglia YMM. Temas de Anestesiologia. 2ª ed. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

• Yamashita AM, Takaoka F, Auler Jr JOC, Iwata NM. Anestesiologia SAESP. 5ª ed. São
Paulo: Editora Atheneu, 2000-2001.

• David CM. Ventilação Mecânica – Da Fisiologia à Prática Clínica. 1ª ed. Rio de Janeiro:
Editora Revinter, 2001.

• Silva MR. Choque – Clínicas Brasileiras Medicina Intensiva. 1ª ed. São Paulo: Editora
Atheneu, 1996.

• David CM. Medicina Intensiva - AMIB. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Revinter, 2003.

• Sakata RK, Issy AM. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp - Dor. 1ª ed.
Barueri: Editora Manole, 2004.

Docentes Participantes
Origem Titulação Regime de
Nome (Departamento) Trabalho (horas
semanais)
Adriana M. Izzy Cirurgia Doutor 40
Américo M. Yamashita Cirurgia Mestre 40
David Ferez Cirurgia Doutor 40
Eduardo H. Giroud Joaquim Cirurgia Mestre 40
Maria Angela Tardelli Cirurgia Doutor 40
Marina R. Giroud Joaquim Cirurgia Mestre 40
Masashi Munechika Cirurgia Doutor 40
Minako K. Beppu Cirurgia Mestre 40
Nilza M. Iwata Cirurgia Mestre 40
Rioko Kimiko Sakata Cirurgia Doutor 40
Ana Cecília S. Guedes Cirurgia Especialista TA/20
Ana Laura A Giraldes Cirurgia Especialista TA/20
Ana Paula Resque Cirurgia Especialista TA/20
César R. Martins Cirurgia Especialista TA/40
Flávia Ribeiro Machado* Cirurgia Doutor 40
José L. G. Amaral Cirurgia Livre-docente 40
Miriam Bellini Gazi Cirurgia Especialista TA/20
Murillo Assunção Cirurgia Especialista TA/20
Patrícia Leal Cirurgia Especialista TA/20
Renata Teixeira Cirurgia Especialista TA/20
Roberto Vlainich Cirurgia Especialista TA/20
Rosa Goldstein Alheira Cirurgia Especialista TA/20
Sérgio Mataloun Cirurgia Especialista TA/20

118
119

TA – técnico-administrativo

119
120

Unidade curricular: Clínica Médica


Professor Responsável: Contato: 55737180
Renato Delascio Lopes
Ano Letivo: 4ª série Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina - Disciplina de Clínica Médica
Carga horária total: 160h
Carga Horária p/ prática: 80% Carga Horária p/ teoria: 20%

Objetivos:
• Geral: Abordar as situações freqüentes em clínica médica, integrando
conhecimentos, habilidades psicomotoras e atitudes em benefício dos pacientes.
Específicos: Espera-se que esta unidade curricular possibilite ao estudante:
• desenvolvimento do raciocínio clínico e a responsabilidade profissional em relação
ao paciente.
• Conhecer a fisiopatologia, diagnóstico clínico e utilização de exames subsidiários nas
síndromes clínicas mais freqüentes que acometem adultos
• avaliar a relação custo-benefício dos principais exames subsidiários e relacionar as
alterações observadas com o estado clínico do paciente
• estabelecer adequada relação médico-paciente
• auto-aprendizagem, de forma crítica, tendo o saber emergente, baseado em
evidências científicas

Ementa:
Doenças prevalentes do adulto. Fisiopatologia, diagnóstico, tratamento de pacientes adultos.
Relação médico-paciente. O paciente e seu contexto social, cultural e familiar.

Conteúdo Programático Teórico


• Hipertensão arterial
• Diabete mellitus
• Endocrinopatias – Hiper e Hipotiroidismo
• Insuficiência coronariana
• Artropatias
• Avaliação nutricional do adulto
• Insuficiência renal
• Distúrbios vasculares
• Nefrites
• Cardiopatias
• Calculose renal
• Pneumonia
• Hepatites virais
• Insuficiência cardíaca
• Laboratório clínico

120
121
Metodologia de Ensino Utilizada – atividades desenvolvidas para grupos de 13 a 15
estudantes (rodízio durante todo o ano)
1) Assistência a pacientes internados em enfermaria geral de adultos – evolução clínica em
prontuário e prescrição, sob supervisão de professor/preceptor
2) Assistência a pacientes de ambulatório geral de clínica médica do HSP – realização de
consulta sob supervisão de professor/preceptor
3) Aulas teóricas e Seminários
4) Discussões de casos clínicos, visitas diárias realizadas por professor/preceptor
Recursos Instrucionais Necessários
Prática
Recursos materiais/equipamentos/Área física
• Leitos de enfermaria – 1 leito para cada estudante
• Recursos de diagnóstico e terapêutica compatível com o perfil assistencial desta
enfermaria
• 10 consultórios de ambulatório
Recursos humanos
Professores – 1 professor para visita diária à enfermaria; 1 professor/grupo de 4 alunos para
o ambulatório; recurso humanos para assistência aos pacientes (enfermagem, técnicos, etc)

Teórica
Área física/equipamentos/materiais
• Anfiteatro
• Multimídia
Recursos humanos
Aulas/seminários: 1 professor/aula ou seminário

121
122
Avaliação
Avaliação diagnóstica: aplicação de pré-teste no início do primeiro dia de estágio e de pós-
teste na última semana, sem valor para atribuição de desempenho escolar. Cada aluno
deverá apresentar um relatório sucinto de suas atividades durante o estágio, com no
máximo de duas páginas, comentando aspectos gerais e outros específicos dos plantões,
acompanhamento da rotina numa enfermaria e procedimentos realizados. Ao final do
estágio será realizada uma reunião de avaliação global. Avaliação formativa / somativa:
Será realizada em dois níveis:
Individual:
1) Verificação do desempenho do estudante no decorrer do estágio: atitudes, assiduidade,
pontualidade, apresentação pessoal, interação respeitosa com o paciente, relacionamento
interpessoal com os colegas e outros profissionais de saúde, interesse em aprender (30
pontos);
2) Verificação do desempenho do estudante na apresentação e discussão de casos
atingidos nas enfermarias, valorizando o domínio de habilidades de obtenção de
informações relevantes, análise dos dados, geração de hipóteses e síntese de informações,
bem como a capacidade de tomar decisões diagnosticas, terapêuticas ou educacionais
eticamente orientadas que visem o bem-estar do paciente e que estejam fundamentadas
em informações válidas, úteis e atualizadas (10 pontos)
3) Verificação do desempenho durante as visitas de apresentação de novos pacientes ou de
evolução, levando em consideração critérios como interesse em resolver o problema do
paciente, qualidade dos dados obtidos, raciocínio clínico, sagacidade e respeito ao paciente
(20 pontos).
4) Apresentação de dossiê com relato de caso clínico acompanhado na enfermaria: Deve
ser elaborado seguindo o padrão dos “case records” do New England Journal of Medicine
(30 pontos).
Grupal: Freqüência, envolvimento e nível de cooperação do grupo nas diversas atividades
coletivas + preenchimento atualizado do “Painel das Enfermarias de Clínica Médica” (10
pontos).

O conceito final representará a somatória do conhecimento cognitivo adquirido durante o


período de estágio, avaliado por meio de prova dissertativa, e demais itens.

122
123
Bibliografia:
Básica
Bouchier IAD, Ellis H, Fleming PR, French’s Diagnóstico Diferencial em Clínica Médica. 13ª
ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2002

Braunwald E, Fauci AS, Kasper DL, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Harrison’s
Principles of Internal Medicine. 15ª ed. New York: McGraw-Hill professional, 2001

Goldman L, Ausiello D. Cecil - Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. São Paulo: Editora
Elsevier, 2005.

Frisoli AJ, Lopes AC, Amaral JL, Ferraro JR, Blum VR. Emergências: Manual de Diagnóstico
e Tratamento. 2ª ed. São Paulo: Sarvier, 2000.

Borges DR, Hotshild JA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Artes Médicas, 2005.

Tierney LM, McPhee SJ, Papadakis MA.Current Medical Diagnosis & Treatment 2003. – 42ª
ed. New York: Lange Medical Books/McGraw-Hill, 2003

Complementar:
1. Revistas médica impressas ou eletrônicas: British Medical Journal (www.bmj.com),
New England Journal Medicine (www.nejm.org); Revistas do Scielo (www.scielo.org)
; Revistas gratuitas em inglês (www.freemedical.com )
2. Sítios com informações em saúde: www.medicalstudent.com
3. Sítios de busca geral: www.google.com / www.northernlight.com
4. Sítios de busca médica: www.pubmed.gov ; www.bvs.br; www.hon.ch/MedHunt
Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
(horas
semanais)
Antonio Carlos Lopes Medicina Professor Titular 40
Ary de Andrade Jr. Medicina Professor 40
Assistente
Carlos Alberto Reis Freire Medicina Professor 40
Adjunto

123
124

Unidade curricular: Doenças Infecciosas e Parasitárias


Professor Responsável: Antônio Carlos Contato: 5576 4094
Pignatari
Ano Letivo: 4ª série Semestre: 2º semestre
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina - Disciplina de Doenças Infecciosas
e Parasitárias
Carga horária total: 40 horas
Carga Horária p/ prática: 0% Carga Horária p/ teoria: 100%

Objetivos
Geral: Discutir os mecanismos da interação hospedeiro – parasita e aspectos relacionados
à prevenção, diagnóstico e tratamento das principais doenças infecciosas em nosso meio
Específicos: Espera-se que esta unidade curricular propicie ao estudante:
• Conhecer a etiologia, epidemiologia, quadro clínico e diagnóstico das principais doenças
infecciosas do adulto e em pediatria em nosso meio.
• Conhecer princípios gerais das imunizações e outros meios de prevenção das principais
doenças infecciosas do adulto e em pediatria em nosso meio.
• Conhecer princípios gerais do uso de antimicrobianos
• Conhecer princípios relacionados ao risco profissional e notificação de doenças
transmissíveis
Ementa
Interação hospedeiro – parasita. Imunizações. Principais endemias brasileiras. Anamnese e
exame clínico em doenças infecciosas. Diagnóstico laboratorial. Uso de antimicrobianos.
Epidemiologia hospitalar. Risco profissional. Notificação de doenças transmissíveis.
Conteúdo Programático
• Infectologia para o século XXI
• Interação hospedeiro – parasita
• Febre
• Doenças exantemáticas infecciosas
• Febres hemorrágicas, Dengue
• Síndrome da imunodeficiência adquirida
• Meningites, sepsis, malária
• Leptospirose
• Difteria
• Raiva
• Malária
• Tétano
• Tuberculose
• Leishmanioses
• Princípios gerais de Imunização
• Diagnóstico laboratorial em doenças infecciosas
• Principais endemias brasileiras
• Princípios gerais do uso de antimicrobianos
• Epidemiologia hospitalar
• Risco profissional
• Notificação de doenças transmissíveis

124
125
Metodologia de Ensino Utilizada
Aulas teóricas para turma toda (110 a 120 estudantes)
Recursos Instrucionais Necessários
• Anfiteatro
• Multimídia
Recursos humanos
Professores – 1 professor/aula
Avaliação
• Freqüência
• Prova ao final da unidade curricular
Bibliografia
Básica
Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. São Paulo: Editora Artes Médicas, 22ª
ed, 2005.

Carvalho ES, Carvalho WB. Terapêutica e Prática Pediátrica. Editora Atheneu, 2ª ed, 2000.

Complementar
• Goldman L, Ausiello D. Cecil - Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. São Paulo: Editora
Elsevier, 2005.

• Farhat CK, Carvalho ES, Weckx LY, Carvalho LHF, Succi RCM. Imunizações –
Fundamentos e Prática. 4ª ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2000.
Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
(horas
semanais)
Antonio Carlos Pignatari Medicina Livre-docente 40
Adauto Castelo Filho Medicina Doutor 40
Ana Cristina Gales Medicina Doutor 40
Arary da Cruz Tiriba Medicina Livre-docente Aposentado
Arnaldo Lopes Colombo Medicina Livre-docente 40
Carlos Alberto Pires Pereira Medicina Doutorado 40
Celso Francisco Hernandes Granato Medicina Livre-docente 40
David Salomão Lewi Medicina Doutor 40
Eduardo Alexandrino Servolo de Medicina Livre-docente 40
Medeiros
Esper Georges Kallas Medicina Doutor 40
Gilberto Turcato Júnior Medicina Doutor 40
José Carlos Longo Medicina Doutor Aposentado
Katsumi Osiro Medicina Preventiva Especialista 40
Luci Correa Medicina Preventiva Doutor 40
Marcelo Nascimento Burattini Medicina Preventiva Livre docente 40
Otelo Rigato Júnior Medicina Preventiva Doutor 40
Reinaldo Salomão Medicina Preventiva Livre docente 40
Ricardo Sobhie Diaz Medicina Preventiva Livre docente 40
Sérgio Barsanti Wey Medicina Preventiva Livre docente 40
Nancy Cristina Junqueira Bellei Medicina Preventiva Doutor 40

125
126

Unidade curricular: Medicina Forense


Professor Responsável: Contato:
Marcos de Almeida Fone 5576-4614 |
marcosal@patologia.epm.br
Ano Letivo: 4ª série Semestre: 1º e 2º semestres
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Patologia
– Disciplina de Anatomia Patológica Geral, Sistêmica,
Forense e Bioética
Carga horária total: 20 horas
Carga Horária p/ prática: 0% Carga Horária p/ teoria: 100%

Objetivos
Geral:
• Propiciar aos estudantes noções básicas a respeito das questões médicas de interesse
da Justiça
Específicos: Espera-se que esta unidade curricular possibilite ao estudante:
• Conhecer os principais métodos de identificação antropológica
• Reconhecer os métodos para identificação de causas de morte
• Conhecer documentos médico-legais
• Conhecer a legislação médico-legal

Conteúdo Programático:
• Introdução à Medicina Legal.
• Identificação antropológica
• Identificação judiciária
• Asfixias médico-legais
• Lesões por arma de fogo
• Energias físicas mecânicas
• Energias fís icas não-mecânicas: temperatura, eletricidade, radiações
• Criminologia e psicopatologia forense
• Cronotanatognose e reação vital
• Documentos médico-legais: atestados, laudos e pareceres
• Estudo médico-legal do Artigo 129 do Código Penal Brasileiro e seus parágrafos
• Estudo médico-legal do DNA
• Perícias e peritos
• Sexologia forense: aborto e infanticídio
• Sexologia forense: sedução, fraude e estupro
• Tanatologia: fenomenologia cadavérica

Ementa: Introdução à Medicina Legal. Identidade por meios biológicos (antropométricos,


médicos, laboratoriais). Identificação judiciária. Asfixias médico-legais. Estudo da
fisiopatologia das alterações da dinâmica respiratória e das modificações do meio
ambiente.

Metodologia de Ensino Utilizada - atividades desenvolvidas para meia turma (55 a 60


estudantes)
Aulas informativas com projeção de imagem de casos reais e discussão sobre os
mesmos.
Cenários: Salas de aula, anfiteatros.

126
127

Recursos Instrucionais Necessários


Equipe de suporte administrativo (Secretaria). Anfiteatros. Multimídia.

Avaliação
Elaboração de monografias versando sobre os pontos do programa em que os alunos são
estimulados a expressar suas próprias opiniões.

Bibliografia
Almeida M. Erros fundamentais em tanatologia. Arq. Med. ABC 1981;4:11-13

Derobert L. Mèdicine legale. 1ª ed. Paris: Ed. Flamarion Medicine – Sciences, 1974

Carvalho HV, Segre M, Meira AR, Almeida M. 1ª ed. Compêndio de Medicina Legal. São
Paulo: Ed. Saraiva, 1987

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
Trabalho
Horas
semanais)
Marcos de Almeida Patologia Livre-docente Prof.
aposentado
Henrique Caivano Soares Patologia Doutor 40
Jonas de Almeida Brito Patologia Mestre 20
Aline Paiva Patologia Mestre 20

127
128

Unidade Curricular: Medicina de Urgência , Medicina Interna baseada em evidências


Professor Responsável: Eurico Adonias Contato: eamagosso.dmed@epm.br
Magosso Eurico.magosso@terra.com.br
Ano Letivo: 4ª série
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina – Disciplina de Emergências e
Medicina Baseada em Evidências
Carga horária total: 45 horas
Carga Horária p/ prática: 80% Carga Horária p/ teoria: 20%

Objetivos
Geral
• Integrar o aprendizado baseado na solução de problemas (APB) com base nas melhores
evidências científicas existentes.
Específicos: Espera-se que esta unidade curricular possibilite ao estudante:
• Conhecer os aspectos básicos da Medicina Baseada em Evidências em contexto
essencialmente prático.
• Identificar os problemas clínicos nos temas mais freqüentes em clinica médica e
emergência.
Ementa
Aprendizagem baseada em problemas (APB), considerando as melhores evidências
científicas existentes em relação às doenças mais freqüentes na clínica do adulto.
Conteúdo Programático
• Medicina Baseada em Evidências
• Conceitos gerais e aplicabilidade
• Pesquisa em sites da internet.
• Revisão sistemática da literatura
• Avaliação crítica da literatura
• Colaboração Cochrane
.

128
129
Metodologia de Ensino Utilizada - atividades desenvolvidas para grupos de 13 a 15
estudantes (rodízio durante todo o ano).

Medicina baseada em evidências, revisão sistemática da literatura e colaboração Cochrane.


Discussões no modelo APB clássico com os sete passos, atuando o professor apenas como
tutor. Discussões após divisão do grupo em sub-grupos para atendimento de pacientes sob
orientação de docentes e definição de objetivos da aprendizagem seguida de estudo dos
assuntos para retorno em aula na semana seguinte.

Recursos Instrucionais Necessários


Sala de aula, computador com acesso à Internet. Multimídia
Consultórios médicos.

Avaliação
É realizada pelos docentes em observação direta do comportamento, participação, interesse
e habilidades dos alunos. Prova dissertativa semanal e no final do módulo.

Bibliografia Básica

Básica
Atallah AN. Avaliação crítica da literatura. In: Atallah AN, Castro AA (ed). Medicina baseada
em evidências: fundamentos da pesquisa clínica. 1ª ed. São Paulo: Lemos Editorial, 1998.

Cochrane Library – www.bireme.br/cochrane

Sackett DL, Richardson S, Rosemberg W, Haynes RB. Evidence-Based Medicine: How to


Practice end Teach EBM. 1ª ed. London: Churchill Livingstone, 2002

Complementar
Braunwald E, Fauci AS, Kasper DL, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Harrison’s
Principles of Internal Medicine. 15ª ed. New York: McGraw-Hill professional, 2001

Goldman L, Ausiello D. Cecil - Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. São Paulo: Editora
Elsevier, 2005.

Borges DR, Hotshild JA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Artes Médicas, 2005.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho (horas
semanais)
Álvaro Nagib Atallah Medicina Livre-docente 40
Eurico Adonias Magosso Medicina Mestre 40
Virginia Fernandes Moça Trevisani Medicina Doutor TA/40
Wilson Roberto Catapani Medicina Especialista TA/40
Bernardo Garcia de Oliveira Soares Medicina Especialista TA/40
Jairo Roberto Ferreira Junior Medicina Especialista TA/40
TA – técnico-administrativo

129
130

Unidade curricular: Atenção integral á saúde da mulher e da criança


Professor Responsável: Eleonora Contato:eleonora@medprev.epm.br
Menicucci de Oliveira
Ano Letivo: 4ª série Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Obstetrícia; Departamento de Ginecologia;
Departamento de Medicina Preventiva – Disciplinas de Ciências Humanas em Saúde e Nutrição;
Departamento de Psquiatria – Disciplina de Psicologia Médica; Departamento de Pediatria –
Disciplinas de Pediatria Geral e Comunitária, Infectologia Pediátrica e Nutrologia
Carga horária total: 160 horas
Carga Horária p/ prática: 30% Carga Horária p/ teoria: 70%
Objetivos
Geral:
Formar o estudante para uma atuação na atenção básica de saúde (SUS) com abordagem
interdisciplinar e integral na área da saúde da mulher e da criança
Específicos: Espera-se que esta unidade curricular possibilite ao estudante
• o atendimento individual da mulher e da criança com aprendizado em anamnese e exame
físico, formulações de hipóteses diagnósticas e condutas adequadas
• compreender o papel da assistência individual da mulher e da criança na Saúde
Comunitária
• desenvolver a relação médico-paciente
• entendimento dos princípios básicos sobre alimentação e nutrição e embasamento teórico-
prático para o diagnóstico e intervenções nutricionais voltadas para os indivíduos e para
populações
• o reconhecimento da adequação da organização dos serviços às necessidades de saúde da
população.
Ementa
Assistência à saúde da criança, da mulher e à gestante em unidade básica de saúde.
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança. Doenças mais freqüentes em
pediatria. Programa de saúde da mulher. Prevenção do câncer ginecológico e de mama.
Planejamento familiar. Pré-natal normal. Intercorrências mais freqüentes no pré-natal. Principais
problemas nutricionais. Relação médico-paciente. A unidade básica de saúde e Sistema Único de
Saúde.

130
131
Conteúdo Programático:
Obstetrícia
• Anamnese em obstetrícia e diagnóstico de gravidez.
• Assistência Pré Natal.
• Semiologia Obstétrica: inspeção, palpação, ausculta, toque e exame especular.
• Exames subsidiários e interpretação na rotina pré-natal e identificação das principais
intercorrências clínicas
• Ultra-som de rotina no Pré-natal sem intercorrências.
• Planejamento familiar.
• Fisiologia da lactação e aleitamento materno.
Ginecologia
• Propedêutica ginecológica
• Rastreamento de Neoplasias
• Corrimento Genital
• Distopias
• Leiomioma Uterino
Saúde Coletiva
• O Centro de Saúde no âmbito do distrito de saúde e do SUS.
• Prioridades em saúde integral da mulher, criança e adolescente.
• Direitos reprodutivos e sexuais.
• Abordagens às mulheres vítimas de violência sexual.
• Criança como sujeito de direitos e história social da criança.
Psiquiatria
• Relação médico-paciente
• Aspectos psicossociais do paciente
Nutrição
• Perfil da nutrição e saúde da mulher, criança e adolescente e seus determinantes.
• Avaliação nutricional e alimentar da gestante adulta e adolescente; da nutriz e da mulher
no climatério.
• Aleitamento materno, aleitamento artificial e desmame.
• Alimentação do pré-escolar e escolar.
• Perfil de nutrição e saúde da população infantil e seus determinantes. Alimentação da
criança: intervenção na obesidade, desnutrição e anemia ferropriva.
Pediatria
• Consulta pediátrica
• Crescimento e Desenvolvimento infantil
• Imunizações.
• A criança vitimizada.
• Acidentes na infância
• Parasitoses intestinais.
• Dermatoses.
• Doenças exantemáticas.
• Icterícia neonatal.
• Infecção de Vias aéreas superiores
• AIDS na infância
• Anemia carencial
• Meningites
• Alimentação do pré-escolar e escolar.
Gerontologia
• Epidemiologia funcional da mulher.

131
132
Metodologia de Ensino Utilizada - atividades desenvolvidas para grupos de 13 a 15
estudantes (rodízio durante todo o ano).

Aulas teóricas com discussão de casos atendidos no Centro de Saúde e aulas práticas que
constam de atendimento no Centro de Saúde Vila Mariana. Os temas de saúde coletiva e
psicologia médica buscam trazer discussões relacionadas às práticas.
Cenários: salas de aula, Centro de Saúde V. Mariana

Recursos Instrucionais Necessários


Multi-mídia e todos os necessários para uma consulta em unidades de saúde de atenção
básica

Avaliação
Avaliação se dá de forma integrada em dois momentos: um primeiro onde os/as estudantes
apresentam um caso com diagnóstico e conduta para ser discutido com todas os professores
responsáveis pelas disciplinas do módulo: num segundo momento, eles respondem
individualmente a uma avaliação elaborada em conjunto por todos os professores .
Critérios de avaliação: Participação e interesse demonstrados nas atividades práticas e
teóricas. A nota final é a média das duas notas.

132
133
Bibliografia Básica
Morais MB, Campos SO, Silvestrini WS. Guias de Medicina Ambulatorial/Unifesp – Pediatria.
1ª ed. Barueri. Editora Manole, 2005.

Baracat EC, Lima GR. Guias de Medicina Ambulatorial/Unifesp – Ginecologia. 1ª ed. Barueri.
Editora Manole, 2004.

Camano L. Guias de Medicina Ambulatorial/Unifesp – Obstetrícia. 1ª ed. Barueri. Editora


Manole, 2003

Lopes FA, Brasil AD. Nutrição e Dietética em Clínica Pediátrica. 1ª ed. São Paulo: Editora
Metha, 2003

Borges DR, Hotshild JA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Artes Médicas, 2005.

Nóbrega FJ. Distúrbios da Nutrição. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Revinter, 1998

Accioly E, Sandres C, Lacerda EMA. Nutrição em Obstetrícia e Pediatria. São Paulo: Cultura
Médica, 2002

Ministério da Saúde. PAISC – Programa de Atenção Integral à Saúde da Criança – Ministério


da Saúde, 1995

Ministério da Saúde. PAISM – Programa de Atenção Integral à Saúde da Mulher – Ministério


da Saúde,1985

Filho JM. Psicossomática Hoje. Porto Alegre: Ed. Artmed,1992

Complementar

Ramos LR. Fatores determinantes do envelhecimento saudável em idosos residentes em


centros urbanos: Projeto Epidoso. Cad Saúde Pública 2003;19:793-8

Ramos LR, Toniolo J. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp – Geriatria e


Gerontologia. 1ª ed. Barueri: Editora Manole, 2005

Oliveira EM. Os serviços de atendimento às mulheres vítimas de violência sexual: um estudo


qualitativo. Rev Saúde Pública 2005;3:376-82

Sarti AC. A família com ordem simbólica. Revista de Psicologia (USP) 2004;15:11- 28

Mattos R A. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem


ser discutidos. In: Pinheiros R, Mattos RA (org). Os sentidos da integralidade na atenção e no
cuidado à saúde. Rio de Janeiro: Institulo de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio
de Janeiro/Abrasco, 2001

133
134

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho (horas
semanais)
Rufino Domingues Obstetrícia Mestre 40
Rita de Cássia Coelho de Medicina Especialista TA/40
Almeida Akutsu Preventiva
Edina Mariko Koga da Pediatria Doutor DE
Silva

Maria Wany Louzada Pediatria Doutor TA/40


Strufaldi
Rosinha Yoko Pediatria Especialista TA/40
Matsubayaci Morishita
Maria Arlete M Schimidt Pediatria Doutor TA/40

Eliana Tiemi Hayama Medicina Especialista TA/40


Preventiva
Luiz Roberto Ramos Medicina Livre-docente 40
Preventiva
Vera B. Zimmerman Psiquiatria Doutor TA/40
Eleonora Menicucci Medicina Livre-docente DE
Oliveira Preventiva
João Paulo Sartori Ginecologia Doutor 40
Wilson Maciel Pediatria Doutor Prof. aposentado
Mary Lise Moyses Pediatria Especialista Prof. aposentada
Silveira
Antonio Vladir Iazzeti Pediatria Doutor 40
Regina Célia Succi Pediatria Doutor 40
Lily Yin Weckx Pediatria Doutor 40
Maria Aparecida G. Pediatria Mestre TA/ 20
Ferrarini

134
135

Unidade curricular: Bases da Medicina por sistemas e aparelhos: Tegumentar


Professor Responsável: Sergio Yamada Contato: Valdir (Ass. Administrativo)
Ano Letivo: 4ª série Semestre: 1º e 2º semestre
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Dermatologia; Departamento de Cirurgia –
Disciplina de Cirurgia Plástica; Departamento de Patologia
Carga horária total: 160 horas
Carga Horária p/ prática: 80% Carga Horária p/ teoria:20%
Objetivos
Geral – propiciar conhecimentos que permitam o conhecimento das doenças tegumentares e
iniciar os estudantes na prática de pequenos procedimentos.
Específicos – Espera-se que esta unidade curricular possibilite ao estudante
- capacidade de diagnosticar as doenças mais freqüentes, importantes na formação do
médico generalista.
- Conhecer doenças de interesse maior para o especialista, mas que devem fazer parte
da cultura médica do generalista.
- Conhecer os princípios básicos para pequenos procedimentos (crioterapia, biópsia de
pele e pequenas cirurgias)
-
Ementa
Semiologia dermatológica. Fisiologia da cicatrização. Curativos e pequenas cirurgias. Doenças
infecciosas e parasitárias em Dermatologia. Doenças inflamatórias. Tratamento clinico e
cirúrgico.

