Você está na página 1de 5

DIREITO PROCESSUAL PENAL - SUJEITOS PROCESSUAIS

Noções básicas frente as novas modificações das Leis 11.690/08 e 11.719/08.

Processo – relação jurídica estabelecida entre as partes e juiz, por isso mesmo,
é uma relação pública angular, isto é, sempre no topo estará o juiz.

Sujeito, propriamente dito, é aquele que participa do processo penal sem


efetivar qualquer tipo de postulação, qual seja, o juiz.

Partes principais – realizam postulação, mormente, pertinente ao objeto do


processo.

Partes acessórias ou secundárias – não realizam pedidos principais


(absolvição/condenação), por outro viés, realizam outras postulações.
Exemplo:
ofendido quando atua como assistente de acusação, art. 268, CPP; o terceiro
prejudicado, art. 120, CPP (incidente processual); embargos de seqüestro de
bens, art. 130, II, CPP; o fiador do réu (incidentes relacionados à fiança, art
329, 335 e 347 do CPP).

Terceiros – participa do processo, não realiza requerimentos, mas tem como


função auxiliar o judiciário no andamento processual – serventuários.

Vale ressaltar: art 133, CF, in fine: “O advogado é indispensável à


administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no
exercício da profissão, nos limites da lei.”

Juiz – ocupa o topo da relação jurídica processual, sendo o agente responsável


pela jurisdição (poder soberano do Estado), que tem competência de dizer o
direito no caso concreto.

Juiz moderno – resguardar os direitos e garantias do cidadão (réu, em


especial), daí, não poder participar da produção de provas, apenas na função
supletiva, antigo art. 156, CPP. A lei 11.690/08, alterou a redação do artigo.

Art. 156. A prova da alegação incumbirá a quem a fizer, sendo, porém,


facultado ao juiz de oficio:

I – ordenar, mesmo antes de iniciada a ação penal, a produção antecipada de


provas consideradas urgentes e relevantes, observando a necessidade,
adequação e proporcionalidade da medida;

II – determinar, no curso da instrução, ou antes de proferir sentença, a


realização de diligências para dirimir dúvida sobre ponto relevante.

Alguns doutos doutrinadores entendem, e com a devida razão, de que a busca


da verdade real, principalmente frente ao inciso I, do art. 156, CPP, violaria a
imparcialidade do juiz. Segundo Nelson de Miranda Coutinho, “...quando se
tem um juiz instrutor, o réu tem que chamar para ser seu advogado, Deus,
ainda assim, não será capaz de elidir sua culpa”. É dizer: não haverá paridade
de armas, ademais a ampla defesa é totalmente mitigada, mormente, dá-se
azo ao raciocínio dedutivo, não sendo este o adotado pela nossa Constituição
Federal de 1988.

IDENTIDADE FÍSICA DO JUIZ

O juiz que instrui o processo deverá ser o mesmo a julgar o feito. Consagra o
princípio da imediatidade, facilita, portanto, a busca da verdade real, art. 502,
parágrafo único.

A Lei 11.719/08 alterou os artigos 399 do CPP, acrescentando o parágrafo 2º,


que diz:

“o juiz que presidir a instrução deverá proferir a sentença.”

REGULARIDADE DO PROCESSO

Princípio do impulso oficial. O juiz no processo penal, deve, a todo momento,


manter a regularidade do processo. O processo deve ser isento de vícios e
nulidades. O juiz deve a todo tempo dar andamento regular ao processo,
promovendo-o naturalmente, por isso, que em processo penal, não existe
abandono da causa, como no caso da perempção no Processo Civil, que
ensejará julgamento sem resolução do mérito.

JURISDIÇÃO

Quando se fala em jurisdição (a soberania do Estado-juiz de trazer para si a


resolução dos conflitos), há que se ter em mente conceitos como: investidura,
capacidade e imparcialidade.
Capacidade se presume a partir do concurso público. Imparcialidade diz
respeito tratar com igualdade as proposições das partes, art 252, CPP. Ato
processual praticado por juiz incompetente, torna-se inexistente. Vício mais
grave que a nulidade. No impedimento o vício é da causa.
Há que se ressaltar que se exige a prova da parcialidade do juiz. (exemplo:
suborno ao juiz), artigos 112 e 564 do CPP.

MINISTÉRIO PÚBLICO

O MP ocupa dois importantes espaços como sujeito processual, quais sejam:


como sujeito e parte (art. 257, CPP – CUSTUS LEGIS).

Não se pode deixar de elencar o art. 127, da CF, in verbis:

“O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional


do Estado, incumbido-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e
dos interesses sociais e individuais indisponíveis.

Parágrafo 1º São princípios institucionais do Ministério Público a unidade, a


indivisibilidade e a independência funcional.”
Até 2004, era tranqüila a aceitação do princípio da inamovibilidade do MP,
porém, em 02 Acórdãos do STF, tornou-se pacífico o entendimento de que é
um órgão indivisível, portanto, não há problema em substituir seus membros.

CONCEITOS SUPRA-IMPORTANTES, PARA MELHOR ENTENDER A


RELAÇÃO PROCESSUAL:

DEFESA TÉCNICA

O art. 133 CF é claro ao dizer que é indispensável o advogado para


administração da justiça. Vale a regra de que o acusado não possui capacidade
postulatória, mas pode exercer sua própria defesa, nos casos do próprio réu
ser advogado, também no Habbeas Corpus e na interposição do recurso no
Processo Penal.