135
136
Conteúdo Programático

Dermatologia:
• Doenças bolhosas
• Farmacodermias
• Dermatoses eritemato-escamosas
• Micoses superficiais
• Testes de contato
• Nevos e melanoma
• Dermatoviroses
• Hanseníase
• Dermatoses parasitarias
• Leishmaniose
• Colagenoses
• Propedêutica dermatológica
• Doenças Sexualmente Transmissíveis
• Dermatoses inestéticas
• Piodermites
• CBC e CBA
• Eczemas – atópico e de contato
• Fotoproteção
• AIDS
• Histologia das lesões pigmentadas

Cirurgia Plástica:
• Transplantes de pele: enxertos e retalhos
• Cicatrização de feridas
• Queimaduras: tratamento geral local
• Trauma de faces
• Cirurgias
• Princípios gerais das neoplasias/melanoma
• Princípios gerais de técnicas em cirurgia plástica
• Pequenas Cirurgias
Metodologia de Ensino Utilizada - atividades desenvolvidas para grupos de 13 a 15
estudantes (rodízio durante todo o ano).
Aulas teórico-práticas (em anfiteatro – 1 professor): com imagens para abordar os temas mais
extensos.
Discussão de casos clínicos (em anfiteatro): casos clínicos previamente projetados
acompanhados da história clínica são discutidos com a finalidade de desenvolver o raciocínio
dermatológico a partir dos conhecimentos de semiologia, formular hipóteses diagnósticas,
solicitar exames complementares e sugerir tratamento.
Seminários (em anfiteatro – 1 professor): os estudantes preparam, discutem e apresentam os
temas e supervisionados por um docente.
Aulas práticas (em anfiteatros, ambulatório, laboratório ou sala cirurgia ou sala cirúrgica – 2
professores): pacientes selecionados são avaliados pelos estudantes e posteriormente os
casos são discutidos com o professor. São demonstrados exames micológicos diretos e
parasitas conservados em formalina. Na Na Cirurgia Plástica os estudantes têm contato com
cirurgias ambulatoriais e com cirurgias maiores em centro cirúrgico.
Nas aulas são utilizados diapositivos, data-show e microscópio.
Recursos Instrucionais Necessários:
Humanos – professores, médicos e pessoal de apoio da instituição.
Material – anfiteatro, unidade de queimados, sala s cirúrgicas e laboratórios, data-show,
microscópio de 2 cabeças, projetor de diapositivos.

136
137
Avaliação
Uma prova ao final do módulo na Cirurgia Plástica e uma na Dermatologia
Acompanhamento do estudante no decorrer do módulo, considerando interesse, participação,
habilidades e atitudes
Nota dos seminários de casos

Bibliografia Básica
Wilkinson DS, Rook AJ. Textbook of Dermatolgy. UK: Blackwell Science, 1998.

Ferreira LM. Manual de Cirurgia Plástica. 1ª ed. São Paulo: Editora Atheneu, 1995

Complementar
Goldman L, Ausiello D. Cecil - Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. São Paulo: Editora
Elsevier, 2005.

Borges DR, Hotshild JA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Artes Médicas, 2005.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
(horas
semanais)
Adriana Porro Dermatologia Doutor 40
Alice Alchorne Dermatologia Livre Docente 40
Ediléia Bagatin Dermatologia Doutor 40
Enilde Borges Dermatologia Mestre 20
Fernando Almeida Dermatologia Doutor 40
Jane Yamashita Dermatologia Doutor 40
Marília Ogawa Dermatologia Mestre 40
Mauro Enokihara Dermatologia Doutor 40
Maurício Alchorne Dermatologia Livre-Docente 40
Mônica Vasconcelos Dermatologia Mestre 40
Osmar Rotta Dermatologia Doutor 40
Sergio Talarico Filho Dermatologia Mestre 20
Sergio Yamada Dermatologia Mestre 40
Silmara Cestari Dermatologia Doutor 60
Valeria Petri Dermatologia Livre-docente 40
Nilceo Michalany Patologia Mestre 40
Lydia Masako Ferreira Cirurgia Livre-Docente 40
Dulce Maria Martins Cirurgia Doutor 40
Luiz Eduardo Abla Cirurgia Doutor 20
Roberto R.Ramos Cirurgia Doutor 40
Max Domingues Cirurgia Doutor 40
Ivan D. A. O. Santos Cirurgia Doutor 40
Helton Traber de Castilho Cirurgia Doutor 40
Renato S. de Oliveira Fº Cirurgia Doutor 20
Fabio Xerfan Nahas Cirurgia Doutor 20
Heitor F.G. de Carvalho Cirurgia Doutor 40
Miguel Sabino Neto Cirurgia Doutor 20

137
138

Unidade curricular: Medicina Forense


Professor Responsável: Contato:
Marcos de Almeida Fone 5576-4614 |
marcosal@patologia.epm.br
Ano Letivo: 4ª série Semestre: 1º e 2º semestres
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Patologia
– Disciplina de Anatomia Patológica Geral, Sistêmica,
Forense e Bioética
Carga horária total: 20 horas
Carga Horária p/ prática: 0% Carga Horária p/ teoria: 100%

Objetivos
Geral:
• Propiciar aos estudantes noções básicas a respeito das questões médicas de interesse
da Justiça
Específicos: Espera-se que esta unidade curricular possibilite ao estudante:
• Conhecer os principais métodos de identificação antropológica
• Reconhecer os métodos para identificação de causas de morte
• Conhecer documentos médico-legais
• Conhecer a legislação médico-legal

Conteúdo Programático:
• Introdução à Medicina Legal.
• Identificação antropológica
• Identificação judiciária
• Asfixias médico-legais
• Lesões por arma de fogo
• Energias físicas mecânicas
• Energias físicas não-mecânicas: temperatura, eletricidade, radiações
• Criminologia e psicopatologia forense
• Cronotanatognose e reação vital
• Documentos médico-legais: atestados, laudos e pareceres
• Estudo médico-legal do Artigo 129 do Código Penal Brasileiro e seus parágrafos
• Estudo médico-legal do DNA
• Perícias e peritos
• Sexologia forense: aborto e infanticídio
• Sexologia forense: sedução, fraude e estupro
• Tanatologia: fenomenologia cadavérica

Ementa: Introdução à Medicina Legal. Identidade por meios biológicos (antropométricos,


médicos, laboratoriais). Identificação judiciária. Asfixias médico-legais. Estudo da
fisiopatologia das alterações da dinâmica respiratória e das modificações do meio
ambiente.

Metodologia de Ensino Utilizada - atividades desenvolvidas para meia turma (55 a 60


estudantes)
Aulas informativas com projeção de imagem de casos reais e discussão sobre os
mesmos.
Cenários: Salas de aula, anfiteatros.

138
139

Recursos Instrucionais Necessários


Equipe de suporte administrativo (Secretaria). Anfiteatros. Multimídia.

Avaliação
Elaboração de monografias versando sobre os pontos do programa em que os alunos são
estimulados a expressar suas próprias opiniões.

Bibliografia
Almeida M. Erros fundamentais em tanatologia. Arq. Med. ABC 1981;4:11-13

Derobert L. Mèdicine legale. 1ª ed. Paris: Ed. Flamarion Medicine – Sciences, 1974

Carvalho HV, Segre M, Meira AR, Almeida M. 1ª ed. Compêndio de Medicina Legal. São
Paulo: Ed. Saraiva, 1987

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
Trabalho
Horas
semanais)
Marcos de Almeida Patologia Livre-docente Prof.
aposentado
Henrique Caivano Soares Patologia Doutor 40
Jonas de Almeida Brito Patologia Mestre 20
Aline Paiva Patologia Mestre 20

139
140

Unidade curricular: Bases da Medicina por Sistemas e aparelhos – Cardiologia e Cirurgia


Cardiovascular
Professor Responsável: Contato: 5576-4127
Cláudio Cirenza
Ano Letivo: 4ª série Semestre: 1o e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina – Disciplinas de Cardiologia;
Departamento de Cirurgia – Disciplinas de Cirurgia Cardíaca, Vascular, Anestesiologia;
Departamento de Diagnóstico por Imagem; Departamento de Patologia – Disciplina de Anatomia
Patológica Investigativa
Carga horária total: 160h
Carga Horária p/ prática: 20% Carga Horária p/ teoria: 80%
Objetivos

Geral:
• Prover conhecimentos teóricos e práticos sobre as doenças do aparelho cardiovascular
abordando aspectos etiológicos, fisiopatológicos, epidemiológicos e de história natural.
Desenvolver raciocínio clínico para o diagnóstico das principais síndromes do sistema
c[ardio-vascular.

Específicos: Espera-se que esta unidade curricular propicie ao estudante


• Conhecimento sobre a etiopatogenia, fisiopatologia e história natural das mais
prevalentes doenças do aparelho cárdio-circulatório;
• Desenvolver habilidades para reconhecimento em sinais e sintomas provocados pelas
doenças desse sistema.

Ementa
Propedêutica cárdio-vascular. Diagnóstico e Fisiopatologia das principais doenças cardíacas no
adulto e na criança.

Conteúdo Programático
• Propedêutica cárdio-vascular
• Fisiopatologia e diagnóstico da insuficiência cardíaca
• Fisiopatologia e diagnóstico da insuficiência coronária
• Tratamento da insuficiência coronária
• Angioplastia
• Urgências cardíacas
• Eletrocardiograma

Metodologia de Ensino Utilizada - atividades desenvolvidas para grupos de 13 a 15


estudantes (rodízio durante todo o ano)
Aulas teóricas, teórico-práticas e discussões de casos clínicos; Cenários: salas de aulas,
enfermaria, ambulatório, Laboratório de fisiopatologia, Centro Alfa de habilidades

Recursos Instrucionais Necessários


Docente. Anfiteatros. Multimídia.

Avaliação:
Baseada em três critérios:
1) Freqüência: registro da presença do aluno pelos docentes nas atividades.
2) Participação: verificação do interesse e participação do aluno.
3) Prova teórica: dissertativa

140
141
Bibliografia Básica:

Stefanini E. Manual de Urgências em Cardiologia. São Paulo: EPM. 1ª ed. São Paulo: Editora de Projetos
Médicos, 2001. 224p.

Ferreira C, Povoa R. Cardiologia para o Clínico Geral. 1ª edição. São Paulo: Atheneu, 1999.
640p.

Braunwald E, Fauci AS, Kasper DL, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Harrison’s Principles of
Internal Medicine. 15ª ed. New York: McGraw-Hill professional, 2001

Goldman L, Ausiello D. Cecil - Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. São Paulo: Editora Elsevier,
2005.

Braunwald E, Fauci AS, Kasper DL, et al. Harrison: Manual de Medicina. 16ª ed. São Paulo:
Editora McGraw-Hill Interamericana do Brasil, 2005. 1087p.

Complementar:

Braunwald E, Libby P, Zipes DP. Heart Disease: A Textbook of Cardiovascular Medicine. 7a ed.
Philadelphia: Editora W. B. Saunders Co, 2003. 2400p.

Docentes Participantes
Origem Titulação
Nome (Departamento) Regime de Trabalho
(horas semanais)
Cláudio Cirenza Medicina Doutor TA/20
Antonio Carlos Carvalho Medicina Livre-docente 40
Bráulio Luna Filho Medicina Livre-docente TA/20
Daniel Born Medicina Doutor TA/40
Dirceu Rodrigues Almeida Medicina Doutor TA/40
Cláudio Henrique Fischer Medicina Doutor TA/20
Edson Stefanini Medicina Doutor TA/20
Célia Maria Camelo Silva Medicina Doutor TA/40
Francisco Antonio H. Fonseca Medicina Livre-Docente TA/40
Japy Angelini Oliveira Filho Medicina Doutor 40
Nabil Mitre Medicina Doutor 40
Nelson Kasinky Medicina Doutor 40
Rui Manuel dos Santos Póvoa Medicina Doutor 40
Valter Correia de Lima Medicina Livre-docente 40
Paulo José F. Tucci Fisiologia Doutor 40
Adagmar Andriolo Medicina Doutor 40
Carlos Alberto Teles Cirurgia Mestre 40
Miguel Angel Maluf Cirurgia Doutor 40
Guilherme Flora Vargas Cirurgia Mestre 40
Fausto Miranda Junior Cirurgia Doutor 40
Jorge Eduardo de Amorim Cirurgia Doutor 40
José Carlos C.B. da Silva Cirurgia Doutor 40
Maria del Carmen Janeiro Cirurgia Doutor 40
Perez
Newton de Barros Jr. Cirurgia Doutor 40
Wellington Gianoti Lustre Cirurgia Mestre 40
José Luiz Gomes do Amaral Cirurgia Livre-docente 40
Maria Regina Regis Silva Patologia Doutor DE

141
142
Reynaldo Tavares Rodrigues DDI Mestre 40
Daniel Bekhor DDI Mestre TA/20
André Luiz de Rezende DDI Especialista 20
Mário Luiz Vieira Castiglioni DDI Mestre TA/20

TA – técnico-administrativo

142
143

Unidade curricular: Bases da Medicina por sistemas e aparelhos - Digestório


Professor Responsável: Contato: valdir@gastro.epm.br
Stephan Geocze
Ano Letivo: 4ª série Semestre: 1º /2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina – Disciplina de Gastroenterologia
Clínica; Departamento de Patologia - Disciplina de Anatomia Patológica; Departamento de
Cirurgia - Disciplinas de Gastroenterologia Cirúrgica; Cirurgia Pediátrica; Departamento de
Diagnóstico por Imagem; Departamento de Pediatria – Disciplina de Gastroenterologia
Pediátrica
Carga horária total: 160h
Carga Horária p/ prática: 20% Carga Horária p/ teoria: 80%

Objetivos
Geral: conhecer a fisiopatologia, diagnóstico das principais doenças em gastroenterologia
clínica e cirúrgica.

Específicos: Espera-se que esta unidade curricular propicie ao estudante:


• capacidade de interagir com todas as ferramentas de informações disponíveis em
gastroenterologia
• estabelecer diagnóstico sindrômico, anatômico e etiológico a partir de dados clínicos
(quadro clínico, conhecimentos de epdemiologia, etiopatogenia e fisiopatologia)
• capacidade para a busca de informações utilizando todos os meios de informação
dentro da área.

Ementa
Doenças do esôfago, estômago, duodeno, pâncreas, vias biliares, fígado, intestinos delgado
e grosso, ânus e paredes abdominais em adultos e crianças. Informações básicas sobre
principais doenças do trato digestório e órgãos anexos (fígado e pâncreas).

143
144
Conteúdo Programático
• Doença do refluxo gástroensofágico
• Esofagites
• Megaesôfago
• Neoplasias do esôfago
• Doença clóridopéptica do estômago e do duodeno
• Gastrites
• Neoplasias do estômago
• Neoplasias do fígado
• Esquistossomose hepato-esplênica
• Hepatites
• Cirrose
• Doença inflamatória intestinal
• Neoplasias do cólon
• Hemorróidas
• Hérnias da parede abdominal
• Abdome agudo
• Atresias do trato gastrico intestinal
• Pancreatites
• Neoplasias do pâncreas e das vias biliares
• Dispepsias
• Doenças do canal anorretal
• Doença celíaca
• Constipação intestinal na criança
• Síndromes de má absorção na infância
• Refluxo gastro-esofágico

Metodologia de Ensino Utilizada - atividades desenvolvidas para grupos de 13 a 15


estudantes (rodízio durante todo o ano).
Aulas teóricas e práticas (enfermaria, ambulatório e laboratórios) ministradas pelos docentes
e seminários desenvolvidos pelos estudantes com supervisão dos docentes.
Cenários: Anfiteatros e salas de aula.

Recursos Instrucionais Necessários


Docentes. Anfiteatros. Multimídia. Enfermaria e ambulatórios. Peças anatômicas.

Avaliação
Prova teórica, em cada disciplina que compõe o módulo.
Prova do módulo: composta de questões de todas as Disciplinas participantes do
Módulo.

144
145

Bibliografia Básica

Goldman L, Ausiello D. Cecil - Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. São Paulo: Editora
Elsevier, 2005.

Borges DR, Hotshild JA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Artes Médicas,
2005.

Morais MB, Campos SO, Silvestrini WS. Guias de Medicina Ambulatorial e


Hospitalar/Unifesp – Pediatria. 1ª ed. Barueri: Editora Manole, 2005.

Brasileiro Filho G. B. Patologia. 4ª ed. Guanabara Koogan, 2004, 1328p.

Mizputen, S. J. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/Unifesp – Gastroenterologia


1ª ed. Barueri: Editora Manole, 2002

Matos D, Saad SS, Fernades LC. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/Unifesp –


Colproctologia. 1ª ed. Barueri: Editora Manole, 2004.

Monnier JP, Tubiana JM. Manual de Diagnóstico Radiológico. 1ª ed. Rio de Janeiro:
Medsi, 1999.

Koch HA. Radiologia na Formação do Médico Geral. 1ª ed. Rio de Janeiro: Revinter, 1997

Maksoud JG. Cirurgia Pediátrica. 2ª ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2003

Martins JL, Cury EK, Pinus J. Temas de Cirurgia Pediátrica. 1ª ed. São Paulo: Editora
Atheneu, 1997.

Pizzo FA, Poplack DG. Principles and practice of pediatric surgery. 2ª ed. Philadelphia:
J.B. Lippincott, 1993.

Complementar

Morais MB, Maffei HV. Constipação intestinal. J Pediatr (Rio J) 2000;76:S148-156.

Andreade JAB, Moreira C, Fagundes-Neto U. Diarréia persistente. J Pediatr (Rio J) 2000;


76:S120-126.

Sdepanian V L, Morais MB, Fagundes-Neto U. Doença Celíaca. Arq Gastroenterol


1999;36:244.

Barbieri D. Doenças inflamatórias intestinais. J Pediatr (Rio J) 2000; 76:S173-182.

Norton RC, Penna FJ. Refluxo Gastroesofágico. J Pediatr (Rio J) 2000;76:S218-224.

Sutton D. A Textbook of Radiology and Imaging. 4ª ed. New York: Churchill Liningstone,
1987.

O’Neill Jr JA, Rowe MI, Grosfeld JL, Fonkalsrud EW, Coran AG. Pediatric Surgery. 5th ed.
St. Louis: Mosby, 1998.

Oldham KT, Colombani PM, Foglia RP. Surgery of infants and children. Philadelphia:
Lippincott-Raven, 1997.

145
146

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho (horas
semanais)
Valéria P. Lanzoni Patologia Doutor 40
Sigmar H. Carvalho Patologia Mestre 40
Nílceo S. Michalany Patologia Mestre 40
Adriano Miziara Gonzalez Cirurgia Doutor TA/40
Alberto Goldenberg Cirurgia Doutor 40
Arsenio Barreira Barrio Cirurgia Mestre TA/40
Artur Berti Ricca Cirurgia Mestre 40
Benedito Herani Filho Cirurgia Doutor 40
Clóvis Massayuki Kobata Cirurgia Mestre 40
Edison Takehiko Yanagita Cirurgia Mestre TA/40
Edson José Lobo Cirurgia Mestre 40
Eleziario Caetano Jr. Cirurgia Mestre TA/40
Elisabeth Deak Cirurgia Mestre TA/40
Fernando Augusto Mardiros Herbella Cirurgia Doutor TA/20
Fernandes
Frans Robert Apodaca Torres Cirurgia Mestre TA/40
Gaspar de Jesus Lopes Filho Cirurgia Livre-Docente 40
José Carlos Del Grande Cirurgia Doutor 40
Laércio Gomes Lourenço Cirurgia Doutor 40
Luis Cesar Fernandes Cirurgia Doutor TA/20
Mara Rita Salum Cirurgia Doutora TA/40
Marcelo Moura Linhares Cirurgia Doutor TA/40
Mariza Helena Prado-Kobata Cirurgia Mestre 40
Milton Scalabrini Cirurgia Mestre 40
Ramiro Colleoni Netto Cirurgia Doutor 40
Rita Maria Moreira Moura Cirurgia Mestre TA/40
Sarhan Sydney Saad Cirurgia Doutor 40
Su Bong Kim Cirurgia Doutor TA/40
Edison de Oliveira Freire Filho Diagnóstico por Imagem Mestre TA/20
George Queiroz Rosas Diagnóstico por Imagem Mestre TA/20
Giusppee D´Ippolito Diagnóstico por Imagem Doutor 40
Jacob Szejnfeld Diagnóstico por Imagem Livre-Docente 40
Marcos Antonio Costacurta Diagnóstico por Imagem Doutor TA/20
Rafael Darahem de Souza Coelho Diagnóstico por Imagem Doutor TA/20
Dejaldo Marcos de Jesus Christofalo Diagnóstico por Imagem Mestre TA/20
Samuel Reibscheid Diagnóstico por Imagem Doutor TA/20
Viviane Vieira Francisco Diagnóstico por Imagem Mestre TA/20
Carlos Alberto Garcia Pediatria Doutor TA/40
Elizabete Kawakami Pediatria Doutor 40
Mauro Batista de Morais Pediatria Livre-Docente 40
Ramiro Anthero de Azevedo Pediatria Doutor 40
Vera Lúcia Sdepanian Pediatria Doutor 40
Edson Khodor Cury Cirurgia Doutor 40
Fábio Luís Peterlini Cirurgia Doutor TA/20
Jaques Pinus Cirurgia Doutor 40
José Luiz Martins Cirurgia Livre-Docente 40
Maris Salete Demuner Cirurgia Doutor TA/20
Sérgio Tomaz Schetini Cirurgia Livre-Docente 40
Simone de C.V. Abib Cirurgia Doutor TA/20
Angelo Paulo Ferrari Jr. Medicina Doutor 40

146
147
Antonio Eduardo B. Silva Medicina Doutor 40
Durval Rosa Borges Medicina Livre-Docente 40
Edison Roberto Parise Medicina Doutor 40
Ermelindo Della Libera Jr. Medicina Doutor TA/20
Frank Shigueo Nakao Medicina Mestre TA/40
Luciana Camacho-Lobato Medicina Doutora 40
Luiz Chehter Medicina Doutor 40
Madelon Morais Medicina Mestre TA/40
Maria Lucia Cadoso Gomes Ferraz Medicina Doutora 40
Maria Rachel da Silveir Rohr Medicina Mestre TA/40
Mario Kondo Medicina Doutor 40
Nora Manoukian Forones Medicina Livre-Docente 40
Orlando Ambrogini Jr. Medicina Doutor TA/40
Renato Dufles Martins Medicina Doutor TA/40
Sender J Mizputen Medicina Doutor 40
Stephan Geocze Medicina Livre-Docente 40
Vinicius Fontanesi Blum Medicina Mestre TA/20

147
148

Unidade curricular: Geriatria


Professor Responsável Contato: 9617-1716
Maysa Seabra Cendoroglo
Ano Letivo: 4ª série Semestre: 2º semestre
Disciplinas participantes Departamento de Medicina – Disciplina de Geriatria e Gerontologia
Carga horária total: 20h
Carga Horária p/ prática: 20% Carga Horária p/ teoria: 80%
Objetivos
Geral:
• Introduzir conceitos e práticas interdisciplinares na atenção integral à saúde do idoso

ESPECÍFICOS:
• avaliar a capacidade funcional do idoso
• conhecer sintomas e sinais de doenças prevalentes no idoso
• conhecer métodos diagnóstico e diagnóstico diferencial em Geriatria
• conhecer aspectos éticos que envolvem a atuação da equipe interdisciplinar,
tratamento e institucionalização
• reconhecer o envelhecimento saudável através de marcadores biopsicossociais
• identificar as alterações do envelhecimento que promovem mudanças na
farmacocinética e farmacodinâmica das drogas
• diferenciar o fatores de risco para as patologias mais prevalentes na 3ª idade

Ementa
Envelhecimento e suas repercussões. O trabalho da equipe multi e interdisciplinar na
atenção ao idoso. Avaliação geriátrica global. Desenvolvimento da anamnese e exame físico
multiprofissional. Diagnóstico diferencial em geriatria.

Conteúdo Programático
• Envelhecimento metabólico e cardiovascular
• Síndrome consuptiva
• Infecção
• Demência
• Depressão
• Delirium
• Quedas
• Farmacodinâmica e farmacocinética
• Avaliação geriátrica global (médica, fisioterápica, fonoaudiológica, psicológica,
nutricional).

Metodologia de Ensino Utilizada – atividades desenvolvidas para meia turma (55 a 60 estudantes)
Anamnese e exame físico geriátrico orientado por preceptores.
Apresentação de caso clínico.
Discussão de caso clínico com equipe multiprofissional.
Preparação de relatório orientado por preceptores.

Recursos Instrucionais Necessários


Anfiteatro. Datashow

Avaliação

148
149
Participação na preparação e discussão de casos clínicos. Relatório escrito.
Bibliografia Básica
Calkins E, Ford AB, Katz PR. Geriatria Prática. 2ª.ed. Rio de Janeiro: Editora Revinter Ltda,
1997.

Forlenza OV, Caramelli P. Neuropsiquiatria Geriátrica. 1a ed. São Paulo: Editora Atheneu,
2000.

Freitas. Tratado de Geriatria e Gerontologia. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara


Koogan, 2002.

Lawton P. Annual Review of Gerontology and Geriatrics, Volume 20, 2000: Focus on the
End of Life: Scientific & Social Issues. Springer Pub Co, 1st edition, vol 20, 2001.

Reuben DB, Yoshikawa TT, Besdine RW (ed). Geriatrics Review Syllabus. 4ª.ed. USA:
Kendall / Hunt Publishing Company, 1999.

Braunwald E, Fauci AS, Kasper DL, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Harrison’s
Principles of Internal Medicine. 15ª ed. New York: McGraw-Hill professional, 2001

Goldman L, Ausiello D. Cecil - Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. São Paulo: Editora
Elsevier, 2005.

Borges DR, Hotshild JA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Artes Médicas, 2005.

Complementar
www.geri.com/geriatrics/
www.americangeriatrics.org/
www.bgs.org.uk/
www.sbgg.org.br
www.unifesp.br/dis/bibliotecas/livros.htm

DOCENTES PARTICIPANTES
ORIGEM TITULAÇÃO REGIME DE
NOME (Departamento) TRABALHO
Maysa S. Cendoroglo Medicina doutor TA/20 h
Myrian S. Najas Medicina doutor 40h
Andréa Greco Matarazzo Medicina Especialista TA/20 h
Renata Sampaio A Souza Medicina Especialista TA/20 h
Bárbara Alice Souza Medicina Especialista TA/20 h
Fânia Cristina Santos Medicina Especialista TA/20 h
Roberto D. Miranda Medicina Especialista TA/20 h
Alberto Frisoli Junior Medicina Especialista TA/20 h
Lara Miguel Q. Araújo Medicina Especialista TA/20 h
Carlos André F. Santos Medicina Especialista TA/20 h

149
150

Unidade curricular: Oftalmologia


Professor Responsável: Contato: Regina Suxo Santos
Ricardo Uras secretaria@oftalmo.epm.br
tel. 50852010 – 5573-4002
Ano Letivo: 4ª série Semestre: 1º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Oftalmologia
Carga horária total: 40 h
Carga Horária p/ prática: 0% Carga Horária p/ teoria: 100%
Objetivos
Geral:
• Desenvolver nos alunos conhecimentos básicos sobre a rotina de atendimento
oftalmológico, com ênfase na anamnese específica e exames

Específicos: Espera-se que esta unidade curricular possibilite ao estudante:


• Conhecer a anatomia ocular e os processos fisiológicos relacionados à visão
• Integrar as manifestações oculares com disfunções sistêmicas
• Reconhecer e orientar o paciente com as doenças oculares mais freqüentes.
Ementa:
Anatomia ocular. Processos fisiológicos relacionados à visão. Manifestações oculares com
disfunções sistêmicas. Doenças oculares mais freqüentes. Sinais e sintomas em oftalmologia.

150
151
Conteúdo Programático
• Anatomia e Fisiologia da Pálpebra e Anexos
• Inflamação, Posição e Lesões Palpebrais
• Fisiologia da Lágrima e Alterações do Sistema Lacrimal
• Exoftalmia e Orbitopatia de Graves
• Inflamações Corneanas
• Anomalias de Transparência, Espessura, Tamanho e Curvatura da Córnea
• Anatomia e Fisiologia da Córnea e Conjuntiva
• Fotofobia e Olho Vermelho Agudo
• Conjuntivites e Lesões Conjuntivais
• Dor Ocular
• Hiperemia da Esclera e Episclera e Reação de Câmara Anterior
• Alterações de Cor, Forma, Posição e Vasos da Papila
• Catarata: Anatomia e Epidemiologia
• Catarata: Diagnóstico e Tratamento
• Diagnósticos Diferenciais de Pupila Branca
• Glaucoma: Definição, Etiopatogenia e Tratamento
• Uveítes
• Fundo de Olho Normal, Hipertensão e outras alterações sistêmicas
• Flashes, Moscas Volantes e Descolamento de Retina
• Alterações Oculares na Diabetes
• Dor de Cabeça
• Defeitos do Campo Visual
• Exames das Pupilas e Anisocoria
• Perda Súbita de Visão
• Exame de Acuidade Visual
• Ambliopia e Nistagmos
• Diplopia e Desvios Oculares
• Trauma Ocular
• Diminuição da Acuidade Visual
• Exames e Aparelhos em Oftalmologia
• Correções Ópticas
• Exame Ocular Normal
• Iatrogenia em Oftalmologia

151
152

Metodologia de Ensino Utilizada


Aulas expositivas: em anfiteatros para turma toda (110 a 120 estudantes).

Recursos Instrucionais Necessários


Corpo docente especializado
Anfiteatro e recursos audiovisuais

Avaliação
Prova Teórica com questões abertas durante o curso e c om questões de múltipla escolha ao
final do curso
Bibliografia Básica

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª edição. São Paulo: Editora Artes
Médicas, 2005.

Schor; W. Chamon; R. Belfort Jr. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar – Oftalmologia.


1ª edição. Barueri: Editora. Manole 2003

Lee JM, Uras R, Belfort R, Sigulem D. São Paulo: UNIFESP-Departamento de Oftalmologia.


CD ROM Educacional em Oftalmologia

Unifesp Virtual Correlação Oftalmo-Clínica -


http://www.virtual.unifesp.br/home/oftalmoclinicamedica/casosclinicos.php

Complementar – textos e artigos orientados pelos professores

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho (horas
semanais)
Midori Hentona Osaki Oftalmologia Mestre 20
Ana Estela Besteti Sant´Anna Oftalmologia Mestre 20
Márcia Emiko Asano Oftalmologia Especialista 20
Paulo Góis Manso Oftalmologia Mestre TA/40
Ana Luisa Höfling-Lima Oftalmologia Livre-docente 40
José Álvaro P. Gomes Oftalmologia Doutor 20
Wallace Chamon Alves de Siqueira Oftalmologia Livre-Docente 20
Luciene Barbosa de Sousa Oftalmologia Doutor TA/40
Elcio Hideo Sato Oftalmologia Doutor TA/20
Lênio Souza Alvarenga Oftalmologia Doutor 20
Luciana Peixoto dos Santos Finamor Oftalmologia Doutor 20
Augusto Paranhos Junior Oftalmologia Doutor 20
Mauro Nishi Oftalmologia Doutor 20
Walton Nosé Oftalmologia Livre-Docente 20
Clélia Maria Erwenne Oftalmologia Doutor TA/20
Paulo Augusto de Arruda Mello Oftalmologia Doutor 60
|Rubens Belfort Jr Oftalmologia Livre-docente 40
Michel Eid Farah Oftalmologia Livre-docente 40

|Juliana Maria Ferraz Sallum Oftalmologia Doutor 20


Pedro Paulo de Oliveira Bonomo Oftalmologia Doutor 40
Maria do Carmo Pinheiro Oftalmologia Especialista 20
Paulo Mitsuru Im amura Oftalmologia Mestre 20
Carlos Filipe Chicani Oftalmologia Doutor 20
Ricardo Uras Oftalmologia Doutor 40

152
153
Ernesto Consoni Filho Oftalmologia Doutor 40
Célia Regina Nakanami Oftalmologia Doutor 20
Nilva Simeren Bueno de Moraes Oftalmologia Mestre TA/20
Denise de Freitas Oftalmologia Livre-Docente 20
Paulo Schor Oftalmologia Livre-Docente TA/40
Mauro Silveira de Queiroz Campos Oftalmologia Livre-Docente 40
Norma Allemann Oftalmologia Doutor 20
Marinho Jorge Scarpi Oftalmologia Livre-Docente 40
Sérgio Henrique Teixeira Oftalmologia Especialista 20
César Lipener Oftalmologia Mestre TA/20
Márcia Regina K. Higashi Oftalmologia Doutor 20
TA∗= Técnico-Administrativo

153
154

Unidade curricular: Bases da Medicina por sistemas e aparelhos - Respiratório


Professor Responsável: Clóvis Eduardo TadeuContato: 5539-3929
Gomes darlene.dped@epm.br
Ano Letivo: 4ª série Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Pediatria – Disciplina de Especialidades
Pediátricas/Setor de Pneumologia; Departamento de Medicina – Disciplina de Pneumologia;
Departamento de Cirurgia – Disciplinas: Cirurgia do Tórax, Cirurgia Vascular,
Anestesiologia; Departamento de Otorrinolaringologia; Departamento de Diagnóstico por
Imagem; Departamento de Patologia
Carga horária total: 160h
Carga Horária p/ prática: 15% Carga Horária p/ teoria: 85%
Objetivos:
Geral:
Conhecer a fisiopatologia, etiologia, diagnóstico e princípios terapêuticos das doenças do
Sistema Respiratório no adulto e na criança
Específicos: Espera-se que esta unidade curricular possibilite ao estudante
• Compreender e elaborar a história clínica e a correta utilização dos dados semiológicos.
• Conhecer e diagnosticar as doenças mais prevalentes do sistema respiratório no adulto
e na criança, compreendendo os aspectos fisiopatológicos e terapêuticos.

Ementa:
Anamnese e exame clínico do sistema respiratório. Fisiopatologia das principais doenças do
sistema respiratório. Etiologia, diagnóstico clínico, por imagem, laboratorial e princípios
terapêuticos das doenças do sistema respiratório.
Conteúdo Programático:
• Anamnese e exame físico do sistema respiratório
• Princípios de abordagem cirúrgica do sistema respiratório
• Características morfo-evolutivas do Sistema Respiratório
• Insuficiência respiratória aguda
• Insuficiência respiratória crônica
• Abordagem dos métodos diagnósticos do SR
• Fundamentos de estudos de imagem normal e patológica
• Correlação clínica e patológica das principais doenças
• Infecções respiratórias na infância e no adulto
• Fisiologia Pulmonar
• Asma
• Trauma torácico
• Tumores do sistema respiratório e mediastino
• Mal formações torácicas
• Controle de respiração e sono
• Fibrose cistíca

154
155
Metodologia de Ensino Utilizada - atividades desenvolvidas para grupos de 13 a 15
estudantes (rodízio durante todo o ano).
:
• Aulas teóricas
• Observação e discussão de casos em enfermarias e ambulatórios
• Atividades em laboratórios de habilidades

Recursos Humanos e Instrucionais Necessários:


Teórica:

Material/Área física/equipamentos
Anfiteatro
Recursos audiovisuais (projetores, retro-projetores, multimídia)

Recursos humanos
Professores – 1 professor por aula/seminário

Prática:
Material/Área física/Equipamentos
Enfermaria, salas de ambulatório
Laboratório de habilidades
Recursos humanos:
Professores – 1 professor para cada sub-grupo de 4/5 alunos (3 professores por período de
atividade prática com pacientes ou em Laboratório de habilidades)

Avaliação: realizada durante todo o acompanhamento do módulo


• Freqüência registrada em folha individual do estudante – 20%
• Participação e atitude avaliada pelo professor – 40%
• Auto-avaliação realizada junto à avaliação do curso – 10%
Prova teórica – 30%

Bibliografia Básica

Borges DR, Rothschild HÁ. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas, 2005.

Morais MB, Campos SO, Silvestrini WS. Guia de Medicina Ambulatorial e Hospitalar:
Pediatria. 1ª ed. Barueri: Editora Manole, 2005.

Goldman L, Ausiello D. Cecil - Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. São Paulo: Editora
Elsevier, 2005.

Complementar:

Artigos orientados a partir das atividades práticas e teóricas

Braunwald E, Fauci AS, Kasper DL, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Harrison’s
Principles of Internal Medicine. 15ª ed. New York: McGraw-Hill professional, 2001

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
Trabalho (horas
(Departamento)
semanais)

155
156
César Uehara Medicina Doutor 40
40
Clóvis Eduardo Tadeu Gomes Pediatria Especialista
40
Gilberto Petty da Silva Pediatria Especialista
40
Henrique Manoel Lederman Diagnóstico por Livre-docente
Imagem
40
José Roberto de Brito jardim Medicina Doutor
40
José Luiz Gomes do Amaral Cirurgia Livre-docente
40
Reynaldo Tavares Rodrigues Diagnóstico por Doutor
Imagem
40
Wellington Gianoti Lustre Cirurgia Doutor
40
Luiz Hirotoshi Ota Cirurgia Doutor
40
Rimarc Gomes Ferreira Patologia Doutor
40
Carlos Augusto Anadão Otorrinolaringologia Doutor

156
157

Unidade Curricular: Bases da Medicina por sistemas e aparelhos - Sistema Nervoso


Professor Responsável: Contato(11)99762218
Sergio Carvalheiro
Ano Letivo:4ª série Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Neurologia e Neurocirurgia – Disciplinas de
Neurocirurgia,Neuropatologia, Neurologia, Neurologia Experimental, Setor de Neurologia
Infantil; Departamento de Otorrinolaringologia; Departamento de Patologia
Carga horária total: 160 horas
Carga Horária p/ prática: 30% Carga Horária p/ teoria: 70%

Objetivos
Geral:
• Desenvolver o interesse, conhecimento e capacitação para a promoção da saúde do
sistema nervoso e para o diagnóstico e tratamento das doenças que o afetam.
Específicos: Espera-se que esta unidade curricular possibilite ao estudante
• Aprimoramento da relação profissional-paciente, com ênfase às condições que
envolvem o Sistema Nervoso.
• Aquisição de técnicas específicas de exame do sistema nervoso e a interpretação dos
sinais e sintomas detectados no contexto da anatomia e da fisiologia do sistema
• Estudo da Fisiopatologia dos principais sinais e sintomas de comprometimento do
sistema nervoso
• Identificação das principais síndromes envolvendo o sistema nervoso , decorrentes de
comprometimento direto deste sistema ou de repercussões de condições sistêmicas
sobre o mesmo(diagnóstico sindrômico).
• Estabelecimento de Diagnóstico topográfico ( básico)
• Estabelecimento de Diagnóstico etiológico e diagnóstico diferencial das principais
doenças que afetam o SNC e SNP
• Identificação de métodos diagnósticos que permitam comprovar/excluir diagnósticos
Delineamento de princípios de terapêutica

Ementa
Anatomia e fisiologia funcional do sistema nervoso. Técnicas de exame neurológico.
Diagnóstico sindrômico, topográfico e etiológico das doenças agudas e crônicas do
sistema nervoso. Exames complementares: neurofuncionais, imagem,
anatomopatológicos. Noções de abordagem cirúrgica . Introdução à farmacoterapia e
terapêutica das doenças do sistema nervoso.

157
158
Conteúdo Programático

• Identificação de funções passíveis de exame clínico, anatomia e fisiologia subjacente


a estes mecanismos.
• Nível de consciência - Sistemas classificatórios
• Funções do exame do estado mental (aplicação de testes de rastreio para avaliação
global de alterações cognitivas)
• Exame de sensibilidade, motricidade, reflexos, equilíbrio e coordenação
• Sinais de irritação meníngea e compressão radicular
• Fiopatologia e identificação dos sinais e sintomas inerentes a cada uma das principais
Síndromes Neurológicas: Síndrome de irritação meníngea, Síndrome de compressão
radicular, Síndrome parkinsoniana, Síndrome de declínio cognitivo, Síndrome
piramidal de déficit, Síndrome piramidal de liberação, Síndrome cordonal posterior ou
do funículo posterior, Síndrome centromedular, Síndrome do Neurônio motor superior,
Síndrome do Neurônio motor inferior, Síndrome da placa motora, Síndromes do nervo
periférico, Síndrome de hipertensão intracraniana, Síndrome Claude-Bernard-Horner
ou Horner, Síndrome de oftalmoparesia, Paraparesia, paraplegia, hemiplegia alterna,
hemiplegia completa proporcionada, tetraplegia.
• Aspectos clínicos,cirúrgicos,radiológicos e anatomopatológicos da(o): :
- Cefaléia e dor
- Distúrbios do Movimento
- Doenças Vasculares Cerebrais
- Epilepsias.Aspectos clínicos e cirúrgicos
- Perda de Memória no Idoso
- Doenças neuromusculares
- Infecções e infestações do SNC
-Tumores do Sistema Nervoso central
-Traumatismo craniencefálico
-Traumatismo raquimedular
- Distúrbios do sono
• Temas de Otoneurologia
- Anatomia e fisiologia do aparelho auditivo
- Avaliação audiológica
- Disacusias
- Doenças infecciosas da orelha média e externa
- Cirurgia otológica
- Anatomia e fisiologia do aparelho vestibular
- Avaliação labiríntica
- Terapêutica e reabilitação em Otoneurologia
- Doenças labirínticas

158
159
Metodologia de Ensino Utilizada - atividades desenvolvidas para grupos de 13 a 15
estudantes (rodízio durante todo o ano).

Aulas teóricas, preleções dialogadas, estudo de casos, discussão de casos, simulação de


situações - problema, seminários, atividades de observação e atendimento no
ambulatório e enfermaria, prática de otoscopia e oftalmoscopia.

Recursos Instrucionais Necessários


Recursos multimídia, materiais apostilados, livros, CDs,oftalmoscópio, martelo, diapasão.
Atividades teóricas e supervisão de atividades práticas por professores/preceptores
Avaliação:
Participação em aula, individualização das discussões de caso, elaboração de trabalhos
sobre pontos específicos do tema, discussão por escrito de casos com perguntas
dirigidas, questões abertas, apresentações de temas para a turma. O conceito final levará
em consideração o desempenho nestas atividades.

Bibliografia Básica
Braunwald E, Fauci AS, Kasper DL, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Harrison’s
Principles of Internal Medicine. 15ª ed. New York: McGraw-Hill professional, 2001

Goldman L, Ausiello D. Cecil - Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. São Paulo: Editora
Elsevier, 2005.

Borges DR, Hotshild JA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Artes Médicas,
2005.

Braga FM, Melo PP. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp –


Neurocirurgia. 1ª ed. Barueri: Editora Manole, 2005.

Tierney LM, McPhee SJ, Papadakis MA.Current Medical Diagnosis & Treatment 2003. –
42ª ed. New York: Lange Medical Books/McGraw-Hill, 2003

Complementar
Caso semanal do New England Med Journal
Medscape

Docentes Participantes;
Nome Origem Regime de
(Departamento) Titulação Trabalho (horas
semanais)
Ademir Batista da Silva Neurologia/neurocir Doutor 40
urgia
Paulo Bertolucci Neurologia/neurocir Doutor 40
urgia
Débora Amado Scerni Neurologia/neurocir Doutor 40
urgia
Cícero Galli Coimbra Neurologia/neurocir Doutor 40
urgia
Maria José Oliveira Neurologia/neurocir Doutor 40
urgia
João N. Stavale Patologia Doutor 40
Nitamar Abdalla Diagnóstico por Doutor 40
Imagem
Carlos Augusto Anadão Otorrinolaringologia Doutor 40

159
160

160
161

Unidade Curricular: Bases da Medicina por sistemas e aparelhos - Urinário


Professor Responsável: Contato: Simone 5576-4086 / 4062
Valdemar Ortiz 5572-6490
Ano Letivo: 4ª série Semestre 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Cirurgia – Disciplina de Urologia, Cirurgia
Pediátrica; Departamento de Medicina – Disciplina de Nefrologia; Departamento de Pediatria –
Disciplina de Especialidades Pediátricas/Setor de Nefropediatria; Departamento de Diagnóstico
por Imagem; Departamento de Patologia
Carga horária total: 99 horas
Carga Horária p/ prática (em porcentagem): Carga Horária p/ teoria (em porcentagem):
30% 70%
Objetivos

Geral:
Capacitar o estudante a realizar o diagnóstico das síndromes clínicas e das doenças do
aparelho urinário, utilizando o conhecimento fisiopatológico na correlação de dados da
anamnese e do exame físico com os exames complementares.

Específicos: Espera-se que esta unidade curricular possibilite ao estudante


• Realizar corretamente a anamnese e o exame físico.
• Desenvolver uma relação de respeito e compreensão com os pacientes que são
acometidos por doenças do sistema urinário.
• Elaborar a suspeita diagnóstica após correlacionar os dados da história clínica aos exames
complementares.
• Adquirir conhecimentos de aspectos epidemiológicos das doenças renais, patogenia,
macroscopia e histopatologia das principais entidades.

161
162

Ementa
Semiologia urológica. Anatomia, embriologia e fisiologia do trato urinário. Anomalias congênitas
Infecções e inflamações do trato genital. Litíase urinária. Oncologia urológica. Trauma e
urgências. Doenças da próstata. Disfunções urinárias e sexual. Exames de imagem do trato
genito-urinário e adrenais. Hipertensão arterial. Glomerulopatias. Insuficiência renal aguda e
crônica.

Conteúdo Programático
• Propedêutica do trato urinário
• Anatomia, embriologia e fisiologia do sistema urinário
• Exames laboratoriais e de imagem..
• Anatomia patológica na síndrome nefrótica, síndrome nefrítica, IRA, IRC, Hipertensão
arterial, Anatomia patológica das neoplasias do rim, próstata, cistites, malformações e
neoplasias vesicais, inflamação e neoplasias de testículo.
• Anatomia radiológica do trato urinário
• Malformações renais
• Medicina nuclear na função renal, diagnóstico por imagem da adrenal
• Litíase e infecção do trato urinário
• Insuficiência renal aguda e crônica
• Hipertensão arterial
• Transplante renal
• Doenças sexualmente transmissíveis
• Hiperplasia prostática
• Tumores de próstata, bexiga
• Hidronefrose neonatal, refluxo vésico-ureteral
• Bexiga neurogênica, incontinência urinária
• Disfunção sexual masculina, varicocele

162
163
Metodologia de Ensino Utilizada - atividades desenvolvidas para grupos de 13 a 15
estudantes (rodízio durante todo o ano).
Aulas teóricas ministradas de forma dinâmica por docentes com conhecimento e experiência
prática no assunto abordado.Utilização de recursos com o multimídia com o intuito de despertar
aos alunos o interesse e a necessidade da busca na literatura médica sobre trabalhos
relacionados ao tema. Aulas práticas com oferecimento de apostilas e cds com aulas
interativas. Aulas práticas na enfermaria com discussão de casos clínicos, para a realização da
anamnese, exame físico e interpretação dos exames laboratoriais e de imagem possibilitando
ao aluno realizar hipótese diagnóstica.

Recursos Instrucionais Necessários


Docentes e médicos para orientação nos serviços
Anfiteatros, multimídia
Apostilas, cds
Enfermaria e ambulatórios com infra-estrutura adequada – espaço físico, equipamentos

Avaliação
Freqüência, interesse, participação e prova no final do módulo (múltipla escolha)

163
164

Bibliografia Básica

Walsh P. Campbell`s Urology 8ª. Ed. Philadelfia: WB Saunders; 2002

Ortiz V. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp - Guia de Urologia. Barueri:


Manole, 2005.

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª. Ed. São Paulo: Artes Médicas; 2005.

Cury J, Simonetti R, Srougi M. Urgências em Urologia. 1ª.ed. São Paulo: Sarvier; 1999.

Hachul M, Cedenho AP, Ortiz V. Urologia Multimídia – Aulas Teóricas e Casos clínicos ( CD-
ROM) 1ª. ed. São Paulo: SDI; 2006.

Ajzen H, Schor N. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp - Nefrologia. Barueri:


Manole, 2003

Martins JL, Cury EK, Pinus J. Temas de Cirurgia Pediátrica. 1ª.ed. São Paulo:Atheneu; 1997.

Ribeiro AB. Atualização em Hipertensão Arterial, clínica, diagnóstico e tratamento. 1ª. ed. São
Paulo: Atheneu, 1996.

Queiroz e Silva FA. Embriologia Urogenital. Organogênese normal e patológica. 1ª. ed. São
Paulo: Sarvier, 1997.

Complementar
Koff WJ, Damião R, Carrete FB. Reuniões de Consensos e Diretrizes. Sociedade Brasileira de
Urologia – SBU. 2005

Pompeo ACL. Diretrizes em Uro-Oncologia. Sociedade Brasileira de Urologia. 2005

Ortiz V, Damião R, Bendhack DA, Wroclawski ER. Guia Prático de Urologia. 1ª. ed. Rio de
Janeiro: Segmento; 2003.

Docentes Participantes
Origem Regime de Trabalho
Nome Titulação
(Departamento) (horas semanais)
Dulce Elena Casarini Medicina Livre-Docente 40
Gianna Mastroianni Kirsztajn Medicina Doutor 40
Ita Pfeferman Heilberg Medicina Doutor DE
Mirian Aparecida Boim Medicina Doutor 40
Oscar Fernando Pavão dos Santos Medicina Livre-Docente 40
Osvaldo Kohlmann Júnior Medicina Doutor DE
Sérgio Antônio Draibe Medicina Livre-Docente 40
Ricardo Smith Morfologia Livre-Docente 40
Marisa Giovanoni Morfologia Doutor 40
João Tomas de Abreu Carvalhaes Pediatria Doutor 40
Zélia Maria Andrade* Pediatria Mestre colaborador
Graziela Lopes Del Bem Pediatria Mestre TA/20
Marcello Franco Patologia Livre-docente 40
Kátia Leite Patologia Doutor 20
Sérgio Ricardo Rocha de Araújo Patologia Doutor 20
Diagnóstico por
Roberto Vargas Teixeira de Camargo Especialista 20
Imagem

164
165
Diagnóstico por
David Carlos Shigueoka Doutor 20
Imagem
Diagnóstico por
Marly Yahara Especialista TA/20
Imagem
Diagnóstico por
Sérgio Aron Ajzen Livre-Docente 20
Imagem
Diagnóstico por
Gilberto Alonso Doutor 20
Imagem
Diagnóstico por
Suzan Menasce Goldman Doutor 20
Imagem
Renato Frota de Albuquerque
Mestre
Maranhão Cirurgia 40
Sérgio Tomaz Schettini Cirurgia Livre-Docente 40
Cirurgia
Márcia Emília Francisco Shida Mestre TA/20h
Cirurgia
Mila Torii Corrêa Leite Especialista TA/20h
Marcos Mori Cirurgia Doutor 40
Valdemar Ortiz Cirurgia Livre-Docente 40
Homero Arruda Cirurgia Doutor 40
Hudson de Lima Cirurgia Especialista TA/20 h
Cássio Andreoni Cirurgia Doutor 20
Homero Bruschini Cirurgia Livre-Docente 40
José Cury Cirurgia Doutor 20
Rogério Simonetti Cirurgia Doutor TA/40 h
Arquimedes Nardozza Cirurgia Doutor 20
Joaquim Claro Cirurgia Livre- Docente TA/20
Marcos Dall’Oglio Cirurgia Doutor TA/20
Mário Paranhos Cirurgia Doutor TA/20
Renato Fraietta Cirurgia Doutor TA/40
José Carlos Truzzi Cirurgia Doutor TA/40
Maurício Hachul Cirurgia Doutor TA/40
Antônio Macedo Jr Cirurgia Livre Docente TA/20
Gilmar Garrone Cirurgia Especialista TA/20
Riberto Liguori Cirurgia Especialista TA/20
Cirurgia Doutor Prof.
Fernando Almeida 40
Visitante
Luciano Nesrallah Cirurgia Doutor TA/20
Sérgio Ximenes Cirurgia Mestre TA/20
*voluntário

165
166

Unidade Curricular: Ambulatório de Medicina Geral e Familiar


Professor Responsável: Hélio Elias Jaber Contato: 5576-4518
hejaber@medprev.epm.br
Ano Letivo: 5ª série Semestre: 1º e 2º semestres
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina Preventiva – Disciplina de
Preventiva Clínica.
Carga horária total: 160 horas
Carga Horária p/ prática: 85% Carga Horária p/ teoria:15%
Objetivos:
Geral:
• Contribuir de maneira dirigida e programada para o aprimoramento da formação médica
do estudante com ênfase nos "fatores de risco" da população assistida.
Específicos: Espera-se que a unidade curricular possibilite ao estudante:
• Atuar com responsabilidade no desempenho de sua atividade profissional futura.
• Realizar atendimento clínico de adultos de forma articulada aos diferentes serviços do
Hospital São Paulo, com alta resolubilidade.
• Realizar atendimento clínico de adultos considerando aspectos psicossociais e o
contexto familiar, cultural e da comunidade a qual ele pertence
• Realizar atendimento clínico de adultos considerando ações preventivas, restitutivas e
de promoção à saúde.

Ementa: Atendimento médico clínico de adultos. Fisiopatologia, diagnóstico e conduta de


doenças freqüentes do adulto. Exames subsidiários na prática clínica. Aspectos
psicossociais na prática clínica. Ações preventivas, restitutivas e de promoção à saúde.
Conteúdo Programático:
• Hipertensão arterial
• Diabetes mellitus
• Endocrinopatias – Hiper e Hipotiroidismo
• Insuficiência coronariana
• Artropatias
• Dores recorrentes no adulto
• Avaliação nutricional do adulto
• Distúrbios vasculares
• Infecção do trato urinário, Nefrites
• Cardiopatias e insuficiência cardíaca
• Calculose renal
• Laboratório clínico

Metodologia de Ensino Utilizada:


Os estudantes são orientados por equipes de preceptores, de acordo com uma escala pré-
estabelecida, o que permite adequada supervisão. Estão ligados “on line” com o Hospital
São Paulo e com os Laboratórios de análise clínica e de patologia; contam também com
apoio de Dermatologista e Otorrinolaringologista. As consultas médicas são realizadas pelos
estudantes, em salas individuais, sendo que todos os procedimentos são supervisionados
pelos preceptores. O retorno dos pacientes ao Serviço é agilizado para que o estudante
possa acompanhar a evolução das medidas adotadas, participando, assim, ativamente nos
tratamentos instituídos.
Recursos Humanos Instrucionais Necessários:
Consultórios médicos. Sala de pequenas cirurgias. Sala de reunião e equipamentos para
atendimento aos pacientes. Docentes e equipe administrativa.

166
167

Avaliação:
Avaliação das atividades práticas – participação, assiduidade, responsabilidade,
considerando a progressão dos estudantes no decorrer do estágio. Prova dissertativa no
final do estágio.
Bibliografia

Básica
Fauci AS, Braunwald E, Kasper D, Hauser S. Harrison’s Principles of Internal Medicine. 16th
ed. New York: Mcgraw-Hill Professional; 2004.