AMPLA DEFESA

Divide-se em auto-defesa (disponível) e a defesa técnica (indisponível).


SÚMULAS 523 E 708 DO STF.
Não é recomendável ao acusado fazer sua própria defesa perante o Júri. É
mais que notório, mas torna-se viável ressaltar de que o defensor constituído
será o que o acusado tiver confiança.
O art. 265 do CPP, diz sobre o desligamento da causa. Muito criticado pela
doutrina. Ora cadê a independência e livre-arbítrio do advogado? Autonomia
(critério do juiz?).

Frente a Constituição Federal de 1988, a doutrina entende-se por analogia


extensiva do art. 194 que, também, foi revogado o artigo 262 do CPP.

ASSISTENTE DE ACUSAÇÃO

É a posição ocupada pelo ofendido, quando atua ao lado do MP, sendo parte
secundária, haja vista tratar-se de Ação Pública Incondicionada. Visa-se à
condenação do réu, com o fito de apanhar com a sentença, título executivo no
juízo cível, havendo a execução sobre perdas e danos – objetivo
contemporâneo é realizar justiça. O assistente atua se quiser. Atende-se,
mormente, à condenação a um interesse social.
A intervenção do ofendido, art. 268 do CPP, traz duas correntes que se
posicionam:
A uma, que entende ser posição de assistente as elencadas no art 268 e 31 do
CPP, defendida por Nucci, Vicente Greco, Paulo L. Nogueira.
A duas, defendida por Tourinho Filho e Mirabete, minoritária, defendendo que
além do art 268 do CPP, ainda poderá atuar como assistente:
Art. 2º, par 1º, Dec Lei 201/67 – Crime prefeito;
Art. 81 e 82 CDC;
Art. 26, par único da Lei 7.492/86;
Regula a comissão mobiliária de valores, e também do Banco Central – podem
atuar como assistente de acusação na ação penal.
Intervenção da OAB em processos criminais nos pólos ativo e passivo, art. 49 –
Estatudo da OAB;

Ressalvas imprescindíveis ao assistente de acusação:


Recebimento da causa no estado em que estiver, art. 269, CPP);
É vedado ao co-réu atuar como assistente, art. 270, CPP; nesse aspecto é bom
salientar que o legislador quis evitar a vingança privada, no entanto, os
Tribunais admitem que o co-réu recorra contra o seu comparsa, se houver
sentença absolutória e contra ela não recorrer o MP.
Atribuições do assistente, art. 271 CPP; a prova somente será aceita se o MP
concordar. Doutrina majoritária afirma que o assistente pode arrolar
testemunhas desde que dentro do rol máximo de testemunhas; e ainda, sob
aquiescência do MP e, por último, antes da defesa prévia do réu.
Oposição do MP à admissão do assistente, art. 272, CPP; O MP pode alegar a
falta de legitimidade do assistente. Há, mormente duas correntes: a uma,
defende a conveniência e oportunidade – poder discricionário – minoritária; a
duas, somente pode alegar a legitimidade o ofendido ou seu procurador e as
pessoas elencadas no art. 31 do CPP.

Recurso contra o deferimento ou indeferimento do pedido de assistência, art


273, CPP; Ora, não há recurso neste caso, o que cabe é o remédio heróico –
mandado de segurança – se provar legitimidade terá direito liquido e certo de
ingressar como assistente.

Observação: o assistente de acusação será intimado de todas os atos


processuais, mas se ele não comparecer a um desses atos, deixará de ser
intimado, art. 271, par 2º, do CPP.

FUNCIONÁRIOS DA JUSTIÇA

Todos são considerados terceiros, não fazem requerimentos, mas atuam no


processo auxiliando.

O art. 274 do CPP elenca os casos de suspeição, entretanto, o Professor Nucci


diz que: os serventuários já são fiscalizados pelo poder correcional e ainda,
não determinam nada no processo. Como então haver suspeição?

O perito é o auxiliar da justiça, especialista em determinada matéria que deve


esclarecer ao juiz matéria que foge de sua alçada.

Intérprete é, também, auxiliar da justiça que elabora estudo para esclarecer ao


juiz e as partes idioma estrangeiro.

Juiz como perito ou intérprete – não é possível falar aos autos – sob pena de
macular a imparcialidade.

Perito oficial está vinculado à carreira, efetivado por concurso público. Já o não
oficial, não é concursado, no entanto, tem notório saber sobre a matéria. O
perito oficial não precisa se comprometer – termo de compromisso. Já o perito
não oficial, lavra-se o termo de compromisso, tornando-se, por conseguinte,
funcionário – servidor público.

A Lei 11.690/08 alterou o art. 159, parág 3º a 5º (cabe a parte a faculdade de


nomear peritos assistentes) além disso, poderão formular quesitos aos peritos.

Art. 279/280 do CPP – impedimento e suspeição. Há elogio da doutrina, pois


neste caso interferirão na decisão do juiz.

Art. 281, CPP, disciplina análoga aos peritos.

Clovis Rodrigues Filho


Publicado no Recanto das Letras em 03/10/2008
Código do texto: T1210014

Você também pode gostar