Goldman L, Ausiello D. Cecil – Tratado de Medicina Interna (Trad. Kemper A et al.). 22ª ed.
São Paulo: Elsevier, 2005

Borges DR, Rothschild HA (ed). Atualização Terapêutica. São Paulo: Artes Médicas. 22ª
edição, 2005.

Complementar
Andriollo A. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar / Unifesp – Medicina Laboratorial.
1ª ed. . Barueri: Editora Manole, 2004.

Petri V. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar / Unifesp – Dermatologia. 1ª ed.


.Barueri: Editora Manole, 2002

Ricca AB, Kobata CM. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar / Unifesp – Pequenas
Cirurgias. 1ª ed. . Barueri: Editora Manole, 2004.

Vilela MP, Borges DR, Ferraz MLG. Gastroenterologia e Hepatologia. 1ª edição. São Paulo:
Editora Atheneu, 1996.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Antonio Carlos Viana Miguel Medicina Preventiva Doutor TA/40
Carlos Alberto da Silva Jesus Medicina preventiva Mestre TA/40
Constantino Fernandes Junior Medicina Preventiva Especialista TA/40
David Feder Medicina Preventiva Doutor TA/40
Elizabeth Deak Medicina Preventiva Mestre TA/40
Flávio Emir Adura Medicina Preventiva Especialista TA/40
Helio Elias Jaber Medicina Preventiva Doutor TA/40
Helena Aiko Harima Medicina Preventiva Doutor TA/40
Mauro Iervolino Medicina Preventiva Especialista TA/40
Renee Jabur Medicina Preventiva Especialista TA/40
Roberto Naun Franco Morgulis Medicina Preventiva Especialista TA/40
Mayer Sniticovsky Medicina Preventiva Especialista Professor
Aposentado
Maria da Glória A. S. Oliveira Medicina Preventiva Doutor 40

167
168

Unidade Curricular: Cardiologia e Cirurgia Cárdio-Vascular


Professor Responsável: Contato: 5576-4363 (Ecocardiograma)
Orlando Campos Filho
Ano Letivo: 5ª série Semestre: 1o e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina - Disciplina de Cardiologia;
Departamento de Cirurgia – Disciplina de Cirurgia Cardíaca
Carga horária total: 120 horas
Carga Horária p/ prática: 90% Carga Horária p/ teoria:10%
Objetivos

Geral:
Estimular o desenvolvimento do raciocínio clínico do estudante para identificar as principais
síndromes cardiológicas priorizando a avaliação clínica básica e prover elementos para
estabelecer conduta e prognóstico.

Específicos: Espera-se que a unidade curricular possibilite ao estudante:


• Valorizar dados da anamnese e reconhecer os principais sinais clínicos das cardiopatias
mais prevalentes;
• Reconhecer situações de urgência cardiológica (dor torácica aguda, arritmias, choque,
síncope, etc) e saber conduzir o encaminhamento diagnóstico e terapêutico imediato;
• Interpretar a eletrocardiografia e analisar elementos cardiológicos na radiografia de tórax;
• Ter informações básicas sobre os principais métodos diagnósticos não invasivos e invasivos
em cardiologia;
• Conhecer as bases das medidas terapêuticas farmacológicas, intervencionistas e cirúrgicas
em cardiologia;
• Desenvolver atitude responsável e ética perante o paciente.

Ementa
Doenças cárdio-vasculares no adulto. Diagnóstico clínico e laboratorial das doenças cárdio-
vasculares mais frequentes. Tratamento das doenças do sistema cárdio-vascular.
Conteúdo Programático:
1) Propedêutica cárdio-vascular
2) Fisiopatologia de insuficiência cardíaca
3) Fisiopatologia de insuficiência coronária
4) Arritmias
5) Valvulopatias
6) Urgências e emergências cárdio-vasculares
7) Eletrocardiograma
8) Diagnóstico por imagem em cardiologia
9) Tratamento cirúrgico em cardiologia

Metodologia de Ensino Utilizada


1) Atividades práticas na enfermaria, unidades de pacientes críticos e ambulatórios, centradas
na discussão de casos na presença do paciente, revendo anamnese e exame físico,
interpretando os exames subsidiários e discutindo condutas médicas; 2) Participação em
ambulatórios de valvulopatias com interesse especial na propedêutica física; participação no
ambulatório de pré e pós-operatório para familiarização com a rotina e os problemas do
tratamento cirúrgico; 3) Desenvolvimento de habilidades na interpretação do eletrocardiograma e
de arritmias; 4) Identificação das situações de emergência em cardiologia, aprendendo as
medidas gerais de atendimento ao paciente crítico; 4) Aprendizado a partir da solução de Casos-
Problema apresentados por assistentes, com situações hipotéticas para estimular a capacidade
do aluno a testar seus conhecimentos nas condições simuladas.

168
169
Recursos Instrucionais Necessários
Humanos: Docentes

Materiais: salas de reunião, anfiteatros; recursos audiovisuais (projetores multimídia, laptops ou


desktops para apresentação de aulas, seminários, discussão de casos e exames diagnósticos
de imagens).

Avaliação: baseada em três critérios:


• Freqüência: registro da presença do aluno pelos docentes nas atividades.
• Participação: verificação do interesse e participação do aluno nas discussões.
• Provas teóricas: de cardiologia e de cirurgia cardíaca na conclusão do curso.

Bibliografia
Básica
Carvalho AC, Kasinski N, Stefanini E. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp -
Cardiologia.1ª ed. Barueri: Manole, 2004.

Ferreira C et al. Cardiologia para o Clínico 1ª ed. São Paulo: Disciplina de Cardiologia da EPM-
Unifesp, 2004

Fauci AS, Braunwald E, Kasper D, Hauser S. Harrison’s Principles of Internal Medicine. 16th ed.
New York: Mcgraw-Hill Professional, 2004.

Goldman L, Ausiello D. Cecil – Tratado de Medicina Interna (Trad. Kemper A et al.). 22ª ed. São
Paulo: Elsevier, 2005.

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes Médicas,
2005.

Complementar
Zies DP, Libby P, Braunwalda E, Bonow RP. Braunwald’s Heart Disease: a textbook of
cardiovascular medicine. 7th ed. New York: Elsevier Science:2004.

Higa SEM, Atallah NA. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar. Unifesp – Medicina de
Urgência. 1ª ed. Barueri: Editora Manole, 2004.

Docentes Participantes
Origem Titulação Regime de
Nome (Departamento) Trabalho
Orlando Campos Filho Medicina Doutor 40
Antônio Carlos Camargo Carvalho Medicina Livre-docente 40
Ângelo Amato Vincenzo de Paola Medicina Livre-docente 40
Nelson Kasinky Medicina Doutor 40
Nabil Mitre Medicina Doutor 40
Valter Correia Lima Medicina Livre - Docente 40
Everaldo Nunes Lamonier Medicina Doutor 40
Rui Manuel dos Santos Povoa Medicina Doutor 40
Japy Angelini Oliveira Filho Medicina Doutor 40
Edson Stefanini Medicina Doutor TA/40
Bráulio Luna Filho Medicina Livre-docente TA/20
Daniel Born Medicina Doutor TA/40
Manuel Gil Medicina Livre-docente TA/20
Enio Buffolo Cirurgia Livre-docente 40
Roberto Catani Cirurgia Mestre 40
João Nelson Rodrigues Branco Cirurgia Doutor 40

169
170
José Carlos Silva de Andrade Cirurgia Doutor 40
Carlos Alberto Teles Cirurgia Mestre 40
José Honório A. P. Fonseca Cirurgia Doutor 40
Miguel Angel Maluf Cirurgia Doutor 40
Walter José Gomes Cirurgia Doutor 40
Guilherme Flora Vargas Cirurgia Mestre 40
Luis Roberto Gerola Cirurgia Doutor 40
Luciano Figueiredo Aguiar Cirurgia Doutor TA/40

170
171

Unidade Curricular: Gastroenterologia clínica e cirúrgica


Professor Responsável: Contato: Valdir M Sophia
Stephan Geocze valdir@gastro.epm.br
tel. 5576- 4050
Ano Letivo: 5ª série Semestre 1º e 2º semestre
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina - Disciplina de Gastroenterologia
Clínica; Departamento de Cirurgia – Disciplina de Gastroenterologia Cirúrgica
Carga horária total: 120 horas
Carga Horária p/ prática: 75% Carga Horária p/ teoria: 25%
Objetivos
Gerais:
• Capacitar o estudante para o reconhecimento e tomada de decisão nas principais afecções
em gastroenterologia clínica e cirúrgica do adulto.

Específicos: Espera-se que a unidade curricular possibilite aos estudantes


• capacidade de interagir com todas as ferramentas de informações disponíveis em
gastroenterologia clínica e cirúrgica
• estabelecer diagnóstico sindrômico, anatômico e etiológico a partir de dados clínicos
(quadro clínico, conhecimentos de epidemiologia, etiopatogenia e fisiopatologia)
• estabelecer um plano terapêutico das doenças em gastroenterologia clínica e cirúrgica

Ementa: Fisiopatologia, Diagnóstico e Tratamento Doenças do Sistema Digestório. Laboratório


e imagenologia em gastroenterologia. Tratamento cirúrgico de afecções gastroenterológicas.

Conteúdo Programático:
• Doença péptica
• Diagnóstico diferencial das dispepsias
• Diagnóstico diferencial das diarréias
• Parasitoses intestinais
• Tumores do aparelho digestivo
• Diagnóstico diferencial das icterícias
• Hepatites Virais
• Encefalopatia hepática
• Cirrose hepática
• Hipertensão portal

Metodologia de Ensino Utilizada:


Atividade práticas constituídas de assistência em ambulatórios e enfermarias de
Gastroenterologia clínica e cirúrgica. Aulas teóricas e seminários.

Recursos Instrucionais Necessários


Salas de aula. Multimídia. Enfermaria e ambulatório com condições adequadas.
Avaliação:
Prova. Avaliação contínua das atividades práticas.

171
172
Bibliografia Básica:
Misputen S. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar / Unifesp – Guia de Gastroenterologia.
1ª ed. Barueri: Editora Manole, 2002

Matos D, Saad SS, Fernades LC. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar / Unifesp. – Guia
de Colproctologia. 1ª ed. Barueri: Editora Manole, 2004

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes Médicas,
2005.

Complementar:
Fauci AS, Braunwald E, Kasper D, Hauser S. Harrison’s Principles of Internal Medicine. 16th
ed. New York: Mcgraw-Hill Professional, 2004.

Goldman L, Ausiello D. Cecil – Tratado de Medicina Interna (Trad. Kemper A et al.). 22ª ed. São
Paulo: Elsevier, 2005.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Angelo P. Ferrari Jr Medicina Doutor 40 h
Antonio Eduardo B. Silva Medicina Doutor 40 h
Durval Rosa Borges Medicina Livre-docente 40 h
Edison Roberto Parise Medicina Doutor 40 h
Frank Shigueu Nakau Medicina Doutor TA/20h
Ermelindo Della Libera Jr. Medicina Doutor TA-20 h
Ivonete Sandra de Souza e Silva Medicina Doutor TA-40 h
Luciana Camacho Lobato Medicina Doutor 40 h
Luiz Chehter Medicina Doutor 40 h
Maria Lúcia C.G. Ferraz Medicina Doutor 40 h
Maria Rachel Roh Medicina Doutor TA/20h
Mário Kondo Medicina Doutor 40 h
Nora Manoukian Forones Medicina Livre-Docente 40 h
Orlando Ambrogini Júnior Medicina Especialista 20 h
Renato Duffles Martins Medicina Especialista 20 h
Sender J. Miszputen Medicina Doutor 40 h
Stephan Geocze Medicina Livre-Docente 40 h
Vinícius Fontanesi Blum Medicina Especialista 20 h
Adriano Miziara Gonzalez Cirurgia Doutor TA/40h
Alberto Goldenberg Cirurgia Doutor 40 h
Arsenio Barreira Barrio Cirurgia Mestre TA/40h
Arthur Berti Ricca Cirurgia Mestre 40h
Benedito Herani Filho Cirurgia Doutor 40 h
Clovis Massayuki Kobata Cirurgia Doutor 40 h
Edison Takehito Yanagita Cirurgia Mestre TA/40h
Edson José Lobo Cirurgia Mestre 40 h
Eleziano Caetano Jr. Cirurgia Mestre TA/40h
Elisabeth Deak Cirurgia Mestre TA/40h
Fernando Augusto M.H. Cirurgia Doutor TA/40h
Fernandes
Frans Robert Apodaca Torres Cirurgia Mestre TA/40h
Gaspar Jesus Lopes Filho Cirurgia Livre-docente 40h
Jose Carlos Del Grande Cirurgia Doutor 40h
Laercio Gomes Lourenço Cirurgia Doutor 40 h
Luis Cesar Fernandes Cirurgia Doutor TA/20h
Mara Rita Salum Cirurgia Doutor TA/40h

172
173
Marcelo Moura Linhares Cirurgia Doutor TA/40h
Mariza Helena Prado Kobata Cirurgia Mestre 40 h
Milton Scalabrini Cirurgia Mestre 40 h
Ramiro Colleoni Netto Cirurgia Doutor 40h
Rita Maria Moreira Moura Cirurgia Mestre TA/40 h
Sarhan Sydney Saad Cirurgia Doutor 40 h
Su Bong Kim Cirurgia Doutor TA/40 h
TA= Técnico Administrativo

173
174

Unidade Curricular: Ginecologia – HSP


Professor Responsável : Contato:
Marair G.F Sartori Valéria – tel. 5579-3321- 55764100
Ano Letivo: 5ª serie Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Ginecologia – Disciplinas de Ginecologia
Geral, Ginecologia Endócrina, Mastologia e Oncologia
Carga horária total: 160 horas
Carga Horária p/ prática: 85% Carga Horária p/ teoria:15%
Objetivos
Geral:
• Aprofundar os conhecimentos em ginecologia e estar apto a conduzir adequadamente a
anamnese e o exame físico em Ginecologia.

Específicos – Espera-se que a unidade curricular possibilite aos estudantes:


• Realizar exame ginecológico
• Realizar coleta de citologia cérvico-vaginal
• Realizar diagnóstico e tratamento das afecções mais freqüentes,
• Realizar rastreamento das neoplasias ginecológicas
• Reconhecer o campo de atuação das especialidades em ginecologia

Ementa:
Saúde da Mulher. Afecções clínicas e cirúrgicas em ginecologia. Câncer de mama e
ginecológico. Climatério. Reprodução humana.
Conteúdo Programático:
• Saúde da Mulher.
• Afecções clínicas e cirúrgicas em ginecologia.
• Câncer de mama e ginecológico.
• Climatério.
• Reprodução humana.
• Ginecologia infanto-puberal
• Algia pélvica
• Afecções uro-genitais
• Doenças do trato genital inferior
Metodologia de Ensino Utilizada:
- Atendimento de pacientes em enfermaria, ambulatórios especializados sob supervisão,
- Participação em atos cirúrgicos,
- Aulas teóricas e discussão de casos

174
175

Recursos Humanos e Instrucionais Necessários


Salas de atendimento ginecológico,
Salas no centro cirúrgico,
Anfiteatro. Multimídia
Professores e preceptores.

Avaliação
Prova teórica no final do estágio
Avaliação prática nos ambulatórios.
Bibliografia Básica
Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas; 2005.

Lima GR, Baracat EC, Girão M. Cirurgia Vaginal e Uroginecológica. 1ª ed. São Paulo:
Editora Artes Médicas, 2002.

Baracat E, Lima GR. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp - Ginecologia. 1ª


edição. Barueri: Edit. Manole, 2004.

Lima GR, Oliveira VC, Martins NV. Ginecologia Oncológica. 1ª ed. São Paulo: Atheneu,
1995.

Lima GR, Baracat EC. Ginecologia Endócrina. 1ª ed. São Paulo: Atheneu, 1995.

Complementar
Sites:
http://www.emedicina.com
http://www.cancer.gov

Docentes Participantes
Origem Titulação Regime de
Nome (Departamento) Trabalho (horas)
Marair GF Sartori Ginecologia Doutor 40
Manoel JBC Girão Ginecologia Livre-Docente 40
Mauro A Haidar Ginecologia Doutor 40
Vilmon de Freitas Ginecologia Livre-Docente 40
Luiz H Gebrim Ginecologia Livre-Docente 40
Afonso CP Nazário Ginecologia Livre-Docente 40
Cláudia de Carvalho R Bortoletto Ginecologia Doutor 40
Julisa CL Ribalta Ginecologia Doutor 40
Sérgio M Nicolau Ginecologia Doutor 40
Wagner José Gonçalves Ginecologia Livre-Docente 40

175
176

Unidade curricular: Medicina Preventiva e Geriatria


Professor Responsável Contato: 5572-0609 Ramal 221
Sandra Aparecida Ribeiro
Ano Letivo: 5a série Semestre 1o. e 2o.
Departamento/ Disciplinas: Departamento de Medicina Preventiva - Disciplina de Medicina
Preventiva Clínica; Departamento de Medicina – Disciplina de Geriatria e Gerontologia;
Departamento de Dermatologia
Carga horária total: 160 horas
Carga Horária p/ prática 87% Carga Horária p/ teoria 13%
Objetivos:
Geral
• Fornecer subsídios para que o estudante adquira conhecimento referente aos principais
agravos à saúde no se refere às doenças crônicas transmissíveis e não transmissíveis
Específicos: Espera-se que a unidade curricular possibilite aos estudantes:
• Identificar os fatores de risco para as patologias mais prevalentes na população adulta
e idosa, atuando para a prevenção, o tratamento e a reabilitação.
• Conhecer a fundamentação e operacionalização dos Programas de Saúde do Adulto,
do Idoso, Tuberculose, Hanseníase, Síndrome Metabólica, Diabetes, Hipertensão,
Obesidade e Vigilância Epidemiológica
• Elaborar estratégias de planejamento de saúde que dêem conta da demanda de saúde
de um determinado território.
Ementa:
Programas de Saúde Pública. Doenças crônicas transmissíveis e não transmissíveis.
Atendimento ao Idoso saudável e frágil. Vigilância Epidemiológica. Noções de Economia da
Saúde. Psicologia médica aplicada.
Conteúdo Programático:
• Saúde do Adulto
• Tuberculose
• Hanseníase
• Geriatria
• Síndrome Metabólica e Diabetes
• Vigilância epidemiológica
• Notificação compulsória
• Controle de infecção hospitalar
• Economia da saúde
Metodologia de Ensino Utilizada:
Atendimento de pacientes previamente agendados nos Ambulatórios e CS Vila Mariana
supervisionados por um docente. Discussão de casos clínicos e aulas teóricas.
Recursos Humanos Instrucionais Necessários:
Enfermarias do Hospital São Paulo para Vigilância Epidemiológica, Ambulatório de
Geriatria do HSP e Centro de Saúde de Vila Mariana para atendimento de pacientes. As
aulas teóricas são ministradas na Unidade Didática, utilizando-se de recursos multimídia.
Recursos humanos: docentes do Departamento de Medicina Preventiva e Disciplina de
Geriatria/Departamento de Medicina
Avaliação:
Leva em conta a participação, desempenho e interesse, controle de freqüência, a
apresentação de trabalhos em seminários e a avaliação proveniente da prova escrita.

176
177
Bibliografia

Básica:
FUNASA. Controle da Tuberculose: uma proposta de Integração Ensino-Serviço. 5 ª ed. Rio
de Janeiro: FUNASA/CRPHF/SBPT, 2002.

FUNASA. Hanseníase: Guia de Vigilância Epidemiológica, 5ª ed. Brasília, 2002.

MS. Ministério da Saúde. Transmissão vertical da AIDS: Manuais nº. 46. Recomendações
para profilaxia da transmissão materno infantil do HIV e terapia anti-retroviral em gestantes,
2001.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Consenso de Diabetes 1ª ed. Rio de Janeiro: Diagraphic,


2003.

FUNASA. Hanseníase: Guia de Vigilância Epidemiológica. 5ª ed. Brasília, 2002.

Módulo de atualização sobre o tratamento do Diabetes Tipo 2 e Doenças Associadas –


Síndrome Metabólica (SBD e ALAD). Fascículo I – O Diabetes Tipo 2 no Contexto da
Síndrome Metabólica. Fascículo II – Agentes orais no tratamento do Diabetes Tipo 2.
Fascículo III – Tratamento insulínico em pacientes diabéticos Tipo 2. Fascículo IV –
Conduta terapêutica na Hipertensão Arterial, nas Dislipidemias e na Obesidade em
Pacientes Diabéticos.

Curso Latino-Americano sobre Diabetes e Síndrome Metabólica para Clínicos. (SBD e


ALAD). Fascículo I – Conceito e Epidemiologia da Síndrome Metabólica. Fascículo II –
Abordagem não-farmacológica para o Tratamento da Síndrome Metabólica. Fascículo III –
Abordagem Clínica e Terapêutica para a Obesidade e o Sobrepeso no Paciente Diabético
Tipo 2 Obeso.

Calkins E, Ford AB, Katz, PR.Geriatria prática. 2ª ed. Rio de Janeiro: Revinter,1997.

Complementar:
Sites:
www.funasa.gov.br
www.pneumoatual.com.br
www.cve.saude.sp.gov.br
www.sucen.sp.gov.br

Hazzar WR, Blass JP, Ettinger Jr WH, Halter JB, Ouslander JG. Principles of Geriatric
Medicine and Gerontology. 4ª ed. USA: McGraw-Hill, 1999.

Cassel CK, Cohen HJ, Larson EB, Meier DE, Resnick NM, Rubenstein LZ, Sorenson LB.
Geriatric Medicin. 1ª ed. New York: Springer – Verlag, 1997.

Goldman L, Ausiello D. Cecil – Tratado de Medicina Interna (Trad. Kemper A et al.). 22ª ed.
São Paulo: Elsevier, 2005.

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas, 2005.

177
178

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Ana M. Soares Menezes Medicina Doutor TA/20
Preventiva
Angelo Felicisssimo Medicina Mestre TA/20
Preventiva
Cybelle Maria Costa Diniz Medicina Especialista 20
Eliana T. Hayama Medicina Especialista
Preventiva
Fania Cristina dos Santos Medicina Doutor 20
Ines Miney Centro de SaúdeEspecialista
VM
José Campos Filho Medicina Especialista 20
Katsumi Osiro Medicina Doutor 40
Preventiva
Lara Miguel Quirino Araújo Medicina Especialista 20
Luciane Ap. Kopke de Aguiar Medicina Mestre 20
Preventiva
Luiz Geraldo Benetton Medicina Especialista 20
Preventiva
Marcia Angelica Menon Medicina Doutora 20
Maysa Seabra Cendoroglo Medicina Doutora TA/20
Renee Jabur Medicina Especialista TA/20
Preventiva
Roberto Dischinger Miranda Medicina 20
Sandra Aparecida Ribeiro Medicina Doutora 40
Preventiva
Solange Miki Maeda Dermatologia Mestre TA/20h
Amélia T. Hirai Medicina Mestre 40h
Preventiva

178
179

Unidade curricular: Neurologia e Neurocirurgia


Professor Responsável: Contato: 5575-52-40 / 5083-9935
José Osmar Cardeal
Ano Letivo: 5ª série Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Neurologia e Neurocirurgia – Disciplinas de
Neurologia e Neurocirurgia
Carga horária total: 218
Carga Horária p/ prática: 85% Carga Horária p/ teoria: 15%

Objetivos
Geral:
• Proporcionar ao estudante o desenvolvimento do raciocínio clínico diante das
enfermidades neurológicas clínicas e cirúrgicas
Específicos: Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:
• desenvolver a anamnese e exame neurológicos
• formular hipóteses diagnósticas sindrômicas, topográficas e etiológicas diante das
doenças neurológicas mais comumente observadas na urgência, em enfermarias,
interconsultas e no ambulatório
• conhecer os principais procedimentos cirúrgicos em neurologia

Ementa:
Diagnóstico sindrômico, topográfico e etiológico das doenças neurológicas mais freqüentes.
Exames subsidiários nas neuropatias. Tumores cerebrais. Emergências e Urgências em
neurologia.
Conteúdo Programático:
• Anamnese e exame neurológico
• Distúrbios de sono
• Liquor (LCR)
• Cefaléias
• Demências
• Doenças extrapiramidais
• Acidente Vascular cerebral (AVC)
• Epilepsias
• Meningites e Encefalites
• Coma
• Polirradiculoneurite
• Hemorragias subaracnóidea
• Tumores cerebrais e raquianos

179
180
Metodologia de Ensino Utilizada
Treinamento em serviço supervisionado por professor, com ênfase para a obtenção de dados
neurológicos, orientação diagnóstica, investigação subsidiária e conduta, obedecidas as
particularidades dos diversos setores da neurologia nos quais o estudante deve participar. Na
esfera Neurocirúrgica: visitas matinais na enfermaria com o docente, onde são examinados
os casos internados e discutidos a posteriori em reuniões; plantões no pronto socorro, onde
atende o paciente, conjuntamente com os residentes e chefes de plantão; participação nas
cirurgias eletivas como observador; discussões sobre os temas principais da clínica
neurocirúrgica, principalmente aqueles que envolvem as urgências, com o intuito de fortalecer
o conteúdo teórico dos anos anteriores.
Recursos Instrucionais Necessários
Anfiteatro e multimídia para atividades teóricas. Enfermarias e ambulatórios adequados para
o atendimento.
Avaliação
Acompanhamento durante o estágio, considerando interesse, assiduidade, aquisição de
habilidade, participação. Relatório final sobre temas neurológicos especificados no conteúdo
programático.
Bibliografia
Básica:
Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas; 2005.

Braga FM, Melo PMP. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar / Unifesp – Neurocirurgia.
1ª ed. Barueri: Editora Manole, 2005.

Goldman L, Ausiello D. Cecil – Tratado de Medicina Interna (Trad. Kemper A et al.). 22ª ed.
São Paulo: Elsevier, 2005.

Complementar: artigos e textos indicados por professores no decorrer do estágio de acordo


com os casos atendidos.
Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
José Osmar Cardeal Neurologia e Doutor 40
Neurocirurgia
Acary Souza Bulle Oliveira Neurologia e Doutor TA/40
Neurocirurgia
Ademir Batista da Silva Neurologia e Doutor 40
Neurocirurgia
Deusvenir Souza Carvalho Neurologia e Doutor 40
Neurocirurgia
Oreste Paulo lanzoni Neurologia e Doutor TA/40
Neurocirurgia
Paulo Henrique Bertolucci Neurologia e Doutor TA/40
Neurocirurgia
Sergio Carvalheiro Neurologia e Livre-docente 40
Neurocirurgia
Paulo Marcio Porto de Melo Neurologia e Doutor 40
Neurocirurgia
Flavio Aurelio Settani Neurologia e Doutor 40
Neurocirurgia
Mirto Nerso Prandini Neurologia e Doutor 40
Neurocirurgia

180
181

Unidade Curricular: Otorrinolaringologia


Professor Responsável: Contato: Cecília (secretária)
Carlos Augusto Anadão tel 5576 4137/ 5549 7041
Ano Letivo: 5ª série Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Otorrinolaringologia
Carga horária total: 75h
Carga Horária p/ prática: 68% Carga Horária p/ teoria: 32%
Objetivos
Geral
• Propiciar conhecimentos e habilidades visando ao diagnóstico e tratamento das
doenças otorrinolaringológicas mais prevalentes.

Específicos: Espera-se que a unidade curricular possibilite ao estudante


• Realizar anamnese, exame físico em otorrinolaringologia (otoscopia, rinoscopia anterior
e posterior, orofaringoscopia, laringoscopia indireta)
• Capacidade para indicar e interpretar exames complementares.
• Realizar o diagnóstico e definir o tratamento
• Reconhecer o campo de atuação da especialidade, realizando os encaminhamentos
dos casos mais complexos
Ementa:
Doenças Otorrinolaringológicas: anatomia fisiopatologia, semiologia, diagnóstico,
Diagnóstico diferencial, tratamento.
Conteúdo Programático:
• Noções de Anátomo-fisiologia do Aparelho Auditivo e do Sistema Vestibular
• Métodos de Investigação da Audição
• Exame Otoneurológico
• Distúrbio do Equilíbrio na Criança e no Adulto
• Otites externa e média
• Otosclerose
• Surdez na criança, no adulto e no idoso
• Zumbidos
• Paralisia Facial periférica
• Noções de Anatomofisiologia do Nariz e Cavidades Paranasais
• Rinosinusopatias
• Epistaxe
• Antibióticos em Otorrinolaringologia
• Nasofibroma e Tumores Rinosinusais
• Trauma Nasal
• Corpo Estranho em ORL
• Ronco e Apnéia
• Algias Faciais
• Cirurgia Rinológica
• Hipertrofia Adeno-Amigdaliana
• Laringopatias
• Disfonia, Disfagia
• Câncer de Laringe
• Sialopatias
• Lesões Bucais (Estomatologia).

181
182
Metodologia de Ensino Utilizada:
Atividades práticas e teórico-práticas: assistência de pacientes no Pronto Atendimento,
Pronto-Socorro e Ambulatórios, sob supervisão dos docentes. Realização de pequenos
procedimentos em ORL. Acompanhamento de cirurgias no Centro Cirúrgico. Discussão de
casos clínicos. Aulas teóricas.
Recursos Humanos e Institucionais Necessários:
Docentes. Salas e materiais necessários para atendimento dos pacientes. Aulas teóricas:
anfiteatros e multimídia.
Avaliação:
Acompanhamento durante o estágio, considerando assiduidade, interesse, participação,
habilidades e atitudes. Provas escrita e oral no final do estágio.
Bibliografia
Básica
Hungria H. Otorrinolaringologia. 8ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas; 2005.

Fukuda Y. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar / Unifesp – Otorrinolaringologia. 1ª


ed. Barueri: Editora Manole, 2002.

Campos CAH, Costa HOO. Tratado de Otorrinolaringologia. 1ª ed. São Paulo: Roca, 2002

Complementar: artigos e textos orientados por docentes durante o estágio.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
Departamento Trabalho
Luc Louis M. Weckx ORL Livre-Docente 40 h
Paulo Augusto L. Pontes ORL Livre-Docente 40 h
Onivaldo Cervantes ORL Livre-Docente 40 h
Marcio Abrahão ORL Livre-Docente 40 h
Mario Sergio L. Munhoz ORL Livre-Docente 40 h
Yotaka Fukuda ORL Livre-Docente 40 h
Luis Carlos Gregório ORL Doutor 40 h
Arnaldo Guilherme ORL Doutor 40 h
Carlos Augusto Anadão ORL Doutor 20 h
Shirley S. N. Pignatari ORL Doutor 40 h
Heloisa Helena C.M. Ganança ORL Livre-Docente 40 h

182
183

Unidade Curricular: Pneumologia e Cirurgia Torácica


Professor Responsável : Contato:Jorge@pneumo.epm.br
Jorge Nakatani
Ano Letivo: 5ª serie Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas:: Departamento de Medicina – Disciplina de Pneumologia;
Departamento de Cirurgia – Disciplina de Cirurgia do Torácica
Carga horária total:126 horas
Carga Horária p/ prática: 85% Carga Horária p/ teoria:15%
Objetivos
Geral:
• Capacitar o aluno para a abordagem clínico-cirúrgica das principais doenças
pulmonares.

Específicos: Espera-se que a unidade curricular possibilite ao estudante


• sistematizar informações teórico-práticas sobre as principais doenças pulmonares
para definir e indicar os principais procedimentos em pneumologia
• resolver casos clínicos mais comuns nas áreas de cirurgia do tórax e pneumologia

Ementa:
Doenças pulmonares agudas e crônicas. Exames de apoio diagnóstico em pneumologia.
Tratamento clínico e cirúrgico de doenças pulmonares mais freqüentes.
Conteúdo Programático:
• função pulmonar
• radiologia torácica
• farmacologia
• dpoc
• asma
• pneumopatia intersticial
• tabagismo
• pneumonia
• derrame pleural
• tuberculose
• embolia pulmonar
• câncer de pulmão
• supuração pulmonar
• estenose traquéia / pleura
• nódulos
• interpretação dos exames complementares (radiografia, tomografia, gasometria
arterial, exame endoscópio, exames do expectorado e do líquido pleural).
• procedimentos básicos (punção arterial, punção pleural, passagem de intra – catch,
controle de dreno torácico)
• pré e pós-operatório de pacientes submetidos a cirurgia torácica.

Metodologia de Ensino Utilizada:


Atividades teórico – práticas: desenvolvidas em Enfermarias (Tórax e Pneumologia), Pronto
Atendimento e em Ambulatórios e incluem assistência aos pacientes, sob supervisão
docente, e discussões de casos clínicos. Na enfermaria, os estudantes são responsáveis
por leitos para realização da evolução clínica.
Atividade teóricas – aulas e seminários

183
184

Recursos Instrucionais Necessários


Docentes para o desenvolvimento de atividades teóricas e supervisão das atividades
práticas. Enfermarias e consultórios adequados para a assistência no pronto Atendimento e
em ambulatórios. Equipamentos apropriados para a especialidade: Oximetro, Espirômetro e
Pick flow meter, negatoscópio. Centro cirúrgico. Aulas teóricas: anfiteatro e multimídia.

Avaliação
Acompanhamento dos estudantes quanto à assiduidade, interesse, participação, habilidades
e atitudes junto à equipe e paciente. Prova no final do estágio

Bibliografia Básica

Tarantino BT. Doenças Pulmonares. 5ª edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas; 2005.

Correa da Silva LC. Condutas em Pneumologia. 2ª edição. Rio de Janeiro: Ed. Revinter,
2001.

Complementar: artigos e textos orientados pelos docentes no decorrer do estágio.


Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Ana Luisa Godoy Fernandes Medicina Livre-docente 40h
César Uehara Medicina Doutor 40h
Clystenes Odyr Soares Silva Medicina Doutor 40h
Jorge Nakatani Medicina Doutor 40h
José Roberto de Brito Jardim Medicina Doutor 40h
Osvaldo Shigueomi Beppu Medicina Doutor 40h
Luiz Eduardo Nery Medicina Doutor 40h
Carlos Alberto de Castro Pereira Medicina Especialista TA-20h
Célia Mallart Llarges Medicina Especialista TA-20h
Sonia Maria Faresin Medicina Especialista TA-40h
Milton Rodrigues Junior Medicina Especialista TA-20h
Ilka Lopes Santoro Medicina Especialista TA-40h
Rosali Teixeira da Rocha Medicina Especialista TA-40h
Fabiana Stanzani Medicina Mestre TA-20h
Sérgio R R de Almeida Santos Medicina Especialista TA-20h
Oliver Augusto Nascimento Medicina Especialista TA-20h
Maria Christina L de O Machado Medicina Doutor TA-40h
Maria Alenita de Oliveira Medicina Doutor TA-40h
Jaquelina Sonoe Ota Arakaki Medicina Especialista TA-20h
José Alberto Neder Medicina Doutor TA-40h
João Aléssio Juliano Perfeito Cirurgia Doutor 40h
Vicente Forte Cirurgia Doutor 40h
José Ernesto Succi Cirurgia Mestre 40h

184
185

Unidade curricular: Ambulatório interdisciplinar de atenção integral ao adulto I


Professor Responsável: Contato: 5082 1688
Manoel João Batista Castello Girão
Ano Letivo: 5º ano Semestre: 1º e 2º (rodizio)
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina; Departamento de Ginecologia;
Departamento de Psiquiatria; Departamento de Informática em Saúde; Departamento de
Patologia; Departamento de Cirurgia; Departamento de Diagnóstico por Imagem
Carga horária total: 160 horas
Carga Horária p/ prática: 95% Carga Horária p/ teoria: 5%
Objetivos
Geral:
• Desenvolver raciocínio clínico, habilidades e atitudes para a assistência integral ás
doenças prevalentes de adultos
Específicos: Espera-se que esta unidade curricular propicie ao estudante:
• Conhecer a fisiopatologia, diagnóstico clínico, por imagem e laboratorial das doenças
mais prevalentes no adulto
• Capacitar o aluno para a assistência a doenças prevalentes do adulto, desenvolvendo
vínculo, compromisso com o paciente
• Capacitar o aluno para a atenção integral ao paciente adulto considerando seu contexto
social, cultural e familiar
• Capacitar o aluno para a utilização de sofwares de gerenciamento clínico
Ementa: Assistência integral à saúde do adulto. Manejo (diagnóstico, tratamento,
acompanhamento) de doenças prevalentes do adulto e suas intercorrências. Busca em base
de dados bibliográficos. Análise crítica de artigos científicos. Telemedicina.
Conteúdo Programático
• Hipertensão arterial
• Diabetes
• Endocrinopatias – Hiper e Hipotiroidismo
• Insuficiência coronariana
• Avaliação nutricional do adulto
• Dores recorrentes
• Transtornos do humor
• Infecção de Trato Urinário
• Calculose renal
• Doença péptica
• Constipação intestinal
• Distúrbios do ciclo menstrual e outras queixas freqüentes em ginecologia
• Varizes
• Dermatoses freqüentes
• Informática e informação em saúde
• Base de dados bibliográficos de informação clínica
• Medicina baseada em evidência
• Telemedicina

185
186

Metodologia de Ensino Utilizada – atividades desenvolvidas com grupo de 8 a 10


estudantes
Cada estudante realiza atendimento em consultório equipado todos os materiais para o
atendimento clinico e computador, que tem instalado um conjunto de softwares necessários
para a criação de um ambiente denominado “Medical Workstation” ou Estação de trabalho
médico.
Reuniões para discussões de temas atuais em medicina.
Reuniões para discussões de casos clínicos

Recursos Instrucionais Necessários

Área física/Equipamentos/Materiais
• 10 consultórios informatizados para atendimento
• sala para pequenos procedimentos cirúrgicos
• salas e equipamentos para realização de exames (eletrocardiograma, coleta de
papanicolaou, etc)

Recursos humanos
• Professores/preceptores – 1 professor para cada 2 alunos (5 professores/período de 4
horas)
• Profissional de informática para gerenciamento da rede de computadores
Avaliação
A avaliação do estudante é realizada por docentes/preceptores do Centro Alfa, considerando
o processo ensino-aprendizagem. Inclui a apresentação de uma situação real ou simulada
(situação-problema) - dentro do contexto estudado - para que os estudantes analisem e
encaminhem uma solução. Este procedimento tem por objetivo proporcionar condições para
o aluno aplicar conhecimentos teóricos em situações práticas, em termos a) conceituais
(seleciona informações, fatos, conceitos, aspectos teóricos para a produção de novos
conhecimentos, relacionados à situação apresentada); b) Procedimentais - quando
demonstra competência para fazer, agir, de modo a implementar alternativas de solução
para o problema, baseadas nas teorias estudadas. Além disso, utiliza recursos de
informática em saúde que colaborem na busca de conhecimento e de informação
específicos para a resolução da situação proposta; c) Atitudinais – quando manifesta
respeito profissional ao ambiente, ao paciente e aos colegas, demonstrando freqüência,
pontualidade, iniciativa e atitude crítica. Além disso, leva em conta valores éticos, morais e
sociais na elaboração da proposta de solução

186
187

Bibliografia Básica
http://www.unifesp.br/dis/bibliotecas/livros.htm (Livros de acesso gratuito)
Http://www.anvisa.org.br (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)
http://www.unifesp.br/bibliotecas/
http://www.hon.ch/HONselect/index_pt.html (Health on net - Ética na Internet)
http://www.unifesp.br/dis/bibliotecas/bdados2.htm (Imagens Médicas)
http://www.unifesp.br/dis/bibliotecas/revistas.htm (Revistas cientificas de acesso gratuito)
http://www.bireme.br (BIREME)

Complementar
http://www.cebm.utoronto.ca/ (Centro de Medicina baseada em evidência)
http://www.centrocochranedobrasil.org.br/ (Centro Cochrane do Brasil)
http://www.periodicos.capes.gov.br/portugues/index.jsp (Periódicos Capes)
Links da http://www.unifesp.br/bibliotecas/
Bulário Eletrônico da ANVISA
Google - Saúde - Notícias sobre temas de saúde compiladas de 4500 jornais eletrônicos,
sem interferência editorial e atualizadas permanentemente. Ordenação por número de
publicações.
Mayo Clnic - Drug Information (Micromedex)
Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
(horas
semanais)
Abrão José Cury Junior Medicina Mestre 20
Adriana Cordovil Diagnóstico por Doutor 20
Imagem
Adriano Resende Lima Psiquiatria Mestre 20
Alvaro P. Junior Patologia Especialista 20
Antonio Jose Lopes Ferrari Medicina Mestre 20
Aroldo Walter Liberatoli Filho Medicina Doutor 40
Claudia Cristina Takano Ginecologia Mestre 20
Claudia G Novoa Barsottini Informática em saúde Mestre 40
Daniel Bekhor Diagnóstico por Mestre 20
Imagem
Daniela Fernanda Medicina Especialista 20
Emily I Hinoue Ginecologia Mestre 20
Fabio Lopes T. Filho Ginecologia Doutor 20
Gerd H. Stoeber Medicina Especialista 20
João Paulo Sartori Ginecologia Mestre 20
Jose Maria Soares Jr. Ginecologia Doutor 20
Manoel Girão Ginecologia Doutor 40
Marcos de Paula Nogueira Cirurgia Especialista 20
Mônica R. A. Vasconcellos Dermatologia Doutor 20
Neila Maria De Goeis Speck Ginecologia Doutor 20
Orlando de S. Junior Medicina Doutor 20
Patricia H. Vaz Tanesi Psiquiatria Especialista 20
Paulo Cesar F. M. Junior Ginecologia Mestre 20
Paulo Pereira de Andrade Ginecologia Mestre 20
Paulo Roberto Cesarini Medicina Doutor 20
Roberto Vestri Filho Clinica Médica Mestre 40
Roberto Vlainich Clinica da Dor Mestre 20

187
188
Sonia De Aguiar Vilela Mitrald Diagnóstico por Especialista 20
Imagem
Zsuzsanna Jarmy Di Bella Ginecologia Doutor 40

188
189

Unidade curricular: Endocrinologia


Professor Responsável: Contato:
Yeda Queiroga Confessor
Ana Maria Judith Lengyel
Ano Letivo: 5ª série Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina – Disciplina de Endocrinologia
Carga horária total: 120h
Carga Horária p/ prática: 63% Carga Horária p/ teoria: 37%
Objetivos:
Geral
• Transmitir conhecimentos sobre a fisiopatologia, manifestações clínicas, diagnóstico e
tratamento das endocrinopatias. Ênfase nas patologias mais comuns como diabetes,
obesidade, síndrome metabólico e doenças de tireoide

Específicos: Espera-se que a unidade curricular possibilite aos estudantes


• Reconhecer clinicamente as endocrinopatias
• Fisiopatologia, diagnóstico e tratamento do diabetes mellitus
• Reconhecimento e tratamento das complicações do diabetes mellitus, em especial da
cetoacidose diabética
• Fisiopatologia, diagnóstico e tratamento dos principais distúrbios endocrinológicos
• Fisiopatologia, diagnóstico e tratamento dos distúrbios metabólicos mais frequentes.

Ementa:
Fisiopatologia, diagnóstico e tratamento das principais endocrinopatias. Diabetes Mellitus.
Doenças da tireóide, paratireóide e hipófise. Distúrbios metabólicos.

Conteúdo Programático
• Diabetes Mellitus tipo 1 e tipo 2
• Cetoacidose diabética, coma hiperosmolar, complicações crônicas do diabetes
• Tireotoxicose, hipotireoidismo
• Nódulos tireodianos
• Câncer de tireóide
• Adenomas de hipófise, panhipopituitarismo, hiperparatireoidismo
• Síndrome de ovários policisticos
• Puberdade precoce
• Hiperplasia adrenal congênita
• Síndrome de Cushing
• Doença de Addison,
• Feocromocitoma,
• Hiperaldosteronismo primário
• Hipoglicemia
• Obesidade.

189
190

Metodologia de Ensino Utilizada


Aulas teórico-práticas com ênfase em discussão de casos. Os estudantes utilizam
conhecimentos adquiridos de fisiologia endócrina e casos clínicos reais para o aprendizado
teórico, além do contato direto com os pacientes nos diversos Ambulatórios.

Recursos Instrucionais Necessários


Locais para discussão. Multimídia. Professores qualificados para o ensino. Ambulatórios

Avaliação
Prova escrita final.

Bibliografia Básica:
1. Fauci AS, Braunwald E, Kasper D, Hauser S. Harrison’s Principles of Internal Medicine.
16th ed. New York: Mcgraw-Hill Professional, 2004.
2. Goldman L, Ausiello D. Cecil – Tratado de Medicina Interna (Trad. Kemper A et al.). 22ª ed.
São Paulo: Elsevier, 2005.

3. Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas, 2005
4. Andriolo A. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar / Unifesp – Medicina Laboratorial.
1ª ed. Barueri: Editora Manole, 2004
Complementar:

1. Greenspan FS (ed.) - Basic and Clinical Endocrinology. 3rd edition. Norwalk: Appleton &
Lange, 1991.
2. Guimarães RX, Guerra CC (ed) - Clinica e Laboratório. Interpretação Clínica das Provas
Laboratoriais. 4ª ed. São Paulo: Sarvier, 1990.
3. Wajchenbert BL (ed) - Tratado de Endocrinologia Clínica. 1ª ed. São Paulo: Livraria Rocca
Ltda, 1992.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Antonio Roberto Chacra Medicina Livre-docente 40
Ana Maria Judite Lengyel Medicina Doutor 40
Cláudio Elias Kater Medicina Doutor 40
Ieda T. do Nascimento Verreschi Medicina Doutor DE
Júlio Zaki Abucham Filho Medicina Doutor 40
Maria Teresa Zanella Medicina Livre-Docente 40
Regina Célia M. S. Moisés Medicina Livre-Docente DE
Reinaldo Perrone Furlanetto Medicina Doutor 40
Rui Monteiro de Barros Maciel Medicina Livre-Docente 40
Sérgio Atala Dib Medicina Doutor 40

190
191

Unidade curricular: Ginecologia e Obstetrícia - Hospital Vila Maria


Professores Responsáveis: Contato:
Marair G. F. Sartori (Ginecologia) Valéria (Ginecologia)55793321/557641004104
Nelson Sass (Obstetrícia) Prof. Nelson (Obstetrícia) -55722605
Ano Letivo: 5ª série Semestre
Departamento/Disciplinas participantes: Departamentos de Ginecologia e Obstetrícia
Carga horária total: 162 horas.
Carga Horária p/ prática: 85% Carga Horária p/ teoria: 15%

Objetivos
Ginecologia
Geral:
• Inserir o aluno em atendimento ginecológico e obstétrico de um hospital geral.

Específicos: Espera-se que a unidade curricular possibilite ao estudante


• Realizar atendimento, diagnóstico e conduta das afecções mais freqüentes em ginecologia e
obstetrícia.
• Realizar procedimentos e atos cirúrgicos em ginecologia e obstetrícia
• Realizar assistência ao parto normal
• Reconhecer patologias prevalentes em ginecologia e obstetrícia e estabelecer condutas iniciais.
• Estabelecer relação médico-paciente adequada que a especialidade exige

Ementa
Fisiopatologia, diagnóstico e definição de condutas em ginecologia geral. Procedimentos e atos
cirúrgicos em ginecologia e obstetrícia. Assistência ao parto normal e ao puerpério.
Conteúdo Programático.
• Contração uterina e suas anomalias (distócias)
• Bacia e feto como fatores do parto e relações útero-fetais
• Evolução clínica do parto e Partograma
• Assistência ao parto e Mecanismo de parto nas cefálicas fletidas
• Cardiotocografia ante e intraparto
• Puerpério e Lactação
• Assistência ao Parto Prematuro
• Ruptura Prematura das Membranas Ovulares
• Doença Hipertensiva Específica da Gravidez
• Síndromes Hemorrágicas da 1ª metade da gestação
• Síndromes Hemorrágicas da 2ª metade da gestação
• Patologias do 3º e 4º períodos

Ginecologia:
• Reprodução humana
• Síndromes hemorrágicas
• Tumores ginecológicos benignos e malignos
• Tuomores benignos e malignos de mama

191
192

Metodologia de Ensino Utilizada


Estágio fundamentalmente prático, incluindo assistência direta às pacientes na enfermaria, centro
cirúrgico, pré-parto e sala de parto. Sob supervisão de docentes e preceptores. São realizadas aulas
teóricas em anfiteatro e discussões de casos clínicos.

Recursos Humanos e Instrucionais Necessários


• Professores e médicos contratados.
• Materiais e equipamentos específicos para a prática da especialidade como mesa ginecológica e
para partos, fita métrica, espéculos vaginais, luvas, aparelhos de Sonar-Doppler, aparelho de ultra-
som, monitores para cardiotocografia.
• Estrutura hospitalar desde a recepção do paciente no pronto atendimento, centro obstétrico, centro
cirúrgico e enfermaria. Para tanto são fundamentais as organizações do serviço, integração dos
recursos materiais e humanos da instituição e a incorporação institucional da filosofia de hospital
escola.
• Espaços para discussão clínica e projeção das aulas com mesa, cadeiras, tela para projeção,
projetores.
• Biblioteca para estudo complementar e acesso à informação eletrônica para ampliar o aprendizado.
.

Avaliação
Acompanhamento do estudante durante – interesse, participação nas atividades, assiduidade, responsabilidade,
interação com a equipe e pacientes. Prova com testes de múltipla escolha. Relatório entregue ao final do
estágio : procedimentos, onde tiveram participação (partos normais, fórcipes, cesáreas, laparotomias,
curetagens), consultas atendidas no pronto socorro e pacientes acompanhadas na enfermaria.

Bibliografia
Básica:
Camano L, Souza E, Sass N, Mattar R. Editores. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/
Unifesp – Obstetrícia. Barueri: Editora Manole, 2003.

Borges DR, Rothschild HA. (Ed). Atualização Terapêutica 2005. São Paulo: Artes Médicas, 2005.

Delascio D. Obstetrícia Normal - BRIQUET. São Paulo: Sarvier, 1981.

Lima GR, Gebrim LH, Cintra E, Oliveira V, Martins NV. Ginecologia Oncológica. São Paulo: Atheneu,
1999.

Baracat EC, Lima GR. Editores. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp. – Ginecologia.
Barueri: Editora Manole, 2005.

Complemetar:
Lima GR, Baracat EC. Ginecologia Endócrina. São Paulo: Atheneu, 1995.

Girão MJBC, Sartori MGF, Baracat EC, Lima GR. Cirurgia Vaginal e Uroginecologia. 2ª ed. São Paulo:
Artes Médicas, 2002.

192
193

DOCENTES PARTICIPANTES
Nome Origem Titulação Regime de Trabalho
(Departamento)
Nelson Sass Obstetrícia Doutor 40
Mary Uchiyama Obstetrícia Doutor 40
Eduardo de Souza Obstetrícia Livre-Docente 40
Rufino D. Lopez Obstetrícia Mestre 40
Marair G. F. Sartori Ginecologia Doutor 40
Luciana Crema Ginecologia Especialista TA/20

193
194

Unidade Curricular: Hematologia e Hemoterapia


Professor Responsável Contato:
Maria Stella Figueiredo 5576-4240/4237
Ano Letivo: 5ª série Semestre: 1º e 2º
Departamento/ Disciplinas: Departamento de Medicina - Disciplina de Hematologia e
Hemoterapia
Carga horária total: 24 h
Carga Horária p/ prática: 50% Carga Horária p/ teoria: 50%
Objetivos
Geral
• Proporcionar conhecimentos e habilidades para o reconhecimento das principais
síndromes clínicas relacionadas ao sistema hematológico, bem como conhecer as
bases para o tratamento destas doenças.
Específicos: Espera-se que esta unidade curricular propicie aos estudantes:
• Conhecer os fundamentos fisiopatológicos das principais síndromes hematológicas;
• Realizar anamnese, exame clínico e estabelecer diagnósticos sindrômicos;
• Conhecer os principais recursos diagnósticos complementares
• Desenvolver uma relação de respeito e compreensão com o paciente;
• Conhecer as bases terapêuticas das doenças hematológicas mais prevalentes.
Ementa
Síndromes Anêmicas. Imunohematologia e Hemoterapia. Doenças Mieloproliferativas.
Doenças Linfoproliferativas. Coagulopatias. Transplante de Medula Óssea.
Conteúdo Programático
• Anemias – fisiopatologia e importância na prática clínica.
• Processos fisiopatológicos envolvidos na gênese das doenças oncohematológicas:
leucemias, síndromes mieloprolifetativas, e doenças linfoproliferativas.
• Doenças do sistema Hemostático
• Técnicas de captação de doadores - fracionamento de sangue e indicações
transfusionais.
• Indicações de Transplante de Medula Óssea e de suas complicações mais frequentes.
• Metodos laboratoriais utilizados para o diagnóstico e acompanhamento de pacientes
com distúrbios hematológicos
Metodologia de Ensino Utilizada e Cenários:
Aulas teóricas: sala de aula da Disciplina de Hematologia
Aulas teórico-práticas: dependências do Hemocentro e da Unidade de Transplante de
Medula Óssea.
Aulas práticas: ambulatórios da Disciplina de Hematologia e Hemoterapia.
Recursos Instrucionais Necessários
Anfiteatro e multimídia para aulas teóricas. Estrutura e equipamentos para atividades em
enfermaria, ambulatórios e setores especializados.

Avaliação
Avaliação do conhecimento durante as diferentes atividades teóricas e/ou teórico-práticas,
ou na forma de discussão de casos clínicos durante as atividades práticas: peso 7
Avaliação do aluno levará em consideração também interesse, ética e freqüência: peso 3

194
195
Bibliografia Básica
Hoffbrand AV, Pettit JE, Moss PAH. Fundamentos em Hematologia. 4ª ed. Porto Alegre:
ArtMed Editora, 2004.
Stiene-Martin EA, Lotspeick-Steininger CA, Koepke JA. Clinical Hematology. Principles,
procedures, correlations. 2ª ed. Philadelphia: Lippincott; 1998.

Goldman L, Ausiello D. Cecil – Tratado de Medicina Interna (Trad. Kemper A et al.). 22ª ed.
São Paulo: Elsevier, 2005.

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas, 2005.

Complementar
Zago MA, Falcão RP, Paquini R. Hematologia. Fundamentos e Prática. 1a ed. São Paulo:
Editora Atheneu, 2001.
Rodak BF. Diagnostic Hematology. 1ª ed. Philadelphia: W.B. Saunders Co, 1995.
Lee GR, Bithell TC, Foerster J, Thens JW, Lukens JN. Withrobe's Clinical Hematology. 9a
ed. Pennsylvania: Lea & Febiger Editors, 1993.
Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
Trabalho
(Depar tamento)

Medicina
Maria Stella Figueiredo Livre-docente 40

Medicina
Dayse Maria Lourenço Livre-docente DE

Medicina
José Orlando Bordin Livre-docente 40

Medicina
Maria de Lourdes L. F. Cahuffaille Livre-docente 40

Medicina
Gisele W. B. Colleoni Doutor DE

Medicina
José Salvador Rodrigues de Livre-docente 40
Oliveira
Medicina
Mihoko Yamamoto Doutor 20

195
196

Unidade Curricular: Nefrologia e Urologia


Professor Responsável: Contato: 11-5574.6300
Alvaro Pacheco e Silva Filho apacheco@nefro.epm.br
Ano Letivo: 5ª série Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina – Disciplina de Nefrologia;
Departamento de Cirurgia – Disciplina de Urologia
Carga horária total: 100hs
Carga Horária p/ prática:70% Carga Horária p/ teoria: 30%
Objetivos
Geral
Conhecer as principais patologias renais, do trato urinário, seus aspectos fisiopatológicos,
diagnósticos e seus tratamentos clínicos e cirúrgicos.
Específicos: Espera-se que unidade curricular possibilite ao estudante
• Conhecer etiologia, fisiopatologia, diagnóstico e terapêutica nas seguintes doenças:
Hipertensão Arterial, Infecção do Trato Urinário, Insuficiência Renal Crônica,
Insuficiência Renal Aguda, Litíase, Nefrite e Transplante Renal.
• Desenvolver avaliação crítica quanto aos aspectos dos procedimentos urológicos.
Ementa
Etiologia, fisiopatologia, diagnóstico e terapêutica das doenças do Sistema Urinário.
Traumas e urgências do trato urinário. Indicações cirúrgicas em doenças do trato urinário.

Conteúdo Programático
- Rim e sistema endócrino: eritropoietina.
- Filtração, equilíbrio ácido-base e hidro-eletrolítico
- Exame de Urina e Função Renal – hematúrias, leucocitúrias, bacterinúria
assintomética, proteinúrias, quilúria: como diagnosticar
- Incidência e prevalência da insuficiência renal no Brasil e comparações
internacionais
- Morbidade e mortalidade de pacientes com insuficiência renal
- Causas da insuficiência renal crônica e análise da sobrevida
- Acesso do tratamento de doenças renais crônicas
- Epidemiologia da Hipertensão Arterial Primária
- Fluxograma de atendimento ao pacientes hipertensos
- Diagnóstico diferencial de hipertensão arterial primária e secundária
- Fatores de risco para a hipertensão e doenças cardiovasculares
- Diagnóstico das complicações da hipertensão arterial
- Discussão de tratamento não farmacológico e farmacológico de hipertensão
arterial - III Consenso Brasileiro de Hipertensão Arterial

196
197
- Cólica nefrética – diagnóstico clínico e laboratorial na fase aguda
- Indicações de litotripsia no cálculo urinário
- Alterações metabólicas no paciente em litíase renal, diagnóstico e tratamento
- Influência da dieta na urolitíase
- Quadro clínico laboratorial e tratamento da infecção de trato urinário
- Fatores predisponentes à infecção do trato urinário
- Glomerulopatias – conceito, etiologia, diagnóstico e tratamento dos quadros
mais frequentes
- Síndrome nefrótica - conceito, etiologia, diagnóstico e tratamento dos quadros
mais frequentes
- Biópsias renais
- Síndrome nefrítica aguda – definição e quadro clínico
- Glomerulonefrite rapidamente progressiva (GNRP) – definição e quadro clínico
- Transplante Renal: com doadores vivos, pai, mãe, irmãos
- Transplante com doador cadáver
- Insuficiência Renal Crônica: definição, Diagnóstico diferencial da IRA e IRC:
anamnese, clínica, evolução, US renal.
- Manifestações clínicas e tratamento da síndrome urêmica
- Indicações de diálise - hemodiálise e diálise peritonial
- Importância da avaliação e orientação nutricional na IRC
- Neoplasias do rim, próstata, cistites, malformações e neoplasias vesicais,
inflamação e neoplasias de testículo

- Anatomia radiológica do trato urinário, malformações renais, doença as bolsa


testicular, medicina nuclear na função renal, diagnóstico por imagem da adrenal
- Propedêutica urológica,
- Doenças sexualmente transmissíveis
- Hiperplasia prostática
- Tumores benignos e malignos do trato urinário
- Refluxo vésico-ureteral, bexiga neurogênica, incontinência urinária, disfunção
sexual masculina, varicocele e litíase urinária.

197
198
Metodologia de Ensino Utilizada e Cenários

Aulas teóricas ministradas de forma dinâmica por docentes com conhecimento e


experiência prática no assunto abordado.Utilização de recursos como multimídia com o
intuito de despertar nos alunos o interesse e a necessidade da busca na literatura médica
sobre trabalhos relacionados ao tema. Aulas práticas com oferecimento de apostilas e cds
com aulas interativas. Aulas práticas na enfermaria com discussão de casos clínicos, para
a realização da anamnese, exame físico e interpretação dos exames laboratoriais e de
imagem possibilitando ao aluno realizar hipótese diagnóstica.

As aulas são ministradas:


- Enfermaria do Hospital São Paulo
- Reunião Clínica do Hospital do Rim e Hipertensão
- Ambulatório de Hipertensão
- Unidade de Terapia Intensiva
- Aula Teórica Disciplina de Nefrologia
- Ambulatório de Insuficiência Renal Crônica - Ambulatório de Transplante Renal

Recursos Instrucionais Necessários

O paciente internado e o ambulatorial são a matéria prima instrucional. As cirurgias ao vivo


e em vídeo. Participação ativa em todas as reuniões de sub especialidades.
Avaliação
- Participação e pontualidade nas aulas práticas e teórico-práticas.
- Prova Escrita ao final do Módulo.

Bibliografia

Básica
IV Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial, 2002

Goldman L, Ausiello D. Cecil – Tratado de Medicina Interna (Trad. Kemper A et al.). 22ª ed.
São Paulo: Elsevier, 2005.

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas, 2005.

Ribeiro AB (ed). Atualização em Hipertensão Arterial, Clínica, Diagnóstico e Tratamento. 1ª


ed. São Paulo: Editora Atheneu, 1996.

Ajzen H, Shor N. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp - Nefrologia.1ª ed.


Barueri: Manole, 2004.

Manfro RC, Noronha IL, Silva Filho AP. Manual de Transplante Renal. 1ª ed. Barueri:
Editora: Manole, 2003.

Odall’oglio M, Srougi M, Nesrallah LJ, Ortiz V. Guias de Medicina Ambulatorial e


Hospitalar/ Unifesp - Urologia.1ª ed. Barueri: Manole, 2004.

Cury J, Simonetti R, Srougi M. Urgências em Urologia. 2ª ed. São Paulo: Editora


Sarvier,1999.

Complementar
Periódicos indexados, consultados através do portal da Capes.

Docentes Participantes

198
199
Nome Origem Titulação Regime de
Departamento Trabalho
Agostinho Tavares Medicina Doutor 40h
Alessandra Coelho Pedrosa Medicina Mestre 40h
Aluízio Barbosa de Carvalho Medicina Doutor 40h
Alvaro Pacheco e Silva Filho Medicina Livre-Docente 40h
Antônio Macedo Júnior Cirurgia Livre Docente 20h
Arquimedes Nardozza Cirurgia Doutor 20h
Carlos Alberto Balda Medicina Doutor 40h
Cássio Andreoni Cirurgia Doutor 40h
Eduardo Cantoni Rosa Medicina Doutor 40h
Fernando Almeida Cirurgia Doutor 40h – prof.
Visitante
Gilmar Garrone Cirurgia Especialista 20h
Homero Arruda Cirurgia Doutor 40h
Homero Bruschini Cirurgia Livre-Docente 40h
Hudson de Lima Cirurgia Especialista 20h
Joaquim Claro Cirurgia Livre-Docente 20h
José Carlos Truzzi Cirurgia Doutor 40h
José Cury Cirurgia Doutor 20h
Kikumi Suzete Ozaki Medicina Mestre 40h
Luciano Nesrallah Cirurgia Doutor 20h
Marco Antônio Nadaletto Medicina Mestre 40h
Marco Mori Cirurgia Doutor 40h
Marcos Dall’Oglio Cirurgia Doutor 20h
Maria Cláudia Cruz Andreoli Medicina Mestre 40h
Maria Eugênia Fernandes Medicina Doutor TA/40h
Canzinao
Mario Paranhos Cirurgia Doutor 20h
Maurício Galvão Pereira Medicina Especialista TA/20h

Maurício Hachul Cirurgia Doutor 40h


Miguel Cendoroglo Neto Medicina Doutor 40h
Morad Amar Medicina Mestre 40h
Nádia Karina Guimarães de Medicina Especialista Ta/40h
Souza
Niels Olsen Saraiva Câmara Medicina Doutor TA/40h
Osvaldo Kohlmann Jr Medicina Doutor 40h
Patrícia Ferreira Abreu Medicina Doutor 40h
Renato Fraietta Cirurgia Doutor 40h
Riberto Garcia da Silva Medicina Especialista 40h
Riberto Liguori Cirurgia Especialista 20h
Rogério Simonetti Cirurgia Doutor 40h
Sérgio Antônio Draibe Medicina Doutor 40h

Sérgio Ximenes Cirurgia Mestre 20h


Valdemar Ortiz Cirurgia Livre-docente 40h
Vicente de Paulo Castro Teixeira Medicina Doutor 20h

199
200

Unidade curricular: Oftalmologia


Professor Responsável: Paulo Schor Contato: Secretaria@oftalmo.epm.br
Ano Letivo: 5ª série Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Oftalmologia
Carga horária total: 45
Carga Horária p/ prática: 20% Carga Horária p/ teoria: 80%

Objetivos
Gerais:
• Capacitar o estudante para o reconhecimento das patologias oculares mais freqüentes e orientar
os pacientes na conduta inicial nos problemas mais freqüentes e nas urgências

Específicos: Espera-se que as atividades da unidade curricular possibilitem ao estudante:


• Reconhecer a localização anatômica da lesão ocular
• Aprender os sinais e sintomas oculares
• Aprender o diagnóstico diferencial das patologias oculares mais freqüentes
• Medir acuidade visual de diferentes métodos
• Avaliar a motilidade ocular extrínseca
• Avaliar os reflexos pupilares
• Everter a pálpebra superior e avaliar o olho traumatizado
• Avaliar a tensão óculo-digital
• Retirar um corpo estranho da conjuntiva tarsal superior
• Aprender a conduta em casos de queimaduras químicas e físicas
• Diferenciar as conjuntivites bacterianas das alérgicas e virais
• Reconhecer os principais detalhes da estrutura retiniana com a oftalmoscopia direta
• Princípios gerais de saúde ocular e qualidade de vida
• Realizar a oftalmoscopia direta
• Reconhecer os equipamentos oftalmológicos e iniciar nas técnicas propedêuticas oftalmológicas.
Ementa:
Sinais e sintomas oculares. Diagnóstico diferencial das patologias oculares mais freqüentes.
Acuidade visual de diferentes métodos. Trauma ocular. Urgências e emergências em oftalmologia.
Processos oculares inflamatórios infecciosos e não infecciosos. Saúde ocular e qualidade de vida.

200
201
Conteúdo programático:
• O exame ocular normal
• Acuidade visual
• Olho Vermelho
• Glaucoma
• Doenças Sistêmicas e Olho – Uveítes e Outras doenças sistêmicas - Retinopatia Hipertensiva
e Diabética
• Fundo de Olho Normal
• Catarata
• Ambliopia e estrabismo
• Vícios de Refração
• Trauma e Emergência
• Prevenção da Cegueira
• Conjuntivites e Ceratites
• Glaucoma do Desenvolvimento
• Queimaduras Químicas
• Toxoplasmose, AIDS Ocular, Herpes Simples e Herpes Zoster
• Olho Seco
• Alergias
• Politraumatizado e o Olho

201
202

Metodologia de Ensino Utilizada


Atividades teóricas e práticas desenvolvidas nos setores do Departamento de Oftalmologia e no
Centro Alfa de humanização.

Recursos Instrucionais Necessários


Corpo docente, anfiteatros com recursos audio-visuais, ambulatórios

Avaliação

• Um dia antes da última aula é realizada uma revisão de 1 hora online, do tipo chat, em local pré-
estabelecido. Após a revisão é postada a prova teórica geral para os estudantes, os quais devem
responder às questões por 1 hora, e retornar para o e-mail especificado na página.

• As notas serão calculadas pela presença (20%), participação nos seminários e aulas práticas
(30%), nota da prova na net (50%).

Bibliografia

Básica:
Schor P, Chamon W, Belfort Jr. R. Guias de Medicina Hospitalar e Ambulatorial: Oftalmologia. 1ª ed.
Barueri: Editora Manole, 2004.

UNIFESP VIRTUAL CORRELAÇÃO OFTALMO -CLÍNICA. Disponível em


http://www.virtual.unifesp.br/home/oftalmoclinicamedica/casosclinicos.php

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª edição. São Paulo: Editora Artes Médicas,
2005.

Lee JM, Uras R, Belfort R, Sigulem D. CD ROM Educacional em Oftalmologia . São Paulo.
Departamento de Oftalmologia e Departamento de Informática em Saúde, 2001.

Complementar:
Kanski JJ. Oftalmologia Clinica: 5ª ed. São Paulo: Editora Elsevier, 2004.

Pavan-langston D. Manual de Oftalmologia – Diagnóstico e tratamento. 4ª ed. Rio de Janeiro: Editora


MEDSI, 2001.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho (h)
César Lipener Oftalmologia Mestre TA∗-20
Cristina Muccioli Oftalmologia Livre Docente TA-20
Eduardo Soriano Oftalmologia Doutor TA-40
Ernesto Consoni Filho Oftalmologia Doutor TA-40
Luciene Barbosa de Sousa Oftalmologia Doutor TA-40
Marinho Jorge Scarpi Oftalmologia Livre Docente 40
Mariza Toledo de Abreu Oftalmologia Doutor 40
Mauro Nishi Oftalmologia Doutor TA-20
Mauro Silveira de Queiroz Campos Oftalmologia Livre Docente TA-40
Michel Eid Farah Oftalmologia Livre Docente 40
Norma Allemann Oftalmologia Doutor TA-20

202
203
Paulo Augusto de Arruda Mello Oftalmologia Doutor 40
Paulo Mitsuru Imamura Oftalmologia Mestre TA-20
Paulo Schor Oftalmologia Livre Docente TA-40
Pedro Paulo de Oliveira Bonomo Oftalmologia Doutor 40
Rubens Belfort Jr Oftalmologia Livre-docente 40
Wallace Chamon Alves de Siqueira Oftalmologia Livre Docente TA-20
Walton Nosé Oftalmologia Livre Docente TA-20

TA∗ -técnico-administrativo

203
204

Unidade curricular: Pediatria Geral e Comunitária


Professor Responsável: Contato: (11) 5549 6124
Rosana Fiorini Puccini rpuccini@terra.com.br
Ano Letivo:5ª série Semestre – 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Pediatria - Disciplina de Pediatria Geral e
Comunitária; Departamento de Informática em Saúde
Carga horária total: 160 horas/estágio
Carga Horária p/ prática: 90% Carga Horária p/ teoria: 10%

Objetivos

Geral
• Capacitar o estudante para uma atuação na atenção básica em pediatria na rede de
saúde de um sistema local

Específicos
Espera-se que esta unidade curricular possibilite aos graduandos
• Compreender a atual organização do Sistema Único de Saúde, o papel e a
complexidade de seus diferentes níveis de atenção.
• Analisar coeficientes e indicadores demográficos, compreendendo a importância dos
mesmos no planejamento e estruturação dos serviços de saúde na área da pediatria.
- Atuar como profissional em Unidades Básicas de Saúde e em Ambulatório Geral de
Pediatria, visando sua compreensão quanto ao papel do pediatra geral nesses serviços
e articulação destes com as especialidades.
- Reconhecer e atuar nas doenças de maior ocorrência regional na infância, incluindo
atividades de promoção à saúde e prevenção.
Ementa
Dados demográficos e indicadores de saúde. Organização e estruturação do Sistema Único
de Saúde. Educação em Saúde. Crescimento e Desenvolvimento da criança e do
adolescente. Alimentação e Imunizações da criança e do adolescente. Diagnóstico e
tratamento de doenças agudas e crônicas prevalentes na infância e na adolescência.

204
205
Conteúdo Programático
• Transição nutricional – desnutrição e obesidade
• Semiologia pediátrica
• A consulta pediátrica e a relação médico-paciente
• A criança e o adolescente em seu contexto familiar e social
• Crescimento e Desenvolvimento
• Alimentação da criança
• Aleitamento materno
• Imunizações da criança e do adolescente
• Infecção de Trato Urinário – diagnóstico, tratamento e acompanhamento
• Dores recorrentes na infância e adolescência
• IVAS – rinofaringites, sinusites, faringites, amigdalites, laringites / quadros virais e
bacterianos (diagnóstico, tratamento)
• Otites (diagnóstico, tratamento)
• Infecções de vias aéreas inferiores – bronquiolites, pneumonia
• Tuberculose na infância
• Chiado recorrente – lactente chiador, asma / diagnóstico, diagnóstico diferencial,
tratamento / afecções associadas (rinites)
• Anemias – fisiológica, carencial
• Icterícia fisiológica do RN
• Parasitoses intestinais
• Diarréia aguda – etiologia, diagnóstico, tratamento
• Violência contra a criança
• Mortalidade infantil – definição do coeficiente e de seus componentes (neonatal, pós-
neonatal), evolução no país, estado, RMSP nos últimos anos
• Conceitos básicos de epidemiologia – incidência, prevalência
• Sistema Único de Saúde – a organização de um sistema local, referência e contra-
referência
• O papel do pediatra geral na atenção básica e no ambulatório geral de pediatria
• Informação e informática em saúde

205
206
Metodologia de Ensino Utilizada

Atividades práticas

1. Saúde do Escolar - atividades de educação em saúde desenvolvidas em escolas


do Embu - 16 horas/10,0%
2. Assistência à criança em unidade básicas de saúde e Am bulatório do HSP
ü Vigilância do Crescimento e Desenvolvimento
ü Diagnóstico e Acompanhamento das Principais Doenças Ambulatoriais na Infância
/ Adolescência
ü Pronto Atendimento - doenças agudas mais freqüentes da criança / adolescente
ü Visitas domiciliares
ü Educação em saúde nas escolas de ensino fundamental do Embu

3. Preparo de Casos – discussão de casos a serem atendidos


4. Relação médico/paciente e desenvolvimento do papel profissional – atividade em
grupo coordenada por psicodramatista
5. Informática em saúde – DIS/EPM/Unifesp – atividade em laboratório de informática
– busca de informações em bases de dados em saúde, preparo do trabalho de
morbidade a partir de dados atendidos pelos próprios estudantes, pesquisa
bibliográfica, pesquisa de informações em saúde em bases de dados
Atividades teóricas
• Aulas e seminários

Recursos Instrucionais Necessários


Prática:
Material/área física/equipamentos
ü 10 consultórios (maca, balança, otoscópio, esfigmomanômetro) em ambulatório do
HSP e em unidades básicas de saúde
ü laboratório de informática para 10 estudantes
ü transporte para os estudantes para o município do Embu
ü refeição no município do Embu para 4 estudantes por dia
ü Laboratório de informática
Recursos Humanos
ü Professores – 1 professor/2 alunos no atendimento ambulatorial (Embu/Ambulatório
do Hospital São Paulo) – total: 5 professores por período
ü Professor – 1 professor por aula de informática

Teórica:
Material/Área física/equipamentos
ü anfiteatro – datashow, projetor de slide, retroprojetor
Recursos Humanos
ü Professores – 1 professor por aula/seminário

Avaliação
ü Acompanhamento das atividades práticas por meio de ficha estruturada – a qual
avalia conhecimento, habilidades e atitudes
ü Apresentação dos seminários e do trabalho de morbidade realizado na unidade
básica de saúde
ü Prova – escrita (caso clínico) e com questões de múltipla escolha.

206
207
Bibliografia Básica
Carvalho ES, Carvalho WB. Terapêutica e Prática Pediátrica. 2ª ed. São Paulo: Editora
Atheneu, 2000.

Sucupira AC, Kobinger MEBA. Pediatria em consultório. 2ª ed. São Paulo: Editora Sarvier,
2000.

Marcondes E, Vaz FAC, Ramos JLA, Okay Y. Pediatria Básica – Tomo I. 9ª ed. São Paulo:
Editora Sarvier, 2002.

Borges DR, Rothschild HÁ. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas, 2005.

Morais MB, Campos SO, Silvestrini WS. Guia de Medicina Ambulatorial e Hospitalar:
Pediatria. 1ª ed. Barueri: Editora Manole, 2005.

Complementar
Del Priore M. História das crianças no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 1999.

Monteiro CA. Velhos e novos males da saúde no Brasil. 2ª ed. São Paulo: Editora Hucitec,
2000.

Bricks LF, Cervi MC. Atualidades em Doenças Infecciosas – Manejo e Prevenção. SPSP –
Série Atualizações. São Paulo: Editora Atheneu, 2002

Waksman R, Gikas RMC. Segurança na Infância e Adolescência. SPSP – Série


Atualizações. São Paulo: Editora Atheneu, 2003.

Origem
Nome (Departamento) Regime de
Trabalho
Titulação
Alzira Rosa Esteves Pediatria Mestre TA∗-40h
Anete Colucci Gascon Pediatria Mestre TA-20h
Antônio José Rabelo Pediatria Especializ. TA-40h
Betina Lahterman Pediatria Especializ. TA-20h
Carlos Roberto Serachi Pediatria Especializ. TA-20h
Edina Mariko Koga da Silva Pediatria Doutor DE-40h
Elisete Miguel José Junqueira Pediatria Mestre 20h
Glaura César Pedroso Pediatria Mestre TA-40h
Humberto Bracco Neto Pediatria Doutor TA-20h
Maria Elisabeth B. Arruda Pediatria Especializ. TA-20h
Kobinger
Maria Wany Louzada Strufaldi Pediatria Doutor TA-40h
Marilena Otsuka Stasevskas Pediatria Especializ. TA-40h
Renato Nabas Ventura/40h Pediatria Doutor TA-40h
Renata Natrieli Chinen/20h Pediatria Especializ. TA-20h
Rosa Resegue Ferreira da Silva Pediatria Doutor TA-40h

207
208
Rosana Fiorini Puccini Pediatria Livre-docente DE-40h
Rudolf Wechsler Pediatria Mestre 40h
Suely Midori Ishimoto Terao/20h Pediatria Mestre TA-20h
Wagner Sergio Silvestrini Pediatria Doutor DE-40h
Meide da Silva Anção DIS Doutor 40h
Mônica Parente Ramos DIS Doutor 40h
TA∗= técnico-administrativo

208
209

Unidade curricular: Psiquiatria


Professor Responsável Miguel Roberto Contato:
Jorge migueljorge@psiquiatria.epm.br
Ano Letivo: 5ª série Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Psiquiatria
Carga horária total: 120 horas
Carga Horária p/ prática: 80% Carga Horária p/ teoria: 20%
Objetivos
Geral: Familiarizar o futuro médico com as patologias psiquiátricas mais prevalentes
em serviços não especializados, particularmente com seu diagnóstico e manejo
terapêutico.
Específicos: Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:
• conhecimento e habilidades para diagnóstico e tratamento dos quadros de
ansiedade, depressão e abuso/dependência de substância psicoativas
• conhecimento e habilidades para atender quadros psiquiátricos que se
apresentam em serviços de pronto-socorro
• conhecimento e habilidades para o diagnóstico e tratamento de quadros
psiquiátricos graves, particularmente em pacientes internados e sob cuidados de
equipe multi-profissional
• conhecimento para o reconhecer e manejar aspectos psicológicos de pacientes
psiquiátricos e gerais.
Ementa
Diagnóstico e tratamento dos quadros psiquiátricos freqüentes e aspectos
psicológicos de pacientes psiquiátricos e gerais.
Conteúdo Programático
• Aspectos psicodinâmicos em atenção a mbulatorial
• Transtornos mentais graves em pacientes internados
• Diagnóstico e tratamento do abuso/dependência de substâncias
psicoativas
• Diagnóstico e tratamento dos transtornos do humor e de ansiedade
• Diagnóstico e tratamento das urgências psiquiátricas
• A tarefa médica

Metodologia de Ensino Utilizada: atendimento sob supervisão de pacientes


ambulatoriais e internados e seminários teórico-práticos.

Recursos Instrucionais Necessários: docentes, enfermaria de psiquiatria, serviço


de emergência psiquiátrica, ambulatório de psiquiatria, sala de aula.

Avaliação: realizada considerando desempenho nas atividades práticas, atitudes na


atenção aos pacientes e na relação com seus colegas e professores, bem como no
que concerne à sua participação nas discussões de casos e conhecimento
demonstrado. Apresentam relatório contendo uma anamnese completa de um caso
e são submetidos a uma prova dissertativa ao fim do estágio.

209
210
Bibliografia
Básica:
Almeida OP, Dratcu L, Laranjeira R. Manual de Psiquiatria. São Paulo: Editora
Guanabara Koogan, 1996

Mari JJ, Razzouk D, Del Porto JA. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar –
Psiquiatria. UNIFESP/EPM. Barueri: Editora Manole,2002.

Complementar:
Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora
Artes Médicas; 2005.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Depto) Trabalho
Miguel R. Jorge Psiquiatria LD 40h
José Atílio Bombana Psiquiatria Doutor 40h
Wilma S. Swarcz Psiquiatria Especialista 20h
Geraldo C. Galender Psiquiatria Especialista 40h
Cristiane Barbieri Psiquiatria Especialista 40h
Marcelo Ribeiro Psiquiatria Mestre
Luiz Antonio N. Martins Psiquiatria Doutor 40h

210
211

Unidade curricular: Ambulatório interdisciplinar de atenção integral ao adulto II


Professor Responsável: Contato: 5082 1688
Manoel JB Castello Girão girao.toco@epm.br
Ano Letivo: 6ª série Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina; Departamento de Psiquiatria –
Disciplina de Psicologia Médica; Departamento de Ginecologia; Departamento de Cirurgia;
Departamento de Informática em Saúde; Departamento de Dermatologia; Departamento de
Oftalmologia
Carga horária total: 120h
Carga Horária p/ prática: 85% Carga Horária p/ teoria: 15%

Objetivos
Geral:
• Desenvolver habilidades em áreas específicas da medicina.Tem-se como meta a
aquisição de conhecimentos dentro das especialidades existentes no centro alfa.

Específicos – Espera-se que a unidade curricular possibilite ao estudante:


• Estabelecer diagnóstico e condutas nas doenças mais freqüentes das especialidades
clínicas e cirúrgicas do adulto
• Realizar atendimento integral ao paciente, considerando aspectos psicossociais e seu
ambiente familiar e socioeconômico
• Definir com base em evidências científicas a solicitação de exames subsidiários
• Analisar e interpretar exames laboratoriais e de imagem, estabelecendo correlação com
os casos atendidos
Ementa:
Doenças prevalentes do adulto. Tratamento e acompanhamento de doenças crônicas
transmissíveis e não transmissíveis. Aspectos psicossociais na determinação do processo
saúde-doença. Campo de atuação do médico geral e do especialista.

Conteúdo Programático
• Hipertensão arterial
• Diabetes Mellitus
• Arritmias Cardíacas
• Acidente Vascular Cerebral
• Depressão
• Dores recorrentes
• Afecções dermatológicas
• Informática e informação em saúde
• Medicina baseada em evidência
• Telemedicina

211
212
Metodologia de Ensino Utilizada
Os estudantes realizam procedimentos cirúrgicos (cirurgias ambulatoriais previamente
agendadas), colposcopia, ultra-sonografia e ecocardiograma, sob supervisão
docentes/preceptores de cada área.
Recursos Instrucionais Necessários

Área física/Equipamentos/Materiais
• 2 consultórios informatizados para atendimento
• sala para pequenos procedimentos cirúrgicos
• salas e equipamentos para realização de exames (eletrocardiograma, coleta de
Papanicolaou, etc)

Recursos humanos
• Professores/preceptores – 1 professor para cada 2 estudantes (5 professores/período de
4 horas)
• Profissional de informática para gerenciamento da rede de computadores

212
213
Avaliação
Prática: realizada por docentes/preceptores que acompanham os estudantes durante o
estágio, considerando freqüência, pontualidade, iniciativa e conhecimento.
Teórico: Prova no final do estágio, preferencialmente por meio da resolução de casos
clínicos disponibilizada na intranet do Centro Alfa durante a última semana do estágio.
Bibliografia

Básica:
Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas; 2005.

Bouchier IAD, Ellis H, Fleming PR, French’s Diagnóstico Diferencial em Clínica Médica. 13ª
ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2002

Braunwald E, Fauci AS, Kasper DL, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Harrison’s
Principles of Internal Medicine. 15ª ed. New York: McGraw-Hill professional, 2001

Goldman L, Ausiello D. Cecil - Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. São Paulo: Editora
Elsevier, 2005.

Frisoli AJ, Lopes AC, Amaral JL, Ferraro JR, Blum VR. Emergências: Manual de Diagnóstico
e Tratamento. 2ª ed. São Paulo: Sarvier, 2000.

Knobel E. Condutas no paciente grave. 1ª ed. São Paulo: Atheneu;1998.

Atallah NA, Higa, SEM, Schiavon LL, Kikuchi LOO, Cavallazi RS. Guias de Medicina
Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp – Medicina de Urgência. 1ª ed. Barueri: Manole: 2004.

http://www.unifesp.br/dis/bibliotecas/livros.htm (Livros de acesso gratuito)


Http://www.anvisa.org.br (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)
http://www.unifesp.br/bibliotecas/
http://www.hon.ch/HONselect/index_pt.html (Health on net - Ética na Internet)
http://www.unifesp.br/dis/bibliotecas/bdados2.htm (Imagens Médicas)
http://www.unifesp.br/dis/bibliotecas/revistas.htm (Revistas cientificas de acesso gratuito)
http://www.bireme.br (BIREME)

Complementar:
Revistas médicas impressas ou eletrônicas: British Medical Journal (www.bmj.com),
New England Journal Medicine (www.nejm.org);
Revistas do Scielo (www.scielo.org)
Revistas gratuitas em inglês (www.freemedical.com )
Sítios com informações em saúde: www.medicalstudent.com
Sítios de busca geral: www.google.com / www.northernlight.com
Sítios de busca médica: www.pubmed.gov ; www.bvs.br; www.hon.ch/MedHunt

Baracat E e Lima GR. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar – UNIFESP- EPM –


Ginecologia. 1ª edição. Barueri: Edit. Manole, 2004.

Petri V. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar – UNIFESP- EPM – Dermatologia. 1 ª


edição. Barueri: Edit. Manole, 2002.

Mcphee SJ,Tierney LM, Papadakis, MA. Current Medical Diagnosis and Treatment 2005.44th
ed. New York: Mcgraw-Hill Professional: 2004.

213
214

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho Horas
semanais)
Manoel Girão Ginecologia Livre-Docente 40h
Aroldo Walter Medicina Doutor 40
Liberatoli Filho
Adriana Cordovil Diagnóstico por Doutor 20
Imagem
Daniel Bekhor Diagnóstico por Mestre 20
Imagem
Marcos De Paula Cirurgia Especialista 20
Nogueira
Neila Maria De Ginecologia Doutor 20
Goeis Speck
Sonia De Aguiar Diagnóstico por 20
Vilela Mitrald Imagem
Claudia Galindo Informática em saúde Mestre 40
Novoa Barsottini
Zsuzsanna Ginecologia Doutor 40
Jarmy Di Bella

214
215

Unidade curricular: Cirurgia Plástica


Professor Responsável: Luiz Eduardo F Abla Contato: 5576-4118(Silvana ou Marta)
Ano Letivo: 6ª série Semestre: 1º e 2º
Departamento/ Disciplinas: Departamento de Cirurgia – Disciplina de Cirurgia Plástica
Carga horária total: 120 horas
Carga Horária p/ prática 90% Carga Horária p/ teoria 10%
Objetivos:
Geral:
ü Possibilitar ao estudante conhecimento teórico-prático que permita o diagnóstico e
tratamento básico das ocorrências mais comuns em cirurgia plástica.
Específicos: Espera-se que a unidade curricular propicie ao estudante:
ü condições para conduzir com conhecimento cientifico e ética as principais afecções
da área que compõem o campo de atuação do médico
ü realizar diagnóstico e tratamento das doenças da pele, tecido celular sub-cutâneo e
tecido conjuntivo
ü conhecer os principais recursos diagnósticos da área
ü identificar afecções que requerem a assistência do especialista.
Ementa:
Conceito, fisiopatologia, diagnóstico e tratamento das doenças (agudas e crônicas) mais
freqüentes de pele, tecido celular subcutâneo e o tecido conjuntivo.
Conteúdo Programático
ü Tumores de pele ( Carcinomas Baso e Espinocelular, Melanomas)
ü Trauma de Face; Ferimentos traumáticos em geral; úlceras de decúbito.
ü Queimaduras (aguada e crônica)
ü Hemagiomas
ü Reconstrução da mama(apenas princípios gerais)

Metodologia de Ensino Utilizada


ü Reunião da Disciplina (discussão de casos)
ü Ambulatório (Casa da Plástica) : realização de cirurgias ambulatoriais (biópsias,
exéresse tumoral, retalhos locais, enxertos, sutura de ferimentos etc)
Enfermaria: visitas com preceptor
Recursos Humanos e Instrucionais Necessários: Casa da Plástica, Enfermaria,
Ambulatório, Anfiteatros, Multimídia. Docentes e Preceptores
Avaliação :
v Acompanhamento contínuo durante o estágio, considerando interesse, conhecimento
teórico, assiduidade, habilidades e atitudes no desenvolvimento das atividades.
Bibliografia
Básica :
Ferreira LM. Manual de Cirurgia Plástica. 1ª ed. São Paulo: Atheneu. 1995.

Ricca AB, Kobata CM. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar – Pequenas Cirurgias.
1ª ed. Barueri: Ed. Manole, 2004.

Complementar :
Mc Carthy NJ. Plastic Surgery : General Principles. 1st ed. New York: WB Saunders, 1989.

215
216

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de Trabalho
(Departamento) horas
Lydia M. Ferreira Cirurgia Livre Docente 40
Dulce M.F.S.Martins Cirurgia Doutor 40
Helton Traber Castilho Cirurgia Doutor TA-40
Ivan D.A.O.Stos Cirurgia Doutor TA-40
Roberto R Ramos Cirurgia Doutor 40
Fabio X. Nahas Cirurgia Doutor TA-20
Miguel S Neto Cirurgia Doutor TA-20
Renato dos S.O.Filho Cirurgia Doutor TA-20
Elvio B. Garcia Cirurgia Doutor TA-20
Alfredo G. Filho Cirurgia Doutor TA-20

216
217

Unidade curricular: Doenças infecciosas e parasitárias


Professor Responsável: Celso Granato Contato: 5579-8226
Ano Letivo: 6° série Semestre: 1° e 2°
Departamento/ Disciplinas: Departamento de Medicina – Disciplina de Infectologia
Carga horária total: 108 h
Carga Horária p/ prática: 85% Carga Horária p/ teoria:15%
Objetivos
Geral
• Proporcionar ao estudante conhecimento e atividades práticas na assistência a
pacientes com Doenças Infecciosas, observando os cuidados apropriados nas doenças
transmissíveis, incluindo conceitos de prevenção e controle de doenças infecciosas
comunitárias e nosocomiais.
Específicos - Espera-se que esta unidade curricular propicie aos estudantes:
• Conhecer a epidemiologia e clínica das principais síndromes infecciosas;
• Saber solicitar e interpretar os principais testes laboratoriais utilizados no diagnostico
etiológico em doenças infecciosas;
• Utilizar adequadamente os antimicrobianos: antifúngicos, antivirais e antiparasitários.

Ementa
Abordagem inicial do paciente, anamnese, fisiopatologia, diagnóstico e terapia das
principais doenças infecto-contagiosas.
Conteúdo Programático:
• AIDS: fisiopatogenia, clínica, diagnóstico, princíp ios de terapia antiretroviral e
principais infecções oportunistas.
• Febre de origem indeterminada: conceito, conduta e principais etiologias.
• Tuberculose, fisiopatogenia, diagnóstico, tratamento, interação com HIV, medidas de
isolamento e tuberculose multirresistente.
• Micoses profundas: Paracoccidiomicose, criptococcose.
• Sepse: conceito, fisiopatogenia, orientação de tratamento: medidas gerais e
antibioticoterapia.
• Terapia antimicrobiana: principais antibióticos de uso clínico (mecanismo de ação,
sensibilidade, uso clinico, efeitos colaterais); princípios de terapia antiviral: hepatite,
herpes; princípios de terapia antifúngica.
• Infecção Hospitalar: conceito, medidas de isolamento.

Metodologia de Ensino Utilizada


Assistência realizada pelos estudantes a pacientes internados em enfermaria de doenças
infecciosas, sob supervisão docente e de profissionais do setor; visitas realizadas pelos
docentes; aulas teóricas com os docentes e reuniões clínicas da Disciplina.

Recursos Instrucionais Necessários


Enfermaria com estrutura e recursos humanos adequados. Anfiteatro e multimídia.
Avaliação:
Acompanhamento do estudante durante o estágio, observando-se responsabilidade,
assiduidade, interesse, habilidades e comportamento no atendimento aos pacientes.

217
218

Bibliografia

Básica
Veronesi R. Tratado de Infectologia. São Paulo: Editora Atheneu, 1997

Salomão R, Pignatari AC. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp.


Infectologia. 1 ª ed. Barueri: Editora Manole, 2004

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas; 2005.

Mandell GL Principles and Practice of Infectious Diseases. 6° edição. Philadelphia:Elsevier,


2005

Complementar:
Bouchier IAD, Ellis H, Fleming PR, French’s Diagnóstico Diferencial em Clínica Médica. 13ª
ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2002

Braunwald E, Fauci AS, Kasper DL, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Harrison’s
Principles of Internal Medicine. 15ª ed. New York: McGraw-Hill professional, 2001

Goldman L, Ausiello D. Cecil - Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. São Paulo: Editora
Elsevier, 2005.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho (h)
Adauto Castelo Filho Medicina Doutor 40
Antonio Campos Pignatari Medicina Livre-Docente 40
Arnaldo Colombo Medicina Livre-Docente 40
Ricardo Diaz Medicina Livre-Docente 40
Reinaldo Salomão Medicina Livre-Docente 40
Celso Granato Medicina Livre-Docente 40
Eduardo Medeiros Medicina Livre-Docente 40
Sergio Barsanti Wey Medicina Livre-Docente 40
David Lewi Medicina Livre-Docente 40
Manoel Schmal Medicina Doutor 40
Marcelo Buratini Medicina Livre-Docente 40

Unidade curricular: Enfermaria Geral Clínica


Professor Responsável: Contato: orsine.dmed@epm.br
Orsine Valente
Ano Letivo: 6ª série Semestre: 1º e 2º

218
219
Departamento/ Disciplinas: Departamento de Medicina
Carga horária total: 160 horas
Carga Horária p/ prática: 80% Carga Horária p/ teoria: 20%
Objetivos
Geral
• Oferecer ao graduando oportunidades de aplicabilidade prática dos conhecimentos
teóricos em clínica médica para pacientes internados em hospital geral
Específicos - Espera-se que esta unidade curricular propicie aos estudantes:
• Efetuar atendimento e acompanhamento dos pacientes atendidos em enfermaria geral
de adultos
• Elaborar hipóteses diagnósticas, diagnósticos diferenciais das doenças mais freqüentes
no adulto
• Solicitar exames apropriados e seguir plano terapêutico para afecções clínicas
freqüentes em enfermaria de clínica geral de adultos

Ementa
Fisiopatologia, diagnóstico e tratamento de doenças prevalentes do adulto que requerem
atendimento em hospital geral
Conteúdo Programático
• Hipertensão arterial
• Diabetes Mellitus
• Tromboembolismo Pulmonar
• Arritmias Cardíacas
• Insuficiência Renal Aguda e Crônica
• Encefalopatia Hepática
• Equilíbrio Hidro-Eletrolítico
• Cetoacidose Diabética/Coma Hiperosmolar
• Hipoglicemia
• Crise Tireotóxida,
• Coma Mixadematoso
• Acidente Vascular Cerebral
• Síndrome Convulsiva
• Pancreatite Aguda e Crônica

219
220
Metodologia de Ensino Utilizada
Os estudantes desenvolvem atividades práticas em hospital geral (Hospital Vila Maria) na
enfermaria de clínica médica. São responsáveis por leitos (realizam evolução clínica e
prescrição sob supervisão docente). São realizadas visitas diárias, discussões de casos
clínicos e seminários.

Recursos Instrucionais Necessários


Sala de aula, computador com acesso a Internet, data show e retroprojetor.

Avaliação
Realizada por docentes e preceptores, considerando desempenho na condução dos casos
clínicos, relacionamento com a equipe de saúde, pacientes e seus familiares, assiduidade,
pontualidade, interesse e o respeito às normas gerais do hospital
Prova final.

Bibliografia

Básica
Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas; 2005.

Bouchier IAD, Ellis H, Fleming PR, French’s Diagnóstico Diferencial em Clínica Médica. 13ª
ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2002

Braunwald E, Fauci AS, Kasper DL, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Harrison’s
Principles of Internal Medicine. 15ª ed. New York: McGraw-Hill professional, 2001

Goldman L, Ausiello D. Cecil - Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. São Paulo: Editora
Elsevier, 2005.

Frisoli AJ, Lopes AC, Amaral JL, Ferraro JR, Blum VR. Emergências: Manual de Diagnóstico
e Tratamento. 2ª ed. São Paulo: Sarvier, 2000.

Knobel E. Condutas no paciente grave. 1ª ed. São Paulo: Atheneu;1998.

Atallah NA, Higa, SEM, Schiavon LL, Kikuchi LOO, Cavallazi RS. Guias de Medicina
Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp – Medicina de Urgência. 1ª ed. Barueri: Manole: 2004.

Complementar:
Revistas médicas impressas ou eletrônicas: British Medical Journal (www.bmj.com),
New England Journal Medicine (www.nejm.org);
Revistas do Scielo (www.scielo.org)
Revistas gratuitas em inglês (www.freemedical.com )
Sítios com informações em saúde: www.medicalstudent.com
Sítios de busca geral: www.google.com / www.northernlight.com
Sítios de busca médica: www.pubmed.gov ; www.bvs.br; www.hon.ch/MedHunt

Mcphee SJ,Tierney LM, Papadakis, MA. Current Medical Diagnosis and Treatment 2005.44th
ed. New York: Mcgraw-Hill Professional: 2004.

Cochrane Library http://bireme/cochrane

220
221

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Orsine Valente Medicina Docente 40
Gerson Tadeu Medicina Especialista TA/20
Conti
Maria de Fátima Medicina Especialista TA/20
Lucena de Sá
Juliane Amato Medicina Especialista TA/20
Celso Rodrigues Medicina Especialista TA/20
Bittencourt

221
222

Unidade Curricular: Obstetrícia


Professor Responsável Contato:Cleide – 55710761 / 55722605
Cristina Ap. Falbo Guazzelli
Ano Letivo:6 ª série Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas – Departamento de Obstetrícia
Carga horária total: 280h
Carga Horária p/ prática: 85% Carga Horária p/ teoria:15%
Objetivos:
Geral
• Aprofundar os conhecimentos em Obstetrícia e conduzir adequadamente a anamnese
e o exame físico em Obstetrícia.
Específicos – Espera-se que a unidade curricular possibilite ao estudante
• Vivenciar as especialidades e intercorrências em Obstetrícia.
• O reconhecimento e o estabelecimento de medidas adequadas a pacientes grávidas
que apresentem alguma intercorrência clínica, cirúrgica ou obstétrica, realizando
adequadamente a anamnese e o exame obstétrico
• Conhecer as doenças mais freqüentes, seus aspectos epidemiológicos,
diagnósticos e terapêuticos.

Ementa:
Gestação de médio e alto risco. Gravidez na adolescente e na mulher com hipertensão,
diabetes e cardiopatia. Exames subsidiários em obstetrícia.

Conteúdo Programático
Gravidez na adolescência
Abortamento de repetição
Gravidez e diabetes, hipertensão e cardiopatas
AIDS na gravidez
Planejamento familiar
Assistência ao parto normal
Parto e intercorrências

222
223

Metodologia de Ensino Utilizada


1) Atendimento de pacientes grávidas de médio e alto risco em ambulatórios de
especialidades obstétricas
2) Evolução clínica e prescrição de pacientes internadas na enfermaria
3) Participação em atos cirúrgicos
4) Discussão de casos e seminários

Recursos Instrucionais Necessários


1) Salas de atendimento ginecológico-obstétrico
2) Salas no centro obstétrico ou cirúrgico
3) Anfiteatro com data show
4) Professores e preceptores

Avaliação
Realizada no acompanhamento contínuo durante o estágio, observando-se a participação,
interesse, habilidades e interação nas discussões e visitas diárias do Centro Obstétrico e
Enfermaria e por uma prova de testes relacionados as várias intercorrências obstétricas.

Bibliografia

Básica
Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas; 2005.

Camano L, Souza E, Sass , Mattar R. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp


– Obstetrícia. 1a ed. Barueri:Editora Manole, 2003.

Aldrighi JM, Petta CP. Anticoncepção aspectos contemporâneos. Rio de Janeiro: Atheneu,
2005
Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho (horas)
Antonio Fernandes Moron Obstetrícia Livre-docente 40

Abes Mahmed Amed Obstetrícia Doutor 40

Cristina Aparecida Falbo Obstetrícia Doutor 40


Guazzelli
David Baptista da Silva Pares Obstetrícia Doutor 40
Eduardo de Souza Obstetrícia Livre-docente 40
Jorge Francisco Khun dos Obstetrícia Mestre 40
Santos
Julio Elito Júnior Obstetrícia Doutor 40
Luciano Marcondes Machado Obstetrícia Doutor 40
Nardozza
Mary Uchiyama Nakamura Obstetrícia Doutor 40
Nelson Sass Obstetrícia Doutor 40
Nivaldo Silva Correa Rocha Obstetrícia Mestre 40
Renato Martins Santana Obstetrícia Mestre 40
Rosiane Mattar Obstetrícia Livre-docente 40
Rufino Domingues Lopez Obstetrícia Mestre 40
Sandra Maria Alexandre Obstetrícia Mestre 40
Sue Yazaki Sun Obstetrícia Doutor 40

223
224

224
225

Unidade curricular: Pediatria


Professor Responsável: Contato: Amélia Miyashiro Nunes dos Santos
Amélia Miyashiro Nunes dos Santos dpn@osite.com.br
Ano Letivo: 6ª série Semestre: 1o e 2o
Departamento/ Disciplinas: Departamento de Pediatria - Disciplina de Neonatologia, Setor de
Emergências em Pediatria (Pronto Socorro) e Enfermaria Geral de Pediatria
Carga horária total: 546 horas
Carga Horária p/ prática: 83% Carga Horária p/ teoria: 17%

Objetivos
Geral: Propiciar ao estudante a formação geral em Pediatria no âmbito hospitalar e atendimento de
urgências e emergências clínicas e cirúrgicas em pediatria.
Específicos: Espera-se que esta unidade curricular possibilite ao estudante:
Enfermaria de Pediatria e Cirurgia Pediátrica:
• Elaborar a história clínica e realizar o exame físico tendo em conta as particularidades
semióticas próprias à faixa etária
• Formular as hipóteses diagnósticas e propor a conduta mais adequada para o paciente. realizar
os procedimentos como punção venosa e arterial, intubação traqueal, coleta de material para
exames
• Desenvolver habilidade de relacionamento com o paciente e sua família, expondo de forma clara
os diagnósticos e tratamentos propostos e o prognóstico
• Aprimorar o relacionamento interpessoal baseado nos princípios éticos e humanísticos e adquirir
o senso de responsabilidade e compromisso com o paciente
• Desenvolver crítica em relação à prática médica.
Neonatologia:
• A assistência ao recém-nascido normal, desde o nascimento até a alta hospitalar
• Atender o recém-nascido na sala de parto
• Assistir o recém -nascido de médio risco, desde a sala de parto até a alta hospitalar
• Adquirir conhecimentos sobre as doenças mais freqüentes no período neonatal.
Pronto-Socorro de Pediatria:
• Reconhecimento da situação de risco de morte da criança
• Atendimento ao paciente com trauma físico, necessidade de reanimação ou reposição hídrica
• Assistência à criança com doenças agudas mais freqüentes na infância.

Ementa:
Assistência à criança no ambiente hospitalar e em situação de urgência e emergência. Doenças
freqüentes na criança. Assistência ao recém-nascido normal e patológico desde o nascimento até a alta
hospitalar. Principais doenças do recém-nascido.

225
226
Conteúdo Programático: Afecções e doenças mais freqüentes na infância. Procedimentos realizados
com maior frequência na criança.
1) Enfermaria de Pediatria e Cirurgia Pediátrica: Anamnese, evolução e pescrição em pediatria,
distúrbios hidro-eletrolítico e ácido-básico, infecções de vias aéreas superiores, pneumonias,
asma brônquica, bronquiolite, diagnóstico diferencial de doenças respiratórias, meningite,
celulite, doenças do grupo herpes, doenças exantemáticas, osteoartrites, principais bactérias
patogênicas na criança, anemia falciforme, talassemia, esferocitose, síndrome nefrótica,
glomerulonefrite difusa aguda, febre e convulsão febril, diarréia aguda e crônica, avaliação
nutricional, artropatias, cisto tireoglosso, estenose hipertrófica de piloro, invaginação intestinal,
apendicite, abdome agudo, gastrosquise, onfalocele, megacolon congênito, hérnia inguinal
umbilical, hidrocele, cistos da região inguinal, fimose, criptorquidia.
2) Neonatologia: Preenchimento do prontuário médico do paciente, exame físico do recém-nascido,
aleitamento materno, assistência ao recém -nascido normal, asfixia perinatal, reanimação
neonatal, hipoglicemia neonatal, icterícia no recém-nascido, doença hemolítica, fototerapia e
exsangüíneo-transfusão, infecções pré-natais, infecções pós-natais, sífilis congênita, recém-
nascido de mãe diabética, recém-nascido pré-termo, diagnóstico diferencial de desconforto
respiratório, tocotraumatismo, treinamento prático em reanimação neonatal em sala de parto.
3) Pronto-socorro de Pediatria: Reanimação cárdio-respiratória, doenças respiratórias, cardíaca,
circulatória, doenças infecciosas, insuficiência renal e respiratória, doenças cirúrgicas na
infância.

Metodologia de Ensino Utilizada: Atendimento ao paciente, discussões de casos, realização de


procedimentos básicos e aulas teóricas.
1) Enfermaria de Pediatria e Cirurgia Pediátrica: Atendimento à criança internada na Enfermaria
Geral de Pediatria do Hospital Municipal Vereador José Storópoli e atendimento ao paciente que
comparecer ao serviço de pronto atendimento pediátrico do mesmo hospital, participação em
discussões de casos e aulas teóricas.
2) Neonatologia: Assistência ao recém -nascido em sala de parto, no alojamento conjunto e ao
recém-nascido de médio risco internado na Unidade Neonatal do Hospital Municipal Vereador
José Storopoli, realizações de plantões noturnos e nos finais de semana em sala de parto,
evolução do recém-nascidos em alojamento conjunto e atendimento de intercorrências na
Unidade Neonatal em conjunto com o neonatologista de plantão. Participação em discussões de
casos e aulas teórico-práticas programadas para o estágio.
3) Pronto-socorro de Pediatria: Atendimento ao paciente e discussão de casos clínicos, elaboração
de receita médica, prescrição, evolução e alta hospitalar. Plantões noturnos e finais de semana.

Recursos Instrucionais Necessários


ü Sala de discussões e/ou aula
ü Projetor multimídia
ü Computador
ü Projetor de slides
ü Tela de projeção
ü Quadro branco para aula
ü Canetas para lousa
ü Negatoscópio para visualização de radiografias
ü Condições adequadas para assistência aos pacientes
ü Número adequado de pacientes

Avaliação: Interesse e desempenho, freqüência ao estágio, postura ética frente aos pacientes, colegas,
professores e equipe de saúde, assim como prova dissertativa no final do estágio, versando sobre
temas do conteúdo programático dos três setores.

226
227
Bibliografia Básica
Farhat CK, Carvalho ES, Carvalho LHFR, Succi RCM. Infectologia Pediátrica. 2a ed. São Paulo:
Atheneu, 1998.

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes Médicas; 2005.
Morais MB, Campos SO, Silvestrini WS. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp –
Pediatria. 1a ed. Barueri: Manole, 2005.
Martins JL, Cury EK, Pinus J. Temas de Cirurgia Pediátrica. 1a ed. São Paulo: Atheneu, 1997.

O’Neill Jr JA, Rowe MI, Grosfeld JL, Fonkalsrud EW, Coran AG. Pediatric Surgery. 5a ed. St. Louis:
Mosby, 1998.
Kopelman BI, Santos AMN, Goulart AL, Almeida MFB, Miyoshi MH, Guinsburg R. Diagnóstico e
Tratamento em Neonatologia. São Paulo: Atheneu, 2004.
Vaughan VC, McKay RJ, Behrman RE. Tratado de Pediatria – Nelson. 16a ed. Rio de Janeiro:
Guanabara, 2002.

Complementar:
Oldhan KT, Colombani PM, Foglia RP. Surgery of Infantis and Children. 1a ed. Philadelphia: Lippincott-
Raven, 1997.
Ashcraft KW, Holder TM. Pediatric Surgery. 2a ed. Philadelphia: W.B.Saunders Company, 1993.

Keighley MRB, Williams NS. Surgery of The Anus, Rectum And Colon. 1a ed. Londres: W.B.Saunders
Company, 1993.

Walsh PC, Retik AB, Stamey TA, Vaughan ED. Campbell Urología. 6a ed. Buenos Aires: W.B.Saunders
Company, 1992.

Periódicos indexados, consultados através do portal da Capes.

Docentes Participantes

227
228
Nome Origem Titulação Regime de Trabalho
(Departamento)
Amélia Miyashiro Nunes dos Santos Pediatria Doutor DE- 40h
Ana Cláudia Yoshikumi Prestes Pediatria Mestre TA∗-20 h
Ana Lucia Goulart Pediatria Mestre 40 h
Anelise Del Vecchio Gessullo Pediatria Doutor comissionada-20 h
Anna Luiza Pires Vieira Pediatria Mestre TA-20h
Antonio Vladir Iazzetti Pediatria Mestre 40 h
Cecilia Maria Draque Pediatria Mestre TA-40 h
Claudia Rossi Pediatria Mestre TA-20 h
Clóvis Eduardo Tadeu Gomes Pediatria Especializado 40 h
Deyse H. Fernandes da Cunha Pediatria Mestre TA-20 h
Gilberto Petty da Silva Pediatria Especializado 40 h
Gisele Limongelli Pediatria Mestre TA-20h
Joice Fabíola Meneguel Pediatria Mestre TA-20 h
Maria Fernanda Branco de Almeida Pediatria Doutor DE-40h
Mauro Batista de Morais Pediatria Livre Docente - 40 h
Doutor
Milton Harumi Miyoshi Pediatria Mestre DE
Pedro Félix Vital Júnior Cirurg. Pediát. Doutor Comissionado –20 h
Renata Borrozzino Pediatria Mestre TA-20 h
Rita de Cássia Xavier Balda Pediatria Doutor TA-20 h
Ruth Guinsburg Pediatria Livre Docente - DE-40h
Doutor
Suely Dornellas do Nascimento Pediatria Mestre TA-40 h
Wagner Sérgio Silvestrini Pediatria Doutor DE-40h
TA∗= técnico-administrativo

228
229

Unidade Curricular: Suporte avançado de vida em Cardiologia


Professor Responsável: Contato: dborn@uol.com.br
Daniel Born
Ano Letivo: 6ª série Semestre: 2º semestre
Departamentos/Disciplinas participantes: Departamento de Medicina – Disciplina de
Cardiologia
Carga horária total: 24h
Carga Horária p/ prática: 80% Carga Horária p/ teoria: 20%
Objetivos:
Geral
• Proporcionar competências para os graduandos do curso de Medicina no atendimento
sistematizado das emergências clínicas em suporte avançado de vida no adulto
Específicos: Espera-se que a unidade curricular possibilite ao estudante
• Conhecer e saber utilizar a técnica de atendimento das emergências clínicas e PCR no
adulto
• Reconhecer os sinais e sintomas e tratamento imediato e avançado no IAM e AVC
• Executar manobras de ressuscitação no adulto do suporte básico ao avançado de vida
em cardiologia

Ementa
Ressuscitação cárdio-respiratória do adulto. Suporte avançado de vida no adulto.
Atendimento sistematizado de Emergências e Urgências no adulto.
Conteúdo Programático
• Morbidade e mortalidade no adulto
• Ressuscitação cárdio-respiratória
• Suporte avançado de vida no adulto
• Controle não invasivo (Comb-tube e máscara laríngea) e invasivo de vias aéreas
• Reconhecimento de ritmos cardíacos
• Fibrilação ventricular
• Taquicardia ventricular sem pulso
• Taquiarritmias ventriculares e supraventriculares, bradiarritmias, atividade elétrica
sem pulso
• Infarto agudo do miocárdio
• Acidente vascular cerebral.
• Choque

Metodologia de Ensino Utilizada


O curso de Suporte Avançado de Vida em Cardiologia (ACLS) visa ao treinamento prático
com manequins, simuladores de arritmias, equipamentos de ressuscitação, com estações
práticas. O curso consta de aula teórica e prática. O material didático é entregue
previamente à aula teórica e são realizados pré-teste e pós-testes para avaliação do
desempenho. As habilidades são avaliadas pelos instrutores.

Recursos Instrucionais Necessários

Material didático específico;


Bonecos para prática de habilidades;
Laboratório especializado;
Instrutores (professores) habilitados para este tipo de ensino;

Avaliação
Avaliação prática e teórica

229
230

Bibliografia Básica
Suporte Avançado de Vida em Cardiologia, American Heart Association, ILCOR

Docentes Participantes
Nome Titulação Regime de
Origem Trabalho
(Departamento) (horas)
Edson Stefanini Medicina Doutor TA-40
Rita Simone L. Moreira Enfermagem Mestre TA-40
Cláudio Cirenza Medicina Doutor TA-40
Daniel Born Medicina Doutor TA-40

230
231

Unidade curricular: Anestesiolgia, Dor e Terapia Intensiva


Professor Responsável: Contato: Márcia – Secretária
Maria Angela Tardelli
Ano Letivo: 6ª série Semestre: 1º e 2º
Departamento/ Disciplinas: Departamento de Cirurgia – Disciplina de Anestesiologia, Dor e Terapia Intensiva
Carga horária total: 126 h
Carga Horária p/ prática: 77 % Carga Horária p/ teoria: 23 %
Objetivos
Geral
ü Aprimorar a formação médica do estudante com ênfase no cuidado pré, intra e pós-operatório do paciente
cirúrgico assim como controle da dor aguda e crônica.
Específicos: Espera-se que a unidade curricular possibilite ao estudante:
ü Descrever e realizar o preparo pré-anestésico do paciente;
ü Efetuar a monitorização, o controle da ventilação e da hemodinâmica do paciente no intraoperatório;
ü Executar o controle do paciente crítico e a avaliação e tratamento do paciente com dor aguda e/ ou crônica.
Ementa
Cuidados pré, intra e pós-operatório. Analgesia e anestesia. Assistência ao paciente crítico. Controle da dor aguda
e crônica.

Conteúdo Programático
• Ventilação mecânica em anestesia.
• Conceitos gerais em anestesia
• Avaliação pré-operatória: classificação do estado físico, exames laboratoriais, jejum pré-operatório
• Anestesia geral – agentes venosos e inalatórios
• Anestesia local – conceito, mecanismo de ação, bloqueio diferencial, toxidade
• Reposição volêmica
• Vias aéreas – intubação traqueal
• Raqui e peridural
• Recuperação pós-anestésica: complicações respiratórias, cardiovasculares, náuseas e vômitos, alterações da
temperatura e critérios de alta; choque; monitorização em anestesia
• Reanimação cárdio-respiratória
• Monitorização do paciente cirúrgico
• Choque
• Monitorização hemodinâmica
• Ventilação do paciente crítico
• Fisiologia e farmacologia da dor
• Farmacologia dos antiinflamatórios, opióides e outros analgésicos
• Diagnóstico e Tratamento da dor aguda e crônica

231
232
Metodologia de Ensino Utilizada
Cada grupo é subdividido em 3 subgrupos de dois ou três estudantes para desenvolvimento de atividades práticas
no Centro Cirúrgico, no ambulatório de Dor, enfermarias do Hospital São Paulo e na Unidade de Terapia Intensiva
do 6º andar. Nas atividades práticas os estudantes são acompanhados por docentes, pós-graduandos ou
anestesiologistas contratados, sempre sob a supervisão do docente. Seminários e aulas teóricas.
Recursos Instrucionais Necessários
Aulas teóricas – anfiteatros, multimídia. Atividades práticas - equipamentos e materiais necessários para os
procedimentos realizados em anestesia (Centro-Cirúrgico), tratamento do paciente crítico (UTI Geral) e atendimento
ao paciente com dor (Clínica de Dor).

Avaliação
Avaliação de desempenho prático, considerando: interesse, habilidade, pontualidade, postura diante do paciente,
participação no acompanhamento e discussões de casos (Clínica de Dor e Terapia Intensiva) e de anestesias
(Centro – Cirúrgico). No desempenho teórico são considerados: participação nos seminários e avaliação final
através de prova dissertativa abrangendo tópicos discutidos nos seminários de anestesia, terapia intensiva e dor.
Bibliografia:
Básica
• Braz JRC e Castiglia YMM .Temas de Anestesiologia. 2ª ed. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

• Yamashita AM, Takaoka F, Auler Jr JOC, Iwata NM . Anestesiologia SAESP. 5ª Ed São Paulo: Editora Atheneu,
2000.

• Sakata RK, Issy AM. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar – Dor. Unifesp. 1ª ed. Barueri: Editora
Manole, 2003.

Complementar
• David CM .Ventilação Mecânica – da Fisiologia à Prática Clínica. 1ª ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2001.

• Silva MR. Choque. Associação de Medicina Intensiva Brasileira. 1ª ed. São Paulo: Atheneu, 1996.

• David CM Medicina Intensiva. Associação de Medicina Intensiva Brasileira. 1ª ed. Rio de Janeiro: Revinter,
2004.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Adriana M. Izzy Cirurgia Doutor DE
Américo M. Yamashita Cirurgia Mestre 40
David Ferez Cirurgia Doutor 40
Eduardo H. Giroud Joaquim Cirurgia Mestre 40
Maria Angela Tardelli Cirurgia Doutor 40
Marina R. Giroud Joaquim Cirurgia Mestre 40
Masashi Munechika Cirurgia Doutor 40
Minako K. Beppu Cirurgia Mestre 40
Nilza M. Iwata Cirurgia Mestre 40
Rioko Kimiko Sakata Cirurgia Doutor 40

232
233

Unidade curricular: Cirurgia Vascular


Professor Responsável: Maria Del Carmen Contato: Angela ou Renata (secretárias)
Janeiro Perez fone. 5576-4070/5571-4785
Ano Letivo: 6ª série Semestre: 1º e 2º
Departamento/ Disciplinas: Departamento de Cirurgia – Disciplina de Cirurgia Vascular
Carga horária total: 120 horas
Carga Horária p/ prática: 90% Carga Horária p/ teoria: 10%
Objetivos
Geral
ü Fornecer subsídios teórico-práticos para o diagnóstico e tratamento inicial das
doenças vasculares periféricas mais prevalentes.
Específicos: Espera-se que esta unidade curricular possibilite aos estudantes:
ü Atuar adequadamente, como médico geral, na assistência de pacientes portadores
de doenças arteriais, doenças venosas e linfáticas.
ü Realizar a partir da anamnese, exame físico e indicação de exames complementares
um diagnóstico sindrômico, etiológico e topográfico
ü Indicar tratamento oportuno e adequado ao paciente, com o objetivo de minimizar as
seqüelas das doenças vasculares, evitando a perda da função dos membros, as
amputações e até o óbito do paciente em situações mais graves
Ementa:
Conceito, fisiopatologia, diagnóstico e tratamento das doenças arteriais periféricas, venosas
e linfáticas, agudas e crônicas.

Conteúdo Programático:
• Obstrução arterial crônica e aguda (trombose, embolia, trauma vascular)
• Aneurismas arteriais.
• Arterites e Arteriopatias funcionais.
• Trombose venosa profunda aguda.
• Insuficiência venosa crônica e varizes.
• Insuficiência cerebral extracraneana.
• Linfedema dos membros.
• Síndrome de compressão neuro-vascular.
• Hipertensão renovascular.

Metodologia de Ensino Utilizada e cenários:


Enfermaria: O estudante tem a atribuição de realizar evolução e prescrição dos pacientes
internados sob supervisão; admissão de pacientes novos; discussão dos casos internados
com o docente preceptor do dia, abrangendo o conteúdo programático acima descrito e
enfatizando sempre o diagnóstico clínico e o tratamento inicial, com o objetivo de formar
médicos gerais.
Ambulatório: atendimento de casos crônicos e discussão com preceptor escalado para o
ambulatório; participação prática nos retornos para curativo.
Reunião da disciplina: apresentação pelos alunos de casos internados nos leitos sob sua
responsabilidade e previamente selecionados pelo preceptor.
Recursos Humanos e Instrucionais Necessários:
Docente disponível na enfermaria e ambulatório, enfermaria com disponibilidade de leitos e
ambulatório com salas suficientes para a distribuição dos estudantes. Para as reuniões da
disciplina, anfiteatro e recursos audiovisuais para a apresentação dos casos. Multimídia.

233
234
Avaliação:
Prova escrita com questões práticas das doenças vasculares visando o aprendizado das
situações mais freqüentes para o médico generalista e de pronto-socorro; seminário sobre
tema escolhido pelos estudantes, apresentado por eles e discutido com o docente
responsável; o conceito final considera, também, o desenvolvimento do estudante durante o
estágio quanto a atitude, freqüência, assiduidade, interesse e desempenho geral
Bibliografia
Básica:
Maffei FHA, Lastoria S, Yoshida WB, Rollo HA. Doenças vasculares periféricas. São Paulo:
MEDSI, 2002.

Zerbini EJ. Cirurgia Vascular. In: Clínica Cirúrgica Alípio Corrêa Netto. São Paulo: Sarvier;
1974; p.229-560.

Goldman L, Ausiello D. Cecil – Tratado de Medicina Interna (Trad. Kemper A et al.). 22ª ed.
São Paulo: Elsevier, 2005.

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas, 2005

Complementar:
Rutherford RB. In: Vascular Surgery. Philadelphia: WB Saunders; 2000.

Burihan E. Emergências em cirurgia vascular. In: Emergências em cirurgia. São Paulo:


Sarvier, 1995. p.171-194.

Burihan E, Ramos RR . Cirurgia vascular. In: Condutas em cirurgia. São Paulo: Atheneu,
2001. p.701-835.

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
Departamen Trabalho (h)
to
Fausto Miranda Jr. Cirurgia Livre docente 40
Newton de Barros Jr. Cirurgia Doutor 40
Maria del Carmen Janeiro Perez Cirurgia Doutor 40
Jorge Eduardo Amorim Cirurgia Doutor 40
Wellington Gianoti Lustre Cirurgia Mestre 40
José Carlos C.B.Silva Cirurgia Livre -docente 40
Luiz Carlos U.Nakano Cirurgia Doutor TA-20
Susume Ikeda Cirurgia Especialista TA-20
Marcelo Moraes Cirurgia Mestre TA-20

234
235

Unidade curricular: Enfermaria Geral Cirúrgica - HVM


Professor Responsável: Contato: Beth (Coordenadoria Médica
Wellington G Lustre HVM)
Ano Letivo: 6ª série Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Cirurgia
Carga horária total: por estágio (média) – 120 horas
Carga Horária p/ prática: 80% Carga Horária p/ teoria: 20%
Objetivos
Gerais:
• Proporcionar o desenvolvimento de atividades práticas em enfermaria e centro cirúrgico
de um hospital geral

Específicos - Espera-se que esta unidade curricular possibilite ao estudante :


• manuseio com o doente cirúrgico, incluindo acessos venosos, drenos, sondas
• desenvolvimento de cuidados com a ferida cirúrgica, clínica cirúrgica de pré e pós-
operatório.

Ementa: Cuidados pré, intra e pós-operatórios em cirurgia geral. Procedimentos cirúrgicos


por sistemas e aparelhos.
Conteúdo Programático:
• Tratamento cirúrgico de doenças do sistema digestório, urinário, tegumentar, vascular e
torácico
• Tratamento cirúrgico em pediatria
• Cuidados pré, intra e pós-operatório

Metodologia de Ensino Utilizada:


Visitas na enfermaria diária com os preceptores com discussões teórico-práticas;
Centro cirúrgico: acompanhamento de cirurgias com residentes e preceptores;
Ambulatórios: atendimento aos doentes, com orientação dos preceptores;
Atividades teóricas: simpósios desenvolvidos pelos estudantes e discutidos com os
preceptores
Recursos Instrucionais Necessários:
Docentes, enfermaria e centro cirúrgico com recursos humanos e materiais adequados para
um hospital geral; biblioteca; multimídia e anfiteatro.
Avaliação:
A avaliação é realizada por docentes/preceptores de forma contínua durante o transcorrer
do estágio, considerando interesse, assiduidade, responsabilidade, habilidades e atitudes.

Bibliografia
Básica:
Goldman L, Ausiello D. Cecil – Tratado de Medicina Interna (Trad. Kemper A et al.). 22ª ed.
São Paulo: Elsevier, 2005.

Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas, 2005

Complementar: artigos e textos orientados por docentes e preceptoras durante o estágio.

235
236

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Wellington Gianoti Lustre Cirurgia Mestre 40 h
Alessandro Yuji Oshiro HVM Mestre TA-40 h

Inaê Teresinha Moreira HVM Especialista TA-40 h


Cristiano Utida HVM Especialista TA-40h
José Massafumi Nagamine Filho HVM Especialista TA-40h
Massahiko Akamine HVM Especialista TA-40h

236
237

Unidade curricular: Medicina de urgência baseada em evidências


Professor Responsável : Contato: vmoca@uol.com.br
Virginia Fernandes Moça Trevisani
Ano Letivo: 6ª série Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Medicina – Disciplina de Urgência Baseada
em Evidências
Carga horária total: 160 horas
Carga Horária p/ prática: 70% Carga Horária p/ teoria: 30%

Objetivos
Geral
• Capacitar o estudante através da aplicabilidade prática dos conhecimentos teóricos na
Unidade de Emergência, com condutas baseadas nas melhores evidências na
atualidade.
Específicos – Espera-se que esta unidade curricular propicie aos estudantes:
• Realizar primeiro atendimento e acompanhamento dos pacientes graves atendidos na
Unidade de Emergência,
• Elaborar hipóteses diagnósticas e diagnósticos diferenciais, solicitando exames
apropriados e seguindo plano terapêutico enquanto o paciente estiver internado no
setor.
Ementa
Fisiopatologia, diagnóstico e tratamento de doenças do adulto em serviço de emergência.
Exames laboratoriais e de imagem
Conteúdo Programático
• Ressuscitação Cardiorrespiratória Cerebral
• Choque
• Emergências Hipertensivas
• Infarto Agudo do Miocárdio
• Diabetes Mellitus
• Tromboembolismo Pulmonar
• Arritmias Cardíacas
• Insuficiência Renal Aguda
• Encefalopatia Hepática
• Equilíbrio Hidro-Eletrolítico
• Cetoacidose Diabética/Coma Hiperosmolar
• Hipoglicemia
• Crise Tireotóxida, Coma Mixadematoso
• Acidente Vascular Cerebral
• Síndrome Convulsiva
• Coma
• Pancreatite Aguda
Metodologia de Ensino Utilizada
As atividades práticas são realizadas em serviço de emergência, incluindo atendimento aos
pacientes que demandam ao serviço e pacientes em observação e internados na
retaguarda do setor, sempre sob supervisão de docentes e chefes de plantão. São
realizadas visitas diárias, dicussões de casos e seminários.

237
238
Recursos Instrucionais Necessários
Sala de aula, computador com acesso a Internet, multimídia.

Avaliação
Realizada por docentes e preceptores, considerando desempenho na condução dos casos
clínicos, relacionamento com a equipe de saúde, pacientes e seus familiares, assiduidade,
pontualidade, interesse e o respeito às normas gerais do hospital
Prova final.
Bibliografia

Básica
Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes
Médicas; 2005.

Bouchier IAD, Ellis H, Fleming PR, French’s Diagnóstico Diferencial em Clínica Médica. 13ª
ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2002

Braunwald E, Fauci AS, Kasper DL, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Harrison’s
Principles of Internal Medicine. 15ª ed. New York: McGraw-Hill professional, 2001

Goldman L, Ausiello D. Cecil - Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. São Paulo: Editora
Elsevier, 2005.

Frisoli AJ, Lopes AC, Amaral JL, Ferraro JR, Blum VR. Emergências: Manual de Diagnóstico
e Tratamento. 2ª ed. São Paulo: Sarvier, 2000.

Knobel E. Condutas no paciente grave. 1ª ed. São Paulo: Atheneu;1998.

Atallah NA, Higa, SEM, Schiavon LL, Kikuchi LOO, Cavallazi RS. Guias de Medicina
Ambulatorial e Hospitalar/ Unifesp – Medicina de Urgência. 1ª ed. Barueri: Manole: 2004.

Complementar:
Revistas médicas impressas ou eletrônicas: British Medical Journal (www.bmj.com),
New England Journal Medicine (www.nejm.org);
Revistas do Scielo (www.scielo.org)
Revistas gratuitas em inglês (www.freemedical.com )
Sítios com informações em saúde: www.medicalstudent.com
Sítios de busca geral: www.google.com / www.northernlight.com
Sítios de busca médica: www.pubmed.gov ; www.bvs.br; www.hon.ch/MedHunt

Mcphee SJ,Tierney LM, Papadakis, MA. Current Medical Diagnosis and Treatment 2005.44th
ed. New York: Mcgraw-Hill Professional: 2004.

Cochrane Library http://bireme/cochrane

238
239

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
Álvaro Nagib Atallah Medicina Livre-Docente - 40 h
Titular
Elisa Mieko Suemitsu Higa Medicina Doutor 40 h
Eurico Adonias Magosso Medicina Doutor 40 h
Gilmar Fernandes do Prado Medicina Doutor 40 h
Maurício Borges Martins de Araújo Medicina Doutor 40 h
Orsine Valente Medicina Doutor 40 h
Virginia Fernandes Moça Trevisani Medicina Doutor TA-40 h
Wilson Roberto Catapani Medicina Doutor TA-40h
André Castanho de Almeida Medicina Especialista TA-40 h
Bernardo
PernambucoGarcia de Oliveira Soares Medicina Doutor TA-40 h
Jairo Roberto Ferreira Junior Medicina Mestre TA-40 h
Lincoln Sakiara Miyasaka Medicina Doutor TA-40 h
Luis Artur Flores Pelloso Medicina Especialista TA-40 h
Marco Antonio Justo Nadaletto Medicina Especialista TA-40 h
Ricardo Baladi Rufino Pereira Medicina Doutor TA-40 h

239
240

Unidade curricular: Ortopedia e Traumatologia


Professor Responsável : Contato: Secretária Rita (11) 5571-6621
Luiz Aurélio Mestriner mricam.dot@epm.br –
mestrinerla@terra.com.br
Ano Letivo: 6ª série Semestre :1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Ortopedia
Carga horária total: 168h
Carga Horária p/ prática: 85% Carga Horária p/ teoria: 15%

Objetivos
Geral:
• Possibilitar aos estudantes a formação teórica e prática na Especialidade de Ortopedia. O
estágio visa à formação geral de cada sub-especialidade.
Específicos: Espera-se que esta unidade curricular possibilite ao estudante:
• diagnosticar e tratar as patologias da Ortopedia e Traumatologia
• estabelecer uma relação médico-paciente adequada

Ementa:
Propedêutica ortopédica. Crescimento e desenvolvimento ósseo. Doenças da infância do aparelho
locomotor. Traumas ortopédicos. Fraturas. Redução, alongamento e fixação externa de ossos.
Tumores ósseos. Reabilitação em Ortopedia. Medicina Chinesa-Acupuntura
Conteúdo Programático:
• Crescimento e desenvolvimento ósseo: Doenças da infância do aparelho locomotor-
raquitismo Propedêutica Ortopédica,
• Fraturas em geral
• Paralisias: Infantil, Cerebral e Obstétrica.
• Patologias do Pé: Pé plano valgo; Hálux valgo; Pé cavo; Metarsalgia; Pé eqüino-cavo varo
congênito;Metatarso varo; Calcâneo valgo.
• Patologias do Joelho: Osteoartrite do Joelho; lesões ligamentares; Síndrome patelo femoral;
• Deformidades angulares do joelho; Patologias meniscais.
• Patologias do Quadril: Síndrome de Legg-Perthes; Luxação congênita do quadril;
Epifisiólise; Artrite piógena; Osteoartrose de quadril; Necrose da cabeça femoral;
Artroplastia do quadril; Osteotomia do quadril.
• Patologias do membro superior: Anatomia funcional da mão; Lesão dos tendões flexores e
extensores da mão; Lesão dos nervos periféricos; Fraturas da mão e punho; Fraturas e
patologias do cotovelo; Fraturas e patologias do ombro.
• Patologias da coluna: Escoliose; Dorso curvo; Espondilolistese; Fraturas da coluna;
Lombalgia.
• Infecções ósseas
• Tumores ósseos
• Lesões pseudo-tumorais: Cistos ósseos; Granuloma eosinófilo; Miosite ossificante; displasia
fibrosa, Doença de Paget
• Alongamento e fixação externa dos ossos
• Reabilitação em Ortopedia
• Medicina Chinesa-Acupuntura
Metodologia de Ensino Utilizada:
Desenvolvimento de atividades no Lar Escola São Francisco (Reabilitação), ambulatórios, pronto
socorro, plantões no Hospital São Paulo e Vila Maria.

Recursos Instrucionais Necessários:


docentes; consultórios nos serviços de emergência e ambulatórios, equipamentos para diagnóstico
e terapêutica nos serviços hospitalares; anfiteatro e recursos áudio-visuais.

240
241
Avaliação:
acompanhamento do estudante – assiduidade, interesse, responsabilidade, progressão do
conhecimento e habilidades durante o estágio; prova escrita.
Bibliografia Básica:
Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. 22ª ed. São Paulo: Editora Artes Médicas;
2005.

Goldman L, Ausiello D. Cecil - Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. São Paulo: Editora Elsevier,
2005.

Complementar: artigos e textos orientados por docentes e preceptores durante o estágio

Docentes Participantes
Nome Origem Titulação Regime de
(Departamento) Trabalho
(horas)
Alberto Brunner Ortopedia Especialista TA-20
Antonio Masseo de Castro Ortopedia Especialista TA-20
Carlos Henrique Fernandes Ortopedia Doutor TA-20
Eduardo Abdalla Saad Ortopedia Doutor TA-20
Eduardo Barros Puertas Ortopedia Livre-Docente TA-40
Fernando Baldy dos Reis Ortopedia Livre-Docente TA-20
Geraldo S.M. Granata Júnior Ortopedia Especialista TA-20
Hilário Boatto Ortopedia Doutor TA-40
João Baptista Gomes dos Santos Ortopedia Doutor TA-40
João Carlos Belloti Ortopedia Doutor TA-40
Jorge Mitsuo Mizusaki Ortopedia Doutor TA-40
José Carlos Melo Chagas Ortopedia Doutor TA-20
Luiz Aurélio Mestriner Ortopedia Mestre 40
Mario André Santana Ishida Ortopedia Mestre TA-40
Reynaldo Jesus Garcia Filho Ortopedia Livre-docente 40
Roberto Dantas Queiroz Ortopedia Mestre TA-40
Wesley Max Ramos Ortopedia Mestre TA-40
Ysao Yamamura Ortopedia Livre-docente 40

241
242

Unidade curricular: Pronto-Socorro de Cirurgia


Professor Responsável: Milton Scalabrini Contato: Elizabeth
5576.4033 - 5571.2098
Ano Letivo: 6ª série Semestre: 1º e 2º
Departamentos/Disciplinas: Departamento de Cirurgia – Setor Pronto Socorro de Cirurgia
Carga horária total: 248h
Carga Horária p/ prática: 90% Carga Horária p/ teoria:10%
Objetivos:
Geral: Fornecer capacitação teórico-prática para o atendimento, diagnóstico e conduta
inicial nas urgências e emergências cirúrgicas.

Específicos: Espera-se que esta unidade curricular possibilite aos estudantes:


• reconhecimento rápido dos quadros de urgência e emergências cirúrgicas
• diagnóstico por meio da anamnese e exame físico, no ambiente de Pronto-Socorro
• adotar conduta inicial tanto diagnóstica quanto terapêutica, envolvendo as urgências
cirúrgicas e, notadamente, três áreas de emergência cirúrgica - as síndromes
hemorrágicas, o abdomen agudo e o trauma.

Ementa: Conceito, etopatogenia, diagnóstico e conduta inicial nas urgências e emergências


cirúrgicas.
Conteúdo Programático:
Urgências em cirurgia plástica (queimados e trauma de face)
• Urgências em cirurgia torácica (trauma de tórax, pneumotórax espontâneo, hemoptise)
• Urgências em cirurgia cardiovascular (tamponamento cardíaco, ferimento cardíaco)
• Urgências em urologia (trauma genito-urinário, hematúrias)
• Urgências em cirurgia vascular (lesões arteriais, venosas, obstruções arteriais, trombose
venosa)
• Traumatismo cervical
• Abdomen agudo
• Síndromes hemorrágicas do aparelho digestivo.
Metodologia de Ensino Utilizada:

Sala de trauma: Atendimento a vítimas de traumatismos durante 24 horas.

Sala de sutura: Atendimento de pacientes com ferimentos para tratamento cirúrgico


(suturas, drenagens, curativos)

Pronto-atendimento: Atendimento de pacientes encaminhados após triagem para


avaliação cirúrgica

Enfermaria: Unidades de retaguarda com pacientes internados e com cuidados pós-


operatórios, semi-intensivo e intensivo

Visita/Passagem de plantão: Discussão diária de todos os atendimentos feitos pelos


alunos e apresentação dos casos clínicos internados.

Recursos Instrucionais Necessários: Anfiteatro e Multimídia para atividades teóricas.


Pronto-Socorro com estrutura adequada e demanda de pacientes para este atendimento.
Avaliação:
Prova com questões de múltipla escolha no final do estágio e avaliação contínua durante o
estágio referente a habilidades, atitudes, responsabilidade e interesse.

242
243
Bibliografia:
Básica:
• Higa SEM, Atallah NA. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar. Unifesp – Medicina
de Urgência. 1ª ed. Barueri: Editora Manole, 2004.

• Borges DR, Rothschild HA. Atualização Terapêutica. São Paulo: Editora Artes Médicas,
22ª edição, 2005.

• Cecil RL. Tratado de Medicina Interna. 22ª ed. Editora Elsevier, 2005.

Complementar: artigos indicados por preceptores/ chefes de plantão no decorrer do estágio


em função dos casos atendidos

Docentes Participantes:
Nome Origem Titulação Regime de
(Depto) Trabalho
Prof. Dr. Milton Scalabrini Cirurgia Mestre 40 hs
Dr. Sun Rei Lin Cirurgia Especialista TA/40 h
Dr. Su Bong Kim Cirurgia Especialista TA/40 h
Dr. Elaudelino Cruz Filho Cirurgia Especialista TA/40 h
Dr. Marcelo Camargo Braga Cirurgia Especialista TA/40 h
Dr. Carlos Haruo Arasaki Cirurgia Especialista TA/40 h
Dr. José Massafuni Nagamine Cirurgia Especialista TA/40 h
Dr. Marcelo Linhares Cirurgia Especialista TA/40 h
Dr. Mário Kono Cirurgia Especialista TA/40 h
Dra. Rita Maria A. M. Moura Cirurgia Especialista TA/40 h
Dr. Maurício P. Ricci Cirurgia Especialista TA/40 h
Dra. Maris Salete Demuner Cirurgia Especialista TA/40 h
Dra. Luciana Garofalo Cirurgia Especialista TA/40 h
Dr. Arsenio Barreira Barrio Cirurgia Especialista TA/40 h

243